Anda di halaman 1dari 40
AULA DEMONSTRATIVA 1. APRESENTAÇÃO INICIAL 2 2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO 4 3.

AULA DEMONSTRATIVA

  • 1. APRESENTAÇÃO INICIAL

2

  • 2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

4

  • 3. PODERES DA ADMINISTRAÇÃO ........................................................................

5

.........................................................................................

  • 3.1 PODER VINCULADO

6

  • 3.2 PODER DISCRICIONÁRIO

7

  • 4. QUESTÕES DE NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

10

  • 5. LISTA DAS QUESTÕES APRESENTADAS NA AULA

34

  • 6. BIBLIOGRAFIA..............................................................................................

40

Nessa aula veremos o seguinte tópico do seu edital:

Poderes da administração: vinculado, discricionário, hierárquico, disciplinar e regulamentar.

Concurso: Noções de Direito Administrativo Cargo: Carreiras de nível médio Matéria: Noções de Direito Administrativo Professor: Lorena Rachel Vasconcelos

Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências.

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 1. Apresentação Inicial Caro(a) aluno(a) É

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

1. Apresentação Inicial

Caro(a) aluno(a)

É um imenso prazer integrar a equipe do Concurseiro 24 horas e ministrar este curso de Teoria e exercícios de Noções de Direito Administrativo para cargos de nível médio.

Esse curso faz parte de um projeto muito bacana do site Concurseiro24horas. É um curso inteiramente gratuito, que possibilitará o conhecimento de nossa metodologia e o formato dos nosso cursos, além de possibilitar o início da preparação para concursos públicos, com um material de altíssima qualidade.

Nessa breve apresentação vou passar algumas breves informações sobre mim e sobre o curso que irei ministrar.

Sou advogada e pós graduada em direito público pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG). Sempre almejei ser servidora pública. Porém, quis obter experiência como advogada, que é uma carreira tão atraente. Me formei em dezembro de 2008 e advoguei por 3 anos, período no qual adquiri experiência em diversas áreas e dei início à preparação para o futuro cargo público. Frequentei inúmeros cursinhos em busca de aperfeiçoamento com foco na carreira pública. No início de 2012, abandonei a advocacia e passei a me dedicar exclusivamente aos concursos públicos.

Ao completar exato 1 ano de dedicação integral aos concursos, obtive a primeira aprovação em um concurso expressivo, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT e, nesse mesmo ano, fui aprovada para o cargo de analista processual do Ministério Público da União MPU. Aguardo a nomeação em ambos. A primeira, no TJDFT, está prevista para junho/2014. Vocês podem imaginar a ansiedade com que aguardo, né?

Atualmente trabalho com um Procurador do Estado de Alagoas, o que me permite obter experiência na advocacia pública.

Quero passar para vocês um pouco da minha experiência com concursos públicos. Durante muito tempo estudei de forma errônea. Me dediquei muito à parte teórica e negligenciei, por inexperiência, a parte objetiva, qual seja, o conhecimento do perfil da banca e a sua maneira de abordar os temas constantes dos editais.

Hoje, ainda sou concurseira, como todos vocês, pois vislumbro cargos melhores do que os que fui aprovada. Afirmo categoricamente que o diferencial é o conhecimento do perfil da banca, o qual é adquirido com a resolução do maior número possível de questões.

O

nosso maior

aliado é

o

tempo. Por

essa razão,

os cursos

em

pdf

são

tão

fundamentais na nossa vida de concurseiro. Minha intenção com este curso é ministrar aulas direcionadas a concursos de nível

médio, de forma clara e direta, fornecendo o máximo de informações e abordando

os temas mais importantes

Prof. Lorena Vasconcelos

referentes à matéria de Noções de Direito

2

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ Administrativo , sem perder a objetividadelorenavasconcelos@concurseiro24horas.com.br Facebook: Lorena Rachel (Vejo todo dia, portanto, é a melhor forma de interagirem comigo, ok?) Twitter: @loresbsb (Sigam-me os bons!) rs “O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem” João Guimarães Rosa Prof. Lorena Vasconcelos 3 " id="pdf-obj-2-3" src="pdf-obj-2-3.jpg">

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Administrativo, sem perder a objetividade e dispersar para temas que não caem nas provas, evitando opiniões pessoais e doutrinárias que não são acolhidas nos concursos.

Irei focar na resolução de questões de diversas bancas, especialmente Cespe e FCC, que organizam a maior parte dos concursos públicos expressivos.

Particularmente, não me agrada o perfil que privilegia apenas a “decoreba”,

adotado por algumas bancas. Não que a memorização não seja importante, mas devemos confiar em bancas que contemplam candidatos mais maduros e capazes de interpretar melhor os temas.

Feitas essas observações, vejamos abaixo o conteúdo programático referente à nossa disciplina e a seguir a distribuição dos pontos nas aulas.

Quero interagir com vocês. Vou deixar os meus contatos. Falem sempre comigo, ok? Espero o feedback. Sugestões, dúvidas, críticas são sempre bem vindas. e-mail: lorenavasconcelos@concurseiro24horas.com.br

Facebook: Lorena Rachel (Vejo todo dia, portanto, é a melhor forma de interagirem comigo, ok?)

Twitter: @loresbsb (Sigam-me os bons!) rs

“O correr da vida embrulha tudo.

A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta.

O que ela quer da gente é coragem”

Prof. Lorena Vasconcelos

3

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE NOÇÕES DE

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

AULA

TÓPICO A SER ABORDADO

 

AULA 01

  • 3. Poderes da administração: vinculado, discricionário, hierárquico, disciplinar

(DEMO)

e regulamentar.

AULA 02

  • 1. Ato administrativo: conceito, requisitos, atributos, classificação, espécies e

invalidação. 1.1. Anulação e revogação. 1.2. Prescrição.

 

AULA 03

  • 2. Controle

administração

da

controle

pública:

administrativo,

controle

legislativo e controle judiciário.

 

AULA 04

  • 3. Agentes administrativos: investidura e exercício da função pública. 3.1.

Direitos e deveres dos servidores públicos. 3.2. Processo administrativo:

conceito, princípios, fases e modalidades.

 

AULA 05

  • 5. Princípios básicos da administração. 5.1. Responsabilidade objetiva da

administração. 5.2. Improbidade administrativa.

 

AULA 06

  • 6. Serviços

públicos:

conceito,

classificação,

regulamentação,

formas

e

competência de prestação.

 

AULA 07

  • 7. Administração direta e indireta, centralizada e descentralizada.

 

AULA 08

  • 8. Lei nº 8.112/1990 e alterações. 3. Poderes da Administração: vinculado,

discricionário, hierárquico, disciplinar e regulamentar

 

AULA 09

  • 9. Lei nº 8.666/1993, arts. 1º a 6º, 20 a 26, e 54 a 80, e suas alterações. 10.

Lei nº 9.784/1999: processo administrativo no âmbito

 

AULA 10

Revisão. Bizu Teórico. Simulado. Encerramento

 

Prof. Lorena Vasconcelos

4

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 3. PODERES DA ADMINISTRAÇÃO Bom, imagino

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

3. PODERES DA ADMINISTRAÇÃO

Bom, imagino que todos os que decidiram ingressar no universo dos concursos têm noção da importância da matéria direito administrativo. Não só para a sua aprovação, mas também para o exercício das suas atribuições, depois de aprovado.

O direito administrativo trata de

tudo

o que diz respeito à Administração

Pública, em todas as suas esferas, Legislativo, Executivo e Judiciário.

É, sem dúvida, uma das matérias de maior importância. Razão pela qual, devemos estudar detalhadamente todos os conceitos e particularidades dessa área. A minha proposta é iniciarmos um projeto para gabaritar Direito Administrativo.

O tema “Poderes Administrativos” é uma delícia de se estudar.

Então

vamos nessa!

....

 

São

postulados

do

regime

jurídico

administrativo

o

Princípio da

Supremacia do interesse público e o princípio da indisponibilidade do interesse público. Esses princípios são os princípios básicos e implícitos da administração. Aqui já vou deixar a minha primeira dica importante pra vocês:

DICA DA PROFESSORA Devemos estar sempre atentos aos detalhes. As bancas têm o hábito de afirmar nas provas que esses princípios estão expressos. Essa afirmação é falsa. Os princípios da Supremacia do interesse Público e da indisponibilidade do interesse público são princípios IMPLÍCITOS ou NÃO EXPRESSOS. Portanto, caso vocês se deparam com a afirmativa de que são princípios expressos, marquem ERRADO, sem medo de ser feliz, ok?

Os princípios expressos do direito administrativo são os do famoso LIMPE (Legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)

Bom

...

vamos seguir

...

Do postulado da supremacia do interesse público derivam todas as prerrogativas especiais de que dispõe a administração pública. Essas prerrogativas são conferidas tão somente na estrita medida em que necessárias à satisfação dos fins públicos, cuja persecução o mesmo ordenamento jurídico lhe impõe. Tais prerrogativas consubstanciam os chamados poderes administrativos.

DICA DA PROFESSORA : As Afirmativas:

1 Os poderes administrativos são justificados pelo princípio da supremacia do interesse público.

Prof. Lorena Vasconcelos

5

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 2 – A supremacia do interesse

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

2 A supremacia do interesse público fundamenta os chamados poderes administrativos.

Tais afirmativas podem ser consideradas

corretas. Quando

aparecerem na prova de vocês, marquem CERTO, sem medo de ser feliz, ok?

Esses “poderes” são exercidos pelos administradores públicos nos termos da

lei, com estrita observância dos princípios jurídicos e respeito aos direitos e

garantias fundamentais.

Em decorrência do postulado da indisponibilidade do interesse público, a Constituição e as leis impõem ao administrador público alguns deveres especiais e peculiaridades, preordenados a assegurar que sua atuação efetivamente se dê em benefício do interesse público e sob controle direto e indireto do titular da coisa pública: o povo. São os chamados deveres administrativos.

Bem futuros agentes públicos, diante disso podemos sintetizar que: A administração pública se fundamenta em dois postulados básicos e IMPLÍCITOS

(NUNCA ESQUEÇAM ESSA DICA DA PROFE): O princípio da supremacia do interesse

público (que dá ensejo aos chamados “poderes”) e o Princípio da indisponibilidade do interesse público (que fundamenta os “deveres”).

PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Representam instrumentos que, utilizados isolada ou conjuntamente, permitem à administração cumprir suas finalidades. Trata-se, portanto de poderes instrumentais. O Prof. José dos Santos Carvalho Filho conceitua os poderes administrativos

como “o conjunto de prerrogativas de direito público que a ordem jurídica confere aos agentes administrativos para o fim de permitir que o Estado alcance seus fins”.

Bom, meus queridos aluninhos futuros agentes administrativos do M.T.E. Como a banca não delimitou quais os poderes seriam cobrados, acho prudente estudarmos tudo sobre o tema. Vou tratar com vocês os poderes administrativos mais frequentemente descritos pela doutrina, cabendo frisar que de forma nenhuma eles esgotam o conjunto de restrições e de prerrogativas especiais que orientam a atuação da administração pública no adequado desempenho de suas inúmeras atribuições.

3.1 Poder Vinculado

Prof. Lorena Vasconcelos

6

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ O Poder vinculado é aquele de

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

O Poder vinculado é aquele de que dispõe a administração para a prática de atos administrativos em que é mínima ou inexistente a sua liberdade de atuação, ou seja, é o poder de que ela se utiliza quando pratica atos vinculados.

Em síntese, deve se observar o conteúdo rigidamente estabelecido na lei.

Uma anotação importantíssima sobre o Poder Vinculado é saber que ele também é fundamento dos atos discricionários, quanto aos elementos vinculados destes, a saber, a competência, a finalidade e, segundo a doutrina tradicional, a forma.

DICA DA PROFESSORA A seguinte questão:

O poder vinculado não se confunde com o poder discricionário, tendo em vista a liberdade do administrador na adoção de todos os elementos vinculados deste. Essa questão errada. A competência, a finalidade e a forma são elementos sempre vinculados. (DICA IMPORTANTE DA PROF: A forma é apontada por importantes administrativistas atuais como elemento que pode ser vinculado ou discricionário, dependendo do que dispuser a lei que discipline a prática do ato.

É fácil constatar que o assim denominado “poder vinculado” não é exatamente um

poder, mas sim um dever da administração pública. A administração está muito mais cumprindo um dever do que exercendo uma prerrogativa.

No caso de um ato vinculado, quando a administração verifica estarem presentes os pressupostos de sua edição, ela é obrigada a praticá-lo, não dispondo de qualquer poder para se abster de atuar, ou para deixar de observar estritamente o conteúdo do ato, objetivamente descrito na lei de regência.

3.2 PODER DISCRICIONÁRIO

E então pessoal? Firmes nos poderes? Caso ao ler o material fiquem com alguma dúvida, podem anotar e me enviar por e-mail, que responderei a todas as dúvidas, ok?

O objetivo é aprender e gabaritar direito administrativo que é, ao meu ver, uma das matérias de maior importância de qualquer concurso. E é um tema gostosinho de se estudar, não é?

Bom, vamos falar agora do poder discricionário, que anda lado a lado com o poder vinculado. Bora?

Primeiro vamos estudar o conceito, para facilitar o entendimento de vocês.

Prof. Lorena Vasconcelos

7

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ O poder discricionário é o conferido

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

O poder discricionário é o conferido à administração para a prática de atos discricionários (e sua revogação), ou seja, é aquele em que o agente administrativo dispõe de uma razoável liberdade de atuação, podendo valorar a oportunidade e a conveniência da prática do ato, quanto ao seu motivo, e, sendo o caso, escolher, dentro dos limites legais, o seu conteúdo (objeto).

DICA DA PROFESSORA Pessoal, essa é a aula demonstrativa, durante o nosso curso, quando formos tratar dos poderes administrativos, já teremos estudado os atos administrativos, ai ficará mais fácil a compreensão. Mas adianto o seguinte:

Os atos administrativos possuem 5 elementos:

  • 1 Competência

  • 2 forma

 
  • 3 finalidade

  • 4 motivo

  • 5 objeto

No

poder

discricionário

o

legislador

confere

à

administração

liberdade quanto ao motivo e objeto de edição do ato, ok?

Lembrando

que

poder

no

vinculado,

todos

os

elementos

são

vinculados, não possuindo, portanto, o administrador liberdade para atuar.

O núcleo do poder discricionário é a autorização legal para que o agente público decida, nos limites da lei, acerca da conveniência e da oportunidade de praticar, ou não, um ato administrativo e, quando for o caso, escolher o seu conteúdo.

Segundo

a

corrente

discricionariedade:

hoje

dominante

em

nossa

doutrina, existe

a) Quando a lei expressamente dá à administração liberdade para atuar dentro de limites bem definidos.

b) Quando a lei emprega conceitos jurídicos indeterminados na descrição do motivo determinante da prática de um ato administrativo.

Porém, meus aluninhos, nunca esqueçam!!!!!!!! MESMO OS A

ATOS DISCRIONÁRIOS APRESENTAM-SE VINCULADOS À ESTRITA PREVISÃO DA LEI QUANTO AOS SEUS REQUISITOS COMPETÊNCIA, FINALIDADE E, SEGUNDO PARTE DA DOUTRINA, TAMBÉM À FORMA.

Limites ao poder discricionário

Prof. Lorena Vasconcelos

8

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ Bom, queridos. O ato administrativo discricionáriolorenavasconcelos@concurseiro24horas.com.br facebook: Lorena Rachel Twitter: @loresbsb Prof. Lorena Vasconcelos 9 " id="pdf-obj-8-3" src="pdf-obj-8-3.jpg">

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Bom, queridos. O ato administrativo discricionário não é ilimitado. Senão,

seria um “oba oba”. Já pensaram?

limitado, além do próprio

discricionário é

poder

O

conteúdo

lei, pelos

da

administrativos,

princípios

jurídicos

sobretudo

o

da

razoabilidade

e

da

proporcionalidade. Mas professora, o que isso quer dizer?

Quer dizer que, em regra, o Poder Judiciário não pode interferir no mérito administrativo (que é a conveniência e oportunidade) dos atos discricionários.

Porém, se esses atos foram irrazoáveis e desproporcionais, o Poder Judiciário interferirá. Lembrando que, precisará sempre ser provocado, já que não pode atuar de oficío.

O

ato

discricionário

ilegal

ou

ilegítimo

(por

afrontar

os

princípios

da

razoabilidade e da proporcionalidade) poderá como qualquer ato ilegal ser anulado tanto pela administração que praticou o ato quanto pelo Poder Judiciário.

O ato que fira a razoabilidade e a proporcionalidade é um ato ilegítimo (não meramente inconveniente e inoportuno), e deve ser anulado (não é cabível cogitar a revogação de um ato, sob o fundamento de que ele seja desarrazoado ou desproporcional).

Bom pessoal, como essa é apenas uma aula demonstrativa, eu não vou esgotar o conteúdo de Poderes Administrativos. Foi só para vocês conhecerem um pouquinho a minha didática.

Durante as minhas aulas, farei uma breve síntese teórica do conteúdo (para vocês terem noção ou revisar os principais conceitos) e em seguida seguirei para a resolução das questões.

Devo confessá-los que irei me dedicar mais à parte da resolução de questões. Explicarei o conteúdo ao resolvê-las. Considero que esse é o melhor método de estudo. Nos permite conhecer a banca e ver como a matéria é cobrada. É possível

filtrar quais são os temas “queridinhos” da banca e quais são os temas jamais

cobrados. Irei focar

nas questões de

2014,

2013

e

de 2012. Questões de anos

anteriores não nos interessa. Além de serem desatualizadas, o nível de dificuldade e a forma de abordar os temas mudam substancialmente no decorrer dos anos. Lembrando que, caso tenham dúvidas, basta pedir socorro através do e-mail. Combinado?

e-mail: lorenavasconcelos@concurseiro24horas.com.br facebook: Lorena Rachel Twitter: @loresbsb

Prof. Lorena Vasconcelos

9

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS
 

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

 

4. Questões de Noções de Direito Administrativo

 
 

1

(CESPE

2013

BACEN

PROCURADOR)

Como

poder

o

de

polícia

da

administração se funda no poder de império do

seu exercício

Estado, o

não

é

passível de delegação a particulares,

regra que,

todavia, não

se

estende

às

denominadas atividades de apoio, para as quais é admitida a delegação.

 

O poder de polícia é indelegável, porque é uma manifestação do poder de império.

Por isso, não se admite delegação do poder de polícia a particulares.

Por não serem particulares, mas sim de direito público, as autarquias podem exercer poder de polícia.

A doutrina

admite

a

delegação

em

certas

situações.

Seria possível

delegaratividades materiais de apoio ao poder de polícia, já que essas atividades não exercem poder de império.

Por exemplo, a manutenção de presídios administrados pela iniciativa privada.

A doutrina também aponta a possibilidade de delegação de mera execução material do ato de polícia, como a contratação de empresa privada para efetuar a demolição de construções irregulares. O ato que determina a demolição é feito pela Administração Pública, mas a execução do ato poderia ser feita por empresa privada.

Outra possibilidade de delegação apontada por alguns doutrinadores, como Celso Antônio Bandeira de Mello, ocorreria quando pessoa particular mantém instrumentos tecnológicos capazes de constatar fatos que dão ensejo ao exercício do poder de polícia. Por exemplo, os radares de trânsito, que podem ser instalados, mantidos, aferidos, por particulares. Tais particulares emitem também relatórios, com base nos quais a Administração Pública efetiva o ato de polícia, no caso, a multa de trânsito.

GABARITO: CERTO

2 (CESPE 2013 MPU TÉCNICO) Considere que Daniel, funcionário público, tenha sido suspenso por decisão da autoridade competente após regular processo administrativo disciplinar que apurou denúncia de que ele havia praticado irregularidades no exercício do cargo. Nessa situação, a autoridade competente agiu no exercício do poder de polícia da administração, a qual pode impor sanções a seus servidores, independentemente de decisão judicial.

O poder aqui é o DISCIPLINAR e não o de POLÍCIA!

Prof. Lorena Vasconcelos

10

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ Cuidado quem confunde o Poder Disciplinar

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Cuidado quem confunde o Poder Disciplinar com o Poder Hierárquico e acha que eles são a mesma coisa! Isto é um erro!

O Poder Disciplinar vejamos:

é correlato ao Hierárquico, mas com ele não se confunde,

"Poder disciplinar é a faculdade de reprimir as infrações funcionais do subordinado, no âmbito interno da Administração ou Corporação. O poder disciplinar é correlato com o poder hierárquico, mas com ele não se confunde. O poder hierárquico permite a distribuição e escalonamento das funções; o poder disciplinar autoriza a verificação do desempenho das funções e a responsabilização do agente pelas infrações cometidas. Não se confunda também, o poder disciplinar da Administração, com o poder punitivo do Estado, realizado através da Justiça Criminal (comum ou militar). O poder disciplinar é exercido em benefício do serviço; o poder punitivo do Estado é exercido em defesa da sociedade. A punição criminal é de natureza judicial."

GABARITO: ERRADO

3 (CESPE 2013 MJ ANALISTA) O poder administrativo disciplinar consiste na possibilidade de a administração pública aplicar punições aos agentes públicos e aos particulares em geral que cometam infrações.

O poder disciplinar é o que cabe à Administração Pública para apurar infrações e aplicar penalidades aos servidores públicos e demais pessoas sujeitas à disciplina administrativa. Em relação aos servidores públicos, o poder disciplinar decorre da hierarquia.

Vamos relembrar?

Demais poderes:

1) Poder Hierárquico: compreende-se como sendo a coordenação e subordinação entre os vários órgãos que integram a Administração Pública.

Nos poderes Judiciário e Legislativo não existe hierarquia no sentido de relação de coordenação e subordinação, no que diz respeito as suas funções institucionais.

2) Poder de Polícia: é a atividade do Estado consistente em limitar o exercício dos direitos individuais em benefício do interesse público.

3) Poder Regulamentar ou Normativo: pode ser definida como a prerrogativa que a Administração Pública possui de editar atos normativos de caráter abstrato e geral, com o intuito de dar aplicabilidade à lei.

GABARITO: ERRADO

Prof. Lorena Vasconcelos

11

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ mesmo para ordens consideradas manifestamente ilegais

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

mesmo para ordens consideradas manifestamente ilegais

  • 4 (CESPE 2013 MJ ANALISTA) Decorre da hierarquia administrativa o poder de

dar ordens aos subordinados, que implica o dever de obediência aos superiores,

Decorre da hierarquia administrativa o poder de dar ordens aos subordinados, que implica o dever de obediência aos superiores, mesmo para ordens consideradas manifestamente ilegais

Decorre da hierarquia administrativa dar ordens ao subordinados ? Sim decorre do poder hierárquico.

O

que

implica

o

dever de obediência aos superiores mesmo para

ordens

consideradas manifestamente ilegais? Não se pode obedecer ordens ilegais.

LEI 8.112/1990

Art. 116. São deveres do servidor:

I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo; II - ser leal às instituições a que servir;

III - observar as normas legais e regulamentares; IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando manifestamente ilegais;

GABARITO: ERRADO

regulamentar e a função normativa simultaneamente.

expede normas de caráter geral e impessoal, ela está desempenhando o poder

  • 5 (CESPE 2013 TCE/RO AGENTE ADMINISTRATIVO) Quando a administração

"Decorrente do poder hierárquico, o poder regulamentar consiste na possibilidade de os Chefes do Poder Executivo editarem atos normativos gerais e abstratos, ou gerais e concretos, expedidos para dar fiel execução à lei. O poder regulamentar enquadra-se em uma categoria mais ampla denominada poder normativo, que inclui regimentos, instruções, deliberações, resoluções e portarias".

GABARITO: CERTO

pela administração.

  • 6 (CESPE 2013 TCE/RO AGENTE ADMINISTRATIVO) O poder discricionário é um

poder absoluto e intocável, concretizando-se no momento em que o ato é praticado

Alternativa incorreta, caro concurseiros quando ouvimos falar em algo "absoluto" devemos prestar bastante atenção. Geralmente está incorreta.

Vamos debater um pouco de doutrina a respeito de poder discricionário.

Prof. Lorena Vasconcelos

12

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ O poder discricionário é o conferido

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

O poder discricionário é o conferido à Administração

para

a prática

de

atos

administrativos, ou seja, é aquele em que o agente administrativo dispõe de uma razoável liberdade de atuação, podendo valorar a oportunidade e conveniência da prática do ato, quanto ao seu motivo, e, sendo o caso, escolher,

dentro dos limites legais, o seu conteúdo(objeto).

A doutrina administrativa, no Brasil, mais moderna- hoje majoritária identifica a existência de discricionariedade não só quando a lei expressamente confere à administração pública o poder de decidir acerca da oportunidade e conveniência de praticar um determinado ato. Para essa corrente, há discricionariedade, ou possibilidade de atuação discricionária também, quando a lei utiliza os denominados conceitos jurídicos indeterminados na descrição hipotética do motivo que enseja a prática do ato administrativo.

Por exemplo: A suspensão de 90 dias, a lei não define como administrador irá utilizar(se 10, 20,30 ou 90), devendo utilizar meios razoável a aplicação desta penalidade de acordo com a gravidade do ato praticado, observado o prazo limite legal.

GABARITO: ERRADO

7 (CESPE 2013 MPE/RO PROMOTOR DE JUSTIÇA) A licença é um meio de atuação do poder de polícia da administração pública e não pode ser negada se o requerente satisfizer os requisitos legais para a sua obtenção.

Licença é um ato vinculado e definitivo, editado com fundamento no poder de polícia administrativa, nas situações em que o ordenamento jurídico exige a obtenção de anuência prévia da administração pública como condição para o exercício, pelo particular, de um direito subjetivo de que ele seja titular. Por ser a licença um ato vinculado, uma vez atendidas as exigências legais e regulamentares pelo interessado, deve a administração concedê-la, ou seja, existe direito subjetivo do particular à sua obtenção.

GABARITO: CERTO

8 (CESPE 2013 PRF POLICIAL) A administração não pode estabelecer, unilateralmente, obrigações aos particulares, mas apenas aos seus servidores e aos concessionários, permissionários e delegatários de serviços públicos.

Breve explicação:

Os atos administrativos, como manifestação do Poder Público, tem atributos que lhes conferem características peculiares.Os atributos do ato administrativo são:

presunção de legitimidade, imperatividade e autoexecutoriedade.

*A presunção de legitimidade autoriza a imediata execução, cabendo ao

Prof. Lorena Vasconcelos

13

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ interessado, que o impugnar, a prova

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

interessado, que o impugnar, a prova de tal assertiva, não tendo ela, porém, o condão de suspender a eficácia que do ato deriva.

*A imperatividade é um atributo próprio dos atos administrativos normativos, ordinatórios, punitivos que impõe a coercibilidade para o seu cumprimento ou execução. O descumprimento do ato sujeita o particular à força impositiva própria do Poder Público, ou seja, à execução forçada pela Administração ou pelo Judiciário.

*Consiste na possibilidade de a própria Administração executar seus próprios atos, impondo aos particulares, de forma coativa, o fiel cumprimento das determinações neles consubstanciadas.

GABARITO: ERRADO

9 (CESPE 2013 MC ATIVIDADE TÉCNICA) O poder de polícia somente poderá ser exercido mediante prévia autorização judicial.

Um dos atributos do poder de policia é a autoexecutoriedades que é a prerrogativa que o estado tem de fiscalizar, multar, apreender sem a autorização do judiciário, imagina em um açougue a carne tivesse estragada, até que o judiciário soubesse desse fato muitas pessoas já teriam comprado a carne e teriam passado muito mal, então o estado com esse poder ele poderá tirar a carne do açougue sem a autorização do poder judiciário.

GABARITO: ERRADO

10 (CESPE 2013 MC ATIVIDADE TÉCNICA) O poder punitivo da administração se consolida com o poder disciplinar

Pessoal, essa questão ficou um pouco confusa. Mas o Cespe a considerou como certa.

Vejamos o que Hely Lopes diz:

"o poder disciplinar é correlato com o poder hierárquico, mas ele não se confunde. no uso do poder hierárquico a Administração pública distribui e escalona as suas funções e a conduta interna de seus servidores, responsabilizando-os pelas

faltas cometidas (

...

)

Não se deve confundir o poder disciplinar da Administração com o poder punitivo do Estado, realizado através da Justiça Penal. O poder disciplinar é exercido como faculdade punitiva interna da administraçãoe, por isso, só abrange as infrações relacionadas com o serviço; a punição criminal é aplicada com finalidade social, visando à repressão de crimes e contravenções definidas nas leis penais, e por esse motivo é realizada fora da Administração ativa, pelo Poder Judiciário"

GABARITO: CERTO

Prof. Lorena Vasconcelos

14

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS
 

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

 

  • 11 (CESPE 2013 TCE/RO

ANALISTA) Por meio do poder regulamentar,

a

administração pública poderá complementar e alterar a lei a fim de permitir a sua

efetiva aplicação.

O poder regulamentar é a prerrogativa conferida à Administração Pública, onde os chefes do executivo (Presidente da República, Governadores e Prefeitos) podem editar atos gerais para complementar as leis e possibilitar sua efetiva aplicação. Seu alcance é apenas de norma complementar à lei; não pode, pois, a Administração, alterá-la a pretexto de estar regulamentando-a. Se o fizer, cometerá abuso de poder regulamentar, invadindo a competência do Legislativo.

GABARITO: ERRADO

administrativa ou por meio de ação judicial, podendo, ainda, sua conduta configurar ilícito penal.

exercício de suas atribuições, abuse do poder a ele conferido. Nessa situação, a invalidação dos atos por ele praticados pode ocorrer na própria esfera

  • 12 (CESPE 2013 MS ADMINISTRADOR) Considere que um servidor público, no

José dos Santos Carvalho Filho (2004) ensina que:

A

invalidação

da

conduta

abusiva

pode

dar-se

na

administrativa

(autotutela) ou

através

de

ação

judicial,

própria esfera

inclusive por

mandado de segurança (art. 5º, LXIX, CF). Por outro lado, o abuso de poder

constitui, em certas circunstânicas, ilícito penal, como dispõe a Lei nº. 4.898, de 9/12/1965, que estabelece sanções para o agente da conduta abusiva. (CARVALHO FILHO, 2004, p. 54).

STF Súmula nº 473 - A administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial.

GABARITO: CERTO

  • 13 (CESPE 2013 MS ANALISTA) A inércia da autoridade administrativa,

caracterizada pela falta de execução de determinada prestação de serviço que por

lei está obrigada a cumprir, constitui abuso de poder.

Nas palavras do professor Hely Lopes Meirelles, o abuso de poder “ocorre quando a autoridade, embora competente para agir, ultrapassa os limites de suas

atribuições ou se desvia das finalidades administrativas”.

O abuso de poder configura-se por uma conduta praticada pelo agente público em desconformidade com a lei e pode se apresentar sob três formas diferentes:

Prof. Lorena Vasconcelos

15

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 1ª) quando o agente público ultrapassa

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

1ª) quando o agente público ultrapassa os limites da competência que lhe foi outorgada pela lei (excesso de poder);

2ª) quando o agente público exerce a competência nos estritos limites legais, mas para atingir finalidade diferente daquela prevista em lei (desvio de poder ou desvio de finalidade);

3ª) pela omissão. GABARITO: CERTO

14 (CESPE 2013 MS ANALISTA) O abuso do poder se configura apenas quando a autoridade pratica o ato, embora não possua competência para tal.

O Abuso de poder é um gênero que possui duas modalidades: excesso de poder e desvio de finalidade

Excesso de poder - pode ocorrer quando o agente atua fora dos limites de sua competência administrativa, praticando algo que a lei não lhe conferiu.

Desvio de poder ou de finalidade - ocorre quando o agente, embora dentro de sua órbita de competência, busca finalidade diversa da prevista em lei.

Na definição de Hely Loper Meireller, o abuso de poder ocorre quando a autoridade, embora competente para praticar o ato, ultrapassa os limites de suas atribuições ou se desvia das finalidades administrativas.

GABARITO: ERRADO

15 (CESPE 2013 ANS TÉCNICO) Para que a administração pública execute a demolição de uma construção irregular, é necessária autorização judicial prévia.

A Auto-executoriedade é o atributo que faz com que ALGUNS atos administrativos possam ser executados sem a necessidade de uma ordem judicial prévia, inclusive mediante o uso da força, se necessária. Essa possibilidade decorre da necessidade que algumas atuações administrativas têm de ser ágeis e imediatas visando preservar a coletividade. É esse atributo que permite que o agente, na defesa dos interesses da sociedade, aplique sanções, recolha alimentos impróprios para consumo, providencie a interdição de um estabelecimento comercial que infringiu normas sanitárias, etc - observando sempre os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade.

Atente

para

o

fato

de

que nem

todos

os

administrativos

atos

são

auto-

executórios. Vicente

Paulo

Marcelo

e

Alexandrino

afirmam

que

a

auto-

Prof. Lorena Vasconcelos

16

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ executoriedade é uma qualidade presente nos

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

executoriedade é uma qualidade presente nos atos próprios do exercício de atividades típicas da administração e acrescentam:

"O Professor Celso Antônio Bandeira de Mello e a Professora Maria Sylvia Di Pietro prelecionam que a auto-executoriedade existe em duas situações: quando a lei expressamente a prevê e, mesmo quando não expressamente prevista, em situações de urgência".

ATENÇÃO! A desnecessidade de atuação judicial prévia não afasta o controle posterior do ato pelo Poder Judiciário.

GABARITO: ERRADO

Econômica, mesmo sendo uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Justiça,

  • 16 (CESPE 2013 TJ/RR CARTÓRIO) O Conselho Administrativo de Defesa

não está sujeito ao poder hierárquico desse ministério.

Consoante se extrai do magistério de Dirley da Cunha Jr., "uma entidade estatal não pode exercer o poder hieráquico sobre uma entidade autárquica, pois não há relação de subordinação entre elas, mas tão-somente um VÍNCULO ADMINISTRATIVO resultante de um poder de supervisão ministerial que a entidade estatal pode exercer sobre a entidade vinculada (Decreto-lei 200/67, art. 19 a 21), dentro dos limites que a lei estabelecer, sem suprimir a autonomia conferida ao ente supervisionado".

GABARITO: CERTO

  • 17

existência de hierarquia

(CESPE 2013 MPU

administrativa entre as entidades da administração indireta e os entes federativos

que as instituíram ou autorizaram a sua criação.

TÉCNICO) Verifica-se a

O controle das pessoas administrativas caberá ao ministério a que estiverem

vinculadas e se materializará sob a forma de supervisão, sem prejuízo da utilização de outros instrumentos de controle previstos na CF 88. Apesar da previsão deste

controle,

é

preciso

destacar

que não

hierarquia

entre

as

pessoas

integrantes da administração direta e as da administração indireta. A

hierarquia não

se

faz

presente

desconcentração. GABARITO: ERRADO

na

descentralização, mas sim na

  • 18

(CESPE 2013 MPU TÉCNICO) É denominado regulamento executivo o

decreto editado pelo chefe do Poder Executivo federal para regulamentar leis.

Poder normativo ou regulamentar. Poder normativo é mais apropriado, pois poder regulamentar não abrange toda a competência normativa da Administração. Poder regulamentar é o que cabe ao Chefe do Poder Executivo da União, dos Estados e dos Municípios, de editar normas complementares à lei, para sua fiel

Prof. Lorena Vasconcelos

17

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ execução. Na doutrina: dois tipos de

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

execução. Na doutrina: dois tipos de regulamentos regulamento executivo e o regulamento independente ou autônomo. Regulamento executivo complementa a

lei. Art. 84, IV da CF – contém normas “para fiel execução da lei”. Não pode estabelecer normas “contra legem” ou “ultra legem”. Não pode inovar na ordem

jurídica, criando direitos, obrigações, proibições, medidas punitivas, uma vez que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei, conforme art. 5º, II, da CF. Regulamento autônomo ou independente inova na ordem jurídica. Não completa nem desenvolve nenhuma lei prévia. Além do decreto regulamentar, o poder normativo da Administração se expressa por meio de resoluções, portarias, deliberações, instruções, editadas por autoridades que não o Chefe do Executivo. Ex. Art. 87, § único, II, da CF outorga aos Ministros de Estado competência para “expedir instruções para a execução das leis, decretos e regulamentos.” Há ainda regimentos pelos quais os órgãos colegiados estabelecem

normas sobre o seu funcionamento interno.

GABARITO: CERTO

19 (CESPE 2013 PC/BA INVESTIGADOR) Em razão do poder regulamentar da administração pública, é possível estabelecer normas relativas ao cumprimento de leis e criar direitos, obrigações, proibições e medidas punitivas.

Pois bem, o Poder regulamentar é a prerrogativa conferida à Administração Pública de editar atos gerais para complementar as leis e possibilitar sua

efetiva aplicação. Seu alcance é apenas de norma complementar à lei; não pode, pois, a Administração, alterá-la a pretexto de estar regulamentando-a. Se o fizer,

cometerá abuso de poder regulamentar, invadindo a competência do Legislativo.

O poder regulamentar é de natureza derivada (ou secundária): somente é

exercido à luz de lei existente. Já as leis constituem atos de natureza originária (ou primária), emanando diretamente da Constituição.

GABARITO: ERRADO

20 (CESPE 2013 TJDFT AJAJ) No que se refere ao exercício do poder de polícia, denomina-se exigibilidade a prerrogativa da administração de praticar atos e colocá-los em imediata execução, sem depender de prévia manifestação judicial.

Errado! Denomina-se autoexecutoriedade. Atributos do Poder de Polícia

Discricionariedade: é a liberdade de agir dentro dos limites legais, ou seja, traduz-se na livre escolha, pela Administração Pública, da oportunidade e conveniência de exercer o poder de polícia, bem como de aplicar as sanções e empregar os meios conducentes a atingir um fim colimado, que é a proteção de algum interesse público.

Prof. Lorena Vasconcelos

18

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ Autoexecutoriedade : é a faculdade que

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Autoexecutoriedade: é a faculdade que dispõe a Administração de decidir e executar diretamente suas decisões e atos por seus próprios meios, sem intervenção do poder judiciário.

Coercibilidade: é a imposição coativa das medidas adotadas pela Administração, constituindo também atributo do poder de polícia. É a própria Administração que determina e faz executar as medidas de força que se tornaram necessárias para a execução do ato ou aplicação da penalidade administrativa resultante do exercício do poder de polícia.

GABARITO: ERRADO

21 (CESPE 2013 STM JUIZ) Decreto com características de ato autônomo abstrato expedido, a pretexto de regulamentação do direito de reunião, pelo Poder Executivo poderá ser questionado por meio de ADI.

EMENTAS: 1. INCONSTITUCIONALIDADE. Ação direta. Objeto. Admissibilidade. Impugnação de decreto autônomo, que institui benefícios fiscais. Caráter não meramente regulamentar. Introdução de novidade normativa. Preliminar repelida. Precedentes. Decreto que, não se limitando a regulamentar lei, institua benefício fiscal ou introduza outra novidade normativa, reputa-se autônomo e, como tal, é suscetível de controle concentrado de constitucionalidade. 2. INCONSTITUCIONALIDADE. Ação direta. Decreto nº 27.427/00, do Estado do Rio de Janeiro. Tributo. Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ICMS. Benefícios fiscais. Redução de alíquota e concessão de crédito presumido, por Estado-membro, mediante decreto. Inexistência de suporte em convênio celebrado

no âmbito do CONFAZ, nos termos da LC 24/75. Expressão da chamada “guerra

fiscal”. Inadmissibilidade. Ofensa aos arts. 150, § 6º, 152 e 155, § 2º, inc. XII, letra “g”, da CF. Ação julgada procedente. Precedentes. Não pode o Estado- membro conceder isenção, incentivo ou benefício fiscal, relativos ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ICMS, de modo unilateral, mediante decreto ou outro ato normativo, sem prévia celebração de convênio intergovernamental no

âmbito

do

CONFAZ.

(ADI 3664, Relator(a): Min. CEZAR PELUSO, Tribunal Pleno, julgado em 01/06/2011, DJe-181 DIVULG 20-09-2011 PUBLIC 21-09-2011 EMENT VOL-02591-

01 PP-00017 RTJ VOL-00219- PP-00187)

GABARITO: CERTO

22 (CESPE 2013 TJDFT TÉCNICO) Considere que determinado agente público detentor de competência para aplicar a penalidade de suspensão resolva impor, sem ter atribuição para tanto, a penalidade de demissão, por entender que o fato praticado se encaixaria em uma das hipóteses de demissão. Nesse caso, a conduta do agente caracterizará abuso de poder, na modalidade denominada excesso de poder.

Prof. Lorena Vasconcelos

19

Pra não esquecer mais, ok? DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ PRINCIPAIS

Pra não esquecer mais, ok?

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Pra não esquecer mais, ok? DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ PRINCIPAIS

PRINCIPAIS VÍCIOS DE COMPETÊNCIA

1) USURPAÇÃO DE FUNÇÃO : Finge ser SERVIDOR PÚBLICO ( É crime tipificado no CP);

2) EXCESSO

DE

PODER : EXTRAPOLOU

A

SUA

COMPETÊNCIA;

Espécie

de ABUSO DE PODER que tb pode ser por DESVIO DE FINALIDADE;

3) FUNÇÃO DE FATO: Pessoa irregularmente investida no cargo. Ex: Posse com concurso nulo.( ato é válido)

CONSEQUÊNCIAS DOS VÍCIOS 1) USURPAÇÃO DE FUNÇÃO= ATO INEXISTENTE;

2) EXCESSO DE PODER= ATO INVÁLIDO ( Caso da questão em tela) 3) FUNÇÃO DE FATO=ATO VÁLIDO

GABARITO: CERTO

Um dos efeitos do sistema hierárquico

jurídica ou territorial.

na

23

TJDFT

AJAJ)

(CESPE 2013

administração é a avocação de competência, possível somente entre órgãos e agentes do mesmo nível hierárquico ou entre os quais haja relação de subordinação, em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica,

Gente, essa questão é uma mistura de conceitos jogados em um liquidificador. A questão tenta dar um conceito para avocação, porém o faz de modo tumultuado, utilizando palavras muito restritivas como o "somente" e o "ou". A avocação, em verdade, só ocorre dentro de uma mesma linha hierárquica quando há relação de subordinação. Da forma que está escrita parece que existem duas possibilidades de avocação; o que não é verdade, pois a avocação é medida excepcional e temporária

Prof. Lorena Vasconcelos

20

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ que permite que a autoridade hierarquicamente

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

que permite que a autoridade hierarquicamente superior chame para si a competência de um órgão ou agente subordinado.

O final da questão em nada tem a ver com avocação, pois traz parte do conceito da delegação de competências.

Art. 12, Lei 9784/99. Um órgão administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal, delegar parte da sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente subordinados, quando for conveniente, em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.

Para complementar:

(Alexandre

Mazza,

2012):

"A

delegação

é

a transferência temporária de

competência administrativa de seu titular a outro órgão ou agente público subordinado à autoridade delegante (delegação vertical), ou fora da linha

hierárquica (delegação horizontal). Ao contrário da delegação, a avocação só pode ser realizada dentro de uma mesma linha hierárquica, denominando-se avocação

vertical. Não

existe,

no

direito

brasileiro,

avocação

horizontal, que

é

aquela

realizada entre órgão ou agentes dispostos sem subordinação hierárquica. " Resumindo:

Delegação - Pode ser horizontal (fora da linha hierárquica) ou vertical (quando há

relação

de

subordinação

entre

delegante

e

delegado).

Avocação: Somente vertical (relação de subordinação)

GABARITO: ERRADO

2013 (CESPE AJOJ) TJDFT atribuição 24 A – – administrativas com o objetivo de apurar e
2013
(CESPE
AJOJ)
TJDFT
atribuição
24
A
administrativas com o objetivo de apurar e punir faltas funcionais, ou seja,
condutas contrárias à realização normal das atividades do órgão e irregularidades
de diversos tipos traduz-se, especificamente, no chamado poder hierárquico.
conferida a autoridades

Errado, pois o poder de punir faltas funcionais decorre, especificamente, do poder disciplinar, e não do poder hierárquico.

Conceitos:

PODER HIERÁRQUICO: Como resultado do poder hierárquico, a Administração é dotada da prerrogativa de ordenar, coordenar, controlar e corrigir as atividades de seus órgãos e agentes no seu âmbito interno. Do seu exercício decorrem as prerrogativas, do superior para o subordinado, de dar ordens, fiscalizar, rever, delegar e avocar.

#DELEGAÇÃO: Significa atribuir ao subordinado competência para a prática de ato

Prof. Lorena Vasconcelos

21

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ que originariamente pertencia ao superior. Somente

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

que originariamente pertencia ao superior. Somente podem ser delegados atos administrativos, não os atos políticos.

#AVOCAÇÃO: Consiste

no poder

que

possui o superior

de chamar para

si

a

execução de atribuições cometidas a seus subordinados. Sendo uma medida excepcional.

Dica: Subordinação é diferente de vinculação. A subordinação tem caráter interno, é entre órgãos de uma mesma entidade. A vinculação tem caráter externo e resulta do controle que as entidades políticas exercem sobre as suas entidades administrativas.

PODER DISCIPLINAR: Está intimamente relacionado ao poder hierárquico, é a faculdade da Administração de punir internamente as infrações funcionais de seus servidores e demais pessoas sujeitas à disciplina dos órgãos e serviços da Administração. Sendo que o exercício é caracteristicamente discricionário.

GABARITO: ERRADO

25 (CESPE 2013 DPE/RR DEFENSOR) A organização administrativa baseia-se nos pressupostos da distribuição de competências e da hierarquia, razão por que o titular de uma secretaria estadual, desde que não haja impedimento legal, pode delegar parte da sua competência a outro órgão quando for conveniente em razão de determinadas circunstâncias, como a de índole econômica, por exemplo.

LEI 9784

Art. 12. Um órgão administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal, delegar parte da sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente subordinados, quando for conveniente, em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.

lembrando que a delegação é sempre possível, já a avocação é uma exceção

GABARITO: CERTO

26 (CESPE 2013 TELEBRÁS TÉCNICO) A polícia administrativa se expressa ora por atos vinculados, ora por atos discricionários.

PARA UM ENTENDIMENTO "FASTFOOD":

Mas afinal, o poder de polícia é ato vinculado ou ato discricionário?

Em primeiro lugar, é bom ter em mente que a discricionariedade(atributo clássico do poder de polícia) é a regra!

Prof. Lorena Vasconcelos

22

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ Mesmo assim, excepcionalmente, o vinculado. Como?

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Mesmo assim, excepcionalmente, o vinculado. Como?

poder de polícia

poderá se

dar

de

modo

A licença é o grande exemplo de ato vinculado cobrado em concursos (esta é a nossa exceção!). Trata-se de ato definitivo e vinculado que, inclusive, se opera contra a própria Administração Pública. Exemplifico: preenchidos os requisitos necessários, a Administração Pública não poderá negar a concessão de licença. Deverá, pois, submeter-se e licenciar o particular (observaram o direito subjetivo do administrado aqui?).Resumindo: a licença é exemplo de ato vinculado, fruto do poder de polícia administrativa!

Já que estavámos a falar da discricionariedade como regra, no exercício do poder de polícia, também há um exemplo recorrente: o alvará. Trata-se de ato discricionário, precário, instável e sensível ao humor da Administração Pública que poderá, só para "chuvermos no molhado", revê-lo a qualquer tempo.

===================================================

=================

Como citei a expressão "atributos clássicos do poder de polícia", optei em reproduzi-los aqui como mera curiosidade (de qualquer forma, o necessário para responder a questão já fora anteriormente exposto):imperatividade; exigibilidade ou coercibilidade; auto-executoriedade e discricionariedade (da qual anteriormente falamos).

GABARITO: CERTO

27 (CESPE 2013 TELEBRÁS TÉCNICO) No exercício do poder hierárquico, a delegação pode ocorrer de modo vertical ou horizontal, enquanto a avocação se dá exclusivamente no sentido vertical.

A avocação e a delegação são institutos que nascem do Poder Hierárquico.

a. Avocação: trata-se de forma de concentração de competência, na medida que o agente público chama para si a competência de um subordinado. No Brasil, existe apenas a avocação vertical (de cima para baixo). Tal espécie de avocação depende do vínculo de subordinação.

b. Delegação: trata-se de forma de distribuição de competência. O agente

delega parte de sua competência a um subordinado ou não subordinado, portanto, diferentemente da avocação, a delegação não depende do vínculo de

subordinação. É o

caso, por exemplo,

mandados do colega que está de férias.

do

oficial de

justiça que cumpre

os

Quanto a delegação, é importante ressaltar que não existe delegação:

  • 1. Perpétua

Prof. Lorena Vasconcelos

23

 2. De toda competência DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ Conclui-se
  • 2. De toda competência

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

Conclui-se que a delegação deve, necessariamente, ser temporária e apenas de parcela da competência. Ademais, a delegação pode ser vertical ou horizontal.

Em regra, as competências administrativas são delegáveis, salvo:

  • 1. Competência exclusiva;

  • 2. Expedição de atos normativos;

  • 3. Decisão de recursos.

GABARITO: CERTO

  • 28 (CESPE 2013 TELEBRÁS TÉCNICO) De acordo com a doutrina majoritária, o

mérito do ato administrativo.

controle judicial sobre o exercício do poder discricionário deve incluir a análise do

Foge ao limite do controle jurisdicional o juízo de valoração sobre a oportunidade e conveniência do ato administrativo, porque ao Judiciário cabe unicamente analisar a legalidade do ato, sendo-lhe vedado substituir o Administrador Público.

GABARITO: ERRADO

  • 29 (CESPE 2013 CNJ TÉCNICO) Quando uma autoridade administrativa delega

parte de sua competência, ela pode revogá-la a qualquer tempo.

De acordo com a Lei nº 9.784/99:

Art. 12. Um órgão administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal,delegar parte da sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente subordinados, quando for conveniente, em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.

Art. 13. Não podem ser objeto de delegação:

I - a edição de atos de caráter normativo; II - a decisão de recursos administrativos;

III - as matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade.Art. 14. O ato de delegação e sua revogação deverão ser publicados no meio oficial.

§ 1 o O ato de delegação especificará as matérias e poderes transferidos, os limites da atuação do delegado, a duração e os objetivos da delegação e o recurso cabível,

podendo conter

ressalva

de

exercício

da

atribuição

delegada.

§ 2 o O ato de delegação é revogável a qualquer tempo pela autoridade

delegante.

GABARITO: CERTO

Prof. Lorena Vasconcelos

24

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 30 – (CESPE 2013 CNJ –

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

  • 30 (CESPE 2013 CNJ AJAJ) O objeto do poder de polícia administrativa é todo

bem, direito ou atividade individual que possa afetar a coletividade ou pôr em risco

a segurança nacional.

Objeto e Finalidade do Poder de Polícia - O objeto do poder de polícia administrativa é todo bem, direito ou atividade individual que possa afetar a coletividade ou por em risco a segurança nacional, exigindo, por isso mesmo, regulamentação, controle e contenção pelo Poder Público. Com esse propósito a Administração pode condicionar o exercício de ,direitos individuais, pode delimitar a execução de atividades, como pode condicionar o uso de bens que afetem a vizinhança ou a coletividade em geral, ou contrariem a ordem constitucional estabelecida ou se oponham aos objetivos permanentes da Nação.

GABARITO: CERTO

hierárquico aplica uma pena de suspensão ao servidor público que cometeu uma infração. Isso é a expressão do poder:

  • 31 (FUNCAB 2013 ANS Atividade técnica de Suporte Direito) Um superior

    • c) discricionário

    • d) regulamentar

    • e) disciplinar

    • b) de polícia

    • a) vinculado

Poder disciplinar é a faculdade de punir internamente as inflações funcionais dos servidores, o poder disciplinas é exercido no âmbito dos órgãos e serviços da administração. É considerado como supremacia especial do Estado. Correlato com o poder hierárquico o poder disciplinar não se confunde com o mesmo. No uso do primeiro a Administração Pública distribui e escalona as suas funções executivas. Já no uso do poder disciplinar, a administração simplesmente controla o desempenho dessas funções e a conduta de seus servidores, responsabilizando-os pelas faltas porventura cometidas.

Gabarito: Letra E

  • b) O consentimento de polícia é uma das fases do poder de polícia.

pública elencados na Constituição Federal.

poder de polícia, assinale a alternativa correta.

  • a) O poder de polícia é exercido com exclusividade pelos órgãos de segurança

    • 32 (FUNCAB 2013 ANS Atividade técnica de suporte (direito)) No que tange ao

Prof. Lorena Vasconcelos

25

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ c) O fechamento de estabelecimentos pelo

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

c) O fechamento de estabelecimentos pelo Poder Público não é manifestação do poder de polícia, ao contrário da fiscalização que é eminentemente uma manifestação desse poder. d) Atualmente, a delegação do poder de polícia pode ser livremente realizada, ao contrário do que dispunha a doutrina clássica. e) Amedida de salvaguarda contra o poder de polícia é o habeas libertatis

Letra a) errada: O vocábulo é o mesmo utilizado em Dir. Proc. Penal e Dir. Administrativo: Polícia, que vem do latim politia, que significava administrar cidades. Entre as funções de administrar a cidade encontravam-se a de segurança e a fiscal por exemplo. Assim, como já falado, há uma clara distinção entre polícia administrativa e polícia judiciária.

Letra b) certa: Os consentimentos representam a resposta positiva da Administração Pública aos pedidos formulados por indivíduos interessados em exercer determinada atividade, que dependa do referido consentimento para ser considerada legítima. Aqui a Polícia Administrativa resultada verificação que fazem os órgãos competentes sobre a existência ou inexistência

de normas restritivas e condicionadoras, relativas à atividade pretendida pelo administrado. Tais atos de consentimento são as licenças e as autorizações. As licenças são

atos vinculados e,como regra, definitivos,

ao

passo

que

as autorizações espelham atos discricionários e precários. Exemplo das primeiras é

a licença para construção;constitui autorização o consentimento dado a determinados moradores para fechamento temporário de uma rua com vistas à realização de festa popular.

Letra c) errada: Não adiantaria deter o Estado o poder de impor restrições aos indivíduos se não dispusesse dos mecanismos necessários à fiscalização da conduta destes. Assim, o poder de polícia reclama do Poder Público a atuação de agentes fiscalizadores da conduta dos indivíduos. A fiscalização apresenta duplo aspecto: um preventivo, através do qual os agentes da Administração procuram impedir um dano social, e um repressivo, que, em face da transgressão da norma de polícia, redunda na aplicação de uma sanção. Neste último caso, é inevitável que a Administração, deparando a conduta ilegal do administrado, imponha-lhe alguma obrigação de fazer ou de não fazer. Como exemplo, cite-se o caso em que o indivíduo construiu em área pública, tendo decidido o STJ que a construção clandestina em logradouro público está sujeita à demolição, não tendo o invasor de má-fé direito à retenção, nem à indenização pelo município de eventuais benfeitorias. Assim, o fechamento de um estabelecimento estaria dentro do aspecto repressivo.

Letra d)errada: Quando a lei confere a uma entidade administrativa o poder acima referido (poder polícia), diz-se que há na hipótese poder de polícia delegado. Sem embargo de algumas resistências, moderna doutrina vem admitindo essa

Prof. Lorena Vasconcelos

26

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ delegação , com o destaque apenas

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

delegação, com o destaque apenas da necessidade de serem observadas certas cautelas, como (a) o impedimento de conflito entre os interesses público e privado, (b) o afastamento do setor econômico de mercado e(c) o acidentalismo do poder de polícia, significando que o ente delegado não deve exercê-lo como essência

institucional, mas sim em decorrência da própria prestação do serviço público. Assim a delegação do poder de polícia não pode ser feita a um particular, por exemplo,como já aconteceu com a delegação de multas de trânsito por radar.

Letra e) errada: Sinceramente não conhecia o tal “habeas libertatis”,existe ostatus libertatis e o Habeas Corpus. De qualquer forma, o poder de polícia não oferece perigo ao status libertatis do indivíduo, já que não cerceia a liberdade ou direito de ir e vir do cidadão. Não existe mais prisão administrativa. A medida cabível contra ato do poder público, que porventura, viesse a ameaçar o status libertatis é o Habeas corpus, um remédio constitucional.

Gabarito: letra B

33 (FUNCAB 2013 Sudeco Agente Administrativo) É uma das atribuições do poder hierárquico:

  • d) explicar a lei para sua correta execução

  • e) condicionar e restringir o uso e gozo de bens em benefício da coletividade.

  • b) apurar cometimento de ilícitos administrativos pelos seus agentes.

  • c) chamar a si funções originalmente atribuídas a um subordinado.

  • a) aplicar penalidades funcionais a seus agentes.

Segundo a lei 9784/99: Art. 11. A competência é irrenunciável e se exerce pelos

órgãos administrativos a que delegação

e

foi atribuída como avocação

própria, salvo legalmente

admitidos.

os casos

de

Os institutos de delegação e o de avocação decorrem do chamado poder hierárquico?Sim. Os poderes administrativos são instrumentos que permitem à

Administração cumprir suas finalidades. Segundo o professor José dos Santos Carvalho Filho, podemos conceituá-los como "o conjunto de prerrogativas de direito

público que a ordem jurídica confere aos agentes administrativos para o fim de

permitir que

o

Estado

alcance

seus

fins".

Os

institutos de

delegação e o de avocação decorrem do chamado poder

hierárquico.

A letra “c”. no caso em tela, trouxe uma hipótese de “avocação”.

Gabarito: letra C

34

ES

PC

(FUNCAB 2013

Psicólogo) Não

configura exemplo típico de

manifestação do Poder de Polícia da Administração Pública a seguinte hipótese:

Prof. Lorena Vasconcelos

27

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ d) concessão de alvarás de funcionamento.

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

  • d) concessão de alvarás de funcionamento.

  • b) fiscalização sanitária em estabelecimentos.

  • c) controle do trânsito de veículos automotores.

  • e) punição de agente público por falta funcional.

  • a) concessão de licença para construir em imóveis.

Punição

de agente público por falta funcional trata-se de exercício depoder

disciplinar,

e

não

de

polícia.

Segundo Maria Sylvia di Pietro: "poder disciplinar é o que cabe à Administração

Pública para apurar infrações e aplicar penalidades aos

servidores públicos e

demais pessoas sujeitas à disciplina administrativa; é o caso dos estudantes de uma escola pública. Não abrange as sanções impostas a particulares não sujeitas à disciplina interna da Administração, porque, nesse caso, as medidas punitivas encontram seu fundamneto no poder de polícia do Estado. No que diz respeito aos servidores públicos, o poder disciplinar é uma decorrência da hierarquia."

Gabarito: letra E

  • d) I e III.

Assinale a opção que contempla apenas as assertivas corretas.

Estado, direito e responsabilidade de

III. Quando a Polícia Rodoviária

exercida para a preservação da

Federal aplica uma

velocidade, está exercendo atipicamente a atividade de polícia administrativa.

ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. Nesse sentido, é

35 (FUNCAB 2013 PC ES Escrivão de Polícia) A segurança pública, dever do

  • c) III e IV.

  • b) II e III.

excesso de

todos, é

  • a) I e II.

afirmar:

correto

multa

I. Quando a Polícia Civil aplica uma multa, está exercendo atipicamente a atividade de polícia administrativa.

por

II. Quando a Polícia Federal prende um traficante internacional de drogas, está exercendo atipicamente a atividade de polícia judiciária.

IV. Quando a Guarda-Municipal prende um ladrão de um transeunte, está exercendo tipicamente a atividade de polícia ostensiva.

Prof. Lorena Vasconcelos

28

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ e) II e IV. I. Quando

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

e) II e IV.
e) II e IV.

I. Quando a Polícia Civil aplica uma multa, está exercendo atipicamente a atividade de polícia administrativa.

Correto. A Policia Civil integra a Polícia Judiciária; aplicar multa é uma função atípica, de fato.

II. Quando a Polícia Federal prende um traficante internacional de drogas, está exercendo atipicamente a atividade de polícia judiciária.

Errado, Está

atipicamente.

exercendo

tipicamente

a

atividade

de polícia judiciária, não

III. Quando a Polícia Rodoviária Federal aplica uma multa por excesso de velocidade, está exercendo atipicamente a atividade de polícia administrativa. Correto. Pelo mesmo motivo elucidado na assertiva I.

IV. Quando a Guarda-Municipal prende um ladrão de um transeunte, está

exercendo tipicamente a atividade de polícia ostensiva. Errado. A Guarda-Municipal não é polícia ostensiva, logo prender um transeunte seria uma atividade atípica.

Gabarito: letra D

II. Quando uma autoridade decreta uma desapropriação alegando utilidade pública, mas, na realidade, visa o seu interesse pessoal ou favorecer um amigo, pratica desvio de finalidade.

36 (FUNCAB 2013 PC ES Escrivão) O Estado tem seu poder constituído na lei, na qual também encontra seu limite. Assim, é correto afirmar:

IV. A inércia da Administração, retardando ato ou fato que deve praticar, não caracteriza abuso de poder.

III. São mecanismos para combater o abuso de poder o mandado de segurança e o direito de petição.

I. Excesso de poder ocorre quando a autoridade, embora competente para praticar o ato, vai além do permitido e exorbita de suas faculdades administrativas.

Assinale a opção que contempla as assertivas corretas.

  • a) I, II, III e IV.

Prof. Lorena Vasconcelos

29

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ e) I e II, apenas. b)

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

  • e) I e II, apenas.

  • b) I, II e III, apenas.

  • c) III e IV, apenas.

  • d) II e III, apenas.

O Excesso de poder ocorre quando o agente exorbita sua competência, ou seja, quando a autoridade administrativa pratica um ato que excede aos limites de suas atribuições legais.

Um exemplo de Excesso de poder ocorre quando uma autoridade administrativa aplica uma penalidade que excede aos seus poderes, ou seja, é competente para aplicar a suspensão, mas aplica a demissão.

De acordo com Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo há excesso de poder quando o agente público atua fora dos limites de sua esfera de competências.

Portanto, a autoridade embora competente para praticar o ato incorre em excesso

de

poder

quando

o

faz

excedendo

os

limites

legais

de

sua

atuação.

Hely Lopes Meirelles diz que: "O abuso do poder tanto pode revestir a forma comissiva quanto a omissiva, porque ambas são capazes de afrontar a lei e causar lesão a direito individual do administrado. A inércia da autoridade administrativa, deixando de executar determinada prestação de serviço a que por lei está obrigada, lesa o patrimônio jurídico individual. É forma omissiva de abuso de poder, quer o ato seja doloso ou culposo."

Gabarito: letra B

a

é

da

validade.

atividade

determinado ato, estipulando todos os requisitos e elementos necessários à sua

37 (FUNCAB 2013 PC ES Escrivão) A Administração Pública é a atividade desenvolvida pelo Estado ou pelos seus delegados, sob o regime de direito público. Quanto aos poderes da administração, marque a única alternativa INCORRETA.

disciplinando direitos, interesses ou liberdades individuais, regula a prática do ato ou abstenção de fato, em razão do interesse público. É aplicado aos particulares.

  • a) Vinculado: quando a lei confere à Administração Pública poder para a prática de

  • b) Discricionário: quando o Direito concede à Administração, de modo explícito ou

  • c) Hierárquico:

implícito, poder para prática de determinado ato com liberdade de escolha de sua

Administração Pública que, limitando ou

conveniência e oportunidade.

Prof. Lorena Vasconcelos

30

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ e) Normativo: embora a atividade normativa

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

  • e) Normativo: embora a atividade normativa caiba predominantemente ao

penalidades funcionais a seus agentes e demais pessoas sujeitas à disciplina administrativa, como é o caso das que por ela são contratadas.

Legislativo, nele não se exaure, cabendo ao Executivo expedir regulamentos e

  • d) Disciplinar: é

outros atos normativos de caráter geral e de efeitos externos.

conferido à Administração para apurar

infrações e aplicar

Item por item:

  • a) Vinculado: quando a lei confere à Administração Pública poder para a prática de

determinado ato, estipulando todos os requisitos e elementos necessários à sua validade. ISSO É UM ELEMENTO: "COMPETÊNCIA"

  • b) Discricionário: quando o Direito concede à Administração, de modo explícito ou

implícito, poder para prática de determinado ato com liberdade de escolha de sua

conveniência e oportunidade. CORRETA

  • c) Hierárquico:

é

a

atividade

da

Administração

Pública

que,

limitando

ou

disciplinando direitos, interesses ou liberdades individuais, regula a prática do ato ou abstenção de fato, em razão do interesse público. É aplicado aos particulares. PODER DE POLÍCIA

  • d) Disciplinar: é

conferido à

Administração para apurar infrações e aplicar

penalidades funcionais a seus agentes e demais pessoas sujeitas à disciplina

administrativa, como é o caso das que por ela são contratadas. NÃO HÁ PODER DISCIPLINAR PARA ENTIDADES CONTRATADAS

  • e) Normativo:

embora

a

atividade

normativa

caiba

predominantemente ao

Legislativo, nele não se exaure, cabendo ao Executivo expedir regulamentos e

outros atos normativos de caráter geral e de efeitos externos. ATIVIDADE NORMATIVA SOMENTE PRA REGULAR A LEI

Gabarito: letra C

38 (FUNCAB 2013 PC ES Médico Legista) Levando em conta o poder hierárquico da Administração Pública, é possível que excepcional e temporariamente uma autoridade superior arrogue para si a competência de um órgão ou agente subordinado. Nessa hipótese, caracteriza-se:

  • a) avocação.

  • b) delegação.

  • e) supervisão.

  • d) sobreposição.

  • c) escalonamento.

Delegação e Avocação

Prof. Lorena Vasconcelos

31

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ A delegação e a avocação derivam

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

A delegação e

a avocação derivam

do escalonamento hierárquico.

A delegação é a transferência de atribuições de um órgão a outro no aparelho administrativo. Além disso, o poder de delegação não é irrestrito e, por isso, não atinge certas funções específicas atribuídas a determinados agentes. Desse modo,

não podem ser delegados:

§ atribuições de um Poder a outro; § atos de natureza política; § atos de caráter normativo;

§ decisão de recursos administrativos; § matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade.

Já sobre

a avocação, podemos considerar este como sendo o fato inverso à

delegação. Pois, através da avocação, o chefe superior do pode substituir-se ao subalterno, chamando a si avocando as questões afetas a este. Acrescenta-se que a avocação, malgrado efeito do sistema hierárquico, não deve ser disseminada em profusão, uma vez que excepciona as regras normais de competência administrativa. Daí o seu caráter de excepcionalidade.

Gabarito: letra A

39 (FUNCAB 2013 PC ES Médico legista) Não configura exemplo típico de manifestação do Poder de Polícia da Administração Pública a seguinte hipótese:

a)

concessão de licença para construir em imóveis.

 

b)

fiscalização sanitária em estabelecimentos.

c)

controle do trânsito de veículos automotores.

d)

concessão de alvarás de funcionamento.

e)

punição de agente público por falta funcional.

Diz

Vicente

Paulo

e

Marcelo

Alexandrino:

"O poder

disciplinar autoriza a

Administração: a)punir internamente as infrações funcionais de seus servidores;

[

o que se enquadra exatamente à: punição de agente público por falta

]",

funcional.

 

Gabarito: letra E

 

40 (FUNCAB 2013 PC ES Assistente Social) Não configura exemplo típico de manifestação do Poder de Polícia da Administração Pública a seguinte hipótese:

a)

concessão de licença para construir em imóveis.

 

b)

fiscalização sanitária em estabelecimentos.

Prof. Lorena Vasconcelos

32

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ c) controle do trânsito de veículos

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

c) controle do trânsito de veículos automotores. d) concessão de alvarás de funcionamento. e) punição de agente público por falta funcional.

Diferença entre poder disciplinar e poder de polícia:

Poder de polícia

Poder disciplinar

Interfere na esfera privada

Interfere na esfera pública

 

Com vinculo especifico com a

administração

pública

Sem vinculo específico com a administração pública

(servidores e empresas contratadas pela administração pública)

Gabarito: Letra E

Bom pessoal,

Essa foi nossa aula para “degustação”. Só para vocês “saborearem” e conhecerem como será a sistemática do nosso curso.

Sempre trarei um resumo sistematizado do tópico, seguido de questões comentadas que é, ao meu ver, a melhor forma de estudo.

Após os comentários, colocarei sempre a lista das questões apresentadas na aula. Destaco a importância de refazerem as questões sem olhar o gabarito. Isso possibilita avaliarem o desempenho e descobrirem onde precisam se dedicar mais.

Direito Administrativo é uma disciplina que precisa ser gabaritada. Não podemos perder pontos nessa matéria.

A minha proposta é essa: GABARITAR DIREITO ADMINISTRATIVO. Venham fazer o curso comigo? Um beijo carinho. Professora Lorena

Prof. Lorena Vasconcelos

33

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS ‘ 5. LISTA DAS QUESTÕES APRESENTADAS NA

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

5. LISTA DAS QUESTÕES APRESENTADAS NA AULA

  • 1

(CESPE

BACEN

2013

PROCURADOR) Como o poder

de

polícia da administração se

funda no

poder de império

Estado, o

do

seu

exercício não é passível de delegação a

particulares, regra que, todavia, não se estende às denominadas atividades de

apoio, para as quais é admitida delegação.

a

  • 2

(CESPE 2013 MPU TÉCNICO)

Considere que Daniel, funcionário público, tenha sido suspenso por decisão da autoridade competente após regular processo administrativo

disciplinar que apurou denúncia de que

  • 4

(CESPE 2013 MJ ANALISTA)

Decorre da hierarquia administrativa o poder de dar ordens aos subordinados, que implica o dever de obediência aos superiores, mesmo para ordens consideradas manifestamente ilegais

  • 5 (CESPE 2013 TCE/RO

AGENTE

ADMINISTRATIVO)

 

Quando

a

administração

expede

normas

de

caráter

geral

impessoal, ela está

e

desempenhando o poder regulamentar

e

a

função

 

normativa

simultaneamente.

 
  • 6 (CESPE 2013 TCE/RO

AGENTE

ADMINISTRATIVO)

 

O

poder

discricionário é um

poder absoluto e

intocável,

 

concretizando-se

no

momento em que pela administração.

ato

o

é

praticado

  • 7

(CESPE

2013

 

MPE/RO

PROMOTOR DE JUSTIÇA) A licença é

um meio

de

atuação

do

poder

de

polícia da administração pública e não

Prof. Lorena Vasconcelos

ele havia praticado irregularidades no exercício do cargo. Nessa situação, a

autoridade

competente

agiu

no

exercício

do

poder

de

polícia

da

administração,

a

qual

impor

pode

sanções

a

seus

servidores,

independentemente de decisão judicial.

3

(CESPE 2013 MJ

ANALISTA) O

poder

administrativo disciplinar

consiste na possibilidade de a administração pública aplicar punições aos agentes públicos e aos particulares em geral que cometam infrações.

pode

ser

negada

se

requerente

o

os requisitos

satisfizer

 

legais para

a

sua obtenção.

 

8

(CESPE 2013 PRF

 

POLICIAL) A

administração não pode estabelecer,

unilateralmente, obrigações

aos

particulares,

 

mas

apenas

seus

aos

servidores

e

aos

concessionários,

permissionários serviços públicos.

e

delegatários

de

9

(CESPE 2013

MC

 

ATIVIDADE

TÉCNICA) O poder de polícia somente

poderá ser exercido mediante prévia autorização judicial.

10

(CESPE 2013 MC

ATIVIDADE

TÉCNICA)

O

poder

punitivo

da

administração

se

consolida

com

o

poder disciplinar

 

11

(CESPE

 

2013

TCE/RO

ANALISTA) Por

meio

do

poder

regulamentar, a administração pública

34

poderá complementar e alterar a lei a fim de permitir a sua efetiva aplicação. 12 –

poderá complementar e alterar a lei a fim de permitir a sua efetiva aplicação.

12

(CESPE

2013

MS

ADMINISTRADOR) Considere que um servidor público, no exercício de suas

atribuições, abuse

do

poder

a

ele

conferido. Nessa situação,

a

invalidação dos atos por ele praticados

pode

ocorrer

na

própria

esfera

administrativa ou

por

meio

de

ação

judicial, podendo, ainda, sua conduta configurar ilícito penal.

13

(CESPE 2013 MS ANALISTA) A

inércia da autoridade administrativa, caracterizada pela falta de execução de determinada prestação de serviço que por lei está obrigada a cumprir, constitui abuso de poder.

14

(CESPE 2013 MS ANALISTA) O

abuso do poder

se

configura apenas

quando a

autoridade pratica o ato,

embora não possua competência para

tal.

15

(CESPE 2013 ANS TÉCNICO)

Para

que

administração

a

pública

execute

a

demolição

de

uma

construção

irregular, é

necessária

autorização judicial prévia.

16

(CESPE 2013 TJ/RR CARTÓRIO)

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica, mesmo sendo uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Justiça, não está sujeito ao poder hierárquico desse ministério.

17

(CESPE 2013 MPU TÉCNICO)

Verifica-se a existência de hierarquia administrativa entre as entidades da

Prof. Lorena Vasconcelos

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

 

administração

indireta

e

entes

os

federativos que

instituíram

as

ou

autorizaram a sua criação.

  • 18 (CESPE 2013 MPU TÉCNICO) É

denominado regulamento executivo o decreto editado pelo chefe do Poder Executivo federal para regulamentar leis.

  • 19

(CESPE

2013

PC/BA

INVESTIGADOR) Em razão do poder regulamentar da administração pública, é possível estabelecer normas relativas ao cumprimento de leis e criar direitos, obrigações, proibições e medidas punitivas.

  • 20 (CESPE 2013 TJDFT

AJAJ) No

que se refere ao exercício do poder de

polícia, denomina-se exigibilidade

a

prerrogativa da administração de praticar atos e colocá-los em imediata

execução, sem depender de prévia manifestação judicial.

  • 21 (CESPE 2013 STM JUIZ) Decreto

com características de ato autônomo abstrato expedido, a pretexto de regulamentação do direito de reunião, pelo Poder Executivo poderá ser questionado por meio de ADI.

  • 22 (CESPE 2013 TJDFT TÉCNICO)

Considere que determinado agente público detentor de competência para aplicar a penalidade de suspensão resolva impor, sem ter atribuição para tanto, a penalidade de demissão, por entender que o fato praticado se encaixaria em uma das hipóteses de demissão. Nesse caso, a conduta do agente caracterizará abuso de poder,

35

 
DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS
 

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

 

na modalidade denominada excesso de

hierárquico, a delegação pode ocorrer

poder.

de

modo

vertical

ou

horizontal,

enquanto a avocação se exclusivamente no sentido vertical.

dos efeitos do sistema hierárquico na

(CESPE 2013 TJDFT AJAJ) Um

23

 

administração é a avocação de

28

(CESPE 2013 TELEBRÁS

competência, possível somente entre

TÉCNICO) De acordo

a doutrina

com

órgãos e agentes do mesmo nível

majoritária, o controle judicial sobre o

hierárquico ou entre os quais haja

exercício do poder discricionário deve

relação de subordinação, em razão de

incluir

a

análise

do

mérito

do

ato

circunstâncias de índole técnica, social,

administrativo.

 

econômica, jurídica ou territorial.

   
 

30

(CESPE 2013

CNJ

AJAJ)

O

24

(CESPE 2013 TJDFT

AJOJ) A

objeto

 

do

poder

de

polícia

atribuição

conferida

a

autoridades

administrativa é todo bem, direito ou

administrativas

com

o

objetivo

de

atividade individual que possa afetar a

apurar

punir faltas funcionais, ou

e

coletividade

ou

pôr

em

risco

a

seja, condutas contrárias à realização normal das atividades do órgão e

segurança nacional.

 

irregularidades de

diversos

tipos

 

traduz-se,

especificamente,

no

31

(FUNCAB 2013 ANS

Atividade

chamado poder hierárquico.

técnica

 

de

Suporte

Direito)

Um

superior hierárquico aplica uma pena de suspensão ao servidor público que

25

(CESPE

 

2013

DPE/RR

cometeu uma infração. Isso é a

DEFENSOR)

 

A

organização

expressão do poder:

administrativa

 

baseia-se

nos

a)

vinculado

 

pressupostos

 

da

distribuição

de

competências e da hierarquia, razão

b)

de polícia

o titular

por que

de uma secretaria

c)

discricionário

estadual, desde

que

não

haja

 

impedimento legal, pode delegar parte

d)

regulamentar

 

da

sua

competência

a

órgão

outro

e)

disciplinar

 

quando for conveniente em razão de determinadas circunstâncias, como a

 

de índole econômica, por exemplo.

 

32

(FUNCAB 2013 ANS

Atividade

 

suporte (direito)) No

técnica de

que

tange ao poder de polícia, assinale

a

26

(CESPE

2013

 

TELEBRÁS

alternativa correta.

 

TÉCNICO) A polícia administrativa se expressa ora por atos vinculados, ora

a)

O poder de polícia é exercido com

por atos discricionários.

exclusividade

pelos

 

órgãos

de

segurança

 

pública

elencados

na

 

Constituição Federal.

 

27

(CESPE

2013

 

TELEBRÁS

b)

O

consentimento de polícia é uma

TÉCNICO)

No

exercício

do

poder

das fases do poder de polícia.

 

Prof. Lorena Vasconcelos

36

c) O fechamento de estabelecimentos pelo Poder Público não é manifestação do poder de polícia, ao

c)

O fechamento de estabelecimentos

pelo Poder Público não é manifestação do poder de polícia, ao contrário da fiscalização que é eminentemente uma

manifestação desse poder.

 

d)

Atualmente, a delegação do poder

de polícia pode ser livremente realizada, ao contrário do que dispunha a doutrina clássica.

e)

A medida de salvaguarda contra o

poder de polícia é o habeas libertatis

 

33 (FUNCAB 2013 Sudeco Agente Administrativo) É uma das atribuições do poder hierárquico:

a)

aplicar penalidades funcionais a seus

agentes.

 

b)

apurar

cometimento

ilícitos

de

administrativos pelos seus agentes.

 

c)

chamar a si funções originalmente

atribuídas a um subordinado.

 

d)

explicar

a

lei

para sua correta

execução

 

e)

condicionar e restringir o uso e gozo

de bens em benefício da coletividade.

 

34 (FUNCAB 2013 PC ES Psicólogo)

 

configura

Não

exemplo

típico

de

manifestação do Poder de Polícia

da

Administração Pública hipótese:

seguinte

a

a)

concessão de licença para construir

em imóveis.

 

b)

fiscalização

sanitária

em

estabelecimentos.

 

c)

controle

do

trânsito

veículos

de

automotores.

 

d)

concessão

 

de

alvarás

de

funcionamento.

 

e)

punição de agente público por falta

funcional.

Prof. Lorena Vasconcelos

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

35 (FUNCAB 2013 PC ES Escrivão de Polícia) A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade

de

todos,

é

exercida

para

a

preservação da ordem

pública

 

e

da

incolumidade

 

pessoas

das

e

do

patrimônio. Nesse sentido, é correto

afirmar:

 

I. Quando a Polícia Civil aplica uma multa, está exercendo atipicamente a atividade de polícia administrativa.

II. Quando a Polícia Federal prende um traficante internacional de drogas, está exercendo atipicamente a atividade de polícia judiciária.

III. Quando a Polícia Rodoviária Federal

aplica

uma

multa

excesso

por

de

velocidade,

está

exercendo

atipicamente

atividade

a

polícia

de

administrativa.

IV. Quando a Guarda-Municipal prende um ladrão de um transeunte, está exercendo tipicamente a atividade de polícia ostensiva.

Assinale a opção que contempla apenas as assertivas corretas.

  • a) I e II.

  • b) II e III.

  • c) III e IV.

  • d) I e III.

  • e) II e IV.

36 (FUNCAB 2013 PC ES Escrivão) O Estado tem seu poder constituído na lei, na qual também encontra seu limite. Assim, é correto afirmar:

37

I. Excesso de poder ocorre quando a autoridade, embora competente para praticar o ato, vai além

I. Excesso

de

poder ocorre quando a

autoridade, embora competente para praticar o ato, vai além do permitido e

exorbita

de

suas faculdades

administrativas.

II. Quando uma autoridade decreta uma desapropriação alegando utilidade pública, mas, na realidade, visa o seu interesse pessoal ou favorecer um amigo, pratica desvio de finalidade.

III. São mecanismos para combater o

abuso de

poder

o

mandado

de

segurança e o direito de petição.

IV.

A

inércia

da

Administração,

retardando

ato

ou

fato

deve

que

praticar,

não

caracteriza

abuso

de

poder.

Assinale

a

opção

que contempla as

assertivas corretas.

  • a) I, II, III e IV.

  • b) I, II e III, apenas.

  • c) III e IV, apenas.

  • d) II e III, apenas.

  • e) I e II, apenas.

37 (FUNCAB 2013 PC ES Escrivão) A Administração Pública é a atividade desenvolvida pelo Estado ou pelos seus

delegados, sob

o

de direito

regime

público. Quanto

aos

poderes

da

administração,

marque

a

única

alternativa INCORRETA.

 
  • a) Vinculado: quando a lei

confere à

Administração

Pública

poder

para

a

prática

de

determinado

ato,

estipulando

todos

os

requisitos

e

elementos necessários à sua validade.

Prof. Lorena Vasconcelos

DIREITO ADMINISTRATIVO CARREIRAS DE NÍVEL MÉDIO Prof. LORENA VASCONCELOS

 

b)

Discricionário:

 

quando

 

o

Direito

concede

à

Administração,

de

modo

explícito

ou

implícito,

poder

para

prática

de

determinado

 

ato

com

liberdade

de

escolha

de

sua

conveniência e oportunidade.

 

c)

Hierárquico:

é

atividade

da

a

Administração Pública que, limitando ou disciplinando direitos, interesses ou liberdades individuais, regula a prática do ato ou abstenção de fato, em razão

do interesse público. É aplicado aos particulares.

d)

Disciplinar:

 

é

conferido à

Administração para apurar infrações e

aplicar penalidades funcionais a seus

agentes e demais pessoas sujeitas à disciplina administrativa, como é caso das que por ela são contratadas.

o

e)

Normativo:

embora

a

atividade

normativa caiba predominantemente ao Legislativo, nele não se exaure, cabendo ao Executivo expedir regulamentos e outros atos normativos de caráter geral e de efeitos externos.

  • 38

(FUNCAB 2013

PC

ES

Médico

Legista) Levando em conta o poder

hierárquico da Administração Pública, é possível que excepcional e

temporariamente

uma

autoridade

superior arrogue para si a competência de um órgão ou agente subordinado. Nessa hipótese, caracteriza-se:

  • a) avocação.

  • b) delegação.

  • c) escalonamento.

  • d) sobreposição.

  • e) supervisão.

    • 39

(FUNCAB 2013 PC ES Médico

legista) Não configura exemplo típico de manifestação do Poder de Polícia da

38

Pública Administração a
Pública
Administração
a

seguinte

hipótese:

 

a) concessão de licença para construir em imóveis.

b)

fiscalização

sanitária

em

estabelecimentos.

 

c)

controle

trânsito

do

veículos

de

automotores.

 

d)

concessão

de

alvarás

de

funcionamento.

e) punição de agente público por falta funcional.

  • 40 (FUNCAB 2013 PC ES Assistente

Social) Não configura exemplo típico de

Gabaritos