Anda di halaman 1dari 25

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA & PENEIRAMENTO INDUSTRIAL
ANÁLISE GRANULOMÉTRICA &
PENEIRAMENTO INDUSTRIAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Análise granulométrica

O peneiramento é o método de análise granulométrica mais antigo e o mais utilizado. Consiste na passagem das partículas por uma série de peneiras superpostas cujas aberturas são sucessivamente menores.

Às partículas que passam pelas aberturas da peneira dá-se o nome de passante ou do inglês (undersize) e as que não passam, retido (oversize).

Os fatores que mais influenciam na eficiência do peneiramento são:

Massa de material a ser ensaiada; Escolha adequada das técnicas de peneiramento; Limpeza apropriada das peneiras, para evitar o cegamento das mesmas; Tempo de peneiramento.

O peneiramento poderá ser realizado através de peneiradores vibratórios a seco ou a

úmido ou através de equipamentos de bancada e peneiramento manual. As figuras

34/35, mostram modelos de peneiradores e as figuras 36 e 37, mostram os modelos de peneiras mais usuais.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Análise granulométrica

Consiste na passagem de partículas por uma série de peneiras superpostas, cujas aberturas são sucessivamente menores. Às partículas que passam pelas aberturas

da peneira dá-se o nome de passante ou, do inglês, "undersize" (US), e às que não

passam, retido ou "oversize" (OS). As peneiras de laboratório, ilustradas na figura 1, apresentam algumas características padronizadas para que os resultados da classificação granulométrica sejam comparáveis. São elas:

forma das aberturas: quadrada; diâmetro dos fios: função das aberturas; formação da malha (tela): fios de arame;

tamanho e formato: redonda (diâmetro = 200 mm e altura = 50 mm) ou quadrada (lado = 500 mm);

abertura das malhas: existem escalas padronizadas.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Análise granulométrica

Das escalas, ou séries, de peneiras existentes a Tyler é a mais utilizada.

Possui abertura padrão de 74 micrometros, correspondendo a 200 malhas por polegada linear na direção paralela a um dos fios da tela. A série é obtida com o uso do fator aplicado à abertura padrão, segundo uma progressão geométrica.

A série completa de peneiras Tyler está mostrada na tabela 1. Ressalte-se que,

embora seja usual designar-se as peneiras pelo número de malhas ou, do inglês, número de "mesh", ver figura 2, o correto é designá-las pela sua abertura em mm (ou outra unidade métrica). O número de malhas só poderia ser utilizado como medida padrão caso os diâmetros dos fios que iriam constituir as peneiras de

qualquer escala ou fabricação fossem padronizados.

1” 1” 1” 8 8 8 mesh ou 2.360μm mesh ou 2.360μm mesh ou 2.360μm
1”
1”
1”
8
8
8
mesh ou 2.360μm
mesh ou 2.360μm
mesh ou 2.360μm
2020 cmcm
2020 cmcm

Tabela 1 - Séries ABNT, Internacional, Tyler e padrão Americano

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

12 4,00 Americano Designação pol -mesh pol -mesh Americano Designação Internacional Internacional Internacional Internacional / Abertura
12
4,00
Americano
Designação
pol -mesh
pol -mesh
Americano
Designação
Internacional
Internacional
Internacional
Internacional
/
Abertura
Abertura
μ m
mm mm
/
m
/
mm mm
Abertura
μ m
μ μ m
Abertura
/
pol -mesh
Designação
pol -mesh
Designação
Americano
Americano
Brasileiro (ABNT)
Designação
pol -mesh
Abertura
mm mm
Designação
mesh
mesh
Tyler
Designação
Abertura
Tyler
Brasileiro (ABNT)
pol -mesh
Designação
Designação
Brasileiro (ABNT)
Tyler
mesh
Designação
mm mm
Abertura
pol -mesh
Designação
Abertura
pol -mesh
Designação
mesh
Brasileiro (ABNT)
Tyler
5
5
4
###
4
4
###
###
4
###
4
4
4,0
1,18
1,70
4,8
10
1,7
12
1,40
14
12
1,4
14
6,30
106
140
150
3
6,70
0,265
3
6,8
10
1/4
6,3
5,60
3 1/2
1/2
5,6
4,75
4
2,00
7
2,8
270
2,36
8
8
2,4
8
7
10
9
2,0
355
500
35
3 2
0,500
18
16
14
1,2
16
1,00
18
16
1,0
120
7
5
3,35
6
6
3,4
6
2,80
0,600
710
25
24
0,700
25
65
30
28
20
30
500
35
3 2
0,500
35
200
140
0,250
300
425
48
0,300
50
250
60
60
90
60
212
70
600
50
20
20
0,840
150
0,150
0,210
70
180
80
80
0,175
80
0,053
100
100
8
100
125
120
115
0,125
0,105
170
170
0,088
170
75 75
200
200
0,075
35
63 63
230
250
0,063
230
53
270
270
400
4,75
45
325
325
0,044
325
38
400
5,6
0,037
400
12
8
2,00
10
9
2,0
0,265
100
100
0,150
100
125
120
6,30
6,70
10
3
6,8
1/4
6,3
5,60
3 1/2
3
1/2
6
5
5
4,0
5
3,35
6
6
0,063
4,00
2,80
7
7
2,8
7
2,36
8
8
1,4
1,70
12
10
1,7
2,4
1,40
14
12
150
14
1,18
16
14
1,2
3,4
4
4,8
0,840
18
16
1,0
18
8
50
20
20
1,00
60
710
25
24
0,700
25
600
30
0,350
425
40
35
0,400
40
30
45
42
28
45
300
50
48
0,300
50
250
20
70
200
63
230
80
60
0,250
60
212
0,075
65
0,210
70
180
80
16
0,175
80
140
0,600
0,088
0,125
120
106
140
150
0,105
45
90
170
170
115
170
75
200
200
10
8
8
2,4
8
2,00
10
9
2,0
12
1,70
2,36
10
1,7
12
0,600
3,35
5,6
270
5,60
3 1/2
3 3
325
230
270
270
0,053
4,75
325
325
0,044
1/2
400
400
0,037
400
80
60
60
0,250
60
70
65
0,210
0,300
50
80
0,175
80
100
100
0,150
100
0,400
6
4 4
4,8
4,00
5 5
5 5
4,0
5
6
6,3
3,4
6
2,80
7
7
2,8
7
70
8
6,70
3
6,8
6,30
1/4
6,3
5,60
3 1/2
0,265
20
1,2
16
1,00
18
16
1,0
18
6
5,6
4,75
4,8
4,00
4,0
5
3,35
1/2
50
3,4
6
2,80
7
7
2,8
7
2,36
14
12
8
1,7
12
1,40
14
12
1,4
1,70
1,18
16
6,70
0,265
3
6,8
6,30
1/4
30
20
14
0,840
20
25
24
0,700
25
0,600
10
2,4
8
2,00
10
9
2,0
10
1,0
50
48
20
1,2
16
1,00
18
16
300 300
18
8 8
50
20
14
0,840
20
710 710
40
250
30
500 500
35
3 2
0,500
35
425 425
25
35
100
40
355 355
45
42
0,350
45
50
170
1,40
14
12
1,4
14
1,18
16
170
40
35
0,400
40
355
45
42
0,350
115
24
0,700
25
600 600
30
90 90
125 125
120
0,400
0,125
120
106 106
140
150
0,105
140
28
0,044
53 53
270
270
0,053
270
45 45
325
230
230
325
38 38
400
400
0,037
400
170
120
45
30
35
3 2
0,500
35
40
35
40
115
42
0,350
45
50
48
325
250
0,063
180 180
60
0,250
60
212 212
70
65
0,210
0,300
60
80
80
0,175
80
150 150
100
100
0,150
0,088
0,125
120
140
150
0,105
140
28
170
6
170
200
200
0,075
200
70
50
250 250

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

  • 100 0,150

27,5

23,88

76,12

9,93

100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
% passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87
% passante
acumulada
86,09
70,20
33,82
50,87
13,91 49,13 65 0,209 47,2 17,05 66,18 29,80 % retida acumulada 44,0 35 0,418 38,5 retida
13,91
49,13
65 0,209
47,2
17,05
66,18
29,80
% retida
acumulada
44,0
35 0,418
38,5
retida (g)
Massa
28 0,591
(mm)
Abertura
# (Tyler)
19,33
53,5
48 0,296
15,90
13,91
simples
% retida
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
19,5 150 0,105 30,2 10,91 87,03 12,97 200 0,074 7,04 94,08 5,92 -200 16,4 5,92 100,00
19,5
150 0,105
30,2
10,91
87,03
12,97
200 0,074
7,04
94,08
5,92
-200
16,4
5,92
100,00
-
Total
276,8
100,00
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
100 0,150 27,5 23,88 76,12 9,93 % passante acumulada 86,09 70,20 33,82 50,87 13,91 49,13 65
0,35 20 40 60 80 100 0,05 0,15 0,25 Gráfico de % (passante acumulada) vs. aberturas
0,35
20
40
60
80
100
0,05
0,15
0,25
Gráfico de % (passante acumulada)
vs. aberturas (mm)
0,45
0,55
Aberturas em mm
% passante acumulada
0,65
0

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Análise granulométrica

O estudo da distribuição de tamanhos de partículas existentes em um lote mineral (análise granulométrica) constitui uma parte fundamental dos procedimentos de laboratório. Pode, na prática, oferecer informações tais como:

  • a) controle da produção de finos nos processos de cominuição,

  • b) estabelecimento do grau de liberação em intervalos de tamanho bem definidos,

  • c) controle de especificações de mercado,

  • d) distribuição de elementos (química e mineralogicamente) nas diversas frações

granulométricas,

  • e) avaliação

da

eficiência

(desempenho)

de

equipamentos

ou

processos

de

separação por tamanho,ou mesmo, em processos de concentração.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Peneira granulométrica e peneiras sobrepostas. Peneirador supenso a seco e
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Peneira granulométrica e peneiras sobrepostas. Peneirador supenso a seco e

Peneira granulométrica e peneiras sobrepostas.

Peneirador supenso a seco e a úmido

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Geralmente a análise granulométrica é utilizada com os seguintes objetivos:

Controle da produção de finos nos processos de britagem e moagem; Estabelecimento do grau de liberação em intervalos de tamanhos bem definidos; Controle de especificações granulométricas de produtos;

Distribuição de elementos granulométricas;

(química

e

mineralogia)

nas

diversas

frações

Avaliação da eficiência (desempenho) de equipamentos ou processos de separação por tamanho, ou mesmo, em processos de concentração.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Escala de peneiras

Das escalas ou série das peneiras existentes, a Tyler (cuja unidade é o mesh - #) é a mais utilizada. Para montarmos esta escala, tomamos como referência a peneira de 74

microns, correspondendo a 200 #, que significa 200 aberturas em uma

polegada linear.

Exemplo: 0.074 mm x raiz de 2 = 0,105 mm ou 150# 0.074 mm raiz de 2= 0,052 mm ou 270#

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Escala de peneiras Das escalas ou série das peneiras existentes,

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

ESCALA DE PENEIRAS

PENEIRAS

Abertura

Abertura

 

ESCALA TYLER (#)

(cm)

(mm)

Microns

  • 3 0,673

 

6,730

6730

  • 4 0,476

 

4,760

4760

  • 6 0,336

 

3,360

3360

  • 8 0,238

 

2,380

2380

  • 10 0,168

 

1,680

1680

  • 14 0,119

 

1,190

1190

  • 20 0,0841

 

0,841

841

  • 28 0,0595

 

0,595

595

  • 35 0,0420

 

0,420

420

  • 48 0,0298

 

0,298

298

  • 65 0,0210

 

0,210

210

  • 100 0,0149

 

0,149

149

  • 150 0,0105

 

0,105

105

200

0,0074

0,074

74

  • 270 0,0053

 

0,053

53

  • 325 0,0044

 

0,044

44

  • 400 0,0037

 

0,037

37

  • 635 0,0020

 

0,020

20

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo prático de cálculo de análise granulométrica

1º) Somar as massas retidas em todas as peneiras, encontrando o peso total.

2º) Para determinar o percentual retido simples, dividir cada massa encontrada pelo total e multiplicar por 100.

3º) Para determinar o percentual retido acumulado, proceder assim:

Repete-se o valor encontrado da % retida simples na primeira malha de % retida acumulada. Em seguida somar a % retida simples das malhas subseqüentes a % retida acumulada da malha imediatamente anterior.

1º 2º 3º

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Determinação de umidade

Diversas vezes necessita-se do índice de umidade do minério, pois existe limite

máximo de água permitido. A água pode existir no minério sob duas formas:

Uma forma é a que chamamos de umidade.

O conceito de umidade é muito parecido com o conceito de molhado. Essa água fica aderida ao minério e pode ser eliminada por simples aquecimento a 110ºC (100ºC é temperatura de ebulição da água ao nível do mar).

A outra

forma em que se encontra a água é fazendo parte da constituição do

minério.

Na determinação da umidade devemos ter o cuidado de separar estas duas formas, Isto é feito controlando a temperatura da estufa.

A amostra

destinada

a

este

fim

deve

ser

tratada

imediatamente

após

seu

recolhimento

para

evitar

que

durante

a

espera

haja

perda

de

umidade

por

evaporação.

É bom notar que estamos tratando de minério não misturado com água. Na usina de concentração, onde se trabalha com polpa (mistura de minério + água), não faz

sentido o cálculo de umidade e sim o cálculo de porcentagem de sólidos na polpa.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo prático de uma determinação de umidade:

Pesa-se 1 kg de minério e deixa-se na estufa durante um bom intervalo de tempo a 110oC, colocando-se a amostra de preferência numa vasilha rasa e larga para que ela possa ser espalhada.

É bom que, de tempo em tempo, se revolva o minério para que fique bem

seco. Ao final desta operação de secagem, deixar esfriar e pesar novamente.

A razão da diferença entre o peso úmido e o peso seco em relação ao

peso úmido, nos porcentagem (%).

o

teor

de umidade, base úmida, expresso

em

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Análise granulométrica

  • Peneiramento (100.000 a 37 m);

  • Subpeneiramento (50 a 1 m);

  • Sedimentação/elutriação (150 a 0,01 m);

  • Sedigraph (50 a 1 m).

  • Alpine air (40 a 1 m);

  • Microscopia ótica (5 a 0,001 m);

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Os fatores que mais influenciam na eficiência do peneiramento são:

  • Massa de material a ser ensaiada;

  • Escolha adequada das técnicas de peneiramento;

  • Limpeza apropriada das peneiras, para evitar o cegamento das mesmas;

  • Tempo de peneiramento;

  • umidade

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneirador suspenso a seco e a úmido.

Peneiramento:

A seco A úmido

Combinado neste caso faz-se peneiramento a úmido peneira de 325# ou 400#, o retido é seco e peneirado a seco.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Peneirador suspenso a seco e a úmido. Peneiramento: A seco

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Escala de peneiramento

  • Das escalas ou série das peneiras existentes, a Tyler (cuja unidade é o mesh - #) é a mais utilizada.

  • Toma-se como referência a peneira de 74 micra, correspondendo a 200 #, que significa 200 aberturas em uma polegada linear.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PENEIRAS

Abertu

Abertura

 

ESCALA TYLER

ra

(mm)

Microns

(#)

(cm)

  • 3 0,673

 

6,730

6730

  • 4 0,476

 

4,760

4760

  • 6 0,336

 

3,360

3360

  • 8 0,238

 

2,380

2380

  • 10 0,168

 

1,680

1680

  • 14 0,119

 

1,190

1190

  • 20 0,0841

 

0,841

841

  • 28 0,0595

 

0,595

595

  • 35 0,0420

 

0,420

420

  • 48 0,0298

 

0,298

298

  • 65 0,0210

 

0,210

210

  • 100 0,0149

 

0,149

149

  • 150 0,0105

 

0,105

105

200

0,0074

0,074

74

  • 270 0,0053

 

0,053

53

  • 325 0,0044

 

0,044

44

  • 400 0,0037

 

0,037

37

  • 635 0,0020

 

0,020

20

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Relembrando cálculo da densidade Picnometria de água: Baseia-se no princípio do empuxo.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Relembrando cálculo da densidade  Picnometria de água: Baseia-se no
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Relembrando cálculo da densidade  Picnometria de água: Baseia-se no
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Relembrando cálculo da densidade  Picnometria de água: Baseia-se no

Análise Granuloquímica

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

 

Peso

 

Teor (%)

 

Fração (#)

Retido

 

%

Zn

Fe

CaO

MgO

Al2O3

SiO2

S

   

65

3,44

4,76

3,15

8,24

6,27

2,69

65 a 100

9,44

9,81

12,7

100

a 150

15,58

13,75

2,51

7

8,18

7,94

8,72

12,53

2,69

12,76

11,57

a 200

150

7,21

7,75

9,77

3,01

13,57

10,6

a 270

200

a 400

325

10,89

3,17

13,75

2,03

a 325

270

12,13

44,99

3,64

14,54

3,49

10,89

7,48

<400

7,64

10,53

4,33

6,84

Total

100

10,7

3,13

11,56

4,02

38,68

0,02

3,79

4,58

5,24

3,6

37,15

0,03

0,03

35,79

0,03

37,73

0,025

36,93

36,21

0,03

3,88

35,1

0,02

0,02

38,85

5,36

4,39

0,02

43,16

6,37

EXERCÍCIO Preencha a tabela explicitando das aberturas do o nº mesh Tayler

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Análise Granulométrica

Aberturas

µm

Peso

Simples

% retida

Simples

% Retido

Acumul.

%Passante

592

0,15

419

0,51

296

1,88

209

26,25

148

115,82

105

143,37

74

119,04

52

83,04

44

44,73

37

28,05

<37

26,78

Total

589,62

RESOLUÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

 

Análise Granulométrica

 

Aberturas

Peso

% retida

% Retido

%Passante

µm

Simples

Simples

Acumul.

592

0,15

0,03

0,03

99,97

419

0,51

0,09

0,12

99,88

296

1,88

0,32

0,44

99,56

209

26,25

4,45

4,89

95,11

148

115,82

19,64

24,53

75,47

105

143,37

24,32

48,85

51,15

74

119,04

20,19

69,04

30,96

52

83,04

14,08

83,12

16,88

44

44,73

7,59

90,71

9,29

37

28,05

4,75

95,46

4,54

<37

26,78

4,54

100,00

 

Total

589,62

100,00

   

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Distribuição Granulométrica 50 60 70 80 90 100 110 0,010 0,100 1,000 10,000 Malha (mm) Passante
Distribuição Granulométrica
50
60
70
80
90
100
110
0,010
0,100
1,000
10,000
Malha (mm)
Passante Acumulado (%)

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

105 296 209 148 74 52 44 37 <37 Total abertura % Passante 0 20 70
105
296
209
148
74
52
44
37
<37
Total
abertura
% Passante
0
20
70
25
30
35
40
45
50
55
60
65
20
75
80
85
90
95
100
µm
419
% Retido Acumul.
30
40
50
60
70
80
90
100
% Retido Acumulado
592
%Passante
10
Granulometria
0
5
10
15