Anda di halaman 1dari 22

Prof.

Juliano Batista

julianojbs@gmail.com

“A busca da felicidade interior.”

Filosofia Helênica III a.C – VI d.C.
Filosofia greco-romana

“Das reflexões políticas às reflexões éticas”

Prof. Juliano Batista

julianojbs@gmail.com

Quarto Período da Filosofia Antiga
Período ético, helenístico ou cosmopolita (III a.C.–VI d.C.):
- nesse período o território grego é marcado pelas invasões macedônias lideradas por
Alexandre o Grande e, posteriormente, pelas invasões romanas;
- com as invasões macedônias ocorre a influência do pensamento judaico e cristão
(cultura dos povos orientais) na filosofia grega (cultura grega clássica);
- tempos depois, com as invasões romanas, ocorre a influência do pensamento
romano na filosofia grega.

.

.

com Quarto Período da Filosofia Antiga As principais correntes filosóficas desse momento são: — Filosofia greco-romana III – I a.Prof.C...C.C. — Filosofia greco-romano-cristã: patrística d. — Filosofia greco-romano-judaico-cristã: neoplatonismo d. Juliano Batista julianojbs@gmail. .

com Filosofia Greco-Romana Principais escolas greco-romanas: .A escola cética fundada por Pírron de Élis.A escola epicurista fundada por Epicuro de Samos. .A escola estóica fundada por Zenão de Cítio. .Prof. exercida na pólis. .A escola eclética fundada por Cícero de Roma. Juliano Batista julianojbs@gmail. é desconfigurada. Do público ao privado: Com a invasão de Alexandre. a antiga e plena liberdade democrática e política do cidadão grego. Com isso a reflexão sobre a vida pública (Política) é substituída pela reflexão da vida privada (Ética). .

Prof. Soc. Romana Gregos Romanos .com Sociedade Grega vs. Juliano Batista julianojbs@gmail.

.

. Prazer epicurista ≠ Prazer cirenaico  Prazer epicurista: é o prazer sábio. da justa medida. Assim se chegaria à ataraxia.  Prazer cirenaico: é toda e qualquer forma de prazer: excessivo. moderado ou faltoso. moderado . que é caracterizada pela ausência de pertubações.  O prazer é o princípio e o fim de uma vida feliz. — A primeira condição necessária à felicidade é a criação de condições materiais e psicológicas que nos permitam experimentar apenas os prazeres da e na vida.C.julianojbs@gmail.AUTARQUIA.com Epicuro de Samos 341-271 a.  Prazer (moderado) no epicurismo significa ausência de dor (aponia) ou sofrimento.

..dedicação ao conhecimento.. Eles podem ser classificados em. . Atenção! O único prazer é o prazer do corpo e o que se chama de prazer do alma é apenas lembrança dos prazeres do corpo. intensos e passageiros.. .virtudes: resultado do controle das paixões. desejos e apetites: epicuristas e cirenaicos. . .Prof.  Prazeres Inferiores do corpo: inclui os prazeres imediatos.com Graus dos Prazeres Epicuro distingue dois graus/grupos de prazeres/desejos. Juliano Batista julianojbs@gmail. .audição das músicas. a saber:  Prazeres Superiores do Alma: são os mais elevados e duradouros.. .vícios: ações não moderadas pela razão: cirenaicos. que com o passar do tempo perdem à sua força.contemplação das artes.boa conversação.

 Contentar-se com pouco seria o segredo do prazer e da felicidade: eliminação da dor.Prof.com Tipologias dos Prazeres Epicuro afirma que alguns prazeres/desejos devem ser buscados e outros evitados. . Juliano Batista julianojbs@gmail.

..Medo da morte. . 4º.não deve se preocupar sobre a vida futura. não temer pelo castigo dos deuses. a saber: Causas da angústia... reconhecer que os males não são difíceis de suportar.Medo dos deuses.Medo do futuro. .com Prazeres e Felicidade Para Epicuro o homem somente alcança a felicidade através dos quatro remédios da alma e do corpo. Além disso o homem.Prof. saber que o bem é possível de se alcançar. . 1º.não deve se voltar à vida política. . 2º. 3ª. . . não se preocupar com a morte e o pós-morte..Problemas políticos. Juliano Batista julianojbs@gmail.

 Nos jardins. comunidade dos discípulos de Epicuro. que consiste na unidade entre a aponia (ausência de dor e sofrimento) e a ataraxia (vida livre de pertubações). reinava a alegria e a vida simples. Juliano Batista julianojbs@gmail. onde a amizade era a maior das virtudes. Felicidade = Aponia + Ataraxia = Prazer Moderado Atenção! Para Epicuro os prazeres momentâneos desnecessários podem trazer mais desprazer e dor do que felicidade.Prof.com Felicidade Para Epicuro a verdadeira felicidade está associada ao prazer moderado. A Escola de Epicurista foi fundada na cidade de Atenas. pois permitia a correção das faltas uns com os outros. .

“têm coisas mais importantes a fazer”. . “Os deuses”.Prof. das sensações do corpo.. mas relegava-os a planos isolados e à parte.Alma é composta de pequenas partículas atômicas distribuídas pelo corpo. . os 'intermundia'. . Epicuro rejeitava terminantemente a intervenção divina em assuntos humanos. pensava ele.materialista: os princípios primeiros (physis) são os átomos e o vazio – Demócrito e Leucipo.. Juliano Batista Epicuro de Samos A filosofia epicurista é essencialmente.empirista: o verdadeiro conhecimento vem dos sentidos.hedonista: a felicidade é o próprio prazer. . . mas o prazer moderado. motivo pelo qual a morte conduz à dissolução da alma. Epicuro acreditava na existência dos deuses. .mecanicista: as leis da dinâmica explicam os fenômenos naturais.

com Zenão de Cítio c. aos acontecimentos.  Feliz é aquele que aceita e vive o seu amor fati. . — A felicidade consiste na compreensão e aceitação da ordem cósmica como condição necessária e inevitável dos princípios universais que regem tudo que é natural. 335-264 a. bem como a atitude de austeridade física e moral. pois é feliz somente aquele que vive segundo sua própria natureza. Felicidade = Apatia + Ataraxia = Amor Fati  Apatia: é a eliminação. ao próprio destino. ausência das paixões. Zenão propõe o dever.  Ataraxia: é uma vida livre de pertubações. vinculado a compreensão da ordem cósmica. como o melhor caminho para a felicidade.  Amor Fati: significa amor aos fatos.C.julianojbs@gmail. baseada em virtudes.

isto é. tudo que é natural. por pior que possa parecera. por isso o bem do todo é sempre melhor que o bem individual. Logo. Juliano Batista Sobre a Ordem Cósmica A Física ou Cosmologia Estóica: O estoicismo concebe o universo como kósmos.Prof. anima e controla a matéria. harmonioso e composto de dois princípios. será sempre uma coisa boa. . Tudo o que acontece de natural no universo é sempre algo bom.  Princípio Passivo: refere-se a matéria. como por exemplo a morte. como mundo ordenado. É o logos que permeia.  Princípio Ativo: refere-se ao logos (razão ou inteligência). organizado. a saber: passivo e ativo.

pois foi determinado pelo logos divino. ou seja. Ademais não se pode alterar a substância do universo. . exceto a LIBERDADE. Logo: Tudo o que existe e que acontece. está separado do mundo e não se confunde com ele. ou seja. que como toda e qualquer essência é universal e necessária.  Providência: é imanente.  Deus: é transcendente. que hoje seria equivalente ao que se denomina de Deus. Juliano Batista Sobre a Ordem Cósmica Atenção! O princípio ativo ou “Razão Universal” é denominado pelos estoicos de Providência. está no próprio mundo e se confunde com ele. tem um objetivo e uma razão de ser.Prof.

adoecer.  não depende só de nós: é circunstancial..  só dependem de nós: fruto da liberdade humana – Vontade Individual. só resta ao homem aproveitar uma brecha de liberdade para garantir a felicidade. morrer...com Determinismo Cósmico vs.. . Se existe uma ordem cósmica predeterminada e se há coisas que não dependem de nós ou só de nós. profissional ou incompetente. Liberdade Humana — Os estoicos ensinavam que há coisas que.Prof... envelhecer. Coisas Boas ou Coisas Más  não dependem de nós: determinado pelo kómos – Independe da vontade.. Exemplo: ser moral ou imoral. conquistar o coração da pessoa amada. crescer. que é fazer uso da vontade querendo coisas boas. Juliano Batista julianojbs@gmail.. Exemplo: ganhar na loteria. Exemplo: nascer. ligado à sorte ou ao azar.

ligada às condições que só dependem de nós. que podemos exercer à nossa vontade de querer ou não querer a felicidade. . (não) Querer É através da liberdade. Juliano Batista Vontade vs. Liberdade vs. Por isso devo aceitar o destino posto pela ordem cósmica das coisas indiferentes e aproveitar a liberdade de modo a voltar minha vontade à coisas boas para ser feliz. Ter tudo o que desejo e fazer tudo o que quero não depende apenas de meu poder.Prof.

. covarde.. justo. a saber:  Coisas boas: são aquelas que só Virtudes: dependem de nós e que devemos querer e . durante a vida se quisermos ser felizes. ser amado..Prudente.. buscar durante a vida para sermos felizes.. Domínio das Paixões — Os estoicos buscam orientar a conduta das pessoas estabelecendo a seguinte distinção entre as coisas.injusto. ser felizes.Prof. .  Coisas indiferentes: são aquelas que não Determinismo Cósmico: morte. saúde. corajoso. Juliano Batista Virtude vs. mas que devemos evitar ..  Coisas más: são aquelas que só Vícios: dependem de nós... guloso. dependem de nós ou só de nós e por isso não devemos nos preocupar se quisermos Força Externa: poder.

Virtude natural: corresponde a Física. Juliano Batista julianojbs@gmail. o que conduz à formulação de juízos errôneos ou opiniões equivocadas. .Virtude racional: corresponde a Lógica. Coisas boas = Virtudes A principal virtude é a verdade.com Domínio do Pensamento e Paixões A infelicidade ocorre. Coisas más = Paixões Coisas Indiferentes Infelicidade Os estoicos dividiram as virtudes em três categorias: . .Prof. de acordo com os estoicos. quando não conduzimos corretamente nossos pensamentos e não evitamos as chamadas coisas más (que são às paixões) e as coisas indiferentes (que é o determinismo cósmico e forças externas). .Virtude moral: corresponde a Ética.

REZENDE. São Paulo: Atual. B. Vivendo a filosofia. 1992. R. Fundamentos da filosofia. São Paulo: Moderna. MANDIN. 2003. A. Filosofando. P. CHAUÍ. História da Filosofia. M.). G. A. 1979. Convite à filosofia. (org. 1982. Lisboa: Presença. Primeira filosofia. (org. Juliano julianojbs@gmail. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor. T. GILES. São Paulo: Paulus. 2003. Curso de filosofia. L. ARANHA.com Referências Bibliográficas ABBAGNANO. M. Nicola. M. São Paulo: Ática. São Paulo: EDUSP. 2002 [e 2006]. G. 1996.). Fim . 2002.Prof. Curso de filosofia. São Paulo: Saraiva. COTRIM. & MARTINS. 2002. São Paulo: Brasiliense. Os filósofos do ocidente. CHALITA. OLIVEIRA. H. M. para professores e alunos dos cursos de segundo grau e de graduação. Introdução à Filosofia.