Anda di halaman 1dari 22

Prof.

Juliano Batista

julianojbs@gmail.com

“A busca da felicidade interior.”

Filosofia Helênica III a.C – VI d.C.
Filosofia greco-romana

“Das reflexões políticas às reflexões éticas”

Prof. Juliano Batista

julianojbs@gmail.com

Quarto Período da Filosofia Antiga
Período ético, helenístico ou cosmopolita (III a.C.–VI d.C.):
- nesse período o território grego é marcado pelas invasões macedônias lideradas por
Alexandre o Grande e, posteriormente, pelas invasões romanas;
- com as invasões macedônias ocorre a influência do pensamento judaico e cristão
(cultura dos povos orientais) na filosofia grega (cultura grega clássica);
- tempos depois, com as invasões romanas, ocorre a influência do pensamento
romano na filosofia grega.

.

.

. — Filosofia greco-romano-judaico-cristã: neoplatonismo d.Prof.com Quarto Período da Filosofia Antiga As principais correntes filosóficas desse momento são: — Filosofia greco-romana III – I a. Juliano Batista julianojbs@gmail.C.. — Filosofia greco-romano-cristã: patrística d..C.C.

. exercida na pólis. . é desconfigurada. Do público ao privado: Com a invasão de Alexandre. Juliano Batista julianojbs@gmail.A escola cética fundada por Pírron de Élis.A escola estóica fundada por Zenão de Cítio. a antiga e plena liberdade democrática e política do cidadão grego. Com isso a reflexão sobre a vida pública (Política) é substituída pela reflexão da vida privada (Ética).com Filosofia Greco-Romana Principais escolas greco-romanas: .A escola eclética fundada por Cícero de Roma.Prof. .A escola epicurista fundada por Epicuro de Samos. .

Prof. Soc.com Sociedade Grega vs. Romana Gregos Romanos . Juliano Batista julianojbs@gmail.

.

 Prazer (moderado) no epicurismo significa ausência de dor (aponia) ou sofrimento. . Prazer epicurista ≠ Prazer cirenaico  Prazer epicurista: é o prazer sábio. que é caracterizada pela ausência de pertubações.  O prazer é o princípio e o fim de uma vida feliz.com Epicuro de Samos 341-271 a. da justa medida. moderado ou faltoso. Assim se chegaria à ataraxia. moderado .AUTARQUIA.  Prazer cirenaico: é toda e qualquer forma de prazer: excessivo.C.julianojbs@gmail. — A primeira condição necessária à felicidade é a criação de condições materiais e psicológicas que nos permitam experimentar apenas os prazeres da e na vida.

virtudes: resultado do controle das paixões.audição das músicas. que com o passar do tempo perdem à sua força. .com Graus dos Prazeres Epicuro distingue dois graus/grupos de prazeres/desejos. . ..contemplação das artes. . a saber:  Prazeres Superiores do Alma: são os mais elevados e duradouros.dedicação ao conhecimento. desejos e apetites: epicuristas e cirenaicos. intensos e passageiros. Atenção! O único prazer é o prazer do corpo e o que se chama de prazer do alma é apenas lembrança dos prazeres do corpo. ..  Prazeres Inferiores do corpo: inclui os prazeres imediatos. Eles podem ser classificados em. ..Prof.boa conversação.vícios: ações não moderadas pela razão: cirenaicos.. . Juliano Batista julianojbs@gmail.

.  Contentar-se com pouco seria o segredo do prazer e da felicidade: eliminação da dor. Juliano Batista julianojbs@gmail.Prof.com Tipologias dos Prazeres Epicuro afirma que alguns prazeres/desejos devem ser buscados e outros evitados.

saber que o bem é possível de se alcançar.não deve se voltar à vida política. Juliano Batista julianojbs@gmail. .não deve se preocupar sobre a vida futura. . . 4º. 2º. 1º.Prof.com Prazeres e Felicidade Para Epicuro o homem somente alcança a felicidade através dos quatro remédios da alma e do corpo. não se preocupar com a morte e o pós-morte.Medo da morte..Problemas políticos. .. reconhecer que os males não são difíceis de suportar. . .Medo do futuro.Medo dos deuses. a saber: Causas da angústia.. .. não temer pelo castigo dos deuses. Além disso o homem. 3ª.

. que consiste na unidade entre a aponia (ausência de dor e sofrimento) e a ataraxia (vida livre de pertubações).  Nos jardins. onde a amizade era a maior das virtudes. comunidade dos discípulos de Epicuro. pois permitia a correção das faltas uns com os outros. reinava a alegria e a vida simples.Prof. A Escola de Epicurista foi fundada na cidade de Atenas. Juliano Batista julianojbs@gmail.com Felicidade Para Epicuro a verdadeira felicidade está associada ao prazer moderado. Felicidade = Aponia + Ataraxia = Prazer Moderado Atenção! Para Epicuro os prazeres momentâneos desnecessários podem trazer mais desprazer e dor do que felicidade.

“têm coisas mais importantes a fazer”.Prof. mas o prazer moderado. os 'intermundia'. .. Epicuro rejeitava terminantemente a intervenção divina em assuntos humanos..Alma é composta de pequenas partículas atômicas distribuídas pelo corpo. . mas relegava-os a planos isolados e à parte.empirista: o verdadeiro conhecimento vem dos sentidos. . Epicuro acreditava na existência dos deuses. . “Os deuses”. . pensava ele. motivo pelo qual a morte conduz à dissolução da alma.mecanicista: as leis da dinâmica explicam os fenômenos naturais. Juliano Batista Epicuro de Samos A filosofia epicurista é essencialmente.materialista: os princípios primeiros (physis) são os átomos e o vazio – Demócrito e Leucipo.hedonista: a felicidade é o próprio prazer. . das sensações do corpo.

Felicidade = Apatia + Ataraxia = Amor Fati  Apatia: é a eliminação. Zenão propõe o dever. ao próprio destino. pois é feliz somente aquele que vive segundo sua própria natureza.julianojbs@gmail.com Zenão de Cítio c. ausência das paixões.C. — A felicidade consiste na compreensão e aceitação da ordem cósmica como condição necessária e inevitável dos princípios universais que regem tudo que é natural. vinculado a compreensão da ordem cósmica.  Feliz é aquele que aceita e vive o seu amor fati. como o melhor caminho para a felicidade. aos acontecimentos.  Ataraxia: é uma vida livre de pertubações.  Amor Fati: significa amor aos fatos. bem como a atitude de austeridade física e moral. baseada em virtudes. 335-264 a. .

por isso o bem do todo é sempre melhor que o bem individual. como por exemplo a morte. . É o logos que permeia. Logo. isto é. por pior que possa parecera. organizado.  Princípio Passivo: refere-se a matéria. harmonioso e composto de dois princípios. Juliano Batista Sobre a Ordem Cósmica A Física ou Cosmologia Estóica: O estoicismo concebe o universo como kósmos. será sempre uma coisa boa. como mundo ordenado.Prof. a saber: passivo e ativo. anima e controla a matéria. tudo que é natural. Tudo o que acontece de natural no universo é sempre algo bom.  Princípio Ativo: refere-se ao logos (razão ou inteligência).

 Providência: é imanente. pois foi determinado pelo logos divino. Juliano Batista Sobre a Ordem Cósmica Atenção! O princípio ativo ou “Razão Universal” é denominado pelos estoicos de Providência. ou seja.Prof. está separado do mundo e não se confunde com ele. exceto a LIBERDADE. Ademais não se pode alterar a substância do universo. que como toda e qualquer essência é universal e necessária. ou seja. está no próprio mundo e se confunde com ele. . Logo: Tudo o que existe e que acontece. que hoje seria equivalente ao que se denomina de Deus.  Deus: é transcendente. tem um objetivo e uma razão de ser.

. Exemplo: ser moral ou imoral. que é fazer uso da vontade querendo coisas boas. ligado à sorte ou ao azar.. morrer. Juliano Batista julianojbs@gmail.. conquistar o coração da pessoa amada.. Exemplo: nascer.Prof.... envelhecer. Coisas Boas ou Coisas Más  não dependem de nós: determinado pelo kómos – Independe da vontade. só resta ao homem aproveitar uma brecha de liberdade para garantir a felicidade. crescer.com Determinismo Cósmico vs. Exemplo: ganhar na loteria.. Se existe uma ordem cósmica predeterminada e se há coisas que não dependem de nós ou só de nós. adoecer. . Liberdade Humana — Os estoicos ensinavam que há coisas que.  só dependem de nós: fruto da liberdade humana – Vontade Individual. profissional ou incompetente.  não depende só de nós: é circunstancial.

que podemos exercer à nossa vontade de querer ou não querer a felicidade. Por isso devo aceitar o destino posto pela ordem cósmica das coisas indiferentes e aproveitar a liberdade de modo a voltar minha vontade à coisas boas para ser feliz. Ter tudo o que desejo e fazer tudo o que quero não depende apenas de meu poder.Prof. Liberdade vs. Juliano Batista Vontade vs. . (não) Querer É através da liberdade. ligada às condições que só dependem de nós.

. justo. mas que devemos evitar .. durante a vida se quisermos ser felizes.  Coisas indiferentes: são aquelas que não Determinismo Cósmico: morte.. Domínio das Paixões — Os estoicos buscam orientar a conduta das pessoas estabelecendo a seguinte distinção entre as coisas..Prof... covarde. guloso.. dependem de nós ou só de nós e por isso não devemos nos preocupar se quisermos Força Externa: poder.  Coisas más: são aquelas que só Vícios: dependem de nós. a saber:  Coisas boas: são aquelas que só Virtudes: dependem de nós e que devemos querer e . ser amado. ser felizes. Juliano Batista Virtude vs.injusto.. corajoso. saúde. buscar durante a vida para sermos felizes.Prudente..

Virtude moral: corresponde a Ética. Coisas boas = Virtudes A principal virtude é a verdade. de acordo com os estoicos. Juliano Batista julianojbs@gmail. Coisas más = Paixões Coisas Indiferentes Infelicidade Os estoicos dividiram as virtudes em três categorias: . quando não conduzimos corretamente nossos pensamentos e não evitamos as chamadas coisas más (que são às paixões) e as coisas indiferentes (que é o determinismo cósmico e forças externas). o que conduz à formulação de juízos errôneos ou opiniões equivocadas.Virtude natural: corresponde a Física.Prof.com Domínio do Pensamento e Paixões A infelicidade ocorre.Virtude racional: corresponde a Lógica. . . .

com Referências Bibliográficas ABBAGNANO. Juliano julianojbs@gmail. 1979. História da Filosofia. 1996. G. São Paulo: Ática.). São Paulo: Moderna. T. Filosofando. Fundamentos da filosofia. 2002 [e 2006]. CHAUÍ. MANDIN. OLIVEIRA. M. Introdução à Filosofia. (org. M. A. 1992. 2002. São Paulo: Atual. M. L. Os filósofos do ocidente. CHALITA. G. Curso de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor.). Lisboa: Presença.Prof. 1982. (org. P. Primeira filosofia. 2003. 2003. São Paulo: Saraiva. Convite à filosofia. Nicola. Fim . ARANHA. GILES. & MARTINS. São Paulo: Paulus. H. R. Vivendo a filosofia. COTRIM. São Paulo: Brasiliense. Curso de filosofia. para professores e alunos dos cursos de segundo grau e de graduação. São Paulo: EDUSP. 2002. A. REZENDE. B. M.