Anda di halaman 1dari 14

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

EAD – ESTÁCIO CAMPUS VIRTUAL

JULIO CESAR LAVRADOR NETO


20100110267-3
Turma

AVALIAÇÃO ESTRUTURADA INTEGRADA

Rio de Janeiro
2/4/2010
2

PROJETO EXERCITAR BRINCANDO


A. Levantamento dos ativos e da estrutura atual
• Computador (desktop/notebook)
Existem computadores na empresa, porém não são utilizados de forma adequada, sendo
subutilizados e não atendendo aos interesses do negócio.
Não sendo sua quantidade o fator importante e sim sua utilização de maneira ordenada, bem
planejada e com um bom gerenciamento das informações.

1- Computador balcão:
Não atende á necessidade. É utilizado pelos funcionários para controle da planilha das
bicicletas, para envio de email marketing, comunicação e informação aos clientes sobre
novas aquisições, promoções e novidades da empresa. Como este é o único micro que
pode ser utilizado por razão de seu sistema, os funcionários entram em conflito nos
momentos de maior movimento de clientes.
2- Notebook Diretor:
Não atende á necessidade. Sua função e meramente para troca de emails e navegar na
internet, não tendo qualquer outra função específica e fica na mesa do dono. Como
somente o Sr. Harvey faz uso do notebook cria-se um problema nos momentos de grande
demanda de serviço.
3- Computador Linux:
Não atende á necessidade. É utilizado apenas para propaganda, tem Gnu-Linux como
sistema operacional, como nenhum dos funcionários não conhece, termina por ficar no
esquecimento como opção de uso, mesmo sendo o recurso computacional de maior
capacidade e desempenho.

• E-mail
Existe apenas como forma de comunicação e informação dos usuários, porém não
atendem a necessidade uma vez que são utilizados de forma inadequada, e contando com
poucas pessoas envolvidas no processo de integração empresa/cliente.
Atualmente, somente o gerente e o Sr. Harvey utilizam o email da empresa e o contato com os
clientes, o qual fortalece o vinculo da clientela com a empresa e desta maneira os clientes se
sentem á vontade para dar sugestões e críticas.

• Internet
O uso da internet atende muito superficialmente á necessidade da empresa, informando
aos clientes sobre promoções, informações de novas bicicletas e na comunicação através do
email.
O computador que tem acesso á internet são o notebook do Sr. Harvey e o computador do
balcão de uso dos funcionários e do gerente.
O Sr. Harvey utiliza além do email a internet para navegar, e desconhece outras maneiras de
aproveitar a conexão de maneira produtiva e eficaz, de forma que termina sendo mais custo
que benefício.
3

Os momentos de maior demanda no uso da banda acontecem quando é enviado mailing de


propaganda aos clientes, o que consome boa parte do link nesta hora.

• Rede de Computadores
Existe uma rede de computadores na empresa, mas como os recursos que fazem valer o
custo de sua existência acabam por não atender a necessidade do negócio, pois o único
serviço utilizado é o de compartilhamento de banda para navegação e uso do email.
Como não existe um serviço que gerencie os usuários não sabemos quem faz o que e quando,
e como somente um computador fica para uso dos funcionários acaba criando um gargalo nos
momentos de maior demanda de pedidos.

• Sistema para gestão de empréstimo e devolução de bicicletas


Inexiste um sistema que contabilize o que foi alugado e seu retorno, o que torna o
processo lento, equivocado e sujeito á ocorrer em perda de clientes por falha no atendimento.
O processo de liberação e entrega das bicicletas não atende a necessidade ao não ter como
acompanhar o cliente do momento que a bicicleta á ele é entregue ao momento de seu retorno.
Como o cliente é fiel depositário do bem, ele responsável pela bicicleta do momento que pega
ate entregar-la, e o tempo regulamentado é de 1 hora, com 15 minutos de tolerância, sendo
que em caso de extrapolar esta tolerância deve ser adicionada uma hora extra e é normal os
clientes argumentarem já estarem na fila para entregar o com isso ultrapassar o tempo
regulamentar.

• Sistema para cadastro de clientes


Inexiste um sistema de cadastro de clientes. A maneira encontrada de cadastrar os clientes
é em forma de cartões, sendo estes arquivados pelos funcionários, cada um fazendo-o a sua
maneira e além de ocorrer retrabalho induz outros á erro, acontecendo quando uma ficha não
é encontrada outra é feita, ocasionando demora no atendimento, reclamações dos clientes e
perda de serviços.
A inexistência de um sistema que cadastre e gerencie as contas dos clientes, e torne ágil o
processo só confirma que o trabalho de utilizar cartões de papel com dados não atende á
necessidade da empresa e torna lento o trabalho de encontrar a ficha do cliente, ocorrendo
retrabalho de efetuar uma nova ficha.

• Sistema para sugestão de compra de bicicletas


Não existe sistema que quantifique as sugestões dos clientes para compra de novas
bicicletas, a forma atual, usando uma planilha com filtros não atende á necessidade ao não
trabalhar com os números reais da movimentação de bicicletas e as preferências dos clientes,
assim levantar as sugestões dos clientes não é possível saber se o cliente que solicita tal
bicicleta é cliente semanal ou anual, podendo sugerir um bicicleta de alto custo para uma
quantidade irrelevante de passeios por ano, quando outras sugestões de menor escala podem
estar sendo mais requisitadas, porém em menor volume.
Por exemplo: Quando um cliente aluga uma bicicleta por toda uma semana, mas somente uma
vez ao ano enquanto outro aluga uma vez por quinzena, mas o faz o ano inteiro.
4

O modelo atual não dá uma visão de quais tipos e marcas de bicicletas realmente são mais
utilizadas, as que têm mais sugestões e as preferidas dos clientes.

• Sistema de controle de bicicletas


Não existe qualquer sistema, o controle das bicicletas é feito em formulários preenchidos
pelos funcionários com os dados dos clientes e este muitas vezes tem mais de uma bicicleta
no cadastro, sendo normalmente do acompanhante e este não tem cadastro algum junto á
empresa, podendo facilmente ter que arcar com avarias e danos causados por terceiros em seu
nome. Outro ponto é o acúmulo de formulários e guias necessárias para controlar a liberação e
entrega das bicicletas e com isso gera um fluxo pessoas envolvidas em etapas com
pouquíssima produtividade, ocorrendo de muitas vezes causar mais atraso do que presteza no
atendimento.
O modelo atual não só não atende á necessidade como torna improdutiva a forma de trabalho
atual, criando um ambiente confuso para os funcionários como para os clientes que precisam
de qualidade e agilidade no atendimento.

• Sistema para controle de reserva de bicicletas


Não existe qualquer forma de garantir a reserva da bicicleta, uma vez que é necessário
encontrar os formulários que tem as bicicletas cuja cliente deseja reservar, informar ao cliente
a disponibilidade e possibilidade de ter horário para tal bicicleta e se condiz com sua
pretensão e caso negativo qual melhor se adéqua ao seu gosto, de maneira à deixa o cliente
mais próximo do seu gosto.
O processo que define o método de reserva oferece 15 minutos de tolerância para a retirada da
bicicleta, porém como não existe controle dos modelos que estão alugados e quais tem
disponibilidade imediata ou mesmo à hora prevista para a devolução do modelo se deseja não
é possível garantir ao cliente ao chegar á loja que encontre a bicicleta que reservou, causando
insatisfação.
O modelo atual não atende de nenhuma forma a necessidade da empresa.

• Sistema de controle das bicicletas em reforma


Não existe sistema que controle a situação e o estado da bicicleta quando esta é enviada
para reparo em um dos parceiros da empresa, nem mesmo a planilha que o gerente utiliza
consegue manter a situação das bicicletas que estão em diversos lugares e as datas de envio e
previsão de retorno da mesma. A situação da bicicleta pode ser definida de várias maneiras,
pronta para uso, desgastada, fim de vida útil, quebrada, venda como sucata e para retirada de
peças.
A forma com que a informação é tratada, mantida e gerenciada, além de demandar muito
tempo, faz com que o gerente não possa delegar o serviço á outro funcionário, pois levaria
algum tempo para o mesmo entender o método utilizado e o gerente esta constantemente
modificando a planilha para se adequar á sua necessidade e principalmente com a sua
crescente habilidade no uso de planilhas, a qual vai se aprimorando conforme se torna
constante a sua utilização.
5

• Sistema de controle de bicicletas destruídas e/ou desgastadas


Como o gerente não consegue manter atualizada a lista de todas as bicicletas fica
impossível saber quais modelos precisam de manutenção, quais são os modelos que não
existem ou não tem mais peças de reposição ou não tem mais condições de uso e não devem
retornar para uso. A atualização desta planilha ocupa parte do tempo do gerente, pois toda
bicicleta que tem sua situação alterada ele tem outra planilha para ser modificada ou o pouco
de documentação que existe deixa de ser confiável e fica inviável do gerenciar todas as
locações.
A planilha utilizada para este controle é a mesma das bicicletas que estão em reforma e a
manutenção desta planilha entra em conflito com o formulário de controle das bicicletas
alugadas, pois é necessário que o gerente ao fim do dia atualize a planilha com a lista das
bicicletas que estão boas, foram danificadas ou apresentaram problema durante o dia o que
tem que ser feito impreterivelmente ao fim do dia ou na manhã seguinte a lista das bicicletas
boas e em condições quebra o controle da loja e não e possível saber o quais podem se
locadas.
6

B. Dificuldades ao investir em TIC.

A maior dificuldade existe em relacionar o investimento de TIC com aumento de


produtividade, e produtividade e redução de custos é a nova Meca do planejamento
estratégico nesta concorrida era da “nova economia” ou da governança corporativa, e
conseguir alinhar a TIC com o negócio da empresa sem a preocupação de “agradar” á todas
as partes envolvidas é realmente um grande desafio uma vez que muitas áreas que não são
diretamente ligadas á TIC criam variáveis que dificultam a evolução tecnológica, a qual
embora seja inevitável caminha a passos lentos devido à relutância das pessoas em aceitar á
tecnologia como aliada e não como adversária ou mesmo como uma espécie de supervisora
digital que controla seu rendimento, seu tempo e o seu trabalho, sua vida.
Muitas das dificuldades da integração de TIC com suas metodologias e suas ferramentas é a
aceitação dos usuários internos, ou seja, os funcionários diretos e indiretos quando do uso das
tecnologias principalmente quando esta é diferente ou foge a sua compreensão por ser
novidade. Vale a máxima “tudo que é nos é estranho”, é a expressão da verdade por que
normalmente os funcionários não concordam com os controles e diretrizes ditados pelos
sistemas que por padrão tem em sua concepção.
Não é simples a tarefa de alinhar o negócio da empresa com as inovações
tecnológicas, pois não podemos esperar que a qualidade e produtividade aumentem apenas
pelos investimentos diretos de TIC, uma vez que para tal devemos conseguir a aceitação do
público interno e a perfeita adequação do que é realmente necessário tecnologicamente em
todas as áreas do negócio e não somente no que tratamos como TI.
Os funcionários são o principal ponto de ligação da TIC com o negócio da empresa, já que
estão diretamente envolvidos com os processos, e caso os funcionários não colaborarem,
aceitando a inclusão da tecnologia como parte da sua vida profissional, participando de
treinamentos e podendo contribuir para o aperfeiçoamento dos processos, nada vai realmente
mudar, pois é necessário ter a mente aberta para entender que as mudanças são inevitáveis e
se bem planejadas podem tornar o trabalho mais sustentável criando um ambiente onde as
relações entre os funcionários e a tecnologia se estreite a cada dia.
É até normal que as pessoas tenham algum sentimento em relação a inclusão da
tecnologia no seu dia a dia profissional, é comum terem das mais diversas reações e cada
uma á sua maneira diante desta “novidade”, algumas pessoas tratam como certo
deslumbramento e encanto, outras ficam fascinadas com o ponto em que a tecnologia chegou
e ainda temos uma parcela de pessoas que por manterem uma maneira tradicional de
trabalho, quiçá dizer que é até mesmo peculiar, são descrentes em relação á tecnologia, do
tipo que se pergunta o que fazer quando a energia acaba, acreditando que tecnologia se
resume somente ao uso de computadores e seus periféricos.
Algumas pessoas que tem alguma familiaridade com algum tipo de tecnologia e
acreditam que ela exista para nos ajudar no trabalho e a aceita em sua vida tanto profissional
como pessoal, e esta aceitação contribui para que o desenvolvimento das tarefas as quais o
uso da tecnologia faz parte seja de maneira saudável não deixando que as dificuldades que
depois de algum tempo de uso chamamos de triviais, pela facilidade do seu manuseio possa
causar qualquer tipo de repulsa de maneira que o todo o investimento feito seja desperdiçado
pro um usuário ou outro se recusar a utilizar.
7

A principal reclamação do público interno são as mudanças muitas vezes repentinas e


bruscas nos programas e sistemas, fazendo com que a curva de aprendizado seja grande
demais em relação ao tempo hábil em que eles tem que executar suas tarefas, um bom
exemplo disso foi a mudança radical da versão do Microsoft Office 2003 para a versão 2007,
a qual os usuários não tinham a menor experiência com o novo layout, tornando suas tarefas
mais demoradas, uma vez que tinham que reaprender o uso da aplicação e a localização dos
atalhos das funções que normalmente já utilizavam.
Não basta apenas investir indiscriminadamente em tecnologia, já que comprar uma
suposta solução para todos os problemas não resolve nada quando não temos idéia de que
problemas são estes com os quais estamos preocupados.
Não existe uma solução pronta ou recita de bolo para todos os nossos problemas, para
algumas destas situações existem as softhouses que podem desenvolver sistemas de gestão
customizados com base nos levantamentos dos processos da empresa ou sistemas ERP
prontos que integram diversas áreas e alguns podem ser adaptados conforme a necessidade da
empresa tornando o controle da gestão dos processos mais transparente e voltada diretamente
ao objetivo principal da instituição, dando condições aos gestores de terem dados suficientes
para que possa tomar decisões baseadas em números o mais próximos da realidade ou ate
mesmo em tempo real.

O Sr. Harvey entende que investir em TIC sem planejamento, preparo do publico
interno e uma explicação aos clientes pode não trazer os benefícios esperados, desperdício e
um alto custo para empresa, porém com um bom levantamento das necessidades, análise de
risco, planejamento estratégico e uma implantação que leva em conta as reais necessidades
da empresa, treinamento, aperfeiçoamento e limitação individual dos funcionários tem tudo
para ter como resultado uma empresa de sucesso, com processos bem definidos, atribuições
especificas dos responsáveis pelos recursos tecnológicos e com boas práticas de uso e
gerenciamento de TIC.
A utilização dos recursos não se propõe apenas em usar os “computadores” e sim na
utilização de todas as ferramentas que possam ajudar no controle, prevenir erros e consolidar
as informações que tornam a empresa produtiva e com a qualidade com a qual tem
compromisso com o cliente. A busca pela excelência é infinita e não obedece a padrões, pois
a meta de hoje pode ser pequena amanha e a caminhada por um nível de qualidade cada dia
maior é tão grande quanto o objetivo de estar à frente da concorrência, uma vez que a
globalização aumentou a quantidade de empresas que atendem o mesmo segmento e tem
como clientes o mesmo público.
8

C. Os investimentos e o alinhamento das tecnologias novas e existentes.

Quando as mudanças se fazem necessárias e são inevitáveis a participação dos


funcionários e se extrema importância, uma vez que são eles que lidam diretamente com os
processos e demandas relativas ao serviço cotidiano.
O alinhamento das tecnologias muitas vezes ocorre de forma natural incorporando a
tecnologia antiga á nova fundindo-se de maneira que se completam, existem situações onde é
necessário portar ou mesmo migrar de uma tecnologia extremamente ultrapassada, que
funciona perfeitamente, porém não atende ás demandas do momento, tendo a tecnologia que
ser totalmente reformulada, e finalmente, em outras situações e necessário literalmente
abandonar determinada tecnologia embarcando em outra.
Com o levantamento das reais necessidades, das tecnologias atuais e das metodologias
de trabalho atuais é possível o aproveitamento ou realocação de infra-estrutura. O
investimento só pode ser estabelecido depois que uma análise de risco é feita e posteriormente
o processo tem seu início.
As tecnologias antigas podem ter uma nova roupagem se feitas algumas
reestruturações em seus conceitos e suas aplicações, voltando estes diretamente para as
demandas do negócio e com objetivo de reduzir custos com o investimento de tecnologias que
muitas vezes os funcionários não estão preparados para usar.
Custos como computadores com uso inadequado ou mesmo sem utilização por motivo
dos funcionários não terem conhecimento com o sistema operacional;
Uso de conexão banda larga, normalmente subutilizada por não existir qualquer
serviço que mantenha a necessidade de manter o custo de tal tecnologia.
Um ponto de grande relevância e que cria uma efetiva dificuldade em investir em TIC
é a falta de conhecimento do gestor da área, de forma que implantar qualquer tipo de
tecnologia sem o devido levantamento de necessidades, planejamento, implantação gradual e
o perfeito controle de maneira que se possa corrigir qualquer imprevisto na execução dos
processos da área á qual foi feito o investimento é considerado um projeto de alto risco, é
necessário assegurar que as partes envolvidas tenham participação atuante no projeto,
tornando transparentes as mudanças e acompanhamento de cada da fase.
Um bom levantamento das reais necessidades da empresa, um estudo do que se espera
deste investimento, uma análise apurada dos processos mais importantes os tornando melhor
estruturados, quais os objetivos que mais agregam valores e quais as verdadeiras metas que
queremos alcançar.
Um ponto impactante no investimento é a negação dos usuários no uso da tecnologia,
por ser um processo lento e ser imprescindível a sua participação.
A utilização da tecnologia pelos funcionários é muitas vezes visto como imposição a
este tipo de ação normalmente termina com os funcionários não se adaptando ao novo regime
simplesmente por discórdia ou contragosto. Uma maneira de evitar que acontecimentos como
este ocorra é a participação dos funcionários no processo de modernização tecnologia, mesmo
que seja apenas com simples observações, assim participando ativamente se sentem
envolvidos e se tornam o processo de adequação mais rápido e com menos rejeição.
9

D. Conclusão.

Feito o levantamento das necessidades, o planejamento do que deve ser feito, adequação
dos recursos tecnológicos e realinhamento da empresa voltando os processos para o aumento
da produtividade do negócio, devemos agora especificar o sistema a ser desenvolvido e a
infra-estrutura adequada para receber o sistema e a nova metodologia de trabalho.
O treinamento dos novos sistemas de atendimento e gerenciamento de clientes tem como
objetivo

1. Estrutura Lógica
a) Criação e desenvolvimento do sistema em plataforma web, utilizando LAMP,
(Linux + Apache + MySql + PHP), com integração dos módulos de cadastro,
ativos de patrimônio, locação, reserva de produtos, manutenção e situação do
patrimônio, controle de entrada de notas e dispensa de patrimônio, relatórios
analíticos e consolidados de todos os módulos.

b) O sistema irá fornecer várias informações através dos módulos e do relatório,


como seguintes itens:

10 Produtos mais alugados;


10 Clientes mais assíduos;
10 Produtos mais reservados;
10 Produtos mais danificados;
10 Clientes mais satisfeitos;
10 Funcionários mais ativos
Entre muitas outras informações que podem ser consolidadas, filtradas, e
separadas provendo uma análise completa da situação da empresa e de todas as
áreas, concedendo ao gestor os dados necessários para as mudanças que puderem
produzir o efeito de deixar o funcionário conscientizado ou mais produtivo.

c) O método antigo fazia com que o cliente entregasse a bicicleta e em caso de atraso
maior que 15 minutos teria que pagar o valor proporcional á uma hora inteira,
porém o atraso ocorrido pela burocracia fazia com que a regra não fosse
10

cumprida. No modelo proposto o usuário entrega o cupom de retirada o qual


consta a hora em que ele retirou a bicicleta e ao entregá-la compara o tempo total
e já verifica se o tempo foi ultrapassado e caso positivo já faz o calculo do valor á
ser pago, evitando a burocracia e tornando simples e eficaz o sistema de entrega e
recebimento da bicicleta.

d) O sistema poderá ser acessado diretamente pela internet, através do web Server
instalado no servidor Gnu-Linux, que com o cadastro do cliente e aceite do gestor
de acordo com os requisitos, o cliente poderá reservar a bicicleta que estiver
disponível e a mesma se torna indisponível no sistema por 15 minutos dando
tempo para o cliente chegar e retirar a bicicleta, evitando que outro funcionário
alugue a reservada para outro cliente.

e) Modificar o sistema Gnu-Linux para desempenhar os serviços necessários para


prover o sistema de gestão, gerenciamento de usuários (NIS), backup (Cron/
TarGz), cachê para navegação e controle de banda (Proxy Squid), proteção da
rede interna e externa (firewall Iptables), Webserver (Apache), sistema de
colaboração (openexchange), perfis de usuário controlados. O micro ainda poderá
continuar fazendo a propaganda de maneira a não ter seu monitor de 21,5” sem
utilização ou mesmo para uso apenas do monitoramento do sistema.

f) Pode ser feita a utilização do sistema de gestão da loja, pois o mesmo sendo em
plataforma web é de fácil manuseio em caso da loja ficar com seu contingente
todo ocupado, evitando conflitos no uso do micro da bancada.

g) Prover a mudanças na maneira do Sr Harvey utilizar seu notebook, como


monitorar o rendimento e a produção dos serviços prestados pelos funcionários,
autorizar as compras solicitadas, responder emails dos clientes em situações em
que o gerente esteja ausente ou sobrecarregado. Seu notebook estando equipado
com uma maquina virtual e o backup atual base de dados do sistema de gestão
pode facilmente ficar no lugar do servidor como contingência em caso de
emergência.
11

h) O micro da bancada será utilizado para atendimento dos clientes e compartilha de


uma maquina virtual similar á do notebook do Sr. Harvey, com backup do sistema
de gestão para contingências. Seu uso será exclusivo dos funcionários, os quais
deverão usar sempre o seu login (nome de usuário) e senha para efetuar o
atendimento, podendo alugar, cadastrar e reservar as bicicletas disponíveis ou
com previsão de entrega. O uso da internet se limita a comunicação com os
clientes em caso do servidor não funcionar, e em situações em que o Sr. Harvey
ou o gerente permita e com o usuário e senha do mesmo, pois os usuários dos
funcionários não permitem navegação na internet, salvo nos sites especificados.

2. Estrutura Física
a) Adequação da rede local de computadores para interligar todos os micros á
internet e prover acesso aos clientes ao sistema de gestão da empresa no módulo
de reservas de bicicletas de maneira que os clientes que tem cadastro possam pela
internet reservar suas preferências.

b) Mudança do local dos computadores para uma melhor produtividade e uso dos
recursos, de maneira que a estrutura proposta possa fazer uso da tecnologia em
sua totalidade com o melhor custo beneficio.

c) A compra de outro micro similar ao que será utilizado na bancada de atendimento


teria como beneficio ganho de tempo na presteza do serviço nos momentos de
maior rotatividade e com alta demanda de clientes.

d) O uso de um hotspot, ou seja, um ponto de acesso sem fio para reserva e locação
através de dispositivos móveis, provendo acesso somente ao sistema da empresa e
não á internet, assim os usuário podem nos momentos que a loja estiver cheia,
efetuar

e) O uso de sistema TEF (transferência eletrônica de fundos) para pagamento em


cartões de crédito e débito, trazendo presteza no atendimento e tornando o sistema
apto á trabalhar com a nova lei fiscal e de acordo com as leis. Os clientes têm os
seus modos de pagamento inseridos no seu cadastro.
12

3. Recursos Humanos
a) Treinamento dos funcionários nos sistemas e na nova metodologia de trabalho
voltado para á excelência de atendimento e na qualidade do serviço.

b) Mudança gradual na mentalidade dos funcionários em relação ao uso da


tecnologia, com uma nova abordagem, prevendo algum tipo de beneficio ou
prêmio para os que estiverem sempre se aperfeiçoando e produzindo mais.

c) A metodologia antiga previa que os funcionários faziam tudo e acabavam


entrando em conflito por não saberem suas atribuições adequadamente. Com o
devido treinamento e especificação do trabalho que cada um tem que efetuar não
ocorre dúvidas do trabalho e de quem deve fazer.
13

DIFICULDADES E LIÇÕES APRENDIDAS

Dificuldades
Foram encontradas algumas dificuldades, sendo estas colocadas baixo:
• No levantamento das necessidades do cliente, pois como não era possível entrar
em contato com o mesmo por ser fictício, tínhamos que nos colocar no lugar dele
e imaginar quais as respostas para as lacunas ou informações foram passadas nas
entrelinhas. Informações como da existência de LAN ou não ficaram claras
quando foi citado que o notebook do Sr. Harvey que era utilizado apenas por ele
acessava internet e os funcionários utilizavam o (outro) computador para mailing ,
manter contato com clientes e para uso do gerente com as planilhas de controle
das bicicletas.
• Analisar os métodos de administração utilizados e como descrever os processos
utilizando uma linguagem textual de maneira que mesmo que o leitor não seja
uma pessoa usuária de tecnologia possa entender o assunto tratado. A pessoa e o
tempo verbal também contam muito, pois em determinados momentos devemos
nos colocar no lugar da pessoa do cliente e em outros na pessoa de quem explica e
define o assunto. Considerei muito importante exemplificar as situações
vivenciadas por consultores quando de seu levantamento das necessidades da
empresa e as diferenças entre o que querem e o que realmente precisam.
• Tive grande dificuldade em expressar exatamente o que queria dizer e diversas
vezes me vi no papel do cliente e não do consultor, porém não acredito que isso
seja de todos ruim, pois como sabe o que a empresa precisa se não souber o que
ela faz e o trabalho do funcionário.
• Poder dizer quais os métodos de trabalho e administração foram e são utilizados
no breve relato que nos colocaram foi praticamente impossível, pois são poucas as
informações sobre o cliente e sobre o empregador. Porém é indiscutível a forma
empreendedora do Sr. Harvey, o qual enxerga maneira de agregar valor e tenta
colocar qualidade nos serviços prestados esbarrando muitas vezes na limitação
dos funcionários ou na burocracia. Sua metodologia de trabalho era funcional
enquanto a empresa era pequena e podia ser gerida facilmente, porém com o
crescimento do seu público sua estrutura não acompanhou com a mesma rapidez.
14

Lições Aprendidas

• Aprendi que para poder enxergar as necessidades de cada caso temos que separar
primeiro o que é solicitado do que é realmente importante, desta maneira podemos
saber qual a tecnologia que atende a determinada necessidade e com um
dimensionamento evitamos a má utilização dos recursos ou pagamento indevido e
desnecessário de qualquer produto ou serviço.
• Que o treinamento, o respeito e o perfil do funcionário são tão importantes quanto
á tecnologia, pois não é possível contar apenas com os recursos tecnológicos para
resolver todos os problemas de qualquer que seja a empresa.
• Que maneiras diferentes de administração impactam diretamente na forma da
empresa gerir seus recursos, sejam humanos ou tecnológicos, e prosperar ou não
depende tanto da visão do empreendedor como de seus objetivos.
• A forma de expressão, tanto escrita quanto verbal tem um valor que não posso
aferir, pois tive grande dificuldade em me expressar, porem percebi que quanto
mais me empenhava em enxergar todas as perspectivas do trabalho minha maneira
de descrever uma mesma coisa se modificava e muitas vezes voltei, reescrevi o
que tinha entendido de maneira que pudesse alcançar uma forma minha de
explicar sem ser formal demais e sem usar formal coloquiais ou mesmo termos
tecnológicos em demasia.
• Não foi fácil colocar todas as necessidades da empresa do Sr. Harvey em um
sistema quando muitas delas de cruzavam e ficava confuso quando tinha que
definir o procedimento disso ou daquilo, mas no final, consegui de alguma forma
colocar tudo sem problema e sem conflito. A estrutura do sistema simplesmente
se formou na minha cabeça e espero que talvez tenha conseguido me expressar
adequadamente para explicar seu funcionamento, pois tinha que lembrar que o Sr.
Harvey embora seja empreendedor não é um entusiasta de tecnologia e ainda fazia
muita coisa em formulários e carimbos.