Anda di halaman 1dari 7

 

A  Sombra  No  Amor  E  No  Dinheiro  

 
 
Que   tal   começares   por   abraçar   a   tua   impotência?   A   tua   incapacidade   para   controlar   a   tua  
vida?  
 
A   cura   de   qualquer   relação   só   pode   ter   início   quando   tu   assumires   metade   da  
responsabilidade.  
 
Só  por  hoje,  escolhe  curar  o  teu  coração.  Pergunta-­‐te:  “O  que  posso  fazer  hoje  que  me  mostre  
que  me  amo?”  
 

Para  poderes  ter  mais  dinheiro  na  tua  vida,  tens  que  primeiro  ter  mais  amor.  Começa  por  te  
amar  a  ti  mesmo,  com  todas  as  tuas  falhas,  defeitos  e  virtudes.  

 
Nós  experienciamos  no  mundo  exterior  aquilo  que  sentimos  ser  merecedores  interiormente.  
 
Porque  motivo  não  conseguimos  manifestar  no  mundo  exterior  aquilo  que  desejamos?  –  Nós  
não  nos  permitimos  novas  experiências,  ficamos  presos  a  velhas  crenças,  mágoas,  feridas  do  
passado.  Por  este  motivo  é  que  o  pensamento  positivo  não  funciona.  Nós  temos  que  morrer  
todos   os   dias,   ao   ir   dormir,   permitir   que   a   pessoa   que   pensamos   saber   quem   é   morra.   Se  
construímos   o   nosso   futuro   a   partir   do   passado,   iremos   apenas   criar   mais   experiências   do  
passado.  

 
Ao   deitar-­‐me   posso   despedir-­‐me   da   pessoa   que   fui   hoje,   da   pessoa   triste   ou   magoada,  
enraivecida  ou  amargurada,  e  permitir-­‐me  nascer  amanhã  como  alguém  diferente.  Acordando  
a  uma  hora  diferente,  fazendo  coisas  diferentes  pela  manhã...  

 
Podemos   permitir-­‐nos   desistir   de   saber   quem   somos,   acreditar   que   sabemos   quem   somos.  
Temos  que  abraçar  a  nossa  impotência  e  incapacidade  de  controlar  o  que  quer  que  seja.  
 
E   mantém   sempre   presente   isto:   a   Sombra   ri-­‐se   sempre!   Não   consegues   controlar   o   riso   da  
Sombra.   Este   é   o   poder   que   a   Sombra   tem   sobre   ti.   Irá   provocar   em   ti   sentimentos   que   não  
queres  sentir.  Então,  quando  sentires  raiva,  ou  mágoa,  ou  ressentimento,  mantém-­‐te  presente  
à  emoção.  Permite-­‐te  sentir  plenamente  a  emoção  e  diz  a  ti  mesmo  que  é  ok,  que  essa  emoção  
tem  o  direito  a  existir.  Não  a  julgues,  não  a  condenes.  Simplesmente  mantém-­‐te  presente.  
 

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     1  


 
Nós   lutamos   para   validar   as   nossas   limitações!   Acordamos   pela   manhã   e   começamos  
imediatamente   à   procura   de   evidências   para   as   nossas   limitações!   Assim,   sabemos   quem  
somos,  sabemos  quem  é  o  “eu”  da  nossa  história.  E  assim  acreditamos  que  temos  pelo  menos  
algum  controlo  sobre  a  nossa  vida.  E,  também  assim,  convencemo-­‐nos  que  somos  impotentes!  
 

Permite-­‐te   sentir   o   sentimento   de   impotência.   Deixa   que   este   sentimento   venha   à   superfície   e  
se   torne   presente.   Sabe   que   não   estás   só.   Este   sentimento   é   partilhado   por   toda   a  
humanidade:  chama-­‐se  “estar  vivo”.  Não  julgues  o  sentimento,  simplesmente  sente-­‐o.  É  ok.  
 
A  parte  de  nós  que  é  impotente  quer  levar-­‐nos  até  aos  nossos  sonhos  mas  nós  não  a  queremos  
sentir.   Temos   medo.   Em   realidade   fazemos   tudo   para   nos   vermos   livres   desta   parte   de   nós!   É  
assim  que  lhe  damos  mais  poder!  
 
E   por   este   motivo   procuro   incessantemente   coisas   para   me   sentir   melhor   comigo.   Abuso   da  
comida,   dos   relacionamentos,   das   drogas,   da   internet,   tento   agradar   aos   outros...   para   não   ter  
que  sentir  o  desconforto  emocional  dentro  de  mim.  E  assim  perco  a  ligação  ao  divino  em  mim.  
E  assim  crio  um  novelo  caótico  emocional  a  que  dou  o  nome  de  “Eu”.  
 

Serias   capaz   de   chegar   à   primeira   pessoa   que   encontrares   quando   saíres   daqui   e   dizer-­‐lhe:  
“Olá,  o  meu  nome  é  _____________,  e  eu  não  tenho  qualquer  controlo  sobre  a  minha  vida!”?...  Aí  
começarás  a  sentir  a  tua  libertação.  
 

Agora   as   más   notícias:   para   poderes   manifestar   algo,   para   poderes   criar   ou   para   poderes  
receber,  tens  que  amar  o  impotente  em  ti.  AMAR  mesmo  a  sério  o  impotente  que  há  em  ti!  
 

Eu   amo   o   Emídio   Impotente!   Abraço-­‐o   todos   os   dias!   Em   realidade   danço   uma   dança   a   que   se  
chama  “vida”  com  o  impotente  que  há  em  mim!  Ele  sabe  que  é  amado,  e  nessa  sabedoria  irá  
levar-­‐me  até  onde  quero  ir.  
 

As   pessoas   acreditam   no   pensamento   positivo   e   no   “esquecer”   as   coisas   negativas   da   vida.  


Acreditam  que  assim  conseguirão  ir  a  algum  lugar  melhor.  Mas  não  há  um  lugar  melhor.  Só  o  
lugar   onde   estás   agora.   Ama   esse   lugar.   Abraça-­‐o.   É   o   único   lugar   que   podes   experienciar.  
Agarrado  ao  pensamento  positivo  e  à  panóplia  de  terapias  de  “energia”  que  há  no  mundo,  as  
pessoas   permitem-­‐se   ter   esperança   num   futuro   melhor.   Esta   esperança   é   o   que   mantém  
aquilo  que  queremos  à  distância.  Lembra-­‐te  “Aquilo  a  que  resistes,  persiste!”  Se  não  queres  o  
momento  que  tens  agora,  estás  a  criar  resistência  a  esse  momento  e  a  perpetuá-­‐lo.    

 
Por   volta   dos   cinco   ou   seis   anos   de   idade   olhámos   para   a   vida   dos   nossos   pais   e   decidimos  
tudo   sobre   nós.   Criámos   um   verdadeiro   Museu   de   Crenças!   “Venham   ver   o   meu   Museu   de  

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     2  


 
Crenças!  Nesta  parede  podemos  ver  a  crença  ‘Eu  não  sou  merecedor  de  Amor’.  É  muito  gira,  
não  é?  Claro  que  não  vale  nada,  mas  é  gira!”.  
 
Nós   temos   que   olhar   para   as   nossas   crenças,   porque   estas   impedem-­‐nos   de   ver   as   feridas  
emocionais  que  escondemos  na  nossa  alma.  Só  quando  conseguirmos  olhar  para  estas  feridas,  
amar   este   aspecto   de   quem   somos,   é   que   podemos   começar   a   sentir   a   liberdade   de   sermos  
autênticos.   Qualquer   que   seja   a   crença   que   pensas   possuir,   podes   ter   a   certeza   que   é   muito,  
mas  mesmo  muito  pior!  Por  exemplo,  eu  tinha  a  crença,  relacionada  com  a  intimidade,  que  “as  
pessoas  que  estão  numa  relação  a  dois  são  estúpidas,  fazem  coisas  estúpidas”.  Em  realidade,  a  
crença   era   “as   pessoas   que   se   encontram   numa   relação   a   dois   têm   que   matar   uma   parte   de  
quem  são  para  poderem  funcionar  na  relação”.  E,  claro,  eu  jamais  iria  querer  matar  uma  parte  
de  quem  eu  era!  A  ferida  por  detrás  desta  crença?  Sabia  que  a  minha  mãe  me  amava  (dava-­‐me  
alimento,  guarida,  protecção...)  e  no  entanto  eu  tinha  que  fingir  ser  outro  que  não  quem  era  
por  forma  a  evitar  ser  maltratado.    
 
Pergunta-­‐te   a   ti   mesmo,   permitindo-­‐te   ser   brutalmente   honesto:   o   que   acontecerá   se   eu   viver  
uma   relação   amorosa   com   outra   pessoa?...   A   resposta   é   uma   mentira.   A   resposta   é   o   que   te  
impede  de  ter  esta  experiência.  É  uma  crença  escondida  na  Sombra.  

 
Cada   acção   e   cada   comportamento   que   temos   no   mundo   exterior   é   um   aspecto   de   um   padrão  
de   crenças.   Esta   acção   tem   que   ser   congruente   com   quem   acreditamos   que   somos.   Há   sempre  
uma  crença  da  Sombra  entre  aquilo  que  dizes  que  queres  e  aquilo  que  na  verdade  tens.  

 
Algures   na   infância   fizeram-­‐te   sentir-­‐te   envergonhado   por   seres   quem   és.   Fizeram-­‐te   sentir  
vergonha  por  amares,  ou  não,  por  teres  dinheiro,  ou  não,  por  estudar,  ou  não.  Esta  vergonha  
foi  depositada  na  Sombra,  e  é  a  partir  da  Sombra  que  controla  a  tua  vida.  
 

As  crenças  da  Sombra  detêm  todo  o  poder  sobre  nós.  Por  este  motivo  é  que  a  grande,  grande  
maioria  das  pessoas  via  tendo  mais  e  mais  problemas  à  medida  que  os  anos  vão  passando.  

 
As  crenças  da  Sombra  são  como  uma  parede  invisível.  Do  outro  lado  desta  parede  encontram-­‐
se   os   desejos   do   nosso   coração,   os   sonhos   da   nossa   alma.   E   todos   os   dias   batemos   contra   esta  
parede.  E  dói  de  cada  vez  que  batemos  nesta  parede!  E  andamos  todos  a  doer,  a  sangrar!    
Esta  parede  é  feita  de  todas  as  limitações  que  criámos  acerca  de  nós!  

 
Nós   criamos   a   vida   que   acreditamos   merecer.   Enquanto   não   tiveres   a   coragem   de   assumir  
isto,  assumir  a  história  que  criaste,  assumir  que  és  impotente  para  mudar  o  que  quer  que  seja,  
jamais  conseguirás  atravessar  a  parede  invisível  da  tua  Sombra.  
 

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     3  


 
E  é  assim  que  continuamente  criamos  situações  em  que  nos  sentimos  impotentes.  Então,  em  
vez  de  não  quereres  sentir-­‐te  impotente,  admite  a  tua  impotência!  Uau!  Eu  sou  impotente!  
 
A  tua  “parede  invisível”  é  feita  dos  teus  amigos,  familiares,  colegas  de  trabalho,  cônjuge...  

 
Eu   poderia   dizer-­‐te   o   que   tens   que   fazer,   mas   sei   que   não   o   farás.   Porquê?   Porque   ninguém  
gosta  de  ser  mandado!  Ninguém  gosta  de  ordens  vindas  de  outros!  Está  na  Sombra  este  ódio  
ás  ordens.  Enquanto  crianças  não  gostávamos  de  ser  mandados.  Quando  estávamos  a  brincar,  
ou  a  desfrutar  da  criança  que  éramos,  e  um  adulto  nos  interrompia,  com  uma  ordem,  causava-­‐
nos   dor.     Se   não   obedecíamos   à   ordem   éramos   punidos.   Se   obedecíamos   privávamo-­‐nos   a   nós  
mesmos  de  continuar  a  fazer  o  que  gostávamos  de  fazer.  E  metemos  este  ódio  pelas  ordens  na  
Sombra.  Quando  alguém  nos  diz  o  que  temos  que  fazer  sentimo-­‐nos  impotentes,  sem  controlo,  
e  nós  detestamos  esta  sensação!  

 
“Eu   decido   não   fazer   aquilo   que   tenho   que   fazer,   porque   há   muito   tempo   decidi   que   não  
seguiria  ordens  de  outros.  E  assim  não  sigo  nem  as  minhas  próprias  ordens!”  –  Quantas  vezes  
decidiste  fazer  algo  por  ti  e  desististe  antes  de  terminar?...  Na  verdade  quando  desistimos  de  
algo   estamos   a   mentir.   Não   podemos   desistir   de   algo   que   nunca   começámos.   E   quando  
desistimos  fazêmo-­‐lo  simplesmente  porque  nunca  foi  nossa  intenção  chegar  ao  fim.  

 
Lembra-­‐te   sempre   disto:   a   tua   mente   é   incapaz   de   distinguir   entre   o   mundo   exterior   e   o  
mundo  interior.  Por  este  motivo  temos  que  fazer  as  pazes  com  a  nossa  história  e  amar  cada  
aspecto   nosso   que   deserdámos.   Ignorar   a   nossa   história,   e   ignorar   os   aspectos   negativos   da  
nossa  mente  é  a  receita  perfeita  para  uma  vida  de  sofrimento.  
 

A   vida   que   estamos   a   viver   agora   é   uma   cópia   do   programa   a   correr   na   nossa   Sombra.   Só  
conseguiremos   mudar   a   nossa   vida   se   mergulharmos   no   programa   a   correr   na   Sombra   e   o  
alterarmos.   O   que   a   maioria   das   pessoas   faz,   e   aquilo   que   muitos   ensinam,   é   comprar   um  
programa   novo   em   folha,   muitas   vezes   caro,   e   instalamos   este   programa   num   computador  
comprado   há   20   anos!   O   programa   até   pode   ser   muito   bom,   mas   o   computador   não   terá   a  
velocidade  e  capacidade  para  o  correr.  Crash!  

 
Se   sentires   vergonha,   qualquer   que   seja   a   vergonha,   poderias   simplesmente   permanecer  
presente   na   emoção   da   vergonha?   Quer   queiras,   quer   não,   tu   tens   um   corpo-­‐de-­‐vergonha.  
Temos   vergonha   dos   nossos   corpos,   ou   das   nossas   famílias,   ou   das   nossas   necessidades,   ou  
dos   nossos   relacionamentos,   da   nossa   arrogância,   dos   nossos   segredos,   da   nossa   violência...  
continuamente   carregamos   este   corpo-­‐de-­‐vergonha.   E   em   vez   de   abraçar   esta   vergonha,  
negamo-­‐la!  E  ao  negá-­‐la  damos-­‐lhe  o  nosso  poder.  O  que  é  a  necessidade  de  julgar  os  outros,  
de  criticar,  de  agradar,  se  não  a  nossa  vergonha?  
 

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     4  


 
Só   há   uma   forma   de   fazer   as   pazes   com   o   corpo-­‐de-­‐vergonha:   abraçando-­‐o!   Permitindo   que  
exista.  Partilha  a  tua  vergonha.  Ela  ficará  em  paz  e  irá  permitir-­‐te  ir  onde  queres  ir.  
 
Quais  são  as  tuas  vergonhas  nas  áreas  da  tua  vida  que  gostarias  de  mudar?  

 
Nós   mantemos   uma   relação   intima   com   uma   pessoa   da   qual   temos   vergonha:   nós   mesmos!  
Como  poderão  os  outros  amar-­‐nos  quando  nós  temos  vergonha  de  ser  quem  julgamos  ser?  
 
E  se  neste  momento  estás  a  justificar-­‐te  e  a  procurar  ter  razão  e  a  criticar  o  que  estás  a  ler...  
Esse  é  o  trabalho  da  tua  Sombra  em  acção.  
 
Muitos  terapeutas  holísticos  fingem  estar  de  bem  com  a  vida,  e  felizes,  quando  na  verdade  isto  
não  passa  de  um  mecanismo  de  defesa  para  não  ter  que  lidar  com  a  vergonha  e  a  impotência  
presentes  nas  suas  vidas.  
 
Escondemos   as   nossas   vergonhas   com   máscaras:   a   boa   rapariga,   a   sedutora,   o   bronco,   o  
intelectual,  o  sobredotado,  a  mártir...  Isto  é  uma  máscara  para  esconder  a  nossa  vergonha,  e  
assim   não   termos   que   a   ver   nem   lidar   com   ela.   Para   que   assim   não   tenhamos   que   sentir   a  
impotência  que  sabemos  ter  na  nossa  vida.  
 

O   ego   está   feito   para   não   permitir   vermos   que   o   mundo   externo   e   interno   são   uma   e   a   mesma  
coisa.  O  ego  convence-­‐te  que  és  diferente  dos  outros.  

Tu   olhas   para   um   familiar   que   tem   um   comportamento   que   “mexe”   contigo,   e   decides   que  
jamais  serás  como  esse  familiar.  E,  todavia,  a  cada  ano  que  passa  irás  parecer-­‐te  mais  e  mais  
com  esse  familiar!  Gastas  tanta  energia  para  não  ser  como  a  pessoa  que  julgas  que  acabarás  
por  ser  a  cópia  dessa  pessoa.  
 
Nós   não   conseguimos   estar   presentes   para   criar   o   nosso   futuro   por   que   estamos  
sempre   à   procura   de   informação   no   nosso   passado.   Não   estamos   presentes!   Estamos  
Passados!  

 
Jamais  conseguiremos  abraçar  a  nossa  luz  sem  atravessar  a  nossa  escuridão,  sem  antes  fazer  
as  pazes  com  todos  os  aspectos  que  julgamos  e  decidimos  que  não  somos.  Sem  antes  abraçar  a  
nossa  humanidade.  

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     5  


 
“Aceitar”   é   um   falso   prémio.   Nunca   caias   na   asneira   de   “aceitar”   os   outros   ou   “aceitar”   um  
aspecto   negativo   em   ti.   Irá   magoar-­‐te   ainda   mais.   Mas   podes   sempre   abraçar   esse   aspecto!  
Amá-­‐lo  por  existir.  

 
Muitas  vezes  temos  que  abraçar  a  nossa  incapacidade  de  abraçar  um  aspecto  nosso.  Quando  
não   somos   capazes   de   abraçar   um   aspecto   que   continuamente   vemos   nos   outros,   e   “mexe”  
connosco.    

 
A   chave   para   abraçar   um   aspecto   rejeitado   é   a   Compaixão.   Muitos   de   nós   perdemos   a  
capacidade   de   sentir   compaixão   porque   tentamos   ser   compassivos   no   mundo   exterior   sem  
sermos  carinhosos,  receptivos  e  compassivos  no  nosso  interior,  para  connosco.  
 

Sempre  que  julgamos  outros  estamos  a  fazer  o  jogo  do  ego  que  não  quer  lidar  com  o  facto  de  
saber  ser  impotente.  

 
Se  eu  me  sentir   bem   comigo,   tu   poderás  dizer/pensar  o  que  quer  que  seja  sobre  mim  que   não  
me  afectará.  Porque  já  abracei  o  que  quer  que  seja  que  digas  sobre  mim.  Mas  a  realidade  mais  
triste  é  que  o  que  quer  que  seja  que  digas  sobre  mim  nada  mais  é  que  um  aspecto  de  ti  que  
procura  ser  amado  e  abraçado.  
 
És  capaz  de  perdoar  e  sentir  compaixão  pelos  aspectos  de  ti  que  tens  andado  a  rejeitar?  

 
Nós  herdamos  a  vergonha  dos  nossos  pais.  Mesmo  quando  dizemos  que  jamais  seremos  como  
eles,   se   prestarmos   atenção,   e   embora   pensemos   que   somos   o   oposto   de   quem   eles   eram,  
iremos  descobrir  que  somos  iguais  a  eles.  A  nossa  história  nem  sequer  é  nossa!  É  a  história  de  
todos  os  nossos  antepassados,  embrulhada  com  um  papel  de  embrulho  novo  e  brilhante.  
 
Se   eu   não   tiver   amor   suficiente   por   mim   dentro   de   mim,   irei   tentar   comprar   o   amor   dos  
outros.  Tentando  agradar,  dizendo  “sim”  quando  quero  dizer  “não”,  etc.  
 
Sabes   porque   muitas   pessoas   enveredam   por   uma   carreira   na   área   da   saúde?   Porque   querem  
ajudar   os   outros?   Para   não   terem   que   lidar   com   os   seus   sentimentos   de   impotência.   Para  
poderem  ser  validados.  E  neste  processo  projectam  a  sua  impotência  sobre  os  outros.  
 

Não  há  nada  dentro  de  ti,  nada!  Que  não  possa  ser  amado.  E  à  medida  que  tu  te  amas  mais,  por  
seres  quem  és,  o  mundo  irá  amar-­‐te  mais.  Mas  como  amar-­‐te  mais  se  carregas  tanta  vergonha,  
culpa,  medo,  raiva,  dentro  de  ti?...  Tens  que  primeiro  amar  cada  um  desses  aspectos.  E  lembra-­‐

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     6  


 
te:   as   pessoas   que   andam   sempre   alegres,   que   parecem   ter   tomado   um   comprimido   da  
felicidade,  encontram-­‐se  em  negação.  
 
Começa  a  fazer  escolhas  no  teu  dia-­‐a-­‐dia  de  acordo  com  quem  queres  ser  e  não  de  acordo  com  
quem  foste!  Se  alguém  não  te  valoriza,  de  que  forma  tu  não  te  valorizas?  Se  alguém  te  trata  
mal,  de  que  forma  te  tratas  mal  a  ti?  
 
Procura   sempre   ser   gentil,   carinhoso   e   compassivo   para   contigo.   E   irás   ver   que   os   outros   irão  
tratar-­‐te  da  mesma  maneira.  
 
A  compaixão  é  apenas  permitir  que  o  que  quer  que  seja,  ou  esteja  a  acontecer,  seja  ou  
aconteça.  É  amar  aquilo  que  é.  
 

-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐   -­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐     -­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐     -­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐   -­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐-­‐  


 
Apontamentos  da  sessão  com  Debbie  Ford  –  Londres,  Maio  2010    
 

 
 
 

www.emidiocarvalho.com  -­‐  Educação  Emocional     7