Anda di halaman 1dari 9

Departamento de Pedagogia e Educação

Programa e Planeamento Didáctico

de

EDUCAÇÃO E MULTICULTURALIDADE

Mestrado em Ciências da Educação

Administração e Gestão Educacional

Ano Lectivo de 2009/2010


I – INTRODUÇÃO

Neste ano lectivo de 2009/2010 cabe-nos pela primeira vez a responsabilidade da


leccionação da disciplina de Educação e Multiculturalidade na Universidade de Évora.
Afortunadamente, existe na designação desta unidade curricular suficiente abertura para permitir
uma abordagem das problemáticas educativas que a multiculturalidade levanta de forma a não
sentirmos por essa via qualquer constrangimento causador de alguma espécie de enviesamento
teórico. Não teremos, pois, felizmente, de advogar aqui nem a favor nem contra a “educação
multicultural” assim como também nada nos impele no sentido da defesa de qualquer perspectiva
multiculturalista em particular.

O nosso plano de trabalho inclui três momentos fundamentais na construção de uma


perspectiva teórico-prática acerca dos desafios que a multiculturalidade coloca no domínio da
educação. Em primeiro lugar, cuidaremos de perceber a forma plural como a Antropologia veio
desde o século XIX pensando a Cultura e, quando isso se tornou imperioso, também a
multiculturalidade. Num segundo momento, trataremos de analisar as propostas que diferentes
autores fizeram no sentido de tipificar as diversas correntes do multiculturalismo, diversidade que
tanto se funda em divergência de princípios teóricos fundantes quanto nas realidades diferentes das
sociedades onde a multiculturalidade se impõe naturalmente como problema nacional de grande
relevo (Estados Unidos, Canadá, Austrália, França, Reino Unido, etc). Finalmente, a nossa atenção
centrar-se-á na consideração da forma como do ponto de vista das políticas educativas – em
dimensões várias desde a formação de professores à gestão do currículo – a educação escolar vem
assumindo os desafios da multiculturalidade como seus, com vista a proporcionar às sociedades a
formação mais adequada dos seus membros e particularmente dos mais jovens.

Uma palavra final para a metodologia que seguiremos. O funcionamento das aulas quer-se
que seja dialógico, daquela dialogicidade que, em Pedagogia do Oprimido, Paulo Freire invocava ao
escrever:

“Na medida em que o educador apresenta aos educandos, como objecto de sua
"ad-miração", o conteúdo, qualquer que ele seja, do estudo a ser feito, "re-ad-mira" a "ad-miração"
que antes fez, na "ad-miração" que fazem os educandos.”

Assim, espera-se que as sessões de trabalho presencial sejam de uma dialogicidade mediada
pelo Mundo mas também pelos textos previamente anunciados e disponibilizados, os quais deverão
ser objecto de leitura atenta por parte de todos anteriormente ao trabalho de análise e reflexão
conjunta da turma. A avaliação final, individual, deverá proporcionar uma oportunidade de síntese
pessoal do percurso realizado por todos e pelo próprio.

Obviamente, sabemos de antemão que é um grande desafio levar a cabo a tarefa a que nos
acometemos. Não é nunca fácil estruturar de raíz um curso e muito menos ainda quando optamos
por delinear um caminho próprio. Estamos convencidos de que maior serviço se presta à causa de
uma autêntica “educação multicultural” precisamente libertando-a de abordagens primárias em que
o “romantismo da alteridade” converte o Outro num boneco exótico, num objecto de interesse
folclórico que toleramos mas não respeitamos verdadeiramente.

Oxalá as nossas limitações e fragilidades não obstem a que esta primeira experiência de
leccionação da disciplina de Educação e Multiculturalidade possa constituir para todos nós,
professor e alunos, uma feliz oportunidade de desenvolvimento pessoal e académico.

Casimiro Amado
II – OBJECTIVOS

1. Identificar a diversidade de abordagens antropológicas da cultura e da multiculturalidade.

2. Conhecer as tipologias teóricas e “práticas” do multiculturalismo.

3. Compreender as formas de articulação possível entre a educação – com destaque para a

educação escolar – e a multiculturalidade.


III – PROGRAMA

1. Cultura e Multiculturalidade.

2. Multiculturalismo(s).

3. Educação e Multiculturalidade.
IV – PLANEAMENTO DIDÁCTICO

RUBRICAS PROGRAMÁTICAS HORAS

Apresentação. 3

1. Cultura e Multiculturalidade. 6

2. Multiculturalismo(s). 6

3. Educação e Multiculturalidade. 9

Total 24
V – AVALIAÇÃO

O aluno pode escolher entre duas modalidades de avaliação:

1. Modalidade de Avaliação A

a) A avaliação neste regime de Avaliação consiste na redacção de um Ensaio sobre o tema


"Educação e Multiculturalidade".

b) O Ensaio deve obrigatoriamente considerar e discutir a bibliografia que foi objecto de


análise e comentário nas aulas, não tendo que se limitar a ela.

c) O Ensaio deverá ter uma extensão variável entre 10 e 20 páginas, Times New Roman, tipo
12, espaçamento 1,5 linhas, preferencialmente com notas em rodapé.

d) Modo e data limite de entrega: ficheiro electrónico a enviar por email até à data que for
acordada para o efeito.

e) Haverá lugar a uma “defesa” ou “discussão” oral do Ensaio, facultativa mas


recomendada, a realizar em data a acordar para o efeito.

f) A Classificação Final é igual à nota obtida no Ensaio.

2. Modalidade de Avaliação B

a) A avaliação neste regime de Avaliação consiste na realização de uma prova escrita


individual presencial.

b) A prova consta de duas partes:

- 1ª parte: resposta a questionário sem acesso a consulta bibliográfica;

- 2ª parte: elaboração de texto ou textos sobre temas e/ou problemas do âmbito da disciplina,
com possibilidade de consulta bibliográfica.

c) A Classificação Final é igual à nota obtida nesta prova.


VI – BIBLIOGRAFIA

A. Textos para trabalho nas aulas (por ordem de utilização)

GOODENOUGH, W. H., “Multiculturalism as the Normal Human Experience”, in Elisabeth


M. Eddy and William L. Partridge (Editors), Applied Anthropology in America, Columbia
University Press, New York, 1978, pp.79-86.
TURNER, Terence, “Anthropology and Multiculturalism: What is Anthropology that
Multiculturalists Should be Mindful of it?”, Cultural Anthropology, 8(4), 1993, p. 411-429.
BAUMANN, Gerd, El enigma multicultural. Un replanteamiento de las identidades nacionales,
étnicas y religiosas, Barcelona, Ediciones Paidós, pp.105-121.
MARTINS, Filipe, “Para uma Visão Crítica da Cultura nas Sociedades Multiculturais”,
Cadernos d’inducar, Fevereiro, 2006
ROSAS, João Cardoso, “Sociedade Multicultural: Conceitos e Modelos”, Conferência –
Diversidade e Identidade Nacional na União Europeia: Desafios Multiculturais, Universidade
do Minho, 2007
WIEVIORKA, Michel, A Diferença, Lisboa, Fenda, 2002, pp. 101-125.
ITURRA, Raul, Fugirás à Escola Para Trabalhar a Terra, Lisboa, Escher Publicações, 1990.
ITURRA, Raul, A Construção Social do Insucesso Escolar. Memória e Aprendizagem em Vila
Ruiva, Lisboa, Escher Publicações, 1990.
SOUSA, Jesus Maria, “Globalização e diversidade: o papel do professor”, Tribuna da Madeira,
Educação, 2000, pp.20-22 Disponível em http://www3.uma.pt/jesussousa/Tribuna/6.pdf
Acesso em 11/02/2010
MILLS, Carmen, “PRE-SERVICE TEACHER EDUCATION AND THE DEVELOPMENT OF
SOCIALLY JUST DISPOSITIONS: A REVIEW OF THE LITERATURE”. Disponível em h
ttp://www.aare.edu.au/06pap/mil06221.pdf Acesso em 11/02/2010.
JACKSON-MINOT, Marquita, and Coia, Lesley, “I Am What I Am: Preservice Teachers’
Journeys for Autobiography to Autoethnography”, Paper presented at the annual meeting of the
American Association of Colleges for Teacher Education, Hilton New York, New York, NY, Feb
24,2007. Disponível em
http://www.allacademic.com//meta/p_mla_apa_research_citation/1/4/2/7/6/pages142761/p142761-1.php
Acesso em 11/02/2010.
PACHECO, José Augusto, “Teorias curriculares: políticas, lógicas e processos de regulação
regional das práticas curriculares”, Disponível em
http://srec.azores.gov.pt/dre/Curriculo_Regional/Comunicacoes/JAPacheco.doc Acesso em
11/02/2010 .
B. Bibliografia Geral

FORQUIN, Jean-Claude, “O currículo entre o relativismo e o universalismo”, Educação


& Sociedade, vol.21, n.73, Campinas, Dezembro 2000
LEITE, Carlinda Maria Faustino, –O currículo e o multiculturalismo no sistema educativo
português, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian-Ministério da Ciência e da Tecnologia,
2002.
LIMA, Marceline de, Maria de Fátima Lemos, Viviani Anaya, “Currículo escolar e
construção cultural: uma análise prática”, Dialogia, São Paulo, v. 5, p. 145-151, 2006.
PEREIRA, Anabela Sousa, Educação multicultural: teorias e práticas, Porto, Asa, 2004.
SILVA, Gilberto Ferreira da , “Cultura(s), currículo, diversidade: por uma proposição
intercultural”, Contrapontos, vol. 8, nº 1, pp. 137-148, Jan-Abril 2008.
SOUSA, J. M., “O olhar etnográfico da escola perante a diversidade cultural”. PSI. (Revista da
Universidade Estadual de Londrina- Brasil), 2 (1),2000, pp. 107-120,
SOUSA, Jesus Maria, “Currículos alternativos: um olhar etnográfico”. In: ESTRELA, A. &
J. FERREIRA (Org), Diversidade e diferenciação em Pedagogia, Lisboa, AFIRSE
Portuguesa, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade de Lisboa, 2000.
STOER, Stephen R., “Construindo a escola democrática através do «campo da
recontextualização pedagógica»”, Educação, Sociedade & Culturas, 1, 1994, pp. 7-27.
TEIXEIRA, Célia Regina e Roseane Dal Bello BEZERRA, “Escola, currículo e cultura(s):
a construção do processo educativo na perspectiva da multiculturalidade”, Dialogia, São
Paulo, v. 6, p. 55-63, 2007.
WOLCOTT, Harry, “On Ethnographic Intent”, In George and Louise Spindler (Eds.),
Interpretive Ethnography of Education: At Home and Abroad, Hillsdale, NJ: Erlbaum,
1987.