Anda di halaman 1dari 44

Redes Móveis sem Fio

Miguel Torres

Tópicos Especiais II – 2010


Tópicos – 1a Parte
 Internet Móvel
 Mobile IP – versão 4
 Mobilidade em IPv6

 Redes Locais sem Fio


 Bluetooth
 IEEE 802.1x

 Web sem Fio


 WAP
 J2ME, Brew e SuperWaba

Redes Móveis - 2010 2


Estrutura da Matéria – IP Móvel
 Introdução;
 Mobilidade com IPv4;
 Mobilidade com IPv6;
 IPv4 x IPv6;
 Conclusão;
 Referências.
Conhecimentos necessários:

1. O que é o protocolo IP;


2. O que é o protocolo IPv4;
3. Características técnicas do protocolo IPv4.

Obs. No IPV4, os endereço IP são compostos por 4 blocos de 8 bits (32 bits no total), que são representados através de números de 0 a 255

Redes Móveis - 2010 3


Introdução
 Os protocolos de Internet existentes não
suportavam hosts móveis;

 Quando um host muda sua localização, ele perde


as configurações de roteamento;

 Redes móveis necessitam de reconexão dos


dispositivos transparente ao usuário;

 O DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol)


não permite conectividade intermitente.

Redes Móveis - 2010 4


Introdução

O IP Móvel permite que um equipamento móvel esteja em


permanente conectividade com a rede mãe (home network),
possibilitando, embora o mesmo esteja em outra rede, que
os datagramas enviados ao seu endereço IP lhe sejam
entregues transparentemente.

Redes Móveis - 2010 5


Mobilidade com IPv4

 IETF (Internet Engineering Task Force) propôs o


IP Móvel como uma extensão do IPv4;

 IP móvel estende o IP tradicional para permitir


que o dispositivo móvel utilize dois endereços
IP:

 Home address
 Foreign address (care-of address)

Redes Móveis - 2010 6


Mobilidade com IPv4
 Entidades especiais:
 Nó móvel;
 Nó correspondente;
 Home agent;
 Foreign agent.

 Outras novidades
 Foreign address
 Home address
 Túnel

Redes Móveis - 2010 7


Mobilidade com IPv4

Redes Móveis - 2010 8


Mobilidade com IPv4

 O IP Móvel é a cooperação de três mecanismos


separados:

 Descobrir o care-of address;


 Registrar o care-of address;
 Roteamento e tunelamento.

Redes Móveis - 2010 9


Mobilidade com IPv4
 Descobrir o care-of address:

 Similar ao que é usado pelos roteadores utilizando o


ICMP Router Discovery;

 Não modifica os campos existentes nos router


advertisements (anúncios de roteadores), apenas os
estende para associar as funções de mobilidade;

 Os home agents e os foreign agents difundem em


intervalos regulares os agent advertisements;

Redes Móveis - 2010 10


Mobilidade com IPv4
 Descobrir o care-of address (cont.):

 Funções do agent advertisement:

 Permite a detecção de agentes móveis;


 Lista um ou mais care-of addresses disponíveis;
 Informa ao nó móvel sobre as características especiais
proporcionadas pelo foreign agent;
 Permite ao nó móvel determinar o endereço de rede e o
estado de seus links para a Internet;
 Permite ao nó móvel saber se o agente é um home agent,
um foreign agent ou ambos, e, portanto, se ele está em
sua home network ou em uma foreign network.

Redes Móveis - 2010 11


Mobilidade com IPv4
 Descobrir o care-of address (cont.):

Redes Móveis - 2010 12


Mobilidade com IPv4
 Registrar o care-of address:
 Há dois tipos de mensagem de registro: pedido de
registro e resposta de registro;

 O foreign agent é considerado um agente passivo no


processo de registro, pois este concorda em transmitir
a mensagem para o home agent do nó móvel;

 Cada registro tem um tempo de vida limitado;

 Há a necessidade de atualização do registro para


aumentar o tempo de vida, através do binding (que
contém o home address, care-of address e o tempo de
vida do registro).
Redes Móveis - 2010 13
Mobilidade com IPv4
 Registrar o care-of address:

Redes Móveis - 2010 14


Mobilidade com IPv4
 Registrar o care-of address: (cont.)

 Autenticação:
 Usar um selo temporal
 Usar um número pseudoaleatório

 Descoberta automática do home agent:


 Caso o nó móvel não consiga contactar o seu home agent,
o IP Móvel tem um mecanismo que deixa o nó móvel
tentar registar-se com outro home agent desconhecido na
sua rede local.

Redes Móveis - 2010 15


Mobilidade com IPv4
 Roteamento e tunelamento:

 O home agent intercepta os datagramas destinados ao


nó móvel e os repassa (através de tunelamento) ao
endereço provisório do nó móvel (care-of address);
 O tunelamento pode ser feito por um ou mais
algoritmos de encapsulamento, mas temos como
padrão o IP-within-IP;
 Usando esse mecanismo, o home agent insere um novo
cabeçalho IP (tunnel header) na frente dos antigos
cabeçalhos IP dos datagramas endereçando-os ao care-
of address do nó móvel;
 O foreign agent desencapsula e repassa os datagramas
ao nó móvel.

Redes Móveis - 2010 16


Mobilidade com IPv4
 Roteamento e tunelamento: (cont.)

Redes Móveis - 2010 17


Mobilidade com IPv4

Redes Móveis - 2010 18


O MH envia
periodicamente binding
Mobilidade com IPv4 para atualizar o registro

Redes Móveis - 2010 19


Mobilidade com IPv4

Redes Móveis - 2010 20


Mobilidade com IPv6
 O que é o IPv6?

 IETF;
 Motivação:
 Limitações do IPv4;

 Endereçamento (128 bits);

 Descobrimento de vizinhos.

 Projetado visando a mobilidade.

Redes Móveis - 2010 21


Exaustão do IPv4
 Cada host na rede, tem um endereço IP único;
 O IP é representado por 4 octetos, com valores entre 0-255,
separados por ponto;
 Existem 4.294.967.296 combinações possíveis;

governos

empresas

usuários

redes internas

Redes Móveis - 2010 22


Exaustão do IPv4 (cont.)
 Conexões Always-on: diminuição das redes
dial-up (normalmente off);
 Demografía da Internet: centos de milhões de
lares com acesso banda larga;
 Uso ineficiente dos endereços: nos anos 80
distribuiram-se blocos de IP classe A para
Universidades e Empresas. Muitos deles não são
utilizados;
 Dispositivos móveis: diminuição dos custos e
integração de maior tecnología nos mesmos os
transforma em terminais IPv4.

Redes Móveis - 2010 23


Solução – IPv6
 Endereços de 128 bits, representando 3.4x1038
de combinações.

Redes Móveis - 2010 24


Problemas na adoção do IPv6
 Herança de equipamentos onde
 O fabricante no fornece mais o serviço.
 O software não é modernizável.
 O dispositivo não possui suficientes recursos para mantener a pilha
de endereços IPv6 (normalmente falta de ROM e RAM).
 Investimentos por parte dos fabricantes para melhoria da herança do
software dos produtos;
 Os fabricantes que fornecem o novo equipamento possuem suficientes
recursos para manter o IPv6.
 Investimentos por parte dos fabricantes para desenvolvimento do novo
software IPv6.
 Publicidade para convencer aos usuarios finais da preparação da melhoría
dos equipamentos existentes.
 Publicidade para os usuarios finais criar uma demanda por equipamentos
IPv6 competentes.
 Não investimento dos ISPs para a transição ao IPv6.

Redes Móveis - 2010 25


Mobilidade com IPv6
 Mudanças com relação ao IPv4:

 O IPv6 inclui mais características para suporte à


 mobilidade;
 O suporte a mobilidade do IPv6 segue a estrutura do
IPv4;
 Apesar do care-of address ser ainda necessário no
IPv6, não há a necessidade de foreign agents;
 Os nós correspondentes com IPv6 podem entregar
pacotes diretamente ao nó móvel;
 Todos os nós IPv6 implementam fortes capacidades de
autenticação e encriptação.

Redes Móveis - 2010 26


Mobilidade com IPv6
 Necessidades, objetivos e aplicações:

 Mecanismo que possibilite troca de sub-rede;


 Provê comunicação após sua mudança;
 Deve ser transparente para as camadas de transporte e
superiores;
 A comunicação de localização deve ser autenticada, por
motivos de segurança;
 A quantidade e o tamanho dos pacotes transmitidos em
razão da administração do protocolo devem ser os
menores possíveis para economia de energia;
 Mantém todos os bindings em cache.

Redes Móveis - 2010 27


Mobilidade com IPv6
 Operações básicas do protocolo:

 Todo host móvel possui três endereços:


 Home address
 Local-link address
 Foreign address

 Possibilita que outros nós tomem conhecimento


dinamicamente do binding (nos caches dos nós
correspondentes);

 Antes de enviar uma mensagem, todo nó verifica o seu


cache.

Redes Móveis - 2010 28


Mobilidade com IPv6
 Binding Update:

 Notifica o home agent e outros nós do novo care-of-


address;
 Toda comunicação de binding deve ser autenticada;
 Informações têm um tempo de vida.
 Existência de bits de controle: Home Agent (H),
Acknowledge (A) e Local-link Address Present (L);
 Forma de envio:
 Em qualquer pacote
 Em um pacote próprio

Redes Móveis - 2010 29


Mobilidade com IPv6

Redes Móveis - 2010 30


Mobilidade com IPv6
 Requisitos para as operações:

 Todo nó IPv6 deve ser capaz de processar binding


updates recebidos, enviar binding acknowledgements e
manter binding cache;

 Toda unidade móvel IPv6 deve ser capaz de


desencapsular pacotes IPv6, enviar binding e receber
binding acknowledgements;

 Todo roteador IPv6 deve ser capaz de enviar binding


update acknowledgements.

Redes Móveis - 2010 31


Mobilidade com IPv6
 Operação do nó móvel:

 Envio de binding updates;


 Detecção de movimentos;
 Handoff suave com células sobrepostas;
 Handoff suave assistido por roteadores;
 Renomeação da rede de origem.

Redes Móveis - 2010 32


Mobilidade com IPv6
Operação do nó móvel (cont.):
 Envio de binding update:

 Antes de enviar um pacote para um endereço destino,


um nó deve procurar o endereço destino em seu
binding cache;
 Ao retornar para sua rede de origem, a unidade móvel
envia um binding update para seu home agent
especificando seu home address como sendo seu care-
of address;
 Envios com baixa freqüência;
 Um nó móvel pode manter sua privacidade.

Redes Móveis - 2010 33


Mobilidade com IPv6
Operação do nó móvel (cont.):
 Detecção de movimentos:

 Utilização do router discovery;


 A unidade móvel mantém a lista default de roteadores
e prefix list;
 Quando estiver fora de sua rede, a unidade móvel deve
selecionar um roteador da default router list.

Redes Móveis - 2010 34


Mobilidade com IPv6
Operação do nó móvel (cont.):

 Handoff suave com células sobrepostas:


 Dois care-of address;
 Unidade móvel deve aceitar pacotes enviados para
quaisquer dos dois endereços.

Redes Móveis - 2010 35


Mobilidade com IPv6
Operação do nó móvel (cont.):

 Handoff suave assistido por roteador:


 Incapacidade de receber pacotes por dois endereços
diferentes;
 O nó móvel envia binding update para o antigo default
router;
 Care-of registration (bits H e A);
 Antigo default router encapsula pacotes enviados ao nó
móvel para o novo endereço

Redes Móveis - 2010 36


Mobilidade com IPv6
Operação do nó móvel (cont.):
 Renomeação da rede de origem

 Quando o endereço de rede muda, o home agent tunela


as mensagens router advertisement para todos os nós
não presentes na rede de origem que utilizam o
endereço de rede afetado;
 Quando uma unidade móvel recebe uma mensagem
tunelada de router advertisement contendo um novo
endereço da rede de origem, esta unidade móvel deve
efetuar a operação padrão para criar seu novo home
address.

Redes Móveis - 2010 37


Mobilidade com IPv6
 Operação do nó correspondente:

 Envio de pacotes à unidade móvel;

 Tratamento de erros ICMP

Redes Móveis - 2010 38


Mobilidade com IPv6
Operação do nó correspondente (cont.):

 Envio de pacotes à unidade móvel:


 Endereço consta no binding cache:
 Envia pacote diretamente ao care-of address através de
routing header;

 Endereço não consta no binding cache:


 Envia pacote ao home address da unidade móvel;
 Sem encapsulamento ou routing header;
 A unidade móvel retorna binding update ao nó.

Redes Móveis - 2010 39


Mobilidade com IPv6
Operação do nó correspondente (cont.):

 Tratamento de erros ICMP

 Erro ao enviar pacotes ao care-of address;


 Remove entrada da unidade móvel de seu binding cache;
 Aguarda novo binding update.

Redes Móveis - 2010 40


Mobilidade com IPv6

Redes Móveis - 2010 41


Mobilidade com IPv6

Redes Móveis - 2010 42


Mobilidade com IPv6

Redes Móveis - 2010 43


Mobilidade com IPv6

Redes Móveis - 2010 44