Anda di halaman 1dari 28

DO ALCANCE DO CTB:

SEARA:

└ PENAL: - Crimes de trânsito. Art. 302 a 312. -- Regra: Princípio da Territorialidade (art.
└ PENAL:
-
Crimes de trânsito.
Art. 302 a 312.
-- Regra: Princípio da Territorialidade (art. 5º, CP).
Ex.: art. 302 = homicídio culposo = não define o local do crime =
portanto, tanto em via pública, bem como via particular.
- Exceção: Quando o legislador definir de forma expressa o
local do crime.
Ex.: art. 308 = racha = via pública.
└ ADMINISTRATIVA:
-
Infrações trânsito, etc.;
-- Regra: art. 1º, CTB = trânsito de qualquer natureza nas vias
abertas à circulação, rege-se por este Código.
Art. 2º, caput = vias = terrestres = urbanas ou rurais.
Urbanas
=
ruas,
avenidas,
logradouros,
caminhos,
passagens.
Rurais = rodovias e estradas.
Art. 2º, parágrafo único + Art. 7-A = vias públicas.
Praias abertas à circulação, condomínios constituídos por
unidades autônomas, e áreas particulares de
estacionamento de uso coletivo + áreas portuárias 1 .

1 Não é em regra, aberta à circulação pública. Somente será considerada a partir de um convênio.

ANÁLISE GERAL DOS CRIMES DE TRÂNSITO EM ESPÉCIE

 

ARTIGO

CRIME

PENA

LEI 9.099

AÇÃO

     

Detenção: 2 a 4

   
 

Homicídio

anos e

ÚNICOS

302

culposo

suspensão /

Não

Pública

crimes:

   

proibição direito

 

Incondicionada

dirigir 3

 

- Culposos

 

- De dano

         
   

Detenção: 6

   

- Admitem

 

Lesão

meses a 2 anos

Em regra,

Em regra, Púb.

aumento 2

303

corporal

e suspensão /

Sim 4 .

Cond. à

 

culposa

proibição direito

 

Repres.

 

dirigir.

 
   

Omissão

     

socorro / evadir-

     
 

se local / desob.

     
 

a susp. Jud. / Dirigir sem hab.

   

Pública

304, 305,

gerando perigo

Detenção: 6

Sim

Incondicionada

307, 309,

de dano /

meses a 1 ano

   

310, 311,

Entregar,

Incomp. / fraude

ou multa.

   

Dolosos

312

permitir ou

confiar / veloc.

 

processual.

     
  • 2 Artigo 302, §1º = de 1/3 a metade.

  • 3 Suspensão Judicial.

  • 4 Aula 03.

   

Embriaguez

Detenção: 6

   
  • 306 ou qualquer

meses a 3 anos

Não.

Pública

substância

e suspensão /

Incondicionada

cause

proibição direito

.

Dolosos

dependência

de dirigir e multa.

   

Detenção: 6 meses a 3 anos

 

Pública

  • 308 Racha

e suspensão /

Não.

Incondicionada

proibição direito de dirigir.

.

HOMÍCIDIO CULPOSO

(Art. 302, CTB). E

LESÃO CORPORAL CULPOSA

(Art. 303, CTB).

Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de veículo automotor:

Pena detenção, de dois a quatro anos , e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

Art. 303. Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo automotor:

Pena detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

  • - Culpa = Negligência / Imperícia 5 / Imprudência 6 .

  • - Só é cometido na direção de veículo automotor 7 .

  • - Aumentativo de pena 1/3 a metade = pode extrapolar a pena em abstrato.

Ex.: homicídio = pode chegar até 6 anos e lesão corporal = até 3 anos.

§ 1º No homicídio culposo (e na lesão corporal culposa) cometido na direção de veículo automotor, a pena é aumentada de 1/3 (um terço) à metade, se o agente:

I não possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação; II praticálo em faixa de pedestres ou na calçada; III deixar de prestar socorro , quando possível fazê lo sem risco pessoal, à vítima do acidente; IV no exercício de sua profissão ou atividade, estiver conduzindo veículo de transporte de passageiros ;

5 Falta de domínio técnico acerca de determinado assunto. Obs.: Nem toda pessoa que não possui habilitação é imperita. E nem toda pessoa que possui habilitaçã o é perita. 6 Todo ato que caracteriza violação as normas de trânsito / constitua perigo ao cenário viário. Ex.:

avanço de sinal, trânsito pelo acostamento. 7 Inclui ônibus elétrico.

- Com o advento da Lei 13.281/2016 o §2º do artigo 302 do CTB f oi revogado, trazendo as seguintes consequências.

  • - Racha gerando = morte art. 308, §2º.

  • - Álcool gerando = morte concurso de crimes (302 + 306).

REVOGADO
REVOGADO
 
 

Art. 302. § 2º Se o agente conduz veículo automotor com capacidade

psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância

psicoativa que determine dependência ou participa, em via, de corrida, disputa

ou competição automobilística ou ainda de exibição ou demonstração de perícia

em manobra de veículo automotor, não autorizada pela autoridade

competente: (Incluído pela Lei 12.971, de 2014) (Vigência)

Penas reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e suspensão ou proibição de se

   
 

obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. (Incluído dada pela Lei 12.971, de 2014) (Vigência)

DIFERENÇAS ENTRE

AUMENTATIVO

DIFERENÇAS ENTRE AUMENTATIVO E AGRAVANTE GENÉRICO AUMENTATIVOS AGRAVANTES GENÉRICOS (art. 302, §1º) (art. 298) 1/3 à

E AGRAVANTE

GENÉRICO
GENÉRICO
   
 

AUMENTATIVOS

 

AGRAVANTES GENÉRICOS

(art. 302, §1º)

(art. 298)

 

1/3 à metade.

Incide sobre a pena base.

SOMENTE art. 302 e 303.

TODOS os crimes.

Não possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação;

Sem possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação;

Praticá-lo em faixa de pedestres ou na calçada;

Sobre faixa de trânsito temporária ou permanentemente destinada a pedestres;

Deixar de prestar socorro, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à vítima do acidente;

---------/---------

No exercício de sua profissão ou atividade, estiver conduzindo veículo de transporte de passageiros.

Quando a sua profissão ou atividade exigir cuidados especiais com o transporte de passageiros OU DE CARG A.

 

Com Permissão para Dirigir ou

 

--------/---------

Carteira de Habilitação de categoria diferente da do veículo;

 

Utilizando veículo em que tenham sido adulterados equipamentos ou características que afetem a sua

--------/---------

segurança ou o seu funcionamento de acordo com os limites de velocidade prescritos nas especificações do fabricante;

 

Utilizando o veículo sem placas, com

--------/---------

placas falsas 8 ou adulteradas;

 

Com dano potencial 9 para duas ou

--------/---------

mais pessoas ou com grande risco de grave dano patrimonial a terceiros;

Condutor que comete crime do art. 302 e 303 e que incide uma mesma

causa

 
 

de aumento e agravante ao mesmo tempo

:

 

Princípio da especialidade =

aplica somente a causa aumentativa

!

Condutor que comete crime do art. 302 e 303

pode ser punido com

 
 

aumentativo e agravante ao mesmo tempo

,

desde que

sejam

 

CAUSAS DIVERS AS

!

Ex.: atropela sem habilitação e com veículo com características adulteradas.

 

Se a hipótese de aumento ou agravante configurar elementar de um crime = caracteriza somente o crime.

Ex.: sem habilitação = crime artigo 309, CTB.

8 Pode tipificar o crime do artigo 311 do CP. ‐ Se o responsável pela adulteração é o próprio proprietário = dolo = responde pelo CP. ‐ Porém, se o responsável pela adulteração for outrem = culpa = agravante CTB. 9 Perigo de dano.

APLICAÇÃO DA

 

LEI 9.099/95 NO CRIME DE

LESÃO CORPORAL

CULPOSA
CULPOSA

(Art. 303, CTB).

1.

LESÃO CORPORAL CULPOSA:

1.1.

 

SIMPLES (sem aumentativo) pena: detenção: 6 meses a 2

 

anos.

 

└ Aplica-se a Lei 9.099.

 

└ Ação Penal Pública Condicionada à Representação.

 

└ Lavra-se Termo Circunstanciado.

 

1.2.

 

COM AUMENTATIVO (art. 302,§1º - de 1/3 até metade) pena

 

pode chegar até 3 anos.

 
 

└ Excluindo, em tese, a aplicação da Lei 9.099.

 

└ Porém, com fulcro no §1º do artigo 291 do CTB = existe a previsão expressa do alcance dos benefícios dos artigos 74, 76 e 88 da referida Lei.

Não

lavra

Termo

Circunstanciado.

Encaminha

ao

Delegado, que instaura Inquérito Policial, aplicando as

benesses da Lei 9.099 posteriormente 10 .

 

1.3.

HIPÓTESES DOS INCISOS I, II e III do artigo 291 11 :

└ Não há nenhum benefício da Lei 9.099.

└ Devendo, ainda, ser instaurado Inquérito Policial (Ação Penal Pública Incondicionada).

10 Posicionamento do STF e do DPRF. 11 Álcool; Racha; Velocidade acima de 50 km/h da máxima permitida.

OMISSÃO DE SOCORRO

(Art. 304, CTB). E

EVASÃO DO LOCAL PARA FUGIR A RESPONSABILIDADE

PENAL OU CIVIL

(Art. 305, CTB).

  • 1. CONDUTOR CULPADO PELO ACIDENTE SE EVADE:

OMISSÃO DE SOCORRO (Art. 304, CTB). E EVASÃO DO LOCAL PARA FUGIR A RESPONSABILIDADE PENAL OU
v2
v2
v1
v1
V1 = avança sinal vermelho por imprudência (culpa). V2 = não teve culpa. Lesionado = condutor
V1 = avança sinal vermelho por
imprudência (culpa).
V2 = não teve culpa.
Lesionado = condutor V2.
V1 = Evade‐se sem prestar socorro.

Crimes de V1?

- Lesão Corporal Culposa (art. 303) + aumentativo de pena (omissão de socorro) c/c Evasão do local para fugir responsab. penal ou civil (art.

305).

2. CONDUTOR NÃO CULPADO PELO ACIDENTE SE EVADE: v2 V1 = avança sinal vermelho por imprudência
2.
CONDUTOR NÃO CULPADO PELO ACIDENTE SE EVADE:
v2
V1 = avança sinal vermelho por
imprudência (culpa).
V2 = não teve culpa.
v1
Lesionado = condutor V1.
V2 = Evade‐se sem prestar socorro.

Crimes de V2?

- Responde pelo crime de Omissão de Socorro (artigo 304), de forma autônoma.

NÃO responde pelo

crime

de

Evasão

do

local

para

fugir

responsabilidade penal ou civil

(art.

305),

pois

não

foi

o

responsável pelo acidente.

  • 3. TERCEIRO NÃO ENVOLVIDO NÃO PRESTA SOCORRO:

v3
v3
v1
v1
v2
v2
3. TERCEIRO NÃO ENVOLVIDO NÃO PRESTA SOCORRO: v3 v1 v2 V1 e V2 se lesionam gravemente
V1 e V2 se lesionam gravemente e não conseguem prestar socorro um ao outro (excludente da
V1 e V2 se lesionam gravemente e
não conseguem prestar socorro
um ao outro (excludente da
omissão de socorro).
V3 = não está envolvido, passa
pelo local e não presta socorro.

Crimes de V3?

- Omissão de Socorro (artigo 135 do Código Penal).

RESUMO:

Envolvido

Culpado

  • Não Culpado

Art. 303 + aumentativo

  • (omissão socorro) c/c Art. 305.

  • Art. 304 (omissão socorro).

Não Envolvido

Envolvido Culpado Art. 303 + aumentativo (omissão socorro) c/c Art. 305. Art. 304 (omissão socorro). Art.

Art. 135 Código Penal (omissão socorro)

DIFERENÇAS ENTRE OMISSÃO DE SOCORRO DO CTB E DO CP:

CP

CTB

 

Não poderá ser substituído por terceiro.

 

Na hipótese de morte instantânea ou lesão leve = ainda assim deverá prestar socorro.

EXCLUDENTES DA OMISSÃO DE SOCORRO:

  • 1. RISCO PESSOAL INTEGRIDADE FÍSICA; Ex.: populares querendo agredir o condutor responsável pelo acidente.

  • 2. NÃO HOUVER CONDIÇÕES FÍSICAS OU MENTAIS;

  • 3. LIGAÇÃO PARA ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS E PERMANECER NO LOCAL; Ex.: bombeiros.

Art. 301. Ao condutor de veículo, nos casos de acidentes de trânsito de que resulte vítima, não se imporá a prisão em flagrante , nem se exigirá fiança, se prestar pronto e integral socorro àquela.

EMBRIAGUEZ AO VOLANTE

(Art. 306 c/c 165, 165-A, CTB e Resolução 432).

INTRODUÇÃO:

 

Lei 11.705/08

Lei

Lei

12.760/12 12.971/14
 
12.760/12 12.971/14

12.760/12

12.971/14

 

Crime de

Passa a ser

Acrescenta o

Acrescenta

perigo em

crime de

§2º do artigo

o exame

concreto.

perigo em abstrato.

306, dando a possibilidade

toxicológico.

Necessidade de conf iguração do perigo de dano.

Para configuração índice igual ou superior a 6 dg/L.

de conf iguração do crime por meios de prova testemunhal,

Na hipótese

vídeo, etc.

de recusa,

Legislador

não havia

omite acerca

meios legais

do exame

para

toxicológico.

configurar o

crime.

DOS MEIOS PARA CONFIGURAÇÃO DA ALCOOLEMIA:

Art. 2º, Resolução 432.

  • 1. Etilômetro

  • 2. Exame de Sangue

  • 3. Sinais notórios

  • 4. Exames realizados por laboratórios

Obs.: Recusa a qualquer um desses meios = configura a recusa administrativa.

CONFIGURAÇÃO DA INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA E DO CRIME:

Configuração da embriaguez:

Realização

do teste

Realização do teste Etilômetro  Vc ≥ 0,05 mg/L. Infração Exame Sangue  Qualquer concentração Etilômetro

Etilômetro Vc ≥ 0,05 mg/L.

Infração

Infração Exame Sangue  Qualquer

Exame Sangue Qualquer

 

concentração

Etilômetro Vc ≥ 0,30 mg/L.

Crime + Inf.

Crime + Inf.

Exame Sangue Vc ≥ 6 dg/L.

Recusa

Realização do teste Etilômetro  Vc ≥ 0,05 mg/L. Infração Exame Sangue  Qualquer concentração Etilômetro

Administrativa

Infração artigo 165‐A.

Crime pode ser configurado por meio de prova testemunhal e pelo conjunto de sinais notórios.

Obs.: Valor Considerado (Vc) = Valor Medido (Vm) – Erro.

Erro = 0,032 mg/L.

INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA:

Art. 165

Inf ração embriaguez ao volante

Inf. = Gravíssima x10

   

Penalidade : Multa + Suspensão adm. 12 meses.

Art. 165-A

Infração recusa administrativa

Med. Adm. = Retenção do veículo + Recolhimento documento habilitação.

Reincidência no período de 12 meses = dobro = gravíssima x20.

OBSERVAÇÃO:

Álcool (art. 306) + art. 302 = CONCURSO MATERIAL DE CRIMES!!!

SUSPENSÃO JUDICI AL

(Art. 307 c/c 292, 293, 294 e 296 CTB).

Art. 307. Violar a suspensão ou a proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor imposta com fundamento neste Código:

Penas detenção, de seis meses a um ano e multa, com nova imposição adicional de idêntico prazo de suspensão ou de proibição.

Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre o condenado que deixa de entregar, no prazo estabelecido no § 1º do art. 293, a Permissão para Dirigir ou a Carteira de Habilitação.

- Hipóteses de suspensão Judicial:

Art. 292 . A suspensão ou a proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor pode ser imposta isolada ou cumulativamente com outras penalidades ,

Aplicada de forma isolada, quando, o condutor transgredir os artigos 302, 303, 306, 307 que terá nova imposição, em igual período e 308.

Quando reincidente na pratica de delito de trânsito:

Art. 296. Se o réu for reincidente na prática de crime previsto neste Código, o juiz aplicará a penalidade de suspensão da permissão ou habilitação para dirigir veículo automotor, sem prejuízo das demais sanções penais cabíveis.

De forma cautelar pela autoridade judiciária, a requerimento do Ministério Público ou ainda mediante representação da autoridade policial para garantir a ordem pública, vejamos abaixo:

Art. 294. Em qualquer fase da investigação ou da ação penal, havendo necessidade para a garantia da ordem pública, poderá o juiz, como medida cautelar, de ofício, ou a requerimento do Ministério Público ou ainda mediante representação da autoridade policial, decretar, em decisão motivada, a suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor, ou a proibição de sua obtenção.

Parágrafo único. Da decisão que decretar a suspensão ou a medida cautelar, ou da que indeferir o requerimento do Ministério Público, caberá recurso em sentido estrito, sem efeito suspensivo.

Duração:

Art. 293. A penalidade de suspensão ou de proibição de se obter a permissão ou a habilitação, para dirigir veículo automotor, tem a duração de dois meses a cinco anos.

§ 1º Transitada em julgado a sentença condenatória, o réu será intimado a entregar à autoridade judiciária, em quarenta e oito horas , a Permissão para Dirigir ou a Carteira de Habilitação .

§ 2º A penalidade de suspensão ou de proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor não se inicia enquanto o sentenciado , por efeito de condenação penal, estiver recolhido a estabelecimento prisional.

 

SUSPENSÃO

 

SUSPENSÃO

JUDICIAL

 

ADMINISTRATIVA

Competência

Magistrado

Autoridade de Trânsito (Presidente do DETRAN)

 

a.

Isolada ou

 

Cumulativamente (art.

a.

Atingir 20 pontos em

Hipótese de

 

292);

12 meses;

cabimento

   

b.

Caráter

excepcional – medida cautelar (art. 294).

 

b.

Própria infração prever;

   

Pontuação = 6 m. a 1 ano Reinc. = 8 m. a 2 anos.

Prazos

2 meses – 5 anos

Infração = 2 m. a 8 m. Reinc. = 8 m. a 18 m.

Prazo entrega

 

48 horas

 

48 horas

documento

   

Necessidade

de

 

Sim

 

Não

cumprimento

de

   

pena anterior???

 

SUSPENSÃO

 

SUSPENSÃO

JUDICIAL

ADMINISTRATIVA

 

a. Isolada (art. 296);

a.

Atingir 20 pontos em 12 meses;

Hipótese de

b. Cumulativamente

 

cabimento

(art. 302);

 

b.

Própria infração

c.

Caráter

excepcional (art. 294).

 

prever;

Desobediência

Crime artigo 307 + Nova suspensão por igual

Não há caracterização do art. 307.

período.

 

Cassação.

História:

DPRF
DPRF

Rodovia Rio-Petrópolis, Rio-São Paulo e União Indústria.

Presidente Washington Luis.

Decreto 18.323/1928 = definiu as regras de trânsito e cria a Polícia das Estradas (Municipais, Estaduais e Federais).

Guardas Uniformizadas.

Inspetor de Tráfego.

Criação do primeiro quadro em 23 de julho de 1935 (dia do policial rodoviário federal).

1945 = surge a denominação “Polícia Rodoviária Federal”.

Projeto

de

Lei

3.832

de

1958

=

extinção

da

PRF

e

primeiro uso da

denominação “Patrulha Rodoviária Federal” = arquivado, posterio rmente, no Senado.

Constituição Federal 1988 art. 144, II e §2º.

Pós Constituição:

Lei 8.028/1990 = transfere a PRF para o Ministério da Justiça.

Decreto 11 de 1991 = cria o DPRF e define competências.

Lei 8.702 de 1993 = cria 4 mil cargos de Patrulheiros.

Decreto 1.655/1995 = define competências.

Lei 9.503/1997 = código de trânsito brasileiro.

Lei 9.654/1998 = cria a carreira de Policial Rodoviário Federal.

Decreto 8.668 de 2016.

Competências:

CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

Art. 144, caput e §2º. Patrulhamento ostensivo rodovias federais.

DECRETO 1.655/1995.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

DECRETA:

Art. 1° À Polícia Rodoviária Federal, órgão permanente, integrante da estrutura regimental do Ministério da Justiça, no âmbito das rodovias federais, compete:

I - realizar o patrulhamento ostensivo, executando operações relacionadas com a segurança pública, com o objetivo de preservar a ordem, a incolumidade das pessoas, o patrimônio da União e o de terceiros ;

II - exercer os poderes de autoridade de polícia de trânsito, cumprindo e fazendo cumprir a legislação e demais normas pertinentes, inspecionar e fiscalizar o trânsito, assim como efetuar convênios específicos com outras organizações similares;

III

-

aplicar e arrecadar

as

multas impostas por infrações de trânsito e os

valores decorrentes da prestação de serviços de estadia e remoção de veículos, objetos, animais e escolta de veículos de cargas excepcionais;

IV - executar serviços de prevenção, atendimento de acidentes e salvamento de vítimas nas rodovias federais;

V

-

realizar perícias, levantamentos de locais boletins de ocorrências,

investigações, testes de dosagem alcoólica e outros procedimentos estabelecidos em leis e regulamentos, imprescindíveis à elucidação dos acidentes de trânsito;

VI - credenciar os serviços de escolta, fiscalizar e adotar medidas de segurança relativas aos serviços de remoção de veículos, escolta e transporte de cargas indivisíveis;

VII - assegurar a livre circulação nas rodovias federais, podendo solicitar ao órgão rodoviário a adoção de medidas emergenciais, bem como zelar pelo cumprimento das normas legais relativas ao direito de vizinhança, promovendo a interdição de construções, obras e instalações não autorizadas;

VIII

-

executar

medidas

de

segurança,

planejamento

e

escoltas

nos

deslocamentos do Presidente da República, Ministros de Estado, Chefes de

Estados e diplomatas estrangeiros e outras autoridades, quando necessário, e sob a coordenação do órgão competente;

IX - efetuar a fiscalização e o controle do tráfico de menores nas rodovias federais, adotando as providências cabíveis contidas na Lei n° 8.069 de 13 junho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente);

X - colaborar e atuar na prevenção e repressão aos crimes contra a vida, os costumes, o patrimônio, a ecologia, o meio ambiente, os furtos e roubos de veículos e bens, o tráfico de entorpecentes e drogas afins, o contrabando, o descaminho e os demais crimes previstos em leis.

Art 2° O documento de identidade funcional dos servidores policiais da Polícia Rodoviária Federal confere ao seu portador livre porte de arma e franco acesso

aos locais sob fiscalização

do

órgão,

nos

termos da legislação em vigor,

assegurando-lhes, quando em serviço, prioridade em todos os tipos de

transporte e comunicação.

Obs.: ADI 4447/2010 = Inconstitucionalidade dos incisos V e X = polícia judiciária (federal / civil).

RACHA
RACHA

(Art. 308, CTB).

Art. 308. Participar, na direção de veículo automotor, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística não autorizada pela autoridade competente , gerando situação de risco à incolumidade pública ou privada:

Penas detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

  • - É necessário ter mais de um agente para a configuração do crime (plurissubjetivo).

  • - É crime de perigo concreto = necessidade perigo de dano.

└ Caso não gere perigo de dano = infração do art. 173 ou 174.

  • - Elemento espacial = via pública.

└ Se for em via particular = não há configuração do crime.

Qualificadoras

:

Se resultar:

LESÃO CORPORAL GRAVE:

§ 1° Se da prática do crime previsto no caput resultar lesão corporal de natureza grave, e as circunstâncias demonstrarem que o agente não quis o resultado nem assumiu o risco de produzilo, a pena privativa de liberdade é de reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, sem prejuízo das outras penas previstas neste artigo.

Se causar lesão corporal leve = art. 308, caput.

Se causar lesão corporal gravíssima = art. 308, §1º.

MORTE:

§ 2° Se da prática do crime previsto no caput resultar morte, e as circunstâncias demonstrarem que o agente não quis o resultado nem assumiu o risco de produzilo, a pena privativa de liberdade é de reclusão de 5 (cinco) a 10 (dez) anos, sem prejuízo das outras penas previstas neste artigo.

Qualificadoras (§1º: lesão corporal grave e §2º: morte) = aplica tanto via pública quanto na via privada.

DIRIGIR SEM HABILITAÇÃO

(Art. 309, CTB).

Art. 309. Dirigir veículo automotor, em via pública, sem a devida Permissão para Dirigir ou Habilitação ou, ainda, se cassado o direito de dirigir, gerando perigo de dano:

Penas detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

  • - Não significa que não está portando a habilitação, mas aquele que não se submeteu ao processo de habilitação.

  • - É crime de perigo concreto = necessidade perigo de dano.

  • - Elemento espacial = via pública.

  • - NÃO há crime na hipótese da suspensão administrativa.

  • - Carteira Habilitação vencida a mais de 30 dias = não configura crime, devido a falta de previsão legal.

PERMITIR, CONFIAR, ENTREGAR DIREÇÃO

(Art. 310, CTB).

Art. 310. Permitir, confiar ou entregar a direção de veículo automotor a pessoa não habilitada, com habilitação cassada ou com o direito de dirigir suspenso, ou, ainda, a quem, por seu estado de saúde, física ou mental , ou por embriaguez, não esteja em condições de conduzilo com segurança:

Penas detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

A pessoa deve ter o conhecimento (dolo) quando permitir, conf iar ou entregar que a outra não é habilitada, cassada, etc.

-

-

Crime de mera conduta = consumação = entrega.

 

-

Súmula 575 STJ

= para a

configuração do crime não é necessário que o

 

condutor que foi entregue / permitido / confiado à direção

gere perigo de dano.

 

-

Permitir = não está presente.

 

-

Entregar = está presente.

Ex.1: “A” pai de “B” (penalmente imputável, mas não habilitado) deixa a chave sobre a mesa da sala e vai dormir. “B” que não é habilitado, mas possui técnica/perícia de direção, pega o veículo e dirige normalmente pela via pública.

 

Crime

Infração 12

 

Não pratica crime do

Artigo 163 (se estivesse presente)

A

artigo 310, pois não há dolo.

Artigo 164 (não estando presente)

B

Não há crime do artigo 309, pois não gera perigo de dano.

Artigo 162, I.

12 Possui caráter objetivo = não analisa dolo ou culpa.

VELOCIDADE INCOMPATÍVEL

(Art. 311, CTB).

Art. 311. Trafegar em velocidade incompatível com a segurança nas proximidades de escolas, hospitais, estações de embarque e desembarque de passageiros , logradouros estreitos , ou onde haja grande movimentação ou concentração de pessoas , gerando perigo de dano :

Penas detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

  • - Velocidade incompatível NÃO é sinônimo de velocidade acima da máxima permitida.

  • - Não há necessidade de radar para a configuração do crime, basta prova testemunhal.

  • - É crime de perigo concreto = necessidade perigo de dano.

  • - Define os locais possíveis para tipificação do crime:

VELOCIDADE INCOMPATÍ VEL (Art. 311, CTB). Art. 311 . Trafegar em velocidade incompatível com a segurança

Escolas; Hospitais; Embarque/desembarque passageiros; Logradouros estreitos; Grande movimentação / concentração pessoas;

  • - Art. 34 Lei Contravenções Penais = direção perigosa derrogação pelos artigos CTB.

FRAUDE PROCESSUAL

(Art. 312, CTB).

Art. 312. Inovar artificiosamente , em caso de acidente automobilístico com vítima, na pendência do respectivo procedimento policial preparatório, inquérito policial ou processo penal, o estado de lugar, de coisa ou de pessoa, a fim de induzir a erro o agente policial, o perito, ou juiz:

Penas detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

Parágrafo único. Aplica se o disposto neste artigo, ainda que não iniciados, quando da inovação, o procedimento preparatório, o inquérito ou o processo aos quais se refere.

- É necessário:

FRAUDE PROCESSUAL (Art. 312, CTB). Art. 312 . Inovar artificiosamente , em caso de acidente automobilístico

Que haja vítima. Que haja modificação: local, coisa, pessoa.

CONVERSÃO DAS PENAS

(Art. 312-A, CTB).

Art. 312A. Para os crimes relacionados nos arts. 302 a 312 deste Código, nas situações em que o juiz aplicar a substituição de pena privativa de liberdade por pena restritiva de direitos , esta deverá ser de prestação de serviço à comunidade ou a entidades públicas, em uma das seguintes atividades :

I trabalho, aos fins de semana, em equipes de resgate dos corpos de bombeiros e em outras unidades móveis especializadas no atendimento a vítimas de trânsito ; II trabalho em unidades de prontosocorro de hospitais da rede pública que recebem vítimas de acidente de trânsito e politraumatizados ; III trabalho em clínicas ou instituições especializadas na recuperação de acidentados de trânsito; IV outras atividades relacionadas ao resgate, atendimento e recuperação de vítimas de acidentes de trânsito.

- Pena Privativa por Restritiva de Direito (prestação de serviço à comunidade).