Anda di halaman 1dari 2

Por volta de 14 de agosto de 1554, iniciamos a expedio guerreira.

Neste ms, um certo


tipo de peixe muda do mar para lugares onde corre gua doce, para
fazer a desova. Em
portugus chamam-se tainhas, em espanhol lisas e, na lngua dos
selvagens, piratis. Os
selvagens chamam de piracema essa poca da desova. Nessa poca
vo todos para a guerra,
tanto os Tupinambs quanto seus inimigos, e durante os
deslocamentos apanham e comem os
peixes. Na ida demoram bastante, mas na volta so to rpidos quanto
possvel.

Pgina 85

Quando querem empreender uma expedio guerreira no territrio do


inimigo, os chefes
renem-se e discutem como isto deve ser feito. Informam os homens
em todas as cabanas para
que se armem e, nessa ocasio, mencionam uma espcie de fruta de
uma rvore; partem
quando a fruta amadurece, pois no conhecem nem os anos nem os
dias. Para a partida tambm
orientam-se de acordo com a desova de um tipo de peixe que em sua
lngua chamam de pirati.
O perodo da desova chamam de piracema.

Pgina 138

Ento, h no s enchentes de rios, como grandes inundaes dos campos; nessas ocasies,
uma imensa multido de peixes, que saem da agua para pr ovas, deixam-se apanhar sem
muito trabalho entre as ervas, e compensam por algum tempo o dano causado pela fome que
trouxera a subverso dos rios. Assim, ste tempo esperado com avidez, como alvio da
passada carestia: a isto chamam os lndios pircema, isto , a saida dos peixes; por quanto,
duas vezes cada ano, quasi sempre em Setembro e Dezembro e algumas vezes mais
frequentemente, deixam os rios e se metem pelas ervas em pouca gua para desovar; mas no
estio, como maior a inundao dos campos, saem em mais consideraveis cardumes e so
apanhados em pequenas redes e at mesmo com as mos, sem aprsto algum (03).

Pgina 12

(03) Piracema ou pirac, mono em que saem os peixes, conforme definio de B. Caetano
(Vocabulario da Conquista, nos An. Da Bibl. Nacional, VII), De pir-peixe e c- sair ou cema-
saindo. - Observao de Oliverio Mario: Propriamente no ha o que retificar na descrio de
Anchieta; apenas no se poder dizer com inteira propriedade que os peixes saem dagua
para prem ovos, seno que sobem o curso dos rios, procura das cabeceiras, de aguas mais
rasas e remanosas, em que de fato se metem pelas ervas em pouca agua para desovar, ao
abrigo relativo das causas naturais de destruio. - V. Agenor Couto de Magalhes
(Monografia brasileira de peixes fluviais, S. Paulo, 1931, p. 66).

Pgina 37

Minat Terkait