Anda di halaman 1dari 4

Página |1

CANÇÃO DE CONSAGRAÇÃO
O CÂNTICO DE DAVI

1 Crônicas 29.1-22

Não há nada mais motivador e inspirador para uma canção do que chegar ao final de
uma caminhada com sucesso, e encerrar uma jornada com bom êxito. Tal sentimento
é perceptível, por exemplo, em torcidas de futebol, quando o time para o qual se torce
completa o campeonato de maneira vitoriosa.

Canções efusivas, alegres e que celebram a vitória são compostas e entoadas até à
exaustão. Outras vezes, quando representantes da nação retornam de uma
competição com êxito, quer nas Olimpíadas, na Fórmula 1, numa Copa do Mundo ou
em uma competição qualquer, o que se percebe é o aflorar do sentimento de amor à
pátria e a celebração do hino nacional como manifestação da alegria de todo um povo.

O hábito de compor canções após lutas marcadas por vitórias é fartamente visto nas
Escrituras. A alegria pela vitória, após uma longa jornada, com tremendas oposições e
inúmeras dificuldades, traz-nos canções ao coração. É assim que podemos ver a
canção de Davi, uma oração de louvor e alegria em meio às vitórias de sua jornada.

O contexto histórico
O reinado de Davi foi o segundo da monarquia de Israel. Seu reinado durou cerca de
40 anos (I Cr 29.27). Foram quarenta anos de vitórias e o povo já se acostumara com
as batalhas e com a alegria do retorno de seus vitoriosos soldados comandados por
um rei valoroso. Não foram poucos os inimigos combatidos. Alguns internamente, mas
a maioria desses inimigos eram os vizinhos enfurecidos. O reinado de Davi se tornou
para Israel símbolo de vitória e bom êxito.

Todavia, o rei envelheceu, e, avançado em dias, sem forças e prestes a morrer, ora a
Deus. Olhando para a sua trajetória de lutas, com diversos obstáculos, e relembrando
as vitórias alcançadas, Davi louva ao Senhor e deseja construir um templo. Antes de
passar o governo para seu filho, ele expressa sua alegria nessa oração. Podemos
aprender com Davi, a celebrar as vitórias da vida, consagrando-nos mais e mais ao
Senhor.

1 - UMA VISÃO CORRETA DE DEUS


O que as pessoas mais destacam nas celebrações das vitórias na vida? Seguramente
não é uma visão correta de Deus. Nesses momentos, destacam-se a ousadia das
pessoas, seus atributos e qualificações. Evidenciam-se as estratégias adotadas na
luta, bem como a capacidade de reverter situações contrárias.

Tudo isso Davi tinha também para celebrar em sua oração, mas não o fez. Aqui vemos
a celebração da alegria pela vitória na vida, atribuída a Deus. Somente a Deus. Não
era uma visão de um Deus sujeito às instabilidades, às tempestades e aos incidentes
da vida. Qual é o Deus revelado nessa oração?

Um Deus eterno e imutável (v. 10)


Davi celebra a vitória em Deus: o mesmo Deus eterno e imutável dos seus dias de
pastor de ovelhas em Belém. O mesmo Deus que o ajudou nas horas assustadoras
perante o gigante Golias.

www.semeandovida.org
Página |2

O mesmo Deus que conhecia o seu pecado e a sua crise familiar. Ao recordar as
mudanças em sua vida e perceber tantas voltas, tanto sobe e desce, Davi percebe
também que se ele chegava ao fim com êxito, era exclusivamente porque Deus
continuava o mesmo.

Quem era, agora, o gigante filisteu? E o rebelde Absalão? E quem era Saul que
intentou tirar-lhe a vida? Já haviam passado como um breve pensamento. Mas Deus
continuava o mesmo, de eternidade a eternidade (Is 46.3,4).

Um Deus soberano e Senhor (vv.11,12)


Davi não celebrava diante de um deus qualquer. Davi reconhecia que toda a
grandeza, e majestade, e glória, e honra, e poder, e vitória, provinham de Deus. Ele é
quem exalta, quem levanta e quebranta.

Ao olhar para trás, podia perceber como este Deus soberano e Senhor conduziu a
História. Pela nossa maneira míope de ver a História, muitas vezes dizemos: "Deus
escreve certo por linhas tortas". Mas o que Davi percebia é que Deus escreve certo
por linhas certas. Um Deus Soberano e Senhor, que governa e reina, é o Deus
celebrado nesta canção.

Um Deus providente e presente (v.16)


Um outro aspecto a ser destacado é a percepção de um Deus providente e presente.
Davi estava velho, todavia estava atento a esta questão ao compor o Salmo 37: "Fui
moço e agora sou velho, porém, jamais vi o justo desamparado, nem a sua
descendência a mendigar o pão" (SI 37.25).

Davi destacava com grandes letras que a provisão para a construção do templo viera
das próprias mãos do Senhor e eram suficientes para toda a obra.

O Senhor Jesus nos ensinou na oração do Pai Nosso, que também o alimento, o pão
que nos é tão necessário, vem das mãos do Pai: "o pão nosso de cada dia dá-nos
hoje..."

2 - UMA VISÃO CORRETA DO HOMEM


Seria possível ter uma visão correta do homem, sem antes enxergar Deus
corretamente? Em Isaías 6 encontramos o profeta tendo uma visão correta de Deus:
Deus em seu trono, a governar e dirigir todas as coisas. Seguidamente a essa visão, o
profeta olha para si.

E a visão que tem de si mesmo, do próprio homem é estarrecedora: "Ai de mim! Estou
perdido! Porque sou homem de lábios impuros e habito no meio de um povo de
impuros lábios..." (Is 6.5)

A segunda percepção de Davi em sua canção é a celebração de uma visão correta do


homem. Como Davi vê o homem?

Um miserável pecador (v. 14)


Ao contemplar a grandeza de Deus, ele agora olha para si e se questiona: "Quem sou
eu?" Ora, para muita gente, Davi era muita coisa: era o rei de Israel, era o comandante
de grandes batalhas, a lenda viva que derrubou

Golias. Todavia, a indagação do rei: "Quem sou eu?" remonta o Salmo 8.3,4: "Quando
contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que tu
estabeleceste, que é o homem, que dele te lembres?"

www.semeandovida.org
Página |3

Peregrinos e transitórios (v.15)


Uma outra consideração presente na oração de Davi sobre a realidade do homem, é a
sua transitoriedade e peregrinação. "Somos peregrinos" - dizia o rei. Estamos de
passagem.

Nada aqui nos prende e nada nos pertence. Nossa vida se esvai rapidamente. Moisés
compôs o Salmo 90, que assim afirma: "Antes que os montes nascessem e se
formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus... Acabam-se os
nossos anos como um breve pensamento..."

Mordomos dos recursos de Deus (v. 14)


Diante da pecaminosidade e transitoriedade humanas, o rei indaga com muito senso:
"Quem somos nós para ofertar tais riquezas a Deus?" Ao contemplar tão abundante
oferta, recursos para o início das obras do santuário, Davi reconhece que nada nos
pertence, tudo advém de Deus. Deus é o dono do ouro, da prata e do bronze.

Ele é o Senhor de toda a terra. As alturas dos montes lhe pertencem... O homem deve
perceber em sua visão que nada mais é do que um mordomo dos recursos divinos.
Sua mordomia deve ser fiel. Os bens, riquezas e recursos que Deus tem dispensado a
cada um de nós, não são um fim em si mesmos; mas, antes, uma oportunidade para
servir ao Senhor.

3 - UMA VISÃO CORRETA DA OBRA

A grande enfermidade dos cristãos atuais está relacionada a uma visão distorcida da
obra. As pessoas querem as bênçãos de Deus, mas não querem um envolvimento
com a sua obra. Não aceitam responsabilidades. Jesus bem lembrou: "Quem põe a
mão no arado, não pode mais olhar para trás" (Lc 9.62). Davi expressa em sua oração
um envolvimento com a obra. De que maneira?

Com um envolvimento sincero (v. 17)


Na expressão do louvor a Deus e no compromisso para com sua obra, é preciso
prezar por um sentimento sincero, verdadeiro, digno e altruísta. Sinceridade não pode
ser vista apenas no aspecto emocional. Sinceridade é percebida em gestos de doação
e entrega, como da oferta do povo para o santuário.

Com a participação de todos (vv. 17-20)


No texto é bem visível essa realidade. 0 rei deu início, os príncipes seguiram seu
exemplo; logo, toda a multidão também se envolvia com o desejo da construção do
santuário.

"Não há mais espaços para o culto às nossas celebridades" - afirma o Pr. Ricardo
Barbosa. É hora de enxergarmos que todos somos pecadores e chamados para uma
tarefa na qual os recursos, dons e talentos, são advindos do próprio Deus. Cabe-nos a
sinceridade e o amor na realização da obra.

Desafios
1. Muitas igrejas, hoje, deixaram de celebrar um Deus imutável e eterno, soberano e
senhor, providente e presente, para entoar pobres gritos de guerra e provocações ao
diabo. Nosso desafio é redescobrir, na História, os gestos tremendos que revelam o
caráter de um grande Deus, e celebrá-lo com alegria e contrição. Um Deus vivo e
verdadeiro, majestoso e único.

www.semeandovida.org
Página |4

2. Em um mundo onde o homem é avaliado pelo que tem, nosso desafío é anunciar,
cantar e entoar que o homem nada pode e nada será sem Deus em sua vida.

3. Precisamos redescobrir um ministério sincero, ético, onde, destituídas as


"celebridades da fé", criem-se espaços e oportunidades para um envolvimento
abrangente de todos.

AUTOR: REV. CARLOS DE OLIVEIRA ORLANDI JÚNIOR

www.semeandovida.org