Anda di halaman 1dari 6

Biomecânica dos membros inferiores

durante o bloqueio do voleibol na areia

Biomecánica de los miembros inferiores durante el bloqueo en el voleibol en la


arena

Biomechanics of the legs during the block of the sand volleyball


Mestre em Ciência da Motricidade Humana
pela UCB, RJ Nelson Kautzner Marques Junior
(Brasil) nk-junior@uol.com.br

Resumo
Durante um set do voleibol na areia acontece uma quantidade de 6 a 26 bloqueios. O bloqueio é
importante no jogo de dupla porque pode ocasionar um ponto ou dificultar o ataque do oponente. O
objetivo da revisão foi de analisar a biomecânica dos membros inferiores do bloqueio do voleibol na areia
para gerar futuras pesquisas. O ciclo de alongamento e encurtamento dos membros inferiores do
bloqueio praticado na areia deteriora a energia elástica do músculo e o salto vertical se torna
dependente da contração concêntrica para gerar elevada impulsão. Conforme o tipo de salto a ação
muscular excêntrica do contramovimento pode ser muito veloz ou com média velocidade, e tendo uma
veloz contração concêntrica na impulsão, visando um ótimo salto vertical. Qual deve ser a velocidade dos
membros inferiores no contramovimento do bloqueio do voleibol na areia para ocasionar um maior salto
vertical? O quadríceps consegue gerar mais força na extensão do joelho quando está no ângulo de 60
graus. A explicação para esse ocorrido é a relação entre força e comprimento do músculo. Qual é o
ângulo ótimo de flexão do joelho, flexão do quadril e da dorsiflexão do tornozelo no contramovimento do
bloqueio do voleibol na areia para proporcionar um salto vertical mais elevado? Em conclusão, a
execução da velocidade ideal do contramovimento e o melhor ângulo de flexão das articulações (joelho,
quadril e tornozelo) do contramovimento precisam de estudo para identificar o maior salto vertical nesse
fundamento.
Unitermos: Voleibol de praia. Voleibol. Biomecânica. Ciclo de alongamento e encurtamento.

Abstract
During a set of the sand volleyball occurs a quantity of 6 to 26 blocks. The block is important in
game of double because can cause a point or hinder the opponent`s attack. The objective of the review
was to analyze the biomechanics of the lower limbs in block of the sand volleyball for generate futures
researches. The stretch-shortening cycle of the lower limbs of the block practiced in the sand
deteriorates the elastic energy and the vertical jump is dependent of the concentric contraction for
generate high impulsion. The type of jump the eccentric muscle action of the countermovement can be
very fast or with medium velocity, and having a fast concentric contraction in the impulsion, the objective
is a good vertical jump. What should be the velocity of the lower limbs in countermovement of the block
in the sand volleyball for result to a higher vertical jump? The quadriceps can generate more force in the
knee extension when the angle is of 60 degrees. The explanation for this fact is a relationship between
force and muscle length. What is the optimum angle of knee flexion, hip flexion and ankle flexion in
countermovement of the block in the sand volleyball for result to a higher vertical jump? In conclusion,
the execution of the velocity ideal of the countermovement and the best angle of flexion of the joints
(knee, hip and angle) of the countermovement need of study for identify the highest vertical jump in
block.
Keywords: Beach volleyball. Volleyball. Biomechanics. Stretch-shortening cycle.

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires - Año 18 - Nº 181 - Junio de 2013.


http://www.efdeportes.com/

1/1

Introdução

O voleibol de dupla na areia é um esporte que costuma ser praticado em altas temperaturas
e as partidas possuem uma duração média de 42,2 ± 9,8 minutos1. Essa modalidade é acíclica
e caracteriza-se por ser intermitente, possui esforço e pausa2. O salto vertical do voleibol de
dupla na areia é uma ação determinante para o desempenho do voleibolista na execução de
alguns fundamentos – saque, cortada e bloqueio3, porém na areia essa ação é deteriorada
porque ocasiona uma menor altura do salto e o custo energético é maior na execução da
impulsão4.

Os fundamentos do voleibol na areia que mais tem correlação com a vitória são o ataque (r
= 0,53), o contra-ataque (r = 0,27) e o bloqueio (r = 0,31)5. Durante um set do voleibol na
areia acontece uma quantidade de 6 a 26 bloqueios6. O bloqueio é importante no jogo de dupla
porque pode ocasionar um ponto ou dificultar o ataque do oponente, consequentemente ele
pode errar o ataque ou praticar uma cortada de fácil defesa7. Para esse fundamento ser
efetuado com qualidade depende de uma boa força rápida, do metabolismo dos fosfagênios, da
percepção e da tomada de decisão do atleta para saltar no tempo certo e colocar os braços
esticados e com as mãos bem abertas pouco depois do remate8.

Apesar da importância do bloqueio para o voleibol de dupla na areia, até a data presente
não existe nenhum trabalho que analise esse fundamento com embasamento da biomecânica
com intuito de melhorar o salto vertical do voleibolista nessa técnica esportiva. Sabendo dessa
lacuna na literatura, o objetivo da revisão foi de analisar a biomecânica dos membros inferiores
do bloqueio do voleibol na areia para gerar futuras pesquisas.

Ação dos membros inferiores no bloqueio

O bloqueio do voleibol de dupla na areia, na fase inicial, o voleibolista faz um


contramovimento e as mãos ficam pouco à frente do peitoral, em seguida, o atleta efetua a
impulsão, praticando extensão do quadril, do joelho e flexão plantar9. O terceiro momento é a
fase de voo, onde o jogador realiza o bloqueio, estando com os braços esticados e acima da
cabeça.

A fase inicial e a impulsão do bloqueio do voleibol na areia o atleta utiliza o ciclo de


alongamento e encurtamento9. A literatura do ciclo de alongamento e encurtamento atual10,11 e
antiga12,13 é conclusiva ao informar que, durante o contramovimento acontece ação muscular
excêntrica e em seguida isométrica, para a energia elástica ser reutilizada em forma de energia
mecânica o executante precisa praticar uma rápida passagem da ação muscular excêntrica para
isométrica e posteriormente para concêntrica na fase de impulsão do bloqueio,
consequentemente gera em um salto vertical de melhor desempenho.

Entretanto, a escassa literatura sobre o ciclo de alongamento e encurtamento na areia


informou que, a ação dos membros inferiores nesse tipo de piso deteriora a energia elástica do
músculo e o salto vertical se torna dependente da contração concêntrica para gerar elevada
impulsão14,15. Segundo Aura e Viitasalo16, conforme o tipo de salto (exemplo: salto em altura,
salto em profundidade, etc.), a ação muscular excêntrica pode ser muito veloz ou com média
velocidade no contramovimento, e tendo uma veloz contração concêntrica na impulsão, visando
um ótimo salto vertical. Sabendo dessas informações, qual deve ser a velocidade dos membros
inferiores no contramovimento do bloqueio do voleibol na areia para ocasionar um maior salto
vertical? Essa questão só pode ser respondida por pesquisa, com o intuito de proporcionar uma
melhor qualidade do salto vertical do bloqueio do jogador de dupla na areia.

Quando o atleta do voleibol na areia realiza o contramovimento para iniciar a fase


preparatória do bloqueio ele efetua flexão do quadril, flexão do joelho e dorsiflexão. Mesmo
com todo esforço antes e durante a fase de impulsão, o salto vertical na areia é muito inferior
ao realizado na quadra17. Porém, o quadríceps consegue gerar mais força na extensão do
joelho quando está no ângulo de 60 graus18. No estudo de Murray et alii19, os sujeitos de 20 a
35 anos realizaram mais força isocinética no Cybex II na extensão do joelho iniciando a tarefa
no ângulo de 60 graus (2,095 ± 85 kg-cm), depois no ângulo de 45 graus (2,026 ± 85 kg-cm)
e em último ficou o ângulo de 30 graus (1,574 ± 71 kg-cm). A explicação para esse ocorrido é
a relação entre força e comprimento do mússculo20.

O joelho atinge uma máxima flexão quando está no ângulo de 140 graus, sendo necessário
que o quadril esteja fletido21, esses são os mesmos movimentos articulares do
contramovimento. Essa máxima flexão do joelho alonga ao máximo o quadríceps, afastando os
filamentos de actina e miosina, gerando numa menor força na impulsão porque acontece uma
sobreposição limitada e poucas pontes cruzadas podem se acoplar22. Em contra partida,
quando a flexão do joelho causa um comprimento “ideal” do quadríceps – 60 graus, ocasiona
uma força maior por causa da maior sobreposição da actina e miosina23. Entretanto, quando o
joelho faz mínima flexão, a força gerada é mínima porque a actina e a miosina estão quase
totalmente sobrepostas e o encurtamento da musculatura é pequeno durante a contração24,25.

Qual é o ângulo ótimo de flexão do joelho, flexão do quadril e da dorsiflexão do tornozelo no


contramovimento do bloqueio do voleibol na areia para proporcionar um salto vertical mais
elevado? Será que o ângulo das articulações está relacionado com o somatótipo, com o
comprimento dos membros inferiores e com a circunferência da musculatura das pernas? Já foi
evidenciado que o maior percentual de gordura interfere na qualidade do salto vertical26.

Portanto, essas duas questões sobre o contramovimento do bloqueio do voleibol na areia


merecem estudo - a velocidade de execução e o ângulo ideal de flexão dos membros inferiores,
com intuito de melhorar o salto vertical nesse fundamento.
Conclusão

O salto vertical é uma ação determinante no jogo de voleibol de dupla na areia, mas o
ambiente que é jogado esse esporte prejudica a impulsão. Porém, a biomecânica dos membros
inferiores do bloqueio do voleibol na areia ainda não foi investigada. Em conclusão, a execução
da velocidade ideal do contramovimento e o melhor ângulo de flexão das articulações (joelho,
quadril e tornozelo) do contramovimentodo precisam de estudo para identificar o maior salto
vertical nesse fundamento.

Referências

1. Zetou E, Giatsis G, Mountaki F, Komninakidou A (2008). Body weight changes


and voluntary fluid intakes of beach volleyball players during an official
tournament. J Sci Med Sports 11:139-45.
2. Turpin J, Tormio J, Mira J, Anta R, Llorca C (2009). Análisis del rendimiento a
través de la utilización de patrones de actividad temporal en jugadores de elite
de vóley playa. Retos (16):67-9.
3. Riggs M, Sheppard J (2009). The relative importance of strength and power
qualities to vertical jump height of elite beach volleyball players during the
countermovement and squat jump. J Hum Sport Exerc 4(3):221-36.
4. Maramatsu S, Fukudome A, Miyama M, Arimoto M, Kijima A (2006). Energy
expenditure in maximal jumps on sand. J Physiol Anthropol 25(1):59-61.
5. Grgantov Z, Katic R, Marelic N (2005). Effect of new rules on the correlation
between situation parameters and performance in beach volleyball. Coll
Antropol 29(2):717-22.
6. Resende R, Soares J (2003). Caracterização da atividade física em voleibol de
praia. In: Mesquita I, Moutinho C, Faria R, editores. Investigação em voleibol.
Estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto. p. 253-260.
7. Marques Junior N (2008). Um modelo de jogo para o voleibol na areia.
Conexões 6(3):11-24.
8. American Volleyball Coaches Association (1997). Coaching volleyball. Chicago,
Masters Press, 1997.
9. Gollhofer A, Bruhn S (2003). The biomechanics of jumping. In: Reeser J, Bahr
R, editors. Volleyball. Oxford: Blackwell Science. p. 18-28.
10. Marcelino P, Meireles C, Melo S, Soares Y (2012). Salto vertical em jovens
basquetebolistas: estimativa da utilização da energia elástica/potenciação
reflexa e participação dos membros superiores. Rev Mackenzie Educ Fís Esp
11(2):129-39.
11. Sands W, Kimmel W, McNeal J, Murray S, Stone M (2012). A comparison of
pairs figure skaters in repeated jump. J Sports Sci Med 11(1):102-8.
12. Bobbert M, Gerritsen K, Litjens M, Soest A (1996). Why is countermovement
jump height greater than squat jump height? Med Sci Sports Exerc
28(11):1402-12.
13. Komi P (1984). Physiolgical and biomechanical correlates of muscle function:
effects of muscle structure and stretch-shortening cycle on force and speed.
Exerc Sports Sci Rev 12(-):81-121.
14. Impellizzeri F, Rampini E, Castagna C, Martino F, Fiorini S, Wisloff U (2009).
Effect of plyometric training on sand versus grass on muscle soreness and
jumping and sprint ability in soccer players. Br J Sports Med 42(1):42-6.
15. Arruda M, Hespanhol J (2008). Fisiologia do voleibol. São Paulo: Phorte.
16. Aura O, Viitasalo J (1989). Biomechanical characteristics of jumping. Int J
Sports Biomec 5: 89-98.
17. Hespanhol J, Arruda M, Maria T, Silva Neto L (2006). Desempenho do salto
vertical, anaeróbio e velocidade em voleibolista de areia em dois ambientes.
Rev Bras Educ Fís Esp 20 (suple): 473.
18. Silva C, Geres B, Kuriki H, Negrão Filho R, Alves N, Azevedo A (2012). Análise
da reprodutibilidade de parâmetros no domínio da frequência do sinal inicial do
EMG utilizados na caracterização da fadiga muscular localizada. Motriz
18(3):456-64.
19. Murray M, Gardner G, Mollinger L, Sepic B (1980). Strength of isometric and
isokinetic contractions: knee muscles of men aged 20 to 86. Phys Ther
60(4):412-9.
20. Huxley A (1974). Muscular contraction. J Physiol 243:1-43.
21. Kapandji I (1990). Fisiologia articular. vol. 2. São Paulo: Manole.
22. Minozzo F, Vancini R, Fachina R, Lira C (2012). Comportamento da força em
resposta ao alongamento e encurtamento muscular. Rev Bras Ci Mov
19(2):101-6.
23. Finni T (2001). Muscle mechanics during human movement revealed by in vivo
measurements of tendon force and muscle length. [Dissertação de Mestrado –
Faculty of Sport and Health Sciences]. Jyväskylä: University of Jyväskylä.
24. Tricoli V, Barbanti V (2003). Avaliação da força motora. In: Kiss M, editor.
Esporte e exercício. São Paulo: Roca. p. 199-222.
25. Powers S, Howley E (2000). Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao
condicionamento e ao desempenho. Barueri: Manole.
26. Piucco T, Santos S (2009). Relação entre percentual de gordura corporal,
desempenho no salto vertical e impacto dos membros inferiores em atletas de
voleibol. Fit Perf J 8(1):9-15.

The author has requested enhancement of the downloaded file. All in-text references underlined in blue are linked to publications on ResearchGate.