Anda di halaman 1dari 7

Violência Doméstica contra Crianças e

Adolescentes: modalidade psicológica


A criança e o sentimento de aceitação
Professora Maria Leolina Couto Cunha

Centro de Combate à Violência Infantil (Cecovi)

Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) – PUCweb

Copyright - PUCPR - Versão 1.0 - julho 2009


Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: modalidade psicológica 2

INTRODUÇÃO
1. Fatores que geram
O sentimento de aceitação é básico para o
desenvolvimento da personalidade do ser sentimentos de não-aceitação
humano. A criança, quando nasce, tem seus
referenciais na família. Seus pais são como
espelhos de onde, desde bebê, obterá as
primeiras percepções de si mesmo e do tipo
de pessoa que pensa que é. Ele incorpora o
ambiente emocional do seu lar, percebendo Críticas constantes
desde cedo se existe a sua volta um clima
de paz, amor e companheirismo ou de ódio, A crítica, quando feita de forma construtiva,
violência, confusão e tensão. tem seu espaço e faz parte do processo de
amadurecimento de todos nós. Entretanto,
De certa forma, seus cuidadores mais quando se trata de crianças, a advertência
próximos acabam sendo uma espécie de deve ser feita com amor, cuidado e
ponte, que liga a criança ao resto do mundo. moderação. Os pais, na ânsia de corrigir
Logo, se o ambiente doméstico é repleto de seus filhos, acabam por sobrecarregá-los
amor e carinho, a criança se sentirá feliz, com cobranças intermináveis.
valorizada e forte. A ambiência do convívio
familiar nos primeiros anos de sua vida É sabido que o ser humano fixa sua atenção
contribui grandemente para que tenha uma mais profundamente nas experiências
boa imagem de si mesma, tornando-a apta desagradáveis do que nas bem sucedidas.
para enfrentar o mundo lá fora. Uma criança que só recebe críticas de seus
pais e que não é valorizada pelas coisas
positivas que realiza experimentará um
OBJETIVO profundo sentimento de rejeição e
frustração, podendo desenvolver uma
Abordar os fatores que influenciam para que personalidade medrosa e insegura, incapaz
uma criança se sinta amada e aceita por sua de encarar desafios e confiar em seu próprio
família. potencial para vencer os embates no
decorrer de sua história.
A educação pelo medo deforma a alma.

Coelho Neto

Profa. Maria Leolina Couto Cunha


Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil - PUCPR/PUCweb
A criança e o sentimento de aceitação 3

Exigir da criança Fazer comparações acerca do


desempenho acima de suas desempenho das crianças
forças Existe um ditado popular que diz que se até
Alguns pais desejam ter como filho uma os dedos da mão são diferentes, imagine as
“criança modelo”. Geralmente exigem que pessoas. De fato, não existem duas pessoas
tirem nota máxima em todas as disciplinas iguais. Hoje, sabemos que o ser humano
na escola e orientam para que escolham não se desenvolve de forma uniforme. Uns
seus amigos e até mesmo seu futuro tem mais aptidão para música, outros para
profissional. Sem perceber, os pais sonham trabalhar com números, e outros com
para os filhos coisas que eles próprios não esporte. O leque é bem amplo. Logo, é
conseguiram realizar em suas vidas, vendo extremamente injusto comparar o
neles uma projeção do seu próprio eu, como desempenho de uma criança com outra,
se tivessem uma segunda chance de pois pode ser que uma se destaque nas
planejar a própria existência. Entretanto, tais artes plásticas, já a outra se destaque na
imposições são extremamente castradoras e culinária. Infelizmente, a maioria dos pais
fazem com que a criança se sinta não-aceita compara o desempenho dos filhos em
pelo que ela é. Obrigada a abandonar seus relação às outras crianças. A mãe vê o filho
próprios sonhos e anseios, passa a vivenciar da tia “Zefinha” e já faz suas avaliações. Sua
os sonhos e as expectativas dos pais. “cria” não pode ficar por baixo, ela precisa
se igualar ou se sobressair às crianças de
Uma tragédia familiar retrata bem o que foi seu convívio.
exposto acima. Chamaremos a mãe de
“Maria” e seu filho de “Carlinhos”. Maria era Comparar continuamente a inteligência,
mãe solteira, trabalhava como costureira o beleza e desenvoltura de uma criança com
dia todo a fim de proporcionar ao filho único, as outras causa ansiedade e prejudica o
Carlinhos, uma educação de qualidade. Ela desenvolvimento sadio de sua
era extremamente exigente com a criança. personalidade. Na luta por atingir a
Sempre que ele chegava em casa com uma superioridade, a criança acaba mergulhada
nota 9, ela dizia: “Carlinhos, na próxima vez em sentimentos de inferioridade. Ao
quero ver um 10”. Quando ele tirava uma perceber a limitação de seu desempenho
nota 10, ela dizia: “Você não fez mais que em alguma área, uma criança muito cobrada
sua obrigação, Carlinhos, pois só vive para pelos pais possui a tendência de se
estudar”. desvalorizar.

O tempo passou, Carlinhos cresceu e


prestou vestibular para Medicina, pois era
sonho de sua mãe que ele fosse médico. No
dia do resultado do vestibular, Carlinhos foi
até a banca de revista comprar o jornal para
ver o resultado do exame e verificou com
grande pesar que não tinha conseguido
passar na tão sonhada faculdade de
Medicina. Angustiado, chegou em casa e
escreveu um bilhete de despedida para sua
mãe, se matando logo em seguida. No
bilhete estava escrito: “Mãe, sinto muitíssimo
por tê-la decepcionado. Seu filho,
Carlinhos”.
Pro-reitoria Comunitária e de Extensão
Diretoria de EAD / PUCweb
Profa. Maria Leolina Couto Cunha
Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil - PUCPR/PUCweb
Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: modalidade psicológica 4

Não espere 30 anos para abrir seu coração


2. Fatores que geram para seu filho(a). Fale! Expresse todo seu
amor hoje mesmo. Amanhã pode ser tarde
sentimentos de aceitação demais.

Declare seu amor Elogie sempre


Muitos pais externam seu amor pelos filhos Palavras são sementes que podem destruir
mais por meio de ações do que com ou edificar a autoestima de qualquer ser
palavras. A casa arrumada, a roupa lavada, humano. Se quisermos crianças felizes e
o pagamento da mensalidade do colégio em cheias de autoconfiança, que se sintam
dia e a compra do vestido novo são indícios aceitas e amadas em seu ambiente familiar,
do cuidado e da dedicação que os pais têm é fundamental semear palavras positivas em
pelos seus filhos. Entretanto, apesar do alto suas mentes e corações. A bíblia prega que
preço que os pais pagam para sustentar tudo que o homem plantar certamente
seus filhos com dignidade, só isso não colherá. Resta aos pais fazer um autoexame
basta. A criança precisa escutar que seus e verificar o que estão semeando: palavras
pais a amam. É muito importante ouvir o de vida ou palavras de morte em seus filhos.
doce “eu te amo” ou expressões do tipo:
“Filha, você está muito bonita neste vestido”; Ryzewski e Beretta (1994) descrevem
ou “Você é muito importante para mim”. alguns cuidados que devemos tomar acerca
dos elogios direcionados às crianças. São
Isso me faz lembrar minha própria história eles:
de vida. Meu pai sempre foi um homem de
quem me orgulhei muito. Responsável, 1. Certifique-se de que o seu elogio está de
nunca deixou que faltasse nada dentro de acordo com a idade da criança e seu nível
casa. O que eu quisesse e estivesse dentro de habilidade. Quando uma criança muito
de suas condições financeiras ele se pequena ouve alguém lhe dizer bem feliz:
esforçava para me dar. Entretanto, devido “Eu reparei que você escova os dentes todos
ao corre-corre de sua rotina sempre agitada os dias”, ela sente orgulho do que está
e cheia de compromissos, nunca tive muito fazendo. Agora se você dissesse a mesma
tempo com ele durante minha infância e coisa para um adolescente, ele talvez ficasse
adolescência. Um dia, já casada e com 30 ofendido.
anos de idade, eu e ele tivemos tempo de
parar e conversar um pouco. Num diálogo
despretensioso, ele disse algo que encheu 2. Evite o tipo de elogio que lembre as suas
meu coração de felicidade e que me fez fraquezas ou falhas passadas: “Bem, você
pensar como eu gostaria de ter escutado finalmente tocou aquela música como ela
essa declaração há mais tempo. Ela teria devia ser tocada!”; “Você está tão bonita
feito muita diferença em nossas vidas. Ele hoje. O que você fez?”; “Eu nunca pensei
me olhou com muito carinho e me que você fosse passar nesse curso, mas
perguntou: “Você sabe qual foi o dia mais você passou.” Sempre se pode reformular a
feliz da minha vida?” Eu respondi: “Não, qual frase para poder enfocar o ponto forte atual
foi?” Ele falou, sorrindo meigamente: “O dia da criança. “Eu realmente gosto da maneira
mais feliz da minha vida foi o dia em que como você manteve o compasso bem forte e
você nasceu!”. em ritmo naquela música”; “Dá gosto de
olhar para você”; “Eu sei que você estudou
bastante para poder passar naquele curso”.

Profa. Maria Leolina Couto Cunha


Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil - PUCPR/PUCweb
A criança e o sentimento de aceitação 5

3. Esteja consciente de que se você


demonstra entusiasmo em excesso, você
pode interferir com o desejo de a criança
realizar algo sozinha. Às vezes, o
entusiasmo contínuo dos pais ou o intenso Fale a verdade. Não use
prazer na atividade da criança pode fazer máscaras
com que ela se sinta sob pressão. Um jovem Um relacionamento verdadeiro precisa ser
que ouve diariamente: “Você é um pianista construído com sinceridade. Entretanto,
muito talentoso! Você devia estar tocando no admitir falhas e defeitos diante dos filhos é
Carnegie Hall”, talvez pense, no seu íntimo: visto, por muitos pais, como um sinal de
“Eles desejam isso mais do que eu mesmo”. enfraquecimento da autoridade. Esse
entendimento é equivocado, pois a mentira
4. Esteja consciente de que se você provoca mais estragos que benefícios na
demonstra entusiasmo em excesso, você relação entre pais e filhos. O melhor método
pode interferir com o desejo de a criança de aprendizagem é dando exemplo, ou seja,
realizar algo sozinha. Às vezes, o quando o adulto confessa seus erros. Sua
entusiasmo contínuo dos pais ou o intenso atitude humilde e corajosa ensina a criança
prazer na atividade da criança pode fazer a copiar a mesma postura diante da vida.
com que ela se sinta sob pressão. Um jovem
que ouve diariamente: “Você é um pianista Um exemplo bem interessante acerca do
muito talentoso! Você devia estar tocando no assunto é uma história contada por Drescher
Carnegie Hall”, talvez pense, no seu íntimo: (1997):
“Eles desejam isso mais do que eu mesmo”.
Um pai contou que o filho chegou em casa
com nota baixa em Álgebra. “Quando
terminei minha conversa com ele, meu filho
deve ter pensado que sempre tirei 10 em
Álgebra na escola”, disse ele, “Mas, na
verdade, quais são os fatos? Depois de ter
Receba bem os amigos de completado um semestre de Álgebra, o
seu filho professor me chamou e disse: ‘Você é tão
As amizades são importantíssimas para uma fraco na matéria que vou passá-lo de ano só
para me ver livre de você’. Ao fingir ser tão
criança. O ambiente doméstico deve ser um
superior, dei a meu filho um sentimento de
lugar de conforto e segurança, onde ela se desesperança. Se tivesse sido honesto e lhe
sinta com liberdade para trazer seus amigos. dito que sabia pelo que estava passando
Às vezes, a criança sente receio de porque eu também tivera dificuldade em
aprofundar seus relacionamentos, pois já Álgebra, teria dado esperança a meu filho”.
sabe que não terá a permissão dos pais
para convidar seus colegas a virem até sua
casa. Pior que isso é quando os amigos o O adulto tem tende querer mostrar perfeição
visitam e acabam ouvindo críticas, no modo de agir. A ideia comunicada à
repreensões ou “cara feia”. Manter uma criança é: “Eu sou perfeito. Sei tudo. Você
atitude amistosa em relação aos amigos de não sabe de nada. Não passa de uma
nossos filhos gera, neles, o sentimento de criança”. Essa atitude, além de hipócrita,
que são aceitos e amados por nós. contribui para reforçar o sentimento de
inferioridade na criança que, desorientada,
acaba alimentando a ideia de que não é
aceita nem adequada no mundo dos
adultos.

Pro-reitoria Comunitária e de Extensão


Diretoria de EAD / PUCweb
Profa. Maria Leolina Couto Cunha
Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil - PUCPR/PUCweb
Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: modalidade psicológica 6

Escute seu filho


Devido à agitação do dia-a-dia, sobra pouco tempo para os pais escutarem com atenção o que
seus filhos têm a lhes dizer. Tal comportamento é extremamente prejudicial, já que uma das
formas mais eficazes de se externar amor e aceitação pelo outro é abrindo um canal para o
diálogo. Quando a criança sente o interesse e a atenção de seus pais, ela se sentirá motivada a
abrir seu coração sem pudores. Entretanto, quando não existe comunicação saudável com os
pais, os filhos desenvolvem uma tendência a se fechar, receando se expor, já que pensam que
não são amados nem aceitos.

Uma criança, dependendo do grau de rejeição a que foi submetida, pode aprender desde muito
cedo que não deve confiar nos adultos. Tal convencimento pode ocorrer quando:

a) compartilhar sua intimidade ou segredos com um adulto e for humilhada e ridicularizada;

b) perceber a indiferença e falta de atenção do adulto quando busca falar sobre seus problemas
existenciais;

c) observar que, ao compartilhar seus segredos e intimidades, o adulto a escandaliza e é julgada


com severidade.

Quando nos sentimos rejeitados é normal nos retrairmos; e se isso acontece sistematicamente
com uma criança, uma ferida muito grande é aberta, fazendo com que ela cresça com uma
constante sensação de que não é aceita. Ela passa a acreditar que não poderá contar com o
apoio e amor das pessoas que a cercam, já que não se sente aceita nem amada por sua própria
família.

Em vez de preparar os filhos para alcançar sempre o sucesso, seria mais interessante prepará-
los, também, para absorver e superar os fracassos.

Profa. Maria Leolina Couto Cunha


Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil - PUCPR/PUCweb
A criança e o sentimento de aceitação 7

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. A. Crianças Vitimizadas: a síndrome do pequeno poder: São
Paulo: Iglu, 1989.

BUENO, F. S. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Fename, 1973.

CUNHA, Maria Leolina Couto. Curso de Capacitação: violência doméstica contra crianças e
adolescentes. Curitiba: Cecovi/Unicef, 2003.

DOBSON, J. C. Ouse Disciplinar. Florida: Vida, 1995.

EWING, C. P. In: CLARKSON, W. Whatever Mother Says. Nova Iorque: St. Martin’s Press, 1995.

GELLES, R. J. Child Abuse as Psychopathology: a sociological critique and reformulation.


American Journal of Orthopsychiatry, 1973.

GRUNSPUN, H. A Autoridade dos Pais e a Educação da Liberdade. Sedes sapientiae: São


Paulo, 1968.

KEMPE, R. S.; KEMPE, C. H. Child Abuse. Londres: Fontana Open Books, 1978.

WATSON, J. B. Psychological Care of Infant and Child. Norton & Company, 1928.

WOODWARD, Luther, com Morton Edwards, editor, Your Child from Two to Five. Nova Iorque:
Permabooks, 1955.

ZAGURY, T. Limites Sem Traumas. Rio de Janeiro: Record, 2003.

Pro-reitoria Comunitária e de Extensão


Diretoria de EAD / PUCweb
Profa. Maria Leolina Couto Cunha
Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil - PUCPR/PUCweb