Anda di halaman 1dari 4

Ficha de revisão 2 FR2

Nome da Escola Ano letivo 20 - 20 Matemática A | 11.º ano

Nome do Aluno Turma N.º Data

Professor - - 20

1. Considere, num plano munido de um referencial ortonormado, os pontos


A  3 , 2  , B  4 ,  2  e C  2 , 5  .

1.1. Escreva uma condição cartesiana que defina:

a) a reta perpendicular ao eixo Ox que passa pelo ponto B;

b) o conjunto de pontos do plano que estão à mesma distância de A e de C;

c) o conjunto de pontos do plano que distam do ponto C quatro ou menos unidades.

1.2. Determine uma equação da circunferência de diâmetro [AB].

2. Num plano munido de um referencial ortonormado, considere os pontos A 1 , 2  , B  3 ,  1 e

5 
C , 0.
2 

2.1. Determine o valor exato do perímetro do triângulo [ABC].

2.2. Admita que [ABCD] é um paralelogramo.

Determine as coordenadas do ponto D, sabendo que pertence ao primeiro quadrante.

2.3. Determine a equação reduzida da mediatriz do segmento de reta [AB].

3. Na figura está representada, num referencial ortonormado Oxy, a circunferência de centro C.

Sabe-se que:

■ a circunferência passa pela origem do referencial;

■ [AB] é um diâmetro da circunferência;

■ A  2 , 2  e B  5 , 5 .

3.1. Escreva a equação reduzida da circunferência.

3.2. Determine a área do triângulo [OAB], começando por justificar que este triângulo é
retângulo em O.

3.3. Defina, por meio de uma condição, a região sombreada da figura.

Página 1
Ficha de revisão 2

4. Num referencial ortonormado Oxy, considere os pontos A  3 , 2  e B  1 , 4  e os


vetores u  2 , 4  e v  4 ,  3 .

4.1. Determine as coordenadas do ponto P tal que BA  u  P  2v .


4.2. Determine as coordenadas do vetor w , colinear com u e de sentido contrário ao de u ,
com norma 4 5 .

4.3. Determine 2u  v .

5. Na figura está representado, num referencial ortonormado Oxyz, o paralelogramo [PQRS].


Sabe-se que:

■ RS  4 ,  3

■ P  2 , 4

5.1. Determine as coordenadas do ponto Q.


5.2. Determine a equação reduzida da reta PQ.

6. Na figura está representado o cubo [ABCDEFGH].


Sabe-se que, fixado um referencial ortonormado Oxyz:

■ AF  4 , 0 , 4 

■ G  2 ,  2 , 4 

6.1. Determine uma equação da superfície esférica de centro no ponto G e que passa por D.
6.2. Escreva uma equação da reta t que passa por G e é paralela ao eixo Ox.

7. Fixado um referencial ortonormado no espaço, considere os seguintes pontos:

A  2 ,1, 4  , B  0 ,  3 ,  1 e C 1, 5 ,  2 

7.1. Determine um sistema de equações paramétricas da reta AB.

7.2. Determine uma equação vetorial da reta t paralela à reta BC e que passa pelo ponto A.

Página 2
Proposta de resoluções

Ficha de revisão 2 9 25 5
 4  
4 4 2
1.1. a) x  4
2 2
5   11 
b) Seja P  x , y  um ponto qualquer do plano: BC    3    0  1     12 
2

 2  2

 x  3   y  2   x  2   y  5
2 2 2 2
121 125 5 5
 1  
4 4 2
Elevando ambos os membros ao quadrado:
Perímetro do triângulo [ABC] =
 x  3   y  2   x  2   y  5 
2 2 2
5 5 5 15  5 5
5  
2 2 2
 x2  6x  9  y 2  4 y  4 
2.2. C  CD  D , mas CD  BA , pelo que D  C  BA .

 x 2  4 x  4  y 2  10 y  25  BA  A  B  1 , 2    3,  1   4 , 3
5  5   13 
 6 x  4 y  13  4 x  10 y  29  D   , 0    4 , 3  D    4 , 0  3  D  , 3
2  2  2 
 4 y  10 y  4 x  6 x  29  13 

1 8 2.3. Seja P  x , y  um ponto do plano.


 6 y  2 x  16  y   x 
3 3
 x  1   y  2   x  3   y  1 
2 2 2 2

c) d  P , C   4 , ou seja,  x  2   y  5  4 .
2 2

Elevando ambos os membros ao quadrado:  x2  2 x  1  y 2  4 y  4  x2  6 x  9  y 2  2 y  1 


 2 x  4 y  5  6 x  2 y  10 
 x  2    y  5  16
2 2

 4 y  2 y  6 x  2 x  10  5 

1.2. Seja M o ponto médio de [AB] e o centro da


4 5
circunferência.  6 y  8 x  5  y   x 
3 6
A equação reduzida da mediatriz do segmento de reta
 3  4 2  2  1  [AB] é:
M ,  , ou seja, M  ,0  .
 2 2  2  4 5
y x
3 6
O raio r da circunferência é igual a d  M , A , pelo
3.1. C é o ponto médio do segmento [AB], pelo que:
que:
 2  5 2  5  3 7
C ,  , ou seja, C  , 
1 
2
7 65 65
2
 2 2   2 2
r    3    0  2      22  
2

 2   
2 4 2
d  A , B
O raio r da circunferência é igual a .
2 2
 1 65
Portanto,  x    y 2  é uma equação da
 2  4
 2  5   2  5  7    3
2 2 2 2

circunferência de diâmetro [AB]. r r 


2 2
2.1. Perímetro do triângulo [ABC] = AB  AC  BC
49  9 58
r r
2 2
AB   3  1   1  2    4   3 
2 2 2 2

Portanto:
 16  9  25  5
2
7   58 
2 2
 3 
 x    y     
2   2 
2 2
5  3  2 
AC    1   0  2       2  
2 2

2   2

Página 3
Proposta de resoluções

 3 
2
7  29
2 3
x  y   é a equação reduzida da Seja m o declive da reta PQ, m  , logo
4
 2   2 2
circunferência. 3
y xb .
4
3.2. O triângulo [OAB] está inscrito numa
Como o ponto P  2 , 4  pertence à reta PQ:
semicircunferência e um dos seus lados é um diâmetro
da circunferência, pelo que o ângulo BOA é reto, e 3 3 3 5
4  2  b  4   b  b  4   b  Então,
4 2 2 2
portanto, o triângulo [OAB] é retângulo em O, como
queríamos justificar. 3 5
y x  é a equação reduzida da reta PQ.
4 2
Por outro lado:
6.1. A superfície esférica de centro no ponto G e que passa
OA  OB
Área  OAB 
2 por D tem raio igual a GD . No entanto, GD  FA .
Assim:
OA   2  22  4  4  8  2 2
2

FA  AF   4  02  42  16  16  32  4 2
2

OB  5  5  25  25  50  5 2
2 2

Portanto,  x  2   y  2   z  4  32 é uma
2 2 2

2 2 5 2
Área  OAB   10 equação da superfície esférica de centro no ponto G e
2
que passa por D.
2 2
 3  7  29
3.3. y  x  y  x   x     y    6.2. A reta t é paralela ao eixo Ox pelo que tem a direção,
 2  2 2
por exemplo, do vetor t 1 , 0 , 0  e, como passa pelo
4.1. BA  A  B   3 , 2    1 , 4    2 ,  2 
ponto G  2 ,  2 , 4  , então:
BA  u  P  2v   2 ,  2    2 , 4   P  2  4 ,  3 
 x , y , z    2 ,  2 , 4    1 , 0, 0  ,  
  0 ,  6   P  8 ,  6   P   0 ,  6   8 ,  6  
 P   8 , 0 
é uma equação da reta t.
7.1. AB é um vetor diretor da reta AB.
4.2. Os vetores u e w são colineares se e somente se
Assim,
w  ku , k  .
AB  B  A   0 ,  3 ,  1   2, 1, 4    2 ,  4 ,  5 .
Portanto, w  k  2 , 4   w  2k , 4k  .
Como a reta AB passa pelo ponto A  2 , 1 , 4  :
Por outro lado, pretende-se que w  4 5 .
 x  2  2k

 2k    4k   4 5  4k  16k  4 5   y  1  4k , k 
2 2 2 2 é um sistema de equações
 z  4  5k

 20k 2  4 5  k 20  4 5  k 2 5  4 5 
paramétricas das retas AB.
4 5
 k   k  2  k  2  k  2 7.2. Retas paralelas têm a mesma direção, pelo que BC
2 5
pode ser um vetor diretor da reta t.
Como se pretende, também, que w tenha sentido
Assim,
contrário ao de u , então k  2 , logo:
BC  C  B  1 , 5 ,  2    0 ,  3 ,  1  1 , 8,  1 .
w  2  2 , 4   w   4 ,  8 
Como a reta t passa pelo ponto A, temos que:
4.3. 2u  v  2  2 , 4    4 ,  3   4 , 8    4,  3   0 , 5 
 x , y , z    2, 1 , 4    1, 8,  1 ,   é uma
Assim: 2u  v  02  52  25  5
equação vetorial da reta t.
5.1. P  PQ  Q , mas PQ  SR e, como RS  4 ,  3 ,

então SR  4 , 3 . Consequentemente, PQ  4 , 3 .

Q  P  PQ  Q   2 , 4    4, 3  Q   6 , 7 

5.2. PQ  4 , 3 é um vetor diretor da reta PQ.

Página 4