Anda di halaman 1dari 2

Análise da inflação energética nos últimos

14 anos
May 16, | Paulo
2017 Castagnari

O conhecimento de que o valor da energia elétrica tende a crescer ao longo do tempo,


acompanhando os índices IPCA e IGP-M faz parte do senso comum do cidadão brasileiro.
Entretanto você realmente sabe como a inflação da energia atingiu a sua região e sua classe
de consumo? Este artigo visa esclarecer aos consumidores como o preço da fatura de energia
variou nos últimos 14 anos.

O Gráfico 1 apresenta a variação da tarifa anual média de energia em reais por quilowatt-hora
(R$/kWh) em cada região política do país, juntamente com a média brasileira. A região norte
possui a menor variação anual, totalizando um reajuste médio de 6,46% ao ano (incluindo
tributos). Já a região sul contou com a maior taxa de reajuste - 8,22% ao ano -, seguida da
região sudeste - média de 7,40% a.a.

Desse modo, utilizando-se a média brasileira como referência (7,34% a.a.), uma conta de
energia com valor de R$ 200,00 em 2003, é equivalente a uma conta de R$ 503,00 em 2016.

Gráfico 1 - Tarifa média anual de energia por região política

Em relação às classes de consumo, o setor que mais inflacionou é o industrial, com um


reajuste médio anual de 9,54% ao ano. O setor comercial fica em segundo lugar - 6,18% a.a. -
seguido classe de consumo residencial - 5,74% a.a. Isso significa que para uma indústria que
em 2003 consumia uma média de R$ 2000,00 de energia no mês, em 2016 a fatura seria
equivalente a R$ 6465,00. Para comerciantes, essa mesma fatura seria de R$ 4360,00. A
variação anual do tarifa média de energia por classe de consumo está representada no
Gráfico 2.

Gráfico 2 - Tarifa média anual de energia por classe de consumo.

É notável, portanto, que o gasto médio mensal com energia elétrica aumentou mais de 100%
nos últimos 14 anos (mais de 200% para indústrias). Unindo-se isso ao fato de que a matriz
energética do país encontra-se em seu limite, projetando a previsão de que o valor da energia
poderá se elevar ainda mais rapidamente nas próximas décadas, configura a realidade de que
investir em geração própria de energia é uma decisão inteligente.

Fonte: Sistema de Apoio à Decisão SAD - Aneel.

Disponível em: goo.gl/161r1u | Acesso em: 16/05/2017