Anda di halaman 1dari 6

Ótica - OTI

Lúcio Minoru Tozawa


dfi2lmt@joinville.udesc.br

UDESC – CCT - DFI

Aula 14

Difração em Fendas Simples,


Abertura Circular e Poder de
Resolução.
Difração

• Quando a luz monocromática passa


por uma fenda estreita e é
interceptada por um anteparo, exibe
um padrão de difração.
– Máximo central, largo e intenso.
– Vários máximos menos intensos e
mais estreitos (secundários ou
laterais) em ambos os lados do
máximo central.
– Entre máximos, observam-se os
mínimos.

Difração numa Fenda Única: Localização dos


Mínimos
a) Ondas provenientes dos
pontos do topo de duas zonas
de largura a/2 sofrem
interferência completamente
destrutiva no ponto P1 do
anteparo C.
b) Com D>>a, os raios r1 e r2
podem ser considerados
paralelos, fazendo ângulo de θ
com o eixo central.
Diferença de percurso para
interferência destrutiva:
a λ
senθ = ⇒ asenθ = λ
2 2
(Primeiro mínimo)
Difração numa Fenda Única: Localização dos
Mínimos
a) Ondas provenientes dos
pontos do topo de quatro
zonas de largura a/4 sofrem
interferência completamente
destrutiva no ponto P2 do
anteparo C.
b) Com D>>a, os raios r1, r2, r3 e r4
podem ser considerados
paralelos, fazendo ângulo de θ
com o eixo central.
Diferença de percurso para
interferência destrutiva:
a λ
senθ = ⇒ asenθ = 2λ
4 2
(Segundo mínimo)
Generalizando:
asenθ = mλ , para m = 1,2,... (mínimos)

Intensidade do Padrão de Difração de Fenda Única

Usamos conceito de fasor para


determinar a intensidade:
• Dividimos a fenda em N de zonas
de largura ∆y.
• Cada zona atua como fonte
coerente de onda .
• A superposição de ondas que
chegam em um ponto P, sob um
ângulo θ permite obter a amplitude
da onda resultante.
• A intensidade é proporcional ao
quadrado da amplitude da onda.
Intensidade do Padrão de Difração de Fenda Única

A diferença de fase entre as ondulações provenientes de zonas


adjacentes é dada por:
Diferença de fase = (2π/λ)(diferença de percurso)

∆β = (∆ysenθ )
λ
Construímos um diagrama de N fasores, cada qual corresponde a uma
onda que chega das zonas adjacentes com a mesma amplitude E0.
• Cada fasor difere de fase por ∆β.
• A amplitude resultante ER é obtido pela soma vetorial dos fasores.
• A diferença de fase total β entre a primeira e última onda é
2π 2π
β = N∆β = ( N∆y ) senθ = asenθ
λ λ
β  πa 
α= =   senθ
2 λ 

Intensidade do Padrão de Difração de Fenda Única

(a) Máximo central (primeiro máximo).


(b) Ligeiramente afastado do eixo central.

(c) Primeiro mínimo. β= asenθ
λ
(d) Primeiro máximo lateral (segundo máximo).
Intensidade do Padrão de Difração de Fenda Única

Obtemos a amplitude resultante e a intensidade


considerando no caso limite quando ∆y→dy
(N→∞).
• A “corrente” de fasores se torna um arco de
circunferência de raio R.
• Do triângulo contido na figura:

βER / 2 β E  β
sen = → ER = 2 Rsen = 2 0  sen
2 R 2  2  2
 sen( β / 2)   sen(α ) 
ER = E0   = E0
 β /2   α 
• Intensidade é proporcional ao quadrado da
amplitude:

 senα   πa 
2

I = Im   , onde α =   senθ
 α  λ 

Intensidade do Padrão de Difração de Fenda Única

 senα   πa 
2

I = Im   , onde α =   senθ
 α  λ 
Difração em Abertura Circular

Uma abertura circular de diâmetro d forma padrão de difração.


• O primeiro mínimo na figura de difração é dada por:

senθ = 1,22λ/d

Poder de Resolução da Abertura Circular

A separação angular entre duas fontes puntiformes deve ser no mínimo


 1,22λ 
θ R = sen−1  
 d 
Uma vez que o ângulo é muito pequeno, pode ser aproximado (radianos)

λ
θ R = 1,22  (Critério de Rayleigh)
d 