Anda di halaman 1dari 92

Anuário Brasileiro de

Brazilian Vegetable Yearbook


2013
ISSN 2178-0897

997721780897133
DOW AGROSCIENCES

eccomais.com
PROTEÇÃO DE PONTA A PONTA

A Dow AgroSciences apresenta


sua linha de produtos para proteção
das lavouras de Hortifruti.

São diversas soluções, para múltiplas


culturas, que protegem sua produção
de ponta a ponta!

www.dowagro.com.br
0800 772 2492

Soluções para um Mundo em Crescimento ®

® TM * Marca registrada da The Dow Chemical Company ("Dow") ou uma companhia afiliada da Dow. | AGATA – Marca registrada de ISK Biosciences Comercial Ltda.
Platinum Neo – Marca registrada de Syngenta Proteção de Cultivos | Ellect – Marca registrada de Oxiquímica Agrociência | Tairel M – Marca registrada de FMC Agricultural Products.
Inor Ag.
Inor Assmann
Ag. Assmann
ANUÁRIO BRASILEIRO de hortaliças 2013

1
expediente | Publishers and Editors
Sílvio Ávila

EDITORA GAZETA SANTA CRUZ LTDA. Rua Ramiro Barcelos, 1.224, CEP: 96.810-900,
CNPJ 04.439.157/0001-79 Santa Cruz do Sul, RS
Diretor-Presidente: André Luís Jungblut Telefone: 0 55 (xx) 51 3715 7940
Diretor-de-Conteúdo: Romeu Inacio Neumann Fax: 0 55 (xx) 51 3715 7944
Diretor-Comercial: Raul José Dreyer E-mail: redacao@editoragazeta.com.br
Diretor-Administrativo: Jones Alei da Silva comercial@editoragazeta.com.br
Diretor-Industrial: Paulo Roberto Treib Site: www.editoragazeta.com.br

ANUÁRIO BRASILEIRO DE HORTALIÇAS 2013


Editor: Romar Rudolfo Beling; editor assistente: Daniel Neves da Silveira; textos: Cleoni-
ce de Carvalho, Benno Bernardo Kist e Heloísa Poll; supervisão: Romeu Inacio Neumann;
tradução: Guido Jungblut; fotografia: Sílvio Ávila, Inor Assmann (Agência Assmann) e
divulgação de empresas e entidades; projeto gráfico e diagramação: Márcio Oliveira
Machado; arte de capa: Márcio Oliveira Machado, sobre fotografia de Sílvio Ávila; edi-
ção de fotografia e arte-final: Márcio Oliveira Machado; marketing: Maira Trojan
Bugs, Tainara Bugs e Rafaela Jungblut; supervisão gráfica: Márcio Oliveira Macha-
do; distribuição: Simone de Moraes; impressão: Gráfica Coan, Tubarão (SC).

ISSN 2178-0897

É permitida a reprodução de informações


desta revista, desde que citada a fonte.
Reproduction of any part of this magazine
is allowed, provided the source is cited.
Inor Ag. Assmann

Ficha

A636
Anuário brasileiro de hortaliças 2013 / Cleonice
de Carvalho ... [et al.]. – Santa Cruz do Sul : Editora
Gazeta Santa Cruz, 2013.
88 p. : il.

ISSN 2178-0897

1. Horticultura - Brasil. 2. Hortaliças. I. Carvalho, Cleonice de.

CDD : 635
CDU : 635

Catalogação: Edi Focking CRB-10/1197

2
Seu portal para fazer
negócios com o Brasil!

www.brasilglobalnet.gov.br
Ÿ Informações sobre 8.700 empresas exportadoras brasileiras;

Ÿ Dados sobre 2.700 produtos relacionados a comércio exterior;

Ÿ Indicadores econômicos, tabelas e gráficos sobre comércio exterior;

Ÿ Mais de 300 feiras comerciais a serem realizadas no Brasil em 2011;

Ÿ Oportunidades de investimento em infraestrutura, energia, indústria


pesada e megaeventos esportivos.

Ministério das Relações Exteriores


Subsecretaria-Geral de Cooperação, Cultura e Promoção Comercial
Departamento de Promoção Comercial e Investimentos
PLANO AGRÍCOLA E
PECUÁRIO 2013/2014.
COMEÇAR COM CRÉDITO
É MUITO MAIS FÁCIL.
O Brasil é um dos líderes da

agropecuária no mundo, com recordes

de produção a cada ano. Praticamente

tudo o que os brasileiros consomem

passa pela cadeia produtiva do

agronegócio, o que movimenta a

economia e garante cerca de

30 milhões de empregos no país.

Parte da produção é exportada,

contribuindo significativamente para

a balança comercial. Por isso, investir

na agropecuária é investir no Brasil.

Com o Plano Agrícola e Pecuário

2013/2014, mais de 5 milhões de

propriedades rurais podem contar com

crédito para desenvolver a produção:

insumos, equipamentos, irrigação,

armazenagem e muito mais. E assim

continua o ciclo de crescimento.

R$ 136 BILHÕES PARA PLANTAR, COLHER E


GARANTIR ABASTECIMENTO. É MELHORIA DE
RENDA E MAIS ACESSO AO SEGURO RURAL.

INFORME-SE:
0800 704 1995 | AGRICULTURA.GOV.BR
FACEBOOK.COM/MINAGRICULTURA
64

56 68
sumário | Summary

08 | Apresentação | Introduction 52 | AS PRINCIPAIS | Major ones


Um setor essencial na economia, sinônimo O cenário atualizado da produção e da comercialização
de saúde, emprego e renda nas 10 espécies que mais se destacam
A sector essential for the economy, Garlic, potato, sweet-potato, onion,
synonymous with health, jobs and income carrot, leafy, cassava and potato

10 | PRODUÇÃO | Production 84 | PAINEL | panel


Cadeia de hortaliças movimenta em torno Os ganhos oferecidos pela adubação
de R$ 25 bilhões no Brasil orgânica de uma empresa gaúcha
Vegetable supply chain has the power Gains provided by an organic fertilizer
to move R$ 25 billion in Brazil company in Rio Grande do Sul

28 | MERCADO | market 86 | EVENTOS | events


O esforço realizado para aumentar Atividades congregam agentes da horticultura
gradativamente as exportações em várias regiões do País
Efforts to gradually increase exports Activities attracted agents from several regions

76

72 80
6
apresentaçÃO | Introduction
Sílvio Ávila

Gostinho
de quero
mais Se a socioeconomia de um País fosse
organizada como um cardápio de restaurante, qual deveria ser a en-
trada, a primeira grande pedida, a fim de assegurar uma base para
todo o resto? Uma boa salada. E quais as matérias-primas que jamais
comercialização de hortigranjeiros, é o da renda: por isso, raras são as
cadeias produtivas que propiciam, de forma tão eficiente, a inclusão
social e econômica. Mini, pequenos e grandes propriedades convi-
vem em iguais condições de sustentabilidade e podem, em sintonia,
poderiam faltar nesse prato? As hortaliças, obviamente. atuar nos mais seletos e remuneradores mercados, dentro e fora do
E se, em seguida, o ilustre cliente (a população desse País) se País. Esse exemplo, essa estrutura e essa potencialidade são uma es-
preocupasse com o prato principal, que lhe fornecesse a pécie de escola que a horticultura oferece à economia brasileira.
energia suficiente para atender a suas necessidades caló- E, em se tratando de escola, reparando nas estatísticas
ricas, que alimentos não poderiam ser esquecidos? Mais que tradu- zem o desempenho de produção
produtos hortigranjeiros, sem dúvida. e de mercados, fica evidente que as
Aí está. Hortaliças e verduras nunca são um acompa- lições estão sendo muito bem as-
nhamento. Devem ser, sempre, para uma vida saudável similadas. A cadeia cresce, se
e para um organismo em equilíbrio, que assegure vi- consolida, se moderniza e
talidade e plenitude, componentes essenciais. Cen- obtém índices cada vez mais
tenas de espécies e de variedades conformam esse satisfatórios.
mosaico de lavouras e de canteiros em granjas e Em conformidade com o
hortas pelo Brasil afora. que hoje já acontece nas fru-
De lá, semana após semana, são colhidos tas, é mais do que certo
e transportados para grandes centrais de abas- que dentro de poucos
tecimento espalhadas por todo o território nacional. anos o Brasil será um
Destes entrepostos, uma vez mais imitando um coração importante fornecedor de hor-
pulsante, numa metáfora orgânica, circulam por milhares taliças para o mundo. O abasteci-
de caminhos até chegar em atacados e mercados varejistas de mento doméstico vai sendo garantido,
pequeno, médio ou grande porte. E é ali que a população se abas- e com isso, agora, o olhar pode ser dirigido com
tece, todo santo dia, garantindo, na hora das refeições, uma mesa mais interesse e com mais ousadia para as necessidades
farta em pratos suculentos, nutritivos e coloridos. globais. As mesas do mundo todo estão logo ali. Há um gostinho
Esse mesmo trajeto, de um imenso complexo de produção e de de quero mais...

8
It tastes
like more
If socio-economy in the Country was structured like a restau-
rant menu, what about the first course, the first order, just for a pleasant start for what
is coming next? Salad, no doubt. And what choice greens should always be present in the
dish? Vegetables, of course.
And if the discerning client (in this case, the Brazilian population) was concerned about
the energetic properties of the main course, in line with the daily calorie needs, which foods
could not be left out? Horticultural products, without any doubt.
That’s it. Vegetables and salads are not just side dishes. If a healthy life is at stake,
they should always be viewed as essential components of a main course. They
are responsible for keeping the body in balance and full of vitality.
Hun- dreds of species and varieties compose this mosaic
in fields and plant-beds across Brazil.
From remote corners, week after week, huge
amounts of vegetables are harvested and sent to distri-
bution centers over the entire national territory. Through
these distribution centers, like vigorously beating hearts,
in an organic metaphor, vegetables circulate through
thousands of routes to their final destinations: small,
medium and large wholesale and retail outlets. This
is where people go for their vegetable purchases, all
day long, as an assurance for healthy meals, with
plenty of succulent, nutritious and colored dishes.
This same trajectory, consisting of an immense vegetable production
and trading complex, is followed by the income side. That is why only few supply chains
provide for social and economic inclusion in such an efficient manner. Mini, small and big
farms share the same sustainability conditions and can, side by side, serve the best remuner-
ating and most discerning markets, both at home and abroad. This example, this structure
and this potentiality is a kind of school horticulture offers to Brazilian economy.
And, on the subject of schools, taking a look at the statistical numbers that mirror
the performance at field and market level, there is no doubt about how intensively the
lessons are assimilated. The chain grows, consolidates, gets modernized and reaps ever-
increasing results.
In accordance with what is happening with the fruit segment, it is more than evident that
Brazil will soon become a huge supplier of vegetables around the globe. Domestic supplies are
under control and, therefore, the time has come for a confident look at the global needs. The
dinner tables of the whole world are just a phone call away. It tastes like more...

9
produção | Production
Sílvio Ávila

Horta
cheia
Produção mostra a força da vias de definir mais profundamente seu perfil,
já se sabe que está entre os primeiros lugares
olericultura, com importantes avanços na produção agrícola, ainda mais quando se
e plenas condições de atender a maior inclui a tradicional cultura da mandioca. Afora
esta, e considerando 32 produtos, a Embrapa
demanda, que ainda deixa a desejar Hortaliças levantou em 2011 total de 19,2
milhões de toneladas colhidas. No Instituto
A horticultura brasileira, no decorrer dos saídas de produtos. O avanço neste quadro é de Economia Agrícola (IEA), de São Paulo,
últimos anos, dá mostras de seu potencial um dos desafios do setor, ao mesmo tempo número semelhante (de 19,6 milhões de t) foi
produtivo, com evolução em diversos ín- em que a cadeia busca maior conhecimento apurado apenas em 11 itens, entre os quais a
dices e condições para ir ao encontro das e reconhecimento, diante da real importân- mandioca de mesa. Porém, apenas esta espé-
demandas. Estas, no entanto, ainda não cor- cia que assume na socioeconomia nacional. cie, calculada integralmente, segundo o IBGE,
respondem às expectativas: em nível interno, A olericultura se posiciona entre os seg- soma 25 milhões de toneladas no ano.
o consumo fica aquém das necessidades; e mentos com maior expressão produtora no Em termos econômicos e sociais, Walde-
no plano externo, há déficit entre entradas e destacado agronegócio brasileiro. Ainda em mar Pires de Camargo Filho e Avani Cristina

10
Produtividade
incorpora
tecnologia
e apresenta
crescimento a
cada ano

de Oliveira, do IEA, estimam que a produção ceu 31% entre 2000 e 2011, conforme os Este fato, junto com os benefícios dos
de 19,6 milhões de toneladas movimenta últimos levantamentos da Embrapa Hortali- produtos, motiva campanhas de estímulo
em torno de R$ 25 bilhões no País. Estudo ças. A economista da empresa evidencia que à sua inserção no cardápio da população e
da Associação Brasileira do Comércio de a quase totalidade do incremento se deu na iniciativas de adequação às exigências do
Sementes e Mudas (ABCSEM), com 17 seg- produtividade, com 83,7%, graças à adoção mercado. Da mesma forma, não se pode des-
mentos, efetuado em 2010, avalia que o valor de novas tecnologias. A área praticamente cuidar do mercado externo, como mostram
chega a R$ 40,6 bilhões, incluindo o varejo. não se alterou, mantendo-se em cerca de os dados. Embora a exportação avançasse
Já o número de empregos gerados no setor, 800 mil hectares. Inclusive já esteve um pou- 14% entre 2000 e 2011 (em números, o au-
conforme verificou Nirlene Junqueira Vilela, co maior neste período (824 mil hectares em mento ficou em 33 mil toneladas), ainda é
da Embrapa, em 2009, deve envolver pelo 2002). Na relação com o aumento popula- inexpressiva diante da produção e depende
menos 7,3 milhões de pessoas. Além disso, cional, a disponibilidade também se elevou, basicamente do desempenho da fruta olerá-
é lembrada sua relevância para a saúde, pois na ordem de 17,4%. Quanto ao consumo, no cea melão. Já a importação cresceu 118,7%,
o consumo de hortaliças, ao lado das frutas, entanto, pesquisa do IBGE revela que ele di- principalmente em batata inglesa, cebola e
contribui para prevenir doenças. minuiu 1,92 kg/habitante entre 2002 e 2008, alho, já as mais adquiridas então do exterior,
A produção brasileira de hortaliças cres- ficando em 27,08 quilos. situação que remete a análise e reação.

11
Lush vegetable
Sílvio Ávila

garden

Over the past years, Brazilian horticulture has signaled its pro- number (19.6 million tons), from 11 items, including edible cassava.
ductive potential, showing evolution in different areas and in a posi- However, the latter crop alone, if integrally calculated, amounts to
tion to meet demand. The latter, nonetheless, has not yet lived up to 25 million tons a year, according to IBGE sources.
expectations: at home, consumption is lagging behind the real needs; In economic and social terms, Waldemar Pires de Camargo Filho
and in the foreign scenario, there is still a deficit between imports and Avani Cristina de Oliveira, of IEA, estimate that the 19.6 million
and exports. Advances in this picture are one of the challenges of the tons involve revenues of approximately R$ 25 billion in the Country.
sector and, in the meantime, the supply chain is in search of more A study by the Brazilian Association of Seed and Seedlings (ABCSEM),
knowledge and recognition, in light of the real importance horticul- involving 17 segments, conducted in 2010, maintains that the value
ture assumes in national socioeconomic terms. amounts to R$ 40.6 billion, including retail sales. As to the number of
Olericulture is a segment that assumes great productive expres- jobs generated by the sector, according to Nirlene Junqueira Vilela, of
sion amid Brazil’s renowned agribusiness operations. Still seeking Embrapa, in 2009, should involve at least 7.3 million people. Further-
an accurate definition of its profile, it is already known that the more, the health benefits are also mentioned, since regular consump-
segment is one of the frontrunners in agricultural production, and tion of vegetables and fruit is believed to ward off diseases.
this is all the more true if the traditional cassava is included. Apart Vegetable production soared 31% from 2000 to 2001, according to
from it, and taking into consideration 32 products, Embrapa Veg- the latest surveys by Embrapa Vegetables. The economist of the com-
etables refers to a harvest of 19.2 million tons in 2011. The Institute pany credits the use of technology and the resulting higher productiv-
of Agricultural Economics (IEA), in São Paulo, ascertained a similar ity rates, which went up 83.7%, with the bigger production volumes.

12
Production attests to the
strength of olericulture,
with relevant advances
and prepared to meet
soaring demand, which is
still lagging behind

The area devoted to vegetables has practically remained unchanged VIDA DE GRANJA | farm life
at 800 thousand hectares. It had once been bigger during the period Situação das hortaliças no Brasil
(824 thousand hectares in 2002). In relation to the ever growing
32 produtos 2000 2011
population, availability also soared 17.4%. As to consumption, nev-
Área (mil ha) 799 809
ertheless, a survey by IBGE detected a decrease of 1.92 kg/person from
Produção (mil t) 14.685 19.235
m2002 to 2008, remaining at 27.08 kilograms.
Produtividade (t/ha) 18,4 23,8
This reality, along with the benefits of the products, is trigger-
Disponibilidade (kg/hab) 86 101
ing campaigns encouraging people to add vegetables to their daily
diets, along with market adjustment initiatives. Likewise, the for- Mandioca
eign market should not be overlooked, as shown by the figures. Al- Área (mil ha) 1.709 1.733
though exports rose 14% from 2000 to 2011 (in numbers it means Produção (mil t) 23.044 25.349
33 thousand tons), shipments abroad are still negligible in view Fonte: IBGE/Embrapa Hortaliças
of the huge volume produced in Brazil and they also depend basi-
COMÉRCIO INTERNACIONAL
cally on the performance of the melon , a fruit of the gourd family.
In the meantime, imports increased by 118.79%, especially pota- 2000 2011
toes, onions, garlic, the leading horticultural products purchased Exportação (mil t) 236 353
abroad, a situation that calls for analysis and reaction. Importação (mil t) 269 772
Fonte: Secex/MDIC/Embrapa Hortaliças/Anuário Hortaliças

13
Inor Ag. Assmann
Liderança
paulista Com 20% da produção e 22% do
consumo, o Estado de São Paulo
aquece os negócios, destacando-se em
praticamente todas as espécies
O Estado de São Paulo possui o maior setor produtivo de olerícolas do Brasil, com 20%
da produção, e o principal mercado consumidor, que absorve 22% do produzido. Em 2011,
computadas 11 culturas, a quantidade colhida chegou a 2,7 milhões de toneladas, em 86 mil
hectares, segundo informações do Instituto de Economia Agrícola (IEA). Porém, o instituto tem
pesquisa estadual mais ampla, do mesmo ano, que abrange o cultivo de 53 hortaliças: neste
caso, em área de 141,1 mil hectares, o resultado obtido foi de 4 milhões de toneladas.
Tanto em São Paulo como no Brasil, são praticamente os mesmos os produtos da oleri-
cultura que se destacam. Sem levar em conta a mandioca como um todo, sobressaem-se a
batata inglesa e o tomate (para mesa e industrial), que no território paulista ocupam, res-
pectivamente, 26,2 mil, 8,5 mil e 3,5 mil hectares. A produção de cada um deles, em 2011,
pela mesma ordem, alcançou 665 mil, 587 mil e 276 mil toneladas. Ainda passam de 200
mil toneladas, no mesmo Estado: a beterraba, a cebola, a melancia, o repolho e as alfaces.
O Sudeste brasileiro concentra a maior parcela da produção de hortaliças, destacando-
-se também Minas Gerais, que inclusive aparece na primeira posição no último Censo
Agropecuário do IBGE (2006), levando-se em conta o número de estabelecimentos dedi-
cados à atividade: 5.449 unidades, do total de 27.374 no Brasil. O Sul igualmente é forte
no setor. O Paraná, inclusive, ocupava então a segunda posição no País entre os estados
com mais produtores: 3.857 propriedades, posicionado logo após São Paulo neste item.
Nos últimos anos, por outro lado, tem sido verificada maior descentralização da pro-
dução, que aparece de forma mais expressiva e extensiva em outros pontos, como Goiás,
no Centro-Oeste. Na Bahia, líder no Nordeste, também aparece em evidência a expansão
da olericultura em polos como Irecê e Chapada Diamantina.

14
The State of São Paulo is home to the
largest vegetable production segment in
Brazil, accounting for 20% of the total
volumes, and also the largest consumer
market, which absorbs 2% of what is
produced. In 2011, a total of 11 differ-
ent crops resulted into 2.7 million tons,
harvested from 86 thousand hectares,
according to figures released by the
São Paulo State Institute of Agricultural
Economics (IEA). Nevertheless, a more
comprehensive survey of that same year

Largest
conducted by the institute, including the
cultivation of 53 vegetable species, on an
area of 141.1 thousand hectares, men-
tions a total of 4 million tons.
In São Paulo and in Brazil, the high-

producer
lights are practically the same vegetable
crops. Without taking into consideration
cassava as a whole, the crops that pre-
dominate are potatoes and tomatoes
(for the kitchen and for industrial pur-
poses), which occupy 26.2 thousand, 8.5
thousand and 3.5 thousand hectares,
respectively, in São Paulo. The harvested
volumes of each of them, in 2011, reached
665 thousand, 587 thousand and 276
thousand tons. Other crops that produce
upwards of 200 thousand tons in the State
are as follows: beets, onions, watermel-
ons, cabbage and lettuce.
Most vegetables are produced in the
Southeast region, where Minas Gerais is
the leading producer. The state occupied
the leading position in the latest Census
of Agriculture, conducted by the IBGE, in
2006, taking into consideration the num-
ber of enterprises devoted to the activity:
5,449 units, of a total of 27,374 through-
out Brazil. The South is also very repre-
sentative in the sector. Back then the State
of Paraná ranked as second biggest pro-
ducer among the States with the biggest
number of people devoted to vegetables:
Accounting for 20% of the production 3,857 farms, coming right after São Paulo
on that score.
and 22% of consumption, the Sate of Over the past years, nonetheless, pro-
São Paulo is the driving force behind duction has gone through a decentral-
ization process, now more expressive in
the vegetable business, and is a leading other parts of the Country, like Goiás, in
producer of almost all species the Center-West.

15
A grande
família
Sílvio Ávila

Além das principais hortaliças, mais


um grande número de produtos é
cultivado e comercializado no País
para atender a mercados específicos

16
A horticultura brasileira ostenta vasta gama de produtos cultivados (ABCSEM) em 2010. Referências mais distantes também são feitas no
nos mais diversos recantos. Conforme a Embrapa Hortaliças, registra- Censo Agropecuário do IBGE, em 2006.
-se a presença de mais de 70 itens, incluindo os não convencionais. Entre as hortaliças pesquisadas pela ABCSEM, em que se sa-
Nas suas estatísticas, são levantados 32, especificando oito (alho, bata- lienta a grande diferença a mais encontrada na melancia (3,4 mi-
ta, batata-doce, cebola, cenoura, melancia, melão, tomate – industrial lhões de toneladas, contra 2 milhões de toneladas apuradas pelo
e de mesa) e inserindo outros 24 reportados pela Organização das IBGE), chamam atenção as abobrinhas de modo geral (627,6 mil
Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) num grupo toneladas) e a japonesa (540 mil toneladas). A entidade apontou
identificado como “outras hortaliças”. No conjunto, estas teriam al- ainda entre os 10 principais produtos, além dos já conhecidos na
cançado produção de 5,2 milhões de toneladas em 2011, em torno lista do IBGE e da Embrapa, o pepino, com 565,4 mil toneladas,
de 12% a menos do que a registrada, por exemplo, em 2000. e o milho-doce, com 535 mil toneladas. Já no último Censo do
O grupo prevê as folhosas, que são tema de avaliação específica IBGE aparecem “abóbora, moranga e jerimum” com 384,9 mil
nesta publicação, ao contrário do que ocorre com melão e melancia, toneladas, enquanto a abobrinha ficava então com 158,8 mil tone-
entre as hortaliças mencionadas, uma vez que são contempladas no ladas. Constavam também, entre as de maior produção: chuchu
Anuário Brasileiro da Fruticultura. O levantamento da Embrapa sobre (270 mil toneladas), milho-verde (268,2 mil toneladas), pimentão
as 24 culturas, com dados da FAO, não traz informação individuali- (248,7 mil toneladas) e pepino (215,1 mil toneladas).
zada sobre cada produto. No entanto, ela pode ser encontrada em
relação a alguns (os multiplicados por sementes) na pesquisa reali-
zada pela Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas
VARIAÇÕES A abóbora é representativa no País, com
diferentes denominações, como moranga, mais ao Sul; e jeri-
mum, no Norte e no Nordeste. O Censo do IBGE evidenciou
o grande número de estabelecimentos rurais que se dedicavam
a seu cultivo: 127.738, com 88,2 mil hectares, e sua produção
destacava-se no Sudeste (São Paulo e Minas Gerais) e no Nor-
deste (tendo a Bahia à frente). É possível de ser consumida de
diversas formas, inclusive as suas sementes, torradas. Existem
diversas espécies e, além de materiais importados, também são
desenvolvidas novas variedades nacionais, como a ornamental
e comestível “Brasileirinha”, a decorativa “Linda” e a gila BRS
Portuguesa, todas em nível de Embrapa.
No milho-verde, destaca-se ultimamente o chamado milho-
-doce, que difere do comum por apresentar maiores quantida-
des de açúcar e menores de amido. É utilizado no consumo
humano, ainda em espiga ou em grãos verdes enlatados, onde
se dá sua maior destinação às indústrias de conservas. Mas se
amplia o mercado para consumo in natura, como comprova
Vanderlei Brauwers, da empresa Especialidades Vandrea, de Ar-
roio do Meio, no Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul, que
possui ampla estrutura para verduras e legumes hidropônicos
fornecidos a grandes redes de supermercados.
Em relação ao milho-doce, especificamente, o empreendedor
tem ampliado a produção própria e com produtores integrados,
de variedade mais doce e macia, importada da Itália. Procura aten-
der a um crescimento de demanda verificado com base na ofer-
ta exclusiva do produto no Sul e em divulgação na embalagem
de experiência jovem e caseira com preparação mais rápida no
microondas. Assim, projeta que deverá passar a colocar em 2013
quantia próxima de 700 mil espigas, enquanto no ano anterior
esse número ficou em cerca de 100 mil unidades.

17
Inor Ag. Assmann

Extended
family
Besides all major vegetables,
several other plants are cultivated
and traded in the Country to meet
specific market needs
Brazilian horticulture includes an array of crops cultivated in cus of this publication, contrary to what happens with melons,
the most remote regions. According to Embrapa Vegetables, if non- watermelons, among the above mentioned vegetables, as they are
conventional vegetables are included, there are more than 70 species. covered in the Brazilian Fruit Farming Yearbook. Embrapa’s sur-
Embrapa statistics feature 32 species, and eight of them are specified vey of the 24 crops, relying on FAO data, contains no individual
(garlic, potatoes, sweet potatoes, onions, carrots, watermelons, mel- information on every item. Nonetheless, some details about some
ons, tomatoes – industrial and table tomatoes), with the insertion of them are available (the ones that are propagated by seed) in
of another 24 reported by the Food and Agriculture Organization of the research conducted by the Brazilian Seed and Seedling Trade
the United Nations (FAO), in a group identified as “other vegetables”. Association (ABCSEM), in 2010. Somewhat more distant references
Together they are supposed to have reached a total production of 5.2 are also reported in the 2006 IBGE Census of Agriculture.
million tons in 2011, down 12% from 2000, for example. Among all vegetables surveyed by the ABCSEM, where the biggest
The group includes leafy vegetables, which are in fact the fo- difference is highlighted with regard to watermelons (3.4 million

18
paisagem | landscape
Últimas estimativas

Produção 2012 2013


(4 culturas – toneladas) 8.512 8.842
Fonte: LSPA/IBGE - Culturas: tomate, batata, cebola e alho

VARIATIONS Pumpkins are very representative in


the Country, and they are known by such different names as
moranga (small pumpkin), in the South; and jerimum in the
Northeast. The IBGE Census showed the great number of farming
operations devoted to the cultivation of this vegetable: 127,738,
with a total of 88.2 thousand hectares, most of them located in
the Southeast (São Paulo and Minas Gerais) and in the North-
east (where Bahia is the most representative). Pumpkins can be
consumed in different ways, and the seeds can be toasted. There
are several species of this vegetable and, besides the imported
cultivars, there are national varieties being developed, like the
ornamental and edible “Brasileirinha”, the decorative “Linda”
and the Gila BRS Portuguesa, all of them at Embrapa level.
With regard to green corn, the highlight has been sweet corn
over the past years, and it differs from common corn in that it has
bigger sugar levels and less starch. It is appropriate for human
consumption, either on the cob or in canned form, which is the
leading destination given by the pickles industries. Nonetheless,
fresh consumption has been soaring lately, says Vanderlei Brau-
wers, of the Especialidades Vandrea company, located in Arroio
do Meio, in Vale do Taquari, State of Rio Grande do Sul, which is
well structured for the production of hydroponic vegetables and
legumes supplying huge supermarket networks.
Specifically, with regard to sweet corn, the processing com-
pany has expanded its own production and through the inte-
grated system, of a sweeter variety, imported from Italy. The idea
is to meet soaring demand in its capacity as exclusive supplier
of the product in the South, with the packaging featuring new
experiences and messages as to how to microwave it almost in-
stantly. This leads the company to project a production of 700
thousand corn ears for 2013, while in the previous year this fig-
ure remained at 100 thousand pieces.

tons, against 2 million tons ascertained by the IBGE survey), the


squash crop, in general, makes a difference (627.6 mil tons) and the sortimento | assortment
Japanese squash (540 thousand tons). Among the 10 major products, Outras hortaliças no Brasil - (Total de 24 culturas* )
in addition to the ones contained on the IBGE and Embrapa list, the
entity also pointed out the cucumber, with 565.4 thousand tons, and Ano 2000 2011
sweet corn, with 535 thousand tons. The latest IBGE Census features Produção (mil toneladas) 5.920 5.210
“pumpkins, squash and jerimum”, with 384.9 thousand tons, while Área (mil hectares) 351,5 325,2
Produtividade (t/ha) 16,8 16,0
the squash crop remained at 158.8 thousand tons. Other vegetables
Fonte: IBGE/FAO/Embrapa Hortaliças.
with huge production volumes contained on the list were as follows: * Alcachofra, aspargos, abóboras, alface, berinjela, beterraba, couve, couve-
chayote (270 thousand tons), green corn (268.2 thousand tons), red -flor, cogumelos, ervilhas verde e seca, espinafre, grão-de-bico, inhame, len-
tilha, milho-verde, morangos, pepinos, pimentas, pimentões, quiabo, repolho,
pepper (248.7 thousand tons) and cucumber (215.1 thousand tons). taro e vagem.

19
Mostrando
Inor Ag. Assmann

a cara
Setor olerícola brasileiro se organiza
para realizar amplo diagnóstico
socieconômico e destacar
os aspectos positivos
com ações promocionais

20
O desenvolvimento de um completo per- do de São Paulo, em parceria com o Servi- importância do segmento e de sua devida
fil socioeconômico da olericultura no Brasil ço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas promoção e valorização junto ao mercado,
encontra-se em nível prioritário no Instituto Empresas (Sebrae), em âmbito nacional, quanto a benefícios econômicos, sociais, am-
Brasileiro de Horticultura (Ibrahort), consti- que servirá de base para todos os estados bientais e de saúde para toda a população.
tuído em 2010 como instituição representa- brasileiros”, informa Carlos Schmidt, pre- Neste sentido, discutem-se no Ibrahort es-
tiva nacional do setor. A ação se destaca na sidente do instituto e gerente executivo da tratégias de governança da cadeia produtiva,
agenda estratégica de 2013, apresentada no Associação de Produtores e Distribuidores tendo em vista também um fundo de ativida-
final de 2012 pela entidade na Câmara Seto- de Horti-Fruti de São Paulo (Aphortesp). des voltadas a marketing, capacitação, inteli-
rial de Hortaliças, junto ao Ministério da Agri- Após várias reuniões, acertou-se a ação, gência competitiva e certificação. O incentivo
cultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). que deverá se iniciar em 2013. a um maior consumo da produção, particu-
“Estamos conseguindo alavancar o pro- A realização do diagnóstico é considerada larmente, assume posição especial, como é
jeto, por meio de um plano piloto no Esta- fundamental para melhor conhecimento da relatado em outro texto, na página 44.

Inor Ag. Assmann

SOLUÇÃO URGENTE Entre ações específicas para o desenvolvimento do setor, a reunião realizada na Câmara Se-
torial, em dezembro de 2012, enfocou a regularização, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do uso de defensivos
agrícolas para as hortaliças chamadas Minor crops, como pimentão, pepino e morango. “O produtor brasileiro precisa de uma
solução urgente para estes produtos no combate às pragas e às doenças”, diz Waldir de Lemos, presidente da Associação Comercial
dos Produtores e Usuários da Ceasa Grande Rio (Acegri) e novo presidente da câmara.
A exigência de padronização das embalagens usadas nas centrais de abastecimento foi outro assunto apreciado na oportuni-
dade. Conforme Lemos, verifica-se ainda grande deficiência entre os mini e os pequenos produtores na utilização de embalagens
higienizadas e rotuladas que permitam a rastreabilidade das hortaliças.
O tema inclusive motivou a realização do Seminário Banco de Caixas, em fevereiro de 2013, em São Paulo, para debater as melhores
formas de operacionalizar esta estrutura nas Ceasas brasileiras. Para João Alberto Paixão Lages, então presidente da Associação Brasileira
das Centrais de Abastecimento (Abracen), pesquisas indicam que o uso de caixas adequadas pode reduzir as perdas de produtos em até
40%, representando grande avanço no setor. O presidente da Abracen a partir de abril de 2013 é o dirigente da Ceagesp, Mário Murici.

21
Inor Ag. Assmann

Out of the
shelter
Brazilian olericulture
sector is getting organized to conduct
a comprehensive socioeconomic
diagnosis, whilst highlighting positive
aspects with promotional initiatives

The development of a complex socioeconomic profile of Brazilian olericulture is now a


priority with the Brazilian Horticulture Institute (Ibrahort), set up in 2010 as a national
representative institution of the sector. The initiative occupies a prominent position on
the 2013 strategic agenda, presented in late 2012, by the entity at the Vegetables Sectoral
Chamber, to the Ministry of Agriculture, Livestock and Food Supply (MAPA).
“We are managing to leverage the project, through a pilot plan in the State of São
Paulo, jointly with the Brazilian Micro and Small Business Support Service (Sebrae), at
national level, which is to serve as basis for all Brazilian states”, says Carlos Schmidt,
president of the institute and executive manager of the São Paulo State Horti-Fruti Asso-
ciation of Producers and Distributors (Aphortesp). After several meetings, all actions were
delineated, and they shall begin in 2013.
The diagnosis is considered to be of fundamental importance for a better knowledge
of the importance of the segment and the need to promote it throughout the market chain,
highlighting its economic, social, health and environmental benefits to the entire popula-
tion. Within this context, at Ibrahort there are debates about the governance of the supply
chain, also with an eye towards activities focused on marketing aspects, capacity build-
ing, competitive intelligence and certification. Incentive to higher consumption of what
is produced is a very particular focus, as already reported in another article, on page 47.

22
URGENT SOLUTION
Among the specific initiatives for the de-
velopment of the sector, the meeting held
at the Sectoral Chamber, in December
2012, focused on the regularization, by
the National Health Surveillance Agency
(Anvisa), of the use of agrochemicals for
the so-called Minor crops, like red pep-
per, cucumber and squash. “All Brazil-
ian farmers need an urgent solution re-
garding products that fight diseases and
pests”, says Waldir de Lemos, president of
the Association of Commercial Producers
and Users of Ceasa Grande Rio (Acegri)
and new president of the chamber.
The requirement of standard pack-
aging used at the central distribution
centers was another subject debated
on that occasion. According to Lemos,
there are still great deficiencies among
mini and small-scale farmers in the
utilization of hygienized and labeled
packaging for reasons of vegetable
traceability procedures.
The matter gave rise to the Box Semi-
nar, in São Paulo, in February 2013, with
all debates focused on the best manner
to appropriately operate this structure in
all Brazilian Ceasas. João Alberto Paixão
Lages, president of the Brazilian Associa-
tion of Distribution Centers (Abracen),
comments that surveys have shown that
the use of appropriate boxes could re-
duce losses by up to 40%, representing a
great step forward of the sector. As of April
2013, the president of Abracen is Ceagesp
official Mário Murici.

23
Inor Ag. Assmann

24
A cotação subiu
Principais produtos da horticultura nacional
registraram colheitas menores em 2012 e com isso
tiveram elevação nos preços durante o ano
O setor de hortaliças apresentou em 2012 produção menor supermercados no País subiram em média 25,61% nos 12 meses
e, por decorrência, remuneração melhor para os produtores, anteriores. Entre os 27 produtos pesquisados, destacaram-se jus-
consideradas as informações existentes até então sobre os princi- tamente as altas na cebola (56,84%), no tomate (54,62%) e no
pais produtos, como tomate, batata e cebola, além da mandioca. alho (42,67%). André Braz, economista do instituto, lembra que
Questões climáticas e de mercado justificariam os resultados, que isto se deveu principalmente a fatores climáticos.
a princípio voltariam a motivar nova elevação nos cultivos e nos A Ceasa Minas constatou em 2012 elevações de 94% na bata-
volumes para o ciclo seguinte. ta, 43,5% na cebola, 30% na mandioca e 23,6% no repolho, em
As estimativas feitas no Levantamento Sistemático da Produção relação a 2011. O Entreposto Terminal São Paulo, maior central
(LSPA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de abastecimento da América Latina e terceira maior do mundo,
revelam que tomate, batata, cebola e alho, somados, deverão ficar registrou aumento de 13,9% no seu movimento financeiro, que
em 8,5 milhões de toneladas no ano em foco, 11,75% a menos do alcançou R$ 5,72 bilhões, embora também ampliasse o resultado
que na temporada anterior, já consolidada na Produção Agrícola físico. Flávio Godas, economista da Companhia de Entrepostos e
Municipal (PAM). Entre 2010 e 2011, conforme esta base de da- Armazéns Gerais do Estado (Ceagesp), comentou que “mais pes-
dos, houve aumento de 5,14% nos referidos produtos. O mesmo soas tiveram acesso aos produtos comercializados em virtude da
ocorre na mandioca, que em 2012 aparece com 1 milhão de tone- elevação da renda e da procura por alimentos saudáveis. A maioria
ladas a menos do que no período antecedente, tendo a produção dos setores produtivos apresentou boa rentabilidade em 2012”,
estimada em 24,3 milhões de toneladas. disse, esperando, por isso, maiores investimentos para 2013.
Não por acaso, os preços pagos para tais produtos neste inter-
valo mostraram-se bem mais encorpados. O Instituto Brasileiro
de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) divulgou UM CLIMA ATÍPICO O Centro de Estudos Avan-
no início de novembro de 2012 que hortaliças, legumes e fru- çados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Ce-
tas vendidos semanalmente nas feiras livres, nos hortifrutis e nos pea/USP), em avaliação anual sobre as hortaliças tomate, batata,
cebola, cenoura e folhosas, nas principais áreas produtoras, tam-
bém (e de maneira geral) confirmou menores cultivos em 2012.
Referiu-se a condições climáticas “bastante atípicas” e a sua influ-
ência na oferta e na rentabilidade ao produtor, que conseguiu va-
lores mais altos, especialmente no segundo semestre.
Para 2013, ainda na passagem do ano, o seu setor de hor-
tifruti previa estabilidade na área cultivada, dependendo ain-
da dos resultados da safra de verão. No IBGE, já se estimava
em fevereiro de 2013 que a maioria das culturas pesquisadas
mensalmente teria incrementos: próximo a 6% na produção da
batata e de mais de 2% no tomate e na cebola. A mandioca de-
veria manter-se em níveis semelhantes e o alho voltaria a recuar.
Manifestam-se altos e baixos comuns na adequação da oferta
e da procura, mas, diante da representatividade dos principais
Inor Ag. Assmann

produtos e da expectativa existente, 2013 tende a registrar cres-


cimento nos números da horticultura brasileira.

25
Inor Ag. Assmann

26
Prices going up
Major national horticulture products
registered smaller crops in 2012, resulting into
higher prices throughout the year
The vegetable sector ended up with a (Ibre/FGV), in early November 2012, revealed

Inor Ag. Assmann


smaller crop in 2012 and, as a result, farm that legumes and fruits sold on a weekly
gate prices soared, considering the informa- basis in street fairs, fruit stands and super-
tion existing up to that time on all major market shelves went up 25.61% on average
products, like tomatoes, potatoes, onions and over the previous 12 months. Among the 27
cassava. Weather and market conditions dic- vegetables that were analyzed, the ones that
tated the results which, in turn, encouraged increased the most were onions (56.84%), to-
the farmers to increase their plantings and matoes (54.62%) and garlic (42.67%). André
volumes in the following cycle. Braz, economist at the institute, recalls that it
Estimates released by Systematic Survey happened mainly due to climate factors.
of Agricultural Production (LSPA, in the Por- In 2012, Ceasa Minas ascertained price
tuguese acronym), of the Brazilian Institute increases of 94% in potatoes, 43.5% in on-
of Geography and Statistics (IBGE), reveal that ions, 30% in cassava and 23.6% in cabbage,
tomatoes, potatoes, onions and garlic, together, compared to 2011. The Terminal Distribu-
will amount to 8.5 million tons in the year in tion Center in São Paulo, largest supply cen-
question, down 11.75% from the previous year, ter in Latin America, and third biggest in the
figures that have already been consolidated world, registered a 13.9-percent increase in
at the Municipal Agriculture Production De- its financial movement, which reached R$
partment (PAM). From 2010 to 2011, accord- 5.72 billion, whilst the physical result was
ing to this database, the said products were also up. Flávio Godas, economist at the
up 5.14%. The same holds true for cassava, São Paulo General Warehousing and Cen-
which in 2012 suffered a deficit of 1 million ters Company (Ceagesp), commented that
tons from the previous period, with an esti- “more people had access to commercialized
mated production of 24.3 million tons. products due to their soaring purchasing
Not by chance, prices fetched by these power, and because of healthier food con-
products in the meantime, were much more cerns. Most productive sectors proved profit-
substantial. The Brazilian Economy Institute, able in 2012”, he said and, as a result, more
a division of the Getulio Vargas Foundation investments are expected in 2013.

ATYPICAL CLIMATE The Center for Advanced Studies on Applied Economics of the University of São Paulo (Cepea/USP), at
its annual evaluation of the performance of such vegetables as tomatoes, potatoes, onions, carrots and leafy salads, in all major produc-
ing areas, also (and in general) confirmed smaller cultivations in 2012. There was reference to “very atypical” climate conditions and
their influence upon supply and farm gate prices, which soared substantially, especially in the second half of the year.
For 2013, on the turn of the year, the horticulture and fruit sector was supposed to repeat the cultivated area, but still depending on the
results of the Summer crop. In February 2013, IBGE sources pointed to bigger areas devoted to all monthly surveyed vegetables; close to 6%
for potatoes and 2% for onions and tomatoes. Cassava was to suffer no changes, while garlic was signaling reductions.
Ups and downs are common when it comes to adjusting supply and demand but, in view of the representativeness of all major prod-
ucts and the existing expectation, 2013 tends to register an uptrend in the numbers of Brazilian horticulture.

27
mercado | Market

Olhar
Inor Ag. Assmann

Mercado de
hortigranjeiros está
aberto para novos tipos

macro
de produtos, a que o setor
procura ficar atento e
corresponder com as
adaptações exigidas

Mais opções
em tamanhos
menores e itens
processados
ganham espaço
28
Influenciada pelas preferências dos sentaram investimentos em novas sementes de compra, um produto exageradamente
consumidores, a horticultura tem buscado híbridas, com variedades melhoradas ge- grande pode não ser um bom negócio”. Isto
oferecer opções diferenciadas nos últimos neticamente, que possuem cores e formas justificaria o desenvolvimento de variedades
anos, com o propósito de manter e de am- inusitadas. O assunto foi enfatizado em re- de hortaliças com frutos ou folhas menores.
pliar a demanda dos seus produtos. Eventos latório do Serviço Brasileiro de Apoio às Mi- Por outro lado, conforme pesquisa de
recentes no setor têm alertado justamente cro e Pequenas Empresas (Sebrae), citando mercado realizada pelo agrônomo Francis-
para este aspecto na avaliação do mercado berinjela branca, listrada e achatada; tomate co Herberth Costa, da Embrapa Hortaliças,
olerícola. O cenário aponta de modo espe- de tonalidade laranja, verde e amarela; abo- junto a centrais de abastecimento de São
cial para alternativas já oferecidas e oportu- brinha com aparência de banana, abóbora Paulo, Brasília e Fortaleza, ainda há espaço
nidades representadas por itens em novas pequena e cenoura em miniatura. para “frutos grandes da melancia, ao con-
formas de apresentação, como tamanhos Em termos de maior aceitação junto trário dos menores, associados à alta fre-
mais reduzidos, ou os industrializados. aos consumidores, a análise chegou à con- quência de imaturos”. Da mesma forma,
Durante a última Hortitec, realizada em clusão que “hoje, devido a várias mudanças entre os produtos analisados, apontou-se
junho de 2012, em Holambra (SP), várias sociais, como, por exemplo, a diminuição a valorização do pimentão verde graúdo e
empresas produtoras de sementes apre- do tamanho das famílias e os novos hábitos do vermelho médio.

29
Macro
CAINDO DE MADURO Na verda-
Inor Ag. Assmann

de, há mercado para as mais diversas opções e, neste


sentido, vêm ganhando importância as chamadas hor-
taliças “mini” e “baby”, entre as quais se enquadram

view
minitomate, cenoura e alface, e as folhosas babyleaf.
O assunto foi tema de simpósio realizado pelo Grupo
de Estudos da Escola Superior de Agricultura Luiz de
Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP),
em novembro de 2012. No evento, enfatizou-se que
esses produtos são mais valorizados e que o seu mer-
cado, embora ainda pequeno, registra crescimento,
especialmente entre os consumidores de maior renda.
Já para a população mais pobre e que consome em
Market for horticultural
grande escala, na opinião de Waldir de Lemos, presi- products is open to new types
dente da Associação Comercial dos Produtores e Usuá-
rios da Ceasa Grande Rio (Acegri) e da Câmara Setorial
of crops, and the sector is
de Hortaliças, existem tipos de verduras, frutas e legu- keeping a close watch on it and
mes de menor tamanho, e boa qualidade, que podem
ser comercializados com preços mais baratos no varejo.
trying to correspond with the
Conforme Lemos, “via de regra, os supermercados co- required adjustments
locam à venda os maiores, que, muitas vezes, também
são mais caros”. Por isso, defende a opção de compra
para esta faixa de consumidores, por meio do incentivo
às feiras livres, o que incrementaria o consumo.

30
Under the influence of consumer new hybrid seed, with varieties geneti- posed to justify the development of vegeta-
preferences, horticulture has offered a cally enhanced, of unusual colors and ble varieties with smaller fruits and leaves.
variety of options over the past years, shapes. The subject was emphasized in a On the other hand, according to mar-
with the purpose of retaining and ex- report by the Brazilian Micro and Small ket research conducted by agronomist Her-
panding demand for its products. Recent Business Support Service (Sebrae), citing berth Costa, of Embrapa Vegetables, at the
events staged by the sector have strongly striped and flat eggplant; tomatoes with distribution centers in São Paulo, Brasília
focused on this aspect in evaluating the a shade of orange, green and yellow; and Fortaleza, there is still room for “large
horticulture market. In particular, the squash with the appearance of a ba- size watermelons, to the detriment of
market is pointing to previously offered nana, small pumpkin and mini carrots. smaller fruits, as the latter are associated
alternatives and opportunities in the In terms of popularity among consum- with a high frequency of immature fruit”.
form of items of different sizes, like small ers, the analysis concluded that “nowa- Likewise, among the analyzed products,
ones or industrialized vegetables. days, due to social changes, including the large size green pepper and medium
During the past Hortitec, held in June smaller families and new purchasing hab- size red pepper are now highly valued.
2012, in Holambra (SP), several seed its, an unusually big product might not
companies presented investments in translate into good business”. This is sup-

POPULARITY ON THE RISE As a matter of fact, Among the poor, where there is large scale consumption, in the
there is market for a variety of options and, within this context, veg- opinion of Waldir de Lemos, president of the Association of Producers
etables that are gaining momentum are the ones known as “mini” and and Users of Ceasa Grande Rio (Acegri) and of the Vegetables Sectoral
“baby”, which include mini tomatoes, carrots, lettuce and baby leaf veg- Chamber, there are types of vegetables, fruits and legumes of smaller
etables. The subject was the focus of a symposium conducted by the Luiz size, and of good quality, which normally sell for lower retail prices.
de Queiroz College of Agriculture (Esalq), of the University of São Paulo According to Lemos, “in general, supermarkets sell mostly bigger
(USP), in November 2012. At the event, it was emphasized that these vegetables and more expensive ones”. That is why he advocates bet-
products are highly valued and that their market, although still small, ter purchasing options for this class of consumers, like, for example,
is on an uptrend, especially among low income consumers. street fairs, which would boost consumption.

More options
in smaller
sizes and
processed items
are gaining
momentum
31
Inor Ag. Assmann

32
Poder
de compra
Nichos de mercado para produtos diferenciados e
que aumentem a praticidade no consumo sinalizam
com renda extra em toda a cadeia

O fator renda, que aumentou no Brasil julho de 2012, em Salvador, na Bahia. Para

Inor Ag. Assmann


já desde 1994, em virtude da estabilização Warley Nascimento, pesquisador e chefe-
econômica, melhorando o poder aquisitivo -adjunto de Transferência de Tecnologia
da classe média, foi determinante para um da Embrapa Hortaliças, este é “um grande
maior consumo de hortaliças processadas. desafio para as áreas de produção, proces-
“Isso abre uma larga avenida de oportunida- samento e pesquisa no Brasil”.
des para a olericultura brasileira”, afirma Pau- Entre os projetos de pesquisas já voltados
lo Eduardo de Melo, da Embrapa Estudos e à área, Warley cita ervilha, milho doce e toma-
Capacitação, sediada em Brasília (DF). te indústria, pimentas para conservas e con-
Além de itens mais tradicionais e enlata- dimento, tecnologia para produção indus-
dos terem maior presença nos lares brasilei- trial de minicenouras e melhoramento em
ros, destaca novos produtos, entre os quais pepino para picles e batata-doce para farinha.
tomates inteiros pelados e pimentas inteiras Nascimento salienta ainda a necessidade
em azeite, hortaliças congeladas de elevado de cada parte atender às exigências quali-
padrão, como ervilhas doces, couve-de-bru- tativas apresentadas. Quanto à ciência de
xelas e floretes de brócolis de cabeça única; alimentos, entende ser preciso agregar mais
e diversos produtos processados de batata, hortaliças com suas variadas formas, cores e
inclusive em mais versões nacionais. sabores, tendo em vista a preocupação de
A agroindustrialização de hortaliças, diversificar a oferta de produtos com maior
sob o ângulo da geração de emprego e qualidade e de fácil preparo. Isto deve re-
de renda, esteve em evidência no 52º sultar, em sua avaliação, também em maior
Congresso Brasileiro de Olericultura, em renda para os produtores.

PARA OS TRÓPICOS O desenvolvimento de variedades e de híbridos para os trópicos, o direcionamento para


aspectos nutricionais e de conservação, e o incremento do consumo integram os desafios para o setor, ressaltou Celso Moretti,
chefe-geral da Embrapa Hortaliças, no 2º Curso de Tecnologia Pós-Colheita, em agosto de 2012, na Embrapa Instrumentação, em
São Carlos, São Paulo. Com a adoção de tecnologias, reforçou o dirigente, o mercado de hortaliças vem se expandindo em novas
fronteiras e em outras áreas, como a médica e de cosméticos.
Neste aspecto, segundo informou, tem-se trabalhado em compostos bioativos e estudos com foco em colesterol, infarto agudo
do miocárdio, estresses oxidativos, hipertensão arterial e diabetes tipo 2. O alto teor de fibras, vitaminas, sais minerais e antioxi-
dantes nas hortaliças vem sendo ressaltado no empenho pelo aumento do seu consumo, onde, diante dos índices ainda baixos
verificados no País, observa-se acentuado potencial de crescimento.

33
Purchasing
Sílvio Ávila

power

34
Market niches for
differentiated products that
make consumption easier are
signaling extra income in the
entire supply chain
The income factor, which has been rising in Brazil since 1994,
by virtue of the economic stability that started improving the pur-
chasing power of the middle class population, was a determining
factor for the soaring consumption of processed vegetables. “This
paves the way for a wide avenue of opportunities for Brazilian
vegetable operations”, says Paulo Eduardo de Melo, of Embrapa
Studies and Capacity Building, based in Brasília (DF).
Besides the increased presence of the usual and traditional
items on the Brazilian dining tables, there are new products com-
ing in, and they include whole tomatoes and peppers preserved in
kitchen oil, high quality frozen vegetables, like sweet peas, Brussels
sprouts, single-head broccoli; and several potato-based processed
products, including national versions.
Vegetable agroindustrialization operations, from a job and in-
come generating viewpoint, was highlighted in the 52nd Brazilian
Olericulture Congress, in Salvador, State of Bahia, in July 2012.
Warley Nascimento, researcher and assistant chief of Embrapa
Vegetables Technology, maintains that “this is a big challenge for
the areas of production, processing and research in Brazil”.
Among the research projects already geared towards the area,
Warley cites peas, sweet corn and industrial tomato, peppers for
preserves and spices, technology focused on the industrial produc-
tion of mini carrots, improvement of cucumbers for pickles and
sweet potatoes for flour.
Nascimento also stresses the need for all parties to comply with
qualitative requirements. Regarding the matter of food science, he un-
derstands that it is necessary to include more vegetables in a variety
of shapes, colors and flavors, in view of the concern about diversify-
ing the supply of quality items that are easy to prepare. This should
result into higher profits for the farmers, he understands.

FOR THE TROPICS The development of varieties and hybrids for the tropics, specifically oriented towards nutritional
aspects, preservation purposes and higher consumption, are all challenges of the sector, commented Celso Moretti, head of Embrapa
Vegetables, in the 2nd Post-Harvest Technology Course, in August 2012, at Embrapa Instrumentation, in São Carlos, São Paulo. With the
introduction of technologies, the official insisted, the vegetables market has been conquering new frontiers and working its way into
such distinct areas as medicine and cosmetics.
Within this context, he informed, work has been done on bioactive compounds and studies focused on cholesterol, acute myocardial
conditions, oxidative stresses, high blood pressure and type 2 diabetes. The high content of vitamins, mineral salts, fibers and antioxi-
dants found in vegetables have been constantly mentioned in all attempts to make people consume more salads and legumes. The low
consumption levels across the Country suggest there is room for much growth on that score.

35
Inor Ag. Assmann

curvas
no caminho

36
Exportações do setor permanecem em nível pouco
expressivo, enquanto o volume de produtos
adquiridos do exterior é três vezes maior

O mercado externo ainda é um espaço Depois de pequeno acréscimo em 2011, entre os exportados, o melão, também
a ser conquistado na área da horticultura o total exportado de diversos produtos hor- relacionado entre as frutas, sendo inclusi-
brasileira. As vendas têm se mantido no pa- tícolas em 2012 voltou a registrar redução. ve o campeão nas vendas externas deste
tamar de 260 mil toneladas anuais, que so- Mesmo computando-se neste ano farinha e setor. A exportação da fruta olerácea, cuja
mam apenas pouco mais de 1% do total da fécula de mandioca (mais de 8,9 mil tonela- produção se destaca no Nordeste brasi-
produção, caso se leve em conta o último das), o índice ainda se apresenta negativo em leiro, cresceu 7,19% em volume e 4,49%
volume levantado (de 19,2 milhões de to- relação ao anterior, na ordem de -3,35%. A em receita em 2012. Representando qua-
neladas, em 2011), ou bem menos ainda se quantidade vendida ficou em 259,8 mil to- se 70% do total destinado ao exterior no
for incluída a forte cultura da mandioca. En- neladas e o valor obtido nas transações, em segmento, os 181,7 milhões de toneladas
quanto isso, as importações são três vezes US$ 223,8 milhões. Esse montante também de melão vendidos neste ano ainda ficam
superiores, e seus números também não se se mostra um pouco abaixo do que foi al- aquém das mais de 210 milhões de tonela-
alteram muito. Apenas o principal produto cançado na temporada anterior, quando se das embarcadas em 2008, quando se insta-
importado, a batata inglesa, mais de 90% na apurou US$ 226,7 milhões. lou a crise econômica na Europa, principal
forma de “preparada”, representa quantida- O resultado ocorre mesmo que tenha comprador. Por isso, os exportadores já es-
de próxima à exportação geral do setor. havido acréscimo no produto de destaque tão buscando novos mercados.

DE PESO Outra frutácea ocupa o segundo lugar nas lista de olerícolas exportadas: a melancia, que se destaca na produção, com
mais de 2,2 milhões de toneladas, a partir do Rio Grande do Sul e em todo País. Para a venda externa, foram direcionadas 33,5 mil tonela-
das em 2012, o que significou crescimento de 14,53%. Em termos de receita, o aumento foi ainda maior: de 22,36%, chegando próximo
a US$ 17 milhões. Por outro lado, produtos hortícolas que têm presença na exportação apresentaram desempenho mais fraco em 2012.
É o caso do gengibre, que aparecia em 2011 com 6,6 mil toneladas e em 2012 registrou menos de 20 toneladas, sendo inserido dentro
do conjunto de condimentos e temperos. O milho-doce, que sempre é saliente nas vendas externas, desta vez apresentou movimento
diminuído em 4 mil toneladas. Da mesma forma, hortaliças que sobressaem entre as importadas, mas também são exportadas, reduziram
no exercício passado a sua participação nas saídas. A cebola, que teve 14 mil toneladas destinadas ao exterior em 2011, retraiu este volume
para 300 toneladas em 2012, enquanto a batata inglesa e o tomate tiveram, cada qual, envios menores, na ordem de 2,5 mil toneladas.

decréscimo (-4%) no ingresso de produção externa.


COM MUITOS SOTAQUES O valor gasto também caiu um pouco, situando-se em US$
793,7 milhões, mas ainda expressivo. Entre os itens de peso nas
O expressivo ingresso no mercado brasileiro de produtos da hor- hortaliças importadas que tiveram menor compra externa em 2012
ticultura de outros países, por sua vez, não mostra grandes mudanças, estão a cebola e o alho, respectivamente com 15 mil e 6 mil tone-
a começar pelo primeiro da relação, a batata inglesa. Sua importação ladas a menos. Igualmente nas ervilhas, que estão na quarta posi-
em 2012 ficou praticamente no mesmo volume do ano anterior, ou ção neste ranking, reduziu-se a aquisição em 2 mil toneladas. Já
seja, de 252,7 mil toneladas. No total de hortaliças compradas do ex- os tomates, que vêm logo a seguir, registram acréscimo de 5,6 mil
terior, chega-se a 782 mil toneladas, ultrapassando inclusive o núme- toneladas na compra do exterior, de modo que as modificações no
ro anterior levantado (772 mil toneladas). No atual cômputo foram quadro não chegam a ser tão representativas. Por outro lado, o sinal
incluídas mandioca e lentilhas, não devidamente consideradas antes, positivo é de que já no ano anterior havia-se reduzido a importação,
de modo que, se permanecessem excluídas, teria havido pequeno o que pode sinalizar para tendência favorável ao setor.

37
WINDING
Inor Ag. Assmann

ROAD
Exports of the
sector are still
lagging behind,
while three times
as many products
are brought in
from abroad

The foreign market has not yet been conquered by the Brazil- melons sold over the year lag behind the 210 million tons shipped
ian horticulture segment. Sales have remained at only 260 thou- abroad in 2088, when the economic downturn started in Europe,
sand tons a year, representing just a little more than 1% of the a major buyer. This is why exporters are seeking new markets.
total production, if we consider the latest survey (19.2 million
tons in 2011), or even much less if cassava is included. In the WEIGHTY Another fruit that ranks second in shipments
meantime, imports are three times bigger, and their figures have abroad is the watermelon, with production volumes that amount
not been changing much. Only the most imported product, Irish to 2.2 million tons, grown in the state of Rio Grande do Sul and
potatoes, upwards of 90% ‘prepared’, represents an amount very throughout the entire Country. In 2012, 33.5 thousand tons were
similar to the general exports of the sector. shipped abroad, up 14.53% from the previous year. In terms of rev-
After a slight increase in 2011, total exports of several Brazil- enue, there was an even larger increase: 22.36%, amounting to
ian products receded again. Although factoring in cassava flour almost US$ 17 million. On the other hand, horticulture products
and starch (more than 8.9 thousand tons), the amount is still on the export agenda had a weaker performance in 2012.
down 3.35% from the previous year. Shipments abroad amount- It is the case of common ginger, which belongs to the group of
ed to 259.8 thousand tons, whilst revenue from the transactions seasonings and spices, with 6.6 thousand tons exported in 2011
amounted to US$ 223.8 million. This total is also lower compared and only 20 tons in 2012. Sweet corn, always predominant in
foreign sales, this time registered a decrease of 4 thousand tons.
to the previous year, when revenue reached US$ 226.7 million.
Likewise, vegetables that predominate among imported prod-
This result was obtained in spite of the shipment of bigger
ucts, but are also exported, had a weaker performance in last
volumes of melons, the flagship product among all exports, and year’s businesses abroad. The onion, with 14 thousand tons
leader in foreign sales in the category of fruits. Shipments abroad shipped abroad in 2011, reached only a volume of 300 tons in
of this fruit, mostly produced in the Northeast, were up 7.19% in 2012, while Irish potatoes and tomatoes equally shipped smaller
volume and 4.49% in revenue, in 2012. Representing almost 70% volumes abroad, about 2.5 thousand tons.
of the total destined for foreign markets, the 181.7 million tons of

38
PARA O MUNDO | to the world
Exportações de hortaliças - 2012

Produto US$ Kg
Melão 134.114.090 181.767.594
Melancia 16.979.924 33.543.998
Mandioca 8.019.283 8.920.983
Milho-doce 10.046.584 8.743.201
Tomate 8.229.565 6.068.319
Ervilha 4.847.429 5.602.577
Condim./temperos 10.220.271 3.252.560
Batata-doce 1.812.538 2.811.180
Batata-inglesa 1.670.666 1.114.079
Mostarda 571.022 571.779
Cenoura/nabo 115.473 314.033
Cebola 255.094 304.794
Sementes diversas 14.531.924 299.578
Morango 622.233 128.108
Beterraba 296.325 125.414
Outros 11.497.596 6.238.031
Total 223.830.017 259.806.228
Fonte: MDIC/Aliceweb
Elaboração: Anuário Brasileiro de Hortaliças

DIFFERENT ACCENTS DE CHEGADA | of arrival


Importação de hortaliças - 2012
Expressive purchases of horticulture products from other coun-
tries have equally shown few changes, starting with the first on the Produto US$ Kg
Batata-inglesa 257.387.150 252.739.583
list, Irish potatoes. Imports of potatoes in 2012 remained on a par
Cebola 68.112.012 183.239.869
with the previous year, that is to say, 252.7 thousand tons. The total
Alho 189.528.061 159.172.453
amount of vegetables purchased abroad reaches 782 thousand tons,
Ervilha 26.569.116 45.304.910
outstripping the previous number (772 thousand tons). The present es-
Tomate 38.404.484 41.726.088
timation includes cassava, lentils, not duly taken into consideration
Mandioca 6.682.372 27.388.528
before, so that, if they remained excluded, a small decrease would
Lentilha 10.105.720 13.445.749
have taken place (-4%) in the entrance of vegetables from abroad.
Grão-de-bico 9.474.220 7.326.678
Values spent on foreign purchases went down slightly, too, reach- Cogumelo/trufa 19.079.165 7.164.382
ing US$ 793.7 million, but still expressive. Among the relevant items Condim./temperos 24.360.938 5.892.097
that were imported, the least purchased ones in 2012 include onions Sementes diversas 75.009.980 4.512.803
and garlic, respectively with a reduction of 15 thousand and 6 thou- Morango 6.884.747 4.115.517
sand tons. With regard to lentils, which rank fourth on that score, Mostarda 4.416.850 2.694.289
there was a reduction of 2 thousand tons in imports. Tomatoes come Aspargo 6.053.836 2.259.048
next and purchases from abroad were up 5.6 thousand tons from Milho-doce 2.783.331 1.681.453
the previous year, leading to the conclusion that the changes in the Outros 48.899.390 23.617.478
Picture are not much representative. On the other hand, the positive Total 793.751.372 782.280.925
sign is that imports had already been decreased in the previous year, Fonte: MDIC/Aliceweb
which could signal a favorable trend to the sector. Elaboração: Anuário Brasileiro de Hortaliças

39
Sílvio Ávila

A ordem é
revitalizar
Plano Nacional de Abastecimento (PNA) propõe a
criação de órgão federal para articular ações
das centrais atacadistas que atuam no setor
A construção de uma nova etapa, de re- sentação do plano, com base no diagnósti- secretaria nacional vinculada ao Mapa para
vitalização e de fortalecimento das centrais co feito em 2009 pela Companhia Nacional gerir a política do setor, em parceria com o
de abastecimento no País, está em curso. de Abastecimento (Conab), reúne 72 entre- Programa Brasileiro de Modernização do
Responsáveis pela movimentação atacadista postos públicos, 11 mil empresas, 22 mil Mercado Hortigranjeiro (Prohort), da Co-
de grande parte das hortaliças consumidas produtores e, segundo dados de 2011, mo- nab, no mesmo ministério. Paralelamente,
no Brasil, essas unidades são o foco direto vimentou 18 milhões de toneladas de pro- estabelece um conjunto de ações governa-
do Plano Nacional de Abastecimento (PNA), dutos e R$ 2,1 bilhões em recursos. A partir mentais a serem adotadas visando à promo-
apresentado em 2012 pela Associação Bra- da década de 1980, houve desagregação do ção e ao desenvolvimento da área. O assun-
sileira das Centrais de Abastecimento (Abra- sistema nacional, criado na área, no decênio to está sendo tratado de perto por grupo
cen) ao Ministério da Agricultura, Pecuária e anterior. Com isso, nas centrais hoje existen- de trabalho instituído pelo então ministro
Abastecimento (Mapa). Entre diversos pon- tes passaram a predominar os mais diversos da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, por
tos específicos, propõe-se basicamente criar modelos societários, iniciativas isoladas e meio da Portaria nº 1.037, de 9 novembro
um órgão capaz de articular nacionalmente normas regionais, justificando a proposta de 2012. O novo ministro, Antônio Andra-
as ações das chamadas Ceasas e uma diretriz de diretrizes coordenadas em nível nacional. de, que como deputado federal relatou o
macroestratégica para o setor. O PNA, elaborado em parceria por Cea- projeto do PNA, disse que vai reforçar ainda
Este, conforme foi salientado na apre- sas de todo o País, prevê a criação de uma mais a atenção ao abastecimento.

40
Revitalization is
what matters
National Supply Plan (PNA) proposes the creation
of a federal organ to articulate the actions of the
wholesale centers that operate in the sector
The construction of a new step, geared plan was introduced, based on the diagnosis ation of a national secretariat linked with
toward strengthening and revitalizing the conducted in 2009 by the National Supply the Mapa for governing the policies of the
distribution centers across the Country, is now Company (Conab), comprises 72 public dis- sector, jointly with the Brazilian Program
underway. Responsible for all wholesale opera- tribution centers, 11 thousand companies, 22 for the Modernization of the Brazilian Hor-
tions of a huge part of all vegetables consumed thousand farmers and, from data released ticulture Market (Prohort), of Conab, in the
in Brazil, these units are the direct focus of the in 2011, involves 18 million tons of products same ministry. At the same time, it sets forth
National Supply Plan (NSP), presented last and revenue of R$ 2.1 billion. From the 1980s a set of government actions to be adopted
August by the Brazilian Association of Distri- onward, the national system, created in the with an eye towards the development of the
bution Centers (Abracen) to the Ministry of Ag- previous decade, was disrupted. This gave rise area. The subject is now being dealt with by
riculture, Livestock and Food Supply (MAPA). to an array of different socio-oriented models a working group instituted by the then Min-
Among several specific points, the basic propo- in the distribution centers in operation now, ister of Agriculture Mendes Ribeiro Filho,
sition is the creation of an organ capable of along with isolated initiatives and regional through Decree nº 1.037, of November 9,
articulating, at national level, all actions of the standards, a fact that justifies the proposal for 2012. New minister Antônio Andrade who,
so-called Ceasas, and the creation of a micro- directives coordinated at national level. as federal deputy, was the rapporteur of the
strategic directive for the sector. The NSP, elaborated jointly by all Ceasas PNA project, said he would further strength-
The latter, as stressed at the moment the throughout the Country, sets forth the cre- en his focus on the question of supply.

41
A volta por cima
Programa para recuperar a
estrutura física e modernizar
as centrais de abastecimento
está entre as metas do PNA,
recentemente apresentado
Entre as propostas específicas relacionadas no Plano Nacional
de Abastecimento (PNA), mencionado na matéria anterior, destaca-
-se a implantação do Programa de Recuperação das Centrais de
Abastecimento (Receasa). A preocupação é atualizar a estrutura físi-
ca construída a fim de atender demandas, ainda da década de 1960.
Busca-se financiamento para a transformação dos entrepostos em
centros eficientes de distribuição dos produtos e em centros de in-
formação, desenvolvimento, capacitação, controle de qualidade e
de apoio ao pequeno produtor, ao pequeno varejo e ao pequeno
serviço de alimentação, eliminando distorções.
Na avaliação de João Alberto Paixão Lages, presidente da Ce-
asa Minas, trata-se de grande oportunidade para revitalização
das centrais de abastecimento. Caio Rocha, secretário de Política
Agrícola do Mapa, por sua vez, destaca o diferencial evolutivo re-
presentado pelo Receasa e pelo novo modelo de funcionamento,
mais articulado e eficiente, projetado pelas demandas do PNA na
regionalização do abastecimento.
De acordo com o plano, a adoção de uma linguagem comum de
qualidade, baseada em normas de classificação e de rastreabilidade,
surge como solução para aumento da transparência e confiabilidade
na comercialização. Na mesma linha, apresentam-se as ideias de um
guia de boas práticas e um selo de qualidade, adequação das emba-
Inor Ag. Assmann

lagens e bancos de caixas para diminuir perdas, criação de serviço


nacional de assistência técnica, para garantir competitividade aos agri-
cultores familiares, e cadastramento nacional dos produtores.

INFORMAÇÃO A ampliação da informação está em evidência ainda no desenvolvimento do Índice Geral de Preços de
Hortigranjeiros no âmbito do mercado atacadista (IGP-Hort Brasil) e na adoção do Sistema de Informações de Mercados de Abaste-
cimento do Brasil (Simab), do Prohort. Ressalta-se igualmente a projetada operacionalização de uma Universidade Corporativa do
Sistema de Centrais de Abastecimento (Uniceasas), para oferecer cursos aos agentes do setor.
Ademais, a promoção da segurança alimentar e nutricional mostra-se com força nas propostas, particularmente por meio de Ban-
cos de Alimentos, assim como a preocupação com a gestão ambiental no abastecimento alimentar. E, mesmo se tratando de um plano
gestado numa área mais voltada ao atacado, não se esqueceu de chamar atenção para a necessária valorização e para o fortalecimento
dos importantes mercados municipais e das feiras livres, visando a oferta de produtos hortigranjeiros locais e qualificados de uma
forma acessível à população.

42
A successful
recovery
Program intended to recover
the physical structure and
modernize the distribution
centers is one of the PNA
targets, recently presented
Among the specific proposals related to the National Supply Pro-
gram (PNA, in the Portuguese acronym), mentioned in the previous
article, the highlight is the implementation of the Distribution Centers
Recovery Plan (Receasa). The idea is to upgrade the physical structure
that was built in the 1960s, fulfilling the specific demands of that time.
Now financing schemes are sought to transform the supply stations
into efficient product distribution warehouses and into centers fo-
cused on information needs, development, capacity building, qual-
ity control and support to small-scale farmers, small retailers and to
small food services, with the elimination of all possible distortions.
João Alberto Paixão Lages, president of Ceasa Minas, main-
tains that it is an excellent opportunity for revitalizing all dis-
tribution centers. Caio Rocha, secretary of Mapa’s Agricultural
Policy Division, in turn, highlights the evolving side represented
by the Receasa and by the new functioning model, which is more
efficient, more articulated, projected in compliance with the PNA
demands geared towards regional supply systems.
According to the plan, the adoption of a common language in terms of
quality, based on grading and traceability standards, comes as a solution
to more transparency and reliability in all trading operations. Within this
context, there are ideas about a best practices guide and a quality label,
adjustment of all packaging and box systems for waste reduction, the cre-
ation of a national technical assistance service, so as to make the family
farmers more competitive, and a national register of all farmers.

INFORMATION A broader range of information is clearly stated in the development of the General Price Index of all
Horticulture products in the realm of the wholesale market (IGP-Hort Brasil) and in the introduction of the Information System
of the Brazilian Supply Markets (Simab), of Prohort. What is also highlighted is the projected operation-oriented Corporate Uni-
versity of the Distribution Centers System (Uniceasas), which is supposed to offer courses to sector agents.
Furthermore, the promotion of food and nutritional safety is vitally present in all proposals, particularly through Food
Supplying Stations, without overlooking the environmental question in all food supplying moves. And, although being a plan
deeply based on the wholesale market, it did not fail to point to the necessary value and the strength of important munici-
pal markets and street fairs, aimed at providing for locally produced horticultural products, and graded in manner easily
understood by the local people.

43
Sílvio Ávila

Um mutirão
em favor
44
da saúde
Ibrahort e centrais de abastecimento defendem
maior valorização e maior inserção de produtos
naturais na alimentação dos brasileiros

A presença de possa acelerar esta caminhada”, diz Lu- “Consuma hortaliças diariamente. Sua
hortaliças e de ou- ciano Vilela, representante do Instituto saúde agradece”. Pretendem intensificar
tros produtos na- Brasileiro de Horticultura (Ibrahort) na seu uso durante o ano de 2013, ao lado
turais na mesa dos coordenação e presidente da Associação da ação nas Ceasas. Na Companhia de
brasileiros ainda dos Empresários da Ceasa-DF, em Bra- Entrepostos e Armazéns Gerais de São
está longe daquilo sília. Na capital federal, a campanha foi Paulo (Ceagesp), principal elo na cadeia
que se preconiza lançada em março de 2013, em reunião de abastecimento de produtos hortícolas
para uma alimen- da Associação Brasileira das Centrais de no País, por sua vez, já está em andamen-
tação saudável. De Abastecimento (Abracen). to o Programa de Incentivo à Alimentação
acordo com a Organiza- No final de 2012, o tema foi destaca- Saudável, alinhado à Política Nacional de
ção Mundial da Saúde do no encontro da entidade realizado em Segurança Alimentar e Nutricional.
(OMS), o ideal seria que Porto Alegre (RS). Assim, todas as unida- A campanha nacional busca realizar
cada pessoa consumisse 400 des integradas (em torno de 50 das 72 atividades educativas integradas e interse-
gramas diárias de frutas, legumes e ver- existentes) deverão fazer lançamentos toriais de incentivo ao aumento no con-
duras (FLV ), mas este número ainda fica locais. Além da Abracen e do Ibrahort, o sumo de frutas e hortaliças, destinadas ao
em cerca de 150 gramas no Brasil. Essa grupo de trabalho inclui os ministérios público interno e externo das Ceasas do
constatação é o grande mote da campa- da Educação, Saúde, Desenvolvimento País. Na primeira etapa, a meta é sensibi-
nha que está sendo implementada junto Social e Combate à Fome; e Agricultura, lizar os agentes diretos, como “produto-
às centrais de abastecimento (Ceasas) no Pecuária e Abastecimento (Mapa), além res e vendedores de saúde”, reforçando
País para incentivar o consumo. da Companhia Nacional de Abastecimen- boas práticas, uso correto de embalagens
“Temos um longo caminho a percor- to (Conab). e rastreabilidade. No momento seguinte,
rer até atingir o ideal recomendado e a O Ibrahort e o Mapa já haviam divul- deverão ser atingidos os consumidores
iniciativa quer contribuir para que se gado em 2012 material com o slogan em geral, por diversos meios.
Sílvio Ávila

CONTRA O SOBREPESO Todas as ações buscam – além de, na-


turalmente, incrementar o negócio – enfrentar problemas detectados na alimenta-
ção dos brasileiros. Conforme dados mostrados pela campanha, o excesso de peso
avançou assustadoramente na população brasileira, passando de 18,5% para 50,1%
entre os homens e de 28,7% para 48% nas mulheres, entre 1970 e 2009. Enquanto
isso, paralelamente, ocorreu redução no consumo de alimentos básicos e maior
participação de alimentos ultraprocessados.
Na justificativa, o projeto paulista lembra que, nos últimos tempos, em função das ino-
vações tecnológicas, as pessoas alteraram o modo como se alimentam, diminuindo signi-
ficativamente o consumo de produtos in natura e aumentando o de produtos industriali-
zados, com alto nível de conservantes e gorduras. Chama atenção a grande disponibilidade
de itens com alto valor calórico, baixo índice nutricional e pouca diversidade de alimentos.
Por isso, assume maior importância a execução de políticas públicas que promovam a
alimentação saudável, diretriz do próprio Ministério da Saúde. A pouca ingestão de frutas
e de hortaliças está entre os fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis,
como obesidade, câncer, diabetes e enfermidades cardiovasculares. Desta forma, as ações
auxiliam na prevenção, ao proporcionar que maior diversidade de alimentos, com quali-
dade nutricional, chegue à mesa da população.

45
Sílvio Ávila

46
Health-oriented
joint efforts
Ibrahort and food distribution centers
advocate the insertion of more natural
products in Brazilian dietary habits

The presence of vegetables and other Association, based in Brasília. In the fed- their campaign over 2013, jointly with all
natural products on the Brazilian dining eral capital the campaign was launched in Ceasas. The São Paulo General Warehous-
tables is lagging far behind of what is sup- March 2013, at a meeting of the Brazilian As- ing and Centers Company (Ceagesp), ma-
posed to be a healthy diet. According to the sociation of Distribution Centers (Abracen). jor link in the supply chain of horticultural
World Health Organization (WHO), ideally, In late 2012, the matter was highlighted products throughout the Country, has in
every person should eat at least 400 grams at the meeting of the entity held in Porto turn launched the Healthy Eating Incentive
of fruit, salads and legumes a day, but this Alegre (RS). Within this context, all integrat- Program, in line with the National Healthy
amount remains at 150 grams in Brazil. This ed units (some 50 of the 72 existing ones) Food and Nutritional Program.
ascertainment is the driving force behind should launch the campaign locally. Besides The nationwide campaign seeks to con-
the campaign now being implemented at Abracen and Ibrahort, the working group duct integrated and inter-sectoral educa-
the distribution centers (Ceasas) in Brazil, includes the Ministries of Education, Health, tional campaigns encouraging the consump-
aimed at encouraging fruit consumption. Social Development and Hunger Fighting; tion of fruit and vegetables, destined for the
“We still have a long way to go until we Ministry of Agriculture, Livestock and Food internal and external public of all Ceasas in
achieve the target and our initiative intends Supply (MAPA), and the National Supply Brazil. During the first stage, the target is to
to speed up this journey”, says Luciano Company (Conab). turn all direct agents into “health promoters
Vilela, representative of the Brazilian Hor- In 2012, both Ibrahort and Mapa had and campaigners”, strengthening best prac-
ticulture Institute (Ibrahort) and member of published material under the slogan “Eat tices, correct use of containers and traceabil-
the coordinating group, and also president vegetables every day. Your health will be ity. At a second moment, all consumers are
of the Federal District Ceasa Entrepreneurs’ thankful”. Their intention is to intensify to be reached, through different approaches.

AGAINST OBESITY Besides boosting businesses, all initiatives seek to fight the problems detected in Brazilian eating hab-
its. According to data released by the campaign, obesity has been making strides among Brazilian people, jumping from 18.5% to 50.1%
among males and from 28.7% to 48% among the women, from 1970 to 2009. In the meantime, and simultaneously, what occurred was a
reduction in the consumption of basic staples, and a higher share of ultra-processed foods.
What justifies the São Paulo project is the fact that, over the past years, by virtue of an array of technological innovations, people have
altered their dietary habits, with a considerable reduction in the consumption of fresh produce and, in turn, more consumption of indus-
trialized products, with high contents of fat and additives. What captures the attention is the availability of huge amounts of high-calorie
items, low nutritional value and little diversity of foods.
To this end, public policies geared towards healthy diets are of vital importance, which is in fact a directive of the Ministry of Health.
Insufficient consumption of fruits and vegetables is seen as a risk factor for non-transmissible chronic diseases, like cancer, obesity, diabe-
tes and cardiovascular conditions. Therefore, the above mentioned initiatives help ward off these diseases by providing the dinner tables
with diversified food staples, of high nutritional quality.

47
Lição de casa
Sílvio Ávila

48
Público infantil é alvo de estratégias de incentivo
ao consumo de hortaliças, com almanaque
desenvolvido pela Embrapa, que atua na área
O esforço para melhorar o consumo de Embrapa & Escola, o almanaque desperta tivas pelo País, como aconteceu com o Pro-
hortaliças no País tem um dos focos dire- grande interesse entre os pequenos. jeto Hortas Escolares, desenvolvido durante
cionado ao segmento infantil. É nessa fase A Companhia de Entrepostos e Arma- vários anos por meio do jornal Gazeta do
que se formam hábitos alimentares e até zéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), por Sul, de Santa Cruz do Sul (RS), e da Souza
mesmo se influencia os adultos na compra sua vez,desenvolve desde o biênio 2009/10 Cruz, no Sul do Brasil.
de alimentos. Muitas iniciativas são volta- projetos como HortiEscolha e Escola do A preocupação com a alimentação
das a esse público, como o programa Em- Sabor, voltadas ao meio educacional. O pri- saudável em ambiente educacional tem
brapa & Escola e o projeto “Estratégias de meiro, em parceria com a Escola Superior amparo legal. A lei federal nº 11.947/2009
comunicação como ferramenta de incenti- de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da estimula o uso de produtos agrícolas na
vo ao consumo de hortaliças pelo público Universidade de São Paulo (USP), e com a alimentação oferecida em escolas. O texto
infantil”, da Embrapa Hortaliças, sediada Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado prevê o direcionamento de pelo menos
em Brasília (DF). (Fapesp), apoia a escolha de frutas e de hor- 30% dos recursos do Fundo Nacional de
A unidade criou o almanaque Horta taliças frescas na alimentação escolar. Desenvolvimento da Educação (FNDE)
& Liça, que já está em sua terceira edição, O segundo, em escala piloto na Asso- para aquisição de produtos da agricultura
onde apresenta histórias em quadrinhos e ciação de Apoio à Infância e à Adolescência familiar, a serem usados na merenda esco-
passatempos que ressaltam as vantagens de Nossa Turma, nas dependências da Cea- lar. Aliado ao Programa de Aquisição de Ali-
uma alimentação saudável, de forma lúdica gesp, realiza atividades de estímulo à mu- mentos (PAA), da Companhia Nacional de
e atrativa. A publicação é distribuída entre dança de hábitos alimentares. Conseguiu Abastecimento (Conab), que já atinge 1.180
as escolas e as crianças que visitam a em- ampliar o consumo de produtos como municípios e prioriza hortigranjeiros, possi-
presa de pesquisa, como aconteceu com mandioca, batata-doce, beterraba, chuchu, bilita acesso de mais crianças a estes produ-
1.300 alunos em 2012. De acordo com Oré- goiaba, acelga e berinjela. Tais objetivos tos, como confirmam vendas intermediadas
bio de Oliveira, responsável pelo programa também foram alcançados em outras inicia- pela Ceasa Regional em Santa Cruz do Sul.

NA REDE
Sílvio Ávila

Ainda por meio da Embrapa Hortaliças, o consumo de hortigranjeiros tem sido


estimulado desde 1999 em projeto que associa a redução do desperdício. Uma série
de cartilhas resultou no livro “50 Hortaliças – Como comprar, conservar e consumir”,
com dicas que hoje estão inseridas também no site “Hortaliças na Web”, lançado re-
centemente pela empresa.
Além da seção “50 Hortaliças”, há outros cinco espaços nesta ferramenta destina-
dos a informações com 150 receitas para todas as refeições, melhor escolha, aprovei-
tamento e acondicionamento dos produtos, e sobre a importância de consumir hor-
taliças diariamente. Conforme a engenheira agrônoma Milza M. Lana, pesquisadora
da Embrapa Hortaliças, o objetivo é “contribuir para o aumento do consumo, com
diversas opções de preparo, nutritivas, práticas e baratas”.
No material, é lembrada a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS)
de que uma pessoa deve ingerir pelo menos três porções de hortaliças por dia (400 g,
incluindo frutas). Hoje, só 18,9% dos brasileiros conseguem cumprir as orientações da
OMS. Já pesquisa da Esalq mostra que a média de consumo nacional de carotenoides,
essenciais para a manutenção da vida, está em 4.117 microgramas por dia, quando
os níveis prudentes de ingestão seriam de 9 mil a 18 mil microgramas. Cita-se como
alimentos ricos na substância tomate e seus derivados, manga, cenoura, acerola, cajá,
goiaba, mamão, abóbora, alface, agrião, couve e milho.

49
Sílvio Ávila

50
Homework
Children are the target of strategies intended to boost
fruit and vegetable consumption, with an almanac
developed by Embrapa, responsible for the area

All efforts towards boosting vegetable con- arouses keen interest among children. tives across the Country. Examples include
sumption in the Country are predominantly Since 2009/10, the São Paulo General the School Vegetable Gardens Project, con-
focused on children. It is during childhood Warehousing and Centers Company (Ce- ducted for years by newspaper Gazeta do
that healthy eating habits are acquired, and agesp) has, in turn, been involved with 10 Sul, in Santa Cruz do Sul (RS), jointly with
children frequently influence adults when it projects, like HortiEscolha and Escola do Souza Cruz, in South Brazil.
comes to buying food items. Lots of initia- Sabor, geared towards educational institu- Concern with healthy eating habits in
tives are geared towards infants, like the tions. The first one, jointly with the Luiz de educational environments relies on legal
project, “Communication strategies as tools Queiroz College of Agriculture (Esalq), of the support. Federal Law nº 11.947/2009 pro-
for encouraging children to consume veg- University of São Paulo (USP), and with the poses the use of farm products in school
etables”, conducted by Embrapa Vegetables, São Paulo Research Foundation (Fapesp), meals. To this end, legislation makes it
based in Brasília (DF). strongly recommending the inclusion of mandatory to destine 30% of the resources
The unit created the Horta & Liça alma- fresh fruit and vegetables in school meals. from the National Education Development
nac, now at its third edition, featuring comic The second, at a pilot phase at the Fund for the acquisition of school meal
strips and pastimes that highlight the benefits Our Group Children and Adolescent Sup- products from small family farmers. In
of healthy eating, in an amusing and attrac- port Association, at the Ceagesp premises, conjunction with the Food Acquisition Pro-
tive manner. The publication is given out to conducts activities intended to encourage gram (FAP), the National Supply Company
schools and children who happen to visit changes in the eating habits. The project (Conab), now including 1,180 municipali-
the research corporation. In 2012, 1,300 stu- has managed to boost the consumption of ties, and giving priority to horticultural
dents visited the research facilities. Accord- cassava, sweet potatoes, beet, chayote, gua- products, a move that is confirmed by sales
ing to Orébio de Oliveira, responsible for the va, chard and eggplant. Similar objectives intermediated by the Regional Food Distri-
Embrapa & School program, the almanac have also been achieved by other initia- bution Center in Santa Cruz do Sul.

ON THE WEB
Embrapa Vegetables has also been stimulating the consumption of vegetables since 2009 through a project associated with waste
reduction. A series of primers gave rise to a book, “50 Vegetables – how to purchase, preserve and consume”, containing tips now posted
on site “Vegetables Web”, recently launched by the company.
Besides the “50 Vegetables” section, the tool features other five spaces that give details about 150 recipes for all meals, best choice, use
and how to condition products and, of course, about the importance of daily intakes of vegetables. According to agronomic engineer
Milza M. Lana, researcher with Embrapa Vegetables, the objective consists in “contributing towards a rise in consumption, with several
nutritional, practical and cheap preparation options”.
The publicity material refers to the recommendations by the World Health Organization ( WHO) that a person should eat at least
three portions of vegetables a day (400 grams, including fruit). Currently, only 18.9% of all Brazilians comply with the WHO recom-
mendations. A survey conducted by Esalq shows that the consumption of carotenes, essential for the body, is something like 4,117 micro-
grams a day, while recommended levels point to 9 to 18 thousand micrograms. Foods laden with this substance include tomatoes and
tomato derivatives, mango, carrot, acerola, cajá, guava, papaya, pumpkin, lettuce, watercress, cabbage and corn.

51
AS principais | Main
Sílvio Ávila

NO mercado
nacional, produto
importado tem
mais de 50% de
participação
52
ALHO | GARLIC

Mostrando
os dentes
Publicação de Instrução Normativa que aprova os
requisitos fitossanitários, em fevereiro de 2013,
deu mais ânimo ao segmento
O Brasil, que já foi responsável por 90% totalizando 26,4 milhões de caixas por ano. mina o produto estrangeiro, lideranças e pro-
do consumo interno de alho, ainda sente os “Nos anos de 1990, o produto nacional dutores acreditam no grande potencial do País
reflexos das importações oriundas da China. atingiu quase que a totalidade da oferta. Po- para retomar o cultivo. Além disso, a atividade
Mesmo assim, o segmento busca soluções e rém, com a abertura de mercado, a impor- agrícola desempenha importante papel social,
alternativas para recuperar a participação no tação cresceu em números assustadores, gerando 10 postos de trabalho a cada hectare
mercado. Hoje, os 10 mil hectares de alho devastando a produção interna”, explica o plantado, sendo quatro diretos e seis indiretos.
plantados no Brasil – divididos em regiões engenheiro agrônomo. “Ou seja, muitos Corsino salienta, entretanto, que, ape-
de Goiás, Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina produtores brasileiros diminuíram a área de sar do potencial para atender à maioria da
e Rio Grande do Sul – representam abasteci- produção e a consequente oferta.” demanda, ou até mesmo à totalidade desta,
mento interno de 33% do consumo de alho De acordo com conjuntura publicada pela a cultura do alho depende basicamente da
total. O restante é importado dos chineses Companhia Nacional de Abastecimento (Co- adoção de políticas públicas de proteção da
(42%) e dos argentinos (25%). nab), o Brasil registrou aumento de 45,6% do produção nacional e de valorização e de-
Conforme Rafael Jorge Corsino, presiden- total de alho importado em outubro de 2012, senvolvimento. “Se a concorrência desleal
te da Associação Nacional dos Produtores de com relação a setembro de 2012, e queda de for banida e a produção nacional valoriza-
Alho (Anapa), são consumidas 2,2 milhões de 20,4% em relação a outubro de 2011. da, nosso setor tende a crescer de forma
caixas de 10 quilos de alho por mês no País, Mesmo diante de um cenário onde predo- mais rápida”, acredita.

QUEBRA-CABEÇAS Em 2012, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção
brasileira de alho foi de 108.393 toneladas. Em relação a 2011, os números sinalizam para decréscimo de 24,35%.
No período, a Associação Nacional dos Produtores de Alho (Anapa) observou melhora significativa do produto nacional. Con-
forme Rafael Corsino, presidente da entidade, diversos fatores levaram a este cenário.
Na temporada 2010/11, a China, principal país exportador mundial e regulador de mercado, registrou a maior safra da história.
Na seguinte, o ciclo 2011/12, registrou diminuição de área de 10%, devido a problemas climáticos. Consequentemente, os asiáticos
produziram 30% a menos de alho, o que equilibrou um pouco a oferta nacional ao longo de 2012.
Já em 2013, os preços praticados têm sido equilibrados e os produtores no Sul, que estão comercializando o alho no início do
ano, se mostram otimistas. Com isso, o panorama deve se manter até julho, afirma Corsino. De julho em diante, o mercado deverá
ser acompanhado com cuidado, pois é quando chegam ao Brasil as importações da nova safra de alho chinês.

53
ALHO | GARLIC

Showing
the cloves
Normative Instruction, published in February
2013, approved phytosanitary requisites and
brought a sigh of relief for the sector

Brazil once produced 90% of the garlic “In the 1990s, the Brazilian crop was of the sector and producers believe in the
consumed in the Country, but still senses the almost big enough to meet domestic de- Country’s huge potential to resume the crop.
ripple effects from imports coming from Chi- mand. However, when globalization set in, Furthermore, agricultural activities play an
na. Nevertheless, the segment is seeking solu- imports began skyrocketing, causing havoc important social role, generating 10 job posi-
tions and alternatives to recover its market to our national crops”, the agronomist ex- tions for every hectare devoted to garlic, four
share. Now, the 10 thousand hectares devot- plains. “In other words, lots of Brazilian direct ones and six indirect jobs.
ed to garlic – split into the regions of Goiás, growers reduced their production areas, Corsino emphasizes, nonetheless, that,
Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina ando with consequent smaller supply”. although boasting the potential to meet
Grande do Sul – represent only 33% of our In accordance with the market scenario almost the total demand of the product, or
total domestic consumption. To make up for published by the National Supply Com- even its entirety, garlic cultivations depend
the shortfall, garlic is imported from China pany (Conab), Brazilian garlic purchases basically on the introduction of public
(42%) and from Argentina (25%). from abroad were up 45.6% from the total policies that protect the national vegetable,
According to Rafael Jorge Corsino, presi- imported in October 2012, compared to besides raising its value and promoting
dent of the National Association of Garlic September 2012, and down 20.4% com- its development. “If unfair competition is
Producers (Anapa), consumption in Brazil pared to October 2011. eliminated and the national crop is given
amounts to 2.2 million 10-kilogram boxes Although facing a scenario where im- its due value, our sector is poised to make
a month, totaling 26.4 million boxes a year. ports from abroad predominate, leaderships strides again”, he believes.

PUZZLE In 2012, from data released by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE), the garlic crop in Brazil
amounted to 108,393 tons. Compared to 2011, the numbers represent a decrease of 24.35%.
During the period, the National Association of Garlic Producers (Anapa) observed a tangible improvement of the national production
volumes, Rafael Corsino, president of the entity, understands that several factors are credited with this scenario.
In the 2010/11 crop year, China, major global exporter and market indicator, registered its largest crop on record. In the following sea-
son, the 2011/12 cycle, the area devoted to garlic was down 10% due to erratic weather conditions. As a result, the Asian giant harvested
a 30-percent smaller crop, which brought national supplies into balance in 2012.
In 2013, prices have suffered only negligible fluctuations and the southern farmers, who sell their crop at the start of the year, are very
optimistic. This signals a similar panorama until July, says Corsino. From July onwards, the market should be followed closely and with
caution, as it is the time when the imports from the newly harvested crop in China are working their way into Brazil.

54
In Brazil, MAIS SEGURO

Inor Ag. Assmann


imported garlic Publicada no Diário Oficial, em 28 de fevereiro de 2013, a
has a 50-percent Instrução Normativa que aprova os requisitos fitossanitários
market share para a importação de bulbos de alho produzidos na China
trouxe alegria ao setor. Com base no documento, o produto
importado deverá estar livre de resíduos vegetais e material
de solo. Resultado de pleito encaminhado em 2006 ao Mi-
nistério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa),
pela Associação Nacional dos Produtores de Alho (Anapa),
a medida deve trazer segurança aos produtores e garantir a
qualidade da produção sem correr riscos.
Até então, todo o alho importado da China ingressava ao
Brasil sem nenhum tipo de controle fitossanitário. Com a pu-
blicação, considerada marco no setor, espera-se diminuir as
possibilidades de contaminação em solo nacional.

POR TODO CANTO | everywhere


Principais regiões produtoras de alho no Brasil

Estado Área Produção Produtividade


(ha) (t) (t/ha)
Bahia 700 8.400 12
Goiás 3.300 59.400 18
Santa Catarina 1.500 15.000 10
Minas Gerais 2.700 48.600 18
Rio Grande do Sul 1.800 18.000 10
Fonte: Anapa.

SAFER
Published in the Government Gazette, on 28th Febru-
ary 2013, Normative Instruction that approves the phyto-
sanitary requisites for importing garlic bulbs produced in
China brought relief to the sector. On the grounds of the
document, imported garlic should be free from vegetable
residues and soil particles. The result of a petition filed
with the Ministry of Agriculture, Livestock and Food Sup-
ply (MAPA), in 2006, by the National Association of Garlic
Producers (Anapa), the measure brings safety to the pro-
ducers and ensures production quality, free from risks.
Up to February 2013, garlic imported from China
was shipped to Brazil without any type of phytosanitary
control. With the publication, seen as a milestone for the
sector, it is hoped that there will be fewer incidences of na-
tional soil contaminations.

55
batata | potato
Inor Ag. Assmann

É batata
Estimativas apontam para acréscimo de
6% na produção da batata, assegurando
o abastecimento de um dos petiscos
prediletos do brasileiro
56
Nada pode ser mais brasileiro do que a milhão de toneladas. Para a segunda e de Economia Agrícola (IEA), mapeia igual-
batata frita, acompanhada de feijão, arroz para a terceira, a previsão de colheita é mente o cultivo da batata. De acordo com
e bife. Mas, além de ter lugar garantido na de 1,031 milhão de toneladas e 914,1 mil ele, a região Sudeste responde por cerca
mesa dos consumidores, nas lavouras de toneladas, respectivamente. de 50% da produção. Já o Sul detém mais
todo o País essa hortaliça garante o susten- Em relação à área a ser colhida, o IBGE de 33% e os estados de Goiás e Bahia regis-
to de milhares de produtores, que abaste- estima 129,9 mil hectares, com aumento de tram 7% e 7,8%, respectivamente.
cem, em parte, o mercado interno. É um 2% em relação a 2012, quando foram cul- O cultivo em território nacional é rea-
petisco de dar água na boca. tivados 127,1 mil hectares. O rendimento lizado em três épocas: 1ª safra, conhecida
Enquanto em 2012 o País registrou médio também deve apresentar variação como a das águas; 2ª safra, ou seca; e 3ª
produção de 3,382 milhões de toneladas positiva, de 3%. Em 2012 foram obtidos safra, de inverno. Somente o primeiro
de batata, em 2013 devem ser colhidas 26,5 quilos por hectare. Em 2013, a expec- período tem participação de 45% no abas-
3,585 milhões de toneladas, segundo tativa é de que sejam atingidos 27,5 kg/ha. tecimento. O Estado de São Paulo é res-
dados do Instituto Brasileiro de Geogra- Em artigo sobre o perfil da olericultura ponsável por cerca de 18,5% da batata pro-
fia e Estatística (IBGE). Do montante, a no Brasil e em São Paulo, o pesquisador duzida no Brasil, sendo o segundo maior
primeira safra tende a representar 1,639 Waldemar Pires de Camargo, do Instituto produtor, atrás apenas de Minas Gerais.

Produtividade e
área a ser colhida
devem apresentar
aumento no Brasil
57
Inor Ag. Assmann

batata | potato

OLHAR REGIONAL
Em todo o Brasil, o plantio de batata
atende às diferentes características e
necessidades da cada região. Segun-
do levantamento de março do Centro
de Estudos Avançados em Economia
Aplicada (Cepea), da Escola Supe-
rior de Agricultura Luiz de Queiroz
(Esalq), o pico da colheita da safra das
águas 2012/13, no Triângulo Mineiro
e no Alto Paranaíba, em Minas Gerais,
deveria ocorrer em março, com as ati-
vidades iniciando-se em janeiro. No
mês, estima-se oferta do equivalente a
aproximadamente 40% da área dessa
região.
Já no Sul de Minas Gerais, o ciclo,
que ocorreu do fim de dezembro até
o início de março, estava praticamen-
te encerrado. Para o plantio, os pro-
dutores mineiros registraram redução
de área próximo de 8%. Para a tem-
porada 2013/14, a expectativa inicial
é de que permaneça no mesmo pata-
mar.
No Paraná, o plantio das secas, que
deveria ter sido encerrado em fevereiro,
acabou se prolongando até março em senhora batata | big potato
Curitiba, São Mateus do Sul, Irati e Pon- safras de batata no brasil
ta Grossa. O atraso nas cidades parana-
enses ocorreu em decorrência das chu- Batata inglesa no Brasil Safra 2012 Safra 2013 *
vas. De acordo com o Cepea, não foram Produção (t) 3.382.363 3.585.214
registrados problemas com doenças nas Área colhida (ha) 127.195 129.903
Rendimento (kg/ha) 26.592 27.599
lavouras. Quanto à área, as quatro cida-
* Estimativa. - Fonte: IBGE
des devem somar 7.207 mil hectares.

58
Potatoes,
please
Estimates point to a 6-percent bigger potato
crop, ensuring a plentiful supply of one of
Brazilian people’s favorite delicacies

There is nothing more Brazilian than third, the forecast is for 1.031 million tons all areas devoted to potatoes. According to
French fries accompanied with rice, beans and 914.1 thousand tons, respectively. him, the Southeast produces about 50% of
and a steak. And, besides being a great With regard to the area to be harvest- the entire national crop. The South is respon-
dish on every dinner table, in the Brazilian ed, IBGE sources refer to 129.9 thousand sible for 33% and the States of Goiás and Ba-
rural setting this vegetable represents the hectares, up 2% from 2012, when the area hia register 7% and 7.8%, respectively.
livelihood of thousands of farmers, who devoted to potatoes reached 127.1 thou- In Brazil, potatoes are grown in three
supply part of the domestic market. It is a sand hectares. On average, yields are also different periods: 1st crop, known as the
mouth watering delicacy. supposed to increase by 3%. In 2012, per- water crop; 2nd, or dry crop; and 3rd, the
While in 2012 the Country harvested hectare productivity rates reached 26.5 winter crop.
3.382 million tons of potatoes, in 2013 the thousand kilograms. For 2013, the expecta- The share of the first period alone rep-
crop is estimated at 3.585 million tons, ac- tion is for 27.5 thousand kg/ha. resents 45% of the entire annual volumes.
cording to data from the Brazilian Institute In an article on the profile of olericulture The State of São Paulo produces approxi-
of Geography and Statistics (IBGE). Of this in Brazil and in São Paulo, researcher Walde- mately 18.5% of all potatoes harvested in
amount, the first crop tends to account for mar Pires de Camargo, of the Agriculture Brazil, and is the second-largest producer,
1.639 million tons. For the second and the Agronomy Institute (IEA), presents a map of coming only after Minas Gerais.

Productivity and planted area soared in Brazil

REGIONAL LOOK All across Brazil, potato crops comply with the needs and characteristics of every different region. Accord-
ing to a survey conducted in March by the Center for Advanced Studies on Applied Economics (Cepea), of the Luiz de Queiroz College of
Agriculture (Esalq), the harvest of the 2012/13 water crop in Triângulo Mineiro and Alto Paranaíba, in Minas Gerais, was supposed to reach
its peak in March, with all activities starting in January. It is estimated that in March 40% of all fields in the region have been harvested.
In South Minas Gerais, the early December to early March cycle had practically come to a close. The planted area in Minas Gerais was
down 8% from the previous crop. For the 2013/14 cycle, initial estimations show no changes in the planted area.
In Paraná, the dry crop, which was to have been completed in February, ended up going on until March in Curitiba, São Mateus do Sul,
Irati and Ponta Grossa. The delay in these regions in Paraná is blamed on excessive precipitation levels. According to Cepea sources, there
were no disease outbreaks in the fields. As to the planted area, the four towns together will devote 7,207 thousand hectares to the crop.

59
batatA-doce | Sweet potato
Inor Ag. Assmann

60
Elaboração de
etanol passa a ser
uma alternativa
para a batata-doce

Peso-pesado
Apesar de crescimento nas colheitas, batata-doce
brasileira precisa de ações que ajudem a promover
o seu desenvolvimento e a divulgação
Planta tropical, a batata-doce tem sua tra- Em 2011, o Brasil produziu 544,8 mil Enquanto a produção se recupera do
jetória traçada de um lado a outro do mundo. toneladas em 43,8 mil hectares, com va- declínio nas últimas décadas, por outro lado
De origem americana, hoje seu grande berço riação positiva de 2,9% em relação a 2010, percebe-se que o índice de produtividade
de produção está em continente asiático, quando foram colhidas 495,2 mil tone- tem sido crescente nos últimos anos. Em
sendo a China a responsável pelas maiores ladas, apontam dados do Instituto Bra- 2009, os bataticultores brasileiros colheram
colheitas. Enquanto isso, no Brasil as safras sileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 11,3 toneladas por hectare. No ano seguinte,
têm registrado bons índices, recuperando o referentes à Produção Agrícola Municipal. foram 11,8 t/ha e, em 2011, 12,4 t/ha. Os nú-
fôlego, uma vez que em 2009, com a produ- Na China, o principal produtor, as safras meros revelam, sobretudo, as mudanças so-
ção de 477,5 mil toneladas, houve declínio, contabilizam, em média, 118 milhões de fridas pelo sistema de produção, o que indica
no comparativo com os períodos anteriores. toneladas, numa área de 6 mil hectares. evolução do nível tecnológico.

NO CAMINHO Para o pesquisador Wilson Roberto Maluf, da Universidade Federal da Lavras (UFLA), de Minas Gerais,
as estatísticas atuais sobre a batata-doce ainda refletem o baixo nível de tecnologia empregado na cultura. Em seu entender, vários
são os aspectos que prejudicam o bom desempenho da batata-doce em território nacional.
Práticas culturais obsoletas, cultura de subsistência, uso de cultivares inapropriadas, suscetíveis a pragas e doenças; baixa difusão e
adoção de tecnologias já disponíveis, entre outros fatores, são apontados por Maluf como obstáculos ao desenvolvimento da cultura.
Mesmo assim, além de sua utilização na alimentação humana – no Brasil, o consumo per capita é de 2,7 quilos, aproximadamente
–, e animal e o seu emprego na produção de etanol, a hortaliça vem crescendo em algumas regiões. Em Sergipe, que detém a quinta
maior produção do País, por exemplo, o cultivo é o grande gerador de renda em algumas localidades.
Conforme Maluf, dados recentes demonstram que a adoção de práticas culturais adequadas, aliada ao plantio de variedades
selecionadas para alta produtividade, tornam viáveis produtividades superiores a 50 t/ha, podendo chegar a 100 t/ha. Isso facilitaria
a adoção da batata-doce como matéria-prima na produção de etanol (podendo rivalizar com a cana-de-açúcar), além de gerar co-
-produtos residuais de baixo custo para a alimentação animal.

61
batatA-doce | Sweet potato
Sílvio Ávila

Sweet
potatoes
might be an
alternative
for ethanol
62
Heavyweight
Although the crop is on a rising trend, Brazilian
sweet potato farming needs a push to promote
its development and create public perception

As a tropical plant, the trajectory of the thousand tons, in 43.8 thousand hect- While there is a recovery of the crop
sweet potato ranges from one corner of the ares, with a positive variation of 2.9% from the downward trend in the past
world to the next. Originated in America, from 2010, when 495.2 thousand tons decades, there is also no doubt about
now the great production environment is were harvested, according to data re- the soaring productivity rates over the
located in Asia, where China is the leading leased by the Brazilian Institute of Ge- recent years. In 2009, the Brazilian to-
producer. In the meantime, the crops of this ography and Statistics (IBGE), related bacco farmers harvested 11.3 tons per
vegetable have registered good volumes in to the Municipal Agriculture Production hectare. In the following year, it was 11.8
Brazil, recovering strength, as the 477.5 department. In China, leading producer, t/ha; and in 2011, 12.4 t/ha. Above all,
thousand tons in 2009 represented a de- in general, the crops in that country these figures hint at the changes in the
cline from the previous periods. amount to 118 million tons, from an production system, signaling technolo-
In 2011, Brazil’s crop reached 544.8 area of 6 thousand hectares. gy-oriented evolution.

mais doce | sweeter


safras de batata no brasil

Ano Produção (mil t) Área (mil ha) Produtividade (t/ha)


2007 529,5 44,0 12,0
2008 548,4 45,6 12,0
2009 477,5 42,2 11,3
2010 495,2 42,0 11,8
2011 544,8 43,8 12,4
Fonte: IBGE.

ON THE RIGHT TRACK Researcher Wilson Roberto Maluf, of the Federal University of Lavras (UFLA), in Minas Gerais,
understands that the current numbers related to sweet potato crops still reflect the low level of technology at field level. He maintains that
there are several variables that still jeopardize the performance of sweet potatoes in our national territory.
Obsolete cultural practices, subsistence crops, disease-prone and inadequate cultivars; little use of available technologies, are just some
of the factors cited by Maluf as real obstacles in the development of the crop.
Even so, besides its use as human food – in Brazil, per capita consumption is 2.7 kilograms, approximately, while the use of the veg-
etable as livestock food and for ethanol purposes has been rising in several regions. In Sergipe, the fifth biggest producer in the Country, for
example, the crop is a real source of income in some districts.
According to Maluf, recent data have attested that the use of appropriate cultural practices, along with the selection of recommended
high productive varieties make it possible to reap upwards of 50 tons per hectare, with chances to reach 100 tons. This would pave the
way for sweet potatoes to turn into raw material for the production of ethanol (in a real competition with sugar cane), besides generating
byproducts of low cost for livestock feed.

63
cebola | onion
Robispierre Giuliani

Em 2012 foram
produzidas
1,357 milhão de
toneladas de
cebola no País
64
Estabilidade na produção e queda nas importações
a partir da Argentina moldaram o cenário
brasileiro de cebola em 2012 e animam a nova safra

Camadas de
aceitação
Numa roda de amigos, ao citar a Holanda, não há como de produção, classificação e embalagem para cebola em todo o
deixar de lembrar dos belos campos de flores, repletos de tu- mundo, tendo se tornado, na última década, o maior exporta-
lipas das mais diversas cores. Mas além das dicas e histórias dor, quando se toma por base o valor bruto financeiro. “Com a
turísticas, o país europeu também frequentou discussões excelente infraestrutura de armazenamento e de comercializa-
em outro setor brasileiro: o da cebola. Em 2012, um dos ção do porto de Roterdã, os holandeses conseguem abastecer
principais destaques no mercado da hortaliça no Bra- de forma rápida diversos mercados em todos os continentes,
sil foi o expressivo aumento nas importações a partir além da Europa, onde é o principal fornecedor”, afirma o enge-
dessa origem. No total, foram internalizadas 39,5 mil nheiro agrônomo e analista de mercado.
toneladas, contra 12,8 mil toneladas em 2011, como Enquanto as importações tiveram participação expressiva
apontam dados do Ministério do Desenvolvimento, do mercado europeu (a Espanha também surgiu entre os maio-
Indústria e Comércio Exterior (MDIC). res fornecedores), houve queda de 25% nas compras a partir
Conforme Daniel Rogério Schmitt, da Empresa de da Argentina. Com isso, as compras oriundas de outros países
Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Ca- recuaram 10% em 2012, no comparativo com o ano anterior,
tarina (Epagri), a Holanda possui a melhor estrutura ressalta Schmitt.

ESTABILIDADE NA LAVOURA Enquanto o cenário internacional apresentou mudanças, a cebolicultura brasileira


manteve a produção estável em 2012. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram produzidas 1,357 milhão de
toneladas, com área cultivada de 57.346 hectares e rendimento médio de 23.358 kg/ha, dados similares aos da safra de 2011.
De acordo com Daniel Rogério Schmitt, da Epagri, nos ciclos de 2009 e 2010 a produção ultrapassou a 1,5 milhão de toneladas,
mas os preços médios ficaram próximos do custo de produção. Com isso, houve redução de área nos dois anos seguintes. Em
2012, os preços médios foram bastante favoráveis, oscilando de R$ 0,70 a 1,45/kg para a classe 3 (bulbos de 5 a 7 cm de diâmetro),
não havendo excesso de oferta.
O entusiasmo do setor deve se manter em 2013. Munidos de expectativas positivas, produtores e lideranças preveem um bom
ano. Nos dois primeiros meses, por exemplo, os preços recebidos pelos produtores foram promissores, ultrapassando a R$ 1,00/
kg, o que significa o dobro do custo de produção, afirma Schmitt.
Com os bons resultados de 2012, estima-se que os investimentos na produção sejam maiores, principalmente no Sudeste
brasileiro, podendo significar até mesmo aumento da área de cultivo. Segundo a publicação do Centro de Estudos Avançados de
Economia Aplicada (Cepea), no Cerrado também deve haver incremento na área a ser reservada a essa atividade. Técnicos esti-
mam acréscimo de 5% tanto em Minas Gerais quanto em Goiás.

65
cebola | onion

Widely
accepted
Stable production and declining
Inor Ag. Assmann

imports from Argentina have


shaped the Brazilian onion scenario
in 2012 and are now evoking
expectations for the new crop

NA ÁREA
Cebola no Brasil Safra 2012 Safra 2013 *
Área colhida (há) 57.346 57.814
Produção (t) 1.356.705 1.387.141
Rendimento (kg/ha) 23.658 23.993
* Estimativa
Fonte: IBGE

66
In a group of friends, when the subject data released by the Ministry of Develop- terdam, the Dutch farmers manage to sup-
turns to Holland, there is no way not to re- ment, Industry and Foreign Trade (MDIC). ply in a very fast manner several markets
member the beautiful flower beds, full of According to Daniel Rogério Schmitt, in all continents, besides Europe, where the
tulips of different colors. Besides the hints of the Santa Catarina State Rural Exten- supplier has its place of business”, says the
and tourist-related stories, the European sion and Agriculture Research Corporation agronomic engineer and market analyst.
country took part in discussions in an- (Epagri), Holland boasts the best onion While imports had a significant share
other Brazilian sector: onions. In 2012, a production, grading and packaging struc- in the European market (Spain also came
major highlight in the Brazilian vegetable ture all over the world and, over the past forth as a major supplier), purchases from
market was the expressive increase in im- decade, the country has become the lead- Argentina decreased y 25%. This has made
ports from that country. In all, purchases ing exporter, if the gross financial value is imports from other countries decline 10%
from Holland reached 39.5 thousand tons, considered. “With an excellent warehous- in 2012, compared to the previous year,
against 12.8 thousand tons in 2011, from ing and sales structure at the port of Rot- Schmitt stresses.

STABILITY IN THE FIELD While the international scenario hinted at changes, onion farming in Brazil kept stable
throughout 2012. According to the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE), production reached 1.357 million tons, on a culti-
vated area of 57,346 hectares, with average yield remaining at 23,358 kg/ha, data related to the 2011 crop year.
According to Daniel Rogério Schmitt, of Epagri, in the 2009 and 2010 cycles, production reached upwards of 1.5 million tons, but average
prices remained on a par with the production costs. This induced the farmers to reduce their plantations in the following two years. In 2012,
average prices were rather favorable, ranging from R$ 0.70 to R$ 1.45 for classes 3 (5 to 7 cm diameter bulbs), and there were no surpluses.
The sector is supposed to continue in a soaring mood in 2013. Relying on positive expectations, both farmers and leaderships
anticipate a good year. Over the first two months, for example, prices fetched by the growers looked promising, over R$ 1.00/kg, twice
as much as the production cost, Schmitt states.
With the good results in 2012, higher investments in production are expected, particularly in the Southeast, with chances for bigger
planted areas. According to a publication by the Center for Advanced Studies on Applied Economics (Cepea), there will also be more land
devoted to onions in the Cerrado region. Technicians estimate a 5-percent increase in Minas Gerais and Goiás.

67
cenoura | carrot
Sílvio Ávila

Diferentes fontes
têm variação
significativa em
relação à safra
nacional
68
verde e
amarela
Minas Gerais responde por metade da colheita
brasileira de cenoura, cultura importante no Alto
Paranaíba e também em outros estados

As regiões do Brasil costumam se identi- Paranaíba igualmente se destacam nessa conforme a economista Nirlene Junqueira
ficar com os mais variados tipos de alimen- hortaliça. A região concentrou 85,7% da Vilela, pesquisadora da Embrapa, responsá-
tos. Com as hortaliças, não é diferente. A colheita de 415 mil toneladas de 2012. A vel pelos dados.
cenoura é cultura representativa nas pro- área total plantada em Minas Gerais chega a E esse desempenho pode ter sido ainda
priedades do Alto Paranaíba, no Estado de 8,4 mil hectares, de acordo com o Instituto maior. Na avaliação do engenheiro agrôno-
Minas Gerais. Um dos indícios é a realização Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). mo Waldemar Pires de Camargo Filho, pes-
da Festa Nacional da Cenoura (Fenacen), No cenário da produção de cenoura, quisador do Instituto de Economia Agrícola
em São Gotardo, localizado a 292 quilô- apontada por levantamento da Embrapa (IEA), da Agência Paulista de Tecnologia dos
metros da capital, Belo Horizonte, cuja 16ª Hortaliças, Minas Gerais responde por mais Agronegócios (APTA), vinculada à Secretaria
edição ocorreu em julho de 2012. No mu- de 50% do volume colhido no Brasil. Na de Agricultura e Abastecimento de São Paulo,
nicípio são semeados 246 hectares por ano, safra de 2011, o País colheu 780,8 mil tone- o resultado é muito superior. Ele chegou a
com produção de 9.348 toneladas. ladas, em 25 mil hectares. A produtividade produção de 1,065 milhão de toneladas de
O Alto Paranaíba é o maior fornecedor média chegou a 31,2 toneladas por hectare. cenoura, em área de 24.625 hectares. Já o
de cenouras do Estado. Localidades como Os resultados de 2011, em volume e ren- rendimento médio por hectare, em seu en-
Campos Altos, Ibiá, Tiros, Matutina e Rio dimento, foram os maiores desde 2000, tendimento, teria sido de 43,25 toneladas.

SAFRA ESTENDIDA A cenoura terminou o ciclo de inverno de 2012, entre julho de 2012 e janeiro de 2013, com resul-
tados positivos na maioria das regiões que foram analisadas pela equipe do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada
(Cepea). A previsão era de que a temporada se encerrasse em dezembro nos estados de Minas Gerais e do Paraná, mas o clima
favorável estendeu a safra até janeiro de 2013. O cultivo total foi de 5.718 hectares, 13,5% a menos do que em 2011, devido ao
recuo de área nos estados da Bahia, do Paraná e do Rio Grande do Sul.
No início da temporada, os preços estiveram em patamares elevados, em decorrência da menor oferta, ocasionada pela redução
na área e ainda pelo clima desfavorável durante o plantio. No entanto, com o avanço da safra, o volume ofertado aumentou, pressio-
nando as cotações. Por outro lado, o excesso de cenouras que restou da temporada de inverno de 2012, e que ainda estavam sendo
colhidas no início de 2013, atrasou em um mês o começo da safra de verão 2012/13 em Minas Gerais e no Paraná. Os produtores
adiaram o início da colheita de verão para evitar o excesso de cenouras no mercado, como menciona o levantamento do Cepea.

69
cenoura | carrot

green and
yellow
Minas Gerais accounts for half of all carrots
produced in Brazil, an important crop in the Alto
Paranaíba region and in other states
Sílvio Ávila

AVANTE | ahead
Different sources Produção brasileira de cenoura
vary significantly Ano Área (mil ha) Produção (mil t)

within the context of 2010


2011
25,3 763,9
25,0 780,8
the national crop Fonte: Embrapa Hortaliças.

70
The different regions throughout Brazil Paranaíba also cultivate this vegetable. were the biggest since 2000, says economist
are normally associated with various types The region was responsible for 85.7%% of Nirlene Junqueira Vilela, Embrapa research-
of food crops they cultivate. With vegetables, the 415 thousand tons produced in 2012. er, responsible for the numbers.
it is not different. Carrots are very represen- The area devoted to carrots in Minas And this performance could have been
tative on the farms in Alto Paranaíba, State Gerais reaches 8.4 thousand hectares, ac- better. In the evaluation of agronomic en-
of Minas Gerais. One of the indications is cording to the Brazilian Institute of Geog- gineer Waldemar Pires de Camargo Filho,
the National Carrot Fest (Fenacen), in São raphy and Statistics (IBGE). researcher of the Agriculture Economy
Gotardo, located 292 kilometers from the In the carrot producing scenario, sur- Institute (IEA), of the São Paulo State Tech-
capital city, Belo Horizonte, whose 16th veyed by Embrapa Vegetables, Minas Gerais nology and Agribusiness Agency (APTA),
edition occurred in July 2012. In the mu- accounts for upwards of 50% of the entire linked with the São Paulo State Secretariat
nicipality 246 hectares are devoted to car- volume harvested in Brazil. In the 2011 of Agriculture and Supply, the result is
rots, with a production of 9,348 tons. cycle, the Country harvested 780.8 thou- much higher. He estimated a volume of
Alto Paranaíba is the leading supplier sand tons, in 25 thousand hectares. Average 1.065 million tons in an area of 24,625
of carrots in the State. Districts like Cam- productivity reached 31.2 tons per hectare. hectares. In his view, yields per hectare
pos Altos, Ibiá, Tiros, Matutina and Rio The 2011 results, in volume and revenue, were supposed to have reached 43.25 tons.

EXTENDED CROP The winter cycle of the carrot crop in 2012 lasted from July 2012 to January 2013, with positive
results in the majority of the regions analyzed by the Center for Advanced Studies on Applied Economics (Cepea). The forecast
had been for the season to come to a close in December in the states of Minas Gerais and Paraná, but the favorable climate
conditions extended the crop until January 2013. The total area amounted to 5,718 hectares, down 13.5% from 2011. Smaller
planted areas in the states of Bahia, Paraná and Rio Grande do Sul are blamed for the smaller crop.
At the start of the season, prices were high, a result of the smaller supplies, brought about by area reductions and unfavorable
climate conditions at planting time. Nevertheless, as the crop progressed, higher volumes were offered, pressing prices down. On
the other hand, the remaining carrots of the 2012 winter season, still being harvested in early 2013, caused a 30-day delay to
the 2012/2013 summer crop in Minas Gerais and Paraná. The growers delayed the harvest of the summer crop to prevent market
surpluses, according to the survey conducted by the Cepea.

71
folhosas | leafy
Sílvio Ávila

Verdes
mares
Dez principais espécies de folhosas renderam
mais de 644 mil toneladas em 2012 no Estado de
São Paulo, referência nessas espécies
Ricas em vitaminas e minerais, as hortali- A alface e o repolho, juntos, contribuíram ceção, segundo ele, foi o plantio de repo-
ças obrigatoriamente devem estar presentes com 11,1%, conforme o engenheiro agrôno- lho, que em 2012 apresentou área maior,
na alimentação diária daqueles que têm a mo Waldemar Pires de Camargo Filho, pes- em virtude dos altos preços praticados no
saúde entre suas prioridades. Os profissio- quisador do Instituto de Economia Agrícola ano anterior. A área plantada com a horta-
nais da área de nutrição liberam o consumo (IEA), da Agência Paulista de Tecnologia dos liça teve aumento de 945 hectares em rela-
de saladas de folhas verdes no almoço e no Agronegócios (APTA), organismo da Secre- ção a 2011. O repolho também respondeu
jantar. São Paulo é o Estado brasileiro onde taria de Agricultura e Abastecimento de São pelo maior volume, de 278.855 toneladas,
mais são consumidas hortaliças em geral, e Paulo. No Brasil todo, em 2011, estima-se seguido pela alface, com 207.060 toneladas.
onde também ocorre a maior produção. A que a produção de alface e de repolho tenha Outros resultados significativos foram veri-
olericultura, com 53 espécies, ocupou área somado 2,59 milhões de toneladas, em área ficados nas produções de brócolis (40.380
de 141,1 mil hectares e gerou colheita de de 123.580 hectares. O repolho participou toneladas), couve-flor (42.952 tonela-
4 milhões de toneladas em 2011, ano mais com 1,313 milhão de toneladas e a alface, das), couve (34.736 toneladas) e almeirão
recente com dados disponíveis. com 1,276 milhão de toneladas. (15.630 toneladas). O volume obtido com
O grupo de folhosas, flores, condimen- Em São Paulo, de acordo com o pesqui- as 10 espécies, incluindo as produções de
tares e outros, com 20 tipos, representou sador, as 10 principais espécies de folhosas agrião, salsa, cebolinha e coentro, totalizou
19,5% de toda a produção paulista em 2011. têm mantido a área cultivada estável. A ex- 644.338 toneladas em 2012.

72
O grupo de hortaliças
movimentou cerca de
R$ 2 bilhões em 23 Ceasas

CINTURÕES VERDES A produção olerícola paulista é desenvolvida durante o ano todo. As folhosas e condimentares
estão concentradas na Grande São Paulo, na circunscrição dos Escritórios de Desenvolvimento Rural (EDR) de Mogi das Cruzes, Sorocoba
e Campinas. Também existem cinturões verdes em médias e grandes cidades do interior, como Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Botu-
catu e Marília. A alface é a folhosa com a maior área cultivada, de 10.508 hectares, em dados de 2012. Os municípios de Mogi das Cruzes,
Ibiúna, Piedade e Biritiba-Mirim cultivam 66% da área estadual. “A alface tem pouca influência dos preços na área plantada. O que altera o
mercado é o excesso de chuva ou o frio intenso”, observa Waldemar Pires de Camargo Filho, do IEA.

couve chinesa (6,3 mil toneladas), cebolinha (6 mil toneladas),


VIRANDO A FOLHA escarola (5.7 mil toneladas) e agrião (5.7 mil toneladas).
Os municípios de origem com maior participação no abaste-
Em 2012, as 23 principais Centrais de Abastecimento Brasi- cimento das centrais foram Ibiúna e Piedade (São Paulo), Barba-
leiras (Ceasas) comercializaram 522 mil toneladas de hortaliças cena (Minas Gerais), Nova Friburgo (Rio de Janeiro), Santa Maria
do subgrupo folha, flor e haste. No total, elas geraram receita de de Jetibá (Espírito Santo), São José dos Pinhais (Paraná) e São
aproximadamente R$ 2 bilhões, conforme dados do Programa Francisco de Paula (Rio Grande do Sul). As informações das 58
Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiros (Pro- principais Ceasas sobre preço médio, preço diário, quantidade,
hort), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). As hor- volume e município de origem são repassadas ao Programa Bra-
taliças mais vendidas foram repolho (240 mil toneladas), couve- sileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort). O
-flor (85 mil toneladas), alface (79 mil toneladas), brócolis (29 mil trabalho é desenvolvido pela Conab, desde 2007. Os dados são
toneladas), acelga (15,6 mil toneladas), couve (8 mil toneladas), disponibilizados no site www.ceasa.gov.br, do Prohort.

73
folhosas | leafy
Inor Ag. Assmann

Green
seas

74
Ten major leafy species amounted to upwards
of 644 thousand tons in 2012 in the State of
São Paulo, a reference in these species
Rich in vitamins and minerals, vegeta- volumes in São Paulo, in 2011. Lettuce and bles has remained stable. The exception, ac-
bles should always be part of the daily diet cabbage, together, contributed with 11%, ac- cording to him, was cabbage, which, in 2012,
of those who make health one of their priori- cording to agronomic engineer Waldemar presented a bigger planted area by virtue of
ties. The professionals of the nutrition areas Pires de Camargo filho, researcher with the the better prices fetched by the crop in the pre-
recommend the consumption of green salads Agriculture Economy Institute (IEA), of the vious year. The area devoted to this vegetable
at lunch and dinner. São Paulo is the Brazil- São Paulo Agribusiness Technology agency soared 945 hectares compared to 2011. Cab-
ian state with the highest consumption of (APTA), an organ of the São Paulo State Secre- bage was also responsible for the biggest vol-
vegetables and is also where most vegetables tariat of Agriculture and Supply. In the entire ume, 278,855 tons, followed by lettuce, with
are produced. Olericulture, with 53 species, Country, in 2011, it is estimated that the pro- 207,060 tons. Other significant results were
occupied an area of 141.1 thousand hectares duction of lettuce and cabbage amounted to obtained by broccolis (40,380 tons), cauli-
and generated a harvest of 4 million tons in 2.59 million tons, in an area of 123,580 hect- flower (42,952 tons), kale (34,736 tons) and
2011, from latest data available. ares. Cabbage had a share of 1.313 million common chicory (15,360 tons0. The volume
Comprising 20 different types, the group tons and lettuce, 1.276 million tons. obtained from the 10 species, including wa-
of leafy, flowers, spices and other vegetables In São Paulo, according to the researcher, tercress, common parsley, pearl onions and
represented 19.5% of the entire production the area devoted to the 10 major leafy vegeta- coriander totaled 644,338 tons in 2012

GREEN BELTS In São Paulo, vegetables are produced year-round. Leafy salads and spices are mostly grown around Greater
São Paulo, in the circumscriptions of the Rural Development Offices (RDO) of Mogi das Cruzes, Sorocoba and Campinas. There are green
belts that surround medium and big interior cities, like Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Botucatu and Marília. Lettuce is the leafy
vegetable with the largest planted area, 10,508 hectares, in 2012. The municipalities of Mogi das Cruzes, Ibiúna, Piedade and Biritiba-
Mirim cultivate 66% of the total area. “The price of lettuce has a negligible influence on the planted area. What dictates the rule to the
market are such natural phenomena as excessive rainfall and cold temperatures”, observes Waldemar Pires de Camargo Filho, of IEA.

ON THE SUBJECT OF LEAVES canteiros | spaces


Produção de hortaliças folhosas em São Paulo (2012)
In 2012, the 23 Brazilian Central Distribution Centers (Ceasas)
traded 522 thousand tons of vegetables of the leaf, flower and stem Produto Volume Área Produtividade
subgroup. In all, they generated revenue of approximately R$ 2 bil- (t) (ha) (kg/ha)
lion, according to data from the Brazilian Horticulture Market Alface 207.060 10.508 19,7
Program (Prohort), of the National Supply Company (Conab). The Repolho 278.855 7.143 39,0
best-selling vegetables were as follows: cabbage (240 thousand tons), Couve-flor 42.952 2.085 20,6
lettuce (79 thousand tons), broccolis (29 thousand tons), chard (15,6 Couve 34.736 1.040 33,4
thousand tons), kale (8 thousand tons), Chinese cabbage (6.3 thou- Brócolis 40.380 2.457 16,4
sand tons), pearl onions (6 thousand tons), escarole (5.7 thousand Almeirão 15.630 927 16,8
tons) and watercress (5.7 thousand tons). Agrião 6.570 654 10,1
The municipalities of origin with the highest share in supplying Salsa 7.955 1.270 6,3
the distribution centers were Ibiúna and Piedade (São Paulo), Bar- Cebolinha 6.970 1.640 4,3
bacena (Minas Gerais), Nova Friburgo (Rio de Janeiro), Santa Maria Coentro 4.230 920 4,6
de Jetibá (Espírito Santo), São José dos Pinhais (Paraná) and São Fonte: Waldemar Pires de Camargo Filho (IEA/SP).
Francisco de Paula (Rio Grande do Sul). Information by the 58 major
Ceasas on average prices, daily prices, quantities, volume and mu-
nicipality of origin is furnished to the Brazilian Horticulture Market
Program (Prohort). The work has been conducted by Conab, since
The vegetable group raked
2007. All data are available at site www.ceasa.gov.br, of Prohort. in R$ 2 billion in 23 Ceasas
75
mandioca | cassava
Inor Ag. Assmann

Brasil colheu
o segundo maior volume
mundial de raiz fresca em 2011

enraizando
Tempo seco na região Nordeste poderá frustar
a projeção do IBGE de produção de 24 milhões de
toneladas de mandioca em 2013

A mandioca, uma das hortaliças mais -prima ocorre ao longo do ano, com se confirmar, vai representar um pequeno
difundidas no território brasileiro, é in- maior incidência entre os meses de maio acréscimo, de 0,58%, sobre o volume obti-
grediente de inúmeros pratos e alimentos e agosto. A previsão era de que o Brasil do no ano anterior.
regionais. A produção nacional em 2013 produzisse 24,455 milhões de toneladas Além deste dado, o levantamento, di-
poderá ficar abaixo do volume projetado da raiz fresca em 2013, conforme apontou vulgado em fevereiro de 2013, também
pelo Instituto Brasileiro de Geografia e o Levantamento Sistemático da Produção destacava que a área plantada ocuparia
Estatística (IBGE). A colheita da matéria- Agrícola (LSPA) do IBGE. Se este resultado 2,381 milhões de hectares, 10,88% abai-

76
xo do verificado em 2012. da em março de 2013. Na ocasião, de acor- baixo, em função da ocorrência da maior
Já a área colhida seria de do com Cláudio Chicherchio, técnico de seca dos últimos 40 anos”, relata. Acres-
1,69 milhão de hectares, com Planejamento da Companhia Nacional de centou que era cedo para afirmar qual se-
recuo de 7,16% sobre o regis- Abastecimento (Conab), a Empresa Baia- ria o impacto na produção nacional.
trado no ano anterior. A pro- na de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) No Sul do Brasil, para aproveitar os
dutividade média esperada estimava que haveria quebra de 30% na ótimos preços da farinha de mandioca,
era de 14.470 quilos produção de mandioca da Bahia, terceiro na visão industrial, a raiz estava sendo
por hectare, 8,34% maior produtor nacional. colhida prematuramente, antes mesmo
acima do rendimento O técnico da Conab avalia que a pro- de completar um ciclo, algo em torno de
de 2012. jeção de 2,923 milhões de toneladas de sete meses, o que faz cair o rendimento.
No entanato, os nú- mandioca prevista para o território baiano Na avaliação de Chicherchio, altos preços
meros divulgados pelo pelo IBGE, na colheita de 2013, tende a da farinha estavam associados à quebra
IBGE em fevereiro não não se confirmar. Chicherchio observa que de produção em alguns estados consu-
correspondiam à reali- todo mês o órgão ajusta os números, de midores do Nordeste, como Bahia, Piauí
dade apresentada na reu- acordo com a percepção. “No geral, todo o e Ceará. “Por isso, discordo da produtivi-
nião da Câmara Setorial da Nordeste deverá ter seus números de área, dade média anunciada pelo IBGE”, com-
Mandioca e Derivados, ocorri- produção e rendimento revisados para plementa.

EM DESTAQUE NO MUNDO O cultivo da mandioca está presente em mais de 100 países, principalmente naque-
les que estão em desenvolvimento. Em 2011, a colheita de 25 milhões de toneladas da raiz destacou o Brasil como o segundo maior pro-
dutor mundial, conforme dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), consultados
em janeiro de 2013. O maior volume, de 52 milhões de toneladas, foi registrado na Nigéria. O continente africano respondeu por 55,9%
da produção mundial, de 252,203 milhões de toneladas.
De acordo com o IBGE, os produtores brasileiros somaram 24,313 milhões de toneladas de mandioca em 2012. A área colhida teve
abrangência de 1,820 milhão de hectares. A mandioca é plantada em todos os estados brasileiros, tendo sido a quarta cultura mais produ-
zida no País em 2011. Os principais produtores em 2012 foram os estados do Pará (4,808 milhões de toneladas), Paraná (4,062 milhões de
toneladas), Bahia (2,293 milhões de toneladas) e Maranhão (1,529 milhão de toneladas).
“A produção nacional de raiz de mandioca é bastante sazonal”, enfatiza Cláudio Chicherchio, técnico de Planejamento da Conab. Se-
gundo ele, os preços do produto no mercado e as condições climáticas são decisivos e exercem influência direta no plantio e na oferta. A
área diminui em épocas de preços baixos, reduzindo a disponibilidade do produto. Na temporada seguinte ocorre o contrário, em função
da elevação dos preços do produto e de seus derivados.
A produção da farinha de mandioca, por ser caseira ou industrial, dificulta o mapeamento. Conforme o técnico da Conab, são uti-
lizados como referência, para fins de elaboração de políticas públicas, o comportamento do mercado e os índices técnicos relativos ao
consumo per capita emitidos por FAO, Embrapa e IBGE. O interesse mundial por fontes energéticas renováveis faz com que a cultura da
mandioca adquira papel de destaque na produção de etanol, sobretudo na Tailândia e na China. Também é projetado forte incremento na
utilização da mandioca na produção de plásticos biodegradáveis, além de novos usos nos setores têxtil e alimentício.

vada nos últimos anos foi provocada, essencialmente, pelos preços


UM PRODUTO CONCORRIDO mais competitivos no mercado externo, principalmente quando
comparados às vendas efetuadas pela Tailândia”, esclarece Cláudio
No Brasil, a exportação de fécula predomina sobre as vendas ex- Chicherchio, da Conab. O comércio de fécula representa, em média,
ternas de farinha e de raiz de mandioca. Em 2012, o segmento na- 85% do total das exportações mundiais de derivados da mandioca.
cional embarcou 7.262 toneladas de fécula de mandioca, gerando Em maior proporção, em 2012, as importações de fécula de man-
receita de US$ 6,309 milhões FOB. Os maiores volumes seguiram dioca feitas pelo Brasil totalizaram 12.206 toneladas, que equivaleram
para Estados Unidos (2.013 toneladas) e Bolívia (1.466 toneladas), de a US$ 5,478 milhões FOB. O principal fornecedor do produto foi o
acordo com a Secretária de Comércio Exterior (Secex), do Ministério Paraguai, que respondeu por 12.188 toneladas. Em 2004, o País che-
do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). gou a importar 58.329 toneladas do derivado da mandioca. O Brasil
Os maiores volumes exportados foram verificados em 2002 também comprou no mercado externo 15.175 toneladas de raízes de
(24.780 toneladas) e em 2011 (17.958 toneladas). “A retração obser- mandioca, pelo valor de US$ 1,163 milhão FOB.

77
mandioca | cassava

Deep-rooted
Dry weather conditions in the Northeast could
frustrate IBGE’s projections of a 24-million ton
cassava crop in Brazil in 2013
Inor Ag. Assmann

Cassava, one of the most widely spread vegetables across the Bra- 2013, also referred to a planted area of 2.381 million hectares,
zilian territory, is an ingredient of several regional dishes and foods. down 10.88% from 2012. The harvested area was estimated at
The 2013 national production volumes are poised to remain below 1.69 million hectares, down 7.16% from the previous year. The
the volume projected by the Brazilian Institute of Geography and Sta- expected average productivity rates pointed to 14,470 kilograms
tistics (IBGE). Cassava is harvested year-round, more intensely May per hectare, up 8.34% from the yields in 2012.
through August. The forecast had been for Brazil to produce 24.455 Nevertheless, the numbers released by the IBGE in February were
million tons of the fresh root in 2013, according to the Systematic not in line with the reality presented at the meeting of the Cassava
Survey of Agricultural Production (LSPA, in the Portuguese acronym) Sectoral Chamber and Derivatives, held in March 2013. Back then,
conducted by the IBGE. If this result confirms, it will represent a small according to Cláudio Chicherchio, Planning Technician with the Na-
increase, of 0.58%, over the volume obtained the previous year. tional Supply Company (Conab), the Bahia State Agriculture Devel-
Besides this indication, the survey, published in February opment Corporation (EBDA) had estimated a reduction of 30% in the

78
cassava crop in that state, third biggest national producer.
mandiocal | crop
The Conab technician maintains that the projection of 2.923
million tons of cassava in Bahia, forecast by the IBGE, for the 2013 Produção brasileira de mandioca
cycle, will likely not confirm. Chicherchio observes that the organ
Ano Área colhida (ha) Volume (t)
updates its numbers on a monthly basis, in accordance with ac-
2012 1.820.421 24.313.883
tual perceptions. “In general, the entire Northeast region will have
2013* 1.690.133 24.455.717
to downgrade its numbers related to planted area, production and
Fonte: IBGE/LSPA (*Projeção fevereiro de 2013)
yield, by virtue of the most severe drought in the past 40 years”, he
argues. He also commented that it was still too early to evaluate the
impacts on the national production volumes.
In South Brazil, to take advantage of the excellent prices fetched A PRODUCT IN TIGHT SUPPLY
by cassava, in industrial terms, the root was being harvested pre-
maturely, even before completing one cycle, something like seven In Brazil, starch exports prevail in foreign flour and cassava
months, which presses down productivity rates. In Chicherchio’s root sales. In 2012, the national segment shipped abroad 7,262
view, the high prices of cassava flour were associated with the crop tons of cassava starch, bringing in revenue of US$ 6.309 million
frustration in some northeastern cassava producing states, like Ba- FOB. The largest volumes were destined for the United States
hia, Piauí and Ceará. “This is what makes me disagree with the av- (2,013 tons) and Bolivia (1,466 tons), according to the Brazilian
erage productivity rates announced by the IBGE”, he complements. Secretariat of Foreign Trade (Secex), an organ of the Ministry of
Development, Industry and Foreign Trade (MDIC).
Record volumes were shipped abroad in 2002 (24,780 tons)
KNOWN WORLDWIDE Cassava is grown in up-
and in 2011 (17,958 tons). “The smaller volumes over the past
wards of 100 countries, especially in developing nations. In 2011,
years were essentially the result of competitive prices in the foreign
the 25-million ton crop gave Brazil the status of the second-largest
market, especially if compared to sales conducted in Thailand”,
global producer of cassava, according to data from the Food and
Agriculture Organization of the United Nations (FAO), released in clarifies Cláudio Chicherchio, of Conab. Starch sales represent, on
January 2013. The leading producer was Nigeria, with a crop of average, 85% of global exports of cassava derivatives.
52 million tons. The African continent accounted for 55.9% of the Outstripping exports, in 2012, cassava starch imports by Brazil
global production volumes of 252.203 million tons. totaled 12,206 tons, which amounted to US$ 5.478 million FOB.
According to IBGE sources, the Brazilian producers harvested The main supplier of the product was Paraguay, with 12,188 tons.
a crop of 24.313 million tons of cassava in 2012. The harvested In 2004, the Country imported 58,329 tons of this cassava byprod-
area amounted to 1.820 million hectares. Cassava is cultivated in uct. Brazil also purchased from abroad the equivalent of 15,175
every Brazilian State, and ranked as fourth largest crop harvested tons of fresh cassava, shelling out US$ 1.163 million FOB.
in the Country in 2011. Major producers in 2012 comprise the
States of Pará (4.808 million tons), Paraná (4.062 million tons),
Bahia (2.293 million tons) and Maranhão (1.529 million tons). COMÉRCIO EXTERNO | external trade
“In Brazil, the production of cassava is rather seasonal”, says
Cláudio Chicherchio, Planning Technician with Conab. In his view, Exportação de fécula de mandioca
the prices fetched by the root in the market and the climate condi- Ano quantidade (toneladas) Valor US$1000FOB
tions play a decisive role and have a direct influence on plantings 2011 6.762 5.571
and supply. The area decreases at times of low prices, resulting 2012 7.262 6.309
into tight supplies. In the following cycle it is just the opposite, by
virtue of higher prices fetched by the root and its derivatives. Importação de fécula de mandioca
The production of cassava flour, as both a family and indus-
Ano quantidade (toneladas) Valor US$1000FOB
trial operation, makes any mapping attempts difficult. Accord-
2011 19.053 8.563
ing to the Conab technician, references for the purpose of public
2012 12.206 5.478
policies include the behavior of the market, technical indices re-
Fonte: Secex/MDIC
garding per capita consumption, released by FAO, Embrapa and
IBGE. Global interest in renewable energy sources has turned the
crop into an important ingredient for the production of ethanol,
especially in Thailand and China. Biodegradable plastic manu- Brazil harvested the
facturers are also strongly considering the use of cassava for this
purpose, besides its new uses in the textile and food sectors.
second largest fresh root
volume in 2011
79
tomate | tomato
Inor Ag. Assmann

Vermelhou
Colheita nacional de tomates deverá crescer
2,88% em 2013, marcando a retomada de produção
anterior, de cerca de 4 milhões de toneladas

O consumidor brasileiro pagou bem (IBGE), divulgado em fevereiro de 2013. A drigues, presidente da Associação Brasileira
mais em 2012 para garantir a salada de área colhida (60.872 hectares) e a planta- do Comércio de Sementes e Mudas (ABC-
tomate e outros pratos que levam o ingre- da (60.876 hectares) significam avanços de SEM). Um aspecto que contribuiu para a
diente. De março de 2012 a fevereiro de 5,18% e 5,06%, respectivamente. No entan- queda no volume foi a manutenção da área
2013, o valor do tomate aumentou 74,82%, to, a projeção para a produtividade média cultivada nas outras principais regiões pro-
conforme registrou o Índice de Preços ao fica em 61.933 quilos por hectare, 2,2% in- dutoras, como Sudeste, Centro-Oeste e Sul.
Consumidor (IPC), um dos indicadores do ferior aos 63.323 kg/ha verificados em 2012. “Os agricultores não ampliaram os cultivos
Índice Geral de Preços do Mercado (IGP- De acordo com o IBGE, a tomaticultura em função dos baixos preços praticados em
-M), realizado pela Fundação Getúlio Vargas respondeu por produção de 3,664 milhões 2010”, destaca Rodrigues.
(FGV). “A elevação dos preços do tomate de toneladas em 2012. O maior volume co- No entanto, a menor oferta no merca-
e de outras hortaliças, principalmente no lhido, de 4,417 milhões de toneladas, foi re- do elevou o preço do tomate e favoreceu os
primeiro trimestre do ano, é considerada gistrado em 2011. O principal produtor em produtores, que deverão investir mais em
normal, dado o rigor do clima, com sol e 2012 foi o Estado de Goiás, que contribuiu tecnologia nos plantios de 2013. “Com isso, a
chuva fortes”, explica o economista André com 1,145 milhão de toneladas da hortali- colheita tende a registrar maior produtividade
Braz, da FGV, responsável pelo levantamen- ça. Igualmente representativos são os esta- e um tomate de melhor qualidade, tanto na
to. A partir de março, esclarece ele, o clima dos de São Paulo (656.055 toneladas), Minas forma quanto no sabor”, avalia Rodrigues.
é mais ameno e a oferta do fruto cresce, Gerais (444.693 toneladas), Paraná (342.280 Segundo ele, a cultura nacional tem espaço
contribuindo para diminuir os preços. toneladas) e Rio de Janeiro (195.627 tonela- para melhorar ainda mais em termos de rendi-
A oferta de tomate tende a ser maior em das). Na região Norte, Roraima obteve safra mento. “Em relação ao preço do tomate para
2013. A colheita nacional foi estimada em de 5.388 toneladas de tomate. 2013, não deverá apresentar as grandes oscila-
3,769 milhões de toneladas, 2,88% a mais do “A menor produção de tomates em 2012 ções de 2012, favorecendo tanto o produtor
que em 2012. A previsão é do Levantamento foi decorrência da redução da área cultivada quanto o consumidor”, prevê. De acordo com
Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do na região Nordeste, que tem sido afetada a ABCSEM, a tomaticultura de mesa gera cerca
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística por forte seca”, explica Luís Eduardo Ro- de 300 mil empregos por ano.

80
Safra menor
em 2012 levou à
oferta de tomate
mais caro ao
consumidor

MUNDOS DISTINTOS No Brasil, o cultivo do tomate se divide entre o produto destinado à mesa e o encaminhado ao
processamento industrial. Ambos apresentam características distintas, inclusive de manejo. O tomate industrial, por exemplo, é uma variedade
de cultivo rasteiro, adocicado, de formato alongado e com pouca semente. É mais conhecido como tomate italiano, nas feiras e mercados. Mas
o fruto é a principal matéria-prima da indústria de atomatados para a fabricação de molho, purê, extrato e catchup.
O setor de tomate industrial em 2012 sofreu queda de 25% na safra, em função de problemas climáticos. O segmento movimenta mais de
R$ 2,6 bilhões por ano. “Em 2012, a situação só não foi pior porque tivemos boa colheita no ano anterior e os estoques nos salvaram”, relata An-
tonio Carlos Tadiotti, diretor da Predilecta Alimentos, de Matão (SP). A cultura é plantada até maio e a colheita ocorre entre junho e setembro.
Conforme Tadiotti, o plantio que estava em andamento para a safra 2013 foi afetado pelas chuvas incessantes nas regiões Centro-
-Oeste e Sudeste. “A safra a ser colhida em julho estava praticamente comprometida em 20%, porque em março, época do plantio, não
parou de chover”, explica. Conforme ele, nos últimos dias de março, o tempo até mostrou melhoras, mas dificilmente as perdas seriam
compensadas nos meses seguintes. “Há boas chances de recuperação, com otimização no processamento para agosto e setembro, que
são os meses líderes para a colheita do tomate”, menciona.

A ENERGIA DA INDÚSTRIA Tadiotti explica que a área plantada com tomate industrial deve
ficar entre 19.000 e 21.000 hectares em 2013, podendo alcançar
A produção brasileira de tomate industrial foi estimada em 1,2 a 1,7 milhão de toneladas de polpa processada. “Esses dados não
milhão de toneladas em 2012, diante de 1,6 milhão de toneladas são exatos, mas estão na direção certa”, esclarece. Os processado-
no ano anterior. “A demanda por matéria-prima tem se mantido res não costumam divulgar esses dados, com exceção da Predilecta.
firme, porque a venda de extratos e de molhos cresce num ritmo A Associação Brasileira da Cadeia Produtiva de Tomate Industrial
de aproximadamente 17% ao ano”, destaca o empresário Antonio (Abratop) deveria ser registrada em abril de 2013, com Tadiotti as-
Carlos Tadiotti, diretor da Predilecta Alimentos, de Matão (SP). A sumindo a presidência. “Aí vamos iniciar a nossa jornada, tentando
indústria também compra por ano entre 60 e 70 toneladas de pasta aglutinar todos os empresários dos ramos da semente até o fecha-
de tomate, principalmente do Chile e da China. mento do ciclo, fortalecendo nosso segmento”, planeja.

81
tomate | tomato

In the red
National tomato harvest expected to soar 2.88%
in 2013, marking the resumption of the previous
year’s volume of about 4 million tons
Brazilian consumers had to shell out 2.2% from the 63,323 kg/ha in 2012. of the same areas cultivated in other ma-
more money in 2012 for their tomato According to IBGE sources, the tomato jor producing regions, like the Southeast,
salads and other dishes that contain this crop amounted to 3.664 million tons in 2012. Center-West and South. “The farmers did
ingredient. From March 2012 to February The biggest crop on record was harvested in not expand their cultivations by virtue of
2013, tomato prices increased by 74.82%, 2011, and reached the considerable amount the low prices fetched by the vegetable in
according to the Consumer Price Index of 4.417 million tons. The largest tomato 2010”, Rodrigues argues.
(CPI), one of the indicators of the General grower in 2012 was the State of Goiás, with Nonetheless, tight supplies in the market
Price Index - Market (GPI-M), conducted a total of 1.145 million tons of the vegetable. pushed up farm gate prices, encouraging
by the Getúlio Vargas Foundation (FGV). Equally representative are the states of São the farmers to make investments in technol-
“The higher prices of tomatoes and other Paulo (656,055 tons), Minas Gerais (444,693 ogy in 2013. “This will certainly result into
vegetables, especially in the first quarter of tons), Paraná (342,280 tons) and Rio de Ja- higher yield and tomatoes of better quality,
the year, are seen as normal, given the rough neiro (195,627 tons). In the North, Roraima both in appearance and taste”, Rodrigues
climate conditions, with excessive sunshine harvested a crop of 5,388 tons. comments. In his view, our national tomato
and rainfall”, explains economist André “The smaller tomato crop in 2012 re- farming operations could improve even fur-
Braz, of the Foundation, responsible for sulted from planted area reductions in the ther in terms of productivity. “With regard
the survey. From March onwards, he clari- Northeast, a region that was struck by a to prices for the 2013 season, they should
fies, climate conditions get back to normal, prolonged drought”, explains Luís Eduar- remain on a par with 2012, without any tan-
supply goes up and prices begin to recede. do Rodrigues, president of the Brazilian As- gible changes, benefiting both growers and
The trend in 2013 is for higher tomato sociation of Seed and Seedlings (ABCSEM). consumers”, he anticipates. According to
supplies. The crop was estimated at 3.769 One reason that accounts for the smaller ABCSEM sources, table tomato cultivations
million tons, up 2.88% from 2012. The fore- production volumes was the maintenance generate about 300 thousand jobs a year.
cast is made by the Systematic Agriculture
Production Survey (SAPS) department of
the Brazilian Institute of Geography and DE MOLHO | to soak
Statistics (IBGE), released in February 2013.
The harvested area (60,872 hectares) and Produção brasileira de tomate
planted area (60,876 hectares) represent Ano Área colhida (ha) Produção (t) Produtividade (kg/ha)
advances of 5.18% and 5.06%, respectively. 2012 57.867 3.664.299 63.323
Nonetheless, average productivity rates are 2013* 60.872 3.769.953 61.933
projected at 61,933 kilos per hectare, down Fonte: LSPA/IBGE, fevereiro de 2013. - * Estimativa.

82
DISTINCT WORLDS In Brazil, tomato farming is split into table tomatoes and tomatoes destined for industrial pro-
cessing. Both present distinct characteristics, including different management practices. Industrial tomatoes, for example, are rather
bushy plants with the fruits growing close to the ground, a sweetish flavor, elongated shape and with few seeds. In fairs and sales
outlets they are also known as Italian tomatoes. The fruits are the raw material for tomato industries, where they are transformed
into cream sauce, puree, extract and catchup.
In 2012, the industrial tomato sector suffered a reduction of 25% in the volume of the crop, mainly because of bad weather prob-
lems. The segment runs businesses that amount to R$ 2.6 billion a year. “The situation in 2012 could have been much more serious
if there had not been huge carryover stocks from the previous cycle”, says Antonio Carlos Tadiotti, director of Predilecta Alimentos,
in Matão (SP). Tomatoes are planted until May, and harvest takes place from June to September.
According to Tadiotti, in 2013, recently planted tomato fields were seriously affected by incessant rains in the Center-West and
Southeast. “The crop to be harvested in July has already suffered 20% losses, because it rained too much in march, at planting time”,
he explains. In his view, over the last days in March, weather conditions improved a little, but with hardly any chances for the crop
to make a good recovery in the following months. “Chances for making up for the losses are likely to materialize in August and
September, through processing maximization, and when tomato harvest is in full swing”, he comments.

Smaller crop
in 2012 drove up Sílvio Ávila
consumer prices

INDUSTRIAL STRENGTH toes should range from 19,000 to 21,000 hectares in 2013, with a
chance to reach 1.7 million tons of processed pulp. “These num-
The Brazilian industry-oriented tomato crop was estimated at bers are not exact, but are on the right track”, he clarifies. Most
1.2 million tons in 2012, compared to the 1.6 million tons in the processors, with the exception of Predilecta, never disclose their
previous year.”Demand for this type of raw material has continued numbers. The Brazilian Association of the Industrial Tomato
steady, because sales of extracts and juices soar approximately 17% Supply Chain (Abratop) was supposed to have been registered
a year”, says entrepreneur Antonio Carlos Tadiotti, director of Predi- in April, with Tadiotti taking over the presidency. “That is where
lecta Alimentos, in Matão (SP). The industry also purchases 60 to 70 we are going to start our journey, attempting to bring together
tons of tomato paste, especially from Chile and China. all entrepreneurs of the chain, from seed production to the final
Tadiotti explains that the area devoted to industrial toma- cycle, strengthening our segment”, he confesses.

83
PAINEL | Panel
Divulgação

Força extra
Empresa gaúcha proporciona mais uma opção de
adubação orgânica para diferentes culturas
agrícolas, com resultados em curto prazo
Melhorar a saúde do solo e ainda trazer na drenagem, favorecendo, assim, a aeração. garantir o desenvolvimento sustentável. “Ao
vantagens à plantação é o desejo de qualquer A Extratus, que atua no beneficiamento utilizar de forma correta esse material, um
produtor rural. Com foco nessa premissa, a de resíduos orgânicos desde 2010, produz grande problema ambiental começa a ser
Extratus Compostos Orgânicos desenvolve em torno de mil toneladas de fetilizante solucionado”, afirma Silva.
fertilizantes que auxiliam no desenvolvimen- por mês, afirma o responsável técnico Fe- O composto orgânico também aumenta
to de lavouras localizadas em todo o País. lipe Hahn da Silva. Ele explica que o envio a capacidade de infiltração da água, reduzin-
Situada em Garibaldi, na Serra gaúcha, a de matéria-prima é realizado por empresas do a erosão; favorece a sobrevivência de mi-
empresa procura apresentar aos agricultores parceiras, entre elas frigoríficos, indústrias nhocas, insetos e micro-organismos desejá-
alternativa de adubo que traz diversas vanta- papeleiras, vinícolas e fumageiras. veis; proporciona a solubilização e a retenção
gens à plantação. Entre os benefícios da utili- Além de vantagens para o rendimento da dos nutrientes químicos; dificulta ou impede
zação está a melhora da saúde do solo, uma plantação, a destinação de resíduos orgâni- a germinação de sementes de plantas invaso-
vez que a matéria orgânica composta se liga cos, por parte das empresas, permite preser- ras; e mantém a temperatura e os níveis de
às suas partículas, o que auxilia na retenção e var o meio ambiente, minimizar a poluição e acidez do solo, entre outras vantagens.

84
PRODUÇÃO Com um processo de produção que dura de 10 a 12 meses, o adubo orgânico leva, em sua fórmula, resíduos de
serragem, incubatório, bagaço de uva, pó de fumo, esterco de poedeira, lodo de frigorífico e cinzas. A compostagem é realizada no interior
de pavilhões que totalizam área coberta de aproximadamente 10.800m², com capacidade para recebimento de 2,5 mil toneladas por mês.
Antes de ser embalado, o composto passa por várias etapas. Após receber o resíduo de empresas, são elaboradas e formadas as leiras.
Em seguida, o material permanece no pavilhão, com temperatura controlada, umidade, aeração, pH e grau de maturação. Por último
ocorre o revolvimento das leiras e o peneiramento. Para venda, o fertilizante é oferecido embalado e a granel.
O insumo produzido pela Extratus é inspecionado e aprovado pela Ecocert Brasil, o que garante a certificação como produto apropria-
do para uso na produção orgânica.

Extra power
Company in Rio Grande do Sul provides for
one more organic fertilization option for
different crops, with short-run results
To improve soil health and, at the same thousand tons of fertilizers a month, says Fe-
time, benefiting the crop, is what every lipe Hahn da Silva, technician in charge. He
farmer desires. Focused on this premise, explains that the raw material is shipped to
Extratus Compostos Orgânicos develops the company by partner companies, includ-
fertilizers that boost the development of ing meat packing industries, paper indus-
farms located in South Brazil. Based in tries, wineries and tobacco companies.
the city of Garibaldi, at the foot of the Besides the advantages derived by the
Gaucho Sierra, the company provides the crops, the destination of organic waste by
growers with alternative fertilizers that the companies results into environment
impart benefits to the crops. One of the preservation, pollution minimization,
Divulgação

benefits is the improvement of soil health, whilst ensuring sustainable development.


once compound organic matter mingles “By correctly utilizing this material, a solu-
with soil particles, helping with retain- tion is on the way for a huge environmen- micro-organisms; it provides for solubi-
ing moisture levels and, at the time, with tal problem”, says Silva. lization and chemical nutrient retention;
drainage and aeration systems. The organic compound also improves it impairs and prevents the germination
Extratus has been involved in organic soil’s water infiltration capacity, thus of weed seed; and keeps both soil acid-
residue processing operations since 2010, reducing erosion; it favors the survival ity levels and temperature stable, just to
and its output reaches approximately one of earthworms, insects and desirable mention a few advantages.

PRODUCTION With a production process that lasts for 10 to 12 months, the formulation of the organic fertilizer carries saw-
dust and incubator waste, grape bagasse, tobacco dust, egg-laying hen manure, sludge from meat processing and ash. The composting
process takes place inside the pavilions, with a total area of 10,800 square meters under roof and a capacity for 2.5 thousand tons a month..
Before being packed, the compound goes through different stages. After receiving the waste from the companies, ridges are made. Then
the material is kept in the pavilion, under controlled temperature, moisture and aeration levels, along with PH and degree of maturation.
Finally, the ridges are revolved and the material is sifted. This type of fertilizer is sold in sacks or in bulk.
The input produced by Extratus is inspected and approved by Ecocert Brazil, ensuring its certification as an appropriate organic
production fertilizer.

85
Eventos | Events

Central de
abastecimento
Sílvio Ávila

Horticultura nacional permanece em destaque


durante todo o ano em eventos que estão
programados para as mais diversas regiões do País
Se as hortaliças brasileiras já garantem de experiências e de visões do setor. Para isso, será o 15º Congresso Brasileiro de Man-
variedade e qualidade aos consumidores, estão programados debates sobre temas rela- dioca, cujo tema central será “Inovação e
imagina só quantos eventos de renome cionados ao comércio, ao consumo e às ten- sustentabilidade: da raiz ao amido”. Em Sal-
podem ser realizados a partir delas. Ano dências de mercado no Brasil. vador, na Bahia, entre 21 e 26 de outubro,
a ano, a seleta de simpósios, cursos, se- Mais tarde, nos dias 19 e 20 de setem- deverão ser discutidos aspectos como práti-
minários e encontros é grande. Tem para bro, a capital dos catarinenses, Florianó- cas culturais e novas oportunidades de uso
todos os gostos, principalmente para o do polis, recebe o 8º Encontro Brasileiro de na indústria, aproveitamento da raiz como
conhecimento e do aperfeiçoamento. Hidroponia. Realizado pela Universidade alimento funcional e na alta gastronomia,
Mesmo que a realização do Congresso Federal de Santa Catarina (UFSC) e pelo La- importância da mandioca para a segurança
Brasileiro de Olericultura, tradicional para boratório de Hidroponia (LabHidro), com alimentar e mais uma porção de subtemas.
o setor, ocorra, a partir de 2013, no formato apoio de outras instituições, tem por meta Para tanto, serão apresentados traba-
bienal (o próximo está marcado para julho promover a interação entre os produtores lhos científicos, promovidos minicursos,
de 2014), há várias outras promoções interes- de hidropônicos e suas experiências. palestras, painéis e mesas redondas. Pa-
santes, organizadas para produtores, técnicos Além disso, os participantes têm a chan- ralelamente, será realizado um evento de
e lideranças. Entre eles está o 4º Seminário ce de praticar o intercâmbio de informações integração gastronômica envolvendo bares
Nacional de Tomate de Mesa. Com realização com os palestrantes, consolidar redes de e restaurantes da capital baiana. A proposta
nos dias 23 e 24 de abril, em Campinas, região pesquisa, fortalecer a representatividade da é que sejam servidos pratos e petiscos com
que abrange cerca de 50% da tomaticultura hidroponia na produção nacional de hortí- foco na mandioca, durante o congresso.
de mesa nacional, no Estado de São Paulo, o colas e proporcionar maior visibilidade das São eventos que visam ampliar e desenvol-
evento tem como objetivo reunir represen- ações, entre outras oportunidades. ver milhares de novas e boas ações. As hor-
tantes da cadeia produtiva, incentivar a troca Durante o ano, outro evento de destaque taliças brasileiras agradecem.

86
Distribution
Center
Horticulture in Brazil stays in the spotlight year-round
in events held in different regions of the Country
If Brazilian vegetables give consumers
a chance for different varieties of excel-

Sílvio Ávila
lent quality, it is not hard to imagine the
number of renowned events that could be
staged with the focus on them. Year after
year, the number of symposiums, courses,
seminars and meetings keeps growing.
There is always something for every differ-
ent operation, especially for people seeking
knowledge and improvement.
Even though the Brazilian Olericulture
Congress, very traditional for the sector,
from 2013 onward will be held every other
year, the next one has been scheduled for
July 2014. There is an array of very useful
promotions scheduled for producers, techni-
cians and leaderships, among them the 4th
National Table Tomato Seminar.
Scheduled to be held in Campinas, on
April 23 and 24, region that comprises about
50% of all table tomato fields in Brazil, lo-
cated in the State of São Paulo, the goal of
the event is to bring together representatives
of the supply chain, encourage the exchange
of experiences and visions of the sector. To chance to exchange information with the and used in high gastronomy, the impor-
this end, debates have been programmed on lecturers, consolidate research networks, tance of cassava for food safety purposes
themes related to trade, consumption and strengthen the representativeness of hy- and lots of other subsequent subjects.
trends of the Brazilian market. droponics farming in the national veg- To this end, the agenda includes scientific
Later on, on September 19 and 20, the etable supply chain and provide for more papers, mini courses, panels, lectures and
capital city of Santa Catarina will be the visibility of all initiatives, just to mention roundtable presentations. Simultaneously,
venue for the 8th Brazilian Hydroponics a few opportunities. a gastronomic integration event will be held
Conference. Coordinated by the Federal During the year, another highlight will with the representatives of the bars and res-
University of Santa Catarina (UFSC) and by be the 15th Brazilian Cassava Congress, fo- taurants of the capital city. With regard to the
the Hydroponics Lab (LabHidro), with sup- cused on “Innovation and Sustainability: meals during the event, the suggestion is for
port from other institutions, the event aims from root to starch”. In Salvador, State of cassava-based dishes and delicacies. Such
to promote interaction between hydroponics Bahia, from October 21 – 26, debates will events are aimed at broadening and develop-
farmers and their experiences. be held on cultural practices and new in- ing thousands of new and good initiatives.
Furthermore, the attendees will have a dustrial uses, the root as functional food Many thanks from all Brazilian vegetables.

87
E-mail: contato@rbbeventos.com.br
Mesa farta | Abundant table Site: www.hortitec.com.br

3º Congresso de Processamento
Inor Ag. Assmann

de Frutas e Hortaliças 2013


Data: 15 a 19 de setembro
Local: Ilhéus (BA)
Fone: (73) 3680-5259 / (73) 3680-5347
E-mail: cbpfh2013@uesc.br / cbpfh2013@gmail.com 
Site: www.cbpfh2013.com/

18º Congresso Brasileiro de Sementes


Data: 16 a 19 de setembro de 2013
Local: Florianópolis (SC)
Fone: (43) 3025-5223
E-mail: cbsementes2013@fbeventos.com
Site: www.abrates.org.br/cbsementes

4º Seminário Nacional de Tomate de Mesa 8º Encontro Brasileiro de Hidroponia


Data: 23 e 24 de abril de 2013 Data: 19 e 20 de setembro de 2013
Local: Unicamp, em Campinas (SP) Local: Florianópolis (SC)
Fone: (62) 3241-3939 / (19) 3243-6472 Fone: (48) 4052-8089
E-mail: tomate@wincentraldeeventos.com.br E-mail: contato@encontrohidroponia.com.br
Site: www.tomatedemesa.com.br/ Site: www.encontrohidroponia.com.br

4º Simpósio Brasileiro de Pós-Colheita – Frutas, 15º Congresso Brasileiro de Mandioca


Hortaliças e Flores e 7º Encontro Nacional sobre Data: 21 a 26 de outubro de 2013
Processamento Mínimo de Frutas e Hortaliças Local: Salvador (BA)
Data: 12 a 16 de maio de 2013 Fone: (71) 2102-6600
Local: Ribeirão Preto (SP) E-mail: reservas@gt5.com.br
Fone: (16) 3602-0317 Site: www.congressomandioca2013.com.br
E-mail: organizacao.sbpc@gmail.com
Site: www.spcepm2013.com.br 53° Congresso Brasileiro de Olericultura
Data: julho ou agosto de 2014
HortiFruti Brasil Show 2013 Local: Palmas (TO)
Data: 16 a 18 de maio Fone: (77) 3425-9350
Local: Curitiba (PR) E-mail: abh@uesb.edu.br
Fone: (41) 3072-1000 Site: www.abhorticultura.com.br
E-mail: pjfeirasbrasil@pjeventos.com.br
Site: www.hortifrutibrasilshow.com.br/ 7º Congresso Brasileiro de Tomate Industrial
e 7ª Feira de Produtos e Negócios
20ª Hortitec – Exposição Técnica de Horticultura, Data: 26 a 28 de novembro de 2014
Cultivo Protegido e Culturas Intensivas Local: Goiânia (GO)
Data: 19 a 21 de junho de 2013 Fone: (62) 3241-3939
Local: Holambra (SP) E-mail: eventos.go6@wineventos.com.br
Fone: (19) 3802 4196 Site: www.congressotomate.com.br

88
EFICIENTE NAS CULTURAS DE TOMATE, CEBOLA E BATATA.

RIDOMIL GOLD BRAVO


CUIDA DA SUA PLANTAÇÃO,
PROTEGENDO SEMPRE
E COMBATENDO
QUANDO NECESSÁRIO.
Ridomil Gold Bravo é o pior inimigo para as principais doenças que atacam
a sua plantação: a requeima no tomate e na batata e o míldio na cebola.
Isso porque ele é o único que combina dois ativos poderosos: um sistêmico
e outro protetor. Além disso, ele é resistente à chuva e tem grande
aderência na planta. Com Ridomil Gold Bravo, a sua plantação fica
protegida e você fica tranquilo.
© Syngenta, 2013.