Anda di halaman 1dari 4

A∴R∴L∴S∴ Maestro Vittorio Barbin Nº 4196

2º Trabalho no Grau de Aprendiz Maçom

Nome Histórico: Eliphas Levi Zahed

Nome: José Antonio de Oliveira

Tema: A relação das “velas” com o homem e a Maçonaria


Um estudo esotérico

Orientador: Am∴ Ir∴ Prince Hall


Ven∴ Mestr∴ Conde de Lages
Dignís∴ 1º Vig∴ Alan Kardec
Dignís∴ 2º Vig∴ Prince Hall
MM∴ Inst∴

AA∴ IIR∴

A relação das “velas” com o homem e a Maçonaria - um estudo1 esotérico2

As primeiras velas datam do século X a.C. sendo referidas em textos bíblicos 3. Eram nada
mais do que simples juncos besuntados com sebo. Os arqueólogos descobriram na Grécia e no
Egito velas com formato de bastão. Para os gregos, simbolizavam o luar. Constatou-se que na Grécia,
as velas eram usadas no 6º dia de cada mês para adoração a Artemísia, deusa grega da caça.
Na Idade Média, as velas iluminavam igrejas, mosteiros e salões. Naquela época os
pecuaristas as usavam de forma sagrada para proteger seus rebanhos. O clero aconselhava o uso de
velas brancas para afugentar bruxas. Além de confeccionadas com sebo de animais, outra opção era
fazer velas com cera das abelhas, só que nesse caso a produção era pequena.
Consideradas artigo de luxo na Europa, as velas eram fabricadas por artesões especializados.
Em 1854, depois de muitos estudos por parte do químico francês Michel Eugéne, criou-se a vela de
parafina usada ainda hoje.
A vela nos remete à chama, à luminosidade que dela se origina.
Mas o que é Luz, numa linguagem esotérica, mística ou cabalística?
A LUZ é vista geralmente como uma metáfora para a SABEDORIA. E a CHAMA é uma
mensagem de luz – símbolo universal de claridade, visão, conhecimento, verdade e VIDA.
A visão da Vela como símbolo da Vida está no fato de que não é permitido o sopro para
apagar a vela, porque Deus, o G ∴A∴D∴U∴, quando moldou o homem, deu-lhe a vida por meio do
sopro. O sopro é a vida e não a destruição. Não se pode apagar a vida da vela, senão tirando-lhe o
oxigênio que a alimenta. No Rito Adonhiramita utiliza-se, para isso, o “abafador”.
1
Para que não fique caracterizado plágio, informo que o conteúdo deste trabalho foi retirado parcialmente de
sites da internet, todos gratuitos, os quais estão indicados nas referências bibliográficas
2
Esotérico = Hermético (ininteligível, não compreensível); que pode ser entendido ou compreendido por
poucas pessoas, por “iniciados na Arte Real”.
3
“Farás um candelabro de ouro puro… Far-lhe-ás também sete lâmpadas. As lâmpadas serão elevadas de tal
modo que alumiem defronte dele” (Ex 25, 31-37)
A relação da VELA com o CORPO e a ALMA do HOMEM

O fogo é semelhante à alma no corpo.


A cera (ou óleo) é semelhante ao corpo (matéria).
A cera é consumida pelo fogo (chama), que não se desgasta. Ou seja, o fogo termina quando
acaba a cera. O corpo humano é consumido pela vida4 (fogo).
A vela (o corpo, a cera) tem forma, mas a chama não. O corpo tem forma definida, ao passo
que a Alma é disforme.
O tamanho da chama não é determinado pelo tamanho da vela, ou seja, o “tamanho” da
Alma não é determinado pelo tamanho do corpo. Uma pessoa com um corpo pequeno não
necessariamente possui uma Alma “pequena”.
Embora a vela tenha muitas características ou uso possíveis, tais como, selar, lubrificar, seu
propósito básico é iluminar. O mesmo se aplica ao corpo que, embora tenha muitas funções, sua
tarefa essencial, é abrigar a Alma para trazer luz ao mundo. Então, a vela representa o princípio
vital; pois o calor e a luz são elementos indispensáveis à vida.

A VELA na MAÇONARIA e no RITO ADONHIRAMITA

Na Maçonaria Adonhiramita, o Cerimonial do Fogo tem o propósito simbólico de levar as


energias, que são representadas pelas Luzes da Loja, para as regiões do orbe terrestre que se
encontram na escuridão. Ou seja, a Luz “na” Maçonaria significa que a Luz “da” Maçonaria deve
levar a Luz ao mundo e, assim, eliminar a ignorância e o obscurantismo.
No Rito Adonhiramita, a emanação da energia do fogo em Loja inicia-se antes dos trabalhos
serem iniciados, com o revigoramento da “Chama Sagrada”, através do acendimento de uma “vela”
no Altar da Chama Sagrada. Este ritual tem o significado esotérico de “dar a Luz ao Templo” e,
misticamente, funciona como uma alavanca psíquica que desperta os poderes extrassensoriais em
estado latente nos obreiros, levando-os a se unirem com a Egrégora da Maçonaria Univerval.

CONCLUSÃO

Nosso lugar verdadeiro na “existência terrena” é um lugar de LUZ. Mesmo que nos
encontremos em meio às trevas e ao sofrimento, devemos lembrar que este não é o nosso Lar. O
nosso “Ser essencial” está num vínculo indestrutível com a FONTE DE LUZ que é o G ∴A∴D∴U∴.
Essa verdade do ser humano como LUZ encontra eco nos nossos Templos. Da mesma forma
como dito por Matheus em seu evangelho (5, 14-16):
“Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um
monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha.

4
Neste caso a Alma não se extingue com a morte, como o fogo que deixa de existir quando a cera acaba.
Ao contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na
casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas
obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus.”

Então meus Amados Irmãos, SEJAMOS LUZ... SEJAMOS MAÇONS!

Referências bibliográficas

http://feiticosaromaticos.com.br/blog/index.php/utilidades-a-origem-das-velas-e-como-fabrica-las/ - Acessado em
10.03.2017
http://www.diarioadonhiramita.com.br/2016/as-velas - Acessado em: 10.03.2017
http://biblia.com.br/novaversaointernacional/exodo/ex-capitulo-25/ - Acessado em 10.03.2017
https://www.dicio.com.br/esoterico/ - Acessado em 10.03.2017
http://www.dicionarioinformal.com.br/herm%C3%A9tico/ - Acessado em 10.03.2017
http://rezairezairezai.blogspot.com.br/2013/04/acenda-velas-pelas-almas-biblia-e.html - Acessado em 10.03.2017
http://biblia.com.br/joaoferreiraalmeidarevistaatualizada/mateus/mt-capitulo-5/ - Acessado 10.03.17