Anda di halaman 1dari 92

FICHA TÉCNICA

renováveis magazine 31
3.º trimestre de 2017

Diretor

renováveis magazine
Cláudio Monteiro
cdm@fe.up.pt
TE987

Corpo Editorial
revista técnico-profissional de energias renováveis
Diretor Comercial: Júlio Almeida
T. +351 225 899 626
j.almeida@renovaveismagazine.pt
Chefe de Redação: Helena Paulino
T. +351 220 933 964
h.paulino@renovaveismagazine.pt

Assessoria
Ricardo Silva 2 editorial 46 Projeto “SolyRent”: painel solar fabricado
r.silva@renovaveismagazine.pt
o vislumbre da paridade para a ECOFER na Ásia ou na Europa?
Design
Daniel Dias 48 potenciar a participação em mercado
4 espaço APESF de fontes fotovoltaicas através de sistemas
Webdesign
Ana Pereira a APESF e o setor fotovoltaico de armazenamento de energia em baterias
a.pereira@cie-comunicacao.pt

Assinaturas 6 espaço CBE informação técnico-comercial


T. +351 220 104 872
assinaturas@engebook.com as centrais, a biomassa florestal e os municípios 52 Weidmüller participana “Husum Wind 2017”
www.engebook.com
54 permutadores de calor de ar/água Hygienic
Conselho Redatorial 8 espaço LNEG
Design da Rittal
Alexandre Fernandes (ISEG)
Álvaro Rodrigues (FEUP/INEGI) o futuro das redes elétricas. O que vem aí?
56 Circutor: a empresa como motor da transição
Ana Estanqueiro (LNEG)
António Joyce (LNEG) energética
10 renováveis na lusofonia
António Sá da Costa (APREN)
58 Vulcano: os desafios das cidades do futuro
António Lobo Gonçalves (EDP RENOVÁVEIS) análise dos dados estatísticos internacionais
João Abel Peças Lopes (FEUP/Inesc) 60 SEW: segurança, flexibilidade e eficácia
sobre o acesso à energia e às energias
João Bernardo (DGEG)
Joaquim Borges Gouveia (UA) renováveis nos países lusófonos – 1.ª PARTE com safetyDRIVE
José Carlos Quadrado (ISEL) 62 TM2A: assistência técnica, eletromecânica
Nuno Moreira (UTAD)
Maria Teresa Ponce Leão (FEUP/LNEG) 12 vozes de mercado e eletrónica
Rui Castro (IST) economia da eletricidade renovável 63 Bosch: caldeiras de condensação murais
Colaboração e seu desenvolvimento a gás Junkers até A+ na classe de eficiência
Cláudio Monteiro, Francisco Pinto, Sónia Figo,
Teresa Almeida, Teresa Ponce de Leão, energética
José Medeiros Pinto, Rita Pereira, Brittney Becker, 14 notícias
64 Phoenix Contact: distribuidores de potencial
Bruno Antunes, Ismael Miranda, Nuno Silva,
Marta Ribeiro, Hélder Leite, Stephan Pollmann, com ligação Push-in
26 dossier sobre integração de energias
Alexandre Cruz, Pedro Serôdio,
Marta Caeiro e André Mendes renováveis e armazenamento 66 Simbiotika: sistemas de armazenamento
de energia de energia elétrica
Tiragem
5000 Exemplares 27 uma visão geral sobre o armazenamento 68 Bim Ready: a Caleffi já disponibiliza mais
da energia elétrica de 300 famílias de produtos em BIM
Periodicidade
Trimestral 32 desafios e oportunidades para 70 radiadores de alta eficiência energética
Redação, Edição e Administração o armazenamento de energia na Europa da Runtal e da Zehnder
CIE – Comunicação e Imprensa Especializada, Lda.®
Grupo Publindústria 34 a evolução das condições técnicas de ligação 72 SKF constrói o caminho para um futuro digital
Tel.: +351 225 899 626/8 . Fax: +351 225 899 629 dos produtores à rede de distribuição
.
geral@cie-comunicacao.pt www.cie-comunicacao.pt
74 produtos e tecnologias
Propriedade case study
Publindústria – Produção de Comunicação, Lda.
38 autoconsumo fotovoltaico com baterias 86 bibliografia
Empresa Jornalística Registo n.º 243 163
Praça da Corujeira, 38 . Apartado 3825 42 prolongamento da vida útil dos rolamentos
4300-144 Porto
Tel.: +351 225 899 620 . Fax: +351 225 899 629 nos eixos principais de turbinas eólicas 88 links

Publicação Periódica
Registo n.º 125808
Depósito Legal: 305733/10
ISSN: 1647-6255

INPI
Registo n.º 452220

Os artigos assinados são da exclusiva


responsabilidade dos seus autores. www.renovaveismagazine.pt
Aceda ao link através
Estatuto Editorial disponível em
www.renovaveismagazine.pt deste QR Code

/renovaveismagazine

1
editorial

o vislumbre da paridade
para a ECOFER
Os leitores perguntar-se-ão, o que é isso da ECOFER? Não é nada de novo, apenas
uma sigla inventada por mim para designar “Eletricidade Com Origem em Fontes de Energia
Renovável”. Os mais fundamentalistas, com alguma razão, não gostam da falta de espe-
cificidade da designação curta e apressada “Renováveis”. Na verdade, seguindo este pre-
ciosismo, também esta revista se deveria chamar “FER Magazine” em vez de “Renováveis
Cláudio Monteiro Magazine”, mas fiquemos por aqui que melhor nos entendemos sem fundamentalismos
Diretor
e há assuntos mais interessantes para colocar neste editorial.

Um dos assuntos é a boa notícia sobe a chegada à DGEG de grande quantidade de pedi-
dos de licenciamento de centrais fotovoltaicas e parques eólicos, dispostos a ser remune-
rados a preço de mercado. Mais de 1000 MW de capacidade em menos de um mês, o que
é realmente surpreendente, só podendo ser uma prova de se ter já atingido a paridade de
preços das ECOFER, comparativamente com a produção de eletricidade a partir de ener-
gia fóssil e nuclear. Também do Reino Unido chegam notícias de leilões para novos parques
eólicos em que, pela primeira vez, conseguiram fechar com preços de venda de eletrici-
dade inferiores aos preços resultantes dos leilões para novos projetos de centrais nuclea-
res. Outra boa notícia, desta vez para o fotovoltaico, é o facto de a UE reduzir os limites
mínimos de preços impostos aos produtos chineses, passando a ser 0,37€/W para painéis
de silício policristalino e de 0,42€/W para os monocristalinos, o que possivelmente influen-
ciará positivamente o mercado do fotovoltaico. A confirmar-se este vislumbre da paridade,
e não sendo apenas um resultado de especulação, será um ponto de viragem histórica.
A partir deste ponto a ECOFER será imparável, deixando de depender da sensibilidade
ambiental dos governos e da influência das empresas do setor.

Sistemas com grande


fração de ECOFER,
forçarão a preços
de mercado muito
baixos, mais baixos
que o LCOE, resultando
na inviabilidade
económica dos
projetos de produção
e do mercado
de eletricidade, qualquer
que seja a tecnologia. No entanto, só o passar do tempo confirmará se esta viragem é efetiva. Também che-
gam notícias menos boas de Espanha em que o Tribunal de Justiça da União Europeia dá
sinais de não se opor a medidas de cortes e impostos às ECOFER, o que deixa livre a ima-
ginação para proliferarem políticas menos favoráveis. Outra ameaça, esta mais técnica, é o
próprio mercado de eletricidade, no qual a ECOFER sofre de um efeito de “canibalismo de
preços”. Em mercado de eletricidade, devido aos baixos custos marginais, a ECOFER tem
um impacto de redução dos preços, o que resulta numa redução da sua própria remunera-
ção. Sistemas com grande fração de ECOFER, forçarão a preços de mercado muito baixos,
mais baixos que o LCOE, resultando na inviabilidade económica dos projetos de produção
e do mercado de eletricidade, qualquer que seja a tecnologia.
Este problema de funcionamento do mercado é uma das razões porque se fala atual-
mente em remodelar os modelos de mercado, ou mesmo criar alternativas. Neste con-
texto seria bem-vindo um novo paradigma de valorização da ECOFER que, em vez de
valorizar a produção, valorizasse o consumo da ECOFER. Seria mais justo e eficaz premiar
os consumidores que consomem ECOFER, e assim promover, num modelo button-up, que
promovesse justamente toda a fileira da ECOFER, um modelo em que o consumidor seria
o agente principal de promoção da ECOFER.

2
PUB.
espaço apesf

a APESF e o setor fotovoltaico


O mercado fotovoltaico em Portugal existe e está a crescer. Tem registado um cresci-
mento irregular, é certo, com períodos de crescimento rápido, seguidos de outros mais
estagnados. Contudo, e em bom rigor, a evolução do setor no passado esteve condicio-
nada a questões regulatórias, e não à sua capacidade natural para dinamizar-se, como
verificamos atualmente.

Movimentar-se no âmbito da energia solar é movimentar-se com a instabilidade que cara-


teriza qualquer área em desenvolvimento.
A geração de projetos de produção distribuída foi um incremento considerável no
crescimento do mercado do fotovoltaico, de forma sustentada e consolidada. Atualmente,
a potência instalada atinge números semelhantes aos verificados antes sob a forma de
Francisco Pinto
tarifas subsidiadas.
Presidente da
Na conferência de maio dinamizada pela APESF, o mercado nacional conheceu os núme-
APESF – Associação
Portuguesa das Empresas ros concernentes a projetos de geração distribuída em Portugal, com ligação e instalação A APESF nasceu,
do Sector Fotovoltaico efetiva à rede. Esta revelação veio confirmar a existência real de um mercado nacional para precisamente,
o fotovoltaico, assim como tornou evidente o seu crescimento. para dar resposta,
A APESF nasceu, precisamente, para dar resposta, apoio e colaborar na criação de con- apoio e colaborar
dições para que o setor fotovoltaico em Portugal atinja todo o potencial que se lhe reco- na criação de
nhece. Mesmo sendo uma instituição pequena, a APESF tem vindo a conquistar espaço e condições para que
respeito, tanto a nível nacional como europeu. o setor fotovoltaico
Ainda que de uma forma nem sempre evidente para o exterior (há algumas atividades em Portugal atinja
que não podemos divulgar de imediato, por obrigações de confidencialidade e discrição), todo o potencial
a APESF participa ativamente em iniciativas que visam o desenvolvimento do setor foto- que se lhe reconhece.
voltaico. A nível nacional, a APESF integra a plataforma CTE64, responsável pela elabora-
ção e aprovação dos regulamentos técnicos relacionados com o setor. A tónica principal
da nossa participação tem sido a elaboração do “Regulamento Técnico e de Qualidade”,
com incidência particular na solução de interligação dos projetos com a RESP.
Ao nível europeu, a APESF integra o grupo de trabalho Strategy Committee, dinami-
zado pelas maiores associações europeias que agem a nível do fotovoltaico: a SPE e a
BSW. O grupo propõe estratégias para o setor, que são negociadas junto da Comissão
Europeia. Estes encontros resultaram na criação de um projeto europeu, que irá estudar
a dimensão do autoconsumo em diversos países, incluindo Portugal. O objeto e desen-
volvimento do projeto serão disponibilizados e atualizados na página oficial da APESF.
Tal como o mercado do fotovoltaico, a APESF
tem crescido de forma regular e sustentada. Até
O trabalho do passado, o do agora, a Associação tem organizado conferências
presente e o que ambicio- a cada dois anos, em momentos oportunos de
namos para o futuro só tem viragem do mercado em Portugal. Para a APESF,
sido possível com o apoio dos estes encontros têm de ser veículos de trans-
nossos associados. Visite-nos missão de mensagens fundamentais ao mercado,
em www.apesf.pt e contri- com conteúdos relevantes e pertinentes. Dado
bua para o crescimento deste o sucesso reconhecido das nossas conferências,
setor em Portugal. a APESF está empenhada em organizar encon-
tros anuais, reunindo no painel de oradores e
participantes, todos intervenientes que se movi-
mentam, influenciam e dinamizam o setor. Além da conferência anual que se realiza em
Lisboa, queremos estender a nossa presença a áreas geográficas nucleares em Portugal,
aproximando-nos da nossa massa associativa, presente em todo o país.
O crescimento e consolidação que a produção distribuída trouxe ao setor, permitem
agora desenvolver um conjunto de atividades com o objetivo de dar resposta ao inte-
resse crescente, que novamente pequenos instaladores de menor escala estão a demons-
trar quanto a esta “nova” tecnologia. Neste sentido, a APESF está a preparar ações de
formação teóricas e práticas, especificamente pensadas para este perfil de instalador, que
se propõe trabalhar no mercado fotovoltaico. Planeamos também organizar formações
sobre o “Regulamento Técnico e de Qualidade” em conjunto com a DGEG, após a sua
publicação, bem como workshops subordinados aos temas do armazenamento e das pro-
teções de interligação com a rede (tensão homopolar).

4
PUB.
espaço cbe

as centrais, a biomassa florestal


e os municípios
A atual reforma das florestas, mais diretamente através do Decreto-Lei n.º 64/2017
de 12 de junho, reconhece o contributo que as centrais e a biomassa florestal resi-
dual podem ter para “a dinamização do mercado dos sobrantes florestais e indiretamente o
fomento das boas práticas de gestão e exploração florestal sustentável”, contribuindo ainda
para o desenvolvimento da economia local.

Com a aprovação deste Decreto-Lei que aprova o regime para novas centrais de bio-
massa florestal e com a devastação provocada este ano pelos incêndios rurais, os municí-
pios despertam cada vez mais para o papel que a biomassa poderá vir a ter num futuro
próximo para a revitalização das florestas e consequente redu-
ção do risco de incêndio, mas também da própria economia local.
Um plano de gestão florestal municipal que contemple a valo- Exemplo da influência de uma
rização sustentável da biomassa florestal residual e a existência central a biomassa num município
num raio economicamente viável de um consumidor deste tipo A primeira central termoelétrica a biomassa
de biocombustível sólido é, sem dúvida, um fator de atratividade florestal residual, situada em Mortágua, con-
Sónia Figo
e Teresa Almeida pelas florestas que terá, inevitavelmente como consequência direta, some anualmente 137 mil toneladas, rece-
Centro da Biomassa evitar a transformação dos pequenos focos em incontroláveis e bendo diariamente cerca de 30 veículos
para a Energia devastadores incêndios. pesados com biomassa florestal, proveniente
Estas centrais têm papel importantíssimo na economia local, e de operações silvícolas de gestão florestal e
mais concretamente para as populações rurais, pois são uma forma que servirá de combustível para produção
de remunerar as limpezas e outras intervenções silvícolas, cujos de energia elétrica. Cerca de 60% da bio-
proprietários florestais são em muitos casos incapazes de supor- massa recebida vem na forma de estilha e
tar, potenciando assim a criação de emprego no setor primário e 40% por destroçar, sendo paga uma média
a consequente fixação da população. de 20 euros por tonelada, preço este que
Há muito que o CBE vem divulgando as vantagens da criação de varia de acordo com a qualidade da biomassa
parques intermédios de recolha e processamento da biomassa flo- (Agência Lusa, 2017).
restal, a dinamizar pelas autarquias ou comunidades intermunicipais, Estudos realizados sobre o efeito poten-
com o objetivo de tornar a atividade viável e economicamente cial na redução de incêndio das centrais a
Os municípios atrativa. Este tipo de infraestruturas poderá estimular as interven- biomassa, nomeadamente no âmbito do
despertam cada vez ções silvícolas, dado que os proprietários, empresas de exploração projeto europeu PROFORBIOMED, levam
mais para o papel florestal ou outros agentes com intervenção na floresta teriam a concluir que ocorreu na proximidade da
que a biomassa à disposição um local onde garantidamente poderiam depositar central uma diminuição significativa da área
poderá vir a ter estes sobrantes para valorização energética. ardida desde a sua instalação (Rego, 2014).
num futuro próximo Estas infraestruturas e a criação, em simultâneo, de um plano
para a revitalização para incentivar a instalação de caldeiras a biocombustíveis sólidos
das florestas em escolas e edifícios públicos nos municípios possibilita aliar três
e consequente importantes vetores – a poupança de energia, a redução de emissões de GEE e a dimi-
redução do risco nuição da carga inflamável nas florestas, a par do desenvolvimento da indústria metalúr-
de incêndio. gica em Portugal.

CBE – Centro da Biomassa para a Energia


geral@centrodabiomassa.pt � www.centrodabiomassa.pt
Tel.: +351 239 532 436

6
PUB.
espaço lneg

o futuro das redes elétricas.


o que vem aí?
A integração total de energias de fontes renováveis só
será conseguida se associada a tecnologias de integração
e de armazenamento que permitam explorar o poten-
cial que resulta da variabilidade do consumo e das fon-
tes renováveis.

O sistema elétrico tem vindo a incluir de forma fortemente


crescente equipamentos e soluções dependentes da ele-
trónica de potência que introduzem controlabilidade auto-
mática e que permitirão otimizar o uso das redes, garantir
Teresa Ponce flexibilidade e otimizar a operação dos sistemas e ainda,
de Leão não menos importante, permitir a integração de todas as Figura 3 Blockchain, liga entre si as transações efetuadas na rede.
fontes de energia de origem renovável ao mesmo tempo
LNEG
– Laboratório Nacional que garante a sua gestão eficiente.
de Energia e Geologia de pequenas fontes descentralizadas num diálogo perma-
nente entre estes produtores-consumidores (prosumers) e
os consumidores [1].
O momento é de revolução na energia e já não há qual-
quer dúvida do papel destas fontes em geral descentraliza-
das e do armazenamento para aproveitar todo e qualquer
excesso que possa vir a ser utilizado para necessidades não
coincidentes com a produção. O armazenamento, seja tér-
mico ou elétrico dedicado ou a partir dos veículos elétricos
surge como mais uma fonte de energia no sistema.
Neste momento de transição ou, como referi, de revo-
lução, emerge um novo conceito pronto a ser aplicado na
indústria “Blockchain”. Mas de que falamos?
Figura 1 Sistema clássico de gestão de energia. “Blockchain” é uma plataforma de software para transa-
cionar ativos digitais.Trata-se de uma plataforma que regista
todas as transações que de forma inovadora as torna ten-
Há indicadores que têm que ser considerados nesta inte- dencialmente mais rápidas, seguras, transparentes e menos
gração como: a qualidade da potência; a integração plena de caras. Um novo desafio ou um novo repensar.
renováveis; a capacidade de transferência de necessidades Comecemos do princípio.
de consumo; a gestão da procura; a gestão da tensão; a ges- “Blockchain” é uma ferramenta que trabalha sobre uma
tão da reserva; a gestão do acompanhamento da carga; e a base de dados pública facilitando e possibilitando o rastrea-
gestão do congestionamento do sistema. mento da moeda encriptada “cryptocurrency”, bitcoin, por
Estamos, portanto, a falar de sistemas de complexidade exemplo. Faz os registos de forma cronológica e liga entre
crescente e dificilmente geridos por um sistema clássico de si as transações efetuadas na rede, isto é, tende a tornar a
gestão de energia. À medida que baixamos o nível de ten-
são, essa complexidade aumenta. O futuro da energia será
cada vez mais o resultado da produção a partir de milhões

Figura 2 Os sistemas de gestão serão tendencialmente mais complexos. Figura 4 Como funciona.

8
PUB.
moeda digital mais segura enquanto mantém as autenticações descen-
tralizadas. “Blockchain” contribui para a garantia de confiabilidade, base
para uma durável existência dos “Bitcoins”, já agora posta em causa.
Esta tecnologia está a ultrapassar as fronteiras das meras transações
em moeda para todas as “comodities” que se relacionem em rede.
É o caso das redes elétricas e em particular das redes de distribui-
ção. Nas redes bidirecionais que emergem com uma enorme panóplia
de participantes, consumidores, agregadores, produtores, armazena-
mento, permite construir um sistema seguro, que instantaneamente
verifique transações autónomas num mercado de energia dinâmico.
No futuro, o sistema de distribuição será constituído por milhões
de nós interagindo entre si – micro redes, aparelhos inteligentes, sen-
sores, sistemas de gestão de energia, entre outros. A segurança do
sistema é crucial assim como a garantia de verificação e registo de
todas as transações autónomas.
Blockchain não vai apenas alterar o funcionamento do mercado
atual e torná-lo mais eficiente. Tem o potencial de disrupção e de
abertura dos mercados da energia sem precedentes não limitando
as transações a um único ativo.
Pelo mundo vemos várias experiências como a colaboração entre
fornecedores de soluções tecnológicas e a rede. Entre outros, é o
caso do fornecedor de soluções de armazenamento Sonnen e o TSO
que gere a rede de transporte alemã,TenneT, que irão integrar a ener-
gia solar e baterias através da tecnologia Blockchain desenvolvida pela
IBM numa das primeiras experiências do mundo [2].

Quais os impactos do “Blockchain”?


Aumento da velocidade de negociação, minimização dos registos,
minimizando os custos totais, aumentar a disponibilidade e fiabilidade
dos dados, melhorar a capacidade de rastreamento perfeito para dar
título a transações físicas.
Aumento da velocidade nas transações, a acessibilidade de infor-
mação fiável e dar estatuto ativo e negociável.
Remoção ou redução de custos adicionais nas transações ou remo-
ção de intermediários, facilitação de inclusão de Normas regulatórias,
aumento de eficiência pela introdução de normalização aumentando
a interoperabilidade e a capacidade de integração.
Redução de risco de fraude, erro e transações inválidas e redu-
ção de risco de crédito e de requerimentos de transações de capi-
tal. Como os contratos são descentralizados são acessíveis a todos e
não necessitam de intermediários.

O valor do “Blockchain”
Há boas razões para que a adesão a esta plataforma atraia muitos
interesses.
Trata-se de plataforma, (arrisco!), dita para já altamente segura, de
baixos custos, resiliente ao erro, e à possibilidade de redução de cus-
tos de capital.
Há também boas razões, para com o que foi dito atrás, pensarmos
o que é necessário para que toda esta mudança de comportamen-
tos imposta pela tecnologia seja admitida, seja absorvida na forma de
atuar dos agentes dos diversos mercados, das praças financeiras às
simples transações comerciais, ou mesmo à gestão das nossas redes
energéticas.

Referências bibliográficas
[1] Deloitte, Blockchain application in energy trading, 2016.
[2] https://www.energy-storage.news/news/blockchain-and-batteries-
-will-assist-german-grid-operator.
renováveis na lusofonia

análise dos dados estatísticos internacionais


sobre o acesso à energia e às energias
renováveis nos países lusófonos – 1.ª PARTE
Um dos principais objetivos da Associação Lusófona de que posteriormente não são agregados a nível nacional. Por
Energias Renováveis (ALER) tem sido a divulgação de infor- essa razão, a única solução tem sido recorrer a dados inter-
mação relevante e atualizada sobre o estado das energias nacionais, apesar das discrepâncias entre fontes e erros de
renováveis e do acesso à energia nos países lusófonos. concordância que podemos identificar mas não corrigir.
Assim, a ALER elaborou recentemente uma análise sobre Neste seguimento, uma recomendação transversal que
www.aler-renovaveis.org
o Estado das Energias Renováveis e o Acesso à Energia nos a ALER deixa a todos os países africanos de língua oficial
Países Lusófonos, com base nos últimos relatórios e dados portuguesa e Timor-Leste é a necessidade de compilação
internacionais disponíveis. É uma análise que permite tirar de dados nacionais completos e atualizados, definição de
conclusões relevantes, dando a conhecer as estatísticas inter- metodologia para a sua agregação e publicação de estatís-
nacionais e analisando o estado do setor a nível lusófono. ticas nacionais de energia (não apenas de eletricidade e, no
Ao longo do presente ano de 2017, têm sido publicados caso deste sub-setor, incluindo dados de projetos fora ou
vários relatórios globais, disponíveis para consulta na base ligados à rede). Só desta forma será possível compreender
de dados do LERenováveis. Os relatórios anuais Renewa- verdadeiramente o ponto de situação, definir metas e estra-
bles Global Status Report publicados pela REN21 eram até tégias e poder monitorizar a sua evolução. A ALER dispo-
agora a principal fonte de Informação, mas infelizmente não nibiliza-se desde já para dar todo o seu apoio para levar a
cobrem todos os países lusófonos. Por outro lado, a base cabo esta tarefa.
de dados online RESources da IRENA tem dados para todos “Aproveitamos para agradecer o trabalho da REN21 e do
os países, mas apenas para os indicadores relacionados com SE4All Knowledge Hub, e esperamos poder colaborar com
eletricidade. Foram os relatórios publicados este ano pelo estas e outras entidades para consolidar os dados dos paí-
SE4All Knowledge Hub, nomeadamente o Global Tracking Fra- ses lusófonos e garantir a disponibilidade de estatísticas para
mework (GTF) e o Readiness for Investment in Sustainable todos eles. Continuaremos a trabalhar para que um dia possa-
Energy (RISE), assim como o Atlas of Energy Africa Resour- mos publicar um relatório regional de energias renováveis na
ces, que vieram finalmente possibilitar essa análise compa- CPLP, tal como a REN21 já fez para a SADC, CEDEAO e outras
rativa mais completa. regiões Africanas”.
Da experiência obtida com o relatório de Moçambique, No que diz respeito ao acesso à energia (Gráficos 1
verificou-se que existem dados mas apenas por empresa, e 2), as taxas de eletrificação mostram que apenas Portugal
nomeadamente a utility e para o sub-setor da eletricidade, garante um acesso universal à eletricidade à sua população.

Tabela 1 Acesso à energia e energias renováveis nos países lusófonos.

10
renováveis na lusofonia

Gráfico 1 Taxa Nacional de Eletrificação 1990-2014 (%). Fonte: GTF. Gráfico 3 Acesso a Combustível e Tecnologia Limpa para a cozinhar (%). Fonte: GTF.

Gráfico 4 % populacional com dependência primária de combustíveis não sólidos/biomassa


Gráfico 2 % populacional com acesso à eletricidade. Fonte: AAER 1990-2012, REN21 2014. não-tradicional. Fonte: AAER 1990-2012, REN21 2014.

O Brasil está muito perto desta meta com 99,65%, mas a percenta- seguido do Brasil (entre 93% e 95%) (Gráfico 3). Entre os países africanos,
gem em falta ainda corresponde a 0,8 milhões. Entre os países africanos, Cabo Verde volta a ser o país com a melhor situação (entre 70% e 71%) e
Cabo Verde é aquele com maior taxa de eletrificação (90% ou 96% con- a Guiné-Bissau o país com o panorama menos animador (entre 3% e 4%),
forme as fontes) e a Guiné-Bissau aquele com menor (17,2% ou 21%). seguido de perto por Moçambique (4%). Estes valores também estão rela-
À Guiné-Bissau junta-se Moçambique e Angola na lista de países Afri- cionados com a percentagem da população no meio rural onde abunda
canos com uma taxa de electrificação abaixo da média do continente, a utilização de biomassa tradicional. À Guiné-Bissau junta-se Moçambique,
que é de 45%. Em termos de população, Angola e Moçambique são São Tomé e Príncipe e a Guiné Equatorial (numa das fontes) na lista de paí-
os países com maior número de cidadãos sem acesso à electricidade; ses lusófonos Africanos com uma percentagem de acesso a combustíveis
16 milhões em cada. No total, e sem contar com Timor-Leste, existem e tecnologias limpas para cozinhar abaixo da média do continente, que é
34,4 milhões de cidadãos lusófonos sem acesso à eletricidade; de 31%. Timor-Leste também está muito abaixo da média dos países asiá-
Cabo Verde é o país com uma evolução positiva mais acentuada da ticos em desenvolvimento que é de 50%. Esta situação reforça a necessi-
taxa de eletrificação desde 1990, seguido de Timor-Leste. A Guiné-Bis- dade de se trabalhar em programas de promoção de fogões melhorados
sau também regista uma evolução considerável desde 2007, e São Tomé e produção de combustível de forma sustentável para limitar os impactos
e Príncipe desde 2012. Angola é o único país cuja taxa de eletrificação ambientais de desflorestação e erosão do solo. Moçambique é destaca-
tem diminuído consistentemente ao longo do tempo, passando de 48% damente o país com mais população dependente da biomassa tradicio-
em 1990 a 32% em 2014. Os valores apresentados variam consideravel- nal e combustíveis sólidos (26 milhões), seguido de Angola (13 milhões)
mente conforme as fontes. Moçambique apresenta a maior disparidade, e Brasil (9,6 milhões). No total, existem 51,3 milhões de cidadãos lusófo-
com uma diferença de 19 pontos percentuais para os dados de 2014. Esta nos dependentes da biomassa tradicional. Angola é o país com uma evolu-
diferença também está relacionada com a metodologia, caso se consi- ção positiva mais acentuada, seguido de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe
dere a electrificação fora da rede ou apenas aquela garantida pela ligação e a Guiné Equatorial. Na Guiné-Bissau e em Moçambique a situação tem-
à rede nacional. Esta situação espelha a ausência de estatísticas nacionais -se mantido praticamente inalterada ao longo do tempo e em Timor-Leste
oficiais e a falta de consenso sobre o conceito de eletrificação. tem piorado. Para este indicador os valores já são mais semelhantes entre
Portugal é o único país lusófono em que toda a população tem acesso a fontes, com excepção da Guiné Equatorial em que há uma diferença de
combustíveis e tecnologias limpas e modernas para a confeção de alimentos, 35 pontos percentuais, o que altera totalmente o panorama neste país.

11
vozes de mercado

economia da eletricidade renovável


e seu desenvolvimento

Situação atual sistema. É nítido que, nos períodos em que a contribuição de


A notícia de 2016 de que Portugal conseguiu abastecer o renovável é mais reduzida (junho a setembro de 2015 e junho
seu consumo elétrico apenas por fontes de origem renová- a dezembro de 2016), o preço é mais elevado, rondando os
vel durante mais de quatro dias consecutivos foi, ao longo 50€/MWh, enquanto nos períodos onde a percentagem de
de várias semanas, a segunda notícia mais falada nos Estados eletricidade renovável é maior (janeiro a maio de 2016), o
Unidos – a primeira foi relacionada com o Cristiano Ronaldo. preço desce para a gama dos 25-30€/MWh.
Este acontecimento e a projeção que teve nos órgãos de Em termos acumulados, entre 2008 e 2015, este efeito
comunicação social de todo o mundo, prova como a eletri- deu origem a um ganho económico para Portugal de cerca
cidade renovável está a projetar e a consolidar a imagem do de 8,7 mil milhões de euros, valor que é bem superior ao
nosso país. Mas será que esta faceta positiva das renováveis designado “sobrecusto”! Foi alcançado, assim, um benefício
José Medeiros Pinto compensa o valor dos incentivos que foram proporciona- líquido de 3,2 mil milhões de euros nos oito anos do período
Secretário-geral APREN dos às tecnologias emergentes, como a eólica e a solar? É o 2008-2015, ou seja, uma média de 400 milhões de euros/ano.
(Associação Portuguesa que se irá analisar em seguida. Como crítica a este cálculo poderão alguns analistas argu-
de Energias Renováveis) O verdadeiro valor do incentivo das renováveis é determi- mentar que o método usado neste cálculo não é totalmente
nado pela ERSE através da publicação do designado “sobre- rigoroso por não se conseguir reproduzir o verdadeiro com-
custo” resultante da diferença entre o preço do mercado portamento dos agentes de mercado e que, além do mais,
grossista de eletricidade e as tarifas reguladas pelas condições o mercado português é influenciado pelo mercado espa-
definidas pelo Governo, para os vários concursos e leilões nhol e vice-versa, o que é verdade. Contudo, tendo presente
de potência para o desenvolvimento das tecnologias renová- que a determinação daquele valor de benefício económico
veis. Este sobrecusto abrange, em termos gerais, a tecnologia foi efetuada para o MIBEL no seu todo, tendo a repartição
eólica, a solar, a pequena hídrica, a biomassa, a cogeração de benefícios sido efetuada em função da produção reno-
renovável, a cogeração fóssil e a micro e mini-geração. Pela vável de cada um dos países ibéricos, o erro cometido é de
análise dos relatórios da ERSE “Tarifas e Preços”, verifica-se segunda ordem. A imprecisão cometida tem uma pequena
que o “sobrecusto” excluindo naturalmente os apoios à coge- expressão e não afeta nem a natureza nem a ordem de
ração fóssil e à micro e à mini-geração, alcançou o montante grandeza do benefício económico calculado.
de 5,5 mil milhões de euros, no período 2008-2015. Podem ainda surgir argumentos críticos que refiram que
as renováveis variáveis (eólica e solar) exigem uma maior
margem de reserva de geração face a um sistema predo-
Esta política de incentivos terá tido minantemente térmico, originando uma gestão do sistema
um balanço positivo? mais dispendiosa, o que também é verdade. No entanto,
A crescente percentagem de renováveis no atual mercado o encargo adicional com esta gestão do sistema tem uma
spot de eletricidade – de carácter marginalista, visto que toda pequena expressão face à dimensão do benefício econó-
a produção alocada recebe pelo preço da última unidade de mico atrás referido de 400 milhões de euros/ano. De facto,
geração casada – induz uma redução no preço de fecho de para colmatar esta necessidade de gestão da variabilidade,
mercado pelo facto da renovável ter um custo marginal de imagine-se a hipotética necessidade de investimento numa
“combustível” de zero. Para ilustrar este efeito pode obser- central de gás natural de ciclo aberto de 500 MW, com um
var-se a figura seguinte, na qual se assinala a evolução do preço investimento estimado na ordem dos 250 milhões de euros,
do mercado spot MIBEL nos anos de 2015 e de 2016 e a sua o qual é bem menor do que o benefício líquido obtido pela
comparação com a produção de eletricidade renovável no produção de eletricidade renovável em apenas um ano.
Mas a eletricidade renovável tem proporcionado outras
mais valias, que não se poderão deixar de mencionar. No
campo ambiental e de sustentabilidade refere-se a redução
de emissões poluentes e de efeito de estufa, que se cifram
da ordem de 10 milhões de toneladas de CO2 evitadas por
ano, a que corresponde uma valorização de custos evitados
em licenças de CO2 da ordem de 840 milhões de euros
no período 2008-2015, assim como permitiu a redução de
importações de combustíveis fósseis, que alcançou um aba-
timento estimado em 5,2 mil milhões de euros no mesmo
período, como se documenta na figura da página seguinte.
Igualmente importante é o impacto que as renováveis
têm na dinamização do tecido científico e empresarial de
Figura 1 Correlação entre o preço de mercado e a produção de eletri- Portugal, o que antes nunca aconteceu com as energias fós-
cidade renovável (2015 e 2016) (Fonte: REN, OMIE, Análise APREN). seis quando estas tiveram a sua época áurea. Existem muitas

12
PUB.

vozes de mercado

Então como desenvolver, de forma eficaz. O potencial


da Solar PV do nosso país?
O Governo português insiste que a solução é a de concorrer em mer-
cado, certo que a concorrência feroz fará baixar os preços ao consumidor.
Mas será que isso está a ter resultados práticos?
Sabendo que quanto mais renovável variável existir mais reduzido é o
preço de mercado, o efeito de cada aumento de solar PV vai fazer bai-
xar o preço, prejudicando‑se a si própria e deprimindo o preço para as
restantes que já estejam em funcionamento. Pelo contrário, em Espanha,
houve recentemente dois concursos competitivos ex‑ante de atribuição
de potência e que acabam de alocar, com tarifa mínima garantida, mais de
6000 MW entre as fontes eólica e solar.
Figura 2 Custos evitados pelas renováveis em importações de combustíveis fósseis (Fonte: Para avaliar qual o objetivo do Governo, verifica‑se que no PNAER
Análise Deloitte/APREN). 2013 (Plano Nacional de Ação para as Energias Renováveis) a meta de
Solar é de 720 MW, enquanto o recente RMSA 2017‑2030 (Relatório de
Monitorização e de Segurança e de Abastecimento do Sistema Elétrico
instituições científicas que criaram e/ou dinamizaram os seus centros de Nacional) aponta um valor de 1816 MW. Em 2015 a DGEG informou
investigação e de desenvolvimento em renováveis, assim como têm surgido que tem mais de 1500 MW de pedidos para nova solar PV, mas apenas
muitas empresas que criam valor para a economia e para o emprego. 2 MW tinham entrado em operação em setembro de 2017. O que se
Não pode também ser esquecido o impulso que as renováveis têm dado pretende afinal?
ao desenvolvimento regional, não só através de benfeitorias efetuadas em Estamos numa encruzilhada que urge ultrapassar. Não haverá uma solu-
dezenas de concelhos do interior do país, como também pelas contribuições ção mágica, mas a auscultação prévia aos vários stakeholders constituirá
financeiras refletidas pelos pagamentos de rendas pelos terrenos, pelas licen- um procedimento incontornável de molde a dotar o País de políticas
ças, impostos e derramas devidas, assim como, no caso das centrais eólicas, previsíveis, económica e ambientalmente sustentáveis, e que projetem o
pelo imposto especial de 2,5% da sua faturação bruta para os municípios. País para uma solução energética custo‑eficaz no médio e longo prazo.
Na área de impulso à indústria é marcante assinalar o cluster eólico que
foi criado no país, envolvendo o fabrico de pás, torres e outro equipamento
para aerogeradores que assegura mais de 2500 postos de trabalho direto
PUB.

e um volume de exportação de mais de 400 milhões de euros, dados refe-


rentes ao ano de 2016.
Em síntese, pode concluir‑se que, se até à presente data o benefício
líquido das renováveis no setor elétrico já é favorável, com maioria de razão
o será para o futuro, visto que as tecnologias de produção de eletricidade
a partir das fontes eólica e solar, para além de terem tido ganhos de efi-
ciência energética muito importantes, têm também registado redução de
custos unitários de produção assinaláveis, possibilitando que os seus atuais
custos nivelados de produção de energia sejam claramente inferiores aos
das tecnologias com origem em fontes fósseis.

Desafios futuros
Chegados até aqui, a questão que se coloca é a de identificar quais os
desafios que o setor da eletricidade renovável ainda enfrenta e a justeza das
políticas que estão a ser seguidas. Estaremos no caminho certo?
Para esta análise interessa identificar quais os fatores que mais podem
condicionar o êxito das políticas, de que se salientam dois. Um deles está
relacionado com a significativa e rápida descida de preços da produção
solar PV que coloca novos desafios e oportunidades que interessa capturar,
em particular num País que tem ainda pouca capacidade instalada, mas com
um potencial atrativo. O outro está relacionado com as regras de funciona-
mento do mercado elétrico europeu, no qual se insere o MIBEL. Este mer-
cado foi desenhado para as ofertas horárias de grandes centrais térmicas,
de produção previsível e com custos variáveis de combustível importantes.
No entanto, e principalmente no MIBEL, a percentagem de geração de
base renovável é hoje em dia já muito relevante, sendo caracterizada pela
variabilidade do recurso e com custos marginais de produção próximos de
zero, características completamente opostas à da grande produção térmica.
O novo desenho de mercado é assim fundamental para o êxito das polí-
ticas, sendo certo que Portugal se distingue da maioria dos países do Centro
e Norte da Europa pelo facto de ter uma elevada percentagem de produ-
ção elétrica a partir de fontes renováveis variáveis e ter, conjuntamente com
Espanha, uma fraca capacidade de interligação com o resto da Europa.

13
notícias

Phoenix Contact reforça posição completa, autónoma e livre de manutenção


em sistemas de marcação pois não tem filtro de ar para limpar/substituir.
e instalação O sistema anti-humidade e anti-corrosão faz
Phoenix Contact, S.A. com que não seja necessário aquecedor, tendo
Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769 uma proteção eficaz para ambientes exigentes.
www.phoenixcontact.pt Todas estas vantagens numa solução extre-
mamente compacta em que o interruptor de
rede, proteção contra sobretensões, fusíveis e
outros componentes eletrónicos podem ser
fornecer e encomendar 150 turbinas G114- colocados em conjunto num pequeno armá-
2.0 MW para o complexo Xilinhot e garantir rio fechado.
os seus serviços no âmbito de um acordo de O variador de velocidade para bombagem
O&M de longo prazo. O plano é para a insta- solar funciona através de controladores simples
lação das primeiras turbinas para começar no e mais avançados. Os controladores simples
segundo trimestre de 2018 e para o complexo, (reguladores de subtensão) reduzem a veloci-
que está a ser construído na Mongólia interior, dade da bomba (reduzindo a potência absor-
O grupo Phoenix Contact adquiriu a empresa para entrar em funcionamento até o final do vida) conforme a tensão DC desce, atingindo
Epsilon EGesellschaft für technische Informatik próximo ano. o nível mínimo configurado. Os controladores
mbH a 31 de agosto de 2017. “Com esta encomenda significativa, a empresa mais avançados funcionam para que o variador
Esta empresa, localizada em Villingen-Sch- alcançou um novo marco na sua estratégia na de velocidade tenta obter a máxima potência
wenningen, Alemanha, é especialista em siste- China, onde já instalou mais de 4,6 GW”, salien- dos painéis solares mantendo a voltagem DC
mas incorporados e tecnologias de impressão. tou Álvaro Bilbao, CEO da Siemens Gamesa no seu ponto ótimo. Esta inovadora solução de
Desde a sua fundação em 1996, a empresa na Ásia-Pacífico. Além da China, a pegada da bombagem solar permite gerar o fornecimento
evoluiu de um prestador de serviços para um Siemens Gamesa na Ásia estende-se até ao de mais 30/40% de energia, este fator aumenta
fornecedor de sistemas. A nova subsidiária, que Vietname, Indonésia, Filipinas, Taiwan, Coreia a quantidade de água bombeada e aumenta
começou a trabalhar sob o nome comercial do Sul, Japão, Paquistão, Sri Lanka e Tailândia, o tempo de trabalho da bomba durante o
Phoenix Contact Identification GmbH a partir tendo instalado mais de 6,3 GW nesses merca- período diurno. Esta é a solução ideal para a
de 31 de agosto de 2017, acrescentará os seus dos. A adição dos 5 GW instalados até à data redução da pegada de carbono nos sistemas
produtos à gama atual de sistemas de marca- na Índia coloca a base instalada da empresa no de bombagem de água.
ções e de instalação da Phoenix Contact. Uma continente asiático em mais de 11,3 GW.
abordagem sistemática tem sido seguida pela
Phoenix Contact para oferecer software, hard-
ware e serviços como solução global para pro- Chatron esteve presente no inovador
fissionais. Em particular, a oferta de soluções Bombagem solar: redução de pegada espaço Arouca 4.0 Summit
da Phoenix Contact foi expandida para incluir de carbono em sistemas de bombagem Chatron, Lda.
a experiência recém adquirida na tecnologia de Zeben – Sistemas Electrónicos, Lda. Tel.: +351 256 472 888 � Fax: +351 256 425 794
impressão LED UV. “Nós vemos esta empresa Tel.: +351 253 818 850 � Fax: +351 253 818 851 www.chatron.pt
como nosso think tank para os novos desenvol- info@zeben.pt � www.zeben.pt
vimentos e estratégias voltadas para o futuro na
área de tecnologia e ferramentas de impressão”,
diz Sandra Klocke, Vice-Presidente da Unidade
de Negócios de Marcação e Instalação. “A nova
subsidiária continuará a oferecer ao mercado os
seus produtos e serviços nos canais de distribui-
ção habituais”, refere.

Com organização da AECA  – Associação


Siemens Gamesa reforça a sua A Zeben apresenta a solução de bombagem Empresarial de Cambra e Arouca, a Chatron
presença na China solar Danfoss Vacon. Esta é a solução ideal para participou no Arouca 4.0 Summit.
Siemens, S.A. áreas remotas, onde a eletricidade não está dis- Um espaço com design apelativo, construído
Tel.: +351 214 178 000 � Fax: +351 214 178 044 ponível, funcionando como um sistema inde- recorrendo a matéria-prima da região de forma
www.siemens.pt pendente dos sistemas de geração de energia sustentada e responsável, através do aproveita-
convencionais. A solução de bombagem solar mento dos recursos naturais aplicados à sofisti-
A Siemens Gamesa Renewable Energy obteve Danfoss Vacon permite ainda o fornecimento cada Indústria 4.0.
um acordo para o fornecimento de 300 MW de energia de forma ininterrupta durante o Tudo num espaço físico, concebido especifica-
na China, um dos maiores existentes neste período diurno, fornecimento de energia limpa mente e moldado à indústria do território, sob
mercado. Essa encomenda substancial reforça (clean energy) eco-friendly. o conceito das novas tecnologias onde a base
a presença da empresa no maior mercado de O  Vacon 100X é um variador de velocidade da exposição pretende estar em perfeita sinto-
energia eólica do mundo, onde se estabele- em IP66 que aguenta temperaturas ambien- nia com a “indústria local e industria 4.0”.
ceu como um dos principais O&M estrangei- tes máximas até 60ºC (com perda de potên- Uma aplicação para smartphone deu maior
ros. A Siemens Gamesa comprometeu-se a cia). Esta é uma solução de bombagem solar visibilidade ao evento, com informação das

14
notícias

empresas participantes, informações gerais do oportunidade de conhecer e ver in loco as dife- hídricas. Se o projeto hidro-solar do Alto Raba-
certame (de entre outros; transmissão de pro- rentes tecnologias e soluções da Sick. gão se revelar de sucesso, poderá servir de
gramas, notícias, fotos, vídeos, publicidade nos No segmento quadro elétrico o destaque vai modelo para a demanda energética do Brasil,
ecrãs gigantes). para o Mico Pro®, da Murrelektronik, sendo o que se espera que triplique para mais do tri-
Em simultâneo, durante o certame decorreram mais recente e inovador sistema de monitori- plo até 2050.
sessões/tertúlias e apresentações das empre- zação de corrente. A barragem do Alto Rabagão é o primeiro
sas e/ou produtos no espaço Auditório 4.0. Para a indústria, no segmento dedicado à cabla- projeto onde os painéis flutuantes funcionam
A Chatron esteve presente no stand com as gem a marca apresenta uma nova geração de e conjunto com os rotores hidroelétricos da
mais recentes novidades Tubo Solar Soled e calhas articuladas Murrplastik. Esta marca desde barragem, segundo Manan Parikh, analista
tubo solar Heavy Floor. sempre se estabeleceu como referência na defi- de energias renováveis da GTM Research,
No espaço do Auditório 4.0 apresentou tam- nição de padrões de qualidade, nomeadamente empresa sediada em Boston, EUA.
bém os produtos de climatização para a na facilidade de montagem e manutenção, assim
indústr ia, nomeadamente o Biocooler Smart como na robustez e durabilidade.
– Arrefecimento a baixo custo e os painéis No controlo, a Mitsubishi Electric está a lançar
radiantes a gás “Blackheat”. novos produtos compatíveis com a nova rede, Renováveis na eletrificação
Um evento diferente com forte impacto na baseada em Ethernet, o CC-Link IE Field Net- de Moçambique
região e que contou com a visita de mais de work Basic. Esta rede permite alavancar novas ALER – Associação Lusófona de Energias Renováveis
20 000 pessoas ao local. soluções ao nível de produção de uma fábrica. Tel.: +351 211 379 288
Em identifi cação automática o destaque vai geral@aler-renovaveis.org � www.aler-renovaveis.org
para os scanners laser de medição e contor-
noTIM1XX. Quer a sua aplicação pressuponha
Revista F.Fonseca Automação verificar a presença de um objeto numa deter-
Industrial, edição setembro 2017 minada área ou determinar a sua posição exata,
F.Fonseca, S.A. os sensores LiDAR da série TiM da Sick são
Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910 uma solução eficiente para ambas as tarefas e
ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com uma das inúmeras novidades da marca apre-
/FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda sentadas nesta edição.

Mais uma edição, a


última do ano, repleta A ALER – Associação Lusófona de Energias
das mais recentes no- Primeira estação de energia Renováveis, com o apoio do RECP – Pro-
vidades da F.Fonseca hidro-solar mundial grama África-UE para a Cooperação nas Ener-
e das marcas que Energia em Conserva gias Renováveis, vai organizar uma Conferência
representa em Por- Tel.: +351 253 055 016 internacional de alto nível em Maputo, Moçam-
tugal. geral@energiaemconserva.com bique, nos dias 25 e 26 de outubro. A confe-
Já sabia que a F.Fon- www.energiaemconserva.com rência tem como objetivo reunir empresas,
seca consta no TOP promotores e decisores políticos europeus e
10 das empresas africanos de energia renovável.
mais felizes em Por- A conferência será dedicada ao contributo
tugal? Ou que recuperou a marca Steinel após das energias renováveis para a eletrifi cação
12 anos de interregno? Fique a par destas e de Moçambique, já que o país está atualmente
outras novidades logo nas primeiras páginas a preparar a sua Estratégia Nacional de Elec-
desta edição. trificação para acelerar o acesso universal até
Os eventos previstos para o mês de outubro 2030.
são mais um desafio a que a F.Fonseca se pro- Durante a conferência de dois dias, os parti-
põe e um dos grandes destaques que quer dar cipantes irão perceber como o Governo de
a conhecer. Foi inaugurada em Montalegre a primeira Moçambique espera alcançar 100% de acesso
O evento Mitsubishi Solutions na Indústria 4.0, estação de energia hidro-solar a nível mun- à eletricidade até 2030, qual será o papel das
que aconteceu no dia 12 de outubro, apresen- dial. À barragem do Alto Rabagão, na fron- principais instituições e conhecer os desenvol-
tou soluções integradas na Indústria 4.0, com o teira norte de Portugal, foram adicionados vimentos de projetos de energias renováveis
objetivo de comprovar aos clientes a enorme 840 painéis solares flutuantes no início do pre- tanto fora da rede como ligados à rede.
potencialidade da marca, referência mundial sente ano, potenciando a capacidade total das A ALER espera cerca de 250 par ticipantes
em diferentes segmentos. instalações em 220 kW. É expetável que o na conferência, provenientes de instituições
Seguido muito de perto, o Sick Vision Day projeto gere cerca de 332 MW por hora no públicas moçambicanas, do setor privado,
aconteceu também em Aveiro a 26 de outubro, seu primeiro ano, o suficiente para alimentar financiadores, instituições multilaterais e bila-
nas instalações da F.Fonseca. O dia foi integral- 100 casas por ano. terais envolvidas em programas de apoio às
mente dedicado à promoção das mais recen- Este é um projeto de desenvolvimento modesto energias renováveis, ONGs e instituições
tes tecnologias de visão orientadas às diversas mas que represente um elevado potencial. académicas. Por conseguinte, haverá opor-
aplicações industriais. Desde as apresentações A Energias de Portugal, empresa responsável tunidade para conhecer as principais par tes
promovidas pelos especialistas da F.Fonseca por este projeto de grande dimensão, é respon- interessadas, aceder a informação atualizada
e da Sick até ao showroom com diversas apli- sável por diversas operações no Brasil, onde 70% e relevante e encontrar potenciais parceiros
cações interativas, os participantes tiveram a da produção de energia advém de instalações de negócio.

15
notícias

Schneider Electric desenvolve Ordem dos Engenheiros visita


projeto de eficiência energética a SEW-EURODRIVE Portugal
para a Docapesca SEW-EURODRIVE Portugal
Schneider Electric Portugal Tel.: +351 231 209 670
Tel.: +351 217 507 100 � Fax: +351 217 507 101 infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt
pt-atendimento-cliente@schneider-electric.com
www.schneider-electric.pt

A Schneider Electric™, especialista global em


gestão de energia e automação, foi o parceiro
selecionado pela Docapesca para desenvolver Solar Energy da Fronius International GmbH.
uma solução integrada de software para pro- “Desta forma damos um novo passo importante
mover a eficiência energética junto das princi- para a internacionalização.“
pais lotas das seis Direções de Portos de Pesca Uma vantagem essencial da nova filial: o consul-
e Lotas onde desenvolve a sua atividade. tor técnico fala o idioma local e pode aconselhar
A Docapesca, por ter entre as suas premis- O Conselho Regional do Colégio de Engenha- e auxiliar os instaladores húngaros e os parcei-
sas estratégicas a promoção da sustentabili- ria Mecânica da Ordem dos Engenheiros rea- ros de vendas e de serviços com mais eficiência
dade ambiental, através da implementação de lizou uma visita técnica à unidade industrial por causa da proximidade. Atualmente a Fronius
boas práticas e da introdução de novas tec- da SEW-EURODRIVE, situada na Mealhada. possui aproximadamente 80 parceiros de ser-
nologias que permitam a redução dos consu- A SEW-EURODRIVE Portugal produz (mon- viço na Hungria. Para treiná-los com a melhor
mos de energia, firmou uma parceria com a tagem) e garante assistência técnica completa forma de manuseamento da tecnologia solar da
Schneider Electric, tendo como principal obje- a toda a gama de produtos e soluções SEW. Fronius, são realizadas formações regularmente.
tivo o acesso remoto aos consumos de ener- Para além da produção desenvolve uma intensa No final de 2016, a capacidade total de todos
gia das diversas instalações. Para tal, a recolha atividade na engenharia mecatrónica e siste- os sistemas fotovoltaicos instalados na Hungria
e tratamento de dados de consumo dos ana- mas de automação, explorando conjuntamente era de aproximadamente 210 Megawatt. Para
lisadores de energia instalados nos locais são com os projetistas e construtores de bens de os próximos três anos, os especialistas da Fro-
fatores fundamentais. A solução implementada equipamento a combinação das novas tecno- nius estipulam um potencial de 500 Megawatt.
permite traçar os perfis energéticos de carga logias de acionamentos industriais mecânicos e “Esta tendência nos mostra que até na Hungria a
e consumo em contínuo, de modo a alocar os eletrónicos devidamente articuladas ao nível da geração de energia solar a partir de fontes renová-
respetivos custos a cada setor e tomar ações comunicação (software e hardware). veis está ganhando força“, explicou Hackl.
corretivas com vista a uma melhor exploração A visita técnica às instalações da unidade meca-
e manutenção dos equipamentos e instalações. trónica, durante a manhã do dia 21 de junho,
Pretende-se, igualmente, seguir a evolução de contou com a presença de uma dezena de par-
medidas de eficiência energética a implemen- ticipantes. CENERTEC estabelece parceria
tar, e com isto otimizar consumos, de acordo com a CIE
com os diversos regimes de utilização. CIE – Comunicação e Imprensa Especializada, Lda.
As soluções apresentadas pela Schneider Elec- Tel.: +351 225 899 626/8 � Fax: +351 225 899 629
tric atendem às necessidades da Docapesca, Fronius Solar Energy inaugura filial geral@cie-comunicacao.pt � www.cie-comunicacao.pt
por via da implementação de ferramentas de na Hungria
software, otimizando, assim, todo o sistema de Fronius España S.L.U. CENERTEC – Centro de Energia e Tecnologia
gestão de energia. Como resultado, foi imple- Tel.: +34 916 496 040 � Fax: +34 916 496 044 Tel.: +351 22 973 46 24 � Fax: +351 22 973 07 46
mentada uma solução ampla e segura, que pv-sales-spain@fronius.com � www.fronius.es cenertec@cenertec.pt � www.cenertec.pt
promoveu a redução de custos e aumentou
a eficiência energética em todo o processo. Fronius Solar Energy, referência em qualidade O CENERTEC – Centro de Energia e Tecno-
Outra das caraterísticas chave do projeto foi no mercado mundial de energia solar, inaugu- logia estabeleceu uma parceria com a CIE –
a implementação de um sistema de visualiza- rou no dia um de junho de 2017 a sua filial na Comunicação e Imprensa Especializada, Lda.
ção online que utiliza painéis de energia dinâ- Hungria. Com a nova unidade perto de Buda- Desde 1981 que o CENERTEC se dedica à for-
mica para exibir informações operacionais e de peste, a especialista austríaca em tecnologia mação avançada, nomeadamente à organização
consumo. Através de gráficos, tabelas e widgets, solar ampliou ainda mais a sua rede internacio- de cursos intensivos, encontros nacionais e con-
os sistemas de automação e controlo oferecem nal. Os clientes na Hungria obterão no futuro gressos europeus, em domínios da Energia, do
uma contribuição mais eficaz para a eficiência assistência técnica mais rapidamente e com Ambiente, da Engenharia Industrial e da Gestão.
energética global dos edifícios a longo prazo. maior confiabilidade. O Centro existe para colaborar na melhoria da
“Desde 2010 vendemos a nossa tecnologia solar competitividade dos seus clientes, pelo desen-
na Hungria. Hoje possuímos uma ampla rede de volvimento e oferta de Ações de Formação que
vendas e de serviço e somos líderes no mercado contribuam para a melhoria das competências e
na área fotovoltaica“, contou Verena Huber, da qualidade do trabalho dos colaboradores das
Gerente de vendas locais na Fronius. A Fronius empresas e de outras organizações.
é uma referência mundial na utilização de tec- A  CIE – Comunicação e Imprensa Especiali-
nologias inovadoras de energia solar, e este ano zada, Lda., é uma empresa do Grupo Publindús-
comemora 25 anos de existência. “A Fronius tria, que se integra numa plataforma empresarial
Hungary é a 20.ª filial da nossa business unit“, com cerca de 30 anos de experiência na edi-
relatou Martin Hackl, chefe da Business Unit ção de revistas especializadas, direcionadas para

16
PUB.
mercados tecnológicos – engenheiros, gestores e técnicos que
exercem a sua atividade no âmbito da indústria transformadora.
A  empresa é responsável pela edição das revistas “o electricista”,
“robótica”, “Manutenção”, “renováveis magazine” e “elevare”.
A Formação que o CENERTEC ministra é de atualização e/ou aper-
feiçoamento, na medida em que os formandos são, na sua maioria,
quadros médios e superiores com o intuito de completar e atuali-
zar conhecimentos, tendo em vista a sua aplicação na sua atividade
profissional. O Centro conta com a colaboração de formadores
com grande experiência profissional; “ensinam o que praticam e pra-
ticam o que ensinam!”.
O CENERTEC tem neste momento três formações em destaque:
• Pós Graduação em Manutenção de Instalações Elétricas (3.ª Edi-
ção), que pretende qualificar profissionais que, embora já exer-
cendo esta atividade, necessitam de desenvolver conhecimentos
no âmbito da aplicação da legislação, apontando para práticas
seguras e um aperfeiçoamento profissional no âmbito das boas
práticas e certificação de competências. Com a coordenação
pedagógica de Raquel Reis e a coordenação técnica de Fernando
Pita, esta formação consiste num conjunto de módulos criterio-
samente selecionados, para dar resposta a necessidades gerais
de eficiência de instalações e dispositivos acionados pela ação da
corrente elétrica;
• Pós-Graduação em Manutenção Industrial, que procura dar res-
posta à necessidade da qualificação do pessoal da Manutenção,
ministrando conteúdos capazes de conferir suporte teórico e prá-
tico à atividade da Manutenção. Os formadores são oriundos do
meio profissional, trazendo à pós-graduação o seu saber prático,
ensinando o que praticam e praticando o que ensinam. São forma-
dores que são confrontados todos os dias com os desafios que a
Manutenção acarreta, e que trazem essa experiência para os for-
mandos;
•P  ós-graduação em Gestão de Operações e Serviços Industriais,
que procura transmitir aos seus participantes conhecimentos e
boas práticas de gestão empresarial em domínios tão actuais
como lean management, gestão de operações, logística indus-
trial, gestão de energia, custeio industrial e gestão de projetos;

A inscrição nestas formações, quando realizada através da CIE,


beneficia de um desconto de 5% sob o valor de inscrição.

Portugal e Turquia querem ensinar a população


a poupar
INESC TEC
Tel.: +351 222 094 000 � Fax: +351 222 094 050
info@inesctec.pt � www.inesctec.pt

Sabe o que significa eficiência energética? É este o mote do inqué-


rito que o INESC TEC (Instituto de Engenharia de Sistemas e Com-
putadores, Tecnologia e Ciência) está a conduzir, junto da população
portuguesa. O objetivo é desenvolver ideias inovadoras que, por um
notícias

lado, ajudam a beneficiar o meio ambiente e, Eólicas europeias em destaque


por outro, ajudam o consumidor a ter uma pou- APREN
pança financeira significativa. O inquérito pode Tel.: +351 213 151 621 � Fax: +351 213 151 622
ser respondido em http://gresbas.eu/gresbas- apren@apren.pt � www.apren.pt
-site/pt/survey/.
O INESC TEC, em Portugal, o ITU (Istanbul O contributo da geração de eletricidade de
Technical University) e o MAKEL, na Turquia, origem eólica da União Europeia (UE) atin-
são as três entidades que fazem parte do pro- giu um dos seus máximos históricos no dia 11
jeto europeu GReSBAS que tem como obje- de setembro: 1610 GWh. De acordo com os
tivo aumentar a eficiência energética dos dados da WindEurope (Associação Europeia
edifícios, envolvendo os consumidores e pro- da Energia Eólica), a eletricidade produzida No dia 19 de outubro decorreu a 12.ª edição do
movendo a sua participação ativa através de permitiu abastecer 19,8% das necessidades PLC no Hotel Eurostars Oásis Plaza, na Figueira
uma plataforma que utiliza técnicas de ludifi- do consumo elétrico da UE, o que equivale a da Foz.
cação (uso de elementos e técnicas caraterís- cerca de 12 vezes o consumo médio diário de Este ano, o PLC contou com palestras e expo-
ticas de jogos, em situações do mundo real) Portugal. Uma produção especialmente assina- sição de produtos e aplicações relacionadas
para gerir a energia de forma mais eficiente. lável, que permitiu a paragem de produção de com o tema “Automação Industrial – Soluções
“Ainda há muitas pessoas que não têm noção 60 centrais a carvão equivalentes à maior de do Futuro”. Os participantes tiveram a opor-
que já ultrapassamos a bio capacidade do pla- Portugal – a central termoelétrica de Sines. tunidade de conhecer as evoluções que ocor-
neta Terra. A pegada ecológica de Portugal está Destaca-se ainda neste dia um recorde histó- rem na indústria e nas tecnologias, bem como
em 9.º lugar entre os países mediterrânicos e há rico das centrais eólicas offshore, 251 GWh, conhecer as soluções que poderão ajudar as
uma série de comportamentos tão simples de que só por si permitiram suprir um consumo empresas a superar os desafios na implemen-
alterar e que, todos juntos, contribuem de forma equivalente a 25 milhões de habitações. tação da Indústria 4.0.
significativa para atingir uma maior sustentabi- Estes dados reforçam o potencial da energia
lidade ambiental”, explica Joel Soares, investi- eólica para abastecer as necessidades elétricas
gador do Centro de Sistemas de Energia do dos vários estados membros e consecutiva-
INESC TEC. Desligar os equipamentos eletró- mente favorecer a transição para uma econo- ABB fornece solução
nicos quando já não os vamos usar mais, em mia hipocarbónica. de armazenamento de energia
vez de os deixar em standby, ir de escadas em Em Portugal, as centrais eólicas produzem anual- para parque eólico offshore
vez de elevador em distâncias curtas, abrir as mente perto de 1/4 das necessidades elétricas no Reino Unido
janelas em vez de ligar o ar condicionado, não nacionais, o que torna o nosso país num dos líde- ABB, S.A.
deixar as luzes acesas quando se é a última pes- res mundiais do setor elétrico renovável. Tel.: +351 214 256 000 � Fax: +351 214 256 247
soa a abandonar um local, são alguns exemplos Mais informação disponível em: windeurope. comunicacao-corporativa@pt.abb.com � www.abb.pt
de comportamentos que ajudam a promover org/about-wind/daily-wind/.
um consumo sustentável e, por isso, energeti- A Associação Portuguesa de Energias Renová-
camente mais eficiente. “Queremos desenvolver veis (APREN) é uma associação sem fins lucra-
uma plataforma que esteja ajustada à realidade tivos, constituída em outubro de 1988, com a
de cada utilizador, mas para isso precisamos de missão de coordenação, representação e defesa
perceber quais as suas necessidades, daí estar- dos interesses comuns dos seus Associados.
mos a levar a cabo este inquérito”, refere o inves- A APREN desenvolve trabalho em conjunto
tigador do INESC TEC. com organismos oficiais e outras entidades
O projeto europeu GReSBAS vai instalar congéneres, a nível nacional e internacional,
demonstradores equipados com sistemas de constituindo um instrumento de participação
automação para monitorizar o consumo e na elaboração das políticas energéticas para
implementar ações em Portugal e na Turquia. Portugal, promovendo o aproveitamento e A ABB recebeu uma encomenda da DONG
A grande novidade é o facto de as mudanças valorização dos recursos renováveis nacionais Energy, grupo dinamarquês especializado em
de comportamentos para atingir uma maior para produção de eletricidade. energia sustentável, para fornecer dois siste-
eficiência energética serem promovidas através mas de armazenamento de energia em bateria
de uma plataforma de jogo que analisa com- (BESS) de dois megawatts (Mw) para reforçar
portamentos e prevê os consumos de energia. a integração e o transporte da energia gerada
O  inquérito vai estar disponível até ao final PLC 2017: 12.ª edição realiza-se no parque eólico offshore de Burbo Bank, perto
de outubro de 2017, altura em que os dados na Figueira da Foz de Liverpool, no Reino Unido. O parque eólico
vão começar a ser tratados. Em novembro de PLC – Novas Tecnologias de 90 Mw Burbo Bank está em funcionamento
2017 os resultados serão públicos e, a partir www.plcportugal.eu desde 2007 e tem a capacidade de gerar eletri-
daí, vão ser promovidas ações de sensibiliza- cidade para cerca de 80 mil famílias no Reino
ção, nomeadamente através das redes sociais. À semelhança das edições anteriores, as Unido. Esta é a primeira vez que um parque
O GReSBAS, que teve início em abril de 2016 empresas RITTAL, PHOENIX CONTACT e eólico offshore incorpora um sistema de arma-
e vai concluir em março de 2019, é financiado M&M Engenharia, representante EPLAN em zenamento desse tipo para estabilizar a frequên-
pela TUBITAK e pela FCT, no âmbito do pro- Portugal, voltam a juntar-se na organização do cia da rede britânica.
grama quadro ERA-Net Smart Grids Plus Ini- evento anual PLC – Produtividade, Liderança A rede nacional do Reino Unido opera a uma
tiative. Mais informações sobre o projeto e Competitividade, elegendo a indústria como frequência de 50 Hertz (Hz), que deve ser man-
podem ser encontradas em http://gresbas.eu/ denominador comum e a qualidade de serviço tida estável para garantir a qualidade da ener-
gresbas-site/en/. como fator indispensável. gia fornecida. A frequência da rede depende do

18
notícias

equilíbrio entre a procura e a oferta. A integra- estamos interessados em fazer parte da solução
ção de grandes quantidades de energia eólica para tornar o sistema de energia mais inteligente
variável aumenta a complexidade do forneci- e ajudar a National Grid a gerir a estabilidade da
mento e pode levar a variações de frequência, rede. Esta solução inovadora que desenvolvemos
o que, por sua vez, afeta a rede e os consumido- em conjunto com a ABB é um bom exemplo da
res. A solução BESS da ABB ajudará a estabilizar a implementação da nossa visão”.
frequência da rede o que irá permitir que o par-
que eólico forneça energia de forma mais fiável.
Giandomenico Rivetti, Managing Director da
unidade de negócio da ABB High Voltage Pro- Sistemas lineares de alta precisão
ducts parte da divisão Power Grids, disse: “Esta- REIMAN – Comércio de Equipamentos o desgaste é mínimo, resultando numa elevada
mos muito satisfeitos em implementar esta Industriais, Lda. precisão mantida por um longo período de vida
solução inovadora que permitirá a integração de Tel.: +351 229 618 090 � Fax: +351 229 618 001 em serviço.
energia eólica limpa, sem comprometer a estabi- comercial@reiman.pt � www.reiman.pt A geometria otimizada pela PMI no que res-
lidade da rede e a qualidade da energia para os peita à circulação de esferas permite que os
consumidores. O armazenamento de energia está As guias lineares da PMI destacam-se pela sua patins possam suportar cargas nas quatro dire-
a desempenhar um papel fundamental na evo- qualidade de construção e movimento linear ções. Paralelamente, a rigidez do guiamento
lução da rede e é uma área de foco estratégico de elevada precisão e repetibilidade, assente pode ser controlado através de patins com
para reforçar a nossa posição como um parceiro em elementos rolantes de reduzido coeficiente pré-carga ou utilizando patins adicionais.
de escolha para uma rede mais forte, inteligente de atrito que lhes permite prevenir fenómenos Por outro lado, o baixo atrito que caracteriza
e mais verde”. como o “stick-slip”, ainda que em movimentos as guias lineares da PMI permite o recurso a
Ole Kjems Sørensen, Senior Vice President, Part- micrométricos. potências reduzidas de acionamento e con-
nerships, M&A e Asset Management na DONG Em guiamentos por elementos rolantes, o atrito sequente baixo consumo energético em
Energy disse: “A necessidade de flexibilidade da pode ser até 40 vezes inferior ao verificado num comparação com outros sistemas de guia-
rede continua a crescer. Como líderes no forneci- guiamento por deslizamento. De facto, aliando mento. Desta forma, os efeitos resultantes do
mento de energia com baixa emissão de carbono, esta performance a uma lubrificação eficiente, aumento de temperatura de funcionamento
PUB.

19
notícias

são mínimos, tornando-as ideais para aplica- Configuration System (www.rittal.com/con- campos da distribuição elétrica, inteligência arti-
ções de elevada velocidade. figuration-system) também inclui o processa- ficial, connected (e-)mobility, aplicações blockchain,
Para qualquer consulta sobre soluções lineares mento mecânico, que pode ser exibido em equipamentos autónomos e eAircraft.
de precisão, contacte a REIMAN, represen- modelo 3D. Isto significa que não é mais neces- À evolução e modernização tecnológica, jun-
tante exclusivo da PMI em Portugal. sário mudar para programas CAD ao fazer o ta-se a preocupação pela proteção do meio
planeamento do armário. ambiente, um dos eixos estratégicos da Sie-
Após a seleção, posicionamento e processa- mens. Cedrik Neike, o mais recente membro
mento, o cliente facilmente solicita uma cota- do board da Siemens AG, estará no palco prin-
Rittal facilita pedidos com ção para o armário através de um formulário cipal desta edição do WebSummit, para falar
um sistema de configuração online. A Rittal posteriormente fornece os seus do maior desafio do nosso tempo: as altera-
Rittal Portugal clientes com um armário pronto ou os compo- ções climáticas, e de como a digitalização tem
Tel.: +351 256 780 210 • Fax: +351 256 780 219 nentes necessários. Se somente os componen- um papel fundamental na redução das emis-
info@rittal.pt • www.rittal.pt tes forem entregues, o configurador também sões de CO 2 .
fornece os dados CAD, informação NC e ins-
Fazer a encomenda truções de montagem. Além disso, os clientes
de itens com ape- poderão iniciar o Rittal System Configuration
nas alguns cliques diretamente do EPLAN Pro Panel. Aqui, for- SKF constrói o caminho
é algo que existe mam a base do desenho eletromecânico do para um futuro digital
há algum tempo armário em 3D e fornecem a documentação SKF Portugal – Rolamentos, Lda.
em compras on- de produção necessária para a instalação. Isto Tel.: +351 214 247 000 � Fax: +351 214 173 650
line pessoais – mas ajuda os clientes a instalar os itens individuais e geral.pt@skf.com � www.skf.pt
não quando se evitar erros desnecessários.
trata de encomen- Uma maior digitalização de tecnologias esta-
dar armários. “Em belecidas, tal como monitorização de condição
vez da procura ex- e sensores inteligentes, poderá ter um efeito
tensiva em catálo- Siemens garante presença no maior revolucionário na produção, segundo Bernie
gos ou aguardar por evento de tecnologia do mundo van Leeuwen, Diretor de Digitalização de Ges-
propostas, os próprios clientes podem agora usar o Siemens, S.A. tão de Produto da SKF.
novo sistema de configuração da Rittal (Rittal Con- Tel.: +351 214 178 000 � Fax: +351 214 178 044 A capacidade de recolher e manipular grandes
figuration System-Rics) no website da Rittal para www.siemens.pt volumes de informações digitais impulsionará
construir de forma independente armários compac- a produção no futuro. Ao adotar a digitaliza-
tos e envolventes, com o equipamento apropriado. ção, a SKF apresenta melhorias na sua principal
Além disso, pode selecionar as combinações cor- oferta – tecnologia de rolamentos e serviços
respondentes de um stock de mais de 250 aces- relacionados – para que, desta forma, os clien-
sórios” diz Bernd Lehnert, Vice Presidente do tes possam aumentar ainda mais o desempe-
Desenvolvimento e Investigação para Eletrónica nho dos seus equipamentos rotativos. Além
e Software da Rittal. “Os clientes ganham tempo disso, ao focar-se na digitalização industrial, a
precioso através deste processo e recebem os da- SKF visa incitar a otimização adicional do custo
dos da sua configuração diretamente com o seu e eficiência de toda a cadeia de valor.
pedido de cotação”. A SKF tem vindo a monitorizar equipamen-
Ao selecionar acessórios, o sistema exibe ape- tos remotamente há cerca de 15 anos e, atual-
nas os componentes que são compatíveis com Para não deixar dúvidas sobre o papel pre- mente, tem cerca de um milhão de rolamentos
o produto que já foi selecionado. Os clientes dominante da digitalização em todos os seto- conetados à Cloud. Dados sobre o seu desem-
não têm que se preocupar em ter que lidar res, este ano a Siemens será platinum partner penho são recolhidos e interpretados diaria-
com acessórios inadequados. do Web Summit, que decorre em Lisboa de 6 mente, frequentemente com assistência de
A ferramenta de planeamento não torna a 9 de novembro. Durante os quatro dias do especialistas da marca. A  competência em
somente mais simples a seleção de produtos evento, a multinacional utilizará este palco tec- manipular estes dados resulta numa análise
Rittal; com a ajuda de um modelo 3D, o utili- nológico para fortalecer as parcerias e aplica- melhorada, permitindo à SKF detetar anteci-
zador pode colocar o acessório selecionado no ções do seu sistema open cloud, o Mindsphere. padamente possíveis falhas em equipamentos
seu lugar especialmente designado. Esta posi- Propõe-se também procurar e identificar talento rotativos que afetam a fiabilidade dos equipa-
ção é então reservada não podendo ser entre- para alimentar o seu Centro de Tecnologias de mentos.
tanto usada de forma errada por outros itens. Informação sedeado no país. Com este objetivo
Com a ferramenta de perfuração, os clientes em mente, já decorreu uma iniciativa conjunta
podem imediata e corretamente atribuir aces- de oferta de 1000 bilhetes para os melhores
sórios opcionais, tais como unidades de venti- developers e programadores de open source
lação e filtros ou conexões em qualquer parte do mundo. A empresa contará com um Deve-
do armário que ainda está por preencher. Isto lopers Lounge, um espaço de cerca de 200 m2
simplifica a procura demorada de lacunas e eco- dedicado em exclusivo a este público. Um ano
nomiza tempo e dinheiro. depois de ter lançado o Next 47, unidade de
Os recortes e furos necessários para os aces- negócios independente que investe no desen-
sórios são também levados em conta durante volvimento de startups, a Siemens quer também
a configuração. Isto ocorre porque o Rittal aqui encontrar novos atores, em particular, nos

20
PUB.
A SKF já desenvolveu plataformas para ajudar os clientes a recolher
e a interpretar dados. A plataforma Enlight, por exemplo, permite
que os operadores visualizem dados provenientes de fontes varia-
das utilizando dispositivos como o smartphone ou o tablet.
A deteção automática de falhas em rolamentos é um enorme
avanço no que refere a eficiência. No entanto, o processo de enco-
mendar peças de substituição, incluindo enviar a ordem de com-
pra, a estimativa do tempo de espera e a entrega da peça, ainda
envolve muita intervenção humana. Uma maior digitalização sim-
plifica o processo de produção. Esta já levou à diminuição dos tem-
pos de reconfiguração do equipamento. Desta forma, pode ser
programada a inclusão de uma peça de substituição específica na
linha de produção, com o mínimo de interrupção e um tempo de
resposta rápido.

Phoenix Contact assume gestão da suíça NSE AG


Phoenix Contact, S.A.
Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769
www.phoenixcontact.pt

A partir de 31 de maio de 2017, a Phoenix Contact assume a ges-


tão da empresa suíça NSE AG da Wohlen. Com esta aquisição,
a Phoenix Contact reforça o seu know-how no setor de ener-
gia. A NSE, empresa fabricante de relés de segurança e unida-
des de controlo para aplicações de Média e Alta Tensão, é uma
referência na área de tecnologia de proteção no setor da ener-
gia. A tecnologia patenteada e os algoritmos de alto desempenho
baseiam-se em pesquisas avançadas. A gama inovadora de pro-
dutos da NSE é complementada por serviços personalizados, tais
como a gestão de projetos e serviços pós-venda. Desde a sua fun-
dação em 1999, a empresa tornou-se especialista em tecnologia
de proteção secundária e emprega atualmente 15 funcionários.

Vulcano vence Prémios Inovação na Construção


com o Sensor Connect
Vulcano
Tel.: +351 218 500 300 � Fax: +351 218 500 301
info.vulcano@pt.bosch.com � www.vulcano.pt
/VulcanoPortugal

A Vulcano, marca portuguesa de referência em Soluções de Água


Quente e Solar Térmico, que celebra 40 anos este ano, venceu os
Prémios Inovação na Construção 2017, na categoria “Material elétrico,
eletrónico e domótica” com o Sensor Connect, o primeiro esquentador
termostático compacto com tecnologia de conetividade do mercado.
Produzido em Portugal, o Sensor Connect alia um design exclusivo e
inovador com uma tecnologia de conetividade que permite ao utili-
zador controlar o equipamento remotamente a partir de um smart-
phone ou de um tablet.
notícias

A  inovadora tecnologia Sunaitec – desenvol- A Chatron foi uma das empresas convidadas
vida e patenteada pelo engenheiro aeronáutico devido aos seus produtos inovadores na área
Amílcar Lopes – diferencia-se por ser a única solar, nomeadamente com os produtos Tubo
que consegue resolver os problemas estéticos Solar, Tubo Solar + Ledin, Tubo Solar Soled
(dos arquitetos) e os problemas técnicos (dos e também com o Biocooler Smart e painéis
engenheiros projetistas e instaladores) num só radiantes para a climatização industrial.
equipamento. A ideia do novo equipamento/
tecnologia resultou da observação dos inúme-
ros problemas dos equipamentos tradicionais
de captação de energia solar, vulgos coleto- Fundação Schneider Electric
“Há 40 anos no mercado, a Vulcano acredita que res solares, nomeadamente falta de integração e Ashoka promovem combate
é importante fazer com que a tecnologia e a cone- arquitetónica, fraca rentabilidade nos meses de à pobreza energética
tividade tenham aplicabilidade e efeito direto na Inverno e graves problemas no Verão relacio- Schneider Electric Portugal
vida das pessoas, tendo em vista um futuro sus- nados com o excesso de calor. Tel.: +351 217 507 100 � Fax: +351 217 507 101
tentável. E, neste âmbito, temos procurado ir ao É, por isso, possível listar um conjunto de inú- pt-atendimento-cliente@schneider-electric.com
encontro das tendências do mercado estando meras vantagens comparativamente com os www.schneider-electric.pt
sempre na vanguarda em termos de compe- tradicionais coletores solares térmicos: orien-
tência, desenvolvimento tecnológico e eficiência tação solar inteligente; permite uma instala- A Fundação Schneider Electric e a Ashoka,
energética. Estas são caraterísticas que fazem da ção horizontal, em pérgola ou integrado na em parceria global com a Enel e a Endesa em
Vulcano uma marca vencedora”, sublinha Nadi fachada de um edifício; controlo eletrónico de Portugal e Espanha, lançam o programa “Ino-
Batalha, Coordenadora de Marketing da marca. temperaturas; monitorização online; única que vação Social no combate à Pobreza Energética”
Os Prémios Inovação na Construção 2017 reduz a sua fatura nos meses de Inverno sem 2017-2018. A  iniciativa procura identificar e
são uma iniciativa da Área Associativa (Jornal problemas de sobreaquecimento no Verão, incentivar projetos de inovação social que per-
Construir, Revista Anteprojetos e Projectista. possuindo ainda uma aplicação que permite mitam dar resposta aos desafios mais urgentes
pt) e premeiam anualmente as boas práticas no controlar a instalação solar remotamente e no contexto da pobreza energética, acesso à
desenvolvimento de materiais e equipamentos assim reduzir os custos de manutenção. energia e sustentabilidade na Europa.
inovadores no setor da construção. Devido ao seu cariz pioneiro, a empresa tem, Todos os projetos que ofereçam soluções ino-
neste momento, um conjunto de patentes a vadoras e sustentáveis no âmbito da pobreza
nível nacional e internacional, nomeadamente energética podem candidatar-se até ao dia 1 de
na comunidade Europeia, EUA, Canadá, Aus- outubro 2017. Os 15 a 20 projetos vencedores
Sunaitec com soluções avançadas trália, China e aguarda a concessão no Brasil. serão anunciados durante a 23ª COP 23 (Con-
na área da energia solar A hotelaria tem sido um dos principais setores venção das Nações Unidas sobre as Alterações
Sunaitec de aposta, com a instalação da tecnologia em Climáticas), em novembro de 2017, na cidade
Tel.: +351 244 818 470 alguns hotéis nacionais. de Bona, na Alemanha. Os vencedores irão rece-
info@sunaitec.pt � www.sunaitec.pt ber apoio personalizado e especializado, durante
12 semanas, o equivalente a 300 horas de sessões
de mentoring e que têm como objetivo a con-
Chatron no Chile ceção de uma estratégia eficaz de crescimento.
Chatron, Lda. As categorias para apresentação de projetos
Tel.: +351 256 472 888 � Fax: +351 256 425 794 são: Eficiência energética e sustentabilidade;
www.chatron.pt Desenvolvimento de competências e emprego;
Apoio ao financiamento inovador; Colabora-
A Chatron irá estar representada através do ção entre setores; Mapping e sensibilização.
seu CEO, Carlos Brandão (ao centro na ima- O prazo de apresentação de candidaturas ter-
gem), no “ELAN Network events” que decorrerá mina a 1 de outubro de 2017. Para mais infor-
A  Sunaitec é uma empresa de capitais 100% na cidade de Santiago do Chile nos dias 23 e 24 mações sobre o programa e o processo de
portugueses que desenvolve, produz e comer- de outubro e que é dedicado às energias reno- candidaturas, bem como sobre o acesso ao for-
cializa soluções avançadas na área da energia váveis e eficiência energética. mulário de candidatura, consulte www.tackle-
solar. Este evento reúne empresas europeias e chi- fuelpoverty.com.
Partindo de um conceito que pretende harmo- lenas e visa estabelecer negócios e parcerias
nizar energias renováveis, tecnologia e espaço entre elas.
envolvente, a empresa desenvolve produtos
que permitem captar energia solar e transfor- Fronius é pioneira
má-la em energia térmica, com total integração no desenvolvimento de energias
arquitetónica, nos mais diversos enquadramen- renováveis no Irão
tos e com elevados níveis de eficiência ener- Fronius España S.L.U.
gética. Tel.: +34 916 496 040 � Fax: +34 916 496 044
A empresa é responsável pela criação de uma pv-sales-spain@fronius.com � www.fronius.es
tecnologia de produção de energia solar tér-
mica para aquecimento de águas sanitárias, pis- O governo iraniano apoia a construção de sis-
cinas e aquecimento ambiente, através de piso temas fotovoltaicos com uma generosa e dura-
radiante, única no mundo. doura remuneração de energia. Empresas e

22
PUB.
indivíduos oferecem um estímulo atrativo para investir em energias
renováveis. À frente desse processo está a Fronius Solar Energy: a
especialista em tecnologia solar identificou o potencial de mercado
iraniano e, com seu Fronius Service Partner local, auxiliou opera-
dores privados e comerciais com inversores de alta qualidade e de
fácil instalação.

Uma diversificada gama de produtos e o conceito singular de ser-


viço fazem a Fronius ser procurada no mundo todo como forne-
cedora de energias renováveis. No Irão estão estabelecidos vários
Fronius Service Partner, os quais são qualificados e certificados
seguindo critérios rigorosos. Eles oferecem os produtos a instala-
dores e clientes finais e cuidam da instalação, do comissionamento,
da manutenção e do reparo. Além disso, os dois distribuidores
locais mais importantes são os chamados Fronius Service Partner Plus.
Isso significa que eles, entre outras coisas, têm peças de reposição
sempre à disposição e, com isso, podem atender de forma espe-
cialmente rápida e eficiente. “Nós já cultivamos boas relações comer-
ciais no Irão há um bom tempo”, salienta Benjamin Fischer, o Area
Sales Manager. “Em conjunto com os colegas locais, nós realizamos
com sucesso muitos projetos”, refere ainda.

SEW-EURODRIVE Portugal: Formação certificada


– 2.º semestre
SEW-EURODRIVE Portugal
Tel.: +351 231 209 670
infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt

TIPO DE SESSÃO DATA LOCAL


SISTEMAS
18/10/2017 SEW-Mealhada
DESCENTRALIZADOS
MOVIDRIVE B 25/10/2017 SEW-Lisboa

MOVITRAC B 08/11/2017 SEW-Mealhada

MOVITRAC LT 22/11/2017 SEW-Lisboa

A SEW-EURODRIVE PORTUGAL, Lda., empresa formadora acredi-


tada pela DGERT (Direção Geral de Empresas e das Relações de Tra-
balho), dá a conhecer aos seus clientes a gama de Formação Técnica
SEW certificada e as respetivas datas. Estas sessões compreendem
formação em: Conversores de Frequência MOVITRAC® 07B, MOVI-
TRAC® LT; Sistemas Descentralizados MOVIMOT® ; MOVIFIT®; Con-
troladores Vetoriais MOVIDRIVE® B; Motion Controller MOVI-PLC;
Programação em IPOS; e Acionamentos Eletromecânicos.
Os Formadores da SEW-EURODRIVE PORTUGAL, Lda., estão
todos habilitados com CAP (Certificado de Aptidão Profissional).
Como entidade certificada pela Direção Geral do Emprego e das
Relações de Trabalho (DGERT), a formação técnica ministrada pela
SEW-EURODRIVE Portugal possibilita aos Clientes o acesso aos
apoios públicos para desenvolver as competências dos seus colabo-
radores, nomeadamente no âmbito da medida Cheque-Formação.
notícias

Esta medida constitui uma modalidade de finan- A F.Fonseca orgu- protótipo – IFS01 – com o qual participaram, já
ciamento direto da formação a atribuir às enti- lha-se de ser par- em 2015, na competição em Barcelona, tendo
dades empregadoras ou aos ativos empregados ceir a da Sick sido reconhecida como a equipa com o melhor
(para mais informações: Portaria n.º 229/2015, nesta estratégia carro de 1.º ano. Em 2016 a equipa focou-se na
de 3 de agosto). e de apresentar implementação de melhorias no IFS01, melho-
A pré-inscrição de participantes deverá ser um dos principais rias essas que vieram a dar frutos na compe-
enviada até 10 dias antes da data da forma- eventos dedica- tição Formula Student Czech Republic 2017,
ção, carecendo a mesma de aprovação, a qual dos à visão artifi- onde a performance do IFS01 EVO se afirmou
ocorrerá no limite até cinco dias antes da data cial a realizar em como sendo consideravelmente superior.
da sessão. O número de participantes por ses- Portugal em 2017.
são está limitado a 12 (exceto MOVI-PLC com O Sick Vision Day
máximo de oito participantes). Outras sessões decorreu no dia
de formação serão realizadas a pedido. 26 de outubro na sede da F.Fonseca em Aveiro. ABB atualiza rede HVDC do sistema
O dia foi integralmente dedicado à promoção nórdico em projeto de 30 milhões
das mais recentes tecnologias de visão orienta- ABB, S.A.
das às diversas aplicações industriais. Desde as Tel.: +351 214 256 000 � Fax: +351 214 256 390
Proteção contra sobretensão apresentações promovidas pelos especialistas da marketing.abb@pt.abb.com � www.abb.pt
em sistemas fotovoltaicos F.Fonseca e da Sick até ao showroom com diver-
Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A. sas aplicações interativas, os participantes tive- A ABB recebeu uma encomenda no valor
Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871 ram a oportunidade de conhecer e ver in loco as de cerca de 30 milhões de dólares (cerca de
weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt diferentes tecnologias e soluções da Sick. 25,7 milhões de euros) da Svenska Kraftnät, na
Todas as empresas participantes terão direito a Suécia, e da Energinet, na Dinamarca, para atua-
um projeto de visão artificial totalmente gratuito, lizar o sistema de controlo e proteção da rede
ficando ainda cada participante automaticamente de transporte Konti-Skan, de Corrente Con-
habilitado ao sorteio de uma máquina fotográfica tínua de Alta Tensão (HVDC), com a última
Canon EOS – M10. tecnologia ABB Ability MACH. O pedido foi
registado no segundo trimestre de 2017.
A rede Konti-Skan foi construída há 52 anos
como a primeira interconexão entre a Suécia
REIMAN patrocina ISEL Formula e a Dinamarca, permitindo a troca de ener-
Student gia. Isso proporcionou benefícios de uma
A Weidmüller apresenta uma proteção avan- REIMAN – Comércio de Equipamentos rede compar tilhada, com recursos adicio-
çada contra sobretensões para a produção de Industriais, Lda. nais do sistema HVDC, que permitiu a troca
energia fotovoltaica. Os KPIs da planta podem Tel.: +351 229 618 090 � Fax: +351 229 618 001 de energia renovável hidroelétrica e de ener-
então ser melhorados, com esta poderosa pro- comercial@reiman.pt � www.reiman.pt gia eólica durante décadas. A instalação do
teção contra picos de tensão. mais recente sistema da ABB, de controlo e
A geração moderna de energia fotovoltaica é proteção MACH, ampliará a vida útil da rede
simplifi cada para a efi ciência. Uma proteção HVDC e melhorará a disponibilidade de ener-
contra sobretensões de confiança, com uma gia, bem como a fiabilidade e eficiência da rede
performance preparada para o futuro, é uma através da digitalização avançada. O avançado
necessidade para maximizar o tempo de ati- sistema ABB Ability MACH atua como o cére-
vidade e a lucratividade do sistema. A série bro da rede HVDC, monitorizando, contro-
VARITECTOR PU PV foi projetada para uso lando e protegendo a sofisticada tecnologia
em caixas combinadoras para instalações foto- das estações para garantir fiabilidade e eficiên-
voltaicas até 1500 V e está em conformidade cia. Ele incorpora funções avançadas de registo
com os padrões UL e EN mais recentes para de falhas e controlo remoto. “Estamos muito
aplicações globais. O Formula Student é hoje em dia a mais pres- satisfeitos por implementar a nossa mais recente
tigiada competição automóvel ao nível univer- tecnologia de controlo ABB Ability MACH para
sitário, sendo disputada em inúmeros circuitos atualizar esta rede histórica de transporte HVDC,
de Formula 1. Esta competição tem como facilitando a troca de energia e o intercâmbio de
F.Fonseca promove evento objetivo a construção de um protótipo de um fontes renováveis, levando aos consumidores ener-
de visão artificial Sick Vision Day veículo monolugar que participará em eventos gia limpa e fiável”, refere Claudio Facchin, Pre-
a 26 de outubro de sprint e autocross, culminando na sua apre- sidente da divisão Power Grids da ABB. “Este
F.Fonseca, S.A. sentação a uma hipotética empresa de manu- projeto reitera o nosso foco estratégico em servi-
Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910 fatura. ços e tecnologias digitais e reforça a nossa posi-
ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com A equipa ISEL Formula Student foi criada em ção de liderança no mercado e tecnologia HVDC,
/FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda 2013 no Instituto Superior de Engenharia de como um parceiro de escolha para permitir uma
Lisboa e inaugurou a sua atividade com a par- rede mais forte, fiável e mais verde”.
A visão artificial é uma das grandes apostas da ticipação no circuito de Silverstone em 2014, A Konti-Skan foi construída em duas fases,
Sick, um dos principais fabricantes mundiais de na classe de projeto (classe 2), onde terminou começando em 1965, com a Konti-Skan 1,
sensores e soluções para as mais variadas aplica- em 3.º lugar. Após o auspicioso resultado, a seguida pela Konti-Skan 2 em 1988. A tecno-
ções industriais. equipa dedicou-se à criação do seu primeiro logia da ABB permitirá que as duas trabalhem

24
notícias

juntas como um único sistema. A atualização Centro de Telecomunicações e Multimédia do


completa envolve a substituição do sistema de INESC TEC.
controlo. A ABB é uma referência da indústria A solução que está em desenvolvimento no pro-
nas principais atualizações de HVDC, tendo jeto WISE vai permitir estabelecer, restabelecer e
executado projetos em todo o mundo, com reforçar rapidamente comunicações em cenários
interrupção de energia minimizada. de emergência, tais como incêndios ou cheias,
quer para as equipas de emergência no terreno
quer para as populações; poderá também alargar
temporariamente a cobertura a zonas remotas e
Drone que atua em cenários permitir o acesso à Internet de banda larga em
de emergência A solução que está a ser desenvolvida pelo Ins- eventos temporários de grande dimensão, tais
INESC TEC tituto de Engenharia de Sistemas e Computa- como festivais de verão ou manifestações.
Tel.: +351 222 094 000 � Fax: +351 222 094 050 dores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e “A solução que estamos a desenvolver vai permitir
info@inesctec.pt � www.inesctec.pt pela Tekever vai permitir ultrapassar algumas ultrapassar problemas como os que se têm vindo
das limitações que se verificam atualmente nas a verificar ultimamente, principalmente pela sua
Está a ser desenvolvida uma solução de comu- redes de comunicações de emergência. aplicabilidade em cenários de estabelecimento e
nicações sem fios baseada na utilização de dro- “O que existe hoje em dia é a instalação de esta- reforço das comunicações em casos de emergên-
nes como pontos de acesso “voadores” que vai ções de base móveis temporárias que são supor- cia”, reforça o investigador.
ter capacidade de estabelecer, restabelecer e tadas em camião. Isto faz com que haja uma Esta solução está a ser desenvolvida no âmbito
reforçar comunicações sem fios em cenários de flexibilidade de posicionamento reduzida, na do projeto WISE, que é financiado por Fundos
emergência. A utilização dos drones juntamente medida em que se está limitado aos locais onde FEDER através do Programa Operacional Com-
com a inteligência que lhes está associada vai per- é possível estacionar o veículo. Para além disso, petitividade e Internacionalização COMPETE
mitir disponibilizar rapidamente comunicações as estações assentam maioritariamente em liga- 2020 e por Fundos Nacionais através da FCT –
sem fios de banda larga em cenários em que não ções via satélite com custos elevados e limita- Fundação para a Ciência e a Tecnologia. O pro-
exista cobertura de rede ou em que haja neces- ções de largura de banda”, explica Rui Campos, jeto, que teve início em junho de 2016, termina
sidade de reforçar a capacidade da rede. responsável pela área de redes sem fios do em maio de 2019.
PUB.

25
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

uma visão geral


sobre o armazenamento
da energia elétrica
Rita Pereira, Professora Adjunta, ISEL/ADEEEA

desafios e oportunidades
para o armazenamento
de energia na Europa
Brittney Becker, European Association for Storage of Energy – EASE

a evolução das condições


técnicas de ligação dos produtores
à rede de distribuição
Bruno Antunes

integração de
energias renováveis
e armazenamento
de energia
26
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

uma visão geral


sobre o armazenamento
da energia elétrica

O armazenamento de energia elétrica é, por definição, um processo de conversão de energia


numa forma de armazenamento, que permite guardar essa energia em diferentes meios ou ambientes.
Desta forma, a energia armazenada pode ser reconvertida em energia elétrica de acordo com
as necessidades de consumo.
Rita Pereira
Professora Adjunta
ISEL/ADEEEA

Várias formas e aplicações de sistemas de armazenamento de energia que existe interrupção ou diminuição na produção, permitindo manter
elétrica (SAE) estão presentes no nosso quotidiano, quer seja através um balanço adequado entre a geração e o consumo, bem como a quali-
dos gadgets que utilizamos diariamente ou através de aplicações indus- dade da energia elétrica.
triais. Considerando apenas como gadgets comuns o smartphone, tablet,
computador portátil ou os power banks, é possível ter uma perceção do
impacto que o armazenamento de energia tem nas nossas vidas.
Não menos importante é o armazenamento de energia ao nível da
rede elétrica. Ao contrário de outros produtos, que podem ser produzi-
dos, armazenados e posteriormente distribuídos, a produção de energia
elétrica tem que igualar instantaneamente o consumo. Portanto, deste
ponto de vista, o armazenamento de energia elétrica permite resolver
alguns dos problemas ou minimizar algumas das dificuldades associadas à
gestão de sistemas de energia elétrica.
Contudo, e apesar de as pilhas terem surgido o início do século XVIII
e de os primeiros sistemas de energia elétrica terem sido implementados
em finais desse mesmo século, apenas na primeira década do século XXI
foi verificado um aumento acentuado e crescente no estudo e pesqui-
sas realizadas neste domínio (e que se mantém até aos dias de hoje). Ou
seja, o armazenamento de energia, sobretudo ao nível das redes elétri-
cas, passou a ser considerado uma necessidade.
Vários fatores contribuíram para a alavancar o estudo e a procura de Gráfico 1 Capacidade de armazenamento necessária em relação à variabilidade de vento
soluções baseadas em SAE. Um destes fatores foi o crescente aumento na Europa ocidental [1].
do consumo energético. Aliás, o aumento do consumo não é apenas
relevante para o desenvolvimento de SAE, mas também foi o principal
motivo que impulsionou a transição das redes elétricas tradicionais para O alisamento do diagrama de carga é outro fator a considerar, uma
as redes elétricas inteligentes. Com o aumento do consumo, aumentou a vez que, através da transição do consumo em horas de ponta ou cheia
produção de energia a partir de fontes renováveis, nomeadamente atra- para horas de vazio, é possível reduzir o congestionamento no trânsito
vés do aproveitamento de energia eólica e solar fotovoltaica, que têm de potência nas linhas de transporte e de distribuição de energia elétrica.
um caráter intermitente. (No Gráfico 1 é apresentada uma estimativa da Adicionalmente contribui para minimizar a instalação de novos centros
necessidade de armazenamento nos próximos anos em função da varia- de produção (ou ampliação dos existentes) para satisfação dos picos de
bilidade do vento na Europa Ocidental). Os efeitos desta intermitência consumo, reduzindo substancialmente o investimento em novas infraes-
no sistema elétrico, que põe em causa o equilíbrio entre a produção e o truturas do sistema elétrico. O armazenamento de energia contribui para
consumo, podem ser atenuados não só através da incorporação de téc- uma gestão adequada do diagrama de carga, na medida em que a energia
nicas de previsão, bem como através da incorporação de SAE no sis- produzida ao longo do dia pode ser armazenada, sendo posteriormente
tema elétrico. A energia armazenada pode ser utilizada em períodos em utilizada durante as horas de pico ou cheia.

27
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia
UMA VISÃO GERAL SOBRE O ARMAZENAMENTO DA ENERGIA ELÉTRICA

Gráfico 2 Diagrama de carga de um SAE. a) Nivelamento das pontas de consumo; b) Balan-


ceamento de carga [2].
Figura 1 Representação esquemática de um sistema de bombagem hidroelétrica [3].

Outro fator que merece atenção, resulta do crescente aumento da uti-


lização de veículos elétricos. Não só o armazenamento pode ser consi-
derado numa perspetiva de utilização vehicle-to-grid, mas também através
de soluções preconizadas por alguns fabricantes de veículos elétricos que
incorporam um SAE adicional, com recurso a baterias.
Os impactos do armazenamento de energia estão presentes ao longo
de toda a cadeia de valor do sistema de energia elétrica, desde a con-
tribuição para a mitigar os efeitos da volatilidade dos preços dos com-
bustíveis fósseis, à minimização do congestionamento no transporte e
distribuição da energia elétrica, à melhoria da estabilidade da operação
e gestão da rede de energia, e da qualidade da energia.
Os SAE podem ser classificados de acordo com as tecnologias utiliza-
das ou de acordo com a sua função. Figura 2 Sistema de armazenamento PHS [4].

Classificação das tecnologias de armazenamento de energia elétrica


armazenada depende da diferença de altura entre os dois reservatórios
Mecânica: Eletroquímica: Elétrica: e do volume de água armazenado.
O maior centro de produção de energia elétrica com bombagem é o
Bombagem hidroelétrica Baterias estacionárias Supercondensadores
Bath County PHS Plant, EUA, com uma potência instalada de 3003 MW.
Ar comprimido Baterias de fluxo Bobinas supercondutoras O armazenamento de energia em ar comprimido (CAES) utiliza reser-
Flywheels vatórios geológicos, nomeadamente cavernas geológicas ou minas subter-
râneas, para armazenar ar comprimido. Durante os períodos de vazio a
energia elétrica excedente é utilizada para alimentar motores/geradores
Termoquímica: Química: Térmica:
que acionam um sistema de compressores que, por sua vez, injetam ar nos
Combustíveis solares Fuel Cell Calor latente ou sensível reservatórios, armazenando energia em alta pressão. Em horas de ponta ou
cheia, o ar armazenado é libertado e aquecido, através de combustíveis fós-
seis ou aproveitando o calor libertado durante o processo de compressão,
sendo posteriormente utilizado para acionar turbinas que se encontram
acopladas aos motores/geradores, produzindo energia elétrica.

Apresenta-se uma descrição sucinta do princípio de funcionamento


dos SAE mecânicos, eletroquímicos e elétricos.
A bombagem hidroelétrica (PHS) é uma das formas mais comuns de
armazenamento de energia. Pode ser utilizada a própria albufeira da bar-
ragem ou utilizar reservatórios artificiais independentes do leito do rio
onde está implantada a central hidroelétrica.
Normalmente são utilizados dois reservatórios de água separados ver-
ticalmente. Durante as horas de vazio a água é bombeada para o reser-
vatório superior e durante as horas de maior consumo a água passa
para o reservatório inferior através de uma turbina que se encontra aco-
plada a um gerador, produzindo energia elétrica. A quantidade de energia Figura 3 Representação esquemática de um SAE em ar comprimido [3].

28
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

A central de Huntorf na Alemanha encontra-se em operação há 20 anos baterias funcionem corretamente. Em relação a outros tipos de baterias,
e tem uma potência instalada de 321 MW. apresentam uma elevada densidade de energia e capacidade superior.
As flywheels são dispositivos mecânicos que permitem armazenar No entanto os custos operacionais são também mais elevados.
energia cinética numa massa girante com perdas mecânicas reduzidas, As baterias de iões de lítio são consideradas uma boa escolha quando
(normalmente consistem num disco de aço colocado numa câmara de o tempo de resposta, as pequenas dimensões e o peso do equipamento
vácuo), sendo esta energia cinética posteriormente convertida em ener- são considerados fatores importantes. Uma instalação de 32 MW loca-
gia elétrica. A quantidade de energia armazenada depende da velocidade lizada em Laurel Mountain, EUA, é utilizada como suporte a um parque
de rotação do disco e da sua inércia. A conversão de energia elétrica em eólico com 92 MW de potência instalada.
mecânica e vice-versa é realizada utilizando uma máquina elétrica a fun-
cionar como motor ou gerador, respetivamente.

Figura 7 Implementação de um SAE com baterias de iões de lítio [6].

Figura 4. Representação esquemática de Figura 5 Implementação de um SAE com As baterias de fluxo são constituídas por dois eletrólitos armazenados
um SAE com flywheel [3]. flywheels [5]. em tanques exteriores. Os eletrólitos são bombeados para a célula que
consiste em dois compartimentos separados por uma membrana. O seu
princípio de funcionamento baseia-se na ação de oxidação-redução dos
Uma das instalações com maior potência instalada encontra-se no elétrodos da bateria. Durante o carregamento, um eletrólito é oxidado
Japan Atomic Energy Center, com 325 MVA de potência instalada, utili- no ânodo enquanto outro é reduzido no cátodo, sendo neste processo
zada para alimentar uma fornalha de fusão nuclear. a energia elétrica convertida em energia eletroquímica. Durante a des-
Os SAE  baseados em tecnologias eletroquímicas consistem em sis- carga ocorre o processo inverso. As baterias de fluxo podem ser Redox
temas de baterias, com aplicação no âmbito da qualidade ou gestão da ou híbridas, dependendo se todos os componentes são dissolvidos ou
energia. As baterias de ácido-chumbo, NaS e iões de lítio, são as mais uti- não no eletrólito.
lizadas neste tipo de sistemas.

Figura 6 Representação esquemática de um SAE com baterias estacionárias [3]. Figura 8 Representação esquemática de um SAE com baterias de fluxo Redox [3].

As baterias de ácido-chumbo são normalmente utilizadas em aplica- A principal vantagem das baterias de fluxo em relação às baterias con-
ções estacionárias, tais como backups para sistemas de telecomunica- vencionais deve-se ao facto de a potência não ser dependente da capa-
ções ou sistemas de gestão de energia. Em Puerto Rico encontra-se uma cidade de armazenamento.
instalação dedicada ao controlo de frequência e manutenção da reserva Uma instalação de 2 MW de potência instalada localizada num parque
girante, com uma potência instalada de 20 MW. eólico irlandês é utilizada para mitigar os efeitos da flutuação da tensão e
As baterias de NaS utilizam sódio e enxofre fundido, razão pela qual auxiliar a integração na rede elétrica.
necessitam de um sistema de controlo de temperatura adicional, por Os supercondensadores são constituídos por dois elétrodos e um ele-
forma a ser garantida uma gama de temperatura adequada para que as trólito separados por uma membrana. Possuem as mesmas caraterísticas

29
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia
UMA VISÃO GERAL SOBRE O ARMAZENAMENTO DA ENERGIA ELÉTRICA

Figura 9 Implementação de um SAE com baterias de fluxo Redox [7]. Figura 12 Representação esquemática de um SAE com bobina supercondutora [3].

Figura 10 Representação esquemática de um SAE com supercondensadores [3]. Figura 13 Implementação de um SAE com bobina supercondutora [9].

sistema de refrigeração, para a além da própria bobina construída com


material supercondutor.
Quando uma bobina é percorrida por corrente existem perdas por
efeito de Joule devido à resistência elétrica do condutor. Contudo se a
bobina é feita de material supercondutor e está sujeita a um valor de
temperatura abaixo do seu estado supercondutor, a resistência elétrica
é praticamente nula, possibilitando o armazenamento de energia sem
perdas.
O sistema de conversão de potência é composto por um retificador/
inversor que permite a conversão AC/DC durante o processo de carre-
gamento e o inverso durante o processo de descarga. A quantidade de
energia armazenada depende do valor da auto-indutância da bobina e
da corrente que a percorre.
Este SAE é caraterizado por uma densidade de energia elevada e tem-
pos de resposta rápidos, pelo que é adequado ao armazenamento de
energia de curta duração e a aplicações que permitam mitigar os efeitos
da intermitência das energias renováveis.
Figura 11 Implementação de um SAE com supercondensadores [8]. Em Nooso, no Japão, existe um SAE deste tipo, com 10 MW de potên-
cia instalada, utilizado para melhorar a estabilidade e a qualidade da ener-
gia da rede elétrica.
que os condensadores tradicionais e que as baterias. A energia é arma- A relação entre a potência de saída e a capacidade de armazenamento
zenada nas superfícies formadas entre os dois elétrodos e o eletrólito. é relevante na escolha da tecnologia a utilizar no SAE e depende da apli-
A sua potência e densidade de energia é superior à dos condensadores cação a que se destina. A Figura 14 apresenta uma comparação entre
tradicionais e inferior à das baterias recarregáveis. São SAE adequados a a potência de saída e a capacidade de armazenamento, para diferentes
aplicações de curta duração e são normalmente utilizados no âmbito da tecnologias.
qualidade de energia. O custo capital da potência e da energia armazenada contribui para a
O SAE com recurso a bobinas supercondutoras (SMES) é constituído análise da viabilidade e do impacto financeiro dos sistemas de armazena-
por um sistema conversor de potência, um sistema de controlo e um mento de energia existentes ou a implementar. Uma comparação entre

30
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

A relação entre a potência de saída e a capacidade


de armazenamento é relevante na escolha da tecnologia
a utilizar no SAE e depende da aplicação a que se destina.

o custo capital da potência e energia armazenadas para diferentes tecno-


logias de armazenamento de energia elétrica é apresentada no Gráfico 3.
Existem diversas instalações dedicadas ao armazenamento de energia
a nível mundial. Umas mais simples de implementar que outras, utilizando
tecnologias antigas ou atuais, com diversas capacidades de armazena-
mento, diferentes densidades de energia e custos distintos.
A escolha do SAE e a sua instalação é um desafio para diversas áreas
da engenharia. Mas é destes SAE  e da superação destes desafios que
depende o presente e o futuro dos sistemas de energia elétrica.

Figura 14 Âmbito de aplicação de tecnologias de SAE [10]. Referências bibliográficas


[1] S hin-ichi, Prospective on the Decarbonised Power Grid, IEC/MSB/EES
Workshop, Germany, 2011.
[2] Chen, H. et al, Progress in electrical energy storage system: A critical
review, Progress in Natural Science, Vol. 19, Issue 3, pp. 291–312, 2009.
[3] X in, L., et al, Overview of current development in electrical energy sto-
rage technologies and the application potential in power system opera-
tion, Applied Energy, Vol. 137, pp. 511-536, 2015.
[4] w ww.climatetechwiki.org
[5] w ww.cnet.com
[6] w ww.twtnp.com
[7] e nergystoragereport.info
[8] w ww.garmanage.com
[9] p hysics.oregonstate.edu
[10] S an Martin, J. I., et al, Energy storage technologies for electric applications,
Int. Conf. on Renewable Energies and Power Quality, No. 2, 2011.
[11] Aneke, M., Wang, M., Energy storage technologies and real life applications
Gráfico 3 Custo capital do armazenamento de energia por unidade de potência e energia [11]. – A state of the art review, Applied Energy,Vol. 179, pp 350–377, 2016.
PUB.

31
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

desafios e oportunidades
para o armazenamento
de energia na Europa
À medida que a Europa persegue os seus objetivos ambiciosos para estabelecer um sistema
de energia seguro, flexível e de baixo carbono, o armazenamento de energia está a captar
a atenção dos decisores políticos e do público em geral.
Brittney Becker
European Association for Storage of Energy – EASE

O armazenamento de energia económico é cada vez mais visto como tecnologias também podem ser combinadas para formar um sistema que
um fornecedor fundamental de flexibilidade, que permitirá que o sistema é maior do que a soma das suas partes.
de energia enfrente os inúmeros desafios da transição de energia: inte- Num sistema de energia baseado em grande parte na geracao de ener-
grar uma parcela crescente de Energias Renováveis variável e reduzir as gia renovável variável, será necessária uma ampla mistura de tecnologias
restrições; descarbonizar os setores de transporte, aquecimento e arrefe- de armazenamento – incluindo dispositivos de curto prazo, de rápida reac-
cimento; aumentar a eficiência dos ativos existentes; avançar para um sis- ção, mas também armazenamento mensal ou sazonal – para fornecer fle-
tema de energia descentralizado; e aproveitar ao máximo a digitalização e xibilidade económica a todos os níveis do sistema.
o aumento da participação dos consumidores. Embora o armazenamento, tenha, sem dúvida, um futuro promissor, a
sua implantação na Europa está a ser retida por um quadro regulamentar
desatualizado que não tem em conta os aspetos únicos das tecnologias de
armazenamento de energia. Isso ocorre porque o rápido desenvolvimento
e implantação de armazenamento nos últimos anos ultrapassou as decisões
políticas nos últimos anos, enquanto a grande diversidade de tecnologias
e aplicações criou uma maior complexidade. Pode ser desafiante elaborar
políticas que apoiem o desenvolvimento e implantação de tecnologias de
armazenamento de energia sem escolher vencedores e vencidos.
Durante muitos anos o armazenamento de energia não foi considerado
uma prioridade, em parte porque as tecnologias ainda não eram econo-
micamente viáveis, mas também porque os benefícios do armazenamento
eram menos valorizados num sistema centralizado de combustível fóssil.
Esta situação está a mudar rapidamente devido às melhorias no custo-
-benefício das tecnologias de armazenamento de energia e ao compro-
misso da política pública com a descarbonização.
Para implementar os objetivos da União de Energia e promover a tran-
sição de energia, a Comissão Europeia emitiu o pacote “Energia Limpa para
Todos os Europeus” em novembro de 2016[1]. Isso inclui várias peças chave
da legislação com três objetivos principais: colocar a eficiência energética
em primeiro lugar, alcançar liderança global em energias renováveis e for-
necer um acordo justo para os consumidores.
Figura 1 Matriz de tecnologia de armazenamento de energia. Fonte: EASE. Os aspetos do pacote que abordam especificamente o armazena-
mento de energia, bem como outras barreiras que afetam os negócios
do armazenamento de energia, também foram abordados pela Comis-
Embora o armazenamento de energia da bateria em particular tenha são num Documento de Trabalho da Equipa publicado em fevereiro de
recebido uma grande atenção nos últimos anos, uma ampla gama de tec- 2017[2]. Estas etapas são um sinal de boas vindas dos decisores políticos,
nologias de armazenamento de energia está a ser desenvolvida e implan- pois mostram uma vontade de se adaptar às muitas mudanças que ocor-
tada em toda a Europa (ver Figura 1). Cada tecnologia é adequada para rem à medida que a Europa transita para um sistema de energia mais efi-
um determinado conjunto de aplicações ou casos de uso. Diferentes ciente e descarbonizado.

32
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

Embora a Comissão Europeia[3] e o Parlamento Europeu[4] reconheçam a


importância do armazenamento de energia, o quadro regulamentar a nível Pacote de Energia Limpa para Todos os Europeus
da UE e dos Estados-Membros ainda deve evoluir. Por exemplo, a falta de
uma definição de armazenamento de energia a nível da UE leva à incer- Recomendações da EASE
teza sobre a forma como os dispositivos de armazenamento de energia
1. Estabelecer o armazenamento de energia como uma classe de
devem ser tratados de acordo com a regulamentação vigente. Felizmente,
ativos separada, juntamente com geração, transmissão/distribui-
esta questão é abordada na Reformulação da Diretiva de Eletricidade[5].
ção e consumo.
Além disso, falta um design de mercado justo de energia, de modo que
os sistemas de armazenamento de energia devem competir em bases desi- 2. Remover barreiras regulatórias para projetos de demonstração.
guais com outras opções de flexibilidade. Atualmente, o mercado não valo-
riza nem remunera adequadamente a flexibilidade. A falta de preços de 3. Estabelecer uma definição de armazenamento de energia no qua-
congestionamento e de escassez em particular é problemática para o setor dro regulamentar da UE.
do armazenamento, assim como a falta de contratos de mercado para ser-
viços de sistema e auxiliares em alguns Estados-Membros da UE. 4. Estabelecer clareza sobre as regras segundo as quais o armaze-
Requisitos nos códigos de rede, que em alguns casos podem ser pesa- namento de energia pode ter acesso aos mercados - em parti-
dos para os dispositivos de armazenamento de energia, uma vez que não cular, a incapacidade percebida dos operadores de sistemas de
levam em conta os atributos exclusivos dos dispositivos de armazenamento transmissão (TSOs) e operadores de sistemas de distribuição
de energia, também constituem barreiras à implantação de armazenamento (DSOs) para possuir e operar o armazenamento de energia.
de energia. Por fim, há incertezas sobre o direito de operadores de siste-
5. Eliminar o carregamento injustificado/duplo, em particular a apli-
mas de transmissão e operadores de sistemas de distribuição possuirem e
cação das taxas de consumo final ao armazenamento de energia,
operarem dispositivos de armazenamento de energia[6].
uma vez que não constitui o uso final da energia.
Para além do quadro regulamentar, a investigação e a inovação na energia
desempenham um papel importante na transição energética da UE. A UE 6. Assegurar que a aquisição de todos os serviços de energia e auxi-
“está empenhada em tornar-se o líder mundial em energia renovável, o cen- liares é baseada no mercado.
tro global para o desenvolvimento da próxima geração de energias renováveis
tecnicamente avançadas e competitivas”[7] – um objetivo que só pode ser
alcançado se as ferramentas de flexibilidade necessárias para integrar RES
estiverem disponíveis . A comunicação sobre ‘Acelerar a Inovação de Ener- de armazenamento de energia para oferecer serviços valiosos e melhorar
gia Limpa’, que foi lançada como parte do pacote “Energia Limpa para todos a flexibilidade do sistema energético europeu. A EASE procura construir
os Europeus”, identifica “o desenvolvimento de soluções de armazenamento de uma plataforma europeia para partilhar e divulgar informações relacionadas
energia acessíveis e integradas” como uma das quatro áreas prioritárias de com o armazenamento de energia e apoiar a transição para um sistema de
Investigação e Inovação[8]. Nesta comunicação, a Comissão também anun- energia sustentável, flexível e estável na Europa.
cia que pretende aplicar mais de 2 mil milhões de euros do programa de
trabalho Horizonte 2020 para 2018-2020, para apoiar projetos de Inves-
tigação e Inovação nestas quatro áreas prioritárias[9]. Este apoio financeiro Referências bibliográficas
desempenhará um papel importante na aceleração do desenvolvimento de [1] European Commission: Commission proposes new rules for consumer cen-
tecnologias de armazenamento de energia. tred clean energy transition, 2016.
No entanto, a diversidade de tecnologias e casos de uso para o armaze- [2] European Commission: Commission Staff Working Document Energy sto-
namento torna difícil a definição de prioridades de Investigação e Desen- rage – the role of electricity, 2017.
volvimento (I&D) e o desenvolvimento de tecnologia de suporte de forma [3] European Commission: Energy Storage – Proposed policy principles and
neutra, especialmente se quisermos incentivar o desenvolvimento de tec- definition, 2016.
nologias em que a indústria europeia seja competitiva a nível mundial. É por [4] Ver European Parliament: Energy Storage: Which Market Designs and
estas razões que a EASE se juntou à EERA (Aliança Europeia de Pesquisa Regulatory Incentives are Needed?, 2015. e European Parliament Report
Energética) para atualizar o seu Roteiro de Desenvolvimento de Tecnolo- “Towards a New Energy Market Design”, 2015/2322(INI)
gia de Armazenamento de Energia (publicado pela primeira vez em 2013). [5] European Commission: Directive on common rules for the internal mar-
O roteiro atualizado (publicação em breve) fornece uma visão geral de ket in electricity, 2016.
todos os desenvolvimentos tecnológicos no setor de armazenamento de [6] Ver EASE’s recommendations on storage ownership em: http://ease-storage.
energia, tanto hoje como nos próximos 20 anos, e fornece recomenda- eu/ease-recommendations-for-the-ownership-of-energy-storage/, 2016.
ções sobre como a UE e os Estados Membros podem apoiar ainda mais [7] European Commission: A Framework Strategy For A Resilient Energy
a implantação económica de tecnologias de armazenamento energético. Union With A Forward-Looking Climate Change Policy, 2015.
O armazenamento de energia é, sem dúvida, um componente impor- [8] European Commission: Communication
tante de um futuro de energia cada vez mais eficiente, seguro, confiá- on Accelerating Clean Energy Innovation,
vel, com um baixo nível de carbono e um bom rácio custo-benefício. No 2016.
entanto, o seu desenvolvimento e implantação em toda a Europa é dificul- [9] As areas prioritárias são: (1) Decar-
tado por um quadro regulamentar desatualizado. Com o apoio dos seus bonising the EU building stock by 2050:
membros da indústria, a EASE continuará a colaborar com as instituições from nearly-zero energy buildings to
da UE para garantir que todo o potencial de armazenamento de energia energy-plus districts; (2) Strengthening
seja usado para ajudar a fornecer serviços de flexibilidade eficientes e de EU leadership on renewables (RES);
baixo custo para impulsionar a transição de energia. (3) Developing affordable and integrated
A Associação Europeia de Armazenamento de Energia (EASE) é a voz da energy storage solutions; and (4) Electro-
comunidade de armazenamento de energia, promovendo ativamente o uso -mobility and a more integrated urban
do armazenamento na Europa e em todo o mundo. Apoia a implantação transport system.

33
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

a evolução das condições


técnicas de ligação dos produtores
à rede de distribuição
De uma forma abrangente, a ligação das instalações de produção à rede de distribuição deve
ser efetuada em condições técnicas e economicamente adequadas nos termos estabelecidos
no Regulamento da Qualidade de Serviço (RQS), no Regulamento de Relações Comerciais (RRC),
no Regulamento da Rede de Distribuição (RRD), no Regulamento de Operação de Redes,
bem como no Regulamento de Acesso às Redes e às Interligações.
Bruno Antunes

A nível técnico, os documentos de referência são o RRD bem como o Guia A informação de cariz técnico que o ORD fornece ao promotor deve
Técnico das Instalações de Produção Independentes de Energia Elétrica e indicar a potência máxima injetável e eventuais restrições técnicas da rede,
numa primeira abordagem processual do procedimento de ligação à rede o local do ponto de injeção e respetiva zona de rede, a tensão nominal,
de distribuição, cabe ao produtor a execução da memória descritiva com o regime de neutro e a potência de curto-circuito. Paralelamente a esta
informação sobre as condições técnicas de ligação à RESP, de acordo com informação é fornecida a informação dos encargos com obras e trabalhos,
o definido e especificado nestes mesmos documentos. incluindo eventuais reforços de rede, a cargo do promotor.
Após a submissão, por parte do produtor, do pedido de informação Para fornecer a informação técnica mencionada anteriormente, o ORD
sobre a existência de capacidade de injeção na RESP, o operador da rede de realiza estudos estacionários de trânsito de potências sobre o modelo de
distribuição (ORD) deve emitir um parecer técnico, indicando as condições rede em que se irá ligar o produtor em regime de exploração normal, verifi-
técnicas de ligação à rede. cando se a injeção de potência por parte do produtor não viola as correntes

Resumo das condições técnicas de ligação e operação

Valor nominal: 50 Hz;


Frequência Gama de Operação: 47,5 Hz-51,5 Hz;
Disparo por mínimo (47,5 Hz) e máximo (51,5 Hz) de frequência.
Variação de tensão admissível: +/-10 %;
Tensão
Queda de tensão admissível para ligar grupos assíncronos: 5% Un.
PRO: tgϕ = 0,4 (Horas de Ponta); tgϕ = 0 (Horas de Vazio);
Potência Reativa
PRE: tgϕ = 0 (Horas de Ponta e Vazio); exceção tgϕ = 0,3 (Horas de Ponta e P≤ 6 MW instalados na rede MT).
Produção éolica P> 6 MVA deve permanecer ligado à rede durante defeitos na rede, perante a ocorrência de cavas de tensão, e deve injetar a potência reativa para
suporte de tensão na rede.

Suporte Dinâmico
de Rede

Controlo de potência ativa por limitação de potência só em caso de congestionamento das redes resultantes de incidentes de rede, por impossibilidade de escoar
Potência Ativa
toda a injeção da energia adicional e do sobreequipamento, ou quando estiver em causa a segurança no equilíbrio produção-consumo.

34
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

máximas admissíveis, bem como os valores de tensão mínima e máxima


definidos no RQS, para cenários de vazio e produção máxima. A este nível
ainda calcula as perdas na rede, de acordo com o critério económico. Além
destas análises são realizados cálculos da potência de curto-circuito mínima
para verificar que se adequam a um correto dimensionamento das futuras
proteções de interligação de forma a não comprometer a integridade de
todos os componentes da rede elétrica. Posteriormente, na fase de ligação
o ORD calcula e inspeciona os parâmetros das proteções de interligação.
Apesar do cumprimento integral por parte dos produtores da aplicação
das condições técnicas de ligação e operação, bem como da evolução gra-
dual do nível de controlo das redes de distribuição, a instalação de níveis
elevados de produção distribuída de acordo com o princípio “fit-and-forget”
está a induzir alterações de funcionamento cujas exigências estão a ser
difíceis de gerir, nomeadamente na operação e controlo das redes. Esta
gestão é cada vez mais complexa devido ao modelo de operação passivo,
caraterístico das redes de distribuição, que em confrontação com os impac- Figura 1 Esquema de variação de tensão ao longo da rede com e sem a presença de pro-
tos técnicos da produção distribuída, com destaque para a alteração da dução distribuída.
magnitude e direção dos fluxos de energia, através da injeção de potência
em diversos e diferentes pontos de rede e variações dos perfis de tensão,
estão a exigir níveis de monitorização e de controlo mais elevados do que Na operação e condução de rede em tempo real, os impactos da pro-
as redes de distribuição concebidas de forma tradicional. dução distribuída nas redes de distribuição estão enquadrados dentro dos
A operação e condução de rede elétrica é realizada em dois horizon- limites técnicos regulamentares, decorrentes do planeamento devido da
tes temporais distintos: em tempo real, com base na configuração normal rede elétrica. Contudo, mesmo em configuração normal de exploração da
de exploração da rede, e em tempo programado, com base na imple- rede elétrica, já se registam algumas dificuldades, nomeadamente ao nível
mentação de configurações de recurso, decorrentes de indisponibilidades do controlo da tensão na rede, refletindo-se em problemas na regulação
programadas. de tensão nas subestações, nas manobras de reconfiguração de rede entre
PUB.

35
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia
A EVOLUÇÃO DAS CONDIÇÕES TÉCNICAS DE LIGAÇÃO DOS PRODUTORES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO

diferentes pontos injetores, na estabilização de tensões em clientes bem


como na exploração e paralelo com os produtores (Figura1).
Outra das vertentes da operação e condução é o planeamento de indis-
ponibilidades que ocorrem na rede de distribuição, indisponibilidades estas
que se devem principalmente a ações de manutenção sobre os ativos ins-
talados nesta mesma, bem como a trabalhos de construção. As indisponibi-
lidades implicam na maioria dos trabalhos a retirada de tensão e ativos fora
de serviço, impondo reconfigurar e explorar a rede de forma a garantir a
continuidade de serviço.
Na programação das indisponibilidades não se tem em consideração a
disponibilidade da produção distribuída (diagrama de previsão de produção),
para efeitos de viabilidade e recurso às indisponibilidades, apesar da cres- Figura 2 Estratégia de controlo de potência ativa – sistema de proteção.
cente importância da produção distribuída na operação e condução da rede.
A única consideração da produção distribuída para viabilizar as indisponibi-
lidades ocorre através de uma análise por excesso, onde apenas se procura Ao nível das capacidades técnicas a partilhar destacam-se a regulação da
garantir que a produção máxima (igual à potência instalada), que eventual- potência ativa (respostas às variações de frequência, controlo de frequência
mente possa ocorrer, não impacte em violação dos limites técnicos dos ativos. e limitações de potência ativa) e potência reativa, realização de controlo de
Aquando de indisponibilidade programada de determinados ativos na rede frequência e tensão, bem como suporte dinâmico de rede (funções fault ride
já se verificam, por análise de contingências, constrangimentos ao nível técnico through) perante defeitos elétricos na rede.
que levam à necessidade de limitar, ou mesmo cortar, a injeção de potência Ao nível da transposição da cedência das condições técnicas dos pro-
por parte dos produtores distribuídos. Estas ações tornam-se necessárias dutores, para auxiliar a gestão de rede de distribuição em regulamentos e
para evitar sobrecargas nos ativos de rede, bem como sobretensões, por normas técnicas destacam-se países como Dinamarca, a Alemanha e Itália
forma a dar continuidade à estabilidade e segurança da exploração da rede como sendo os países na linha da frente neste contexto.
de distribuição. A Dinamarca é o país que possui mais condições técnicas ao nível regula-
mentar, tais como as condições técnicas de ligação e operação da frequência,
potência ativa, potência reativa bem como definições de controlo remoto a
estas condições técnicas.
Para a condição técnica controlo de tensão por ação de energia reativa
destaca-se a Alemanha e na aplicação da condição técnica suporte dinâmico
de rede a Itália.
Recentemente foi realizado um estudo no âmbito do término de ciclo
de estudos de mestrado, onde um dos objetivos foi percecionar o impacto
na gestão da rede de distribuição de alta tensão, através da aplicação das
capacidades técnicas dos produtores. As capacidades técnicas selecionadas
cingiram-se apenas às condições técnicas de ligação e operação relativas à
tensão e potência ativa, adotadas nos países referidos anteriormente.
A este nível foi percecionado que a ativação do controlo de tensão pelos
produtores poderá ser mais interessante e valorizada nos cenários de inci-
Como procedimento, sempre que seja identificada a necessidade de limita- dentes na rede, em que a resolução do mesmo não seja imediata (incidente
ção ou corte de produção dos produtores inseridos na RND (basta detetar em linhas ou até mesmo avaria dos reguladores de tensão do ponto de
esta situação num dos cenários), na sequência de uma indisponibilidade pro- entrega), mesmo recorrendo a reconfigurações de rede por telecomando.
gramada, encetam-se contactos com os produtores identificados por forma Ainda foi percecionado que um valor de cos – único e fixado regulamentar-
a obter acordo para a limitação/corte de produção. mente para as várias situações de exploração rede condiciona os níveis de
De referir que o procedimento de limitação de produção aos produto- controlo de tensão em função dos níveis de produção injetada.
res distribuídos instituído pelo ORD no decurso da programação das indis- No estudo confirmou-se também a necessidade da ativação das capacida-
ponibilidades, é um procedimento informal e não regulamentar (apenas o des técnicas de potência ativa dos produtores, nomeadamente a limitação de
corte de produção está regulamentado mesmo havendo acordo entre as potência injetada, para evitar violações da capacidade nominal das linhas, nos
entidades), contudo impera o bom senso e, procurando respeitar e alcançar cenários de carga mínima e produção máxima aquando da reconfiguração
sempre as melhores relações, o ORD procura encontrar, sempre que possí- de rede devido à indisponibilidade programada de um ativo.
vel, uma solução ótima que minimize o impacto das intervenções na rede de Em Portugal não é possível limitar a potência das instalações de produção
distribuição às entidades envolvidas (ORD e produtores). nestas circunstâncias e apenas está legislado o recurso ao corte de produção.
Em último caso, não havendo acordo para se proceder à limitação/corte Ao considerar os cenários limites e estáticos através de fixação dos limites
de produção, o ORD faz uso do direito que lhe é conferido pelo RRC, que máximos e mínimos simultaneamente, torna-se esta abordagem e estudo de
define que nestas situações pode ser realizado o corte de alimentação a um contingência limitados, apesar de ser a única possível até ao momento, pois
domingo durante 8 horas, não se podendo recorrer a esta situação mais do não permite abordar a análise em diferentes escalas temporais onde os limites
que 5 vezes por ano. máximos e mínimos de consumo e produção não ocorrem simultaneamente.
À medida que as instalações de produção têm mais preponderância na Posto isto, devido às limitações identificadas nas opções legais para cortar/
forma como se aborda a gestão de rede, quer em tempo real quer na fase de limitar a potência de produção bem como no procedimento do estudo de
programação, como descrito anteriormente, significa que mais cedo ou mais trânsito de potências que permite obter a potência a limitar, foi realizada uma
tarde, estas terão de partilhar alguns dos deveres, hoje desempenhados pelas análise ao histórico de dados de produção e consumo da rede em estudo de
centrais elétricas convencionais, que são as capacidades técnicas controláveis forma a averiguar as diferenças nos níveis de potência a cortar/limitar através
no sistema elétrico de energia. de cinco abordagens:

36
dossier sobre integração de energias renováveis e armazenamento de energia

1. Corte de potência produzida ao domingo (sem acordo);


2. Corte de potência produzida à semana (com acordo - flexibilidade);
3. Limitação de potência com base nos piores cenários carga mínima e
produção máxima em simultâneo;
4. Limitação de potência com base na maior diferença entre a carga e a
produção, de forma a que não se verifique sobrecarga na rede, durante
o período de trabalhos;
5. Limitação de potência com base na maior diferença entre a carga e a
produção de forma a que não se verifique sobrecarga na rede, durante
o período de trabalhos, mas com variação do valor de limitação de
potência à imagem da variação continua da carga e produção.

Pelas diferentes abordagens de limitação criadas neste estudo foi possível


perceber que existem vantagens em adotar um esquema de ativação limita-
ção de potência em vez de corte, pois verifica-se que a perda de potência e
consequente remuneração para os produtores é menor. Figura 4 Relação Custo Marginal com o número de Cortes/Limitação (referência de 5 interrup-
O corte de produção nestas circunstâncias revela-se uma medida muito ções anuais durante 30 anos para uma potência média instalada de 30 MVA na rede em estudo).
desproporcional perante a necessidade de potência a limitar bem como a
cada intervenção a capacidade de intervenção na rede pelo ORD vai sendo
diminuída por utilização do número máximo de cortes permitidos ao ORD. Nestas condições, e tendo em conta o crescimento exponencial da produ-
O facto de se poder acordar trabalhos programados na rede tendo como ção distribuída na rede de distribuição nos últimos anos, o investimento teria
opção a limitação de potência em vez do corte de potência, será muito mais de ser enorme para garantir continuamente a capacidade de receção da ener-
fácil obter acordo entre as partes para realizar a limitação de potência pelo gia produzida na rede, o que se iria refletir num aumento da tarifa do cliente
facto de os valores de limitação de potência a produzir serem muito menores. final para o regulador remunerar os custos operacionais e ativos do ORD.
Os resultados obtidos comprovam a necessidade de evolução da legisla- Recorrendo sempre ao corte de alimentação para trabalhos de manu-
ção, no sentido de permitir um valor máximo de energia a limitar, em vez do tenção na rede de distribuição, com alguma facilidade se esgotará o número
corte, que numa fase inicial corresponda ao corte da potência instalada do máximo de cortes permitidos, dada a extensão da rede e volume de manu-
produtor durante cinco dias para um período médio de oito horas diárias. tenção nos seus vários ativos, bem como ao número de produtores insta-
Da análise do histórico de dados foi percecionado que o procedimento lados na rede de distribuição.
adotado pelo ORD para detetar os níveis de potência a limitar tem de evo- Nesta vertente o ORD ao ver-se confrontado com a necessidade de
luir para que os valores apurados sejam mais próximos dos reais. Em média remunerar os produtores por causa do corte de energia produzida iria
os valores de limitação de potência apurados pelo atual procedimento são certamente verificar até que ponto compensaria aplicar o corte de ali-
12% superiores a um procedimento que possa ter em conta as previsões de mentação ou investir na rede para não ter este custo (igualdade de custos
produção e de carga. marginais). Custo este que não é remunerado ao invés do investimento no
Para dar garantia de receção total da potência produzida, nas condições de reforço da rede que pode ser amortizado.
exploração de rede condicionada, o ORD teria de investir no reforço de rede, Tendo em conta estes pressupostos foi possível perceber, ao nível do
aumentando os custos de investimento na rede, bem como os operacionais estudo, que a substituição do conceito de corte por limitação irá adiar
(por exemplo: custos de manutenção), que por sua vez teriam de ser refle- investimentos na rede de distribuição, o que significa que possibilita à ERSE
tidos na remuneração e incentivos que o regulador estabelece para o ORD. a manutenção de um esquema remuneratório na base dos incentivos para
Dadas as condicionantes apresentadas e com base no regime remunera- que o ORD continue a gerir a rede de forma eficiente, sem demasiados
tório através da regulação de incentivos, o ORD teria ainda mais dificuldades custos de operação e investimento.
em reduzir os custos de investimentos e operacionais e beneficiar deste Noutra vertente, a adoção de um conceito de limitação de potência ao
mesmo incentivo à gestão eficiente da rede de distribuição. invés do corte dotará o ORD de mais flexibilidade de gestão das interrup-
ções obrigando-o, contudo, a realizar gestão precisa da cota de energia a
limitar para não incorrer em sobrecustos.
A operação da rede de distribuição será cada vez mais complexa à
medida que as instalações de produção distribuída forem aumentando
neste tipo de redes, por todos os fatores já anteriormente enunciados.
Contudo, estes podem ser mitigados se forem utilizadas as capacidades téc-
nicas de controlo da produção, com o desenvolvimento e criação paralela
de mecanismo de relacionamento entre o produtor e o ORD por forma
a coordena-los entre estas entidades e as restantes, do sistema elétrico de
energia (GS, ORT e mercados) e retribuir a cedência de serviços.
Perante as grandes dimensões das redes, a quantidade de produtores dis-
tribuídos e a complexidade dos serviços a disponibilizar, a operar em simul-
tâneo de forma dinâmica, o recurso às condições técnicas dos produtores,
para fazer face às limitações de rede impostas pela sua instalação na rede,
terão de ser acompanhadas por uma evolução regulamentar, por forma a
alcançar uma gestão ativa da rede, em que não pode ser descorada a coor-
Figura 3 Evolução da perda de remuneração por abordagem de Corte/Limitação (referên- denação de serviços, a capacidade técnica e a gestão centralizada destes
cia de 5 interrupções anuais durante 3 anos para uma potência média instalada de 30 MVA aspetos, para que se mantenha a cada momento uma operação eficiente,
na rede em estudo). em segurança, segura e fiável das redes de distribuição.

37
case study

autoconsumo fotovoltaico
com baterias
DIFERENÇAS ENTRE INVERSORES HÍBRIDOS ON-GRID
E INVERSORES CARREGADORES OFF-GRID

As instalações solares fotovoltaicas oferecem a possibilidade de fornecer uma quantidade


significativa de energia solar para atender às necessidades do consumo elétrico.
Essas instalações, chamadas de autoconsumo, exigem uma série de componentes que,
dependendo das suas caraterísticas, implicam diferenças em relação ao uso da energia solar.

QKSOL – Energy Solutions

Os principais componentes de qualquer instalação de autoconsumo com


baterias são: painéis solares, inversores e baterias.
O inversor é aquele que possibilita o aproveitamento da eletricidade
gerada nos painéis solares para usá-la nos diferentes consumos. A sua fun-
ção básica é transformar a Corrente Contínua (CC) em Corrente Alter-
nada (CA), enquanto armazena e descarrega a energia nas baterias.
Atualmente, existe uma grande variedade de modelos e gamas de inver-
sores, e uma seleção correta pode ser a chave para ter um melhor aprovei-
tamento da instalação e a sua amortização económica.
Vemos que muitas equipas no mercado, à primeira vista, “fazem o
mesmo”, mas a maneira como o fazem, torna-as totalmente diferentes, ao
ponto de podermos afirmar que são equipas diferentes para um propó-
sito semelhante.
Neste artigo, identificaremos a diferença entre os inversores híbridos On-
-Grid (AC Coupling) e os inversores carregadores Off-Grid (DC Coupling) para
aplicações de autoconsumo fotovoltaico com baterias.

Figura 1 Esquema interno de inversor híbrido On-Grid.

A caraterística principal e a diferença dos modelos Off-Grid é que eles


funcionam conectados à rede elétrica existente (Modo On-Grid), forne-
cendo energia solar ao mesmo tempo que a rede elétrica, quando a carga
é superior à energia gerada na instalação solar.
Além disso, no caso de falha da rede elétrica, estes investidores podem
trabalhar em ilha, fornecendo a energia da instalação solar diretamente ao
consumo.
Inversores híbridos (On-Grid)
Caraterizam-se por gerir as diferentes fontes de energia, permitindo ali-
mentar os consumos elétricos da energia proveniente dos painéis sola- Inversores Carregadores (Off-Grid)
res, da energia armazenada nas baterias e/ou da rede elétrica de suporte. Tal como os inversores híbridos, gerem o conjunto de fontes de energia,
Gerem a origem da energia para otimizar o máximo aproveitamento mas a forma como o fazem e as suas limitações são consideráveis, assim
da energia solar e economizar a energia consumida da rede, bem como a como o aproveitamento da energia solar.
carga e descarga da bateria, sem a necessidade de adicionar um controla- Neste caso, o inversor não permite a possibilidade de conexão à rede elé-
dor de carga adicional. trica existente, ao mesmo tempo em que gera energia solar. Desta forma,

38
case study

É verdade que o equipamento Off-Grid é significativamente mais econó-


mico, mas a médio prazo a rentabilidade económica é pior e é mais apro-
priado usar inversores híbridos On-Grid.

Diferenças Principais
Uma maneira clara de ver as vantagens do equipamento On-Grid e as limi-
tações energéticas dos Off-Grid, em ambos os modelos de inversores, é
analisar detalhadamente como eles funcionam em diferentes situações em
relação ao consumo elétrico para verificar o funcionamento de ambos os
equipamentos.

A. A energia solar é superior ao consumo


Figura 2 Esquema interno de inversor carregador Off-Grid.

não podem fornecer energia simultaneamente a partir da instalação solar


e da rede elétrica.
Conforme indicado no esquema acima, há um bypass interno no inver-
sor que seleciona a fonte de energia para alimentar as cargas.
Esta caraterística implica que, quando o consumo elétrico é maior do que
a produção solar, não é possível aproveitar a instalação solar e toda a ener-
gia é alimentada a partir da rede elétrica existente. A energia dos painéis é usada para alimentar A energia dos painéis é usada para alimentar
as cargas (prioridade) e as baterias. É possível as cargas (prioridade) e as baterias.
Por este motivo, o aproveitamento da energia solar disponível e a eco- injetar o excedente na rede. Se desejar, pode O excedente não pode ser injetado na rede
nomia da energia consumida reduzem-se consideravelmente, sendo esta a ser configurado para não injetar, de acordo e não é usado.
grande diferença dos inversores On-Grid. com as regulamentações locais.
PUB.

39
case study
AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO COM BATERIAS

B. O consumo é superior à energia gerada Conclusões


Uma vez estudado o comportamento das duas tipologias de inversores em
diferentes casos de funcionamento, podemos concluir:
• O inversor híbrido On-Grid permite um aproveitamento total da ener-
gia solar, rentabilizando assim o seu investimento e resultando numa
maior economia na fatura energética;
• Com o inversor On-Grid, ao poder alimentar diretamente as cargas
dos painéis solares, reduzimos os ciclos de carga e descarga da bateria,
aumentando a sua vida útil;
• O inversor carregador Off-Grid é uma solução mais económica, mas
O inversor híbrido alimenta as cargas da O inversor Off-Grid só permite alimentar
a médio prazo é menos lucrativa, uma vez que não permite otimizar
instalação solar e da rede. Se as cargas as cargas da rede, desperdiçando a energia o desempenho da instalação nem o aproveitamento de energia solar.
forem superiores à energia solar, então a gerada nos painéis solares. Esta energia só
energia restante, e somente a restante, é pode ser aproveitada se as baterias estiverem Além disso, se considerarmos uma curva do tipo de consumo e geração
fornecida pela rede para cobrir o consumo. descarregadas.
solar para poder aproveitar a mesma energia solar, no caso dos inversores
Off-Grid teríamos que sobrecarregar as baterias, o que implica:
C. Não existe consumo e a bateria está carregada • Perdas de energia;
• Aumento do custo das baterias;
• Não justifica a poupança inicial de usar um inversor Off-Grid.

O inversor híbrido usa a energia gerada O inversor Off-Grid não aproveita a energia
nos painéis para a injetar na rede elétrica solar, uma vez que não pode exporta-la para
ou noutros consumos. a rede elétrica.

D. Não há geração nos painéis e o consumo é maior do que a energia


fornecida pelas baterias.

O inversor híbrido usa a energia armazenada O inversor Off-Grid só irá alimentar as cargas
nas baterias para alimentar parcialmente os com a rede elétrica. Não é possível aproveitar
consumos. A rede elétrica fornece a energia a energia armazenada nas baterias.
restante para alimentar as cargas.

E. Não há geração nos painéis e o consumo é inferior à energia fornecida


pelas baterias
Inversores Híbridos Inversores Carregadores
On-Grid Off-Grid
Rendimento Global
80% 55%
de Energia Solar
Aproveitamento
100% 40-60%
de Energia

Por tudo isto, a solução ideal para obter o máximo rendimento de uma
instalação solar de autoconsumo é o uso de inversores híbridos On-Grid.
O inversor híbrido usa a energia armazenada O inversor Off-Grid pode alimentar o
nas baterias para alimentar totalmente os consumo com a energia armazenada nas
QKSOL – Energy Solutions
consumos. baterias, desde que a energia consumida não
Tel.: +34 93 480 84 66
seja maior. Nesse caso, tudo será alimentado
pela rede elétrica. info@qksol.com  www.qksol.com

40
PUB.
case study

prolongamento da vida útil dos


rolamentos nos eixos principais
de turbinas eólicas
Com o crescimento da indústria eólica nos EUA e a introdução de turbinas com uma potência
superior a 1 MW, a existência de cargas mais elevadas e de maiores tensões causa impacto na vida
útil dos rolamentos do eixo principal e da transmissão. Falhas em equipamentos estão a ocorrer
mais cedo do que o esperado e, para muitos operadores de parques eólicos, o custo de reparações
inesperadas em torres está a aumentar.
Timken Company

Como consequência, a indústria exige uma vida


útil mais longa para os rolamentos do eixo prin-
cipal e da transmissão, e os fabricantes apresen- As turbinas eólicas estão equipadas com
tam as suas soluções ao mercado. vários rolamentos, cada um com um nível de
“O operador faz um orçamento para uma ou desgaste diferente. Atualmente, a existência
talvez duas revisões completas da turbina ao longo de maiores tensões em turbinas de grandes
da vida útil da mesma”, afirma Tony Fierro, enge- dimensões coloca os rolamentos em maior
nheiro de aplicações da The Timken Company. nível de exigência de operação, particular-
“O problema é que muitas turbinas exigem uma mente nos eixos principais.
renovação profunda nos primeiros sete a 10 anos.
Isto traduz-se em gastos de funcionamento e
manutenção mais elevados ao longo da vida útil
da turbina”. o funcionamento e manutenção pode chegar suportar e transportar as cargas do eixo princi-
aos 60 milhões de dólares norte-americanos ao pal. Na realidade, os SRB dominam o mercado de
longo de 30 anos. turbinas modulares com duas configurações dife-
Reparações dispendiosas rentes: montagem em três e em quatro pontos.
Qual é o impacto financeiro nos operadores de Estas configurações são apresentadas na Figura 1.
parques eólicos se for necessária uma renovação Desafios relacionados com o projeto
completa a cada sete anos? atual Projeto de três pontos
“Supondo que a vida útil média de uma turbina Os projetos de turbinas eólicas modulares uti- No projeto de três pontos (à esquerda), o eixo
é de 30 anos e que a transmissão e o eixo princi- lizam habitualmente rolamentos autocompen- principal é suportado pelo torque da transmis-
pal são renovados a cada sete anos, são neces- sadores de rolos (SRB) de duas pistas para são e por um único SRB à frente da transmissão.
sárias quatro renovações ao longo da vida útil da
turbina”, declara Fierro. “Com uma melhor solução
de rolamentos, os operadores podem reduzir esse
número para metade”.
Por exemplo, se um reparo do eixo principal
e da transmissão custar 300 mil dólares norte-
-americanos (USD) (custos com grua incluídos),
isto representa um gasto total de 1,2 milhões
dólares nor te-americanos (USD) ao longo
da vida útil da turbina. Se for possível reduzir
estas substituições para metade, os operado-
res podem poupar até 600 mil dólares norte-
-americanos USD por turbina. Para um parque
eólico típico com 100 turbinas, a economia com Figura 1 Configurações do eixo principal com montagem em três e em quatro pontos.

42
PUB.
Esta disposição permite o seguinte:
•C  onjunto da nacela menor e redução do peso da turbina;
•D eflexão e desalinhamento elevados do sistema.

Embora existam vantagens nesse projeto, incluindo um menor


peso da nacela e custos iniciais mais baixos com a turbina, existem
também claras desvantagens com o SRB do eixo principal de duas
carreiras e com a transmissão da carga para a transmissão.
Um dos problemas é que o rolamento tem de suportar uma carga
de reação radial e a carga axial apenas na carreira de rolos contra
o vento (DW). Outro dos problemas é que, devido ao aumento da
folga interna decorrente do desgaste do rolamento, a deflexão axial e
as cargas de momento são transferidas para os rolamentos da trans-
missão planetária. Esta carga adicional pode afetar as transmissões
planetárias e, por consequência, os rolamentos.

Projeto de quatro pontos


No projeto de quatro pontos (à direita), o eixo principal é supor-
tado pelo torque da transmissão e por dois rolamentos principais à
frente da transmissão. Normalmente, estes rolamentos principais são
do tipo SRB, embora outras disposições comuns incluam rolamen-
tos de rolos cónicos e cilíndricos. Esta disposição permite o seguinte:
•C onjunto da nacela maior e aumento do peso da turbina;
• Maior rigidez do sistema;
•D eflexão e desalinhamento menores do sistema de transmissão.

Em geral, o desempenho dos rolamentos principais é superior em


turbinas com projetos de quatro pontos relativamente ao projeto
de três pontos, embora alguns modelos ainda apresentem proble-
mas, particularmente nos casos em que um SRB é utilizado na posi-
ção traseira.

Falhas comuns
Microcorrosão
A utilização preferencial de um único SRB na posição do eixo princi-
pal nas turbinas de classe MW está a mudar – os operadores procu-
ram agora uma melhor solução. Um fator determinante são as falhas
prematuras observadas neste tipo de rolamento, devido especial-
mente à microcorrosão (fadiga da superfície). Embora não exista um
limite máximo oficial, a taxa convencional de carga axial e radial con-
siderada admissível para um SRB de duas carreiras é de cerca de 25%.
Atualmente, em muitas turbinas de grandes dimensões, as cargas
axiais reais (até 60% em alguns casos) são significativamente superio-
res a este limite, gerando preocupações quanto a problemas relacio-
nados com efeitos de desencaixe, distribuição de carga anormal entre
as carreiras, assimetria dos rolos, tensão no retentor, geração de calor
excessivo e atrito dos rolos. Com estas elevadas cargas axiais, apenas
a carreira de rolos contra o vento (DW) suporta a carga radial e axial.
Muitas vezes, a carreira a favor do vento (UW) está completamente
sem carga, criando uma condição de funcionamento inferior à ideal.
Como resultado, os rolamentos do eixo principal nas turbinas com
montagem em três pontos apresentam as mesmas falhas comuns,
incluindo, microcorrosão, carga nas extremidades, rolamento , falha
na gaiola de peça única e desgaste no anel-guia central, bem como
danos provocados por detritos. Tal situação conduz a falhas significa-
tivas em campo, no início da vida útil das turbinas.

Lubrificação inadequada
Além disso, normalmente as condições de funcionamento dos
rolamentos do eixo principal não são as ideais para a geração de
uma película lubrificante. Com uma velocidade de funcionamento
case study
PROLONGAMENTO DA VIDA ÚTIL DOS ROLAMENTOS NOS VEIOS PRINCIPAIS DE TURBINAS EÓLICAS

máxima de cerca de 20 rpm, é frequente a velo- reduzem as tensões de contato que provocam
cidade da superfície do rolamento e a geração o desgaste. A Figura 3 apresenta um resumo das
da película lubrificante serem insuficientes para caraterísticas e dos benefícios adicionais.
manter as asperezas da pista separadas. Além
disso, as mudanças nos momentos de inclinação
das pás e de guinada alteram constantemente Tecnologia Descrição Benefícios
a localização e a direção da zona de carga, de
forma quase instantânea. Desta forma, a forma-
ção e a qualidade da película lubrificante são Baixa rugosidade, Redução da tensão
Acabamento
interrompidas. do rolo
acabamento de contato provocada
No caso de um SRB numa turbina com mon- isotrópico pelas asperezas
tagem em três pontos, esta situação é acele-
rada. Os SRB funcionam com folga radial, o que
aumenta o risco de microcorrosão ou atrito. As Revestimento
Maior resistência ao
Revestimento de WC/aC:H
fases iniciais de desgaste são apresentadas na desgaste, à fadiga
do rolo com 1 μm
Figura 2, em que o nítido trajeto de desgaste na de espessura
e a detritos
carreira DW dos rolos pode provocar cooro- Figura 4 Testes demonstraram que o projeto do TRB com
são na geometria de contato projetada, condu- pré-carga da Timken reduz o impulso axial na transmissão
Redução da tensão
zindo a tensões mais elevadas no anel do que o do rolo, redução da
em 67%, comparativamente a uma solução de SRB de duas
previsto e, posteriormente, à falha do rolamento. Geometria Conformidade carreiras.
assimetria do rolo,
interna de rolo/IR
criação de tração
favorável

Caixa de latão Redução das forças


Caixa
maquinado de funcionamento
dividida
de duas peças possíveis

Figura 3 Caraterísticas e benefícios do SRB WR Timken.

Figura 2 Fases iniciais de corrosão do SRB no eixo princi- Uma solução cónica
pal da turbina. Ao lidar com os problemas associados aos SRB,
os engenheiros da Timken encontraram uma
nova resposta para as turbinas com montagem
Melhorias nos rolamentos em três pontos – o rolamento de rolos cónicos
para turbinas existentes (TRB) com pré-carga.
Rolamentos resistentes ao desgaste Ao possuir um anel interior duplo de peça
Para uma troca direta nas frotas de turbinas única e dois anéis exteriores únicos, o rolamento
existentes, a Timken desenvolveu um SRB resis- pode ser utilizado em posições fixas em eixos Figura 5 Disposição do rolamento do veio principal com
tente ao desgaste (WR) que utiliza tecnologia rotativos e pode substituir diretamente os SRB TRB com pré-carga vs. com SRB padrão.
de superfície especialmente concebida em con- do eixo principal do equipamento original (uti-
junto com acabamentos de superfície melho- lizando o alojamento do mancal de rolamentos
rados. Os rolamentos WR protegem os anéis do equipamento original existente). O seu pro- Conclusão
contra microcorrosão ao reduzirem significa- jeto permite que ambas as carreiras de rolos À medida que os rolamentos desempenham a
tivamente as tensões de corte e as interações partilhem de forma igual da carga radial e axial, sua função essencial no interior das turbinas de
das asperezas. A superfície especialmente conce- minimizando a carga na transmissão devido à classe MW atual, tensões dinâmicas e imprevis-
bida possui um revestimento duradouro e exclu- capacidade do rolamento de suportar um desa- tas dão origem a programas de manutenção e
sivo de carboneto de tungsténio/hidrocarboneto linhamento moderado (Figura 4). reparos prematuros e dispendiosos. Para que a
amorfo (WC/aC:H). Em testes no terreno, o TRB da Timken indústria eólica continue a progredir, a confiabi-
Estes revestimentos são duas a três vezes mais demonstrou uma redução do desgaste, uma lidade dos rolamentos do eixo principal tem de
resistentes do que o aço, um a dois micróme- menor deflexão/carga na transmissão (sem ser melhorada. A exigência do mercado está a
tros mais espessos e possuem baixos coeficien- carga adicional nos braços de binário) e uma impulsionar o desenvolvimento de novas solu-
tes de atrito ao deslizarem contra aço. Com uma maior rigidez do sistema. O estado com pré- ções para a readaptação de SRB únicos numa
superfície do rolo avançada e especialmente pro- -carga deste rolamento de elevada capacidade disposição de montagem em três pontos,
jetada, o revestimento é projetado para polir e ajuda a reduzir o atrito/patinagem dos rolos e incluindo SRB resistentes ao desgaste e um pro-
reparar as pistas danificadas por detritos durante garante uma distribuição da carga em ambas as jeto de TRB com pré-carga.
o funcionamento. Este acabamento da superfí- carreiras, tolerando melhor o desalinhamento
cie melhorado aumenta também a espessura da do sistema do que um rolamento cónico de anel
Timken Company
película lubrificante, o que resulta numa sepa- exterior duplo.
Tel.: +49 (0) 711 949 640 � Fax: +49 (0) 711 949 6410
ração mais eficiente das superficies de con- O projeto é comparado com uma solução de
zentrale@timken.com � www.timken.com
tato das asperezas. Em conjunto, estas melhorias SRB de duas carreiras na Figura 5.

44
PUB.
case study

Projeto “SolyRent”: painel solar


fabricado na Ásia ou na Europa?

Qual o mais rentável?


SunFields Europe

1. Motivo da experiência – Caso real: • Localização: Zona de Lisboa, Portugal (Não são fornecidos dados mais
O dilema existe e é tão antigo como a habitual dicotomia entre comprar precisos para preservar a privacidade do proprietário de ambas as ins-
barato ou comprar qualidade, geralmente a um preço mais elevado. Com talações).
os painéis solares não seria de outra forma e todos os dias encontramos • Instalação: Telhado plano com a mesma orientação e inclinação. Instala-
essa situação: instaladores e clientes que procuram o melhor preço e, por ções duplas.
outro lado, instaladores e clientes que procuram a melhor qualidade para
as suas instalações. Ou seja, temos duas plantas exatamente iguais, no mesmo local, com a
Há vários anos que temos testemunhado a dicotomia ‘preço ou qua- mesma orientação, mesma inclinação, etc. Até o instalador a fazer ambos os
lidade?’ mencionada. No sul da Europa, por algum motivo o preço é rei, sistemas foi a mesma empresa.
quanto mais barato, melhor, e a qualidade está em segundo lugar. Há tam-
bém pessoas que nos pedem qualidade e preço... isto existe? Nós ques-
tionamo-nos... 3. Diretos ao fundo da questão: Dados de produção
Este é, então, o motivo da experiência com painéis solares que foi posto e comparação
em prática neste ano de 2017 em Portugal. Uma instalação com dois inver- Bem, como dizemos coloquialmente, em espanhol, “vamos al lío”, (que é
sores, no mesmo local, mesma orientação, etc., mas com duas marcas de como dizer, “vamos ao assunto”) e, como para aprender a nadar dizem que
painéis solares muito diferentes. Uma delas é uma “marca alemã”, mas que o melhor é atirar-se à água, aqui está uma primeira captura de produção
na verdade é feita na China (é muito comum nos dias de hoje tentar enga- do passado mês de setembro de 2017 (Gráfico 1).
nar o cliente com um nome alemão, mas ser um fabricante asiático) e a Consegue adivinhar que cor corresponde a cada instalação?
outra marca, uma marca alemã e 100% produzida na Alemanha. Na verdade, as barras VERMELHAS correspondem à marca alemã feita
O resultado? Vamos ver de seguida, mas adiantamos que o resultado é na Alemanha (a que chamamos de Instalação B), e as barras AZUIS à
impressionante, mas também esperado. “marca alemã” feita na China (a que chamamos de Instalação A).
Veremos tudo com mais detalhe com uma Tabela de produções do mês
de junho de 2017 de cada sistema, assim como a diferença de produção em
2. Dados gerais da instalação fotovoltaica: kWh e em % entre as duas instalações (Tabela1).
• Instalação (A): 15 kW de painéis solares “marca alemã”, mas de origem A Tabela de comparação não deixa dúvidas, a diferença de produção,
chinesa. no passado mês de junho de 2017, é cerca de 22% melhor com o painel
• Instalação (B): 15 kW de painéis solares alemães fabricados na Alemanha. solar fabricado na Alemanha do que com o painel solar fabricado na China.

Gráfico 1

46
case study

Produção Produção Produção Produção


Rendimento Rendimento
Energia Energia Diferença Diferença Energia Energia
Instalação 1 Instalação 2
15kW painel 15kW painel em em 15kW painel 15kW painel
em  em 
“Chinês” Alemão kWh % “Chinês” Alemão
kWh/kWp kWh/kWp
[kWh] [kWh] [kWh] [kWh]

7/7/17 59,733 75,45 15,717 26,31 7/7/17 59,733 3,98 75,45 5,03
8/7/17 43,491 55,865 12,374 28,45 8/7/17 43,491 2,90 55,865 3,72
9/7/17 82,8735 104,114 21,2405 25,63 9/7/17 82,8735 5,52 104,114 6,94
10/7/17 97,6755 121,597 23,9215 24,49 10/7/17 97,6755 6,51 121,597 8,11
11/7/17 98,6805 122,716 24,0355 24,36 11/7/17 98,6805 6,58 122,716 8,18
12/7/17 96,126 119,357 23,231 24,17 12/7/17 96,126 6,41 119,357 7,96
13/7/17 87,2145 107,853 20,6385 23,66 13/7/17 87,2145 5,81 107,853 7,19
14/7/17 96,6645 120,194 23,5295 24,34 14/7/17 96,6645 6,44 120,194 8,01
15/7/17 96,0165 119,493 23,4765 24,45 15/7/17 96,0165 6,40 119,493 7,97
16/7/17 93,5355 115,926 22,3905 23,94 16/7/17 93,5355 6,24 115,926 7,73
17/7/17 92,2575 114,033 21,7755 23,60 17/7/17 92,2575 6,15 114,033 7,60
18/7/17 75,216 92,654 17,438 23,18 18/7/17 75,216 5,01 92,654 6,18
19/7/17 73,7445 91,277 17,5325 23,77 19/7/17 73,7445 4,92 91,277 6,09
20/7/17 85,335 104,292 18,957 22,21 20/7/17 85,335 5,69 104,292 6,95
21/7/17 98,913 121,354 22,441 22,69 21/7/17 98,913 6,59 121,354 8,09
22/7/17 96,783 118,98 22,197 22,93 22/7/17 96,783 6,45 118,98 7,93
23/7/17 98,229 120,377 22,148 22,55 23/7/17 98,229 6,55 120,377 8,03
24/7/17 96,6525 118,292 21,6395 22,39 24/7/17 96,6525 6,44 118,292 7,89
25/7/17 93,837 115,222 21,385 22,79 25/7/17 93,837 6,26 115,222 7,68
26/7/17 92,1045 112,795 20,6905 22,46 26/7/17 92,1045 6,14 112,795 7,52
27/7/17 98,5065 120,66 22,1535 22,49 27/7/17 98,5065 6,57 120,66 8,04
28/7/17 95,8365 117,455 21,6185 22,56 28/7/17 95,8365 6,39 117,455 7,83
29/7/17 91,173 111,144 19,971 21,90 29/7/17 91,173 6,08 111,144 7,41
30/7/17 94,368 115,248 20,88 22,13 30/7/17 94,368 6,29 115,248 7,68
31/7/17 67,4685 82,139 14,6705 21,74 31/7/17 67,4685 4,50 82,139 5,48

Tabela 1 Tabela 2

4. Então... é mais ou menos rentável? Como é frequentemente o caso com quase tudo o que compramos na
No final, isto é o essencial e o que deve preocupar-nos: vida quotidiana, os melhores e mais satisfatórios resultados geralmente são
“Parece claro que, em termos gerais, quanto melhor é a qualidade do pai- alcançados com materiais de alta qualidade.
nel, melhor será a produção. Mas é mais rentável?” Vejamos agora a mesma
Tabela, mas com a relação kWh/kWp, ou seja, a quantidade de energia pro-
duzida em cada uma das instalações para cada kWp instalado (Tabela 2). 5. Conclusões
A relação kWh/kWp é o dado fundamental que deve ser sempre tido No final, considerando que uma instalação fotovoltaica mede a sua rentabi-
em conta ao calcular a rentabilidade de uma instalação, e NÃO o preço lidade de acordo com a energia produzida (kWh) por quilowatt instalado
do Wp do painel. (kWp), verifica-se que é sempre muito mais rentável um painel de quali-
Um painel fotovoltaico é um sistema de produção de energia, ou seja, dade máxima, ainda que a inversão inicial seja mais cara.
uma instalação destas é mais rentável quanto mais energia pudermos Os dados de ambos os fabricantes não foram divulgados para prote-
gerar com a mesma quantidade de energia instalada. ger a privacidade do proprietário da instalação fotovoltaica em estudo,
Explicamos isto com um exemplo mais “visual”: mas podemos informar que são duas das marcas de painéis solares mais
O Sr. Schmidt comprou um dispositivo eletrónico, fabricado na Alemanha, que conhecidas e utilizadas no setor fotovoltaico atualmente.
o ajuda a economizar três horas por dia de consumo elétrico. É claro que, com isto, não se pode deduzir que todos os painéis solares
O Sr. Chen comprou o mesmo dispositivo, feito na China, mais barato, mas fabricados na China e/ou na Alemanha darão esse resultado, mas não há
que o ajuda a economizar 2,5 horas por dia de consumo elétrico. dúvida de que é um relatório valioso como base para a meditação antes
No final, o Sr. Chen poupou alguns euros, mas após um ano, o Sr. Schmidt eco- de decidir quais os materiais que vamos utilizar numa instalação e qual é a
nomizou mais de 182,5 horas de consumo do que o Sr. Chen. maneira correta de analisar a sua rentabilidade.
Voltando ao caso em questão, uma instalação fotovoltaica deve funcionar Após os dados lançados com esta experiência real em funcionamento,
durante 30 a 40 anos. Ou seja, irá produzir energia durante todos os dias acha que ainda vale a pena poupar alguns euros num painel solar barato e
da sua vida útil, que admitindo que são 30 anos, falamos de 10 950 dias de não investir em algo de mais qualidade?
produção e, para cada um desses 10 950 dias, podemos optar por pagar
menos por um painel mais barato e ter uma produção “normal”, ou esco-
SunFields Europe
lher um material de maior qualidade e produzir 10-15% mais, em média,
Tel.: +34 981 59 58 56
a cada um desses 10 950 dias do que se tivéssemos escolhido a outra info@sfe-solar.com � www.sfe-solar.com
opção barata.

47
case study

potenciar a participação em mercado


de fontes fotovoltaicas através
de sistemas de armazenamento
de energia em baterias
A Efacec considera que o armazenamento de energia em baterias permite alavancar
o valor da energia elétrica produzida a partir de fontes renováveis.
Ismael Miranda, Nuno Silva, Marta Ribeiro, Efacec
Hélder Leite, FEUP

Introdução a gestão da reserva é da responsabilidade do de otimização mais complexos. Determina o


O aumento da produção de energia a partir de operador da rede e por isso, a arquitetura apre- plano de operação do sistema híbrido para o dia
recursos renováveis levanta alguns desafios na sentada considera os possíveis ajustes de potên- seguinte tendo em conta vários fatores: a produ-
operação e gestão das redes elétricas devido cia ativa requisitados pelo operador. A produção ção PV prevista, o recurso de armazenamento
ao caráter variável deste tipo de geração. Para do sistema híbrido corresponde à soma da pro- disponível e a informação dos mercados de spot
além disso, o perfil de produção renovável tipi- dução PV e da produção do sistema de armaze- e reserva secundária. Todo o planeamento tem
camente não corresponde ao perfil de procura namento (valor negativo para cargas e positivo como principal objetivo a maximização do lucro
do sistema, havendo por isso a necessidade de para as descargas), sendo o seu valor de potên- do sistema combinado PV + Sistema de Baterias.
dotar a rede elétrica com novas tecnologias. cia injetado na rede de distribuição. O  ES-Controller responde a variações elétri-
Neste sentido, surgem os Sistemas de Arma- A arquitetura funcional é constituída por dois cas rápidas locais, a referências de potência ativa
zenamento de Energia em Baterias que pro- componentes principais de operação e controlo, e reativa e integra a função de fixar a produ-
porcionam uma operação mais flexível, fiável e de natureza local: o ES-Controller e o ES-Manager. ção PV, o que permite uma produção constante
eficiente das redes de distribuição, mitigando as seguindo as referências calculadas pelo ES-Ma-
flutuações da produção renovável. Neste traba- nager. Desta forma, é possível mitigar a intermi-
lho é estudado um sistema híbrido que corres- Sistema de Gestão e Controlo tência caraterística da produção PV, bem como
ponde à combinação de um sistema fotovoltaico O  ES-Manager, devido ao seu conhecimento a participação do sistema híbrido nos mercados
(PV) e de um sistema de baterias. Este sistema mais alargado da localização e do ambiente elé- elétricos, uma vez que a controlabilidade do PV
opera segundo uma arquitetura funcional dese- trico do sistema híbrido, lida com menos res- é maior. O ES-Controller inclui as limitações de
nhada para potenciar a participação PV nos mer- trições temporais, mas com desenvolvimentos produção e o estado de carga. As potências de
cados de energia, tanto no mercado spot como
no mercado de reserva secundário, através de
uma utilização ótima do sistema de baterias.

Arquitetura funcional
De forma a potenciar os benefícios técnicos e
económicos, bem como os desafios de integra-
ção de um sistema PV+ Sistemas de Baterias
ligado a uma rede de distribuição de média ten-
são, foi proposta uma arquitetura funcional para
o sistema em questão (ver Figura 1). Pretende-
-se que o sistema híbrido seja capaz de lidar com
as restrições operacionais locais e intrínsecas,
como por exemplo, as flutuações de produção
PV, e impulsionar a participação em vários mer-
cados de eletricidade, tais como o mercado spot
e o mercado de reserva secundária. No entanto, Figura 1 Arquitetura funcional do sistema combinando PV com o sistema de baterias.

48
PUB.
carga e descarga são limitadas pelo dispositivo de armazenamento
e/ou pelo sistema de conversão de energia, enquanto o estado de
carga depende da tecnologia de armazenamento escolhida e da capa-
cidade energética do dispositivo. Nos casos em que os limites supe-
rior (por exemplo 100%) e inferior (por exemplo 10%) do estado de
carga são atingidos, a intermitência do recurso PV não é realizada. Em
consequência, é implementado um segundo modo de operação que
é ativado aquando da aproximação dos limites do estado de carga.
Tem como objetivo assegurar a continuidade na supressão das flutua-
ções de PV, enquanto se conduz o estado de carga para condições de
funcionamento apropriadas.

Participação no mercado spot


A participação PV no mercado spot necessita da previsão PV para o
dia seguinte. A produção PV licitada no mercado spot é definida da
seguinte forma:
N N

∑ Phíbrido
i=1
planeado
,i
= ∑ g i ⋅ PFVfc, i
i=1

onde γi é um parâmetro de ajuste dependente do tempo que


reflete as perdas de armazenamento esperadas para os ciclos de
carga e descarga, de forma a manter a saída do sistema combinado
conforme planeado. Adicionalmente, permite ajustar o estado de
carga do sistema de armazenamento da forma mais económica, isto
é, de acordo com os preços de mercado spot. Quando o valor de γi
é maior que um significa que as ofertas de mercado são superiores
aos valores previstos de PV, o que implica uma compensação pelo sis-
tema de baterias e, em consequência, o estado de carga é reduzido.
Assim, é assegurado que o sistema híbrido não injeta nem absorve
potência nos períodos sem sol. É assumido que o sistema híbrido atua
como price taker. Caso a produção do sistema híbrido sofra desvios
de produção acima ou abaixo do valor planeado existirão penaliza-
ções de acordo com o preço de mercado de regulação que necessita
de compensar a falta ou excesso de produção combinada.

Participação no mercado de reserva secundária


A reserva secundária é da responsabilidade do operador de sistema
e é utilizada para repor os valores da frequência ao seu valor nominal
e/ou para manter a interligação dos trânsitos de potência aos níveis
desejados. É  necessário um aumento da flexibilidade e um maior
controlo dos sistemas PV de forma a possibilitar a participação nos
mercados secundários de reserva. A licitação da reserva secundária
ocorre depois da licitação do mercado spot, na vigésima hora do dia
antes da entrega de energia. Embora os mercados Europeus apresen-
tem requisitos mínimos de capacidade de energia, este trabalho pres-
supõe que as condições de elegibilidade são cumpridas.
O objetivo ao realizar o serviço de reserva secundária visa a maxi-
mização do lucro esperado. É utilizada uma abordagem probabilís-
tica, uma vez que não há previdência de quando será requisitada
reserva secundária. Como existe um conhecimento prévio dos pre-
ços de reserva secundária, o sistema híbrido é novamente conside-
rado um price-taker.
A estimativa económica deste serviço está dividida em dois ter-
mos. O primeiro termo representa a gama de valores que o sistema
híbrido é capaz de fornecer independentemente dos valores que o
operador de sistema possa requisitar, correspondendo a um valor de
receita determinístico. O segundo termo representa a energia efetiva-
mente fornecida, que corresponde aos valores de reserva secundária
ascendentes e descendentes requisitadas pelo operador de sistema.
Neste segundo termos são utilizadas parâmetros probabilísticos que
case study
POTENCIAR A PARTICIPAÇÃO EM MERCADO DE FONTES FOTOVOLTAICAS ATRAVÉS DE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA EM BATERIAS

modelizam a relação entre a gama de valores lici-


tados e a quantidade de energia que o sistema
híbrido espera fornecer a pedido do operador.

Casos em estudo
O método desenvolvido é validado num caso de
estudo de 3MW PV ligados a uma rede de distri-
buição de Média Tensão. São usadas séries tem-
porais de um parque PV português com uma
amostragem de um ano de minuto a minuto.
O recurso PV estudado apresenta um fator de
capacidade de 18.2%.
Este estudo inclui os dados do mercado spot
Ibérico e do mercado de serviços de sistema por-
tugueses. Como os dados disponíveis do opera- Figura 2 Simulação de três dias da operação do sistema híbrido, incluindo a participação no mercado de reserva secundário.
dor de sistema português apenas contemplam
o volume, a direção e hora dos requisitos de
reserva secundária, assume-se que os pedidos do No caso em que o sistema híbrido participa da participação do sistema híbrido no merca-
sistema híbrido estão sempre de acordo com a apenas no mercado spot dá-se um aumento do dos intra-diário. A Figura 2 demonstra a opera-
gama de valores esperados e a energia necessária lucro, enquanto é possível mitigar as penalida- ção do sistema híbrido, minuto a minuto durante
requisitada é proporcional à energia de reserva des dos desvios de produção. Embora as perdas três dias. É possível verificar que o sistema híbrido
secundária total utilizada em todo o sistema. de energia de carga e descarga pudessem redu- é capaz de seguir a saída planeada ao nível do
Um sistema de baterias de 3MW – 4.5MWh zir o lucro do mercado spot, o método é capaz ES-Manager, enquanto responde adequadamente
de ião-lítio é empregue para potenciar a parti- de alcançar um aumento nas receitas. Isto devido aos requisitos energéticos do operador de sis-
cipação do recurso PV nos mercados elétricos. ao fator γi que seleciona os melhores períodos tema. Além disso, as flutuações rápidas da produ-
O dimensionamento do sistema corresponde para ajustar o estado de carga. As penalidades ção PV são suprimidas pela presença do sistema
aos requisitos mínimos de potência e energia do mercado spot são reduzidas embora o sis- de baterias.
do sistema de baterias de forma a garantir uma tema híbrido apenas seja capaz de manter o fir-
fiabilidade de 95% do perfil do sistema híbrido ming PV durante 95% das horas solares, sendo o
planeado aquando da participação somente no valor nas restantes horas próximo do planeado. Conclusão
mercado spot. Assim, o sistema híbrido é capaz Relativamente ao sistema híbrido, com a partici- A Efacec é a maior empresa industrial portu-
de seguir a produção planeada durante 95% das pação em ambos os mercados, consegue-se um guesa do setor elétrico e eletromecânico desen-
horas solares. É comparado o desempenho do aumento substancial dos benefícios. As receitas volvendo produtos, soluções e sistemas de
sistema híbrido quando participa no mercado aumentam em 202% quando comparadas com o elevada tecnologia que fazem parte do dia a dia
spot e reserva secundária com o seu desempe- caso em que apenas há participação no mercado de milhões de pessoas, em todo o mundo.
nho quando participa apenas no mercado spot. spot e cerca de 273% comparado com o caso Nesse sentido, a sua competência na integra-
É ainda avaliada a participação PV sem sistema sem Sistema de baterias. De facto, o mercado de ção de sistemas de armazenamento cumpre o
de baterias no mercado spot para estabelecer reserva secundário é o principal componente das desígnio da Efacec visto que estes sistemas são
resultados de referência. receitas totais, tendo o valor das receitas do mer- capazes de desempenhar um papel fundamen-
O resumo dos resultados é apresentado na cado spot diminuído para este caso. Esta redu- tal na atenuação da variabilidade e intermitência
Tabela 1. ção ocorre devido à necessidade de direcionar o dos recursos renováveis. Particularmente, estes
A Tabela 1 revela os resultados de três casos estado de carga do sistema de baterias. sistemas serão fundamentais no sistema Europeu
em estudo. O primeiro caso corresponde ao PV No entanto, participar nos dois mercados adi- caso a integração de tecnologia PV corresponda
sem o sistema de baterias. Com este estudo veri- ciona à incerteza da produção PV a incerteza ao aumento previsto para o futuro.
ficaram-se penalidades de mercado de cerca de da previsão da reserva que leva a penalidades A arquitetura desenvolvida permite a partici-
25% das potenciais receitas. Este valor depende mais elevadas para o sistema híbrido. As penali- pação dos sistemas híbridos nos mercados de
da precisão das previsões PV. Maiores erros de dades são consequência da capacidade de ener- spot e de reserva secundária que, para além de
previsão aumentam as penalidades de mercado. gia limitada, o que pode ser mitigado através aumentar o valor da produção PV, permite o
aumento das perspetivas económicas da partici-
pação PV nos mercados elétricos. Assim, o valor
Receita anual
Recurso PV Sistema híbrido Sistema híbrido no mercado das fontes PV acopladas a sistemas de baterias
sem sistema de baterias só no mercado spot spot e reserva aumenta significativamente. Pode então concluir-
Mercado spot 213.5 k€ 219.2 k€ 182.7 k€ -se que este tipo de solução, assim como o seu
impacto, pode ser considerado como alternativa
Penalidades mercado spot 52.8 k€ 2.1 k€ 4.1 k€
a outros tipos de geração, alavancando os seus
Mercado de reserva – – 253.7 k€ benefícios técnicos, económicos e ambientais.
Penalidade mercado de reserva – – 15.8 k€
Efacec Power Solutions, SGPS S.A.
Receita líquida 160.7 k€ 217.1 k€ 438.5 k€
Tel.: +351 229 562 300 � Fax: +351 229 562 740
sgps@efacec.com � www.efacec.com
Tabela 1 Resumo da avaliação do desempenho do sistema híbrido.

50
PUB.
PUB.
informação técnico-comercial

Weidmüller participa
na “Husum Wind 2017”
HALL 5, STAND 5B26

A Weidmüller apresentou, durante a “Husum Wind 2017”, soluções customizadas para instalações
de energia eólica, incluindo sistemas de digitalização e análise industrial para monitorização
de condições e ainda subaplicações em instalações de energia eólica. Estes produtos foram
complementados por soluções completas de automação para pequenas turbinas eólicas.

Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.

Como parceiros de sucesso e de longa data da indústria de energia


eólica, os especialistas da “Weidmüller Wind Team” possuem um conhe-
cimento amplo e uma compreensão completa das aplicações do cliente.
Os especialistas da empresa estiveram disponíveis durante todos os dias
da exposição para dialogar intensivamente com os clientes.

Digitalização e análise industrial


As soluções de digitalização, tais como a análise industrial, estão a encontrar,
cada vez mais, o seu lugar junto da produção de energia de origem eólica.
A solução analítica flexível e escalável da Weidmüller é usada para pre-
ver erros em instalações de energia eólica. Isto nada tem a ver com “cla-
rividência” ou previsões a partir de uma “bola de cristal”, tem antes por
base a matemática concreta e procedimentos estatísticos que descre-
vem e analisam o comportamento de uma turbina eólica. A maioria das
turbinas eólicas já fornece dados suficientes para tornar a instalação de
sensores adicionais desnecessária. Neste caso, o que é que o proce-
dimento envolve de facto? Os engenheiros da Weidmüller começam
por recolher todos os dados disponíveis a partir dos quais o sistema de Figura 1 Tecnologias de digitalização e automação em rede da Weidmüller para instalações
comportamento pode ser analisado. Estes dados são, então, reduzidos de energia eólica.
e somente a informação que é realmente necessária para a obtenção da
perceção do sistema é levada em consideração. O procedimento não é
apenas sobre a análise de dados históricos, mas é também sobre como necessidades particulares. O software de análise pode ser usado nos com-
fazer previsões. O operador da turbina eólica e/ou o produtor desem- ponentes de automação da Weidmüller, bem como na cloud. Em última
penham um papel-chave na análise – o seu know-how é muito impor- análise, a tipologia do sistema é decidida em estreita colaboração com
tante. O software de análise pode bem ser capaz de prever uma falha o cliente. A Weidmüller não aspira a fornecer um pacote standard, mas
com um certo grau de probabilidade, mas, para isso, precisa sempre de antes uma solução sempre e totalmente flexível e escalável.
ser previamente classificado. Só o utilizador pode determinar se uma
anomalia deve, de facto, ser classificada como um erro crítico.
Os especialistas da “Wind Team” estão familiarizados com as aplicações Weidmüller BLADEcontrol ® fornece aviso atempado
dos seus clientes e são capazes de fornecer funções analíticas específi- de danos e formação de gelo
cas para suas instalações de energia eólica. A caraterística fundamental O BLADEcontrol® da Weidmüller oferece um sistema inovador para a
das previsões da Weidmüller é que não se relacionam com componen- monitorização das pás do rotor do aerogerador. Os sensíveis sensores
tes individuais, mas sumarizam toda a informação disponível para dar uma do BLADEcontrol® detetam danos ou formação de gelo numa fase ini-
perspetiva abrangente do sistema. Os clientes beneficiam de um pacote cial. Isto significa que podem ser tomadas medidas adequadas em tempo
de consultoria, engenharia, software e hardware feito à medida das suas útil, ajudando a prevenir tempo de inatividade do sistema. No caso de

52
informação técnico-comercial

e sistemas de gestão de projeto. A  interação próxima das engenharias


Os especialistas da “Wind Team” estão familiarizados de hardware e software assegura que todas as fases do ciclo de vida do
com as aplicações dos seus clientes e são capazes projeto são implementadas eficiente e profissionalmente. A Weidmüller
de fornecer funções analíticas específicas para suas também apoia os seus clientes com uma gama completa de serviços. Isto
instalações de energia eólica. A caraterística fundamental inclui o apoio profissional durante o comissionamento, a consultoria e a
das previsões da Weidmüller é que não se relacionam com formação, serviço pós-venda, vários cursos de formação e, finalmente,
componentes individuais, mas sumarizam toda a informação suporte pessoal da “Wind Team”.
disponível para dar uma perspetiva abrangente do sistema.

Subaplicações em instalações de energia eólica


danos graves, o BLADEcontrol® envia um sinal à unidade de controlo da – iluminação da torre de ascensão
instalação, o que trava a instalação imediatamente e pode ajudar a pre- O objetivo da Weidmüller não é, simplesmente, entregar componentes
venir avarias nas pás. O sistema consiste em sensores nas pás do rotor, individuais, mas desenvolver soluções que simplificam os processos de
um controlador dos sinais do rotor, transmissão opcional de dados via trabalho e aumentam a eficiência de um sistema. Com o sistema de ilumi-
WLAN, uma unidade de comunicação e de avaliação, um servidor de nação e instalação “FieldPower ® Wind Energy” no portefólio, esse objetivo
base de dados e uma interface gráfica de utilizador baseada na web. é totalmente alcançado. O elemento central é a utilização de luzes LED
O BLADEcontrol ® pode ser usado tanto em sistemas recentemente com um consumo de energia muito baixo e um tempo de vida útil bas-
comissionados, como em sistemas já existentes, uma vez que é facil de tante longo. Foram desenvolvidas duas variantes para as diversas aplica-
instalar ou de readaptar. ções usadas nas turbinas eólicas: “FieldPower ® MONO LED” e “FieldPower ®
DUO LED”. A iluminação não-direcional do “FieldPower ® MONO LED” faz
com que seja ideal para iluminar grandes áreas e espaços de trabalho,
Solução de automação para pequenas turbinas eólicas por exemplo, na nacela e no rotor. O “FieldPower ® DUO LED” foi pro-
No coração de todas as pequenas turbinas eólicas está a sua unidade de jetado para os especiais requisitos das secções de subida e descida.
controlo. A Weidmüller projeta e fabrica caixas personalizadas e qua-
dros de comando para a automação de instalações de energia eólica
de pequena escala, tais como as Top Box e as Bottom Box. Os clientes
têm a garantia de saberem que os componentes do sistema são fabrica-
dos em linha com os padrões industriais. Os benefícios são os seguintes:
• Planeamento e implementação de acordo com requisitos individuais;
• Montagem sub-contratada levada a cabo por especialistas;
• Entrega de quadros de comando e caixas totalmente testados para
imediato comissionamento.

A “Wind Team” da Weidmüller supervisiona todas as fases do projeto


- automação de uma pequena turbina eólica -, desde a conceção inicial,
através da engenharia, até ao teste final de integração. A gestão de pro-
jeto combina o know-how com a gestão de documentos de última geração

Figura 3 “FieldPower® Wind Energy” da Weidmüller para iluminação completa, ao longo da


escada, com sistemas de iluminação LED robustos e que poupam energia.

O seu design particular produz luz em duas direções e, por isso, é ideal
para iluminar corredores e escadas. Juntamente com um sistema com-
pleto para o fornecimento de energia ininterrupto, a monitorização
remota e a escolha de outlets, fornece uma solução de energia e de ilu-
minação ready-to-fit opcional para toda a instalação. A nova solução é
fácil de instalar através através da tecnologia “plug-and-play”.

Weidmüller – conexão elétrica, transmissão e conversão de energia,


sinais e dados no ambiente industrial. Let’s connect!

Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.


Tel.: +351 214 459 191  Fax: +351 214 455 871
Figura 2 Soluções personalizadas da Weidmüller para a automação de pequenas turbi-
weidmuller@weidmuller.pt  www.weidmuller.pt
nas eólicas.

53
informação técnico-comercial

permutadores de calor de ar/água


Hygienic Design da Rittal
CONTROLO DE CLIMATIZAÇÃO NA INDÚSTRIA ALIMENTAR

O controlo de climatização de armários com refrigeração a água é altamente eficiente,


especialmente se já existe um abastecimento central de água fria disponível na área de produção.
Os novos permutadores de calor Hygienic Design da Rittal são ideais para a indústria alimentar,
onde os requisitos de higiene são extremamente rigorosos.
Rittal Portugal

A higiene é uma necessidade absoluta na indús- de Hygienic Design. Os permutadores de calor


tria alimentar : máquinas, instalações e com- de ar/água para montagem de parede podem
ponentes devem resistir facilmente a lavagens fornecer saídas de refrigeração de 0.65 kW ou
diárias com máquinas de limpeza de pressão ou 1.2 kW. O Hygienic Design reduz o risco de con-
a jato. As superfícies devem também ser fáceis taminação na indústria alimentar, contribuindo
de limpar e/ou projetadas para prevenir que os assim para garantir a segurança do produto.
contaminantes adiram às mesmas.

Alteração de Design
Use água de refrigeração Para o Hygienic Design, a Rittal modificou o
para dissipar o calor desenho em vários aspetos. Por exemplo, a fixa-
A refrigeração dos armários oferece uma série ção do armário na parede ao usar parafusos ros-
de benefícios: porque a água tem uma capaci- cados e porcas foi projetado para que a fixação Higiene testada
dade térmica maior do que o ar, o líquido de do parafuso não seja visível da parte de fora. O topo do armário inclina-se para a frente em
refrigeração pode dissipar maiores quantidades O armário é de aço inoxidável com grão esco- 30 graus. O típico desenho de Hygienic Design
de calor. Para além disso, os ambientes industriais vado de tamanho 400, que produz uma superfí- evita que sejam colocados objetos no topo
possuem geralmente um fornecimento central cie rugosa Ra inferior a 0.8 μm. O acabamento do armário, garantindo ao mesmo tempo que
de água de refrigeração que pode ser usado para final liso e uniforme é fácil de limpar e desinfetar, líquidos, tais como detergentes e desinfetantes,
refrigeração dos armários. O que resta fazer é a não havendo possibilidade de ser contaminado. escorram rapidamente. Com proteção de cate-
montagem de permutadores de calor de ar/água A vedação de silicone entre o armário e a goria IP56/59, os permutadores de calor de ar/
adequados no armário. Com o Hygienic Design caixa previne a transferência de corantes, aromas água atendem aos requisitos exigentes de lava-
é particularmente importante que haja qualquer e odores indesejados. A vedação elimina qualquer gem à pressão e limpeza a vapor.
troca de ar entre os armários e o ambiente. fenda entre o permutador de calor de ar/água Os permutadores de calor de ar/água têm
A Rittal renovou os seus permutadores de e o armário, o que iria dificultar a limpeza. Estas aprovação C-UR e CSA, tornando-os assim
calor de ar/água e pode agora disponibilizar aos vedações estão disponíveis como peças suplentes adequados para uso internacional. O  Hygienic
seus clientes da indústria alimentar duas variantes e são facilmente substituídas em caso de danos Design foi testado pelo departamento alimen-
mecânicos. São tingidas a azul de acordo com a tar da agência de teste e certificação DGUV, de
diretriz da FDA 21 CFR 177.2600, tornando os acordo com a GS-NV 6 (princípios de teste para
armários claramente distintos de contaminantes, higiene). Os dispositivos estão de acordo com a
tais como resíduos alimentares. As vedações pla- Norma DIN EN ISO 14159:2008 e são adequa-
nas para conexões de água são igualmente tin- dos para uso no setor alimentar em conformi-
gidas a azul e projetadas geometricamente para dade com DIN EN 1672-2:2009.
estarem niveladas contra a forma do acessório.
O acabamento com um batente metálico previne
Rittal Portugal
a compressão da vedação, para que as extremida-
Tel.: +351 256 780 210  Fax: +351 256 780 219
des não fiquem salientes e permitam a acumula- info@rittal.pt  www.rittal.pt
ção de contaminantes ou micro-organismos.

54
PUB.
informação técnico-comercial

a empresa como motor


da transição energética

A CIRCUTOR comemora o seu 44.º aniversário e renova as suas energias e compromisso


com a eficiência energética, a integração da geração de eletricidade distribuída através
de fontes renováveis e da mobilidade elétrica.

CIRCUTOR, S.A.

Na verdade, muitos anos se passaram desde que e uma grande diversidade de sensores que per-
surgiu num escritório em Terrassa a ideia de fabri- mitem mapear os hábitos energéticos de edifícios
car um transformador toroidal para a medição da tão diferentes quanto um aeroporto, uma fábrica
corrente de falha em máquinas para proteção de de refrigerantes ou um prédio de escritórios em
trabalhadores. Desde então, uma vocação deci- qualquer lugar do mundo.
dida pela inovação, tecnologia e internacionaliza- Se uma grande empresa monitoriza os con-
ção criou um projeto de negócios que emprega sumos dos seus diferentes centros de produ-
mais de 800 empresas em seis centros de produ- ção usando o Power Studio e centraliza todos
ção espalhados por todo o mundo. esses dados no mesmo servidor, os seus gestores
podem elaborar rácios de consumo de energia
por unidade produzida, estabelecer compara-
ções, avaliar as ações de melhoria implementadas ser da categoria de construção de consumo de
e definir a pegada de carbono dos seus processos. energia quase nulo (nZEB), ou seja, edifícios oti-
Compensar o consumo reativo ou suprimir mizados desde a sua conceção inicial para ter um
os harmónicos de uma empresa permite não só consumo mínimo de energia e que compensam
evitar penalidades de faturação, mas também eli- parte ou todo o seu consumo, através da gera-
minar os riscos de sobrecarga do cabo neutro, ção com fontes renováveis no próprio prédio ou
evitando disparos de proteção devido a sobre- em torno dele.
carga por sinais elétricos indesejados. Em 2020, essa obrigação será estendida a
A  casuística dos harmónicos torna-se mais todos os novos edifícios, independentemente
relevante à medida que os variadores da velo- do uso para o qual eles sejam predestinados.
O desenvolvimento das soluções avançou cidade do motor e as luminárias LED são gene- Esta obrigação significará um impulso decisivo
e existem na CIRCUTOR linhas de produtos ralizadas em todo o tipo de processos de para a transição de energia, já que o sistema foi
muito diferentes, mas complementares, como a construção. Especialmente naqueles que consi- projetado até agora para alimentar, com gran-
medição, a qualidade da rede, a compensação deram a instalação de pontos de recarga rápida des centrais de energia, fora das cidades, todas
da reação, a supressão de harmónicos, a recarga e ultra rápida de veículos elétricos com grandes as necessidades dos edifícios para passar a um
de veículos elétricos e a geração de eletricidade retificadores para recarga de CC. modelo muito mais auto-suficiente em que a
através do uso de energia solar. Os filtros ativos detectam a presença de har- combinação da redução de consumo e a auto-
mónicos e geram automaticamente o mesmo produção minimizem a necessidade de manter o
sinal de problema para a contrafase, de forma a modelo centralizado atual.
Eficiência energética baseada neutralizar o seu efeito e permitir o correto fun- A CIRCUTOR trabalha há mais de cinco anos
em conhecimento e tendências cionamento do sistema. no desenvolvimento e implementação de solu-
de consumo ções para que os edifícios possam incorporar
Só se pode controlar e só se pode reduzir aquilo sistemas de geração de eletricidade nos seus
que se conhece perfeitamente. Para isso, a CIR- Aposta em edifícios de consumo telhados, fachadas e estacionamentos que com-
CUTOR forneceu centenas de empresas com de energia quase nulo pensem o consumo e permitam abordar o con-
um conjunto de ferramentas líderes no mercado. No próximo ano de 2018 entrará em vigor a ceito nZEB. Na verdade, graças à produção de
O Power Studio Scada é o software que permite obrigação da Diretiva Europeia sobre Eficiência eletricidade através da instalação de painéis foto-
captar facilmente os dados de consumo medidos Energética em Edifícios, que exige que qualquer voltaicos, um edifício otimizado, cujo consumo
por analisadores de rede, medidores de energia novo edifício de uso público a construir deve seja principalmente durante o dia, pode atingir

56
informação técnico-comercial

A  gestão integral de energia de um edifício


A CIRCUTOR trabalha há mais com autogestão permite, entre outras, as seguin-
de cinco anos no desenvolvimento tes funções: racionalização da potência contra-
e implementação de soluções para tada, redução de picos de consumo, otimização
que os edifícios possam incorporar tarifária, estabilização e previsão de custos de
sistemas de geração de eletricidade. energia associados aos processos de produção,
redução do impacto ambiental e recuperação de
um recurso natural capturado passivamente pelo
níveis muito elevados de auto-suficiência. É pos- próprio prédio.
sível até chegar a edifícios de energia positiva, isto
é, edifícios que geram mais energia do que aquela
que consomem e que injetam na rede os seus A Mobilidade Elétrica. Impulso
excedentes, para que outros edifícios na área, disruptivo da transição energética
com menor capacidade, possam absorvê-la. Se existe um setor chamado a mudar o conceito a geração de energia renovável no mesmo local
As soluções para o autoconsumo da produ- atual de geração e uso de energia a nível planetá- onde os veículos estão estacionados durante horas.
ção solar de edifícios da CIRCUTOR incluem rio, é certamente o setor da mobilidade e espe- Um bom exemplo disso é o estacionamento
não apenas os equipamentos destinados à pró- cialmente a eletrificação maciça da mobilidade de de um centro de logística automatizada na área
pria geração de eletricidade, como módulos pessoas e bens. metropolitana de Barcelona. Os seus 50 lugares
solares ou inversores, mas também todos os A substituição de combustíveis fósseis, deriva- de pérgola fotovoltaica com uma potência de
dispositivos que permitem a integração dessa dos do petróleo, por eletricidade gerada por fon- 100 kWp permitirão a recarga diária equivalente
geração na rede interna de edifícios com total tes limpas e renováveis, está a entrar com tanta a 3 000 km/dia de circulação dos veículos dos
controlo e segurança, tanto para a rede como força a nível mundial que já representa a maior seus trabalhadores e/ou distribuidores.
para as pessoas. revolução industrial vivida pela humanidade, não As pérgolas fotovoltaicas permitem valorizar
Por exemplo, um relé retransmissível da famí- só por causa do impacto que está a ter, mas por espaços até agora destinados apenas ao estacio-
lia REC-MAX permite que qualquer desativação causa da velocidade a que está a ser produzida. namento de veículos em vários edifícios. Escritó-
intempestiva da proteção alerte o gerenciador Com países que anunciaram já a proibição de rios, indústrias, aeroportos, estações de comboio,
do sistema, mas restaure a produção quase de venda de veículos com motores de combustão restaurantes...
forma imediata, sem reduzir a eficiência do sis- em menos de uma década. Recarregar um veículo elétrico durante o dia
tema e sem demora até que um operador possa Deve notar-se que, no mundo ocidental, o no ambiente de trabalho e descarregar uma
detetar e reativar a instalação. transporte representa quase metade do con- parte da sua bateria para alimentar uma casa
No início de 2013, a CIRCUTOR lançou um sumo de energia e que até agora foi pratica- à noite é algo que, embora possa parecer uma
conceito revolucionário no mercado - o controlo mente copiado pelo setor fóssil. Atribuir esta ação futurista para muitos, já é uma realidade em
dinâmico da produção de CDP. Ou seja, permitir enorme quantidade de energia a fontes livres de certos países, uma vez que a descida de custos e
que um sistema de autogeração solar instalado CO2 e outros gases nocivos para a saúde é a o aumento da capacidade da bateria dos mode-
num edifício gere a energia consumida pelo edifí- única opção possível para parar os efeitos das los que são lançados no mercado o permitem de
cio, limitando o excedente gerado ou mesmo eli- mudanças climáticas a nível global, bem como a uma forma simples.
minando-o, dependendo da recetividade da rede. alta incidência de efeitos na saúde no centro das Vamos dar um exemplo. Um veículo que tem
A chamada injeção zero foi, e é, uma ferra- grandes cidades nas quais vive mais da metade uma capacidade de bateria de 60 kWh e que cir-
menta muito poderosa para permitir uma alta da população. cula geralmente 60 km/dia. Ele usa apenas 15%
penetração de energia solar fotovoltaica insta- da capacidade acumulada para a sua unidade
lada em edifícios nos países ou áreas com redes diária. Este veículo poderia ceder 9 kWh à casa,
de distribuição que apresentam importantes limi- assumindo uma descarga de mais 15%. Este veí-
tações técnicas e políticas para aceitar os exce- culo poderia ser recarregado numa pérvola foto-
dentes energéticos dos eidfícios. voltaica com uma energia solar de 4  kWp de
Embora o equilíbrio entre os edifícios seja e potência (25 m2) de superfície inclinada ou dois
deva ser um objetivo de equilíbrio entre oferta e lugares de estacionamento.
procura dos edifícios que compartilham a mesma A CIRCUTOR combina nas suas soluções os
rede, o facto de administrar a energia produzida três eixos da transição energética. Uma aplica-
num prédio, maximizando o aproveitamento do ção para monitorizar o consumo de energia num
mesmo no próprio prédio, permite obter melhor prédio usando o Power Studio Scada, que pos-
desempenho económico e minimiza o congestio- sui um sistema de geração de eletricidade nos
namento da rede. seus telhados e fachadas, assim como as pérgo-
Ao fundir os conceitos de controlo dinâmico las Pving Park na sua área de estacionamento e
da potência e a gestão da procura, as soluções A CIRCUTOR assumiu o desafio da eletrifi- pontos de recarga modulados de acordo com o
CIRCUTOR permitem que os edifícios produ- cação maciça da mobilidade e lidera o mercado balanço energético do edifício é, sem dúvida, um
zam e economizem a energia que podem captar de soluções para a recarga de veículos elétricos. conceito a que muito em breve estaremos mais
durante o dia para o consumo durante o resto A sua ampla gama de soluções não está apenas do que acostumados.
do dia. A acumulação de água quente ou fria, ar presente nas ruas e garagens das nossas cidades,
comprimido, inércia térmica ou recarga das bate- mas foi um dos vetores do crescimento interna-
CIRCUTOR, S.A.
rias do seu sistema de segurança energética tam- cional da empresa na última década.
Tlm.: +351 912 382 971  Fax: +351 226 181 072
bém significa incorporar diferentes opções de A família de soluções Pving Park é a combi- www.circutor.com
gestão, dependendo da tipologia do edifício. nação perfeita da recarga de veículos elétricos e

57
informação técnico-comercial

os desafios das cidades do futuro

O aumento da população urbana, que se prevê que aumente 70% até 2050, vai exigir
novos desafios às cidades do futuro e vai impulsionar a utilização massiva de equipamentos
e sistemas eficientes em termos energéticos.
Vulcano

Cidades capazes de produzir a sua própria ener-


gia com edifícios inteligentes, projetados de A Vulcano tem procurado, ao longo
forma a aproveitar o sol e o vento, edificações dos 40 anos de atividade, investir
com coberturas ajardinadas nos telhados são em Investigação & Desenvolvimento
algumas das caraterísticas das novas cidades. e desenvolver equipamentos que
Mas, para que as cidades possam ser mais permitem poupar nos consumos
sustentáveis, eficientes e ecológicas vão ter de e que sejam amigos do ambiente.
utilizar exclusivamente energias renováveis, e
neste âmbito, a construção de prédios auto
sustentáveis e a utilização de equipamentos
que contribuam para a redução do consumo como soluções solares térmicas, têm sido um termóstato inteligente programável com
energético vão ter um papel preponderante e umas das apostas da Vulcano. Estes equipa- conexão wi-fi, é possível obter +4% de eficiên-
merecem uma grande atenção. Nesta maté- mentos, para além de seguros e ecológicos, cia energética, atingindo-se uma classificação
ria, os fabricantes de equipamentos têm vários permitem poupar uma elevada quantidade de energética de A+ em aquecimento.
desafios pela frente. energia, essencialmente nos meses mais quen- O desenvolvimento permanente de soluções
Com esta preocupação, a Vulcano tem pro- tes, nos quais a energia fornecida pelo sistema que possam ser incorporadas com outros equi-
curado, ao longo dos 40 anos de atividade, solar é habitualmente superior às necessidades pamentos comercializados pela marca, onde a
investir em Investigação & Desenvolvimento energéticas. melhoria da eficiência energética é uma prio-
e desenvolver equipamentos que permitem Esta permanente aposta da Vulcano nas ener- ridade, é o grande objetivo da Vulcano para
poupar nos consumos e que sejam amigos do gias renováveis, e que potencia o permanente os próximos anos. A Vulcano tem ainda como
ambiente. As fontes de energia renováveis, aproveitamento dos recursos naturais, permite meta o desenvolvimento permanente de pro-
a redução até 75% na fatura mensal de aque- dutos ajustados às necessidades dos utilizado-
cimento de águas sanitárias, podendo mesmo res e que garantam, ao mesmo tempo, uma
ascender aos 100% nos meses de verão. gestão equilibrada dos recursos energéticos
Se conjugarmos estas soluções solares térmi- e da economia, sem esquecer o conforto e a
cas com outros equipamentos de apoio da Vul- segurança das famílias.
cano, como os esquentadores termostáticos,
desenvolvidos para funcionar com água pré-
-aquecida, conseguimos obter uma das formas
mais eficientes de produção de água quente
e, ao mesmo tempo, contribuir de forma sig-
nificativa para reduzir o valor da fatura men-
sal. Estes esquentadores garantem a máxima
estabilidade da temperatura da água e adaptam
o consumo de gás à temperatura selecionada
pelo utilizador, permitindo um elevado grau de
poupança que pode atingir os 35% no consumo
de gás e os 60 litros/dia no consumo.
Dentro da gama de produtos efi cientes
energeticamente, a Vulcano destaca ainda as
caldeiras de condensação, nomeadamente
Vulcano
a nova Caldeia Eurostar Green que permite
Tel.: +351 218 500 300 � Fax: +351 218 500 301
atingir até 94% de eficiência sazonal, tornando-
info.vulcano@pt.bosch.com � www.vulcano.pt
-se assim a caldeira mas eficiente do mercado. /VulcanoPortugal
E, quando conjugada com o Control Connect,

58
PUB.
PUB.
informação técnico-comercial

segurança, flexibilidade
e eficácia com safetyDRIVE

A segurança funcional contribui não só para a segurança das pessoas, mas também
em grande medida para o aumento da produtividade de sistemas e máquinas.
Por isso a SEW aposta em soluções flexíveis com o safetyDRIVE.
SEW-EURODRIVE Portugal

Todos os conversores tecnológicos e de frequên-


cia oferecem a função de desligar de forma segura Em colaboração com a TÜV
a energia elétrica que alimenta o motor (STO). abrangem com sucesso todas
O portefólio é completado pelos componen- as fases do ciclo de vida do
tes MOVISAFE® integrados como cartas opcio- desenvolvimento da segurança.
nais DFS..B ou DCS..B no conversor ou de forma
modular como módulos de segurança UCS..B.
As opções suportam todas as funções de movi-
mento essenciais como por exemplo o limite de de segurança e a colocação em funcionamento
velocidade de segurança (SLS), sentido seguro estão incluídos nos serviços de segurança em
(SDI) e paragem segura (SOS), bem como fun- conformidade com a Diretiva relativa a máqui-
ções dependentes da posição como o incre- nas. Estes serviços são complementados pelo
mento limitado seguro (SLI) e a posição limitada aconselhamento dos colaboradores qualifica-
segura (SLP). As funções de segurança podem ser dos da SEW, que dispõem de uma vasta e longa
realizadas de forma autónoma ou ser controla- experiência em questões relacionadas com os
das através de sistemas de bus de campo seguros procedimentos de conformidade com as Nor-
como o PROFIsafe. Assim, é possível implementar mas C e com a avaliação de riscos.
conceitos de segurança na engenharia dos acio- Tecnologia para instalação
namentos no quadro elétrico de forma simples. descentralizada
Controlo de acionamento descentralizado As vantagens
MOVIFIT®-MC e MOVIFIT®-FC com tecnolo- •B  eneficiar da flexibilidade, porque é possí-
MOVISAFE®: segurança modular gia de segurança integrada S11 ou S12. Insta- vel montar os componentes safetyDRIVE de
no conversor lações descentralizadas com controladores de forma totalmente adaptável a cada tipo de
•C artas opcionais MOVISAFE® DCS..B para o acionamento, de posição ou de aplicação des- sistema;
conversor tecnológico MOVIDRIVE® B; centralizados MOVIPRO® ADC com tecnologia • Minimizar os riscos de operação, porque a
• Módulos de segurança MOVISAFE® UCS..B de segurança integrada S11. segurança funcional safetyDRIVE elimina efi-
para todos os conversores no quadro elétrico cazmente todas as fontes de risco;
MOVIAXIS®, MOVITRAC®, MOVIDRIVE®; • Acionamento económico, porque os com-
• Módulos de lógica multieixo UCS..B com pro- Serviços Safety ponentes de segurança do safetyDRIVE per-
cessamento lógico integrado para a ligação Oferecemos componentes de segurança cer- mitem economizar nos custos relativos a
livre de entradas/saídas. tificados e valores de segurança caraterísticos sistemas de segurança externos;
relevantes, em conformidade com as Normas • F uncionamento em conformidade com
EN ISO 13849-1, em forma de folhas de dados as Normas, porque todos os módulos
safetyDRIVE – Eletrónica e de um sistema de biblioteca. Com isso, a SEW safety‑DRIVE cumprem os requisitos legais
descentralizada disponibiliza uma validação das funções de segu- em vigor.
Os controladores de acionamentos descentrali- rança sem lacunas, completada pelos pacotes de
zados MOVIFIT® e MOVIPRO® com funções de serviços modulares e flexíveis Safety. Em colabo-
segurança integradas estão prontos para serem ração com a TÜV abrangem com sucesso todas
SEW-EURODRIVE Portugal
utilizados em instalações descentralizadas. Englo- as fases do ciclo de vida do desenvolvimento da
Tel.: +351 231 209 670
bam todas as funções de movimento seguras e segurança. Além dos componentes de segurança infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt
essenciais. funcional, o planeamento, a validação de funções

60
PUB.
informação técnico-comercial

assistência técnica,
eletromecânica e eletrónica

Com uma equipa com 25 anos de experiência de mercado, a TM2A é uma empresa especializada
em soluções e componentes industriais nas áreas de acionamentos eletromecânicos, automação
industrial, condução de fluidos e assistência técnica.

TM2A – SOLUÇÕES E COMPONENTES INDUSTRIAIS, LDA

A sua filosofia assenta em valores como:


Focalização nas necessidades do cliente e solu-
ções a adotar; especialização em soluções tecni-
camente mais evoluídas; processo de melhoria
contínua de cada área de negócio; gama diver-
sificada de produtos; ampla gama de produtos
em stock com entregas imediatas; serviço pós-
-venda; serviço de assistência técnica.
A TM2A presta um serviço conjunto de assis-
tência técnica eletromecânica e eletrónica com
uma equipa especializada, qualificada e habilitada
em dar apoio e aconselhamento técnico.

A missão da TM2A passa por desenvolver Assistência técnica de automação


soluções eficazes e adequadas às necessidades industrial/eletrónica:
específicas de cada cliente, otimizando os seus •P rogramação de PLCs e HMIs;
investimentos, prestando apoio técnico e garan- •P rogramação de sistemas de supervisão
tindo um serviço de assistência pós-venda. (SCADA);

Assistência técnica eletromecânica:


• Serviços de montagem/desmontagem;
• Reparações efetuadas na oficina;
• Reparações/intervenções em clientes;
• Manutenção de equipamentos e linhas indus-
triais.

Maquinaria técnica especializada:


• Torno;
• Fresadora;
• Serralharia especializada;
• Soldadura especializada.
•M  ontagem de quadros elétricos;
• E laboração de esquemas elétricos;
• Parametrização e programação de variadores
TM2A – SOLUÇÕES E COMPONENTES
de velocidade;
INDUSTRIAIS, LDA
•M  anutenção preventiva e corretiva; Tel: +351 219 737 330 � Fax: +351 219 737 339
• Soluções chave na mão para todo o tipo de info@tm2a.pt � www.tm2a.pt
indústria.

62
informação técnico-comercial

caldeiras de condensação murais


a gás Junkers até A+ na classe
de eficiência energética

Se está na altura de trocar a sua velha caldeira, pense em Junkers!


Bosch Termotecnologia, S.A.

A ampla gama de caldeiras murais de condensa- A combinação de caldeiras de condensação


ção Cerapur da Junkers, com modelos até 30 kW a gás ou gasóleo com um termóstato modu-
em aquecimento e 42 kW em A.Q.S., são a opção lante, ou com controladores com curva de aque-
ideal para cumprir com as Diretivas ErP e ELD. cimento em função de sonda exterior, permite
Todos os modelos com classificação energé- adaptar a temperatura de impulsão da caldeira
tica A em aquecimento e em A.Q.S., um bloco às várias necessidades da instalação em cada
térmico em alumínio-silício e facilidade de insta- momento, tirando o máximo partido de uma
lação, o que permite combinar a máxima eficiên- caldeira de condensação e permitindo uma pou-
cia e rendimento no mínimo espaço. pança considerável no combustível utilizado.
A gama Cerapur inclui modelos com rendi- O Junkers Easy Control CT 100 com wifi, per-
mento até 94% em aquecimento. mite: um controlo remoto através de um smar-
Utilizadas em combinação com os controlado- tphone, verificar o consumo da instalação em
res Junkers, estas caldeiras podem atingir a clas- qualquer lugar, programação semanal e diária,
sificação energética A+ no aquecimento, sendo modo férias, sensor de proximidade, compen-
ainda compatíveis com sistemas solares térmicos. sação em função da temperatura exterior. Com
a instalação deste controlador em conjunto
com uma caldeira de condensação consegue-se
O que distingue as caldeiras obter 4% de eficiência extra de todo o sistema
de Condensação Junkers? de aquecimento.
Saiba mais em: www.junkers.pt
O bloco térmico das caldeiras de condensação O alumínio-silício permite produzir caldeiras Junkers, Conforto para a vida.
Junkers é único! com um permutador mais compacto, tornando-
Os blocos térmicos em alumínio-silício (Al-Si) -as mais fáceis de transportar e de instalar.
das caldeiras de condensação Junkers são, desde A ampla variedade de modelos Cerapur da
sempre, totalmente desenvolvidos e fabricados Junkers permite encontrar a solução mais ade-
pela marca. O seu material de alta qualidade per- quada ao lar em que são instaladas. Porque nem
mite obter ótimas caraterísticas técnicas e um todas as habitações têm o mesmo tamanho e
excelente desempenho em comparação com porque cada família tem as suas necessidades de
outros blocos térmicos fabricados em aço ino- conforto.
xidável. Permitem alcançar até A+ de eficiência
energética quando combinados com controlado-
res Junkers. Caldeiras de Condensação
A densidade do alumínio corresponde a um e controladores modulantes
terço da densidade do aço inoxidável. Isto sig-
nifica que o alumínio tem uma inércia térmica A combinação perfeita!
baixa, o que lhe permite reagir mais rapidamente Para aproveitar ao máximo as possibilidades de
às alterações de carga. A sua condutividade tér- poupança de combustível até 30% na tecnologia
Bosch Termotecnologia, S.A.
mica é, dependendo do tipo de alumínio silício de condensação, em relação a instalações con-
Tel.: +351 218 500 098 � Fax: +351 218 500 161
utilizado, até 14 vezes melhor que a do aço ino- vencionais, é necessário um correto controlo da www.junkers.pt
xidável, gerando elevados valores de eficiência. instalação.

63
informação técnico-comercial

distribuidores de potencial
com ligação Push-in

Distribuição com poupança de espaço e tempo.


Dipl.-Ing.(FH) Stephan Pollmann
Product marketing for terminal blocks
Phoenix Contact GmbH & Co. KG, Blomberg

A automatização de processos e consequente ou motores elétricos, é hoje um complexo tópico de uma forma modular, ocupando um menor
massificação da automação na indústria leva a cujo foco está na descentralização da produção espaço. Flexibilidade, modularidade e miniaturi-
um aumento significativo de sensores e atuado- e nos desafios de uma “rede inteligente”. A tecno- zação dos componentes são os requisitos prin-
res no desenho da maioria das aplicações. Com logia de ligação era básica naquele tempo, com a cipais na eletrificação de aplicações na indústria.
esta tendência aumenta a necessidade e com- maior parte das soluções a apresentar ligações Tecnologias otimizadas para este efeito como
plexidade de distribuição de energia pelos diver- soldadas ou por parafuso. A Industrialização cau- por exemplo a ligação direta por mola, Push-In,
sos componentes ao mesmo tempo que diminui sou uma rápida evolução das redes elétricas, tra- poupam tempo e proporcionam uma elevada
o espaço para a realizar. Os tempos de monta- zendo novas possibilidades para a distribuição proteção elétrica. As restrições de espaço são
gem e eletrificação podem agora ser significa- de energia. sempre analisadas no desenho de uma solução,
tivamente diminuídos graças ao novo conceito As tecnologias de ligação desenvolveram-se pois qualquer centímetro no quadro elétrico ou
de distribuição de energia – PTFIX. Disponível em sistemas modulares que permitem o grau de junção é um fator de custo. Na produção de
com diferentes números de pontos de ligação de complexidade de eletrificação atual. A ener- elevadores, máquinas ou edifícios, o espaço para
e formas de montagem, podendo ser coloca- gia elétrica já não é “só” distribuída, mas comu- componentes convencionais, por vezes, não está
dos imediatamente e expandidos conforme as tada, monitorizada, convertida e protegida. disponível. Adicionalmente, nas instalações de
necessidades da aplicação. edifícios, os componentes elétricos têm que ser
A constante disponibilidade de energia elétrica certificados. Por exemplo, a resistência de isola-
e a sua distribuição são os requisitos básicos para A marcha triunfante do borne mento é determinada por ensaios e medidas con-
a rede elétrica. O que começou, no século XIX, Graças a esta evolução das tecnologias de liga- forme a EN 60998-1 (equipamentos de ligação
como uma rede elétrica capaz de fornecer ener- ção, os quadros elétricos de comando ou de jun- para Baixa Tensão com aplicação em domicílio
gia para iluminação pública e pequenos aparelhos ção atuais podem ser eletrificados e instalados ou similares). Outro exemplo é o teste de robus-
tez mecânica de acordo com a EN 60068-2-32.
As dimensões e funções específicas de todas
as aplicações podem agora ser correspondidas
pelos modernos bornes modulares. A Phoe-
nix Contact disponibiliza a nível mundial a maior
gama de bornes, incluindo os denominados mini e
micro bornes, com a vantagem de um sistema de
acessórios transversal às diferentes tecnologias.

Blocos de distribuição de potencial


A  Phoenix Contact introduziu no início deste
ano a nova gama de blocos de distribuição de
potencial, PTFIX, que permite simplificar signifi-
cativamente as réguas de alimentação e a coloca-
ção de shunts. Esta gama não se integra na família
dos bornes, mas partilha alguns conceitos do sis-
tema Clipline Complete, proprietário da Phoenix
Contact. Estes blocos estão disponíveis com seis,
doze e dezoito pontos de contacto todos interli-
gados internamente, eliminando a necessidade de
Figura 1 Os novos blocos de distribuição PTFIX, disponíveis em onze cores, podem ser instalados de várias formas garantindo shunts (Figura 2). As secções quadradas abran-
uma elevada poupança de espaço. gem o 1.5 mm² e 2.5 mm².

64
informação técnico-comercial

Figura 2 As ligações internas garantem a correta distribui-


ção. Configurações morosas não são necessárias poupando
tempo.

Figura 4 A Phoenix Contact disponibiliza três tipos de instalação: transversal ou longitudinal à calha, flange e fita adesiva. Inde-
pendentemente da escolha, os blocos podem ser encaixados mecanicamente entre si.

sua distribuição exatamente como quer. A opção aprovada a tensão nominal de 450 V de acordo
de ligar os blocos entre si de forma mecânica com a DIN EN 60998-2-2. A corrente nominal
permite construir soluções à medida e os pés de com condutores de 2.5 mm² e os blocos PTFIX
encaixe para a calha permitem criar réguas de têm aprovação UL e CSA para a utilização na
distribuição compostas por diversos blocos e/ou América do Norte. Neste caso a tensão é de
potenciais. O mesmo se aplica na montagem em 300 V para 2.5 mm² e 150 V para 1.5 mm².
platine com o apoio de flanges laterais.

Flexibilidade total – solução adesiva


Além da instalação em calha metálica, os blo-
cos PTFIX podem ser fixados por fita adesiva.
Esta fita tem como propriedades uma adesão
imediata independentemente da superfície. Esta
variante permite uma total flexibilidade, assim
Figura 3 Graças à interligação interna dos blocos PTFIX, a como uma poupança de tempo na instalação.
tensão é distribuída de uma forma simples e intuitiva, tor- Num cenário de necessidade de expansão da
nando o uso de shunts desnecessário. distribuição num quadro elétrico, não é necessá-
rio encontrar espaço em calha metálica, bastando
colocar o PTFIX com fita adesiva autocolante à
Uma das principais vantagens do PTFIX é a platine ou parede do armário (Figura 4).
utilização da tecnologia de ligação Push-In. Assim, As marcações dos blocos são colocadas no Montagem adesiva
os blocos podem ser eletrificados diretamente eixo central através de tiras adesivas. Para este Os novos blocos de distribuição de poten-
sem necessidade de ferramenta a partir da sec- fim existe a versão em rolo ou em folha depen- cial PTFIX estão também disponíveis com
ção quadrada 0.34 mm² para condutores com dente do sistema de marcações utilizado ou fita adesiva pré-montada. A fita está prepa-
terminal ponteira ou rígidos. Estes blocos com- recorrendo ao nosso serviço de rotulagem cus- rada para aplicações extremas com ampli-
pactos são fornecidos prontos a instalar após tomizado. Como um adicional às caraterísticas já tudes de temperatura de funcionamento
abertura da embalagem. A distribuição de poten- mencionadas, os blocos podem ser eletricamente de -30°C a 100°C e é permanente. Foi
cial pode ser assim realizada em alguns segun- ligados entre si através de um acessório de shunt testada e comprovada para aderir a todas
dos (Figura 3). de encaixe simples, parte do sistema Clipline Com- as superfícies, incluindo o cimento sem
Existem diferentes soluções para instalar os plete, permitindo aumentar o número de pon- qualquer preparação adicional.
blocos de distribuição conforme as necessidades tos de ligação por potencial. Os blocos também
das diversas aplicações. Estas incluem um apoio podem ser eletricamente ligados a bornes modu-
para montagem em calha metálica de largura de lares, por exemplo, de secção quadrada superior
35 mm ou 15 mm. Estes apoios são montados através, também, de um shunt de encaixe rápido.
Phoenix Contact, S.A.
de forma transversal à calha. Os blocos encai- A tensão nominal é de 500 V de acordo
Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769
xam nestes apoios de forma simples e podem ser com a IEC 60947-7-1, utilizando condutores www.phoenixcontact.pt
livremente combinados. Isto permite configurar a de 2.5 mm². Para instalação de edifícios está

65
informação técnico-comercial

sistemas de armazenamento
de energia elétrica
A evolução tecnológica e a redução de preço das baterias possibilitam que a introdução
de armazenamento nos sistemas descentralizados possa ser vista como a solução mais eficiente,
quer do ponto de vista técnico, quer económico. Cada sistema deverá ser analisado individualmente,
para que os resultados obtidos possam corresponder às expetativas criadas.
Alexandre Cruz e Pedro Serôdio
Simbiotika

O armazenamento de energia elétrica não é pro-


priamente uma novidade. Existe um conjunto de
fatores que, em simultâneo, potenciam a “massi-
ficação do conceito”.

• A mobilidade elétrica;
• A evolução tecnológica nos sistemas de arma-
zenamento;
• A redução de custos dos sistemas de arma-
zenamento;
• A democratização de sistemas de produção de
energia elétrica descentralizada (Autoconsumo);
• A redução do custo dos sistemas fotovoltaicos
para produção de energia eléctrica; Figura 1 Figura 2
• O custo do kWh “produzido” em regime de
autoconsumo é mais económico do que o custo
do kWh importado da rede de distribuição. nos horários de maior consumo (Figura 1). Esta dução descentralizado (fotovoltaico a título de
“transferência energética” fará sentido se o custo exemplo). É possível otimizar a utilização de
Quais as vantagens do armazenamento: do kWh armazenado for inferior ao custo do armazenamento de baterias exclusivamente
Se temos rede elétrica capaz de, em perma- kWh da rede. Veremos como se calcula o custo com as diferenças tarifárias de um contrato de
nência, colmatar as nossas necessidades energé- do kWh mais adiante. aquisição de energia à rede elétrica (Figura 2).
ticas, qual a razão que nos leva a contemplar o Neste exemplo poderemos constatar que
seu armazenamento? os consumos são em horários onde o custo da
Gostaríamos de salientar dois grandes grupos: 2. Sistemas Terciário/Serviços energia elétrica é mais elevado: cheias e pontas.
Os setores Terciário e de Serviços são, por norma, Existem duas formas de otimizar o sistema:
ambientes onde o consumo durante o horário de 1. A instalação um sistema fotovoltaico permite
1. Sistemas residenciais exposição solar é elevado. Como tal, os sistemas reduzir a aquisição de energia nas horas de
Uma residência, de forma genérica, apresenta os de autoconsumo direto, sem armazenamento, exposição solar, coincidentes com o pico de
seus consumos mais expressivos entre as 6:00 deverão ser a primeira solução a estudar e otimizar. maior consumo e dos tarifários horários mais
e as 8:00 e entre as 19:00 e as 23:00, os horá- Os sistemas de armazenamento poderão fazer dispendiosos, cheias e pontas.
rios em que estamos em casa e necessitamos de sentido em determinadas tarifas BTE/MT, onde o 2. Instalação um sistema de armazenamento de
energia elétrica. Fora destes horários o consumo diferencial entre os períodos de faturação mais energia. Se a diferença entre o custo da ener-
expressa apenas o valor “stand-by” dos eletrodo- caros são muito penalizadores quando compa- gia nas horas de super vazio relativamente às
mésticos e equipamentos eletrónicos conetados, rados com os períodos de faturação mais eco- horas de cheia e ponta for elevado, um sistema
consumos relativamente baixos. nómicos. Nesta situação, deverá ser realizado um de armazenamento de energia elétrica poderá
Aplicando um sistema fotovoltaico em regime estudo de transferência de energia “time shifting”. carregar as baterias no período tarifário de
de autoconsumo sem armazenamento, teremos super vazio e descarregar nas horas de ponta.
a limitação dos consumos durante o dia. A amortização do sistema resulta da diferença
A incorporação de baterias permite armaze- O que é o “time Shifting” do custo do kWh armazenado em função do
nar a energia produzida por um sistema fotovol- O armazenamento de energia não tem sempre custo do kWh de compra à rede, no período
taico durante o dia, para que esta seja utilizada de ser acompanhado por um sistema de pro- de descarga.

66
informação técnico-comercial

Número de ciclos
Se temos rede elétrica capaz de, Define o tempo de vida da bateria. A vida útil de A Simbiotika promove
em permanência, colmatar as nossas uma bateria é quantificada pelo número de vezes formações na área
necessidades energéticas, qual que é executado um ciclo de carga e descarga. do armazenamento.
a razão que nos leva a contemplar Atividades, conteúdos
o seu armazenamento? e outros elementos
Profundidade de descarga em www.simbiotika.pt
Define em valor percentual a descarga a que a
As baterias bateria vai estar sujeita. Condiciona o tempo de
Um sistema de armazenamento de energia vida da bateria. Quanto maior a profundidade
elétrica carece de baterias. Existem algumas de descarga, menor o número de ciclos de vida.
caraterísticas básicas a ter em conta no dimen-
sionamento do sistema: LCOS =
Intensidade de carga e intensidade
de descarga I Pelec _ in
LCOS = +
Qual o tipo de baterias a utilizar? A intensidade de carga e descarga das baterias n
(1− Deg × t ) h(DOD)
Existem no mercado diferentes tipos de baterias são fatores muitas vezes negligenciados, mas de # ciclos × DOD × Cap × ∑
t =1 (1+ r )t
consoante a aplicação. Para aplicações de arma- importância vital. Consoante a tecnologia e idade
zenamento de energia eléctrica, na temática em da bateria, a corrente de descarga podeI condi- Pelec _ in  
causa, as tecnologias mais utilizadas são as bate- cionar a suaLCOS =
capacidade. Considerar este parâ- +  € 
h(DOD)  kWh 
que(1− Deg × t )
n
rias de ácido-chumbo e as baterias de iões de metro constante levará a erros
# ciclos Cap × ∑
de ×projeto
× DOD  
lítio. Muito embora as baterias de ácido-chumbo comprometem fortemente o seu desempenho. t =1 (1+ r )t

representem uma tecnologia mais consolidada, n = Vida útil da instalação


apresentam algumas caraterísticas técnicas que I = Investimento Inicial (custo
podem comprometer um projecto FV. As bate- A rentabilidade de um sistema da bateria)
rias de iões de lítio apresentam uma relação de armazenamento #ciclos = Número de ciclos
número de ciclos/profundidade de descarga bas- Um sistema de armazenamento de energia elé- DOD = Profundidade de descarga
tante superior, melhor eficiência no processo de trica em regime de autoconsumo só é economi-
Deg = Taxa de degradação anual
carga e um retorno financeiro superior. camente viável se:
da capacidade
LCOS<LCOE (Rede elétrica) r = Taxa de desconto
Dimensionamento do sistema Pelec_in = Tarifa do preço da
de armazenamento LCOS = Levelized Cost of Storage eletricidade (carga)
O processo de dimensionamento de um banco LCOE = Levelized Cost of Energy h(DOD) = Rendimento carga
de baterias é potencialmente a parte mais e descarga
complexa e que pode determinar a satisfação Isto é, que o custo do kWh armazenado nas
final da solução perante o cliente. O processo baterias é inferior ao custo do mesmo kWh
de dimensionamento deverá levar em linha de consumido através de um sistema de produção
conta as necessidades energéticas do cliente, descentralizado (fotovoltaico, por exemplo) ou Nota: O LCOS varia sempre que o custo da
a autonomia do sistema, a disponibilidade de da rede elétrica. energia de carga varia. Se as baterias forem car-
carga, o tempo de vida estimado e, natural- Como se calcula o custo do kWh produzido regadas através de um sistema de FV, o custo
mente, o custo. de um sistema FV (LCOE) e de um sistema de do LCOS é necessariamente distinto do custo do
armazenamento de energia elétrico (LCOS)? kWh armazenado através de carregamento de
energia da rede elétrica.
Capacidade
Quantifica a energia que a bateria é capaz de
armazenar. Habitualmente, vem expressa em n
Mt × in Notas finais
I +∑
Ah (ou mAh), mas muitos fabricantes come- (1+ r ) t  €  Como se poderá constatar, o dimensionamento
t =1  
çam a apresentar já no mercado esta informa- LCOE = de um sistema de armazenamento de energia
n
Et × de  kWh 
 
ção em KWh. ∑ (1+ r )t elétrica é complexo. A compra de soluções “tipi-
t =1 ficadas” dificilmente irá corresponder às necessi-
dades reais do consumidor.
t = vida útil da instalação Os instaladores deverão ter formação espe-
Energy storage capacity 6,8 kWh
I = Investimento Inicial cífica sobre a temática apresentada, de forma a
Nominal voltage 55,5 V
Mt = Custo da O&M definir o melhor sistema de armazenamento em
in = Inflação média anual função da instalação em causa.
Nominal capacity 121,5 Ah
Et = Energia gerada durante a vida útil
da instalação
W [ wh] 6800 de = Depreciação da produção
C[ Ah] = ↔ C[ Ah] = Simbiotika
U [V ] 55,5 dos módulos
r = Taxa de desconto Tel.: +351 960 266 246
geral@simbiotika.pt � www.simbiotika.pt

67
informação técnico-comercial

Bim Ready: a Caleffi já disponibiliza


mais de 300 famílias
de produtos em BIM

Projetar nunca mais será como dantes. O BIM tornará mais eficiente todo o processo, permitirá
um controlo de custos mais rigoroso, ajudará a resolver problemas de projeto antes de se iniciar
a fase de construção e será fundamental durante a manutenção. Por estas razões, a Caleffi
está a construir a biblioteca BIM dos seus produtos.

CALEFFI Portugal

Os produtos criados em BIM pela Caleffi não são apenas modelos 3D


dotados de alguns dados, são antes modelos completamente funcionais, Conhecer de antemão, com precisão extrema, como gerir
que possuem um elevado grau de detalhe e qualidade excecional, o que espaços, materiais, entregas, maquinarias, pessoas, fases
significa que podem ser utilizados em funções Revit ou noutros softwares de projeto melhora a gestão total do próprio projeto
de dimensionamento. e reduz os impactos negativos nas cidades.
Todas as famílias de produtos Caleffi são criadas de raíz no formato .rfa
para obter a qualidade máxima, mantendo os ficheiros leves (um projeto
pode conter centenas de ficheiros, pelo que cada um deles não poderá o BIM chegou para ficar, mas não se abandonam subitamente as tecnolo-
pesar mais do que algumas dezenas de KBs). Os dados incorporados nos gias CAD tradicionais.
modelos BIM (dados técnicos e funcionais) foram selecionados de modo Dentro deste cenário, a Caleffi focou a atenção nos vários componentes
a permitir a utilização das funções de cálculo e simulação em Revit MEP. e instalações presentes em qualquer projeto arquitetónico: um projeto BIM
BIM é 10% tecnologia e 90% sociologia (“BIM is 10% technology, 90% funciona se, e apenas se, também os fabricantes de componentes deci-
sociology” cit. Scott Simpson, FAIA, KlingStubbins). É estratégica uma mudança direm participar com modelos funcionais aptos a serem integrados num
de comportamento mental e operacional que implique uma crescente cola- sistema mais amplo de dimensionamento e de computação de textos para
boração ativa e alargada dos vários profissionais envolvidos num projeto de caderno de encargos e custos. A Caleffi está a trabalhar ativamente desde
construção. Colaboração que não se limita aos departamentos internos da há alguns anos a esta parte, mas a evolução constante e o aperfeiçoamento
empresa, mas que envolve também entidades (como organismos regionais, contínuo são imprescindíveis para atingir os objetivos.
instituições governamentais de vários níveis, organismos de normalização) e
partes terceiras necessárias para assegurar que tudo corre como planeado.
Este envolvimento estende-se ao cidadão comum no caso de obras públicas.
O novo termo “obra inteligente” significa uma gestão consciente das ati-
vidades de manutenção de conservação e de projetos de novos edifícios,
que leva em linha de conta as necessidades do cidadão comum. Este tipo
de consciencialização pode ser alcançado com a aplicação eficaz das lógicas
BIM: conhecer de antemão, com precisão extrema, como gerir espaços,
materiais, entregas, maquinarias, pessoas, fases de projeto melhora a gestão
total do próprio projeto e reduz os impactos negativos nas cidades.
BIM significa reorganizar-se rapidamente (isto é válido para o setor
público e ainda mais para o privado). Em Itália, por exemplo, os grandes
gabinetes de projeto estão a reorganizar-se, mesmo em termos de orga-
nigrama propriamente dito e de procedimentos de trabalho, admitindo
novos profissionais especializados (BIM Manager, BIM Modeller, BIM Specia-
list) que vão trabalhar em conjunto com os peritos com uma visão mais
CALEFFI Portugal
tradicional. São definidos os parâmetros para escolher quais os projetos
Tel.: +351 229 619 410 � Fax: +351 229 619 420
que devem ser abordados com metodologia BIM e aqueles que podem caleffi.sede@caleffi.com � www.caleffi.com
ser ainda geridos com os métodos tradicionais. Porque uma coisa é certa:

68
PUB.
informação técnico-comercial

radiadores de alta eficiência


energética da Runtal e da Zehnder

A Runtal nasce em 1953 do diálogo entre um engenheiro e um arquiteto. A tradição de inovação


técnica e design funcional mantém-se viva e avança administrando o legado dos fundadores
Egon Runte e Jürg Altherr. A Runtal leva a cabo as suas peças graças à cooperação com
os designers internacionais de maior prestígio. King & Miranda, Leo Salzedo, Christian Ghion,
Paul Priestman são alguns dos designers que trabalharam com a Runtal na criação de radiadores
que são praticamente obras de arte.

Zehnder Group Ibérica Indoor Climate S.A.

O desejo de se relacionar de maneira sustentável com recursos como


a energia e a água, assim como o desenvolvimento de novos materiais e
superfícies, é outra das caraterísticas da Runtal. O resultado são estruturas
simples e, ao mesmo tempo, refinadas e eficientes, de grande qualidade no
que se refere à construção artesanal e aos materiais.

Runtal Splash
Desenhado por Christian Ghion, Runtal Splash poderia parecer uma obra
de arte, já que este objeto que decora a parede não revela à primeira vista
a sua verdadeira função. Até que se toca e se sente o calor que emana. Só
aí a obra de arte se torna um radiador. Este radiador é o resultado da ins-
piração artística combinada com longos anos de investigação sobre o mate-
rial: Corian® é o nome do material que permitiu à Runtal desenvolver uma

Runtal Splash.

nova linguagem das formas na criação dos seus radiadores. O motivo dos
círculos concêntricos lembra uma gota de água que gera suaves ondas ao
seu impacto. Calma, calor e movimento.
Preço: 1968,75 euros (IVA não incluído)
Tamanho único: 750 mm x 1230 mm

Runtal Archibald
Este original radiador de design carateriza-se por ser um ajudante elegante
e com múltiplas qualidades. Runtal Archibald desempenha o seu verdadeiro
papel-chave na casa de banho. Este radiador toalheiro encarrega-se de

70
informação técnico-comercial

Runtal Folio.

Zehnder Roda Air


Zehnder Roda Air foi concebido
como aquecimento central elétrico.
Este radiador toalheiro carateriza-se
pela sua execução “twist”. Isto é, pode
rodar sobre o seu eixo e orientar-se
até 180º em relação à parede. É fabri-
cado com tubos extraplanos dispos-
tos assimetricamente e distribuídos
para um único lado desde o coletor
para colocar facilmente as toalhas.
Zehnder Roda Air tem um progra-
mador diário e semanal e uma fun-
ção de impulso para conseguir uma
rápida resposta. Além do mais, este
Runtal Archibald. radiador está disponível numa grande
variedade de modelos e superfícies.
Preço: a partir de 895,56 euros
contribuir com o seu calor para que a casa de banho conte sempre com (IVA não incluído)
uma temperatura agradável. As formas deste radiador de aço curvo são Tamanhos: de 901 mm x 550 mm
muito caraterísticas, sendo a sua estrutura sem soldadura igualmente única. Zehnder Roda Air. a 1839 mm x 550 mm
O seu criador, Leo Salzedo, concebeu com Runtal Archibald um objeto
contemporâneo que alia um design inconfundível a uma grande funcio-
nalidade. O Zehnder Group desenvolve, produz e comercializa radiadores com
Preço: 1225,92 euros (IVA não incluído) design, sistemas de ventilação, soluções de climatização radiante e de puri-
Tamanho único: 525 mm x 1230 mm ficação de ar. É líder nos seus segmentos de mercado. O Zehnder Group
conta com 13 fábricas em todo o mundo e sociedades comerciais em toda
a Europa, EUA, Canadá e China. No mercado espanhol, opera com as suas
Runtal Folio marcas Runtal e Zehnder.
Desenhado pelo atelier King & Miranda, Runtal Folio parece flutuar na Runtal, marca de gama alta do Zehnder Group, é sinónimo de design,
parede. O design fino, o perfil que rodeia toda a superfície e a silhueta inovação tecnológica e assistência de qualidade. Comercializa radiadores
afunilada cativam através de uma estrutura esbelta e leve. O design deste com design para interiores exigentes e espaços profissionais e comerciais
radiador com uma profundidade de apenas 16 mm combina de maneira avançados.
inovadora os materiais de alumínio e a grafite natural expandida. Todos Zehnder, marca de excelência técnica em soluções de clima interior sau-
os modelos oferecem uma grande versatilidade e podem escolher-se em dáveis, confortáveis e energeticamente eficientes.
superfícies de carvalho, wenge ou ébano de Macassar e alumínio anodi-
zado. Graças aos complementos do radiador, este pode ser utilizado como
Zehnder Group Ibérica Indoor Climate S.A.
toalheiro.
Tel.: +34 902 106 140 � Fax: +34 902 090 163
Preço: a partir de 1109,96 euros (IVA não incluído) info@zehnder.es � www.zehnder.es
Tamanhos: de 441 mm x 1796 mm a 744 mm x 1.956 mm

71
informação técnico-comercial

SKF constrói o caminho


para um futuro digital

Uma maior digitalização de tecnologias estabelecidas, tal como monitorização de condição e sensores
inteligentes, poderá ter um efeito revolucionário na produção, segundo Bernie van Leeuwen, Diretor
de Digitalização de Gestão de Produto da SKF.
SKF Portugal – Rolamentos, Lda.

A digitalização é mais evidente no mercado do de fontes variadas utilizando dispositivos como o Uma grande mudança no futuro – apoiada pela
consumidor, onde os downloads de música, com- smartphone ou o tablet. Esta é uma boa forma de digitalização – será a forma como a SKF atende
pras on-line e televisão on-demand são tidos como colocarmos “Big Data” no bolso de um operador. os seus clientes. Embora o modelo “transacional”
maravilhas da era digital. Da mesma forma, a digi- A  conetividade dos dados flui por todas as comum de fornecimento de equipamentos conti-
talização está, também, a ter um grande impacto direções e pode ser utilizada de várias manei- nue a ser relevante, este começará a ser substituído
na produção e a SKF está na vanguarda ao utilizá- ras. Na sua forma mais simples, liga um sensor a por mais contratos com base em desempenho.
-la para melhorar o seu negócio e serviços para um centro de diagnósticos remoto. No entanto, Nestes, a SKF será responsável por assegu-
os seus clientes. os dados sobre a integridade de um rolamento, rar que as operações do cliente permaneçam
A capacidade de recolher e manipular grandes por exemplo, podem ser fornecidos diretamente eficientes. O  fornecimento de componentes
volumes de informações digitais impulsionará a durante a fase de projeto e utilizados para rede- como rolamentos irá assim apoiar os serviços
produção no futuro. Ao adotar a digitalização, a senhar um produto melhor. – da manutenção preditiva ao conhecimento
SKF apresenta vantagens e melhorias na sua prin- Uma maior digitalização permitiu, também, de lubrificação – que providenciam essa efi-
cipal oferta – tecnologia de rolamentos e ser- uma produção mais personalizada. Sendo possível ciência suplementar.
viços relacionados – para que, desta forma, os reduzir os tempos de reconfiguração da máquina Recentemente, a SKF assinou um contrato
clientes possam aumentar ainda mais o desempe- próximo de zero, existem menos restrições para “Rotation For Life” de cinco anos com a Zinkgru-
nho dos seus equipamentos rotativos. Além disso, a produção de produtos personalizados. Recente- van Mining da Suécia. Neste âmbito, a SKF reali-
ao focar-se na digitalização industrial, a SKF visa mente, o proprietário de uma fábrica de alumínio zará a monitorização remota de quatro unidades,
incitar a otimização adicional do custo e eficiên- solicitou rolamentos que permitissem aumentar na fábrica de Zinkgruvan. A empresa pagará à
cia de toda a cadeia de valor, incluindo a integra- a sua produção – através de uma velocidade de SKF um fee com base nas suas metas de produ-
ção com Produção de Classe Mundial (WCW) e rotação mais elevada –, reduzindo os custos de tividade terem sido atingidas ou não.
Cadeia de Fornecimento. manutenção e eliminando os tempos de paragem Esse acordo depende das tecnologias de digi-
A digitalização irá afetar todas as partes da não programada. A SKF conseguiu produzir rola- talização funcionarem em sintonia. Num dos ele-
cadeia de valor, do projeto e produção à com- mentos de rolos cilíndricos, de quatro carreiras mentos do contrato, os dados de monitorização
pra e manutenção. – completos com propriedades de superfície oti- de uma esteira transportadora são recolhidos
A SKF tem vindo a monitorizar equipamentos mizadas e revestimentos personalizados – para automaticamente (sem intervenção humana) e,
remotamente há cerca de 15 anos e, atualmente, aumentar a vida útil e a robustez, e minimizar o se necessário, um especialista SKF analisa os des-
temos cerca de um milhão de rolamentos cone- custo do produto final. vios, enquanto um sistema de lubrificação cen-
tados à cloud. Dados sobre o seu desempenho tralizada mantém a linha em funcionamento num
são recolhidos e interpretados diariamente, fre- nível ótimo de eficiência.
quentemente com assistência dos nossos espe- A capacidade de correlacionar uma ampla
cialistas. A  competência em manipular estes variedade de dados pode melhorar ainda mais o
dados resulta numa análise melhorada, permi- desempenho. Por exemplo, os dados de monito-
tindo à SKF detetar antecipadamente possíveis rização da condição, recolhidos pela SKF, podem
falhas em equipamentos rotativos que afetam agora ser combinados com os dados de processo
a fiabilidade dos mesmos e obter um melhor – como os parâmetros de controlo e velocidade
conhecimento acerca de requisitos críticos de do equipamento –, através de uma colaboração
projeto do produto e sistema. com Honeywell. Combinar esses fluxos de dados
A SKF já desenvolveu plataformas para aju- ajudou um dos clientes (um importante produ-
dar os clientes a recolher e a interpretar dados. tor de cobre) a tomar decisões mais informadas
A nossa plataforma Enlight, por exemplo, permite sobre a manutenção e o desempenho dos seus
que os operadores visualizem dados provenientes ativos de produção.

72
informação técnico-comercial

O cliente afirma que, no passado, a falha de substituição. Atendendo a que um sensor inte- unir esses projetos-piloto permitindo uma digi-
um componente resultou em paragens de pro- ligente já se pode autodiagnosticar, não é difí- talização total, end-to-end.
dução, mas isto hoje pode ser evitado graças aos cil imaginar que ele próprio poderá enviar uma Com o enorme potencial das tecnologias digi-
avisos antecipados fornecidos pela combinação mensagem automática de volta ao início da cadeia tais existentes, como os smartphones, é fácil acre-
dos dados de processo e de monitorização da de fornecimento. ditar que chegámos ao auge do desempenho.
condição. Mas a ideia vai além disso: uma maior digita- No entanto, estamos apenas no início da digita-
Ter acesso a essa multiplicidade de dados pode lização simplifica o processo de produção. Esta lização na produção. Cada aspeto da cadeia de
melhorar a manutenção e ajudar os clientes a já levou à diminuição dos tempos de reconfigu- valor da produção pode ser aperfeiçoado pela
tomar decisões mais informadas. Por exemplo, ração do equipamento. Desta forma, pode ser digitalização. Alguns já surgiram, enquanto outros
analisar os dados de monitorização de condi- programada a inclusão de uma peça de subs- ainda estão no horizonte.
ção e processo poderá revelar que desacelerar tituição específica na linha de produção, com Será que podemos realmente passar do auto-
uma máquina em 3% pode aumentar o período o mínimo de interrupção e um tempo de res- diagnóstico de um rolamento à auto-encomenda?
de manutenção em quatro semanas. O cliente posta rápido. Sim, podemos. A parte complicada está em pre-
consegue, assim, equilibrar uma leve redução no Combinar estes dois fatores – a previsão pre- ver quando irá acontecer.
rendimento com um período de produção mais cisa de falha num componente, com a “produção A SKF é um dos principais fornecedores globais
longo e, por sua vez, tomar a melhor decisão por encomenda” – garante que uma “necessi- de rolamentos, vedações, mecatrónica, sistemas de
possível. dade prevista” de peças seja substituída por uma lubrificação e serviços que incluem suporte téc-
A deteção automática de falhas em rolamen- “necessidade real”. Isto amplia o conceito de pro- nico, serviços de manutenção e fiabilidade, con-
tos é um enorme avanço no que se refere a efi- dução “just in time” até ao componente indivi- sultoria em engenharia e formação. A SKF está
ciência. No entanto, o processo de encomendar dual e, um dia, poderá levar a níveis de stock representada em mais de 130 países e possui cerca
peças de substituição, incluindo enviar a ordem próximos de zero. É difícil imaginar um mundo de 17 mil distribuidores em todo o mundo.
de compra, a estimativa do tempo de espera e sem stock, mas essa perspetiva está no horizonte.
a entrega da peça, ainda envolve muita interven- Contudo, este tipo de sistema ainda está para
SKF Portugal – Rolamentos, Lda.
ção humana. ser desenvolvido. Entretanto, a SKF encontra-se
Tel.: +351 214 247 000 � Fax: +351 214 173 650
A SKF já se está a preparar para um futuro a realizar testes-piloto em áreas específicas da geral.pt@skf.com � www.skf.pt
no qual a peça com defeito solicita a sua própria cadeia de fornecimento. No futuro, o plano é
PUB.

73
produtos e tecnologias

Contadores do tipo Woltmann, para água fria e quente serviço na Hungria. Para treiná-los para a melhor forma de manusea-
ALPHA ENGENHARIA - Equipamentos e Soluções Industriais mento da tecnologia solar da Fronius, são realizados treinos regular-
Tel. +351 220 136 963 � Tlm. +351 933 694 486 mente. O consultor técnico da Fronius também é responsável por estes
info@alphaengenharia.pt � www.alphaengenharia.pt treinos. A Fronius International GmbH continua a ser responsável pelas
operações comerciais.
O contador de água do No final de 2016, a capacidade total de todos os sistemas fotovoltai-
tipo Woltmann da BME- cos instalados na Hungria era de aproximadamente 210 Megawatts. Para
TERS é reconhecido no os próximos três anos, os especialistas da Fronius estipulam um poten-
mercado devido à sua cial de 500 Megawatts. “Esta tendência mostra-nos que, até na Hungria, a
qualidade e desempenho. geração de energia solar a partir de fontes renováveis está a ganhar força”,
É utilizado principalmente explicou Hackl. “Isto está de acordo com a nossa visão de 24 horas de sol,
no campo industrial ou um futuro onde a necessidade energética do mundo é 100% proveniente de
em sistemas de distribui- fontes renováveis”. Com o investimento na unidade da Hungria, a espe-
ção de água em edifícios. cialista austríaca de tecnologia solar fica um pouco mais perto de atin-
A gama da BMETERS  inclui medidores de água Woltmann para água fria gir este objetivo.
até 30°C e para água quente até 90°C. Estes contadores de água possuem
caraterísticas que facilitam a sua instalação, leitura e manutenção: A disponi-
bilidade de diferentes conexões flangeadas de 2“ a 8” (50 mm – 200 mm)
e a possibilidade, em pedidos especiais, de fabricar tamanhos DN maiores; ELESA+GANTER: Manípulos com limitador de binário
a possibilidade da unidade de medição ser rapidamente substituída, para REIMAN – Comércio de Equipamentos Industriais, Lda.
reparação, sem necessidade de remover do sistema de tubagem o corpo Tel.: +351 229 618 090 � Fax: +351 229 618 001
do contador de água; o mecanismo de leitura ser montado no interior de comercial@reiman.pt � www.reiman.pt
uma cápsula hermeticamente selada  com transmissão magnética e leitura
direta em 6 rolos numéricos;  estes medidores de água Woltmann têm A ELESA+GANTER dis-
aprovação MID R100H – R100V e saídas de impulso que são pré-monta- ponibiliza dois manípulos
dos como padrão. com limitação de biná-
Os contadores de água Woltmann da BMETERS são construídos com rio para aplicações em
materiais de primeira qualidade resistente à corrosão. que pretendemos que o
aperto não supere valo-
res predeterminados:
Manípulo recar tilhado
Atendimento local com instaladores fotovoltaicos mais GN 3663, com o corpo
eficientes em alumínio anodizado preto e o sistema de aperto em aço endurecido;
Fronius España S.L.U. e o manípulo de abas CTD, com o corpo em tecnopolímero de polia-
Tel.: +34 916 496 040 � Fax: +34 916 496 044 mida reforçada com fibra de vidro, de cor preta ou laranja, de acaba-
pv-sales-spain@fronius.com � www.fronius.es mento mate e mecanismo de aperto em aço galvanizado.
Ambos se encontram disponíveis na versão fêmea e perno roscado,
A  Fronius Solar Energy, sendo a transmissão de binário entre o manípulo e o elemento de aperto
referência de qualidade levada a cabo por um sistemas de molas que limita a força de aperto.
no mercado mundial de Uma vez atingido o binário máximo, ouve-se um clique que sinaliza o
energia solar, ampliou a aperto máximo. No entanto, ao rodar o manípulo no sentido contrário
sua rede internacional e ao dos ponteiros do relógio, o mecanismo desbloqueia de forma a per-
inaugurou no dia 1 de mitir a retirada do mesmo.
junho de 2017 a sua filial O GN 3663 apresenta como limite de binário 2 ou 3 Nm, enquanto no
na Hungria. Os clientes CTD o intervalo disponível varia de 0,7 a 5,5 Nm, dependendo do diâme-
na Hungria obterão, no tro da furação/perno roscado.
futuro, assistência técnica mais rapidamente e com maior confiabilidade. Para qualquer consulta sobre este produto ou a sua aplicação, contacte a
A Fronius inaugurou esta unidade própria em Tatabánya, a aproximada- REIMAN, representante oficial da ELESA+GANTER em Portugal.
mente 70 quilómetros de Budapeste. A empresa, referência mundial na uti-
lização de tecnologias inovadoras de energia solar comemorará este ano
25 anos de existência. “A Fronius Hungary é a 20.ª filial da nossa Business
Unit”, relatou Martin Hackl, Chefe da Business Unit Solar Energy da Fronius Configurador de fichas Combicon 3D
International GmbH. Phoenix Contact, S.A.
Uma vantagem essencial da nova filial é que o consultor técnico fala o Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769
idioma local e pode aconselhar e auxiliar os instaladores húngaros e os www.phoenixcontact.pt
parceiros de vendas e de serviços com mais eficiência, por causa da pro-
ximidade. “Falar na língua nativa permite que se comunique melhor, mais Agora configurar tornou-se mais fácil e rápido. Está disponível desde julho
rapidamente e com maior eficiência, e também é mais fácil responder per- no website da Phoenix Contact o novo configurador de bornes e coneto-
guntas complexas com precisão. Como benchmark na indústria, os serviços res para placas de circuito impresso com visualização em 3D.
de qualidade, aconselhamento e treino são parâmetros muito importan- A navegação é intuitiva e em poucos passos consegue criar-se a solu-
tes para nós”, nas palavras de Verena Huber que descreveu a situa- ção para bornes e conetores. No configurador estão atualmente dispo-
ção. Atualmente, a Fronius possui aproximadamente 80 parceiros de níveis mais de 6000 combinações de 150 gamas de produtos. Pode criar

74
produtos e tecnologias

diretamente no configu- F.Fonseca apresenta sistemas de marcação a laser


rador uma solução per- MP-LM1 da Murrplastik
sonalizada com base na F.Fonseca, S.A.
cor, codificação e marca- Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910
ções e visualizar o resul- ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com
tado final em 360º ou /FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda
simplesmente fazer o
download da configura- A nova máquina de mar-
ção em 3D. cação a laser mp-LM1 da
Quer seja uma ligação de parafuso ou por mola push-in, como borne de Murrplastik é o primeiro
placa de circuitos impressos ou conetor de fácil manutenção, para 2 a 24 sistema de marcação uni-
pólos: a vasta gama de produtos COMBICON oferece para quase todas as versal com gravação a
aplicações a tecnologia de ligação certa para a transmissão de sinais, dados laser para etiquetas de
ou potência. metal e de plástico.
O sistema de marcação
a laser mp-LM1 da Murr-
plastik estabelece um novo padrão de qualidade na marcação dos mais
ABB vai construir a primeira subestação híbrida variados tipos de etiquetas. A densidade ótica da marcação e a veloci-
em Marrocos dade do laser são configuráveis, permitindo um acabamento à medida das
ABB, S.A. necessidades. A mp-LM1 não necessita de consumíveis para a sua opera-
Tel.: +351 214 256 000 � Fax: +351 214 256 390 ção, sendo a solução ideal para volumes de marcação médios-altos em que
marketing.abb@pt.abb.com � www.abb.pt a qualidade de marcação é um padrão de exigência. Com a nova mp-LM1
é possível fazer marcações de bornes, fios, cabos, sinalização, disjuntores,
A ABB vai fornecer uma contatores, relés, placas de caraterísticas e muito mais. O processo de mar-
subestação híbrida de cação das etiquetas é automático e utiliza um carregador com capacidade
16 milhões de dólares para 40 placas que, após a marcação laser, saem através do dispensador
(mais de 13,6 milhões sem necessidade de intervenção externa. A nova máquina de marcação a
de euros) para um par- laser vem equipada com uma porta USB e uma porta Ethernet para uma
que eólico em Marrocos, operação simplificada através do software ACS da Murrplastik.
ajudando o país a redu- Os sistemas de marcação a laser MP-LM1 da Murrplastik são indicados
zir a sua pegada de car- para serem aplicados em qualquer indústria independentemente do setor
bono. As previsões para de atividade.
Marrocos indicam que a procura de energia do país aumentará continua-
mente, nos próximos anos. O país tem abundantes recursos energéticos
renováveis, incluindo energia solar, eólica e energia hidroelétrica, e estabe-
leceu uma meta para as energias renováveis de 52% em 2030, reduzindo a Plataforma EPLAN 2.7 já disponível
sua dependência atual de combustíveis fósseis importados. O governo está M&M Engenharia Industrial, Lda.
focado no desenvolvimento da sua infraestrutura elétrica para integrar as Tel.: +351 229 351 336 � Fax: +351 229 351 338
energias renováveis, com metas para gerar mais energia a partir do vento info@mm-engenharia.pt � info@eplan.pt
e de outras fontes renováveis de energia. www.mm-engenharia.pt � www.eplan.pt
A ABB está a trabalhar com a Energie Eolienne du Maroc, uma referên-
cia no setor da energia de Marrocos, para construir uma nova subestação A Indústria 4.0 e a IoT (In-
híbrida, no sul do país, que irá ligar à rede nacional marroquina. Será a pri- ternet of Things) oferecem
meira subestação híbrida em Marrocos e está a ser projetada para supor- possibilidades fascinantes
tar as condições meteorológicas desafiantes do deserto e as condições da na construção de máqui-
atmosfera marítima. Durante a 22.ª Convenção das Nações Unidas sobre nas e instalações. No en-
Alterações Climáticas, organizada em Marraquexe no final de 2016, o novo tanto, o requisito principal
parque eólico da Nareva recebeu o reconhecimento COP22. A subesta- é a digitalização consis-
ção híbrida vai ter uma capacidade de 225/33 quilovolts (kV) e deverá ser tente de todos os proces-
flexível e expansível, com a capacidade de ser atualizada até 400 kV ou o sos e dados de engenharia,
parque eólico atualizado para 300 MW. O novo Nareva está envolvido em desde o fabrico até ao funcionamento e manutenção. Só assim é que as pa-
vários desenvolvimentos de parques eólicos em todo o país. A empresa lavras-chave Smart Engineering, Smart Production e Smart Data ganham vida.
procurava um potencial fornecedor com um forte apoio ao cliente. As É precisamente esta abordagem de digitalização consistente que a EPLAN
equipas da ABB de Espanha, Marrocos, Itália, Turquia, Suíça e Suécia traba- procura há muito tempo e, em particular a versão 2.7, com as suas inova-
lharam em conjunto para proporcionar seminários técnicos e diversas aná- ções. A plataforma EPLAN 2.7 consegue oferecer recursos inovadores para
lises de custos do ciclo de vida. A subestação híbrida incluirá a mais recente todas as áreas funcionais e etapas do processo.
tecnologia ABB PASS, com acessórios de cablagem ZS2 MV, transformado- Não menos importante é a ergonomia, que facilita o trabalho diário com o
res de potência de 150 MW, transformadores de medida, descarregadores EPLAN. Agora, poderá configurar, por exemplo, as vistas nos navegadores
de sobretensão, sistema de proteção, comando e controlo de subestações. com propriedades individuais, de forma ainda mais nítida e, assim, orientar-
A nova subestação aumenta a presença da ABB em África e o objetivo da -se mais fácil e rapidamente, mesmo em projetos grandes.
sua divisão Power Grids de formar uma rede mais forte, mais inteligente e O diálogo Conflito, que é apresentado por defeito, quando diferenças
mais ecológica para os seus clientes. entre os dados da função e os dados do artigo selecionado são detetadas

75
produtos e tecnologias

durante uma seleção de peças, foi revisto por completo para esta versão. Pronodis lança iMSENS®
Com a ajuda da conceção clara do diálogo de conflito, pode agora detetar Pronodis – Soluções Tecnológicas, Lda.
imediatamente as diferenças que existem entre os dados na função e na Tel.: +351 234 484 031 � Fax: +351 234 484 033
peça, e que resultado deve ser esperado. É eliminada a morosa navegação pronodis@pronodis.pt � www.pronodis.pt
entre as diferentes placas de registo. /pronodissolucoestecnologicas.pronodis
Além das placas de registo Árvore, Lista e Combinação, tem agora à dispo-
sição a nova placa de registo Informação no diálogo da gestão de peças, no A Pronodis lançará este
navegador dos dados mestres das peças e na seleção de peças. Nesta placa Outono no mercado
de registo, são mostradas informações como nome e versão da base de a sua marca própria
dados das peças atualmente em utilização, o número das peças incluídas, o iMSENS ®. Esta é uma
número de fabricantes/fornecedores, modelos de furação, listas de acessó- marca registada no Ins-
rios, entre outras informações. tituto Nacional da Pro-
As páginas e áreas de colocação sem nomes de macros podem agora priedade Industrial que
ser facilmente encontradas por estarem incluídas na exibição em árvore inclui detetores de movi-
mesmo sem terem nome. É também agora possível desenhar caixas de mento e presença com
macro como polígonos. Isso permite que as áreas esquemáticas sejam defi- moldes próprios, registados no mesmo Instituto.
nidas como macros mais rapidamente e dimensionadas de forma mais cor- A gama de artigos inclui detetores de movimento e presença, de aplicação
reta. Isto elimina a necessidade posterior de atribuição de objetos. saliente e de embutir, por infravermelhos e alta frequência e fotocélula cre-
A partir desta versão, o sistema de ajuda do EPLAN já não é instalado puscular. E também uma gama de iluminação com inovadores projectores
num meio de armazenamento local, mas sim disponibilizado num servidor LED com Bluetooth e apliques com casquilho E27 e LEDs.
EPLAN da Web e pode ser sempre aberto online através de uma ligação à Com esta variada gama tem-se assim uma solução para cada requisito, a um
Internet. Assim, é possível manter o sistema de ajuda sempre atual. Através preço competitivo e sempre aliado à qualidade a que a Pronodis já habi-
de filtros de procura e de sugestões automáticas de termos de pesquisa, tuou o mercado.
poderá restringir ainda mais os resultados da pesquisa e encontrar precisa-
mente a informação que pretende. A seleção da língua permite mudar de
cada página da ajuda, para o equivalente em todas as línguas disponíveis.
Com a nova barra de navegação, poderá saber rapidamente em que ponto QKSOL inicia a comercialização de reguladores de carga
do sistema de ajuda se encontra no momento. Genasun
A troca de dados interdisciplinar é o foco da nova interface entre a plata- QKSOL – Energy Solutions
forma EPLAN e o Portal TIA da Siemens: concebido de forma segura para o Tel.: +34 93 480 84 66
futuro, no formato AutomationML, cada vez mais procurado na Indústria 4.0. info@qksol.com � www.qksol.com

A QKSOL Energy Solu-


tions ampliou o seu por-
RaZON +: Estação integrada de monitorização solar tefólio depois de chegar
Vórtice – Equipamentos Científicos, Lda. a um acordo de repre-
Tel.: +351 218 683 559 � Fax: +351 218 682 946 sentação com o fabri-
geral@vortice-lda.pt � www.vortice-lda.pt cante americano Blue Sky
Energy Inc., para a comer-
A estação RaZON + é uma nova solução eco- cialização dos reguladores
nómica, integrada e inovadora, que permite de carga Genasun. Com
obter todos os componentes da radiação solar: uma faixa de potência desde os 50 W aos 350 W, o painel solar destaca-
Normal Directa (DNI), Difusa Horizontal (DHI) -se pela alta eficiência do seu ponto de procura de potência MPPT máxima
e Global Horizontal (GHI) por cálculo, bem que lhe permite gerar mais energia do que os reguladores convencionais.
como a Insolação. É uma estação de monito- Para a QKSOL, estes são o complemento perfeito para as baterias de íon
rização solar totalmente equipada, que usa um lítio de 12 VDC, Powertech, uma vez que a Genasun fornece uma gama
pireliómetro e um piranómetro sombreado específica de produtos para o carregamento dessas baterias.
para medir e calcular esses componentes. A longa experiência e qualidade dos produtos da Blue Sky Inc. foi decisiva
As funcionalidades da RaZON + podem ser para a seleção deste fornecedor. Os reguladores podem ser comprados via
expandidas com a ligação de uma estação e-shop em www.qksol.com/tienda ou nos instaladores habituais em Portugal.
meteorológica compacta ou com outros sen- Mais informações em: www.qksol.com/genasun.
sores Modbus®. Podem ser adicionados até quatro radiómetros inteligen-
tes da série Smart da Kipp & Zonen, como por exemplo piranómetros para
medição no plano dos painéis (POA), em diferentes locais de uma insta-
lação solar. Complementarmente, pode também ser ligado um sensor de Novo ventilador de teto da Rittal
temperatura de superfície na traseira dos painéis solares, comunicando em Rittal Portugal
Modbus®. Combinando a estação RaZON + com um multi-sensor meteo- Tel.: +351 256 780 210 � Fax: +351 256 780 219
rológico, é possível complementar os dados com temperatura e humidade info@rittal.pt � www.rittal.pt
relativa do ar, pressão atmosférica, velocidade e direção do vento e preci-
pitação. Os dados da radiação solar e dos parâmetros adicionais são regis- Os ventiladores de teto são a escolha número um em sistemas de con-
tados na estação RaZON +, e ficam disponíveis para download através de trolo de climatização quando o objetivo é eliminar o excesso de calor reti-
interfaces digitais. rando-o para fora dos armários. Esta abordagem é utilizada quando os

76
produtos e tecnologias

armários estão acopla- Os ventiladores EC dispõem de máxima eficiência energética a partir de


dos, não têm espaço sufi- uma saída de ar de 1000 m3/h. O interface de controlo, com saída de sinal
ciente para ventilação e de tacómetro, integrado como standard, pode ser usado para controlo do
filtro de parede ou pre- ventilador e monitorizar o seu funcionamento e velocidade.
cisam de maior circula-
ção de ar.
A Rittal está a aumen-
tar a sua atual família de Sistema BLADEcontrol®, da Weidmüller
ventiladores TopTherm Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.
para controlo de climatização de armários, ao adicionar uma nova linha. Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871
Os novos modelos, que possuem uma nova imagem, oferecem uma gama weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt
extensa de caudal de ar, a partir de uma versão de 500m3/h, passando por
800m3/h até 1000 m3/h. Um corte para montagem de apenas 258x258mm Com o BLADEcontrol®,
de área suporta o máximo de saída de ar. Além disso, a uniformização do a Weidmüller apresenta
corte de montagem em todas as categorias de saída oferece um alto nível um sistema inovador
de standardização permitindo reduzir os custos de montagem em obra. para monitorizar as lâmi-
Graças a uma inovadora fixação de braçadeira, os utilizadores beneficiam nas do rotor de instala-
do máximo de flexibilidade quando se trata de instalar e desmontar os ven- ções de energia eólica.
tiladores de teto. Como resultado, a fixação é possível tanto dentro como Os sensíveis sensores
fora do armário, de acordo com o espaço disponível. Um terminal de cone- BLADEcontrol® detetam
xão assegura uma ligação elétrica fácil, enquanto a fácil acessibilidade per- falhas ou gelo nas fases
mite que os filtros sejam substituídos rapidamente. iniciais, o que significa que as medidas apropriadas podem ser introduzidas
Como resultado de uma tecnologia em labirinto, associada a um filtro de em tempo útil, ajudando a evitar qualquer tempo de inatividade do sistema.
espuma de alta qualidade, os ventiladores de teto e filtros possuem uma Em caso de falha grave, o BLADEcontrol® envia um sinal para a base de
proteção IP 55 como standard (anterior IP 43). Por isto, os novos ventila- controlo da instalação, que o fará parar imediatamente, ajudando também
dores de teto são ideais em ambientes industriais robustos. a evitar que as lâminas quebrem. O sistema é composto pelos sensores nas
PUB.

77
produtos e tecnologias

lâminas do rotor, uma unidade de medida do cubo (HMU), transmissão de novas capacidades, aplicações e soluções inovadoras que ampliam e melho-
dados opcional via WiFi com o ponto de acesso (APNAC), uma unidade ram o sistema de gestão de edifícios EcoStruxureTM Building (anteriormente
de avaliação e comunicação (ECU), o servidor de backup de dados (DBS), conhecido como solução SmartStruxureTM).
bem como o sistema de visualização na web (WebVIS). O BLADEcontrol® A solução EcoStruxure Building possibilita uma plataforma escalável e segura
é utilizado em sistemas ainda em fase de configuração, assim como em sis- para a IoT, com uma ampla gama de potencial de integração, ao aproveitar os
temas já criados. Pode ser instalado ou adaptado sem dificuldades. múltiplos protocolos e padrões abertos que possui. No entanto, com a ferra-
menta Smart Connector o potencial para as integrações de outros sistemas e
aplicações através do software StruxureWareTM Building Operation, conjugado
com outros sistemas internos e externos, torna-se praticamente ilimitado.
Vulcano impulsiona campanha dos 40 anos e lança nova A ferramenta Smart Connector é um quadro de desenvolvimento que sim-
gama de termoacumuladores elétricos plifica e acelera as integrações com sistemas de terceiros ou outras fontes
Vulcano de dados na plataforma EcoStruxure Building. Fornece aos programadores
Tel.: +351 218 500 300 � Fax: +351 218 500 301 toda a infraestrutura e bibliotecas de software necessárias para o desenvol-
info.vulcano@pt.bosch.com � www.vulcano.pt vimento, teste e implementação eficientes de aplicações de middleware que
/VulcanoPortugal impulsionam o software StruxureWare Building Operation – capacitando-os
a criar funcionalidades novas e diferenciadoras para os seus clientes. Estas
A Vulcano, marca portuguesa de referên- soluções podem ser utilizadas uma vez para aplicações especificas ou reu-
cia em soluções de água quente, lança uma tilizadas várias vezes para aplicações mais comuns. .
nova gama de termoacumuladores elétri- Para além dos programadores, a nova estrutura aberta de aplicações Smart
cos, mais alargada e com novas capacidades, Connector beneficia também: os consumidores finais – através da satisfação
que garante soluções eficazes para as várias de necessidades de maior conhecimento e controlo das suas empresas, ao
necessidades dos utilizadores. mesmo tempo que aumenta a operacionalidade e a eficiência energética atra-
Os termoacumuladores elétricos Vulcano vés da integração a outros sistemas dentro ou fora do edifício, aplicações per-
conferem ao utilizador um elevado grau de sonalizadas e sistemas abertos; os integradores de sistemas – obtêm um meio
conforto, uma vez que proporcionam água eficiente de integração com outros sistemas, de forma a expandir as capacida-
quente sempre que necessário, de forma des do sistema de gestão de edifícios dos consumidores; e expande o potencial
rápida, com pressão e com temperaturas para aumentar as soluções do cliente, ajudando-o a conseguir mais proje-
constantes. Para além destas vantagens, os tos; programadores de Smart Connector – simplificam e aceleram o desen-
novos equipamentos garantem ótimos níveis de poupança energética. volvimento das tecnologias de integração (middleware); partilha e converte
Disponíveis nas gamas PrimeAqua, NaturaAqua, NaturaAqua Compacto, as soluções, com acesso a uma ampla comunidade de outros programadores.
NaturaAqua Horizontal, NaturaAqua Plus e NaturaAqua Grandes Capa- A ferramenta Smart Connector atribui um novo nível de flexibilidade e
cidades, os novos equipamentos, que chegam agora ao mercado, têm abertura ao permitir uma integração rápida, reproduzível e adaptável com
uma capacidade que vai dos 10l aos 300l e destacam-se pelo seu design outros sistemas ou aplicações.
moderno e pela sua versatilidade, uma vez que permitem responder às
diversas exigências de utilização.
Ao longo das últimas quatro décadas, a Vulcano tem sido escolhida para
garantir o conforto em casa dos portugueses. E é por esta confiança demons- F.Fonseca apresenta sistema de entrada de cabos
trada que a marca pretende agradecer, oferecendo na campanha de ani- KDL/C & KDL/D da Murrplastik
versário, “40 anos no coração dos portugueses”, 40 meses de garantia em F.Fonseca, S.A.
esquentadores, termoacumuladores, caldeiras e bombas de calor A.Q.S., ao Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910
longo deste ano de celebração. ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com
Nadi Batalha, coordenadora de Marketing da Vulcano, disse: “Há 40 anos que a /FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda
Vulcano está todos os dias na casa dos portugueses e na sequência desta celebra-
ção e do lançamento dos novos produtos, como a nova gama de termoacumulado- A Murrplastik é especia-
res elétricos, vamos impulsionar a campanha dos 40 meses de garantia, como forma lista em sistemas de pro-
de agradecimento pela confiança demonstrada ao longo de todos estes anos”. teção de cabos, passa
Os termoacumuladores elétricos da Vulcano cumprem inteiramente a nova cabos, identificação e
diretiva energética (ErP-EuP), e permitem melhores níveis de eficiência, ao esteiras/calhas articuladas.
promoverem a inovação e ao contribuírem para um futuro sustentável e O sistema KDL permite a
cada vez mais verde. entrada e passagem de
cablagem já montada.
Os diferentes sistemas de
passa cabos da Murrplastik permitem a introdução de cabos de forma
Schneider Electric apresenta ferramenta Smart Connector rápida, eficiente, segura e com economia de espaço em quadros elétricos.
para plataforma EcoStruxureTM A integração direta das várias partes do sistema com as normas em vigor
Schneider Electric Portugal e a compatibilidade com os quadros elétricos de comando dos fabricantes
Tel.: +351 217 507 100 � Fax: +351 217 507 101 de referência traduz-se na redução do tempo de instalação e consequen-
pt-atendimento-cliente@schneider-electric.com � www.schneider-electric.pt temente na redução de custos.
O sistema de passa cabos KDL vem resolver problemas relacionados com a
A Schneider Electric, especialista global em gestão de energia e automação, passagem de cabos pré-montados em quadros elétricos. Cabos com cone-
apresenta a ferramenta Smart Connector, uma estrutura aberta de aplica- tores maiores também não serão um problema, dadas as diferentes opções
ção configurável e extensível que permite aos programadores a criação de em tamanho e número de cabos de passagem.

78
produtos e tecnologias

O sistema KDL/C e KDL/D da Murrplastik é um sistema particionado, fácil o fornecimento de energia ao sistema em
e rápido de instalar num quadro elétrico de comando ou em caixas de liga- caso de interrupções. O DSM 4.0 permite
ção, com uma caixa de aperto de até 12 cabos e mantendo uma elevada diferentes meios de armazenamento, que
densidade de acondicionamento. podem ser escolhidos com base nos requi-
Uma grande vantagem deste sistema é o elevado índice de proteção, IP65, sitos de aplicações. E tudo isso sem neces-
que pode ser conseguido com o sistema KDL/D. sidade de manutenção. Não importa qual
Juntamente com o sistema de entrada de cabos, os bucins passa cabos a tarefa do Link DC, o DSM 4.0 irá cumpri-
KDT/X podem ser usados para mais facilmente encaminhar toda a cabla- -la rapidamente. Tão rápido que os seres
gem no quadro elétrico de comando. humanos e máquinas nem se apercebe-
riam se o DSM 4.0 não comunicasse com
o controlador da unidade ou o controlo de
nível superior. O módulo de gestão de link
Armazenamento dinâmico de energia – gestão link DC DC DSM 4.0 carrega com a energia de regeneração do sistema e for-
Zeben – Sistemas Electrónicos, Lda. nece-a sempre que necessário ou quando for dada a ordem. Apenas do
Tel.: +351 253 818 850 � Fax: +351 253 818 851 melhor modo para a aplicação ou para a rede elétrica, onde os efeitos
info@zeben.pt � www.zeben.pt indesejáveis das cargas de alta potência podem ser nivelados e evitados.
A sua utilização de forma constante permite a redução de custos. Assim
A Zeben apresenta o DSM 4.0 da Michael Koch GMbH. O DSM 4.0 é o DSM 4.0 suporta as unidades de sistema eletrónico, especialmente em
um módulo de gestão de link DC para variadores de velocidade que ciclos curtos, de uma forma que a vida útil das unidades de controlo é
permite a poupança de energia elétrica, ou aumentar a produtividade drasticamente ampliada e as paragens não planeadas são minimizadas.
da sua máquina ou do sistema. O DSM 4.0, em muitos casos, pode con- Este apoio pode até ter o efeito de acelerar o movimento das partes
duzir a uma aceleração do processo e com isso um aumento da quanti- mecânicas do sistema, caso se estas forem feitas para ciclos mais rápidos. 
dade de peças produzidas por unidade de tempo. O DSM 4.0 interceta Máquinas mais rápidas, quantidades mais elevadas, maior produtividade
quedas de tensão que normalmente causam paragens e/ou perda de e mais lucro! Especialmente quando usado com baterias, o DSM 4.0
dados. Pode reduzir os picos de carga pedidos à rede elétrica e manter mostra a sua força como uma fonte de alimentação ininterrupta para
PUB.

79
produtos e tecnologias

redes DC. Quedas de tensão, bem como as interrupções na corrente, CANopen e Modbus; ligação a bus de campo via gateways (DFx); ligação
planeadas ou não, perdem a sua ameaça. De entre muitas outras apli- a software para backup de dados; aprovado de acordo com os standards
cações o módulo de gestão de link DC para variadores de velocidade, C-Tick, cUL, UL508, C22.2 n.º14.
o DSM4.0 pode ser utilizado na gestão da energia gerada e na redução O conversor de frequência MOVITRAC LTE-B convence pela sua gama de
de cargas de energia. O DSM 4.0 pode também ser utilizado para for- funções bem adaptada para aplicações simples. O desenho compacto e a
necimento de energia em caso de cavas de tensão ou falha de ener- utilização intuitiva tornam a sua integração rápida e simples em numerosas
gia de rede. aplicações quer na variante IP20, para instalação no quadro elétrico, quer
na variante IP66, para instalação no campo.

Plenticore: a nova gama de inversores da KOSTAL


KOSTAL Solar Electric Ibérica, S.L. Nova caldeira ultra compacta Vitocrossal 100
Tel.: +34 961 824 934 � Fax: +34 961 824 831 Viessmann, S.L.
www.kostal-solar-electric.com Tel.: +351 219 830 886
info@viessmann.pt � www.viessmann.pt
O fabricante de inverso-
res e soluções para auto- A Viessmann lançou para o mercado ibé-
consumo da KOSTAL vai rico uma nova caldeira de condensação a
renovar a sua gama de gás de 76 a 318 kW (até 636 kW como ins-
produtos, que estará dis- talação em sequência) com o objetivo de
ponível no início de 2018. oferecer um produto com uma excelente
Como o nome PLEN- relação qualidade/preço. Esta caldeira des-
TICOR E sugere, o taca-se pelas suas dimensões ultracompac-
novo inversor KOS- tas: 750 mm x 1500 mm (largura com toda
TAL oferece inúmeras possibilidades. Para além das suas duas entra- a estrutura x altura já com tampas), ocu-
das MPPT para fotovoltaicos, o inversor PLENTICORE possui também pando menos espaço que uma palete de
uma “entrada combi” na qual é possível conectar um terceiro String ou transporte.
uma bateria para armazenamento. O inversor é compatível com diferen- A  caldeira Vitocrossal 100 pode ser for-
tes sistemas de bateria de alta tensão de lítio, como os de BYD ou KREI- necida completamente montada com queimador, controlador e cabla-
SEL. Além disso, o novo inversor KOSTAL poderá carregar a bateria do gem pronta a ligar, reduzindo assim a quantidade de volumes em obra
lado DC e do lado AC. e, por conseguinte, os tempos de instalação. Devido à elevada capaci-
O inversor PLENTICORE está aprovado para Portugal desde o seu lan- dade de água na caldeira, não é necessário um caudal mínimo, nem a
çamento. instalação de um compensador hidráulico. Evita-se assim a instalação de
bombas de carga, o que reduz substancialmente o consumo elétrico da
instalação.
A caldeira inclui um permutador de calor em aço inoxidável, de design
MOVITRAC® LTE-B+ com índice de proteção IP20 e IP66 totalmente inovador, com queimador cilíndrico de radiação Matrix para
SEW-EURODRIVE Portugal gás natural com sistema Lambda Control. A regulação da combustão
Tel.: +351 231 209 670 adapta-se automaticamente às mudanças do tipo de gás atingindo em
infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt qualquer altura uma combustão ótima com emissões mínimas de CO e
NOx. Gama de modulação do queimador de 1:5. Com um rendimento
Os Conversores de normalizado de 109 % (PCI), a caldeira Vitocrossal 100 cumpre com as
Frequência da série exigências da Diretiva Europeia 813/2013 (ErP), sendo a solução ideal
MOVITRAC LTE-B são para salas de caldeiras com dimensões muito reduzidas.
idealmente adaptados A caldeira Vitocrossal 100 tem as seguintes vantagens: Sequência de duas
para aplicações sim- caldeiras numa única estrutura; modulação de potência até 1:10; dimen-
ples. Foram desenhados sões compactas para a otimização de espaço; fácil instalação em obra;
e desenvolvidos para o máximo aproveitamento da condensação; disponibilidade de acessó-
controlo de velocidade rios para a integração hidráulica; possibilidade de exaustão de gases de
em motores síncronos escape através de uma chaminé comum.
e assíncronos e são usados para levar a cabo tarefas em aplicações de
transporte como pequenos e modulares transportadores de correia,
ventiladores e bombas, de uma forma muito económica.
Caraterísticas do MOVITRAC ® LTE-B+: índice de proteção IP20/Nema 1 Variadores de frequência Invertek Elevator
(quadro elétrico e IP66/NEMA 4x (instalação no campo)); potência nomi- REIMAN – Comércio de Equipamentos Industriais, Lda.
nal de 0,37 a 11,0 kW, em 3 tamanhos; monofásicos de 115V e 230V; trifá- Tel.: +351 229 618 090 � Fax: +351 229 618 001
sicos de 230 V e 400 V; pré-configurados para motores assíncronos SEW comercial@reiman.pt � www.reiman.pt
tipo DRN.. (IE3); controlo de motores síncronos tipo DR..J (IE4) (Tec-
nologia LSPM); controlo vetorial simples para motores assíncronos; con- A Invertek apresenta a segunda geração de variadores de frequência dedica-
sola de operação integrada de simples utilização; controlo PI integrado; dos ao controlo de sistemas de elevação e concebidos para assegurar uma uti-
função de poupança de energia integrada; ruído extra baixo até 32 kHz lização suave e tranquila nos mais variados contextos, com ou sem redutores.
(p. ex. para locais de operação manual); ligação integrada para SBus, As suas dimensões reduzidas simplificam a instalação e dispõem de interfaces

80
produtos e tecnologias

opcionais que asseguram Este modelo inclui cinco S-RAMPs independentes, permitindo ajustar a per-
a sua compatibilidade com formance do movimento e assegurar um transporte suave. Integra também
uma grande variedade de um modo de operação para distâncias curtas (para andares contíguos), que
motores. realça a atenção dedicada ao conforto durante o trajeto, além de um algo-
Os variadores de fre- ritmo de controlo do freio do motor para assegurar um funcionamento
quência da Invertek são seguro e sem sobressaltos.
reconhecidos pela sua Além destes aspetos, a frequência de comutação do sinal é feita a 32kHz,
eficiência no controlo de assegurando uma operação silenciosa do motor.
motores elétricos, asse- Para a adequada integração de produtos Invertek na sua aplicação de esco-
gurando um movimento com o máximo conforto em qualquer situação. lha, contacte a Reiman, representante em Portugal da Invertek drives.
Dispõem de cinco S-RAMPs independentes e de um algoritmo para con-
trolo do freio do elevador que lhe confere uma performance otimizada,
além de uma grande variedade de afinações.
Por outro lado, o variador de frequência Elevator incorpora a funcionali- Siemens Gamesa instala com êxito as turbinas eólicas
dade STO (Safe Torque Off), em consonância com a normativa EN13849/ mais altas da Ásia na Tailândia
EN62061 e uma variedade de valências como o modo de recuperação. Siemens, S.A.
Estes variadores são compatíveis com motores de indução ou de ímanes Tel.: +351 214 178 000 � Fax: +351 214 178 044
permanentes, quer estejamos perante um sistema com redução ou não, www.siemens.pt
para além de possibilitar um controlo vetorial, em anel fechado ou aberto,
dos referidos motores. A Siemens Gamesa estabeleceu um novo recorde na Ásia ao instalar este
Estamos perante um variador de frequência dedicado, com parâmetros lógi- ano as turbinas eólicas mais altas do continente. As turbinas estão equipa-
cos e diversas funcionalidades, fornecido já com uma configuração de fábrica das com torres de 153 metros de altura e, com as pás de 56 metros, alcan-
para contextos mais simples e que, portanto, agiliza a sua entrada em serviço. çam uma altura total de 210 metros.
A programação é feita com o motor em posição parada e dispensa a remo- O projeto – propriedade da empresa de engenharia tailandesa Gunkul e
ção do cabo do elevador. A parametrização é feita sem fios, caso se opte construído pela PowerChina ZhongNan – tem uma capacidade total de
pela utilização do Optistick com o Optitools Studio. 67,5 MW, ou seja, 33 unidades dos modelos G114-2.0 e G114-2.1 MW.
PUB.

81
produtos e tecnologias

A Siemens Gamesa já ins- Áustria: a especialista em tecnologia solar Fronius Solar Energy supriu cerca
talou estas 33 turbinas no de metade dos projetos realizados até agora com seu inversor SnapINver-
parque eólico Sarahnlom, ter. A vasta e diversificada gama de produtos e o conceito de serviço exclu-
na província de Nakhon sivo fazem da Fronius a parceira mais procurada para energias renováveis
Ratchasima, no centro da em toda a América Latina.
Tailândia, enquanto o co- O  programa de financiamento “Techos Solares Públicos”, que foi criado
missionamento está pro- pelo Ministério de Energia chileno, estabeleceu como objetivo fomentar a
gramado para este ano. expansão da energia solar e mostrar à população os benefícios das energias
A empresa será também renováveis de forma acessível. Inúmeros edifícios públicos, como escolas,
responsável pela operação e manutenção da planta nos próximos 10 anos. agências ou hospitais serão, para tanto, equipados com o sistema foto-
“Este marco demonstra o valor de R&D [Pesquisa e Desenvolvimento] da voltaico, que lhes permitirá um abastecimento energético seguro, limpo e
empresa”, disse Álvaro Bilbao, CEO da Siemens Gamesa na Ásia-Pacífico. económico. A primeira etapa do programa de quatro anos, na qual foram
“Estamos a demonstrar mais uma vez a nossa capacidade de responder às implementados sobretudo sistemas fotovoltaicos de até 100 Kilowatts de
necessidades do e a versatilidade das nossas turbinas”, acrescentou. potência, foi concluída recentemente. Até 2019, estão programados proje-
Além da Tailândia, a pegada asiática da Siemens Gamesa inclui o Vietname, tos ainda maiores de até 400 Kilowatts.
Filipinas, Taiwan, Coreia do Sul, Japão, Paquistão, Sri Lanka, China e Índia,
tendo sido instalados mais de 11 000 MW nesses mercados.
Com uma capacidade instalada mundial de 75 GW, a Siemens Gamesa
Renewable Energy tem presença em mais de 90 países e uma equipa de Monitorização visual da proteção contra sobretensões
27 mil funcionários em todo o mundo. A presença da cadeia de valor “end- Phoenix Contact, S.A.
-to-end” engloba o design, fabrico e instalação das turbinas eólicas “onshore” Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769
e “offshore”, bem como soluções e serviços de O&M (Operação e Manu- www.phoenixcontact.pt
tenção). A sede global e o domicílio legal da empresa está localizada em
Zamudio, Espanha. A empresa está listada na bolsa de valores espanhola.
Como expansão dos des-
carregadores de sobre-
tensão estreitos da gama
Novo website dos dispositivos 3D Connexion distribuídos completa TERMITRAB da
pela M&M Engenharia Phoenix Contact, a par-
M&M Engenharia Industrial, Lda. tir da largura de 3.5 mm,
Tel.: +351 229 351 336 � Fax: +351 229 351 338 variantes com largura de
info@mm-engenharia.pt � info@eplan.pt 6 mm com sinalização
www.mm-engenharia.pt � www.eplan.pt mecânica estão agora disponíveis. Um conjunto de sinalização remota, dis-
ponível como opção, tem a capacidade de monitorizar o estado de opera-
O website da M&M Enge- ção de um máximo de 40 descarregadores TERMITRAB.
nharia para os dispositi- Uma barreira fotoeléctrica é utilizada para monitorização. Se um descar-
vos 3D Connexion, www. regador TERMITRAB ficar inoperacional, como resultado de uma sobre-
shop.eplan.pt, já se encon- carga, um dispositivo mecânico integrado nesse descarregador impede a
tra online e apresenta uma passagem de luz, atravessando e interrompendo a barreira fotoeléctrica.
interface moderna e intui- O  estado de falha é sinalizado pelo módulo recetor da luz, através da
tiva que facilita a nave- mudança do estado de um contacto livre de potencial.
gação e a consequente
pesquisa dos produtos.
As encomendas podem ser realizadas online e o cliente deve preencher
um pequeno formulário com os dados para envio dos produtos e, também Calculadora ROI para máquina Perforex da Rittal
assim, poder receber informação precisa sobre o estado das suas compras. Rittal Portugal
Com o novo website, a M&M Engenharia pretende alcançar uma maior Tel.: +351 256 780 210 � Fax: +351 256 780 219
aproximação com os atuais e potenciais clientes dando a conhecer, de uma info@rittal.pt � www.rittal.pt
forma mais abrangente, além das aplicações EPLAN, os dispositivos 3D Con-
nexion que comercializa. Quanto tempo até que
o meu investimento se
pague a si mesmo?
Os centros de maquina-
Fronius fornece inversores para programa ção Perforex da gama Rit-
de financiamento fotovoltaico chileno tal Automation Systems
Fronius España S.L.U. estão adaptados para as
Tel.: +34 916 496 040 � Fax: +34 916 496 044 necessidades do fabri-
pv-sales-spain@fronius.com � www.fronius.es cante de soluções de
automação. Eles são ideais para a produção automática de furos, cortes e ros-
Desde 2015 que o governo chileno apoia a construção de sistemas foto- cas em placas de montagem, armários e painéis laterais. Os sistemas Perforex
voltaicos em edifícios públicos com um programa de financiamento con- são adequados para todos os materiais tipicamente encontrados em auto-
tínuo de quatro anos. Em muitos casos, a tecnologia para isso provém da mação, incluindo aço, alumínio, cobre e plásticos. Além disso, uma ferramenta

82
PUB.
automática de alterações permite múltiplas tarefas numa única ope-
ração, sem a necessidade de intervenção humana. A importação do
layout do projeto elétrico e dos dados de engenharia elétrica atra-
vés do software EPLAN ProPanel melhora ainda mais a produtividade.
A Fill, uma média empresa de engenharia austríaca, adquiriu o sis-
tema Perforex em 2016. Isto permitiu uma redução de dois terços
no tempo necessário para a maquinação de peças planas para os
armários. A integração perfeita de dados tem um papel fundamen-
tal: a engenharia elétrica e as informações de layout do projeto elé-
trico, geradas no software EPLAN Pro Panel são transferidas para o
sistema Perforex para uso imediato na produção. A Fill produz anual-
mente cerca de 2000 envolventes e armários.
Além disso, a Rittal criou uma calculadora online que demonstra
como um sistema Perforex pode fornecer um retorno de investi-
mento rápido e tangível mesmo para baixos volumes de produção
(www.rittal.com/roi-calculator). Os clientes simplesmente inserem a
quantidade típica de fabricação, o ciclo de tempo de fabricação atual
e custo do trabalho por hora, e a ferramenta web calcula o período
de recuperação correspondente para uma variedade de modelos
Perforex.
Além da Perforex e do calculador ROI, a gama Rittal Automation Sys-
tems apresentou, na feira Hannover 2017, novas ferramentas para pro-
cessamento de cobre. Um produto para dobragem e perfuração em
barramentos de cobre é a adição mais recente a uma ampla gama de fer-
ramentas elétricas e manuais para produção de soluções de automação.

Vulcano lança nova gama de Ar Condicionado


Vulcano
Tel.: +351 218 500 300 � Fax: +351 218 500 301
info.vulcano@pt.bosch.com � www.vulcano.pt
/VulcanoPortugal

A Vulcano atuali-
zou a sua gama de
Ar Condicionado,
ainda mais diversi-
ficada e adaptada
às necessidades e
especificidades de
utilização dos con-
sumidores.
A nova aposta Vulcano procura oferecer aparelhos que respondem aos
vários requisitos para gerar uma atmosfera confortável. A gama alar-
gada de unidades de Ar Condicionado Vulcano tem soluções de arre-
fecimento e/ou aquecimento, adapta-se à quantidade de divisões que
se pretende climatizar e às especificidades das mesmas (loja, escritó-
rio, quarto, sala, ou outros), aos diferentes locais de instalação das uni-
dades interiores (teto falso, parede…) e ao clima do local da instalação.
A gama de Ar Condicionado Vulcano cumpre inteiramente a Diretiva
Energética (ErP-EuP), permitindo assim os melhores níveis de eficiência
ao promover a inovação e um futuro sustentável e cada vez mais verde.
Esta aposta da Vulcano procura oferecer aparelhos com caraterísti-
cas e funcionalidades que permitem usufruir de uma temperatura e
humidade confortáveis, de acordo com o desejado.
A gama de Ar Condicionado da Vulcano comporta um conjunto de
benefícios para o utilizador que fazem a diferença no bem-estar do
dia a dia, saúde e poupança energética. A nova gama possui uma clas-
sificação energética A++, sendo por isso extremamente eficiente,
contribuindo para a redução do consumo energético e o impacto
ambiental. Ainda na lógica de poupança, as máquinas estão equipadas
produtos e tecnologias

com a tecnologia Inverter DC e o Gás Refrigerante utilizado é Ecológico O  PV-Stick da Weidmül-


(R410a), não prejudicando a cama de ozono e não sendo também infla- ler é um conetor plug-in
mável ou tóxico. Para a saúde, os aparelhos têm Filtro Silver Ion (Iões de para instalações fotovol-
prata) que contribui para a esterilização do ar, atraindo as bactérias e taicas com o sistema de
microrganismos, combatendo assim 99% das bactérias e um Filtro anti-pó conexão Push in; satisfaz
para reter as partículas e assegurar um ar mais limpo e agradável. Em ter- assim os requisitos do
mos funcionais a gama garante um conforto extra graças à versatilidade cliente para uma mon-
entre frio/calor através de um só equipamento que é capaz de gerir toda tagem simples, rápida e
a instalação, de acordo com os seus cinco modos de funcionamento pré- segura, sem o uso de fer-
-programados e as funções inteligentes presentes no módulo que garan- ramentas grandes e complexas. O inovador sistema de conexão Push in
tem uma autonivelação dos ambientes racionalizando o uso energético. economiza pelo menos 50% do tempo necessário para cablagem de sis-
O funcionamento silencioso e a estética atraente dos equipamentos con- temas solares - sem prejudicar a qualidade. Os conetores de plug-in são
tribuem para um ambiente agradável e confortável. Por último, a gama ofe- conectados de forma segura e confiável em apenas alguns passos: basta
rece ainda como benefício uma fácil e prática instalação e a possibilidade inserir o condutor removido no conetor plug-in, girar a tampa do para-
de controlo remoto. fuso e estará pronto. Um “clique” audível indica uma conexão perfeita e
A gama alargada de unidades de Ar Condicionado Vulcano dispõe de uma segura. A marcação clara na tampa do parafuso fornece um guia preciso
variedade de equipamentos que inclui: Mono-split com unidades 1x1 de para determinar o comprimento de remoção. As secções transversais de
2,6 kW a 10,6 kW, e Multi-split com Unidades Exteriores de 2x1 até 5x1 e arame de 4 mm² ou 6 mm² podem ser anexadas ao PV-Stick em poucos
capacidades que vão desde os 5,3 kW até aos 12,4 kW. segundos, sem a necessidade de fios, contactos ou ferramentas de crim-
pagem. O PV-Stick com o sistema de conexão Push in e a face do cone-
tor “Tipo 4” eliminam a necessidade de contactos de cravar e ferramentas
de cravar, evitando erros de contacto. O design ergonómico e funcional
Novo folheto “Válvulas & Acessórios” do conector plug-in PV permite montagem rápida e fácil, sem problemas,
ALPHA ENGENHARIA - Equipamentos e Soluções Industriais mesmo em condições difíceis.
Tel. +351 220 136 963 � Tlm. +351 933 694 486 Os utilizadores podem conectar cabos PV com um diâmetro de cabo
info@alphaengenharia.pt � www.alphaengenharia.pt de 5,5 a 7,5 mm para o PV-Stick em menos tempo. A conexão inova-
dora do condutor com a tecnologia Push in é responsável pela conexão
A ALPHA ENGENHA- ultra-rápida. Uma vez que o condutor PV foi descarnado, de preferência
RIA publica um novo usando a ferramenta multifuncional multi-stripax® PV da Weidmüller, o
folheto na área de “Vál- PV-Stick é montado em três etapas simples de acordo com o lema: “Plug
vulas & Acessórios” para in, Turn, Power on!” O contacto direto é feito inicialmente com o con-
promover, junto dos téc- dutor no sistema de conexão Push in do conector plug-in. O Multi-Tool
nicos de manutenção e PV combina ainda uma ampla gama de funções numa única ferramenta
projeto, algumas solu- para simplificar a preparação e montagem dos conetores do plug-in PV
ções. Neste folheto, divul- da Weidmüller.
gamos uma seleção de
válvulas de diferentes tipos, como por exemplo: válvulas macho esférico;
válvulas agulha; válvulas de retenção; válvulas borboleta; válvulas pneumá-
ticas; válvulas redutoras de pressão; purgadores; electroválvulas; e válvulas Contadores de energia inteligentes aptos para aplicações
de sede inclinada. de faturação
Desde o primeiro dia, a ALPHA ENGENHARIA aposta na procura das Zeben – Sistemas Electrónicos, Lda.
melhores soluções, passando por uma rigorosa seleção dos equipamentos Tel.: +351 253 818 850 � Fax: +351 253 818 851
e fornecedores; um bom prazo de entrega para uma grande variedade de info@zeben.pt � www.zeben.pt
soluções; e uma assistência técnica que procura definir a escolha mais ade-
quada para a sua aplicação industrial. A nova gama PRO da
O novo folheto “Válvulas & Acessórios” está disponível para download no Inepro é uma gama de
site da empresa. contadores de energia
inteligentes e de alta fia-
bilidade com certificação
MID (apto para aplica-
Conetor de plug-in PV-Stick da Weidmüller, com conexão ções de faturação) e TI´s
Push in internos (transformado-
Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A. res de corrente). Os con-
Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871 tadores de energia PRO combinam de forma excecional a alta classe de
weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt precisão a uma ampla gama de temperatura de operação (-25ºC a 45ºC).
Estão ainda disponíveis várias versões com comunicação Modbus, Mbus e
O novo PV-Stick com conexão Push in para sistemas 1500 DC faz parte do saída a impulsos. Os diferentes modos de comunicação têm mais de 40
amplo espectro Weidmüller de componentes inovadores e confiáveis para variáveis como energia ativa e reativa, energia produzida e consumida assim
instalações fotovoltaicas. O conetor de encaixe está em conformidade com como fator de potência e está preparado para tarifa bi-horária. A gama
o padrão IEC 62582 e aprovado pela TÜV. No entanto, o popular WM4 C, PRO está ainda equipada com um contador de dia reajustável e a energia
com contacto de cravar, também pode ser usado com facilidade em siste- total utilizada pode ser calculada através de 5 modos diferentes.
mas fotovoltaicos de 1500 volts DC. A Inepro é representada em Portugal pela Zeben – Sistemas Electrónicos.

84
produtos e tecnologias

Modicon M580 escolhido pelos Serviços de Saneamento redundantes, em conjunto com plataformas comuns de programação e
e Controlo de Inundações de Vallejo I/O. Estas e outras características proporcionam aos executivos, gesto-
Schneider Electric Portugal res e colaboradores das fábricas, uma maior visibilidade e perceção das
Tel.: +351 217 507 100 � Fax: +351 217 507 101 suas operações industriais para que possam tomar decisões mais rápidas
pt-atendimento-cliente@schneider-electric.com � www.schneider-electric.pt e com melhor desempenho. Está provado que contribui para a melho-
ria da manutenção, gestão e fiabilidade de ativos, bem como para a efi-
A  Schneider Electric, ciência e segurança da força de trabalho, ao mesmo tempo que reduz
especialista global em custos de engenharia, operacionais e de inventário e reduz o tempo de
gestão de energia e au- inatividade não programado.
tomação, foi selecionada Um acesso mais rápido e melhorado a dados operacionais, em tempo
para completar uma real, possibilita a monitorização remota, a manutenção preventiva e
atualização crítica de sis- outras funções, que permitem aos operadores da fábrica identificar e
temas para os Serviços solucionar incidentes antes de ocorrerem e a reduzir as deslocações ao
de Saneamento e Con- local. Este aspeto não só melhora a segurança da fábrica, como também
trolo de Inundações de reduz o tempo de inatividade não programado e o tempo despendido
Vallejo, na Califórnia. Nos termos do acordo, a Schneider Electric im- no local a resolver situações de emergência. A redundância garante que
plementou a sua plataforma de controlador de automação programável as aplicações críticas continuam a funcionar em caso de falhas, reduzindo
(ePAC) Modicon 580 para ajudar os SSCIV a melhorar a qualidade dos ainda mais o tempo de inatividade e deslocações às instalações, enquanto
serviços de controlo de inundações e águas residuais que abastece os ha- a cibersegurança integrada evita e atenua violações maliciosas, prote-
bitantes da região. gendo ainda mais os ativos e investimentos da fábrica, ao mesmo tempo
Uma oferta única para o mercado industrial, o ePAC Modicon M580 que melhora a segurança dos funcionários. Plataformas comuns de pro-
possui uma velocidade e memória de processamento de referência no gramação e I/O permitem uma abordagem consistente e abrangente do
mercado, assim como maior cibersegurança incorporada (incluindo sistema para engenharia, operações e manutenção de projetos, assim
as certificações Aquiles Nível 2 e ISA). Com comunicação baseada como gestão de ativos. Isto ajuda a reduzir o inventário, tempo de ina-
em Ethernet, permite um acesso rápido e sem interrupções a dados tividade e o tempo de lançamento no mercado, ao mesmo tempo que
operacionais de todos os níveis da empresa. Também oferece CPUs aumenta o rendimento.
PUB.

85
bibliografia

Turbomáquinas – Uma Abordagem Moderna

Nesta obra apresentam-se as matérias relevantes para um curso avançado de turbomáquinas, incluindo aspetos
importantes para o projeto e a análise do seu funcionamento. A informação é exposta de forma sistematizada e ana-
liticamente rigorosa, sendo profusamente ilustrada, facilitando assim a assimilação dos aspetos mais complexos. Uti-
liza-se uma abordagem pedagógica atual que permite tornar o conhecimento mais acessível a estudantes do ensino
€20,00 universitário e politécnico, assim como aos profissionais da engenharia na sua atividade diária, nas empresas, para
autoformação, atualização e consulta. O livro compreende sete capítulos. Inclui uma visão histórica, apresenta capítu-
los inteiros dedicados aos ventiladores, bombas, compressores, turbinas a gás centrífugas e axiais, e ainda às turbinas
hidráulicas e análise dimensional. O último capítulo trata do projeto computacional avançado de turbomáquinas. Em
Autor: José C. Páscoa
ISBN: 9789897232411
cada capítulo são apresentados exemplos de exercícios resolvidos.
Editora: Publindústria
Número de Páginas: 294 Índice: As turbomáquinas. Dinâmica de fluidos em turbomáquinas. Turbomáquinas centrifugadas. Análise dimensional. Turbomáquinas axiais.
Edição: 2017
(Obra em Português) Turbinas hidráulicas. Análise e projeto computacional de turbomáquinas.
Venda online em www.engebook.pt

Máquinas elétricas e alguns engenhos (2.ª edição)

Atualmente, as máquinas elétricas desempenham um papel muito importante não só na indústria como no dia-a-dia
da generalidade da população. São muito utilizadas como geradores, para produzir energia elétrica, convertendo ener-
gia mecânica em energia elétrica, e para produzir energia mecânica, como motores, convertendo a energia elétrica em
energia mecânica, e ainda como transformadores, transformando o nível de tensão, importante não só na utilização
€22,00
de energia elétrica como na sua distribuição e transporte.
Praticamente, em todo o mundo, as máquinas elétricas são ensinadas, e muito justificadamente, em muitas escolas e
universidades pelo menos um semestre e, em muitos casos, mais do que um semestre. Este livro destina-se a permi-
tir ser utilizado no apoio destes cursos estando previsto que possa ser utilizado parcialmente ou na sua totalidade.
Autor: André Sá, António Barbosa O livro realiza uma abordagem teórica e prática, numa perspetiva multidisciplinar, com o fim de facilitar a compreen-
ISBN: 9789897232442 são das máquinas elétricas, disciplina aliciante.
Editora: Publindústria
Número de Páginas: 364
Edição: 2017 Índice: Conceitos básicos de circuitos elétricos de potência. Alguns conceitos fundamentais de mecânica. Conceitos fundamentais da conver-
(Obra em Português)
são de energia em eletrotecnia. Máquinas de corrente contínua. Transformador monofásico. Transformador trifásico. Transformadores espe-
Venda online em www.engebook.pt
ciais. Máquinas de indução. Máquinas síncronas.

Eficiência energética – Técnicas de Aproveitamento, Gestão de Recursos e Fundamentos

Com abordagem didática, esta publicação apresenta os principais aspetos de eficiência energética. Aborda a matriz
brasileira, explicando a oferta e o consumo, bem como a contratação, a tarifação e a qualidade da energia. Trata das
principais políticas públicas para o setor. Discorre sobre geração e cogeração de energia elétrica e de calor para diver-
sas aplicações. Explana a geração de energias renováveis, visando à redução do impacto ambiental. Esclarece as certifi-
€22,22 cações ambientais das edificações e da Norma ISO 50001, que legitima os resultados da eficiência energética. Por fim,
regista o planeamento das ações com foco na implantação de programas de eficiência energética. O conteúdo pode
ser aplicado para os cursos técnicos em Eletroeletrónica, Eletromecânica, Eletrotécnica, Sistemas de Energia Renová-
vel, entre outros.
Autor: Benjamim Ferreira de Barros, Reinaldo
Borelli, Ricardo Luis Gedra
ISBN: 9788536514260 Índice: Energia e eficiência energética. Energia elétrica. Vapor. Eficiência no aquecimento de água. Ar comprimido. Cogeração. Geração de
Editora: Érica Saraiva energias renováveis. Certificação ambiental de edificações. Definições gerais sobre a ISSO 50001. Diagnóstico energético. Análise de viabili-
Número de Páginas: 152
Edição: 2015 dade económica.
[Obra em Português (do Brasil)]
Venda online em www.engebook.pt

86
bibliografia

Gestión del Montaje de Parques Eólicos

Esta obra encontra-se estruturada em oito unidades e analisa a tecnologia eólica até à atualidade e introduz ao leitor,
progressivamente, vários conceitos, técnicas e práticas. Inicialmente explora os fenómenos meteorológicos, tais como
a origem do vento, e os sistemas que utilizam para aproveitar este tipo de energia. De seguida analisa e define o que
é um parque eólico, a sua gestão e a forma como transforma energia eólica em energia elétrica, apresentando méto-
€29,68
dos de planeamento estratégico, controle logístico. Apresenta também, entre outras matérias, uma unidade dedicada a
pequenas instalações de energia, devido à importância e ao grande interesse que sua aplicação possui em instalações
isoladas e instalações conectadas à rede para favorecer o autoconsumo e a cogeração. É importante ressaltar que os
dados e conceitos apresentados refletem os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos nos produtos da indústria
Autor: Luís Romero Lozano
ISBN: 9788428395625
eólica, tanto para implantação terrestre como para implementação marítima.
Editora: Paraninfo
Número de Páginas: 352 Índice: Caracterización del funcionamiento de centrales de energía eólica. Planificación del montaje de parques eólicos. Caracterización de
Edição: 2017
(Obra em Espanhol) los procesos de montaje en parques eólicos marinos. Elaboración de planes de aprovisionamiento en parques eólicos. Configuración de ins-
Venda online em www.engebook.pt talaciones de pequeña potencia. Montaje de aerogeneradores. Evaluación de los riesgos de los parques eólicos marinos. Equipos de seguri-
dad y protección personal.

AVAC, Um Manual de Apoio: Fundamentos (Volume 1)

O aquecimento, ventilação e ar condicionado são as três funções que se encontram associadas à palavra AVAC. Esta é
reconhecida como a tecnologia usada pelo homem para criar as condições propícias ao conforto ambiental nos edifí-
cios e meios de transporte. A maquinaria usada em AVAC é integrada em redes próprias de fluidos, de forma a trans-
portar o calor entre meios com condições distintas, garantindo a temperatura, humidade e qualidade do ar interior.
€22,00
Os princípios da termodinâmica, da transmissão do calor e da mecânica dos fluidos são temas fundamentais usados
no dimensionamento das máquinas de AVAC e equipamentos de transporte de fluidos, com interesse aos técnicos
do setor. Os aspetos relacionados com o funcionamento a instalação e a manutenção destas máquinas são também
assuntos fundamentais enquadrados nesta obra. Estruturado em quatro capítulos, este livro engloba os temas mais
Autor: António José da Anunciada Santos relevantes deste setor de aplicação da mecânica e que fazem parte dos conteúdos programáticos dos cursos pro-
ISBN: 9789897232503 fissionais e universitários, e também das exigências regulamentares para a certificação dos TIM. Este livro destina-se
Editora: Publindústria
Número de Páginas: 214 a todos os técnicos do setor, aos estudantes do ensino profissional e superior no apoio das disciplinas relacionadas
Edição: 2017 com esta área.
(Obra em Português)
Venda online em www.engebook.pt
Índice: Fundamentos do ar condicionado. Cargas térmicas. Máquinas e equipamentos de AVAC. Equipamentos de transporte.

Energía fotovoltaica: De la luz solar a la electricidad usando células solares

O aquecimento global e outras pressões ambientais estão a transformar a energia solar numa alternativa atrativa ao
longo do mundo. Neste livro, Martin Green apresenta uma visão geral sobre o atual estado da tecnologia solar, os
desafios que os investigadores irão enfrentar e as perspetivas para um desenvolvimento maior.
É traçada a história do desenvolvimento do fotovoltaico, estrutura as principais necessidades de investigação e mos-
€9,17 tra como a energia solar está a ser explorada em vários casos de inovação. Apresenta também como a energia solar
poderá ser utilizada em ambientes domésticos, escritórios e fábricas, e como atingir o seu pleno potencial no futuro.
Aborda também a importância da tecnologia solar no aumento da qualidade de vida nos países de Terceiro Mundo.

Autor: Martin Green


Índice: Introducción – Física cuántica, semiconductores y células solares – Historia de la fotovoltaica – Evolución tecnológica: grueso y delgado
ISBN: 9788420009797
Editora: Publindústria – ¿Cómo se usan las células solares? – La energía fotovoltaica en la casa particular – La fotovoltaica arquitectónica – Energía para los países
Número de Páginas: 100 en vías de desarrollo – Energía para el futuro – Glosario – Contactos útiles.
Edição: 2002
(Obra em Espanhol)
Venda online em www.engebook.pt

W W W. E N G E B O O K . C O M

A SUA LIVRARIA TÉCNICA!


links

PV Europe
O PV Europe disponibiliza notícias, produtos, vídeos e catálogos relacionados
com o setor fotovoltaico na Europa.

www.pveurope.eu

Renewable Energy World


RenewableEnergyWorld.com é um dos principais editores mundiais de notícias
e informações de energia renovável sobre energia solar, energia eólica, energia
hidroelétrica, energia geotérmica, bioenergia e outras. Poderá encontrar notícias
sobre energia renovável, artigos detalhados, pesquisas, vídeos de alta qualidade,
empresas, produtos, conferências e muito mais.

www.renewableenergyworld.com/index.html

Renewable Energy Hub


O Renewable Energy Hub apresenta artigos recentes, eventos e notícias
relacionadas com a indústria de energia renovável. O Renewable Energy Hub
é uma organização do Reino Unido que vende e promove equipamentos
e serviços de energia renovável.

www.renewableenergyhub.co.uk

EnergizAIR indicadores para as médias do segundo (A) e terceiro (B) trimestres de 2017

SOLAR SOLAR EÓLICA


FOTOVOLTAICO TÉRMICO
Portugal Continental Para mais informações
Lisboa: 154% (A) Lisboa: 99% (A) 2 762 333 habitações (A) sobre cada um dos indicadores
Lisboa: 185% (B) Lisboa: 100% (B) 2 690 333 habitações (B) http://energizair.apren.pt

88