Anda di halaman 1dari 4

A SOCIEDADE E SUA CLASSIFICAÇÃO1

BARBOSA, T. B.2

O individuo está localizado na SOCIEDADE.


O Homem na sociedade atual necessita de alguns bons exemplos, e
“boas” maneiras.
Na sociedade em que vivemos, temos infelizmente a separação, de
classes, essas classes seriam como um modo de localização do individuo na
tal sociedade. Essa localização também interfere no modo de vida da pessoa. A
divisão entre classes econômicas, classes mais altas e mais baixas. O que
atualmente ocorre, seria o enquadramento dessas pessoas, e como a classe
socioeconômica mais baixa titula os indivíduos classificados como se classe
mais alta é chamada de “eles”, “outros”. Pelo fato de “eles” criarem e ditarem
as regras, “eles” ditam o que é certo e o que é errado.
“Eu” e “sociedade” somos o verso e o reverso da mesma medalha esta
concepção e observada na infância, identidade não é uma coisa pré-existente;
é atribuída em atos de reconhecimentos social.
A pessoa age em sociedade dentro de sistemas cuidadosamente
definidos de poder e prestígio. É o “sistema”, o mapa traçado por estranhos,
sobre o qual se tem de continuar a rastejar. Mais isto seria uma maneira
unilateral de se considerar “o sistema”, se pressupõe que este conceito perde
seu significado quando uma pessoa passa para as camadas superiores da
sociedade.
É um sistema que, contra a vontade da pessoa, lhe cobrara
imposto, a convocará para as forças armadas, a fará obedecer às
suas inúmeras leis e a último recurso a matará. (PETER BERGER,
1995, P. 86)

A sociedade define como tudo começa, decorre e acaba. A descoberta


do mundo e das coisas que nele existem, cada passo do ser humano.
Embora um indivíduo médio encontre expectativas muito diferentes em
diversas áreas da vida, as situações que produzem essas expectativas
enquadram-se em certos grupos. Um papel, portanto pode ser definido como
1
Trabalho apresentado na disciplina de Antropologia, do curso de Psicologia, do núcleo de Porto União,
da Universidade do Contestado, em agosto de 2009.
2
Acadêmica da 2ª fase do curso de Psicologia do Núcleo de Porto União, da Universidade do Contestado.
uma resposta tipificada a uma expectativa tipificada. A sociedade pré-definiu a
tipologia fundamental. A sociedade proporciona o script para todos os
personagens.
O objetivo principal de cada um, na vida, é conseguir sucesso. Nada se
torna possível ou impossível, basta conseguirmos obter uma personalidade
agradável. Ex: quero um empréstimo do banco: não posso ir lá de calção e
camiseta (não é essa a personalidade que o gerente espera de alguém
responsável e vá conseguir pagar o empréstimo). Na verdade, nada mais é do
que dizer o que as pessoas querem ouvir. Sociedade nada mais é do que o
acumulo de tudo que o homem conseguiu adquirir ate o momento, ela pode ser
física e mental. A sociedade tende a juntar os semelhantes. (cada um no seu
circulo de "amizades")
Como por exemplo, militares com militares, professores com professores
e assim por diante, não escolhemos nossas amizades, e sim nosso
necessidade de dividir com alguém o pensamos e sentimos, mas não posso
chegar pra uma pessoa que não entende nada de remédios e querer conversar
sobre o assunto, então eu possivelmente vou ter mais afinidade com quem
saiba do assunto.
A sociedade também nos julga como normais, anormais, educados e mal
educados, mas o que seria esse normal? No livro “O Muro” de Jean Paul
Sartre, encontramos essa história um casal que era composto por Eve 3 e seu
esposo Pierre4, cujo qual, era doente, ou seja, tinha doença mental, então não
era caracterizado pela sociedade como normal e sim como anormal. Como por
amor, pena, ou ate mesmo loucura da parte de Eve pelo Pierre era grande, ela
vivia com ele, e o proibia de ser internado. Mas, ela sabia muito bem dessa
tarja que a sociedade colocara nele, e em alguns momentos ela mesma tem
esse medo de ter esse mesmo problema. Ela mesma pensa ser louca, mas par
um medo, ela logo retira isso de sua mente, como podemos ver no seguinte
trecho; “Há momentos em que enlouqueço. Mas não. - Pensou amargamente.
– Não posso ficar doida. Fico nervosa, isso sim”. (SARTRE, JEAN PAUL, p. 59)
É fato bem conhecido de todos q depois de viverem juntos alguns anos,
um homem e uma mulher se tornam indispensáveis um ao outro, mesmo
3
Personagem do livro O Muro de Jean Paul Sartre. Esposa de Pierre
4
Personagem do livro O Muro de Jean Paul Sartre. Marido de Eve, e possivelmente doente, como
problemas mentais.
quando não existe entre os dois o estado de espírito chamado amor. Levam até
mesmo os dois a adquirirem uma expressão semelhante de feições e a se
parecerem em muitas outras coisas. Um profissional competente da área
psicológica, que penetre num grupo de estranhos onde se encontrem casais,
sendo apresentado a um dos homens presentes, pode facilmente apontar a
esposa dele. A expressão dos olhos, as linhas do rosto, o tom de voz, tudo vai
ser semelhante, enfim a sociedade de hoje não busca nada mais nada menos
do q a semelhança uns com os outros.
Podemos ver isso no livro O Muro de Jean Paul Sartre, no caso de Eve e
Pierre, que ele mesmo não estando “adepto” a sociedade atual, ela não o
deixou na ‘mão’. Continuou com ele mesmo sabendo a necessidade e o dever
que tinha em viver o outro lado da vida, como ela descreve em um trecho como
o outro lado do muro:
“- Tenho necessidade de viver do outro lado do muro, lá, porém, não me
querem.” (SARTRE, JEAN PAUL, O Muro, p. 54)
O homem de hoje precisa da praticidade e da "malicia" de saber de
vários assuntos e de se enquadrar em diferentes situações durante o dia-a-dia,
pois caso contrário corre o risco de não ser bem sucedido no q estiver fazendo,
isso implica em família, trabalho, lazer, enfim tudo que ele possa querer a vir
fazer.
Como cita Peter Berger (1995, p. 113) “Somos aquilo que os outros
crêem que sejamos.”
Com essa ‘classificação’ do homem, a vida e seu modo de viver se
limitam, a própria sociedade limita isso. Fazendo muitas vezes com que o
individuo não possa perpetrar o que ele quer, porque esta ‘definido’
socialmente.
Como por exemplo, pela visão econômica e quem sabe ate cultural, a
classe alta julga que alguém da classe baixa, não pode ter uma profissão
renomada, como advogado ou médico. Porque suas condições financeiras não
lhe permitem. A sociedade restringe isso.
É essa sociedade, esse padrão, que faz com que a pessoa se torne
realmente uma máscara.
Cada ambiente de classe forma a personalidade de seus membros,
através de inúmeras influências, que começam ao nascimento e se
estende até a formatura do curso secundário ou ao reformatório
conforme o caso (BERGER, PETER; 1995 p. 95).

Como no livro de Edgar Allan Poe, “O Homem na Multidão”, onde


podemos ver que somos apenas mais um no meio de milhões de pessoas, que
a sociedade no momento em que andamos também nos julga, que somos a
todo o momento classificados.
O homem de hoje precisa de uma idéia simplificada da sociedade, não é
mais como antes, q tinham como base a filosofia d antigos pensadores. Hoje
em dia é preciso muito mais de pratica do q da teoria, de nada adianta a
pessoa ser teoricamente correta e não saber como usá-la, as pessoas buscam
basicamente o q lhe convém, seja em qualquer aspecto, pessoal ou não,
dentro ou fora de cada situação, compramos hoje em dia a imagem e não o
produto, desde quem a venda tenha uma personalidade agradável.