Anda di halaman 1dari 61

COMPÊNDIO

DE
GRAMÁTICA
LATINA

Preparado por
WALTER EDUARDO LISBOA

Para uso dos estudantes


Sumário

Introdução I-V

A expressão e os modos de sua análise


Elementos essenciais de análise sintática
1. Sujeito
2. Predicado
3. Complementos

Elementos fonológicos do Latim


Alfabeto latino 1
Pronúncia 1
Quantidade e acentuação 2

Morfologia latina
Observações gerais 3
O substantivo
As declinações 4
Primeira declinação 5
Segunda declinação 6
Terceira declinação 6
Quarta declinação 8
Quinta declinação 8
O adjetivo
Características gerais 9
Adjetivos da primeira classe 9
Adjetivos da segunda classe 9
Grau dos adjetivos 11
O grau comparativo 11
O grau superlativo 12
Observações gerais sobre comparativos e superlativos 13
O pronome
Características gerais 14
Pronomes pessoais e reflexivos 14
Observações sobre os pronomes pessoais 14
Observações sobre os pronomes reflexivos 15
Pronomes possessivos 15
Pronomes demonstrativos 16
Pronomes relativos 19
Pronomes interrogativos 20
Pronomes indefinidos 21
Pronomes interrogativo-indefinidos compostos 21
Pronomes correlativos 22
Os numerais
Características gerais 23
Cardinais, ordinais, distributivos e advérbios numerais 23
O verbo
O verbo português 27
Conjugação do verbo latino 28
Acidentes do verbo latino
Voz 30
Modos 31
Tempos 32
Número e Pessoa 33
Paradigmas dos verbos regulares 34
O verbo SUM 38
Os verbos irregulares 39
O advérbio
O advérbio português 44
O advérbio latino 44
A preposição
A preposição portuguesa 46
A preposição latina 46
A conjunção 48
A interjeição 50

Índice remissivo 51
INTRODUÇÃO - i

A EXPRESSÃO E OS MODOS DE SUA ANÁLISE

1. Quando falamos ou escrevemos, expressamos pensamentos diversos que têm, cada um, um sentido
completo e que chamamos orações.
Podem ser pensamentos simples, expressados em poucas palavras em uma só oração.
Por exemplo:
Nós escrevemos.
A moça cantava uma canção.
O vento agita a copa das árvores.

Às vezes nosso discurso é mais complexo: queremos exprimir um pensamento mais completo e articulado,
pelo qual uma só oração seria insuficiente. Nesse caso usamos um conjunto de mais orações (chamado
período ), ordenadas e ligadas entre elas logicamente, a fim de expressar um sentido completo e coerente.
Seguindo o exemplo anterior:
Nós escrevemos / para informar-vos de nossa iminente chegada.
A moça cantava uma canção / da qual não lembro o motivo.
O vento agita a copa das árvores / enquanto as sombras desciam dos montes.

Quando um pensamento vem expressado numa só oração (os três primeiros exemplos) temos um período
simples; quando, pelo contrário, a uma oração principal (aquela que expressa o pensamento mais
importante, o dado que queremos ressaltar) seguem uma ou mais orações acessórias ou secundárias, que
completam ou precisam o sentido da primeira, temos um período composto.

2. Se quisermos analisar aquilo que expressamos com palavras, podemos fazê-lo em diversos níveis,
segundo as exigências e dos fins que perseguimos:

a) um primeiro tipo de análise consiste em reconhecer os sons que compõem uma palavra. segundo
sua classificação e pronúncia (vogais, consoantes, ditongos ...). Esta é tarefa da fonética;

b) um segundo tipo de análise consiste em individuar e definir a natureza de cada palavra que
compõe a oração ou o período (se a palavra é artigo, nome, verbo, adjetivo, pronome, advérbio,
preposição, conjunção ou interjeição ), e definir sua forma, sem preocupar-nos do sentido geral da
oração ou período. Por exemplo: o = artigo definido masculino singular; meu = adjetivo possessivo
masculino singular; cachorro = nome masculino singular concreto; late = verbo, 3a. pessoa singular,
presente indicativo, intransitivo de forma ativa; etc. ... Esta é tarefa da morfologia;

c) se queremos individuar e definir as funções das palavras e das orações no período, as relações de
dependência das palavras na oração, devemos recorrer à análise lógica. Esta é tarefa da sintaxe.

Fonética, morfologia e sintaxe são também as três partes em que se articula a gramática da língua
latina. As diferenças com a língua portuguesa —que deriva da latina— se referem, sobretudo, à
morfologia do nome (substantivo, adjetivo e pronome).

ELEMENTOS ESSENCIAIS DE ANÁLISE SINTÁTICA

Antes de expor a morfologia latina, parece oportuno oferecer um quadro —o mais possivelmente
claro— das mais importantes funções lógicas do discurso, para consolidar (ou fornecer) as fundamentais
estruturas lógico-sintáticas da língua portuguesa.

1. SUJEITO
O sujeito de uma oração é o elemento que cumpre ou padece a ação expressada pelo verbo.

O rio desemboca no mar.


Nós fomos abandonados pelos amigos.
Isto não me agrada.
Sobre os campos se pousa a névoa.
ii - INTRODUÇÃO

Como se vê destes exemplos, o sujeito pode ser um substantivo ou um pronome; sua posição pode variar e
não se coloca necessariamente no início da frase.
Às vezes, quando o sujeito é um pronome pessoal, este pode não aparecer explicitamente, então se fala de
sujeito oculto (ou elíptico), e se reconhece facilmente pela pessoa, singular ou plural, do verbo:

Viajarei amanhã. (sujeito oculto eu )


Superaram a dificuldade. (suj. oculto eles )

Outras vezes o sujeito é um adjetivo substantivado (isto é, usado em lugar do substantivo), ou também um
verbo no infinitivo (infinitivo substantivado):

O audaz (= o homem audaz) é ajudado muitas vezes pela sorte.


O belo (= uma coisa bela) gosta a todos .
Trabalhar (= o trabalho) cansa.

2. PREDICADO
O predicado é aquilo que se diz, se ‘predica’ do sujeito. Pode ser:

A. Nominal – Seu núcleo significativo é um nome (substantivo, adjetivo ou pronome), ligado ao


sujeito por uma verbo de ligação (ser, estar, parecer, etc.):

As moças eram encantadoras


sujeito verbo de ligação predicativo do sujeito
—————————————————————
predicado nominal

A terra é um planeta. Minha mãe ficou feliz.


A ilha está deserta. Os atletas pareciam cansados.
O espião é aquele. O tempo continua chuvoso.

O núcleo do predicado nominal chama-se predicativo do sujeito, porque atribui ao sujeito uma
qualidade ou característica.

B. Verbal – Seu núcleo é um verbo, seguido ou não de complemento ou termos acessórios. Pode
apresentar uma das seguintes estruturas básicas:

a) sujeito predicado verbal


Os pessegueiros floresceram

verbo intransitivo

Verbo intransitivo é o que tem o sentido completo, não precisa de complemento para
formar o predicado.

b) sujeito predicado verbal


A família chamou o médico

v. transitivo direto objeto direto

Verbo transitivo direto é o que não tem significação completa, precisa de um comple-
mento para inteirar a informação. Esse complemento se denomina objeto direto.
INTRODUÇÃO - iii

c) sujeito predicado verbal


Os jovens gostam de aventuras

v. transitivo indireto objeto indireto

Verbo transitivo indireto é o que pede um complemento regido de preposição. Esse


complemento se denomina objeto indireto.

d) sujeito predicado verbal


O pintor ofereceu o quadro a um amigo
v. trans. direto
e indireto objeto direto objeto indireto

Verbo transitivo direto e indireto é o que se constrói com dois complementos


(objeto direto + objeto indireto).

3. COMPLEMENTOS
Todo elemento secundário que complete o sentido de uma oração, integrando a função lógica do
Sujeito ou Predicado, é chamado complemento. Os mais importantes são:

• Objeto direto – É o elemento da oração interessado diretamente da ação, cumprida pelo sujeito,
e expressada com um verbo transitivo de forma ativa.

O objeto direto pode ser constituído por um substantivo ou expressão substantivada:


O lavrador cultiva a terra. Unimos o útil ao agradável.
Houve grandes festejos. Ela já não sentia dor nem cansaço.

ou pelos pronomes oblíquos o, a, os, as, me, te, se, nos, vos
Silvia olhou-se ao espelho. Procuram-na em toda parte.

ou por qualquer pronome substantivo:


Não vi ninguém na loja. A árvore que plantei floresceu.

Como se vê nos exemplos, o objeto direto pode ser individuado quando, depois de ter analisado o
predicado verbal (transitivo ativo) e o sujeito que cumpre a ação, se coloca a pergunta: quem? que
coisa?
As plantas purificam o ar.
As plantas (sujeito) purificam (verbo transitivo ativo): que coisa? = o ar.

Ninguém me visitou.
Ninguém (sujeito) visitou (verbo transitivo ativo) quem? = me (pronome oblíquo de ‘eu’)

• Objeto indireto – É o complemento verbal que representa, ordinariamente, o ser a que se


destina ou se refere a ação verbal. Vem regido por preposição necessária, e completa o significado dos
verbos transitivos indiretos e transitivos diretos e indiretos na forma ativa.

É representado pelos substantivos ou expressões substantivadas:

Anseio pela tua volta. Ceda o lugar aos mais velhos.


Absteve-se de vinho. Deparei com um estranho.
A árvore foi sacrificada à tirania do progresso.
iv - INTRODUÇÃO

ou pelos pronomes objetivos indiretos (átonos): me, te, se, lhe, nos, vos, lhes , onde a preposição está
implícita:
Obedece-me. = Obedece a mim. Isto te pertence. = Isto pertence a ti.
Rogo-lhe que fique. = Rogo a você ...

Como se vê, na oração cumpre sua função lógica respondendo às perguntas: a quem? a que coisa?
As preposições que o ligam ao verbo são: a, com, contra, de, em, para e por.

Observações
•Existem verbos que podem construir-se com dois objetos indiretos:
Rogue a Deus por nós. Ela queixou-se de mim ao pai.

• O objeto indireto pode acompanhar também verbos intransitivos ou de ligação:


Tudo eram alegrias para mim. Isto não lhe convém.

• Adjunto adnominal – É o elemento que determina com mais precisão o significado de um


substantivo no interior da oração (tanto no Sujeito como no Predicado). Os matizes de sentido mais
recorrentes são:
valor de posse, de pertença, de uma coisa:
O livro do mestre. As mãos dele. A casa de meus pais.

fim pelo qual se realiza uma ação, ou especialidade de alguma coisa


Casa de ensino. Aulas de inglês.

partitivo, indicando o tudo do qual se toma só uma parte


Ninguém dos presentes (= entre os presentes) Grande parte dos alunos.

Como se observa, o adjunto adnominal responde na sua função lógica à pergunta: de quem? de que
coisa?

• Adjunto adverbial – É o termo que exprime uma circunstância, modificando o sentido de um


verbo, adjetivo ou advérbio. Se expressa pelos advérbios e pelas locuções adverbiais. Sua
classificação depende da circunstância que exprimem:

• meio (ou instrumento): indica a coisa (meio inanimado) ou a pessoa (meio animado)
mediante a qual se cumpre a ação. Na oração, sua função lógica responde à pergunta: com que
coisa? por meio de quem? por meio de que coisa?
Viemos a pé até aqui. Mato com a espada.
Enviarei uma carta por meio de um empregado.

• modo: indica como se realiza a ação expressada pelo verbo. Para evitar confundi-lo com o
anterior, pode ser substituído por um advérbio de significado equivalente. Na oração, sua
função lógica responde à pergunta: como? em que modo?
O governo se opôs com firmeza (= firmemente)
Ouviu a sentença condenatória com a cabeça baixa e em silêncio.

• causa: indica a razão, a causa pela qual um ação se realiza. Responde, por função lógica, à
pergunta: porque? por qual motivo? a causa de que?
Calei a boca por amor da paz. Exultamos pela vitória.
Não chegaram por causa da neve. Lhe tremia a voz pela emoção.

• tempo: precisa em qual momento acontece uma ação (tempo determinado), ou indica quanto
dura uma ação no tempo (tempo continuado). No primeiro caso, responde à pergunta: quando?
em que tempo?, e no segundo, à pergunta: por quanto tempo?
Em outono as chuvas engrossam os rios. Os navios partiram no amanhecer.
Eles lutaram contra as chamas durante toda a noite.
INTRODUÇÃO - v

• lugar: com relação a verbos que indicam estado (estar, habitar, viver, encontrar-se ...) indica
o lugar onde se desenvolve a ação, respondendo à pergunta: onde? em que lugar?
Nas regiões polares as noites são compridas.
Attico, o amigo de Cicerone, viveu muitos anos em Atenas.

Com relação a verbos que indicam movimento (andar, vir, chegar ...) o complemento precisa
o lugar para o qual, desde o qual ou através o qual acontece a ação dinâmica do verbo.
Virei a vossa casa.
O trem partiu de São Paulo.
Cheguei na cidade passando pelo bosque.

• assunto: indica o argumento, a matéria, o tema sobre o que se discute, do qual se fala, se
escreve, se tem uma opinião. Por isto, vem regido por verbos como saber, falar, escrever,
discutir e semelhantes, ou por substantivos como livro, obra, tratado, discussão e afins.
Cicerone escreveu um livro sobre a amizade.
Quero participar ao debate de ciências naturais (= sobre as ciências naturais)

• qualidade: indica uma característica peculiar, moral ou física, do modo de ser do Sujeito, do
nome do Predicado ou de um Complemento.
Um homem de grande valor.
Uma mulher de olhos verdes.

• companhia ou união: indica, respectivamente, a pessoa ou a coisa com que, em companhia


da qual, em união com a qual se cumpre uma ação.
Discutirei contigo (companhia) sobre o assunto.
Eu vim com uma só bagagem (união)

• Vocativo – É o termo (nome, título, apelido) usado para chamar ou interpelar a pessoa, animal ou
a coisa personificada a que nos dirigimos. Por isto, sempre se refere à 2ª pessoa do discurso, e
propriamente é um termo à parte, quer dizer, não se anexa nem ao Sujeito nem ao Predicado.
Dependendo da frase, pode ter valor exortativo ou indicar um sentimento (indignação, compaixão,
surpresa, etc.).

Ó Senhor, tem piedade de nós! Vocês por aqui, meninos?


Esconde-te, ó sol de maio, ó alegria do mundo!

• Agente da passiva – É o complemento de um verbo na voz passiva. Indica a pessoa (agente)


ou a coisa (agente inanimado = causa eficiente) que pratica a ação expressa pelo verbo passivo.
Responde, na sua função lógica, à pergunta: por quem? por que coisa? Daí o fato que vem regido
comumente da preposição por, e menos frequentemente da preposição de.

Alfredo é estimado pelos colegas. A cidade estava cercada pelo exército.


Era conhecida de todo mundo a fama de suas riquezas.
A carta foi cuidadosamente corrigida por mim.
Fonética / 1

ELEMENTOS FONOLÓGICOS
DO LATIM

1 ALFABETO LATINO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Y Z
a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v x y z

No século I a.C., época de César e Cicerone, as letras do alfabeto latino eram 21. Posteriormente
foram introduzidas a y e a z (provenientes do grego).
Os latinos não tinham o ‘v’ (nem o sinal, nem a pronúncia), nem o ‘j’, introduzidos na época
renascentista, pelo humanista Pierre de la Rameé (séc. XVI), para indicar respectivamente as semivogais
‘u’ e ‘i’.

2 PRONÚNCIA
Com relação à pronúncia, essa sofreu profundas mudanças seja no tempo (através dos séculos) seja
no espaço e segundo os diferentes grupos étnicos. Muitos fatores históricos ajudaram a modificar a
pronúncia originária, num arco de tempo que vai do século III até o século X-XI. Já na idade clássica
tinham influído sobre a pronúncia os usos das línguas pré-latinas dos povos conquistados por Roma,
diversos nas várias regiões do Império.
Na impossibilidade de traçar a história das mudanças, nos limitamos a indicar a pronúncia
denominada ‘moderna’, só dos fonemas diferentes ao português, no seguinte esquema.

Descrição Exemplo

ce certus = tchertus
} soam ‘tche’, ‘tchi’
ci circum = tchircum

ae æ æternus = eternus
} ditongos, sempre se pronunciam ‘e’
oe œ cœlum = tchelum

gn soa ‘nh’ agnus = anhus

ph Na origem representavam as consontes aspiradas das palavras


ch gregas. philosophia = filosofia
th Depois foram introduzidas nas palavras latinas pulcher = pulker
rh Se pronunciam como nossas consoantes: ‘f, k, t, r’

qu este grupo sempre se pronuncia ‘ku’ qui, quæ = kui, kue

sc tem o som da ‘ch’ portuguesa scena = chena

Este grupo tem o som de ‘ti’ nos seguintes casos:


ti a) quando está acentuado ……………………………………… totíus, petíerat
b) quando entre a t e i encontramos uma ‘h’ ……………… Pithias
c) quando o precede uma t, s, x ……………………………… Mettius, hostia, mixtio
d) nas palavras derivadas do grego ………………………… Miltiades, Beotia

Mas, quando no corpo de uma palavra está seguido por uma lætitia = leticia
vogal, o som é ‘ci’ patientia = paciencia

maximus = máksimus
x tem sempre o som de ‘ks’
rex = reks

y Vogal importada para transcrever os nomes gregos. Prevaleceu


o som de i.
/ Fonética

Todas as consoantes devem ser bem pronunciadas (no início e final de palavra; sobretudo as
dobradas) para evitar confusões de sentido (vannus = tipo de cesta, e vanus = vazio, inútil).

3 QUANTIDADE E ACENTUAÇÃO
Todos os fonemas (vogais e consoantes) como entidades físicas, têm uma duração no tempo. Se define
a ‘quantidade’ como o tempo que se tarda em pronunciar uma vogal ou uma sílaba que tem uma vogal. Daí
que em latim se distinguiam dois tipos de sílabas, segundo a sua duração: longa e breve.
O acento, então, numa palavra latina dependerá da quantidade das sílabas, quer dizer, da duração
que se emprega para emiti-la.
Em geral, as gramáticas e dicionários indicam se uma sílaba é breve com o sinal [ŏ], e com o sinal [ō]
se aquela é longa, colocados sempre sobre a vogal da sílaba. Aqui se usará, quando seja necessário, o sinal
gráfico [ó] .

Muitas eram as normas que regiam o acento no latim clássico (que com o passar do tempo foram
desaparecendo), e que se podem sintetizar do seguinte modo:
• o acento não pode ultrapassar nunca a antepenúltima sílaba,
• o acento cai na antepenúltima sílaba se a penúltima fosse breve (ex.: fúgere, dícere, similitúdine),
• o acento cai na penúltima sílaba quando essa é longa (ex.: timére, laudávi ), ou quando a última
sílaba é enclítica (ex.: populúsque = pópulus + encl. que), ou quando a palavra tem duas sílabas (ex.:
hómo, vélox ),
• o acento cai na última sílaba somente se a palavra latina representa o resultado de um apócope (=
supressão do último fonema.Ex.: addúc [de adduce ], satín [de satisne ])

Notas:
• Uma vogal seguida de outra vogal, se abrevia (poeta)
• Uma vogal seguida por duas consoantes tem sua sílaba alongada (ancilla, puella)
• Os ditongos æ, œ, au, são longos (sæpe, Cæsar, nauta)
O substantivo / 3

MORFOLOGIA
LATINA

4 OBSERVAÇÕES GERAIS

1) Na língua latina se distinguem 8 classes ou categorias primárias gramaticais, chamadas comumente


“partes do discurso” (partes orationis):

SUBSTANTIVO ADJETIVO PRONOME VERBO

ADVÉRBIO PREPOSIÇÃO CONJUNÇÃO INTERJEIÇÃO

Com relação à língua portuguesa, o latim não conhece o artigo (o, a, um, uma) nem a preposição com
artigo (do, da, à, ao), que devem ser completados na tradução.

2) As quatro primeiras categorias são consideradas “variáveis”, porque sofrem mudanças formais.
Para entender melhor o sistema de tais mudanças, devemos saber que o nome latino compreende
essencialmente duas partes:

TEMA + DESINÊNCIA

Elemento invariável que caracteriza o Elemento que, variando, expressa


que é comum a todas as palavras da exatamente a função gramatical da
mesma família palavra na frase

Como se verá, a desinência se constitui no fator mais importante na análise de uma frase, porque
marca:
no NOME (= substantivo, adjetivo e pronome): o CASO e o NÚMERO (às vezes também o GÊNERO); e
no VERBO: as categorias de VOZ, TEMPO, NÚMERO e PESSOA, GÊNERO e CASO.

5 O SUBSTANTIVO

As categorias morfológicas dos substantivos, adjetivos e pronomes são principalmente:

a) GÊNERO
A língua latina conhece três gêneros: masculino (m ), feminino (f ) e neutro (n ).
Em geral os substantivos masculinos e femininos latinos mantiveram seu gênero passando para a
língua portuguesa. A grande diferença se evidencia no gênero latino neutro (lat. neuter = nem um nem
outro), quer dizer, o gênero que não é nem masculino nem feminino. De fato, o latim considera tal os nomes
de coisas (ex.: ouro, prata, vinho, palavra, guerra ...). Com rigor de lógica, não apresentam qualidades ou
atributos que lhes permitam pertencer a um ou outro gênero, mas a língua portuguesa absorveu esses
nomes, devido a sua terminação em -o/-a, entre os masculinos e femininos.

b) NÚMERO
Como o português, o latim tem dois números: singular e plural.
Existem substantivos que se usam só no plural e se chamam por isso pluralia tantum (= somente
plurais), fenômeno que aparece também em nossa língua para alguns nomes (ex.: núpcias, óculos).

c) CASO
O substantivo latino apresenta as duas partes já mencionadas:
• tema (ou raiz), que é invariável
• desinência, quer dizer, a parte variável com que termina o nome.
4 / O substantivo

Assim, por exemplo, o substantivo latino que indica a pera pode apresentar-se em formas diversas: pirus,
piri, piro, pirum, etc.. O tema invariável é pir- , as desinências, variáveis, -us, -i, -o, -um. e outras.
Também o português utiliza desinências nominais, ainda que em medida muito menor e diversa.
Servem para diferenciar o gênero masculino e feminino, e o número singular do plural, de
substantivos e adjetivos, enquanto o tema não varia. Por exemplo: mant o, mant a, mant os, mant
as.

Pelo contrário, em latim a desinência indica e distingue cada vez a função lógica que um substantivo
(ou adjetivo ou pronome) cumpre na oração, em relação ao verbo e às outras palavras. É por esta razão que
a análise das desinências do substantivo latino não interessa somente à morfologia, mas sobretudo à
sintaxe.
Assim, pir us significa a pera, uma pera, entendido como sujeito que efetua ou padece a ação; pir o :
à pera ou também com a (uma) pera, etc..

As mudanças que um substantivo latino pode sofrer, segundo variem as desinências, não são
infinitas nem caprichosas nem casuais. A língua latina tem organizada a morfologia do nome em uma
estrutura bem definida, cuja norma está ditada pelos casos e pelo sistema das declinações.
Encontramos para o nome latino seis casos , tanto para o singular quanto para o plural. Estes,
sozinhos ou com ajuda de preposições, esgotam todas as funções lógicas que o substantivo pode assumir na
oração, lembradas nas páginas introdutórias.

De modo esquemático, as relações seriam as seguintes:

Função sintática Caso latino Exemplo Tradução


portuguesa
Sujeito ou predicativo do sujeito NOMINATIVO lupus o / um lobo
Apelo, chamado VOCATIVO domine (ó) senhor
Objeto direto ACUSATIVO fructum o/um fruto
Adjunto adnominal GENITIVO Petri de Pedro
Objeto indireto DATIVO cordi ao coração
Adjunto adverbial ABLATIVO rebus pelos fatos

6 AS DECLINAÇÕES
Quando aplicamos ao TEMA de uma palavra as desinências específicas dos diferentes casos, no
singular e no plural, estamos ‘declinando’ essa palavra.
Nem todos os substantivos apresentam as mesmas desinências. A língua latina conhece cinco
modelos de declinações. Por isto, cada declinação é o conjunto daqueles substantivos que, nos mesmos
casos do singular e plural, terminam com a mesma desinência. As desinências variam de declinação a
declinação.

A desinência do Genitivo singular, diferente nos cinco modelos, é decisiva para conhecer a qual
declinação pertence um substantivo. Por isso, os dicionários latinos dão, de cada substantivo, o Nominativo
e o Genitivo singular. Procurando, por exemplo, a palavra portuguesa ‘lobo’, encontramos lupus, lupi (ou
lupus, -i ); procurando ‘homem’, encontramos homo, hominis (ou homo, -inis ).
Portanto, se um substantivo tem seu Genitivo singular em:

ae pertence à primeira declinação (rosa, -ae = a rosa)


i pertence à segunda declinação (rivus, -i = o rio)
is pertence à terceira declinação (nubes, -is = a nuvem)
us pertence à quarta declinação (cantus, -us = o canto)
ei pertence à quinta declinação (fides, -ei = a fé)
O substantivo / 5

Declinar um substantivo é, então, aplicar a seu TEMA (quer dizer, o que fica desse substantivo depois
de retirar a desinência do Genitivo singular) as desinências de sua declinação.

Observações comuns às cinco declinações:

• Em todas as declinações o dativo e o ablativo plurais têm a mesma desinência.


• Os nomes neutros apresentam a mesma desinência para o nominativo, vocativo e
acusativo, no singular e plural.
• O Vocativo singular é igual ao Nominativo singular (única exceção: os nomes da
2ª declinação que terminam em -us).
• Os nomes masculinos e femininos que pertencem à mesma declinação, se declinam
de igual modo.

7 PRIMEIRA DECLINAÇÃO
Compreende os substantivos cujo Nominativo singular termina em a, e o Genitivo singular em æ.
O modelo de declinação é o seguinte:

Singular Plural
NOMINATIVO ros a a rosa (sujeito) ros ae as rosas
VOCATIVO ros a (ó) rosa ros ae (ó) rosas
ACUSATIVO ros am a rosa (objeto) ros as as rosas
GENITIVO ros ae da rosa ros arum das rosas
DATIVO ros ae para a rosa ros is para as rosas
ABLATIVO ros a com a rosa ros is com as rosas

Esta declinação abarca os temas em -a, sendo uma declinação própria das palavras femininas. Existem
poucos temas masculinos em -a: nauta (marinheiro), incola (habitante), poeta.

Notas

1. O nome familia , quando acompanha as palavras pater (o pai), mater (a mãe), filius (o filho) e filia (a filha),
no genitivo singular pode tomar a antiga desinência -as, em lugar de -ae. Por exemplo: pater familias (o pai
de família).

2. Os substantivos dea, filia, liberta e anima, quando se querem distinguir de seus respectivos masculinos (filius,
deus, libertus, animus ), no dativo e ablativo plurais, muitas vezes terminam em -abus (deabus, filiabus,
libertabus, animabus ). Por ex.: filiis et filiabus = aos filhos e às filhas.

3. Existem substantivos terminados em -cola e -gena , que às vezes têm no genitivo plural a desinência -
um ao invés de -arum (incola > incolum, indigena > indigenum ).

4. Existem numerosos substantivos (nomes comuns e cidades) pluralia tantum (somente plurais). Neste
caso os dicionários apresentam o Nominativo e Genitivo plurais, por ex.: deliciæ, arum (as delícias), minæ,
arum (as ameaças), Athenæ, arum (Atenas).

5. Outros apresentam no plural um significado diferente do singular. Por ex.:


copia, æ = a abundância copiæ, arum = as tropas
littera, æ = a letra litteræ, arum = a carta, a literatura.
6 / O substantivo

8 SEGUNDA DECLINAÇÃO
Compreende substantivos que terminam o Nominativo singular em us, er, ir, um, mas no
Genitivo singular sempre em i.
Os substantivos em us são de gênero masculino ou feminino; aqueles em er / ir todos de gênero
masculino; aqueles em um todos de gênero neutro.

Masculino ou feminino Neutro


Singular Plural Singular Plural Singular Plural

N serv us serv i liber libr i templ um templ a


V serv e serv i liber libr i templ um templ a
Ac serv um serv os libr um libr os templ um templ a
G serv i serv orum libr i libr orum templ i templ orum
D serv o serv is libr o libr is templ o templ is
Ab serv o serv is libr o libr is templ o templ is

Chamada declinação masculina por oposição à primeira que é feminina. Têm grande quantidade de
neutros em -um (sobretudo adjetivos).
São femininos os substantivos de países, cidades e árvores, e algumas palavras: alvus (ventre), humus
(terra), methodus (método), periodus (período), synodus (reunião).

Notas

1. O vocativo singular dos nomes em -us termina em -e (cf. o grego λογος / λογε)

2. Filius e genius, juntamente com os nomes próprios cujo nominativo termina em -ius (com a i breve)
têm o vocativo em -i: fili, geni, Tulli. Mas se no Nominativo terminam com -ius (com a i longa), como
Darius, têm a desinência em -e.

3. Deus, agnus (cordeiro), chorus (coro), fazem o vocativo em -us, sem alternância vocálica.

4. Os substantivos em -er, podem ser de duas classes: os que mantêm a e em toda a declinação (puer,
pueri ), e os que não a mantêm (magister, magistri ).

5. Três substantivos em -us são de gênero neutro, pelo qual apresentam o Vocativo e Acusativo também
em -us. Só se usam no singular: vulgus, i (o vulgo), pelagus, i (o mar), virus, i (o veneno).

6. Têm no genitivo plural a desinência -um ao invés de -orum:


• palavras de grande extensão morfológica (duumvirum, decemvirum );
• palavras com acumulação de -r-
• as centenas dos ordinais: ducentum, trecentum, ...
• alguns tecnicismos: talentum (peso variável; moeda), nummum (sestercio), modium (medida, dimensão
de).

7. O substantivo locus, i (o lugar): no singular é masculino. No plural pode ser: masculino loci, orum (os
passos, lugares de um livro) ou neutro loca, orum (os lugares, as regiões).

9 TERCEIRA DECLINAÇÃO
É a declinação mais ampla. Ainda que agrupe palavras de diversas terminações, é possível
descobrir caraterísticas comuns.

Existem palavras para os três grupos genéricos: masculinas, femininas e neutras. O neutro indica —
na língua latina— num grande número de casos o resultante, o produto, o engendrado: lac (o leite), genus
(origem), mel (o mel). O masculino é o ativo, o verdadeiramente vivente, o gênero forte para a mente
O substantivo / 7

primitiva: homo (homem), leo (leão) etc.. Pelo contrário, o feminino é a concepção do passivo, do receptivo; os
conceitos abstratos são femininos, devido a personificações: mortem (a morte), virtus (a virtude), æquitas (a
igualdade).

Considerados estes fatos, se podem considerar (como guia morfológica) as seguintes regras mnemotécnicas
para determinar o gênero:
• São masculinas geralmente as palavras cujo nominativo singular termina em -o, -or e -os
(Gen em -oris), excetuando arbor que é feminino:
• São femininas as que terminan em -tio, -do, -go, -tas e -tri : natio, pietas, imago, ordo, genitrix
• São neutros os terminados em -us, -er (Gn em -oris/-eris), -e, -c, -l, -n e -r : corpus, genus, ver,
mare, lac, mel, animal, flumen, agmen.

Masculino Feminino Neutro


N pes rex homo virtus sitis corpus mel mare
pes rex homo virtus sitis corpus mel mare
SINGULAR

V
Ac ped em reg em homin em virtut em sit im corpus mel mare
G ped is reg is homin is virtut is sit is corpor is mell is mar is
D ped i reg i homin i virtut i sit i corpor i mell i mar i
Ab ped e reg e homin e virtut e sit i corpor e mell e mar i

N ped es reg es homin es virtut es sit es corpor a mell a mar ia


V ped es reg es homin es virtut es sit es corpor a mell a mar ia
Plural

Ac ped es reg es homin es virtut es sit es corpor a mell a mar ia


G ped um reg um homin um virtut um sit ium corpor um mell um mar ium
D ped ibus reg ibus homin ibus virtutibus sit ibus corpor ibus mell ibus mar ibus
Ab ped ibus reg ibus homin ibus virtutibus sit ibus corpor ibus mell ibus mar ibus

Notas
Acusativo singular
1. Uma série de palavras —todas elas femininas, exceto Tiberis (o rio Tibre)— têm o acusativo em -im
(terminação originária): amussis (régua, nível), buris (rabiça do arado), cucumis (pepino), futis (espécie de
vaso), rumis (mama dos animais), sitis (sede), tussis (tosse) e vis (força).

2. Outra série possuem um duplo acusativo -em / -im : clavis (chave), crates (caniço), cutis (cutis, pele),
febris (febre), navis (navio), neptis (neta), pelvis (cadeira), restis (corda), securis (machado), sementis
(semente), strigilis (raspador) e turris (torre).

Ablativo singular
Encontramos ablativo em -i :
• na maioria dos temas neutros que terminam em -al, -e, -ar : animali, funali (se excetuam far, hepar,
iubar, nectar, rete, sal);
• nas palavras que fazem o acusativo em -im, enumeradas anteriormente.
• As palavras que possuem um duplo acusativo -em / -im, flutuam entre um ablativo em -e / -i.
Flutuação que se estendeu a outras palavras: amnis (rio), avis (ave), classis (esquadra), collis (colina), orbis
(orbe) etc..

Genitivo plural
Quando se une à desinência -um ao -i do tema, o normal é encontrar genitivos em -ium : marium,
ovium, civium etc.. Porém, muitas palavras fazem o plural em -um, sem dúvida por uma analogia com
os demais temas da terceira declinação: de canis (cachorro) o genitivo é canum; de vates (adivinho) vatum;
de iuvenis (jovem) iuvenum; de mensis (mês) mensum/mensium; de apes (abelha) apum/apium; de clades
(derrota) cladum; de sedes (sé, assento) sedum, etc..

Nomes irregulares
bos, bovis: no singular é regular. No plural: Gen boum, Dat e Abl bobus e bubus.
sus, suis: no Dat e Abl plural faz subus e suibus.
Iuppiter: Voc Iuppiter, Ac Iovem, Gen Iovis, Dat Iovi, Abl Iove.
8 / O substantivo

vis: falta de Gen e Dat singular; Ac vim, Abl vi. No plural: Nom, Voc, Ac vires, Gen virium, Dat e Abl
viribus.

10 QUARTA DECLINAÇÃO
Compreende os substantivos masculinos e femininos em -us, e neutros em -u.

Masculino Feminino Neutro


N fruct us man us corn u
V fruct us man us corn u
SINGULAR

Ac fruct um man um corn u


G fruct us man us corn us
D fruct ui man ui corn ui
Ab fruct u man u corn u

N fruct us man us corn ua


V fruct us man us corn ua
Plural

Ac fruct us man us corn ua


G fruct uum man uum corn uum
D fruct ibus man ibus corn ibus
Ab fruct ibus man ibus corn ibus

Notas
1. Não existe diferença formal entre os gêneros masculino e feminino.

2. Nos neutros se aprecia, a partir da época imperial, a substituição do dativo singular -ui por -u , e do
genitivo -us por -u . Desta forma, a declinação adquire caracteres de fossilização, e em todo o singular os
casos se confundem.

3. Existem palavras em que o dativo e ablativo plural têm a forma ubus : acus (agulha), arcus (arco), artus
(membro), lacus (lago), partus (parto), pecua (gado, rebanho), quercus (carvalho), specus (caverna).
Outras flutuam entre -ubus e -ibus : tribus (tribo), porticus (pórtico), veru (espeto).

4. Domus (casa) também toma às vezes, junto com as desinências da quarta, algumas desinências da
segunda declinação: Dat e Abl singular domo, Gen plural domorum, Ac plural domos.
Iesus se declina: Ac Iesum, Voc, Gen, Dat e Abl Iesu.

11 QUINTA DECLINAÇÃO
• Só compreende um número reduzido de palavras femininas, que têm um carácter derivado.
• Só as palavras dies (dia) e res (coisa) possuem uma declinação completa.
• A relação com a 1ª declinação é evidente, já que existem numerosos doublets de palavras que duvidam
entre uma e outra: matéria /materies; canitia /canities; luxuria /luxuries, etc..

Singular Plural
N di es di es
V di es di es
Ac di em di es
G di ei di erum
D di ei di ebus
Ab di e di ebus
O adjetivo / 9

O ADJETIVO

12 Características gerais
1. O adjetivo indica o que um objeto tem, frente ao substantivo que expressa o que um objeto é.
Daí que o adjetivo deve concordar sempre com o substantivo ao qual se refere, em gênero, número
e caso:
urbs pulchra = uma cidade bela

2. O adjetivo tem a possibilidade de expressar graus da qualidade que um determinado objeto


possui: bonus (bom)/ melior (melhor)/optimus (ótimo).

3. Se declina mediante as três primeiras declinações vistas para o substantivo.

13 ADJETIVOS DA PRIMEIRA CLASSE

A este grupo pertencem os adjetivos que no masculino e neutro assumem as desinências da


segunda declinação, e no feminino as da primeira.

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N bon us bon a bon um bon i bon æ bon a
V bon e bon a bon um bon i bon æ bon a
Ac bon um bon am bon um bon os bon as bon a
G bon i bon æ bon i bon orum bon arum bon orum
D bon o bon æ bon o bon is bon is bon is
Ab bon o bon a bon o bon is bon is bon is

Notas
• Destes adjetivos os dicionários não indicam, como para os substantivos, o Nominativo e Genitivo
singular, mas o Nominativo singular do masculino, feminino e neutro:
bonus, bona, bonum ou bem bonus, a, um

• Um grupo de adjetivos têm o genitivo singular em -ius, e o dativo singular em -i, como alguns
pronomes: unus,-a,-um; totus,-a,-um; alius,-a,-ud; alter,-era,-erum; solus,-a,-um; nullus,-a,-um;
ullus,-a,-um; uter,utra,utrum.

• O grupo com terminação em -er , apresenta os dois modelos já conhecidos: miser, misera,
miserum e também niger, nigra, nigrum.

• Uma regra prática para reconhecer o tema do adjetivo é a de retirar a desinência -a do adjetivo
feminino: de bona > bon-; de misera > miser-; de pigra > pigr-.

14 ADJETIVOS DA SEGUNDA CLASSE

A este grupo pertencem os adjetivos que assumem as desinências da terceira declinação.


Se subdividem segundo o nominativo singular tenha três, duas ou uma terminação.

1. Adjetivos que têm três terminações: uma para cada gênero.

• Os dicionários dão as três formas por inteiro: acer, acris, acre = agudo.
• As desinências do feminino e do masculino só se diferenciam no Nom e Voc singular.
10 / O adjetivo

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N acer acr is acr e acr es acr es acr ia
V acer acr is acr e acr es acr es acr ia
Ac acr em acr em acr e acr es acr es acr ia
G acr is acr is acr is acr ium acr ium acr ium
D acr i acr i acr i acr ibus acr ibus acr ibus
Ab acr i acr i acr i acr ibus acr ibus acr ibus

2. Adjetivos que têm duas terminações: uma para o masculino e feminino, e outra para o neutro.

• Os dicionários os apresentam, em geral: brevis, e = breve.

SINGULAR PLURAL
Masc-Fem Neutro Masc-Fem Neutro
N brevis breve brev es brev ia
V brevis breve brev es brev ia
Ac brev em breve brev es brev ia
G brev is brev is brev ium brev ium
D brev i brev i brev ibus brev ibus
Ab brev i brev i brev ibus brev ibus

3. Adjetivos que têm uma terminação: uma para os três gêneros.


Apresentam dois modelos:

Tema em -i Tema em -s
Masc-Fem Neutro Masc-Fem Neutro
N felix vetus
SINGULAR

V felix vetus
Ac felic em felix veter em vetus
G felic is veter is
D felic i veter i
Ab felic i veter e

N felic es felic ia veter es veter a


V felic es felic ia veter es veter a
PLURAL

Ac felic es felic ia veter es veter a


G felic ium veter um
D felic ibus veter ibus
Ab felic ibus veter ibus

Notas:
• Os dicionários indicam a forma do Nom e Gen singular: felix, felicis (feliz), ou prudens, entis
(prudente).

• Seguem a declinação de vetus, veteris os seguintes adjetivos: compos, deses, dives, cælebs,
impos, impubes, particeps, pauper , princeps, quadrupes, reses, sospes, superstes, suplex,
teres.
O adjetivo / 11

Quase todos os adjetivos deste grupo são empregados substantivamente, e muitos deles não têm
os casos neutros do plural em virtude do próprio significado e emprego.

• Os particípios presentes em -ans e -ens se declinam como os adjetivos de uma terminação.


Quando são usados com valor de verdadeiros particípios (valor verbal, amans = amante, que ama,
quando ama; ou substantivos), e não de adjetivos, têm o ablativo singular em -e .
Por exemplo Ardente domo = ardendo a casa; enquanto a casa ardia;
mas ardenti studio = com paixão ardente.

Grau dos adjetivos

Os adjetivos que indicam uma qualidade do substantivo ao qual se referem se denominam adjetivos
qualificativos.
Assim como em português, também em latim os adjetivos qualificativos possuem três graus: positivo,
comparativo e superlativo.
Os positivos são aqueles adjetivos que exprimem o simples conceito de uma qualidade: bom, forte,
estudioso, etc.. Estes pertencem aos adjetivos da primeira e segunda classe, apenas vistos. Veremos agora
os adjetivos de grau comparativo e os de grau superlativo.

15 O GRAU COMPARATIVO

O adjetivo comparativo inclui em si a ideia de comparação, de confronto entre dois termos. A


comparação se estabelece entre dois termos que possuem uma determinada qualidade em grau maior,
menor ou igual.
Exemplos:
O leão é mais forte do que o lobo [comparativo de superioridade]
A pomba é menos veloz do que a águia [comparativo de inferioridade]
César foi tão audaz quanto Paulo [comparativo de igualdade]

Em português —como mostram os exemplos—, o comparativo é obtido mediante junção de advérbios:


mais , menos , tão. Mas, em latim se modifica o adjetivo positivo, acrescentando ao tema um sufixo
determinado:

• Os sufixos para o COMPARATIVO são -ior (para masculino e feminino), -ius (para o neutro). A
formação se faz de forma mecânica, substituindo as terminações do genitivo singular do adjetivo
em grau positivo por esses sufixos: por exemplo

Adjetivo positivo Comparativo


Genitivo Tema Masc-Fem Neutro

clarus, a, um clari clar- clar-ior clar-ius


dulcis, dulce dulcis dulc- dulc-ior dulc-ius

Declina-se como um tema em -s (ver pág. 10). O esquema é o seguinte:

SINGULAR PLURAL
Masc-Fem Neutro Masc-Fem Neutro
N clarior clarius clarior es clarior a
V clarior clarius clarior es clarior a
Ac clarior em clarius clarior es clarior a
G clarior is clarior is clarior um clarior um
D clarior i clarior i clarior ibus clarior ibus
Ab clarior e/i clarior e/i clarior ibus clarior ibus
12 / O adjetivo

16 NOTAS SOBRE O COMPARATIVO


1) Os sufixos -ior//-ius expressam o comparativo de superioridade, e por isto é necessário que exista
no texto um segundo termo da comparação claramente indicado, ou pelo menos sobre-entendido. Este
segundo termo se constrói no mesmo caso que o primeiro com a partícula quam (= que):

Græci (Nom) in artibus sollertiores erant quam Romani (Nom)


Os gregos eram mais destros (do) que os romanos nas artes.

Lupus similior est cani (Dat) quam leoni (Dat)


O lobo é mais semelhante ao cachorro (do) que ao leão.

Miles debilior erat fame (Abl) quam vulneribus (Abl)


O soldado estava mais fraco pela fome (do) que pelas feridas.

ou simplesmente com Ablativo , sempre e quando o primeiro deles se encontre em Nominativo ou


Acusativo:
Stella (Nom) nive (Abl) clarior erat
Era uma estrela mais clara (do) que a neve

2) Se na comparação não existem os dois termos que essa requer, o adjetivo com o sufixo -ior//-ius
possui um claro sentido intensivo; uma intensidade dentro da qualidade de um objeto determinado. A
tradução se faz nesse caso mediante a perífrase
um tanto, bastante, demasiado + o adjetivo em grau positivo:

Senectus est natura loquacior


A velhice é, por natureza, bastante faladora.

3) O comparativo de igualdade e inferioridade se formam em latim do mesmo modo que em


português, quer dizer, por meio de perífrases.
Para o comparativo de inferioridade se antecede ao adjetivo em grau positivo o advérbio minus, e ao
segundo termo a partícula quam :
Lupus est minus fortis quam leo.
Antonius minus prudens fuit quam audax.

Para o comparativo de igualdade a construção é:


tam (ita, non minus ) + adjetivo em grau positivo e quam (ut ) + o termo de comparação:

Dux tam fortis erat quam audax = O comandante era tão forte quanto audaz

17 O GRAU SUPERLATIVO

a) Em português, o grau superlativo pode denotar:


• que um ser apresenta em elevado grau determinada qualidade, e então falamos de
superlativo absoluto:
Paulo é inteligentíssimo.
Pedro é muito inteligente.

• que, em comparação à totalidade dos seres que apresentam a mesma qualidade, um se


sobressai por possuí-la em grau maior ou menor que os demais; e então falamos de
superlativo relativo:
Carlos é o mais estudioso do Colégio.
João é o menos alto de todos.

b) Pelo contrário, o latim tem só uma forma de superlativo, que serve tanto para o absoluto que
para o relativo. O sufixo de formação mais geral é -issimus/ -issima/ -issimum. Igual que o
comparativo, a formação é mecânica: se agrega o sufixo ao genitivo do singular do adjetivo em grau
positivo, uma vez suprimida a desinência.
O adjetivo / 13

Adjetivo positivo Superlativo


Genitivo Tema Masculino Feminino Neutro

clarus, a, um clari clar- clar-issimus clar-issima clar-issimum


dulcis, dulce dulcis dulc- dulc-issimus dulc-issima dulc-issimum

O paradigma de sua declinação segue os adjetivos da primeira classe bonus, a, um (ver pág. 9).

Nota:
Quando o latim quer exprimir o sentido relativo , a forma superlativa vai acompanhada por um
complemento em Genitivo (chamado partitivo ) ou em Ablativo (precedido de e, ex ):

Cicero eloquentissimus fuit oratorum Romanorum (Gen)


ou Cicero eloquentissimus fuit ex oratoribus Romanis (Abl)
= Cicerone foi o mais eloquente dos (ou entre os ) oradores romanos.

18 OBSERVAÇÕES GERAIS SOBRE COMPARATIVOS E SUPERLATIVOS

1. Certos adjetivos apresentam diversas raízes dentro dos graus de formação dos mesmos:

Positivo Comparativo Superlativo


bonus, a, um melior, melius optimus, a, um
malus peior, peius pessimus
parvus minor, minus minimus
magnus maior, maius maximus
multus plus plurimus

2. Os adjetivos terminados em -dicus, -ficus, e -volus no comparativo e superlativo apresentam


aparentes irregularidades, porque se formaram a partir de adjetivos verbais:
maleficus (= de maleficiens ) maleficentior maleficentissimus.
maledicus (= de maledicens ) maledicentior maledicentissimus.

3. Os adjetivos em -lis têm o superlativo em -limus. De facil-is → facil-limus. Igual para difficilis,
similis, dissimilis, gracilis e humilis.

4. Certos adjetivos em -eus, -ius, -uus , não formam seu grau comparativo e superlativo por meio de
sufixos, mas mediante paráfrases: tam/magis/ minus (tão, mais, menos) ou maxime (muito; o
mais) + o correspondente adjetivo em grau positivo .
idoneus tam / magis /minus idoneus maxime idoneus

5. Os adjetivos em -er têm o comparativo regular, mas o superlativo é formado mediante o acréscimo
de rimus ao nominativo masculino singular:
niger nigrior, nigrius nigerrimus, a , um
acer acrior acerrimus

6. O superlativo de certos adjetivos consegue-se também com a anteposição dos prefixos per- ou
præ- : perdifficilis (dificílimo), præclarus (ilustríssimo).

7. Numerosos adjetivos só apresentam o grau comparativo, outros só o superlativo. As formas


inexistentes são substituídas por adjetivos sinônimos. Por ex.:

Comparativos Superlativos
iuvenis iunior diversus diversissimus
senex senior falsus falsissimus
longinquus longinquior novus novisimus
propinquus propinquior sacer sacerrimus
14 / O pronome

O PRONOME

18 Características gerais
1. Os pronomes são palavras que têm a função de mostrar, indicar no espaço, e às vezes no tempo,
ou bem de apresentar o substantivo:
hic liber = este livro ille Alexander Magnus = aquele Alexandre Magno

2. São chamados pronomes substantivos quando substituem o nome, e pronomes adjetivos quando o
acompanham. Neste último caso, devem concordar sempre com o substantivo ao qual se referem, em
gênero, número e caso:
Hæc dixit = esta (substantivo) falou. Hæc mulier dixit = esta (adjetivo) mulher falou.

3. O caráter arcaico do pronome frente ao substantivo se evidencia na morfologia: possuem


desinências próprias (-d, -ius, -rum ) e ainda existe uma ausência de declinação, evidente sobretudo
nos pronomes pessoais (ego, me, te, hic, ille etc.).

4. A maioria dos pronomes não apresentam o caso Vocativo.

5. Outros são reforçados com partículas (ce, met, -i, -pse etc.) para acrescentar as diversas funções
nominais ‘dêicticas’.

19 PRONOMES PESSOAIS E REFLEXIVOS


São palavras que substituem os nomes e representam as pessoas do discurso.

• Considerando que em português as pessoas do discurso, ou gramaticais, são três (1ª, 2ª e 3ª) se
dividem os pronomes pessoais em retos e oblíquos, segundo funcionem, respetivamente, como
SUJEITOS ou como OBJETOS /COMPLEMENTOS na oração.

Pessoas do discurso Pronomes retos Pronomes oblíquos


1ª singular eu me, mim, comigo
2ª singular tu te, ti, contigo
3ª singular ele, ela se, si, consigo, lhe, o, a
1ª plural nós nos, conosco
2ª plural vós vos, convosco
3ª plural eles, elas se, si, consigo, lhes, os, as

• No latim, os pronomes ‘retos’ portugueses correspondem ao caso Nominativo, e os ‘oblíquos’ aos


restantes casos.

NOM ACUS GEN DAT ABL


1ª sg ego me mei mihi me
2ª sg tu te tui tibi te
3ª sg — se sui sibi se/sese
1ª pl nos nos nostrum nobis nobis
2ª pl vos vos vestrum vobis vobis
3ª pl — se sui sibi se/sese

A. Observações sobre os pronomes pessoais


• As formas nostrum e vestrum , Gen plural da 1ª e 2ª pessoa, se usam:
1) com sentido de Gen partitivo:
multi nostrum = muitos de nós (= entre nós)
tres vestrum = três de vocês (= entre vós).
O pronome / 15

2) junto com o Gen plural omnium (de omnis, e = todo, cada)


Memoria omnium vestrum manebit = A lembrança de todos vós permanecerá.

Mas, quando se trate de adjunto adnominal ou de Gen em dependência de verbos ou adjetivos,


se usam as formas nostri e vestri
miserere nostri = tem piedade de nós
misereo vestri = tenho piedade de vós

• Os pronomes latinos da 1ª e 2ª pessoa, singular e plural, quando desenvolvem a função de sujeito,


geralmente se omitem.

• No complemento de companhia (cum + Ablativo), não se diz cum me, cum te, cum nobis, cum
vobis, mas a preposição ocupa uma posição enclítica: mecum, tecum, nobiscum, vobiscum.

• A partícula -met unida ao pronome pessoal reforça o significado de mesmo, próprio, em pessoa:
egomet (= eu mesmo), tibimet (= próprio a ti).
O pronome tu se reforça com a sílaba invariável te : tute = tu em pessoa; próprio tu.

Acrescenta-se às vezes, com o mesmo significado, o pronome ipse, que se pode escrever junto ou
separado, concordando com o pronome pessoal: vobismetipsis, semetipsum, nosmetipsi.

B. Observações sobre os pronomes reflexivos

• As formas para a terceira pessoa (singular e plural) têm um significado reflexivo, quer dizer, se
referem ao sujeito da oração:
reus se defendit = o acusado se defende.
omnia animalia sibi victum parant = todos os animais procuram alimento para si.

Sem o sentido reflexivo: se usam as formas do pronome demonstrativo is, ea, id (ver pág. 17).

• Porque o pronome reflexivo sempre se utiliza como complemento e nunca como sujeito, não
apresenta a forma do Nominativo.

• Às vezes se reforça com a partícula -met ou o pronome ipse :


semet ipsum = a ele mesmo.

• A forma sese é um redobramento enfático:


Homines inter sese diligunt = Os homens se amam (eles mesmos, a si mesmos).

• No complemento de companhia a forma é secum, com posição enclítica da preposição.

20 PRONOMES POSSESSIVOS

Da mesma forma que em português, os pronomes possessivos se referem às pessoas do discurso,


atribuindo-lhes a posse de alguma coisa.
A distribuição é a seguinte:

UM POSSUIDOR VÁRIOS POSSUIDORES

meus, mea, meum : meu, minha noster, nostra, nostrum : nosso, nossa
tuus, tua, tuum : teu, tua vester, vestra, vestrum : vosso, vossa
suus, sua, suum : seu, sua (dele, dela) suus, sua, suum : seu, sua (deles, delas)

Notas:
• Se declinam como os adjetivos da primeira classe:
meus, tuus, suus seguem o modelo bonus, a, um. Como única exceção, o Voc de meus é mi.
noster, vester seguem o modelo de niger, nigra, nigrum.
16 / O pronome

• Os possessivos da 3ª pessoa, singular e plural, têm sempre significado reflexivo, quer dizer, se
referem ao sujeito da oração. Por ex.:
Discipulus magistrum suum amat = O discípulo ama o seu (o próprio) mestre.
Dux copias suas ducit = O comandante conduz suas tropas.

• Quando se indica algo possuido que não se refere ao sujeito, mas a outro complemento da oração,
se utiliza o Gen do pronome demonstrativo is, ea, id (ver pág. 17). Por ex.:
Omnes oratorem probaverunt et eius consilia
Todos aprovaram o orador e seus conselhos (= os conselhos dele)

21 PRONOMES DEMONSTRATIVOS

A • Os pronomes demonstrativos são os que indicam a posição —no espaço ou no tempo—, ou a


identidade dos seres, relativamente às pessoas do discurso.
Lia coisas incríveis para aquele lugar e aquele tempo.

• A capacidade para mostrar um objeto sem nomeá-lo, a chamada função deíctica (do gr. deiktikos =
próprio para demonstrar), caracteriza fundamentalmente esta classe de pronomes.
A isso eu chamaria complexo. São poucos os que sabem isto.

• Estes pronomes também servem para lembrar ao ouvinte ou ao leitor o que já foi mencionado, ou o
que se vai mencionar. É a sua função anafórica (do gr. anaforikos = que faz lembrar, que traz à
memória).
A ternura não embarga a discrição, nem esta (discrição) diminui aquela (ternura).
O mal foi este: criar os filhos como dois príncipes.

• Em português o esquema é o seguinte:

FORMAS VARIÁVEIS este, esta esse, essa aquele, aquela


estes, estas esses, essas aqueles, aquelas

FORMAS INVARIÁVEIS isto isso aquilo

As formas variáveis podem funcionar como pronomes adjetivos e como pronomes substantivos.
Este livro é meu = Meu livro é este

As formas invariáveis são sempre pronomes substantivos.


Isto (o livro) é meu.

B • Em latim se apresentam três tipos, e os paradigmas são os seguintes:

1) Propriamente ‘demonstrativos’ são três: hic, iste, ille

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N hic hæc hoc hi hæ hæc
Ac hunc hanc hoc hos has hæc
G huius huius huius horum harum horum
D huic huic huic his his his
Ab hoc hac hoc his his his
O pronome / 17

NOTAS

• hic, hæc, hoc indicam a pessoa ou coisa próxima a quem fala ou escreve = ESTE, ESTA, ISTO.
• hoc como neutro substantivado, tem o significado de “esta coisa”. Nos casos oblíquos (Gen, Dat e
Abl) solicita expressamente a palavra ‘coisa’, por ex.: huius rei (= desta coisa), hac re (= por esta
coisa).

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N iste ista istud isti istæ ista
Ac istum istam istud istos istas ista
G istius istius istius istorum istarum istorum
D isti isti isti istis istis istis
Ab isto ista isto istis istis istis

NOTA
• iste, ista, istud idicam aquilo que se refere a uma segunda pessoa (tu, vós), aquilo que está
próximo àquele que fala ou escreve = ESSE, ESSA, ISSO.

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N ille illa illud illi illæ illa
Ac illum illam illud illos illas illa
G illius illius illius illorum illarum illorum
D illi illi illi illis illis illis
Ab illo illa illo illis illis illis

NOTAS
• ille, illa, illud indicam a pessoa ou coisa afastada de quem fala ou escreve = AQUELE, AQUELA,
AQUILO.
• Possuem um valor enfático (= aquele famoso, conhecido) quando acompanha um nome próprio; por
ex.: ille Petrus = aquele famoso Pedro.
• illud seguido de Gen de um nome próprio (illud Diogenis; illud Platonis) significa ‘aquele famoso
dito, a famosa máxima de ...

2) Dois são chamados anafóricos , quer dizer, fazem referência a uma


terceira pessoa já mencionada: is, idem

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N is ea id i, ii, ei eæ ea
Ac eum eam id eos eas ea
G eius eius eius eorum earum eorum
D ei ei ei is, iis, eis is, iis, eis is, iis, eis
Ab eo ea eo is, iis, eis is, iis, eis is, iis, eis
18 / O pronome

is corresponde ao pronome pessoal português ELE, ou ao demonstrativo ESTE;


ea ao pronome ELA ou ao demonstrativo ESTA;
id tem o sentido demonstrativo de a coisa, isto, isso, aquilo.

Exemplos:
Dixit ei = lhe disse
Frater eum defendit = O irmão o defende.
Id quod fecerum = O (= a coisa, aquilo) que eles fizeram.

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N idem eadem idem iidem eædem eadem
Ac eundem eandem idem eosdem easdem eadem
G eiusdem eiusdem eiusdem eorundem earundem eorundem
D eidem eidem eidem (e)isdem (e)isdem (e)isdem
Ab eodem eadem eodem (e)isdem (e)isdem (e)isdem

NOTAS
• Como vemos, idem, eadem, idem é o mesmo pronome anterior anafórico, ao qual se acrescenta
um valor de identidade por meio da partícula -dem: ele /este MESMO, ela /esta MESMA, isto /isso
MESMO, quer dizer, ‘o anterior’.

• Diante da -d da partícula a m se troca por n (Ac singular, e Gen plural).


• Este pronome também pode significar igual, similar, idêntico :
Non omnes eandem opinionem habent
Nem todos têm uma idéntica (uma mesma) opinião

3) O restante indica a identidade do sujeito gramatical: ipse.

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N idem ipsa ipsum ipsi ipsæ ipsa
Ac ipsum ipsam ipsum ipsos ipsas ipsa
G ipsius ipsius ipsius ipsorum ipsarum ipsorum
D ipsi ipsi ipsi ipsis ipsis ipsis
Ab ipso ipsa ipso ipsis ipsis ipsis

• ipse, ipsa, ipsum: MESMO, PRÓPRIO, servem para reforçar as pessoas gramaticais ou um termo
da oração ou qualquer dos demosntrativos acima vistos.
Exemplos:
ipse rex = o próprio rei, o rei em pessoa
ego ipse = eu em pessoa, eu mesmo (frente a todos os demais)
virtus ipsa amatur = a virtude é amada em si e por si.
eo ipse die = neste mesmo dia
interimere se ipsum = matar-se a si próprio
O pronome / 19

22 PRONOMES RELATIVOS

A. O pronome relativo é uma palavra que representa um nome já referido, e por isso chamado
antecedente.
No exemplo
Armando comprou a casa que lhe convinha
a palavra que está representando a palavra antecedente casa.

• Estes pronomes, então, nos permitem reunir duas orações numa só frase.
Outros exemplos:
Das árvores caíam folhas.
O vento levava essas folhas. → Das árvores caíam folhas, que o vento levava.

Visitei a cidade.
Você nasceu nessa cidade → Visitei a cidade onde você nasceu.

Tenho uma coleção de selos. Tenho uma coleção de selos pela qual já me
Já me ofereceram milhões por ela. → ofereceram milhões.

• Eis o quadro dos pronomes relativos portugueses:

Masculino o qual, os quais cujo, cujos quanto, quantos


Variáveis { Feminino a qual, as quais cuja, cujas quanta, quantas

Invariáveis quem que onde

B. O pronome relativo latino, qui, quæ, quod = O QUAL (QUEM), A QUAL (QUEM), QUE, se declina
assim:

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
N qui quæ quod qui quæ quæ
Ac quem quam quod quos quas quæ
G cuius cuius cuius quorum quarum quorum
D cui cui cui quibus quibus quibus
Ab quo qua quo quibus quibus quibus

OBSERVAÇÕES
1. No complemento de companhia, geralmente, a preposição cum se coloca depois do pronome:
quocum, quæcum, quibuscum.

2. O neutro quod, quæ usado em função substantiva, significa: QUE COISA, QUAIS COISAS. Nos
casos oblíquos (Gn, Dat e Abl) se acompanham expressamente da palavra res : cuius rei, cui rei, qua
re; quarum rerum, quibus rebus.

3. Como se refere a um termo da oração principal, está sempre no início da oração subordinada
relativa , que dele toma o nome.

O pronome relativo concorda sempre com o substantivo ao qual se refere em gênero e número; o
caso, porém, depende da função lógica que o pronome cumpre na oração na qual se encontra.
20 / O pronome

Plato, cuius opera clarissima sunt, Atheniensis fuit


Platão, cujas obras (= as obras do qual) são famosíssimas, foi ateniense.

Vir, qui hoc dixit, pater meus est = O homem, que (suj.) disse isso, é meu pai.
Mulier, quam vides, mater mea est = A mulher, que (obj.) vês, é minha mãe.

Puer, cui stipem dedi, pauperrimus est


A criança, a quem (ao qual) dei a esmola, é muito pobre

23 PRONOMES INTERROGATIVOS

A. Em português são chamados assim que, quem, qual e quanto, quando participam de orações
interrogativas. Se referem de modo impreciso à 3ª pessoa do discurso.

Que há? Que dia é hoje? Quem foi? Qual será? Quantas irmãs tens?

B. Em latim, os principais são:


• uter, utra, utrum: Qual dos dois? (quando se fala de dois indivíduos). Podem atuar como
pronomes substantivos ou pronomes adjetivos. Sua declinação segue o modelo dos adjetivos da
primeira classe, bonus, a, um, com o Gen singular em -ius e Dat em -i.
uter (substantivo)hoc fecit? Qual dos dois fez isto?
uter (adjetivo) amicus? Qual dos dois amigos?

• quis, quid: Quem? que coisa? Atua sempre como pronome substantivo. Se declina assim:

SINGULAR PLURAL
Masc / Fem Neutro Masculino Feminino Neutro
N quis quid qui quæ qua
Ac quem quid quos quas qua
G cuius cuius quorum quarum quorum
D cui cui quibus quibus quibus
Ab quo quo quibus quibus quibus

• qui, quæ, quod: Que? Qual? Atua como pronome adjetivo. Sua declinação é idêntica à do
pronome relativo (ver pág. 19). Encabeça a frase interrogativa que, se for direta, termina com
o sinal interrogativo (?).

NOTAS
1) • quis (pronome substantivo) pergunta pela identidade de uma pessoa = QUEM?
Quis hoc dixit? Quem disse isso?
Quis magister est? — Marcus. Quem é o mestre? — Marcos.

• qui, quæ (pronomes adjetivos) acompanham um substantivo do qual perguntam a


qualidade = QUE...? QUAL ...?
Quæ mulier mater tua est? Que mulher é tua mãe? (qual seu gênio, seu caráter?)
Qui magister est? — Optimus. Que mestre é? — Ótimo.

2) • quid informa sobre a identidade de uma coisa = QUE? QUE COISA?


Quid est hoc? Que coisa é isso?
Quid fecisti? Que fizestes?

• quod acompanha um substantivo neutro = QUE ...? QUAL ...?


Quod donum accepisti? Que (qual) dom recebestes?
O pronome / 21

24 PRONOMES INDEFINIDOS

A • Estes pronomes se referem à 3ª pessoa do discurso, designando-a de modo vago, impreciso,


indeterminado: um, algum, outro, nenhum, qualquer ...
Podem ser pronomes substantivos ou pronomes adjetivos.
Exemplos:
Alguns contentam-se com pouco.
Certas pessoas exercem várias profissões.
Algo o incomoda?
Apenas uma ou outra pessoa entrava na loja.

B • O latim tem também uma longa lista de pronomes indefinidos que, a parte do significado, se
lhes caracteriza:
1. Por sua relação formal com os demonstrativos, já que todos eles apresentam um Gen
singular em -ius e um Dat em -i, nos três gêneros. Salvo estas características, seguem para
sua declinação o modelo dos adjetivos da primeira classe (ver pág. 9, segunda nota).
2. No neutro encontramos terminação em -d e em -um.

Os mais utilizados são:


Alius, alia, aliud: outro (falando de várias pessoas ou coisas)
Alter, altera, alterum: outro (falando de duas pessoas ou coisas)
Neuter, neutra, neutrum: nem um nem outro, nenhum dos dois
Nullus, nulla, nullum: nenhum
Solus, sola, solum: só, único; única
Totus, tota, totum: todo inteiro, toda inteira
Ullus, ulla, ullum: algum, alguma
Unus, una, unum: um, um só; uma só
Uter, utra, utrum: qual de dois, qual de duas

Alius, solus, totus, ullus e unus se referem a um sujeito ou objeto: Os restantes se referem
a um ou outro entre dois sujeitos ou objetos, formalmente expressado com o sufixo -ter / -tr.

C • Existem dois pronomes substantivos indefinidos chamados “negativos”: nemo e nihil.


Nemo , de gênero masculino, emprega-se para pessoas = NINGUÉM, NENHUMA PESSOA.
Nihil, de gênero neutro, emprega-se para coisas = NADA, NENHUMA COISA.
Ambos são nomes defectivos, e suas formas inexistentes são substituídas por formas do
adjetivo nullus, nulla, nullum.

NEMO NIHIL

N nemo nihil
Ac neminem nihil
G nullius nihili ou nullius rei
D nemini nulli rei
Ab nullo nihilo ou nulla re

25 PRONOMES INTERROGATIVO-INDEFINIDOS COMPOSTOS

São abundantes os compostos dos pronomes acima vistos. Sua composição é diversa, mas todos
apresentam um sentido de ‘indefinição’:
1. Por duplicação do tema
quisquis, quæquæ, quidquid: qualquer que
22 / O pronome

2. Tema pronominal + quis:


aliquis (ali de alius), aliquæ, aliquid: algum, algum outro
3. Partícula + pronome :
ecquis, ecqua / ecquæ, ecquid: quem? há alguém que?
nonnullus, nonnulla, nonnullum: algum
4. Pronome + partícula indefinida (sempre invariável):
quicumque, quæcumque, quodcumque: qualquer que, todo aquele que
quidam, quædam, quiddam: algum, alguém; um certo
quisnam, quænam, quidnam: que, qual, quem pois? (com certa ênfase)
quispiam, quæpiam, quidpiam: alguém, algum, um
quisquam, (sem feminino), quidquam: alguém, algum; ninguém
quisque, quæque, quidque: cada um, cada qual; tudo o que
utercumque, utracumque, utrumcumque: qualquer dos dois que for
uterque, utraque, utrumque: um e outro; ambos
5. Pronome + forma verbal fossilizada
quilibet, quælibet, quidlibet (libet 3ª pessoa sing. do Pres. Ind. do verbo defectivo libet =
agrada, gosta): qualquer que seja, o que se quiser, todo aquele que
quivis, quævis, quidvis (vis 2ª pessoa sing. do Pres. Ind. de volo = querer): qualquer
que, um qualquer; qualquer coisa que seja
uterlibet, utralibet, utrumlibet: qualquer que for (entre dois ou duas)
utervis, utravis, utrumvis: qualquer dos dois/das duas
6. Pronome + pronome (se declinam ambos):
Alteruter, alterutra, alterutrum: um ou outro, um dos dois
unusquisque, unusquæque, unusquidque : todos e cada um; cada coisa, cada qual

Quando os pronomes derivados de qui são usados em função de adjetivos, o neutro


toma a forma -quod (quodvis, quodque, etc..).

25 PRONOMES CORRELATIVOS
Alguns pronomes que exprimem qualidade, tamanho e quantidade, estão entre si em mútua relação
—daí o nome de ‘correlativos’—e se correspondem tanto no significado quanto na forma. Muitas
vezes, a presença de um desses reclama o seu correspondente.

Os principais são:

tamanho
tantus, a, um tão grande
Se declinam como bonus, a, um (pág. 9)
quantus, a, um quanto

qualidade
talis, tale tal
Se declinam como brevis, breve (pág. 10)
qualis, quale qual

quantidade
tot tantos
São plurais indeclináveis
quot quantos

Exemplos:
Quot et quantæ victoriæ!
Quantas e quão grandes vitórias!
Qualis apes per ætherem volat, talis hostis fugit.
Qual a abelha voa através do éter, tal foi a fuga do inimigo.
Os numerrais / 23

OS NUMERAIS

26 Características gerais

1. Para indicar uma quantidade exata de pessoas ou coisas, ou para assinalar o lugar que elas
ocupam numa série, empregamos uma classe especial de palavras, os NUMERAIS. Estes podem ter
valor de substantivo (simples ou coletivo) ou de adjetivo:
Dois e dois são quatro.
Comprei cinco livros.
Moro no segundo andar.
Já pagamos a metade da dívida.
Tinha o dobro de minha grossura.

2. Em português, alguns numerais se flexionam, outros não:


• gênero: um/ uma duzentos/duzentas primeiro/primeira ambos/ambas
• número: dupla/duplas milhão/milhões vigésima/vigésimas década/décadas

27 CARDINAIS, ORDINAIS, DISTRIBUTIVOS E ADVÉRBIOS NUMERAIS

Em latim, os numerais se reúnem em dois grupos: os que têm valor de adjetivos e substantivos (e
como tal se declinam), e os que têm sentido adverbial (indeclináveis).

 Os primeiros se classificam em três grandes grupos:


A)CARDINAIS: se utilizam simplesmente para indicar o número de objetos existentes. Respondem à
pergunta quot? (quantos?). São todos indeclináveis, exceto os três primeiros (um, dois, três), as
centenas (do duzentos ao novecentos) e os múltiplos do mil.

Sua declinação é a seguinte:

um, uma dois, duas


Masc Fem Neut Masc Fem Neut
N unus una unum duo duæ duo
Ac unum unam unum duos duas duo
G unius unius unius duorum duarum duorum
D uni uni uni duobus duabus duobus
Ab uno una uno duobus duabus duobus

três milhar
Masc/ Fem Neutro Neutro
N tres tria milia
Ac tres tria milia
G trium trium milium
D tribus tribus milibus
Ab tribus tribus milibus
24 / Os numerais

• unus, a, um (singular) e duo, duæ, duo (plural) seguem aproximadamente a declinação dos
adjetivos da primeira classe; e tres, tria (plural) segue o plural dos adjetivos da segunda classe, do
tipo brevis, breve.

• unus, a, um significa um só, único, somente um:


Una salutis via est. Existe só uma via de salvação.
Hoc unum peto ... Somente isto peço ...

 O plural de unus se usa com os substantivos pluralia tantum:


unæ nuptiæ um só matrimônio
una mœnia um só cinturão de muros

ou com o significado de só, únicos:


uni Romani pugnaverunt Somente os romanos combateram.

• As centenas (por ex.: ducenti, æ, a) seguem o plural dos adjetivos da 1ª classe boni, bonæ, bona.

• Milia (=mil, milhar) é um substantivo neutro, que segue o modelo mare, maris (pág. 7).

B) ORDINAIS: indicam a ordem de sucessão dos seres ou objetos numa série. Declinam-se como um
simples adjetivo da primeira classe. Respondem à pergunta quotus? (em que ordem?).
• Primus significa ‘o primeiro’ entre três ou mais indivíduos. Quando se trata entre dois, se
usa o comparativo prior, prius.
Roma septem reges habuit, primus Romulus fuit.
Roma teve sete reis, o primeiro foi Rómulo.

Duo duces erant, sed prior in acie occubuit.


Eram dois generais, mas o primeiro morreu na batalha.

• O mesmo vale para secundus (o segundo). Quando se trata de dois, se usa alter, altera,
alterum.

C) DISTRIBUTIVOS: se utilizam para contar e agrupar ao mesmo tempo. Por ex.: bini, æ, a = de dois em
dois. Declinam-se como o plural de um adjetivo de primeira classe, ainda que às vezes prefiram o Gn
em -um (binum por binorum; ternum por ternorum, etc.). Respondem à pergunta quoteni? (quantos
por vez? quantos cada um?).
Romani binos consules creabant
Os romanos criavam dois cônsules por vez.

Dux denos denarios militibus dedit


O comandante deu aos soldados dez denários , a cada um.

Observações gerais

 Milia se usa para os múltiplos de mil:


duo milia = dois mil, dois milhares
tria milia = três mil

Mille (=mil) é um adjetivo indeclinável: só se declina o substantivo que acompanha:


mille milites (Nom) = mil soldados
mille militum (Gen) = de mil soldados

 Para as dezenas, a construção é a seguinte:


primeiro a dezena, depois a unidade sem a conjunção et
ou, primeiro a unidade, depois a dezena, com a conjunção et:
21 viginti unus, a, um ou unus, a, um et viginti
32 triginta duo, duæ, duo ou duo,duæ, duo et triginta
Os numerrais / 25

Se opera uma substração para os números 18, 19; 28, 29; 38, 39, etc.:
18 duodeviginti = dois (tirados) de vinte
39 undequadraginta = um (tirado) de quarenta

 Depois do cem:
134 centum triginta quattuor
2.250 duo milia et ducenti quiquaginta

Para 1.000.000, se usa uma circunlocução: dez vezes cem mil:


decies (advérbio distributivo) centena (numeral distributivo) milia

 Os advérbios numerais, indeclináveis, respondem à pergunta quotiens? (quantas vezes?).

Semel in anno parentes reviso Visito meus pais uma vez por ano.

Podem ser usados com função multiplicativa junto aos cardinais e ordinais:

Decies centena milia (= dez vezes cem mil) um milhão


Bis sestertium (subentendido centena milia) duzentos mil sestercios

QUADRO DOS CARDINAIS

numerus numerus
1 I unus, a, um 30 XXX triginta
2 II duo, duæ, duo 40 XL quadraginta
3 III tres, tria 50 L quinquaginta
4 IV quattuor 60 LX sexaginta
5 V quinque 70 LXX septuaginta
6 VI sex 80 LXXX octoginta
7 VII septem 90 XC nonaginta
8 VII octo 98 XCVIII nonaginta octo
9 IX novem 99 XCIX nonaginta novem
10 X decem 100 C centum
11 XI undecim 101 CI centum (et) unus,a,um
12 XII duodecim 102 CII centum (et) duo,æ,a
13 XIII tredecim 200 CC ducenti, æ, a
14 XIV quattordecim 300 CCC trecenti, æ, a
15 XV quindecim 400 CD quadrigenti, æ, a
16 XIV sedecim 500 D quingenti, æ, a
17 XVII septendecim 600 DC sescenti, æ, a
18 XVIII duodeviginti 700 DCC septingenti, æ, a
19 XIX undeviginti 800 DCCC octingenti, æ, a
20 XX viginti 900 CM nongenti, æ, a
21 XXI viginti unus, a, um 1.000 M mille
22 XXII viginti duo, duæ, duo 2.000 MM duo milia
23 XXIII viginti tres, tria 10.000 X decem milia
28 XXVIII duodetriginta 100.000 C centum milia
29 XXIX undetriginta 1.000.000 |X| decies centena milia
26 / Os numerais

QUADRO DOS ORDINAIS, DISTRIBUTIVOS E ADVÉRBIOS NUMERAIS

ORDINAIS DISTRIBUTIVOS ADVÉRBIOS NUMERAIS

1 primus, a, um primeiro singuli, æ, a de um em um semel uma vez


2 secundus, a, um segundo bini, æ, a de dois em dois bis duas vezes
3 tertius, a, um terceiro terni, æ, a de três em três ter três vezes
4 quartus, a, um quarto quaterni, æ, a de quatro em quatro quater quatro vezes
5 quintus, etc.. quini, etc.. quinquies
6 sextus seni sexies
7 septimus septeni septies
8 octavus octoni octies
9 nonus noveni novies
10 decimus deni decies
11 undecimus undeni undecies
12 duodecimus duodeni duodecies
13 tertius decimus terni deni ter decies
14 quartus decimus quaterni deni quater decies
15 quintus decimus quini deni quindecies
16 sextus decimus seni deni sedecies
17 septimus decimus septeni deni septies decies
18 duodevicesimus duodeviceni duodevicies
19 undevicesimus undeviceni undevicies
20 vicesimus viceni vicies
21 unus et vicesimus singuli et viceni semel et vicies
22 alter et vicesimus bini et viceni bis et vicies
23 tertius et vicesimus terni et viceni ter et vicies
30 tricesimus triceni tricies
40 quadragesimus quadrageni quadragies
50 quinquagesimus quinquageni quinquagies
60 sexagesimus sexageni sexagies
70 septuagesimus septuageni septuagies
80 octogesimus octogeni octogies
90 nonagesimus nonageni nonagies
100 centesimus centeni centies
101 unus et centesimus singuli et centeni semel et centies
102 alter et centesimus bini et centeni bis et centies
200 ducentesimus duceni ducenties
300 trecentesimus treceni trecenties
400 quadringentesimus quadringeni quadringenties
500 quingentesimus quingeni quingenties
600 sescentesimus sesceni sescenties
700 septingentesimus septingeni septingenties
800 octingentesimus octingeni octingenties
900 nongentesimus nongeni nongenties
1000 millesimus singula milia milies
2000 bis millesimus bina milia bis milies
10.000 decies millesimus dena milia decies milies
100.000 centies millesimus centena milia centies milies
1.000.000 decies centies millesimus decies centena milia decies centies milies
O verbo / 27

O VERBO
O verbo é a palavra mais importante do discurso. Sem ele, expressado ou subentendido, não é
possível formar uma expressão que tenha um sentido pleno.
Ele expressa uma coisa no tempo, sob a forma de ação, de estado, de movimento, de processo:
O criado abriu o portão[ação]
Fernando estava doente [estado, situação]
Choveu em São Paulo [fato, fenômeno]

Do ponto de vista semântico, portanto, constitui o núcleo central da predicação.

28 O VERBO PORTUGUÊS

A. Dentre as classes de palavras, o verbo é a mais rica em flexões: reveste diversas formas para
indicar:
 PESSOA do discurso e NÚMERO

singular plural
1ª penso pensamos
2ª pensas pensais
3ª pensa pensam

 Os TEMPOS que situam o fato ou ação verbal dentro de determinado momento. São três:
presente: eu leio (= estou lendo) agora.

pretérito (=passado):
imperfeito Ele trancava a porta.
perfeito Ele trancou (= tem trancado) a porta.
mais-que-perfeito Ele já trancara (=tinha trancado) a porta.

futuro: do presente Ela ganhará (= terá ganhado) o concurso.


do pretérito Ela ganharia (= teria ganhado) o concurso.

Note que, quanto à forma, podem ser simples ou compostos.

 Os MODOS indicam as diferentes maneiras de um fato se realizar. São três:


Indicativo: exprime um fato certo, positivo:
Vou hoje. Saíram cedo.

Imperativo: exprime ordem, proibição, conselho, pedido


Volte logo. Não fiquem aqui. Sejam prudentes.

Subjuntivo: enuncia um fato possível, duvidoso, hipotético


É possível que chova. Se você estudasse ...

Além desses modos, existem as formas nominais do verbo, que enunciam simplesmente um
fato, de maneira vaga, imprecisa, impessoal:
Infinitivo: plantar, vender, ferir.
Gerúndio: plantando, vendendo, ferindo.
Particípio: plantado, vendido, ferido.

 Quanto à VOZ, os verbos se classificam em:


Ativos O patrão chamou o empregado.
Passivos O empregado foi chamado pelo patrão.
Reflexivos A criança feriu-se na gangorra.
28 / O verbo

B. Os verbos da língua portuguesa se agrupam em três conjugações, segundo a terminação do


infinitivo: -AR (cantar, falar), -ER (bater, comer), -IR (partir, abrir).
Como fica evidente, cada conjugação se caracteriza pela presença de uma vogal: a, e, i. Esta vogal
forma com a raiz do verbo (= parte invariável) o chamado tema verbal.
A este tema (presente em toda a conjugação) se acrescentam desinências para indicar o tempo, modo,
pessoa e número.
Assim, a estrutura de um forma verbal apresenta os seguintes elementos:

vogal desinência desinência


raiz temática modo-temporal número-pessoal

_ _ _ _ 1ª pessoa plural
AND Á SSE MOS { pretérito imperfeito-subjuntivo

BAT E RÍ EIS { 2ª pessoa plural


futuro do pretérito-indicativo

C. Observações

• Os tempos compostos (ativos e passivos) se formam com os verbos auxiliares (ter, haver e
ser) seguidos do particípio do verbo principal:
Tenho trabalhado muito.
Os dois tinham sido vistos no cinema.

• Outro tipo de conjugação composta —também chamada conjugação perifrástica—são as


locuções verbais, constituídas de verbo auxiliar mais o gerúndio ou infinitivo:
Tenho de ir esta noite.
Carlos anda viajando.
Sandra veio correndo: o noivo acabara de chegar.

• Além dos verbos de conjugação regular, existem os verbos irregulares (= sofrem


alterações no radical e/ou nas terminações: dar, trazer, dizer, ouvir, etc.), e os verbos defectivos
(= não possuem a conjugação completa, sendo usados em certos modos, tempos ou pessoas: abolir,
reaver, precaver, etc.).

29 CONJUGAÇÃO DO VERBO LATINO

O que foi dito sobre o verbo português vale, em linhas gerais, para o verbo latino.
Temos, assim, os seguintes esquemas da forma verbal latina:

nos modos estritamente temporais (Indicativo, Subjuntivo e Imperativo)

Raiz + vogal temática + sufixo temporal + desinências pessoais

TEMA

e nos denominados genera verbi, ou formas nominais do verbo (Particípio, Gerúndio, Supino)

Raiz + vogal temática + sufixo modal + desinências causais


O verbo / 29

A. Desde o ponto de vista morfológico, o verbo se enquadra dentro do sistema perfeitamente


uniformado da conjugação.
O latim apresenta quatro conjugações, segundo as terminações do infinitivo presente:

1ª em -are laud-are (louvar)


2ª em -ére mon-ēre (amoestar)
3ª em -ere leg-ĕre (ler)
4ª em -ire aud-ire (ouvir)

Note que a diferença entre a 2ª e 3ª conjugação está dada pela vogal temática da
desinência do infinitivo: e longa para a segunda, e breve para a terceira.

A estas quatro conjugações devemos agregar um grupo de verbos (15 em total) em -io .

B. Para conjugar um verbo é necessário conhecer suas formas fundamentais, que juntas constituem
o modelo ou PARADIGMA do verbo. Estas formas —todas da voz ativa—, sempre fornecidas pelo
dicionário, são as seguintes: a 1ª e 2ª pessoas singulares presente indicativo, a 1ª pessoa singular do
pretérito perfeito indicativo, o supino e o infinitivo presente.

Presente Perfeito Supino Infinitivo


Primeira laud o, as laudav i laudat um (laud) are
Conjugação

Segunda mon eo, es monu i monit um (mon) ēre


Terceira leg o, is leg i lect um (leg) ĕre
Quarta aud io, is audiv i audit um (aud) ire

Dos temas dessas formas fundamentais derivam todos os outros tempos ativos.

 Do tema do presente, que se obtém subtraindo as desinências das segundas pessoas (-as, -es, -is), e
acrescentando os sufixos temporais e desinências apropriadas, se formam:

Presente Indicativo laud-o mon-e o leg-o aud-i o


Imperfeito Indicativo laud-abam mon-ebam leg-ebam aud-iebam
Futuro imperfeito Indicativo laud-abo mon-ebo leg-am aud-iam
Presente Subjuntivo laud-em mon-eam leg-am aud-iam
Imperfeito Subjuntivo laud-arem mon-erem leg-erem aud-irem
Presente Imperativo laud-a mon-e leg-e aud-i
Futuro Imperativo laud-ato mon-eto leg-ito aud-ito
Particípio presente laud-ans mon-ens leg-ens aud-iens
Gerúndio laud-andi mon-endi leg-endi aud-iendi
Infinitivo presente laud-are mon-ére leg-ere aud-ire

 Do tema do perfeito, que se obtém subtraindo a terminação -i da primeira pessoa, e acrescentando


as respectivas desinências (iguais para as quatro conjugações), se formam:

Perfeito Indicativo laudav-i monu-i leg-i audiv-i


Mais-que-perfeito Indicativo laudav-eram monu-eram leg-eram audiv-eram
Futuro anterior Indicativo laudav-ero monu-ero leg-ero audiv-ero
Perfeito Subjuntivo laudav-erim monu-erim leg-erim audiv-erim
Mais-que-perfeito Subjuntivo laudav-issem monu-issem leg-issem audiv-issem
Infinitivo perfeito laudav-isse monu-isse leg-isse audiv-isse
30 / O verbo

 Do tema do supino, que se obtém subtraindo a terminação -um, e acrescentando as terminações


oportunas (iguais para as quatro conjugações) se formam:

laudat-urus, a, um
Particípio futuro
monit-urus, a, um
(se declinam como adjetivos da primeira classe) lect-urus, a, um
audit-urus, a, um

laudat-urum (sing) laudat-uros (pl) esse


Infinitivo futuro
monit-urum (sing) monit-uros (pl) esse
(é forma perifrástica = particípio futuro do verbo
+ infinitivo presente do verbo sum) lect-urum (sing) lect-uros (pl) esse
audit-urum (sing) audit-uros (pl) esse

O tema do supino também da origem aos particípios ou adjetivos verbais em -tus, -ta, -tum, de
caráter passivo.

30 ACIDENTES DO VERBO LATINO


São essencialmente os mesmos que o do verbo português. Alguns comuns ao nome (gênero e
número), outros próprios da categoria verbum : voz, modo, tempo e pessoa.

VOZ

 A voz ATIVA (em que o sujeito pratica a ação) apresenta as seguintes desinências pessoais:

de presente de perfeito

1 sg -o, -m -i
2 sg -s -isti
3 sg -t -it
1 pl -mus -imus
2 pl -tis -istis
3 pl -nt -erunt /-ere

Fora do pretérito perfeito de indicativo, todos os demais perfeitos levam as mesmas desinências que
os tempos de presente.

 A voz PASSIVA (em que o sujeito recebe, sofre ou padece a ação do verbo) apresenta as seguintes
desinências pessoais:

de presente
1 sg -r
2 sg -ris / -re
3 sg -tur
1 pl -mur
2 pl -mini
3 pl -ntur

Os tempos perfeitos se formam mediante uma perífrase:


o particípio passivo em -tus, -a, -um + o tempo simples correspondente do verbo SER

Por exemplo, o pretérito perfeito do indicativo da voz passiva (fui amado, etc.) é:
amatus, a, um sum, es, est, para as 3 pessoas do singular, e
amati, æ, a sumus, estis, sunt , para as 3 pessoas do plural.
O verbo / 31

MODOS

Como a palavra está dizendo, modo vem a ser a maneira em que se realiza a ação expressa
pelo verbo. Teoricamente são sete.
Três são pessoais (ou finitos): Indicativo, Subjuntivo e Imperativo.
Os restantes são impessoais (ou genera verbi ): Infinitivo, Particípio, Gerúndio e Supino.

Todos se formam mediante o correspondente TEMA + sufixos que os caracterizam em cada um dos
respectivos tempos.

MODOS PESSOAIS
INDICATIVO: informa que a ação expressa pelo verbo é exercida de maneira real, categórica,
definida, quer o juízo seja afirmativo, quer negativo, quer interrogativo: faço, vejo, fiz, vi, fizera,
não irás?, não irei.

SUBJUNTIVO: indica uma ação hipotética ou desejada. Sempre está subordinada a outro verbo:
quero que venhas.

IMPERATIVO: indica um comando (Vai embora!, Vinde até aqui.), uma exortação (Ouve este
conselho. Segui esse caminho.) e súplica (Fazei-me esse favor).
No presente só tem a segunda pessoa do singular e plural. Nas outras pessoas se usa o presente do
subjuntivo.
No futuro também encontramos a terceira pessoa singular e plural. Seu uso se limita às prescrições
de lei, às máximas, aos provérbios.

MODOS IMPESSOAIS
INFINITIVO: relata a ação verbal sem flexionar-se de acordo com as diferentes pessoas
gramaticais: amare, delēre, legĕre, audire. Existem três infinitivos: o presente, o passado e o
futuro. Pode ser usado em sentido impessoal, sem relação a um determinado sujeito. Pode servir de
substantivo neutro, de sujeito, de predicado nominal, de objeto direto.

PARTICÍPIO: não significa o mesmo que em português. São três e sempre concordam em gênero,
número e caso com o substantivo a que se refere:
presente: p.e. amans, ntis. Se declina seguindo a terceira declinação
homines amantes virtutem = homens que amam a virtude.

passado: p.e. amatus, a, um. Se declina como bonus, a, um. Pertence à voz passiva e nunca
à ativa ( amado, amada).

futuro: tem duas formas, uma para a voz ativa, outra para a passiva.
O ativo, p.e. venturus, a, um, se traduz geralmente por uma oração relativa
tempora ventura = tempos que virão, que hão de vir.
Na prosa clássica se encontra quase exclusivamente usado em união ao verbo sum , para
formar a conjugação perifrástica ativa, que expressa a iminência, a finalidade de uma ação
ou a intenção de cumpri-la
laudaturus sum = estou por louvar, tenho a intenção de louvar.

O passivo (também chamado gerundivo) se pode usar como atributo ou em união com o
verbo sum (formando com este a conjugação perifrástica passiva ). Indica a necessidade ou
oportunidade que uma ação seja feita. Em geral está acompanhada pelo agente da passiva
em caso dativo.
laudandus sum = devo ser louvado
urbes delendæ = cidades que devem ser destruídas, que vão ser destruídas.
(Note que as cidades sofrem a ação de destruir)
32 / O verbo

GERÚNDIO: pertence à voz ativa, e é considerado um ‘substantivo verbal’. Só possui quatro


casos:
genitivo: amandi (de amar)
acusativo: (ad) amandum (para amar)
dativo: amando (a amar)
ablativo: amando (por, com amar)
Se emprega um verbo em lugar de um substantivo:
Legimus ad discendum Lemos para aprender
Hora est prandendi É hora de almoçar.

SUPINO: é uma forma especial do infinitivo, invariável, que indica finalidade. Quando o supino
depende de verbos que indicam movimento (ir, vir, enviar, etc.) tem a forma terminada em um:
Venio postulatum auxilium Venho para pedir auxílio.

E quando a frase expressa um significado passivo, o supino apresenta a forma em u:


Res mirabilis visu Coisa admirável de ver
Nefas dictu Coisa ilícita de dizer (similar ao ablativo de limitação).

TEMPOS

 Como no português, se aprecia uma divisão tripartite do tempo.


Presente: indivisível canto

Pretérito ou passado: se distinguem


perfeito: é o tempo cumprido. Corresponde ao perfeito português, nas suas formas simples e
compostas = cantei, tenho cantado.
mais-que-perfeito: corresponde ao mais que perfeito português,
na sua forma composta = tinha cantado
imperfeito: corresponde ao imperfeito português = cantava.

Futuro: também divisível em


imperfeito: corresponde ao futuro do presente simples português = cantarei
anterior: corresponde ao futuro do presente composto português = terei cantado

A divisão tripartite do tempo (passado/presente/futuro) é clara no Indicativo e Infinitivo.


No Subjuntivo não existem, morfologicamente falando, futuros.
No Imperativo falta, como é lógico, o passado.
Gerúndio e Supino são indiferentes no que a tempo se refere.
No Particípio não encontramos nenhum de passado ativo, nem de presente passivo.

 O latim não apresenta as formas temporais para a construção do condicional:


futuro do pretérito: se substitui por formas do Subjuntivo
presente ou imperfeito , para a forma simples = cantaria
mais-que-perfeito, para a forma composta = teria cantado

futuro do Subjuntivo: se substitui por formas do Indicativo:


futuro imperfeito para a forma simples = cantar
futuro anterior para a forma composta = tiver cantado

Será, portanto, o sentido lógico do contexto, com sua estrutura sintática, a sugerir uma
distinção de significado entre o subjuntivo e condicional portugueses.
O verbo / 33

Por exemplo:
Verum negares (Pret. imperf. Subj.), si hoc diceres (Pret. imperf. Subj.).
Negarias (Fut. do Pret.) a verdade se dissesses (Pret. imperf. Subj.) isto.

NÚMERO e PESSOA

São categorias que se expressam mediante desinências verbais ou causais, segundo os respectivos
modos sejam ou não pessoais.
Pessoas são: primeira, segunda e terceira.
Os números: singular e plural.

31 VERBOS PARTICULARES

 Existe uma série de verbos chamados IMPESSOAIS, que se apresentam sempre na terceira pessoa
do singular para definir:
• fenômenos atmosféricos : tonat (troveja), ningit (neva), pluit (chove), fulgurat (relampagueia),
grandinat (graniza);
• sentimentos: piget (tenho preguiça), pudet (me envergonho), tædet (me arrependo);
• conveniência, utilidade, dever: licet (é lícito), decet (é decoroso), interest (interessa), oportet
(convém).

 Outra série está constituída pelos verbos DEFECTIVOS; aqueles que carecem de alguns acidentes
verbais (voz, modo, tempo, pessoas etc.):
• Verbos que têm formas isoladas: aio (digo), fari (falo), inquam (falo, digo).
• Verbos que se usam no tema de perfeito, mas com valor de presente: memini (lembro), odi
(odeio), cœpi (começo, comecei), novi (conheço — possui ambos valores).

 Nos verbos IRREGULARES, as gramáticas agrupam toda uma comprida série de verbos que
apresentam:
• variações fonéticas no tema ou na raiz (eo/ ire ),
• radicais diferentes (fero/tuli ).
Possuem a particularidade de conjugar-se segundo as normas da terceira conjugação.

 DEPOENTES são uma série de verbos que apresentam formas passivas com significação ativa.
Apresentam uma série completa de tempos no Particípio:-ns/-ntis, -tus/-ta/-tum e -ndus/-nda/-
ndum (este último com significação passiva)
Os mais habituais são: abutor (abusar), for (falar), fruor (gozar, disfrutar de), fungor (cumprir,
desempenhar), hortor (exortar), imitor (imitar), miror (admirar), potior (apoderar-se), sequor
(seguir), utor (usar), vereor (temer).
Inversamente, outros verbos possuem forma ativa e significação passiva: vapulo (ser açoitado).

 E, por último, uma série de verbos são denominados SEMIDEPOENTES, quer dizer, com forma
verbal ativa no tema do presente, e passiva no tema do perfeito. Carecem de um sistema completo.
Os mais comuns são: audeo (atrever-se), fido (confiar; e seus compostos confido, diffido), gaudeo
(alegrar-se), soleo (acostumar).

32 PARADIGMAS DOS VERBOS REGULARES


A seguir se apresentam os paradigmas ou modelos das quatro conjugações consideradas ‘regulares’,
que constituem a maioria dos verbos latinos.
Com a indicação do tempo se coloca a tradução em português só da primeira conjugação.
Em cursivo se indica os temas fundamentais do presente, do perfeito e do supino.
34 / O verbo

A) Conjugação regular da voz ativa

Modo Indicativo

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação 4ª conjugação


Tempo
laud are mon ēre leg ĕre aud ire
laud o mon eo leg o aud io
laud as mon es leg is aud is
laud at mon et leg it aud it
Presente
laud amus mon emus leg imus aud imus
(louvo, lembro, leio,
laud atis mon etis leg itis aud itis
ouço)
laud ant mon ent leg unt aud iunt

laud abam mon ebam leg ebam aud iebam


laud abas mon ebas leg ebas aud iebas
laud abat mon ebat leg ebat aud iebat
Pretérito Imperfeito
laud abamus mon ebamus leg ebamus aud iebamus
(louvava...)
laud abatis mon ebatis leg ebatis aud iebatis
laud abant mon ebant leg ebant aud iebant

laud abo mon ebo leg am aud iam


laud abis mon ebis leg es aud ies
laud abit mon ebit leg et aud iet
Futuro Imperfeito
laud abimus mon ebimus leg emus aud iemus
(louvarei...)
laud abitis mon ebitis leg etis aud ietis
laud abunt mon ebunt leg ent aud ient

laudav i monu i leg i audiv i


laudav isti monu isti leg isti audiv isti
Pretérito Perfeito
laudav it monu it leg it audiv it
(louvei, tenho
laudav imus monu imus leg imus audiv imus
louvado...)
laudav istis monu istis leg istis audiv istis
laudav erunt monu erunt leg erunt audiv erunt

laudav eram monu eram leg eram audiv eram


laudav eras monu eras leg eras audiv eras
Pretérito
laudav erat monu erat leg erat audiv erat
Mais-que-perfeito
laudav eramus monu eramus leg eramus audiv eramus
(louvara, tinha
laudav eratis monu eratis leg eratis audiv eratis
louvado...)
laudav erant monu erant leg erant audiv erant

laudav ero monu ero leg ero audiv ero


laudav eris monu eris leg eris audiv eris
Futuro Anterior
laudav erit monu erit leg erit audiv erit
(terei louvado...)
laudav erimus monu erimus leg erimus audiv erimus
laudav eritis monu eritis leg eritis audiv eritis
laudav erint monu erint leg erint audiv erint

Modo Imperativo

PRESENTE FUTURO

laud ato mon eto leg ito aud ito


laud a mon e leg e aud i laud ato mon eto leg ito aud ito
laud ate mon ete leg ite aud ite laud atote mon etote leg itote aud itote
laud anto mon ento leg unto aud iunto
O verbo / 35

Modo Subjuntivo

laud em mon eam leg am aud iam


laud es mon eas leg as aud ias
laud et mon eat leg at aud iat
Presente
laud emus mon eamus leg amus aud iamus
(louve)
laud etis mon eatis leg atis aud iatis
laud ent mon eant leg ant aud iant

laud arem mon erem leg erem aud irem


laud ares mon eres leg eres aud ires
laud aret mon eret leg eret aud iret
Pretérito Imperfeito
laud aremus mon eremus leg eremus aud iremus
(louvasse)
laud aretis mon eretis leg eretis aud iretis
laud arent mon erent leg erent aud irent

laudav erim monu erim leg erim audiv erim


laudav eris monu eris leg eris audiv eris
laudav erit monu erit leg erit audiv erit
Pretérito Perfeito
laudav erimus monu erimus leg erimus audiv erimus
(tenha louvado)
laudav eritis monu eritis leg eritis audiv eritis
laudav erint monu erint leg erint audiv erint

laudav issem monu issem leg issem audiv issem


laudav isses monu isses leg isses audiv isses
laudav isset monu isset leg isset audiv visset
Mais-que- Perfeito
laudav issemus monu issemus leg issemus audiv issemus
(tivesse louvado)
laudav issetis monu issetis leg issetis audiv issetis
laudav issent monu issent leg issent audiv issent

Infinitivo

Presente (louvar) laud are mon ere leg ere aud ire
Perfeito
laudav isse monu isse leg isse audiv isse
(ter louvado)
Futuro
laudat urum, esse monit urum, esse lect urum, esse audit urum, esse
am, um am, um am, um am, um
(ir louvar,
laudat uros, esse monit uros, esse lect uros, esse audit uros, esse
dever louvar)
as, a as, a as, a as, a

Particípio

Presente (que louva) laud ans, -ntis mon ens, -ntis leg ens, -ntis aud iens, -ntis
Futuro (que vai louvar,
laudat urus,a,um monit urus, a, um lect urus, a, um audit urus, a, um
para louvar)

Gerúndio
Genitivo (de louvar) laud andi mon endi leg endi aud iendi
Acusativo (para louvar) laud andum mon endum leg endum aud iendum
Dativo-Ablativo (louvando) laud ando mon endo leg endo aud iendo

Supino
Acusativo (para louvar) laudat um monit um lect um audit um
Dativo-Ablativo (de louvar, por louvar) laudat u monit u lect u audit u
36 / O verbo

B) Conjugação regular da voz passiva

Modo Indicativo

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação 4ª conjugação


Tempo
laud are mon ére leg ere aud ire
laud or mon eor leg or aud ior
laud aris mon eris leg eris aud iris
laud atur mon etur leg itur aud itur
Presente
laud amur mon emur leg imur aud imur
(sou louvado)
laud amini mon emini leg imini aud imini
laud antur mon entur leg untur aud iuntur

laud abar mon ebar leg ebar aud iebar


laud abaris mon ebaris leg ebaris aud iebaris
laud abatur mon ebatur leg ebatur aud iebatur
Pretérito Imperfeito
laud abamur mon ebamur leg ebamur aud iebamur
(era louvado)
laud abamini mon ebamini leg ebamini aud iebamini
laud abantur mon ebantur leg ebantur aud iebantur

laud abor mon ebor leg ar aud iar


laud aberis mon eberis leg eris aud ieris
laud abitur mon ebitur leg etur aud ietur
Futuro Imperfeito
laud abimur mon ebimur leg emur aud iemur
(serei louvado)
laud abimini mon ebimini leg emini aud iemini
laud abuntur mon ebuntur leg entur aud ientur
sum sum sum sum
laudat us, monit us, lect us, audit us,
es es es es
Pretérito Perfeito a, um a, um a, um a, um
est est est est
(fui louvado)
sumus sumus sumus sumus
laudat i, monit i, lect i, audit i,
estis estis estis estis
æ, a æ, a æ, a æ, a
sunt sunt sunt sunt
eram eram eram eram
laudat us, monit us, lect us, audit us,
eras a, um eras a, um eras a, um eras
Pretérito a, um erat erat erat erat
Mais-que-perfeito
(fora ou tinha sido eramus eramus eramus eramus
laudat i, monit i, lect i, audit i,
louvado) eratis eratis eratis eratis
æ, a æ, a æ, a æ, a
erant erant erant erant
ero ero ero ero
laudat us, monit us, lect us, audit us,
eris a, um eris a, um eris a, um eris
a, um erit erit erit erit
Futuro Anterior
(terei sido louvado) erimus erimus erimus erimus
laudat i, monit i, lect i, audit i,
eritis eritis eritis eritis
æ, a æ, a æ, a æ, a
erunt erunt erunt erunt

Modo Imperativo

PRESENTE FUTURO
laud ator mon etor leg itor aud itor
laud are mon ere leg ere aud ire laud ator mon etor leg itor aud itor
laud amini mon emini leg emini aud imini laud amini mon emini leg imini aud imini
laud antor mon entor leg untor aud iuntor
O verbo / 37

Modo Subjuntivo

laud er mon ear leg ar aud iar


laud eris mon earis leg aris aud iaris
laud etur mon eatur leg atur aud iatur
Presente
laud emur mon eamur leg amur aud iamur
(seja louvado)
laud emini mon eamini leg amini aud iamini
laud entur mon eantur leg antur aud iantur

laud arer mon erer leg erer aud irer


laud areris mon ereris leg ereris aud ireris
laud aretur mon eretur leg eretur aud iretur
Pretérito Imperfeito
laud aremur mon eremur leg eremur aud iremur
(fosse louvado)
laud aremini mon eremini leg eremini aud iremini
laud arentur mon erentur leg erentur aud irentur

sim monit us, sim lect us, sim audit us, sim
laudat us,
sis a, um sis a, um sis a, um sis
a, um sit sit sit sit
Pretérito Perfeito
(tenha sido louvado) simus simus simus simus
laudat i, monit i, lect i, audit i,
sitis sitis sitis æ, a sitis
æ, a æ, a æ, a
sint sint sint sint

essem monit us, essem lect us, essem audit us, essem
laudat us,
esses a, um esses a, um esses a, um esses
Pretérito Mais-que- a, um esset esset esset esset
Perfeito
(tivesse sido louvado) essemus essemus essemus essemus
laudat i, monit i, lect i, audit i,
essetis essetis essetis essetis
æ, a æ, a æ, a æ, a
essent essent essent essent

Infinitivo
Presente
laud ari mon eri leg i aud iri
(ser louvado)
laudat um esse monit um, esse lect um, esse audit um, esse
Pretérito Perfeito am, um am, um am, um am, um

(tenha sido louvado) laudat os, monit os,


esse esse lect os, esse audit os, esse
as, a as, a as, a as, a
Futuro (ir ser,
laudat um iri monit um iri lect um iri audit um iri
dever ser louvado)

Particípio

Pretérito (louvado) laudat us,a,um monit us, a, um lect us, a, um audit us, a, um
Futuro
laud andus, a, um mon endus, a, um leg endus, a, um aud iendus, a, um
(dever ser louvado)

• O particípio passivo futuro é também denominado Gerundivo

Supino
Dativo-Ablativo (para ser louvado) laudat u monit u lect u audit u
38 / O verbo

33 O VERBO SUM

O verbo SUM é importante, sobretudo, pela sua função de verbo auxiliar na composição dos tempos
perfeitos, na voz passiva, dos verbos regulares.
A sua conjugação é irregular, mas pode-se reconhecer uma oposição substancial de um tema em es-
(para a ação incompleta) e um tema em fu- (para a ação completa).
Não tem Supino, Particípio presente, Particípio pretérito, Gerúndio e toda a voz Passiva.

Pretérito Futuro Pretérito Mais-que- Futuro


Presente imperfeito. imperfeito perfeito perfeito anterior
I
N (fui, (fora,
(sou) (era) (serei ) tenho sido) tinha sido) (terei sido )
D
I
sum eram ero fu i fu eram fu ero
C es eras eris fu isti fu eras fu eris
A est erat erit fu it fu erat fu erit
T
sumus eramus erimus fu imus fu eramus fu erimus
I
estis eratis eritis fu istis fu eratis fu eritis
V sunt erant erunt fu erunt fu erant fu erint
O

Pretérito Pretérito Mais-que-


Presente imperfeito perfeito perfeito
S
U (seja) (fosse) (tenha sido) (tivesse sido)
B
J
sim essem fu erim fu issem
U sis esses fu eris fu isses
N sit esset fu erit fu isset
T
simus essemus fu erimus fu issemus
I
sitis essetis fu eritis fu issetis
V sint essent fu erint fu issent
O

IMPERATIVO
Presente Futuro
esto (serás)
es (sê) esto (será)
este (sede) estote (sereis)
sunto (serão)

INFINITIVO
Presente esse (ser)
Perfeito fu isse (ter sido )

Futuro
futur um, am, um { esse
(ir ser, dever ser)
futur os, as, a { esse

PARTICÍPIO
futur us, a, um (que vai ser, que deve ser, para ser )
Futuro
O verbo / 39

Igual que SUM conjugam-se seus compostos, formados, sobretudo, pela união de SUM com uma
preposição.

Presente Perfeito Infinitivo


absum, abes affui abesse estar ausente, longe
adsum, ades adfui adesse estar presente, assistir, assistir a
desum, dees defui deese faltar
insum, ines infui inesse encontrar-se em
intersum, interes interfui interesse assistir a, estar entre
possum, potes potui posse poder
præsum, præes præfui præesse presidir, dirigir, estar à frente
prosum, prodes profui prodesse aproveitar, ser útil, servir
obsum, obes obfui obesse danificar, prejudicar
subsum, subes subfui subesse estar debaixo
supersum, superes superfui superesse sobreviver, restar, ficar

Notas
• Prosum: a partícula indeclinável pro (elisão do adjetivo prode = a favor), exige o acréscimo de
um d antes de formas começadas por vogal: prod es, prod est, prod eram, etc..

• Possum: a forma pot (elisão do adjetivo potis, e = capaz de) se conserva antes de vogal e, mas
se assimila antes de consoante s (t + s = ss). A forma do perfeito (potui) pode explicar-se como
forma analógica dos perfeitos da segunda conjugação regular ativa (monui, debui, tenui).

• Com exceção de absum (que rege ablativo), todos os compostos levam na frase um complemento
habitual em dativo:
prodesse alicui ser de proveito para alguém;
abesse urbe estar longe da cidade.

• O verbo sum pode ter, dentre outros, os seguintes significados:

estar Tristis est anima mea. Minha alma está triste.


estar do lado de Esse ab aliquo. Ser partidário de alguém.
haver, existir Sunt qui censeat. Há quem julga.
morar Spes est in vobis. A esperança reside em vocês.
ser Vergilius fuit poeta Virgílio foi poeta.
ser próprio de Est iudicis ... É próprio do juiz ...[com Gen ‘de pessoa’]
servir de Hoc erit tibi dolori. Isto te causará dor.[com Dat ‘de interesse’]
viver Esse cum aliquo. Viver com alguém.

34 OS VERBOS IRREGULARES

Sob este título, as gramáticas costumam agrupar uma série de verbos que possuem variações
fonéticas no seu tema ou na sua raiz, e naqueles que apresentam mais de uma raiz.

São denominados também radicais, e têm a particularidade de conjugar-se segundo as normas da


terceira conjugação.
40 / O verbo

1) O verbo FERO e seus compostos

Este verbo possui três radicais diferentes: fer- (para os temas do presente), tul- (para os temas
do perfeito) e lat- (para os temas do supino). Partindo deste princípio, desaparecem as
anomalias de todo tipo.

O modelo é:

fero, fers; tuli; latum, ferre = levar

VOZ ATIVA

Presente: fero, fers, fert, ferimus, fertis, ferunt


Imperfeito: ferebam, ferebas, ferebat, etc..
Futuro imperfeito: feram, feres, feret, etc..
INDICATIVO
Pretérito perfeito: tuli, tulisti, tulit, etc..
Mais -que-perfeito: tuleram, tuleras, tulerat, etc..
Futuro anterior: tulero, tuleris, tulerit, etc..

Presente: feram, feras, ferat, etc..


Imperfeito: ferrem, ferres, ferret, etc..
SUBJUNTIVO
Perfeito: tulerim, tuleris, tulerit, etc..
Mais-que-perfeito: tulissem, tulisses, tulisset, etc..

Presente: fer / ferte


IMPERATIVO
Futuro: ferto, ferto / fertote, ferunto

Presente: ferre
INFINITIVO Pretérito: tulisse
Futuro: laturum esse

Presente: ferens, ntis


PARTICÍPIO
Futuro: laturus, a, um

GERÚNDIO ferendi, -do, -dum, -do

SUPINO latum

VOZ PASIVA

Presente: feror, feris, fertur, ferimur, ferimini, feruntur


Imperfeito: ferebar, ferebaris, ferebatur, etc..
Futuro imperfeito: ferar, fereris, feretur, etc..
INDICATIVO
Pretérito perfeito: latus, a, um sum, etc..
Mais -que-perfeito: latus, a, um eram, etc..
Futuro anterior: latus, a, um ero, etc..
O verbo / 41

Presente: ferar, feraris, feratur, etc..


Imperfeito: ferrer, ferreris, ferretur, etc..
SUBJUNTIVO
Perfeito: latus, a, um sim, etc..
Mais-que-perfeito: latus, a, um essem, etc..

Presente: ferre / ferimini


IMPERATIVO
Futuro: fertor, fertor / feruntor

Presente: ferri
Pretérito: latum, am, um esse (sing.)
INFINITIVO latos, as, a esse (pl.)
Futuro: latum iri

Perfeito: latus, a, um
PARTICÍPIO
Futuro: ferundus, a, um

SUPINO latu

Os compostos de FERO
Assim como FERO se conjugam todos seus compostos:
affero (levar para), aufero (roubar), antefero (antecipar), circumfero (levar ao redor),
confero (trazer juntamente), defero (derrubar), differo (diferir), effero (levar para fora),
infero (introduzir), offero (oferecer), perfero (suportar), præfero (preferir), profero (levar
para diante), refero (referir), transfero (transportar), suffero (soportar).

2) O verbo EO e seus compostos


Supõem uma extensa gama de verbos, todos intransitivos, que não têm voz passiva. Se
nas terceiras pessoas encontramos itur, euntum est, ibatur, não significa que temos um
significado passivo, mas reflexivo: ‘vai-se’, ‘se deve ir’, etc..
A dificuldade principal é a alternância na raiz de e/i: eo/it, eam/ibam, etc..
O Gerúndio muda a vogal temática esperada -e por -u, para evitar o hiato entre dois -e-
seguidos.
O modelo é:
eo, is; ii (ou ivi), itum; ire = ir

e o esquema de sua conjugação é a seguinte:

Modo
Indicativo Subjuntivo Imperativo Infinitivo Gerúndio Particípio
Tempo

Presente eo, is, it, eunt eam, eas, eat i / ite ire eundi, eundo iens/euntis

Imperfeito ibam, ibas irem, ires –– –– –– ––

Futuro impf. ibo, ibis –– itote-eunto iturum esse –– iturus, a, um

Perfeito ii, iisti ierim, ieris –– iisse –– ––


Mais-que-
perfeito ieram, ieras iissem, iisses –– –– –– ––
Futuro ant. iero, ieris –– –– –– –– ––
42 / O verbo

Os compostos de EO
Assim como EO, se conjugam seus compostos. Os principais são:
abeo (retirar-se), adeo (ir a), circumeo (rodear), coeo (ir com), exeo (sair), ineo (começar),
intereo (morrer), introeo (entrar), obeo (acabar), pereo (perecer), praeo (preceder),
prætereo (passar por alto), prodeo (aparecer), redeo (voltar), subeo (sofrer), transeo
(ultrapassar).

Observações:

• Alguns destes verbos apresentam no perfeito tanto a forma -ii como a forma -ivi: exii
ou exivi, redii ou redivi, etc.

• Pereo (perecer) se usa como passivo de perdo (causar a perda de), que do passivo só
tem as formas perditus e perdendus.

• Veneo (ser vendido) atua como passivo de vendo (vender), que do passivo só tem as
formas venditus e vendendus.

• Queo (poder) e nequeo (não poder), não são derivados de eo, mas conjugam-se do
mesmo modo que este.

3) Os verbos VOLO, NOLO e MALO


Estes três verbos carecem de Supino (e dos tempos que dele derivam) e de Gerúndio.
Apresentam algumas irregularidades no tema do presente (e dos tempos que dele derivam), e
somente são ‘regulares’ no Perfeito (e nos tempos que dele derivam).

Apresentamos contemporaneamente as conjugações dos três verbos, para advertir a


afinidade entre eles.

Modo
Indicativo Subjuntivo Imperativo Infinitivo Gerúndio Particípio
Tempo
volo velim –– velle volens, ntis
Presente nolo nolim noli / nolite nolle –– nolens, -ntis
malo malim –– malle ––

volebam vellem
Imperfeito nolebam nollem –– –– –– ––
malebam mallem

volam/-es ––
Futuro nolam/ -es –– nolito /-tote –– –– ––
imperfeito malam/ -es ––

volui voluerim voluisse


Perfeito nolui noluerim –– noluisse –– ––
malui maluerim maluisse

volueram voluissem
Mais-que-
nolueram noluissem –– –– –– ––
perfeito
malueram maluissem

voluero
Futuro
noluero –– –– –– –– ––
anterior
maluero
O verbo / 43

O presente do Indicativo é o tempo mais irregular, e por isso apresentamos sua conjugação
completa:

volo (eu quero) nolo (não quero) malo (prefiro)


vis non vis mavis
vult non vult mavult
volumus nolumus malumus
vultis non vultis mavultis
volunt nolunt malunt

4) O verbo FIO e os compostos de FACIO

O verbo fio (ser feito) atua como forma passiva do verbo facio (fazer). Ele se conjuga como
audio, da 4ª conjugação.
A sua ‘irregularidade’ consiste em ter, no tema do presente, forma ativa com significação
passiva. Nos tempos do tema do perfeito a sua conjugação é completamente regular.

Seu modelo é:
fio, fis; factus sum; (sem Supino); fieri

e o esquema de sua conjugação:

Modo
Indicativo Subjuntivo Imperativo Infinitivo Particípio
Tempo

Presente fio, fis ... fiam, fias ... fi / fite fiere ––

Imperfeito fiebam, ... fierem, ... –– –– ––

Futuro impf. fiam, fies, .. –– fito / fitote –– futurus, a, um


factum, am, um esse
Perfeito factus sum, .. factus sim, ... –– factus, a, um
factos, as, a esse
Mais-que-
factus eram .. factus essem.. –– –– ––
perfeito
Futuro
factus ero, ... –– –– –– ––
anterior

Fio se usa também com o sentido de ‘mudar-se’, ‘resultar’. Nas formas impessoais da terceira
pessoa singular (fit, fiebat, fiet, factum est, etc.) se traduzem no significado de ‘acontecer’.
São compostos de fio: calefio (aquecer-se), madefio (ser molhado).

Os compostos de FACIO
Formam uma abundante lista. São de dois tipos:

a) Compostos por preposição: mudam o -a- em -i- no presente: facio/perficio, etc..


afficio (afetar), conficio (terminar), deficio (faltar), efficio (executar), inficio (impregnar
de), interficio (matar), officio (intervir), perficio (fazer inteiramente), proficio (avançar),
reficio (refazer), sufficio (bastar).

b) Compostos de advérbio: não muda o -a-: satisfacio (dar satisfação a), benefacio (fazer bem),
etc..
/ O advérbio

O ADVÉRBIO

35 O ADVÉRBIO PORTUGUÊS
a) O advérbio é uma palavra que modifica, fundamentalmente, o verbo.
Por exemplo:
O navio chegou ontem.
Você comprendeu-me mal.
O almoço decorria lentamente.

A essa função básica, certos advérbios podem reforçar o sentido:


a) de um adjetivo:
Ele teve uma conversa muito edificante.
Ficara completamente imóvel.

b) de um advérbio:
Passei a noite bem mal.
O homem caminhava muito devagar.

c) de toda uma oração:


Possivelmente, não haverá ceia este ano.
– Eu me recuso, simplesmente.

2) Os advérbios se classificam segundo a circunstância ou outra ideia acessória que expressam.


Distinguem-se os seguintes tipos:
afirmação: sim, certamente, efetivamente, realmente, etc..
dúvida: acaso, porventura, possivelmente, quiçá, talvez, etc..
intensidade: assaz, bastante, bem, demais, mais, menos, muito, pouco, etc..
lugar: abaixo, acima, adiante, além, ali, dentro, longe, onde, etc..
modo: assim, bem, debalde, devagar, e quase todos os terminados em -mente.
negação: não.
tempo: agora, ainda, amanhã, cedo, depois, logo, sempre, etc.

36 O ADVÉRBIO LATINO
A. A maior parte dos advérbios latinos derivam de adjetivos, da seguinte maneira:

1. Se o adjetivo é da primeira classe, se substitui a desinência -i do Gn singular, pela terminação -e.


Mas alguns tomam a terminação -o, ou -um.

Adjetivo Genitivo Advérbio

doctus doct-i doct-e sabiamente


miser miser-i miser-e miseravelmente
piger pigr-i pigr-e vagarosamente
falsus fals-i fals-o falsamente
nimius nimi-i nimi-um demasiado
O advérbio / 45

2. Se o adjetivo é da segunda classe, se substitui a desinência -is do Gn singular, pela terminação -


iter. A terminação é somente -er nos adjetivos que terminam em -ans ou -ens.

Adjetivo Genitivo Advérbio

acer acr-is acr-iter agudamente


brevis brev-is brev-iter brevemente
felix felic-is felic-iter felizmente
prudens prudent-is prudent-er prudentemente
constans constant-is constant-er constantemente

B. Certos advérbios são suscetíveis de gradação. Podem apresentar um COMPARATIVO e um


SUPERLATIVO, formados por processos análogos aos que observamos na flexão correspondente
dos adjetivos (ver pág. 11-13).

O comparativo de superioridade é sempre igual ao comparativo neutro singular do adjetivo do


qual o advérbio deriva.
Para o comparativo de inferioridade e de igualdade se recorre, como nos adjetivos, a minus...
quam e a tam... quam.
O superlativo se forma modificando em e a terminação masculina us do adjetivo superlativo.

Adjetivo Advérbio

Comparativo Superlativo

doctus doctius doctissime


gravis gravius gravissime
pulcher pulchrius pulcherrime
constans constantius constantissime
benevolus benevolentius benevolentissime

Existem advérbios que, não derivando de adjetivos, apresentam um comparativo e superlativo. Os


principais são:

Positivo Comparativo Superlativo

diu (por muito tempo) diutius diutissime


intra (dentro) interius intime
post (depois) posterius postremo / um
præ (antes) prius primo - primus
prope (perto) propius proxime
sæpe (muitas vezes) sæpius sæpissime
ultra (além) ulterius ultime
supra (sobre) superius summe
46 / A preposição

A PREPOSIÇÃO

37 A PREPOSIÇÃO PORTUGUESA

• A preposição é uma partícula invariável que relaciona dois termos de uma oração, de tal modo
que o sentido do primeiro (ANTECEDENTE) é explicado ou completado pelo segundo
(CONSEQUENTE). Por exemplo:

Antecedente Preposição Consequente

Vou a São Paulo.


Todos saíram de casa.
Chegaram a tempo.
Estive com Pedro.
Chorava de dor.

• A relação que se estabelece entre palavras ligadas por intermédio de preposição pode exprimir,
fundamentalmente, um movimento ou uma situação (resultante do movimento). A ideia de
movimento está presente nos dois primeiros exemplos mencionados; enquanto que a idéia de
situação, nos três últimos.

• Tanto o movimento como a situação podem ser considerados em referência ao:


• espaço: Todos saíram de casa.
• tempo: Trabalha de 8 às 8, todos os dias.
• noção: Chorava de dor. O livro de Pedro.
• Quanto à forma, as preposições podem ser:
simples: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, etc..
compostas: abaixo de, acerca de, de acordo com, graças a, para com, por causa de, etc..

38 A PREPOSIÇÃO LATINA

• As preposições latinas se antepõem, em geral, a um substantivo, outorgando-lhe uma


determinação especial. Servem, portanto, a formar diversos complementos (de lugar, tempo,
companhia, etc..).

• Elas regem principalmente os casos Acusativo e Ablativo. Por exemplo:

Ad castra venire = Vir ao acampamento.


Extra periculum essere = Estar fora de perigo

Ab omnibus diligi = Ser amado por todos.


Coram iudice se defendere = Defender-se diante do juiz.

Algumas provêm de antigos casos fossilizados: causa (a causa de) e gratia (com objeto de) são
simples Ablativos, aos quais o uso converte em preposições. Elas, junto com ergo (por
causa de), regem o Genitivo.

• Algumas preposições funcionam também como advérbios, e então não regem qualquer caso, mas
têm significação plena.

iuxta (preposição) aras litare = Sacrificar perto dos altares.


iuxta (advérbio) habitare = Morar perto.

Propter (prep.) pestilentiam mori = Morrer por causa da peste.


Propter (adv.) est spelunca = Há uma gruta perto.
A preposição / 47

• Elencamos as principais preposições, e seus significados mais comuns, marcando com um


asterisco (*) aquelas que podem funcionar também como advérbios:

Preposições de ACUSATIVO

ad para, a, até, junto a penes em poder de


adversus * em frente de, contra per por, por meio de, durante
ante * adiante de, na presença de pone * atrás de, por detrás de
apud perto de, junto a, em post * depois de, detrás de
circa * ao redor de, a respeito de præter * acima de, ao longo de
cis (citra *) deste lado, aquém prope * perto de, junto a
contra * contra, frente a propter * por causa de, junto a
erga com relação a secundum segundo, depois de
extra * fora de, exceto subter debaixo de , sob-
infra * abaixo de supra * acima de, sobre
inter entre, no meio de, em trans além, para lá de
intra * no espaço de, dentro de ultra * além de, fora de
iuxta * junto a, perto de usque até, para
ob por causa de, diante de versus (um) para, em direção a

Nota: versus/versum é sempre colocada depois do caso que rege:


Roman versus redire = Regressar para Roma.

Preposições de ABLATIVO

a (ab) de, desde, por, a favor de palam * em presença de


absque sem, exceto præ adiante de, por causa de
clam a escondidas de pro diante de, a favor de
coram * na presença de, perante procul * longe de
cum com simul * ao mesmo tempo que
de de, a respeito de, durante sine sem
e (ex) de, desde, da parte de tenus até

Notas:
a se usa diante de palavras que começam com consoante; ab diante daquelas que começam
por vogal ou h.
e se usa diante de consoante; ex diante de vogal ou consoante.
tenus se pospõe sempre a seu caso. Também pode reger um Genitivo.

Preposições de ABLATIVO e ACUSATIVO

Ac: a, para, por


in
Abl: em, entre, a respeito de

Ac: debaixo de, depois de, sob-


sub Abl: debaixo de

Ac: sobre, durante


super * Abl: sobre, acerca de
48 / A conjunção

A CONJUNÇÃO

39 CARACTERÍSTICAS GERAIS
• Do latim coniunctio, união, a conjunção enlaça ou relaciona elementos gramaticais equivalentes:
palavras (substantivos, adjetivos, pronomes):
Coisas humanas e divinas.
O tempo e a maré não esperam por ninguém.
e orações (coordenadas e subordinadas):
Eram três da tarde quando cheguei às arenas romanas.
Pediram-me que definisse o Arpoador.

• São palavras invariáveis, e em muitos casos são simples elementos de união que funcionam de
uma maneira mecânica. Algumas procedem de antigos advérbios (dum), outras de uma
palavra flexionada (sobretudo o pronome relativo; por ex. quare, de qua+re), e outras da
justaposição de vários elementos (por ex. quamobrem, de quam+ob+rem).

40 CLASSIFICAÇÃO GERAL DAS CONJUNÇÕES LATINAS

Do ponto de vista funcional se classifica em dois grandes grupos:

1. COORDENATIVAS: sua função é a simples união, ou trânsito de uma frase a outra. Segundo o
contexto, podem assumir certos valores de intensidade, oposição, conclusão, ironia, dúvida. Na
maior parte dos casos marcam unicamente a pausa, ou a continuação de um enunciado.

et, ac, atque, -que (enclítica) = e 


Expressam um mero enlace. Aportam uma
Aditivas 
 ideia nova à frase.
nec, neque = e não, nem

vel, aut, ve = ou, já, ora 

 Manifestam uma disjunção ou alternativa, às



Disjuntivas neu, neve = ou não 
vezes por meio de um contraste.

seu, sive = já, já


sed, vero, autem, at = mas 


Dão ideia de ruptura, contraste
Adversativas 
 ou oposição
tamen, verum, attamen, ast = todavia, contudo

 Tem leves matizes causais.
Causais nam, namque, enim etenim = pois, com efeito  Podem ser partículas de simples
 trânsito na frase.


Indicam uma razão de ser de
ergo, igitur, itaque = logo, pois, portanto, assim que  um estado de coisas;
 justificam uma atitude;
Conclusivas quare, ideo = pelo que  continuam um raciocínio;
indicam a consequência de
idcirco, quapropter = pelo qual
um fato.

As conjunções coordenativas adquirem um valor de intensidade. Pode ser a intensidade ou


vigor no enunciado (por ex. et = sim, efetivamente, quer dizer, especialmente), unido a uma
afirmação sem reservas (= certamente, claro). Outras vezes se trata de uma ênfase especial, ou
de matizes de ironia, sarcasmo ou estranheza.

2. SUBORDINATIVAS: não introduzem frases, mas pedaços de frases, subordinados ou conectados


mediante a conjunção. Este nos explica claramente que o período que segue, não tem uma
simples existência semântica autônoma.
Uma conjunção subordinada encabeça o enunciado subordinado e arrasta consigo todas as
palavras que existem na cadeia da frase até a próxima pausa.
A conjunção / 49

Causais Finais
 quod, quia, quo = porque  ut, uti = para que
quoniam, quando = visto que, já que quo = para que
cum, siquidem = pois que, como ne, ut ne = para que não

Condicionais Concessivas
 si, qud si = se, e se  quamquam, etsi = ainda que, se bem que
nisi, ni = se não tametsi, etiamsi = ainda que, mesmo se
sin = mas se licet, ut, cum = admitindo que, embora
dum, modo = com tal que quamvis = por mais que, embora

Consecutivas Comparativas
 ut = que, a fim de que  ut, uti, velut, veluti = como
ut non = que não, a fim de que não quasi, tamquam si = como se

Temporais
 cum, ut, ubi = quando, logo que, no tempo em que, como

ubi primum, dum = apenas, logo que, enquanto, até que
antequam, priusquam = antes que, antes de
simul ac, postquam = assim que, depois que, desde que
quoad, donec = enquanto, até que
50 / A interjeição

A INTERJEIÇÃO

41 CARACTERÍSTICAS GERAIS

É uma palavra invariável que serve para exprimir, resumida e subitamente, nossas emoções.
A mesma reação emotiva pode ser expressa por mais de uma interjeição. Inversamente, uma só
interjeição pode corresponder a sentimentos variados e, até, opostos. O valor de cada forma
interjetiva depende fundamentalmente do contexto e da entoação. Na escrita, vem de regra
acompanhada do ponto de exclamação (!).

Entre as mais usadas, podemos enumerar

Alegria io, euhoe, evoe : oba! viva! (próprio dos ritos em honra a Baco)
Dor heu, eheu, hei, ah, oh, ohi : ai! ui!
Desprezo hui, poh, pro, vah : ora essa! oh! ah!
Admiração hem, o, vah : oh!
Ameaça væ (com Dat): desgraçado, infeliz
Espanto ah, pro : ui! uh!
Esortação eia, heia, euge : eia! coragem!

Também são usadas como interjeições advérbios, adjetivos, substantivos, verbos, vocativos
de nomes próprios de algumas divindades (especialmente com o significado de
promessa ou juramento):

bene : bem!
malum : ao diabo! vergonha!
nefas: horror!
indignum : ó infâmia!
infandum : maldição!
age, agite, agedum : avante! vamos!

Fórmulas de juramento

Ecastor, Mecastor : por Castor!


Edepol : por Pollux!
Hercule, Hercle, Mehercules : por Hércules!
Índice remissivo / 51

ÍNDICE REMISSIVO
Ablativo 4 ipse 15 tibi 14
Acusativo 4 ipsum 18 tu 14
Adjetivos 11 is 17, 41 tuus 15
comparativo 11 isdem 18 vellem 42
positivo 11 ista 17 vendo 42
superlativo 12 istud 17 Veneo 42
Advérbio 44 iuxta 46 Verbos
comparativo 45 ivi 41 defectivos 33
superlativo 45 me 14 depoentes 33
Caso 3 mihi 14 impessoais 33
Conjugação Modos irregulares 33
defectivos 28 Gerúndio 27 regulares 33
irregulares 28 Imperativo 27 semidepoentes 33
perifrástica 28 Indicativo 27 versus 47
regular 28 Infinitivo 27 vester 15
Conjunção Particípio 27 vis 7, 8, 43
Coordenativas 48 Subjuntivo 27 vobis 14
Subordinativas 48 nemo 21 Vocativo 4
Dativo 4 nihil 21 vogal temática 28
Declinação 4 Nolo 42 Volo 42
Desinência 3 Nominativo 4 vos 14
desinências causais 28 número 3 Voz ativa 30
desinências pessoais 28 Particípio 31 passiva 30
ea 17 per 13 vultis 43
ego 14 pluralia tantum 3
eius 16, 17 qua 19, 20
eiusdem 18 quædam 22
eo 17, 41 quem 19, 20
eodem 18 Queo 42
eundem 18 quid 20
eunt 41 quo 49
Facio 43 quod 19, 49
Fero 40 quot 23
Fio 43 se 14
gênero 3 sese 14
Genitivo 4 sibi 14
Gerúndio 32 Subjuntivo 31
hac 16 sufixo modal 28
hic 16 sufixo temporal 28
hoc 16 sui 14
i 17 Sum 39
id 17 Supino 32
idem 18 suus 15
ii 17, 41 te 14
iidem 18 Tema 3
illud 17 tema verbal 28
Imperativo 31 do perfeito 29
Indicativo 31 do presente 29
Infinitivo 31 do supino 30
Interjeição 50