Anda di halaman 1dari 138

Química

Tesla Concursos Públicos para Engenharia


Av. Albino José de Oliveira, 2039
Jardim Afe  Barão Geraldo
Campinas  SP
Telefone: (19) 4141 2199
www.teslaconcursos.com.br
Carta da terceira edição:

Prezados concursandos,

Nesta terceira edição zemos algumas correções e acréscimos tendo em vista os concur-

sos recentes bem como a experiência de nossas turmas presenciais e telepresenciais no sentido

de melhorar o material didático.

Esperamos que nossos esforços sejam recompensados viabilizando aprendizado e revisão mais

objetivos para aumentar o aproveitamento de nossos alunos e usuários de material didático nos

concursos.

Apesar de este material ser primariamente usado em nossos cursos presenciais e à distância,

ele foi pensado para que sirva como um guia de estudo resumido com os principais tópicos dos

concursos que envolvem o assunto desta disciplina


Sobre o autor: Coordenação:

Roberta Kamei Rodrigues Alysson Fernandes Mazoni

Graduação em Bacharelado em Química Tec- Graduado em Engenharia de Controle e Au-

nológica pelo Univecidade Estadual de Cam- tomação pela Unicamp, mestrado em con-

pinas. É doutoranda da Universidade Esta- trole de vibrações em estruturas exíveis e

dual de Campinas, atuando principalmente doutorando na mesma área. Trabalha com

nos seguintes temas: micelas gigantes, siste- teoria e prática de sistemas dinâmicos. Mi-

mas coloidais, redução de atrito hidrodinâ- nistras as disciplinas em nível superior de

mico e reologia. Seu atual projeto, desenvol- Controle, Processamento de Sinais, Vibra-

vido em conjunto com a Petrobrás, consiste ções, Máquinas Elétricas e Projeto em Com-

no estudo do controle reológico de sistemas putador.

de contenção de poços.

Edição:

Filipo Pires Figueira

Graduando em Letras Licenciatura pela Uni-

versidade Estadual de Campinas (Unicamp).


Sumário

1 Líquidos e Gases, CNTP e Gases Ideais e Reais 6

1.1 Estados físicos da matéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

1.2 Mudanças de estado físico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

1.3 CNTP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

1.4 Pressão de Vapor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

1.5 Gases Ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

1.6 EQUAÇÕES: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

1.7 Gases reais: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

2 Funções Inorgânicas 12

2.1 Ácidos Classicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

2.2 Ácidos Nomenclatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

2.3 Bases Classicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

2.4 Bases Nomenclatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

2.5 Sais Classicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

2.6 Sais Nomenclatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

2.7 Conceito de Acidez e Basicidade de Arrhenius . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

1
2.8 Conceito de Acidez e Basicidade de Brönsted-Lowry . . . . . . . . . . . . . . . . 18

2.9 Conceito de Acidez e Basicidade de Lewis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

2.10 Óxidos Classicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

2.11 Óxidos Nomenclatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

3 Estequiometria, Cinética Química e Soluções 24

3.1 Estequiometria de Fórmula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

3.2 Estequiometria de Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

3.3 Reações com reagentes em excesso e limitante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

3.4 Rendimento da Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

3.5 Pureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

3.6 Velocidade de Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

3.7 Equilíbrio Químico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

3.8 Soluções: Unidades, Diluição, e Mistura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

3.9 Unidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

3.10 Diluição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

3.11 Mistura de Soluções sem Reação Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

3.12 Mistura de Soluções com Reação Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

4 Eletroquímica 38

4.1 Reações de oxidação e redução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

4.2 Balanceamento de reações de oxirredução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

4.3 Pilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

4.4 Eletrólise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

2
5 Reações Orgânicas, de Polimerização, de Saponicação e de Síntese de Bio-
diesel 44

5.1 Funções Orgânicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

5.2 Isomeria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

5.3 Reações orgânicas: Substituições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

5.4 Reações orgânicas: Adições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

5.5 Reações orgânicas: Eliminações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

5.6 Reações orgânicas: Rearranjo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

5.7 Reação radicalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

5.8 Síntese dos alcanos e dos cicloalcanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

5.9 Redução dos haletos de alquila. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

5.10 Adição de haletos de hidrogênio aos alcenos: a regra de Markovnikov . . . . . . 52

5.11 Reações de oxidação-redução na química orgânica . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

5.12 Sistemas insaturados conjugados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

5.13 Reações de compostos aromáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

5.14 Reação de Wittig . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

5.15 Biodiesel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

5.16 Sabões e detergentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

5.17 Polímeros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

5.17.1 Polímeros de adição: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

5.17.2 Polietileno: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

5.17.3 Polipropileno: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

5.17.4 Poliestireno: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

3
5.17.5 Cloreto de Polivinila (PVC): . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

5.17.6 Politetrauoretileno ou Teon: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

5.17.7 Policloropreno ou Neopreno: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

5.17.8 Copolímeros: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

5.17.9 Poliuretano (a): . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

5.17.10 Polímeros de condensação: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

5.17.11 Poliésteres: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

5.17.12 Poliamidas ou Nylons: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

5.18 Mecanismo: Reação de adição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

5.19 Mecanismo: Reação radicalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

5.20 Mecanismo: Hidrogenação dos alcenos e alcinos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

5.21 Mecanismo: Explicação teórica da regra de Markovnikov . . . . . . . . . . . . . 63

5.22 Mecanismo: Álcoois pela redução de compostos carbonílicos . . . . . . . . . . . 63

5.23 Mecanismo: Oxidação de álcoois primários em ácido carboxílico . . . . . . . . . 64

5.24 Mecanismo: Oxidação de álcoois secundários em cetonas . . . . . . . . . . . . . 64

5.25 Mecanismo: Reagentes de Grignard . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

5.26 Mecanismos: Reações de compostos aromáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

5.27 Mecanismos: Reação de substituição nucleofílica . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

5.28 Mecanismo: Reações de eliminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

6 Titulação, Espectroscopia, Espectrometria, Cromatograa e Potenciometria 72

6.1 Titulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

6.2 Espectroscopia UV-VIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

4
6.3 Espectrometria de Absorção Atômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76

6.4 Cromatograa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

6.5 Cromatograa de camada delgada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

6.6 Potenciometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

6.7 Equação de Nernst . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

7 Exercícios Resolvidos 84

8 Banco de Questões Cesgranrio 103

8.1 O texto a seguir refere-se às questões de nos 67 e 68. . . . . . . . . . . . . . . . 130

5
1 Líquidos e Gases, CNTP e Gases Ideais e Reais

• Sólido: Moléculas extremamente próxi-

Tópicos mas, forma e volume denidos.

• Líquido: Moléculas um pouco afastadas,

proporcionando uidez à matéria, com

1.1 Estados físicos da matéria 6


forma variável, porém com volume de-

1.2 Mudanças de estado físico 6 nido.

1.3 CNTP . . . . . . . . . . 7
• Gasoso: Átomos ou moléculas muito

1.4 Pressão de Vapor . . . . 7


afastados e sem forma ou volume de-

1.5 Gases Ideais . . . . . . . 7 nido.

1.6 EQUAÇÕES: . . . . . . . 8

1.7 Gases reais: . . . . . . . 10

Teoria
Figura 1.1: Estados Físicos da Matéria.

1.1 Estados físicos da ma-


1.2 Mudanças de estado
téria
físico
Refere-se a como se apresentam as partículas
Inuenciadas por temperatura e pressão con-
que compõem uma substância a uma deter-
forme os grácos abaixo.
minada temperatura e pressão. A princípio,

consideraremos três estados físicos: Cada trecho do diagrama indica:

6
1.3 CNTP

Condições Normais de Temperatura e Pres-

são são as condições geralmente empregadas

para medidas de gases em condições atmos-

féricas.

Figura 1.2: Gráco: Temperatura por Quan- Pressão:1 atm ou 760 mmHg
tidade de calor absorvido.


Temperatura: 0 C ou 273,15 K

AB  sólido Volume de um mol de gás ideal: 22,4 L

BC  sólido em fusão + líquido

CD  líquido

DE  líquido em ebulição + vapor

EF  vapor

Tf  temperatura de fusão
1.4 Pressão de Vapor
Te  Temperatura de ebulição

Pressão exercida pelo vapor quando está em

equilíbrio dinâmico com o líquido que lhe deu

origem, ou seja, quando a quantidade de lí-

quido que evapora é a mesma que condensa.

Esta propriedade física depende intimamente

da temperatura do sistema.

1.5 Gases Ideais


Figura 1.3: Gráco: Pressão por Tempera-
São gases hipotéticos formados por partícu-
tura.
las pontuais, que não se atraem nem se repe-

lem e cujos choques são perfeitamente elásti-

7
cos. Solução:

1.6 EQUAÇÕES:

P V = nRT

P1 V 1 P2 V2
=
T1 n1 T2 n2

T constante (isotérmica): P1 V1 = P2 V2

P1 P2
V constante (isocórica, isométrica): =
Exemplo
T1 T2

V V2
P constante (isobárica): 1 =
T1 T2
Exemplo
P = Pressão
Um recipiente de volume constante contém

V = Volume 2,0 moles de um gás à pressão de 1,0 atmos-

fera e temperatura T. Se nesse recipiente fo-


n = mols de gás

rem introduzidos mais 2,0 moles do mesmo


R = Constante Universal dos Gases Perfeitos
gás à mesma temperatura, a pressão sofrerá
(8,32 L.kPa/K.mol = 62,3 L.mmHg/K.mol)
um acréscimo de:

T = Temperatura
a) 0,5 atm

Exemplo b) 1,0 atm

c) 1,5 atm
Exemplo
d) 2,0 atm
Uma determinada amostra de matéria funde
e) 2,5 atm

à temperatura constante de -219,6 C e ferve


a -188,2 C. Faça um esboço do gráco de
Solução:
temperatura em função do tempo para o res-
Estado inicial: n1 = 2mols P1 = 1atm
friamento dessa amostra, partindo do estado

gasoso e chegando até o estado sólido. Estado nal: n2 = n1+2 = 4mols

8
Supondo gás ideal e volume constante e) todas.

(mesmo recipiente).

P2 = 2atm Solução:

Acréscimo: P2 − P1 = ∆P = 2 − 1 = 1atm

Resposta: B • I- Falso. A massa do sistema é cons-

tante e o afastamento do pistão aumenta

o volume, diminuindo a massa especíca

m
ρ= V
.

Exemplo
• II- Verdadeiro. O aquecimento eleva
Exemplo
a temperatura, diretamente relacionada

Considere as armações abaixo relativas ao


com a energia cinética média (proporci-

aquecimento de um mol de gás N2 contido


onal para gases ideais).

em um cilindro provido de um pistão móvel

• III- Verdadeiro. Não escapa gás do pis-


sem atrito:

tão.

• I. A massa especíca do gás permanece


• IV- Falso. Se considerado gás ideal

constante.
(P V = nRT ), ao aumentar a tempe-

• II. A energia cinética média das molécu- ratura, o pistão é deslocado para cima,

las aumenta. aumentando o volume do sistema. Por-

tanto, o produto P x V aumenta.


• III. A massa do gás permanece a mesma.

• IV. O produto pressão x volume perma- Resposta: C

nece constante.

Das armações feitas, estão CORRETAS

a) apenas I, II e III.
Exemplo
Transpetro  2011  Químico de Petró-
b) apenas I e IV.
leo Jr.
c) apenas II e III.

d) apenas II, III e IV. A pressão nal de uma determinada massa

9
de um gás ideal, se triplicando seu volume Portanto, a resposta D é correta. A pressão

1
e reduzida sua temperatura a da original, nal (P2) é 12 vezes menor que a pressão
4

torna-se inicial (P1).

3
(A) da pressão original. Resposta: D
4
4
(B) da pressão original.
3

(C) doze vezes maior que a original.

(D) doze vezes menor que a original.

(E) sete vezes menor que a original.


1.7 Gases reais:
Em um gás ideal, não há forças intermole-

Solução: culares e se considera que o volume ocupado

Considerando a equação dos gases ideais PV pelas moléculas é desprezível em relação ao

= nRT, e considerando que o número de mols volume total do recipiente que ocupa o gás.

é constante (não tem variação de massa), po- No entanto, quando um gás se encontra a

demos utilizar a seguinte equação: baixas temperaturas ou altas pressões, essas

hipóteses não são válidas. A Figura abaixo

P1 V 1 P2 V2 ilustra essa situação.


=
T1 T2

Conforme o enunciado da questão, V2 = 3V1


T1
e T2 = 4
. Portanto,

P1 V1 P2 3V1
= T1
T1 4

Isolando P2 temos,

P1 .V1 1 T1
P2 =
T1 3.V1 4 Equações que descrevam apropriadamente o

comportamento de gases reais são necessárias

P1 quando a equação de gás ideal não é valida.


P2 =
12 Uma das equações de gases reais mais conhe-

cidas é a de van der Waals:

10
ticas do gás em questão. No caso da amônia,
2
na
(P + )(V − nb) = nRT qual a estimativa correta para o parâmetro
V2
a, em J.m3.mol-2? Dados:

Nessa equação, o parâmetro a está relacio-

nado com as atrações moleculares e o parâ- • T c(N H3 ) = 400K


metro b é proporcional (mas não igual) ao
• P c(N H3 ) = 11M P a
volume de um mol do gás em questão.

• R = 8J.mol − 1.K − 1
Os valores desses parâmetros são diferentes

para cada substância, e podem ser calculados


a) 0,2
utilizando-se as equações:
b) 0,3

c) 0,4
27R2 Tc2
a= d) 0,5
64Pc
RTc e) 1,0
b=
8Pc

Solução:

Exemplo Para se resolver essa questão é preciso lem-

Petrobras - 2010  Eng. de Processa- brar a equação que se utiliza para calcular o

mento Jr parâmetro `a' da equação de van der Waals:

A equação de van der Waals, representada

abaixo, é utilizada para descrever o compor-


27R2 Tc2 27.82 .4002
a= = = 0,39 ∼ 0,40
tamento de gases reais e inclui os parâmetros 64Pc 64.11.106
a e b.

Resposta: C
n2 a
(P + )(V − nb) = nRT
V2

Esses parâmetros podem ser determinados

empiricamente ou estimados a partir do co-

nhecimento da temperatura e da pressão crí-

11
2 Funções Inorgânicas

2.1 Ácidos Classicação


Tópicos
Os ácidos inorgânicos são substâncias que li-

+
beram o íon H quando estão em solução. Os

ácidos são classicados de diversas formas:


2.1 Ácidos Classicação . . . 12

2.2 Ácidos Nomenclatura . . 13


• 1) Pela presença ou falta de oxigênio:

2.3 Bases Classicação . . . 14


Ácidos que possuem oxigênio são cha-

2.4 Bases Nomenclatura . . . 14 mados de oxiácidos, enquanto que ácidos

2.5 Sais Classicação . . . . 15 que não possuem oxigênio são chamados

de hidrácidos.
2.6 Sais Nomenclatura . . . . 16

2.7 Conceito de Acidez e Ba- • 2) Volatilidade: Há ácidos que evaporam

sicidade de Arrhenius . . 17 com certa facilidade, chamados de volá-

teis. Existem, também, aqueles que não


2.8 Conceito de Acidez e
Basicidade de Brönsted- evaporam facilmente e são chamados de

Lowry . . . . . . . . . . 18 xos. Normalmente, oxiácidos são áci-

dos xos e os outros são voláteis.


2.9 Conceito de Acidez e Ba-
sicidade de Lewis . . . . 18 • 3) Número de hidrogênios ionizáveis:

2.10 Óxidos Classicação . . . 20 Ácidos também são classicados con-

forme o número de hidrogênios ionizá-


2.11 Óxidos Nomenclatura . . 20
veis. Quando possuem:

Teoria  1 hidrogênio ionizável: monoácido;

 2 hidrogênios ionizáveis: diácido;

12
 3 hidrogênios ionizáveis: triácido; A nomenclatura é efetuada adicionando-

 4 hidrogênios ionizáveis: tetrácido.


se a terminação ídrico ao nome do ele-

mento químico ligado ao hidrogênio.

• 4) Força ou grau de ionização: Diz-se


Exemplos: HCl → ácido clorídrico; HF

que um ácido é forte quando mais do


→ ácido uorídrico; H2S → ácido sulfí-

que 50% dos seus átomos de hidrogênio


drico; HCN → ácido cianídrico.

estão ionizados. Se menos do que 5%


• 2) Ácidos com oxigênio:
dos átomos de hidrogênio tiver ionizados

são chamados de ácidos fracos. Se tiver Nos oxiácidos, o primeiro elemento é

entre 5% e 50%, são ácidos moderados. o hidrogênio e o último (terceiro) é

o oxigênio. Nesse caso, a nomencla-


Dentre os hidrácidos, somente o HCl,
tura é efetuada adicionando-se: prexo
HBr e o HI são fortes e o HF é mode-
(se necessário) + o nome do elemento
rado. Os demais são ácidos fracos. Den-
central + suxo.
tro os oxiácidos existe uma regra para

se determinar tal grandeza. A chamada O elemento central pode ter diversos es-

Regra de Pauling. tados de oxidação e, esse estado, vai de-

terminar a nomenclatura do ácido, de


◦ ◦
Calcula-se x = (n de oxigênios) ( n de
acordo com a seguinte regra:
H ionizável). Para um oxiácido fraco, x

Número de Prexo Suxo


= 0, para um oxiácido moderado, x = 1.

oxidação
Oxiácidos fortes possuem x = 2 e x = 3.

(NOx)

+1,+2 hipo oso

2.2 Ácidos Nomenclatura +3,+4 - oso

+5,+6 - ico

A nomenclatura dos ácidos é relativamente


+7 per ico

simples e é dividida em duas vertentes. A Exemplos:

primeira diz respeito aos hidrácidos. A se-

 1. HNO2 → nox do N = +3: ácido


gunda, que nomeia os oxiácidos, depende do

nitroso;
número de oxidação do elemento principal.

 2. HNO3 → nox do N = +4: ácido

• 1) Ácidos sem oxigênio: nítrico;

13
 3. H2 SO4 →nox do S = +4: ácido • 3) Solubilidade em água: Todas as bases

sulfúrico; formadas por elementos alcalinos (famí-

lia IA) são solúveis em água. Bases for-


 4. H3 PO2 → nox do P = +1: ácido

madas por elementos da família IIA são


hipofosforoso;

pouco solúveis. As bases formadas por


 5. HClO4 → nox do Cl = +7: ácido
todos os outros elementos da tabela pe-
perclórico.
riódica são insolúveis em água.

2.3 Bases Classicação 2.4 Bases Nomenclatura


As bases inorgânicas são substâncias que li-
A nomenclatura das bases é mais simples do

beram o íon hidroxila (OH-) quando estão


que a dos ácidos. Basta usar a expressão:

em solução. Essas substâncias são classica-


hidróxido de + nome do elemento ligado à

das de diversas formas:


hidroxila. Só há uma regra:

• 1) Número de hidroxilas: • 1) Elemento com um nox: hidróxido de

+ nome do elemento.
Quando possuem:

Exemplos:

 1 hidroxila: monobase;
NaOH: hidróxido de sódio

 2 hidroxilas: dibase; NH4 OH: hidróxido de amônio

 3 hidroxilas: tribase;
• 2) Elemento com 2 nox:

 4 hidroxilas: tetrabase. Maior nox: hidróxido de + nome do ele-

mento + ico.

• 2) Força ou grau de ionização: Na prá-


Menor nox: hidróxido de + nome do ele-
tica bases fortes são aquelas que contém
mento + oso.
elementos da família IA e IIA da Tabela

Exemplos:
Periódica. Todas as bases formadas pe-

los outros elementos e o amônio são ba- Fe(OH)3 → hidróxido férrico

ses fracas. Fe(OH)2 → hidróxido ferroso

14
Cu(OH)2 → hidróxido cúprico • 1) Presença ou falta de oxigênio: Assim

CuOH → hidróxido cuproso como os ácidos, os sais podem ou não

conter átomos de oxigênio. Sais que con-

• 3) Elemento com 2 ou mais nox:


tém oxigênio são chamados de oxissais e

Maior nox: hidróxido de + nome do ele- aqueles que não contém oxigênio, de sais

mento + nox. não oxigenados.

Exemplos:
• 2) Quanto ao número de elementos:

Fe(OH)3 → hidróxido de ferro (III)


 2 elementos: sais binários (KCl);
Fe(OH)2 → hidróxido de ferro (II)

 3 elementos: sais ternários


Cu(OH)2 → hidróxido de cobre II
(Na2 SO4 );
CuOH → hidróxido de cobre I

 4 elementos: sais quaternários

(Ca(OCN)2 ).

2.5 Sais Classicação


• 3) Natureza dos íons:

Sais são substâncias formadas a partir da re- Sais neutros: são sais que não possuem

ação entre um ácido e uma base. Por deni- + −


íons H e OH . São formados a partir

ção, denomina-se sal aquela substância que da reação completa de neutralização.

+
possui pelo menos um cátion diferente de H Ex.: NaCl.


e um ânion diferente de OH . Em outras pa-
Sais ácidos ou hidrogeno-sal: são sais
+ −
lavras, um sal pode possuir íons H (OH ),
que apresentam dois cátions, sendo um
no entanto também precisa apresentar ou cá-
+
deles o íon H , e possuem um ânion di-
tion (ânion).

ferente de OH .

Um sal normalmente é formado a partir da Ex.: NaHCO3 .

reação entre um ácido e uma base. Tal reação


Sais básicos ou hidroxi-sal: são sais que
é chamada de neutralização e também forma
possuem dois ânions, sendo um deles o
água como subproduto. −
íon OH , e possuem um cátion diferente

+
Os sais, assim como os ácidos e as bases, po- de H .

dem ser classicados sob diversas formas: Ex.: Ca(OH)Cl.

15
Sais duplos: são sais que possuem dois Exemplos:

cátions ou dois ânions, mas não possuem


H2 CO3 + NaOH → NaHCO3 + H2 O
+ −
os íons H e íon OH .
Ác. Carbônico + Hidróx. de Sódio → Hidro-
Ex.: NaK(SO4).
genocarbonato de Sódio + Água

Sais hidratados: são sais que apresentam


H3 PO4 + NaOH → NaH2 PO4 + H2 O
água em sua estrutura.
Ác. Fosfórico + Hidróx. de Sódio → Diidro-
Ex.: CuSO4 *5H2 O.
genofosfato de Sódio + Água

Sais básicos ou hidroxi-sal: A nomenclatura

2.6 Sais Nomenclatura dos sais básicos é semelhante à dos sais áci-

dos. Só que, nesse caso, a primeira parte diz

A nomenclatura dos sais é baseada no ácido respeito à quantidade de hidroxilas presentes

e na base da qual eles são formados. e o restante segue a regra para sais neutros.

Sais neutros: A primeira parte da nomencla- Exemplos:

tura deriva do ânion que o constitui e segue


HCl + Ca(OH)2 → Ca(OH)Cl + H2 O
a seguinte regra:
Ác. Clorídrico + Hidróx. de Cálcio → Hi-

Suxo do ácido Suxo do sal


droxi Cloreto de Sódio + Água

hídrico eto
HCl + Pb(OH)4 → Pb(OH)3Cl + H2 O
oso ito
Ác. Clorídrico + Hidróx. de Chumbo IV →
ico ato
Triidroxi Cloreto de Chumbo IV + Água
A segunda parte é o nome do cátion presente.

Sais duplos: A nomenclatura dos sais duplos


Exemplo:
é relativamente simples. A regra para esse

HCl + NaOH → NaCl + H2 O tipo de sal é a mesma que aquela para os

Ác. Clorídrico + Hidróx. de Sódio → Clo- sais neutros. Exceto pelo fato de que a pala-

reto de Sódio + Água vra `duplo' é adicionada antes do nome dos

cátions.
Sais ácidos ou hidrogeno-sal: A primeira

parte da nomenclatura diz respeito à quan- Exemplo:

tidade de hidrogênios presentes e o restante


H2 SO4 + NaOH +KOH → NaK(SO4 ) +
segue a regra para sais neutros.

16
2.H2 O Constante de equilíbrio da reação:

Ác. Sulfúrico + Hidróx. de Sódio → Sulfato

duplo de Sódio e Potássio+ Água. [H + ]x[OH − ]


Kc =
[H2 O]
Sais hidratados: A nomenclatura dos sais hi-

A 25 C:
dratados segue a regre para os sais neutros.

Nesse caso, basta adicionar a quantidade de

água de hidratação do sal.

Kc .[H2 O] = HH2 O = [H + ].[OH − ] = 1,0.10−14


Exemplo: CuSO4 *5H2 O → Sulfato de Cobre
II penta hidratado.

2.7 Conceito de Acidez e [H + ] = [OH − ]; [H + ].[OH − ] = [H + ]2 = 1,0.10−14

Basicidade de Arrhe-
nius [H + ] = 1,0.10−7 M = [OH − ]

+
Uma solução aquosa na qual [H ] é maior que
Um ácido é uma substância que, quando adi-

[OH ] é ácida. Uma solução aquosa na qual
cionada à água, produz íons hidrogênio (pró-
− +
+ [OH ] é maior que [H ] é básica (alcalina).
tons), H .

Portanto,
Uma base é uma substância que, quando adi-

− Se: [H + ] > 1,0.10−7 M , [OH − ] < 1,0.10−7 M


cionada à água, produz íons hidroxila, OH .

a solução é ácida.
As propriedades ácidas e básicas de soluções

Se [H + ] < 1,0.10−7 M , [OH − ] < 1,0.10−7 M


aquosas dependem de um equilíbrio que en-

a solução é básica.
volve o solvente, a água. A água, quando

pura ou como solvente, tende a se dissociar,


1
até certo ponto, em íons hidrogênio e íons pH = −log10 [H + ] = log10
[H + ]
hidroxila:

+ −
H2 O
Haq + OHaq

17
2.8 Conceito de Aci-
Zn+ + 4N H3 → Zn(N H3 )2+
dez e Basicidade de 4(aq)

Brönsted-Lowry
Exemplo
Uma reação ácido-base é aquela na qual há
Exemplo
uma transferência de prótons de uma espécie
Se 50,00 mL de HCl 1,000 M são titulados
para outra. A espécie que libera ou doa o
com NaOH 1,000 M, determine o pH da so-
+
próton (íon H ) é o ácido. A molécula ou
lução após os seguintes volumes de NaOH te-
+
íon que recebe o próton (íon H ) é a base.
rem sido adicionados:

A reação entre ácido acético e íons hidróxido


a) 49,99 mL
é um exemplo simples de uma reação ácido-
b) 50,00 mL
base de Brönsted-Lowry.
c) 50,01 mL

HC2 H3 O2(aq) + OH − → C2 H3 O2(aq) + H2 O
ácido base
Solução:
O modelo de Brönsted-Lowry amplia o pa-
Durante a titulação ocorre a seguinte reação
norama das reações ácido-base de Arrhenius.

Contudo, esse modelo é restrito a reações en- a. Neste ponto temos

volvendo transferência de prótons. O modelo

de ácido-base de Lewis remove essa restri-

ção. (50,00 − 49,99)ml = 0,01ml = 1.10−5 L

2.9 Conceito de Acidez e de HCl 1,000 M não-neutralizado e em vo-

lume total de quase exatamente 100 ml

Basicidade de Lewis (0,100 l) de solução. Consequentemente,

Um ácido de Lewis é uma espécie que, em 1.10−5 L.1,000 mol


[H + ] = L
= 1.10
uma reação ácido-base, aceita um par de elé- 0,100L

trons. Nesta reação, uma base de Lewis doa


;
o par de elétrons.

18
pH = 4M pH = 10,0

b. Os 50,00 ml de NaOH 1 neutralizam exa- Claramente, um pequeno excesso de base

tamente os 50,00 ml de HCl 1 M, dando uma move o pH de 7 para 10. Como o pH em

+ −
solução de NaCl. Como tanto Na como Cl torno do ponto de equivalência é tão sensí-

são espécies neutras, o pH é o da água pura, vel à adição de base, qualquer indicador com

7. Este é o ponto de equivalência na titula- um ponto nal entre 4 e 10 seria satisfatório.

ção. Note que apenas 0,01 ml de base é ne- Fenolftaleína é frequentemente usada.

cessário no ponto de equivalência para mover

o pH de 4 para 7. Este volume é muito menor

que uma gota de reagente. Exemplo


Exemplo
c. Estamos agora além do ponto de equiva-

− Considere a reação
lência e OH está em excesso. Especica-

mente temos

H2 P O4− +C2 H3 O2−


HP O4(aq)
2−
+HC2 H3 O2(aq)
(50,01˘50,00)ml = 0,01ml = 1.10−5 L

Classique cada uma das quatro espécies en-

De NaOH 1,000 M não neutralizado em um volvidas como um ácido ou base de Brönsted-

volume total apenas ligeiramente maior que Lowry.

100 ml (0,1001) de solução:


Solução:

Na reação direta, o íon H2 P O4− doa

um próton ao íon C2 H3 O2− . Na rea-


−5
1.10 L.1,000 mol
[OH − ] = L
= 1.10−4 M ção inversa,HC2 H3 O2 doa um próton ao
0,100L

HP O42− . Portanto,H2 P O4 eHC2 H3 O2

são ácidos de Brönsted-Lowry; C2 H3 O2− e


1.10−14
[H+] = = 1.10−10 M ; HP O42− são bases de Brönsted-Lowry.
1.10−4

19
2.10 Óxidos Classicação • Óxidos mistos ou duplos: São óxidos

que originam dois sais ao serem aque-

Óxidos são substâncias compostas por dois cidos. São formados por elementos de

elementos, dentre os quais o elemento ne- NOX + 83 . Ex.: Fe3 O4 , Pb3 O4 .

gativo é o oxigênio, com carga -2. Essas

substâncias podem ser classicadas de acordo

com o tipo de substância que reagem: 2.11 Óxidos Nomencla-


tura
• Óxidos básicos: São óxidos formados

por metais da família 1A e 2A. Esses


A nomenclatura dos óxidos é realizada da se-

óxidos reagem com água, formando a


guinte maneira:

base correspondente, e com ácidos for-

mando a base correspondente e água.


• Óxidos básicos: Existe uma regra prá-
Ex.: Na2 O, CaO.
tica que deve ser seguida:

• Óxidos ácidos: São óxidos formados por


Óxido de + nome do metal e NOx .

metais de NOX +5, +6 e +7 e qual-


Ex.: CaO - óxido de cálcio.
+2 +1 +2
quer não-metal (exceto C , N e N ).

Essas substâncias reagem com água for- • Óxidos ácidos: a regra para se nomear

mando o ácido correspondente, e com esses óxidos é baseada no número de áto-

bases, formando a base correspondente mos de cada elemento:

e água. Ex.: CO2 , SO2 , MnO3 .


Número de oxigênios (mono, di, tri etc.)

• Óxidos neutros: são óxidos formados + óxido de + número de átomos do cá-

+2 +1 +2 tion (mono, di, tri etc.) + nome do cá-


por C , N e N . Essas substâncias

não reagem com água, ácidos e bases. tion.

Ex.: CO, NO, N2 O.


Exemplo: N2 O5  pentóxido de dinitro-

gênio.
• Óxidos anfóteros: São óxidos formados

por elementos com NOX +3 e +4. Esses Óxidos ácidos também são denominados

óxidos agem como ácido, na presença de anidridos. Por isso, ainda existe outra

base e vice-versa. Ex.: SnO, Al2 O3 . nomenclatura que pode ser utilizada:

20
Anidrido + nome do elemento + Nox + (C) Óxido de zinco representa um anidrido.

suxo. (D) Óxido de sódio é um óxido anfótero.

(E) Trióxido de enxofre é um óxido básico.


Para se determinar qual suxo se deve

usar, basta seguir a regra para ácidos.

Solução:
Exemplo: N2 O5  anidrido nítrico.

(A) Verdadeiro. Como visto na teoria o ani-

• Óxidos anfóteros e neutros: Não há re-


drido é o nome dado a um óxido ácido. Além

gras gerais para nomenclatura.


disso, o anidrido carbônico é formado por um

ametal e oxigênio.
• Óxidos mistos ou duplos: A nomencla-

tura de óxidos segue a regra dos óxidos (B) Falso. Cálcio é um elemento da família

básicos, exceto pelo fato de que se adici- IIA e forma um óxido básico.

ona a palavra `duplo' ou `misto' após a


(C) Falso. Óxido de Zinco é um óxido de me-
palavra óxido:
tal com NOx +4, portanto é um óxido anfó-

Óxido + duplo/misto + nome do metal tero.

+ NOx do metal.
(D) Falso. O sódio é um elemento da família

Exemplo: Fe3 O4 - óxido duplo de ferro IA e, portanto, forma óxidos básicos.

II-III
(E) O SO3 é um óxido formado por um ame-

tal de NOx +6. Portanto, é um óxido ácido.

Resposta: A

Exemplo
Petrobras - 2011  Químico(a) de Pe-
tróleo Jr.

Os óxidos são compostos binários no qual o


Caiu no concurso!
oxigênio é o elemento mais eletronegativo.
Petrobras - 2010/2  Químico(a) de Pe-

Dessa forma, arma-se que o:


tróleo Jr - 30

As principais funções químicas  ácidos, ba-


(A) Anidrido carbônico representa um óxido

ses, sais e óxidos  são encontradas em nosso


ácido.

cotidiano e também em nosso organismo. As


(B) Óxido de cálcio é um óxido neutro.

21
− +
teorias denidas para estas funções químicas • III  Na reação HCO3(aq) + N H4(aq) ↔
(aq)
são citadas a seguir. H2 CO3 + N H3(aq) , o íon amô-

+
nio (NH4(aq) ) e o ácido carbônico

• Segundo a teoria de Arrhenius, um


(H2 CO3(aq) ) são considerados ácidos de

ácido é todo composto molecular que,


Brönsted-Lowry, e as espécies NH3(aq) e

em solução aquosa, se ioniza, produ- −


HCO3(aq) são bases de Lewis.

zindo exclusivamente como cátion o

H3 O+ (hidroxônio) e que pode ser repre-

+
sentado por H , e uma base é um com-

Está correto APENAS o que as arma em


posto que em solução aquosa sofre disso-

ciação iônica, produzindo íon hidroxila. a) I.

b) II.
• Segundo a teoria de Brönsted-Lowry, os

c) III.
ácidos são moléculas ou íons doadores

d) I e II.
de prótons e as bases são moléculas ou

e) II e III.
íons aceitadores de prótons.

• Segundo a teoria de Lewis, um ácido é


Resposta: C
um aceitador de par de elétons, e uma

base é um doador de par de elétrons.

Com base nessas teorias, analise as arma-

ções abaixo. Caiu no concurso!


Petrobrás - 2010/1  Químico de Pe-
• I  HCl, HNO3 , CH3 COOH e CH4 são tróleo Jr. - 11
considerados ácidos, e NaOH, NH3 e
Para a reação de nitração de compostos aro-
KOH são considerados bases, segundo a
máticos, utiliza-se uma mistura de ácido sul-
teoria de Arrhenius.
fúrico e ácido nítrico. Esses ácidos reagem

• II - HCl, HNO3 , CH3 COOH e CH4 entre si formando a espécie que reagirá com

são considerados ácidos e NaOH, NH3 o anel aromático. Essa reação entre os ácidos

e KOH são considerados bases, segundo sulfúrico e nítrico pode ser considerada uma

a teoria de Brönsted-Lowry. reação ácido-base de Bronsted-Löwry?

22
(A) Sim, sendo que o ácido nítrico atua

como uma base recebendo um próton.

(B) Sim, sendo que o equilíbrio estará

deslocado no sentido do ácido mais forte.

(C) Sim, sendo que o ácido sulfúrico atua

como uma base recebendo próton.

(D) Não, pois ambos os compostos são

classicados como ácidos.

(E) Não, pois ambos os compostos são

substâncias oxidantes.

Resposta: C

23
3 Estequiometria, Cinética Química e Soluções

3.1 Estequiometria de
Tópicos
Fórmula

3.1 Estequiometria de Fórmula 24 A estequiometria de fórmulas diz respeito ao

3.2 Estequiometria de Reação 25 cálculo da quantidade percentual, em massa,

3.3 Reações com reagentes de cada elemento em uma dada substância.

em excesso e limitante . . 28 Apesar de relativamente simples esse cálculo

é frequentemente utilizado no meio indus-


3.4 Rendimento da Reação . 29
trial. Especialmente no ramo da mineração,
3.5 Pureza . . . . . . . . . . 30
em que esse dado é utilizado para se obter
3.6 Velocidade de Reação . . 31
informações a respeito pureza do minério.
3.7 Equilíbrio Químico . . . . 32
A composição percentual é obtida dividindo-
3.8 Soluções: Unidades, Di-
se a massa de cada elemento presente em 1
luição, e Mistura . . . . . 34
mol da substância, pela massa de 1 mol dessa
3.9 Unidades . . . . . . . . . 34
substância.
3.10 Diluição . . . . . . . . . 34
A estequiometria de fórmula também diz res-
3.11 Mistura de Soluções sem
peito aos cálculos de conversão entre massa
Reação Química . . . . . 35
e mol de uma substância.
3.12 Mistura de Soluções com
Reação Química . . . . . 35
Exemplo
Petrobras - 2010 - Engenheiro de Pro-
cessamento Júnior - 32
Teoria
O gás de cozinha apresenta composição apro-

24
2288g
ximada de 50% de propano e 50% de butano. Propano:
5072g
.100 = 45,1%
2784g
Devido a problemas operacionais durante a Butano:
5072g
.100 = 54,9%
produção, foi encontrada uma mistura cons-

tituída de 52% de propano e 48% de butano,


Resposta: B
ambos expressos em % de quantidade de ma-

téria. Qual é a composição mássica aproxi-

mada dessa mistura?

(A) 38,2% de propano e 61,8% de butano.


3.2 Estequiometria de Re-
(B) 45,1% de propano e 54,9% de butano.
ação
(C) 49,5% de propano e 50,5% de butano.

(D) 50,0% de propano e 50,0% de butano. Estequiometria de reação se baseia na Lei de

(E) 52,0% de propano e 48,0% de butano. Conservação das massas, que diz que numa

reação química nada se cria e nada se destrói.

Solução: Assim, o valor da massa que existe no sis-

Para se resolver esse exercício, basta fazer tema no início da reação é o mesmo que se

uma conversão entre massa e mol. encontrará no m da reação.

Sabe-se que a massa molar do propano é 44 Uma reação química pode ser escrita na

g/mol e a do butano é 58 g/mol. forma de uma equação química. Por exem-

plo:
Considerando uma base molar de 100 mols

de mistura, tem-se:

Propano:
g
52mol.44 mol = 2288g 2F e + 3O2 → 2F e2 O3
g
Butano: 48mol.58 mol = 2784g
A equação acima possui vários signicados.

O primeiro deles é dizer qualitativamente

Logo, a massa total no sistema é de 5072 g.


quais elementos são os reagentes e quais são

A porcentagem mássica pode ser obtida os produtos. Nesse caso, Fe e O2 são reagen-

dividindo-se a massa de cada substância pela tes e Fe2 O3 é o produto.

massa total do sistema. Assim:


Quantitativamente, a estequiometria é bas-

tante utilizada para balancear equações quí-

25
micas. Nesse caso, a quantidade, de átomos

de um determinado elemento, que existe an-


(A) 200
tes da reação precisa ser igual à quantidade
(B) 400
de átomos daquele elemento ao m dela.
(C) 510

Quando, em uma equação, essa condição se (D) 800

satisfaz diz-se que a equação está balanceada. (E) 1.020

Exemplo Solução:

Reação:
Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-
cessamento Júnior  Química - 33

Num processo de lixiviação de bauxita,


Al2 O3 + 2N aOH → 2N aAlO2 + H2 O
utiliza-se soda cáustica em solução 50%

(m/m), seguindo a reação:

Dados:

m N aOH
NaOH: 0,5( m SOL )

Al2 O3 + 2N aOH → 2N aAlO2 + H2 O


m
Al2 O3
XAl2 O8 = 0,5( m
bauxita
Se a bauxita a ser tratada tem 50% (m/m)

de óxido de alumínio e a quantidade a ser

tratada é 1.020 toneladas, quantas toneladas


1020t bauxita

de solução de soda cáustica devem ser utili-

zadas?
m
soluçãoN aOH =?
Dados:

Massa atômica do Alumínio=27 Por estequiometria, sabe-se que: 1 mol de

Massa atômica do Sódio=23 Al2 O3 são necessários 2mol de N aOH . Uma

Massa atômica do Hidrogênio=1 vez que o exercício trabalha com massas, é

Massa atômica do Oxigênio=16 necessário transformar para massa:

Densidade da Água=1,0kg/L

26
Assim, para calcular o quanto de NaOH é

mmol Al2 O3 = 2mAl + 3mO necessário, basta fazer uma regra de 3:

102gAl2 O3 → 80gN aOH


= 2.27 + 3.16

g 510.106 gAl2 O3 → xgN aOH


= 102
mol

mmol N aOH = mN a + mO + mH 510.106 .80


x= = 400.106 gN aOH = 40t N aOH
120

= 23 + 16 + 1 Uma vez que a solução de soda possui x =


0,5 mmN aOH , a massa de solução necessária
solução
é:
g
= 40
mol

Ou seja, para cada 102g de são necessários


mN aOH = XN aOH .msolução ↔ msoluo
80g de NaOH. A amostra possui 1020t de

bauxita, logo mN aOH


mN aOH = = 800t solução
XN aOH

Resposta: D
mAl2 O3 = XAl2 O3 .mbauxita = 0,5.1020

= 510tAl2 O3

= 510.106 gAl2 O3

27
3.3 Reações com reagen- métricas da reação.

tes em excesso e limi- Isso pode ser determinado rapidamente

calculando-se a razão entre o número de mols

tante disponível para a reação e o coeciente es-

tequiométrico da equação. A menor razão

encontrada representa o reagente limitante,


A reação química entre duas substâncias é
a outra é associada ao reagente em excesso.
equacionada do ponto de vista molecular
Por exemplo, na reação de combustão do
através de equações químicas. Os coecien-
heptano:
tes estequiométricos das substâncias envolvi-

das na equação representam as proporções,

em mol, para se produzir os produtos. As-


C7 H16 + 11O2 → 7CO2 + 8H2 O

sim, quando quantidades quaisquer de subs-


Considera-se que 2,5 mol de heptano e 50
tâncias reagem, as proporções estequiométri-
mols de gás oxigênio estão presentes. Assim,
cas indicam para cada fração de um reagente,
as razões com os coecientes estequiométri-
quanto dos outros reagentes será necessário.
cos são

Se as quantidades envolvidas no total da re-


2,5
Heptano:
1
= 2,5
ação não respeitam exatamente as propor-

50
ções estequiométricas, algum reagente estará Oxigênio:
11
= 4,54

em excesso e o outro será consumido comple-


Uma vez que 4,5 > 2,5, o reagente limitante

tamente, sendo este considerado o reagente


é o heptano e o reagente em excesso é o oxi-

limitante. Isso porque quantidades maiores


gênio.

dos outros reagentes seriam consumidas se


Na prática, quanto haverá disponível de cada
houvesse mais do reagente chamado de limi-
substância dependerá de considerações tec-
tante.
nológias e de custo dos processos envolvidos.

Como as reações ocorrem em proporções es-

tequiométricas, para se determinar qual rea-

gente está em excesso e qual é o limitante Exemplo


basta comparar as quantidades disponíveis Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-
para a reação com as proporções estequio- cessamento Júnior  Química - 36

28
A transestericação é muito empregada atu-

almente para a produção de biodiesel a partir

de óleos e gorduras. Nessa reação, catalisada

por hidróxido (NaOH ou KOH), um óleo ve-


3.4 Rendimento da Rea-
getal reage com um álcool (metanol ou eta- ção
nol). Nesse processo, normalmente, o agente

limitante e o reagente em excesso são, res- Na indústria química, geralmente se trabalha

pectivamente, com sistemas nos quais ocorre algum tipo de

reação química. Por esse motivo, o rendi-


(A) Etanol e o NaOH
mento da reação em questão é uma variável
(B) Etanol e o óleo
cujo valor precisa ser conhecido.
(C) NaOH e o etanol

(D) Óleo e o NaOH O rendimento pode ser dividido em duas ca-

(E) Óleo e o etanol tegorias:

• Rendimento teórico: é aquele que consi-

Solução:
dera que todos os reagentes são converti-

A reação de transestericação é dada por


dos em produtos. É a eciência máxima

da reação; a massa, ou mol, de produto

que seria obtida nessa condição.

• Rendimento centesimal: Devido ao fato

Uma vez que o catalisador não participa da de que uma reação química ocorre até

reação, ele não pode ser o agente limitante, atingir o equilíbrio, nem sempre todos

nem o reagente em excesso. Os produtos for- os reagentes são convertidos em produ-

mados também não podem ser, pois não li- tos. Então, dene-se como rendimento

mitam a reação. No Brasil, o óleo extraído centesimal a relação entre o rendimento

possui um custo maior em relação ao álcool real da reação e o rendimento teórico.

utilizado. Por este motivo, normalmente, o

agente limitante é o óleo e o reagente em ex-

cesso é o álcool.
Exemplo
Resposta: E Exemplo

29
O metanol pode ser produzido a partir da sumido para formar os produtos. Como, para

oxidação do metano, utilizando-se catalisa- cada 1 kmol de CH4 geral 1 kmol de CH3 OH,

dores em condições controladas de tempera- o rendimento teórico é de 1,5 kmol.

tura e pressão, segundo a reação:


Resposta: D

1
CH4 + O2 → CH3 OH
2

Em uma reação entre 1,5 kmol de CH4 e 1

kmol de O2 , o rendimento teórico de CH3 OH

e o reagente limitante são, respectivamente:

(A) 1 kmol e O2
3.5 Pureza
(B) 1,5 kmol e O2

(C) 1 kmol e CH4

(D) 1,5 kmol e CH4 Os reagentes utilizados na indústria normal-

(E) 2 kmol e CH4 mente não são puros, ou seja, contém outras

substâncias junto com aquela de interesse.

Solução: Por esse motivo, as empresas fornecedoras

O cálculo do reagente limitante pode normalmente informam o grau de pureza do

ser feito conforme explicado anteriormente: reagente que fornece. Esse valor pode ser cal-

dividindo-se a quantidade disponível pelo co- culado dividindo-se a massa da substância de

eciente estequiométrico e comparando as ra- interesse pela massa total da amostra.

zões encontradas:
Por exemplo: se em 100 g de calcário

1
Para o O2 : 1 =2 encontra-se 90 g de CaCO3 e 10 g de im-
2

1,5 purezas, diz-se que o calcário tem: 90/100 =


Para o CH4 :
1
= 1,5
0,9 ou 90% de pureza.
Uma vez que a menor razão é a do CH4 , o

Para indústria é importante saber qual o


reagente limitante é o CH4 .

grau de pureza dos seus reagentes porque as


Para o cálculo do rendimento teórico, basta
impurezas presentes não entram no cálculo
considerar que todo CH4 disponível será con-
estequiométrico da reação.

30
3.6 Velocidade de Reação • Superfície de contato: o choque entre as

moléculas depende diretamente da su-

Uma reação química ocorre quando duas ou perfície de contato disponível. Quanto

mais substâncias (reagentes) se combinam e maior a superfície, mais choques have-

formam outras substâncias com fórmula mo- rão e maior será a velocidade de reação.

lecular diferente daquelas que haviam inici-

• Catalisador: são substâncias que não


almente (produtos).

participam da reação, mas que podem


Na indústria é essencial saber qual a veloci-
acelerar uma. Para cada reação é neces-
dade com que os reagentes se transformam
sário se determinar o catalisador especí-
em produtos. Essa informação é imprescin-
co.
dível para o projeto de reatores, bem como

de outras operações unitárias. • Taxa de reação: é uma equação que

descreve matematicamente a velocidade


Em geral, as reações químicas dependem de
com que os reagentes se transformam em
alguns fatores, que podem ser controlados a
produtos. Considerando uma reação em
m de se obter a velocidade ótima de reação.
que os reagentes são A e B, a equação
Dentre eles:
da taxa de reação pode ser escrita da

seguinte forma:
• Concentração dos reagentes: reações

química ocorrem devido aos choques en-


r = k[A]n [B]m
tre as moléculas dos reagentes. Logo,

quanto maior a concentração desses re-


Nessa equação, k é a constante de re-
agentes, mais rápida é a reação.
ação, que depende da temperatura, n e

m são a ordem de reação e dependem do


• Temperatura: o movimento das molécu-

mecanismo de reação. Seus valores são


las está diretamente ligado à tempera-

os coecientes estequiométricos da rea-


tura do ambiente em que elas estão in-

ção.
seridas. Assim, em geral, quanto maior

a temperatura, mais rápido as molécu- Baseando-se nessa reação, diz-se que

las se movem e mais choques haverão. uma reação é de ordem n com relação à

Logo, a reação será mais rápida. A e de ordem m com relação à B . Ainda,

31
diz-se que a reação é de ordem n + m. Resposta: C

Exemplo 3.7 Equilíbrio Químico


Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-
cessamento Júnior Química - 64 Nesta seção, será abordado um tema comple-

mentar ao da seção anterior. Reações quí-


Na reação de um reagente X, gerando como

micas possuem começo, meio e m. O co-


produto Y, de segunda ordem, a velocidade

meço é quando os reagentes são misturados.


de reação é −0,4mol.L−1 .h−1 , e a concentra-

O meio é descrito pelas equações de taxa de


ção do reagente X, após uma hora, é 2 mol/L.

reação, como visto na Seção anterior. O m


Qual é a constante de velocidade?

é dado pelo equilíbrio. Nesse caso, equilí-


(A) 0,2L.mol−1 .h−1
brio químico.Toda reação tem dois sentidos:
(B) 0,2h−1
reagentes se transformando em produtos, e
(C) 0,1L.mol−1 .h−1
produtos se transformando em reagentes e o
−1
(D) 0,1h
equilíbrio químico é atingido toda vez que a
(E) 0,1L2 .mol−2 .h−1
taxa de formação dos produtos é igual à dos

reagentes.

Solução:
Por exemplo, considere a reação:
Dados:

Reação: 2X→ Y

Vy = +0,4mol/Lh aA + bB
cC + dD

[x] = 2mol/L
Considerando as taxas de reação, pode-se
T = 1h
descrever o equilíbrio da seguinte forma:
K =?

kIDA [C]c [D]d


K= =
Para uma reação de segunda ordem vy = kV OLT A [A]a [B]b
Vy
K[x]2 ↔ K = [x]2 Na equação acima, K é a chamada constante

+0,4mol/Lh
Assim, K= (2mol/L)2
= 0,1L/mol h de equilíbrio. Essa constante informa para

32
que lado a reação tende. É um parâmetro Solução:

que possui um único valor para cada reação A reação de síntese da amônia pode ser es-

e depende somente da temperatura. Assim, crita como:

uma vez que se conhece o valor de K pode-

se calcular a concentração dos reagentes em 3 1


H2 + N2
N H3
2 2
qualquer caso.

Logo, a constante de equilíbrio pode ser es-


É importante salientar que quando a cons-

crita da seguinte forma:


tante depende da concentração dos reagen-

tes, a constante de equilíbrio é denominada

KC . Há reações que ocorrem em fase gasosa


[N H3 ]
Kc = 3 1
[H2 ] 2 [N2 ] 2
e a constante depende da pressão parcial dos

gases. Nesse caso, é denominada KP . Sabendo-se que 3 mol de N2 foram consumi-

dos. Pela estequiometria da reação, sabe-se 9

Exemplo mol de H2 foram consumidos. Logo, restam

Exemplo no sistema, 2 e 1 mol de N2 e H2 , respecti-

vamente. Ainda, sabe-se que 6 mol de NH3


Em um reator com volume de 500 mL, fo-

foram formados.
ram colocados 5 mol de N2 e 10 mol de H2

para síntese de amônia. Após certo tempo, Substituindo-se os valores na equação de

vericou-se que o sistema atingiu o equilíbrio. equilíbrio:

A temperatura registrada neste momento foi


de 25 C, e observou-se que 3 mol de N2 fo-

ram consumidos na reação. O valor aproxi- [6]


KC = 3 1 = 4,2 ≈ 4,5(mol/L)−2
mado de KC nessas condições é:
[1] [2]
2 2


(A) 1,2(mol/L) 2

(B) 4,5(mol/L) 2 Resposta: B

(C) 18(mol/L) 2

(D) 51(mol/L) 2

(E) 72(mol/L) 2

33
3.8 Soluções: Unidades, Unidade Denição

Diluição, e Mistura
massa de soluto m
Concentração
volume de solvente
= V

comum

(C)

mols de soluto n
Na indústria quase sempre se lida com solu- Concentração
massa de solvente
= V

ções, sejam elas líquidas, gasosas ou sólidas. molar (M)

massa de soluto m
Por esse motivo é muito importante se ter o
massa da solução
= msol

conhecimento e o domínio de todos os tópicos Título (t) ou

volume de soluto v
referentes a esse tema.
volume de solução
= vsol
massa da solução msol
Por denição, uma solução é uma mistura
Densidade
volume da solução
= vsol

(d)
homogênea em que não se consegue ver as

partículas a olho nú e cujas substâncias não

podem ser separadas por ltração. Em geral


Vale lembrar que: msol = m + msolvente e o
é composta por um soluto que está dissolvido
mesmo vale para o volume.
num solvente.

3.10 Diluição

Diluir uma solução signica aumentar o vo-

lume (massa) de solvente dessa solução sem

alterar a massa de soluto. Um esquema de

3.9 Unidades como a diluição pode ser realizada é mos-

trado na gura abaixo.

Matematicamente, as soluções podem ser re- As equações para essa operação são:

presentadas pela concentração do soluto que

se encontra nela. A tabela abaixo resume


Cinicial Vinicial = Cf inal Vf inal
as unidades de concentração comumente

utilizadas.

Minicial Vinicial = Mf inal Vf inal

34
lume da nova solução é a soma dos volumes

das soluções individuais:

V3 = V1 + V2

Além disso, que a massa de soluto da solução


Figura 3.1: Esquema de Diluição.
nal é igual à soma da massa de soluto das

soluções 1 e 2. Assim, pode-se escrever:

tinicial Vinicial = tf inal Vf inal


C3 V3 = C1 V1 + C2 V2

Logo, a concentração da nova solução pode

3.11 Mistura de Soluções ser calculada usando:

sem Reação Química C3 =


C1 V 1 + C2 V 2
V1 + V2

Muitas vezes se têm em mãos duas soluções


Essas equações podem ser utilizadas quando

concentrações diferentes e conhecidas e, se


as soluções 1 e 2 contêm o mesmo soluto ou

deseja misturar essas soluções a m de se ob-


solutos diferentes mas que não reagem entre

ter uma única. A gura abaixo ilustra um


si.

esquema geral desse tipo de processo.

3.12 Mistura de Soluções


com Reação Quí-
Figura 3.2: Mistura de Soluções. mica

Antes de qualquer procedimento, é necessá- Quando se mistura soluções em que ocorrem

rio calcular qual o volume e concentração da reações químicas, a concentração de cada es-

nova solução. Nesse caso, sabe-se que o vo- pécie na solução nal vai depender da este-

35
quiometria da reação. Para melhor entender A massa de NaHSO3 em 2,5L de solução é:

como proceder nesse caso, recorrer ao Exem-

plo 2.

g
m = cmassa .Vsolução = 316 .2,5L = 790;
Exemplo L

Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-


O número de mols é:
cessamento Júnior  Química - 31

Uma solução aquosa contém bissulto de só-


790g
Nmol =
dio, a 316g/L. quais são a quantidade em mo- mmol

les e a concentração em mol/L de bissulto


A massa molar do NaHSO3 é:
de sódio em 2,5 litros dessa solução?

Dados:
mmol = mN a + mH + mS + 3mO
Massa atômica do Na=23
g g g g g
Massa atômica do S=32
= 23 + 1 + 32 + 3.16 = 104
L L L L L
Massa atômica do O=16
Logo,

Solução:
790g
Nmol = g = 7,6mol
Dados: 140 mol

Bissulto de sódio=NaHSO3

Cmassa =316g/L 7,6mol mol


cmol = = 3,04
2,5L L
V =2,5 L
solução

Cmol =?

Nmol =?

Exemplo
Sabe-se que:
Exemplo

200 mL de uma solução 0,5 mol/L de H2 SO4

m Nmol foram adicionados a 800 mL de uma solução


cmassa = ; Cmol =
Vsolução Vsolução
0,4 mol/L de NaOH. Calcule as concentra-

36
ções em mol/L das substâncias presentes na H2 SO4 NaOH Na2 SO4 H2 O
1. nincio 0,1 0,32 0 Solvente
solução resultante. 2. nconsumido ou ngerado -0,1 -0,2 0,1 0,2
3. nf im 0 0,12 0,1 Solvente
4. Volume 1L
Solução: 5. Mf inal - 0,12 0,1 Solvente
Em primeiro lugar pode-se escrever a reação

que ocorrerá:
*M em mol/L, n em mol e V em L.

H2 SO4 + 2N aOH → N a2 SO4 + H2 O

Como a quantidade de cada reagente subs-

tância depende da estequiometria da reação,

recomenda-se construir a tabela a seguir e

realizar os seguintes cálculos:

• Somar os volumes das duas soluções,

conforme a linha 4;

• Calcular a quantidade inicial dos reagen-

tes, em mol, conforme a linha 1;

• Vericar qual o reagente limitante da re-

ação, conforme as equações apresenta-

das anteriormente.

Nesse caso, o reagente limitante é o

H2 SO4 e ele irá reagir totalmente.

• Calcular quanto do outro reagente irá re-

agir e quanto de cada produto irá ser

produzido, de acordo com a estequiome-

tria da reação.

• Calcular as concentrações pedidas.

37
4 Eletroquímica

 agente oxidante.

Tópicos
Industrialmente, reações de oxirredução são

aplicadas principalmente na puricação de

metais, por meio de eletrólise. E na geração

4.1 Reações de oxidação e de energia por meio da utilização de pilhas.

redução . . . . . . . . . 38

4.2 Balanceamento de rea-


ções de oxirredução . . . 38 4.2 Balanceamento de re-
4.3 Pilhas . . . . . . . . . . 40
ações de oxirredução
4.4 Eletrólise . . . . . . . . . 42
• 1. Determinar o nox dos elementos na

equação;
Teoria
• 2. Identicar os elementos que sofreram

oxidação e redução, encontrando a vari-

ação de nox de cada um.

4.1 Reações de oxidação e


• 3. Multiplicar o valor de cada variação
redução encontrada pelo número de átomos dos

elementos que sofreram a variação.


Reações de oxidação e redução (ou oxirredu-

ção) são processos que envolvem transferên- • 4. Transportar o valor da variação to-

cia de elétrons e duas substâncias. Diz-se tal do elemento que sofreu oxidação para

que uma espécie se oxida quando ela perde onde houve redução e vice-versa. A

elétrons  também chamada de agente redu- substância que deve receber o coeciente

tor. A espécie que os ganha é a que se reduz é aquela que possui o maior número de

38
átomos que efetivamente se oxidaram ou apenas 1 átomo de nitrogênio se reduziu e

reduziram. que 4 átomos de fósforo se oxidou. Logo,

realizando-se a referida multiplicação, tem-


• 5. Terminar o balanceamento pelo mé-
se que:
todo da tentativa.
1x3 = 3

Para melhor entender esse passos segue um

exemplo: e

Exemplo 4x5 = 20.


Exemplo
Aplicando-se o passo 4 e transportando os va-
Balancear a equação:

lores calculados para os respectivos lugares,

tem-se que:

HN O3 + P4 + H2 O → H3 P O4 + N O

20HN O3 + 3P4 + H2 O → H3 P O4 + 20N O

Solução:

Agora, o que resta é terminar o balancea-


Aplicando-se o primeiro passo e determi-

mento por tentativas. Nota-se que existem


nando o nox de cada elemento da equação,

12 átomos de fósforo como reagente, logo


obtém-se:

deve haver 12 nos produtos. Por m, conta-

se 68 átomos de oxigênio nos produtos. As-

+1+5−2 0 +1 −2 +1 +5−2 +2−2 sim, basta adicionar 8 como coeciente este-


HNO3 + P4 + H2 O −→ H3 PO4 + NO
quiométrico da água. Logo:

Percebe-se que nesse caso, o nitrogênio sofreu

redução (nox +5 → +2  variação de -3) e


20HN O3 +3P4 +8H2 O → 12H3 P O4 +20N O
que o fósforo sofreu oxidação (nox 0 →+5 

variação de +5) (segundo passo).

Aplicando-se o terceiro passo, nota-se que

39
eletrodos de metais diferentes, imersos, sepa-

Caiu no concurso! radamente, em um recipiente contendo uma

solução salina desses metais. Esses recipien-


Petrobras - 2010  Químico(a) de Pe-
tes se ligam por meio de uma membrana po-
tróleo Jr - 34
rosa (ponte salina) a m de permitir o uxo
O cobre pode ser obtido por processamento
de elétrons.
hidrometalúrgico de minérios ou concentra-

Numa pilha, em um eletrodo o metal se oxida


dos. A rota usual consiste em lixiviação

(ânodo), e no outro o metal se reduz (cá-


ácida, puricação por extração com solven-

todo). A Figura abaixo ilustra o esquema de


tes e obtenção nal por eletrorredução do

uma pilha galvânica.


metal em soluções ácidas de sulfato de co-

bre. Com base na tabela acima, qual impu-

reza prejudica signicativamente a eciência

de corrente nessa última etapa do processo?

a) Mn

b) Cr

c) Co

d) Fe

e) F
Figura 4.1: Esquema de uma Pilha Galvâ-
nica.

Resposta: D

Exemplo
Exemplo: Funcionamento de uma pi-
4.3 Pilhas
lha

Pilhas galvânicas são dispositivos em que rea- Calcule o potencial da pilha representada

ções espontâneas de oxirredução ocorrem vi- pela gura anterior.

sando a geração de energia.


Solução:

Pilhas são um dispositivo composto por dois A pilha representada na gura acima é uma

40
Potencial Estado reduzido Estado oxidado Potencial
de redução de oxidação
(E red)
0
(E0 oxi)
+ −
-3,04 Li Li +e +3,04
+ −
-2,92 K K +e +2,92
+ −
-2,90 Ba Ba2 +2e +2,90
−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−→

←−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−
+ −
-2,89 Sr Sr2 +2e +2,89
+ −
-2,87 Ca Ca2 +2e +2,87
+ −
-2,71 Na Na +e +2,71
Ordem crescente de ação redutora

Ordem crescente de ação oxidante


+ −
-2,37 Mg Mg2 +2e +1,18
3+ −
-1,66 Al Al +3e +1,66
+ −
-1,18 Mn Mn2 +2e +1,18
− −
-0,83 H2 +2(OH) 2H2 O+2e +0,83
+ −
-0,76 Zn Zn2 +2e +0,76
3+ −
-0,74 Cr Cr +3e +0,74
− −
-0,48 S2 S+2e +0,48
+ −
-0,44 Fe Fe2 +2e +0,44
+ −
-0,28 Co Co2 +2e +0,28
+ −
-0,23 Ni Ni2 +2e +0,23
+ −
-0,13 Pb Pb2 +2e +0,13
+ −
0,00 H2 2H +2e 0,00
+ + −
+0,15 Cu Cu2 +e -0,15
+ −
+0,34 Cu Cu2 +2e -0,34
− 1 −
+0,40 2(OH) H2 O+ O2 +2e -0,40
2
+ −
+0,52 Cu Cu +e -0,52
− −
+0,54 2I I2 +2e -0,54
2+ 3+ −
+0,77 Fe Fe +e -0,77
+ −
+0,80 Ag Ag +e -0,80
+ −
+0,85 Hg Hg2 +2e -0,85
− −
+1,09 2Br Br2 +2e -1,09
+ −
+1,23 H2 O 2H +1/2O2 +2e -1,23
− −
+1,36 2Cl Cl2 +2e -1,36
− −
+2,87 2F F2 +2e -2,87

41
pilha de zinco-cobre. De acordo com a tabela

do exemplo anterior, o cobre possui um maior

potencial de redução (+0,52) que o zinco (- reação oxidação = −0,76


0,76). Assim, nessa reação, o cobre irá se

Logo:
reduzir de cobre II para cobre 0 e o zinco

irá se oxidar, de zinco 0 a zinco II. Pode-se

então, escrever a equação da pilha: pilha = +0,34 − (−0,76) = 1,10

Cu+2 + Zn → Cu + Zn+2

Essa reação pode ainda ser dividida em duas

semirreações:
4.4 Eletrólise

A eletrólise é o processo inverso da pilha, ou


+2 −
Cu + 2e → Cu
seja, é uma reação não espontânea em que

metais puros são obtidos por meio do uso da

eletricidade. A eletrólise possui larga apli-

Zn → 2e− + Zn+2 cação na indústria: galvanoplastia (recobri-

mento de superfícies com uma camada do

Por meio dessas reações pode-se calcular o


metal), na obtenção de sódio, cloro, níquel,

potencial da pilha. Em outras palavras, o


cromo etc.

quanto de energia que essa pilha gera. O


Os cálculos referentes à eletrólise consistem
potencial de uma pilha é dado por:
em se relacionar a quantidade de carga ne-

cessária para se eletrolisar uma determinada

pilha = redução redução


reação redução − reação oxidação massa de metal.

Michael Faraday foi o primeiro a determinar


Nesse caso:

essa relação. Em seus experimentos, ele de-

terminou que para se eletrolisar 1 mol de elé-


reação redução = +0,34
trons eram necessários 96500 C de carga, ou

1 Faraday.

42
tos mols de elétrons estão envolvidos na rea-

Exemplo ção:

Petrobras- 2012  Engenheiro de Pe-


tróleo Júnior  Química - 59
N a+ + 1e− → N a0
Um dos procedimentos experimentais para se

obter sódio metálico é a eletrólise do cloreto Sabe-se que:

de sódio fundido (eletrólise ígnea) em uma

cuba eletrolítica. Considerando que a quan-

tidade de eletricidade (carga) de 1 mol de mN a 9,2g


nmol Na = = = 0,4mol
mmol N a 23g/mol
elétrons é igual a 96.500C, qual o tempo, em

s, necessário para se obter 9,2g de sódio, por



Pela estequiometria, 0,4mol e . Assim:
esse processo, utilizando uma corrente cons-

tante e igual a 10A?

(A) 965
Q = F.Nmol e− = 96500.0,4 = 38,600 C
(B) 1.930

(C) 2.895
38600 C
Logo, t= 10A
= 3860s
(D) 3.860

Resposta: D
(E) 4.825

Solução:

Dados:

NaCl→ Na


F= 96500 C/mol e

mN a = 9,2g

i= 10A

t=?

Q
sabe-se que Q = i.t ↔ t = i

para descobrir Q, é necessário calcular quan-

43
5 Reações Orgânicas, de Polimerização, de Sapo-
nicação e de Síntese de Biodiesel

5.11 Reações de oxidação-


Tópicos redução na química or-
gânica . . . . . . . . . . 54

5.12 Sistemas insaturados


5.1 Funções Orgânicas . . . . 45 conjugados . . . . . . . . 55

5.2 Isomeria . . . . . . . . . 48 5.13 Reações de compostos


5.3 Reações orgânicas: aromáticos . . . . . . . . 55
Substituições . . . . . . . 50
5.14 Reação de Wittig . . . . 56
5.4 Reações orgânicas: Adi-
5.15 Biodiesel . . . . . . . . . 56
ções . . . . . . . . . . . 50

5.5 Reações orgânicas: Eli- 5.16 Sabões e detergentes . . 57

minações . . . . . . . . . 51
5.17 Polímeros . . . . . . . . 57
5.6 Reações orgânicas: Re-
5.18 Mecanismo: Reação de
arranjo . . . . . . . . . . 51
adição . . . . . . . . . . 62
5.7 Reação radicalar . . . . . 51
5.19 Mecanismo: Reação ra-
5.8 Síntese dos alcanos e dos
dicalar . . . . . . . . . . 62
cicloalcanos . . . . . . . 51

5.9 Redução dos haletos de 5.20 Mecanismo: Hidrogena-

alquila. . . . . . . . . . . 52 ção dos alcenos e alcinos 63

5.10 Adição de haletos de hi- 5.21 Mecanismo: Explicação


drogênio aos alcenos: a teórica da regra de Mar-
regra de Markovnikov . . 52 kovnikov . . . . . . . . . 63

44
5.22 Mecanismo: Álco- pais compostos orgânicos são apresentados,

ois pela redução de bem como sua classicação e principal carac-

compostos carbonílicos . 63 terística.

5.23 Mecanismo: Oxidação


de álcoois primários em
ácido carboxílico . . . . . 64 Exemplo
5.24 Mecanismo: Oxidação Exemplo
de álcoois secundários
Analise as armativas seguintes que dizem
em cetonas . . . . . . . . 64
respeito a alguns compostos orgânicos e suas

5.25 Mecanismo: Reagentes funções.

de Grignard . . . . . . . 65

5.26 Mecanismos: Reações • I  O etanoato de etila é um éter.

de compostos aromáticos 65
• II  O propanal é uma cetona.
5.27 Mecanismos: Reação de
substituição nucleofílica . 67 • III  O 1-hidróxi-2-metil-benzeno é um

fenol.
5.28 Mecanismo: Reações de
eliminação . . . . . . . . 69
• IV  O 3-metil-1-ciclo-hexanol é um ál-

cool.

Teoria • V  O benzoato de metila é um éster.

Está CORRETO apenas o que se arma em:

5.1 Funções Orgânicas


(A) I, II e III

(B) I, II e IV

(C) I, III e IV
Os compostos orgânicos são encontrados em
(D) II, IV e V
grande número na natureza e, também, na
(E) III, IV e V
indústria. Possuem uma variedade muito

maior em relação ao compostos inorgânicos

e, por esse motivo, são divididos em muito Solução:

mais classes. Na Tabela a seguir, os princi- Para se resolver essa questão é preciso levar

45
Classicação Grupo funcional Característica Nomenclatura

Alcanos Ligação simples Nome do radi-


entre carbonos cal+ ano

Alcenos Ligação dupla Nome do radi-


entre carbonos cal+ eno

Alcinos Ligação tripla Nome do radi-


entre carbonos cal+ ino

Aromático Anel com 6 car- Nome do radi-


bonos com liga- cal+ benzeno-
ções duplas al-
ternadas

Fenol Uma ou mais hi- Nome do radical


droxilas ligadas + fenol Ou Hi-
ao anel aromá- dróxi + Nome do
tico radical + ben-
zeno

Haloalcano Com um ou mais Nome do Haleto


átomos de halo- + Nome do radi-
gêneos cal.

Álcool Com grupo hi- Nome do radi-


droxila cal+ ol

Éter Um átomo de Nome do radi-


oxigênio entre cal+ óxi
dois átomos de
carbono

46 Tiol Com um grupo Nome do radi-


SH cal+ tiol
Aldeído Com um grupo Nome do radi-
carbonil cal+ al

Cetona Com um grupo Nome do radi-


carbonil entre cal+ ona
dois átomos de
carbono.

Ácido carboxílico Com um grupo Ácido + Nome


carboxila do radical+ óico

Éster Grupo carboxila Nome do ânion


com um H derivado do
substituído por ácido  ICO +
um átomo de ATO + Nome
carbono do Radical

Amina Átomo de Nitro- Nome do radi-


gênio ligado a cal+ amina
um ou mais car-
bonos

47
em consideração a tabela apresentada na te- mais comuns de isomeria: Isomeria estru-

oria. tural (constitucional) e a isomeria espacial

(estereoisomeria). A Tabela abaixo resume

• I → etanoato possui o suxo `ato' que as principais classicações de isomeria, bem

corresponde à nomenclatura de éster, como sua denição e exemplos.

pois tem o nome de um radical + ato.

Errado.
Exemplo
Exemplo
• II → Propanal corresponde à nomencla-
Qual das substâncias abaixo são isômeros en-
tura de um aldeído. Errado.
tre si?

• III → 1-hidróxi-2-metil-benzeno corres-

ponde à nomenclatura de um fenol, pois

possui o prexo hidróxi e o suxo ben-

zeno. Correto.

• IV → 3-metil-1-ciclo-hexanol possui o

suxo ol que corresponde à nomencla-

tura de um álcool. Correto

• V → benzoato possui o suxo `ato' que

corresponde à nomenclatura de um és-


(A) II, IV e VI
ter. Correto.
(B) I, II e VI

(C) I, II e IV
Resposta: E
(D) I, II, IV e V

(E) II, IV, V e VI

5.2 Isomeria Solução:

Para se resolver essa questão, basta analisar

Isômeros são substâncias que possuem a


cada ítem.

mesma fórmula molecular mas diferentes fór-

mulas estruturais. Existem duas formas • I) As duas substâncias desse ítem não

48
Tipo de isomeria Denição Exemplo
Constitucional Substâncias em que os áto-
mos ou os grupos funcionais
estão arranjados em locais
diferentes da cadeia princi-
pal

Estereisomeria

Diasteroisomeria Quando uma molécula não é a imagem espe-


lhada da outra em pelo menos um grupo fun-
cional. Dividido em duas subclassicações.
Isomeria cis-trans Ocorre geralmente em subs-
tâncias com ligações du-
plas. Os grupos funcionais
numa molécula Cis estão do
mesmo lado da ligação e, do
lado oposto numa molécula
Trans. Devido à ligação du-
pla, não pode haver rotação
dos grupos funcionais nessas
moléculas.
Isomeria conformacio- Quando o grupo funcional
nal (rotâmetros) de duas moléculas está em
posições angulares diferen-
tes.

Enantiomeria Quando duas moléculas são


a imagem uma da outra, po-
rém não se sobrepõe.

49
são isômeros porque uma se sobrepõe so- postos aromáticos (ainda que sejam insatura-

bre a outra ao rotacioná-la. Não. dos). Em uma substituição, um grupo subs-

titui o outro.
• II) Nesse caso, o átomo de oxigênio

está numa posição diferente nas molécu-

las, sendo isso uma isomeria de posição.


H2 O
Sim.
H3 C−CL+ N a+ OH − −−→ H3 C−OH+N a+ Cl−

• III) As substâncias não possuem a

mesma fórmula molecular. Não.

• IV) As duas substâncias possuem dupla

ligação, o que impede a rotação dos gru-

pos funcionais. Possuindo elas, isomeria

Cis-trans.

• V) As duas substâncias desse ítem não

são isômeros porque uma se sobrepõe so-

bre a outra ao rotacioná-la. Não.

• VI) Nesse caso, o átomo de carbono e


Figura 5.1: Uma reação de substituição.
alguns átomos de oxigênio estão numa

posição diferente nas moléculas, sendo

isso uma isomeria de posição. Sim.

Resposta: A

5.4 Reações orgânicas:


Adições
5.3 Reações orgânicas:
Substituições Características de compostos com ligações

múltiplas. Em uma adição, todos os rea-

Características de compostos saturados, tais gentes aparecem no produto; duas moléculas

como alcanos e haletos de alquila, e de com- tornam-se uma.

50
5.6 Reações orgânicas:
Rearranjo

Figura 5.2: Uma molécula sofre uma reorganização de

suas partes constituintes.

Figura 5.3:
Figura 5.4: Reação de Rearranjo.

5.5 Reações orgânicas:


Eliminações 5.7 Reação radicalar
São o oposto de adições. Uma molécula Reação promovida pelo calor ou pela luz.

perde os elementos de outra molécula pe-

quena.
Figura 5.5:

5.8 Síntese dos alcanos e


dos cicloalcanos

Hidrogenação dos alcenos e alcinos:

Exemplos:
Alcenos e alcinos reagem com hidrogênio, na

presença de catalisadores metálicos, como o

níquel, o paládio e a platina, para produzir

alcanos. Os átomos da molécula de hidrogê-

nio adicionam a cada átomo de ligação du-

51
pla ou tripla carbono-carbono do alceno ou

alcino.
Figura 5.8:

Reação geral:

ou

Zn HX
Figura 5.6:
R − X −−−2−−→ R − H
(−ZnX2 )

Exemplos especícos:

Exemplos especícos:

Figura 5.9:

5.10 Adição de haletos de


hidrogênio aos alce-
nos: a regra de Mar-
Figura 5.7:

kovnikov
Na adição de HX a um alceno, o átomo de

5.9 Redução dos haletos hidrogênio vai para o átomo de carbono da

de alquila. ligação dupla que já possui o maior número

de átomos de hidrogênio.

A maioria dos haletos de alquila reage com Quando o 2-metilpropeno reage com o HBr, o

zinco e um ácido aquoso para produzir um produto principal é o brometo de terc-butila

alcano. e não o brometo de isobutila.

52
• I  Os produtos principais da reação de

hidrogenação de (P) e (Q), catalisada

o
por platina a 25 C e a pressão de 1 atm,
Figura 5.10:
são isômeros constitucionais.

• II  Tanto (Q) como (R) podem descorar

Caiu no concurso!
uma solução de Br2 em tetracloreto de

carbono com a formação de um mesmo


Petrobras - 2010  Químico(a) de Pe-
produto principal de reação.
tróleo Jr - 40
• III  A reação de (P) com HBr pode le-
A espécie Ocimum selloi BENTH, da Fa-
var a formação de um produto de reação
mília Lamiaceae, é conhecida popularmente
idêntico ao obtido na reação de (Q) com
como alfavaca. De seu óleo essencial podem
HBr.
ser obtidas as substâncias estragol (P), tran-

sanetol (Q) e cinetol (R). Suas estruturas • IV  O calor liberado na reação de hi-

e suas respectivas composições, obtidas por drogenação da dupla olefínica de (Q) é

cromatograa gasosa acoplada à espectrome- menor do que na de (R).

tria de massas, estão ilustradas abaixo.

Estão corretas APENAS as armações

a) I e IV b) II e III c) III e IV d) I, II, e III

e) I, II e IV

Resposta: C

Em relação a algumas reações que podem ser

realizadas com o estragol, transanetol e cisa-

netol, analise as armativas a seguir.

53
5.11 Reações de
oxidação-redução
na química orgânica

Álcoois pela redução de compostos carboní-

licos:

Reagentes de Grignard:

Bases muito fortes que reagem com qualquer

composto que tenha um hidrogênio ligado a

um átomo eletronegativo, tal como um oxi-

gênio nitrogênio ou enxofre.

Reação com formaldeído:

Oxidação de álcoois primários em ácidos car-

boxílicos: Reação com aldeído superior:

Oxidação de álcoois secundários em cetonas:

54
Reação com cetona: 5.12 Sistemas insaturados
conjugados
• Reação de Diels-Alder: Reação de ciclo-

adição 1,4 dos dienos: Reação que ocorre

entre um dieno conjugado (um sistema

de elétrons 4π ) e um composto contendo

uma ligação dupla (um sistema de elé-

trons 2π ) chamado um dienólo.


Reação com éster

Figura 5.11:

Figura 5.12:

5.13 Reações de compos-


tos aromáticos
O benzeno é suscetível ao ataque nucleofílico

principalmente devido à exposição de seus

elétrons π.

55
Figura 5.15:

Figura 5.13:

5.14 Reação de Wittig

A reação de Wittig é uma reação química de

um aldeído ou uma cetona com um ileto de

fósforo para dar um alceno.

Caiu no concurso!
Petrobras - 2008  Eng. de Petróleo Jr
Figura 5.14: .
- 66

Que reação descreve a operação de transes-

tericação de um óleo vegetal para produção

5.15 Biodiesel do biodiesel?

(A)
Combustível renovável pode ser obtido a par-
(B)
tir de óleos vegetais ou gorduras (triglicerí-
(C)
deos), por método químico (transesterica-
(D)
ção) ou enzimático. A transestericação, o
(E)
processo mais comum, baseia na quebra de

triglicerídeo em meio alcalino ou ácido, jun-

tamente com álcool metílico ou etílico, ob- Resposta: C

tendo ésteres alquílicos e glicerol.

56
5.16 Sabões e detergen- d) as aminas são bases orgânicas que pos-

tes
suem o radical .

e) os aldeídos e as cetonas podem ser

preparados pela redução dos álcoois.


Uma vez que os triglicerídeos são ésteres, eles

sofrem reação de hidrólise ácida ou básica.

A hidrólise ácida produzirá simplesmente o Resposta: D

glicerol e os ácidos graxos constituintes. Já a

hidrólise básica produzirá o glicerol e os sais

desses ácidos graxos. Pois bem, esses sais são

o que chamamos de sabão. 5.17 Polímeros

5.17.1 Polímeros de adição:

Esse tipo de polímero é formado pela adição

de moléculas de um só monômero.

Figura 5.16:

5.17.2 Polietileno:

Caiu no concurso!
É obtido a partir do etileno (eteno). Possui

alta resistência à umidade e ao ataque quí-


Petrobras - 2007  Eng. de Processa-
mico, mas tem baixa resistência mecânica.
mento Jr
O polietileno é um dos polímeros mais usa-

Em relação às funções da química orgânica, dos pela indústria, sendo muito empregado

é correto armar que: na fabricação de folhas (toalhas, cortinas, in-

vólucros, embalagens etc), recipientes (sacos,


a) cada mol de etano que sofre combustão

garrafas, baldes etc), canos plásticos, brin-


gera 4 mols de CO2 .

quedos infantis, no isolamento de os elétri-


b) a saponicação de um éster consiste na

cos etc.
sua hidrólise na presença de um álcali.

c) o produto da hidrogenação do 3-metil-1-

penteno é o 2-metilpentano

57
5.17.3 Polipropileno:
5.17.5 Cloreto de Polivinila
É obtido a partir do propileno (propeno), (PVC):
sendo mais duro e resistente ao calor, quando
É obtido a partir do cloreto de vinila. O
comparado com o polietileno. É muito usado
PVC é duro e tem boa resistência térmica
na fabricação de artigos moldados e bras.
e elétrica. Com ele são fabricadas caixas, te-

lhas etc. Com plasticantes, o PVC torna-se

mais mole, prestando-se então para a fabrica-

ção de tubos exíveis, luvas, sapatos, "couro-

plástico"(usado no revestimento de estofa-

dos, automóveis etc), tas de vedação etc.

5.17.4 Poliestireno:

É obtido a partir do estireno (vinil-benzeno).

Esse polímero também se presta muito bem à

fabricação de artigos moldados como pratos,

copos, xícaras etc. É bastante transparente,

bom isolante elétrico e resistente a ataques 5.17.6 Politetrauoretileno ou


químicos, embora amoleça pela ação de hi-
Teon:
drocarbonetos. Com a injeção de gases no

sistema, a quente, durante a produção do po- É obtido a partir do tetrauoretileno. É o

límero, ele se expande e dá origem ao isopor. plástico que melhor resiste ao calor e à cor-

rosão por agentes químicos; por isso, apesar

de ser caro, ele é muito utilizado em encana-

58
mentos, válvulas, registros, panelas domésti- 5.17.8 Copolímeros:
cas, próteses, isolamentos elétricos, antenas
Esses polímeros são formados a partir de dois
parabólicas, revestimentos para equipamen-
ou mais monômeros diferentes.
tos químicos etc. A pressão necessária para

produzir o teon é de cerca de 50 000 atmos-

feras. 5.17.9 Poliuretano (a):

É obtido a partir do diisocianato de parafeni-

leno e do etilenoglicol (1,2-etanodiol). Possui

resistência à abrasão e ao calor, sendo uti-

lizado em isolamentos revestimento interno

de roupas, aglutinantes de combustível de

foguetes e em pranchas de surfe. Quando

expandido a quente por meio de injeção de

5.17.7 Policloropreno ou Neo- gases, forma uma espuma cuja dureza pode

ser controlada conforme o uso que se quiser


preno:
dar a ela. Veja o mecanismo da síntese da

poliuretana e como efetuar essa reação em


É obtido a partir do 2-cloro-butadieno-1,3
laboratório.
(cloropreno). O neopreno é uma borracha

sintética de ótima qualidade: resiste muito

bem a tensões mecânicas, aos agentes atmos-

féricos e aos solventes orgânicos. É também

empregado na fabricação de juntas, tubos e-

xíveis e no revestimento de materiais elétri-

cos.

5.17.10 Polímeros de condensa-


ção:

Esses polímeros são formados a partir de

monômeros iguais ou diferentes, havendo eli-

59
minação de moléculas simples (H2O, NH3 prestam à fabricação de cordas, tecidos, gar-

etc). rafas, linhas de pesca etc. O mais comum é o

nylon-66, resultante da reação entre a hexa-

metilenodiamina (1,6-diamino-hexano) com


5.17.11 Poliésteres:
o ácido adípico (ácido hexanodióico).

Resultam da condensação de poliácidos (ou

também seus anidridos e ésteres) com poliál-

coois. Um dos poliésteres mais simples e mais

importantes é obtido pela reação do éster me-

tílico do ácido tereftálico com etileno-glicol.

É usado como bra têxtil e recebe os nomes

de terilene ou dacron. Em mistura com ou-

tras bras (algodão, lã, seda etc) constitui o

tergal.

Caiu no concurso!
Petrobras - 2007  Químico(a) de Pe-
tróleo Jr

A respeito dos polímeros, analise as arma-

tivas a seguir.

5.17.12 Poliamidas ou Nylons: • I  Os polímeros formados por mais de

um monômero são chamados de copolí-

Estes polímeros são obtidos pela polimeri- meros.

zação de diaminas com ácidos dicarboxíli-


• II  O náilon 6 é resultado da polimeri-
cos. Os nylons são plásticos duros e têm
zação do ácido 6-aminoexanóico.
grande resistência mecânica. São moldados

em forma de engrenagens e outras peças de • III  Os poliuretanos são copolímeros

máquinas, em forma de os e também se formados na polimerização de vários po-

60
liésteres e poliéteres com isocianato de

parafenileno.

• IV  O dacron ou terilene é um poliés-

ter resultado da polimerização do ácido

tereftélico com o etilenoglicol.

É(são) correta(s) a(s) armativa(s):

a) I, somente.

b) II, somente.

c) I e II, somente.

d) I, II e III, somente.

e) I, II, III e IV.

Resposta: E

61
5.18 Mecanismo: Reação 5.19 Mecanismo: Reação
de adição radicalar

Adição de um haleto de hidrogênio a um al- Etapa 1:

ceno:

Etapa 1:

Figura 5.17:

Etapa 2:

Os elétrons π do alceno formam uma ligação

com um próton proveniente de HX, formando

um carbocátion e um íon haleto.

Etapa 2:

Etapa 3:

Figura 5.18:

O íon haleto reage com o carbocátion dando

um par de elétrons; o resultado é um haleto

de alquila.

62
5.20 Mecanismo: Hidro-
genação dos alcenos
e alcinos
Figura 5.21:
(a) Adsorção de hidrogênio. (b) Adsorção do

alceno

5.21 Mecanismo: Expli-


cação teórica da re-
gra de Markovnikov

Se o alceno que sofre adição de um haleto


Figura 5.19:
de hidrogênio for assimétrico tal como o pro-

peno, podem ser formados dois carbocátions

(CR3+) diferentes. Estes dois carbocátions,

(c) e (d) Transferência em etapas de ambos entretanto, não têm a mesma estabilidade. O

os átomos de hidrogênio para a mesma face carbocátion mais substituído será mais está-

do alceno. vel devido à melhor deslocalização da carga

positiva pelos substituintes.

5.22 Mecanismo: Álco-


ois pela redução de
Figura 5.20: Redução dos haletos de alquila.

compostos carboníli-
cos
Nesta reação, os átomos de zinco transferem

elétrons ao átomo de carbono do haleto de Redução de aldeídos e cetonas pela transfe-

alquila. rência de hidreto (nucleólo).

63
Figura 5.22:

Figura 5.24:

5.23 Mecanismo: Oxida- 5.24 Mecanismo: Oxida-


ção de álcoois primá- ção de álcoois secun-
rios em ácido carbo- dários em cetonas
xílico Etapa 1:

Álcoois primários são facilmente oxidados

para além do estágio aldeído em soluções

aquosas. O aldeído formado inicialmente a

partir do álcool primário reage com água

para formar um hidreto de aldeído. O

hidreto de aldeído pode então reagir com

4− +
HCrO (e H ) para formar um éster cro-

mato e este pode então oxidar a ácido carbo-

xílico.

Etapa 2:

Figura 5.23:

64
5.25 Mecanismo: Rea-
gentes de Grignard

Reagentes de Grignard reagem com formal-

deído para fornecer um álcool primário.

5.26 Mecanismos: Rea-


Reagentes de Grignard reagem com todos os
ções de compostos
demais aldeídos para fornecer um álcool se-
aromáticos
cundário.

Bromação aromática:

Etapa 1:

Reagentes de Grignard reagem com cetonas

para fornecer álcoois terciários.

Etapa 2:

Ésteres reagem com dois equivalentes mola-

res de um reagente de Grignard para formar

álcoois terciários. Etapa 3:

65
Nitração de benzeno:
Sulfonação de benzeno:

Etapa 1:
Etapa 1:

Este equilíbrio produz SO3 em H2 SO4 - con-

centrado

Etapa 2:
Etapa 2:

Etapa 3:

Etapa 3:

Etapa 4:

Etapa 4:

66
Alquilação de Friedel-Crafts: 5.27 Mecanismos: Rea-
Etapa 1:
ção de substituição
nucleofílica
Reação geral para a substituição nucleofílica

de um haleto de alquila pelo íon hidróxido.

Reação geral para substituição nucleofílica de

um haleto de alquila pela água.

Etapa 2:

• SN2:

O nucleóco aborda o carbono que car-


Etapa 3:

rega o grupo retirante pelo lado direta-

mente oposto ao grupo retirante.

67
Exemplo:

Velocidade α [(CH3 )3 CCl]

Mecanismo:
Velocidade = k[(CH3 )3 CCl]

O mecanismo para essa reação envolve

três etapas. Dois intermediários diferen-

tes são formados. A primeira etapa é a

lenta e é a etapa determinante da velo-

cidade. Nela, a molécula do cloreto de

terc-butila se ioniza e se torna um cá-

tion terc-butila e um íon cloreto. A for-

mação de carbocátion, em geral, ocorre

de modo lento, por ser normalmente um

processo altamente endotérmico. Na se-

gunda etapa o intermediário cátion terc-

butila reage rapidamente com a água,

para produzir o íon terc-butiloxônio (ou-

tro intermediário); este íon, na terceira

etapa transfere rapidamente um próton

a uma molécula de água, produzindo o

álcool terc-butílico.

Mecanismo:

Etapa 1:

• SN1:

Considere a reação do cloreto de terc-

butila com o hidróxido de sódio:

68
5.28 Mecanismo: Rea-
ções de eliminação
• E2:

Quando o brometo de isopropila é aque-

cido com o etóxido de sódio em etanol

para formar propeno, a velocidade da

reação depende da concentração do íon

Etapa 2: etóxido.

Velocidade

α [CH3 CHBrCH3 ][C2 H5 O− ]


Velocidade =
k[CH3 CHBrCH3 ][C2 H5 O− ]

O estado de transição da etapa determi-

nante de velocidade deve envolver am-

bos, o haleto de alquila e o íon alcóxido.

A reação deve ser bimolecular.

Etapa 3: Reação:

C2 H5 O− + CH3 CHBrCH3 → CH2 =

= CHCH3 + C2 H5 OH + Br−

Mecanismo:

Fatores que favorecem reações SN1 versus


• E1:

SN2: Tanto numa reação SN1, quanto numa

E1, a etapa inicial é a formação de um

69
Fator SN1 SN2
◦ ◦ ◦
Substrato 3 (necessita da formação Metila > 1 > 2 (neces-
de um carbocátion relativa- sita de substratos desblo-
mente estável) queados)
Nucleólo Base de Lewis fraca, mo- Base de Lewis forte, a velo-
lécula neutra, o nucleólo cidade é favorecida pela alta
pode ser o solvente concentração do nucleólo
Solvente Prótico polar (álcoois e Aprótico polar (DMF,
água) DMSO)
Grupo retirante I >Br> Cl > F tanto para SN1, quanto para
SN2 (quanto mais fraca a base, depois da
partida do grupo, melhor será o grupo re-
tirante)

Figura 5.25: .

Figura 5.26: .

cátion terc-butila. Essa também é a

etapa determinante de velocidade para

ambas as reações.

Se uma molécula de solvente atua como

uma base e atrai um dos átomos de hi-

drogênio β, como um próton, o produto


Figura 5.27: .
é o 2-metilpropeno e a reação é E1.

As reações E1 quase sempre acompa-

nham as reações SN1.

Resumo geral das reações SN1, SN2, E1 e E2:

Figura 5.28: .

70
CH3X RCH2X RC(R)HX C(R)3X
◦ ◦ ◦
Metila 1 2 3
Somente reações bimoleculares SN1/E1 ou E2
Reações SN2 Principalmente SN2, Principalmente SN2, Não ocorre SN2.
exceto com base for- com bases fracas (I-, Na solvólise ocorre
temente bloqueada CN-, RCO2-) e princi- SN1/E1, e a tempe-
[(CH3)3CO-], quando palmente E2 com ba- raturas baixas o SN1
ocorre E2 ses fortes (RO-) é favorecido. Quando
uma base forte (RO-)
é usada, predomina a
reação E2

71
6 Titulação, Espectroscopia, Espectrometria,
Cromatograa e Potenciometria

constituinte (titulado) até sua reação car

Tópicos completa. Da quantidade de titulante re-

querida, podemos calcular a quantidade de

constituinte em análise que estará presente.

O titulante normalmente é liberado de uma


6.1 Titulação . . . . . . . . . 72
bureta.
6.2 Espectroscopia UV-VIS . 75

6.3 Espectrometria de Ab- Os principais requisitos para uma reação vo-

sorção Atômica . . . . . 76 lumétrica são de que ela possua uma grande

constante de equilíbrio e se processe rapida-


6.4 Cromatograa . . . . . . 78
mente, isto é, cada incremento de titulante
6.5 Cromatograa de ca-
será completa e rapidamente consumido pelo
mada delgada . . . . . . 78
titulado até que esta acabe. As titulações
6.6 Potenciometria . . . . . . 80
mais comuns são baseadas em reações de
6.7 Equação de Nernst . . . . 80
ácido-base, oxidação-redução, formação de

complexo e precipitação.

Teoria O ponto de equivalência ocorre quando a

quantidade de titulante adicionado é a quan-

tidade exata necessária para uma reação es-

tequiométrica com o titulado. Por exemplo,

6.1 Titulação 5 mols de ácido oxálico reagem com 2 mols

de permanganato a quente em solução ácida


Em uma titulação, incrementos da solução
quente:
reagente  titulante  são adicionados ao

72
Etapa 2. Em seguida o precipitado é lavado

com água gelada para remover oxalato livre,

o sólido é dissolvido em ácido, o qual libera

2+
Ca e H2 C2 O4 em solução.

Etapa 3. O ácido oxálico dissolvido é aque-


cido a 60 C e titulado com permanganato

de potássio padronizado até que seja obser-

vada a cor púrpura indicativa do ponto nal

da reação.

A curva de titulação ilustra o efeito das con-


Solução:
centrações dos reagentes na titulação. O
A concentração da solução de permanganato
ponto de equivalência é o ponto abrupto da
é
curva. É o ponto de inclinação máxima e é,

por essa razão, o ponto de inexão (no qual


0,3562g N a2 C2 O4
Na C O
134,00g 2mol2 4
a segunda derivada é zero): = 0,010633 M
0,2500L
dy
Maior inclinação: atinge o seu maior valor
dx 2−
O número de mols de C2 O4 em 10,00
d2 y
Ponto de inexão:
dx2
=0
0,010633mol/L
mL é
0,01000L
= 1,0633x10−4 mol =
0,10633mmol. A reação requer 2 mols de

Exemplo permanganato para reagir com 5 mols de oxa-

lato, então o número de mols de MnO4- con-


Exemplo
sumido será

Padronização do titulante seguida da análise

de uma amostra desconhecida.

2 moles de M nO4−
O conteúdo de cálcio de uma urina pode ser moles de M nO4− = ( 2− )∗
5 moles de C2 O4
determinado pelo seguinte procedimento:

2+
∗(moles de C2 O42− ) = 0,042531mmol
Etapa 1. O Ca é precipitado como oxalato

de cálcio em uma solução básica: 4−


A concentração de MnO no titulante é,
2+ 2−
Ca + C2 O4 → Ca(C2 O4 ).H2 O(s)
portanto,

oxalato oxalato de cálcio

73
Para se determinar o teor de cloreto em 1 li-

tro de uma solução salina pelo método de Vo-


4− 0,042531mmol
molaridade de MnO =( )= lhard, retirou-se uma alíquota de 25 mL da
48,36mL
massa, que foi tratada com 40 mL de uma so-
−4
= 8,7947x10 M
lução padrão de nitrato de prata com concen-

tração 0,150 M. Após a precipitação quanti-

tativa do cloreto na forma de AgCl, titulou-

se o excesso de prata remanescente com uma

Caiu no concurso! solução padrão de KSCN 0,200 M, contendo

Petrobras - 2010  Químico(a) de Pe- íons Fe


3+
como indicador. O volume de titu-

tróleo Jr - 31 lante gasto para se atingir o ponto de equi-

valência foi de 5 mL.


Soluções de permanganato de potássio utili-

zadas em titulações são frequentemente pa- Com base nesses dados, conclui-se que a

dronizadas por reação com ácido oxálico. massa de cloro presente na forma de cloreto

Qual a reação molar de permanganato/ácido na solução inicial é, aproximadamente, de

oxálico dessa reação?


a) 0,2 g

a) 0,2 b) 1,0 g

b) 0,4 c) 5,0 g

c) 0,5 d) 6,0 g

d) 1,0 e) 7,1 g

e) 1,5

Resposta: E

Resposta: B

Caiu no concurso!
PETROBRAS - 2010  Químico(a) de
Petróleo Jr - 36

74
6.2 Espectroscopia UV- Portanto, T está entre 0 e 1. A absorbância

VIS
é denida como

P0
A espectroscopia UV-VIS consiste no uso da A = log10 ( ) = −logT
P
luz visível e ultravioleta para efetuar leitura

Lei de Beer:
da quantidade de uma substância contida em

uma solução.

A = bc
O funcionamento de um espectroscópio UV-

VIS é baseado no seguinte mecanismo:


A equação acima, muito aplicada na química
quando um feixe de luz passa por uma amos-
analítica, é chamada lei de Lambert-Beer, ou
tra, a energia radiante diminui. A energia
simplesmente lei de Beer. A absorbância é
radiante, P, é a energia por segundo por uni-
adimensional. A concentração da amostra, c,
dade de área do feixe de luz. A luz passa por
geralmente é dada em unidades de mol por
um monocromador para selecionar um com-
litro (M). O caminho óptico, b, geralmente
primento de onda.
é expresso em centímetros. A grandeza  é

A luz monocromática, com energia radiante chamada de absortividade molar, cuja uni-

P0, atinge uma amostra de comprimento b. dade é M


−1
cm
−1
para tornar o produto bc
A energia radiante do feixe que sai do ou- adimensional. A absortividade molar é a ca-

tro lado da amostra é P. Alguma quantidade racterística de uma substância que nos indica

de luz pode ser absorvida pela amostra, de a quantidade de luz absorvida num determi-

forma que P<P0. nado comprimento de onda.

Exemplo
Exemplo

Encontre a absorbância e a transmitância de

Transmitância, T, é denida como a fração


uma solução 0,00240 M de uma substância

da luz original que passa pela amostra.


com coeciente de absortividade molar de

−1 −1
313 M cm numa célula com 2,00 cm de

P
T = caminha óptico.
P0

75
Solução: se obedece à lei Lambert Beer na concen-

A seguinte equação nos dá a absorbância. tração empregada nesse experimento. Con-

sidere que o caminho óptico é de 1 mm, e

a absorbância observada é 0,4. Empregando


A = bc
esse resultado na equação de Lambert-Beer,

conclui-se que a concentração da amostra é,

aproximadamente,

A = (313M −1 cm−1 )(2,00cm)(0,00240M )A = 1,50 −1


a) 0,01 mol.L

−1
b) 0,02 mol.L

A transmitância é obtida pela equação se- −1


c) 0,002 mol.L

guinte e elevando-se 10 à potência de cada −1


d) 8,0 mol.L

lado da equação. −1
e) 80 mol.L

logT = −A Resposta: B

T = 10logT = 10−A = 10−1,50 = 0,0316


6.3 Espectrometria de
Apenas 3,16% da luz incidente emerge dessa Absorção Atômica
solução.

A espectroscopia de absorção atômica é uma

técnica que serve para se determinar a pre-

Caiu no concurso! sença de metais em diversos tipos de amos-

Petrobras - 2010  Químico(a) de Pe- tras. Ela se baseia no fato de que átomos

tróleo Jr - 37 livres em estado estável podem absorver luz

em um determinado comprimento de onda.


Uma solução de uma dada amostra apre-

−1 −1 A faixa de absorção de luz é especíca para


senta absortividade de 200 L.mol cm . Foi

cada elemento químico.


analisada por espectroscopia na região de

UV/Vis em um comprimento de onda na qual O espectroscópio de absorção atômica pos-

76
sui basicamente três componentes: fonte de Exemplo
radiação, atomizador e detector. Para se re-
Desejando determinar a concentração de
alizar as medições é necessário o uso de uma
chumbo em material particulado atmosférico
fonte. A mais utilizada é uma lâmpada de
por absorção atômica, um analista construiu
cátodo oco. Essa lâmpada consiste em um
a curva analítica abaixo. Toda a massa de
ânodo de tungstênio e um cátodo cilíndrico,
particulado atmosférico depositada em ltro
apoiado em um tubo de vidro que contém um
padrão foi dissolvida, com reagentes adequa-
gás inerte. O cátodo é feito com o elemento
dos, e avolumada em balão de 50 mL, depois
a ser analisado.
diluída em 1:10.

Para se efetuar a leitura, é preciso gaseicar


Considerando que uma alíquota dessa amos-
a amostra, pois só assim os átomos estão su-
tra foi analisada e o valor da absorbância foi
cientemente separados uns dos outros. Para
de 0,5, qual é a massa de chumbo no material
isso, calor é gerado a partir de uma chama ou
particulado?
forno de grata e a amostra é atomizada. A

vantagem se utilizar o forno é que amostras

sólidas também podem ser analisadas.

Por m, para se efetuar a leitura um mo-

nocromador é usado para isolar um feixe de

comprimento de onda e um multiplicador

converte a luz em sinais elétricos.

A resposta nal é dada em absorbância, que

é uma função da concentração do elemento


(A) 0,06 mg

na amostra. Para converter o valor da absor-


(B) 0,25 mg

bância para concentração é necessário uma


(C) 0,6 mg

curva de calibração que precisa ser previa-


(D) 2,5 mg

mente construída a partir de amostras com


(E) 4,55 mg

concentrações conhecidas.

Exemplo Solução:

Para se resolver esse exercício, primeiramente

77
é preciso calcular qual a concentração corres- mistura é lavada através do uxo contínuo

pondente à absorbância de 0,5 na curva de de solvente. Se o soluto A é mais fortemente

calibração dada. Para isso, basta fazer: absorvido pelas partículas sólidas do que o

soluto B, ele passa menos tempo livre na so-

0,5 − 0,005 lução, se movimenta mais devagar e sai no


x= = 0,495mg/L
0,1
fundo após o soluto B.

Sabendo que a amostra foi diluída em 1:10.

Esse valor corresponde à 1/10 do valor real.

Logo, a concentração do metal na amostra é

de 4,95 mg/L.

Assim, sabe-se que em 1 L de solução há 4,95

mg. Uma vez que a amostra possui 50 mL,

basta fazer uma regra de três para determi-

nar a quantidade de chumbo em questão:

Figura 6.1: Exemplo.


4,95mg - 1000mL

X - 50mL

A fase móvel (solvente percorrendo a coluna)


X = 2,5mg

na cromatograa pode ser líquida ou gasosa.


Resposta: D

A fase estacionária (que ca xa dentro da

coluna) é normalmente um líquido viscoso

que cobre o interior de um tubo capilar ou

6.4 Cromatograa a superfície de partículas sólidas empacota-

das dentro da coluna.

A gura mostra uma solução contendo os so-

lutos A e B colocados na parte de cima de

uma coluna empacotada com partículas só-


6.5 Cromatograa de ca-
lidas e preenchida com solvente. Quando a mada delgada
saída é aberta, os solutos A e B percorrem a

coluna. É adicionada uma nova quantidade A fase líquida ascende por uma camada na

de solvente na parte de cima da coluna e a do adsorvente estendida sobre um suporte

78
(normalmente placa de vidro). os analitos A e B. Após revelação por vapores

de iodo, foram observadas as manchas 1, 2,


A amostra é colocada na parte inferior da
3 e 4, cada uma delas relacionada a apenas
placa através de aplicações sucessivas de uma
uma substância.
solução da amostra com um pequeno capilar.

À medida que o solvente sobe pela placa,

a amostra é compartilhada entre a fase lí-

quida móvel e a fase sólida estacionária. Du-

rante este processo, os diversos componentes

da mistura são separados.

Depois que o solvente ascendeu pela placa,

esta é seca até que esteja livre do solvente.

Cada mancha corresponde a um componente

separado na mistura original.

Um parâmetro freqüentemente usado em cro-

matograa é o "índice de retenção"de um A partir dos resultados obtidos nesse experi-

composto (Rf ). Portanto: mento, conclui-se que

a) a substância 3 é a menos polar dentre as

dc substâncias 1, 2, 3 e 4.
Rf = ;
ds
b) a substância 3 possui o menor Rf dos

onde ds é a distância percorrida pelo eluente quatro componentes separados.

e dc, a distância percorrida pelo componentes c) as substâncias 1 e 3 possuem a mesma

da mistura. polaridade.

d) as substâncias 2 e 4 são idênticas.


Caiu no concurso! e) o eluente escolhido é inadequado para
Petrobras  Químico(a) de Petróleo Jr
separar as substâncias 1 e 2, presentes no
- 2010 - 39
analito B.

O esquema abaixo representa o resultado de

uma cromatograa em camada na, em placa


Resposta: A
de sílica gel, realizada simultaneamente com

79
6.6 Potenciometria pósito porque o equilíbrio M nn+ + ne−
M
não é prontamente estabelecido na superfície

do metal.
O uso de eletrodos para medir potenciais que

produzem informações químicas é chamado

de potenciometria.
6.7 Equação de Nernst
Coloca-se uma amostra numa semipilha pela

inserção de um eletrodo (tal como um o


O princípio de Le Châtelier nos indica que,

de platina) dentro da solução para transfe-


aumentando as concentrações dos reagentes,

rir elétrons para ou do outro constituinte em


deslocamos a reação para a esquerda. A força

análise. Como esse eletrodo responde direta-


motriz líquida para a reação é expressa pela

mente ao constituinte, ele é chamado de ele- equação de Nernst, cujos dois termos incluem

trodo indicador. Conectamos, então, essa


a força motriz sob as condições padrões (E0,

semipilha a uma segunda semipilha através


o qual se aplica quando todas as atividades

de uma ponte salina. A segunda semipilha


são unitárias) e um termo mostrando a de-

tem uma composição xa, portanto teremos


pendência nas concentrações dos reagentes.

um potencial constante. A segunda semipi-


A equação de Nernst diz o potencial de uma

lha é chamada de eletrodo de referência. pilha cujos reagentes não estão com atividade

O potencial da pilha é a diferença entre o


unitária.

potencial variável que responde para a ativi-


Para a semi-reação: aA + ne−
bB
dade do constituinte e o potencial constante


do eletrodo de referência. A equação de Nernst a 25 C:

O eletrodo indicador responde à atividade do


0,5916V [B]
constituinte em análise, enquanto o eletrodo E = E0 − log( )
n [A]
de referência mantém um potencial xo (re-

ferência).

Alguns metais, como Ag, Cu, Zn, Cd e Hg,


Exemplo
Exemplo
podem ser usados como eletrodos indicadores

para seus íons aquosos. A maioria dos me- Um o de platina é inserido como um ele-

3+
tais, entretanto, é inadequada para esse pro- trodo indicador através do qual o Fe pode

80
2+ [F e2+ ]
receber elétrons ou o Fe pode perder elé- quando a razão varia.
[F e3+ ]

trons. A semipilha da esquerda serve para


A semipilha da esquerda na gura abaixo
completar a pilha galvânica e tem um poten-
pode ser considerada um eletrodo de referên-
cial constante.
cia. O o de platina é o eletrodo indicador

[F e2+ ]
As duas semi-reações (escritas como redução) cujo potencial responde ao quociente .
[F e3+ ]

podem ser escritas como se segue: O eletrodo de referência completa a reação

redox e provê um potencial constante para o


Eletrodo da direita:

lado esquerdo do potenciômetro. Mudanças

no potencial da pilha podem ser inequivoca-


3+ − 2+
Fe + e
Fe E+0 = 0,771V [F e2+ ]
mente atribuídas a mudanças na razão .
[F e3+ ]

Eletrodo da esquerda:

AgCl(s) + e−
Ag(s) + Cl−

Os potenciais de eletrodo são

[F e2+ ]
E+ = 0,771 − 0,05916 log( )
[F e3+]

E− = 0,222 − 0,05916 log[Cl− ]

Exemplo
E o potencial da pilha é exatamente a dife-
Exemplo
rença entre E+ e E-:

Cem milímetros de uma solução contendo

NaCl a 0,1000 M foram titulados com uma

solução 0,1000 M de AgNO3 , e o potencial


A concentração de Cl na semipilha da es- da pilha foi monitorado como se mostra na

querda é constante, xada pela solubilidade gura abaixo. Calcule o potencial após a adi-

do KCl, com o qual a solução é saturada. ção de 65,0; 100,0 e 103,0 mL da solução de

Portanto, o potencial da pilha varia apenas AgNO3 .

81
Solução: Em 100,0 mL; Este é o ponto de equivalência,

+ −
A reação de titulação é em que [Ag ] = [Cl ]:

Ag + + Cl− → AgCl(s) [Ag + ][Cl− ] = [Ag + ]2 = Kps

para a qual Ve (o ponto de equivalência) é

Kps = 1,34x10−5 M
p
100,00 mL. [Ag + ] =

Em 65,0 mL; 65,0% do cloreto foram preci-

pitados e 35,0% permanecem em solução:

− 100,0
[Cl ] = (0,350) (0,1000
165,0 E = 0,558+0,05916log(1,34x10−5 ) = 0,270V
M)

↑ ↑ ↑
Em 103,0 mL; Há um excesso de 3,0 mL da

ConcentraçãoFração Fator de
solução 0,1000 M de AgNO3 na solução. Por-

remanes- original diluição


tanto,

cente
+ 3,0
[Ag ] = (0,1000 M) ( )
203,0

= 0,0212 M ↑ ↑
ConcentraçãoFator de

Cl−
→ ( VVolume
olume inicial
tota de
de
solução
) inicial de diluição

− +
de Cl Ag

Para encontrar o potencial da pilha na equa-

+
ção seguinte, precisamos conhecer [Ag ]:
−3
= 1,48 x 10 M

V olume inicial de Ag +
→ (
V olume total desolução
)
Kps (para AgCl 1,8.10−10
[Ag + ] = = = 8,5x10−9 M
[Cl− ] 0,0212 e podemos escrever

O potencial da pilha é, então,

E = 0,558+0,05916log(1,48x10−3 ) = 0,391V

E = 0,558 + 0,05916log(8,5x10−9 ) = 0,081V

82
Resposta: B

Caiu no concurso!
Petrobras - 2010 - Químico(a) de Pe-
tróleo Jr - 38

A utilização do eletrodo de Ag/AgCl pode

ser tanto como eletrodo de referência quanto

como eletrodo indicador.

PORQUE

O eletrodo Ag/AgCl tem um potencial co-

nhecido, que é essencialmente constante e

insensível à composição das soluções de es-

tudo, sendo, ainda, construído com base em

uma reação reversível; obedece à Equação de

Nerst, pode retornar ao seu potencial origi-

nal após ser submetido a pequenas correntes

e exibe baixa histerese sob ciclos de tempe-

ratura.

A esse respeito, conclui-se que

a) as duas armações são verdadeiras, e a

segunda justica a primeira.

b) as duas armações são verdadeiras, e a

segunda não justica a primeira.

c) a primeira armação é verdadeira, e a

segunda é falsa.

d) a primeira armação é falsa, e a segunda

é verdadeira.

e) as duas armações são falsas.

83
7 Exercícios Resolvidos

Tópicos Cu → Cu2+ + 2e− E 0 = 0,34V

Teoria F e → F e2+ + 2e− E 0 = −0,44V

Zn → Zn2+ + 2e− E 0 = −0,76V

Exemplo
Petrobras/Transpetro - 2011  Quí-
M g → M g 2+ + 2e− E 0 = −2,37V
mico de Petróleo Júnior - 25

De maneira geral, o mecanismo de corro- Dentre os elementos presentes na sequência

são em estruturas metálidas de aço-carbono de potenciais apresentada acima, quais os

envolve reações eletroquímicas de oxirredu- que podem ser usados na composição daque-

ção. Uma técnica de proteção consiste no les anodos?

emprego de anodos de sacrifício, constituídos


(A) Prata, somente
por metais que se oxidam preferencilamente
(B) Cobre, somente
ao ferro.
(C) Cobre e Zinco, somente

(D) Prata e Zinco, somente

Ag → Ag + + e− E 0 = 0,80V (E) Zinco e Magnésio, somente

Solução:
F e2+ → F e3+ + e− E 0 = 0,77V
Anodo de sacrifício: foi desenvolvido para ser

corroído (dissolvido) no lugar das partes do

84
motor imersas em água salgada, com rabeta, magnésio produz um sal cujo ânion contém

o leme ou os eixos. (x) átomos de carbono, (y) átomos de hidro-

gênio e (z) átomos de oxigênio. Os valores de


O zinco, a liga de zinco com alumínio (conhe-
x, y e z são, respectivamente, iguais a
cido como alumínio podre) são os melhores

anodos para água salgada. Já em água doce, (A) 2, 2 e 2

a eletrólise é bem menor e a liga de magnésio (B) 2, 2 e 4

é o ânodo mais recomendado. (C) 2, 4 e 4

(D) 4, 2 e 2
Eletrólise:
(E) 4, 4 e 2

Ag → Ag + + e− E 0 = 0,80V
Solução:

0
Potencial Padrão (E ) positivo: Ácido carboxílico com um átomo de carbono:

- Espécie química e− reduzida (cátodo)

0
Potencial Padrão (E ) negativo:

-Espécie química e− oxidada (anodo)


Hidróxido de Magnèsio: Mg(OH)2

No exercício, os componentes que são repre- Ácido Carboxílico

sentados como anodos são Zinco e Magnésio.

Estes apresentam potenciais padrão negati-

vos e são oxidados.

Magnésio: família 2A e metal alcalinoterroso


Resposta: E

A equação desta reação química é dada por:

2 +M g(OH)2 → 2 +2H2 O

Exemplo Reação entre ácido e base sempre ocorre a

Petrobras/Transpetro - 2011  Quí- formação de H2 O

mico de Petróleo  Química - 27 2

A reação de um ácido carboxílico, que con- X= 2 átomos de carbono

tém um átomo de carbono, com hidróxido de


Y= 2 átomos de hidrogênio

85
−10
Z= 4 átomos de oxigênio do AgCl, em água pura, seja 1,6 x 10 (Kps


a 240 C) e que a solubilidade do AgCl seja
Resposta: B
−5
1,3 x 10 mol/L, qual seria a solubilidade

+
de Ag em uma solução de NaCl 0,10M?

−8
(A) 1,3 x 10 M

Exemplo (B) 1,3 x 10


−9
M

Petrobras/Transpetro - 2011  Quí- (C) 1,3 x 10


−10
M

mico de Petróleo  Química - 41 (D) 1,6 x 10−8 M

−9
(E) 1,6 x 10 M
A técnica de gravimetria em uma análise quí-

mica deve ser usada quando o agente preci-

pitante apresenta especicidade e seletivi- Solução:

dade com o analito. Os fatores que determi-

nam a utilização de uma análise gravimétrica Kps = [Ag + ].[Cl− ] → AgCl ↔ Ag + + Cl−
são:

A concentração de [Ag + ] = [Cl− ], mas neste

• o produto precipitado deve ser sucien- exercício existem duas fontes de cloro, Nacl e

temente insolúvel para que não ocorram AgCl. A contribuição do primeiro é 0,1mol,

perdas na ltração e lavagem; enquanto a do último é a solubilidade molar.

Assim, [Cl− ] = 0,1 + [Ag + ]


• a natureza física do precipitado deve ser

tal que permita ser separado da solução A substituição dessas quantidades na expres-

por ltração e possa ser lavado até car são de produto de solubilidade gera:

livre de impurezas solúveis;

• o produto precipitado deve ser conversí-


[Ag + ].(0,1 + [Ag + ]) = 1,6.10−10

vel em uma substância pura de compo-


Como [Ag + ] << 0,1, então:
sição química;

• o agente precipitante não deve ser rea-


[Ag + ].(0,1 + [Ag+ ]) = 1,6.10−10
tivo com os constituintes da atmosfera.

Considerando que o produto de solubilidade

86
Titulação simples

[Ag + ] = 1,6.10−9 mol/L

M1 V1 = M2 V2
Resposta: E

0,1.25 = 0,125.V2
Exemplo
Petrobras/Transpetro - 2011  Quí-
mico de Petróleo  Química - 44
2,5
V2 = .100 = 20mL
12,5
A análise volumétrica pode ser usada na ti-

tulação de uma solução contendo um ácido

fraco como analito, com uma de base forte.


Resposta: D
Suponha que um químico realize uma aná-

lise volumétrica, onde 25mL de 0,100M

HCOOH (aq) (ácido fórmico) são titulados

Exemplo
com 0,125M NaOH( aq). O ácido fórmico re-

age com o hidróxido de sódio gerando o for-


Petrobras/Transpetro - 2011  Quí-
mato de sódio. Qual o volume, em mililitros,
mico de Petróleo  Química - 46
da solução de NaOH gasto na titulação?

Um concentrado processado para produção


(A) 2,5
de zinco metálico contém blenda (ZnS), pi-
(B) 10
rita (FeS 2), galena (PbS) e sílica (SiO2 ), além
(C) 12,5
de outros minerais, e possui a seguinte com-
(D) 20
posição: 50% de Zn, 32% de S, 8% de Fe,
(E) 25
1% de Si, 0,2% de Cd. O tratamento envolve

ustulação, lixiviação do zinco, puricação da

Solução:
solução e eletrorredução do metal, com a ob-

tenção de ácido sulfúrico como subproduto.

87
Que quantidade, em kg, de ácido sulfúrico H2S O4 .
98% é ovtida para cada tonelada de zinco
Obs:
produzida?

(A) 320
• Massa total é 2000g de H2 SO4

(B) 640
• 2% de impureza igual a 40kg

(C) 980
• Massa de H2 SO4 pura é de 1960kg
(D) 1.960

(E) 2.000
Resposta: E

Solução:

Composição mássica:

50% de Zn, 32% de S


Exemplo
Petrobras/Transpetro - 2011  Enge-
Para cada tonelada de zinco tem-se 640 kg de
nheiro de Processamento  Química -
enxofre. Para formação do H2 SO4 , tem-se:
42

Na desidrogenação do etano para a produção

de etileno, o hidrogênio também formado re-


tratamentos quimicos
S(ZnS, F eS2 , e P bS) −−−−−−−−−−−−→ H2
age com o próprio etano gerando metano, de

acordo com as seguintes reações:


S → H2 SO4
32g de enxof re → 98g de ácido sulf ur
• (1) C2 H6 → C2 H4 + H2
640kg de enxof re → X kg de ácido sul

X= 1960kg de (100% puro) • (2) C2 H6 + H2 → 2CH4

Como quero produzir H2 SO4 com 98% de pu-


Considere que:
reza, então 2% da massa total será de impu-

reza.
• a seletividade do etileno em relação ao
1960kg H2 SO4 → 100%
−−→

metano é 4 mol (mol etileno/mol me-


X kg H2 SO4 → 98%
tano);
Fazendo a regra de 3 inversa, X= 2000g de

• há 135 kmol/h de CH4 no euente.

88
Nesse caso, o rendimento de etileno em re-

lação ao etano consumido é, aproximada-


Resposta: D
mente,

(A) 0,5 (B) 0,75 (C) 0,8 (D) 0,9 (E) 0,95

Solução:

Exemplo
Petrobras/Transpetro  Engenheiro de
Processamento  Química - 2011 - 47
C2 H6 → C2 H4 + H2
Uma solução é constituída por três substân-

cias, A, B e C. A tabela abaixo mostra as

concentrações de A, B e C na solução, bem

C2 H5 → CH4 como suas respectivas Massas molares.

Substância Concentração Massa Molar


Para 125kmol/h de CH4 , tem-se 500 kmol/h
3
(kg/m ) (kg/kgmol)
de C2 H4 .
A CA MA =MC /4

A quantidade de etano consumido é de:


B CB =2CA MB =MC /2

C CC =4CA MC
• 500kmol de C2 H4 produzido é igual a
A fração molar do componente A na mistura
500kmol de C2 H6 consumido.
é, aproximadamente

• 125 kmol de CH4 produzido é igual a


(A) 0,14
62,5 kmol de C2 H6 consumido
(B) 0,17

• O total de C2 H6 consumido é de 562,5 (C) 0,33

kmol/h (D) 0,39

(E) 0,67

O rendimento do etano em relação ao etano

produzido é de:
Solução:

500kmol de etileno
rendimento = = 0,9
562,5kmol de etano

89
Substância Concentração Massa Molar
• Supor que as concentrações de A sejam

3 10g/L e 5g/mol
(kg/m ) (kg/kgmol)

A CA MA =MC /4
• Assim tem-se que as concentrações de

B CB =2CA MB =MC /2
substâncias sejam:

C CC =4CA MC
CA =10g/L MA =5g/mol

kg 1000g g kg g CB =20g/L MB =5g/mol


= = ; =
m3 1000L L kmol mol CC =40g/L MC =5g/mol


1 caso:
g mol mol
A = 10. . =2
L 5g L

CC g MC g
CA = ( ); MA = ( )
4 L 4 mol
g mol mol
1 g MC B = 20. . =2
CB = CC ( ); MB = L 10g L
2 L 2

Concentração molar de A g mol mol


C = 40. . =2
L 20g L

CC g 4 mol CC mol
A= . . . = Resposta: C
4 L MC g MC L

Concentração molar de B

B=
CC g
. .
2
.
mol
=
CC mol Exemplo
2 L MC g MC L
Suape  Engenheiro de Processamento
Concentração molar de C Júnior Química- 2011-32

Dois líquidos X e Y possuem massas espe-


g 1 mol CC mol ◦ 3 3
C = CC . . . = cícas a 200 C de 500 kg/m e 600 kg/m ,
L MC g MC L
respectivamente. Em um tanque mantido à

As três substâncias apresentam a mesma con- ◦


temperatura constante de 200 C, serão mis-

centração molar. 3 3
turados 80m do líquido X com 120m do lí-


2 caso para resolução: quido Y. Se os líquidos formarem uma mis-

tura ideal, a massa especíca média da mis-

90
◦ 3
tura a 200 C, em kg/m , será dação do metano:

(A) 540

(B) 545 CH4 + O2 → HCOH + H2 O


(C) 550

No entanto, também ocorre, no reator, a se-


(D) 555

guinte reação de combustão:


(E) 560

Solução:
CH4 + 2O2 → CO2 + 2H2 O

Neste caso, como se tem volume e massas


A análise do euente do reator, em base
especícas diferentes, aplica-se:
molar, indicou: HCOH=30%; CO2=3%,

CH4=27%; H2O=36%, 02=4%


V1 .µ1 + V2 .µ2
µmist =
V1 + V2 Com base nessas informações, analise as ar-

mativas abaixo:

80.500 + 120.600
µmist =
80 + 120
• I-O reagente em excesso na reação foi o

oxigênio;
112.000 kg
µmist = = 560 3
200 m • II-A conversão de metano foi 55%

• III-A conversão de oxigênio foi 80%

Resposta: E

• IV- A seletividade do aldeído fórmico,

em relação ao dióxido de carbono, foi

30/1

Exemplo
Suape - 2011  Engenheiro de Proces- Estão corretas APENAS as armativas

samento  Química - 33 (A) I e II

Um processo é usado para a obtenção de al- (B) I e IV

deído fórmico pela reação catalítica de oxi- (C) II e III

(D) II e IV

91
(E) III e IV
60 − 27
X= = 0,55 ou 55%
60
Solução:
A conversão de
A análise do euente, em base molar:

HCOH=30%; CO2=3%; CH4=27%; 40 − 4


X= = 0,90 ou 90%
H2O=36%; O2=4%
40

Fazendo o balanceamento das reações quími- A seletividade de HCOH

cas com base na análise do euente:

30 HCOH
S=
3CO2

30 CH4 + 30 O2 → 30 HCOH + 30 H2 O
Resposta: C

3 CH4 + 6 O2 → 3 CO2 + 6 H2 O
Exemplo
Com 3% CO2 ; 30% de HCO2 é possível ba-
Suape  Engenheiro de Processamento
lancear as equações.
Química- 2011-35
No euente possui CH4 e O2 , ambos em ex-
Um hidrocarboneto puro é queimado com

cesso. A quantidade de CH4 e O2 total é de:


ar enriquecido contendo 50% em volume de

O2, gerando um gás de combustão com a

seguinte análise em base seca (% em vo-

CH4 = 30 + 3 + 27 = 60 mols de CH4 lume): CO2=20%;. 02=20% e N2=60%.

Com base nessas informações, o hidrocarbo-

neto que está sendo queimado e a porcenta-

O2 = 30 + 6 + 4 = 40 mols de O2 gem de excesso de ar são, respectivamente,

(A) Metano; 50%


A conversão de CH4
(B) Metano; 20%

92
(C) Etano, 33% hidrogênio para formar H2 O. Assim sendo,

(D) Etano; 20% para combustão completa são necessários 40

(E) Propano; 20% mols de O2

Solução:

Reação (combustão) para os 3 hidrocarbone-


20Cx Hy + 40CO2 → 20CO2 + H2 O

tos:

O2 40
Proporção de
CO2
: 20
é a mesma para o

2 O2
metano
CH4 + 2O2 → 1CO2 + 2H2 O 1 CO2

A porcentagem de excesso de ar:

7 • A quantidade de ar inicial é de 120 mols


C2 H6 + O2 → 2CO2 + 3H2 O
2
de ar, enriquecido com oxigênio

• A quantidade necessária de oxigênio é de


C3 H8 + 5O2 → 3CO2 + 4H2 O
40 mols, ou 80 mols de ar (O2 + N2 )

Composição dos gases de combustão na saída • Temos que o excesso de ar

(b.s.) é calculado por Excesso =


vol. inicial de ar−vol. estequimetrico necessario de ar
volume necessario de ar

CO2 = 20%; O2 = 20%; N2 = 60%


120 − 80 40
Excesso = = = 0,5 ou 50%
80 80
Na reação, sabendo que a composição de O2
é igual à de N2 : Resposta: A

20C +60(N2 +O+2) → 20CO2 +20O2 +60N2


Exemplo
A sobra de 20 mol de O2 deverá reagir com Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-
cessamento Júnior  Química - 30

93
Um reservatório, nas CNTP, contém 220g de

propano. O volume, em litros, desse reser-

vatório, e a massa, em gramas, de metano


mmolC3 H8 = 3mC + 8mH = 3.12 + 8 = 44

que pode ser nele armazenado nas mesmas

condições, ou seja, nas CNTP, são, respecti- Assim,

vamente,

mC3 H8 220g
(A) 56 e 40 NC3 H8 = = 44g = 5mol
mmolC3 H8 mol
(B) 56 e 80

Logo:
(C) 112 e 40

(D) 112 e 80

(E) 220 e 110


3
8,314m P a
5mol. molK.273K
V = = 0,112m3 = 112L
101325 P a

Solução:

Nesse recipiente também se encontram 5mol


Dados:

CH4 , logo
CNTP

220g C3 H8

V e m CH4 = ? mCH4 = NCH4 .mmolCH4

Sabe-se que em CNTP:

T=273K
mmolCH4 = 1mC + 4mH = 16g/mol
P=101,325 kPa

3
R=8,314 J/mol.K (m Pa/mol.K) Logo,

Considerando-se gás ideal:

mCH4 = 5mol = 16g/mol = 80g


nRT
pv = RN T ↔
p

Resposta: D
A massa molar do C3 H8 é:

94
Dados:

Exemplo 5mol C6 H6
6mol HN O3
Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-
XR =0,6
cessamento Júnior  Química - 37
Nmol (reagente limitante)=?

Mproduto =?

C6 H6 + HN O3 → C6 H5 N O2 + H2 O O reagente limitante é encontrado

nmol
comparando-se a razão: dos reagentes.
nesteq
nmolC6 H6 5
Na nitração mostrada na reação acima, são
Assim, para C6 H6 : nesteqC6 h6
= 1
= 5.

nmolHN O3
adicionados 5 moles de benzeno e 6 moles de Para HN O3 : nesteqHN O3

ácido nítrico. Após 1 hora de reação, obtém-


Logo, o reagente limitante é o C6 H6 .
se uma conversão de 60%. O número de mo-
reagiu
NC H
les de reagente limitante que resta na reação
Sabe-se que a conversão XR é: XR = 6 6
N0C6 H6
,

e a massa, em gramas, formada de produto


assim: NCreagiu
6 H6
= XR = N0C6 H6

são, respectivamente, Logo, restam: 5-3 = 2 mol C6 H6

Dados: De acordo com a reação, para 3 mol de C6 H6 ,


Massa atômica do Carbono=12 foram produzidos 3 mol C6 H5 N O2 .
Massa atômica do Oxigênio=16

Massa atômica do Nitrogênio=14

Massa atômica do Hidrogênio=1 mC6 H5 N O2


NC6 H5 N O2 = ↔ mC6 H5 N O2 =
mmolC6 H5 N O2
(A) 2 e 246

= NC6 H5 N O2 .mmolC6 H5 N O2
(B) 2 e 369

(C) 2,4 e 369

(D) 3 e 246

(E) 3 e 369
mmolC6 H5 N O2 = 6mC + 5mH + mN + 2mO =

g
Solução:
= 6.12 + 5.1 + 14 + 2.16 = 123
mol
Reação: C6 H6 + HN O3 → C6 H5 N O2 + H2 O
Logo, mC6 H5 N O2 = 3.123 = 369g .

95
Resposta: B crita como:

3naf ta → 1p−xileno+1o−xileno+1m−xileno
Exemplo
Petrobras - 2012  Engenheiro de Pro-
Assim, tendo como base: 100mols nafta,
cessamento Júnior  Química - 38
pode-se construir uma tabela:

A reação de formação de xilenos fornece Catalisador Mols reagidos* Mol p-xileno formado**
Atual 65 29,3
matéria-prima para a indústria e é uma das X 25 18,8
Y 70 24,5
mais utilizadas dentro da renaria. Um pes- W 50 25
Z 65 26
quisador, buscando melhorar o processo de

produção de xileno, comparou diversos cata-

lisadores para vericar se há probabilidade de Em que:

melhorar a reação. Os dados obtidos foram: * mols reagidos=conversão x molsnafta

Catalisador Conversão(%) o-Xileno(%) m-Xileno(%) p-Xileno(%) **mol p-xileno=mols reagidos x fração p-


Atual 65 30 25 45
X 25 15 10 75 xileno
Y 70 50 15 35
W 50 40 10 50
Z 65 40 20 40 Assim, pode-se perceber que o catalisador

atual é a melhor opção.


Analisando-se os dados obtidos, qual é o me-

Resposta: A
lhor catalisador para a formação de p-xileno

em maior quantidade?

(A) Atual

(B) X
Exemplo
(C) Y
Petrobras  Engenheiro de Petróleo Jú-
(D) W
nior Química- 2012-46
(E) Z
A energia cinética molecular média de 2,0

mol de um gás monoatômico ideal é 6,0x10-


Solução:
21 J. A energia interna total em kJ desse gás
A reação de formação de xilenos pode ser des-
é

96
Dados:

R=8,3 J/mol.K
Resposta: C
23
NA=6,0x10 mol-1

−23
kB =1,4x10 J/K

(A) 1,8

(B) 3,6 Exemplo


(C) 7,2 Petrobras - 2012  Engenheiro de Pe-
(D) 14,4 tróleo Júnior  Química - 58
(E) 36,0
Considere uma gasolina constituída exclusi-

vamente de octano com densidade igual a

Solução: 0,69g/mL. Na sua combustão completa, 1

Dados: N= 2mol Ec = 6.1021 J mol de C8 H18 libera 5.470kJ de energia para

U=? movimentar um veículo. Numa viagem de

200km, com o carro consumindo, na média,


Sabe-se que, por molécula
10km/L, ao concluir esse percurso, a quan-

tidade máxima de energia liberada, em kJ,


3 2Ec
Ec = Kb T ↔ T =
2 3Kb será, aproximadamente, igual a

2;6;10−21 J 3
Logo: T = = 285,71K (A) 331x10
3.1,4.10−23 J/K
3
(B) 414x10
A energia interna total é dada por:
3
(C) 496x10

3
(D) 579x10
3
U = nRT (E) 662x10
3
2

Solução:
3 8,3J
= .2mol. .K.285,7171K Dados: ρg = 0,69g/mL
2 mol
0
∆HR = 5470kJ/molC
∆s = 200km
Consumo = 0,1L/km
= 7114J ≈ 7,2kJ
∆HR =?

97
Para calcular ∆HR é necessário saber quan-

tos mols de C8 H18 reagiram. Assim, para


0 kJ
200km:
∆HR = Nmol .∆HR = 121,05mol.5470 =
mol

= 662,15.103 kJ ≈ 662.103 kJ

L
VC8 H18 = consumo.∆s = 0,1 .200km =
km
Resposta: E
= 20L(20.103 mL)

Sabendo-se que

Exemplo
0,69g mg Petrobras - 2011 - Químico(a) de Pe-
ρg = e que ρg = , mg = ρg .Vg =
mL Vg tróleo - 28
g Um químico, responsável pela análise de
= 0,69 .20.103 mL = 13,8.103 gC8 H18
mL
metais em amostras sólidas, recebeu uma

m
Sabe-se que Nmol = mmol amostra de solo contaminado com cobre,

cuja contaminação foi provocada por um

vazamento de uma solução industrial alta-

g g
mmolC8 H18 = 8.mC +18mH = 8.12 +18.1 = mente concentrada. Pesou-se 1 g (base seca)
mol mol
da amostra, a qual foi digerida em 10 mL
g
= 114 de HN O3 em forno de micro-ondas. Após
mol
a abertura, a amostra foi quantitativamente

Logo:
transferida para um balão volumétrico de 50
mL e avolumada. Em seguida, transferiu-se

um volume de 5 mL para um outro balão


13,8.103 g
NmolC8 H18 = = 121,05mol volumétrico de 50 mL. Essa última amostra
114g/mol
foi analisada em um Espectrofotômetro de

Assim, Absorção Atômica (EAA) com lâmpada de

catodo oco especíco de cobre, obtendo-se

98
média da medida da absorvância igual a

0,300. C1 V1 = C2 V2
Qual a quantidade de cobre na amostra, em
onde:
mg/g, considerando a curva padrão igual a
g
C1 = 0,02 mL
2+
Abs = 0,006[Cu ]?
V1 = 5mL
V2 = 50mL
Obs.: Abs = Absorvância
C2 = ?
coeciente de correlação R2 = 0,9999

(A) 25 Assim, temos que:

(B) 20
(C) 15 0,02 × 5 = C2 × 50

(D) 10
gamostra
(E) 5 C2 = 0,002 ou 2 × 10−3
mLsolução

Solução:
Substituindo (1) em (2), temos que a con-

Como a absorvãncia da amostra foi de 0,300,


centração de [Cu2+ ] na amostra, é calculada

e substituindo na curva adrão dada, temos


por

que:
Ccobre =
2+
Abs = 0,006[Cu ] 1mLsolução
g[Cu2+ ]
= 50×10[−6] =
mLsolução 2 × 10−3 gamostra
0,300 = 0,006[Cu2+ ]
g[Cu2+ ] mg[Cu2+ ]
Mg = 25 × 10−3 = 25
[Cu2+ ] = 50ppm ou 50 (1) gamostra gamostra
mL de solução

Na sequência, deve-se calcular a concentra-

ção da solução diluída em gramas da amos- Resposta: A

tra por mL de solução. Assim,

1◦ diluição:

1gamostra
50mLsolução
g
= 0,02 amostra
mLsolução
Exemplo
Suape - Engenheiro de Processamento
2◦ diluição:
Júnior - Química - 2011- 38

99
O hidrogênio é produzido pela reação de mo- de concentração dos produtos e reagentes, é

nóxido de carbono com vapor de água, de dada por:

acordo com a seguinte reação:


[CO2 ]1 [H2 ]1
Kp =
[CO]1 [H2 O]
CO(g) + H2 O(g) → CO2(g) + H2(g)
Substituindo os valores das concentrações

A reação ocorre à pressão atmosférica e à dos componentes químicos no nal da rea-

temperatura de 830◦ C , alimentando o dobro ção, e dado que kp = 1, temos:

da quantidade de matéria de água em rela-


x×x
ção ao monóxido de carbono. Nas condições
1=
(1 − x)(2 − x)
operacionais do reator, a constante de equilí-
x2 = 2 − x − 2x + x2
brio (Kp ) é 1,0. Assumindo-se que a mistura

tem comportamento ideal, a fração molar de


2
x= ⇒ x = 0,67
3
hidrogênio, na mistura nal, é aproximada-

mente Como x = 0,67, a concentração de cada com-


ponente no nal da reação é de:
(A) 0,22
[CO] = 0,33;
(B) 0,33
[H2 O] = 1,33
(C) 0,44
[CO2 ] = 0,67;
(D) 0,55
[H2 ] = 0,67.
(E) 0,66
Logo, a fração molar de hidrogênio é de

Solução:

xH 2 0,67
A tabela estequiométrica para a reação des- x= = =
xtotal 0,33 + 1,33 + 0,67 + 0,67
crita no enunciado da questão é dada por

0,67
No início Variação No nal = = 0,22 ou 22%
3
CO(g) 1 −x 1−x
H2 O(g) 2 −x 2−x
Resposta: A
CO2(g) 0 x x
H2(g) 0 x x

A constante de equilíbrio, em termos

100
Solução:

Exemplo A lei de velocidade da reação 1 é dada por:

Petrobras - 2011 - Químico(a) de Pe-


tróleo - 33 rA = −k1 CA → para o consumo de A

A decomposição de um reagente A se dá atra-


rB = +k1 CA → para a formação de B
vés de uma reação em série do tipo

A lei de velocidade da reação 2 é dada por:

rB = −k2 CB2 → para o consumo de B

Considere que
Logo, a taxa de formação do intermediário B

é dada or:

• as reações são elementares e irreversí-

veis; rB = rB1 (reação 1)+ = rB2 (reação 2)


global

• k1 e k2 são as velocidades especícas das


rB = r1 CA + r2 CB2
global
reações 1 e 2, respectivamente;

• CA , CB e CC são, respectivamente, as
Resposta: B
concentrações de A, B e C em um ins-

tante de tempo qualquer;

• CA0 é a concentração inicial do reagente

A. Observando as informações apresen-


Exemplo
Suape - 2011 - Engenheiro de Proces-
tadas acima, a taxa de formação do in-
samento Jr. - 56
termediário B é dada pela expressão

A reação 2A → B , em fase líquida, cuja ciné-


(A) (rB ) = −k1 CA + k2 CB tica obedece ao comportamento de uma rea-

(B) (rB ) = k1 CA − k2 CB2 ção elementar, é conduzida em um reator em

(C) (rB ) = k1 CA2 − k2 CB batelada de 100 L. No início de cada bate-

(D) (rB ) = −k1 CA + k2 CB2 lada, a massa reacional contém 5,0 mol/L de
(E) (rB ) = k2 CB2 Ae 0,5 mol/L de B. Sabendo-se que, nas con-

101
kg
dições de reação, a constante de velocidade • massa molar(A)=20
kmol

da reação (k) é igual a 0,1L.mol−1 min−1 , e

Temos:
as massas molares de A e B são, respecti-

vamente, 20 kg/kmol e 40 kg/kmol, o valor


dCA mol 1kmol kg
= 2,5 20 100L
inicial da derivada da massa de B em relação dt L.min 1000mol kmol

ao tempo, em kg/min, é
dCA kg
= 5,0
dt mil
(A) 10
(B) 5
(C) 1 Resposta: B

(D) 0,5
(E) 0,4

Solução:

Para o consumo de A, temos:

dCA
= −kc2A
dt

Para a formação de B, temos

dCA
= +kc2A
dt

Substituindo os valores de (k) e (CA ) forne-

cidos pelo exercício, temos:

 2
dCA L mol
= 0,1 5
dt mol.min L

dCA L mol2 mol


= 0,1 25 2 = 2,5
dt mol.min L L.min

Considerando que:

• volume da batelada =100L

• 1kmol = 1000mols

102
8 Banco de Questões Cesgranrio

Tópicos

8.1 O texto a seguir refere-


se às questões de nos 67
e 68. . . . . . . . . . . . 130

O potencial de corrosão de cada um dos ele-

mentos é:

Ag
F e
F e++ + 2e− ∆V1 = −0,5V (
AgCl

Teoria Cu
Cu++ + 2e− ∆V1 = −0,1V (
Ag
AgCl

Caiu no concurso! Assinale a opção que substitui corretamente

Questão os números da gura.

(A) 1  Cobre; 2  e-→; 3  Ferro; 4  OH-;


O esquema abaixo representa uma pilha de

5 - ; 6  Fe2O3.H2O
corrosão galvânica em água salgada.

103
(B) 1  Cobre; 2  e-←; 3  Ferro; 4  OH-;

5 - ; 6  Fe2O3.H2O
Resposta: E
(C) 1  Cobre; 2  e-←; 3  Ferro; 4  ; 5

-OH-; 6  Fe2O3.H2O

(D) 1  Ferro; 2  e-→; 3  Cobre; 4  OH-;

5 - ; 6  Fe2O3.H2O
Caiu no concurso!
(E) 1  Ferro; 2  e-←; 3  Cobre; 4  OH-;
Questão
5 - ; 6  Fe2O3.H2O
Analise as armativas a seguir, relativas ao

processo eletroquímico, no qual os elétrons

Resposta: B
são cedidos em determinada região e recebi-

dos em outra.


Caiu no concurso!
I  No processo anódico ocorre a passa-

gem dos íons para solução.


Questão

Na proteção catódica galvânica de uma tu-


• II  No processo catódico ocorre a recep-

ção de elétrons, na área catódica, pelos


bulação enterrada, os anodos de magnésio e

íons ou pelas moléculas existentes na so-


zinco são enterrados no solo envolvidos com

lução.
um enchimento condutor (mistura de gesso,

betonita e sulfato de sódio) com a nalidade


• III  Na etapa de deslocamento de elé-
de
trons e íons ocorre a transferência dos

(A) evitar a absorção de umidade do solo. elétrons das regiões catódicas para as

(B) aumentar a resistência de aterramento. anódicas pelo circuito metálico.

(C) dicultar a passagem da corrente elétrica

do anodo para o solo.


Está(ão) correta(s) a(s) armativa(s)

(D) propiciar a formação de películas isolan-


(A) II, apenas.
tes na superfície do anodo.
(B) I e II, apenas.
(E) melhorar a eciência de corrente no
(C) I e III, apenas.
anodo, propiciando um desgaste uniforme.
(D) II e III, apenas.

104
(E) I, II e III. (D) butano.

(E) mercaptanas.

Resposta: B

Resposta: C

Caiu no concurso!
Questão Caiu no concurso!
Questão
Ácidos graxos são compostos que contem o

grupo: Petróleo ou derivados são classicados como

parafínicos, olefínicos, naftênicos ou aromá-


(A) OH.
ticos. Os três primeiros tipos contêm, res-
(B) COOH.
pectivamente, grandes teores de:
(C) NH2 .

(D) Br. (A) ciclo alcanos, alcanos e alcenos.

(E) O. (B) alcanos, ciclo alcanos e alcenos.

(C) alcanos, alcenos e ciclo alcanos.

(D) alcenos, alcanos e ciclo alcanos.


Resposta: B
(E) alcenos, ciclo alcanos e alcanos.

Resposta: C

Caiu no concurso!
Questão

A principal diferença entre gás natural e GLP

(gás liquefeito de petróleo) é que o primeiro


Caiu no concurso!
Questão
apresenta maior teor de:

Qual dos compostos abaixo NUNCA está


(A) propano.
presente no petróleo?
(B) etano.

(C) metano. (A) Isobutano.

105
(B) Etibenzeno. tes componentes:

(C) Butadieno.
(A) propano e etano.
(D) Fenantreno.
(B) isopentano e iso-octano.
(E) Trimetilamina.
(C) isopentano e etanol.

(D) n-heptano e p-tolueno.

Resposta: C (E) n-heptano e 2,2,4, trimetil pentano.

Resposta: E

Caiu no concurso!
Questão

Os compostos básicos presentes em óleos ve- Caiu no concurso!


getais e sebo animal, usados como insumos Questão
na produção de biodiesel, são
A vanila é um aromatizante articial, usado

(A) éteres. na fabricação de sorvetes e doces. Sua fór-

(B) ésteres. mula estrutural é:

(C) aminas.

(D) cetonas.

(E) ácidos graxos.

Resposta: E
Os grupos funcionais presentes na molécula

de vanila são:

(A) fenol, amina e ácido.

Caiu no concurso! (B) fenol, aldeído e ácido.

(C) fenol, aldeído e éter.


Questão
(D) fenol, álcool e cetona.

A escala de octanagem da gasolina é denida


(E) álcool, cetona e éter.

entre 0 e100, respectivamente, pelos seguin-

106
Resposta: C

H2 SO4 + KM nO4 + H2 O2 → K2 SO4 + M

Caiu no concurso! Indique os coecientes estequiométricos cor-

Questão retos para a reação indicada acima, sabendo

que as respostas encontram-se na ordem em


Qual a diferença de potencial máxima, em

que as substancias  reagentes e produtos 


volts, que pode ser obtida em uma Pilha de

2 2− estão apresentadas na reação


Daniel (Zn/Zn + e Cu/Cu ), operando no

estado padrão? (A) 1, 1, 1, 1, 1, 1, 1

5
(B) 2, 2, 10, 1, 1, 6,
Dados: 2

2− (C) 3, 1, 5, 2, 1, 10, 8
∆G Cu = 6 x 104J/mol

2− (D) 3, 2, 5, 1, 2, 8, 5
∆G Zn = -15 x 104J/mol

5 (E) 12, 8, 10, 4, 8, 8, 10


Faraday = 1,0 x 10 C

Resposta: D
(A) 0,45

(B) 0,90

(C) 1,05

(D) 2,10

(E) 4,38
Caiu no concurso!
Questão

Qual a diferença de potencial elétrico


Resposta: C
(d.d.p.), em V, que pode ser gerada por uma

pilha de Daniel (Zn | ZnSO4 || CuSO4 | Cu)?

Dados:

Caiu no concurso! [Zn2+ ] = [Cu2+ ] = 1∆G[Zn2+ ] =


Questão −146KJ/mol
∆G[Cu2+ ] = 67KJ/mol
F = 1.105 C

107
(A) 0,1 (C) 125 (exotérmica)

(B) 0,4 (D) 125 (endotérmica)

(C) 0,8 (E) 0

(D) 1,1

(E) 2,1
Resposta: B

Resposta: D

Caiu no concurso!
Questão
Caiu no concurso! Em procedimento típico para análise gravi-
Questão
métrica de uma rocha calcária, a amostra é


calcinada a 1.100 C e, posteriormente, tra-

tada com solução concentrada de acido clorí-

drico. Após evaporação da solução à secura,


o resíduo é mantido à temperatura de 100 C


 110 C por 1 hora e retomado em solução

ácida clorídrica. A suspensão é ltrada em

papel quantitativo, em seguida seco e calci-

O gráco acima exibe a variação da ener-


nado.

gia livre de Gibbs em função da temperatura


Qual o constituinte cujo teor será avaliado
para a reação:
pela massa do precipitado?

(A) Carbonatos totais


CaCO3(s) CaO(s) + CO2(g)
(B) Sulfatos totais

Qual a estimativa, em KJ, para o calor tro- (C) CaO + MgO

cado nessa reação? (D) Al2 O3

(E) SiO2
(A) 175 (exotérmica)

(B) 175 (endotérmica)

108
Resposta: E (B)C3 H5 (RCOO)3 + HCl → 3RCOOH +
C3 H5 Cl3
(C)C3 H5 (RCOO)3 + CH3 OH →
3CH3 (RCOO) + C3 H4 (OH)3
Caiu no concurso! (D)4RCH2 O + 3O2 + 4N aOH →
Questão 4N a(RCOO) + 6H2 O
(E)C3 H5 (OH)3 + 3CH3 OH → C6 H8 (OH)−
A produção de inúmeros metais envolve a

ustulação de minerais sulfetados, com con-

seqüentes exigências para reduzir os impac- Resposta: C

tos ambientais resultantes. Qual das seguin-

tes reações descreve um desses processos?

(A)2F e2 O2 + 3C → 4F e + 3CO2
(B)Cu2 S +4F e
3+
→ 2Cu2+ +4Cu2+ 4F e2+ +
Caiu no concurso!
Questão
S
(C)2ZnS + 3O2 → 2ZnO + 2SO2 A pintura é uma das técnicas de proteção an-

(D)N iS+6N H3 +1O2 → N i(N H3 )2+ 2−


6 +SO4 ticorrosiva mais utilizadas. A película que se

(E)P b
2+
+ 2e− → P b forma sobre a base ou substrato quando esta

proteção é utilizada deve ser analisada para

que proteção tenha um desempenho satisfa-


Resposta: C
tório. Um dos mecanismos de formação da

película é a oxidação dada pela evaporação

dos solventes e da reação da resina com o oxi-

Caiu no concurso! gênio do ar, através das duplas ligações exis-

tentes nos óleos vegetais empregados. Uma


Questão
das hipóteses é a formação de um peróxido,
Que reação descreve a operação de transes-
que dá origem ao processo de polimerização.
tericação de um óleo vegetal para produção

A formação do peróxido pode ser represen-


de biodiesel?

tada pela reação:


(A)2RCH3 + 2O2 → 2RCOOH + 2H2 O

109
(A)

Caiu no concurso!
Questão
(B)

Observe a tabela a seguir, que apresenta a sé-

rie galvânica de potenciais típicos observado


(C)
em solos neutros e água, medidos com refe-

rência a eletrodo de sulfato de cobre padrão.

(D) METAL VOLTS

Magnésio comercial puro 1.75

Liga de Magnésio (6% Al, 3% - 1.60


(E)

Zn, 0,15% Mn)

Zinco - 1.10
Resposta: D
Liga de Alumínio (5% Zn) - 1.05

Alumínio comercial puro - 0.80

Aço acalmado (limpo e brilhante) - 0.5 a  0.8

Caiu no concurso!
Aço acalmado (enferrujado) - 0.4 a  0.55

Aço fundido (não gratado) - 0.50


Questão
Chumbo - 0.50

Corresponde à soma das parcelas de nitrogê-


Aço acalmado em concreto - 0.20

nio amoniacal e nitrogênio orgânico de uma


Cobre, Latão e Bronze - 0.20

amostra líquida:
Camada Moída sobre aço - 0.20

(A) uréia A função de cada metal e seu par na pilha

(B) nitrogênio reativo galvânica são:

(C) nitrogênio parcial


(A) Ferro e Cobre: Ferro  Catodo e Cobre

(D) nitrogênio total de Kjeldahl


 Anodo.

(E) nitrogênio total


(B) Latão e Alumínio: Latão  Anodo e

Alumínio  Catodo.

Resposta: D (C) Magnésio e Cobre: Magnésio - Catodo e

Cobre  Anodo.

110
(D) Zinco e Ferro: Zinco  Catodo e Ferro  A dissolução de hidróxido de sódio em água

Anodo. pura é um processo fortemente exotérmico

(E) Zinco e Bronze: Zinco  Anodo e Bronze e a solubilidade do NaOH aumenta com a

 Catodo. elevação da temperatura. A explicação para

essa observação é que:

Resposta: E (A) água e NaOH formam uma solução

ideal.

(B) na dissolução do NaOH em água, não

ocorre solvatação.

Caiu no concurso! (C) a entalpia de dissolução no ponto de

Questão saturação é positiva.

(D) todos os sólidos têm sua solubilidade


Uma corrente de gás natural apresenta altos

aumentada pela elevação da temperatura.


teores de enxofre somente na forma de mer-

(E) o processo exotérmico de dissolução


captans de 1 e2 átomos de carbono. O pro-

favorece o aumento da solubilidade com a


cesso indicado para a remoção destes com-

temperatura.
postos é o

(A) Bender

Resposta: C
(B) sulnol

(C) merox

(D) hidrotratamento

(E) MEG/DEG
Caiu no concurso!
Questão
Resposta: B
Uma solução saturada de cloreto de sódio em


água a 25 C contém 360g de sal por litro de

solução e apresenta densidade igual a 1,20.

Caiu no concurso! O coeciente de atividade do NaCl nessa so-

lução é:
Questão
(A) 0,12

111
(B) 0,36 Questão
(C) 0,43
A corrosão eletroquímica ocasionada pelas
(D) 1,0
heterogeneidades do elemento pode estar re-
(E) 8,6
lacionada com o material metálico ou com

o meio corrosivo. Em uma operação de sol-

Resposta: E dagem em que o metal de adição utilizado é

o mesmo que o metal de base, a regiao que

apresenta corrosão eletroquímica é a região

(A) do cordão de solda, pois o meio corrosivo


Caiu no concurso! ataca o contorno dos grãos por corrosão
Questão
intergranular.

Em relação às funções da química orgânica, (B) do cordão de solda, por ser a região

é correto armar que: anódica do par galvânico.

(C) do cordão de solda, por ser a regiao


(A) cada mol de etano que sofre combustão

catódica do par galvânico.


gera 4 mols de CO2 .

(D) em torno do cordão de solda, a zona


(B) a saponicação de um éster consiste na

termicamente afetada que será a região


sua hidrólise na presença de um álcali.

catódica do par galvânico.


(C) o produto da hidrogenação do 3-metil 1

(E) em torno do cordão de solda, onde o


penteno é o 2-metil pentano.

meio corrosivo ataca o contorno dos grãos


(D) as aminas são bases orgânicas que

por corrosão intergranular.


possuem o radical () || C  NR.

(E) os aldeídos e as cetonas podem ser

preparados pela redução dos álcoois. Resposta: E

Resposta: B

Caiu no concurso!
Questão

Caiu no concurso! Alumina (Al2 O3 ), soda caustica (NaOH).

112
Ácido ferricianidrico (H3 Fe(CN)6 ) e bissul- de uma base forte. Os testes de alcalinidade

fato de sódio (NaHSO4 ) são, respectiva- consideram a presença de carbonatos e bicar-

mente, exemplos de: bonatos, que podem ser formados pela reação

de adição entre o dióxido de carbono e água


(A) Óxido básico / Hidróxido (dibase) /
e pela dissociação do ácido formado por essa
Oxiácido / Sal ácido.
adição, respectivamente.
(B) Óxido anfótero / Hidróxido (monobase)

/ Hidrácido / Sal neutro. Marque a opção que contém, corretamente,

(C) Óxido ácido / Hidróxido (dibase) / as substancias (sal, base, óxido e ácido) men-

Oxiácido / Sal básico. cionadas no texto acima.

(D) Óxido anfotero / Hidróxido (monobase)


(A) MgSO4 / Ca(OH)2 / H2 CO2
/ Hidrácido / Sal ácido.
(B) BaSO4 / Al(OH)3 / CO2 / H2 CO3
(E) Óxido básico / Hidróxido (monobase) /
(C) Al2 (SO4 )3 / NaOH / CO2 / H2 CO3
Hidrácido / Sal ácido.
(D) CaSO4 / KOH / CO2 / H2 CO2

(E) BaSO4 / KOH / CO2 / H2 CO3

Resposta: D

Resposta: E

Caiu no concurso!
Questão
Caiu no concurso!
A perfuração de um poço de petróleo requer Questão
o uso de uidos de perfuração, que são mistu-
Muitas reações químicas não se baseiam na
ras complexas de sólidos, líquidos, produtos
conversão total dos reagentes em produtos.
químicos e até gases. O aumento da den-
Em vários casos é necessário se estudar o
sidade de um uido de perfuração é obtido
equilíbrio em envolvendo as substâncias em
através da adição da baritina, um sal neutro.
questão. Por exemplo, um ácido orgânico
O pH dos uidos de perfuração é mantido
monoprotico RCOOH, em meio aquoso, coe-
básico, para evitar a corrosão dos equipa-
xiste com as demais substâncias no seguinte
mentos. Isto pode ser atingido com a adição
equilíbrio:

113
aquoso, dentre outros. A acidez pode ser

combatida através da neutralização com um


− +
RCOOH + H2 O ↔ RCOO + H2 O hidróxido. Para se preparar uma base, basta

adicionar um metal reativo à água. Entre-

Se a variação de entalpia da reação de forma- tanto, em lugar de adicionarmos uma base a

ção do cátion hidroxônio for positiva, para um ácido para neutralizá-lo, podemos tam-

que lado o equilíbrio é deslocado, se aumen- bém adicionar um óxido básico, havendo ape-

tarmos a temperatura do sistema e se adi- nas a formação de um sal.

cionarmos HCI, respectivamente? Calcule o


Nesta perspectiva, marque a opção que apre-
pH da solução, onde a concentração no equi-
sente os gases tóxicos de enxofre, os ácidos
líbrio do ácido é 1,0 mol/l e a sua constante
formados em meio aquoso, uma base para
−6
de equilíbrio (Ka) é igual a 9,0 x 10 .
a neutralização e um óxido básico para o

(Dado: log3 = 0,48.) mesmo m, respectivamente.

(A) Direita / Esquerda / pH = 2,0 (A) SO3 / H2 SO4 / NaOH / Na2 O2 .

(B) Esquerda / Direita / pH = 2,0 (B)SO2 / H2 S / KOH / K2 O.

(C) Direita / Direita / pH = 2,5 (C)SO2 e SO3 / H2 SO3 e H2 SO4 / NaOH /

(D) Esquerda / Esquerda / pH = 2,0 Na2 O.

(E) Direita / Esquerda / pH = 2,5 (D)SO2 e SO3 / H2 SO3 / KOH / K2 O2 .

(E)SO2 e SO3 / H2 S e H2 SO4 / NaOH /

Na2 O2.
Resposta: E

Resposta: C

Caiu no concurso!
Questão

O terceiro elemento mais abundante no pe-


Caiu no concurso!
Questão
tróleo é o enxofre. Sua presença causa pro-

blemas severos ao meio ambiente, como a Tomando-se como base a lei segundo a qual

produção de gases tóxicos e ácidos em meio semelhante dissolve semelhante, qual dos

114
compostos orgânicos abaixo se dissolve me- chumbo e seus compostos, é correto armar

lhor em água, na temperatura ambiente? que:

(A) Benzeno (A) o monóxido de chumbo é um óxido

(B) Benzenossulfonato de sódio básico.

(B) o chumbo não reage com ácidos inorgâ-


(C) Pireno

nicos.
(D) Octanol

(C) o número de oxidação do Pb no íon


(E) Tolueno

plumbito é +4.

(D) o Pb é o elemento de maior ponto


Resposta: B
de fusão do seu grupo na Classicação

Periódica.

(E) na produção de Pb a partir da galena

ocorre a transferência de 8 mols de elétrons


Caiu no concurso! por mol de Pb

obtido.
Questão

O chumbo é um metal representativo do


Resposta: E
grupo 14 (ou IVA) da Classicação Periódica,

cuja principal fonte natural é a galena (PbS).

A galena, ao ser aquecida ao ar, é convertida

em PbO e este óxido é reduzido com coque


Caiu no concurso!
(C), para produzir chumbo elementar e mo-
Questão
nóxido de carbono.

Observe as seguintes conformações possíveis


O potencial de oxidação do chumbo, con-
para o anel do cicloexano:
forme a reação P b ↔ P b2 + 2e− , é de +

0,13V.

2−
Em presença de hidróxido de sódio, o Pb

precipita o Pb(OH)2 , que é solúvel em ex- A ordem crescente de energia relativa para

cesso de base, gerando o íon plumbito. as conformações do anela do cicloexano é:

Com base nas propriedades químicas do (A) cadeira < bote torcido < bote < meia-

115
cadeira.
I II III

(B) cadeira < meia-cadeira < bote torcido


(A) piramidal trigonal trigonal

< bote
plano plano

(C) meia-cadeira < bote < bote torcido <


(B) tetraédrico trigonal piramidal

cadeira.
plano

(D) bote torcido < cadeira < meia-cadeira


(C) tetraédrico tetraédrico piramidal

< bote.
(D) quadrado piramidal trigonal

(E) bote < bote torcido < meia-cadeira <


planar plano

cadeira.
(E) quadrado tetraédrico piramidal

planar

Resposta: A
Resposta: B

Caiu no concurso!
Questão
Caiu no concurso!
Questão
Considere as espécies químicas:
O valor do pH da solução obtida após adição

de 25,00mL de solução de 0,1mol/L de HCI a

25,00mL de solução 0,12mol/L de NaOH é:


2−
• (I)[SO4 ]
(A) 1,0

(B) 2,0


• (II)[HCO2 ] (C) 5,0

(D) 12,0

(E) 13,0
• (III)P H3

Resposta: D

Os arranjos geométricos dessas espécies, res-

pectivamente, são:

116
+1
(B) Na

Caiu no concurso! (C) Mg


+2

+1
(D) K
Questão
+2
(E) Sr
Observe a seqüência de reações abaixo.

Resposta: C

A estrutura química do produto B corres-

ponde a:

Caiu no concurso!
(A) Questão

O processo de craqueamento catalítico de ga-


(B)

sóleos e resíduos consiste na quebra de mo-

(C) léculas pesadas por ação de catalisadores à

base de zeólitas a altas temperaturas. Con-

(D) siderando a reatividade dos diversos tipos

de hidrocarbonetos encontrados na carga do


(E)
processo, a ordem decrescente de velocidade

reacional é:

Resposta: E
(A) olefínicos>naftênicos e isoparani-

cos>paranicos> aromáticos.

(B) olefínicos> aromáticos >naftênicos e

Caiu no concurso! isoparanicos>paranicos.

(C) paranicos>naftênicos e isoparani-


Questão
cos>olefínicos> aromáticos.

Qual dos íons abaixo será mais fortemente


(D) aromáticos >olefínicos>naftênicos e

hidratado (deltaHhidratação mais negativa)


isoparanicos>paranicos.

quando colocado em água?


(E) naftênicos e isoparani-

+2 cos>olefínicos>paranicos> aromáticos.
(A) Ba

117
(A) I e II, apenas.

(B) II e III, apenas.


Resposta: A
(C) III e IV, apenas.

(D) I, II e III, apenas.

(E) I, II e IV, apenas.

Caiu no concurso!
Questão Resposta: E

Sobre a inuência da composição da carga so-

bre os produtos obtidos no processo de cra-

queamento catalítico de frações pesadas de

petróleo, foram feitas as armações a seguir.


Caiu no concurso!
Questão
• I  Paranas são transformadas, prin-
Com relação às substâncias orgânicas presen-

cipalmente, em propeno, butenos, buta-


tes no petróleo, analise as armativas a se-

nos e gasolina leve, gerando muito pouco


guir.

coque.

• I  Os combustíveis são submetidos a um


• II  Naftênicos são transformados, prin-

processo de isomerização para diminuir


cipalmente, em olenas, paranas rami-

a concentração de alcanos ramicados.


cadas e aromáticos, gerando algum co-

que.
• II  A isomerização requer o uso de ca-

talisadores, comumente, cloreto ou bro-


• III  Aromáticos são transformados em

meto de alumínio.
gasolina de alta octanagem e geram

muito pouco coque.


• III  O craqueamento térmico é usado

• IV  Olenas são transformadas, prin- na obtenção de gasolina a partir de fra-

cipalmente, em produtos de baixo peso ções hidrocarbônicas de pontos de ebu-

molecular e geram razoável quantidade lição mais elevados.

de coque.

Está(ao) correta(s) APENAS a(s) arma-

Estão corretas as armativas: tiva(s)

118
(A) I As classes funcionais orgânicas abaixo con-

(B) II têm o grupo carbonila, EXCETO a(o)


(C) III
(A) amida
(D) I e II
(B) amina
(E) II e III
(C) cetona

(D) aldeído

Resposta: E (E) ácido carboxílico

Resposta: B

Caiu no concurso!
Questão

Considere a seguinte sintética: Caiu no concurso!


Questão

O composto Z é:

(A) 2,3-dimetil-2-butanol O composto X, participante da reação acima,

(B) 4-metil-2-pentanona é a(o)

(C) 2,3-pentanodiol
(A) água

(D) 4-metil-2-pentanol
(B) metano

(E) 2-hexanol
(C) propanol

(D) ácido acético

Resposta: B (E) ácido fórmico

Resposta: D

Caiu no concurso!
Questão

119
40.

Caiu no concurso! (D) leve, pois seu



API é maior do que 30.

Questão ◦
(E) pesado, pois seu API é maior do que

Sabe-se que todos os tipos de petróleo apre- 40.

sentam os mesmos hidrocarbonetos, porém

com quantidades diferentes, acarretando di-


Resposta: D

ferentes características e propriedades. Desta

forma, pode-se armar que os hidrocarbone-

tos estáveis presentes no petróleo são:

(A) parafínicos, naftênicos e olefínicos. Caiu no concurso!


(B) paranicos, asfaltênicos e olefínicos. Questão
(C) aromáticos, naftênicos e olefínicos.

(D) naftênicos, aromáticos e asfaltênicos.

(E) naftênicos, parafínicos e aromáticos.

Resposta: E
Qual o tipo de força intermolecular ilustrado

na gura acima?

(A) Dipolo  dipolo induzido

Caiu no concurso! (B) Dipolo - dipolo

(C) Íon - dipolo


Questão
(D) Atração iônica

Um óleo cru foi analisado e apresenta densi-


(E) Ponte de hidrogênio
◦ ◦
dade a 15,6 C/15,6 C de 0,85.

Trata-se de um petróleo
Resposta: B


(A) parafínico, pois seu API é menor do

que 30.


(B) isoparafínico, pois seu API é igual a 40.

(C) naftênico, pois seu



API é menor do que Caiu no concurso!
Questão

120
De acordo com a teoria Bronsted-Lowry, qual uniformes.


a base conjugada à espécie HSO4 ? (E) apresentam propriedades predominante-

2− mente hidrofóbicas.
(A) SO4


(B) HSO4

(C) H2 SO4 Resposta: A


(D) HSO3


(E) H3 O

Resposta: A
Caiu no concurso!
Questão

Para proteger navios, encanamentos ou tan-

ques subterrâneos de armazenamento de

Caiu no concurso! combustível, é comum a utilização da prote-

Questão ção catódica. Qual, dentre as reações abaixo,

representa uma proteção catódica viável para


A zeólita sintética ZSM −
uma tubulação de ferro enterrada no solo?
5(N a3 [(AIO2 )3(SiO2 )].xH2 O) é ampla-

0
mente usada pela indústria de petróleo para Dados de Ereduo :

uma de interconversões de hidrocarbonetos, Zn+2 /Zn = −0,76V


como isomerização de m-xileno em p-xileno Sn+2 /Sn = −0,14V
ou alquilação de aromáticos com alquenos. N a+1 /N a = −2,71V
Sobre a estrutura e a ação da zeólita ZSM-5, Cu+2 /Cu = +0,34V
é correto armar que: I2/2I − 1 = +0,54V
F e+2 /F e = −0,44V
(A) sua forma ácida é capaz de gerar carbo-

+2 +1
cátions. (A) I2+Fe → 2I +Fe

+2 +2
(B) seu sítio básico localiza-se nos átomos (B) Zn+Fe → Zn +Fe

+2 +2
de alumínio. (C) Sn+Fe → Sn +Fe

+2 +1
(C) seus canais apresentam estrutura alta- (D) 2Na+Fe → 2Na +Fe

+2 +2
mente irregular. (E) Cu+Fe → Cu +Fe

(D) atuam como catalisadores homogêneos

121
Resposta: B (E) II e III

Resposta: B

Caiu no concurso!
Questão

Considere o equilíbrio químico abaixo, cujo Caiu no concurso!


valor de Kc a 700

C é de 4,8.10-3. Questão

Em um recipiente fechado, a essa mesma Os fabricantes de veículos recomendam

temperatura, foram determinadas as concen- o uso de misturas contendo etilenoglicol

trações das espécies acima, tendo sido encon- (HOCH2 CH2 OH) e outros aditivos como lí-

trados os valores: [SO3 ] = 0,5 mol/L; [SO2 ] quido de arrefecimento, pois essas misturas


= 0,1 mol/L e [O2 ] = 0,025 mol/L. congelam a temperatura inferiores a 0 C, à

pressão de 1 atm. Considerando um compor-


Para essas condições, foram feitam as seguin-
tamento de solução ideal, é correto armar
tes armativas:
que, para uma solução aquosa contendo 1%

em massa de etilenoglicol, o abaixamento da


• I  essa reação apresenta Kp = Kc;
temperatura de congelamento da água (del-

• II  a concentração de SO3 , no equilí- taTC) será, aproximadamente, igual a(ao):

brio, é menor que 0,5 mol/L;



(Dados: ko da água = 0,52 C kg mol-1; ko


da água = 1,86 C kg mol-1; massa molar
• III  a velocidade de formação de SO2 é

do etilenoglicol = 62 g/mol; massa molar da


igual à velocidade de formação de O2 .

água = 18 g/mol)

Está(ao) correta(s) apenas a(s) arma- (A) 3 vezes o abaixamento da temperatura

tiva(s): de congelamento (deltaTc) de uma solução

de CaCI2 de mesma concentração.


(A) I

(B) 33% do aumento de sua temperatura de


(B) II

ebulição (deltaTe).
(C) III

(C) 3,6 vezes o aumento de sua temperatura


(D) I e II

122
de ebulição (deltaTe).

(D) aumento de sua temperatura de ebulição

(deltaTe).

(E) abaixamento da temperatura de conge-

lamento (deltaTc) de uma solução de CaCL2


Os asfaltenos são constituídos por moléculas

de mesma concentração.
bastante grandes e aromáticas: são, de fato,

sólidos submicroscópicos. As resinas são o se-

Resposta: C gundo grupo de moléculas aromáticas e mai-

ores do petróleo. A respeito desse sistema,

foram feitas as armativas abaixo.

Caiu no concurso! • I  As resinas atuam como a gente dis-

Questão persante.

O comportamento de fase do petróleo é com-


• II  Os aromáticos agem como solvente.
plexo devido à grande mistura de molécu-

las diversas que o compõem e porque ele • III  Os asfaltenos podem precipitar

apresenta algumas propriedades de uma dis- pela remoção dos saturados ou pela adi-

persão coloidal e outras de uma solução. ção de resinas.

Seguindo-se o modelo de Pfeier e Saul, e

com base em dados de dispersão de raio X e


Está(ao) correta(s) apenas a(s) arma-

de nêutrons, os milhões de diferentes molécu-


tiva(s):

las do petróleo foram agrupados em apenas


(A) I
quatro classes, que são os saturados, aromá-
(B) II
ticos, resinas e asfaltenos. Um modelo desta
(C) III
estrutura física é mostrado na Figura 1.
(D) I e II
Boletim Técnico da Petrobrás, Rio de Ja-
(E) I e III
neiro, 46: 247-255, 2003.

Resposta: D

123
Caiu no concurso! Caiu no concurso!
Questão Questão

O teor de oxigênio dissolvido em um auente Qual, dentre as Reações de Friedel-Craft,

aquoso é um importante parâmetro para ava- esquematizadas abaixo, apresenta o melhor

liar a qualidade da água e sua capacidade de rendimento na alquilação do anel aromático

oxidar impurezas orgânicas. Sua determina-


(A)
ção pode ser feita por meio do seguinte mé-

todo iodométrico:

(B)

• (1) agita-se a amostra de água com so-

lução de manganês II e solução alcalina


(C)
de iodeto de potássio e azida de sódio (a

função da azida é eliminar a interferên-

cia de nitratos);
(D)

• (2) acrescenta-se ácido fosfórico para

dissolver o precipitado de Mn(OH)3 for-

mado e liberar o iodo livre na solução. (E

O agente titulante adequado para essa deter-


Resposta: C
minação é o:

−1
(A) I

(B) I2

−1
(C) I3
Caiu no concurso!
−2
(D) S2 O3
Questão
−2
(E) S4 O6
Considere a reação de oxidação-redução com

balanceamento parcial mostrada a seguir.

Resposta: D

124
metal. Considere os compostos organometá-

licos mostrados a seguir.

nKN O2 +mKM nO4 +3H2 SO4 → xKN O2 +yK2 SO4 +


CH3 Li; (CH3 )2 Cd; (CH3 )2 Zn; (CH3 )2 Mg;

(CH3 )2 Hg
+zM nSO4 + 3H2 O
A analise do caráter iônico das ligações pre-

Os coecientes n, m, x, y e z correspondem,
sentes nestes compostos permite concluir que

respectivamente, a
sua ordem crescente de reatividade é

(A) 1, 2, 1, 1, 2
(A) CH3 Li < (CH3 )2 Cd < (CH3 )2 Zn <

(B) 2, 5, 1, 1, 2
(CH3 )2 Mg < (CH3 )2 Hg

(C) 3, 1, 5, 2, 3
(B) (CH3 )2 Hg < (CH3 )2 Cd < (CH3 )2 Zn <

(D) 4, 3, 2, 5, 1
(CH3 )2 Mg < CH3 Li

(E) 5, 2, 5, 1, 2
(C) (CH3 )2 Zn < (CH3 )2 Mg < CH3 Li <

(CH3 )2 Hg < (CH3 )2 Cd

Resposta: E (D) (CH3 )2 Cd < CH3 Li < (CH3 )2 Hg <

(CH3 )2 Zn < (CH3 )2 Mg

(E) (CH3 )2 Mg < (CH3 )2 Hg< (CH3 )2 Cd <

CH3 Li < (CH3 )2 Zn

Caiu no concurso!
Questão Resposta: B

Dependendo do potencial de redução do me-

tal, a reatividade dos compostos organo-

metálicos varia enormemente. Geralmente

os compostos organometálicos mais reativos Caiu no concurso!


não requerem temperaturas elevadas para a Questão
sua preparação e uso, mas, por outro lado,
Sabendo que a entalpia de rede dos sais é

exigem condições de operação isentas de umi-


inversamente proporcional à distância entre

dade. Em geral, a reatividade dos com-


os centros dos íons

postos organometálicos segue a mesma or-

dem do caráter metálico da ligação carbono-

125
A esse respeito conclui-se que:
1
∆Hr ≈
R− R+ (A) as duas armações são verdadeiras e a

segunda justica a primeira.


e que a diferença de tamanho dos íons favo-
(B) as duas armações são verdadeiras e a
rece a solubilidade do sal em água, é correto
segunda não justica a primeira.
armar que:
(C) a primeira armação é verdadeira e a
Solubilidade em água
segunda é falsa.
(A) BaCO3 < BaSO4 < LiI<NaI
(D) a primeira armação é falsa e a segunda
MgCO3 MgSO4
é verdadeira.
(B) MgCO3 < BaSO4 < NaClO4 <
(E) as duas armações são falsas
BaCO3 MgSO4 KClO4

(C) Sr(OH)2 < MgSO4 < KClO4 <

Resposta: D
Mg(OH)2 BaSO4 NaClO4

(D) Mg(OH)2 < SrSO4 < NaClO4 <

Ca(OH)2 MgSO4 KClO4

(E) Mg(OH)2 < SrSO4 < LiF<LiBr

Ca(OH) MgSO4
Caiu no concurso!
Questão
Resposta: E

As propriedades coloidais são, geralmente,

exibidas por dispersões de substâncias com

tamanhos de partícula entre 0,1µm e 1nm.

Caiu no concurso! Considere as armações a seguir, relativas às

Questão propriedades características da maioria das

partículas coloidais.
Analise as armações a seguir. É possível

distinguir a força ácida de HBr e HI em água


• I  Não podem ser separadas das solu-

PORQUE ções pelo processo de diálise.

HBr e HI transferem de forma praticamente • II  Podem provocar o espalhamento de

completa os seus prótons para a água, for- luz incidente.



mando H3 O .
• III  São retidas em papel de ltro co-

126
mum. (D) como anodo de uma cuba eletrolítica,

onde o catodo é uma barra de zinco.


• IV  Possuem cargas elétricas e podem
(E) como anodo de uma cuba eletrolítica,
migrar sob a inuência de potencial ade-
onde o catodo é uma barra de zinco metálico.
quado.

Estão corretas APENAS as armações Resposta: B

(A) I e II

(B) II e IV

(C) III e IV

(D) I, III e IV
Caiu no concurso!
(E) II, III e IV
Questão

Sabendo que a dissolução de 0,3 g de uréia

em 10,0 g de água provoca uma alteração de


Resposta: B

aproximadamente 0,3 C no ponto de ebuli-

ção na água, considere as armações a seguir.

Caiu no concurso! • I  Uma solução 0,5 molal de uréia em

Questão água terá ponto de ebulição normal de


aproximadamente 100,3 C.
O zinco é um metal amplamente utilizado na

galvanização, principalmente de ferro e aço. • II  Uma solução 0,5 molal de NaCl em

Nesse processo de eletrodeposição, o material água terá ponto de ebulição normal de

a ser protegido deve ser colocado aproximadamente 100,3



C.

(A) tanto como catodo quanto como anodo


• III  A solubilização de 0,3 g de KCl em
de uma cuba eletrolítica se o eletrólito
10 g de água acarretará uma elevação
contiver um sal de zinco.
na temperatura de ebulição da água de,
(B) como catodo de uma cuba eletrolítica,

aproximadamente, 0,3 C.
onde o eletrólito contém um sal de zinco.

(C) como catodo de uma cuba eletrolítica, e • IV  A solubilização de 0,6 g de uréia em

o eletrólito não pode conter sais de zinco. 10 g de água acarretará uma elevação na

127
temperatura de ebulição da água igual a (A) isobutano, gerando um carbânion ter-


0,6 C. ciário que reagem com uma outra molécula

de isobutano, gerando um outro carbânion

(Dados: Ponto de ebulição normal da água: terciário que, ao reagir com o isobuteno,
◦ ◦ −1
10 C; Ke = 0,5 Cm ; Te = Ke.m; Massa produz o isoctano.
−1
molecular da uréia = 60 gmol ) (B) isobutano, gerando um carbânion pri-

Estão corretas APENAS as armações: mário que reagem com uma molécula de

isobuteno, gerando um segundo carbânion


(A) I e II
primário que, ao reagir com isobutano,
(B) III e IV
produz o isoctano.
(C) I, II e III
(C) isobuteno, gerando um carbocátion ter-
(D) I, II e IV
ciário que reagem com uma outra molécula
(E) II, III e IV
de isobuteno, gerando um outro carbocátion

terciário que, ao reagir com o isobutano,

Resposta: D produz o isoctano.

(D) isobuteno, gerando um carbocátion

terciário que reagem com uma outra molé-

cula de isobuteno, gerando um carbânion

Caiu no concurso! primário que, ao reagir com o isobutano,

Questão produz isoctano.

Um processo de alquilação utilizado nas re- (E) isobuteno, gerando um carbocátion

narias de petróleo para a produção de gaso- primário que reagem com outra molécula de

linas com alta octanagem consiste da reação isobuteno, gerando um carbocátion terciário

de isobutano com isobuteno, catalisada por que, ao reagir com o isobutano, produz o

ácido sulfúrico. isoctano.

Resposta: C

Sobre as principais etapas envolvidas nesse

processo de alquilação, o ácido sulfúrico pro-

tona uma molécula de:

128
Caiu no concurso!
Questão

Observe o ponto de ebulição e a basicidade

dos compostos nitrogenados mostrados a se-

Os possíveis produtos e o mecanismo de rea-


guir.

ção envolvido na formação de cada produto

são:

Produto I Produto II Produto III


Mecanismo Mecanismo Mecanismo
A esse respeito, é correto armar que a

(A) amina é a substância mais básica e de (A)

maior ponto de ebulição.

(B) nitrila é a substância mais básica e de (B) Não se forma

menor ponto de ebulição.

(C) amida é a substância mais básica e


(C) Não se forma

apresenta o maior ponto de ebulição.

(D) amida é a substância menos básica e de


(D) Não se forma

menor ponto de ebulição.


(E) Não se forma Não se forma
(E) amina é a substância menos básica e de

menor ponto de ebulição. Resposta: C

Resposta: A

Caiu no concurso!
Questão

Caiu no concurso! Considere as transformações envolvidas na

Questão síntese do 3-metil-2-buteno-1-ol utilizando a

acetona como substrato inicial.


Considere a reação a seguir.

Os reagentes capazes de viabilizar as trans-

formações requeridas são:

129
Reagentes (C) Fe e Zn, apenas.
I II III IV
(A) Ba(OH)2 I2 NaOCl, NaOH H2 / Pt (D) Cu, Fe e Zn, apenas.
(B) HCl Br2 H2 SO4 , NaCl NaBH4
(C) BaI(OH)2 Br2 NaOCl, NaOH H2 / Pt (E) Ag, Cu, Fe e Zn.
(D) HCl I2 H2 SO4 , NaC NaBH4
(E) BaI(OH)2 I2 NaOCl, NaOH LiAH4
Resposta: E
Resposta: D

Caiu no concurso!
8.1 O texto a seguir
Questão

Em meio ácido, o resultado da hidrólise de


refere-se às questões
uma amida é um:
de nos 67 e 68.
(A) éster.

Quando o sistema de refrigeração de uma


(B) ácido carboxílico.

usina termelétrica recircula o uido refrige-


(C) aldeído.

rante e troca calor com a atmosfera em uma


(D) éter.

torre úmida, ocorrem perdas por evapora-


(E) alcano.

ção e aumento das concentrações de Ca, Mg,

Na, CO3 , HCO3 e SO4 no líquido recircu-


Resposta: B
lante. Para evitar incrustações, é realizada

uma purga constante deste uido.

Caiu no concurso!
Caiu no concurso! Questão
Questão
A característica da água que precisa estar ele-

Considerando os metais Ag, Cu, Fe e Zn, o(s)


vada para favorecer a formação destas incrus-

que pode(m) ser atacado(s) por uma solução


tações é a

de cloreto férrico 1,0M é(são):


(A) cor.

(A) Ag, apenas.


(B) dureza.

(B) Fe, apenas.


(C) concentração de fosfatos.

130
(D) concentração de oxigênio. muito comum em indústrias e residências. As

(E) concentração de nitratos. semiserrações envolvidas neste processo são:

Resposta: B F e2+ + 2e− → F e; E o = −0,409V

Caiu no concurso! O2 + H2 O + 4e− → 4HO; E o = 0,401V

Questão
Considerando que a variação de energia livre
Essa purga pode estar contaminada por com-
de uma reação de oxidorredução pode ser cal-
postos que são utilizados em medidas de com-
culada pela fórmula ∆G = nF ∆E , na qual
bate à corrosão e a incrustações.
n é o número de elétrons transferidos, F é a

Contaminantes que resultam de medidas de Constante de Faraday (96,5 kJ V


−1
mol
−1
)

combate à corrosão são os e, a diferença entre os potenciais padrão das

reações de oxidação e de redução, conclui-se


(A) ácidos.

que a(o)
(B) dispersantes.

(C) polímeros. (A) reação não será espontânea, necessi-

(D) quelantes. tando de um catalisador para ocorrer, uma

(E) cromatos. vez que o valor de∆E dessa reação é próximo

a zero.

(B) reação será espontânea, pois existe


Resposta: E

uma grande diferença de potencial entre as

espécies químicas envolvidas, uma vez que o

valor de∆E é igual a -0,810 V.

Caiu no concurso! (C) reação será espontânea, já que o valor

Questão de∆E negativo, levando a um valor de ∆G


positivo.
A oxidação de materiais ferrosos pelo oxigê-
(D) reação será espontânea, já que o valor
nio atmosférico é um processo de corrosão
de ∆G será negativo, embora o valor de∆E

131
seja positivo.

(E) valor de∆E é negativo e, assim, este

processo de corrosão não será espontâneo,

necessitando de um catalisador para ocorrer.

Resposta: D

132