Anda di halaman 1dari 22

CLIQUEAQUIPARA

VIRARAPÁGINA

CADERNO DE ATIVIDADES

Serviço S o c i a l m p o r â n e o
e r v iço Soc ia l C o n te
D is c ip li n a : S iço S o c ia l
a g ê n e se d o S e r v
õ e s s o b r e
Tema 01: Preleç
Caderno de Atividades
Serviço Social

Disciplina
Serviço Social Contemporâneo

Coordenação do Curso
Adriana Luiza da Silva
Elisa Cleia Pinheiro Rodrigues Nobre

Autoria
Prof.ª Edilene Xavier Rocha
Prof.ª Elisa Cléia Pinheiro Rodrigues Nobre

FICHA TÉCNICA Revisão Textual


Alexia Galvão Alves
Equipe de Gestão Editorial Giovana Valente Ferreira
Regina Cláudia Fiorin Ingrid Favoretto
João Henrique Canella Fiório Julio Camillo
Priscilla Ramos Capello Luana Mercúrio
Análise de Processos Diagramação
Juliana Cristina e Silva Célula de Inovação e Produção de Conteúdos
Flávia Lopes
Chanceler Pró-Reitor de Graduação
Ana Maria Costa de Sousa Eduardo de Oliveira Elias

Reitora Pró-Reitor de Extensão


Leocádia Aglaé Petry Leme Ivo Arcangêlo Vedrúsculo Busato

Pró-Reitor Administrativo Pró-Reitora de Pesquisa e PósGraduação


Antonio Fonseca de Carvalho Luciana Paes de Andrade

Realização:

Diretoria de Planejamento de EAD


José Manuel Moran
Barbara Campos

Diretoria de Desenvolvimento de EAD


Thais Costa de Sousa

Gerência de Design Educacional


Rodolfo Pinelli
Gabriel Araújo

Como citar esse documento:


GARCIA, Edilene Xavier Rocha; NOBRE, Elisa
Cléia Pinheiro Rodrigues. Serviço Social Con-
temporâneo. Valinhos: Anhanguera Educacio-
nal, 2014. p. 1-22.
Disponível em: <http://www.anhanguera.com>.
Acesso em: 03 fev. 2014.

© 2014 Anhanguera Educacional


Proibida a reprodução final ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada em língua
portuguesa ou qualquer outro idioma.
Tema 01
Preleções sobre a gênese do Serviço Social

seções
S e ç õ e s
Tema 01
Preleções sobre a gênese do Serviço Social
Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no livro A Natureza do Serviço Social,
do autor Carlos Montaño, Editora Cortez, 2009, 2ª Edição PLT 354.

Roteiro de Estudo:
Prof.ª Edilene Xavier Costa
Serviço Social
Processos Administrativos Prof.ª
Prof.Elisa
Ricardo
Cléia
Almeida
Pinheiro
Contemporâneo
Rodrigues Nobre

CONTEÚDOSEHABILIDADES
Conteúdo
Nessa aula você estudará:

• As causas que provocaram a emergência do Serviço Social enquanto profissão.

• Os princípios que fundamentam a “legitimação da profissão” e “interpretam as políticas


sociais” a partir da ordem econômica vigente.

• A natureza, gênese, funcionalidade e legitimidade do Serviço Social.

7
CONTEÚDOSEHABILIDADES
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

• Quais as duas teses que defendem o surgimento do Serviço Social enquanto profissão?

• Como são a perspectiva evolucionista e a perspectiva histórico-crítica?

• Qual a natureza, a gênese, e a funcionalidade do Serviço Social?

LEITURAOBRIGATÓRIA
Preleções sobre a gênese do Serviço Social
Carlos Montaño analisa sucintamente duas teses antagônicas, que afirmam
fundamentar a origem do Serviço Social enquanto profissão reconhecida pela sociedade.
Em cada uma delas, apresenta autores renomados que desenvolveram minuciosas
pesquisas, investigações detalhadas, bem como inúmeras publicações que justificam
suas ponderações. A primeira tese, denominada Perspectiva Endogenista, defende que o
Serviço Social nada mais é que a “evolução, organização e profissionalização das formas
‘anteriores’ de ajuda, da caridade e da filantropia, vinculada agora à intervenção na ‘questão
social’” (Livro-Texto, p. 20).

Enquanto que a segunda tese, a Perspectiva Histórico-crítica, advoga que a gênese e


a natureza do Serviço Social reproduzem o projeto político-econômico e ideológico da
classe burguesa no contexto do capitalismo. Essa discussão é de fundamental importância,
pois oferece ferramentas teóricas ao acadêmico para não só compreender a história da
profissão, mas também perceber sua significação social na contemporaneidade.

Além disso, permite uma reflexão sobre a identidade do Assistente Social na atualidade e os
desafios que se inserem neste contexto. Por meio desta leitura, verifica-se que o Assistente
Social se encontra pressionado entre essas duas teorias, que em sua prática profissional
depara-se com duas formas antagônicas de perceber a realidade social e compreender
qual é o objeto de intervenção do Serviço Social.
8
LEITURAOBRIGATÓRIA
De um lado, este profissional encontrará abordagens tradicionais, conservadoras, que
compreendem a profissão como a evolução natural da ajuda ao próximo. De outro, ações
que apreendem o Serviço Social como reposta às consequências sociais do capitalismo.
Na prática, o autor deseja incitar a discussão a respeito das transformações que a profissão
sofreu no decorrer da história e da necessidade de se modernizar com ela, aperfeiçoando
seus instrumentos de avaliação, análise e intervenção.

Carlos Montaño coloca em xeque atitudes tomadas como sendo verdadeiras pelos
profissionais da área, visionando à categoria profissional uma reflexão teórico-metodológica
crítica. Nas análises de Montaño (Livro-Texto, pp. 28 e 29), a perspectiva Evolucionista
separa história e sociedade, ou seja, são demonstradas apenas como um “cenário de
desenvolvimento profissional […] como uma maquete onde se insere uma peça autônoma”,
desconexa do fator que a determina, a história, e como o homem e as relações sociais
inserem-se nesta história. Se a origem do Serviço Social pode ser considerada como uma
“evolução das formas anteriores de assistência e ajuda […] deveríamos remontar a gênese
do Serviço Social a Eva (para os cristãos) ou aos primeiros primatas (para os darwinistas)
como antecessores e precursores do Serviço Social”. Por outro lado, para a perspectiva
histórico-crítica, a função do Serviço Social é autenticar, justificar, legitimar a ordem
burguesa, na medida em que o Estado assume a questão social como sua responsabilidade
por meio das políticas sociais. Desta forma, o autor oportuniza uma investigação acerca do
caráter, da origem e das funções da profissão.

Montaño favorece a verificação de um conjunto de fatores, de pontos de vistas


divergentes, que contribuem para compreender o Serviço Social tal como se apresenta
na contemporaneidade. Discute se a profissão veicula-se como a institucionalização da
benemerência ou se desempenha um papel político, cuja função é explicada na posição em
que o Serviço Social ocupa na divisão sociotécnica do trabalho.

No aporte do autor, esses elementos ainda não têm sido debatidos o suficiente na Academia;
por esta razão, acredita que as Universidades estão produzindo Assistentes Sociais com
uma formação teórico-metodológica mutilada. Deve-se discutir o papel do Serviço Social na
sociedade contemporânea e os rumos da profissão. Segundo os elementos apresentados
neste primeiro tema, Carlos Montaño oferece subsídios para examinar qual Tese que
se efetiva: a perspectiva Endogenista, uma filantropia e caridade profissionalizada; ou a
perspectiva Histórico-crítica, que se caracteriza pelo cumprimento do projeto político-
econômico burguês a serviço do capital, desempenhando o controle social na execução
terminal das políticas sociais.

9
LINKSIMPORTANTES
Quer saber mais sobre o assunto?
Então:
Sites
Acesse o blog de José Ozildo dos Santos.
Disponível em: <http://construindoahistoriahoje.blogspot.com/2010/08/historia-social.html>.
Acesso em: 03 fev. 2014.
Não deixe de ler o texto “O Serviço Social no Brasil e sua evolução Histórica”.

Leia o texto Serviço Social - Amarras e Tradicionalismo, do autor José Ozildo dos Santos.
Disponível em: <http://construindoahistoriahoje.blogspot.com/2010/12/servico-social-
amarras-e.html>. Acesso em: 03 fev. 2014.
O artigo mostra porque o serviço social tradicional, ao longo de seu processo histórico, se
preservou fechado em interpretações superficiais das situações sociais-problemas.

Leia o artigo Estado e Política Social, de Márcia Pastor e Eliane Cristina Lopes Brevilheri.
Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> - Volume 12 - Número 1 - Jul/Dez 2009.
Acesso em: 03 fev. 2014.
O artigo trata das diferentes configurações assumidas pelo Estado no contexto do capitalismo
e suas respostas diante da questão social.

Leia o trabalho de Ana Carolina Santini B. de Abreo, Contemporaneidade e Serviço Social:


contribuição para interpretação das metamorfoses societárias.
Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> - Volume 2- Número 1 Jul/Dez 1999. Acesso
em: 03 fev. 2014.
O trabalho aborda as transformações no mercado mundial, seus reflexos no espaço
ocupacional do Serviço Social e as demandas da profissão.

10
LINKSIMPORTANTES
Vídeos
Veja ao vídeo: CRESS - Serviço Social, do Conselho Regional de Serviço Social do Ceará.
Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=cyHekEAB_js&feature=related>. Acesso
em: 03 fev. 2014.
Nesse vídeo, o Conselho Regional de Serviço Social do Ceará apresenta as contradições
de classe vivenciadas pela sociedade contemporânea. Assista, reflita e relacione com os
conteúdos apreendidos no seu Livro-Texto.

Assista ao vídeo: TV Transamérica - Serviço Social.


Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=vwC6fL57Idw>. Acesso em: 03 fev. 2014.
Nesse vídeo, Melissa Ferreira Portes, Coordenadora do curso de Serviço Social das
Faculdades Integradas Espírita, esclarece o papel do Assistente Social na atualidade.

AGORAÉASUAVEZ
Instruções:
Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções
das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão
você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente
os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de
resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto
e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

11
AGORAÉASUAVEZ
Questão 1: I. O significado social da profissão se dá
na reprodução das relações de classe.
Considere as afirmações que se seguem:
II. Desconsidera as lutas de classe como
I. O Serviço Social desempenha um base na qual se elabora os projetos
papel político. societários.
II. Autores advogam o Serviço Social III. A história e a sociedade são considera-
como uma profissão paramédica ou das apenas como cenário de desenvol-
parajurídica, tecnocrática e desenvolvi- vimento profissional, e não como deter-
mentista. minantes para este desenvolvimento.
III. O Serviço Social foi institucionalizado e IV. Desvincula as relações sociais das
legitimado para intervir na contradição socioeconômicas.
capital X trabalho.
V. O Serviço Social tem um papel a cum-
IV. Balbina Ottoni Vieira relaciona a prir na ordem social e econômica.
gênese do Serviço Social à origem da
humanidade. a) ( ) I e V.

V. A profissão é vista a partir de si b) ( ) II e III.


mesma e os assistentes sociais como
c) ( ) I e IV.
filantrópica.
Representam o pensamento Evolucionista: d) ( ) II e V.

a) As afirmativas I, III e V. e) ( ) III e IV.

b) As afirmativas I, II e V.
Questão 3:
c) As afirmativas II, III e IV.
José Paulo Netto afirma que a origem do
d) As afirmativas II, IV e V. Serviço Social se dá na inter-relação dos
processos econômicos, sócio-políticos,
e) As afirmativas III, IV e V. culturais da ordem burguesa no capitalis-
mo monopólico.
Questão 2: PORQUE:
Assinale a alternativa que corresponde à Há continuidade entre o Serviço Social e as
perspectiva Histórico-crítica: práticas de filantropia e caridade.

12
AGORAÉASUAVEZ
CONSEQUENTEMENTE: Questão 4:
A gênese de um fenômeno social pode ser A perspectiva Histórico-crítica acredita que
considerada como o conjunto de fatos ou a natureza e a funcionalidade do Serviço
elementos que contribuíram para produzi- Social recaem na ajuda altruísta, a partir
-lo (HOUAISS, 2001). da ordem burguesa, quando o Estado toma
para si a resposta da questão social, me-
A esse respeito, é possível concluir que:
diante as políticas sociais.
I. As três asserções são proposições Nessa perspectiva, seus defensores advo-
verdadeiras; a segunda e a terceira são gam que:
uma justificativa correta da primeira.
I. O Serviço Social não pode ser
II. As três asserções são proposições
compreendido como um produto
verdadeiras, mas segunda e a terceira
histórico.
não são uma justificativa correta da
primeira. II. O Assistente Social desempenha
um papel claramente político, pois
III. A primeira asserção é uma proposição
compreende que a profissão insere-se
verdadeira, e a segunda e a terceira
na divisão sociotécnica do trabalho.
são falsas.
III. O Serviço Social nasce para cumprir
IV. A primeira e a segunda asserções são
os interesses ideológicos da classe
proposições falsas, e a terceira é uma
hegemônica.
proposição verdadeira.
IV. O Serviço Social surge para cumprir uma
V. As três asserções são proposições
função na ordem social e econômica,
verdadeiras, porém não se relacionam
contribui na reprodução das relações
entre si.
sociais e ideológicas burguesas.
Assinale a única alternativa correta:
V. O Serviço Social emerge para subsidiar
a) Apenas I e IV estão corretas. a luta da classe empresária nas minas
de carvão.
b) Apenas II e V estão corretas.

c) Apenas II e IV estão corretas.

d) Apenas I e III estão corretas.

e) Apenas III e IV estão corretas.


13
AGORAÉASUAVEZ
Assinale a única alternativa correta: e) Combinação específica das qualidades
adquiridas com o convívio comunitário
a) Todas as alternativas estão corretas. dos indivíduos da mesma espécie.
b) Apenas II, III e IV estão corretas.
Questão 6:
c) Apenas I, III e IV estão corretas.
Em qual das Perspectivas que fundamen-
d) Apenas I, II e IV estão corretas. tam a gênese do Serviço Social seus au-
e) Apenas II, III e V estão corretas. tores advogam que ele nada mais é que a
profissionalização das “formas anteriores”
de ajuda?
Questão 5:
Carlos Montaño realizou três décadas de Questão 7:
estudos para, dentre outros elementos,
identificar a natureza do Serviço Social. Maria Lúcia Martinelli faz distinção entre
Podemos afirmar que natureza significa: as duas tarefas que a burguesia devia en-
frentar para atenuar os efeitos da “questão
a) Combinação específica das qualidades social”: reorganizar a assistência e imple-
originais, constitucionais ou nativas de um mentar medidas legislativas. Além disso, a
indivíduo, animal ou coisa; caráter inato autora realiza uma análise quanto à iden-
[…] caráter, tipo ou espécie. tidade do profissional do Serviço Social.
Aponte a opinião de Martinelli quanto à
b) Combinação genérica das qualidades
identidade do assistente social.
adquiridas de um indivíduo, animal ou
coisa; […] caráter, tipo ou espécie.
Questão 8:
c) Combinação específica das qualidades
de uma empresa, constitucionais ou Vimos nesse tema a existência de duas te-
adquiridas de um indivíduo, animal ou orias, opostas entre si, que fundamentam
coisa; caráter adquirido […]. a origem do Serviço Social. Explique com
suas palavras o que defende a perspectiva
d) Combinação geral das qualidades Histórico-crítica, quanto à origem do Serviço
adquiridas com o convívio comunitário Social.
dos indivíduos da mesma espécie.

14
AGORAÉASUAVEZ
Questão 9:
No aporte de Alayón, a profissão do assis-
tente social foi antecedida pelas damas da
sociedade que se organizavam na Socie-
dade de Beneficência.

Essa afirmação reflete qual das perspecti-


vas estudadas neste Tema, quanto à natu-
reza, gênese e funcionalidade do Serviço
Social?

Questão 10:
Complete as lacunas:

Balbina Ottoni Vieira (1977) realiza uma


ousada consideração a respeito das
bases que fundamentam o Serviço Social.
Para ela como ___________________
e intervenção do homem no mundo, o
___________________ só foi conhecido
com este nome no século _______. Mas o
fato ou o ato de ajudar o próximo, corrigir
ou ___________________________, levar
os homens a construir seu próprio bem-
estar, existe desde o aparecimento dos
______________ sobre a Terra. (Livro-
Texto, p 25).

15
FINALIZANDO
Diversos autores, de ambas as teorias, foram pesquisados por Carlos Montaño a fim
de oferecer uma fundamentação teórica pertinente sobre o tema em questão.

Essa discussão é da maior relevância no início de sua formação acadêmica, pois proporciona
uma reflexão sobre os rumos da profissão na contemporaneidade.

É importantíssimo conhecer a história da profissão, pois por meio dela você compreenderá
o motivo pelo qual ainda somos confundidos com “aquelas mocinhas boazinhas que o
governo paga para ter dó dos pobres” (ESTEVÃO, 1992, p.7).

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar
seu Desafio Profissional e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Retomando a temática da “sistematização da prática” em
Serviço Social. Disponível em: <http://www.fnepas.org.br/pdf/servico_social_saude/tex-
to3-2.pdf> Acesso em: 03 fev. 2014.

BORIN, André Luiz dos Santos et alli. Como Pode Isto: Trabalhar como escravo, passar
fome num Estado rico? Só não morri, porque aqui e acolá, tem alguém prá ajudar. Liber-
tas - Volume 2 - Número 2 – Jul/2008. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistalibertas/
files/2010/01/artigo08_5.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

BUENO, Francisco da Silveira. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:


FENAME, 1981.

16
REFERÊNCIAS
CAMURÇA Marcelo A. Seria A Caridade a “Religião Civil” dos Brasileiros? Revista Praia
Vermelha 12. Primeiro semestre 2005. pp. 42-63. Disponível em: <http://www.ess.ufrj.br/
siteantigo/download/revistapv_12.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

CENTRO BRASILEIRO DE COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO DE SERVIÇO SOCIAL –


Disponível em: www.cbciss.org. Acesso em: 03 fev. 2014.

COLMAN, Evaristo. O que é Serviço Social? Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.


br/c_v1n1_desafio.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.

ESTEVÃO, Ana Maria R. O que é serviço social. São Paulo: Brasiliense, v. 111. 1992.

FALCÃO, Frederico José. Resgate De Uma Década: a conjuntura político-social brasileira


dos anos 80. Libertas - Volume – 2 - Número 2 – Jul/2008. Disponível em: <http://www.
ufjf.br/revistalibertas/files/2010/01/artigo02_5.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico da língua portuguesa. José Jardim de Barro Jr.
(org). [CD-ROM]. Rio de Janeiro Objetiva, 2001

IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

ICHIKAWA, Elisa Yoshie et alli. Ciência, Tecnologia e Gênero: Desvelando o Significado


de Ser Mulher e Cientista. Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 11 - Nú-
mero 1 - Jul/Dez 2008 Acesso em: 03 fev. 2014.

JUNQUEIRA, L. A. P. Organizações sem fins lucrativos e redes sociais na gestão das polí-
ticas sociais. In: CAVALCANTI, M. (org.) Gestão social, estratégias e parcerias: redesco-
brindo a essência da administração brasileira de comunidades para o terceiro setor. São
Paulo: Saraiva, 2006.

LACERDA, Lélica Elisa Pereira de et alii. Do conservadorismo à moral conservadora no


Serviço Social brasileiro. Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 8 - Número
2 - Jan/Jun 2006. Acesso em 03 fev. 2014.

MACHADO, Edinéia Maria; KYOSEN, Renato Obikawa. Política e Política Social. 1998.
Disponível em: <www.ssrevista.uel.br/c_v3n1_politica.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.

MONTAÑO, Carlos. A natureza do Serviço Social: um ensaio sobre sua gênese, a “especi-
ficidade” e sua reprodução. São Paulo: Cortez, 2007.

PESSANHA, E. C. Ascensão e queda do professor. São Paulo: Cortez, 1994.

17
REFERÊNCIAS
PINHEIRO, Lessi Inês Farias. Questão Social: um conceito revisitado. Disponível em
<http://www.eumed.net/rev/cccss/03/fpod.htm>Acesso em 03 fev. 2014.

______. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação históri-
co-metodológica. 29ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.

RIBEIRO, Iselda Corrêa. et alli. Meio ambiente e gestão social. Disponível em: <http://
www.aedb.br/seget/artigos04/161_161_A%20QUESTAO%20SOCIAL%20DO%20
MEIO%20AMBIENTE2.doc> Acesso em: 03 fev. 2014.

SILVA, Carla Andréia Alves da. O sentido da reflexão sobre autonomia no Serviço Social.
Disponível em <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 6 - Número 2 - Jan/Jun 2004. Aces-
so em 03 fev. 2014.

SUGUIHIRO, Vera Lucia Tieko (at all). O serviço social em debate: fundamentos teórico-
metodológicos na contemporaneidade. Revista Multidisciplinar da UNIESP. Saber Acadê-
mico. n º 07 – Jun/2009.

TORRES, Mabel Mascarenhas. Atribuições Privativas Presentes no Exercício Profissional


do Assistente Social: uma contribuição para o debate. Libertas - Volume 1 - Número 2 –
Jun/2007. Disponível em: <http://www.mp.pb.gov.br/arquivos/psicosocial/servico_social/
atribuicoes.pdf> Acesso em 03 fev. 2014.

VELOSO, Renato. Serviço social, tecnologia da informação e trabalho. São Paulo: Cortez,
2011.

18
GLOSSÁRIO
Gênese: origem. Conjunto de fatos ou elementos que contribuíram para produzir uma coisa.

Natureza: combinação específica das qualidades originais, constitucionais ou nativas de um


indivíduo, animal ou coisa; caráter inato; aquilo que compõe a substância do ser; essência.

Funcionalidade: qualidade do que é funcional; relativo a função.

Especificidade: qualidade daquilo que é específico; particularidade; qualidade própria,


peculiar, de uma espécie.

Legitimar: reconhecer ou ser reconhecido como legítimo; tornar(-se) conforme com a lei;
legalizar; admitir algo como justificável, como tendo razão de ser; justificar.

GABARITO
Questão 1

Resposta: Alternativa D.

Questão 2

Resposta: Alternativa A.

Questão 3

Resposta: Alternativa B.

19
GABARITO
Questão 4

Resposta: Alternativa B.

Questão 5

Resposta: Alternativa D.

Questão 6

Resposta: Para Greenwood o Serviço Social era uma tecnologia, pois sua ação procurava
a mudança

Questão 7

Resposta: Segundo Martinelli o assistente social está sujeito e condicionado por uma
“identidade atribuída”, totalmente externa e independente da sua vontade. Acredita que
desde o Estado burguês e a igreja Católica, aliados da classe burguesa, numa perspectiva
determinista, a prática profissional está socialmente determinada apenas pelas forças
dominantes da sociedade. (PLT, 36)

Questão 8

Resposta: O Serviço Social nasce para ratificar, confirmar, os projetos político-econômicos


que operam no desenvolvimento histórico, ou seja, para reproduzir a ideologia da classe
dominante no contexto do capitalismo, isso pode ser verificado quando o Estado assume o
compromisso de dar respostas à questão social por meio das políticas sociais.

Questão 9

Resposta: Perspectiva Histórico-crítica

Questão 10

Resposta: Segundo Natálio Kisnerman (1980) o processo do Serviço Social é dialético.


A superação de cada etapa cria uma nova, que a contém e a nega. A etapa Assistência
Social constitui a tese. Durou a partir de 1869 (fundação da C.O.S. de Londres) até 1917
(aparecimento do Social Diagnoses, de Mary Richmond). Durante muitos anos, não se pode
confrontar com outra forma de auxílio, e ao fazê-lo surge o Serviço Social como antítese.
Negando a Assistência Social como momento, mas fica alienado ao não fundar uma nova
teoria. A partir de 1965 os movimentos de Reconceituação negam o Serviço Social – que
agora é qualificado de tradicional – e procuram superá-lo numa síntese. (PLT, p 21)

20