Anda di halaman 1dari 6

• EVENTO - 22/01/2017 ABERTURA DO TEMPLO IPUÃ DO AMANHECER DE

AURORA-CE
O TEMPLO IPUÃ DO AMANHECER - VALE DO AMANHECER DE AURORA-
CE FOI FUNDADO E INICIOU SEUS TRABALHOS DE ATENDIMENTO NO
DIA 22/01/2017, FAZ PARTE DA COORDENAÇÃO AJARÃ - CGTA /
SUBCOORDENAÇÃO PALANO SUL CEARÁ. TEM COMO SEU PRESIDENTE
E DIRIGENTE O ADJUNTO IPUÃ KOATAY 108 MESTRE DORIVAL
TAVARES. ESTA CASA DO PAI SETA BRANCA SE ENCONTRA NA
CONDIÇÃO DE 1º ESTÁGIO (EM PROJEÇÃO). ABRIRÁ SUAS PORTAS
TODOS OS DOMINGOS NOS SEGUINTES HORÁRIOS: ÀS 09:45HS -
PALESTRA DOMINICAL E DESENVOLVIMENTO DE MÉDIUNS ÀS 16:00HS -
ABERTURA DOS TRABALHOS (MESA EVANGÉLICA, TRONOS
VERMELHOS, LINHA DE PASSES) SEJAM TODOS BEM-VINDOS! SALVE
DEUS!

A Imantração é um trabalho feito para desalojar


espíritos sofredores que se deixam ficar nas
colunas e paredes dos locais de trabalho, no
Templo, por não terem conseguido sua
completa elevação. É feita pelas falanges
missionárias, seguindo escala dos Mestres
Devas.
No Templo-Mãe, nos dias de Trabalho Oficial,
as ninfas missionárias – Sol e Lua - se reúnem,
às 16 horas, em frente ao Castelo dos Devas, e
vão até diante do Pai Seta Branca, onde abrem o
trabalho com a emissão do mantra “Divino Seta
Branca”, e começam a circular pelo interior do
Templo, passando por todos os setores de
trabalho, imantrando até, no mínimo, às 18
horas. Quando entrarem no recinto da Mesa
Evangélica, devem emitir o “Hino do
Sofredor”.
Para encerrar, reúnem-se novamente diante do
Pai Seta Branca, cantam o hino do “Divino Seta
Branca” e voltam, em corte, emitindo “Noite de
Paz”, até o Castelo dos Devas, onde, sob o
comando de um Devas Doutrinador, fazem a
incorporação dos Pretos Velhos, sem
comunicação, apenas para limpeza das
impregnações recolhidas durante a Imantração.
As falanges de Nityamas, Gregas, Mayas e
Magos devem participar do trabalho, qualquer
que seja a falange missionária escalada para a
Imantração.

Ritual do casamento (1)


Entrada dos Noivos

Do lado direito (lado da Linha de Passe) forma-se a corte do


noivo na seguinte ordem: Samaritanas, Príncipes, Dharman-Oxinto, as
demais falanges, o noivo (se quiser pode ir junto com a mãe), os padrinhos.
Do lado esquerdo forma-se a corte da noiva na seguinte ordem:
Samaritanas, Muruaicys, Nityamas, Gregas, Mayas, Magos, demais
falanges, Dama de Honra, Noiva (pode ser acompanhada pelo pai),
padrinhos.
Cortejo

O cortejo segue lentamente e cruzam em frente ao Pai Seta Branca,


caminham em direção à Pira onde fazem um novo cruzamento. Seguem
rente à mesa evangélica. Os noivos se posicionam neste local, mais no
rumo das pilastras. As cortes fazem alas nas laterais, os padrinhos ficam
atrás dos noivos, a dama de honra na frente da noiva, mas virada de lado.
Quando a Profetisa convidar a noiva para se espiritualizar e fazer o
juramento, uma ninfa lua vai descer do aledá e seguir até a noiva
convidando-a para acompanhá-la. Neste momento a dama de honra e os
padrinhos vão aguardar. A noiva segue a ninfa lua até o aledá.
Enquanto a Profetisa cobre o rosto da noiva e ela faz o juramento,
a recepção pede que Samaritanas, Muruaicys, Nityamas, Gregas, Mayas,
Magos formem uma pequena corte para aguardarem a noiva descer do
Aledá. A recepção coloca-se atrás desta corte a dama de honra e os
padrinhos, deixando um espaço para que a noiva entre atrás da dama de
honra.
A corte segue passando por dentro da Pira, em frente ao Cristo e
vai até o Pai Seta Branca, voltando à parte evangélica. Passam em frente o
aledá para voltarem a seus lugares. Neste momento a recepção deverá
observar que a noiva vai para o lado direito do noivo, os padrinhos da
noiva vão para trás dos padrinhos do noivo, e a dama de honra aguarda
em frente aos noivos, mas na posição lateral para não atrapalhar as
Samaritanas servirem o vinho.
Após tomarem o vinho o noivo segue o Príncipe que conduz a
espada e a noiva segue o Príncipe que conduz a bandeja do vinho. Vão para
o Aledá. Os padrinhos e a dama de honra aguardam.
Quando o casamento terminar em cima do Aledá, a recepção
observará que as cortes vão se unir, agora na ordem das falanges, a
recepção leva os padrinhos e dama de honra para trás da corte, deixando o
espaço para os noivos entrarem atrás da dama de honra.
A corte segue conduzindo os noivos até o castelo onde haverá a
incorporação do Mestre Acapu. Entram os noivos, padrinhos e dama de
honra. A corte aguarda o final deste ritual.
Quando os noivos saírem seguirão até o local onde assinarão o
livro de registro de casamento, junto com seus padrinhos.
Após a assinatura do livro os noivos são liberados. A corte
também.
Ritual do casamento (com hinos)
O casamento somente poderá ser realizado mediante a apresentação da xerox
da Certidão de Casamento.
Os noivos sendo pertencentes à Doutrina, deverão usar a fita.
Arrumação: No Aledá deverão ser colocados dois banquinhos para as bandejas
do vinho e da espada. Bandeja do vinho do lado do sol e da espada do lado da lua.
No Castelo onde for incorporar o Mestre Acapu, deverá ter uma mesa forrada
de branco, um pote de sal e um de perfume, uma rosa natural, a morsa de renda do
casamento. Ao redor da mesa não deverá ter nenhum ornamento que atrapalhe o
movimento dos noivos e padrinhos.

Participantes

Profetisa, Mestre Sacramento, Arcano ou Rama 2000, Ajanã preparado para


incorporar o Mestre Acapu, Ninfa Sol preparada para trabalhar com o Mestre Acapu,
Ninfas e Mestres das Falanges Missionárias sem capas nos faróis da Mesa Evangélica,
Mestres Devas para colocar os Hinos ou outro por ele escalado, Recepcionistas.

Preparação para o Ritual

Do lado direito do Templo (Linha de Passe)

Cortejo do noivo com as seguintes falanges: Samaritanas, Príncipes, Dharman-


Oxinto, as demais falanges, o noivo com a mãe ou não e os padrinhos.

Do lado esquerdo

Cortejo da noiva com as seguintes falanges: Samaritanas, Muruaicys,


Nityamas, Gregas, Mayas, Magos, demais falanges, Dama de Honra (se tiver), Noiva
com o pai ou não, padrinhos.

No Aledá

A Profetisa, Os Príncipes escalados para segurar as bandejas, as missionárias


Madalenas e Jaçanãs escaldas, ninfa lua e ninfa sol escaladas e o Mestre Sacaramento.

Quando todos estiverem em suas posições o mestre responsável pelos hinos coloca-os e
dá-se início ao ritual.
As cortes caminham lentamente em direção ao Pai Seta Branca onde fazem um
cruzamento e seguem para a Pira. Passando na Pira onde se faz a preparação as cortes
novamente fazem um cruzamento e entram na Parte Evangélica.
Na parte evangélica as cortes vão até o final da mesa (até os faróis direito e
esquerdo) e voltam. Seguem formando alas rente aos bancos de cimento. Neste
momento o noivo fica parado ao lado da Mesa, deixando um espaço para que a noiva
(quando for buscar o noivo) possa se colocar à sua direita. A noiva da mesma forma,
fica parada em frente a pilastra e sua Dama de Honra na frente.
Atrás dos noivos vêm seus padrinhos, atrás dos padrinhos os pais dos noivos.
Isto significa que se os pais tiverem acompanhado junto à noiva (o pai) o noivo (a mãe),
nesse momento deverão passar para o final da fila atrás dos padrinhos.

Param os hinos e a Profetisa começa a invocação:

“Salve Deus!
Oh! Jesus, venho em nome de Koatay 108 efetuar este casamento. Emissão.
Jesus, nesta bendita hora, eu _______________ no encargo desta
responsabilidade, te peço permissão para que possa eu ter o equilíbrio necessário no
desempenho deste ritual, e te peço Senhor, que o Ministro ________________ e demais
Ministros e Guias Missionárias, estejam presentes para nossa maior alegria e segurança.
E mais uma vez Senhor, te peço que ________________________ se faça
presente abençoando também esta união.
Salve Deus! Se houver alguém que possa impedir este casamento que fale
agora.
Salve Deus! Se houver alguém que possa impedir este casamento que fale
agora.
Salve Deus! Se houver alguém que possa impedir este casamento que fale agora,
ou cale-se para sempre.
Graças a Deus!
Salve Deus! Meus irmãos e meus Mestres.
Quis a vontade de Deus este casamento.
Mestre _________ e Ninfa __________ vão se casar.
É a hora bendita! Oh! Meu Deus do Amor!
É a união dos que se amam e vão se casar.
Jesus Divino e Amado Mestre, consagre este casamento, Jesus abençoa estes
que nos carreiros terrestres, nos laços de um destino cármico, vão se casar. Preparar
com amor outros espíritos para uma nova evolução. Pedimos Jesus, que não lhes faltem
as pérolas dos Anjos e dos Santos Espíritos.
Oh! Jesus! Eles vão se casar. ___________________ e __________________
vão se casar.
E os mantras dos grandes iniciados vão lhes casar.
Eu, nesta bendita hora de honra e guarda de ____________________ e
__________________, peço a ________________________________ que venha se
espiritualizar e dar provas a _________________________ de seu amor, afirmando-
lhe que será sua fiel companheira nesta jornada final, na alegria e na dor, na pobreza e
na riqueza”.

Neste momento a Profetisa irá entregar o manto à Ninfa Lua para que ela possa
descer do Aledá e ir buscar a noiva. Enquanto a Profetisa entrega o manto à Ninfa Lua,
uma pequena corte formada de Samaritanas, Muruaicys, Nityamas, Gregas, Mayas e
Magos vai se colocar à frente para esperar que a noiva desça do Aledá. Atrás dessa
pequena corte já deverá ser colocada a dama de honra, um espaço para a noiva e os
padrinhos da noiva.
A noiva acompanhará a Ninfa Lua até o Aledá, onde deverá subir com a ajuda
da missionária Jaçanã. Enquanto a noiva caminha a Profetisa emite o Pai Nosso. A
Profetisa cobrirá o rosto da noiva, pedirá para que faça a preparação e o juramento.
Após esta preparação, a noiva desce do Aledá com a ajuda da missionária Madalena e
entra atrás da Dama de Honra.
A corte segue passando pela Pira, e nesse momento a Profetisa diz:
_______________________ vivemos nossas heranças transcendentais nesse ritual
cigano. Vá em busca do seu noivo, convide-o para que venha se espiritualizar e prestar
juramento perante a Deus e os homens. Segue passando em frente ao Cristo e vai em
direção ao Pai Seta Branca.
Colocam os hinos. A Profetisa eleva as bandejas do vinho e da espada, e os
Príncipes descem do Aledá e se colocam na frente do noivo, virados de lado de maneira
que a noiva possa passar para se colocar à direita do noivo. As Samaritanas também
tomam a posição para servirem o sal, o perfume e o vinho aos noivos.
Quando a corte estiver de volta à parte evangélica, ela irá para sua posição
anterior. A noiva vai para a direita do noivo, e nesse momento a recepção deverá pedir
à dama de honra para ficar ao lado, e os padrinhos da noiva se colocarão atrás dos
padrinhos do noivo. As Samaritanas servem o perfume, o sal e o vinho aos noivos.
Retornam aos seus lugares. O Príncipe oferece a espada ao noivo. Então os Príncipes
irão voltar ao aledá. Neste momento a noiva acompanha o Príncipe do Vinho e o noivo
segue atrás do Príncipe da Espada. Os noivos no Aledá. Param os hinos.
O noivo eleva a espada e entrega para a Profetisa. O Mestre Sacramento pede
ao noivo para fazer sua preparação e o juramento. Depois descobre o rosto da noiva e
entrega o manto à Profetisa, em seguida beija a noiva e se colocam virados para o
Cristo. A Profetisa diz: “Deus! Oh! Grande Deus! Multiplique esta união, abençoa
aqueles que pela vontade de Jesus estão casados na Corrente Indiana do Espaço, na
presença de Mestre Sol e Mestre Lua. Salve Deus!” Colocam os hinos.
Após estas palavras da Profetisa a recepção deverá pedir para que as cortes se
unam em ordem das falanges, coloca a dama de honra, deixa os espaços para os noivos
e coloca os padrinhos e os pais. Na arrumação desta corte o vão onde os noivos
entrarão deverá ficar no rumo da escada.
Os noivos entram na corte e seguem para o Castelo onde estiver o Mestre
Acapu. Colocam os hinos e deixa tocar até o final do ritual. Lá chegando entram os
noivos, os padrinhos, a dama de honra, o Mestre Sacramento e a Profetisa. Um casal de
Ajanã e uma ninfa sol se estiverem autorizados pelo Adjunto para fazerem o
treinamento. A movimentação dos padrinhos e dama de honra neste momento da bênção
deverá ser orientada pelo mestre Sacramento.
A corte aguarda do lado de fora, formando alas para que os noivos passem no
meio, na sua saída do Castelo. Quando os noivos e padrinhos saírem do Castelo
seguirão para o local onde estiver o livro de registro para assiná-lo. A corte neste
momento poderá ir para a porta do Templo para parabenizar os noivos.

Observação: Os convidados deverão ficar dispostos nos bancos de pacientes que


ficam em frente à parte evangélica para terem melhor visibilidade do ritual. Não
poderão entrar na parte evangélica para filmar ou tirar fotos, para isto será
necessário um mestre ou ninfa da doutrina. O Castelo onde estiver incorporado o
Mestre Acapu não poderá ser filmado ou fotografado.