Anda di halaman 1dari 13

MARCELA REGINA CUNHA CARNEIRO

A eficácia das técnicas de vibrocompressão e tapotagem na


higiene brônquica: um estudo de revisão

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE


GO/CEAFI

2012
MARCELA REGINA CUNHA CARNEIRO

A eficácia das técnicas de vibrocompressão e tapotagem na


higiene brônquica: um estudo de revisão

TCCapresentado ao Curso de Pós-Graduação daPUC-


GO/CEAFI, para a obtenção do título dePós-graduada
na área de Cardiopulmonar e Terapia Intensiva.

Orientadora: Dra. Walkiria Shimoya

2012
A eficácia das técnicas de vibrocompressão e tapotagem na
higiene brônquica: um estudo de revisão
The effectiveness of the techniques of vibrocompression and tapotement in bronchial
hygiene: a review study

Marcela Regina Cunha Carneiro1, Walkiria Shimoya-Bittencourt2

RESUMO
Introdução: As manobras cinesioterapêuticas manuais são um conjunto de técnicas que
mobilizam e removem secreções.Algumas destas técnicas são a vibrocompressão e a
tapotagem. A vibrocompressão é uma técnica que consiste em posicionar as mãos sobre
a parede torácica, realizando oscilações durante a fase expiratória. No entanto, a
tapotagem é uma manobra realizada com as mãos em forma de concha e dedos aduzidos
de forma ritmada, proporcionando ondas de energia mecânica que são aplicadas na
parede torácica. Estas técnicas são indicadas para, fibrose cística, pneumonias,
atelectasias, DPOC, entre outros. Existem contraindicações, como, enfisema subcutâneo,
contusões pulmonares, osteoporose e hemorragia. Entretanto, ocorre uma falta de
padronização para a utilização destas técnicas. Objetivo: O objetivo deste trabalho foi
discutir a eficácia destas técnicas na mobilização e remoção das secreções pulmonares e
revisar as indicações e contraindicações das mesmas. Materiais e métodos: O trabalho
consistiu de uma revisão bibliográfica. Foram utilizadas como fonte de busca, livros,
bases de dados eletrônicos, como: BDTD (Biblioteca Digital De Teses e Dissertações),e
a Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme), Compreendendo o período de 1991 a 2012. Em
relação ao idioma foram encontrados na língua inglesa e portuguesa. Foram utilizadas
como fonte livros. Resultados e discussão: Ao final da pesquisa bibliográfica realizada,
observou-se que estas técnicas, foram descritas na literatura, entretanto, existe poucas
evidências cientificas quanto à eficácia das mesmas. Conclusão: Conclui-se que é
primordial a avaliação crítica dos pacientes, de modo que possa escolher a técnica mais
adequada e eficaz para cada indivíduo.

Palavras-Chave:
Vibrocompressão, Tapotagem, Indicação e Contra- indicação.
Abstract

Introduction: The maneuverskinesiotherapeuticmanuals areaset of techniquesthat


mobilizeand removesecretions. Some of thesetechniques
arevibrocompressionandtapping. Thevibrocompressionisatechnique that
involvesplacinghands onthe chest wall, performing oscillationsduring the expiratory
phase. However, thetappingis a maneuverperformed with the
handscuppedandraisedfingersrhythmically, providing mechanicalenergy wavesthat are
appliedto the chest wall. These techniquesare indicated forcystic fibrosis,pneumonia,
atelectasis, COPD, among others.There arecontraindications, such as subcutaneous
emphysema, pulmonary contusions, bleedingandosteoporosis. However, there is a lack
of standardizationfor the useof these techniques.Objective: Theobjective of this
studywas to discussthe effectivenessof these techniquesin the mobilization andremoval
ofpulmonary secretionsand reviewthe indications andcontraindicationsof the same.
Materials andmethods: The study consisted ofaliterature review. Were usedas a source
ofsearch,books, electronic databases, such as: BDTD(Digital Library of Theses
andDissertations), andVirtual Health Library(BIREME), Understandingthe period1991
to 2012. In relationto the languagefoundinEnglish and Portuguese. Were used as
sourcebooks.Results anddiscussion:At the endof theliterature search was undertaken, it
was observed thatthese techniquesweredescribedin the literature, however, there is
littlescientific evidenceregardingtheir effectiveness. Conclusion: We conclude that it is
crucialtocritical evaluation of thepatients, so that you can choosethe most
appropriateand effectivefor eachindividual.

Keywords:
VibrocompressionTapotement, indicationandcontraindication.
________________________________________________________
Dados dos autores:
Marcela Regina Cunha Carneiro1; Walkiria Shimoya-Bittencourt2
1
Fisioterapeuta e Pós Graduando em Fisioterapia cardiopulmonar e terapia intensiva
pela PUC-GO/CEAFI
2
Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. Docente do
CEAFI.
5
INTRODUÇÃO

O aparelho respiratório está frequentemente exposto a diversos fatores lesivos


que podem ocasionar importantes alterações, desde o mecanismo de controle da
respiração, sua mecânica, funções das trocas gasosas e de suas funções metabólicas,
levando o paciente a um quadro de sofrimento e de dor. Para que haja uma depuração
normal das vias aéreas são necessárias uma atividade mucociliar funcional e uma tosse
[1].
eficaz A fisioterapia esta inserida na área da saúde como uma ciência que dispõe de
métodos e técnicas direcionadas a aprimorar, conservar e restaurar as capacidades
físicas de um indivíduo. Nas diversas áreas de atuação, a fisioterapia respiratória obteve
uma ampla expressão, principalmente em pacientes submetidos a grandes intervenções
cirúrgicas. A fisioterapia não atua diretamente sobre o processo patológico, e sim no
nível das limitações e incapacidades aumentando a independência e consequentemente a
capacidade respiratória [1].
O fisioterapeuta praticamente faz de suas mãos seu instrumento de trabalho,
pensando nisso, as técnicas manuais o acompanham. Para que estas técnicas sejam
aplicadas de maneira correta e eficaz, faz-se necessário uma boa avaliação do paciente,
pois cada técnica tem seus objetivos, suas indicações e contra indicações, e acima de
tudo as técnicas devem ser executadas da maneira correta para que haja resultados
significativos [2].
As manobras cinesioterapêuticas manuais ou manobras de higiene brônquica são
termos utilizados para denotar um conjunto de técnicas fisioterapêuticas não invasivas,
[2,3].
que têm como principais objetivos o desprendimento e a mobilização de secreções
Essas manobras favorecem o desprendimento das secreções desde os segmentos bronco-
pulmonares distais até os grandes brônquios, para uma melhor expulsão, promovendo a
limpeza das vias aéreas respiratórias e melhora da troca gasosa, além de prevenir e
minimizar complicações decorrentes das pneumopatias[3,4,5]. São, também, indicadas
para pacientes com volume de secreção pulmonar acima de 30 ml ao dia, doença aguda
com produção de secreção, insuficiência respiratória aguda com sinais clínicos de
[6].
secreção retida, atelectasia lobar aguda e anormalidades da ventilação e perfusão
Essas técnicas geralmente incluem vibrocompressão, percussão e a drenagem postural[7]
6

Alguns autores descrevem várias maneiras a aplicação da manobra de


vibrocompressão. De acordo com Garcia e Nicolau [8], consiste em posicionar as mãos
sobre a parede torácica, realizando oscilações intermitentes associados à compressão
vigorosa durante a fase expiratória.
[9]
Entretanto, Carvalho et al. ,descreve que esta técnica é uma contração
isométrica repetida do ombro e cotovelo realizada sobre a parede do tórax, durante a
fase expiratória, em uma frequência de 12 a 16 Hz, podendo ser associado a
compressão. Por sua vez, Ferreira et al.[10] relata que a vibrocompressão consiste em
colocar uma mão sobre a outra na área envolvida do tórax do paciente, após o paciente
inspirar profundamente, ou seja, é realizada uma pressão discreta e moderada sobre a
parede do tórax, iniciando um movimento vibratório rápido da mão durante a expiração,
aplicando ao mesmo tempo uma compressão torácica, que deve ser realizada no sentido
e direção oposta ao movimento de expansão torácica..
O objetivo da técnica de vibrocompressão é promover o descolamento das
secreções das vias aéreas periféricas para as vias aéreas centrais por meio do
tixotropismo gerando um aumento do transporte mucociliar[11].
Segundo Taniguchi e Pinheiro [12], a vibrocompressão é indicada para paciente
com hipersecreção, fibrose cística, pneumonias, atelectasias, DPOC, entre outros.
Pryor e Webber [13] descrevem que, a vibrocompressão está contra indicada em
casos de enfisema subcutâneo, contusões pulmonares, osteoporose e
osteomelitescondrais, marcapasso subcutâneo e hemorragia pulmonar. Kopelmamet
al.[14] descreve ainda que, apesar de ser considerada uma técnica segura, ela esta contra -
indicada em bebês que apresentam aumento do desconforto respiratório e irritabilidade
durante o procedimento, em presença de enfisema intersticial pulmonar, pneumotórax
não drenado , hemorragia pulmonar e fratura de costela.. Para Sarmento et al. [15]
a
vibrocompressão é contra -indicada na presença de algumas patologias como: osteoporose,
enfisema subcutâneo e instabilidade torácica. Possui ainda uma dificuldade na aplicação em
situações clínicas como obesidade e deformidades torácicas.
A percussão ou tapotagem pode ser definida como qualquer manobra realizada
com as mãos em forma de concha ou ventosa, obtida mediante uma concavidade palmar
para baixo e os dedos aduzidos de forma ritmada ou compassada, sobre um instrumento
7

ou corpo qualquer, proporcionando ondas de energia mecânica que são aplicadas na


parede torácica e transmitidas aos pulmões [6].
O objetivo da percussão torácica é mobilizar a secreção pulmonar, facilitando
sua condução para uma região superior da árvore brônquica, promovendo a
eliminação[6]. A secreção é despregada devido à ação das ondas mecânicas produzidas
pela mão percussora [16].
Acredita-se que a obesidade diminui a eficácia da percussão, do mesmo modo
que as ataduras ou toalhas. Os curativos cirúrgicos ou do dreno torácico devem ser
mínimos para permitir a percussão apropriada e diminuir o efeito de proteção que
[17,18].
exercem sobre a parede do tórax Grayet al.[19]defende a teoria de que a percussão
produz apenas de 1 a 2kg de força sobre a parede torácica, podendo, assim, ser realizada
inclusive sobrem fraturas de costelas. Porém, esta teoria não recebe apoio pela maioria
dos autores, uma vez que durante a aplicação da manobra o paciente não deve sentir
dor, e o movimento golpeador da percussão não deve ser feito com muita força [17].
Nesse sentido, fica claro que apesar das variadas técnicas descritas na literatura,
não há um consenso sobre o uso das técnicas de vibrocompressão e a tapotagem.
O objetivo deste trabalho foi discutir a eficácia das técnicas de tapotagem e
vibrocompressão na mobilização e remoção das secreções pulmonares e revisar as
indicações e contraindicações das mesmas.

MATERIAL E MÉTODO

O trabalho consistiu de uma revisão bibliográfica, sobre as indicações e contra-


indicações das técnicas da fisioterapia respiratória, incluindo a tapotagem e a
vibrocompressão, investigando se existe eficácia na mobilização e no auxílio da
remoção de secreções nestas técnicas. Foram utilizadas como fonte de busca, livros,
bases de dados eletrônicos,como, a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) e
a Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme), compreendendo o período de 1991 a 2012, na
língua inglesa e portuguesa, com as palavras-chaves, tapotagem, vibrocompressão,
indicação e contra-indicação.
8

Foram excluídos da pesquisa, todos os artigos científicos e livros datados antes


1991 e incluídos na pesquisa estudos realizados em adultos, relacionado ao tema
estudado.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

Foram encontrados na busca, trinta e três livros referentes ao tema do estudo.


Em relação ao idioma os livros utilizados eram oito na língua inglesa e vinte e cinco em
português.
Ao final da pesquisa bibliográfica realizada, observou-se que estas técnicas,
foram descritas na literatura, entretanto, existe poucas evidências cientificas quanto à
eficácia das mesmas, assim dificulta a escolha da técnica mais adequada pelo
fisioterapeuta nas afecções pulmonares. Contudo, alguns autores encontrados
apresentavam ponto de vista semelhante, quanto às indicações e contraindicações.
Para Kopelmanet al[14], a vibrocompressão possui um efeito positivo que se baseia
na propriedade tixotrópica do muco, que se liquefaz quando submetido a constante agitação.
Portanto, conclui-se que a alta frequência transmitida aos tecidos pulmonares pode por meio
da vibração, modifica suas características físicas facilitando a mobilização das secreções
pela árvore traqueobrônquica.
Robson et al .[20] relata que, a manobra de vibrocompressão de modo isolado não
apresenta resultados em muitos dos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva
que estão na ventilação mecânica. Nesse caso, faz-se necessário o uso de técnicas de
incremento do fluxo expiratório, como hiperinsuflação manual com a bolsa de reanimação
ou alteração de parâmetros ventilatórios.
Segundo Cuello et al [5],a vibrocompressão apresenta uma maior efetividade quando
realizada na região anterior da parede torácica
No estudo de Lanza et al [21],participaram 19 crianças menores de 2 anos, com
quadro clínico e laboratorial de bronquiolite viral aguda. As crianças foram divididas
em 3 grupos: Grupo VC+DP (vibrocompressão associada a drenagem postural), Grupo
TAP + DP (tapotagem associada a drenagem postural) e Grupo ASP (aspiração). O
conjunto de técnicas foi realizado por 5 minutos em cada decúbito (lateral direito e
esquerdo selecionado de forma aleatória). Como resultado, não houve diferenças
significantes da FC e FR entre os três grupos, e nem redução de SpO2 nos
9

grupos TAP+DP e ASP. As técnicas de fisioterapia respiratória como a


vibrocompressão ou tapotagem, associadas à drenagem postural, determinou redução do
desconforto respiratório, maior eliminação de secreção e melhora da ausculta pulmonar.
Para Costa et al.[22] a tapotagem é uma técnica eficaz (quando feita corretamente
e associada a outras técnicas) para a higiene brônquica e tem como objetivo deslocar as
secreções que estão aderidas aos pulmões. Dentre as contra indicações da técnica têm-
se: aplicação direta na pele, paciente apresentando ruídos sibilares exacerbados,
dispneia, crise asmática, edema agudo do pulmão, pós-cirúrgicos em menos de uma
hora de refeição, fraturas de costelas, cardiopatas grave.
A literatura mostra que a percussão manual, aumenta a pressão intratorácica,
porém a correlação entre este aumento de pressão e a limpeza das vias aéreas ainda não
[23]. [24,25]
foram constatadas Campbell e Wolmmer evidenciaram um aumento na
obstrução do fluxo de ar quando a tapotagem era realizada. Contudo, outros estudos
não mostraram nenhum aumento [26-27]. No estudo realizado por Falk e Mc Donnel[28,29],
Mostrou-se também, que percussão do tórax acarretaria uma hipoxemia. Porém, curtos
períodos de tapotagem (< 30s) usados em combinação com três ou quatro exercícios de
expansão torácica não levaria a nenhuma queda no nível de saturação de oxigênio [30].
[31,32]
Gallon e Thomas revisaram a literatura relativa à percussão manual e
concluíram que existe uma razão e um espaço para a utilização da percussão, porém a
evidência não é conclusiva.
A meta-análise realizada por Thomas et al.[33] em pacientes portadores de fibrose
cística concluiu que a combinação entre o tratamento padrão e o uso de percussão,
drenagem postural e vibração pulmonar resultou em aumento significativo da
expectoração durante o tratamento. Não foram observadas diferenças entre o tratamento
padrão e outros métodos de tratamento.
Gallonet al.[34] comparou, em seu estudo, a eficácia de dois tipos de percussão
manual (percussão de forma rápida com as duas mãos e lenta com uma mão) associados
à drenagem postural, exercícios respiratórios e técnica da expiração forçada em
pacientes com grande produção de muco. Nesse estudo foram realizados os testes de
função pulmonar e mensurados o nível de saturação de oxigênio e a quantidade de
secreção produzida. Após análises dos resultados, chegou-se à conclusão de que a
percussão manual realizada de forma rápida com as duas mãos associada as outras
10

técnicas proporcionou maior mobilização da secreção, não causou obstrução ou reduziu


a saturação de oxigênio pela associação dos exercícios respiratórios e a técnica da
expiração forçada.
[35]
Nelliet. al. analisou prontuários de 80 pacientes da UTI do hospital de
anomalias cranioencefálicas em São Paulo, observou que pacientes submetidos a
fisioterapia respiratória, na qual a tapotagem estava associada a outras técnicas manuais
(vibração e terapia respiratória manual passiva) estes pacientes obtiveram melhora no
quadro de desconforto respiratório.
[36]
De acordo com Azeredo et al. a tapotagem é uma técnica que está sendo
gradativamente posta em desuso.
Na maioria das vezes, esses recursos são somente citados, talvez por se tratarem
de técnicas exclusivamente manuais e exigirem muito mais da experiência pratica de
quem se aplica do que de sua própria fundamentação cientifica e bases
anatomofisiologicas [36].

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As técnicas manuais na fisioterapia respiratória são amplamente empregadas nos


distúrbios respiratórios, principalmente nos casos de acúmulo de secreção. No entanto, é
primordial a avaliação crítica dos pacientes para identificação das características de
cada doença, de modo que se possa proporcionar um tratamento adequado e eficaz a
cada indivíduo. Constata-se também que não há um consenso literário quanto às
técnicas de vibrocompressão e tapotagem, de modo que, deve ser feito a realização de
estudos com maior rigor metodológico, com o objetivo de escolher a técnica mais eficaz
no tratamento de afecções pulmonares.
BIBLIOGRAFIA

1- Chaves, L.J. Tratamento fisioterapêutico e monitoramento da evolução de


Pacientes com esclerose múltipla: relato de experiência. Disponível em:
<http://www.fisionet.com.br/monografias/interna.asp?cod=19>. Acesso em: 24
Jan. 2012.

2- Scallan Cl, MyslinskiMj. Terapia de higiene brônquica. In: Scanlan CL, Wilkins
RL, Stoller JK.Fundamentos da terapia respiratória de Egan. 7a.ed. São Paulo:
Manole; 2000.

3- MellinsRB. Pulmonary physiotherapy in pediatric age group. Am RevRespir Dis


1991; pg:137-42
.
4- Knobel E. Condutas no paciente grave. 2a.ed. São Paulo: Atheneu; 1998.

5- Cuello A. F . In: Broncobstruçao. Editorial Selka 1991.

6- Mayer AF, Cardoso F, Velloso M, Ramos R. Fisioterapia respiratória. In:.


Doenças pulmonares. 5a.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.p.536-8.

7- McCarren B, Alison JA. Physiological effects of vibration in subjects with cystic


fibrosis. EurRespir J.2006; 27(6):1204-9
.

8- Garcia, J. M; Nicolau, C. M. Assistência fisioterápica aos recém-nascidos do


berçário anexo à maternidade do Hospital das Clínicas da Universidade de São
Paulo.Revista deFisioterapia da Universidade de São Paulo, v. 3, n. 1/2, p. 38-46,
jan./dez.2000.
9- Carvalho, M. Fisioterapia Respiratória. Rio de Janeiro: Revista internacional.
2001.

10- Ferreira, A. C. Fisioterapia convencional no tratamento da pneumonia


comunitária: estudo de caso. Minas Gerais, 2005.

11- Presto, B., L. D. de N. Fisioterapia respiratória: uma nova visão. 2° ed.Rio de


Janeiro: BP, 2005.

12- Taniguchi, L N. T.; Pinheiro, A. P. A. Particularidades do atendimento ao


paciente em pós - operatório de cirurgia cardíaca. In: Regenga, Marisa de
Moraes.Fisioterapia em cardiologia: da UTI à reabilitação. São Paulo: Roca,
2000.

13- Pryor, J. A.; Webber, B. A. Fisioterapia para problemas respiratórios e cardíacos.


2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

14- Kopleman, B.; Myoshi M.; Guinsburg, R. Distúrbios respiratórios no período


neonatal. 1. ed. Belo Horizonte: Atheneu, 1998.
15- Sarmento G. Fisioterapia em UTI:Avaliação e Procedimentos. São
Paulo:Atheneu, 2006

16- Down AM. Clinical application of airway clearance techniques. In: Frownfelter
DL, Dean E. Principles andpractice of cardiopulmonary physical therapy. 3rd
ed.St. Louis. Mosby; 1996.

17- Imle PC. Percussão e vibração. In: MacKenzie CF, Ciesla N. Fisioterapia
respiratória em unidade de terapia intensiva. São Paulo: Panamericana;1990.
p.89-98.

18- Falling JL. Pulmonary rehabilitation: physical modalities. Clin Chest Med. 1991;
4(7):599-617.

19- Gray L. Fatal pulmonary hemorrage [letter]. Phys Ther.1991; 60(3):343-4.

20- Robson WP.To bag or not bag? Manual hyperinflation in intensive care.
Intensive Crit Care Nurs 1998; 14; 239-243.

21- Lanza, F.D.C.Fisioterapia respiratória em lactentes com bronquiolite: realizar ou


não? O Mundo da Saúde São Paulo: 2008: abr/jun32(2):183-188.

22- Costa, D. Fisioterapia respiratória básica. São Paulo: Livraria Atheneu, 1999

23- . Flower KA, Eden RI, Lomax L, Mann NM, Burgess J. Novo auxílio Mecânico
para a fisioterapia da fibrose cística. BJM 1990; 42: 219-277.

24- Campbell AH, O'Connel JM, wilson F. O efeito da fisioterapia respiratória sobre
o FEV1 em bronquite crônica. Med J Aust 1991; 1: 33-35.

25- Wolmmer P, Ursing K, Midgren B, Erickson L. A ineficiência da percussão do


tórax na fisioterapia de bronquite crônica. Eur. J Respir Dis 1991; 66: 233-239.

26- Pryor JA, Webber BA. Uma avaliação da técnica de expiração forçada como um
coadjuvante da drenagem postural Physioterapy 1999; 65: 304-307.

27- Gallon A. Avaliação da percussão do tórax em tratamento de pacientes com


produção excessiva de escarro. Respir Med 1991; 85: 45-51.

28- Falk M, Keltrup M, Anderson JB e outros. Melhorando o método da garrafa de


ketchup com pressão expiratória positiva, PEP, em fibrose cística. Eur. J Respir
1994; 65: 423-432.

29- McDonnel T, MC Nicholas WT, Fitz Gerald MX. Hipoxemia durante fisioterapia
respiratória em pacientes com fibrose cística. Ir J Med Sci 1994; 155: 345-348.

30- . Pryor JA, Webber BA, Hodson ME, O efeito da fisioterapia respiratória na
saturação do oxigênio em pacientes com fibrose cística. Thorax 1991; 45: 77.
.
31- Gallon A. O uso da percussão. Physioterapy 1992; 78: 85-89.
32- Thomas J, DeHueck A, Kleiner M, Newton J, Crowe J, Mahler S. Vibrar ou não
vibrar: a inutilidade do vibrador mecânico para a limpeza de secreções
brônquicas. Physioterapy Can 1995; 47: 120-125.

33- Thomas J, Cook DJ, Brooks D. Chest physical therapymanagement of patients


with cystic fibrosis: a meta--analysis. Am J RespirCrit Care Med. 1995; 151(3
p.1): 46-50.

34- Gallon A. Evaluation of chest percussion in thetreatment of patients with copious


sputum production. Respir Med. 1991; 85(1):45-51.

35- Nelli, Eloisa Aparecida; Poloni, Ana Beatriz de Lima; Bonilha, Carolise;
Trindade Junior, Alceu Sergio. Incidência de patologia respiratória em portadores
de refluxo gastroesofágico. Fisioter. Bras; 7(2):87-89, mar.-abr. 2006.

36-Azeredo C. A. C. Fisioterapia respiratória no hospital geral: expansão,reexpansão,


recrutamento alveolar. São Paulo: Manole, 2000. 476 p