Anda di halaman 1dari 4

História da Cultura e das Artes I

Profª Marta Esteves

AS FORMAS TARDIAS DO CANTO GREGORIANO


• Uma vez que em toda a Cristandade o repertório era obrigatoriamente o mesmo, os compositores
tentaram inovar sem transgredir as regras, daí o aparecimento de novas formas musicais que mais
não são que manifestações da inovação dos músicos medievais perante o canto oficial.
• Estas formas surgem no século IX e vão-se desenvolver até mais tarde tornando-se importantes
por terem aberto novos caminhos aos músicos e compositores da época. São elas:
o Tropos
o Sequências
o Dramas Litúrgicos

TROPO

• O nome vem da palavra Tropare (= compor, procurar, inventar) e consiste em fazer acrescentos de
textos ou de melodias a uma peça de canto gregoriano já existente.
• Começaram por ser praticados no mosteiro de Jumiéges na Bretanha (França) mas foram os
mosteiros de St.Gall na Suiça e St.Martial de Limoges na França que mais contribuíram para o
reportório dos Tropos. Os seus livreiros e bibliotecários sempre zelaram, preservaram e colecionaram
os seus manuscritos, de tal modo que, em St.Gall foram encontrados cerca de 850 Tropos num
Antifonário.
• Todos os tropos têm em comum um objetivo:
aumentar o tamanho dos cânticos litúrgicos de forma a
destacar a solenidade das festas e da Missa. Era na
Missa que o faziam com maior elaboração, sendo que o
Credo era o único item que nunca era tropado. Também
se faziam tropos nos cânticos do Ofício.
• Os tropos apresentam-se em diferentes estilos
musicais e diferentes modos de composição e a sua
prática tornou-se muito popular. Rapidamente se
desenvolvem noutros países como a Itália e a Inglaterra.
 Estas adições tardias ao repertório da época
mostram ideias artísticas novas e novos procedimentos
de composição.
 Há que referir que em 1563, o Concílio de Trento
decretou que a liturgia devia ser restaurada o mais
possível até à sua forma original e, em resultado disso
todos os tropos foram abolidos e apagados dos livros.
 Durante muito tempo pensou-se que o que tinha
sido abolido eram coisas sem importância mas mais
tarde, conseguiu-se saber o suficiente para dar a esta música um enorme mérito artístico e histórico.
Ainda hoje os monges de Solesmes tentam restaurar essas melodias.

20
•Assim, podemos encontrar 3 tipos:
o Tropo musical – adição melódica ou melismática com fins ornamentais.
o Tropo textual – adição de textos a cânticos, aplicando-os silabicamente a uma melodia
existente.
o Tropo textual-musical – as novas frases de texto e música são acrescentadas antes do cântico
ou entre as frases deste. Ex: Kyrie, fons bonitatis, pater ingenite, a quo bona cuncta procedut,
Eleison.

SEQUÊNCIA

• Não se sabe a origem das sequências mas sabe-se que antes do Mosteiro de St.Jumiéges ser
saqueado pelos Normandos em 862, um dos monges conseguiu fugir para St.Gall levando com ele um
antifonário, onde novos versos eram adaptados a longas melodias dos Alleluias. Já em St.Gall, Notker
Balbulus, monge, professor e poeta, parece ter gostado desta nova forma e começou ele próprio a
escrever vários textos e sequências.
• Assim, a sequência consiste numa outra espécie de Tropo, neste caso, é feito um acrescento de
um texto novo ao melisma da última sílaba do Alleluia, a que se dá o nome de Jubilus.
• Esta sequência era feita na Missa e ouvia-se na repetição do Alleluia.

21
• Acabou por se tornar uma composição independente, tanto textual como musicalmente.
• Na Idade Média e no início do Renascimento foram compostas cerca de 4500 sequências, o que
mostra o entusiasmo dos compositores e o abuso no uso desta forma.

• Tal como aconteceu com os Tropos, no Concílio de Trento as sequências foram todas abolidas à
excepção de 4:
o Victimae Paschali (Páscoa)
o Veni Sancte Spiritus (Pentecostes)
o Lauda Sion (Corpo de Deus)
o Dies Irae (Defuntos)
• Mais tarde, em 1727, foi introduzida mais uma:
o Stabat Mater

DRAMA LITÚRGICO

• Surge no séc.X em St.Gall, St.Martial e Fleury e é a


primeira forma de teatro medieval que se conhece. Estas
peças em forma de diálogo começaram a ser dramatizadas
com encenações e tornaram-se quase peças de teatro
religioso.
• Faziam-se a partir do Introito da Páscoa e do Natal, onde
se desenrolavam diálogos cantados que utilizavam tropos
melódicos e textuais.

22
• Estes dramas musicais, depressa se transformaram em peças teatrais maiores, o que levou as
autoridades a regulamentarem o seu uso na liturgia.
• Este conceito acabaria por se desenvolver também fora da igreja com novas formas de encenação
musical e com nomes como:
o Mistérios – dramas da Paixão de Cristo.
o Peças – representações sagradas ou profanas.
o Milagres – representações de milagres.

23