Anda di halaman 1dari 15

O Preço de um Bem – noção e componentes

 Um bem é útil quando satisfaz uma necessidade.


 De acordo com a utilidade de um bem, esse bem terá maior ou menor valor.

O preço de um bem ou serviço é a medida do seu valor expresso em unidades monetárias.

I. Um dos aspetos que influencia o preço de um bem ou serviço diz respeito ao número de
compradores que o desejam adquirir, a cada momento. Assim:

 Um número reduzido de vendedores a venderem um bem perante um nº elevado de


compradores interessados nesse bem, fará com que o seu preço aumente.

 Se existe um nº elevado de vendedores a querer vender o seu bem e um nº reduzido


de compradores a quererem comprá-lo, então o seu preço vai diminuir.

II. Outro fator que influencia o preço de um bem é a relação que existe entre ele e o custo de
produção do bem. Assim:

 De acordo com os elementos que entraram no processo de produção do produto em


causa, chegaremos a um valor a que chamamos custo de produção. Daqui, o
empresário vai determinar o preço de venda, não esquecendo que tem que retirar o
lucro, pois só assim terá a sua margem de lucro:

LUCRO = PREÇO DE VENDA – PREÇO DE CUSTO

A Inflação – noção e medida

Como vimos anteriormente, o preço de um bem pode depender:

 Do número de vendedores e/ou de compradores;


 Da quantidade disponível desse bem (escassez):
 Do seu custo de produção.

① No entanto, sabemos também que os preços dos bens não se mantêm ao longo do ano,
podendo até haver oscilações importantes  são variações sazonais.

② Também, de ano para ano, os preços variam e nos casos dos produtos agrícolas, por
exemplo, isso tem a ver com as más ou boas colheitas devido ao estado do tempo  são
alterações que decorrem no normal funcionamento da economia.
③ Mas há alterações dos preços que não se inserem nos casos anteriores. Por vezes, verifica-
se uma subida generalizada dos preços dos bens e serviços, independentemente da época do
ano ou do tipo de bem ou serviço. Neste caso, estaremos perante o fenómeno de inflação.

INFLAÇÃO: subida contínua e generalizada dos preços dos bens e serviços.

Causas da inflação:

O aumento da procura: por vezes, no mercado, verifica-se um desajustamento entre a


oferta1 e a procura2 que pode ficar a dever-se:
 A um aumento da procura, sem que a oferta se altere (procura > oferta) e isto porque
as famílias aumentam o seu consumo por vários motivos, como até pelo facto de
obterem mais rendimentos e a oferta não acompanha esta procura devido à capacidade de
produção existente.
 A uma contração da oferta provocada por uma situação de crise económica.

Em qualquer dos casos existe um excesso de procura relativamente à oferta, o que leva a uma
subida dos preços (procura > oferta =  preços).

 O aumento dos custos de produção: neste caso, a inflação é explicada pelo facto de
aumentarem alguns ou algum dos custos de produção.
É o caso do aumento do preço das matérias-primas essenciais à produção, como o
caso do petróleo. Também os salários podem explicar a inflação, neste caso.

Perante uma subida dos custos de produção, o empresário vai fazer repercutir esses custos no
preço de venda de modo a manter a margem de lucro ( preços).

1
Quantidade de bens e serviços que os produtores estão dispostos a colocar no mercado, a um
determinado preço.
2
Quantidade de bens e serviços que os consumidores estão dispostos a comprar, a um determinado
preço.
Desinflação, Deflação e Estagflação

Desinflação: traduz a desaceleração do ritmo de crescimento da generalidade dos preços.

Deflação: descida generalizada e contínua dos preços dos bens e serviços (há uma redução da
procura, da produção e do emprego).

Estagflação: acontece quando uma situação de inflação é acompanhada por uma situação de
estagnação económica.

- O crescimento económico abranda;


Os preços - O investimento cresce menos;
continuam a subir - Diminui o consumo;
- Diminuem as exportações;
- Diminui a produção.

Consequências da Inflação

1. Depreciação do valor da moeda

À medida que os preços aumentam o consumidor, com o mesmo dinheiro, compra cada vez
menos produtos. Então podemos dizer que a moeda vale cada vez menos, isto é, existe uma
depreciação do seu valor.

2. Depreciação do poder de compra3

Se o rendimento das famílias se mantiver e os preços aumentarem, dando origem a um


processo inflacionista, então verifica-se a deterioração do poder de compra, o que significa
que, com o mesmo rendimento, as famílias satisfazem cada vez menos necessidades.

De um modo geral, a inflação provoca a deterioração das condições de vida e isto faz-se sentir
de modo particular naqueles que recebem rendimentos fixos (rendas, pensões), dada a não
valorização progressiva dos seus rendimentos.

3
Quantidade de bens e serviços que uma família pode adquirir com o seu rendimento.
Índice de Preços no Consumidor

 Índice de Preços: é uma forma de expressar as variações do valor da moeda, estabelecendo


uma relação entre os preços dos bens, verificados em momentos diferentes.

I ano xano base= Preço do bem no ano xPreço do bem no ano base ×100

Exemplo: se considerarmos que um certo bem custava, em 2002, 220€, tendo por base o ano anterior
no qual custava apenas 200€, calcule o IP deste bem.

I 20022001= 220200 ×100 =110 Significa que, de 2001 para 2002, o preço
deste bem sofreu uma variação (aumento)
de 10% (110-100)

 Índice de Preços no Consumidor (IPC): é também uma forma de medir a inflação. O cálculo
da variação deste cabaz de bens traduz uma elevação ou não do custo de vida da população.

IPC ano xano base= Preço do cabaz de bens no ano xPreço do cabaz de bens no ano base
×100

Exemplo: se, no país X, o cabaz custava, em 2002, 1500€ e, em 2001, apenas 1400€, calcule o IPC de
2002 relativamente a 2001.
Significa que, em 2002, o consumidor tinha
IPC 20012002= 15001400 ×100 =107,1
de gastar 107,1€ para obter os mesmos
bens e serviços que em 2001 obtinha por
100€.

O IPC permite:

1. Que o Governo avalie a política de preços;


2. Calcular o consumo das famílias em termos reais;
3. Negociar contratos de trabalho com os sindicatos indexando aos salários o valor da
inflação;
4. Indexar as pensões de reforma ao valor da inflação;
5. Medir a competitividade da economia;
6. Calcular a inflação.

Taxa de Inflação
 A Taxa de Inflação e o IPC são frequentemente tomados como sinónimos:

IPC = 102  TI = 2% (102-100)

 Taxa de inflação homóloga – quando se compara a taxa de inflação de um mês com o


mesmo mês do ano anterior.
 Taxa média de inflação – determina-se através da média aritmética simples das
últimas doze taxas homólogas.
 Taxa de inflação mensal – compara a taxa de inflação de um mês com o valor
observado no mês anterior.

 NOTA 

Nível de vida Custo de vida

É determinado pelo conjunto de bens e Depende do nível geral dos preços.


serviços que um Determina
indivíduo pode igualmente o poder
obter com o seu rendimento. Associa-se ao de compra mas depende apenas da
poder de compra. variação dos preços.

RENDIMENTO PREÇOS

I. Se o custo de vida aumentar sem que o rendimento acompanhe este aumento,


verificar-se-á uma diminuição do nível de vida dos indivíduos.

II. O aumento do custo de vida acompanhado por um aumento superior do rendimento,


permitirá aos indivíduos elevar o nível de vida.
Mercados

Mercado: é a situação ideal onde se confrontam as intenções de produção dos produtores e as


solicitações dos consumidores, de que resulta o “preço de mercado” para aquele bem.

No mercado, compatibiliza-se a oferta e a procura de um bem, para um certo preço.

O Mecanismo de Mercado

1. A Procura e a Lei da Procura

 A procura individual representa as intenções de compra de cada consumidor para


cada preço.
 A procura agregada ou coletiva resulta do somatório das procuras individuais.

PROCURA: conjunto de bens e serviços que os consumidores estão dispostos a comprar aos
diferentes preços, “ceteris paribus”.

Lei da Procura – a quantidade procurada de um bem varia na


razão inversa do respetivo preço, “ceteris paribus”.

Por exemplo:

PREÇO QUANTIDADE
(€) (toneladas)
5 500
10 360
15 240
20 160
 Neste gráfico relacionamos a quantidade procurada em função dos respetivos preços.
No entanto, há outros fatores que determinam as quantidades procuradas, tais como:

 O rendimento dos consumidores


 Os gostos dos consumidores
 Os preços dos bens sucedâneos ou complementares
 A publicidade…  “ceteris paribus”

Se o rendimento diminui: Se o rendimento aumenta:

2. A Oferta e a Lei da Oferta

 Também aqui podemos distinguir a oferta individual da oferta agregada – representa


o comportamento global dos produtores de determinado bem ou serviço, tendo em
conta o preço desse mesmo bem.

OFERTA: conjunto de bens e serviços que os produtores estão dispostos a vender no mercado,
para cada preço, “ceteris paribus”.

Lei da Oferta – a quantidade oferecida de um bem varia na


razão direta do respetivo preço, “ceteris paribus”.
Por exemplo:

PREÇO QUANTIDADE
(€) (toneladas)
5 300
10 675
15 880
20 1000

 Para além do preço de venda, há outros fatores que podem fazer variar a oferta:

 As variações da procura
 A alteração dos custos dos fatores de produção
 Mudanças tecnológicas
 Alterações dos preços dos bens complementares ou sucedâneos
 Condições climáticas…  “ceteris paribus”

Se o custo dos fact. de prod. diminuir: Se o custo dos fact. de prod. aumentar:
Estrutura dos Mercados

 Preço de equilíbrio e quantidade de equilíbrio

Este gráfico mostra que existe um preço para o qual a vontade dos compradores e dos
produtores se adequa.

Pe = 7€  significa que, a este preço, a quantidade que os consumidores estão dispostos a


adquirir é igual à quantidade que os produtores estão dispostos a vender.

Exemplos:

 Se o preço for 6€, a quantidade procurada é 490 e a quantidade oferecida é 400 


procura > oferta (preços sobem).
 Se o preço for 8€, a quantidade procurada é 420 e a quantidade oferecida é 520 
procura < oferta (preços descem).
 Se o preço for 7€, a quantidade procurada é 440 e a quantidade oferecida é 440 
procura = oferta (preços mantêm-se).

FUNÇÃO PROCURA FUNÇÃO OFERTA

Ex: Qpr = 600 – 20p Ex: Qo = 300 + 80p

Qe ou Pe  600 – 2p = 300 + 80p

Se, neste caso, Pe = 7

Qpr=600-120 →480Qo=300+180 →480 Qe = 480

PREÇO (€) QUANTIDADE PROCURADA QUANTIDADE OFERECIDA


Situação Inicial D1 Situação Nova D2 Situação Inicial S1 Situação Nova S2

60 39.000 45.000 8.000 10.000

70 25.000 30.000 22.000 26.000

80 18.000 26.000 33.000 39.000

90 11.000 19.000 41.000 45.000

100 10.000 15.000 46.000 50.000

CONCLUSÕES: O mecanismo de mercado atua como corretor. Então, a cada momento, graças
às flutuações de preços, estabelece-se um novo equilíbrio entre a quantidade oferecida e a
quantidade procurada.

Toda a procura é satisfeita e toda a oferta é consumida, quando o preço é de equilíbrio.

Tipos de Mercados

I. Concorrência perfeita ou bilateral

 Todo o funcionamento do mecanismo de mercado exposto até aqui só funciona desse


modo se estiverem reunidas as seguintes condições:

 Liberdade de entrada nos mercados


 Qualquer empresa que decida produzir o bem em causa pode fazê-lo e então
verificar-se-á:
 Livre concorrência entre os produtores, pois nenhuma empresa pode impor
quaisquer condições de venda ao consumidor;
 Livre concorrência entre os consumidores, pois nenhum tem influência sobre
o preço do produto de qualquer das unidades de produção;
 O preço dos bens depende do livre jogo de oferta e de procura no mercado;
 A não existência de qualquer interferência estranha no mercado (Ex: Estado),
limitando ou fixando preços, subsidiando produtos, definindo margens de
lucro máximas, fixando salários, etc.

 Atomismo do mercado
 Existência de muitos produtores a oferecer o produto e muitos consumidores
a procurá-lo e assim, não se verifica a possibilidade de um só agente
económico provocar alterações significativas no mercado (nem do lado da
oferta, nem do lado da procura).

 Transparência do mercado
 Os produtores podem conhecer os ramos e setores de atividade económica
mais lucrativos para poderem dirigir a sua atividade nesse sentido.

 Mobilidade dos fatores de produção


 Este mecanismo de mercado pressupõe a fácil reconversão dos fatores
produtivos (capital e força de trabalho), para os setores com mais
oportunidades lucrativas.

 Homogeneidade do produto
 Os bens apresentam características semelhantes, pelo que serão
perfeitamente substituíveis. Só assim, haverá concorrência entre as
empresas.

MERCADO DE CONCORRÊNCIA PERFEITA OU BILATERAL

 Ao concorrerem entre si, as empresas provocam:


1. A descida do preço do produto O consumidor beneficia assim
2. A melhoria da sua qualidade desta concorrência.
II. Concorrência imperfeita

O mercados distinguem-se entre si em função:


1. Do número de intervenientes;
2. Da respetiva capacidade de influência no mercado.

 Num mercado podemos encontrar muitos, poucos ou apenas um produtor


 Os produtos produzidos podem ser semelhantes ou diferenciados

A. Oligopólio

I. Várias (duas ou três) grandes unidades a produzir o mesmo produto.


II. O preço vai resultar do acordo que se estabelece entre essas unidades que dividem
entre si clientes e regiões.

Estas empresas estão muito próximas da situação de monopólio

B. Monopólio

I. Existência de apenas uma grande unidade de produção.


II. O produtor tem o domínio total do mercado e, de certo modo4, pode impor o preço
que desejar, bem como produzir os bens que decidir.

C. Concorrência monopolística

I. Nestes, existem muitas unidades de produção pequenas (multiplicidade).


II. Estas unidades produzem bens não homogéneos logo há alguma diferenciação do
produto, dando a cada produtor um certo poder para fixar o preço do seu bem.

(são várias as formas de distinção do produto: marcas; modelos; embalagens; variedades)

4
Uma empresa em situação de monopólio não pode elevar demasiado o preço do produto, pois corre o
risco de não o vender e ainda, se o produto for de primeira necessidade, o de ser nacionalizada.
Há concorrência entre os produtos.

ESQUEMAS-RESUMO:

 De concorrência perfeita ou bilateral

MERCADOS
 Concorrência monopolística
 De concorrência imperfeita  Monopólio
 Oligopólio

Poder dos mercados sobre a fixação dos preços

Concorrência perfeita Concorrência imperfeita

 Os preços resultam da  Os preços dependem do


interação entre a oferta e poder que a empresa tiver
a procura. no mercado (M > O > CM)

Mercados
Conc. Perfeita Monopólio Oligopólio Conc. Monopolística
Critérios
Nº de produtores Inúmeros Um Alguns Muitos
Controlo sobre preço Nulo Total Limitado Pouco
Bens produzidos Homogéneos Único - Diferenciado Diferenciados
Concorrência Muita Nenhuma Pouca Bastante

Concentração de empresas: Fusões e Aquisições

Podemos falar em:

Concentração horizontal: quando as empresas se juntam e pertencem ao mesmo ramo


de atividade. A nova empresa reúne capitais e mão de obra continuando a dedicar-se à
mesma atividade.
Concentração vertical: também chamada integração, consiste em reunir diversas
empresas de ramos diferentes mas complementares, sob uma única direção. O bem
produzido por uma empresa é “matéria-prima” de outra.´
Fusão em conglomerado: quando se verifica entre empresas co m ramos de atividade
não relacionados.
Ex: Sonae/Modelo Continente/Complexo Troia  “grupo económico”

Razões que justificam as aquisições e fusões:


 Economias de escala
 Benefícios fiscais
 Fundos excedentários
 Recursos complementares

Conceitos:

1. Grupo económico  conjunto de empresas de vários ramos de atividade e que


defendem um mesmo centro de decisão, o qual define as estratégias a seguir.

2. Holding  sociedade financeira que detém e gere participações em diversas empresas


a fim de orientar a atividade dessas empresas em função da estratégia do grupo.

3. Trust  grande empresa que resultou da fusão de empresas independentes e que


tendem a adquirir uma posição de monopólio.

4. Cartel  acordo entre empresas de modo a harmonizar as suas políticas e assim,


reduzir a concorrência no setor onde se encontram.

5. “Joint-venture”  quando duas ou mais empresas independentes criam uma filial sem
que nenhuma delas domine a outra. Utiliza-se normalmente nas situações de
cooperação internacional e também em projetos de grande responsabilidade.

6. Aquisição  quando uma empresa é comprada por outra, total ou parcialmente e em


“Bolsa”.
a) Uma empresa oferece-se para ser comprada, colocando parte ou a totalidade do
seu capital à venda na bolsa  OPV (Operação Pública de Venda). Neste caso,
esta empresa pretende aumentar o seu capital e também ficar ligada a um grupo
económico que lhe garanta mais estabilidade.
b) Por vezes, uma empresa, por sua própria iniciativa, decide comprar outra,
propondo aos acionistas desta um valo para cada ação  OPA (Operação Pública
de Aquisição).
O processo de aquisições permite muitas vezes que as empresas sobrevivam num mercado
muito competitivo.

Neste contexto, os consumidores são os mais prejudicados pois a concorrência diminui.

! Nota ! : quando, nestes processos, estão incluídas empresas estrangeiras, é necessário


ter algum cuidado para que os interesses nacionais não sejam postos em causa.