Anda di halaman 1dari 226

APOSTILA DE CÁLCULO

DIFERENCIAL E INTEGRAL II
z
t2

t1

C2
C1

x0
y0
β y
x α

Colaboradores para elaboração da apostila:


Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler,
Rogério de Aguiar

Versão atual editada por Elisandra Bär de Figueiredo


Para comentários e sugestões escreva para dma2ebf@joinville.udesc.br

Home-page: http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/elisandra/

Joinville, janeiro de 2013


Horário de Monitoria
Início Final Segunda Terça Quarta Quinta Sexta
07:30 08:20
08:20 09:10
09:20 10:10
10:10 11:00
11:00 11:50
13:30 14:20
14:20 15:10
15:20 16:10
16:10 17:00
17:00 17:50
18:10 19:00
19:00 19:50
19:50 20:40

Horário de Atendimento dos Professores


Início Final Segunda Terça Quarta Quinta Sexta

07:30 08:20

08:20 09:10

09:20 10:10

10:10 11:00

11:00 11:50

13:30 14:20

14:20 15:10

15:20 16:10

16:10 17:00

17:00 17:50

18:10 19:00

19:00 19:50

19:50 20:40

i
Conteúdo

1 INTEGRAL DEFINIDA 1
1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2 Partição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.3 Soma Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.4 Soma Inferior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.5 Função Integrável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.5.10 Teorema do Valor Médio para Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.6 Teorema Fundamental do Cálculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.6.6 Fórmulas Clássicas para Resolver Integrais (Revisão) . . . . . . . . . 20
1.7 Integrais Impróprias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.8 Integral de uma função descontínua num ponto c ∈ [a, b] . . . . . . . . . . . 23
1.9 Área em coordenadas retangulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.10 Área delimitada por curvas escritas em equações paramétricas (opcional) . . 32
1.11 Área de um setor curvilíneo em coordenadas polares . . . . . . . . . . . . . . 34
1.12 Comprimento de Arco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
1.12.1 Comprimento de Arco em Coordenadas Cartesianas . . . . . . . . . . 38
1.12.3 Comprimento de um arco em coordenadas paramétricas . . . . . . . . 41
1.12.7 Comprimento de arco em coordenadas polares . . . . . . . . . . . . . 43
1.13 Volume de um Sólido de Revolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
1.13.5 Rotação em torno de uma Reta Paralela a um Eixo Coordenado . . . 48
1.14 Exercícios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
1.15 Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
1.16 Revisão de Coordenadas Polares no R2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

2 FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS E DIFERENCIAÇÃO PARCIAL 68


2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2.2 Função de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.2.5 Gráco de uma Função de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.2.12 Curvas e Superfícies de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.2.14 Distâncias e Bolas no Espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.3 Limite de uma Função de duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
2.3.9 Propriedades dos Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
2.4 Continuidade de uma Função de duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . 83
2.5 Derivadas Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
2.5.7 Interpretação Geométrica das derivadas parciais . . . . . . . . . . . . 88
2.6 Derivada de uma Função Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
2.7 Derivada Parcial como Taxa de Variação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
2.8 Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2.9 Derivadas Parciais de Ordem Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

ii
2.10 Extremos de uma Função de duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
2.10.1 Ponto Crítico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.10.3 Ponto de Máximo e Ponto de Mínimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.11 Derivadas de Funções Implícitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.12 Exercícios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
2.13 Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

3 INTEGRAIS DUPLAS 122


3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
3.2 Interpretação Geométrica da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
3.3 Cálculo da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
3.4 Integrais Duplas em Coordenada Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
3.5 Exercícios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
3.6 Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

4 INTEGRAIS TRIPLAS 141


4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
4.2 Interpretação Geométrica da Integral Tripla . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
4.3 Cálculo da Integral Tripla em Coordenadas Retangulares . . . . . . . . . . . 143
4.4 Integrais Triplas em Coordenadas Cilíndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
4.5 Integrais Triplas em Coordenadas Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
4.6 Exercícios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
4.7 Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

5 SEQUÊNCIAS E SÉRIES 169


5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
5.2 Sequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
5.2.3 Limite de uma Sequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
5.2.7 Sequências Convergentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
5.3 Subsequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
5.4 Sequência Limitada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
5.5 Sequências Numéricas Monótonas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
5.6 Séries Numéricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
5.6.4 Soma de uma Série . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
5.6.7 Séries Convergentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
5.7 Condição necessária para Convergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
5.8 Séries Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
5.8.1 Série harmônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
5.8.3 Série geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
5.9 Critérios de Convergência de Séries . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.9.1 Critério da integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.9.4 Série p ou Série Hiper-harmônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.9.8 Critério da comparação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
5.9.11 Critério de D'Alambert ou Critério da Razão . . . . . . . . . . . . . 187
5.9.15 Critério de Cauchy ou Critério da Raíz . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
5.10 Séries de Termos Positivos e Negativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
5.10.3 Convergência de uma série alternada . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
5.11 Série de Termos de Sinais Quaisquer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
5.12 Séries absolutamente convergente e condicionalmente convergentes . . . . . . 193

iii
5.13 Séries de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
5.13.2 Convergência de séries de funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
5.14 Séries de Potências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
5.14.4 Processo para determinar o intervalo e o raio de convergência de uma
série de potências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
5.14.8 Série de potências centrada em x=a . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
5.14.11 Continuidade da soma de uma Série de Funções. . . . . . . . . . . . . 199
5.14.13 Derivação de uma série de funções contínuas . . . . . . . . . . . . . . 200
5.15 Diferenciação e Integração de Séries de Potências . . . . . . . . . . . . . . . 201
5.16 Séries de Taylor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
5.17 Série de Maclaurin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
5.18 Fórmula geral do binômio de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
5.19 Exercícios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
5.20 Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217

iv
Capítulo 1
INTEGRAL DEFINIDA

Objetivos (ao nal do capítulo espera-se que o aluno seja capaz de):

1. Denir integral inferior e integral superior;

2. Calcular o valor da integral denida por denição;

3. Aplicar o teorema fundamental do cálculo e suas propriedades;

4. Calcular integral denida por substituição de variáveis;

5. Resolver exercícios que envolvam integrais impróprias;

6. Resolver exercícios que envolvam integrais impróprias de funções descontínuas;

7. Calcular áreas delimitadas por funções em coordenadas retangulares;

8. Calcular áreas delimitadas por funções em coordenadas polares;

9. Calcular áreas delimitadas por funções em coordenadas paramétricas;

10. Calcular volume de um sólido de revolução;

11. Calcular o comprimento de um arco em coordenadas retangulares, paramétricas e po-


lares;

12. Calcular a superfície de um sólido de revolução;

13. Resolver problemas através da integral nas áreas de física, produção, economia entre
outras aplicações;

14. Resolver exercícios usando uma ferramenta tecnológica.

A prova será composta por questões que possibilitam vericar se os objetivos foram
atingidos. Portanto, esse é o roteiro para orientações de seus estudos. O modelo de formu-
lação das questões é o modelo adotado na formulação dos exercícios e no desenvolvimento
teórico desse capítulo nessa apostila.

1
1.1 Introdução
Neste capítulo estudaremos a integral denida. Uma das principais aplicações da integral
denida encontra-se em problemas que envolvem cálculo de área e volumes. Por exemplo,
seja f : [a, b] → R uma função contínua tal que f (x) ≥ 0 para todo x ∈ [a, b]. Nosso
propósito é determinar a área da região delimitada pela curva y = f (x), pelo eixo x e pelas
retas x=a e x = b, conforme Figura 1.1 abaixo:

a y b

Figura 1.1: Área da região R

Estimando o valor da área R: Sabemos como calcular a área de um retângulo (base


× altura). A área de um polígono podemos obter subdividindo-o em triângulos e retângulos.
No entanto, não é tão fácil encontrar a área de uma região com lados curvos. Assim, parte do
problema da área é utilizar uma ideia intuitiva do que é a área de uma região. Recordemos
que, para denir uma tangente, primeiro aproximamos a inclinação da reta tangente por
inclinações de retas secantes e então tomamos o limite dessas aproximações. Utilizaremos
uma ideia semelhante para obter áreas.
Por exemplo para calcular a área da região R vamos dividir o intervalo [a, b] em 2 subin-
b−a
tervalos de comprimento ∆x = . Denotamos os extremos destes subintervalos por xi ,
2
onde i ∈ {0, 1, 2}. Veja que, neste caso, temos x0 = a, x1 = c e x2 = b. Na Figura 1.2,
considere os retângulos de largura ∆x e altura Mi = M ax{f (x) : x ∈ [xi−1 , xi ]}.

a y c b

Figura 1.2: Estimativa por soma de áreas de retângulos

Deste modo obtemos um polígono circunscrito a região R cuja área é dada pela soma
da área dos dois retângulos. Como a base é a mesma, podemos dizer que a área é dada
∑2
por Mi ∆x, onde Mi = M ax{f (x) : x ∈ [xi−1 , xi ]}. Você acha que podemos comparar a
i=1

2
área da região R representada pela Figura 1.1 e a região formada pelos retângulos da Figura
1.2? A diferença é muito grande? O que aconteceria com esta diferença se dividíssemos o
intervalo [a, b] em n subintervalos com n = 3, 4, 5, 6, · · ·?
A denição formal de integral denida envolve a soma de muitos termos pequenos (dife-
renciais), com a nalidade de obter-se uma quantidade total após esta operação. Assim há
uma conexão entre o cálculo integral e diferencial, onde o Teorema Fundamental do Cálculo
relaciona a integral com a derivada. As integrais estão envolvidas em inúmeras situações:
usando a taxa (derivada) podemos obter a quantidade (integral) de óleo que vaza de um
tanque durante um certo tempo; utilizando a leitura do velocímetro de um ônibus espacial é
possível calcular a altura atingida por ele em um dado intervalo de tempo. Assim, pode-se
usar a integral para resolver problemas concernentes a volumes, comprimentos de curvas,
predições populacionais, saída de sangue do coração, força sobre uma represa, potência con-
sumida e a energia usada em um intervalo de tempo na cidade de Joinville, etc.

O Cálculo da Área
Primeiramente aproximaremos a área da região R delimitada por grácos de funções por
soma de áreas de retângulos inscritos ou circunscritos para então tomarmos o limite das
áreas desses retângulos, à medida que se aumenta o número destes, conforme a Figura 1.3.

y y

a b x a b x

Figura 1.3: Aproximando áreas com n retângulos

E desta forma, a área total desejada será obtida pela soma das áreas retangulares quando
suas bases se tornam cada vez menores, isto é, quando ∆x → 0 (ou equivalentemente, quando
o número de retângulos se torna cada vez maior, isto é, n → ∞). Você consegue formalizar,
matematicamente, este resultado?
Para dar início a essa formalização, veremos algumas denições auxiliares.

1.2 Partição
DEFINIÇÃO 1.2.1 Seja [a, b] um intervalo. Denominamos partição de [a, b] ao conjunto
ordenado de pontos
P = {x0 , x1 , x2 , ..., xi , ..., xn }
tais que
a = x0 < x1 < x2 < ... < xn = b
e que dividem [a, b] em n-subintervalos, a saber,
[x0 , x1 ] , [x1 , x2 ] , [x2 , x3 ] , ..., [xi−1 , xi ] , ..., [xn−1 , xn ] ,

3
denominados intervalos da partição. Além disso, denotamos o comprimento de cada subin-
tervalo por
|[x0 , x1 ]| = x1 − x0 = ∆x1
|[x1 , x2 ]| = x2 − x1 = ∆x2
|[x2 , x3 ]| = x3 − x2 = ∆x3
···
|[xi−1 , xi ]| = xi − xi−1 = ∆xi
···
|[xn−1 , xn ]| = xn − xn−1 = ∆xn .

EXEMPLO Considerando o intervalo [1, 12], o conjunto de pontos P = {1, 2, 4, 8, 12} é


1.2.2

uma partição de [1, 12]. Os intervalos dessa partição são [1, 2], [2, 4], [4, 8] e [8, 12].
Naturalmente, temos 1 = x0 < 2 = x1 < 4 = x2 < 8 = x3 < 12 = x4 .

DEFINIÇÃO 1.2.3 Seja [a, b] um intervalo e considere


P = {x0 , x1 , x2 , · · · , xi , · · · , xn } e Q = {x0 , x1 , x2 , · · · , y0 , · · · , xi, · · · , xn }

duas partições de [a, b]. Dizemos que a partição Q é um renamento da partição P se P ⊂ Q.

EXEMPLO 1.2.4 Consideremos o intervalo [1, 12]. Os conjuntos de pontos

P = {1, 2, 4, 8, 12} e Q = {1, 2, 3, 4, 5, 8, 10, 12}

são duas partições de [1, 12] com P ⊂ Q. Então, Q é um renamento de P.

1.3 Soma Superior


Consideraremos sempre uma função contínua f : [a, b] → R denida num intervalo fechado
[a, b] e limitada nesse intervalo, isto é, existem m, M ∈ R tais que m ≤ f (x) ≤ M para todo
x ∈ [a, b] .

DEFINIÇÃO 1.3.1 Seja f : [a, b] → R uma função limitada e seja P = {x0 , x1 , x2 , ..., xi , ..., xn }
uma partição de [a, b], com a = x0 < x1 < x2 < ... < xn = b. Seja Mi o valor supremo de f
no intervalo [xi−1 , xi ] , onde i = 1, 2, 3, · · · , n. Denominamos soma superior de f em relação
à partição P e denotamos por S(f, P ) à expressão:

n
S(f, P ) = M1 (x1 − x0 ) + M2 (x2 − x1 ) + .. + Mn (xn − xn−1 ) = Mi (xi − xi−1 ). (1.3.1)
i=1

EXEMPLO Considere a função f : [0, 2] → R denida por f (x) = xsenx. Na Figura


1.3.2

1.4 podemos ver o gráco de uma soma superior referente a uma partição composta por 15
pontos. Já uma soma superior referente a uma partição com maior número de pontos (80
pontos), é ilustrada pela Figura 1.5.

Note que, conforme aumentamos o número de pontos da partição, aqui uniformemente


distribuídos, a soma superior S(f, P ) vai se aproximando da área sob o gráco de f (x) =
x sin x, no intervalo [0, 2] .

4
y

f(x)=xsen x
x

Figura 1.4: Soma Superior, S(f, P ), P com 15 pontos: A = 1, 863 u.a.

f(x)=xsen x
x
Figura 1.5: Soma Superior, S(f, P ), P com 80 pontos: A = 1, 746 u.a.

1.4 Soma Inferior


DEFINIÇÃO 1.4.1 Seja f : [a, b] → R uma função limitada e seja P = {x0 , x1 , x2 , ..., xi , ..., xn }
uma partição de [a, b], onde a = x0 < x1 < x2 < ... < xn = b. Seja mi o valor ínmo de f
no intervalo [xi−1 , xi ] para i = 1, 2, 3, ..., n. Denominamos soma inferior de f em relação à
partição P e denotamos por S(f, P ) à expressão:

n
S(f, P ) = m1 (x1 − x0 ) + m2 (x2 − x1 ) + ... + mn (xn − xn−1 ) = mi (xi − xi−1 ). (1.4.1)
i=1

EXEMPLO 1.4.2 Considere a função f : [0, 2] → R denida por f (x) = xsenx. Na Figura

1.6 podemos ver o gráco de uma soma inferior referente a uma partição composta por um
número reduzido de pontos (15 pontos) e na Figura 1.7 de uma soma inferior referente a
uma partição com maior número de pontos (80 pontos).

Note que, aumentando o número de pontos de [a, b] a soma inferior S (f, P ) vai se apro-
ximando da área sob o gráco de f (x) = x sin x no intervalo [0, 2].

5
y

f(x)=xsen x

Figura 1.6: Soma Inferior, S(f, P ), P com 15 pontos: A = 1, 642 u.a.

f(x)=xsen x

x
Figura 1.7: Soma Inferior, S(f, P ), P com 80 pontos: A = 1, 718 u.a.

1.5 Função Integrável


DEFINIÇÃO 1.5.1 Seja f : [a, b] → R uma função limitada. Dizemos que f é integrável se

lim S(f, P ) = lim S(f, P )


n→+∞ n→+∞

ou seja, se

n ∑
n
lim mi (xi − xi−1 ) = lim Mi (xi − xi−1 ),
n→+∞ n→+∞
i=1 i=1

sendo P = {x0 , x1 , x2 , · · · , xn } qualquer partição de [a, b].


No caso de uma função integrável, denotaremos a integral denida de f de a até b
por
∫ b ∑
n
f (x) dx = lim f (wi ) (xi − xi−1 ), onde wi ∈ [xi−1 , xi ] .
a n→+∞
i=1

OBSERVAÇÃO 1.5.2 As somas superiores e inferiores acima denidas são casos particulares

n
de Somas de Riemann, que são quaisquer expressões da forma S = f (wi ) ∆xi , onde
i=1
wi ∈ [xi−1 , xi ] não é necessariamente um máximo ou um mínimo de f em cada subintervalo

6
da partição considerada, nem ∆xi é necessariamente constante. No entanto, em nossos
propósitos, não iremos considerar esses casos mais gerais.
Ainda, como f (x) pode ser negativa, certos termos de uma soma superior ou inferior
também podem ser negativos. Consequentemente, nem sempre S(f, P ) e S(f, P ) irão repre-
sentar uma soma de áreas de retângulos. De forma geral, estas somas representam a soma
das áreas dos retângulos situados acima do eixo-x (onde f ≥ 0) com o negativo das áreas
dos retângulos que estão situados abaixo deste eixo (onde f ≤ 0).

OBSERVAÇÃO Para calcular integrais denidas usando a denição de somas superiores


1.5.3

ou inferiores, serão usadas as seguintes expressões:


(i) 1 + ... + 1} = k
|1 + 1 + {z
k vezes
(1 + k)k
(ii) 1 + 2 + 3 + ... + k =
2
k (k + 1) (2k + 1)
(iii) 12 + 22 + 32 + ... + k 2 =
6
k 2 (k + 1)2
(iv) 3 3 3
1 + 2 + 3 + ... + k = 3
4
k (k + 1) (6k 3 + 9k 2 + k − 1)
(v) 14 + 24 + 34 + ... + k 4 =
30
EXEMPLO 1.5.4 Usando a denição de soma superior, encontre a área delimitada pelas curvas
y = x2 + 1, x = 0, x = 4 e y = 0 (sabendo que a função é integrável).

Solução: Tomamos P = {x0, x1 , x2 , ..., xn } uma partição do intervalo [0, 4], conforme ilustra
a Figura 1.8

Figura 1.8: Soma Superior de f (x) = x2 + 1 com 10 retângulos

Como os subintervalos da partição podem ser quaisquer, podemos admitir que todos
possuem o mesmo diâmetro, isto é, ∆x = ∆x1 = ∆x2 = ... = ∆xn . Portanto, temos que
4−0 4
∆x = = e podemos atribuir valores para cada xi ∈ P como sendo
n n
x0 = 0, x1 = ∆x, x2 = 2∆x, x3 = 3∆x, ..., xn = n∆x.

7
Seja Mi o supremo de f (x) = x2 + 1 no intervalo [xi−1 , xi ]. Como neste exemplo temos
uma função crescente, o máximo de f em cada subintervalo ocorre no seu extremo direito,
ou seja, Mi = f (xi ). Assim, a soma superior de f é dada por

S(f, P ) = M1 ∆x + M2 ∆x + M3 ∆x + .... + Mn ∆x
= f (x1 )∆x + f (x2 )∆x + f (x3 )∆x + ... + f (xn )∆x
= f (∆x)∆x + f (2∆x)∆x + f (3∆x)∆x + ... + f (n∆x)∆x
= ∆x[(∆x)2 + 1 + (2∆x)2 + 1 + (3∆x)2 + 1 + ... + (n∆x)2 + 1]
= ∆x[1 + 1 + ... + 1 + (∆x)2 + 4(∆x)2 + 9(∆x)2 + ... + n2 (∆x)2 ]
= ∆x[n + ∆x2 (1 + 22 + 32 + ... + n2 )]
( )
2 n(n + 1)(2n + 1)
= ∆x n + ∆x
6
( 2
)
4 4 n(n + 1)(2n + 1)
= n+ 2
n n 6
64 (n + 1)(2n + 1)
= 4+
6 ( n2 )
32 3 1 64 32 32
= 4+ 2+ + 2 =4+ + + 2.
3 n n 3 n 3n

Portanto, a área desejada é dada por

∫ 4 ( )
2 64 32 32 76
(x + 1)dx = lim 4+ + + 2 = .
0 n→+∞ 3 n 3n 3

Agora, se desejarmos encontrar a soma inferior de f, quais modicações deveremos efetuar


nos cálculos acima? Sugere-se que o estudante refaça este exercício, prestando bastante
atenção no que ocorre com as alturas dos retângulos inscritos e nas consequências deste fato.

EXEMPLO 1.5.5 Usando a denição de soma inferior, encontre a área delimitada pelas curvas
y = 16 − x2 , x = 1, x = 4 e y = 0 (sabendo que a função é integrável).

Solução: Tomamos P = {x0, x1 , x2 , ..., xn } uma partição do intervalo [1, 4], conforme ilustra
a Figura 1.9

Figura 1.9: Soma Inferior de f (x) = 16 − x2 com 10 retângulos

8
Como os subintervalos da partição podem ser quaisquer, podemos admitir que todos
possuem o mesmo diâmetro, isto é, ∆x = ∆x1 = ∆x2 = ... = ∆xn . Portanto, temos que
4−1 3
∆x = = e podemos atribuir valores para cada xi ∈ P como sendo
n n
x0 = 1, x1 = 1 + ∆x, x2 = 1 + 2∆x, x3 = 1 + 3∆x, · · · , xn = 1 + n∆x.

Seja mi f (x) = 16 − x2 no intervalo [xi−1 , xi ]. Como no intervalo [1, 4] a


o ínmo de
função é decrescente, o mínimo de f em cada subintervalo ocorre no seu extremo direito, ou
seja, mi = f (xi ). Assim, a soma inferior de f é dada por

S(f, P ) = m1 ∆x + m2 ∆x + m3 ∆x + .... + mn ∆x
= f (x1 )∆x + f (x2 )∆x + f (x3 )∆x + ... + f (xn )∆x
= f (1 + ∆x)∆x + f (1 + 2∆x)∆x + f (1 + 3∆x)∆x + ... + f (1 + n∆x)∆x
= [16 − (1 + ∆x)2 + 16 − (1 + 2∆x)2 + 16 − (1 + 3∆x)2 + · · · + 16 − (1 + n∆x)2 ]∆x
= 16n∆x − [1 + 2∆x + (∆x)2 + 1 + 2 · 2∆x + (2∆x)2 + 1 + 2 · 3∆x + (3∆x)2 +
+ · · · + 1 + 2 · n∆x + (n∆x)2 ]∆x
= 16n∆x − n∆x − 2(1 + 2 + 3 + · · · + n)(∆x)2 − (12 + 22 + 32 + · · · + n2 )(∆x)3
n(n + 1) n(n + 1)(2n + 1)
= 15n∆x − 2 · · (∆x)2 − · (∆x)3
2 6
3 n2 + n 2n3 + 3n2 + n
= 15n · − 9 · − 9 ·
n n2 2n3
9 27 9 45 9
= 45 − 9 − − 9 − − 2 = 27 − − 2
n 2n 2n 2n 2n
Portanto, a área desejada é dada por

∫ 4 ( )
45 9
(16 − x )dx = lim
2
27 − − 2 = 27.
1 n→+∞ 2n 2n

OBSERVAÇÃO Até o momento não exigimos que a função seja contínua. Isso porque a
1.5.6

condição de continuidade não é necessária para que uma função seja integrável. Daqui para
frente só trabalharemos com funções contínuas. A integrabilidade de funções não contínuas,
usando a denição, não será objeto do nosso estudo.

Propriedades das Integrais


Se f, g : [a, b] → R são funções integráveis, então são válidas as seguintes propriedades:

∫ b
i. Se f (x) é uma função constante, isto é, f (x) = c, então cdx = c(b − a).
a
∫ b ∫ b
ii. Se k é uma constante, então kf (x) dx = k f (x) dx.
a a
∫ b ∫ b ∫ b
iii. [f (x) + g (x)]dx = f (x) dx + g (x) dx.
a a a
∫ b ∫ b
iv. Se f (x) ≤ g (x) para todo x ∈ [a, b] , então f (x) dx ≤ g (x) dx.
a a

9
∫ b
v. Se m ≤ f (x) ≤ M para todo x ∈ [a, b] , então m (b − a) ≤ f (x) dx ≤ M (b − a) .
a
∫ b ∫ c ∫ b
vi. Se c ∈ [a, b] , então f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx.
a a c

vii. A troca dos limitantes de integração acarreta a mudança no sinal da integral denida,
ou seja,
∫ b ∫ a
f (x) dx = − f (x) dx.
a b
∫ a
viii. f (x)dx = 0.
a

EXEMPLO Determine a soma superior e a soma inferior para f (x) = x2 − 2x + 2 no


1.5.7

intervalo [−1, 2]. A seguir, utilize-as para calcular a área da região situada abaixo do gráco
de f e entre as retas y = 0, x = −1 e x = 2.
Solução: A Figura 1.10 ilustra o gráco da soma superior de f referente a uma partição
composta de 15 pontos. Observe que as alturas dos retângulos circunscritos não possuem
o mesmo comportamento em todo o intervalo. Isso ocorre porque a função é decrescente
no intervalo [−1, 1] e crescente em [1, 2]. Para obter a expressão para a soma superior de f
usaremos a Propriedade vi. Tomaremos uma partição para o intervalo [−1, 1] e outra para
o intervalo [1, 2].
y

Figura 1.10: Soma Superior de f (x) = x2 − 2x + 2 com 15 retângulos

Soma Superior para o intervalo [−1, 1]

P = {x0, x1 , x2 , ..., xn } uma partição do intervalo [−1, 1], de tal forma que todos os
Seja
subintervalos deP possuam o mesmo diâmetro, isto é, ∆x = ∆x1 = ∆x2 = · · · = ∆xn .
1 − (−1) 2
Portanto, temos que a base de cada um dos retângulos é dada por ∆x = = e
n n
assim podemos atribuir valores para cada xi ∈ P como sendo

x0 = −1, x1 = −1 + ∆x, x2 = −1 + 2∆x, x3 = −1 + 3∆x, · · · , xn = −1 + n∆x.

Agora vamos determinar as alturas dos retângulos circunscritos. Seja Mi o supremo de


f (x) = x2 − 2x + 2 no subintervalo [xi−1 , xi ]. Como neste intervalo a função é decrescente o

10
máximo de f em cada subintervalo ocorre no seu extremo esquerdo, ou seja, Mi = f (xi−1 ).
Assim, a soma superior de f é dada por

S(f, P ) = M1 ∆x + M2 ∆x + M3 ∆x + · · · + Mn ∆x
= f (x0 )∆x + f (x1 )∆x + f (x2 )∆x + · · · + f (xn−1 )∆x
= f (−1)∆x + f (−1 + ∆x)∆x + f (−1 + 2∆x)∆x + · · · + f (−1 + (n − 1)∆x)∆x
[ ] [ ]
= ∆x{5 + (−1 + ∆x)2 − 2(−1 + ∆x) + 2 + (−1 + 2∆x)2 − 2(−1 + 2∆x) + 2 +
[ ]
+ · · · + (−1 + (n − 1)∆x)2 − 2(−1 + (n − 1)∆x) + 2 }
[ ] [ ]
= ∆x{5 + (1 − 2∆x + (∆x)2 ) + 2 − 2∆x + 2 + 1 − 4∆x + 22 (∆x)2 + 2 − 4∆x + 2 +
[ ]
+ · · · + 1 − 2(n − 1)∆x + (n − 1)2 (∆x)2 + 2 − 2(n − 1)∆x + 2 }
[ ] [ ]
= ∆x{5 + 5 − 4∆x + (∆x)2 + 5 − 8∆x + 22 (∆x)2 +
[ ]
+ · · · + 5 − 4(n − 1)∆x + (n − 1)2 (∆x)2 }
[ ( )]
= ∆x 5n − 4∆x (1 + 2 + · · · + (n − 1)) + (∆x)2 1 + 22 + · · · + (n − 1)2
[ ( )2 ]
2 2 n(n − 1) 2 (n − 1)n (2n − 1)
= · 5n − 4 · · + ·
n n 2 n 6
[ ( 2 )]
2 2 2n − 3n + 1
= · 5n − 4(n − 1) + ·
n 3 n
( )
8 4 3 1 14 4 4
= 2+ + · 2− + 2 = + + 2.
n 3 n n 3 n 3n

Soma Superior para o intervalo [1, 2]

SejaQ = {x0, x1 , x2 , ..., xn } uma partição do intervalo [1, 2], de tal forma que todos os
subintervalos de Q possuam o mesmo diâmetro, isto é, ∆x = ∆x1 = ∆x2 = · · · = ∆xn .
2−1 1
Portanto, temos que a base de cada um dos retângulos é dada por ∆x = = e assim
n n
podemos atribuir valores para cada xi ∈ Q como sendo

x0 = 1, x1 = 1 + ∆x, x2 = 1 + 2∆x, x3 = 1 + 3∆x, · · · , xn = 1 + n∆x.


Como neste intervalo a função é decrescente as alturas dos retângulos circunscritos, Mi ,
ocorre no extremo direito de cada subintervalo, i.e., Mi = f (xi ). Assim a soma superior de
f em [1, 2] relativa a partição Q é dada por

S(f, Q) = M1 ∆x + M2 ∆x + M3 ∆x + · · · + Mn ∆x
= f (x1 )∆x + f (x2 )∆x + f (x3 )∆x + · · · + f (xn )∆x
= [f (1 + ∆x) + f (1 + 2∆x) + f (1 + 3∆x) + · · · + f (1 + n∆x)]∆x
= {[(1 + ∆x)2 − 2(1 + ∆x) + 2] + [(1 + 2∆x)2 − 2(1 + 2∆x) + 2] +
+[(1 + 3∆x)2 − 2(1 + 3∆x) + 2] + · · · + [(1 + n∆x)2 − 2(1 + n∆x) + 2]}∆x
= {[1 + (∆x)2 ] + [1 + (2∆x)2 ] + [1 + (3∆x)2 ] + · · · + [1 + (n∆x)2 ]}∆x
= n∆x + (12 + 22 + 32 + · · · + n2 )(∆x)3
( )3
1 n(n + 1)(2n + 1) 1 4 1 1
= n· + · = + + 2
n 6 n 3 2n 6n
Portanto, a soma superior de f
[−1, 2] é
em

14 4 4 4 1 1 9 3
S(f, P ∪ Q) = + + 2+ + + 2 =6+ + 2.
3 n 3n 3 2n 6n 2n 2n
11
Para determinar a soma inferior de f, basta encontrar as alturas dos retângulos inscritos.
A Figura 1.11 ilustra o gráco da soma inferior de f referente a uma partição composta de
15 pontos. Observe que as alturas dos retângulos inscritos não possuem o mesmo comporta-
mento em todo o intervalo. Isso ocorre porque a função é decrescente no intervalo [−1, 1] e
crescente em [1, 2]. Para obter a expressão para a soma inferior de f usaremos novamente a
Propriedade vi, tomando uma partição para o intervalo [−1, 1] e outra para o intervalo [1, 2].

Figura 1.11: Soma Inferior de f (x) = x2 − 2x + 2 com 15 retângulos

Soma Inferior para o intervalo [−1, 1]

Considere a partição P tomada acima. A altura dos retângulos inscritos, mi , ocorre no


extremo direito de cada subintervalo [xi−1 , xi ], i.e., mi = f (xi ).
Assim, a soma inferior de f em [−1, 1], relativa a partição P, é dada por

S(f, P ) = m1 ∆x + m2 ∆x + m3 ∆x + · · · + mn ∆x
= f (x1 )∆x + f (x2 )∆x + f (x3 )∆x + · · · + f (xn )∆x
= f (−1 + ∆x)∆x + f (−1 + 2∆x)∆x + f (−1 + 3∆x)∆x + · · · + f (−1 + n∆x)∆x
{[ ] [ ]
= ∆x (−1 + ∆x)2 − 2(−1 + ∆x) + 2 + (−1 + 2∆x)2 − 2(−1 + 2∆x) + 2 +
[ ]}
+ · · · + (−1 + n∆x)2 − 2(−1 + n∆x) + 2
{[ ] [ ]
= ∆x 1 − 2∆x + (∆x)2 + 2 − 2∆x + 2 + 1 − 4∆x + 22 (∆x)2 + 2 − 4∆x + 2 +
[ ]}
+ · · · + 1 − 2n∆x + n2 (∆x)2 + 2 − 2n∆x + 2
{[ ] [ ] [ ]}
= ∆x 5 − 4∆x + (∆x)2 + 5 − 8∆x + 22 (∆x)2 + · · · + 5 − 4n∆x + n2 (∆x)2
[ ( )]
= ∆x 5n − 4∆x (1 + 2 + · · · + n) + (∆x)2 1 + 22 + · · · + n2
[ ( )2 ]
2 2 (n + 1)n 2 n(n + 1) (2n + 1)
= · 5n − 4 · · + ·
n n 2 n 6
[ ( 2 )]
2 2 2n + 3n + 1
= · 5n − 4(n + 1) + ·
n 3 n
( )
8 4 3 1 14 4 4
= 2− + · 2+ + 2 = − + 2.
n 3 n n 3 n 3n

12
Soma Inferior para o intervalo [1, 2]

Considere a partição Q tomada acima. A altura dos retângulos inscritos, mi , ocorre no


extremo esquerdo de cada subintervalo [xi−1 , xi ], i.e., mi = f (xi−1 ).
Assim, a soma inferior de f em [1, 2], relativa a partição Q, é dada por

S(f, Q) = m1 ∆x + m2 ∆x + m3 ∆x + · · · + mn ∆x
= f (x0 )∆x + f (x1 )∆x + f (x2 )∆x + · · · + f (xn−1 )∆x
= f (1)∆x + f (1 + ∆x)∆x + f (1 + 2∆x)∆x + · · · + f (1 + (n − 1)∆x)∆x
[ ] [ ]
= ∆x{1 + (1 + ∆x)2 − 2(1 + ∆x) + 2 + (1 + 2∆x)2 − 2(1 + 2∆x) + 2 +
[ ]
+ · · · + (1 + (n − 1)∆x)2 − 2(1 + (n − 1)∆x) + 2 }
= ∆x{1 + [1 + (∆x)2 ] + [1 + (2∆x)2 ] + · · · + [1 + ((n − 1)∆x)2 ]}
= n∆x + [12 + 22 + · · · + (n − 1)2 ](∆x)3
( )3
1 (n − 1)n(2n − 1) 1 4 1 1
= n· + · = − + 2.
n 6 n 3 2n 6n

Portanto, a soma inferior de f em [−1, 2] é

14 4 4 4 1 1 9 3
S(f, P ∪ Q) = − + 2+ − + 2 =6− + 2.
3 n 3n 3 2n 6n 2n 2n
Finalmente, utilizando a soma superior de f, obtemos que a área da região desejada é
dada por

∫ 1 ∫ 2
A = (x − 2x + 2)dx +
2
(x2 − 2x + 2)dx
−1
( )1 ( )
14 4 4 4 1 1 14 4
= lim + + 2 + lim + + 2 = + = 6.
n→+∞ 3 n 3n n→+∞ 3 2n 6n 3 3

Note que obteríamos o mesmo resultado utilizando a soma inferior de f.

EXEMPLO Utilize a denição de integral denida para determinar a área da região


1.5.8

R delimitada por f (x) = 9 e g(x) = x2 , com x ≤ 0, sabendo que f e g são funções


integráveis.

Solução: A região R está sombreada na Figura 1.12.

Figura 1.12: Região R

13
A área da região R pode ser interpretada como sendo a área da região R1 menos a área da
regiãoR2 , onde R1 é a região retangular limitada pelas curvas y = g(x), y = 0, x = −3 e
x − 0 e R2 é a região∫ limitada pelas curvas y = f (x), y = 0, x = −3 e x − 0.
0
Área de R1 : A R1 = 9dx = 9[0 − (−3)] = 27u.a. (usando as propriedades de integral
−3
denida).
Área de R2 : Os retângulos inscritos na região R2 estão representados na Figura 1.13. A área

Figura 1.13: Soma inferior da região R2 com 7 retângulos

∫ 0
de R2 é dada por AR2 = x2 dx usando somas de áreas de retângulos inscritos tomamos
−3
uma partição P = {x0 , x1 , x2 , · · · , xn } do intervalo [−3, 0], de tal forma que todos os subin-
tervalos de P possuam o mesmo diâmetro, isto é, ∆x = ∆x1 = ∆x2 = ... = ∆xn . Portanto,
0 − (−3) 3
temos que a base de cada um dos retângulos é dada por ∆x = = e assim
n n
podemos atribuir valores para cada xi ∈ P como sendo

x0 = −3, x1 = −3 + ∆x, x2 = −3 + 2∆x, · · · , xn = −3 + n∆x.

Agora vamos determinar as alturas dos retângulos inscritos. Como neste exemplo temos uma
função decrescente, cada retângulo inscrito atinge sua altura no ponto xi , i = 1, 2, · · · , n,
2
ou seja, a altura de cada retângulo é g(xi ) = xi . Assim, a soma de Riemann de g relativa a
partição P e com as alturas denidas é dada por


n ∑
n
S(g, P ) = g(xi )∆x = x2i ∆x = (x21 + x22 + · · · + x2n )∆x
i=1 i=1
= [(−3 + ∆x)2 + (−3 + 2∆x)2 + · · · + (−3 + n∆x)2 ]∆x
[( ) ( ) ( )]
= 9 − 6∆x + (∆x)2 + 9 − 6 · 2∆x + (2∆x)2 + · · · + 9 − 6 · n∆x + (n∆x)2 ∆x
= 9n∆x − 6(∆x)2 (1 + 2 + · · · + n) + (∆x)3 (12 + 22 + · · · + n2 )
54 n(n + 1) 27 n(n + 1)(2n + 1)
= 27 − 2 +
n ( 2 ) n3( 6 )
1 9 3 1
= 27 − 27 1 + + 2+ + 2
n 2 n n
27 9
= 9+ + 2
2n 2n

14
Portanto, usando retângulos inscritos obtemos que

( )
27 9
AR2 = lim 9+ + 2 = 9u.a..
n→+∞ 2n 2n

Logo, a área da região R é

AR = AR1 − AR2 = 27 − 9 = 18u.a..


∫ 4
EXEMPLO 1.5.9 Utilize soma de áreas de retângulos inscritos para calcular (−x2 − 1)dx.
0

Solução: O gráco de f (x) = −x2 − 1 e os retângulos inscritos na região de integração R


da integral desejada estão representados na Figura 1.14.

Figura 1.14: Retângulos inscritos na região R


∫ 4
Para calcular (−x2 − 1)dx usando somas de áreas de retângulos inscritos tomamos uma
0
partição P = {x0 , x1 , x2 , · · · , xn } do intervalo[0, 4], de tal forma que todos os subintervalos
de P possuam o mesmo diâmetro, isto é, ∆x = ∆x1 = ∆x2 = ... = ∆xn . Portanto, temos
4−(0)
que a base de cada um dos retângulos é dada por ∆x =
n
= n4 e assim podemos atribuir
valores para cada xi ∈ P como sendo

x0 = 0, x1 = ∆x, x2 = 2∆x, · · · , xn = n∆x.

Agora vamos determinar as alturas dos retângulos inscritos. Como neste exemplo temos
uma função decrescente e negativa, cada retângulo inscrito atinge sua altura no ponto xi−1 ,
i = 1, 2, · · · , n, ou seja, a altura de cada retângulo é f (xi−1 ). Assim, a soma de Riemann de

15
f relativa a partição P e com as alturas denidas é dada por


n
S(f, P ) = f (xi−1 )∆x
i=1
= [f (x0 ) + f (x1 ) + f (x2 ) + · · · f (xn−i )]∆x
{ }
= −1 + [−(∆x)2 − 1] + [−(2∆x)2 − 1] + · · · + [−((n − 1)∆x)2 − 1] ∆x
= −n∆x − [12 + 22 + · · · + (n − 1)2 ](∆x)3
( )3
4 (n − 1)n(2n − 1) 4
= −n · − ·
n 6 n
32(2n − 3n + 1)
2
64 32 32
= −4 − 2
= −4 − + − 2
3n 3 n 3n
Portanto, usando áreas de retângulos inscritos obtemos que
∫ 4 ( )
76 32 32 76
(−x − 1)dx = lim
2
− + − 2 =− .
0 n→+∞ 3 n 3n 3

1.5.10 Teorema do Valor Médio para Integrais


∫ b
TEOREMA 1.5.11 Se f : [a, b] → R é contínua, então existe c ∈ [a, b] tal que f (x) dx =
a
f (c) (b − a).
∫ 4
76
EXEMPLO 1.5.12 No Exemplo 1.5.4 obtemos que (x2 + 1)dx = . Determine, se existir,
0 3
um número que satisfaça o teorema do valor médio para esta integral.
Solução: Como f (x) = x2 + 1 é uma função contínua no intervalo [0, 4] o Teorema do Valor
Médio para Integrais garante que existe c ∈ (0, 4) de modo que
∫ 4
(x2 + 1)dx = f (c)(4 − 0).
0

Assim,

76 16 4 3
c2 + 1 = ⇒ c2 = ⇒c=± .
4·3 3 3
√ √
4 3 4 3
Observe que c = − não está no intervalo que procuramos a solução. Portanto, c =
3 3
satisfaz a conclusão do Teorema 1.5.11.

O Teorema do Valor Médio para Integrais tem uma interpretação geométrica interessante
∫ b
se f (x) ≥ 0 em [a, b]. Neste casof (x)dx é a área sob o gráco de f de a até b, e o número
a
f (c) do Teorema 1.5.11 é a ordenada do ponto P do gráco de f com abscissa c (veja a
Figura 1.15) Traçando-se uma reta horizontal por P a área da região retangular limitada
por essa reta, pelo eixo x e pelas reta x = a e x = b é f (c)(b − a) e que, pelo Teorema 1.5.11,
é a mesma que a área sob o gráco de f de a até b.

OBSERVAÇÃO O número c do Teorema 1.5.11 não é necessariamente único. De fato,


1.5.13

se f for uma função constante então qualquer número c pode ser utilizado.
∫ b
1
OBSERVAÇÃO 1.5.14 O número f (x)dx é dito valor médio de f em [a, b].
b−a a

16
y y=f(x)

P(c, f(c))

a c b x
Figura 1.15: Interpretação geométrica do Teorema 1.5.11

1.6 Teorema Fundamental do Cálculo


Seja f : [a, b] → R uma função contínua integrável. Vamos xar o limite inferior a e variar
o limite superior. Deniremos a função
∫ x
F (x) = f (t) dt ∀x ∈ [a, b].
a

Caso f (t) seja sempre positiva, então F (x) será numericamente igual a área do trapezóide
curvilíneo da Figura 1.16.

F(x)
F( x+ x) f(x)

a x x+ x x

Figura 1.16: Representação geométrica de F (x)

TEOREMA 1.6.1
∫ x Seja f : [a, b] → R uma função contínua no intervalo [a, b], então a
função F (x) = f (t) dt é uma primitiva da função f , ou seja, F ′ (x) = f (x).
a

17
DEMONSTRAÇÃO: Utilizando a denição de derivada, temos que

F (x + ∆x) − F (x)
F ′ (x) = lim
∆x→0 ∆x
[∫ x+∆x ∫ x ]
1
= lim f (t) dt − f (t) dt
∆x→0 ∆x a a
[∫ x ∫ x+∆x ∫ x ]
1
= lim f (t) dt + f (t) dt − f (t) dt
∆x→0 ∆x a x a
∫ x+∆x
1
= lim f (t) dt,
∆x→0 ∆x x

porém, pelo Teorema 1.5.11, sabemos que existe c ∈ [x, x + ∆x] tal que

∫ x+∆x
f (t) dt = f (c) (x + ∆x − x) = f (c)∆x
x

e portanto
F ′ (x) = lim f (c)
∆x→0

quando ∆x → 0 temos que c→x como f é contínua, obtemos que f (c) → f (x) e assim
ca demonstrado que

F (x + ∆x) − F (x)
F ′ (x) = lim = f (x) .
∆x→0 ∆x

Uma consequência desse teorema é o corolário que segue:

COROLÁRIO 1.6.2 Se f : [a, b] → R for contínua no intervalo [a, b], então F : [a, b] → R é
derivável em (a, b) e F ′ (x) = f (x) .

A função F : [a, b] → R, denida acima, é denominada primitiva de f : [a, b] → R e pelo


Teorema 1.6.1 toda função contínua num intervalo [a, b] possui primitiva em [a, b].

TEOREMA 1.6.3 Se f : [a, b] → R for contínua em [a, b] , então


∫ b
f (x)dx = G(b) − G(a)
a

onde G é qualquer primitiva de f, isto é, uma função tal que G′ = f.


∫ x
DEMONSTRAÇÃO: Seja F (x) = f (t)dt. Pelo Teorema 1.6.1 sabemos que F ′ (x) = f (x),
a
isto é, F é uma primitiva de f. Se G for qualquer outra primitiva de f em [a, b], então elas
diferem por uma constante, isto é,

G(x) = F (x) + c.

Assim,

∫ b ∫ a ∫ b
G(b) − G(a) = [F (b) + c] − [F (a) + c] = f (t)dt − f (t)dt = f (t)dt
a a a

18
Trocando t por x obtemos
∫ b
f (x)dx = G(b) − G(a)
a
como queríamos demonstrar.
A notação usual é
∫ b
b

f (x)dx = G(x) .
a
a
O teorema fundamental do cálculo permite que sejam determinadas as integrais denidas
das funções contínuas em intervalos fechados sem usar o método visto para encontrar somas
superiores e inferiores.

EXEMPLO 1.6.4 Utilizando o Teorema Fundamental do Cálculo encontre a área sob o gráco

de f : [0, 4] → R denida por f (x) = x2 + 1.

Solução: Pelo Teorema 1.6.3 a área desejada é dada por

∫ 4
4
x3 64 76
A= 2
(x + 1)dx = + x = +4= .
0 3 0 3 3

Compare este resultado com o resultado obtido no Exemplo 1.5.4.

EXEMPLO Calcule a área da região situada entre o eixo x e a curva f (x) = 18 (x2 −2x+8),
1.6.5

com x no intervalo de [−2, 4].

Solução: Uma representação gráca pode ser visualizada na gura 1.17.

Figura 1.17: Área sob o gráco de f (x) = 81 (x2 − 2x + 8)

Pelo teorema fundamental do cálculo temos que

∫ 4
4
1 2 1 x3
A = (x − 2x + 8)dx = ( − x + 8x)
2
−2 8 8 3 −2
[ 3 ( 3
)]
1 4 (−2)
= − 4 + 8(4) −
2
− (−2) + 8(−2)
2
8 3 3
[ ]
1 64 8 60 15
= − 16 + 32 + + 4 + 16 = = u.a.
8 3 3 8 2

19
1.6.6 Fórmulas Clássicas para Resolver Integrais (Revisão)
Para utilizar o teorema fundamental do cálculo, é essencial que se saiba obter a primitiva
(anti-derivada) de uma função. Vamos então relembrar, do cálculo I, alguns processos clás-
sicos de integração que serão muito úteis na resolução de problemas que envolvem integral
denida.

i. Mudança de Variável
TEOREMA 1.6.7 Sejam f : [a, b] → R uma função contínua e g : [α, β] → R uma função
derivável tal que g é integrável e g ([α, β]) ⊂ [a, b] e, além disso g (α) = a e g (β) = b. Então

∫ b ∫ β
f (x) dx = f (g (t)) g ′ (t) dt.
a α

DEMONSTRAÇÃO: Sejam f : [a, b] → R uma função contínua e g : [α, β] → R uma função



derivável com g integrável e g ([α, β]) ⊂ [a, b] com g (α) = a e g (β) = b. Então f possui
uma primitiva F : [a, b] → R e, pelo Teorema Fundamental do Cálculo, temos

∫ b
f (x) dx = F (g (β)) − F (g (α)) .
a

Por outro lado, pela regra da cadeia temos que

(F ◦ g)′ (t) = F ′ (g (t)) g ′ (t) = f (g (t)) g ′ (t)

para todo t ∈ [α, β], consequentemente,

(F ◦ g) (t) : [α, β] → R

é uma primitiva da função integrável f (g (t)) g ′ (t). Portanto, obtém-se:

∫ β ∫ b

f (g (t)) g (t) dt = F (g (β)) − F (g (α)) = f (x) dx.
α a

∫ √
x−1 5
EXEMPLO 1.6.8 Calcular a integral denida dx, usando o Teorema 1.6.7.
1 x

Solução: Primeiro vamos encontrar a função g (t). Seja t = x − 1 (note que t ≥ 0), então
2 2 ′
podemos escrever x = t + 1 e assim obtemos g (t) = t + 1, cuja derivada é g (t) = 2t.
Vamos agora determinar os valores de α e β . Como temos que g (α) = a = 1 e g (β) = b = 5
segue que

α2 + 1 = 1 ⇒ α2 = 0 ⇒ α = 0
β 2 + 1 = 5 ⇒ β 2 = 4 ⇒ β = 2.

x−1
Na sequência, determinaremos f (g (t)). Como f (x) = , obtemos
x
√ √
g (t) − 1 t2 + 1 − 1 t
f (g (t)) = = = .
g (t) t2 + 1 t2 + 1

20
Finalmente, vamos determinar o valor da integral, usando o Teorema 1.6.7, obtemos:

∫ √ ∫ ∫ 2 ∫ 2 2
5
x−1 2
t t2 t +1−1
dx = 2
2tdt = 2 2
dt = 2 dt =
1 x 0 t +1 0 t +1 0 t2 + 1
∫ 2 2 ∫ 2 ∫ 2
t +1 1 dt
= 2 2
− 2 dt = 2 dt − 2 2
=
0 t +1 t +1 0 0 t +1
2 2


= 2t − 2 arctan t = 4 − 2 arctan 2.

0 0

ii. Integração por partes


TEOREMA 1.6.9 Sejam f, g : [a, b] → R funções que possuem derivadas integráveis, então
∫ b ∫
b b

f (x)g (x)dx = f (x)g(x) − f ′ (x)g(x)dx.
a a
a

Na prática, costumamos chamar

u = f (x) ⇒ du = f ′ (x)dx
dv = g ′ (x)dx ⇒ v = g(x)

e substituindo na igualdade acima, obtemos:

∫ b ∫
b b

udv = uv − vdu.
a a
a

∫ π
3
EXEMPLO 1.6.10 Determine o valor da integral sin3 xdx.
0

Solução: Nesse caso, fazemos:

u = sin2 x ⇒ du =∫ 2 sin x cos xdx


dv = sin xdx ⇒ v = sin xdx = − cos x

e encontramos

∫ π ∫ π
π 3
3
3
sin xdx = sin x(− cos x) −
3 2
− cos x(2 sin x cos x)dx
0 0
0
π ∫ π
3
3
= − sin x cos x + 2
2
cos2 x sin xdx
0
0
π
3
2
= (− sin x cos x − cos x)
2 3
3
0
3 1 1 2 5
= − · − + = .
4 2 12 3 24

21
1.7 Integrais Impróprias
DEFINIÇÃO 1.7.1 Seja f : [a, ∞) → R uma função contínua para todo x ∈ [a, +∞). De-
nimos ∫ +∞ ∫ b
f (x) dx = lim f (x) dx,
a b→+∞ a
desde que o limite exista.
∫ +∞
1
EXEMPLO 1.7.2 Encontre o valor numérico da integral dx.
0 1 + x2

x
1
Figura 1.18: Área sob o gráco de f (x) = 1+x2

Solução: Veja o gráco de f na Figura 1.18. Pela denição 1.7.1 temos que

∫ ∫ b
+∞ b
1 1
dx = lim dx = lim arctan x
0 1 + x2 b→+∞ 0 1+x 2 b→+∞
0
π
= lim (arctan b − arctan 0) = lim arctan b = .
b→+∞ b→+∞ 2
DEFINIÇÃO 1.7.3 Seja f : (−∞, b] → R uma função contínua para todo x ∈ (−∞, b].
Denimos ∫ ∫
b b
f (x) dx = lim f (x) dx,
−∞ a→−∞ a

desde que o limite exista.


∫ 0
1
EXEMPLO 1.7.4 Encontre o valor numérico da integral dx.
−∞ 1 + x2

Solução: Pela denição 1.7.3 temos que

∫ ∫ 0
0 0
1 1
dx = lim dx = lim arctan x
−∞ 1 + x2 a→−∞ a 1+x 2 a→−∞
( π) π a

= lim [arctan 0 − arctan a] = − lim arctan a = − − = .


a→−∞ a→−∞ 2 2
DEFINIÇÃO 1.7.5 Seja f : (−∞, ∞) → R uma função contínua para todo x ∈ (−∞, +∞).
Denimos ∫ ∫ ∫
+∞ c b
f (x) dx = lim f (x) dx + lim f (x) dx,
−∞ a→−∞ a b→+∞ c

desde que os limites existam.

22
∫ +∞
1
EXEMPLO 1.7.6 Encontre o valor numérico da integral dx.
−∞ 1 + x2

Solução: Pela denição 1.7.5, tomando c = 0, obtemos

∫ +∞ ∫ 0 ∫ b
1 1 1
dx = lim dx + lim dx
−∞ 1 + x2 a→−∞ a 1 + x 2 b→+∞ 0 1 + x2
0 b


= lim arctan x + lim arctan x
a→−∞ b→+∞
a 0
= lim (arctan 0 − arctan a) + lim (arctan b − arctan 0)
a→−∞ b→+∞
= lim arctan a + lim arctan b
a→−∞ b→+∞
( π) π
= − − + = π.
2 2

1.8 Integral de uma função descontínua num ponto c ∈


[a, b]
DEFINIÇÃO 1.8.1 Seja f : [a, b] → R uma função contínua no intervalo [a, b], exceto no
ponto c ∈ [a, b]. Denimos
∫ b ∫ α ∫ b
f (x) dx = lim− f (x) dx + lim− f (x) dx,
a α→c a β→c β

desde que os limites acima existam.


∫ 1
1
EXEMPLO 1.8.2 Encontre o valor numérico da integral dx.
−1 x2

x
1
Figura 1.19: Área sob o gráco de f (x) = x2

23
Solução: O integrando é contínuo em todo ponto pertencente ao intervalo [−1, 1] , exceto
em x=0 (observe a Figura 1.19). Pela denição 1.8.1, temos que
∫ 1 ∫ α ∫ 1
1 1 1
dx = lim− dx + lim dx
−1 x2 α→0 −1 x
2 β→0+ β x2
α 1
−1 −1
= lim− + lim+
α→0 x β→0 x
−1 β
[ ( )] [ ( )]
−1 −1 −1
= lim− − + lim+ −1 −
α→0 α −1 β→0 β
= [+∞ − 1] + [−1 + ∞] = +∞
1
Consequentemente, a função f (x) = não é integrável no intervalo [−1, 1].
x2
OBSERVAÇÃO 1.8.3 Quando os limites que aparecem nas denições anteriores existem e são
nitos, dizemos que a integral imprópria converge. Caso contrário, ou seja, quando um dos
limites não existir, dizemos que a integral imprópria diverge.
EXEMPLO 1.8.4 Classique as integrais abaixo em convergente ou divergente.
∫ +4
(a) |x|ex dx;
−∞
∫ π
sin x
(b) dx.
0 cos2 x
Solução (a):
∫ +4 ∫ 0 ∫ 4
|x|e dx =
x
lim −xe dx +
x
xex dx
−∞ a→−∞
a 0 ∫ 4 ∫
0

0 4
  x
= lim −xe −
x
−e dx + xe −
x
ex dx
a→−∞ a 0
a 0
( )
= lim 0 + aea + e0 − ea + 4e4 − 0 − (e4 − 1)
a→−∞

= lim aea − lim ea + 3e4 + 1


a→−∞ a→−∞
a 1
= lim + 3e4 + 1 = lim + 3e4 + 1 = 3e4 + 1
a→−∞ e−a a→−∞ −e−a

ou seja, a integral converge.

Solução (b):
∫ π ∫ a ∫ π
sin x sin x sin x
dx = lim dx + lim dx
0 cos2 x a→ π2 − 0 cos x
2
b→ π2 + b cos x
2
[ a ] [ π ]
1 1
= lim + lim
a→ π2 − cos x b→ π2 + cos x
[ 0
] [ b
]
1 1
= lim − 1 + lim −1 −
a→ π2 − cos a b→ π2 + cos b
= +∞ − 2 + ∞ = +∞
ou seja, a integral diverge.

24
1.9 Área em coordenadas retangulares
Vimos que, se uma função f for não negativa, isto é, f (x) ≥ 0 para todo x no intervalo
[a, b], então a área da região delimitada pelas curvas x = a, x = b, y = 0 e y = f (x) é dada
por
∫ b
A= f (x) dx.
a
No caso mais geral, estaremos interessados em calcular a área da região situada entre os
grácos de duas funções f e g, com f (x) ≥ g(x) para todo x ∈ [a, b], de acordo com a Figura
1.20.

y
y=f(x)

y=g(x)

a b x

Figura 1.20: Região entre duas curvas

Nesta situação, devemos utilizar uma diferença de áreas e obter que

∫ b ∫ b ∫ b
A= f (x)dx − g(x)dx = [f (x) − g(x)] dx.
a a a

Na expressão acima, o termo f (x) − g(x) corresponde à altura de um retângulo innite-


simal de base dx.
Note que, se uma função g g(x) < 0 para todo x ∈ [a, b],
for negativa, isto é, se a área
da região situada entre as curvas x = a, x = b, y = 0 e y = g (x) será dada por

∫ b ∫ b
A= [0 − g(x)] dx = − g(x)dx.
a a

EXEMPLO Calcule a área da região situada entre o eixo x e o gráco da função f (x) =
1.9.1

2x, com x no intervalo [−2, 2] .


Solução: A representação gráca de f pode ser observada na Figura 1.21. Como esta função
tem imagem negativa no intervalo [−2, 0] e não negativa no intervalo [0, 2], devemos proceder
como segue

∫ ∫ ∫ ∫ 0 2
0 2 0 2

A= (0 − 2x)dx + (2x − 0)dx = −2xdx + 2xdx = −x2 + x2 = 8 u.a.
−2 0 −2 0
−2 0

Logo, a área sob o gráco da função f (x) = 2x, no intervalo [−2, 2] , é igual a 8 unidades de
área.

25
y

Figura 1.21: Área entre o eixo x e o gráco de f (x) = 2x


EXEMPLO 1.9.2 Calcule a área da região delimitada pelas curvas y = x2 e y = x.

Solução: Nesse exemplo não foi especicado o intervalo em que está situada a região deli-
mitada pelas curvas. Devemos determinar este intervalo encontrando os pontos de interseção
das curvas. {
x2
y =√
Para isso, basta resolver o sistema de equações . É fácil ver que a solução
y= x

vem da igualdade x2 = x x
que tornam essa sentença verdadeira são x = 0
e os valores de

e x = 1. Desse modo, a região delimitada pelas curvas y = x2 e y = x ca determinada se
x ∈ [0, 1].
y

x

Figura 1.22: Região delimitada por y = x2 e y= x.

De acordo com a Figura 1.22, podemos observar que a área desejada pode ser obtida

através da diferença entre as áreas das regiões situadas sob o gráco de y = x e sob o
gráco de y = x , com x ∈ [0, 1] .
2

Assim, temos que

∫ 1
1 (√ ) 2 3 1 3 2 1 1
A= x−x 2
dx = x 2 − x = − = u.a.
0 3 3 3 3 3
0

1
Portanto, a área desejada é igual a unidades de área.
3
EXEMPLO 1.9.3 Calcule a área da região hachurada na Figura 1.23.

Solução: Primeiro vamos identicar a lei que dene as funções lineares presentes no gráco.
1
Uma reta passa pelos pontos (0,0) e (1,1) e a outra passa pelos pontos (0, 0) e (2, ). Portanto
2

26
y

Figura 1.23: Região hachurada do Exemplo 1.9.3

as equações destas retas são y=x e y = x4 , respectivamente. Existem várias maneiras de


calcular esta área, uma delas está apresentada a seguir:

∫ 1 ( ) ∫ 2( )
1 1 1
A = x − x dx + − x dx
0 4 1 x 4
∫ ∫ 2 ∫
3 1 1 1 2
= xdx + dx − xdx
4 0 1 x 4 1
1 ( ) 2
3 2 1 2
= x + ln |x| − x
8 0 8
( 1
)
3 1 1
= + ln(2) − − ln(1) −
8 2 8
4 1
= − + ln(2) = ln(2) u.a.
8 2
Portanto, a área desejada é igual a ln(2) unidades de área.

EXEMPLO 1.9.4 Achar a área da região delimitada pelos grácos de y + x2 = 6 e y + 2x = 3.


Solução: Inicialmente, encontramos as interseções das curvas:
{
y = 6 − x2
⇒ 6 − x2 = 3 − 2x ⇒ x2 − 2x − 3 = 0 ⇒ x = −1 ou x = 3.
y = 3 − 2x
A seguir, fazemos a representação gráca da área delimitada, conforme ilustra a Figura
1.24.
Podemos então obter a área desejada calculando a área sob a parábola e descontando a
área sob a reta, no intervalo de [−1, 3], ou seja,
∫ 3
A = [(6 − x2 ) − (3 − 2x)]dx
−1
∫ 3
= (3 − x2 + 2x)dx
−1
3
x3
2
= 3x − +x
3 −1
27 1 32
= 9− + 9 − (−3 + + 1) = u.a.
3 3 3
27
y

Figura 1.24: Área delimitada por y + x2 = 6 e y + 2x = 3.

32
Portanto, a área desejada é igual a unidades de área.
3
EXEMPLO 1.9.5 Encontre o valor da área delimitada pelas curvas y = x2 , y = 2 − x2 e
y = 2x + 8.

Solução: Inicialmente vamos fazer uma representação gráca, conforme ilustra a Figura
1.25. Na sequência, vamos encontrar as interseções das curvas.

Figura 1.25: Região delimitada por y = x2 , y = 2 − x2 e y = 2x + 8


{
y = x2
Para a reta e a parábola, temos o sistema cujas soluções são x = 4, y =
y = 2x + 8
16 e x = −2, y = 4.
{
y = x2
Para as duas parábolas, temos os sistemas cujas soluções são x = 1, y =
y = 2 − x2
1 e x = −1, y = 1.
Como ocorre duas trocas no limitante inferior da região, devemos dividir a área desejada

28
em três partes, a saber:

∫ −1 ∫ −1
8
A1 = (2x + 8) − (x )dx =
2
(2x + 8 − x2 )dx = ,
−2 −2 3
∫ 1 ∫ 1
38
A2 = (2x + 8) − (2 − x2 )dx = (2x + 6 + x2 )dx = ,
−1 −1 3
∫ 4
A3 = (2x + 8) − (x2 )dx = 18.
1

Portanto, a área desejada é dada por

8 38 100
A = A1 + A2 + A3 = + + 18 = u.a.
3 3 3
EXEMPLO 1.9.6 Calcule, de duas formas distintas, a área da região delimitada pelas curvas
x = y + 1 e x = y 2 − 1.

Solução: Iniciamos com a representação geométrica da região, que está esboçada na Figura
1.26. A seguir, devemos encontrar os pontos de interseção entre as curvas, igualando suas

Figura 1.26: Região entre as curvas x=y+1 e x = y2 − 1

equações, obtendo

y2 − 1 = y + 1 ⇒ y2 − y − 2 = 0 ⇒ y = −1 e y=2

e ainda,

y = −1 ⇒ x = 0 e y = 2 ⇒ x = 3.

Uma primeira forma de calcular a área desejada é proceder como nos exemplos anteriores,
onde tomamos x como variável de integração. Para isso, devemos isolar y em função de x,
obtendo


y =x−1 e y = ± x + 1.

Note que o sinal positivo na última equação corresponde à porção da parábola situada
acima do eixo x e o sinal negativo corresponde a parte situada abaixo do eixo.

29
Como ocorre troca na limitação inferior da região, devemos tomar uma soma de integrais
para calcular sua área, conforme segue

∫ ∫ 3
0 √ √ √
A = x + 1 − (− x + 1)dx + x + 1 − (x − 1)dx
−1 0
∫ 0 ∫ 3
√ √
= 2 x + 1dx + ( x + 1 − x + 1)dx
−1 0
0 3
4√ √ 2
2 x
= (x + 1)3 + (x + 1)3 − + x
3 3 2
−1 0
4 16 9 2 9
= + − + 3 − = u.a.
3 3 2 3 2
Uma segunda maneira de calcular esta área é mantendo y como variável independente e
tomar a integração em relação a y. Neste caso, a curva superior está situada à direita,ou seja,
é a reta x = y + 1 e a curva inferior está situada à esquerda, ou seja, é a parábola x = y − 1.
2

Como desta forma não ocorre troca de limitação, podemos calcular a área tomando uma
única integral

∫ 2
A = (y + 1) − (y 2 − 1)dy
−1
∫ 2
2 2 3
y y
= (y − y + 2)dy =
2
− + 2y
−1 2 3
−1
( )
8 1 1 9
= 2− +4− − − 2 = u.a.
3 2 3 2
Observe que a troca da variável de integração resultou numa expressão cuja integral
era mais simples de ser resolvida. Desta forma, é importante saber escrever integrais que
permitem calcular áreas tomando tanto x quanto y como variáveis de integração, para depois
optar por resolver aquela que se mostrar mais simples.

EXEMPLO Escreva a(s) integral(is) que permite(m)


1.9.7
√ calcular a área da região delimitada
simultaneamente pelas curvas de equações y = x − 2, x + y = 2 e x + 2y = 5, tomando:
(a) integração em relação a x. (b) integração em relação a y.
Solução: Iniciamos com a representação geométrica da região, esboçada na Figura 1.27.

Note que temos apenas o ramo superior da parábola, pois y= x − 2 ≥ 0.
{
O próximo passo é obter as interseções entre as curvas.
x+y =2
Entre as duas retas, temos o sistema , cuja solução é x = −1, y = 3.
x + 2y = 5
{ √
y = x−2
Entre a parábola e uma das retas, temos o sistema , cuja solução é x = 2,
x+y =2
y = 0. { √
y = x−2
E entre a outra reta e a parábola, temos o sistema , cuja solução é x = 3,
x + 2y = 5
y = 1.
Agora podemos montar as integrais que permitem calcular a área desejada.
5−x
(a) Tomando integração em relação a x, devemos isolar y em função de x,obtendo y =
2
30
y

x

Figura 1.27: Região delimitada por y= x − 2, x + y = 2 e x + 2y = 5


para a reta superior, y = 2−x para a reta inferior e y = x − 2 para a parábola, que também
é um limitante inferior. Como ocorre troca na limitação inferior em x = 2, precisamos de
duas integrais.

∫ [( ) ] ∫ 3 [( ) ]
2
5−x 5−x (√ )
A = − (2 − x) dx + − x − 2 dx
−1 2 2 2
∫ ∫ 3( )
2
1+x 5−x √
= dx + − x − 2 dx.
−1 2 2 2

(b) Tomando integração em relação a y , devemos isolar x em função de y, obtendo x = 5−2y


para a reta superior, x = 2 − y para a reta inferior e x = y + 2 para a parábola, que neste
2

caso também é um limitante superior. Como ocorre troca na limitação superior em y = 1,


necessitamos também de duas integrais.

∫ ∫ 3
1 []
A = (y + 2) − (2 − y) dy +
2
[(5 − 2y) − (2 − y)] dy
0 1
∫ 1 ∫ 3
= 2
(y + y)dy + (3 − y) dy.
0 1

Neste exemplo, as duas expressões obtidas envolvem soma de integrais. Mesmo assim,
é fácil notar que a expressão na qual y é a variável independente é a mais simples de ser
resolvida. Assim, se o enunciado solicitasse que fosse calculado o valor numérico da área em
questão, deveríamos optar por resolver esta expressão.

EXEMPLO 1.9.8 A área de uma determinada região R pode ser calculada pela expressão
∫ ∫
2 [ 2 √ ] 4 [ √ ]
A= (2x ) − (2 x) dx + (−2x + 12) − (2 x) dx.
1 2

(a) Represente geometricamente a região R.


(b) Escreva a área de R usando y como variável independente.
Solução (a): Interpretando a expressão da área dada acima temos: Quando x varia de

2
1 até 2 a limitação superior é y = 2x e a limitação inferior é y = 2 x e enquanto x

31
Figura 1.28: Região R


varia de 2 até 4 o limitante superior é y = −2x + 12
e o inferior continua sendo y = 2 x.
é delimitada superiormente pelas curvas y = 2x , y = −2x + 12
2
Logo, temos que a região R

e inferiormente por y = 2 x e sua representação geométrica está sombreada na Figura 1.28.

Solução{(b): Os pontos de interseção são


{
2
y = 2x
√ ⇒ (1, 2); y = 2x2
A: B: ⇒ (2, 8) e
y = 2 x y = −2x + 12
{
y = −2x√+ 12
C: ⇒ (4, 4).
y = 2 x
Logo, usando y como variável independente para escrever a área de R temos

∫ 4( 2 √ ) ∫ 8( √ )
y y 12 − y y
A= − dy + − dy.
2 4 2 4 2 2

1.10 Área delimitada por curvas escritas em equações


paramétricas (opcional)
Sejay = f (x) uma função contínua no intervalo [a, b], cujo gráco delimita uma região R.
A seguir, vamos obter uma nova expressão para a área da região R, utilizando as equações
paramétricas x = ϕ (t) e y = ψ (t), com t ∈ [α, β] , da curva descrita por f. Para isto, basta
lembrar que a área de uma região retangular é dada por

∫ b ∫ b
A= f (x) dx = ydx.
a a

Agora, fazendo a substituição y = ψ (t) e dx = ϕ′ (t)dt e supondo que a = ϕ(α) e


b = ϕ(β) obtemos a expressão para o cálculo de área em coordenadas paramétricas:

∫ β
A= ψ(t)ϕ′ (t)dt.
α

32
x2 y 2
EXEMPLO 1.10.1 Encontre a área delimitada pela elipse + 2 = 1.
a2 b
Solução: As equações paramétricas da elipse dada são

x = ϕ (t) = a cos t e y = ψ (t) = b sin t.

Desse modo, temos que


dx = ϕ′ (t) dt = −a sin tdt
Vamos agora determinar os valores de α e β. Utilizando a quarta parte da área desejada,
temos que x varia de 0 até a. Assim, podemos fazer x = ϕ (α) = 0 e x = ϕ (β) = a. Logo

π
ϕ (α) = 0 ⇒ a cos α = 0 ⇒ cos α = 0 ⇒ α =
2
ϕ (β) = a ⇒ a cos β = a ⇒ cos β = 1 ⇒ β = 0.

Agora, para obter a área total interna à elipse basta utilizar a simetria da região e obter
que

∫ 0 ∫ 0
A = 4 b sin t(−a sin t)dt = −4ab sin2 tdt
π π

) π2
2 2
∫ π (
1 2 1
= 4ab (1 − cos 2t) dt = 2ab t − sin 2t
0 2 2
( ) 0
π 1
= 2ab − sin π − 0 = abπ.
2 2
{
x = 2 cos t
EXEMPLO 1.10.2 Calcular a área da região que é interior a elipse E1 = e
{ y = 4 sin t
x = 2 cos t
exterior a elipse E2 = .
y = sin t

Figura 1.29: Região entre as elipses.

Solução: A região cuja área desajamos calcular pode ser vista na Figura 1.29. Novamente,
podemos utilizar argumentos de simetria e calcular a área da região situada no primeiro
quadrante do plano xy e multiplicar o resultado por quatro. Neste quadrante, temos que
x ∈ [0, 2]. No entanto

x = 0 ⇒ 2 cos t = 0 ⇒ t = π2
x = 2 ⇒ 2 cos t = 2 ⇒ cos t = 1 ⇒ t = 0,

33
logo, para descrever a região que nos interessa, em coordenas paramétricas, devemos integrar
π
de t = até t = 0. Assim, notando que neste exemplo devemos tomar a diferença entre as
2
áreas sob as elipses E1 e E2 , obtemos
∫ 0 ∫ 0
A = 4 [4 sin t(−2 sin t)dt − 4 sin t(−2 sin t)]dt
π π

∫ 0
2

2
0
= 2
(−32 sin t + 8 sin t)dt = 2
−24 sin2 tdt
π π

) π2
2 2
∫ π (
2 1 12
= 24 (1 − cos 2t)dt = 12t − sin 2t = 6π u.a.
0 2 2
0

1.11 Área de um setor curvilíneo em coordenadas polares


Nesta seção trabalharemos com áreas de regiões típicas polares e no nal deste capítulo é
apresentada uma breve revisão sobre coordenadas polares.
Seja r = f (θ) uma função contínua que descreve uma curva em coordenadas polares, no
intervalo [α, β]. Como nosso interesse é determinar a área da região delimitada por r = f (θ)
vamos tomar uma partição do intervalo [α, β], conforme ilustra a Figura 1.30.

Figura 1.30: Região Polar, com ∆θi = θi − θi−1 e ri = f (θi ).

Seja X = {θ0 , θ1 , θ2 , θ3 , ..., θn } uma partição de [α, β] em que

α = θ0 < θ1 < θ2 < θ3 < ... < θn = β.

Sejam ∆θ1, ∆θ2, ∆θ3, ..., ∆θn os subarcos da partição X e seja ri o comprimento do raio
correspondente a um ângulo ξi ∈ ∆θi , isto é, θi−1 ≤ ξi ≤ θi .
A área do setor circular de raio ri e arco ∆θi é dada por

1
Ai = (ri )2 ∆θi
2
e a área aproximada área da região delimitada por r = f (θ) é dada por


n
An = 1
2
(ri )2 ∆θi .
i=1

34
Seja |∆θ| o subintervalo de maior diâmetro da partição X. Então, se n tender a innito
teremos que |∆θ| tenderá a zero. Desse modo poderemos escrever


n ∫ β
1 2 1
A = lim An = lim (ri ) ∆θi = r2 dθ
n→∞ |∆θ|→0
i=1
2 2 α

ou seja,
∫ β
1
A= r2 dθ, (1.11.1)
2 α
que nos fornece uma expressão para o cálculo de áreas delimitadas por curvas em coordenadas
polares.

EXEMPLO Determine a área da região que é simultaneamente exterior à cardióide r =


1.11.1

1 − cos θ e interior ao círculo r = 1.

Solução: A Figura 1.31 ilustra a região considerada.

Figura 1.31: Região delimitada por um cardióide e por uma circunferência.

Como esta região é simétrica em relação ao eixo x, podemos calcular o dobro da área
da porção situada no primeiro quadrante do plano xy. Neste quadrante, temos que o ângulo
polar θ varia no intervalo [0, π2 ]. Ainda, devemos notar que a área desejada é dada, em
coordenadas polares, pela diferença entres as áreas da circunferência e da cardióide. Assim,
usando a expressão 1.11.1, obtemos

∫ π ∫ π ∫ π
2 2 2 2 2
A = 1 dθ −
2
(1 − cos θ) dθ =
(2 cos θ − cos2 θ)dθ
2
2 0 2 0 0
∫ π
π 2
2 1 1 1 π
= 2 cos θ − (1 + cos 2θ)dθ = 2 sin θ − θ − sin 2θ = 2 − .
0 2 2 4 4
0

π
Portanto, a área desejada é igual 2− unidades de área.
4
EXEMPLO 1.11.2 Escreva, em coordenadas polares, a integral que calcula a área da região
simultaneamente exterior à circunferência r = 1 e interior a rosácea r = 2 cos(2θ).
Solução: A Figura 1.32 ilustra a região desejada. Para determinar os pontos de interseção
das duas curvas fazemos

1 π π
2 cos(2θ) = 1 ⇒ cos 2θ = ⇒ 2θ = ⇒ θ = ( no 1o quadrante).
2 3 6

35
Figura 1.32: Região delimitada por uma rosácea e uma circunferência

Vamos calcular a área da região delimitada com θ no intervalo de [0, π6 ] e multiplicar por
8, já que as demais áreas são simétricas. Utilizando a Fórmula 1.11.1 e vericando que a
área desejada é igual a área da rosácea menos a área da circunferência, obtemos

∫ π ∫ π
1 6 6
A=8· [(2 cos(2θ)) − (1) ]dθ = 4
2 2
(4 cos2 (2θ) − 1)dθ.
2 0 0

EXEMPLO Escreva a integral que permite


1.11.3
√ calcular a área da região que é simultanea-
mente interior as curvas r = 5 cos θ e r = 5 3 sin θ.
Solução: Inicialmente, devemos identicar as curvas dadas. Utilizando as relações polares
x= r cos θ, y = r sin θ e r2 = x2 + y 2 , obtemos que
( )2
25 5
r = 5 cos θ ⇒ r = 5r cos θ ⇒ x + y = 5x ⇒
2 2 2
+ y2 = x−
√ 4 2
√ √ √ 5 3 2 75
r = 5 3 sin θ ⇒ r2 = 5 3r sin θ ⇒ x2 + y 2 = 5 3y ⇒ x2 + (y − ) =
2 4
e assim, vemos que a região que nos interessa está situada no interior de duas circunferências,
de centros deslocados da origem, conforme ilustra a Figura 1.33.

Figura 1.33: Região situada entre circunferências

A seguir, devemos determinar a interseção entre as curvas



√ √ 3 π
5 3 sin θ = 5 cos θ ⇒ 3 tan θ = 1 ⇒ tan θ = ⇒ θ= .
3 6
Finalmente, observamos que ao descrever a região desejada, devemos considerar r =
√ π π π
5 3 sin θ para θ ∈ [0, ] e r = 5 cos θ para θ ∈ [ , ]. Portanto, como ocorre troca de
6 6 2
36
limitação para o raio polar, necessitamos de uma soma de integrais para calcular a área
desejada

∫ √π ∫ π
1 6
2 1 2
A = (5 3 sin θ) dθ + (5 cos θ)2 dθ
2 0 2 π6
∫ π ∫ π
1 6 2 1 2
= 75 sin θdθ + 25 cos2 θdθ.
2 0 2 π6

EXEMPLO 1.11.4 A área de uma determinada região R pode ser calculada, em coordenadas
polares, pela expressão
[ ∫ π ∫ π √ ]
1 4 1 2
I=2 (2 sen(θ))2 dθ + ( 2)2 dθ .
2 0 2 π4

(a) Represente geometricamente a região R.


(b) Escreva a expressão que determina a área desta região usando coordenadas cartesianas
em relação: (i) à variável x; (ii) à variável y.
(c) Calcule o valor da área da região R.
Solução (a): A partir da integral dada vemos que a região R possui simetria, há troca de

limitação do raio polar em θ = π4 e as funções que delimitam a área são ρ = 2 senθ e ρ = 2.

Estas curvas são, respectivamente, as circunferências x + (y − 1) = 1 e x + y =
2 2 2 2
2. Na
Figura abaixo estão representados os grácos destas curvas e R é a região simultaneamente
interior as duas circunferências que está sombreada na Figura 1.34.

Figura 1.34: Região R


Solução (b): Interseção de ρ = 2 sin θ e ρ= 2 é a solução de:

{
ρ = 2√
sin θ π 3π
=⇒ θ = ou
ρ = 2 4 4

(esta interseção é dada na integral I ). Em coordenadas cartesianas os pontos de interseção


das curvas são (−1, 1) e (1, 1).

37
(i) Integração em relação à variável x:
∫ 1 √ √ ∫ 1 √ √
I= ( 2 − x2 − 1 + 1 − x2 ) dx ou I=2 ( 2 − x2 − 1 + 1 − x2 ) dx
−1 0

(ii) Integração em relação à variável y:


∫ 1 √ ∫ √
2 √
I=2 2y − y2 dy + 2 2 − y 2 dy
0 1

Solução (c): Para calcular o valor da área da região R usaremos a expressão I dada
em coordenadas polares. Assim,

[ ∫ π ∫ π √ ]
1 4 1 2
A = 2 (2 sen(θ))2 dθ + ( 2)2 dθ
2 0 2 π4
∫ π ∫ π
4 2
2
= 4 sen θ dθ + 2 dθ
π
0
π ) π4
4
∫ π 2 (
4 1− cos(2θ) sen(2θ) π
= 4 dθ + 2θ = 2 θ − + = (π − 1) u.a.
0 2 π 2 2
4
0

1.12 Comprimento de Arco

1.12.1 Comprimento de Arco em Coordenadas Cartesianas


Seja y = f (x) uma função contínua no intervalo [a, b] , cujo gráco descreve o arco d
AB,
conforme ilustra a Figura 1.35.

y
f(xi) M0 Mi
Δs Δy
f(xi-1) Mi-1
M1 Δx
Mn

a x1 xi-1 xi b x
Figura 1.35: Comprimento de arco

Vamos dividir o arco d


AB em subarcos por meio da partição

X = {M0 , M1 , M2 , ..., Mn }

38
em que
A = M0 < M1 < M2 < ... < Mn = B
cujas abscissas são
x0 , x1 , x2 , ..., xn .
Tracemos as cordas

M0 M1 , M1 M2 , · · · , Mi−1 Mi , · · · , Mn−1 Mn

e designemos os seus comprimentos por

∆S1 , ∆S2 , · · · , ∆Si , · · · , ∆Sn .

Obtém-se então a linha poligonal

AM0 M1 · · · Mn−1 B

ao longo do arco d
AB cujo comprimento aproximado é dado por

ln = ∆S1 + ∆S2 + · · · + ∆Si + · · · + ∆Sn

ou seja,


n
ln = ∆Si . (I)
i=1

Mas ∆Si é a hipotenusa do triângulo de lados ∆xi e ∆yi , de modo que podemos escrever

(∆Si )2 = (∆xi )2 + (∆yi )2 ,


dividindo tudo por ∆xi obtemos
( )2 ( )2 ( )2
∆Si ∆xi ∆yi
∆xi
= ∆xi
+ ∆xi

ou seja,
√ ( )2
∆Si ∆yi
= 1+
∆xi ∆xi
e assim √ ( )2
∆yi
∆Si = 1+ ∆xi . (II)
∆xi
Agora, como

∆xi = xi − xi−1 e ∆yi = f (xi ) − f (xi−1 )


segue que
∆yi f (xi ) − f (xi−1 )
=
∆xi xi − xi−1
e pelo teorema de Lagrange, sabemos que existe ξi ∈ [xi−1 , xi ] tal que

f (xi ) − f (xi−1 )
= f ′ (ξi ) .
xi − xi−1
Portanto, obtemos que

39
∆yi
= f ′ (ξi ) . (III)
∆xi
Substituindo (II) em (I) resulta que
√ ( )2

n
∆yi
ln = 1+ ∆xi
∆xi (IV )
i=1

e substituindo (III) em (IV ) resulta que

n √

ln = 1 + (f ′ (ξi ))2 ∆xi .
i=1

Seja d Então, se n → ∞, segue


|∆x| o intervalo de maior diâmetro de cada partição de AB.
que |∆x| → 0 e (ξi ) → x. Assim:
n √
∫ b√
∑ 2
l = lim ln = lim ′
1 + (f (ξi )) ∆xi = 1 + (f ′ (x))2 dx.
n→∞ |∆x|→0 i=1 a

Portanto, o comprimento do arco d no intervalo [a, b]


AB é dado por

∫ b√
l= 1 + (f ′ (x))2 dx. (1.12.1)
a

EXEMPLO 1.12.2 Determinar o comprimento do arco da curva descrita por y = x, com x
no intervalo [0, 4] .
Solução: A Figura 1.36 ilustra o comprimento de arco considerado.


Figura 1.36: Arco de f (x) = x

Como y = f (x) = x temos que f ′ (x) = 1

2 x
. Aplicando a fórmula 1.12.1, obtemos

)2 √ (
∫ b√ ∫ 4
1
l = 1 + (f (x)) dx = ′
1+ √ 2
dx
a 0 2 x
∫ 4√ ∫ 4√ ∫ √
1 4x + 1 1 4 4x + 1
= 1 + dx = dx = √ dx.
0 4x 0 4x 2 0 x
Note que esta última integral é imprópria, pois o integrando não é contínuo em x = 0. No
entanto, neste exemplo não será preciso aplicar limites para resolver a integral, pois podemos
2
utilizar uma mudança de variáveis. Fazendo a substituição t = x, encontramos dx = 2tdt e
como x ∈ [0, 4], obtemos que t ∈ [0, 2] . Logo
∫ √ ∫ 2√
1 2 4t2 + 1
l= √ 2tdt = 4t2 + 1dt.
2 0 t2 0

40
Como o novo integrando agora é contínuo no intervalo de integração, podemos utilizar o
teorema fundamental do cálculo e a técnica de substituições trigonométricas para encontrar
que


1 √ 2 1 ( √ ) 2

l = t 4t + 1 + ln 2t + 4t2 + 1
2 4
0
√ 1 √
= 17 + ln(4 + 17) u.c.
4

1.12.3 Comprimento de um arco em coordenadas paramétricas


Sejam x = ϕ (t) e y = ψ (t) , com t ∈ [α, β] , as equações paramétricas da curva descrita
por y = f (x) . Então, como dx = ϕ′ (t) dt e dy = ψ ′ (t) dt, podemos escrever

′ dy ψ ′ (t) dt ψ ′ (t)
f (x) = = ′ = ′ .
dx ϕ (t) dt ϕ (t)

Substituindo na fórmula 1.12.1 obtemos


∫ b√
l = 1 + (f ′ (x))2 dx
∫ β√
a

(ψ ′ (t))2 ′
= 1+ ϕ (t) dt
α (ϕ′ (t))2
∫ β√ ′
(ϕ (t))2 + (ψ ′ (t))2 ′
= ϕ (t) dt
α ϕ′ (t)2

∫ β (ϕ′ (t))2 + (ψ ′ (t))2
= ′ (t)
ϕ′ (t) dt
α ϕ
∫ β√
= (ϕ′ (t))2 + (ψ ′ (t))2 dt.
α

Portanto, o comprimento de arco em coordenadas paramétricas é dado por

∫ β √
l= (ϕ′ (t))2 + (ψ ′ (t))2 dt. (1.12.2)
α

EXEMPLO Mostre, usando coordenadas paramétricas, que o comprimento de uma cir-


1.12.4

cunferência de raio r é igual a 2πr.


Solução: Em coordenadas paramétricas, a circunferência é descrita por
{
x(t) = r cos t
com t ∈ [0, 2π].
y(t) = r sin t
O seu comprimento de arco, em paramétricas, de acordo com 1.12.2 é dado por

∫ 2π √ ∫ 2π √ ∫ 2π
l= (−r sin t)2 + (r cos t)2 dt = 2
r2 (sin t + cos2 t)dt = rdt = rt|2π
0 = 2πr.
0 0 0

EXEMPLO 1.12.5 Calcule o comprimento de arco da astróide descrita por

41
y
3

-3 3 x

-3

Figura 1.37: Astróide

ϕ (t) = 3 cos3 t, ψ(t) = 3 sin3 t com t ∈ [0, 2π].


Solução: A curva pode ser visualizada na Figura 1.37.
Como há simetria, podemos encontrar o comprimento do subarco situado no primeiro
quadrante, tomando t ∈ [0, ] e multiplicar o resultado obtido por quatro.
π
2
′ ′
Como ϕ (t) = −9 cos sin t e ψ (t) = 9 sin t cos t, substituindo na fórmula 1.12.2, obtemos
2 2

∫ √ ∫ √
( )2
π π
2 2
l = 4 (−9 cos t sin t) + 9 sin t cos t dt = 4 · 9
2 2 2
cos4 t sin2 t + sin4 t cos2 tdt
0 0
∫ ∫ π
π √ ( )
π 2
2 2

= 36 2 2
cos2 t sin t cos2 t + sin t dt = 36 cos t sin tdt = 18 sin2 t = 18 u.c.
0 0
0

Portanto, o comprimento de arco da astróide dada é 18 unidades de comprimento.

EXEMPLO 1.12.6 As equações paramétricas do movimento de uma partícula no plano são

dadas por x = 3t e y = 2t 2 . Qual será a distância percorrida pela partícula entre os instantes
3

t = 0 e t = 1?

Solução: A distância percorrida pela partícula é igual ao comprimento de arco da curva


que descreve a sua trajetória. Aplicando a fórmula 1.12.2 para

3
x = ϕ(t) = 3t e y = ψ(t) = 2t 2

com t ∈ [0, 1], obtemos

∫ √ ∫
1
1
1 √
l = 32 + (3t 2 )2 dt = 9 + 9tdt
0 0
∫ 1
1 √
3
= 3 1 + tdt = 2(1 + t) 2

0
3 3 √ 0

= 2(2) − 2(1) = 4 2 − 2 u.c.


2 2

√ Portanto, a distância percorrida pela partícula entre os instantes t=0 e t=1 é igual a
4 2 − 2 unidades de comprimento.

42
1.12.7 Comprimento de arco em coordenadas polares
Sejam ϕ (θ) = r cos θ e ψ (θ) = r sin θ as coordenadas polares da curva r = f (θ), com θ∈
[α, β]. Substituindo r por f (θ) nas equações paramétricas vem

ϕ (θ) = f (θ) cos θ e ψ (θ) = f (θ) sin θ

e assim

ϕ′ (θ) = f ′ (θ) cos θ − f (θ) sin θ = r′ cos θ − r sin θ


ψ ′ (θ) = f ′ (θ) senθ + f (θ) cos θ = r′ senθ + r cos θ.

Agora
(ϕ′ (t)) + (ψ ′ (t)) = (r′ cos θ − rsenθ) + (r′ senθ + r cos θ)
2 2 2 2

que após aplicar os produtos notáveis e simplicar, resulta em

(ϕ′ (t)) + (ψ ′ (t)) = (r′ ) + r2 .


2 2 2

Substituindo na equação 1.12.2, obtemos a fórmula para o cálculo do comprimento de


arco em coordenadas polares, que é dada por

∫ β √
l= (r′ )2 + r2 dθ. (1.12.3)
α

EXEMPLO 1.12.8 Encontrar o comprimento de arco do cardióide r = a (1 + cos θ).


Solução: Por simetria, podemos determinar o comprimento do arco situado no primeiro

e segundo quadrante e multiplicar por dois. Como r = a (1 + cos θ) tem-se r = −a sin θ.
Substituindo na fórmula 1.12.3 vem
∫ β √
l = (r′ )2 + r2 dθ
∫ π√
α

= 2 (−a sin θ)2 + (a (1 + cos θ))2 dθ



0
π√
= 2a sin2 θ + 1 + 2 cos θ + cos2 θdθ
∫ π√
0

= 2a 2 + 2 cos θdθ
0
∫ π
θ
= 2a · 2 cos dθ
2
0
π
1
= 4a · 2 sin θ = 8a u.c.
2
0

Logo, o comprimento de arco do cardióide r = a (1 + cos θ) é igual a 8a u.c.

EXEMPLO 1.12.9Determine o comprimento de arco da porção da espiral r = 2e2θ (com θ ≥ 0)


que está situada dentro da circunferência r = a, onde a > 2.
Solução: Inicialmente, vamos obter os limitantes de integração. Na interseção da espiral
com a circunferência, temos que

43
a a 1 a
2e2θ = a ⇒ e2θ = ⇒ 2θ = ln ⇒ θ= ln
2 2 2 2
[ 1 a]
Portanto, a porção da espiral que nos interessa é descrita Ainda, por θ ∈ 0, ln .
2 2
como temos r = 2e2θ segue que r′ = 4e2θ e assim, substituindo na expressão 1.12.3 obtemos
o comprimento em coordenada polares
∫ 1
ln a
√ ∫ 1
ln a

2 2 2 2
l = 2θ 2 2θ 2
(4e ) + (2e ) dθ = 20e4θ dθ
0 0
∫ 1 ln a
1
2
ln a
2 √ 2θ √ 2θ 2 2 √ ( a )
= 2 5e dθ = 5e = 5 − 1 u.c.
0 2
0

1.13 Volume de um Sólido de Revolução


Considere o sólido T gerado pela rotação da curva y = f (x) em torno do eixo x, no
intervalo [a, b] como na Figura 1.38

y
y Cálculo do elemento de volume

y=f(x)
y=f(x)

Área plana r=f(x)

a b x a b x

z dx
dV=π r²dx
dV=π[f(x)]²dx

Figura 1.38: Rotação de uma curva em torno do eixo x

Seja P = {x0 , x1 , · · · , xn } uma partição do intervalo [a, b] e sejam ∆x1 , ∆x2 , · · · , ∆xn
os subintervalos da partição. Se ξi ∈ ∆xi , então o volume do cilindro de raio f (ξi ) e altura
∆xi é dado por
Vi = π [f (ξi )]2 ∆xi
e o volume aproximado do sólido será dado pela soma dos volumes dos n − cilindros, isto é,


n
Vn = π [f (ξi )]2 ∆xi .
i=1

Seja|∆θ| o subintervalo de maior diâmetro, então se n → ∞, segue que |∆θ| → 0, ξi → x


e o volume V do sólido T será dado por

∑n ∫ b
2
V = lim Vn = lim π [f (ξi )] ∆xi = π [f (x)]2 dx.
n→∞ |∆θ|→0 a
i=1

Portanto, o volume de um sólido de revolução (em torno do eixo x) é calculado pela


expressão
∫ b
V =π [f (x)]2 dx. (1.13.1)
a

44
EXEMPLO 1.13.1 A m de que não haja desperdício de ração e para que seus animais estejam

bem nutridos, um fazendeiro construiu um recipiente com uma pequena abertura na parte
inferior, que permite a reposição automática da alimentação, conforme mostra a Figura 1.39.
Determine, usando sólidos de revolução, a capacidade total de armazenagem do recipiente,
em metros cúbicos.
2m

4m
cilindro

cone 6m

Figura 1.39: Forma do recipiente.

Solução: Vamos encontrar o volume do cilindro (V1 ) e do cone (V2 .) Assim, o volume total
será dado por V = V1 + V2 .
Para determinar V1 vamos rotacionar a reta y=2 em torno do eixo x (Figura 1.40).

y
y

x x

z
-2

Figura 1.40: Cilindro de Revolução

Aplicando a expressão 1.13.1, obtemos


∫ 4
V1 = π 22 dx = 4π · 4 = 16π.
0

Já para o cone, como temos um raio r=2 e altura h = 6, obtemos a reta y = 13 x para
rotacionar em torno do eixo x (Figura 1.41).

y y

x x

Figura 1.41: Cone de Revolução

Aplicando a expressão 1.13.1 mais uma vez, obtemos

∫ 6
6
1 2 1 3 63 π
V2 = π x dx = πx = = 8π.
0 9 27 27
0

Portanto o volume desejado é dado por V = 16π + 8π = 24π u.v.

45
EXEMPLO 1.13.2Calcule o volume do sólido gerado pela rotação da curva f (x) = x3 , com x
no intervalo [1,2], em torno do eixo x.
Solução: O sólido desejado pode ser visualizado na Figura 1.42.

y y

r
x x
z
Figura 1.42: Sólido gerado pela rotação de y = x3 em torno do eixo x

E o volume desejado é dado por

∫ ∫ 2
2 ( 3 )2 2
6 πx7 127π
V =π x dx = π x dx = = u.v.
1 1 7 1 7

EXEMPLO Determinar o volume do sólido gerado pela revolução da região delimitada


1.13.3

pelas curvas y = x2 e y = x + 2 em torno do eixo x (veja a Figura 1.43).


y y

x x

Figura 1.43: Sólido gerado pela rotação de uma região plana em torno do eixo x

Solução: Nesse exemplo não foi especicado o intervalo em que está situada a região delimi-
tada pelas curvas. Para determinar este intervalo, devemos encontrar os pontos de interseção
das curvas dadas. Igualando suas equações, obtemos

x2 = x + 2 ⇒ x2 − x − 2 = 0 ⇒ x = −1 e x = 2.

A Figura 1.43 indica que o sólido desejado está situado entre duas superfícies. Assim,
seu volume é dado pela diferença entre os volumes externo e interno. De acordo com 1.13.1,

46
temos que

∫ ∫
2 2 ( 2 )2
V = π (x + 2) dx − π
2
x dx
−1 −1
∫ 2
= π (x2 + 4x + 4 − x4 )dx
−1
( ) 2
1 3 1 72
= π x + 2x2 + 4x − x5 = π u.v.
3 5 5
−1

EXEMPLO Encontre o volume do sólido de revolução gerado pela rotação da curva


1.13.4

(x − 2) + y = 1 em torno do eixo y.
2 2

Solução: Observe na Figura 1.44 a circunferência geratriz do sólido.

-1 1 2 3 x

-1

Figura 1.44: circunferência (x − 2)2 + y 2 = 1

Isolando a variável x na equação da circunferência, obtemos



(x − 2)2 = 1 − y 2 ⇒ x=2± 1 − y2

Observe que o volume do sólido desejado é formado pelo volume obtido pela rotação da

curva x = 2 + 1 − y 2 em torno do eixo y, menos o volume obtido pela rotação da curva

x=2− 1 − y2. Portanto, o volume desejado é igual a

V = V1 − V2 ,

onde ∫ 1 √
V1 = π (2 + 1 − y 2 )2 dy
−1
e ∫ 1 √
V2 = π (2 − 1 − y 2 )2 dy
−1

ou seja,

∫ 1 √ √ ∫ 1 √
V =π [(2 + 1 − y ) − (2 − 1 − y ) ]dy = π
2 2 2 2
8 1 − y 2 dy.
−1 −1

Para resolver esta integral, utilizamos a substituição trigonométrica y = sin θ, com dy =


cos θdθ e assim, obtemos que

47
∫ π

2
V = π 8 1 − sin2 θ cos θdθ
− π2
∫ π ∫ π
2 2
2
= 8π cos θdθ = 4π (1 + cos 2θ)dθ
− π2 − π2
π
2

= π[4θ + 2 sin (2θ)] = 4π 2 .
π
−2

Portanto, o volume desejado é igual a 4π 2 unidades de volume.

1.13.5 Rotação em torno de uma Reta Paralela a um Eixo Coorde-


nado
Até agora consideremos somente sólidos gerados por rotações de curvas em torno de um
dos eixos coordenados, onde y = f (x) ou x = g(y) eram os raios dos cilindros de revolução
(elementos de volume).
No caso mais geral, podemos rotacionar a curva y = f (x), com x ∈ [a, b], em torno da
reta y = c, de acordo com a Figura a 1.45.

y
y

y=c
r

y=f(x)
y=c
r
a b x
y=f(x)

a b x

Figura 1.45: Sólido obtido pela rotação y = f (x) em torno da reta y=c

Neste caso, o raio do cilindro innitesimal é igual à distância entre a curva e o eixo de
revolução, ou seja, é dado por
r = c − f (x)
e o volume do sólido resultante é dado por

∫ b
V =π (c − f (x))2 dx.
a

De forma semelhante, se a curva x = g(y), com y ∈ [a, b], for rotacionada em torno da
reta x = c, o volume do sólido resultante é dado por

∫ b
V =π (c − g(y))2 dy.
a

Note que quando c=0 temos novamente a revolução em torno dos eixos coordenados.

48
EXEMPLO Calcule o volume do sólido obtido quando a porção da pará bola y = 2 − x2
1.13.6

que está situada acima do eixo x é rotacionada em torno da reta y = 3.


Solução: Na Figura 1.46 podemos observar a curva geratriz, o eixo de revolução e o sólido
de revolução obtido.

x x
z

Figura 1.46: Curva geratriz e sólido de revolução obtido pela rotação de y = 2 − x2 em torno
de y = 3.

Como rotacionamos em torno de uma reta paralela ao eixo das abscissas, devemos efetuar
a integração em relação a x. O intervalo de integração, denido aqui pela parte da parábola
√ √
situada acima do eixo x, é descrito por x ∈ [− 2, 2].
Já o raio de rotação, dado pela distância entre a curva e o eixo de rotação, é dado por

r = 3 − (2 − x2 ) = 1 + x2
e assim, o volume desejado é dado por

∫ √ ∫ √
2 2
94 √
V =π √
(1 + x2 )2 dx = π √
(1 + 2x2 + x4 )dx = 2π.
− 2 − 2 15
EXEMPLO 1.13.7 Escreva as integrais que permitem calcular o volume do sólido obtido quando

a região situada entre as curvas y = x2 e y = 2x é rotacionada em torno:


(a) do eixo y; (b) da reta y = 5; (c) da reta x = 2.
Solução: A região a ser rotacionada está representada na Figura 1.47.

Figura 1.47: Região a ser rotacionada

As interseções entre as curvas são dadas por

49
x2 = 2x ⇒ x(x − 2) = 0 ⇒ x = 0, x = 2 ⇒ y = 0, y = 4.

No item (a), rotacionamos em torno do eixo das ordenadas e, por isso, devemos tomar a
integração em relação a y. Como o só lido resultante será vazado, devemos tomar a diferença
entre os volumes dos sólidos externo e interno.

O raio externo, denido pela parábola, é dado por x= y. O raio interno é denido pela
y
reta e é dado por x= . Assim, o volume desejado é calculado pela integral
2
∫ ∫ ∫ ( )
4
√ 4
y 4
y2
V =π ( y) − π 2
( )2 dy = π y− dy.
0 0 2 0 4

Já no item (b), como rotacionamos em torno de uma reta paralela ao eixo das abscissas,
devemos tomar a integração em relação a x. Novamente o sólido resultante será vazado e
devemos tomar a diferença entre os volumes dos sólidos externo e interno.
O raio externo, denido pela distância entre a parábola e o eixo de rotação, é dado por
r = 5 − x2 e o raio interno, denido pela distância entre a reta e o eixo de rotação, é dado
por r = 5 − 2x. O volume do novo sólido é calculado pela integral

∫ 2 ∫ 2
V = π (5 − x ) dx − π
2 2
(5 − 2x)2 dx
∫0 2 0

= π (25 − 10x2 + x4 ) − (25 − 20x + 4x2 )dx


0
∫ 2
= π (−14x2 + x4 + 20x)dx.
0

Por m, como no item (c) rotacionamos em torno de uma reta paralela ao eixo das
ordenadas, devemos tomar a integração em relação a y. Mais uma vez devemos tomar a
diferença entre os volumes dos sólidos externo e interno.
y
O raio externo, neste caso, é denido pela reta e é dado por r =2− e o raio interno,
√ 2
agora denido pela parábola, é dado por r =2− y.
Assim, o último volume desejado é calculado pela integral

∫ ∫ 4
y 2 4

V = π (2 − ) dy − π (2 − y)2 dy
2
∫0 4 0
y2 √
= π (4 − 2y + ) − (4 − 4 y + y)dy
4
∫0 4
y 2

= π (−3y + + 4 y)dy.
0 4
1
EXEMPLO 1.13.8 Seja R a região sob o gráco de f (x) = √ e acima do eixo x com x ∈ [0, 4].
x
Determine:
(a) a área da região R, se existir;
(b) o volume do sólido obtido pela rotação da região R em torno do eixo x, se existir.
(c) o volume do sólido obtido pela rotação da região R em torno do eixo y, se existir.

50
Solução (a):
∫ ∫ 4
4
1 4
− 21
√ √ √
A = √ dx = lim x dx = lim+ 2 x = lim+ (2 4 − 2 a) = 2u.a.
0 x a→0+ a a→0 a→0
a

Solução (b):
∫ ( )2 ∫ 4
4 4
1 1
V = π √ dx = π lim+ dx = π lim+ ln x = lim+ (ln 4 − ln a) = +∞
0 x a→0 a x a→0 a→0
a

Portanto o sólido obtido não tem volume nito.


Solução (c):
∫ 1 ∫ +∞ ( )2 ∫ b
2 1 1
V = π 2
(4) dy + π dy = π · 16 · + π lim y −4 dy
0 1 y2 2 b→+∞ 1

) b
2 2
( ( )
1 1 8 32π
= 8π + π lim − 3 = 8π + π lim − 3 + = u.v.
b→+∞ 3x 1 b→+∞ 3b 3 3
2

51
1.14 Exercícios Gerais
1. Dadas as funções f, g : [1, 3] → R denidas por f (x) = x + 2 e g (x) = x2 + x encontre
S (f, P ) e S (g, P ) .

2. Dada a função f : [−2, 5] → R denida por f (x) = x2 + 2 encontre S(f, P ) .

3. Determine as expressões para a soma superior e para a soma inferior de f (x) =


5 − x2 , considerando x ∈ [1, 2].

4. Utilize somas superiores para calcular a área da região situada entre as curvas y =
x4 + 2, x = 0, x = 1 e y = 0.
∫ 3
5. Utilize a denição de integral denida para calcular (x2 − 2x)dx. (Observe que é
1
preciso provar que a função é integrável.)

∫ 4
6. Utilize soma de áreas de retângulos circunscritos para calcular (−x2 − 1)dx.
0

7. Utilize soma de áreas de retângulos circunscritos para determinar a área sob o gráco
de f (x) = x + 1, para x ∈ [0, b], onde b > 0 é arbitrário.
3

8. Calcule, usando somas superiores, a área da região situada entre o gráco de f (x) = ex
e o eixo x, entre as retas x = −1 e x = 2.

9. Utilize somas inferiores para calcular a área da região situada entre a curva x = y2 e
o eixo y, com y ∈ [0, 2].

10. Considere f : [a, b] → R uma função contínua. Mostre que:


∫a ∫a
(a) Se f é uma função par, então
−a
f (x)dx = 2 0
f (x)dx.
∫a
(b) Se f é uma função ímpar, então
−a
f (x)dx = 0.
(c) Interprete geometricamente os itens anteriores.

o
11. Um metereologista estabelece que a temperatura T (em F ), num dia de inverno é dada
por T (t) =
1
20
t(t − 12)(t − 24), onde o tempo t é medido em horas e t = 0 corresponde
à meia-noite. Ache a temperatura média entre as 6 horas da manhã e o meio dia.
Sugestão: utilize o teorema do valor médio para integrais.

12. Encontre uma função f


contínua, positiva e tal que a área da região situada sob o seu
3
gráco e entre as retas x = 0 e x = t seja igual a A(t) = t , para todo t > 0.
∫ x
13. Determine uma função f diferenciável, positiva e tal que f (t)dt = [f (x)]2 para todo
0
x ∈ R+ .

14. Seja f : R → R uma função contínua e dena uma nova função g : R → R por
∫ x3
g(x) = f (t)dt. Calcule o valor de g ′ (1), sabendo que f (1) = 2.
x2

52
dg
15. (ENADE) Considere g : R → R uma função com derivada contínua e f a função
∫ x dt
dg
denida por f (x) = (t)dt para todo x ∈ R.
0 dt
Nessas condições avalie as armações que seguem.

I A função f é integrável em todo intervalo [a, b], a, b ∈ R, a < b.


II A função f é derivável e sua derivada é a função g.
III A função diferença f −g é uma função constante.

É correto o que se arma em

(a) I, apenas.

(b) II, apenas.

(c) I e III, apenas.

(d) II e III, apenas.

(e) I, II e III.

Justique sua resposta.


∫ 1
1
16. Seja f : [0, 1) → R denida por f (x) = √ . Verique se f (x) dx existe.
1 − x2 0

17. Determine o valor das seguintes integrais, se possível.


∫ √2 ∫ 1 ∫ π
−x2 x2 4
(a) xe dx (b) √ dx (c) tan2 x sec2 xdx
1 −1 x3 + 9 0

∫ 1 ∫ 4 ∫ 3
3 1 x
(d) x sin xdx (e) √ dx (f ) √ dx
0 3
4
x 1 + x2 0 x+1
∫ ( ) ∫ ∫
√ √
π
2 4
1 3 x
(g) x+ √ 4
+ x dx (h) tan xdx (i) √ dx
1
3
x 0 1 2 + 4x
18. Encontre, se existir, o valor de cada uma das seguintes integrais:
∫ ( ) ∫ ∫ ∫
1 √ 1 0
x 4 1
(a) x+ x− √ dx (e) xe dx x
(i) √ dx (m) ex dx
∫ 02
3
x ∫ ∞
−∞ ∫ +∞
0 16 − x 2
∫ −∞
1
−|x−4| 1
(b) x2 ln(x)dx (f ) xe dx (j) xe−x dx (n) dx
∫0 +∞ ( ) ∫ −∞ ∫0 +∞ ∫ −1 x4
5 1
1 1 1 1 1
(c) cos dx (g) √ dx (k) √ dx (o) dx
1 √ x
2 x 1 5−x 1 x x2 − 1 0 x
3
∫ 2 ∫ +∞ ∫ 1 ∫ +∞
2 1 −x 1 1
(d) √ dx (h) e dx (l) √ dx (p) dx
0 1 − x2 0 0 1−x −2 (x + 1)2
19. Os engenheiros de produção de uma empresa estimam que um determinado poço pro-
−1t
duzirá gás natural a uma taxa dada por f (t) = 700e 5 milhares de metros cúbicos,
onde t é o tempo desde o início da produção. Estime a quantidade total de gás natural
que poderá ser extraída desse poço.
∫ +∞
1
20. Determine todos os valores de p para os quais dx converge.
1 xp

53
∫ +∞
1
21. Determine para quais valores de p∈R a integral dx converge.
e x(ln x)p
22. Calcule, se possível, as seguintes integrais impróprias:
∫ +∞ ∫ +∞ ∫ π
−x2 arctan x 2
(a) xe dx (b) dx (c) sin(2x)dx
1 −∞ x2 + 1 −∞
∫ 1 ∫ 9
√ ∫ π
e x cos x
(d) x ln xdx (e) √ dx (f ) √ dx
0 0 x 0 1 − sin x
∫ +∞ −1 ∫ 6 ∫ 3√
ln(x ) 1
(g) dx (h) √ dx (i) x2 − 6x + 13dx
x2 3 x2 − 9
1 3 x 1

23. Em equações diferenciais, dene-se a Transformada de Laplace de uma função f por


∫ +∞
L(f (x)) = e−sx f (x)dx,
0
para todo s∈R para o qual a integral imprópria seja convergente. Encontre a Trans-
formada de Laplace de:

(a) f (x) = eax (b) f (x) = cos x (c) f (x) = sin x

24. A função gama é denida para todo x>0 por


∫ +∞
Γ(x) = tx−1 e−t dt.
0
(a) Calcule Γ(1) e Γ(2).
(b) Mostre que, para n inteiro positivo, Γ(n + 1) = nΓ(n).

25. Encontre a área da região limitada pelas curvas:

(a) y = sin x, y = cos x , x = 0 e x = π2 .


(b) y − x = 6, y − x3 = 0 e 2y + x = 0.
(c) y = −x2 + 9 e y = 3 − x.
(d) y = sin x, y = x sin x, x = 0 e x = π2 .
(e) 28 − y − 5x = 0, x − y − 2 = 0, y = 2x e y = 0.

26. Represente geometricamente a região cuja área é calculada por

∫ 2 [ √ ]
A= (y + 6) − ( 4 − y 2 ) dy.
0

27. Calcule a área de cada região delimitada pelas curvas dadas abaixo através de:

(i) integração em relação a x (ii) integra ção em relação a y.


(a) y = x + 3 e x = −y 2 + 3.
(b) 2x + y = −2, x − y = −1 e 7x − y = 17.
(c) y = x2 − 1, y = x22 e y = 32x2 .

(d) y + x = 6, y = x e y + 2 = 3x.

54
28. Represente geometricamente a região cuja área é calculada pela expressão
∫ [ ( )] ∫ 4 [( ) ( )]
2 ( ) 2 62 − 15x 2
A= 2x 2
− dx + − dx.
1 x 2 4 x
A seguir, reescreva esta expressão utilizando y como variável independente.

29. Estabeleça a(s) integral(is) que permite(m) calcular a área da região hachurada na
4
gura abaixo, delimitada simultaneamente pelas curvas y = x, y = x2 e y = ,
x−1
mediante:

(a) integração em relação a x. (b) integração em relação a y.


y

30. Encontre uma reta horizontal y = k que divida a área da região compreendida entre
2
as curvas y = x e y = 9 em duas partes iguais.

31. A área de uma determinada região R pode ser calculada pela expressão

∫ √
2
(√ √ )
2
A= √ 1 − x2 − 2x2 dx.
− 2
2

Reescreva esta expressão, utilizando:

(a) integração em relação a y; (b) coordenadas paramétricas.

32. Represente geometricamente a região cuja área, em coordenadas paramétricas, é dada


por
∫ 0 ∫ 0
A=2 3 sin t(−3 sin t)dt − 2 3 sin t(−2 sin t)dt.
π π

33. Uma ciclóide é uma curva que pode ser descrita pelo movimento do ponto P (0, 0) de
um círculo de raio a, (0, a), quando este círculo gira sobre o eixo x. Pode-
centrado em
se representar esta ciclóide através das equações x = a(t − sin t) e y = a(1 − cos t), com
t ∈ [0, 2π]. Determine a área da região delimitada pela ciclóide.
2 2 2
34. Uma curva de equação x3 + y 3 = a3 é chamada astróide. Calcule a área da região
delimitada pela astróide obtida quando a = 5.
35. Calcule a área da região situada simultaneamente no interior dos seguintes pares de
curvas:

(a) r = 3 cos θ e r = 1 + cos θ;


(b) r = 1 + cos θ e r = 1;
(c) r = sin θ e r = 1 − cos θ;
(d) r2 = cos(2θ) e r2 = sin(2θ);
(e) r = 2 (1 + sin θ) e r = 2 (1 + cos θ) .

55
36. Encontrar a área simultaneamente interior ao círculo r = 6 cos θ e exterior a r =
2(1 + cos θ).

37. Calcule a área da região simultaneamente interior à curva r = 4 + 4 cos θ e exterior à


r = 6.

38. Calcule a área da região simultaneamente interior à curva r = 1 + cos θ e exterior à


r = 2 cos θ.

39. Calcule a área da região simultaneamente interior às curvas r = sin(2θ) e r = sin θ.

40. Determine a área da região simultaneamente interior às rosáceas r = sin(2θ) e r =


cos(2θ).

41. Escreva a integral que permite calcular a área sombreada entre as curvas
√ r = sin(2θ)
e r= 3 cos(2θ), dada na gura abaixo.

42. Seja R a porção da região simultaneamente interior às curvas r = 2 cos θ e r = 4 sin θ


que está situada no exterior da curva r = 1. Escreva as integrais que permitem calcular:
(a) a área da região R;
(b) o comprimento de arco da fronteira da região R.

43. Calcule a área das regiões sombreadas nas guras abaixo:

1
(a) r=1 e r = 2 cos(2θ) (b) r = 2e 4 θ (c) r = sin(3θ) e r = cos(3θ)

44. Represente geometricamente a região cuja área, em coordenadas polares, é dada por

[ ∫ π ∫ π ]
1 6 1 4
I=2 sin2 θdθ + cos2 (2θ)dθ .
2 0 2 6π

45. Monte a(s) integral(is) que permite(m) calcular a área hachurada na gura abaixo,
delimitada pelas curvas r = 2 + 2 cos θ, r = 4 cos(3θ) e r = 2.

56
46. Calcule o comprimento de arco das curvas dadas por:

(a) x = 13 y 3 + 1
4y
, com 2 ≤ y ≤ 5;
(b) x = 3 + t2 e y = 6 + 2t2 , com 1 ≤ t ≤ 5;
(c) x = 5t2 e y = 2t3 , com 0 ≤ t ≤ 1;
(d) x = et cos t e y = et sin t, com 0 ≤ t ≤ π2 ;
(e) r = e−θ , com 0 ≤ θ ≤ 2π;
(f ) r= cos2 12 θ, com 0 ≤ θ ≤ π;

47. Determine a distância percorrida por uma partícula que se desloca entre os pontos

A(2, 3) e B(0,√3) cuja posição, no instante t, é dada por x(t) = 1 + cos(3 t) e
y(t) = 3 − sen(3 t).

48. A posição de uma partícula, num instante t, é dada por x(t) = 2 cos t + 2t sin t e y(t) =
2 sin t − 2t cos t. Calcule a distância percorrida por esta partícula entre os instantes
t = 0 e t = π2 .
9
49. Suponha que as equações x(t) = 4t3 + 1 e y(t) = 2t 2 descrevam a trajetória de uma
partícula em movimento. Calcule a distância que esta partícula percorre ao se deslocar

entre os pontos A(5, 2) e B(33, 32 2).

50. Calcule a distância percorrida por uma partícula que se desloca, entre os instantes
5 5
t=0 e t = 4, de acordo com as equações x(t) = 1 + 2 cos(3t 2 ) e y(t) = 5 − 2 sin(3t 2 ).

51. A curva descrita por x(t) = 3e−t cos 6t e y(t) = 3e−t sin 6t, chamada de espiral logarít-
mica e está representada geometricamente na Figura 1.48. Mostre que o arco descrito
por esta espiral, quando t ∈ [0, +∞), possui comprimento nito.

Figura 1.48: Espiral logarítmica

52. Encontre o comprimento das curvas que limitam a região formada pela interseção das

curva r= 3 sin θ e r = 3 cos θ, situada no primeiro quadrante.

57
53. Represente gracamente o arco cujo comprimento é calculado pela integral

∫ π
√ ∫ π

6 2
2
l= 48 cos2 θ + 48 sin θdθ + 16 sin2 θ + 16 cos2 θdθ.
π
0 6

54. Monte as integrais que permitem calcular o comprimento do arco da fronteira da região
que é simultaneamente interior à r = 1 + sin θ e r = 3 sin θ.

55. Calcule o volume do sólido obtido pela revolução da curva yx2 = 1, com x ≥ 1, em
torno do eixo x.
x2 y 2
56. Determinar o volume do sólido de revolução gerado pela rotação da curva + =1
a2 b 2
em torno do eixo x.

57. Determinar o volume do toro gerado pela rotação do círculo de equação x2 + (y − b)2 =
a2 em torno do eixo x, supondo a < b.

58. Obtenha o volume do sólido obtido pela revolução da região delimitada por:

(a) y= 4 − x, 3y = x e y = 0, em torno do eixo x;
(b) y = |x| + 2, y = x , x = −2 2
e x=1 em torno do eixo x;
2
(c) y=x e y = 2, em torno da reta y = 2;
(d) y = 1 − x2 e x − y = 1, em torno da reta y = 3;
(e) x+y =3 e y + x2 = 3, em torno da reta x = 2.

59. Determine o volume do sólido obtido quando a região situada sob a curva y = ex e
acima do eixo x, com x ≤ 0, é rotacionada em torno da reta y = 2.

60. Um hiperbolóide de uma folha de revolução pode ser obtido pela rotação de uma
hipérbole em torno do seu eixo imaginário. Calcule o volume do sólido delimitado
pelos planos x = −3, x = 3 e pelo hiperbolóide obtido pela rotação de
2 2
9y − 4x = 36
em torno do eixo x.

61. Quando uma determinada região R é rotacionada em torno do eixo y, o volume do


sólido resultante pode ser calculado pela expressão

∫ [( )2 ( )2 ]
2
7 − 3y 1
V =π − dy.
1
3
2 y

Represente geometricamente a região R e, a seguir, calcule o volume do sólido obtido


quando R é rotacionada em torno da reta y = 3.

62. Considere a região R delimitada simultaneamente pelas curvas y = x3 e x = y3.


(a) Obtenha a(s) integral(is) que permite(m) calcular o perímetro da região R.
(b) Calcule o volume do sólido obtido quando a região R é rotacionada em torno do
eixo y.
(c) Escreva as integrais que permitem calcular o volume do sólido obtido quando a
região R é rotacionada em torno da reta y = 1.

58
63. Escreva as integrais que permitem calcular o volume do sólido obtido quando a região
delimitada pelas curvas y = x − 4 e y = x − 2 é rotacionada em torno:
2

(a) do eixo x (b) da reta y=2 (c) da reta x = −3.

64. Considere a região R delimitada pelas curvas y = x3 e y = 2x, que está situada no
primeiro quadrante e abaixo da reta y = 2 − x.
(a) Determine o volume do sólido obtido quando a região R é revolucionada em torno
do eixo x.
(b) Escreva as integrais que permitem calcular o volume do sólido obtido quando a
região R é revolucionada em torno da reta x = −1.

65. Mostre, via volume de sólidos de revolução, que o volume de um cone de raio r e altura
2
πr h
h é V = .
3
66. Mostre, via volume de sólidos de revolução, que o volume de uma esfera de raio a é
4
V = πa3 .
3

59
1.15 Respostas
2 38 10 4
1. S (f, P ) = 8 + e S (g, P ) = + + 2
n 3 n 3n
175 133 133
2. S (f, P ) = − + 2
3 2n 6n
8 3 1 8 3 1
3. S (f, P ) = + − 2 e S (f, P ) = − − 2
3 2n 6n 3 2n 6n
11 1 1 1
4. S (f, P ) = + + 2−
5 2n 3n 30n4
2
5.
3

6. − 76
3
1 4
7.
4
b +b

8. e2 − e−1
8
9.
3

10. Dica para os itens (a) e (b): use propriedades para quebrar o lado esquerdo em duas
integrais, use a denição de função par (ou ímpar) e use a substituição de variáveis
u = −x para reescrever uma das integrais.

11. 18, 9o F

12. f (t) = 3t2


x
13. f (x) = 2

14. g ′ (1) = 2

15. Item (c)

∫ 1
1
16. f (x) dx = π
0 2
17. . √ √
(a) 12 e−1 − 12 e−2 (b) 32 10 − 43 2 (c) 13
(d) sin 1 − cos 1 (e) 0, 405 (f ) 83√
(g) 3, 202 (h) ln 2 (i) 32 2
18. .
(a) − 13 (e) − 1 (i) 4 (m) e
(b) 8
3
ln 2 − 8
9
(f ) 8 (j) 1 (n) não existe
(c) sin 1 (g) 4 (k) 12 π (o) não existe
1
(d) 4
π (h) 1 (l) 2 (p) não existe

19. 3500 m3

20. Converge para p > 1.

21. Converge para p > 1.

60
22. .
(a) 12 e−1 (b) 0 (c) não existe
(d) − 41 (e) 2e3 − 2 (f ) 0
(g) − 1 (h) 0, 027 (i) 4, 59
1 s 1
23. (a) para s > a (b) para s > 0 (c) para s > 0
s−a s2 +1 s2 +1
24. (a) Γ(1) = 1, Γ(2) = 1

25. (a) 2 2 − 2 (b) 22 (c) 125
6
(d) 2 − 2 sin 1 (e) 17
26. .
y

x

125 32−4 2 23
27. (a) 6
(b) 16 (c) 3
(d) 6
∫ ( ) ( ) ∫ 8( ) (√ )
2
62 − 4y 2 62 − 4y 2y
28. A= − dy + − dy
1
2
15 y 2 15 2

29. .
∫ ∫ )

(
( 2 )
1+ 17
2
4 2
(a) A = x − x dx + − x dx
x−1
∫ 4 ( )
1 2
∫ √
1+ 17
2 √ y+4 √
(b) A = (y − y) dy + √ − y dy
1 1+ 17
2
y
9

30. k= 3
4

31. .
∫ √
2 √ ∫ 1 √
2 y
(a) A = 2 √
4
dy + 2 √ 1 − y 2 dy
0 2 2
2

∫ π ∫ √
2

4 2
(b) A = − sin tdt −
2
√ 2t2 dt

4
− 2
2

32. .
y

33. 3a2 π
3πa2
34.
8
√ √
35. (a) 5π
4
(b) 45 π − 2 (c) 21 (π − 2) (d) 1 − 2
2
(e) 6π − 8 2

61
36. 4π

37. 18 3 − 4π
π
38.
2

39.
1
4
π − 3
16
3

40.
π
2
−1

41. Uma das várias respostas possíveis é:

∫ ∫ ∫
1 √ 1 √
π π π
4 6 1 4
A= ( 3 cos 2θ)2 dθ + (sin 2θ)2 dθ + ( 3 cos 2θ)2 dθ
0 2 0 2 π
6
2

∫ ∫ π
( )
1
1 arctan 2 1 3
42. (a) A = (16 sin θ − 1)dθ +
2
4 cos2 θ − 1 dθ
2 arcsin 14 2 arctan 12
∫ arctan 1 ∫ π ∫ π
2 3 3
(b) l = 4dθ + 2dθ + dθ
1 1 1
arcsin 4
arctan 2
arcsin 4
√ 9π 5π π
43. (a) 9 3
8
− π
4
(b) 4e 4 − 8e 4 + 4e 4 (c) π
8
− 1
4

44. .

45. Uma das várias respostas possíveis é:

∫ ∫
[ ] [ ]
π π
1 9 1 2
A = (2 + 2 cos θ) − (4 cos 3θ) dθ +
2 2
(2 + 2 cos θ)2 − 4 dθ
2 0 2 π

∫ π ∫ π
9

1 9 1 6
+ 4dθ + (4 cos 3θ)2 dθ
2 0 2 π9

46. . √ √
(a) 1563
40
(b) 24 5 (c) 68
27
34 − 250
27
√ √ √
2(1 − e−2π )
π
(d) 2e 2 − 2 (e) (f ) 2

47. π u.c. (observe que a resolução da integral envolve uma integral com descontinuidade)

π2
48.
4

49.
352
27
22 − 250
27

50. 192

62

51. O comprimento desejado é nito e igual a 333.
1
√ π
52.
3
3π + 2

53. Arco composto de dois subarcos de circunferências, conforme gura abaixo:


y

∫ π
√ ∫ π

6 2
2 2
54. l=2 9 cos θ + 9 sin θdθ + 2 cos2 θ + (1 + sin θ)2 dθ
π
0 6

π
55.
3

4πab2
56.
3

57. 2π 2 a2 b

58. (a) 32 π (b) 92π
5
(c) 64
15
2π (d) 162
5
π (e) 12 π
7
59.
2
π

60. 32π

61.
410
27
π − 6π ln 6
∫ 1 (√ √ )
1 −4
32
62. (a) l = 1 + 9x4 + 1 + x 3 dx (b) V =
35
π
−1 9
∫ 0 ∫ 1
√ √
(c) V = π (1 − x) − (1 − x ) dx + π
3 2 3 2
(1 − x3 )2 − (1 − 3 x)2 dx
−1 0

63. . ∫ 2 ∫ 2
(a) V = π (x − 9x + 4x + 12)dx
4 2
(20 − 13x2 − x4 + 8x)dx (b) V = π
∫ −1
0 √ ∫ −3 √
−1 ∫ 0
(c) V = π (y + 8 + 4 y + 4)dy − π (y + 8 − 4 y + 4)dy − π (y 2 + 8y + 16)dy
−4 −4 −3
∫ ( ∫
y )2 ( y )2
4
1
√ 3
64. (a) 134
189
π (b) V = π (1 + 3
y) − 1 +
2
dy + π (3 − y) − 1 +
2
dy
0 2 1 2
65. Dica: Note que um cone tal como desejado pode ser obtido pela rotaç ão em torno do
eixo y da reta y = x, com x ∈ [−r, r] e y ∈ [0, h].
h
r

66. Dica: Note que a esfera pode ser obtida pela rotação da circunferência x2 +y 2 = a2 em
torno de qualquer eixo coordenado.

63
1.16 Revisão de Coordenadas Polares no R2
No sistema de coordenadas polares, as coordenadas consistem de uma distância e da
medida de um ângulo em relação a um ponto xo e a uma semirreta xa. A Figura 1.49
ilustra um ponto P num sistema de coordenadas polares. O ponto xo, denotado por O, é

θ
o
A

Figura 1.49: Ponto P usando coordenadas polares

chamado pólo ou origem. A semirreta xa OA é chamada eixo polar. O ponto P ca bem
determinado através do par ordenado (r, θ), onde r representa a distância entre a origem e o
ponto P, e θ representa a medida, em radianos, do ângulo orientado AÔP. O segmento OP ,
é chamado raio.
Relação entre o Sistema de Coordenadas Cartesianas Retangulares e o Sistema
de Coordenadas Polares


 x = r cos θ



 y = r sin θ
r2 =√x2 + y 2 .

 r = x2 + y 2



 y
tan θ =
x
Algumas equações em coordenadas polares e seus respectivos grácos

Retas
1. θ = θ0 ou θ = θ0 ± nπ, n ∈ Z é uma reta que passa pela pólo e faz um ângulo θ0 ou
θ0 ± nπ radianos com o eixo polar.

2. r sin θ = a e r cos θ = b, com a, b ∈ R, são retas paralelas ao eixo polar e θ = π


2
,
respectivamente.

Circunferências
1. r = a, a ∈ R é uma circunferência de raio |a|.

2. r = 2a cos θ é uma circunferência de raio |a|, com centro sobre o eixo polar e tangente
π
ao eixo θ = de modo que
2

(i) se a>0 o gráco está à direita do pólo;

(ii) se a<0 o gráco está à esquerda do pólo.

64
3. r = 2b sin θ é uma circunferência de raio |b|, com centro sobre o eixo θ= π
2
e tangente
ao eixo polar de modo que

(i) se b>0 o gráco está acima do pólo;

(ii) se b<0 o gráco está abaixo do pólo.

Limaçons
Equações do tipo r = a ± b cos θ ou r = a ± b sin θ, onde a, b ∈ R o gráco varia conforme
os casos abaixo.

1. se b > a, então o gráco tem um laço. Veja a Figura 1.50.

r=a-bcosθ r=a+bcosθ r=a+bsinθ r=a-bsinθ

Figura 1.50: Limaçons com laço

2. se b = a, então o gráco tem o formato de um coração, por isso é conhecido como


Cardióide. Veja a Figura 1.51.

r=a(1+ cosθ) r=a(1- cosθ) r=a(1- sinθ) r=a(1+ sinθ)

Figura 1.51: Cardióide

3. se b < a, então o gráco não tem laço e não passa pelo pólo. Veja a Figura 1.52.

r=a - bcosθ r=a+bcosθ r=a+bsinθ r=a - bsinθ

Figura 1.52: Limaçons sem laço

65
Rosáceas
Equações do tipo r = a cos(nθ) ou r = a sin(nθ), onde a∈R e n∈N o gráco varia
conforme os casos abaixo.

1. Se n é par temos uma rosácea com 2n pétalas. Veja a Figura 1.53.

r = acos(4θ) r = asin(4θ)

Figura 1.53: Rosáceas com 2n pétalas

2. Se n é ímpar temos uma rosácea com n pétalas. Observe que a rosácea com n ímpar
é totalmente desenhada para θ variando de 0 até π. Usando θ ∈ [0, 2π] a rosácea será
desenhada duas vezes. Veja a Figura 1.54.

r=a cos(5θ) r=a sin(5θ)

Figura 1.54: Rosáceas com n pétalas

Lemniscatas
Equações do tipo r2 = ±a2 cos(2θ) ou r2 = ±a2 sin(2θ), onde a ∈ R. É preciso prestar
atenção ao domínio de cada uma das lemniscatas. Os grácos para cada caso estão na Figura
1.55.

66
r²=-a²sin(2θ)
r²=a²sin(2θ) r²=-a²cos(2θ)

r²=a²cos(2θ)

Figura 1.55: Lemniscatas

Espirais
As equações seguintes representam algumas espirais.

1. Espiral hiperbólica: rθ = a, a > 0.


2. Espiral de Arquimedes: r = aθ, a > 0.
3. Espiral logarítmica: r = eaθ .
4. Espiral parabólica: r2 = θ.
A Figura 1.56 ilustra estas espirais.

(a, π/2) (a, π/2)

r=aθ (θ ³0) r=aθ (θ£ 0)


rθ=a (θ>0) rθ=a (θ<0)

r=eaθ r= θ r=- θ

Figura 1.56: Espirais

67
Capítulo 2
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS E
DIFERENCIAÇÃO PARCIAL

Objetivos (ao nal do capítulo espera-se que o aluno seja capaz de):

1. Denir funções de várias variáveis e dar exemplos práticos;

2. Encontrar o domínio e fazer o gráco (esferas, cones,cilindros, parabolóides, planos e


interseções entre essas superfícies) com funções de várias variáveis com duas variáveis
independentes;

3. Usando a denição mostrar que o limite de uma função de duas variáveis existe;

4. Vericar se uma função de duas variáveis é contínua num ponto;

5. Encontrar derivadas parciais e interpretá-las geometricamente quando a função for de


duas variáveis independentes;

6. Encontrar derivadas parciais de funções compostas;

7. Encontrar as derivadas parciais de funções implícitas;

8. Resolver problemas que envolvam derivadas parciais como taxa de variação;

9. Representar geometricamente as diferenciais parciais e totais;

10. Resolver problemas que envolvam diferenciais parciais e totais;

11. Encontrar derivadas parciais de ordem superior;

12. Encontrar os extremos de uma função de duas variáveis quando existem;

13. Resolver problemas que envolvam extremos de funções de duas variáveis;

14. Resolver exercícios usando uma ferramenta tecnológica.

A prova será composta por questões que possibilitam vericar se os objetivos foram
atingidos. Portanto, esse é o roteiro para orientações de seus estudos. O modelo de formu-
lação das questões é o modelo adotado na formulação dos exercícios e no desenvolvimento
teórico desse capítulo, nessa apostila.

68
2.1 Introdução
Um fabricante pode constatar que o custo da produção C de um determinado artigo de-
pende da qualidade do material usado, do salário-hora dos operários, do tipo de maquinaria
necessário, das despesas de manutenção e da supervisão. Dizemos então que C é função de
cinco variáveis, porque depende de cinco quantidades diferentes. Neste Capítulo estudare-
mos as funções de várias variáveis, começando com o caso de funções de duas variáveis e
estendendo então a um número arbitrário de variáveis. Como exemplo de função de duas
variáveis podemos utilizar a área de um retângulo, função esta muito conhecida.
Consideremos o retângulo de base a e altura b. A área desse retângulo é

A = ab.

Por outro lado, se a for uma variável x podemos escrever a área desse retângulo em função
de x, isto é,
A (x) = xb.
Desse modo, temos a área como função de uma variável. Podemos também, fazer variar
a base e a altura simultaneamente. Nesse caso, tomando b=y teremos a área dada por

A(x, y) = xy,

ou seja, a área é expressa como função de duas variáveis.


A funçãoA (x, y) é denida para todo par de pontos pertencentes ao plano R2 e a imagem
um número real. O convencional é escrever A : R → R.
2
é
Um raciocínio análogo pode ser feito para o volume de um paralelepípedo. Sejam a, b e
c as dimensões de um paralelepípedo. O volume será dado por

V = abc.

Por outro lado, se a for uma variável x podemos escrever o volume desse paralelepípedo
expresso como função de uma variável x, isto é,

V (x) = xbc.

Podemos também, fazer variar as dimensões a e b simultaneamente, isto é, tomando b = y


teremos o volume do paralelepípedo expresso como uma função de duas variáveis x e y , ou
seja,
V (x, y) = xyc.
Também é possível variar as três dimensões simultaneamente e, nesse caso tomando z=c
o volume do paralelepípedo será expresso como uma função de três variáveis x, y e z, isto é,

V (x, y, z) = xyz.

é denida para toda tripla de pontos pertencentes ao espaço R e a


3
A função V (x, y, z)
imagem é um número real. O convencional é escrever V : R → R. Vejamos um exemplo
3

que envolve mais do que três variáveis.

EXEMPLO 2.1.1 Suponhamos que uma pessoa vá a um supermercado e a nota de compras seja

descrita conforme o modelo abaixo.

69
Nota de compras
Produtos Unidades Preço por unidade Total
Leite 2 pacotes 1,00 2,00
Pão 10 0,10 1,00
Laranja 2kg 0,50 1,00
Maçã 2kg 2,50 5,00
Açúcar 5kg 0,60 3,00
Total a pagar 12,00

Suponhamos que as variáveis x, y , z , w e t representem, respectivamente, leite, pão,


laranja, maçã e açúcar, então podemos escrever a função "total a pagar por

T (x, y, z, w, t) = x + 0, 1y + 0, 5z + 2, 5w + 0, 6t.
A função T é uma função de cinco variáveis. Para encontrar o total a pagar referente a
tabela anterior, fazemos

T (2, 10, 2, 2, 5) = 2 + 0, 1 (10) + 0, 5 (2) + 2, 5 (2) + 0, 6 (5)


= 2 + 1 + 1 + 5 + 3 = 12.
A função T (x, y, z, w, t) é denida para todo ponto (x, y, z, w, t) ∈ R5 . O convencional é
escrever T : R5 → R.
Note que, em todos os exemplos acima, a imagem da função é um número real. Com
base nesses exemplos vamos denir funções de várias variáveis.

2.2 Função de Várias Variáveis


DEFINIÇÃO 2.2.1 Seja D um subconjunto de Rn e seja (x1 , x2 , x3 , · · · , xn ) ∈ D. Se a cada
n−upla ordenada pertencente a D corresponder um único número real f (x1 , x2 , x3 , · · · , xn ) ,
dizemos que f é uma função de n−variáveis, denida em D com imagem em R. O subcon-
junto D é chamado domínio de f. Convencionalmente escreve-se f : D ⊂ Rn → R.
EXEMPLO 2.2.2 Vejamos alguns exemplos de funções de várias variáveis:
(a) f : D ⊂ R2 → R denida por f (x, y) = 2x + 3y + 1.
(b) f : D ⊂ R3 → R denida por f (x, y, z) = x2 + y + z + 6.
(c) f : D ⊂ R4 → R denida por f (x, y, z, w) = x2 + y 2 + z + w + 6.
(d) f : D ⊂ R5 → R denida por f (x, y, z, w, t) = x2 + y 2 + z + w + t2 + 6.
1
EXEMPLO 2.2.3 A função z = f (x, y) = √ é uma função de duas variáveis, cujo
y−x
domínio é D = {(x, y) ∈ R2 tal que y > x}. Geometricamente, D é formado por todos os
pontos do plano xy que estão situados "acima"da reta y = x. Já a função w = f (x, y, z) =
(x2 +y 2 +z 2 )− 2 é uma função de três variáveis cujo domínio são todos os pontos (x, y, z) ∈ R3
1

para os quais x2 + y 2 + z 2 ̸= 0, ou seja, todos os ponto de R3 , com exceção da origem.


EXEMPLO 2.2.4 A temperatura em um ponto (x, y) de uma placa de metal plana é dada por
T (x, y) = x2 + 4y 2 graus.
(a) Determine a temperatura no ponto (3, 1).
(b) Determine e represente geometricamente a curva ao longo da qual a temperatura tem
um valor constante igual a 16 graus.
Solução: (a) Temos que T (3, 1) = 32 + 4 = 13 graus.
2 2
(b) A curva desejada tem equação T (x, y) = 16, ou seja, x + 4y = 16, que nos fornece a
2
x2
elipse
16
+ y4 = 1, representada na Figura 2.1.

70
y

Figura 2.1: 16 graus ao longo da elipse.

2.2.5 Gráco de uma Função de Várias Variáveis


DEFINIÇÃO 2.2.6 Seja f : D ⊂ Rn → R uma função de n variáveis. Denimos o gráco
de f como o subconjunto de Rn+1 formado por todos os pontos da forma

(x1 , x2 , · · · , xn , f (x1 , x2 , · · · , xn )) ⊂ Rn+1 ,

onde (x1 , x2 , · · · , xn ) ∈ Rn .

No caso n = 2, o gráco de f é uma superfície em R3 . Quando n ≥ 3, não é mais possível


o gráco de f, pois este será um subconjunto de R .
4
visualizar

EXEMPLO 2.2.7 O gráco de f (x, y) = 9 − x2 − y 2 é um parabolóide, conforme mostra a


Figura 2.2.

Figura 2.2: Parabolóide z = f (x, y) = 9 − x2 − y 2

A equação de uma superfície pode ser escrita na forma implícita ou explícita, em função
de duas variáveis, isto é, F (x, y, z) = 0 ou z = f (x, y).

EXEMPLO 2.2.8 A equação da esfera centrada na origem pode ser escrita como segue
• Implicitamente: x2 + y 2 + z 2 − R2 = 0.

• Explicitamente em função de x e y, com z = ± R2 − x2 − y 2 .

71
Representação Gráca de uma Superfície
Para representar gracamente uma superfície procede-se como segue:

1. Determina-se as interseções com os eixos cartesianos determinando os pontos

(x, 0, 0), (0, y, 0) e (0, 0, z).

2. Determina-se os traços das superfícies sobre os planos coordenados

(a) xy fazendo z=0 na equação da superfície;

(b) xz fazendo y=0 na equação da superfície;

(c) yz fazendo x=0 na equação da superfície.

3. Determina-se as simetrias

(a) em relação aos planos coordenados

• Uma superfície é simétrica em relação ao plano xy se para qualquer ponto P (x, y, z)



existe um ponto P (x, y, −z);

• Uma superfície é simétrica em relação ao plano xz se para qualquer ponto P (x, y, z)



existe um ponto P (x, −y, z);

• Uma superfície é simétrica em relação ao plano yz se para qualquer ponto P (x, y, z)



existe um ponto P (−x, y, z).

(b) em relação aos eixos coordenados

• Uma superfície é simétrica em relação ao eixo x se para qualquer ponto P (x, y, z)



existe um ponto P (x, −y, −z);

• Uma superfície é simétrica em relação ao eixo y se para qualquer ponto P (x, y, z)



existe um ponto P (−x, y, −z);
• Uma superfície é simétrica em relação ao eixo z se para qualquer ponto P (x, y, z)

existe um ponto P (−x, −y, z).

(c) em relação à origem

• Uma superfície é simétrica em relação à origem se para qualquer ponto P (x, y, z)



existe um ponto P (−x, −y, −z).

4. Secções e Extensão: Quando os traços principais não forem sucientes para caracte-
rização da superfície, recorre-se a determinação de secções com planos paralelos aos
planos coordenados. Para isso fazemos

• z = k sendo k uma constante na equação F (x, y, z) = 0, isto é, teremos a equação


F (x, y, k) = 0 sobre o plano coordenado xy;
• y = k sendo k uma constante na equação F (x, y, z) = 0, isto é, teremos a equação
F (x, k, z) = 0 sobre o plano coordenado xz;
• x = k sendo k uma constante na equação F (x, y, z) = 0, isto é, teremos a equação
F (k, y, z) = 0 sobre o plano coordenado yz.

EXEMPLO 2.2.9 Esboçar geometricamente a superfície de equação


x2 y 2 z 2
− + − = 1.
52 42 32

72
Solução: Vamos proceder conforme os passos listados acima.

1. Interseções com os eixos coordenados: Os pontos (x, 0, 0) e (0, 0, z) não são reais e o
ponto (0, y, 0) é duplo ou seja temos os pontos P (0, 4, 0) e P ′ (0, −4, 0).

2. Traços sobre os planos coordenados

x2 y 2
• Sobre o plano xy : Fazendo z = 0 tem-se a hipérbole − + = 1 (Figura 2.3).
52 42

Figura 2.3: Traço sobre xy

• Sobre o plano xz : Fazendo y=0 tem-se o conjunto vazio.

y2 z2
• Sobre o plano yz : Fazendo x=0 tem-se a hipérbole − =1 (Figura 2.4).
42 32

Figura 2.4: Traço sobre yz

2 y2 z2
3. Simetrias: Explicitamente, a equação − x52 + 42
− 32
=1 pode ser escrita como

√ √
x2 z 2 x2 z 2
y =4 1+ 2 + 2 ou y = −4 1 + +
5 3 52 32
logo, é simétrica em relação aos planos coordenados, aos eixos coordenados e à origem.

4. Secções e extensões: fazendo z = k, com k ∈ R, obtemos uma família de hipérboles de


eixo real paralelo ao eixoy. Fazendo y = k, com k > 4 ou k < −4, obtemos uma família
de elipses. Fazendo x = k, com k ∈ R, obtemos novamente uma família de hipérboles
de eixo real paralelo ao eixo y.

• Por exemplo, fazendo z=3 temos a equação de uma hipérbole (Figura 2.5)

x2 y 2 32 x2 y 2
− + − = 1 ⇒ − + = 2.
52 42 32 52 42

73
Figura 2.5: Traço sobre o plano z = 3.

• Por exemplo, fazendo y = ±8 temos a equação de elipses (Figura 2.6)

x2 (±8)2 z 2 x2 z 2 x2 z 2
− 2+ − 2 = 1 ⇒ − 2 − 2 = −3 ⇒ + = 3.
5 42 3 5 3 52 32

Figura 2.6: Traços sobre os planos y = ±8.

5. Construção da superfície. Os elementos fornecidos pela discussão acima permitem


construir a superfície hipebólica de duas folhas, conforme a Figura 2.7.

y
x

Figura 2.7: Hiperbolóide de duas folhas

OBSERVAÇÃO Note que a gura acima não é o gráco de uma função de duas variáveis,
2.2.10

é a representação
√ geométrica de uma superfície
√ cuja equação é dada explicitamente pelas
x2 y 2 x2 y 2
funções: z = −3 −1 − + e z = 3 −1 − + .
25 16 25 16

EXEMPLO Considere a função de duas variáveis f (x, y) = 4 − 4x2 − y 2 . Determine
2.2.11

o domínio de f (x, y), construa e identique o gráco de z = f (x, y).

74
y2
Solução: D(f ) = {(x, y) ∈ R2 / 4x2 + y 2 ≤ 4} = {(x, y) ∈ R2 / x2 + ≤ 1}, ou seja, o
4
y2
domínio de f (x, y) é o conjunto de pontos do plano xy no interior da elipse x2 + = 1.
4
O gráco de f (x, y) é uma superfície, ou seja, um conjunto de ponto em R3 dado por

Gr(f ) = {(x, y, z) ∈ R3 / (x, y) ∈ D(f ) e z = f (x, y)}.


√ y2 z2
Assim temos z = 4 − 4x2 − y 2 que é um ramo (z ≥ 0) do gráco de x2 + + = 1,
4 4
esta é a equação de um elipsóide com centro na origem. Logo, o gráco de z = f (x, y) está
representado na Figura 2.8.

y2 z2
Figura 2.8: Ramo z≥0 do elipsóide
2
x + + =1
4 4

2.2.12 Curvas e Superfícies de Nível


Uma curva ao longo da qual uma função de duas variáveis z = f (x, y) tem valor constante
(como a elipse do Exemplo 2.2.4) é denominada curva de nível ou curva de contorno de
f.
A equação de uma curva de nível k para f é da forma f (x, y) = k. Quando a função
f representa uma distribuição de temperatura, suas curvas de nível são chamadas isoter-
mas. Se f representa o potencial elétrico, as curvas de nível de f são chamadas de curvas
equipotenciais.
Suponha que uma superfície S z = f (x, y). Se a interseção de
é o gráco de uma função
S com o plano z=k f (x, y) = k. A cada ponto
é não vazia, então ela é uma curva de nível
desta curva de nível corresponde um único ponto na superfície S que está k unidades acima
do plano xy, se k > 0, ou k unidades abaixo dele, se k < 0. Ao considerarmos diferentes
valores para a constante k, obtemos um conjunto de curvas chamado de mapa de contorno
de S .
Tal mapa de contorno facilita a visualização da superfície. Quando as curvas de nível são
mostradas em intervalos equi-espaçados de k, a proximidade de curvas sucessivas nos dá a
informação sobre a aclividade de S. Quanto mais próximas as curvas, signica que os valores
de z mudam mais rapidamente do que quando elas estão mais afastadas, ou seja, quando
curvas de nível estão juntas, a superfície é "íngreme".

EXEMPLO Seja f (x, y) = x2 + y 2 . Faça um mapa de contorno de f, mostrando as


2.2.13

curvas de nível em 1, 2, 3, 4, 5.

75
Solução: As curvas de nível são as circunferências x2 + y 2 = k. Um mapa de contorno de f
pode ser visto na Figura 2.9.

Figura 2.9: Curvas de Nível: x2 + y 2 = k

Embora não possamos visualizar o gráco de uma função de três variáveis w = f (x, y, z),
podemos considerar as superfícies de equações f (x, y, z) = k, que são chamadas de superfícies
de nível de f. Ainda, toda superfície denida por uma equação em x, y, z pode ser considerada
como uma superfície de nível de alguma função de três variáveis. Por exemplo, o hiperbolóide
2 2 2
x y z
da Figura 2.7 é a superfície de nível g(x, y, z) = 1 onde g(x, y, z) = − 2
+ 2 − 2.
5 4 3

2.2.14 Distâncias e Bolas no Espaço


Sejam P (x1 , x2 , · · · , xn ) e A (y1 , y2 , · · · , yn ) dois pontos de Rn . A distância de P até A,
denotada por ||P − A|| , é dada por


||P − A|| = (x1 − y1 )2 + (x2 − y2 )2 + · · · + (xn − yn )2 .

DEFINIÇÃO 2.2.15 Sejam A (y1 , y2 , · · · , yn ) um ponto de Rn e δ > 0 um número real. De-


nominamos bola aberta de centro A e raio δ ao conjunto de todos os pontos P (x1 , x2 , · · · , xn ) ∈
Rn tais que ||P − A|| < δ, ou seja,

B (A, δ) = {(x1 , x2 , · · · , xn ) ∈ Rn ; ||P − A|| < δ} .

EXEMPLO 2.2.16 No plano, para δ = 1 e A(1, 2) temos a bola aberta


{ }
B ((1, 2) , 1) = P (x, y) ∈ R2 ; ||(x, y) − (1, 2)|| < 1

que é gracamente representada pela Figura 2.10.


y

Figura 2.10: Bola aberta B ((1, 2) , 1) .

76
EXEMPLO 2.2.17 Sejam A (1, 1, 2) e δ = 1. Então, a bola aberta
{ }
B((1, 1, 2) , 1) = P (x, y, z) ∈ R3 ; ||(x, y, z) − (1, 1, 2)|| < 1

está gracamente representada pela Figura 2.11.


z

y
x

Figura 2.11: Bola aberta B((1, 1, 2) , 1)

2.3 Limite de uma Função de duas Variáveis


Vamos estudar a existência do limite de uma função de duas variáveis. O raciocínio
análogo é feito para funções de n variáveis.
DEFINIÇÃO 2.3.1 Seja f uma função de duas variáveis denida numa bola aberta B (A, r) ,
exceto possivelmente em A (x0 , y0 ) . Dizemos que o número L é o limite de f (x, y) quando
(x, y) tende para (x0 , y0 ) se, dado ε > 0, podemos encontrar um δ > 0 tal que |f (x, y) − L| <
ε sempre que 0 < ||(x, y) − (x0 , y0 )|| < δ. Nesse caso, escrevemos

lim f (x, y) = L.
(x,y)→(x0 ,y0 )

EXEMPLO 2.3.2 Mostre que lim (2x + 3y) = 11.


(x,y)→(1,3)

Solução: Devemos mostrar que, dado ε > 0, existe δ > 0 tal que |f (x, y) − 11| < ε sempre
que 0 < ||(x, y) − (1, 3)|| < δ. Assim

|f (x, y) − 11| = |2x + 3y − 11|


= |(2x − 2) + (3y − 9)|
= |2 (x − 1) + 3 (y − 3)|
≤ |2 (x − 1)| + |3 (y − 3)|
= 2 |(x − 1)| + 3 |(y − 3)| < ε

e obtemos que
2 |(x − 1)| + 3 |(y − 3)| < ε. (I)
Por outro lado, de 0 < ||(x, y) − (x0 , y0 )|| < δ, segue que

0< (x − 1)2 + (y − 3)2 < δ.

77
Agora, pela denição de módulo, temos que
√ √
|x − 1| = (x − 1)2 ≤ (x − 1)2 + (y − 3)2 < δ

e √ √
|y − 3| = (y − 3)2 ≤ (x − 1)2 + (y − 3)2 < δ
e assim
2 |(x − 1)| + 3 |(y − 3)| < 2δ + 3δ = 5δ. ( II )
Portanto, de (I) e (II) podemos formar o sistema de inequações
{
2 |(x − 1)| + 3 |(y − 3)| < ε
2 |(x − 1)| + 3 |(y − 3)| < 5δ
ε
Assim, podemos admitir que 5δ = ε e encontrar que δ = .
5
ε
Logo, dado ε > 0 existe δ = tal que |f (x, y) − 11| < ε sempre que 0 < ||(x, y) − (1, 3)|| <
5
δ, o que prova pela denição que lim 2x + 3y = 11.
(x,y)→(1,3)

OBSERVAÇÃO No Cálculo 1, vimos que para existir o limite de uma função de uma va-
2.3.3

riável, quando x se aproxima de x0 , é necessário que os limites laterais lim+ f (x) e lim− f (x)
x→x0 x→x0
existam e sejam iguais. Já para funções de duas variáveis, a situação análoga é mais com-
plicada, pois no plano há uma innidade de curvas (caminhos) ao longo das quais o ponto
(x, y) pode se aproximar de (x0 , y0 ) . Porém, se o limite da Denição 2.3.1 existe, é pre-
ciso então que f (x, y) tenda para L, independentemente do caminho considerado. Essa ideia
nos fornece uma importante regra (Teorema 2.3.4) para investigar a existência de limites de
funções de duas variáveis.
TEOREMA 2.3.4 Seja f uma função de duas variáveis denida numa bola aberta centrada
em A (x0 , y0 ), exceto possivelmente em A (x0 , y0 ) . Se f (x, y) tem limites diferentes quando
(x, y) tende para (x0 , y0 ) por caminhos diferentes, então

lim f (x, y) não existe.


(x,y)→(x0 ,y0 )

xy
EXEMPLO 2.3.5 Vamos mostrar que lim não existe.
(x,y)→(0,0) x2 + y2

Solução: Considere C1 = {(x, y) ∈ R2 ; x = 0} . Note que C1 é exatamente o eixo y e é um


caminho que passa pelo ponto (0, 0) . Assim,

0·y
lim f (x, y) = lim f (0, y) = lim = 0.
(x,y)→ (0,0) (0,y)→(0,0) y→0 02 + y2
C1

Considere agora C2 = {(x, y) ∈ R2 ; y = kx}. Note que C2 é o conjunto de retas que


passam pelo ponto (0, 0) . Assim
xkx
lim f (x, y) = lim f (x, kx) = lim
(x,y)→ (0,0)
C2
(x,kx)→(0,0) (x,kx)→(0,0) x2 + (kx)2
x2 k k
= lim = .
x→0 x2 (1 + k 2 ) 1 + k2

78
Mostramos então que

lim f (x, y) ̸= lim f (x, y)


(x,y)→(0,0) (x,y)→(0,0)
S1 S2

xy
e com isso, concluímos que lim não existe.
(x,y)→(0,0) x2 + y2
3x2 y
EXEMPLO 2.3.6 Vamos mostrar que lim existe.
(x,y)→(0,0) x2 + y 2

Solução: Primeiro vamos vericar se, por caminhos diferentes, o limite tem o mesmo valor
numérico. Considerando C1 = {(x, y) ∈ R2 ; y = kx} , o conjunto de retas que passam pelo
ponto (0, 0) temos

3x2 kx
lim f (x, y) = lim f (x, kx) = lim
(x,y)→ (0,0)
C1
(x,kx)→(0,0) (x,kx)→(0,0) x2 + (kx)2
x3 k xk
= lim = lim = 0.
x→0 x (1 + k ) x→0 1 + k 2
2 2

Considerando agora C2 = {(x, y) ∈ D; y = kx2 }, o conjunto de parábolas que passam


pelo ponto (0, 0) , temos que

( ) 3x2 kx2
lim f (x, y) = lim f x, kx2 = lim
(x,y)→ (0,0)
C2
2
(x,kx )→(0,0) 2
(x,kx )→(0,0) x2 + (kx2 )2
3x4 k 3x2 k
= lim = lim = 0.
x→0 x2 (1 + k 2 x2 ) x→0 1 + k 2 x2

Como lim f (x, y) = lim f (x, y) , segue que há probabilidades de que L = 0


(x,y)→ (0,0) (x,y)→ (0,0)
C1 C2
3xy
seja o limite de f (x, y) = 2 2 . Para conrmar, devemos vericar se a Denição 2.3.1 está
x +y
satisfeita. Devemos mostrar que, dado ε > 0, existe δ > 0 tal que |f (x, y) − 0| < ε sempre
que 0 < ||(x, y) − (0, 0)|| < δ. Assim,

3x2 y
= |3x y| = 3 |x | |y| < ε. ( I )
2 2

|f (x, y) − 0| = 2
x + y 2 |x2 + y 2 | x2 + y 2

De 0 < ||(x, y) − (0, 0)|| < δ obtemos 0 < x2 + y 2 < δ. Sendo x2 ≤ x2 + y 2 e |y| =
√ √
y 2 ≤ x2 + y 2 podemos escrever

3 |x2 | |y| 3 (x2 + y 2 ) |y| √


2 2
≤ 2 2
= 3 |y| < 3 x2 + y 2 < 3δ. ( II )
x +y x +y
ε
Comparando (I) com (II) podemos admitir que 3δ = ε, donde vem δ= .
3
3x2 y
Portanto, mostramos que existe o limite existe e que lim = 0.
(x,y)→(0,0) x2 + y 2
3x4 (y − 1)4
EXEMPLO 2.3.7 Calcule, se possível, o valor de lim .
(x,y)→(0,1) (x4 + y 2 − 2y + 1)3

79
Solução: Iniciamos investigando a existência do limite, utilizando diferentes caminhos que
passam pelo ponto (0, 1).
Utilizando os caminhos lineares C1 = {(x, y) ∈ R2 ; y = kx + 1} temos que

3x4 (y − 1)4 3x4 (kx)4


lim = lim
(x,y)→ (0,1)
C1
(x4 + (y − 1)2 )3 (x,kx+1)→(0,1) (x4 + (kx)2 )3
3k 4 x8
= lim = 0.
x→0 x6 (x2 + k 2 )3

Agora, usando os caminhos parabólicos C2 = {(x, y) ∈ R2 ; y = kx2 + 1} temos que

3x4 (y − 1)4 3x4 (kx2 )4


lim = lim
(x,y)→ (0,1)
C2
(x4 + (y − 1)2 )3 2
(x,kx +1)→(0,1) (x4 + (kx2 )2 )3
3k 4 x12 3k 4
= lim = .
x→0 x12 (1 + k 2 )3 (1 + k 2 )3

Portanto, como obtemos limites diferentes por caminhos distintos, concluímos que o limite
não existe.

(x + 2y + z)3
EXEMPLO 2.3.8 Calcule, se possível, o valor de lim .
(x,y,z)→(3,1,−5) (x − 3)(y − 1)(z + 5)
Solução: Iniciamos investigando a existência do limite. Como temos uma função de 3 va-
riáveis, devemos usar caminhos em R . Se v = (a, b, c) são as coordenadas de um vetor diretor
3

de uma reta que passa pelo ponto (3, 1, −5), podemos utilizar as equações paramétricas para
denir o caminho retilíneo

{ }
C1 = (x, y, z) ∈ R3 ; x = 3 + at, y = 1 + bt, z = −5 + ct .

Para nos aproximarmos de (3, 1, −5) por C1 , basta fazermos o parâmetro t→0 e assim

(x + 2y + z)3 (3 + at + 2 + 2bt − 5 + ct)3


lim = lim
(x,y,z)→ (3,1,−5)
C1
(x − 3)(y − 1)(z + 5) t→0 (at)(bt)(ct)
(at + 2bt + ct)3 (a + 2b + c)3
= lim = .
t→0 abct3 abc
Atribuindo diferentes valores para a, b, c, ou seja, utilizando caminhos retilíneos distintos
para nos aproximarmos de (3, 1, −5) obtemos limites também distintos. Portanto, pela regra
dos dois caminhos, o limite em questão não existe.

2.3.9 Propriedades dos Limites


(i) Se f : R2 → R é denida por f (x, y) = ax+by+c, então lim f (x, y) = ax0 +by0 +c.
(x,y)→(x0 ,y0 )

(ii) Se lim f (x, y) e lim g (x, y) existem e c ∈ R, então:


(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

(a) lim [f (x, y) ± g(x, y)] = lim f (x, y) ± lim g (x, y) .


(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

(b) lim cf (x, y) = c lim f (x, y)


(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

80
(c) lim [f (x, y) .g(x, y)] = lim f (x, y) · lim g (x, y) .
(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(xo ,yo ) (x,y)→(x0 ,y0 )

lim f (x, y)
f (x, y)
(d)
(x,y)→(x0 ,y0 )
lim [ ]= desde que lim g (x, y) ̸= 0.
(x,y)→(x0 ,y0 ) g(x, y) lim g (x, y) (x,y)→(x0 ,y0 )
(x,y)→(x0 ,y0 )
( )n
(e) lim [f (x, y)] = n
lim f (x, y) para todo n ∈ Z∗+ .
(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

PROPOSIÇÃO 2.3.10 Se g é uma função de uma variável, contínua num ponto a, e f (x, y)
é uma função tal que lim f (x, y) = a, então lim (g ◦ f ) (x, y) = g(a), ou seja,
(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

( )
lim g(f (x, y)) = g lim f (x, y) .
(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

EXEMPLO 2.3.11 Calcular lim ln(x2 + xy − 1).


(x,y)→(1,2)

Solução: Considerando as funções

f (x, y) = x2 + xy − 1 e g(u) = ln u,

temos que lim f (x, y) = 2 e que g é contínua em u = 2. Aplicando a proposição acima,


(x,y)→(1,2)
obtemos

lim (g ◦ f )(x, y) = lim ln(x2 + xy − 1)


(x,y)→(1,2) (x,y)→(1,2)
( )
= ln lim (x + xy − 1) = ln 2.
2
(x,y)→(1,2)

[ ( )]
x2 − y 2 x2 + 2xy + y 2
EXEMPLO 2.3.12 Se lim · f (x, y) + ln +1 = −2, determine
(x,y)→(2,−2) x+y x+y
lim f (x, y).
(x,y)→(2,−2)

Solução: Como o limite dado existe, temos pelas propriedades de limites:

[ ( 2 )]
x2 − y 2 x + 2xy + y 2
−2 = lim · f (x, y) + ln +1
(x,y)→(2,−2) x+y x+y
( ( 2 ))
x2 − y 2 x + 2xy + y 2
= lim · lim f (x, y) + ln lim +1
(x,y)→(2,−2) x + y (x,y)→(2,−2) (x,y)→(2,−2) x+y
( ( ))
(x + y)(x − y) (x + y)2
= lim · lim f (x, y) + ln lim +1
(x,y)→(2,−2) x+y (x,y)→(2,−2) (x,y)→(2,−2) x+y
( )
= lim (x − y) · lim f (x, y) + ln lim (x + y + 1)
(x,y)→(2,−2) (x,y)→(2,−2) (x,y)→(2,−2)

= 4· lim f (x, y) + ln(1)


(x,y)→(2,−2)

= 4· lim f (x, y)
(x,y)→(2,−2)

1
logo, lim f (x, y) = − .
(x,y)→(2,−2) 2

81
x2 − y 2
EXEMPLO 2.3.13 Seja f (x, y) = √ .
(x − y) 4y − x2
1. Descreva e represente geometricamente o domínio de f (x, y).
2. Calcule lim f (x, y).
(x,y)→(1,1)

Solução (a): Condições sobre o domínio:

x2
• 4y − x2 > 0 ⇒ y > 4

• x − y ̸= 0 ⇒ y ̸= x
x2
Logo, D = {(x, y) ∈ R2 / x ̸= 0 e y >4
}, ou seja, os pontos no interior da parábola
̸ y. O domínio
4y = x2 em que x = está representado na Figura 2.12.

Figura 2.12: Domínio de f (x, y)

Solução (b):
x2 − y 2 x+y 2
lim f (x, y) = lim √ = lim √ =√
(x,y)→(1,1) (x,y)→(1,1) (x − y) 4y − x2 (x,y)→(1,1) 4y − x2 3
PROPOSIÇÃO 2.3.14 Se lim f (x, y) = 0 e g(x, y) é uma função limitada em alguma
(x,y)→(x0 ,y0 )
bola aberta de centro (x0 , y0 ), exceto possivelmente em (x0 , y0 ), então
lim f (x, y).g(x, y) = 0.
(x,y)→(x0 ,y0 )

x2 y
EXEMPLO 2.3.15 Mostre que lim = 0.
(x,y)→(0,0) x2 + y 2
xy
Solução: Consideremos f (x, y) = x e g(x, y) = .
x2 + y2
Sabemos que lim x = 0, então basta mostrar que g(x, y) é limitada.
(x,y)→(0,0)
Escrevendo g em coordenadas polares, temos que

xy r2 cos θ sin θ
g(x, y) = = = cos θ sin θ.
x2 + y 2 r2
Evidentemente, |cos θ sin θ| ≤ 1 e portanto temos que g(x, y) é limitada. Logo, pela
x2 y
proposição anterior, lim = 0.
(x,y)→(0,0) x2 + y 2

82
Outra maneira de resolver usando ainda a Proposição 2.3.14.
x2
Sejam f (x, y) = y e g(x, y) = . Então lim f (x, y) = 0 e
x2 + y 2 (x,y)→(0,0)

x2
|g(x, y)| = ≤1 para todo (x, y) ̸= (0, 0),
x2 + y 2

ou seja, g(x, y) é limitada para todo (x, y) ̸= (0, 0), logo pela Proposição acima temos o
resultado desejado.

2x2 y 2 − 2xy 3
EXEMPLO 2.3.16 Calcule, se existir, lim .
(x,y)→(0,0) 3x2 + 3y 2
Solução: Usando as propriedades temos:

( )
2x2 y 2 − 2xy 3 2x2 y 2 2xy y 2
lim = lim −
(x,y)→(0,0) 3x2 + 3y 2 (x,y)→(0,0) 3 x2 + y 2 3 x2 + y 2
2x2 y2 2xy y2
= lim · 2 − lim ·
(x,y)→(0,0) 3 x + y 2 (x,y)→(0,0) 3 x2 + y 2

2x2 2xy y2
Como lim = 0, lim = 0, e 2 é uma função limitada numa vizi-
(x,y)→(0,0) 3 (x,y)→(0,0) 3 x + y2
nhança da origem, exceto em (0, 0), temos pela Proposição 2.3.14

2x2 y 2 − 2xy 3 2x2 y2 2xy y2


lim = lim · − lim · = 0.
(x,y)→(0,0) 3x2 + 3y 2 (x,y)→(0,0) 3 x2 + y 2 (x,y)→(0,0) 3 x2 + y 2

2.4 Continuidade de uma Função de duas Variáveis


DEFINIÇÃO 2.4.1 Seja f : D ⊂ R2 → R uma função de duas variáveis e (x0 , y0 ) ∈ D.
Dizemos que f é contínua em (x0 , y0 ) se satisfaz as condições:
(i) f (xo , yo ) existe
(ii) lim f (x, y) existe
(x,y)→(x0 ,y0 )
(iii) lim f (x, y) = f (x0 , y0 ) .
(x,y)→(x0 ,y0 )

{ xy
se (x, y) ̸= (0, 0)
EXEMPLO 2.4.2 Verique se a função f (x, y) = x2 + y2 é contínua
0 se (x, y) = (0, 0)
em (0, 0) .

Solução: Devemos vericar se f satisfaz as condições da Denição 2.4.1.

(i) Como f (0, 0) = 0, a primeira condição está satisfeita.

(ii) Vimos no Exemplo 2.3.5 que lim x


xy
2 +y 2 não existe. Portanto, a segunda condição
(x,y)→(0,0)
da Denição 2.4.1 não é satisfeita.

Logo, f (x, y) não é contínua em (0, 0) .

83
 4
 x − (y − 1)4
se (x, y) ̸= (0, 1)
EXEMPLO 2.4.3 A função denida por f (x, y) = x2 + (y − 1)2 é con-

0 se (x, y) = (0, 1)
tínua em (0, 1)?
Solução: Devemos vericar se f satisfaz as condições da Denição 2.4.1.

(i) Como f (0, 1) = 0, a primeira condição está satisfeita.

(ii) Vamos vericar se lim f (x, y) existe e é igual a zero (se for diferente a função não
(x,y)→(0,1)
será contínua no ponto)

x4 − (y − 1)4 [x2 − (y − 1)2 ][x2 + (y − 1)2 ] [ 2 ]


lim = lim = lim x − (y − 1)2
= 0.
(x,y)→(0,1) x2 + (y − 1)2 (x,y)→(0,1) x2 + (y − 1)2 (x,y)→(0,1)

(iii) Dos itens anteriores, segue que

lim f (x, y) = 0 = f (0, 1).


(x,y)→(0,1)

Portanto, a função f (x, y) dada é contínua no ponto (0, 1).



3x2 y 
se (x, y) ̸= (0, 0)
EXEMPLO 2.4.4 Verique se a função f (x, y) = x2 + y 2 é contínua em

0 se (x, y) = (0, 0)
(0, 0) .
Solução: Devemos vericar se f satisfaz as condições da Denição 2.4.1.

(i) Como f (0, 0) = 0, a primeira condição está satisfeita.

3x2 y
(ii) Como vimos no Exemplo 2.3.6, lim = 0, a segunda condição está satisfeita.
(x,y)→(0,0) x2 + y 2

(iii) Segue dos itens anteriores que

lim f (x, y) = f (0, 0) .


(x,y)→(0,0)

Portanto, as três condições da Denição 2.4.1 estão satisfeitas. Logo, f (x, y) é contínua
em (0, 0) .
EXEMPLO 2.4.5 Utilize argumentos consistentes para determinar, se existir, o valor de b que
torne as funções denidas abaixo contínuas.


 x2 y 2
 , se (x, y) ̸= (0, 0)
(a) f (x, y) = x4 + y 2 .



b, se (x, y) = (0, 0)


 x3 (y − 5)2
 , se (x, y) ̸= (0, 5)
2x7 + 3(y − 5)4
(b) g(x, y) =



b, se (x, y) = (0, 5)

84
Solução (a) 1: Queremos determinar, se existe, lim f (x, y). Para tal, primeiro veri-
(x,y)→(0,0)
caremos se por caminhos diferentes obtemos o mesmo valor numérico para este limite.

Considere o caminho C1 = {(x, y) ∈ R2 / y = kx}


] [
x2 (kx)2
lim f (x, y) = lim f (x, kx) = lim 4
(x,y)−→(0,0) (x,kx)→(0,0) x→0 x + (kx)2
C1
[ ] [ 2 2 ]
k 2 x4 k x
= lim 2 2 2
= lim 2 =0
x→0 x (x + k ) x→0 x + k 2

Considere o caminho C2 = {(x, y) ∈ R2 / y = kx2 }


] [
[ 2 2 ]
x 2 k 2 x4
2 k x
lim f (x, y) = lim f (x, kx ) = lim 4 2 4
= lim =0
(x,y)−→(0,0) (x,kx2 )→(0,0) x→0 x + k x x→0 1 + k 2
C 2

Como por C1 e C2 obtivemos o limite como sendo 0, há probabilidades que o limite exista.
Para conrmar devemos mostrar que dado ϵ > 0, existe δ>0 de modo que

|f (x, y)| < ϵ sempre que 0 < ∥(x, y) − (0, 0)∥ < δ.
Por propriedades modulares temos
2 2
xy 2 2 2 4 2
|f (x, y)| = 4 = x y ≤ x (x + y ) = x2 ≤ x2 + y 2 < δ 2
x + y 2 x4 + y 2 x4 + y 2

assim, escolhendo δ = ϵ, provamos usando a denição, que lim f (x, y) = 0. Portanto,
(x,y)→(0,0)
escolhendo b=0 temos que a função f (x, y) é contínua em todos os pontos (x, y).

Solução (a) 2: Note que podemos escrever

x2 y 2 y2 y2
lim f (x, y) = lim = lim x 4 2
= lim x · lim2
(x,y)→(0,0) (x,y)→(0,0) x4 + y 2 (x,y)→(0,0) x + y 2 (x,y)→(0,0) (x,y)→(0,0) x4 + y 2

y2
Como lim x2 = 0 e é uma função limitada numa vizinhança da origem, exceto
(x,y)→(0,0) x4 + y 2
em (0, 0), temos que
( )
y2
lim f (x, y) = lim x · 4
2
= 0.
(x,y)→(0,0) (x,y)→(0,0) x + y2
Portanto, escolhendo b = 0 temos que a função f (x, y) é contínua em todos os pontos
(x, y) ∈ R .
2

Solução (b): Queremos determinar, se existe, lim g(x, y). Para tal, primeiro veri-
(x,y)→(0,5)
caremos se por caminhos diferentes obtemos o mesmo valor numérico para este limite.

Considere o caminho C1 = {(x, y) ∈ R2 / y = kx + 5}


[ ]
x3 (kx)2
lim g(x, y) = lim g(x, kx + 5) = lim
(x,y)−→(0,5) (x,kx+5)→(0,5) x→0 2x7 + 3(kx)4
C1
[ ] [ ]
k 2 x5 k2x
= lim 4 3 = lim =0
x→0 x (2x + 3k 4 ) x→0 2x3 + 3k 4

85
Considere o caminho C2 = {(x, y) ∈ R2 / y = kx2 + 5}
[] [ ]
2 x3 k 2 x 4 k2 k2
lim g(x, y) = lim g(x, kx + 5) = lim = lim =
(x,y)−→(0,5) (x,kx2 +5)→(0,5) x→0 2x7 + 3k 4 x8 x→0 2 + 3k 4 x 2
C2

Como pelo caminho C2 obtivemos o valor do limite dependendo de k temos que para valores
distintos de k obtemos respostas distintas para o valor do limite, logo lim g(x, y) não
(x,y)→(0,5)
existe. Portanto, não existe b de modo que g(x, y) seja contínua no ponto (0, 5).

2.5 Derivadas Parciais


Seja z = f (x, y) uma função real de duas variáveis reais e seja (x0 , y0 ) um ponto do
domínio de f. Fixando y0 podemos considerar a função de uma variável g(x) = f (x, y0 ). A
derivada desta função no ponto x = x0 , quando existe, denomina-se derivada parcial de f,
em relação a x, no ponto (x0 , y0 ) e indica-se por
∂f ∂z
(x0 , y0 ) ou (x0 , y0 ).
∂x ∂x
Assim,

∂f g(x) − g(x0 )
(x0 , y0 ) = g ′ (x0 ) = lim
∂x x→x0 x − x0
f (x, y0 ) − f (x0 , y0 )
= lim
x→x0 x − x0
f (x0 + ∆x, y0 ) − f (x0 , y0 )
= lim
∆x→0 ∆x
De modo análogo, xando x0 podemos considerar a função de uma variável h(y) =
f (x0 , y). A derivada desta função no ponto y = y0 , quando existe, denomina-se derivada
parcial de f, em relação a y, no ponto (x0 , y0 ) e indica-se por
∂f ∂z
(x0 , y0 ) ou (x0 , y0 ).
∂y ∂y
Assim,

∂f h(y) − y(y0 )
(x0 , y0 ) = h′ (y0 ) = lim
∂y y→y0 y − y0
f (x0 , y) − f (x0 , y0 )
= lim
y→y0 y − y0
f (x0 , y0 + ∆y) − f (x0 , y0 )
= lim
∆y→0 ∆y
Assim, denimos

DEFINIÇÃO 2.5.1 Seja f : D ⊂ R2 → R uma função real de duas variáveis reais e (x, y) ∈
D. As derivadas parciais de primeira ordem ∂f
∂x
e ∂f
∂y
de f em (x, y) são dadas por
∂f (x, y) f (x + ∆x, y) − f (x, y)
= lim
∂x ∆x→0 ∆x
e
∂f (x, y) f (x, y + ∆y) − f (x, y)
= lim .
∂y ∆y→0 ∆y

86
EXEMPLO 2.5.2 Seja f (x, y) = x2 y + xy 2 encontre ∂f (x,y)
∂x
e ∂f (x,y)
∂y
.
Solução: Aplicando a Denição 2.5.1 obtemos

∂f (x, y) f (x + ∆x, y) − f (x, y)


= lim
∂x ∆x→0 ∆x
(x + ∆x)2 y + (x + ∆x)y 2 − (x2 y + xy 2 )
= lim
∆x→0 ∆x
x2 y + 2xy∆x + y (∆x)2 + xy 2 + y 2 ∆x − x2 y − xy 2
= lim
∆x→0 ∆x
2 2
2xy∆x + y (∆x) + y ∆x
= lim
∆x→0 ∆x
(2xy + y∆x + y 2 ) ∆x
= lim
∆x→0 ∆x
= lim 2xy + y∆x + y 2 = 2xy + y 2 .
∆x→0

∂f (x, y) f (x, y + ∆y) + f (x, y)


Analogamente, encontra-se que = lim = x2 + 2xy.
∂y ∆y→0 ∆y
OBSERVAÇÃO Note que, para encontrar ∂f
2.5.3
∂x
bastou considerar y como uma constante na
função f (x, y) e aplicar as regras de derivação estudadas na derivação de funções de uma
variável. Para encontrar ∂f
∂y
deriva-se em relação a y, mantendo x constante.
EXEMPLO 2.5.4 Seja f (x, y) = 3x2 y + 2 sin xy, encontre ∂f
∂x
e ∂f
∂y
.
Solução: Tomando y constante no primeiro caso e x no segundo, obtemos

∂f (x, y)
= 6xy + 2y cos xy
∂x
∂f (x, y)
= 3x2 + 2x cos xy.
∂y
OBSERVAÇÃO 2.5.5 No caso de f ter mais de duas variáveis, são consideradas constantes
todas as variáveis em relação a qual f não está sendo derivada.
EXEMPLO 2.5.6 Seja f (x, y, z, t) = 3x2 yz 3 t2 + 2 sin x2 yz 3 t2 . Encontre as derivadas parciais
∂f ∂f ∂f ∂f
, , e .
∂x ∂y ∂z ∂t
Solução: Fazendo y, z, t constantes podemos derivar parcialmente em x:
∂f (x, y, z, t)
= 6xyz 3 t2 + 4xyz 3 t2 cos x2 yz 3 t2 .
∂x
Agora, fazendo x, z, t constantes, obtemos a derivada parcial em relação a y:
∂f (x, y, z, t)
= 3x2 z 3 t2 + 2x2 z 3 t2 cos x2 yz 3 t2 .
∂y
Tomando x, y, t constantes temos a derivada parcial em z:
∂f (x, y, z, t)
= 9x2 yz 2 t2 + 6x2 yz 2 t2 cos x2 yz 3 t2 .
∂z
Finalmente, mantendo x, y, z constantes, encontramos

∂f (x, y, z, t)
= 6x2 yz 3 t + 4x2 yz 3 t cos x2 yz 3 t.
∂t

87
2.5.7 Interpretação Geométrica das derivadas parciais
No estudo de funções de uma variável real vê-se que a derivada de uma função num ponto
pode ser interpretada como a inclinação da reta tangente ao gráco da função no referido
ponto, veremos que para funções de duas variáveis as derivadas parciais podem ser estudadas
como inclinação de retas tangentes a superfície que representa o gráco da função z = f (x, y).
Seja f (x, y) uma função de duas variáveis e seja y = y0 . Então, z = f (x, y0 ) descreve uma
curva C1 sobre a superfície S. Marcamos um ponto P (x0 , y0 ) sobre C1 e traçamos uma reta
∂f (x0 , y0 )
t1 tangente à curva neste ponto com coeciente angular m = tgα. Então, =
∂x
∂f (x0 , y0 )
tgα, ou seja, é o coeciente angular da reta tangente à curva C1 no ponto
∂x
P (x0 , y0 , f (x0 , y0 )) . Na Figura 2.13 estão representadas a curva C1 e a reta tangente cu-
jas equações são

{ {
y = y0 y = y0
C1 : e t1 : ∂f (x0 , y0 )
z = f (x, y0 ) z − f (x0 , y0 ) = (x − x0 )
∂x

∂f
Figura 2.13: Interpretação Geométrica de
∂x
∂f (x0 , y0 )
Analogamente, é o coeciente angular da reta
∂y

 x = x0
t2 : ∂f (x0 , y0 )
 z − f (x0 , y0 ) = (y − y0 )
∂y
{
x = x0
tangente à curva C2 : no ponto P (x0 , y0 , f (x0 , y0 )) , conforme ilustra a
z = f (x0 , y)
Figura 2.14.

Da maneira como as retas tangentes, t1 e t2 , foram construídas, uma no plano y = y0 e a


outra no plano x = x0 , elas não são paralelas e como (x0 , y0 , f (x0 , y0 )) é o ponto de interseção

88
∂f
Figura 2.14: Interpretação Geométrica de
∂y

destas retas, temos que elas são concorrentes, logo denem um único planoπ que as contém,
este plano é o plano tangente à superfície z = f (x, y) no ponto P (x0 , y0 , f (x0 , y0 )).
Além disso, se C é outra curva qualquer contida na superfície z = f (x, y) que passa pelo
ponto P, então a reta tangente à curva C passando por P também pertence ao plano π. Na
Figura 2.15 estão destacadas no gráco de uma função de duas variáveis as duas curvas e
suas retas tangentes para uma melhor visualização.

z
t2

t1

C2
C1

x0
y0
β y
x α

Figura 2.15: Interpretação geométrica das derivadas parciais

89
Para determinar a equação do plano tangente precisamos do vetor normal ⃗n ao plano e
de um ponto que pertence ao plano. Como t1 e t2 são retas contidas no plano π temos
que o vetor normal ⃗n é dado pela produto vetorial dos vetores diretores destas retas e
P (x0 , y0 , f (x0 , y0 )) é um ponto que pertence ao plano π. Assim,
( ) ( ) ( )
∂f ∂f ∂f ∂f
⃗n = v⃗1 × v⃗2 = 1, 0, (x0 , y0 ) × 0, 1, (x0 , y0 ) = − (x0 , y0 ), − (x0 , y0 ), 1 .
∂x ∂y ∂x ∂y

Usando as componentes do vetor normal e as coordenadas do ponto P, obtemos que a equação


do plano π tangente à superfície z = f (x, y) no ponto P (x0 , y0 , f (x0 , y0 )) é dada por:

∂f ∂f
(x0 , y0 )(x − x0 ) + (x0 , y0 )(y − y0 ) − (z − z0 ) = 0. (2.5.1)
∂x ∂y

EXEMPLO 2.5.8 Determine a equação de um plano que seja tangente ao parabolóide z =


x2 + y 2 , no ponto P (1, 2, 5).

Solução: (Observação: a resolução deste exemplo usa a denição e não o resultado nal que
foi deduzido acima, pode ser trabalhado como um exemplo inicial para auxiliar a compreensão
e depois feita a generalização.) Note que a superfície desejada é o gráco da função z =
f (x, y) = x2 + y 2 . Para determinar a equação do plano tangente desejado, devemos obter
dois vetores pertencentes a este plano, ou seja, dois vetores tangentes ao parabolóide, no
2
ponto P. Para isso, fazendo y = 2 encontramos a curva z = f (x, 2) = x + 4. A reta tangente
a essa curva, no ponto P, é dada por

∂f (x0 , y0 )
z − z0 = (x − x0 ) = 2x0 (x − x0 ),
∂x
ou seja,
z − 5 = 2(x − 1) ⇒ z = 2x + 3, no plano y = 2.
Da geometria analítica, temos que o vetor diretor desta reta tangente é dado por b⃗1 =
2
(1, 0, 2). Da mesma forma, fazendo x = 1, obtemos a curva z = f (1, y) = 1 + y , cuja reta
tangente, em P, é dada por

∂f (x0 , y0 )
z − z0 = (y − y0 ) = 2y0 (y − y0 ),
∂y
ou seja,

z − 5 = 4(y − 2) ⇒ z = 4y + 3 no plano x = 1.

Assim, encontramos o vetor diretor b⃗2 = (0, 1, 4). Agora podemos obter o vetor normal
ao plano tangente desejado, tomando

i j k

⃗b = b⃗1 × b⃗2 = 1 0 2 = (−2, −4, 1).

0 1 4

90
Portanto, a equação geral do plano desejado é dada por

−2x − 4y + 1z + d = 0.
Como este plano deve passar por P (1, 2, 5),
substituindo suas coordenadas na equação
2 2
acima, obtemos d = 5. Portanto, o plano tangente ao parabolóide z = x + y , no ponto
P (1, 2, 5), tem equação −2x − 4y + z + 5 = 0.
EXEMPLO Considere a superfície z = x2 + y 2 . Determine o(s) ponto(s) onde um plano
2.5.9

π, que passa pelos pontos (1, 1, 1) e (2, −1, 1), é tangente a esta superfície.
Solução: Sabemos que o vetor normal do plano tangente à superfície z = x2 + y 2 no ponto
(x0 , y0 , z0 ) é dado por
( )
∂f ∂f
− (x0 , y0 ), − (x0 , y0 ), 1 ,
∂x ∂y
logo, a equação do plano tangente π é dada por

∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
π: − x− y+z+d=0
∂x ∂y
substituindo as derivadas parciais temos,

π : −2x0 x − 2y0 y + z + d = 0.
2 2
Queremos encontrar o ponto P (x0 , y0 , z0 ) que pertence ao plano π e a superfície z = x + y ,
isto é, z0 = x0 + y0 , e sabemos que os pontos P1 (1, 1, 1) e P2 (2, −1, 1) pertencem ao plano
2 2

π. Logo, substituindo os pontos P, P1 e P2 na equação de π temos o seguinte sistema para


resolver
 
 −2x0 x0 − 2y0 y0 + x20 + y02 + d = 0  d = x20 + y02
−2x0 − 2y0 + 1 + d = 0 ⇒ −2x0 − 2y0 + 1 + d = 0
 
−4x0 + 2y0 + 1 + d = 0 x0 = 2y0
   
 d = 5y02  y0 = 1  y0 = 15  P1 (2, 1, 5)
⇒ 5y − 6y0 + 1 = 0
2
⇒ x0 = 2 OU x0 = 5 2
⇒ ( )
 0   
x0 = 2y0 z0 = 5 z0 = 15 P2 52 , 15 , 15
( )
2 1 1
Portanto, há dois pontos de tangência P1 (2, 1, 5) e P2 , , que satisfazem as hipóteses
5 5 5
e consequentemente dois planos tangentes.

2.6 Derivada de uma Função Composta


Antes de discutir a derivada de uma função composta, vamos falar sobre composição de
funções de duas variáveis.
2 2
Consideremos as funções u(x, y) = x y + y e v (x, y) = x + y . Podemos denir uma nova
2
função F por F (u, v) = 2u + 3v. Reescrevendo F em função de x e y temos:

F (u(x, y), v (x, y)) = 2 [u(x, y)]2 + 3 [v (x, y)]


= 2(x2 y + y)2 + 3(x + y 2 )
= 2(x4 y 2 + 2x2 y 2 + y 2 ) + 3x + 3y 2
= 2x4 y 2 + 4x2 y 2 + 2y 2 + 3x + 3y 2
= 2x4 y 2 + 4x2 y 2 + 5y 2 + 3x

91
e assim,
F (u(1, 2), v (1, 2)) = 2 (1)4 (2)2 + 4 (1)2 (2)2 + 5 (2)2 + 3 (1) = 47.
Ou, como

u(x, y) = x2 y + y e v (x, y) = x + y 2
segue que

u(1, 2) = (1)2 2 + 2 = 4 e v (1, 2) = 1 + 22 = 5,


e então
F (u(1, 2), v (1, 2)) = F (4, 5) = 2 (4)2 + 3 (5) = 47.
∂F ∂F
Nosso interesse é encontrar
∂x
e
∂y
. A função

F (x, y) = 2x4 y 2 + 4x2 y 2 + 5y 2 + 3x


pode ser escrita como uma função x e y. Isto é,

F (u(x, y), v (x, y)) = 2x4 y 2 + 4x2 y 2 + 5y 2 + 3x


e, nesse caso, temos
∂F
(x, y) = 8x3 y 2 + 8xy 2 + 3
∂x
e
∂F
(x, y) = 4x4 y + 8x2 y + 10y.
∂y
Como podemos observar, obter as derivadas parciais através desse processo não é muito
animador. Isso é motivação suciente para estudar a Regra da Cadeia. Se tivermos
uma função composta f (g (x)) sabemos que [f (g (x))]′ = f ′ (g (x)) g ′ (x) . A mesma teoria é
aplicada para encontrar a derivada parcial de uma função composta de várias variáveis.

TEOREMA 2.6.1 Seja z (x, y) = F (u(x, y), v (x, y)) . Então


∂z (x, y) ∂F (u, v) ∂u(x, y) ∂F (u, v) ∂v(x, y)
= +
∂x ∂u ∂x ∂v ∂x
e

∂z (x, y) ∂F (u, v) ∂u(x, y) ∂F (u, v) ∂v(x, y)


= +
∂y ∂u ∂y ∂v ∂y
EXEMPLO Consideremos as funções u(x, y) = x2 y + y e v (x, y) = x + y 2 . Denindo
2.6.2

uma nova função z por z (x, y) = F (u, v) = 2u2 + 3v. Encontre as derivadas parciais de z
em relação a x e y.
Solução: Inicialmente, determinamos as derivadas parciais das funções u(x, y), v(x, y) e
F (u, v) :

∂F ∂u ∂v
= 4u, = 2xy, = 1,
∂u ∂x ∂x

∂F ∂u ∂v
= 3, = x2 + 1, = 2y.
∂v ∂y ∂y

92
e utilizando a regra da cadeia (Denição 2.6.1), obtemos as derivadas parciais

∂z (x, y) ∂F ∂u ∂F u ∂v
= +
∂x ∂u ∂x ∂v ∂x
∂u ∂v
= 4u +3
∂x ∂x

= 4 (x2 y + y) (2xy) + 3 (1)

= 8x3 y 2 + 8xy 2 + 3
e

∂z (x, y) ∂F ∂u ∂F ∂v
= +
∂y ∂u ∂y ∂v ∂y

∂u ∂v
= 4u +3
∂y ∂y

= 4 (x2 y + y) (x2 + 1) + 3 (2y)

= 4x4 y + 8x2 y + 10y.

∂F ∂F √
EXEMPLO 2.6.3 Determine e para F (x, y) = ln 5 (x4 + 2xy + y 3 ) + (2xy + 3x2 ).
∂x ∂y

Solução:
1
Podemos reescrever a função F como F (u, v) = ln(u + v) 5 , onde

u(x, y) = x4 + 2xy + y 3

e
v(x, y) = 2xy + 3x2 .
Usando a regra da cadeia, temos:

∂F ∂F ∂u ∂F ∂v
= +
∂x ∂u ∂x ∂v ∂x
1 1 ∂u 1 1 ∂g
= +
5 u + v ∂x 5 u + v ∂x
1 (4x3 + 2y) + (2y + 6x)
=
5 x4 + y 3 + 4xy + 3x2
6x + 4y + 4x3
= .
20xy + 15x2 + 5x4 + 5y 3
O cálculo da derivada em relação a y é deixado como exercício para o estudante.

EXEMPLO 2.6.4 Sendo α uma constante e w = f (u, v), onde u = x cos α − y sen α e
v = x sen α + y cos α, sabendo que f é diferenciável mostre que
∂ 2w ∂ 2w ∂ 2w ∂ 2w
+ = + .
∂x2 ∂y 2 ∂u2 ∂v 2

93
Solução: Usando a regra da cadeia para as derivadas parciais de primeira e segunda ordem
obtemos:
∂w ∂f ∂u ∂f ∂v ∂f ∂f
= + = cos α + sen α
∂x ∂u ∂x ∂v ∂x ∂u ∂v
( ) ( )
∂2w ∂ ∂f ∂ ∂f
= cosα (u, v) + senα (u, v)
∂x2 ∂x ∂u ∂x ∂v
( 2 ) ( 2 )
∂ f ∂u ∂ 2 f ∂v ∂ f ∂u ∂ 2 f ∂v
= cos α + + sen α +
∂u2 ∂x ∂v∂u ∂x ∂u∂v ∂x ∂v 2 ∂x
∂2f ∂ 2f ∂ 2f ∂ 2f
= cos 2 α + cos α sen α + sen α cos α + 2
sen α (1)
∂u2 ∂v∂u ∂u∂v ∂v 2
∂w ∂f ∂u ∂f ∂v ∂f ∂f
= + = (− sen α) + cos α
∂y ∂u ∂y ∂v ∂y ∂u ∂v
( ) ( )
∂ 2w ∂ ∂f ∂ ∂f
= −senα (u, v) + cosα (u, v)
∂y 2 ∂y ∂u ∂y ∂v
( 2 ) ( 2 )
∂ f ∂u ∂ 2 f ∂v ∂ f ∂u ∂ 2 f ∂v
= − sen α + + cos α + 2
∂u2 ∂y ∂v∂u ∂y ∂u∂v ∂y ∂v ∂y
2 2 2
∂ f ∂ f ∂ f ∂ 2f
2
= sen α − cos α sen α − sen α cos α 2
+ cos α (2)
∂u2 ∂v∂u ∂u∂v ∂v 2
Das Expressões (1) e (2), temos:

∂ 2w ∂ 2w ∂ 2w 2 2 ∂ 2w 2 2 ∂ 2w ∂ 2w
+ = ( sen α+ cos α) + ( sen α+ cos α) = +
∂x2 ∂y 2 ∂u2 ∂v 2 ∂u2 ∂v 2
e assim provamos que de fato a equação dada é verdadeira.

2.7 Derivada Parcial como Taxa de Variação


∂f
Suponhamos que f é uma função de duas variáveis. Então, a derivada parcial (x0 , y0 )
∂x
nos dá a razão instantânea de variação de f, no ponto P (x0 , y0 ) , por unidade de variação
de x. Isto é, a taxa de variação de f por unidade de x no ponto P (x0 , y0 ) . Analogamente,
∂f
(x0 , y0 ) nos dá a taxa de variação de f por unidade de y.
∂y
EXEMPLO 2.7.1 Sabendo que a pressão P (em quilopascals), o volume V (em litros) e a
temperatura T (em kelvins) de um mol de um gás ideal estão relacionados pela fórmula
P V = 8T, encontre a taxa de variação instantânea de V por unidade de P, quando T = 300k
e V = 100L.
Solução: Estamos interessados na taxa de variação instantânea de V por unidade de P, de
modo que devemos escrever V em função de T e P, ou seja,

8T
V (T, P ) = .
P
A taxa de variação instantânea da pressão P por unidade de T é dada pela derivada
parcial
∂V (T, P ) 8T
= − 2.
∂P P
94
Para determinar P usamos a relação

P V = 8T

e obtemos
8 · 300
P = = 24kP a.
100
Portanto,
∂V (300, 24) 8 · 300
=− = −4, 17.
∂P (24)2
EXEMPLO 2.7.2 A altura de um cone circular é 100 cm e decresce a uma razão de 10cm/s.
O raio da base é 50cm e cresce à razão de 5cm/s. Determine a velocidade da variação do
volume deste cone.
Solução: Primeiro vamos escrever o volume do cone em função do tempo:

πr2 (t)h(t)
V (t) = ,
3
logo, pela regra da cadeia, temos que

dV ∂V dr ∂V dh 2πrh dr πr2 dh
= + = +
dt ∂r dt ∂h dt 3 dt 3 dt
2
2π50.100 π(50)
= (5) + (−10)
3 3
50000π 25000π 25000π
= − = cm3 /s.
3 3 3

2.8 Diferencial

No Cálculo I foi visto que sendo f :D⊂R→R diferenciável numa vizinhança do ponto

a ∈ D, então df = f (a)∆x é uma boa aproximação de ∆f = f (x + ∆x) − f (a), ou seja
df ≈ ∆f para pontos próximos do ponto a. Geometricamente isso signica que para valores
de x próximos a a o gráco da curva y = f (x) aproxima-se do gráco da reta tangente a
esta curva no ponto x = a. Para funções de duas variáveis a situação é análoga com o uso do
plano tangente. O plano tangente ao gráco de uma função z = f (x, y) no ponto P (x0 , y0 , z0 )
como foi visto em (2.5.1) é dado por

∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
(x − x0 ) + (y − y0 ) − (z − z0 ) = 0
∂x ∂y

∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
(z − z0 ) = (x − x0 ) + (y − y0 )
∂x ∂y

∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
z= (x − x0 ) + (y − y0 ) + z0
∂x ∂y

como z0 = f (x0 , y0 ) tem-se

∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
z= (x − x0 ) + (y − y0 ) + f (x0 , y0 ).
∂x ∂y

95
Fazendo z = L(x, y) temos que para cada ponto (x, y) ∈ R2 , z = L(x, y) nos fornece
a correspondente coordenada z do ponto P (x, y, z) que está em cima do plano tangente à
superfície z = f (x, y) no ponto P (x0 , y0 , z0 ). Chamaremos a função L(x, y) denida por:
∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
L(x, y) = (x − x0 ) + (y − y0 ) + f (x0 , y0 )
∂x ∂y
de linearização da função z = f (x, y). Portanto, para pontos P (x, y), próximos de P (x0 , y0 ),
L(x, y) é uma boa aproximação de f (x, y). Seja f uma função de duas variáveis tais que
∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
(x0 , y0 ) ∈ D(f ) e além disso existem as derivadas parciais e . Então,
∂x ∂y
a variação de f em P (x0 , y0 ) é dada por

△f = f (x0 + △x, y0 + △y) − f (x0 , y0 )

Sabemos que f (x, y) ≈ L(x, y) logo f (x0 + △x, y0 + △y) ≈ L(x0 + △x, y0 + △y) e como
f (x0 , y0 ) = L(x0 , y0 ) temos que

△f ≈ L(x0 + △x, y0 + △y) − L(x0 , y0 )

∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
△f ≈ △x+ △y
∂x ∂y

DEFINIÇÃO 2.8.1 Chamaremos de diferencial de f , denotada por df, a expressão


∂f (x0 , y0 ) ∂f (x0 , y0 )
df = dx + dy
∂x ∂y
sendo dx = ∆x e dy = ∆y as variações das variáveis dependentes.

De modo análogo dene-se a diferencial para funções de n variáveis, com n ≥ 2.


Vemos assim que a diferencial de f é uma aproximação para a variação de f no ponto
P (x0 , y0 ).

EXEMPLO Usando diferencial, determine a variação do volume do recipiente mostrado


2.8.2

na Figura 2.16, quando sua altura aumenta em 3% e seu o raio decresce em 1%.

cone 5
cilindro
2

Figura 2.16: Recipiente do Exemplo 2.8.2

Solução: O volume desejado pode ser escrito como V = V1 + V2 , onde V1 é o volume do


cilindro e V2 é o volume do cone. No cilindro temos

−4 3
V1 = πR2 h, R = 4, h = 2, dR = = −0.04; dh = 2 = 0.06
100 100
96
e no cone, temos

πR2 H −4 3
V2 = , R = 4, H = 5; dR = = −0.04; dH = 5 = 0.15.
3 100 100
Portanto a diferencial do volume total é igual a

dV = dV1 + dV2
( ) ( )
∂V1 ∂V1 ∂V2 ∂V2
= dR + dh + dR + dH
∂R ∂h ∂R ∂H
2πRh πR2
= 2πRhdR + πR2 dh + dR + dh
3 3
2π · 4 · 5 16π
= 2π · 4 · 2 · (−0, 04) + π · 16 · (0, 06) + (−0, 04) + (0, 15)
3 3
1, 6π 2, 4π 0, 8 ∼
= −0, 64π + 0, 96π − + = 0, 32π + π = 0, 59π.
3 3 3
EXEMPLO Vamos considerar uma lata cilíndrica fechada, com dimensões r = 2cm e h =
2.8.3

5 cm. O custo do material usado em sua confecção é de R$ 0, 81 por cm2 . Se as dimensões


sofrerem um acréscimo de 10% no raio e 2% na altura, qual será o valor aproximado do
acréscimo no custo da caixa? E qual é o valor exato do acréscimo no custo da caixa?
Solução: Podemos escrever a função custo como

C(r, h) = 0.81(2πrh + 2πr2 ),

onde 2πrh representa a área lateral da caixa e πr2 a área da base e da tampa. Quando o raio
de base sofre um acréscimo de 10%, passa de 2 para 2, 2 cm, portanto ∆r = 0, 2. Quando
a altura sofre um acréscimo de 2%, passa de 5cm para 5, 1cm, portanto, ∆h = 0, 1. Vamos
usar a diferencial para encontrar o valor aproximado do acréscimo do custo

∂C ∂C
dC = dr + dh
∂r ∂h
= 0, 81(2πh + 4πr)dr + 0, 81.(2πr)dh
= 0, 81(10π + 8π)0.2 + 0, 81.(4π)0, 1 u 10, 17.

Portanto, o valor aproximado do acréscimo no custo da caixa quando as dimensões são


modicadas é de R$10, 17, ou um acréscimo de 14, 28%.
Para saber o valor exato do acréscimo no custo da caixa, temos que calcular

∆C = C(2, 2; 5, 1) − C(2, 5)
( )
= 0, 81 2π(2, 2) · (5, 1) + 2π(2, 2)2 − 0, 81(20π + 8π) u 10, 47.

Assim, o valor exato é de R$10, 47, ou um acréscimo de 14, 7%. Observamos, assim, que
o erro do cálculo aproximado foi de 0, 42%.
EXEMPLO Uma caixa em forma de paralelepípedo, tem dimensões internas iguais a 6cm,
2.8.4

8cm e 12cm. Sendo a espessura das paredes 0,2cm, do fundo 0,3cm e da tampa 0,1cm, fazer
uma estimativa em cm3 do volume de material necessário a ser usado na confecção da caixa.
Solução: Vamos usar a diferencial total para fazer a estimativa solicitada. Sejam x = 6,
y=8 e z = 12. Como a espessura das paredes é 0,2cm temos

dx = dy = 2 (0, 2) = 0, 4

97
e sendo a espessura do fundo 0,3 e da tampa 0,1 temos

dz = 0, 3 + 0, 1 = 0, 4.

Como V = xyz, segue que a estimativa desejada é dada por

∂V ∂V ∂V
dV dx + = dy + dz
∂x ∂y ∂z
= yzddx + xzdy + xydz
= 8.12.0, 4 + 6.12.0, 4 + 6.8.0, 4 = 86, 4 cm3 .

EXEMPLO 2.8.5 Use diferenciais para estimar o valor de (0, 01)2 + (3, 02)2 + (3, 9)2 .
√ √
Solução: Considere a função w = f (x, y, z) = x2 + y2 + z 2 , temos que f (0, 3, 4) = 25 =
5. Queremos determinar uma aproximação para f (0.01, 3.02, 3.9) e pela teoria de diferencial
temos que
f (0.01, 3.02, 3.9) ≈ f (0, 3, 4) + dw,
∂w ∂w ∂w
onde dw = dx + dy + dz, com dx = 0, 01, dy = 0, 02 e dz = −0, 1. Assim,
∂x ∂y ∂z
x y z 3 4
(0.01, 3.02, 3.9) ≈ f (0, 3, 4)+ ·(0, 01)+ ·(0, 02)+ ·(−0, 1) = 5+0+ ·(0, 02)− ·(0, 1) = 4, 932.
w w w 5 5

2.9 Derivadas Parciais de Ordem Superior


∂f ∂f
Seja z = f (x, y) uma função cujas derivadas parciais e também são deriváveis.
∂x ∂y
Cada uma dessas derivadas parciais poderá ser novamente derivada em relação a x e a y.
Denotaremos:
( )
∂ ∂f ∂ 2f
• = é a segunda derivada parcial de f em relação a x;
∂x ∂x ∂x2
( ( ))
∂ ∂ ∂f ∂3f
• = é a terceira derivada parcial de f em relação a x;
∂x ∂x ∂x ∂x3
( )
∂ ∂f ∂ 2f
• = é a segunda derivada parcial de f primeiro em relação a x e depois
∂y ∂x ∂y∂x
em relação a y;
( )
∂ ∂f ∂ 2f
• = é a segunda derivada parcial de f primeiro em relação a y e depois
∂x ∂y ∂x∂y
em relação a x;
( ( ))
∂ ∂ ∂f ∂ 3f
• = 3 é a terceira derivada parcial de f em relação a y;
∂y ∂y ∂y ∂y
No caso da função f ter mais de duas variáveis a notação segue a mesma lógica. Por
exemplo, se temos f (x, y, z, t) tem-se
( ( ( )))
∂ ∂ ∂ ∂f ∂ 4f
• = para representar a quarta derivada de f , primeiro
∂t ∂z ∂y ∂x ∂t∂z∂y∂x
em relação a x, depois em relação a y e assim sucessivamente.

98
∂ 4f
EXEMPLO 2.9.1 Seja f (x, y, z, t) = x3 y 4 z 5 t2 encontrar .
∂x∂y∂z∂t
Solução: Derivamos inicialmente em relação a t, obtendo

∂f
(x, y, z, t) = 2x3 y 4 z 5 t,
∂t
a seguir, derivamos em relação a z
∂ 2f
(x, y, z, t) = 10x3 y 4 z 4 t,
∂z∂t
para após derivarmos em y
∂ 3f
(x, y, z, t) = 40x3 y 3 z 4 t,
∂y∂z∂t
e nalmente derivarmos em x e obter

∂ 4f
(x, y, z, t) = 120x2 y 3 z 4 t.
∂x∂y∂z∂t
∂ 2u
EXEMPLO 2.9.2 Uma função de duas variáveis u é dita harmônica se satisfaz a equação +
∂x2
∂ 2u
= 0, conhecida como equação de Laplace em R2 . Mostre que a função
∂y 2
u(x, y) = ex sin y + ey cos x
é uma função harmônica.
Solução: Tomando as derivadas parciais sucessivas de u, temos

∂u
= (sin y) ex − (sin x) ey
∂x
∂ 2u
= (sin y) ex − (cos x) ey
∂x2
∂u
= (cos x) ey + (cos y) ex
∂y
∂ 2u
= (cos x) ey − (sin y) ex .
∂y 2
Substituindo na equação de Laplace, obtemos que

∂ 2u ∂ 2u
+ = (sin y) ex − (cos x) ey + (cos x) ey − (sin y) ex = 0.
∂x2 ∂y 2
Como a função u dada satisfez a equação de Laplace, mostramos que ela é uma função
harmônica.

2.10 Extremos de uma Função de duas Variáveis


Seja f uma função de duas variáveis. Dizemos que f tem um máximo relativo no ponto
(a, b) se existir um bola aberta de centro (a, b) e raio ϵ > 0 tal que, para todo (x, y) perten-
cente à bola, tem-se f (x, y) ≤ f (a, b) . Por outro lado, se f (x, y) ≥ f (a, b) para todo (x, y)
pertencente à bola, dizemos que f tem um ponto de mínimo relativo no ponto (a, b) .
Os pontos de máximos e de mínimos de f são denominados pontos extremos de f. A
imagem de um ponto de máximo é chamada de valor máximo de f, da mesma forma que a
imagem de um ponto de mínimo é denominada valor mínimo de f.

99
2.10.1 Ponto Crítico
∂f ∂f
DEFINIÇÃO 2.10.2 Seja (a, b) um ponto pertencente ao domínio de f. Se (a, b) e (a, b)
∂x ∂y
são ambas nulas ou se uma delas não existir, então (a, b) é denominado ponto crítico de f.
Os pontos críticos de f são os candidatos a pontos de máximo ou mínimo.

2.10.3 Ponto de Máximo e Ponto de Mínimo


TEOREMA 2.10.4 Seja (a, b) um ponto pertencente ao domínio de f. Suponhamos que ∂f
∂x
,
∂f ∂ 2 f ∂ 2 f ∂ 2f ∂ 2f
, , , e existem e são contínuas numa bola aberta de centro (a, b) .
∂y ∂x2 ∂y 2 ∂x∂y ∂y∂x
Suponhamos que (a, b) seja um ponto crítico e sejam ainda:
2
∂ f ∂ 2f

∂x2 (a, b) ∂y∂x (a, b) ∂2f
∆(a, b) = 2 2

e Θ(a, b) = (a, b) .
∂ f (a, b) ∂ f (a, b) ∂x2
∂x∂y ∂y 2

Então:
(i) se ∆ > 0 e Θ < 0, a função f tem um máximo relativo em (a, b) ;
(ii) se ∆ > 0 e Θ > 0, a função f tem um mínimo relativo em (a, b) ;
(iii) se ∆ = 0, nada podemos armar;
(iv) se ∆ < 0, a função f tem um ponto de sela em (a, b) .

EXEMPLO Encontre os pontos críticos das funções abaixo e classique-os como pontos
2.10.5

de máximo, mínimo ou de sela.


(a) f (x, y) = 4xy − x4 − 2y 2;
(b) f (x, y) = 3x4 + 2y 4 ;

Solução (a): Vamos iniciar encontrando os pontos críticos. Como as derivadas parciais são

∂f (x, y) ∂f (x, y)
= 4y − 4x e = 4x − 4y
∂x ∂y
e estão sempre bem denidas, os pontos críticos de f são dados por
{
4x − 4y = 0
⇒ x − x3 = 0 ⇒ x(1 − x2 ) = 0 ⇒ x = 0; x = ±1
4y − 4x3 = 0

Assim os pontos críticos são P (0, 0), Q(1, 1) e R(−1, −1). A seguir, vamos analisar o
delta. Como

−12x2 4
△(x, y) = = 48x2 − 16,

4 −4

temos que

△(0, 0) = −16, △(1, 1) = 32 △(−1, −1) = 32.


∂2f
Na sequência, vamos analisar o valor de Θ(x, y) = ∂x2
= −12x2 . Temos que

100
Θ(0, 0) = 0 Θ(1, 1) = −12 Θ(−1, −1) = −12.

Portanto, de acordo com o Teorema 2.10.4, concluímos que

△(0, 0) < 0 e o ponto P (0, 0) é de sela,


△(1, 1) > 0 e Θ < 0 e o ponto Q(1, 1) é ponto de máximo,
△(−1, −1) > 0 e Θ < 0 e o ponto R(−1, −1) é ponto de máximo.

Solução (b): Vamos iniciar encontrando os pontos críticos. Como as derivadas parciais são

∂f (x, y) ∂f (x, y)
= 12x3 e = 8y 3
∂x ∂y
e estão sempre bem denidas, os pontos críticos de f são dados por
{ {
12x3 = 0 x=0

8y 3 = 0 y=0
Assim, o único ponto crítico é P (0, 0). Logo,


−36x2 0
△(x, y) = = 864x2 y 2 ⇒ △(0, 0) = 0.

0 24y 2

Portanto, de acordo com o Teorema 2.10.4, nada podemos concluir. Analisando os valores
da função observamos que f (0, 0) = 0 e f (x, y) > 0 para todo (x, y) ̸= (0, 0). Portanto, (0, 0)
4 4
é um ponto de mínimo da função f (x, y) = 3x + 2y .

EXEMPLO Determine as dimensões de uma caixa retangular sem tampa destinada ao


2.10.6

acondicionamento de 108 cm3 de volume se queremos usar a mínima quantidade em material


para sua confecção.

Solução: Sejam x o comprimento da base, y a largura da base e z a altura da caixa, S a


superfície e V o volume da caixa. Então podemos escrever o sistema
{
S(x, y, z) = xy + 2xz + 2yz
V (x, y, z) = xyz

A função S(x, y, z) pode ser escrita como uma função de duas variáveis, se z for substi-
V
tuído por . Desse modo temos
xy
2V 2V
S(x, y) = xy + + .
y x
Aplicando o Teorema 2.10.4, vamos determinar os pontos críticos de S. Inicialmente,
devemos resolver o sistema de equações denido pelas derivadas parciais. Como


 ∂S 2V

 (x, y) = y −
 ∂x x2

 ∂S 2V

 (x, y) = x − 2
∂y y
temos que

101

 2V

 y − x2 = 0
 {
yx2 = 2V
⇒ ⇒ yx2 = xy 2

 2V xy 2 = 2V

 x− 2 =0
y
como sabemos que x, y ̸= 0, podemos dividir ambos os lados da última igualdade por xy e
encontrar que
√ x = y. Portanto, obtemos que 2V = x3 e como V = 108, segue que x =
3
2 (108) = 6 e y = 6. Logo, o ponto (a, b) = (6, 6) é único ponto crítico da função S(x, y) =
2V 2V
xy + + .
y x
Na sequência, vamos classicar este ponto crítico. Para isso, precisamos obter os valores
de ∆(6, 6) e Θ (6, 6) . Tomando as segundas derivadas, temos que

∂ 2S 4V ∂ 2S 4 (108)
2
(x, y) = 3 donde vem
2
(6, 6) = = 2,
∂x x ∂x 63

∂ 2S ∂ 2S
(x, y) = 1 donde vem (6, 6) = 1,
∂x∂y ∂x∂y

∂ 2S ∂ 2S
(x, y) = 1 donde vem (6, 6) = 1,
∂y∂x ∂y∂x

∂ 2S 4V ∂ 2S 4 (108)
2
(x, y) = 3 donde vem
2
(6, 6) = = 2.
∂y y ∂y 63
Portanto,

2 1
∆ = =3
e Θ = 2.
1 2
Como ∆=3>0 Θ = 2 > 0, pelo segundo item do Teorema 2.10.4, obtemos que f
e
tem um mínimo relativo no ponto (6, 6) . Logo, as dimensões da base da caixa são x = 6cm
V 108
e y = 6cm. Ainda, como z = segue que z = = 3.
xy 6 (6)
Portanto, as dimensões da caixa, para que o custo de fabricação seja mínimo, são x =
6 cm, y = 6 cm e z = 3 cm.
EXEMPLO Um fabricante faz 2 modelos de um item, padrão e de luxo. Custa R$ 40, 00
2.10.7

para fabricar um modelo padrão e R$ 60, 00 para o de luxo. Uma rma de pesquisa de
mercado estima que se o modelo padrão for vendido por x reais e o de luxo por y reais, então
o fabricante venderá 500(y − x) do item padrão e 45000 + 500(x − 2y) do de luxo a cada
ano. Com que preços os itens devem ser vendidos para maximizar o lucro?
Solução: A função lucro é dada por:

L(x, y) = 500(y − x)(x − 40) + (45000 + 500(x − 2y))(y − 60).


As derivadas parciais de L são dadas por

∂L(x, y)
= 1000y − 1000x − 10 000
∂x
e
∂L(x, y)
= 1000x − 2000y + 85 000
∂y

102
Como as derivadas estão sempre bem denidas, para encontrar os pontos críticos de L
devemos fazer

∂L(x, y) ∂L(x, y)
=0 e =0
∂x ∂y
Resolvendo este sistema, temos
{ { {
1000y − 1000x − 10 000 = 0 −1000x + 1000y = 10000 x = 65
⇒ ⇒ .
1000x − 2000y + 85000 = 0 1000x − 2000y = −85000 y = 75

Portanto, o único ponto crítico é (65, 75). Vamos analisar se este ponto crítico é um ponto
de máximo. Como

∂ 2L ∂ 2L
= −1000, = −2000,
∂x2 ∂y 2
e

∂ 2L ∂2L
= 1000, = 1000,
∂x∂y ∂y∂x
temos que

−1000 1000 ∂ 2L
△ = = 106 > 0
e Θ= = −1000 < 0.
1000 −2000 ∂x2

Portanto, o ponto P (65, 75) é, de fato, um ponto de máximo. Logo, o item padrão será
vendido por R$ 65, 00 e o de luxo por R$ 75, 00.
EXEMPLO 2.10.8 Encontre as coordenadas do ponto que pertence a superfície z = xy + 2 e
cujo quadrado da distância à origem do sistema de coordenadas cartesianas seja mínimo.
Qual é esse valor mínimo?
Solução: Queremos determinar o ponto Q(x, y, z) de mínimo da função

f (x, y, z) = d(Q, O)2 = x2 + y 2 + z 2 ,

com a condição que Q é um ponto da superfície z = xy + 2. Substituindo na função da


distância obtemos a função

f (x, y) = x2 + y 2 + x2 y 2 + 4xy + 4.

Para encontrar os pontos críticos de f, tomamos

∂f (x, y)
= 2x + 2xy 2 + 4y
∂x
e
∂f (x, y)
= 2y + 2x2 y + 4x.
∂y
Como as derivadas parciais sempre estão denidas os pontos críticos de f são as soluções do
sistema  


∂f (x,y)
= 0  2x + 2xy 2 + 4y = 0
∂x


 ∂f (x,y) 
∂y
= 0 2y + 2x2 y + 4x = 0

103
Temos que P1 (0, 0) é uma solução do sistema. Para as demais soluções do sistema, multipli-
cando a primeira equação por x e a segunda por y obtemos

 2x2 + 2x2 y 2 + 4xy = 0
⇒ 2x2 − 2y 2 = 0 ⇒ y = ±x.

−2y 2 − 2x2 y 2 − 4xy = 0

Se y=x voltando na primeira equação temos,



 x = 0
2x + 2x3 + 4x = 0 ⇒ ou ⇒ x = 0 ⇒ P1 (0, 0).
 2
x +3 = 0

Se y = −x voltando na primeira equação temos,


 
 x = 0  x = 0 {
P2 (1, −1)
2x + 2x − 4x = 0 ⇒
3
ou ⇒ ou ⇒ .
  P3 (−1, 1)
x −1 = 0
2
x = ±1

Portanto, temos três pontos críticos P1 (0, 0), P2 (1, −1) e P3 (−1, 1). Usaremos o teste da
segunda derivada para classicá-los. Temos que

∂ 2 f (x,y) ∂ 2 f (x,y)
∂x2 2 + 2y 2 4xy + 4
∂y∂x

∆(x, y) = =

∂ 2 f (x,y)
∂x∂y
∂ 2 f (x,y)
∂y 2
4xy + 4 2 + 2x2
= 4(1 + y )(1 + x ) − 16(xy + 1) = 4 + 4x2 + 4y 2 + 4x2 y 2 − 16xy − 16
2 2

e
∂ 2 f (x, y)
Θ(x, y) = = 2 + 2y 2 .
∂x2
Aplicando nos pontos críticos, obtemos:
∆(0, 0) = −12 < 0 ⇒ P1 (0, 0) é um ponto de sela de f (x, y).
∆(1, −1) = 16 > 0 Θ(1, −1) = 4 > 0 ⇒ P2 (1, −1) é ponto de mínimo de f (x, y).
e
∆(−1, 1) = 16 > 0 e Θ(−1, 1) = 4 > 0 ⇒ P3 (−1, 1) é ponto de mínimo de f (x, y).
Assim os candidatos a para o ponto Q são: P2 (1, −1, 1), e P3 (−1, 1, 1). Substituindo na
expressão da distância ao quadrado obtemos:

d(P2 , O)2 = 3 e d(P3 , O)2 = 3.


Portanto, os dois pontos são pontos de mínimo para o quadrado da distância e o valor mínimo
é 3.

2.11 Derivadas de Funções Implícitas


Seja y = y(x) uma função denida implicitamente pela equação F (x, y) = 0. Por exemplo,
x2 + y 2 − 9 = 0 ou x2 y 3 + x3 y 2 + xy + x + y − 9 = 0. A equação x2 + y 2 − 9 = 0 pode ser
facilmente explicitada em função de x ou de y. Porém, não podemos fazer o mesmo com a
equação x y + x y + xy + x + y − 9 = 0. Também, fazendo F (x, y) = x + y − 9 facilmente
2 3 3 2 2 2

dy dx
encontramos e , o mesmo não ocorre se zermos F (x, y) = x2 y 3 +x3 y 2 +xy +x+y −9.
dx dy

104
dy
Nosso interesse está em encontrar uma forma de determinar com rapidez as derivadas e
dx
dx
.
dy
Inicialmente, vamos resolver o problema usando o conhecimento adquirido em Cálculo I.
Vamos derivar y implicitamente em relação a x, na equação

x2 y 3 + x3 y 2 + xy + x + y − 9 = 0,

obtendo

(2xy 3 + 3x2 y 2 y ′ ) + (3x2 y 2 + 2x3 yy ′ ) + (y + xy ′ ) + 1 + y ′ = 0


(3x2 y 2 y ′ + 2x3 yy ′ + xy ′ + y ′ ) + (2xy 3 + 3x2 y 2 + y + 1) = 0
(3x2 y 2 + 2x3 y + x + 1) y ′ = − (2xy 3 + 3x2 y 2 + y + 1) .
Logo,

dy 2xy 3 + 3x2 y 2 + y + 1
y′ = =− 2 2 . (I)
dx 3x y + 2x3 y + x + 1
Sendo F (x, y) = x2 y 3 + x3 y 2 + xy + x + y − 9, obtemos as derivadas parciais de F, dadas
por
∂F (x, y)
= 2xy 3 + 3x2 y 2 + y + 1
∂x
e
∂F (x, y)
= 3x2 y 2 + 2x3 y + x + 1.
∂y
Observando estes resultados e comparando com (I), podemos escrever a fórmula

∂F (x, y)
dy ∂x
=−
dx ∂F (x, y)
∂y

∂F (x, y) ∂F (x, y) ∂F (x, y)


sempre que F (x, y) , e forem contínuas em (x, y) e ̸= 0.
∂x ∂y ∂y
Se z = z(x, y) é denida implicitamente em função de x e y pela equação F (x, y, z) = 0,
usando o mesmo procedimento anterior obtém-se suas derivadas parciais, que serão denotadas
∂z ∂z
por e .
∂x ∂y
∂z ∂y ∂x
EXEMPLO 2.11.1 Dada a função implícita x2 + y 2 + z 2 − 9 = 0, encontrar , e .
∂x ∂x ∂z
Solução: Escrevendo F (x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 − 9, obtemos

∂F (x, y, z)
= 2x,
∂x
∂F (x, y, z)
= 2y,
∂y
∂F (x, y, z)
= 2z.
∂y

105
Agora, substituindo convenientemente na fórmula acima, encontramos

∂F
∂z 2x x x
= − ∂x = − = − = −√ ,
∂x ∂F 2z z 9 − (x2 + y 2 )
∂z
∂F
∂y 2x x x
= − ∂x = − = − = −√ ,
∂x ∂F 2y y 9 − (x2 + z 2 )
∂y
∂F
∂x 2z z z
= − ∂z = − = − = −√ .
∂z ∂F 2x x 9 − (y 2 + z 2 )
∂x
( )
x z
EXEMPLO 2.11.2 Uma função z(x, y) é dada implicitamente por uma equação do tipo F , =
y x2
∂F
0, onde F (u, v) é uma função diferenciável tal que ̸= 0. Mostre que z satisfaz a equação
∂v
∂z ∂z
diferencial parcial x + y = 2z.
∂x ∂y
Resolução: Como z depende implicitamente de x e y, devemos utilizar a expressão para
derivação implícita

∂F ∂F
∂z ∂z ∂y
= − ∂x e =−
∂x ∂F ∂y ∂F
∂z ∂z
x z
Agora, para obter as derivadas de F, denimos u= ev= 2 e utilizamos a regra da
y x
cadeia para obter
( ) ( )
∂F ∂F ∂u ∂F ∂v ∂F 1 ∂F −2z 1 ∂F 2z ∂F
= + = + 3
= − 3 ,
∂x ∂u ∂x ∂v ∂x ∂u y ∂v x y ∂u x ∂v
( )
∂F ∂F ∂u ∂F ∂v ∂F ∂F 1 1 ∂F
= + = .0 + 2
= 2 ,
∂z ∂u ∂z ∂v ∂z ∂u ∂v x x ∂v

( )
∂F ∂F ∂u ∂F ∂v ∂F −x ∂F −x ∂F
= + = + .0 = 2 .
∂y ∂u ∂y ∂v ∂y ∂u y2 ∂v y ∂u

Portanto, substituindo nas derivadas implícitas de z, obtemos

∂F 1 ∂F 2z ∂F ∂F
− 3
∂z y ∂u x ∂v x2 ∂u + 2z
= − ∂x = − =−
∂x ∂F 1 ∂F y ∂F x
∂z x2 ∂v ∂v
e

106
∂F −x ∂F ∂F
3
∂z ∂y 2
y ∂u x
=− =− = 2 ∂u .
∂y ∂F 1 ∂F y ∂F
∂z 2
x ∂v ∂v
Portanto, substituindo na equação dada, temos

   
∂F ∂F ∂F ∂F
∂z ∂z  x2 2z   x3 ∂u  −x3 x 3
= x − ∂u +  + y  2 ∂u + 2z + ∂u = 2z.
∂F 
x +y =
∂x ∂y y ∂F x y y ∂F y ∂F
∂v ∂v ∂v ∂v

107
2.12 Exercícios Gerais
1. Determine, descreva e represente geometricamente o domínio das funções abaixo:

xy − 5 x+y+1
(a) f (x, y) = √ ; (b) f (x, y) = ;
2 y − x2 x−1
√ √
(c) f (x, y) = x ln(y 2 − x); (d) f (x, y) = y − x − 1 − y;

2x2 − y
(e) f (x, y) = ; (f ) f (x, y, z) = ln(16 − x2 − y 2 − 4z 2 ).
4 − x2 − y 2

2. Represente geometricamente as superfícies de equações:

(a) x2 + y 2 + z 2 = 25; (b) x2 + y 2 − z 2 = 25;


(c) 9x + 4y + 12z = 36; (d) z 2 − x2 − y 2 = 0.
1
3. Dada a função f (x, y) =
x2 +y 2
, determine as curvas de nível z = 41 , z = 4 e z = 9. A
seguir, faça um esboço do gráco desta função.

4. Descreva e represente geometricamente as superfícies de nível de f (x, y, z) = x2 +y 2 −z 2 .

5. Usando a denição mostre que:


(a) lim (3x + 2y) = 8 (b) lim (2x − 4y) = −10.
(x,y)→(2,1) (x,y)→(1,3)

6. Em cada exercício abaixo verique se lim f (x, y) existe. Justique a sua resposta.
(x,y)→(0,0)

x2 x2 y 2 x3 + y 3
(a) f (x, y) = (b) f (x, y) = (c) f (x, y) =
x2 + y 2 x2 + y 2 x2 + y 2

x2 + y x2 + y 3 x−y
(d) f (x, y) = (e) f (x, y) = (f ) f (x, y) =
x2 + y 2 x2 + y 2 x+y
7. Calcule, se possível, o valor dos limites abaixo. Justique a sua resposta.

2x(y − 2) (x − 3)5 y 2 + (x − 3)4 y 4


(a) lim (b) lim
(x,y)→(0,2) 3x + y 2 − 4y + 4 (x,y)→(3,0) (x2 − 6x + 9 + y 6 )
2 3

(x + y + z − 3)5 x2 y 2 z 2
(c) lim (d) lim
(x,y,z)→(2,1,0) (x − 2)(y − 1)z 3 (x,y,z)→(0,0,0) x6 + y 6 + z 6
8. Calcule o valor dos seguintes limites usando as propriedades:

(a) lim ex−y [ln(x2 − y 2 ) − ln(x − y)];


(x,y)→(2,2)

sin(x2 + y 2 )
(b) lim ;
(x,y)→(0,0) x2 + y 2
cos(x2 + y 2 ) − 1
(c) lim ;
(x,y)→(0,0) x2 + y 2

x2 − 2
(d) lim√ ;
(x,y)→( 2,1) x2 y + x2 − 2y − 2
x+y−1
(e) lim √ √ ;
(x,y)→(0,1) x− 1−y

108
(f ) lim (x2 + y 2 ) ln(x2 + y 2 );
(x,y)→(0,0)

(x2 − 5x + 6)(y 4 − 16)


(g) lim ;
(x,y)→(3,2) (x − 3)(y − 2)
sin(x − y) + sin(y)
(h) lim .
(x,y)→(0,π) xy
9. Use as propriedades de limite para determinar o valor de lim g(x, y), sendo
(x,y)→(4,4)

[ ]
(x − y)g(x, y) 1
lim + cos(x − y) = .
(x,y)→(4,4) x −y
2 2 2

10. Se lim {xf (x, y) + ey−x [ln(x2 − y 2 ) − ln(x − y)]} = ln 2, determine o valor de
(x,y)→(1,1)
lim f (x, y).
(x,y)→(1,1)

11. Em cada item verique se a função f é contínua, justicando sua resposta.



 √ 2xy , se (x, y) ̸= (0, 0)
(a) f (x, y) = x2 + y 2

0, se (x, y) = (0, 0)

 (x + y + z + 1)2
, se (x, y, z) ̸= (1, 0, −2)
(b) f (x, y, z) = (x − 1)2 + y 4 + (z + 2)2

1, se (x, y, z) = (1, 0, −2)

 x + y , se (x, y) ̸= (0, 0)
(c) f (x, y) = x2 + y 2
 0, se (x, y) = (0, 0)

 5xy 2 − 3x2 y
, se (x, y) ̸= (0, 0)
(d) f (x, y) = 2x2 + y 4

0, se (x, y) = (0, 0)

 x2 y 2
, se (x, y) ̸= (0, 0)
(e) f (x, y) = x2 + y 4

0, se (x, y) = (0, 0)

 xy − 2x
, se (x, y) ̸= (−1, 2)
(f ) f (x, y) = x + y + 2x − 4y + 5
2 2 .
 0, se (x, y) = (−1, 2)

 3y 4 (x + 1)4
, se (x, y) ̸= (−1, 0)
(g) f (x, y) = (y 4 + x2 + 2x + 1)3

0, se (x, y) = (−1, 0)

 5x2 (y − 2)
, se (x, y) ̸= (0, 2)
12. Determine se a função f (x, y) = x2 + y 2 − 4y + 4 é contínua

b, se (x, y) = (0, 2)
em (0, 2) para algum valor de b ∈ R. Justique sua resposta com argumentos consis-
tentes, explicitando o valor de b e uma relação entre ε e δ, se for o caso.

109
 2
 x + 3x2 y + y 2
, se (x, y) ̸= (0, 0)
13. Determine se a função f (x, y) = 2x2 + 2y 2 é contínua

b, se (x, y) = (0, 0)
na origem para algum valor de b ∈ R. Justique sua resposta com argumentos consis-
tentes, explicitando o valor de b e uma relação entre ε e δ, se for o caso.

 (x − 3)(y + 2)(z − 1)2
, se (x, y, z) ̸= (3, −2, 1)
14. Determine se a função f (x, y, z) = (2x + y − 3z − 1)4

b, se (x, y, z) = (3, −2, 1)
é contínua em (3, −2, 1) para algum valor de b. Justique sua resposta com argumentos
consistentes.

15. Utilize argumentos consistentes para calcular, se existir, o valor de f (0, 0), onde f :
R2 → R é uma função contínua dada por
x2 − y 2
f (x, y) = 1 + xy se (x, y) ̸= (0, 0).
x2 + y 2
16. Escreva as funções abaixo na forma de funções composta e encontre as derivadas par-
ciais em relação a x e y.
√ ( )
2
(a) z = ln x2 e2y + x2 e−2y (b) z = ln (ex+y )2 + x2 + y

(c) z = x2 cos2 y + 2x2 sin y cos y + x2 sin2 y (d) z = x + y 2 + (x2 e−2y )3

17. Usando a regra da cadeia, encontre as derivadas parciais de


x+y √
(a) f (x, y) = (b) f (x, y) = ln 3 (x2 + y 2 ) + (2x + y 2 x2 )
x2 2
+y +1
( ) (y)
x ∂z ∂z
18. Mostre que z = sin + ln é solução da equação diferencial y +x = 0.
y x ∂y ∂x
(y ) (z )
2
19. Verique se a função f (x, y, z) = x sin + y 2 ln + z 2 ex/y é uma solução da
z x
∂f ∂f ∂f
equação diferencial parcial x +y +z = 2f.
∂x ∂y ∂z
∂ 2z ∂ 2z
20. Se z = ln (x2 + y 2 ) mostre que + = 0.
∂x2 ∂y 2
( 2)
xy 2y
21. Verique se a função f (x, y) = e + ln é uma solução da equação diferencial
x2
2 2
x∂ f y∂ f
parcial
2
+ = 2xyexy .
y ∂x x ∂y 2
1 ∂ 2u ∂ 2u ∂ 2u
22. Se u= √ mostre que + + = 0.
x2 + y 2 + z 2 ∂x2 ∂y 2 ∂z 2

23. Sejam f (x, y, z) = x3 y 4 z 5 + x sin yz e g (x, y) = ex ln y. Encontre todas as derivadas


parciais de f e g até a terceira ordem.

−z
24. Determine uma equação para o plano que é tangente à superfície −2x2 + y 2 = , no
2
ponto P (−1, 1, 2).

110
25. Encontre a equação do plano tangente à superfície −12x2 + 3y 2 − z = 0, no ponto
P (1, 4, 36).

26. Encontre um ponto da superfície z = 3x2 − y 2 onde seu plano tangente é paralelo ao
plano 6x + 4y − z = 5.

27. Sabendo que o plano 2x + y + 3z − 6 = 0 é paralelo ao plano tangente ao gráco de


∂f ∂f
z = f (x, y), no ponto P (1, 1, 1), calcule os valores de (1, 1) e (1, 1).
∂x ∂y
x3
28. Mostre que todos os planos tangentes ao gráco de f (x, y) = passam pela
x2 + y 2
origem.

29. Determine a equação do plano π que passa pelos pontos (1, 1, 2) e (−1, 1, 1) e que seja
tangente ao gráco de f (x, y) = xy.

30. Considere as funções f (x, y) = 2 + x2 + y 2 e g(x, y) = −x2 − y 2 . Determine:

(a) a equação do plano tangente ao gráco de f (x, y) no ponto (1, 2, 7);


(b) o ponto onde o plano obtido no item (a) tangencia o gráco de g(x, y).

31. Considere a função de duas variáveis f (x, y) = 100 + 4y 2 − 25x2 .

(a) Determine o domínio de f (x, y).


(b) Determine o ponto sobre o gráco de z = f (x, y) tal que o plano tangente a
z = f (x, y) ⃗v = (0, 1, 2) .
neste ponto seja ortogonal ao vetor

32. Considere a função de duas variáveis f (x, y) = 36 − 9x2 − 4y 2 . E seja C a curva de
interseção do gráco de z = f (x, y) com o plano y = 2.

(a) Determine o domínio de f (x, y).



(b) Determine a equação da reta tangente à curva C no ponto (1, 2, 11).
∂ 2w ∂ 2w
33. Seja w = (x2 + y 2 + z 2 )k . Determine para quais valores de k a igualdade + +
∂x2 ∂y 2
∂ 2w
=0 é satisfeita.
∂z 2
∂z ∂z
34. Seja z = f (u), com u = x + ay 2 . Prove que − 2ay = 0.
∂y ∂x
∂f ∂f ∂f
35. Seja f (x − y, y − z, z − x) uma função diferenciável. Calcule + + .
∂x ∂y ∂z
( )
y−x z−y ∂f ∂f ∂f
36. Dada uma função f , + y2
, + z2 .
calcule x2
xy yz ∂x ∂y ∂z
(y x z )
3
37. Seja f uma função diferenciável qualquer e considere w = x f , , . Mostre que
x z x
∂w ∂w ∂w
w satisfaz a equação diferencial parcial x +y +z = 3w.
∂x ∂y ∂z

111
38. Sejaw = f (x2 − at) + g(x + at2 ), onde f e g são funções diferenciáveis e a ∈ R. Calcule
∂ w ∂2w
2
e .
∂t2 ∂x2
39. Seja w = f (u)+g(v) uma função diferenciável, onde u(x, t) = x2 +t2 ev(x, t) = x2 −t2 .
Mostre que
( )
∂2w ∂2w df d2 f d2 g
2
+ 2 = 4 + 4(x2 + t2 ) + .
∂x ∂t du du2 dv 2
40. Seja w = f (x, y) uma função diferenciável, onde x(r, θ) = r cos θ e y(r, θ) = r sin θ.
Mostre que
( )2 ( )2 ( )2 ( )2
∂w 1 ∂w ∂w ∂w
+ 2 = + .
∂r r ∂θ ∂x ∂y

∂f
41. Considere a função g(t) = t · (2t, t3 ), em que f (x, y) é uma função de duas variáveis
∂y

com derivadas parciais de primeira e segunda ordem contínuas. Determine g (t).

42. Sejam f (u, v) uma função de duas variáveis diferenciável e F (x, y) uma função de duas
variáveis denida por
F (x, y) = f (sin x, cos y).
∂f ∂f ∂F ∂F
Sabendo que (0, 1) = (0, 1) = 2, calcule (0, 0) e (0, 0).
∂u ∂v ∂x ∂y
43. Sejam f (u, v) e g(x, y) funções de duas variáveis que admitem derivadas parciais de
√ √ ∂f
primeira ordem. Se g(x, y) = f ( x3 + ln(y) + 1, cos(x) + y 2 + 3), (1, 3) = 6 e
∂u
∂f
(1, 3) = 2, determine a equação do plano tangente a superfície z = g(x, y) no ponto
∂v
(0, 1, 10).

44. A areia é derramada num monte cônico na velocidade de 4 m3 por minuto. Num dado
instante, o monte tem 6m de diâmetro e 5m de altura. Qual a taxa de aumento
da altura nesse instante, se o diâmetro aumenta na velocidade de 2 centı́metros por
minuto?

E
45. A resistência R, em ohms, de um circuíto é dada por
I
R =
, onde I é a corrente
em amperes e E é a força eletromoriz em volts. Num instante, quando E = 120V e
I = 15A, E aumenta numa de velocidade 0, 1V /s e I diminui à velocidade de 0, 05A/s.
Encontre a taxa de variação instantânea de R.

46. Num determinado circuito elétrico, a corrente I é dada, em função da voltagem V,


V
da resistência R e da indutância L por I = √ . No instante em que V é
R2 + 10L2
210 volts, R 3 ohms e está decaindo a uma taxa de 0, 1 ohms por segundo,
é igual a
enquanto que L é igual a 2 henrys e está crescendo a uma razão de 0, 05 henrys por
segundo. Qual deve ser a variação de V, neste instante, para que a corrente permaneça
constante?

47. Um reservatório de areia tem o formato de uma pirâmide invertida de base quadrada.
3
A taxa de vazão da areia deste reservatório diminui a uma velocidade de 40π cm /min.
Esta areia forma no chão um monte cônico. O volume total de areia no reservatório

112
era 243π cm3 . Determine a velocidade com que aumenta a altura do cone quando um
terço da areia já caiu do reservatório. Sabendo que neste instante a altura do monte é
3 cm e o raio aumenta uma taxa de 0, 3 cm/min.

48. Use a lei do gás comprimido P V = kT, com k = 10, para encontrar a taxa de variação
3
instantânea da temperatura no instante em que o volume do gás é 120cm e está sob
2 3
uma pressão de 8din/cm , a taxa de crescimento é 2 cm /s, a pressão decresce a taxa
de 0,1 din/cm · s. Sugestão: escreva P, V e T em função do tempo.
2

49. A energia consumida num resistor elétrico, em função da voltagem V e da resistência


2
V
R é dada por P = . Deseja-se que um determinado resistor tenha uma voltagem
R
de 200 volts e uma resistência de 20 ohms.

(a) Qual deverá ser a variação na resistência para que a energia consumida nesse resistor
que praticamente inalterada quando a voltagem sofrer um decréscimo de 0, 2 volts?

(b) Se esse resistor consumir 3% a mais que a energia desejada quando sua resistência
for 1% menor que a desejada, qual será a variação percentual da sua voltagem?

50. Considere o triângulo da gura abaixo.

π
Num dado instante temos que x = 40cm, y = 50cm e θ= rad.
6
(a) Se o comprimento x e o ângulo θ aumentam a uma taxa de 3cm/s e 0.05rad/s,
respectivamente, e o comprimento y diminui a uma taxa de 2cm/s, determine a
taxa de variação da área deste triângulo em relação ao tempo.

(b) Suponha que ao realizar a medida dos comprimentos dos lados, x e y, e do ângulo,
θ, foi cometido um erro. Em relação a qual destas variáveis o valor da área é mais
sensível? Justique sua resposta usando diferenciais.

51. O ângulo central de um setor circular é 80◦ e o raio desse setor é 20 cm. Qual deverá ser o
acréscimo a ser dado no raio para que a área deste setor circular que aproximadamente

inalterada quando o ângulo central sofrer um decréscimo de 1 ?

52. A pressão P (em quilopascals), o volume V T (em kelvins)


(em litros) e a temperatura
de um mol de um gás ideal estão relacionados por meio da fórmula P V = 8, 31T. Deter-
mine a taxa de variação da pressão quando a temperatura é 300K e está aumentando
a uma taxa de 0,1K/s e o volume é 100L e está aumentando com a taxa de 0,2L/s.

53. A fórmula do tamanho do lote de Wilson em economia diz que a quantidade mais

2KM
econômica Q de produtos para uma loja pedir é dada pela fórmula Q= h
, onde
K é o custo do pedido, M é o número de itens vendidos por semana e h é o custo
semanal de manutenção de cada item. Se K = 2, M = 20 e h = 0, 05, determine:

(a) para qual das variáveis K, M e h a sensibilidade de Q é maior? Justique sua


resposta usando diferenciais.

113
(b) a variação do número de itens vendidos por semana se Q e K aumentam 10% e
o custo semanal de manutenção de cada item permanece constante.

54. Um pintor cobra R$12, 00 por m2 para pintar as 4 paredes e o teto de uma sala. Se as
medidas do teto são 12m e 15m e altura 3m, com um erro de até 0, 05m em todas as
dimensões. Aproxime o erro, usando a diferencial, na estimativa do custo do trabalho,
a partir dessas medidas.

V2
55. A energia consumida num resistor elétrico é dada por
R
P =
watts. Se V = 120 volts
e R = 12 ohms, calcular através da diferencial um valor aproximado para a variação
de energia quando V decresce de 0, 001V e R aumenta de 0, 02 ohms.

56. Um material está sendo escoado de um recipiente, formando uma pilha cônica. Num
dado instante, o raio da base é de 12 cm e a altura é 8 cm . Obtenha uma aproximação
da variação do volume, se o raio varia para 12, 5 cm e a altura para 7, 8 cm. Compare
o resultado da variação obtida com a variação exata do volume.

57. Um funil cônico (sem tampa) de dimensões h=4m e r=3m será construído para
auxiliar o armazenamento de grãos. Sabendo que o material utilizado na construção
2
desse funil custa R$ 150, 00 por m . Usando diferencial, responda qual será o acréscimo
de custo na construção desse funil se aumentarmos seu raio em 5% e sua altura 3%.

58. Uma caixa em forma de paralelepípedo tem dimensões internas iguais a 7cm, 8cm e
13cm. Sendo a espessura das paredes 0,2cm, do fundo 0,3cm e da tampa 0,1cm, fazer
3
uma estimativa aproximada em cm da quantidade de material necessário a ser usado
na confecção da caixa.

59. Uma empresa de cosméticos necessita de latas cilíndricas fechadas com raio de 4 cm e
altura de 20 cm para embalar seus produtos. Porém, devido as variações na fabricação,
estas embalagens apresentam pequenas oscilações em suas medidas. Diante disso:

(a) Se um engenheiro de controle de qualidade precisa assegurar que essas embalagens


tenham o volume correto, ele deverá se preocupar mais com variações no raio ou
na altura? Justique sua resposta com argumentos usando diferenciais.

(b) Se o custo de fabricação destas embalagens for de 20 centavos por cm2 , obtenha
uma estimativa para o acréscimo (ou decréscimo) no custo ao fabricar-se emba-
lagens com altura 2% maior e raio 3% menor em relação ao original.

60. Usando diferencieis encontre uma aproximação para:

(a) (1, 1)3,02 ;


cos(e0,2 − 1)
(b) √ ;
9, 4

(c) (3, 02)2 + (1, 97)2 + (5, 99)2 .

y2
61. Considere a função de duas variáveis dada por f (x, y) = 2 x2 + − 1.
9
(a) Determine e represente geometricamente o domínio de f (x, y).
(b) Usando diferenciais encontre uma aproximação para f (1.98, 3.3).

114
x+y−1
62. Considere a função de duas variáveis dada por f (x, y) = √ √ .
x− 1−y
(a) Determine e represente geometricamente o domínio de f (x, y).
(b) Usando as propriedades de limite calcule lim f (x, y).
(x,y)→(4,−3)

(c) Usando diferenciais encontre uma aproximação para f (9.06, −3.04).


(d) Usando diferenciais encontre uma aproximação para f (4.04, −3.04).

63. Dada a superfície z = −x2 − y 2 + 6x − 4y − 4, determine:

(a) a equação do plano tangente a esta superfície no ponto P (3, −2, 9);
(b) a classicação do ponto P (3, −2, 9), se possível, como extremo da superfície.

1 5
64. Determine os pontos críticos da função f (x, y) = 2 ln(x2 y) + x4 − x2 − y + 5 e
4 2
classique-os, se possível, como pontos de máximo, mínimo ou de sela.

3
65. Uma caixa retangular tem volume 20 m . O material usado nas laterais custa R$ 1,00
por metro quadrado, o material usado o fundo custa R$ 2,00 por metro quadrado e o
material usado na tampa custa R$ 3,00 por metro quadrado. Quais as dimensões da
caixa para que o custo de confeção seja mínimo?

66. Sejam A(0, 0), B(4, 0) e C(3, 3) os vértices de um triângulo. Encontre o ponto P (x, y)
tal que a soma dos quadrados das distâncias do ponto P aos vértices seja a menor
possível.

67. Determine as dimensões relativas de uma caixa retangular sem tampa que possua uma
2
área total de 300 cm e que comporte o máximo possível de volume.

68. Uma empresa de embalagem necessita fabricar caixas retangulares de 128 cm3 de vo-
lume. Se o material da parte lateral custa a metade do material a ser usado para a
tampa e para o fundo da caixa, determinar as dimensões da caixa que minimizam o
seu custo de produção.

69. Uma caixa retangular é colocada no primeiro octante, com um dos seus vértices na
origem e três de suas faces coincidindo com os três planos coordenados. O vértice
oposto à origem está situado no plano de equação 3x + 2y + z = 6. Qual é o volume
máximo possível de tal caixa? Quais serão as suas dimensões?

70. Uma certa indústria produz dois tipos de ligas metálicas. O custo total da produção
dessas ligas é expresso pela função C(x, y) = x + 100x + y − xy e a receita total
2 2

obtida com a vendas dessas ligas é dada pela função R(x, y) = 100x − x + 2000y + xy,
2

onde x e y representam a quantidade de toneladas de cada uma das ligas. Determine


o nível de produção que maximiza o lucro dessa indústria.

71. Determinada empresa produz 2 produtos cujas quantidades são indicadas por x e
y. Tais produtos são oferecidos ao mercado consumidor a preços unitários p1 e p2 ,
respectivamente, que dependem de x e y conforme equações p1 = 120 − 2x e p2 =
200−y. O custo total da empresa para produzir e vender quantidades x e y dos produtos
2 2
é dado por C = x + 2y + 2xy. Admitindo que toda a produção seja absorvida pelo
mercado, determine a produção que maximiza o lucro.

115
72. Uma loja vende dois tipos de casacos A e B. A custa R$ 40,00 e o casaco B
O casaco
custa R$ 50,00. Seja x o preço de venda do casaco A e y o preço de venda do casaco
B. O total de vendas feito pela loja foi de (3200 − 50x + 25y) unidades do casaco A
e (25x − 25y) unidades do casaco B. Encontre os valores de x e y para que o lucro
obtido pela loja seja o maior possível.

73. Encontre as coordenadas do ponto que pertence ao plano x+y−z+5 = 0 e cujo


quadrado da distância ao ponto P (3, −2, 1) seja mínimo.

2 2 2
74. Suponha que a temperatura em um ponto qualquer da esfera x + y + z = 4 seja
2
dada, em graus, por T (x, y, z) = xyz . Em quais pontos desta esfera a temperatura é
máxima? Em quais pontos da esfera a temperatura é mímima?

75. Determine o valor máximo para a soma dos cossenos dos ângulos internos de um
triângulo.

76. Determine a equação do plano que é tangente a superfície denida implicitamente por
z 3 − (x2 + y 2 )z + 2 = 0 no ponto P (1, 2, 2).

77. Sabe-se que a equação x2 + z 3 − z − xy sin z = 1 dene implicitamente uma função


z = f (x, y) cujo gráco passa pelo ponto P (1, 1, 0). Determine a equação do plano
tangente ao gráco de f no ponto P.

78. Seja y = y(x) uma função denida implicitamente por x = F (u, v), onde F é dife-
dy
renciável, u = x2 + y e v = y2. Determine em função de x, y e das derivadas de
dx
F.

79. Seja z = z(x, y) uma função denida implicitamente por F (xy, z) = 0, onde F é uma
∂z ∂z
função diferenciável. Mostre que x −y = 0.
∂x ∂y

116
2.13 Respostas
1. (a) Todos os pontos do plano xy acima (ou no interior) do gráco de y = x2 .
(b) Todos os pontos do plano xy à direita (ou acima) e sobre a reta y = −1 − x
excluindo a reta x = 1.
(c) Todos os pontos do plano xy à esquerda (ou no exterior) do gráco de x = y2.
(d) Todos os pontos do plano xy que estão abaixo da reta y =1 e à esquerda (ou
acima) da reta y = x.
2 2
(e) Todos os pontos do plano xy
que estão no interior da circunferência x + y = 4
2
e abaixo ou sobre o gráco de y = 2x ou todos os pontos que estão no exterior
2 2 2
de x + y = 4 e acima ou sobre o gráco de y = 2x .

x2 y 2 z 2
(f ) Todos os pontos (x, y, z) que estão no interior do elipsóide + + = 1.
16 16 4
2. .
(a) esf era de raio 5 (b) hiperbolóide de uma f olha
(c) plano (d) cone circular
1 1
3. As curvas de nível são circunferências de raio 2, 2
e , respectivamente.
3

4. As superfícies de nível são ou cones, ou hiperbolóides de uma folha ou hiperbolóides


de duas folhas, dependendo se o nível for k = 0, k > 0 ou k < 0, respectivamente.

ε ε
5. (a) δ = (b) δ =
5 6
6. . √ ε
(a) não existe (b) L = 0, com δ = ε (c) L = 0, com δ = 2
(d) não existe (e) não existe (f ) não existe
Também pode-se justicar os itens (b) e (c) usando a Proposição 2.3.14.

7. Todos os limites dados não existem.

8. .
(a) ln 4 (b) 1 (c) 0

2
(d) 2
(e) 0 (f ) 0

(g) 32 (h) − 1
π

9. lim g(x, y) = −4
(x,y)→(4,4)

10. lim f (x, y) = 0


(x,y)→(1,1)

11. .
ε
(a) contı́nua, com δ = 2
(b) descontı́nua

(c) descontı́nua (d) descontı́nua



(e) contı́nua, com δ = ε (f ) descontı́nua (g) descontı́nua
Também pode-se justicar os itens em que o limite existe usando a Proposição 2.3.14.

117
ε
12. f é contínua para b=0 e, neste caso, δ= .
5
1 2ε
13. f é contínua para b= 2
e, neste caso, δ=
3
14. f é sempre descontínua, independente do valor de b.

15. f (0, 0) = 1. Justica-se pela denição, com δ= ε ou usando a Proposição 2.3.14.

16. .
∂z 1 ∂z e2y − e−2y
(a) = e = 2y
∂x x ∂y e + e−2y
2 2
∂z 2(e2(x+y ) + x) ∂z 4ye2(x+y ) + 1
(b) = 2(x+y2 ) e = 2(x+y2 )
∂x e + x2 + y ∂y e + x2 + y

∂z ∂z
(c) = 2x(1 + sin(2y)) e = 2x2 cos(2y)
∂x ∂y

∂z 1 − 6x5 e−6y ∂z 2y + 6x6 e−6y


(d) = √ e = √
∂x 2 x + y 2 + (x2 e−2y )3 ∂y 2 x + y 2 + (x2 e−2y )3
17. .
∂f −x2 + y 2 − 2xy + 1 ∂f x2 − y 2 − 2xy + 1
(a) = =
∂x (x2 + y 2 + 1)2 ∂y (x2 + y 2 + 1)2

∂f 2x + 2 + 2xy 2 ∂f 2y + 2x2 y
(b) = =
∂x 3(x2 + y 2 + 2x + x2 y 2 ) ∂y 3(x2 + y 2 + 2x + x2 y 2 )
18. Basta derivar e substituir na equação diferencial dada.

19. Sim, f é solução da equação diferencial dada.

20. Basta tomar as derivadas parciais de segunda ordem de z e substituir na equação dada.

21. Sim, f é solução da equação diferencial dada.

22. Basta tomar as segundas derivadas parciais de u e substituir na equação dada.

23. .
∂ 3f ∂ 3f ∂ 3f
= 6y 4 z 5 = 24x2 yz 5 − xz 3 cos yz = 60x3 y 4 z 2 − xy 3 cos yz
∂x3 ∂y 3 ∂z 3

∂ 3g ∂3g 2ex
= ex ln y =
∂x3 ∂y 3 y3
24. 8x + 4y + z + 2 = 0.

25. −24x + 24y − z = 36

26. P (1, −2, −1)


∂f −2 ∂f −1
27. (1, 1) = , (1, 1) =
∂x 3 ∂y 3

118
28. Basta obter a equação do plano tangente num ponto P (a, b, f (a, b)) qualquer e mostrar
que a origem satisfaz sua equação.

29. x + 6y − 2z − 3 = 0

30. (a) 2x + 4y − z − 3 = 0 (b) (−1, −2, −5)


25x2
31. (a) {(x, y) ∈ R2 / − 2 ≤ x ou x ≥ 2, y 2 ≥ − 25} ∪ {(x, y) ∈ R2 / − 2 ≤ x ≤
( √ √ ) 4
2, y qualquer}; (b) P 0, −
5
3
, 8 53 .

x2 y 2
32. (a) Os pontos do plano xy que estão no interior ou sobre a elipse + = 1;
4 9
{
y√ = 2
(b)
z− 11 = − 11 (x − 1)
√9

33. k=0 e k = − 12

34. Utilize a regra da cadeia.

35. Chame u = x − y, v = y − z e w = z − x,utilize a regra da cadeia e mostre que a soma


desejada é zero.

y−x z−y
36. Chame u = , v = e utilize a regra da cadeia para mostrar que a soma
xy yz
desejada é zero.

y x
37. Utilize a regra do produto juntamente com a regra da cadeia, com u= , v = e
x z
z
w= .
x
38. Se u = x2 − at e v = x + at2 obtém-se, pela regra da cadeia e do produto:

∂ 2w 2
2d f df d2 g ∂2w 2
2 2d g dg 2
2d f
= 4x + 2 + = 4a t + 2a + a .
∂x2 du2 du dv 2 ∂t2 dv 2 dv du2

39. Utilize regra da cadeia e regra do produto para obter as derivas segundas.

40. Basta utilizar a regra da cadeia.

∂f ∂ 2f ∂ 2f
41. g ′ (t) = (2t, t3 ) + 2t · (2t, t3 ) + 3t3 2 (2t, t3 ).
∂y ∂x∂y ∂y
∂F ∂F
42. (0, 0) = 2 e (0, 0) = 0.
∂x ∂y
43. 7y − z + 3 = 0
dh
44. ≃ 0, 39m/min
dt
dR 1
45. = ohms por segundo
dt 30
dV
46. =3 volts por segundo
dt

119
47. 1, 28cm/min

48. 0, 4

49. (a) dR = −0, 04 (b) 1 %

50. (a)
dA
dt
≈ 60, 8cm2 /s (b) Em relação a θ.

51. 0, 125cm

52. −0, 042kPa/s

53. (a) Q é mais sensível em relação à variação de h;


(b) dM = 4 que corresponde a uma variação de 10%

54. dC = 55, 8

55. dP = −2, 02

56. dV = 70, 371 cm3 ∆V = 69, 9 cm3

57. dC = 616, 38

58. dV = 100, 4cm3

59. (a) O engenheiro deve dar maior atenção à variações no raio, pois o volume é 10 vezes
mais sensível à variaões no raio do que à variações na altura.

(b) dC = −221, 16 centavos

60. (a) 1,3

44
(b)
135
2447
(c)
350
y2
61. (a) Df = {(x, y) ∈ R2 / x2 + ≥ 1}, ou seja, os pontos no exterior e sobre a elipse
9
2
y
de equação x2 + =1
9
(b) 4,06

62. (a) Df = {(x, y) ∈ R2 / x ≥ 0, y ≤ 1 e x + y ̸= 1}, ou seja, os pontos abaixo e sobre


a reta y = 1, à esquerda e sobre o eixo y (reta x = 0) e não pertencentes a reta
y = 1 − x.
(b) lim f (x, y) = 4
(x,y)→(4,−3)

(c) 5,02

(d) 4,02

63. (a) z−9=0


(b) P é ponto de máximo

64. P1 (−2, 2) e P2 (2, 2) são pontos de sela e P3 (−1, 2) e P4 (1, 2) são pontos de máximo.

120
65. x = 2, y = 2, z = 5
7
66. x= 3
e y=1

67. x = y = 10, z = 5

68. x = y = 4, z = 8

69. x = 23 , y = 1, z = 2, V = 4
3

70. x = 1000, y = 2000

71. x = 10, y = 30

72. x = 84, y = 89

73. x = 43 , y = − 11
3
, z= 22
3
√ √
74. A temperatura é máxima em
√ √ (1, 1, ± 2) e (−1, −1, ± 2) e a temperatura mínima em
(−1, 1, ± 2) e (1, −1, ± 2). Note, no entanto, que existem ainda outros 5 pontos de
sela.

3
75.
2
76. −4x − 8y + 7z + 6 = 0

77. z =x−1
∂F
dy 1 − 2x
78. = ∂u
dx ∂F ∂F
+ 2y
∂u ∂v
79. Utilize derivação implícita e regra da cadeia.

121
Capítulo 3
INTEGRAIS DUPLAS

Objetivos (ao nal do capítulo espera-se que o aluno seja capaz de):

1. Encontrar o valor de uma integral dupla;

2. Interpretar geometricamente uma integral dupla;

3. Encontrar os limitantes que permitem calcular o valor de uma integral dupla;

4. Inverter a ordem de integração numa integral dupla;

5. Calcular integrais duplas em coordenadas polares;

6. Transformar uma integral dupla de coordenadas cartesianas para coordenadas polares;

7. Transformar uma integral dupla de coordenadas polares para coordenadas cartesianas;

8. Resolver exercícios usando uma ferramenta tecnológica.

A prova será composta por questões que possibilitam vericar se os objetivos foram
atingidos. Portanto, esse é o roteiro para orientações de seus estudos. O modelo de formu-
lação das questões é o modelo adotado na formulação dos exercícios e no desenvolvimento
teórico desse capítulo, nessa apostila.

122
3.1 Introdução
No estudo das funções de várias variáveis, ao calcularmos derivadas parciais escolhíamos
uma das variáveis independentes para derivar f em relação a ela e admitíamos que as demais
eram constantes. O mesmo procedimento será adotado para integração múltipla. Antes de
estudarmos a integração múltipla propriamente dita vamos ver alguns exemplos.

EXEMPLO 3.1.1 Encontre a primitiva da função f (x, y) = 12x2 y 3 em relação x.


Solução: Como foi dito, vamos admitir y como constante e integrar em relação a x. Por-
tanto, ∫
12x2 y 3 dx = 4x3 y 3 + C.

Porém, nesse caso, a constante C é uma função de y. Pode ser por exemplo, C (y) =
3
ay + by 2 + cy + 3 e uma das primitivas de f será

F (x, y) = 4x3 y 3 + ay 3 + by 2 + cy + 3.

Note que
∂F (x, y)
= 12x2 y 3 .
∂x
EXEMPLO 3.1.2 Encontre a primitiva da função f (x, y) = 12x2 y 3 em relação a y.
Solução: Agora vamos admitir x como constante e integrar em relação a y. Portanto,

12x2 y 3 dy = 3x2 y 4 + K.

Nesse caso, a constante K x. Pode ser por exemplo, K (x) = ax3 + bx2 +
é uma função de
2 3 2 4 3 2
cx + 3 e uma outra primitiva de f (x, y) = 12x y será F (x, y) = 3x y + ax + bx + cx + 3.
Note que
∂F (x, y)
= 12x2 y 3 .
∂y
∫ x+1
EXEMPLO 3.1.3 Encontre o valor da expressão 24xydy .
x

Solução: Aplicando o Teorema Fundamental do Cálculo temos

∫ x+1
x+1

24xydy = 12xy 2 = 12x (x + 1)2 − 12x (x)2
x
x
= 12x3 + 24x2 + 12x − 12x3 = 24x2 + 12x.

∫ x+1 x+1
Como podemos observar
x
24xydy é uma função de x, ou seja, F (x) = 24xydy =
x
24x2 + 12x.
∫ 2 ∫ x+1
EXEMPLO 3.1.4 Encontre o valor numérico de F (x) dx onde F (x) = 24xydy.
1 x

123
Solução: No exemplo anterior vimos que

∫ x+1
F (x) = 24xydy = 24x2 + 12x.
x

Portanto, aplicando o Teorema Fundamental do Cálculo temos que

∫ ∫ 2
2 2 ( ) ) (

F (x) dx = 24x2 + 12x dx = 8x3 + 6x2
1 1
( ) 1
= 8(2) + 6 (2) − 8 (1) + 6 (1) = 74.
3 2 3 2

Os Exemplos 3.1.3 e 3.1.4 podem ser reescritos como

∫ 2 ∫ 2 (∫ x+1 )
F (x) dx = 24xydy dx
1 1 x

ou simplesmente
∫ 2 ∫ 2 ∫ x+1
F (x) dx = 24xydydx.
1 1 x
Dessa forma, obtemos um exemplo de integral dupla. Note que a variável dependente é
a primeira a ser integrada e a variável independente a última. O processo de solução é dado
abaixo.
∫ 2 ∫ x+1 ∫ 2 (∫ y=x+1 )
24xydydx = 24xydy dx
1 x 1 y=x
 y=x+1 
∫ 2
 2  dx
= 12xy
1
y=x
∫ 2
( )
= 24x2 + 12x dx
1
2
( 3 )
2
= 8x + 6x = 74.

1
∫ 4 ∫ 3x √
EXEMPLO 3.1.5 Encontre o valor da integral I = 3 16 − x2 dydx.
0 x

Solução: Aplicando o Teorema Fundamental do Cálculo primeiro integrando em relação a


y e depois em relação a x.
∫ ∫ 3x ∫
4 3x √ 4 √

3 16 − x dydx =
2 3 16 − x y dx
2
0 x 0
x
∫ 4( √ )
= 3 16 − x2 (3x − x) dx
0
∫ √ 4
4 √

= 6x 16 − x2 dx = −2 (16 − x2 )3
0
√ √ 0

= −2 (16 − 42 )3 + 2 (16 − 02 )3 = 128.

124
3.2 Interpretação Geométrica da Integral Dupla
A denição de integral dupla comporta uma interpretação geométrica semelhante à denição
de integral denida simples, associando-a ao problema de cálculo de um volume (ver Figura
3.1) da mesma forma que a integral denida é associada ao cálculo de área. Assim, a denição
formal da integral dupla envolve a soma de muitos volumes elementares, isto é, diferenciais
de volume, com a nalidade de obter-se o volume total após estas somas.

Figura 3.1: Interpretação Geométrica da Integral Dupla

Consideremos uma função z = f (x, y) ≥ 0, denida numa região R do planoxy . Nossa


intenção é estimar o volume aproximado do sólido delimitado superiormente por z = f (x, y) ,
inferiormente pelo plano z=0 e lateralmente pelo cilindro denido pela curva fechada que
delimita a região R. Para tanto, subdividimos R em n−subregiões traçando planos paralelos
aos planos coordenados xz e yz , conforme as Figuras 3.2 e 3.3. Assim, a integral será o
volume obtido pela soma de uma innidade de volumes de colunas innitesimais inscritas
em forma de paralelepípedos, como mostra a Figura 3.3.

Figura 3.2: Volume elementar

Considere {R1 , R2 , · · · , Ri , · · · , Rn } é uma partição de R formada por n retângulos. Seja


|P | o comprimento da maior de todas as diagonais dos Ri subretângulos. Seja Ai a área da

125
Figura 3.3: Volume aproximado

subregião Ri . Para cada i escolhemos um ponto (xi , yi ) ∈ Ri . O produto Vi = f (xi , yi )Ai é


o volume do i−ésimo paralelepípedo de base Ai e altura f (xi , yi ) . Como há n subdivisões,
haverá n paralelepípedos. Assim, o volume aproximado do sólido delimitado superiormente
por f (x, y) e inferiormente pela região R é dado por

n
V ≈ f (xi , yi ) Ai .
i=1

Assim, a integral dupla de uma função f denida numa região R é dada por

∫∫ ∑
n
f (x, y) dxdy = lim f (xi , yi ) Ai ,
|P |→0
R i=1

desde que este limite exista (note que a soma acima é uma soma de Riemann).

OBSERVAÇÃO Se f (x, y) = 1, então o sólido em questão é na verdade um cilindro cuja


3.2.1

base é a região plana R e cuja altura é dada por z = f (x, y) = 1. Como o volume de um
cilindro é dado pelo produto de sua base pela altura, temos neste caso, que V = AR , ou seja,
a área da região R é dada por ∫∫
AR = dxdy.
R

3.3 Cálculo da Integral Dupla


Saber reconhecer o domínio de integração (ou região de integração) é fundamental para
o cálculo das integrais duplas. Outro ponto importante é o reconhecimento das curvas que
delimitam a região de integração. Muitas vezes é conveniente ter essas curvas escritas em
função de x, isto é, y = f (x) e, outras vezes, é conveniente escrever x em função de y , isto
é x = f (y). Essa conveniência é devido ao maior ou menor trabalho exigido no processo do
cálculo do valor numérico. Vejamos alguns exemplos.
∫∫
EXEMPLO 3.3.1 Calcule o valor da integral 24xydxdy sendo R a região delimitada pelas
√ R
curvas y = x2 e y = x.

126
Figura 3.4: Região de Integração do Exemplo 3.3.1

Solução: A região de integração está esboçada na Figura 3.3.1.


A seguir, construímos a tabela de limitantes de integração:

Limitantes de Integração
Curvas Funções
curva à esquerda x=0
curva à direita x=1
curva inferior y = x2

curva superior y= x

As curvas à esquerda e à direita são os limitantes que compõe o primeiro símbolo de


integração e as curvas inferior e superior o segundo. Assim,

∫∫ ∫ ∫ √ ∫ 2y=√x
1 x 1

24xydxdy = 24xydydx = 12xy dx
0 x2 0 2
R y=x
∫ ∫
1 1 ( )
= 12x(x − x4 )dx = 12x2 − 12x5 dx
0 0
1
( 3 )

= 4x − 2x6 = 2.

0

O cálculo da integral no Exemplo 3.3.1 foi desenvolvido tomando x como variável inde-
pendente. Vamos recalcular esta integral tomando agora y como variável independente.
Primeiramente obteremos a tabela de limitantes da região da Figura 3.4, tomando y como
variável independente.

Curvas Funções
curva à esquerda y=0
curva à direita y=1
curva inferior x = y2

curva superior x= y

127
A curvas à esquerda e à direita são os limitantes do primeiro símbolo de integração e as
curvas inferior e superior do segundo. Assim,

∫∫ ∫ ∫ √ ∫ x=√y
1 y 1
2
24xydxdy = 24xydxdy = 12yx dy
0 y2 0 2
R x=y
∫ ∫
1 1 ( )
= 12y(y − y 4 )dy = 12y 2 − 12y 5 dy
0 0
1
( 3 )
6
= 4y − 2y = 2.

0

Como podemos observar, o valor numérico é o mesmo nos dois casos.

Muitas vezes a região de integração não é delimitada apenas por quatro curvas. Nesse
caso, a escolha da variável independente adequada pode diminuir o trabalho durante o pro-
cesso de integração. Vejamos um exemplo.
∫∫
EXEMPLO 3.3.2 Encontrar o valor da integral dxdy, onde R é a região situada no interior
R
da parábola y = x2 e delimitada por y = 6 − x e y = 1, tomando:
(a) x como variável independente;
(b) y como variável independente.

Solução: A região R está sombreada na Figura 3.5

Figura 3.5: Região de Integração do Exemplo 3.3.2

Obteremos os pontos de interseção das curvas resolvendo os sistemas:


{ {
y = x2 x = −3, y = 9 y = x2 x = −1, y = 1
⇒ e ⇒
y =6−x x = 2, y = 4 y=1 x = 1, y = 1.

(a) Tomando x como variável independente, vemos que a região de integração deve ser
subdividida em três regiões para que o cálculo possa ser efetivado. Portanto, temos a seguinte
tabela:

Tabela de limitantes referente à região R


Curvas R1 R2 R3
curva à esquerda x = −3 x = −1 x=1
curva à direita x = −1 x=1 x=2
curva inferior y = x2 y=1 y = x2
curva superior y =6−x y =6−x y =6−x

128
e a integral dupla será dada por
∫∫ ∫∫ ∫∫ ∫∫
dxdy = dxdy + dxdy + dxdy
R R1 R2 R3
∫ −1 ∫ 6−x ∫ 1 ∫ 6−x ∫ 6−x
= dydx +
dydx + dydx dint21
−3 x2 −1 1 x2
∫ −1 6−x ∫ 1 6−x ∫ 2 6−x

= y dx + y dx + y dx
−3 2 −1 1 2
∫ −1 x 1
∫ 1 x
∫ 2
( )
= (6 − x − x )dx +
2
(6 − x − 1) dx + 6 − x − x2 dx
−3 −1 1
22 13 39
= + 10 + = .
3 6 2
(b) Tomando y como variável independente, vemos que agora a região de integração pode
ser subdividida em apenas duas sub-regiões para que o cálculo possa ser efetivado. Portanto,
a tabela de limitantes é dada por

Tabela de limitantes referente à região R


Limitantes R1 R2
curva à esquerda y=1 y=4
curva à direita y=4 y=9
√ √
curva inferior x=− y x=− y

curva superior x= y x=6−y
Assim, a integral dupla será dada por
∫∫ ∫∫ ∫∫
dxdy = dxdy + dxdy
R R1 R2
∫ 4 ∫ √
y ∫ 9 ∫ 6−y
= √
dxdy + √
dxdy
1 − y 4 − y
∫ √y ∫ 6−y
4 9

= x dy + x dy
1 √ 4 √
− y − y
∫ ∫
4
√ 9
√ 61 28 39
= (2 y)dy + (6 − y + y)dy = + = .
1 4 6 3 2
Note que a mudança da variável independente diminuiu o trabalho dispensado ao cálculo
da integral.

EXEMPLO Escreva a integral que representa a área da região delimitada pelas curvas
3.3.3

x = y , y − x = 1, y = 1 e y = −1, tomando:
2

(a) x como variável independente; (b) y como variável independente.


Solução: A área delimitada pelas curvas pode ser vista na Figura 3.6.

{ { {
Inicialmente, vamos encontrar os pontos de interseção
2 2
x=y x=y y =1+x
⇒ P (1, 1), ⇒ Q(1, −1), ⇒ R(−2, −1).
y=1 y = −1 y = −1
(a) Tomando x como variável independente, devemos dividir a região em duas:

129
Figura 3.6: Região de Integração do Exemplo 3.3.3

Tabela de limitantes referente à região R


Limitantes R1 R2
curva à esquerda x = −2 x=0
curva à direita x=0 x=1

curva inferior y = −1 y= x
curva superior y =1+x y=1

Usando a simetria da região R2 , obtemos


∫ 0 ∫ 1+x ∫ 1 ∫ 1
8
A= dydx + 2 √
dydx = .
−2 −1 0 x 3

(b) Tomando y como variável independente, basta considerar uma única região:

Tabela de limitantes referente à região R


Limitantes R
curva à esquerda y = −1
curva à direita y=1
curva inferior x=y−1
curva superior x = y2

Logo, a área é dada por


∫ 1 ∫ y2
8
A= dxdy = .
−1 y−1 3

OBSERVAÇÃO É preciso tomar cuidado com o uso de simetrias, não é suciente que
3.3.4

a região seja simétrica, é preciso que a função do integrando, tenha a mesma simetria da
região.
∫∫
EXEMPLO Calcule o valor de I =
3.3.5
R
(x + 2y)dA, sendo R a região delimitada pelas
curvas y = 2x e y = x2 + 1.
2

Solução: Exercício. Observe que se for fazer o uso de simetria o resultado será diferente.
Isso ocorre devido a observação acima.
32
Resposta: I= .
15

130
Figura 3.7: Partição em coordenadas polares

3.4 Integrais Duplas em Coordenada Polares


Frequentemente, a região R sobre a qual será calculada a integral dupla é mais facilmente
descrita em coordenadas polares do que em coordenadas retangulares. Vamos descrever o
processo para o cálculo de integrais duplas em coordenadas polares. Veja a Figura 3.7.
Seja X = {α = θ0 , α + ∆θ, α + 2∆θ, α + 3∆θ, · · · , θn = β} uma partição do arco
β − α. Consideremos as curvas de raio ri−1 e ri e a sub-região Ri de R delimitada pelas
curvas de raio ri−1 , ri , θi−1 e θi . A forma de Ri é aproximadamente um retângulo de lados
∆ri , li−1 = ri−1 ∆θi e li = ri ∆θi . Podemos admitir que uma aproximação da área de Ri é
dada por Ai = ∆ri ri ∆θi . Tomando um ponto (rki , θki ) no interior de Ri podemos formar um
sólido cuja área da base é Ai e altura f (rki , θki ) , de modo que o volume desse sólido será
dada por
Vi = f (rki , θki ) ∆ri ri ∆θi .
Assim, o volume sob a superfície f (r, θ) será aproximada pela soma


n
V ≈ f (rki , θki ) ∆ri ri ∆θi .
i=1

Seja |P | a diagonal da maior região Ri da partição de R. Então, se |P | → 0 segue que


∆ri → 0, ∆θi → 0, rki → r, θki → θ e ri → r. Portanto, podemos escrever


n
V = lim f (rki , θki ) ∆ri ri ∆θi
|P |→0
i=1

ou seja,
∫ β ∫ r2
V = f (r, θ) rdrdθ.
α r
Assim, a equivalência entre a integral dupla em coordenadas retangulares e a integral
dupla em coordenadas polares é dada por

∫ x2 ∫ y2 ∫ β ∫ r2
f (x, y) dxdy = f (r cos θ, r sin θ) rdrdθ.
x1 y1 α r1

EXEMPLO 3.4.1 Escreva a integral, em coordenadas polares, que calcula a área sombreada na
Figura 3.8.

131
Figura 3.8: Região de Integração do Exemplo 3.4.1

Solução: Temos as seguintes equações para as circunferências


x2 + y 2 = 4 e (x − 2)2 + y 2 = 4 (em cartesianas)
r=2 e r = 4 cos θ (em polares)
1
Na interseção das circunferências, temos cos θ = , que no primeiro quadrante nos dá
2
θ = π3 . Portanto, a área em coordenadas polares é dada por

∫ π ∫ 4 cos θ
3
A= rdrdθ.
0 2

EXEMPLO 3.4.2 Encontre a área da região que é simultaneamente exterior a r = 2 e interior


a r = 4 sin θ.
Solução: A representação geométrica da região desejada está ilustrada na Figura 3.9. O
próximo passo é encontrar os pontos de interseção das curvas.

Figura 3.9: Região de Integração do Exemplo 3.4.2

Igualando as equações, obtemos

1 π 5π
4 sin θ = 2 ⇒ sin θ = ⇒ θ= ou θ= .
2 6 6
A tabela de limitantes é dada por

Limitantes Equações
arco inferior α = π6
arco superior β = 5π
6
raio inferior r=2
raio superior r = 4 sin θ

132
Assim, a área da região é dada por

∫ ∫ ∫ 4 sin θ
r2
5π 5π
6
4 sin θ 6
A = rdrdθ = dθ
π
6
2 π
6
2
2
∫ ∫
( )
5π 5π
6 6
= 8 sin2 θ − 2 dθ = (2 − 4 cos(2θ))dθ
π π
6 6

6

= (2θ − 2 sin(2θ))
π
6
( )
10π 10π 2π 2π 4 √
= − 2 sin − − 2 sin = π + 2 3.
6 6 6 6 3
∫ π ∫ 2
2
Transforme a integral dupla I = 5er drdθ de coordenadas po-
2
EXEMPLO 3.4.3
2
0 cos θ+2 sin θ
lares para coordenadas cartesianas, utilizando:
(a) x como variável independente; (b) y como variável independente.
Solução: Dos limitantes de integração, temos que θ ∈ [0, π2 ], o que nos indica que a região
de integração está situada no primeiro quadrante do plano xy. Temos também que r ∈
2
[ cos θ+2 sin θ
, 2] o que nos diz que o raio polar varia desde a reta x + 2y = 2 até a circunferência
2 2
x + y = 4. Assim, obtemos a região de integração mostrada na Figura 3.10.

Figura 3.10: Região de Integração do Exemplo 3.4.3

Para transformar o integrando, note que

2 2 2
r2 5er 5ex +y
5e drdθ = rdrdθ = √ dydx.
r x2 + y 2

Portanto,
(a) Tomando x como variável independente temos

∫ 2 ∫ √
4−x2 2 2
5ex +y
I= √ dydx.
0 2−x
2
x2 + y 2

(b) Tomando y como variável independente, é necessário uma soma de integrais, já que
ocorre uma troca de limitação para x, isto é

∫ 1 ∫ √4−y2 2 2 ∫ 2 ∫ √4−y2 2 2
5ex +y 5ex +y
I= √ dxdy + √ dxdy.
0 2−2y x2 + y 2 1 0 x2 + y 2

133
∫ 9 ∫ 3
EXEMPLO 3.4.4 Considere a expressão I = √
y 2 cos(x7 )dxdy.
0 y
(a) Inverta a ordem de integração de I, ou seja, reescreva esta expressão tomando x como
variável independente.
(b) Reescreva esta expressão usando coordenadas polares.
(c) Calcule o valor numérico de I, utilizando uma das expressões anteriores.
Solução:

Inicialmente, devemos esboçar a região de integração de I. Como y ∈ [0, 9] e
x ∈ [ y, 3] obtemos a região representada na Figura 3.11.

Figura 3.11: Região de Integração do Exemplo 3.4.4

(a) Para inverter a ordem de integração, é necessário tomar x como variável independente.
A partir da Figura 3.11 podemos facilmente notar que x ∈ [0, 3] e y ∈ [0, x2 ]. Assim

∫ 3 ∫ x2
I= y 2 cos(x7 )dydx.
0 0

(b) Para transformar I para coordenadas polares, começamos transformando as curvas que
delimitam a região de integração

sin θ
y = x2 ⇒ r sin θ = r2 cos2 θ ⇒ r = = tan θ sec θ
cos2 θ
3
x = 3 ⇒ r cos θ = 3 ⇒ r = = 3 sec θ.
cos θ
Na interseção destas curvas (x =3 e y = 9), temos que

tan θ = 3 ⇒ θ = arctan 3.

Como a região de integração está situada no primeiro quadrante do plano xy, temos
que θ ∈ [0, arctan 3]. E como o raio polar varia desde a parábola até a reta, temos que
r ∈ [tan θ sec θ, sec θ]. Lembrando que, em coordenadas polares, temos x = r cos θ, y = r sin θ
e dxdy = rdrdθ, obtemos que

∫ arctan 3 ∫ 3 sec θ
I= r3 sin2 θ cos(r7 cos7 θ)drdθ.
0 tan θ sec θ

(c) Para calcular o valor numérico de I, devemos optar por sua melhor expressão. Analisando
as três expressões disponíveis, percebemos que a integral do item (a) é a mais simples de ser

134
resolvida. Portanto, temos que

∫ ∫ ∫ x2
3 x2 3 3
y 7
I = 2 7
y cos(x )dydx = cos(x ) dx
0 0 0 3
0
∫ 3
3
x6
1 1
= cos(x7 )dx = sin(x7 ) = sin(2187).
0 3 21 21
0

135
3.5 Exercícios Gerais
1. Calcule as integrais duplas dadas abaixo:
∫ 1 ∫ 3x+1 ∫ 1 ∫ 3y+1 ∫ 4 ∫ 1
2
(a) xydydx (b) xy dxdy (c) xexy dydx
0 x 0 y 0 0

∫ π ∫ 4 cos θ ∫ π ∫ y2 ∫ ln 2 ∫ y
2
r2 x 2 y2
(d) cos θ sin θ re drdθ (e) cos dxdy (f ) xy 5 ex dxdy
π
6
0 0 0 y 0 0

2. Escreva as integrais duplas que permitem calcular a área da região R delimitada si-
multaneamente pelas curvas dadas abaixo, tomando inicialmente x como variável in-
dependente e após tomando y como variável independente.

(a) y = x2 − 1, y = 1 − x, y = 4x
3
+ 12 e y = 12 − 9x
2
.
(b) y= 4x
3
+ 38 , y = −2 − x, y = x2 − 2 e y= 16
3
− 4x
3
.

3. Esboce a região de integração e calcule as integrais duplas dadas abaixo, trocando a


ordem de integração, se necessário.
∫ 2 ∫ 4
(a) x sin(y 2 )dydx.
0 x2
∫ 1 ∫ π

(b)
2
cos x 1 + cos2 xdxdy.
0 arcsin y

4. Nos problemas a seguir, esboce geometricamente a região de integração e utilize coor-


denadas polares para calcular as integrais.
∫∫ √
(a) 14 − x2 − y 2 dxdy onde R é a região dada por 4 ≤ x2 + y 2 ≤ 9.
R
∫∫ √
(b) 14 − x2 − y 2 dxdy onde R é a região dada por x2 + y 2 ≤ 4 com x ≥ 0 e

R
y ≥ 0.
∫ 3 ∫ √9−x2
(c) e−x
2 −y 2

dydx.
−3 − 9−x2
∫ 2 ∫ 0
1
(d) √
√ dydx.
0 − 4−x2 4 + x2 + y 2
∫ 0 ∫ 2+ 4−x2

xy
(e) √
√ dydx.
−2 2− 4−x2 x2 + y 2
∫∫
1
(f) dxdy onde R é a região dada por 4 ≤ x2 + y 2 ≤ 9.
(x2 + y 2 )3
R

5. Escreva, em coordenadas cartesianas, a(s) integral(is) dupla(s) que permite(m) calcular


a área da menor 2 2 2
região delimitada pelas curvas x + y = 9 e y + 1 = 3x, tomando:

(a) x como variável independente; (b) y como variável independente.

136
6. Escreva a(s) integral(is) dupla(s) que permite(m) calcular a área da menor região
2 2 2
delimitada pelas curvas x + y = 20 e y = x , usando:

(a) x como variável independente; (b) y como variável independente; (c) coordenadas
polares.

∫ 2 ∫ √
2x−x2

x2 + y 2
7. Considere a expressão I= dydx.
1 0 x+y
(a) Reescreva a expressão dada, invertendo sua ordem de integração.

(b) Transforme a expressão dada para coordenadas polares.

8. Transforme para coordenadas cartesianas a seguinte integral


∫ π ∫ 3
2
I= sin θdrdθ.
− π2 3 cos θ

∫ √
2 ∫ √1−y2
2 2x + 4y
9. Considere a expressão I= √ dxdy.
0 y x2 + y 2
(a) Reescreva a expressão dada, invertendo sua ordem de integração.
(b) Transforme a expressão dada para coordenadas polares.
(c) Utilize uma das expressões encontradas nos itens anteriores para calcular o valor
numérico de I.
∫ π ∫ 1
2
10. Transforme a integral I = r3 drdθ de coordenadas polares para coordenadas
π
4
0
cartesianas, tomando:

(a) x como variável independente; (b) y como variável independente.

11. Considere a seguinte expressão:


∫ 1 ∫ x2 ∫ √
2 ∫ 2−x2
I= x cos((1 − y) )dydx + 2
x cos((1 − y)2 )dydx.
0 0 1 0

(a) Represente geometricamente a região de integração da expressão acima.

(b) Calcule o valor numérico de I, adotando a melhor expressão para isso.

12. Utilize coordenadas polares para reescrever a soma


∫ 1 ∫ x ∫ √2 ∫ x ∫ 2 ∫ √
4−x2
I= √
xydydx + xydydx + √
xydydx
√1 1−x2 1 0 2 0
2

em uma única integral dupla.

13. Considere a seguinte expressão:

∫ ∫ √ √ ∫ 2 ∫ √2y−y2 √ 2
1 1− 1−y 2
x2 + y 2 x + y2
I= dxdy + dxdy.
0 0 x2 + y 2 1 0 x2 + y 2
(a) Reescreva esta expressão, invertendo a sua ordem de integração.

(b) Transforme esta expressão para coordenadas polares.

(c) Calcule o valor numérico de I, utilizando umas das expressões anteriores.

137
∫∫
14. Calcule (x + 3y)dA, onde D é a região triangular de vértices (0, 0), (1, 1) e (2, 0).
D
∫∫
15. Calcule √ 1
dA, sendo D a região do semiplano x>0 interna à cardióide r =
x2 +y 2
D
1+ cos θ e externa à circunferência r = 1.

138
3.6 Respostas
9 103 e12 − 13 4
1. (a) (b) (c) e4 − 5 (d) (e) π (f ) 81 (eln 2
− ln4 2 − 1)
4 60 64
2. .
∫ −2 ∫ 4x
+12 ∫ 0 ∫ 4x
+12 ∫ 1 ∫ 12− 9x ∫ 2
3 3 2 12− 9x
(a) A= dydx + dydx + dydx + dintx2 −12 dydx
−3 x2 −1 −2 1−x 0 1−x 1

∫ 3 ∫ √
y+1 ∫ 8 ∫ 24−2y ∫ 12 ∫ 24−2y
9 9
A= dxdy + √
dxdy + dxdy
3y
0 1−y 3 − y+1 8 4
−9

∫ 0 ∫ 4x+8 ∫ 1 ∫ 4x+8 ∫ 4 ∫ 16
− 4x
3 3 3 3
(b) A= dydx + dydx + dydx
−2 −2−x 0 x
2
−2 1 x
2
−2

∫ 0 ∫ 2y+4 ∫ 4 ∫ 4− 3y
4
A= dxdy + dxdy
3y−8
−2 −2−y 0 4

1 − cos 16 2 2−1
3. (a) (b)
4 3
4. . √ √ √ √
(a) 10π
3
(2 10 − 5) (b) π3 (7 14 − 5 10) (c)π(1 − e−9 )

−64 65π
(d) π + 4π ln 2 − 2π ln 6 (e) (f )
15 2592
∫ 2 ∫ √
3x−1 ∫ 3 ∫ √9−x2
5. (a) A= √
dydx + √
dydx
1
− 3x−1 2 − 9−x2
∫ √9−y2
3

∫ √
5
(b) A= √
dxdy
y 2 +1
− 5 3

∫ 2 ∫ √
20−x2
6. (a) A= dydx
−2 x2
∫ 4 ∫ √ y ∫ √
20 ∫ √20−y2
(b) A= √
dxdy + √ dxdy
0 − y 4 − 20−y 2
∫ arctan 2 ∫ tan θ sec θ ∫ π ∫ √
20
2
(c) A=2 rdrdθ + 2 rdrdθ
0 0 arctan 2 0

∫ ∫ √ √
1 1+ 1−y 2
x2 + y 2
7. (a) I= dxdy
0 1 x+y
∫ π ∫ 2 cos θ
4 r
(b) I= drdθ
0 sec θ cos θ + sin θ
∫ 3 ∫ √9−x2 ∫ 3 ∫ −√3x−x2
y y
8. I= √ 2 2
dydx + √
dydx
0 3x−x2 x + y 0 − 9−x2 x + y2
2

139
∫ √
2 ∫ x ∫ 1 ∫ √
1−x2
2 2x + 4y 2x + 4y
9. (a) I= √ dydx + √ √ dydx
0 0 x2 + y 2 2
2
0 x2 + y 2
∫ π ∫ 1
4
(b) I= (2r cos θ + 4r sin θ)drdθ
0 0

(c) 2− 1
2
2
∫ √
2 ∫ √
1−x2
2
10. (a) I= (x2 + y 2 )dydx
0 x
∫ √
2 ∫ y ∫ 1 ∫ √1−y2
2
(b) I= (x2 + y 2 )dxdy + √ (x2 + y 2 )dxdy
2
0 0 2
0

11. (a)

1
(b) I= sin 1
2
∫ π∫ 2
4
12. I= r3 cos θ sin θdrdθ
0 1
∫ 1 ∫ √
1+ 1−x2

x2 + y 2
13. (a) I= √
dydx
0 2x−x2 x2 + y 2
∫ π ∫ 2 sin θ
2
(b) I= drdθ
π
2 cos θ

4

(c) I =2 2−2

14. I=2

15. I=2

140
Capítulo 4
INTEGRAIS TRIPLAS

Objetivos (ao nal do capítulo espera-se que o aluno seja capaz de):

1. Encontrar o valor de uma integral tripla;

2. Interpretar geométrica e sicamente uma integral tripla;

3. Calcular integrais triplas em coordenadas retangulares;

4. Calcular integrais triplas em coordenadas cilíndricas;

5. Calcular integrais triplas em coordenadas esféricas;

6. Transformar uma integral tripla de coordenadas retangulares para cilíndricas e de


cilíndricas para retangulares;

7. Transformar uma integral tripla de coordenadas retangulares para esféricas e de esféri-


cas para retangulares;

8. Transformar uma integral tripla de coordenadas cilíndricas para esféricas e de esféricas


para cilíndricas;

9. Montar uma integral tripla nos três sistemas de coordenadas e decidir qual o sistema
mais adequado para resolvê-la;

10. Fazer a maquete de uma gura delimitada por superfícies e encontrar seu volume.

11. Resolver exercícios usando uma ferramenta tecnológica.

A prova será composta por questões que possibilitam vericar se os objetivos foram
atingidos. Portanto, esse é o roteiro para orientações de seus estudos. O modelo de formu-
lação das questões é o modelo adotado na formulação dos exercícios e no desenvolvimento
teórico desse capítulo, nessa apostila.

141
4.1 Introdução
As integrais triplas, aplicadas sobre sólidos no espaço xyz , são denidas de forma análoga
às integrais duplas aplicadas sobre uma região do plano xy . Não é nosso objetivo discutir
os pormenores da denição, pois estes fazem parte do conteúdo de um texto de cálculo
avançado. Vamos esboçar apenas as ideias principais.

NOTAÇÃO: 4.1.1 Seja S um sólido no espaço tridimensional e f : S → R uma função de


três variáveis denida sobre cada ponto (x, y, z) ∈ S. Denotaremos a integral tripla de f
sobre S como ∫∫∫
f (x, y, z) dxdydz.
S

4.2 Interpretação Geométrica da Integral Tripla


Para xar as ideias vamos supor que o sólido S é um paralelepípedo. Uma partição
desse paralelepípedo é obtida seccionando-o com n planos paralelos aos eixos coordenados,
conforme ilustra a Figura 4.1.

Figura 4.1: Partição de um sólido

O fracionamento de S obtido pela partição é um conjunto de sub-parelelepípedos chama-


dos células da partição. Suponhamos que uma i−célula tenha dimensões ∆xi , ∆yi e ∆zi .
Então, o volume dessa i−célula é Vi = ∆xi ∆yi ∆zi . Seja (x∗i , yi∗ , zi∗ ) um ponto qualquer da
i−célula e seja f : S → R a função densidade em cada ponto de S, então uma estimativa da
∗ ∗ ∗
massa da i−célula é mi = f (xi , yi , zi ) ∆xi ∆yi ∆zi e, desse modo uma estimativa da massa
do sólido S será
∑ n
m≈ f (x∗i , yi∗ , zi∗ ) ∆xi ∆yi ∆zi .
i=1
Se |N | é o comprimento da diagonal da maior célula da partição de S, então a massa m
do sólido S será dada por


n
m = lim f (x∗i , yi∗ , zi∗ ) ∆xi ∆yi ∆zi
|N |→0
i=1
ou ∫∫∫
m= f (x, y, z) dxdydz.
S

142
OBSERVAÇÃO 4.2.1 Se f (x, y, z) = 1 então a massa m e o volume V do sólido tem o mesmo

valor numérico. Portanto, o volume de um sólido, em termos de integrais triplas, é dado por
∫∫∫
V = dxdydz.
S

4.3 Cálculo da Integral Tripla em Coordenadas Retan-


gulares
Seja S um sólido delimitado pelas curvas x = a, x = b, y = y1 (x) e y = y2 (x) e pelas
superfícies z = f (x, y) e z = g(x, y), com f (x, y) ≤ g(x, y) para todo (x, y) , de acordo com
a tabela abaixo:

Tabela de limitantes
Limitante Equações
Curva à esquerda x=a
Curva à direita x=b
Curva inferior y = y1 (x)
Curva superior y = y2 (x)
Superfície inferior z = f (x, y)
Superfície superior z = g(x, y)
A integral tripa de uma função contínua f (x, y, z) sobre o sólido S é dada por

∫∫∫ ∫ b ∫ y2 (x) ∫ g(x,y)


f (x, y, z) dxdydz = f (x, y, z) dzdydx.
a y1 (x) f (x,y)
S

EXEMPLO 4.3.1 Determine o volume do sólido delimitado pelos planos z = 0, y = 0, x = 0


e 2x + 4y + z = 8.
Solução: Iniciamos representando geometricamente o sólido (Figura 4.2).

Figura 4.2: Sólido do Exemplo 4.3.1.

Em seguida, devemos projetar o sólido sobre um dos planos coordenados. A projeção


sobre o plano xy pode ser vista na Figura 4.3. Note que poderíamos ter optado por projetar
sobre outro plano coordenado.
A tabela de limitantes do sólido, tomando x como variável independente, é dada por

143
Figura 4.3: Projeção no plano xy.

Limitantes Equações
Curva à esquerda x=0
Curva à direita x=4
Curva inferior y=0
Curva superior y = 2 − x2
Superfície inferior z=0
Superfície superior z = 8 − 2x − 4y
Assim, o volume desejado é dado por

∫ ∫ ∫ 8−2x−4y
∫ ∫
4 2− x2 8−2x−4y 4 2− x2

V = dzdydx = z dydx
0 0 0 0 0
0
∫ 4 ∫ 2− x ∫ 4 2− x
2
2

= (8 − 2x − 4y)dydx = (8y − 2xy − 2y 2 ) dx
0 0 0
0
∫ 4 ( ) ( )2 ∫ 4
1 1 1 32
= 16 − 4x − 2x 2 − x − 2 2 − x dx = (8 − 4x + x2 )dx = u.v.
0 2 2 0 2 3
EXEMPLO Calcule o volume do sólido delimitado pelos cilindros z 2 +x2 = 9 e y 2 +x2 = 9
4.3.2

situado no primeiro octante.


Solução: A representação geometricamente do sólido pode ser vista na Figura 4.4.

Figura 4.4: Sólido do Exemplo 4.3.2.

Como o sólido está situado no primeiro octante, os planos x = 0, y = 0 e z = 0


2 2
delimitam este sólido e a projeção sobre o plano xy é a parte da circunferência x + y = 9
que está no primeiro quadrante.
Vejamos a tabela de limitantes:

144
Limitantes Equações
Curva à esquerda x=0
Curva à direita x=3
Curva inferior y=√0
Curva superior y = 9 − x2
Superfície inferior z=√0
Superfície superior z = 9 − x2

O volume é dado por

∫ 3 ∫ √
9−x2 ∫ √
9−x2 ∫ 3 ∫ √
9−x2 √
V = dzdydx = 9 − x2 dydx
0 0 0 0 0
∫ √ ∫ 3
3 √ 9−x2
3 3
x
= y 9−x
2 dx = (9 − x2 )dx = 9x − = 18 u.v.
0 0 3
0 0

EXEMPLO 4.3.3 Escreva o volume do sólido do Exemplo 4.3.2 de 6 formas distintas.


Solução:
1 - Projetando no plano xy usamos z como variável espacial (ou variável totalmente de-
pendente) e x ouy como variável independente. A projeção sobre o plano xy é a parte da
circunferência x + y 2 = 9 que está no primeiro quadrante,
2
logo temos as limitações e as
integrais:
 √
 z ∈ [0, √9 − x2 ] ∫ 3 ∫ √
9−x2 ∫ √
9−x2
(i) x como variável independente: y ∈ [0, 9 − x2 ] ⇒ V = dzdydx

x ∈ [0, 3] 0 0 0

 √
 z ∈ [0, √9 − x2 ] ∫ 3 ∫ √9−y2 ∫ √
9−x2
(ii) y como variável independente: x ∈ [0, 9 − y 2 ] ⇒ V = dzdxdy

y ∈ [0, 3] 0 0 0

2 - Projetando no plano xz usamos y como variável espacial (ou variável totalmente de-
pendente) e x ouz como variável independente. A projeção sobre o plano xz é a parte da
circunferência x + z 2 = 9 que está no primeiro quadrante, logo temos as limitações e as
2

integrais:
 √
 y ∈ [0, √9 − x2 ] ∫ 3 ∫ √
9−x2 ∫ √
9−x2
(i) x como variável independente: z ∈ [0, 9 − x2 ] ⇒ V = dydzdx

x ∈ [0, 3] 0 0 0

 √
 y ∈ [0, √9 − x2 ] ∫ 3 ∫ √
9−z 2 ∫ √
9−x2
(ii) z como variável independente: x ∈ [0, 9 − z 2 ] ⇒ V = dydxdz

z ∈ [0, 3] 0 0 0

3 - Projetando no plano yz usamos x como variável espacial (ou variável totalmente depen-
dente) e y ou z como variável independente. A projeção sobre o plano yz é o quadrado
limitado por y = 0, z = 0, y = 3 e z = 3, porém com esta projeção não podemos usar
apenas uma integral, pois há troca de limitação na variável x e esta troca ocorre no plano
y = z obtido pela interseção dos cilindros x2 +y 2 = 9 e x2 +z 2 = 9, logo temos as limitações
e as integrais:

145
 √  √
 x ∈ [0, 9 − y 2 ] ∪  x ∈ [0, 9 − z ]
2

(i) y como variável independente: z ∈ [y, 3] z ∈ [0, y]


 
y ∈ [0, 3] y ∈ [0, 3]

∫ 3 ∫ 3 ∫ √9−y2 ∫ 3 ∫ y ∫ √
9−z 2
⇒ V = dxdzdy + dxdzdy
0 y 0 0 0 0
 √  √
 x ∈ [0, 9 − y 2 ] ∪  x ∈ [0, 9 − z ]
2

(ii) z como variável independente: y ∈ [0, z] y ∈ [z, 3]


 
z ∈ [0, 3] z ∈ [0, 3]

∫ 3 ∫ z ∫ √9−y2 ∫ 3 ∫ 3 ∫ √
9−z 2
⇒ V = dxdydz + dxdydz
0 0 0 0 z 0

EXEMPLO 4.3.4 Encontre o volume do sólido delimitado pelas superfícies z = 9−x2 , z = 5−y,
y = 0 e y = 5.
Solução: Iniciamos com a construção do sólido de acordo com a Figura 4.5.

z
z

x y

y
x
Figura 4.5: Sólido do Exemplo 4.3.4.

{
O próximo passo é determinar as curvas que limitam a região de integração sobre o plano
z = 9 − x2
xy. Para isso resolvemos o sistema de equações Igualando as duas equações
z =5−y
obtemos a parábola y = x − 4. Desse modo, no plano xy, a região de integração é delimitada
2

pelas curvas y = x − 4, y = 0 e y = 5 (Figura 4.6).


2

Para diminuir o trabalho no processo de integração é conveniente tomar y como variável


independente. Desse modo a tabela de limitantes é dada por

Limitantes Equações
Curva inferior y=0
Curva superior y=5

Curva à esquerda x=− y+4

Curva à direita x= y+4
Superfície inferior z =5−y
Superfície superior z = 9 − x2

146
Figura 4.6: Projeção no plano xy .

Assim, o volume desejado é dado por

∫ ∫ √ ∫ ∫ ∫ √ 9−x2 ∫ 5 ∫ √y+4
5 y+4 9−x2 5 y+4 ( )

V = dzdxdy = z dxdy = 4 − x 2
+ y dxdy,
− y+4
√ √ √
0 − y+4 5−y 0 0 − y+4
5−y

como o sólido é simétrico em relação ao eixo y, podemos escrever

) y+4

∫ ∫ √ ∫ (
5 y+4 ( x )
5 3
V = 2 4 − x2 + y dxdy = 2 4x − + yx dy
0 0 0 3
 √ 
0
∫ 5 √ (y + 4)3 √ ∫ 5( √ )
  8 2 √
= 2 4 y+4− + y y + 4 dy = 2 y + 4 + y y + 4 dy
0 3 0 3 3
5
32 √ √ √
8 32
= (y + 4)3 + (y + 4)5 − (y + 4)3
9 15 9
0
5
8√ 8 √ √
8 8 1688
= (y + 4)5 = ( 95 − 45 ) = (35 − 25 ) = (243 − 32) = u.v.
15 15 15 15 15
0
∫∫∫
EXEMPLO 4.3.5 Calcule o valor numérico de I = x dV, sendo S o sólido do Exemplo
S
4.3.4.
Solução: Na resolução do exemplo acima temos a tabela de limitantes então basta escrever-
mos as integrais iteradas.

∫ 5 ∫ √
y+4 ∫ 9−x2 ∫ 5 ∫ √
y+4 ∫ 5
I= √
xdzdxdy = √
(9x − x − 5x + xy)dxdy =
3
0dy = 0.
0 − y+4 5−y 0 − y+4 0

Observe que o resultado é zero, o que não faria sentido se estivéssemos calculando a massa
do sólido, porém observe que a função de integração f (x, y, z) = x assume valores negativos
no domínio de integração (o sólido S ), portanto ela não pode representar a densidade deste
sólido. Então, neste caso apenas resolvemos uma integral tripla de uma função sobre um
domínio. Além disso, observe que

∫ 5 ∫ √
y+4 ∫ 9−x2 ∫ 5 ∫ √
y+4 ∫ 9−x2
I= √
xdzdxdy ̸= 2 xdzdxdy,
0 − y+4 5−y 0 0 5−y

(a primeira dá zero e a segunda é diferente de zero), neste caso não podemos usar simetria,
pois apesar do domínio de integração, o sólido S, ser simétrico em relação ao eixo y a função
no integrando não é simétrica. Portanto, cuidado com o uso de simetrias.
147
EXEMPLO 4.3.6 Faça a tabela de limitantes e escreva a integral que permite calcular a massa

do sólido delimitado pelas superfícies x2 + y − 16 = 0, x + y − 4 = 0, y = 2x + 13, z = 0


e z = 10, sendo a densidade dada por d (x, y, z) = x2 yz.
Solução: O sólido desejado situa-se entre os planos z=0 e z = 10. A base do sólido, que
está situada no plano xy, está representada na Figura 4.7.

Figura 4.7: Projeção no plano xy .

Como ocorre troca na limitação superior, devemos dividir esta região em duas sub-regiões,
R1 e R2 . Assim, procedendo, obtemos a tabela

Limitantes R1 R2
Curva à esquerda x = −3 x=1
Curva à direita x=1 x=4
Curva inferior y =4−x y =4−x
Curva superior y = 2x + 13 y = 16 − x2
Superfície inferior z=0 z=0
Superfície superior z = 10 z = 10

Logo, a massa desejada é dada por

∫ 1 ∫ 2x+13 ∫ 10 ∫ 4 ∫ 16−x2 ∫ 10
2
M= x yz dzdydx + x2 yz dzdydx.
−3 4−x 0 1 4−x 0

EXEMPLO 4.3.7 Reescreva a expressão


∫ ∫ √ ∫

16−y 2 ∫ ∫ ∫ 6−2x
4 3− 34 16−y 2 2
4 3 3
I= dzdxdy + √ dzdxdy
0 0 0 0 3− 34 16−y 2 0

como uma única integral tripla em coordenadas cartesianas de 4 formas distintas.


Solução: Projetando no plano xy há uma troca de limitantes, conforme a expressão dada
por I. Interpretando a integral dada temos no plano xy a seguinte região representada na
Figura 4.8, sendo R1 a região do plano xy da primeira integral e R2 a região do plano xy
da segunda integral.

16 − y 2
A limitação espacial é dada pelas superfícies z= que é um ramo de um cilindro
2
6 − 2x
elíptico que se prolonga no eixo x e z= que é um plano paralelo ao eixo y, assim I
3
representa o volume do sólido representado na Figura 4.9

148
R1

R2

Figura 4.8: Projeção no plano xy.

Figura 4.9: Sólido cujo volume é dado por I.

Projetando no plano xz, temos a região representada na Figura 4.10.

Figura 4.10: Projeção no plano xz.

 a montagem
Assim,
√ das integrais é dada por
0 ≤y≤ 16 − 4z 2 ∫ 2 ∫ 6−3z ∫ √
16−4z 2
2
(1) 0 ≤x≤ 6−3z
⇒ I= dydxdz
 2

 0 ≤z≤ 2 0 0 0

 0 ≤y≤ 16 − 4z 2 ∫ 3 ∫ 6−2x ∫ √
16−4z 2
3
(2) 0 ≤z≤ 6−2x
⇒ I= dydzdx
 3
0 ≤x≤ 3 0 0 0

Projetando no plano yz, temos a região representada na Figura 4.11.

Figura 4.11: Projeção no plano yz.

Assim, a montagem das integrais é dada por

149
 √

 0 ≤ x ≤ √6−3z
2 ∫ 4 ∫ 16−y 2 ∫ 6−3z
2 2
(3) 0 ≤z≤
16−y 2
⇒ I= dxdzdy

 2 0 0 0
0 ≤y≤ 4

 0 ≤ x ≤ √ 6−3z
2
∫ 2 ∫ √
16−4z 2 ∫ 6−3z
2
(4) 0 ≤y≤ 16 − 4z 2 ⇒ I= dxdydz

0 ≤z≤ 2 0 0 0

4.4 Integrais Triplas em Coordenadas Cilíndricas


Em alguns exemplos uma integral tripla pode ser resolvida de uma forma mais simples
convertendo-a para coordenadas cilíndricas. Vejamos este processo de conversão.

Figura 4.12: Coordenadas Cilíndricas

Sejam θ0 e θ1 dois arcos tais que0 < θ1 − θ0 ≤ 2π e suponhamos que os raios r1 e r2


são funções contínuas de θ 0 ≤ r1 (θ) ≤ r2 (θ) seja válido para todo θ ∈ [θ1 , θ2 ] .
tais que
Sejam f (r, θ) e g (r, θ) funções contínuas tais que f (r, θ) ≤ g (r, θ) seja verdadeiro para
todo θ ∈ [θ1 , θ2 ] e todo r1 (θ) ≤ r2 (θ) . Seja S o sólido constituído por todos os pontos cujas
coordenadas cilíndricas satisfaçam as condições θ0 ≤ θ1 , r1 (θ) ≤ r2 (θ) e f (r, θ) ≤ g (r, θ) .
Então temos a tabela de limitantes

Tabela de limitantes
Curvas Equações
Arco inferior θ = θ1
Arco superior θ = θ2
Raio interno r = r1 (θ)
Raio externo r = r2 (θ)
Superfície inferior z = f (r, θ)
Superfície superior z = g (r, θ) .
Uma integral tripla, que em coordenadas cartesianas se escreve como
∫ b∫ y2 (x) ∫ g(x,y)
I= f (x, y, z) dzdydx
a y1 (x) f (x,y)

é transformada, em coordenadas cilíndricas, para


∫ θ2 ∫ r2 (θ) ∫ g(r,θ)
I= f (r cos θ, r sin θ, z) rdzdrdθ.
θ1 r1 (θ) f (r,θ)

150
EXEMPLO 4.4.1 Determinar o volume do sólido delimitado superiormente pelo parabolóide
y 2 +x2 +1−z = 0, inferiormente pelo plano z = 0 e lateralmente pelo cilindro x2 +y 2 −2y = 0.

Solução: Geometricamente, temos o seguinte sólido representado na Figura 4.13.

Figura 4.13: Sólido do Exemplo 4.4.1.

A projeção no plano xy é a circunferência x2 +y 2 −2y = 0 que, após completar quadrados,


se torna x + (y − 1) = 1 (Figura 4.14).
2 2

x
Figura 4.14: Projeção no plano xy .

O sólido está delimitado inferiormente pelo plano z = 0 e superiormente pelo parabolóide


z = y 2 + x2 + 1. Fazendo as tabelas, podemos observar que é muito mais fácil resolver esse
problema usando coordenadas cilíndricas.

Limitantes em coord. retangulares Limitantes em coord. cilíndricas


Curvas Equações Curvas Equações
Curva à esquerda x = −1 Arco inferior θ1 = 0
Curva à direita x=1 √ Arco superior θ2 = π
Curva inferior y = 1 − √ 1 − x2 Raio interno r1 = 0
Curva superior y = 1 + 1 − x2 Raio externo r2 = 2 sin θ
Superfície inferior z=0 Superfície inferior z=0
Superfície superior z = y 2 + x2 + 1 Superfície superior z = r2 + 1

151
Em coordenadas cilíndricas, o volume é dado por:

∫ π ∫ 2 sin θ ∫ 1+r2 ∫ π ∫ 2 sin θ


V = rdzdrdθ = r(1 + r2 )drdθ
0 0 0 0 0
∫ 2 sin θ
π∫ ∫
2 sin θ π
r2 r4
= (r + r3 )drdθ = + dθ
0 0 0 2 4
∫ π ∫ π
0

= (2 sin2 θ + 4 sin4 θ)dθ = 2 sin2 θ(1 + 2 sin2 θ)dθ


∫0 π ∫
0
π
= 2
2 sin θ(1 + 2 sin θ)dθ = 2
(1 − cos(2θ))(2 − cos(2θ))dθ
∫0 π 0

= (2 − 3 cos(2θ) + cos2 (2θ))dθ


0
π ∫ π
π
3 1 + cos(4θ) 1 1 π 5π
= 2θ − sin(2θ) + dθ = 2π + θ + sin(4θ) = 2π + = u.v.
2 0 2 2 8 2 2
0 0

EXEMPLO 4.4.2 Represente gracamente o sólido cujo volume é dado pela integral
∫ 2π ∫ 2 ∫ 4−r 2 cos2 θ
V = rdzdrdθ.
0 0 0

Solução: A partir dos limitantes da integral podemos construir a tabela

Limitantes em coordenadas cilíndricas


Curvas Equações
Arco inferior θ1 = 0
Arco superior θ2 = 2π
Raio interno r1 = 0
Raio externo r2 = 2
Superfície inferior z=0
Superfície superior z = 4 − r2 cos2 θ
Considerando os arcos inferior e superior, concluímos que a base do sólido está projetada
sobre todos os quadrantes, pois temos 0 ≤ θ ≤ 2π.
0 ≤ r ≤ 2, temos que o raio cilín- Como
drico varia desde a origem do plano xy até a circunferência de raio 2. Portanto, lateralmente
2 2
temos um cilindro centrado na origem, de equação x + y = 4. Inferiormente temos o plano
z = 0 e superiormente temos o cilindro parabólico z = 4 − x2 (observe que r2 cos2 θ = x2 ).
Assim, encontramos o sólido ilustrado na Figura 4.15.

Figura 4.15: Sólido do Exemplo 4.4.2.

152
EXEMPLO 4.4.3 Escreva em coordenadas retangulares a integral
∫ π ∫ 2 cos θ ∫ 9−r2
2
I= r2 dzdrdθ.
0 0 0

Solução: Inicialmente, devemos interpretar geometricamente o sólido de integração. Vamos


construir a tabela de limitantes.

Limitantes em coordenadas cilíndricas


Curvas Equações
Arco inferior θ1 = 0
Arco superior θ2 = π2
Raio interno r1 = 0
Raio externo r2 = 2 cos θ
Superfície inferior z=0
Superfície superior z = 9 − r2

Considerando os arcos inferior e superior concluímos que a base do sólido está projetada
sobre o primeiro quadrante do plano xy , pois temos 0 ≤ θ ≤
π
. Agora vamos escrever
2
a curva r = 2 cos θ em coordenadas retangulares. Sabemos que x = r cos θ, de modo que
cos θ = xr , e que r2 = x2 + y 2 . Assim,
2x
r = 2 cos θ = ⇒ r2 = 2x ⇒
r
x2 + y 2 = 2x ⇒ (x − 1)2 + y 2 = 1.
Vemos que em coordenadas retangulares, a projeção do sólido sobre o plano xy é deli-
mitada pela circunferência de equação (x − 1) + y = 1. Desse modo, a tabela de limitantes,
2 2

em coordenadas retangulares, é dada por:

Limitantes em coordenadas retangulares


Curvas Equações
Curva à esquerda x=0
Curva à direita x=2
Curva inferior y = 0√
Curva superior y = 2x − x2
Superfície inferior z=0
Superfície superior z = 9 − (x2 + y 2 )

Também devemos escrever de forma adequada a expressão r2 dzdrdθ. Como dxdydz =


rdzdrdθ temos que √
r2 dzdrdθ = r (rdzdrdθ) = x2 + y 2 dxdydz.
Assim, a integral dada será escrita em coordenadas cartesianas por

∫ 2 ∫ √
2x−x2 ∫ 9−x2 −y 2 √
I= x2 + y 2 dzdydx.
0 0 0

153
EXEMPLO 4.4.4 Construa e calcule o volume do menor sólido delimitado simultaneamente

por y = 0, y = 4, x2 + z 2 = x e x2 + z 2 = 3z.

Solução: Esboço do sólido:

Figura 4.16: Sólido Exemplo 4.4.4

Projeção no plano zx :
x

θ=π/3

Figura 4.17: Projeção do no plano zx

Sendo a projeção uma região entre circunferências usaremos o sistema de coordenadas


cilíndricas em relação ao plano zx para resolver a integral. Assim temos:


 x = r sin θ

 { 2 {
 z = r cos θ
x + z 2 = √x r = √sin θ
y = y ⇒ ⇒


2
x +z =2
3z r = 3 cos θ

 x + z2
2
= r2
 x
tan θ = z

Interseção das circunferências é a solução do sistema:

{
r = √sin θ π
⇒θ= .
r = 3 cos θ 3

154
Montagem e resolução da integral em coordenadas cilíndricas:

∫ π ∫ sin θ ∫ 4 ∫ π ∫ √
3 cos θ ∫ 4
3 2
V = rdydrdθ + rdydrdθ
π
0 0 0 0 0
∫ ∫
3
π π
3 2
2
= 2 sin θdθ + 6 cos2 θdθ
π
0
∫ ∫
3
π π
3 2
= (1 − cos(2θ))dθ + 3 (1 + cos(2θ))dθ
π
0
) π3 ) π2 (
3
( ( )
sin(2θ) sin(2θ) 5π √
= θ− +3 θ+ = − 3 u.v.
2 2 π 6
0 3

4.5 Integrais Triplas em Coordenadas Esféricas


Na seção anterior vimos que usar coordenadas cilíndricas pode facilitar agora queremos
explorar o sistema de coordenadas esféricas e em alguns casos é o mais recomendado.
Lembrando que o ponto P (x, y, z) em coordenadas esféricas é dado por P (ρ,√
θ, ϕ) , onde
x2 + y 2
x = ρ cos θ sin ϕ, y = ρ sin θ sin ϕ, z = ρ cos ϕ, ρ2 = x2 + y 2 + z 2 , tan ϕ = e
z
y
tan θ = .
x
z


dq
df
f
ρ

y
q

Figura 4.18: Coordenadas Esféricas

Sejam θ 0 , θ 1 , ϕ 0 , ϕ 1 , ρ0 ρ1 e tais que 0 ≤ θ0 < θ1 ≤ 2π, 0 ≤ ϕ0 < ϕ1 ≤ π e 0 ≤ ρ0 < ρ1 .


Suponhamos que o sólido S seja constituído por todos os pontos cujas coordenadas es-
féricas (ρ, θ, ϕ) são tais que

ρ0 ≤ ρ ≤ ρ1 θ0 ≤ θ ≤ θ1 ϕ0 ≤ ϕ ≤ ϕ1 .
Seja f (x, y, z) uma função denida em todos os pontos do sólido S e cada ponto P (x, y, z)
pode ser escrito em coordenadas esféricas f (ρ, θ, ϕ) . Então, podemos escrever
∫ x1 ∫ y1 ∫ z1 ∫ θ2 ∫ ϕ2 ∫ ρ2
f (x, y, z) dV (x, y, z) = f (ρ, θ, ϕ) dV (ρ, ϕ, θ),
x0 y0 z0 θ1 ϕ1 ρ1

onde dV (x, y, z) = dxdydz e dV (ρ, ϕ, θ) é o elemento de volume de coordenadas esféricas


que precisamos determinar. Para determinar dV (ρ, ϕ, θ) consideramos acréscimos dρ, dϕ e

155
dθ atribuídos às variáveis ρ, ϕ e θ, respectivamente, constrói-se o elemento innitesimal de
volume em coordenadas esféricas como observamos na Figura 4.19.

z ρ senf dq

ρ senf dρ
ρ df

ρ
f

y
q

dq

Figura 4.19: Incremento nas Coordenadas Esféricas

Na Figura 4.20 destacamos o elemento innitesimal de volume em coordenadas esféricas


e considerando os pontos

P (ρ, θ, ϕ)
Q (ρ, θ, ϕ + dϕ)
R (ρ, θ + dθ, ϕ)
T (ρ + dρ, θ, ϕ) .

ρsenϕdθ
ρdϕ
z dρ
R
ρ P
ϕ T

θ Q
x

y
V
U

Figura 4.20: Elemento de Volume em Coordenadas Esféricas

temos que o elemento de volume de coordenadas esféricas pode ser interpretado como o
paralelepípedo innitesimal curvilíneo com dimensões sendo o comprimento dos arcos d
P R e
d
P Q e do segmento PT, cujo volume aproximado é

d

d
dV = P T P R P Q .

156

É fácil ver P T é a variação do raio ρ entre os pontos P e T e, portanto, P T = dρ.

Como P e Q pertencem ao círculo de raio OP = OQ = ρ e o arco P d Q subentende um
ângulo correspondente a variação de ϕ, segue que

d
P Q = ρdϕ.

O triângulo OP U tem ângulo reto em U e P̂ = ϕ (usando ângulos alternos na relação


de paralelas e transversais com PU ∥ z ), assim pelas relações métricas obtém-se que
eixo

|OU d
| = ρ sin ϕ e consequentemente o comprimento do arco U V é igual a ρ sin ϕdθ. Donde
d d
P R = U V = ρ sin ϕdθ.
Portanto,


d

d
dV = P T P Q P R = dρ (ρdϕ) (ρ sin ϕdθ) = ρ2 sin ϕdρdϕdθ.

Lembrando que em coordenadas retangulares temos dV = dxdydz, assim temos a equiv-


alência entre os diferenciais em coordenadas cartesianas e esféricas:

dxdydz = ρ2 sin ϕdρdϕdθ.

Portanto,

∫ x1 ∫ y1 ∫ z1 ∫ θ2 ∫ ϕ2 ∫ ρ2
f (x, y, z) dzdydx = f (ρ, θ, ϕ) ρ2 sin ϕdρdϕdθ.
x0 y0 z0 θ1 ϕ1 ρ1

EXEMPLO 4.5.1 Mostre, usando coordenadas esféricas, que o volume de uma esfera de raio r
4πr3
éV = .
3
Solução: 2
Vamos utilizar uma esfera centrada na origem, de equação x + y
2
+ z 2 = r2 . Sua
2 2 2
projeção no plano xy é a circunferência x + y = r e portanto temos que 0 ≤ θ ≤ 2π e
0 ≤ ϕ ≤ π. Assim, o volume da esfera é calculado por

∫ 2π ∫ π ∫ r
4
V = ρ2 sin ϕdρdϕdθ = πr3 .
0 0 0 3

EXEMPLO 4.5.2 Escreva, em coordenadas retangulares e em coordenadas esféricas a(s) inte-


gral(is) que permite(m) calcular o volume do sólido delimitado pelas superfícies z 2 = x2 + y 2 ,
z 2 = 3x2 + 3y 2 e x2 + y 2 + z 2 = 4 nos pontos em que z é positivo. A seguir, utilize uma das
expressões obtidas para calcular o volume deste sólido.
Solução: 2 2
Primeiro vamos interpretar cada superfície. Na Figura 4.21 a equação z = x +y
2
2 2 2
representa o cone inferior, a equação z = 3x + 3y representa o cone superior e a equação
2 2 2
x + y + z = 4 representa a esfera. O problema pede para determinar o volume do sólido
situado no interior da esfera e entre os dois cones.
Vamos determinar as curvas de interseção e as projeções sobre o plano xy . Resolvendo
os sistemas de equações
{ {
z 2 = x2 + y 2 z 2 = 3x2 + 3y 2
e ,
x2 + y 2 + z 2 = 4 x2 + y 2 + z 2 = 4

em ambos os casos substituindo z2 da primeira equação na segunda equação, obtemos

157
Figura 4.21: Sólido do Exemplo 4.5.2.

x2 + y 2 + x2 + y 2 = 4 e x2 + y 2 + 3x2 + 3y 2 = 4
2x2 + 2y 2 = 4 4x2 + 4y 2 = 4
x2 + y 2 = 2 x2 + y 2 = 1.
O volume do sólido será dado pela diferença entre o volume do sólido delimitado pela
2 2 2 2 2 2
esfera x + y + z = 4 e o cone z = x + y e o volume do sólido delimitado pela esfera
2 2 2 2 2 2
x + y + z = 4 e o cone z = 3x + 3y . As tabelas de limitantes são:
Limitantes Sólido 1 Sólido 2

Curva a esquerda x=− √ 2 x = −1
Curva a direita x= √ 2 x=1√
Curva a inferior y=− √ 2−x
2 y=− √ 1−x
2

Curva a superior y = √2 − x2 y = √1 − x2
Superfície inferior z = √x2 + y 2 z = √3x2 + 3y 2
Superfície superior z = 4 − x2 − y 2 z = 4 − x2 − y 2
Portanto, o volume será dado por

∫ √
2 ∫ √
2−x2 ∫ √4−x2 −y2 ∫ 1 ∫ √
1−x2 ∫ √4−x2 −y2
V = √ √ √ dzdydx − √ √ dzdydx
− 2 − 2−x2 x2 +y 2 −1 − 1−x2 3x2 +3y 2

Como podemos perceber, a resolução desta integral é trabalhosa. Vamos escrevê-la em


coordenadas esféricas.
ρ = 2. Como as
A variação do raio esférico vai da origem até a esfera de raio 2, isto é,
projeções no plano xy são circunferências com centro na origem temos que o arco θ varia de
2 2 2
zero a 2π. O ângulo ϕ varia entre os dois cones. O cone de equação z = x + y equivale a
π 2 2 2 π
ϕ = 4 . Já o cone de equação z = 3x + 3y equivale ao ângulo ϕ = 6 . Portanto, a tabela de
limitantes do sólido em coordenadas esféricas é dada por

Limitantes em coordenadas esféricas


Curvas Equações
Arco θ inferior θ1 = 0
Arco θ superior θ2 = 2π
Arco ϕ inferior ϕ1 = π6
Arco ϕ superior ϕ2 = π4
Superfície inferior ρ1 = 0
Superfície superior ρ2 = 2

158
Assim, o volume será dado por

∫ ∫ ∫ ∫ ∫ 2
ρ3
π π
2π 4
2 2π 4
V = ρ2 sin ϕdρdϕdθ = sin ϕdϕdθ
0 π
6
0 0 π
6
3
0
∫ π
2π ∫ π ∫ 4
8 4

−8
= sin ϕdϕdθ = cos ϕ dθ
0 π 3 0 3 π
6

∫ (√ √ )
6


−8 2 3 4 √ √ 8π (√ √ )
= − dθ = (− 2 + 3)θ = 3− 2 u.v.
0 3 2 2 3 3
0
∫ 2π ∫ π ∫ 5
2
EXEMPLO 4.5.3 Considere a expressão I = 2 dρdϕdθ dada em coordenadas
0 arctg( 34 ) 3
senϕ
esféricas.
1. Descreva e represente gracamente o domínio de integração de I.
2. Reescreva I usando coordenadas cilíndricas.
Solução: (a) Identicação do domínio de integração (o sólido S ): como a expressão I está
multiplicada por "2"existe simetria.


 0 ≤ θ ≤ 2π



Limitantes em coordenadas esféricas: arctg( 34 ) ≤ ϕ ≤ π


2



senϕ
3
≤ρ≤ 5
Convertendo para coordenadas cartesianas, temos:



 ρ=5 ⇒ x2 + y 2 + z 2 = 25 ⇒ esfera



ρ= 3
senϕ ⇒ x2 + y 2 = 9 ⇒ cilindro



 √

ϕ = arctg ( 34 ) ⇒ z= 4
3
x2 + y 2 ⇒ semi-cone

Observando que o cone só dá a variação do ângulo ϕ que começa no cone e vai até o plano
xy. Na Figura 4.22 temos representado o cilindro e a esfera descritos acima, pela limitação
2 2 4
do raio esférico e pela simetria temos que o sólido S é interior à esfera x + y + z = 25 e
2 2
exterior ao cilindro x + y = 9.

Figura 4.22: Sólido S.

159
(b) Para escrever I em coordenadas cilíndricas devemos descrever o sólido S com limi-
tações cilíndricas, identicar a função de integração e converter-lá para coordenadas cilín-
dricas.
A projeção no plano xy está representada na Figura 4.23

Figura 4.23: Projeção do sólido S no plano xy.



 0 ≤θ≤ 2π
Limitantes de S usando simetria: 3 ≤ρ≤ √ 5

0 ≤z≤ 25 − ρ2
1
Função de integração em coordenadas esféricas: f (ρ, θ, ϕ) =
ρ2 senϕ
1
Função de integração em coordenadas cartesianas: f (x, y, z) = √ √
x2 + y 2 + z 2 · x2 + y 2
1
Função de integração em coordenadas cilíndricas: f (ρ, θ, z) = √
ρ ρ2 + z 2
∫ 2π ∫ 5 ∫ √
25−r2
1
Logo, I=2 √ dzdρdθ.
0 3 0 ρ + z2
2

EXEMPLO Escreva, nos sistemas de coordenadas cartesianas, cilíndricas e esféricas,


4.5.4

as expressões que permitem calcular


√ o volume do√ sólido delimitado simultaneamente pelas
superfícies x2 + y 2 = 2y, z = x2 + y 2 e z = 3x2 + 3y 2 .
Resolução:

2 2
O cilindro x + y = 2y delimitada lateralmente o sólido desejado, enquanto o

cone z= x2 + y 2 delimita-o inferiormente e o cone z = 3x2 + 3y 2 superiormente. Veja
o esboço do sólido na Figura 4.24.

Figura 4.24: Sólido do Exemplo 4.5.4.

160
Para obter a integral em coordenadas cartesianas, basta observar que a altura do sólido
√ √
z ∈ [ x2 + y 2 , 3x2 + 3y 2 ], e a projeção do sólido no plano
varia entre os dois cones, isto é,
xy é dada pela Figura 4.25.

Figura 4.25: Projeção no plano xy .


√ √
Assim, tomando y como variável independente, temos que y ∈ [0, 2] e que x ∈ [− 2y − y 2 , 2y − y 2 ].
Encontramos então a seguinte integral em coordenadas cartesianas

∫ 2 ∫ √2y−y2 ∫ √3x2 +3y2


V = √ √ dzdxdy.
0 − 2y−y 2 x2 +y 2

Agora, reescrevendo as equações dos cones em coordenadas cilíndricas, obtemos que



z ∈ [r,
3r]. Como a projeção no plano xy ocorre apenas no primeiro e segundo quadrantes,
θ ∈ [0, π], enquanto o raio cilíndrico varia da origem (r = 0) até a circunferência
temos que
x + y = 2y, que em cilíndricas se escreve como r2 = 2r sin θ, ou seja, r = 2 sin θ. Assim,
2 2

encontramos a seguinte integral em coordenadas cilíndricas

∫ π ∫ 2 sin θ ∫ √
3r
V = rdzdrdθ.
0 0 r

Em coordenadas esféricas, temos que θ ∈ [0, π] e que o ângulo vertical varia entre os
cones. Transformando para esféricas, obtemos
√ √ √
z = 3x2 + 3y 2 ⇒ ρ cos ϕ = 3ρ sin ϕ ⇒ tan ϕ = 33 ⇒ ϕ = π
√ 6
z = x2 + y 2 ⇒ ρ cos ϕ = ρ sin ϕ ⇒ tan ϕ = 1 ⇒ ϕ = π4

portanto, encontramos que ϕ ∈ [ π6 , π4 ]. Resta então obter a limitação para o raio esférico, que
varia desde a origem (ρ = 0) até o cilindro circular, que devemos transformar para esféricas,
como segue:

x2 + y 2 = 2y ⇒ ρ2 sin2 ϕ = 2ρ sin ϕ sin θ ⇒ ρ sin ϕ = 2 sin θ ⇒ ρ = 2 sin θ


sin ϕ
.

Então, temos que ρ ∈ [0, 2sin


sin θ
ϕ
] e o volume, em coordenadas esféricas, é calculado pelo
integral
∫ π ∫ π ∫ 2 sin θ
4 sin ϕ
V = ρ2 sin ϕdρdϕdθ.
π
0 6
0

Note que, se desejássemos obter o valor numérico deste volume, devemos optar por re-
solver a integral escrita em coordenadas cilíndricas, devido a sua simplicidade em comparação
às demais integrais.

161
4.6 Exercícios Gerais
∫∫∫
1. Calcular I= (x − 1)dV, sendo T a região do espaço delimitada pelos planos y = 0,
T
z = 0, y + z = 5 e pelo cilindro parabólico z = 4 − x2 .
x y z
2. Determinar o volume do sólido delimitado pelas superfícies
a
+ b
+ c
= 1, x = 0,
y=0 e z = 0.

3. Considere o sólido delimitado inferiormente por y + 2z = 6, superiormente por z = 6


e lateralmente pelo cilindro que contorna a região delimitada por y = x2 e y = 4.
Calcule a massa deste sólido, sabendo que sua densidade é dada por f (x, y, z) = 2y +z.

4. A gura abaixo mostra o sólido cujo volume pode ser calculado pela expressão

∫ 1 ∫ 2−2x ∫ 4−z 2
V = dydzdx.
0 0 0

Reescreva esta expressão como uma integral tripla equivalente, usando coordenadas
cartesianas de cinco formas distintas.

5. Represente geometricamente o sólido cujo volume pode ser calculado pela expressão

∫ 4 ∫ √
4−z ∫ 8−2z
V = dydxdz.
0 0 0

A seguir, reescreva esta expressão, como uma integral tripla equivalente, usando coor-
denadas cartesianas de cinco formas distintas.

6. Represente geometricamente o sólido cujo volume pode ser calculado pela expressão

∫ 2 ∫ 2+x2 ∫ 4−x2 ∫ 2 ∫ 6 ∫ 6−y


V = dzdydx + dzdydx
0 0 0 0 2+x2 0

e a seguir reescreva esta expressão utilizando uma única integral tripla em coordenadas
cartesianas.

162
7. Reescreva a expressão

∫ 0 ∫ x+1 ∫ 8−x2 −y 2 ∫ 1 ∫ 1−x ∫ 8−x2 −y 2


I= ydzdydx + ydzdydx
−1 0 0 0 0 0

como uma única integral tripla, em coordenadas cartesianas.

8. Reescreva a expressão

∫ 1 ∫ x2 +4 ∫ 1−x2 ∫ 1 ∫ 5 ∫ 5−y
I= dzdydx + dzdydx
−1 0 0 −1 x2 +4 0

como uma única integral tripla em coordenadas cartesianas, de três formas distintas.

9. Determine a massa do sólido delimitado no primeiro octante simultaneamente pelas


2 2
superfícies x + z = 4, x + y = 2 e x + 2y = 6, sabendo que f (x, y, z) = 12z é a sua
função densidade.

10. Determinar o volume do sólido interior as superfícies b2 (x2 + y 2 ) + a2 z 2 = a2 b2 e


2 2
x + y = ax.

11. Determinar o volume do sólido interior as superfícies x2 + y 2 + z 2 = 8 e x2 + y 2 = 2z.

12. Determinar o volume do sólido delimitado pelas superfícies z = 0, z 2 = x2 + y 2 e


2 2
x + y = 2ax.

13. Determinar o volume do sólido delimitado pelas superfícies x2 + y 2 + 2y = 0, z = 0 e


z = 4 + y.

14. Determinar o volume do sólido delimitado pelas superfícies x2 +y 2 = a2 e x2 +z 2 = a2 .

15. Determinar o volume do sólido delimitado pelas superfícies r = 4 cos θ, z = 0 e


r = 16 − z .
2 2

16. Seja S z = 0, x2 + y 2 = (√
o sólido delimitado pelas superfícies a2 e z )= x2 + y 2 .
Determine o valor de a ∈ R para que a massa de S seja igual a π 82 − 1 , sabendo
1
que a densidade em cada ponto de S é dada por f (x, y, z) = √ .
1 + (x2 + y 2 )2
17. Represente geometricamente o sólido cuja massa é descrita, em coordenadas cilíndri-
∫ 2π ∫ √2 ∫ 4−r2 √
cas, pela expressão M = 4 + r2 − zdzdrdθ. A seguir, reescreva esta
0 0 r 2
expressão utilizando um outro sistema de coordenadas.

18. Nos itens abaixo escreva em coordenadas retangulares as integrais dadas em coorde-
nadas esféricas.
∫ π ∫ π ∫ 3 √
(a)
2
I=2 9 − ρ2 sin ϕdρdϕdθ.
0 0 0
∫ π ∫ π ∫ 4 √
(b)
2 3
I= 4 − ρ2 ρ sin ϕdρdϕdθ.
π
0 6
0

163
19. Represente geometricamente o sólido cujo volume pode ser calculado pela expressão

∫ 2π ∫ π ∫ 2
3
V = ρ2 sin ϕdρdϕdθ.
0 0 1

A seguir, reescreva esta expressão em coordenadas cilíndricas.

20. Utilize coordenadas esféricas para calcular a massa do sólido situado acima do cone
z 2 = x2 + y 2 e interior à√ 2 2 2
esfera x + y + z = 4z, sabendo que sua densidade de massa
é dada por d(x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 .

21. Utilize coordenadas esféricas para resolver a seguinte integral tripla

∫ √
3 ∫ √
3−x2 ∫ √4−x2 −y2
z
I= √ √
√ dzdydx.
− 3 − 3−x2 1 x2 + y 2 (x2 + y 2 + z 2 )2

22. Represente geometricamente o sólido cuja massa é calculada, em coordenadas esféricas,


pela expressão

∫ 2π ∫ π ∫ 5
6 cos2 ϕ+2 sin2 ϕ
M= √ ρdρdϕdθ.
3
0 0 cos ϕ

A seguir, reescreva esta expressão em coordenadas cilíndricas.

23. Represente geometricamente o sólido cuja massa pode ser calculada, em coordenadas
cilíndricas, pela expressão

∫ 2π ∫ √
3 ∫ √
10−3r2
M= (r + z)dzdrdθ.
r2
0 0 3

A seguir, reescreva esta expressão em coordenadas esféricas.

24. Escreva, em coordenadas cartesianas e em coordenadas esféricas, a integral que permite


calcular o volume do menor
sólido delimitado simultaneamente pelas superfícies x +
2
2 2 2 2 2
y + z = 16 e x + y + z = 8z.

25. Calcule o volume do sólido que está situado acima de z = 0 e que é simultaneamente
interior à esfera x + y + z = 9 e ao hiperbolóide de uma folha x + y − z = 1.
2 2 2 2 2 2

2 2
26. Considere o sólido delimitado inferiormente por z = 2x + 2y e superiormente por
x2 + y 2 + z 2 = 3. Escreva a integral que permite calcular o volume deste sólido em
coordenadas cartesianas, cilíndricas e esféricas.

27. Considere o sólido delimitado inferiormente por
√ 2z = x2 + y 2 e superiormente por

z = 6 − x2 + y 2 . Escreva a integral que permite calcular o volume deste sólido em


coordenadas cartesianas, cilíndricas e esféricas.

28. Escreva, em coordenadas cartesianas, cilíndricas e esféricas, as integrais que permitem


2
calcular a massa do sólido situado simultaneamente no interior das superfícies x +
1√ 2
y 2 + z 2 = 4z e z =1+ x + y2, sabendo que sua função densidade é f (x, y, z) =
2
2 2 2
(x + y )z
.
cos(x2 + y 2 + z 2 )

164
∫∫∫
29. Escreva I = f (x, y, z)dV, em três sistemas de coordenadas distintas, sendo S
S √
sólido situado simultaneamente no interior de x2 + y 2 + z 2 = 2z e de z = 2− x2 + y 2
x2 +y 2 +z 2
e
e f (x, y, z) = .
x+y+z
30. O volume de um sólido S é dado pela expressão


∫ 2 ∫ 4
−x2 ∫ 6−a2 x2 −a2 y 2
a a2
V = √ √ dzdydx,
0 − 4
−x2 a x2 +y 2
a2

sendo a um número real positivo.

(a) Escreva o volume do sólido usando coordenadas cilíndricas.


16π
(b) Determine o valor de a para que o volume do sólido S seja igual a
3
.

165
4.7 Respostas
1. I = − 544
15
abc
2. V = 6

3. M = 400
∫ 2∫ 2−z ∫ 4−z 2
2
4. V = dydxdz
0 0 0
∫ 4 ∫ √
4−y ∫ 2−z
2
V = dxdzdy
0 0 0
∫ 2 ∫ 4−z 2 ∫ 2−z
2
V = dxdydz
0 0 0
∫ 1 ∫ −4x2 +8x ∫ 2−2x ∫ 1 ∫ 4 ∫ √
4−y
V = dzdydx + dzdydx
0 0 0 0 −4x2 +8x 0
∫ 4 ∫ 1− 12

4−y ∫ √
4−y ∫ 4 ∫ 1 ∫ 2−2x
V = dzdxdy + √
dzdxdy
0 0 0 0 1− 12 4−y 0

∫ 2 ∫ 4−x2 ∫ 8−2z
5. V = dydzdx
0 0 0
∫ 4 ∫ 8−2z ∫ √
4−z
V = dxdydz
0 0 0

∫ 8 ∫ 8−y ∫ √
4−z
V = 2 dxdzdy
0 0 0

∫ 2 ∫ 2x2 ∫ 4−x2 ∫ 2 ∫ 8 ∫ 8−y


V = dzdydx + 2 dzdydx
0 0 0 0 2x2 0

∫ 8 ∫ √y ∫ 8 − y ∫ 8 ∫ 2 ∫ 4−x2
2
V = 2 dzdxdy + dzdxdy
√y
0 0 0 0 2
0

∫ 2 ∫ 4−x2 ∫ 6−z
6. V = dydzdx
0 0 0
∫ 1 ∫ 1−y ∫ 8−x2 −y 2
7. I= ydzdxdy
0 y−1 0

∫ 1 ∫ 1−x2 ∫ 5−z ∫ 1 ∫ √
1−z ∫ 5−z ∫ 1 ∫ 5−z ∫ √
1−z
8. I= dydzdx = √
dydxdz = √
dxdydz
−1 0 0 0 − 1−z 0 0 0 − 1−z

9. M = 44
2a2 b(3π−4)
10. V = 9

4π(8 2−7)
11. V = 3

166
32a3
12. V = 9

13. V = 3π
16a3
14. V = 3

15. V = 2

16. a=3
∫ √ ∫ √
2−x2 ∫ 4−x2 −y 2

2
4 + x2 + y 2 − z
17. M= √ √
√ dzdydx
− 2 − 2−x2 x2 +y 2 x2 + y 2
∫ ∫ √9−x2 −y2 √
∫ √
9−x2
3
9 − x2 − y 2 − z 2
18. (a) I = dzdydx

−3 − 9−x2 0 x2 + y 2 + z 2
∫ √12 ∫ √12−x2 ∫ √16−x2 −y2 √
4 − x2 − y 2 − z 2
(b) I = √ √ dzdydx−
0 0 x2 +y 2
3
x2 + y 2 + z 2
∫ 2 ∫ √4−x2 ∫ √16−x2 −y2 √
4 − x2 − y 2 − z 2
√ √ dzdydx
0 0 3x2 +3y 2 x2 + y 2 + z 2
∫ 2π ∫ √
3 ∫ √
4−r 2 ∫ 2π ∫ √
3 ∫ √
1−r 2
2
19. V = √ rdzdrdθ − √ rdzddθ
3 3
0 0 3
r 0 0 3
r
∫ 2π ∫ √
3 ∫ √
4−r 2 ∫ 2π ∫ √
3 ∫ √
4−r2
2
ou V = √
rdzdrdθ + √ √ rdzdrdθ.
3 3
0 0 1−r2 0 2 3
r
√ ) (
20. M= 16
5
8− 2
π

21. I = 13 π 2 − 41 3π
∫ 2π ∫ 1 ∫ √
5−2r2
22. M= √
dzdrdθ
0 0 3

∫ 2π ∫ π ∫ 10 ∫ 2π ∫ π ∫ 3 cos ϕ
3 cos2 ϕ+3 sin2 ϕ 2 sin2 ϕ
2
23. (sin ϕ+cos ϕ)ρ dρdϕdθ+ (sin ϕ+cos ϕ)ρ2 dρdϕdθ
π
0 0 0 0 3
0

∫ √
12 ∫ √
12−x2 ∫ √16−x2 −y2
24. Cartesianas V = √ √ √ dzdydx
− 12 − 12−x2 4− 16−x2 −y 2
∫ 2π ∫ π ∫ 4 ∫ 2π ∫ π ∫ 8 cos ϕ
3 2
2
Esféricas: V = ρ sin ϕdρdϕdθ + ρ2 sin ϕdρdϕdθ.
π
0 0 0 0 3
0

25. V = 18π − 32
3
π
∫ √
3 ∫ √ 3 −y2 ∫ √3−x2 −y2
2 4
26. Cartesianas V = √ √3 dzdydx
− 23 − 4
−y 2 2x2 +2y 2
∫ 2π ∫ √
3 ∫ √
3−r 2
2
Cilíndricas V = rdzdrdθ
0 0 r2

167
∫ 2π ∫ π ∫ 3 ∫ 2π ∫ π ∫ 1
cot ϕ csc ϕ
6 2 2
2
Esféricas: V = ρ sin ϕdzdϕdθ + ρ2 sin ϕdzdϕdθ
π
0 0 0 0 6
0

∫ ∫ √ ∫ √
4 16−x2 6− x2 +y 2
27. Cartesianas V = √ √ dzdydx
x2 +y 2
−4 − 16−x2 2
∫ 2π ∫ 4 ∫ 6−r
Cilíndricas V = rdzdrdθ
r
0 0 2

∫ ∫ ∫ 6
2π arctan 2
Esféricas V = cos ϕ + sin ϕ ρ2 sin ϕdρdϕdθ
0 0 0

∫ ∫ √ ∫ √
2 4−x2 2+ 4−x2 −y 2
(x2 + y 2 )z 2
28. Cartesianas M= √ √ cos(x2 + y 2 + z 2 )
dzdydx
−2 − 4−x2 1+ 12 x2 +y 2
∫ 2π ∫ 2 ∫ √
2+ 4−r2
r3 z 2
Cilíndricas M= dzdrdθ
0 0 1+ 21 r cos(r2 + z 2 )
∫ 2π ∫ π ∫ 4 cos ϕ
4 ρ6 sin3 ϕ cos2 ϕ
Esféricas M= 2 dρdϕdθ
0 0 cos(ρ2 )
2 cos ϕ − sin ϕ
∫ 1 ∫ √
1−x2 ∫ √ 2− x2 −y 2 2 2 2
ex +y +z
29. Cartesianas I= √ √ x+y+z
dzdydx
−1 − 1−x2 1− 1−x2 −y 2
∫ 2π ∫ 1∫ 2−r 2 2
er +z
Cilíndricas I= √
rdzdrdθ
0 0 1− 1−r 2 r cos θ + r sin θ + z
∫ ∫ π ∫ 2 2
2π 4
cos ϕ + sin ϕ eρ
Esféricas I= ρ sin ϕdρdϕdθ
0 0 0 sin ϕ cos θ + sin ϕ sin θ + cos ϕ
∫ 2π ∫ π ∫ 2 cos ϕ 2
2 eρ
+ ρ sin ϕdρdϕdθ
0 π
4
0 sin ϕ cos θ + sin ϕ sin θ + cos ϕ
∫ π ∫ a ∫ 6−a2 r 2
2 2
30. (a) rdzdrdθ (b) a=1
− π2 0 ar

168
Capítulo 5
SEQUÊNCIAS E SÉRIES

Objetivos (ao nal do capítulo espera-se que o aluno seja capaz de):

1. Reconhecer uma sequência e vericar:

(a) se é convergente ou divergente;

(b) se é crescente ou decrescente;

(c) propriedades de uma sequência.

2. Denir séries numéricas de termos positivos;

3. Encontrar a soma de séries;

4. Identicar as séries especiais: geométrica, harmônica, série-p;

5. Vericar se a série é convergente ou divergente, aplicando os critérios de convergência;

6. Analisar a convergência de séries alternadas e de sinais quaisquer;

7. Reconhecer séries absolutamente e condicionalmente convergentes;

8. Reconhecer séries de funções;

9. Encontrar o raio e o intervalo de convergência das séries de potências;

10. Desenvolver funções em séries de Taylor e Maclaurin;

11. Utilizar séries de funções na resolução de limites e integrais;

12. Resolver exercícios usando uma ferramenta tecnológica.

A prova será composta por questões que possibilitam vericar se os objetivos foram
atingidos. Portanto, esse é o roteiro para orientações de seus estudos. O modelo de formu-
lação das questões é o modelo adotado na formulação dos exercícios e no desenvolvimento
teórico desse capítulo, nessa apostila.

169
5.1 Introdução
Neste capítulo estudaremos séries innitas, as quais são somas que envolvem um número
innito de termos. As séries innitas desempenham um papel fundamental tanto na matemática
quanto na ciência. Elas são usadas, por exemplo, para aproximar funções trigonométricas
e logarítmicas, para resolver equações diferenciais, para efetuar integrais complicadas, para
criar novas funções e para construir modelos matemáticos de leis físicas (Anton, 1999).

5.2 Sequências
Na linguagem cotidiana, o termo sequência signica uma sucessão de coisas em uma ordem
determinada ordem cronológica, de tamanho, ou lógica, por exemplo. Em matemática o
termo sequência é usado comumente para denotar uma sucessão de números cuja ordem é
determinada por uma lei ou função.

Estudaremos um tipo especial de função denida nos números naturais N = {1, 2, 3, 4, · · · }

com imagem em R. Isto é, estudaremos a função f : N → R quanto ao limite e suas pro-

priedades quando n → ∞. A função f : N → R denida por f (n) =
n
é um exemplo de
2n+1
sequência. O conjunto composto pelos pares ordenados (n, f (n)), dado por

I = {(1, f (1)), (2, f (2)), (3, f (3)), · · · , (n, f (n)), · · · }

ou { }
1 2 3 n
I = (1, ), (2, ), (3, ), · · · , (n, ), · · ·
3 5 7 2n + 1
é denominado conjunto dos termos da sequência f (n).
Geralmente, o conjunto I é escrito

de forma simplicada. Isto é, I é representado pelas imagens de n ∈ N de forma que a
posição que determinada imagem de f ocupa no conjunto dos termos da sequência f (n) é

determinada pelo elemento n ∈ N , ou seja,

{ }
1 2 3 4 5 n
I = {f (1), f (2), f (3), · · · , f (n), · · · } = , , , , ,··· , ,··· .
3 5 7 9 11 2n + 1
5
Podemos observar que o termo é imagem de n = 5, pois ocupa a quinta posição no
11
n
conjunto dos termos. O termo f (n) = é denominado termo geral da sequência. A
2n+1
n n
forma usual de representar o termo geral de uma sequência é un = ou xn = ou
2n+1 2n+1
n
yn = 2n+1 etc. Passaremos agora à denição formal de sequência. Nesse caso, temos o
conjunto I = {u1 , u2 , u3 , · · · , un , · · · }.

DEFINIÇÃO 5.2.1 Sejam N∗ = {1, 2, 3, 4, · · · } o conjunto dos naturais, R a reta real. De-
nominamos a aplicação un : N∗ → R de uma sequência numérica.

EXEMPLO 5.2.2 Para melhor compreensão, vamos supor que o crescimento diário de uma

linhagem de suínos é dada em função do crescimento total pela sequência un = n+13 n


onde
n corresponde ao número de dias de vida do suíno e lim un o tamanho de um suíno adulto.
{ } n→∞
Assim, o conjunto 141 , 152 , 163 , 174 , 185 , · · · , n+13
n
, · · · representa o tamanho diário do suíno em
relação ao tamanho nal.

Gracamente podemos observar a curva de crescimento, cujo limite é representado pela


assíntota y=1 (Figura 5.1).

170
Figura 5.1: Crescimento da linhagem de suínos

Como podemos observar a assíntota y=1 representa o limite de crescimento do suíno.


Isso signica que podemos levantar questões como por exemplo, qual o número mínimo de
dias que o suíno deve car em tratamento para atingir, pelo menos, 80% de seu tamanho
nal?
No Figura 5.2 podemos observar uma estimativa em torno de 50 dias.

Figura 5.2: Estimativa para obter 80 por cento do tamanho nal

A questão agora é: como fazer uma estimativa em termos matemáticos? A resposta será
dada pela denição de limite de uma sequência.

5.2.3 Limite de uma Sequência


DEFINIÇÃO 5.2.4 Seja un uma sequência, dizemos que o número a é limite de un quando
n tende para o innito se, dado ε > 0 podemos encontrar K > 0 tal que para todo n > K
vale a desigualdade |un − a| < ε.

EXEMPLO Dada a sequência un : N∗ → R denida no Exemplo 5.2.2 por un =


5.2.5
n
n+13
,
vamos mostrar que lim un = 1.

Solução: Devemos mostrar que, dado ε > 0 podemos encontrar K > 0 tal que para todo
n>K vale a desigualdade |un − a| < ε. Agora,


n n − n − 13 13

|un − 1| =
− 1 = = < ε.
n + 13 n + 13 n + 13

171
De modo que podemos escrever

13 13 − 13ε
<ε ⇒ 13 < nε + 13ε ⇒ < n.
n + 13 ε
13−13ε
Consequentemente, podemos tomar
ε
K=
e a Denição 5.2.4 estará satisfeita.
Comparando os dados do Exemplo 5.2.2 com a Denição 5.2.4 concluímos que ε = 0, 2
representa a diferença entre o crescimento almejado e o crescimento total dos suínos. Por
outro lado, K é o número mínimo de dias que os suínos devem permanecer em tratamento
para atingir, pelo menos, 80% de seu crescimento total.

EXEMPLO Determine o número mínimo de dias que um lote de suínos, cujo crescimento
5.2.6

é dado pela sequência un = n+13


n
deve permanecer em tratamento para atingir, respectiva-
mente, 80%, 90% e 95% do seu tamanho nal.
Solução: No Exemplo 5.2.5 concluímos que dado ε>0 podemos tomar K= 13−13ε
ε
. Como
para 80%, 90% e 95% do tamanho nal os valores de ε são respectivamente 0.2, 0.1 e
0.05 temos, respectivamente, o número mínimo de dias é dado por

13 − 13ε 13 − 13 · 0, 2
(a) K= = = 52 dias
ε 0, 2
13 − 13ε 13 − 13 · 0, 1
(b) K = = = 117 dias
ε 0, 1
13 − 13ε 13 − 13 · 0, 05
(c) K = = = 247 dias
ε 0, 05
Outra conclusão que podemos tirar é que, a partir de um determinado tempo, a variação
do crescimento é muito pequena em relação à quantidade de ração que o suíno consome.
Portanto, o produtor deve estimar o tempo mínimo de tratamento em dias para obter o
máximo de lucro.

5.2.7 Sequências Convergentes


DEFINIÇÃO 5.2.8 Seja un uma sequência. Dizemos que un é convergente se, e somente se,
lim un = L para algum L ∈ R.
n→∞

Se un não for convergente, diremos que un é divergente.


EXEMPLO 5.2.9 A sequência un = 2n+3
3n+5
é convergente, pois lim un = lim 2n+3
= 23 .
n→∞ n→∞ 3n+5

EXEMPLO 5.2.10 Determine se a sequência un = 14 n2 − 1 converge ou diverge.


Solução: lim un = lim 14 n2
A sequência dada é tal que
n→∞ n→∞
− 1 = ∞.
Como o limite de un não existe, a sequência diverge.

TEOREMA 5.2.11 Seja un : N∗ → R uma sequência em R tal que lim un existe, então
n→∞
este limite é único.
DEMONSTRAÇÃO: Suponhamos que un : N∗ → R é uma sequência em R tal que lim un
n→∞
existe e suponhamos que a e b, com a ̸= b, são limites dessa sequência. Então dado ε > 0
podemos encontrar K1 > 0 e K2 > 0 tal que para todo n > K1 tenhamos |un − a| <
ε
e
2
para todo n > K2 tenhamos |un − b| < . Agora seja K = max{K1 , K2 }. Então podemos
ε
2
escrever, para todo n > K

172
|a − b| = |a − un + un − b| = |−(un − a) − (un − b)|
≤ |un − a| + |un − b| < 2ε + 2ε = ε.

Como a e b são constantes, teremos |a − b| < ε para todo ε > 0 se, e somente se
|a − b| = 0, isto é, se a = b. Logo, o limite de un , se existe, é único.

5.3 Subsequências
DEFINIÇÃO 5.3.1 Seja un : N∗ → R uma sequência. Seja N ′ = {n1 < n2 < n3 < · · · <
nk < · · · } um subconjunto innito de N∗ , então unk = un N ′ : N∗ → R é dita uma subse-
quência de un .

EXEMPLO 5.3.2 Seja un : N∗ → R uma sequência dada por un = n12 . Seja N ′ = {1, 3, 5, 7, · · · } ⊂
N∗ . Então a sequência unk : N ′ → R é uma subsequência de un . Os termos da sequência são
{1, 41 , 19 , 16 , 25 , 36 , 49 , · · · } e os termos da subsequência são {1, 91 , 25
1 1 1 1
, 49 , · · · }.
1 1

TEOREMA 5.3.3 Se uma sequência converge para L, então todas suas subsequências tam-
bém convergem para L.

DEMONSTRAÇÃO: Suponhamos que un : N∗ → R é uma sequência tal que lim un = L. Assim,


n→∞
dado ε > 0, existe K > 0 tal que para todo n > K é válida a desigualdade |un − L| < ε.
′ ′
Agora, se unk : N → R é uma subsequência de un , onde N = {n1 < n2 < · · · < nk < · · · }

é um conjunto innito, temos que, para cada ε > 0, existe um k0 ∈ N tal que nk0 > K e
então, para k > k0 temos que nk > nk0 > K e assim |unk − L| < ε, o que prova que unk
também converge para L, como queríamos demonstrar.

EXEMPLO A sequência un = (−1)n é divergente, pois admite subsequências que con-


5.3.4

vergem para valores diferentes, contrariando o teorema anterior. De fato, a subsequência de


índices pares, dada por u2n = (−1)2n = 1 converge para L1 = 1, enquanto que sua subse-
quência de índices ímpares, dada por un = (−1)2n+1 = −1 converge para L2 = −1. Como os
limites das subsequências são diferentes, a sequência diverge.

5.4 Sequência Limitada


DEFINIÇÃO 5.4.1 Seja un : N∗ → R uma sequência em R. Dizemos que un é limitada se
o conjunto {u1 , u2 , u3 , · · · , un · · · } for limitado, ou seja, se existirem k1 e k2 ∈ R tais que
k1 ≤ un ≤ k2 para todo n ∈ N∗ .

TEOREMA 5.4.2 Seja un : N∗ → R uma sequência convergente em R, então un é limitada.

DEMONSTRAÇÃO: Suponhamos que un : N ∗ → R é uma sequência convergente em R e


suponhamos que a é limite dessa sequência. Então, dado ε = 1, podemos encontrar K > 0,
tal que para todo n > K tenhamos |un − a| < 1. Assim, para todo n > K, temos un ∈
B(a, 1). Como o conjunto {u1 , u2 , u3 , · · · , uK } é nito, logo admite um valor máximo, seja
M = max u1 , u2 , · · · , uK , segue que {u1 , u2 , u3 , · · · , un−1 , un , · · · } ⊂ B(a, 1) ∪ B(0, M ). Logo,
un é limitada.

OBSERVAÇÃO A recíproca desse teorema não é verdadeira. Por exemplo, un = (−1)n é


5.4.3

limitada, com −1 ≤ un ≤ 1, mas un não é convergente.

173
5.5 Sequências Numéricas Monótonas
Neste parágrafo analisaremos algumas propriedades das sequências em R.

DEFINIÇÃO 5.5.1 Seja un uma sequência de valores reais. Dizemos que un é


• não-decrescente se un+1 ≥ un para todo n ∈ N∗ ;

• crescente se un+1 > un para todo n ∈ N∗ ;

• não-crescente se un ≥ un+1 para todo n ∈ N∗ ;

• decrescente se un > un+1 para todo n ∈ N∗ .

DEFINIÇÃO 5.5.2 Seja un uma sequência de valores reais. Então un é denominada monó-
tona se pertencer a um dos tipos descritos na Denição 5.5.1.

EXEMPLO 5.5.3 Mostre que a sequência un = n+1


n2 +2
é monótona.

Solução: Devemos mostrar que un pertence a um dos tipos descritos na Denição 5.5.1.

2 +2 e un+1 = (n+1)2 +2 = n2 +2n+3 . Vericaremos se un+1 ≤ un


(n+1)+1
Temos que un = nn+1 n+2

n+2 n+1

n2+ 2n + 3 n2 + 2
⇔ (n + 2)(n + 2)
2
≤ (n + 1)(n2 + 2n + 3)
⇔ n3 + 2n2 + 2n + 4 ≤ n3 + 3n2 + 5n + 3
⇔1 ≤ n2 + 3n.
n+1
A última desigualdade é verdadeira para todo n. Logo, un = n2 +2
é decrescente e, assim,
monótona.

DEFINIÇÃO 5.5.4 Sejam un uma sequência numérica, C e K dois números reais. Dizemos
que C é limitante inferior de un se C ≤ un para todo n e que K é limitante superior de un
se K ≥ un para todo n.

EXEMPLO Consideremos a sequência monótona decrescente un = nn+1


5.5.5 2 +2 cujos termos são

, , , , · · · e cujo limite é L = 0. Então, todo número real C ≤ 0 é limitante inferior de


2 3 4 5
3 6 11 18
un e todo K ≥ 23 é limitante superior de un , pois un < u1 = 23 .

DEFINIÇÃO 5.5.6 Seja un uma sequência numérica que possui limitantes inferiores e supe-
riores, então un é dita sequência limitada.

OBSERVAÇÃO Note que uma sequência, para ser limitada, não precisa ter limite. Por
5.5.7

exemplo, un = (−1)n não tem limite, mas é limitada.

TEOREMA 5.5.8 Toda sequência monótona limitada em R é convergente.

TEOREMA 5.5.9 Sejam un e yn sequências numéricas em R tais que lim un = a e


n→∞
lim yn = b. Então são válidas as armações:
n→∞

(i) lim c = c;
n→∞

174
(ii) lim cun = ca;
n→∞

(iii) lim (un ± yn ) = a ± b;


n→∞

(iv) lim un yn = ab;


n→∞

(v) Se b ̸= 0 e yn ̸= 0 então n→∞


lim uy n
n
= ab ;

(vi) lim ck
n→∞ n
= 0, se k é uma constante positiva.

5.6 Séries Numéricas


DEFINIÇÃO 5.6.1 Seja un : N∗ → R uma sequência numérica. Denominamos série innita
à soma de todos os innitos termos dessa sequência, ou seja, uma série é uma expressão da
forma


un = u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · · .
n=1
A sequência un , cujos innitos termos são somados, é chamada de termo geral ou n−ésimo
termo da série.
Questões pertinentes no estudo de séries são: Como se determina o resultado de uma
soma innita? Toda série possui uma soma nita?
Passaremos a responder tais questões no desenvolvimento do restante deste capítulo. No
entanto, estaremos muito mais preocupados com o fato de determinar se uma série innita
possui ou não uma soma nita do que propriamente encontrar o valor desta soma.
Começaremos com o conceito de somas parciais de uma série.


DEFINIÇÃO 5.6.2 Seja un uma série. A soma dos primeiros k termos desta série, dada
n=1
por

k
Sk = u n = u1 + u2 + u 3 + · · · + uk
n=1
é denominada soma parcial da série dada.
Note que as somas

S1 = u1
S2 = u1 + u2 = S 1 + u2
S3 = u1 + u2 + u3 = S 2 + u3
···
Sk = Sk−1 + uk
formam uma sequência, chamada de sequência de somas parciais. Se esta sequência
convergir, ou seja, se existir S tal que lim Sk = S, dizemos que a série dada converge para
k→∞


S e denotaremos un = S.
n=1
Se não existir tal S, diremos que a série diverge, signicando que não podemos obter
um valor nito para a soma das innitas parcelas da série.
Para melhor entendimento, vamos considerar e analisar um exemplo.

175
EXEMPLO 5.6.3 Durante o tempo que permanecer na universidade, um estudante da Udesc
deverá receber uma mesada de seu pai, em unidades monetárias, que obdedece à sequência
20000
un = , onde n corresponde ao número da parcela a ser recebida. Pergunta-se
n(n + 1)
(i) Qual o montante que o estudante deverá receber até o nal da faculdade, supondo que ele
conclua o curso em 60 meses?
(ii) No caso do estudante permanecer na universidade indenidamente, como cará o mon-
tante recebido?
Solução: As parcelas mensais recebidas pelo estudante são dadas pela sequência que des-
creve o valor da mesada, que são

10000 5000 2000 10000 2500


10000, , , 1000, , , , ···
3 3 3 21 7
Para responder a primeira pergunta, vamos escrever o problema no formato de uma série
innita, isto é,

∑∞
20000 10000 5000 2000 10000 2500
= 10000 + + + 1000 + + + + ···
n=1
n(n + 1) 3 3 3 21 7

Os primeiros termos das somas parciais desta série são dadas por

S1 = u1 = 10000,
40000
S 2 = S 1 + u2 = ,
3
S3 = S2 + u3 = 15000,
S4 = S3 + u4 = 16000

Agora, precisamos determinar uma expressão para o termo geral desta soma. Para isso,
reescrevemos o termo geral da série usando decomposição em frações parciais, tomando

20000 A B A (n + 1) + Bn A + (A + B)n
= + = =
n(n + 1) n n+1 n(n + 1) n(n + 1)
e obtendo que
{
A = 20000
⇒ A = 20000 e B = −20000.
A+B =0
Desse modo a série dada pode ser reescrita como

∑∞ ∑∞ ( )
20000 20000 20000
= −
n=1
n(n + 1) n=1
n n+1

e a soma dos seus k−primeiros termos é dada por


( ) ( ) ( )
20000 20000 20000 20000 20000
Sk = 20000 − + − + ··· + −
2 2 3 k k+1

e como podemos simplicar alguns termos intermediários, obtemos que

20000
Sk = 20000 − ,
k+1

176
ou seja,
20000k
Sk = .
k+1
O leitor poderá vericar que as somas parciais determinadas anteriormente correspondem
às fornecidas por esta expressão.
Como a solução para a questão (i) do exemplo corresponde à sexagésima soma, temos
que
20000 · 60
S60 = = 19672.
61
Desse modo, após 60 meses, o estudante terá recebido um montante de 19672 unidades
monetárias.
Passaremos agora a responder a segunda questão. Na Figura 5.3 podemos ver o compor-
tamento para o crescimento da soma da série.

Sk

k
Figura 5.3: Estimativa para o crescimento da série

Portanto, se o estudante car indenidamente na universidade, observando o gráco,


podemos armar que não receberia mais do que 20000 unidades monetárias. Isso signica
que a soma da série tem limite 20000 quando a quantidade de parcelas tende para innito,
ou seja,
20000k
lim Sk = lim = 20000.
k→∞ k→∞ k + 1

Em outras palavras, a série converge para 20000 e podemos escrever

∑∞
20000
= 20000.
n=1
n(n + 1)

Como vimos acima, a soma de uma série innita é obtida pelo limite da sua sequência de
somas parciais. Assim, denimos o limite de uma série do mesmo modo com que foi denido
o limite de uma sequência.

5.6.4 Soma de uma Série




DEFINIÇÃO 5.6.5 Seja un uma série cuja sequência de somas parciais é Sk . Dizemos
n=1


que o número S é a soma da série, denotando S = un , se S for o limite de Sk quando k
n=1
tender para o innito, ou seja, se dado ε > 0 pudermos encontrar N0 > 0 tal que, para todo
k > N0 vale a desigualdade |Sk − S| < ε.

177
∑∞ 20000
EXEMPLO 5.6.6 Considere a série obtida no Exemplo 5.6.3, dada por . Mostre
n=1 n(n + 1)
∑∞ 20000
que = 20000.
n=1 n(n + 1)

Solução: Como vimos acima, a sequência de somas parciais da série dada é Sk =


20000k
k+1
.
20000k
Devemos então mostrar que lim = 20000, ou seja, que dado ε > 0 podemos encontrar
k→∞ k+1
N0 > 0 tal que para, se k > N0 então |Sk − 20000| < ε. Como

20000k 20000k − 20000k − 20000 −20000
|Sk − 20000| = − 20000 = =
k+1

k+1 k+1
temos que a desigualdade desejada será válida se

20000 20000 − ε
< ε ⇒ 20000 < kε + ε ⇒ < k.
k+1 ε
20000 − ε
Consequentemente, podemos tomar N0 = e a Denição 5.6.1 estará satisfeita.
ε
Suponhamos que se deseja saber a partir de qual parcela a diferença entre o montante
e o total a receber será menor do que 300 u.m.. Para obter a resposta tomamos ε = 300 e
20000 − 300
obteremos N0 = = 65, 667. Isso signica que em todas as parcelas, a partir da
300
sexagésima sexta, a diferença entre o montante e o limite é menor do que 300 u.m..
Suponhamos que se deseja saber a partir de qual parcela a diferença entre o montante
e o limite é menor do que 200 u.m.. Para obter a resposta tomamos ε = 200 e obteremos
20000 − 200
N0 = = 99. Isso signica que em todas as parcelas, a partir da parcela de
200
número 99, a diferença entre o montante e o limite é menor do que 100 u.m..

5.6.7 Séries Convergentes




DEFINIÇÃO 5.6.8 Seja un uma série e seja Sk a soma parcial dos termos dessa série.
n=1


Dizemos que un é convergente se lim Sk existe. Caso contrário, dizemos que a série é
n=1 k→∞
divergente.


EXEMPLO 5.6.9 A série 20000
n(n+1)
do Exemplo 5.6.3 é convergente pois
n=1

20000k
lim Sk = lim = 20000.
k→∞ n→∞ k + 1

∑∞ 2n
EXEMPLO 5.6.10 Determine se a série n−1
é convergente ou divergente.
n=1 5

Solução: Devemos vericar se a sequência de somas parciais desta série tem limite. Todas
as séries que apresentam esse modelo (séries geométricas) podem ser resolvidas conforme o
modelo que segue.
(i) Escrevemos a soma dos k primeiros termos:

22 23 24 2k
Sk = 2 + + 2 + 3 + · · · + k−1
5 5 5 5
178
2
(ii) Multiplicamos Sk por
5

2 22 23 24 2k 2k+1
Sk = + 2 + 3 + · · · + k−1 + k
5 5 5 5 5 5
(iii) Tomamos a diferença entre os resultados de (i) e (ii), obtendo

( ) ( )
2 22 23 2k 22 23 2k 2k+1
Sk − Sk = 2+ + 2 + · · · + k−1 − + 2 + · · · + k−1 + k
5 5 5 5 5 5 5 5
ou seja,
3 2k+1
Sk = 2 − k
5 5
ou ainda,
( )k
10 5 2k+1 10 10 2
Sk = − k
= −
3 3 5 3 3 5
2
e como < 1, temos que a
5
( )k
10 10 2 10
S = lim Sk = lim − = .
k→∞ k→∞ 3 3 5 3
∑∞ 2n 10
Consequentemente, a série
n−1
converge para .
n=1 5 3


−4
EXEMPLO 5.6.11 Encontre o termo geral da sequência de somas parciais da série .
n=1
(2n + 3)(2n − 1)
A seguir, determine se a série converge ou diverge, obtendo o valor de sua soma, se possível.


−4 1 1
Solução: Note que = − , assim temos que
n=1
(2n + 3)(2n − 1) 2n + 3 2n − 1


∞ ∑ ∞ ( )
−4 1 1
= − .
n=1
(2n + 3)(2n − 1) n=1 2n + 3 2n − 1

Logo, a sequência das somas parciais é:

k (
∑ )
1 1
Sk = −
2n + 3 2n − 1
(
n=1
) ( ) ( ) ( )
1 1 1 1 1 1 1
= −1 + − + − + − + ··· +
5 7 3 9 5 11 7
( ) ( ) ( )
1 1 1 1 1 1
+··· + − + − + −
2k − 1 2k − 5 2k + 1 2k − 3 2k + 3 2k − 1
1 1 1
= −1 − + +
3 2k + 1 2k + 3
4 1
Portanto, o termo geral da sequência de somas parciais da série dada é Sk = − + +
3 2k + 1
1
.
2k + 3

179
Por denição a série converge se lim Sk existe e a soma da série é o valor do limite.
k→∞
Como ( )
4 1 1 4
lim Sk = lim − + + =− .
k→∞ k→∞ 3 2k + 1 2k + 3 3
A série dada converge e sua soma é S = − 43 .

Observações:
1. Uma das propriedades das séries innitas é que a convergência ou divergência não
é afetada se subtrairmos ou adicionarmos um número nito de termos a elas. Por
exemplo, se no Exemplo 5.6.3 o estudante só começasse a receber a primeira parcela
∑∞
20000
após 5 meses, a série seria escrita com n=6 no primeiro termo, ou seja, ,
n=6
n(n + 1)
e a soma seria S = 20000 − S5 . Se por outro lado, o seu pai decidisse nos primeiros 10
meses dar uma mesada xa de 2000u.m. por mês e iniciar o pagamento com n=1 no
20000k
décimo primeiro mês, a soma seria S = 2000(10) + lim . Em ambos os casos a
k→∞ k + 1
série continuará convergente.


∞ ∑
∞ ∑

2. Se a série un é convergente e a série yn (un + yn ) é
é divergente, então a série
n=1 n=1 n=1
∑∞ ∑∞ ∑∞
divergente. No entanto, se as séries un e yn são divergentes, a série (un + yn )
n=1 n=1 n=1
pode ser convergente ou divergente.



3. Se un é uma série convergente de termos positivos, seus termos podem ser reagru-
n=1
pados de qualquer modo e a série resultante também será convergente e terá a mesma
soma que a série dada.



TEOREMA 5.6.12 Seja un uma série e α ∈ N∗ . Se a série
n=1



un = uα + uα+1 + uα+2 + · · ·
n=α

for convergente, então a série




un = u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · ·
n=1

também será convergente.




DEMONSTRAÇÃO: Supondo que a série un é convergente, temos que ela possui uma soma.
n=α
Seja Sk−α o termo geral da sequência de suas somas parciais, tal que S = lim Sk−α e seja
k→∞
∑∞
Sα = u1 + u2 + u3 + · · · + uα . Desse modo, o termo geral da soma parcial da série un será
n=1
Sk = Sα + Sk−α e, portanto, lim Sk = lim Sα + lim Sk−α , donde segue que lim Sk = Sα + S.
k→∞ k→∞ k→∞ k→∞
∑∞
Consequentemente, un é convergente.
n=1

180
Propriedades
Sejam


un = u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · ·
n=1
e


yn = y1 + y2 + y3 + · · · + yk + · · ·
n=1

duas séries que convergem para S e S ′, respectivamente, então são válidas as seguintes
propriedades.


∞ ∑
∞ ∑

(i) kun = k un para todo k ∈ R, ou seja, a série kun converge para kS.
n=1 n=1 n=1


∞ ∑
∞ ∑
∞ ∑

(ii) (un ± yn ) = un ± yn , ou seja, a série (un ± yn ) converge para S + S ′.
n=1 n=1 n=1 n=1

5.7 Condição necessária para Convergência


Não existe uma regra geral para vericar se uma série é convergente ou não. Como veremos
nos próximos itens, há critérios que dão respostas a tipos particulares de séries. Porém,
vericando se uma série não possui a condição necessária para convergência, saberemos que
ela não é convergente. Essa condição, é dada pelo teorema abaixo.



TEOREMA 5.7.1 Se un é uma série convergente, então lim un = 0.
n→∞
n=1



DEMONSTRAÇÃO: Suponhamos que a série un converge para S, então podemos armar
n=1
que lim Sk = S, de modo que, pela Denição 5.6.8, dado ε > 0 podemos encontrar N0 > 0
k→∞
tal que para todo k > N0 vale a desigualdade |Sk − S| < ε
2
e |Sk−1 − S| < ε
2
. Como
Sk = Sk−1 + uk , temos que uk = Sk − Sk−1 e assim,

|uk − 0| = |Sk − Sk−1 − 0|


= |Sk − S + S − Sk−1 |
= |(Sk − S) + (S − Sk−1 )|
= |Sk − S| + |S − Sk−1 |
≤ |Sk − S| + |Sk−1 − S|
ε ε
< + = ε.
2 2
lim uk = 0.
Assim, pela Denição 5.2.4, segue que
k→∞
Uma consequência muito importante desse teorema é o corolário a seguir.


∞ ∑

COROLÁRIO 5.7.2 Seja un uma série tal que lim un ̸= 0, então
n→∞
un é divergente.
n=1 n=1



EXEMPLO 5.7.3 A série 2n+2
3n+5
é divergente já que lim un = lim 2n+2
= 2
̸= 0.
n=1 n→∞ n→∞ 3n+5 3

181


EXEMPLO 5.7.4 A série 1
n
é tal que lim un = lim 1
= 0, isto é, possui a condição
n=1 n→∞ n→∞ n
necessária para convergência. No entanto, não podemos, sem aplicar outros testes de con-
vergência, armar se ela é convergente ou divergente.
OBSERVAÇÃO 5.7.5 Portanto quem atentos, se o lim un ̸= 0 prova-se que a série é diver-
n→∞
gente. Mas, se lim un = 0 a série pode convergir ou divergir, para isso necessitamos estudar
n→∞
critérios para fazer tal vericação.
Veremos, na sequência, alguns resultados que permitem vericar se uma série é conver-
gente ou divergente

5.8 Séries Especiais

5.8.1 Série harmônica


∑∞ 1
DEFINIÇÃO 5.8.2 A série é denominada série harmônica.
n=1 n

A série harmônica é uma das séries mais importantes da matemática. Seu nome surge
em conexão com os sons harmônicos produzidos pela vibração de uma corda musical.
A série harmônica, embora possua a condição necessária para convergência, é uma série
divergente. A divergência da série harmônica não é trivial. Sua lenta divergência se tornará
evidente quando examinarmos suas somas parciais com maior detalhe. Na verdade, vamos
mostrar que a sequência de somas parciais Sn da série harmônica não converge, pois admite
subsequências divergentes. Para isso, vamos considerar as somas S2 , S4 , S8 , S16 , S32 , · · · cujos
índices são sempre potências de 2, formando a subsequência S2n de Sn . Temos que
1 1 1 2
S21 = S2 = 1 + > + =
2 2 2 2( )
1 1 1 1 1 3
S22 = S4 = S2 + + > S 2 + + = S2 + >
3 4 4 4 2 2
( )
1 1 1 1 1 1 1 1 1 4
S23 = S8 = S 4 + + + + > S4 + + + + = S4 + >
5 6 7 8 8 8 8 8 2 2
1 1 1 1 1 1 1 1
S24 = S16 = S8 + + + + + + + +
(9 10 11 12 13 14 15 16 )
1 1 1 1 1 1 1 1 1 5
> S8 + + + + + + + + = S8 + >
16 16 16 16 16 16 16 16 2 2
n+1
e assim sucessivamente, de forma que podemos intuir que S2 n > para todo n ∈ N∗ .
2
Desta forma, temos que
n+1
lim S2n ≥ lim = ∞,
n→∞ n→∞ 2
o que nos diz que S2n é uma subsequência divergente de Sn . Com isso, temos que Sn também
diverge, pois do contrário iríamos contrariar o Teorema 5.3.3. Como a sequência de somas
parciais da série harmônica diverge, concluímos que a própria série harmônica diverge.
Vejamos algumas somas parciais da série harmônica, obtidas com auxílio do MAPLE 6,
que nos mostra a forma lenta com a qual a soma da série tende ao innito.

S10 = 2, 9289 S100 = 5, 1873 S1000 = 7, 485


Sum milhão = 14, 392 Sum bilhão = 21, 300 Sum trlhão = 28, 208.

182
5.8.3 Série geométrica


DEFINIÇÃO 5.8.4 Denominamos série geométrica à toda série da forma a1 q n−1 , onde q
n=1
é denominada razão.

EXEMPLO 5.8.5 Encontre a soma da série geométrica e estude sua convergência.

Solução: Consideremos a série geométrica



a1 q n−1 = a1 + a1 q + aq 2 + · · · + a1 q n−1 + · · ·
n=1

e a soma dos seus n−primeiros termos, dada por

Sn = a1 + a1 q + aq 2 + · · · + a1 q n−1 .

Multiplicando ambos os lados dessa igualdade pela razão q obtemos

qSn = a1 q + a1 q 2 + a1 q 3 + · · · + a1 q n

e tomando a diferença entre as duas últimas expressões, obtemos

qSn − Sn = (a1 q + a1 q 2 + a1 q 3 + · · · + a1 q n ) − (a1 + a1 q + aq 2 + · · · + a1 q n−1 ) ,

(q − 1)Sn = a1 q n − a1 = a1 (q n − 1),

a1 (q n − 1)
Sn = .
(q − 1)
Para estudar a convergência dessa série devemos considerar três casos:

a1 (q n − 1)
(I) Se q=1 então lim Sn = lim =∞ e a série é divergente. Se q = −1 então
n→∞ n→∞ (q − 1)
Sn tem dois valores para o limite e, portanto, a série é divergente.

a1 (q n − 1)
(II) Se |q| > 1 então lim Sn = lim =∞ e a série é divergente.
n→∞ n→∞ (q − 1)

a1 (q n − 1) a1 q n −a1 −a1
(III) Se |q| < 1 então lim Sn = lim = lim + lim = e a
n→∞ n→∞ (q − 1) n→∞ q − 1 (q − 1) (q − 1)
série é convergente.

Conclusão: Uma série geométrica é divergente se |q| ≥ 1 e é convergente se



∞ a1
|q| < 1. Quando |q| < 1 ainda temos que a1 q n−1 = .
n=1 1−q
∞ ( )
∑ 2 n
EXEMPLO 5.8.6 A série 3
é convergente, pois sua razão é q = 2
3
< 1. Já a série
n=1
∞ ( )
∑ 3 n
2
é divergente pois sua razão é q = 3
2
> 1.
n=1

183
5.9 Critérios de Convergência de Séries
Quando conhecemos o termo geral da soma de uma série, é fácil fazer a vericação da
convergência. Podemos vericar se uma série converge usando critérios para convergência
que passaremos a estudar a seguir.

5.9.1 Critério da integral




TEOREMA 5.9.2 Seja un uma série tal que un+1 ≤ un para todo n ∈ N∗ . Seja f (x)
n=1
uma função positiva, contínua
∫ e decrescente no intervalo [1, ∞) tal que f (n) = un para todo



n ∈ N∗ . Então, se a integral f (x) dx convergir, a série un também será convergente.
1 n=1
Se a integral divergir, a série também será divergente.

A demonstração deste teorema poderá ser estudada em qualquer um dos livros constantes
na bibliograa.

EXEMPLO 5.9.3 Verique as hipóteses do teste da integral e utilize-o, se possível, para analisar


a convergência da série ne−n .
n=1

Solução: Considere a função f (x) = xe−x ,


obviamente f (x) é contínua e positiva para
x ≥ 1. Falta vericar que é decrescente. Usando o teste da primeira derivada temos que
f ′ (x) = e−x (1 − x) e f ′ (x) < 0 para todo x > 1, em x = 1 função apresenta um máximo
local, então f (x) é decrescente para todo x ≥ 1. Como as hipóteses do teste da integral estão
∑∞
vericadas podemos utilizá-lo para estudar a convergência da série ne−n .



n=1
∫ ∞
−n
O teste da integral arma que a série ne converge se, a integral I = xe−x dx
n=1 1
converge e a série diverge se a integral divergir.
Assim,

∫ ∞ ∫ b
−x
I = xe dx = lim xe−x dx
b→+∞
1
 b ∫
1

b

= lim −xe−x + e−x dx
b→+∞ 1
1
( )
( −b −1 −b −1
) 2 b 1 2
= lim −be + e − e + e = + lim − b − b = .
b→+∞ e b→+∞ e e e



Como a integral imprópria converge, pelo teste da integral a série ne−n também converge.
n=1

5.9.4 Série p ou Série Hiper-harmônica


∑∞ 1
DEFINIÇÃO 5.9.5 Denominamos série p todas as séries escritas na forma p
, onde p é
n=1 n
uma constante positiva.

184
Vamos utilizar o Teorema 5.9.2 para estudar a convergência da série p.
∑∞ 1 1 1 1 1
EXEMPLO 5.9.6 Estude a convergência da série p
= 1+ p + p + p +···+ p +··· .
n=1 n 2 3 4 n
1
Solução: Considerando f (x) = , temos que f é positiva, contínua e decrescente, satis-
xp
fazendo todas as condições do Teorema 5.9.2, de modo que podemos tomar a integral
∫ ∞ ∫ n
1 1
dx = lim dx.
1 xp n→∞ 1 xp
Temos três casos a considerar:

(i) Se p=1 teremos que

∫ ∫ n
∞ n
1 1
dx = lim dx = lim ln x = lim (ln n − ln 1) = ∞.
1 x n→∞ 1 x n→∞ n→∞
1

∞ 1 ∑∞ 1
Consequentemente, quando p=1, a série p
= é divergente. Note que neste
n=1 n n=1 n
caso, temos a série harmônica.

(ii) Se p<1 teremos que 1−p>0 e assim

∫ ∫ n ( 1−p )

1 n
1 x1−p n 1
dx = lim dx = lim = lim − = ∞.
1 xp n→∞ 1 xp n→∞ 1 − p n→∞ 1−p 1−p
1

∞ 1
Consequentemente, se p<1, a série p
é divergente.
n=1 n

(iii) Se p>1 teremos que 1−p<0 e assim

∫ ∫ n ( 1−p )

1 n
1 x1−p n 1 −1
dx = lim dx = lim = lim − = .
1 xp n→∞ 1 xp n→∞ 1 − p n→∞ 1−p 1−p 1−p
1

∞ 1
Consequentemente, se p>1 a série p
é convergente.
n=1 n

EXEMPLO 5.9.7 As séries abaixo são exemplos de séries p.


∑∞ 1
(a) 9
convergente, pois é uma série-p com p = 9 > 1.
n=1 n

∑∞ 1
(b) √ divergente, pois é uma série-p com p = 1
2
< 1.
n=1 n

185
5.9.8 Critério da comparação

∞ ∑

TEOREMA 5.9.9 Seja un uma série e seja yn uma série cuja convergência queremos
n=1 n=1
estudar, então:

∞ ∑

(i) Se un for uma série convergente e 0 ≤ yn ≤ un para todo n, então a série yn é
n=1 n=1
convergente.

∞ ∑

(ii) Se un for uma série divergente e yn ≥ un ≥ 0 para todo n, então a série yn é
n=1 n=1
divergente.

∞ ∑

DEMONSTRAÇÃO: (i) Sejam un uma série convergente e yn uma série tal que 0 ≤ yn ≤
n=1 n=1


un para todo n. Como un é uma série convergente, a sequência de suas somas parciais Sn
n=1
tem limite L, de modo que u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · · < L. Como 0 ≤ yn ≤ un para todo
n, segue que

0 ≤ y1 + y2 + y3 + · · · + yk + · · · ≤ u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · · < L.


Consequentemente, a sequência de somas parciais de yn é limitada e, além disso,
n=1


monótona. Logo, pelo Teorema 5.5.8 é convergente e, assim, a série yn é convergente.
n=1

∞ ∑

(ii) Sejam un uma série divergente e yn ≥ u n ≥ 0 para todo n. un é uma
Como
n=1 n=1
série divergente a sua sequência de somas parciais Sn não tem limite, de modo que dado um
número L > 0, existe K > 0 tal que u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · · > L para todo n > K.
Como yn ≥ un para todo n, segue que

y1 + y2 + y3 + · · · + yk + · · · ≥ u1 + u2 + u3 + · · · + uk + · · · > L.

Consequentemente, a sequência de somas parciais y1 + y2 + y3 + · · · + yk + · · · não é


∑∞
limitada e, assim, a série yn é divergente.
n=1

EXEMPLO 5.9.10 Usando o Teorema 5.9.9 estude a convergência da série




n
.
n=1
n3 + n2 + n + 1

Solução: Conforme o Teorema 5.9.9, devemos encontrar uma série que sabemos ser conver-
gente ou divergente e fazer a comparação do termo geral dessa série com a série em estudo.
Um procedimento usado para encontrar um termo geral adequado é majorar o termo geral
da série proposta. Vamos descrever o processo.

(i) Temos duas formas de majorar um quociente: aumentando o denominador ou dimin-


uindo o denominador. No termo geral da série em estudo, vamos diminuir o denomi-
nador passo a passo

n n n 1
< 3 < 3 = .
n3 + n2 +n+1 2
n +n +n n +n 2 n(n + 1)

186
∑∞ 20000
No Exemplo 5.6.3, vimos que a série é convergente. Como podemos escrever
n=1 n(n + 1)
∑∞ 20000 ∑∞ 1 ∑
∞ 1
= 20000 , segue (pela propriedade i), que também é
n=1 n(n + 1) n=1 n(n + 1) n=1 n(n + 1)
convergente.

n 1
(ii) Vamos vericar que, de fato, ≤ para todo n ∈ N∗ .
n3 + n2+n+1 n(n + 1)

n 1

n3 n2
+ +n+1 n(n + 1)
⇔ n2 (n + 1) ≤ n3 + n2 + n + 1
⇔ n3 + n2 ≤ n3 + n2 + n + 1
⇔ 0 ≤ n+1


∞ n
que é válido para todo n. Logo, pelo Teorema 5.9.9, a série é convergente.
n=1 n3 + n2+n+1

5.9.11 Critério de D'Alambert ou Critério da Razão




TEOREMA 5.9.12 Seja un uma série tal que un > 0 para todo n e un+1
lim
n→∞ un
= L.
n=1
Então


(i) A série un converge se L < 1;
n=1



(ii) A série un diverge se L > 1;
n=1

(iii) Nada podemos armar se L = 1.



∞ un+1
DEMONSTRAÇÃO: Seja un uma série tal que lim
= L. Então, dado ε > 0 podemos
n→∞ un
n=1
un+1
encontrar K > 0 tal que, para todo n > K vale a desigualdade − L < ε.
un
Suponhamos que L < 1. Então existe L < q < 1 e isso implica que q − L < 1.
q tal que
un+1
Tomando ε = q − L podemos escrever
un − L < q − L donde vem

un+1 un+1
− (q − L) < −L<q−L ou − (q − L) + L < < q.
un un
Da última relação concluímos que un+1 < un q. Dessa relação temos que

un+1 < un q
un+2 < un+1 q < un qq < un q 2
un+3 < un+2 q < un q 2 q < un q 3
···
un+k < un+(k−1) q < un q k−1 q < un q k
e assim sucessivamente, de forma que

un+1 + un+2 + un+3 + · · · < un q + un q 2 + un q 3 + · · · .

187
Note que un q + un q 2 + un q 3 + · · ·
é uma série geométrica, com razão |q| < 1 e, portanto,
∑∞
convergente. Assim, pelo Teorema 5.9.9, a série un converge se L < 1.
n=1
un+1
Por outro lado, suponhamos que lim = L > 1, então obteremos un+1 > un para todo
n→∞ un
n e, desse modo, lim un ̸= 0. Consequentemente, a série não possui a condição necessária
n→∞
∑∞
para convergência. Logo, a série un diverge se L > 1.
n=1
un+1
A parte (iii) do Critério de D'Alambert diz que, se lim = 1, então este critério
n→∞ un
∑∞ ∑∞
1 1
é inconclusivo. Observe isso considerando os exemplos: e . Para ambas
n=1
n2 n=1
n
un+1
lim = 1, porém a primeira é uma série p, com p = 2, convergente e a segunda é
n→∞ un
a série harmônica que sabemos ser divergente.

EXEMPLO 5.9.13 Usando o critério de D 'Alambert, estude a convergência da série




2n
.
n=1
n

2n 2n+1
Solução: Temos que un = e un+1 = . Logo,
n n+1
un+1 n2n+1 n2n 2 2n
= n = n =
un 2 (n + 1) 2 (n + 1) (n + 1)

e assim, pelo critério de D'Alembert, temos que

un+1 2n
L = lim = lim = 2 > 1.
n→∞ un n→∞ (n + 1)

∑∞ 2n
Consequentemente, a série é divergente.
n=1 n

∑∞ 1
EXEMPLO 5.9.14 Estude a convergência da série .
n=1 n!

1 1
Solução: Temos que un = e un+1 = e então
n! (n + 1)!

un+1 n! 1
L = lim = lim = lim = 0 < 1,
n→∞ un n→∞ (n + 1)! n→∞ n + 1

∑∞ 1
portanto a série converge, pela critério de D'Alembert.
n=1 n!

5.9.15 Critério de Cauchy ou Critério da Raíz



∞ √
TEOREMA 5.9.16 Seja un uma série tal que un > 0 para todo n e lim
n→∞
n un = L.
n=1
Então

188


(i) A série un converge se L < 1;
n=1



(ii) A série un diverge se L > 1;
n=1

(iii) Nada podemos armar se L = 1.


( )n

∞ n
EXEMPLO 5.9.17 Usando o critério de Cauchy, estude a convergência da série .
n=1 2n + 5
√ √( )n
Solução: Temos que n un = n n
2n+5
= n
2n+5
e aplicando o critério de Cauchy, obtemos
que
√ n 1
L = lim n un = lim = < 1,
n→∞ n→∞ 2n + 5 2
( )
∑∞ n
n
e concluímos que a série é convergente.
n=1 2n + 5
∑∞ 52n
EXEMPLO 5.9.18 Estude a convergência da série 3n+1
.
n=1 2

Solução: Temos que



√ n 52n 52 25
n
un = 3n+1
= 1 = 1 .
2 23+ n 8.2 n
Assim,
√ 25 25
L = lim n
un = lim 1 = >1
n→∞ n→∞ 8.2 n 8
∑∞ 52n
e a série diverge, pelo critério de Cauchy.
3n+1
n=1 2

5.10 Séries de Termos Positivos e Negativos


DEFINIÇÃO 5.10.1 Seja un > 0 para todo n ∈ N∗ . Denominamos série alternada à série
da forma


(−1)n−1 un = u1 − u2 + u3 − u4 + · · · + (−1)n−1 un + · · ·
n=1
ou


(−1)n un = −u1 + u2 − u3 + · · · + (−1)n un + · · ·
n=1


∞ 1 1 1 1 1
EXEMPLO 5.10.2 A série (−1)n−1 p
= 1 − p + p − p + · · · + (−1)n−1 p + · · · é um
n=1 n 2 3 4 n
exemplo de série alternada.

189
5.10.3 Convergência de uma série alternada
Infelizmente todos os critérios de convegência vistos até o momento não são válidos para
séries alternadas, pois eles exigiam que os termos da série fossem todos positivos. A seguir,
passaremos a ver alguns resultados que são válidos para séries de termos positivos e negativos.

TEOREMA 5.10.4 (Teorema de Leibnitz) Considere uma série alternada




(−1)n−1 un = u1 − u2 + u3 − u4 + · · · + (−1)n−1 un + · · ·
n=1

tal que
(i) u1 > u2 > u3 > u4 > · · · (ii) lim un = 0.
n→∞
Então são válidas as seguintes conclusões:
(a) A série alternada é convergente.
(b) A soma parcial Sn da série alternada é tal que 0 < Sn < u1 .
DEMONSTRAÇÃO: (a) Consideremos a soma dos 2n primeiros termos da série alternada.
Suponhamos que os termos de ordem ímpar da série são positivos e os de ordem par são
negativos. Se, por acaso o primeiro termo for negativo, iniciaremos a contagem em u2 , pois
a retirada de um número nito de termos não afeta a convergência da série. Desse modo, o
termo u2n−1 é positivo e o termo u2n é negativo. Assim, pela condição (i) temos que

(u1 − u2 ) > 0, (u3 − u4 ) > 0, · · · (un − un+1 ) > 0, · · · (u2n−1 − u2n ) > 0

de modo que

S 2 = u1 − u2 > 0 S4 = S2 + (u3 − u4 ) > S2 S6 = S4 + (u5 − u6 ) > S4

e assim sucessivamente. Portanto, obtemos que

0 < S2 < S4 < .... < S2n .

Ainda, associando os termos de outra forma, obtemos que

S2n = (u1 − u2 ) + (u3 − u4 ) + ... + (u2n−1 − u2n )


= u1 − (u2 − u3 ) − (u4 − u5 ) − ... − (u2n−2 − u2n−1 ) − u2n
e, pela condição (i), cada termo entre parênteses é positiva. Portanto, estamos subtraindo
uma quantidade positiva de u1 , obtendo um resultado inferior a u1 , de modo que 0 < S2n <
u1 .
Com isso, segue que S2n é limitada e como 0 < S2 < S4 < · · · < S2n , também é monótona.
Assim, concluímos que a sequência de somas S2 , S4 , · · · , S2n converge, pelo Teorema 5.5.8.
lim S2n
Seja = S. Como S2n < u1 , segue que S < u1 . Sendo S2n+1 = S2n + u2n+1 e
n→∞
aplicando a condição (ii), temos que

lim S2n+1 = lim S2n + lim u2n+1 = S + 0 = S.


n→∞ n→∞ n→∞

Consequentemente as somas de ordem ímpar tem a mesma soma dos termos de ordem
par. Finalmente, mostraremos que lim Sn = S.
n→∞
Como lim S2n = S, dado ε>0 podemos encontrar K1 > 0 tal que |S2n − S| < ε sempre
n→∞
que 2n > K1 .

190
Como lim S2n+1 = S, dado ε > 0 podemos encontrar K2 > 0 tal que |S2n − S| < ε
n→∞
sempre que 2n + 1 > K2 .
Tomando K = max {K1 , K2 } , para todo n > K vale a desigualdade |Sn − S| < ε. Logo,


lim Sn = S e a série (−1)n−1 un é convergente.
n→∞ n=1

EXEMPLO 5.10.5 Usando o teorema de Leibnitz, estude a convergência da série




n+2
(−1)n−1 .
n=1
n (n + 1)

Solução: Vamos vericar se un satisfaz todas condições do Teorema 5.10.4. O termo geral
n+2
da série é un = > 0 para todo n ∈ N∗ . Agora, vamos vericar se un > un+1 para
n (n + 1)
todo n natural. Temos que

n+2 n+3
>
n (n + 1) (n + 1) (n + 2)
⇔ (n + 2) (n + 1) (n + 2) > n (n + 1) (n + 3)
⇔ n3 + 5n2 + 8n + 4 > n3 + 4n2 + 3n
⇔ n2 + 5n + 4 > 0,
que é verdadeiro para todo n natural. Assim, a primeira condição do Teorema 5.10.4 está
satisfeita. Ainda,
n+2
lim un = lim = 0.
n→∞ n→∞ n (n + 1)

e então todas as exigências do Teorema 5.10.4 estão satisfeitas. Podemos concluir então que
a série


n+2
(−1)n−1
n=1
n (n + 1)
é convergente.

5.11 Série de Termos de Sinais Quaisquer


DEFINIÇÃO 5.11.1 Denominamos série de termos de sinais quaisquer à toda série formada
por termos positivos e negativos.

As séries alternadas são casos particulares das séries de termos de sinais quaisquer.


∞ √ √ √ √
EXEMPLO 5.11.2 A série sin( nπ
6
) = 21 + 2
3
+1+ 2
3
+ 12 + 0 − 21 − 2
3
−1− 2
3
− 12 + 0 + · · ·
n=1
é um exemplo de série de termos de sinais quaisquer.
Veremos na sequência um teorema que permite vericar se uma série de termos de sinais
quaisquer é convergente.


∞ ∑

TEOREMA 5.11.3 Seja un uma série de termos de sinais quaisquer. Se a série |un |
n=1 n=1


for uma série convergente então a série un também será convergente.
n=1

191


No entanto, se a série |un | for divergente, nada poderemos armar sobre a convergência
n=1


da série de sinais quaisquer un .
n=1

∑∞ (−1)n−1 n + 2
EXEMPLO 5.11.4 Vimos no Exemplo 5.10.5 que a série é convergente.
n=1 n (n + 1)
∑∞ (−1)n−1 n + 2
∑∞ n+2
Porém, a série = não é convergente. O leitor pode vericar
n=1 n (n + 1) n=1 n (n + 1)
essa armação usando o critério da comparação.

∑∞ (−1)n−1
EXEMPLO 5.11.5 Usando o Teorema 5.11.3, estude a convergência da série .
n=1 n3


(−1)n−1 ∑

Solução: Temos que n3 = 1
n3
. Como podemos observar, esta é uma série p com
n=1 n=1


(−1)n−1
p=3>1 e, portanto, convergente. Logo,
n3
é convergente. A convergência desta
n=1
série também pode ser estudada pelo teorema de Leibnitz.

∑∞ sin(nx) + 3 cos2 (n)


EXEMPLO 5.11.6 Usando o Teorema 5.11.3 estude a convergência da série .
n=1 n2
Solução: Temos que



sin(nx) + 3 cos2 (n) ∑∞
|sin(nx) + 3 cos2 (n)|
=
n2 n2
n=1 n=1

e como |sin(nx)| ≤ 1 e |cos2 (n)| ≤ 1, usando propriedades de módulo, segue que



sin(nx) + 3 cos2 (n) ≤ |sin(nx)| + 3 cos2 (n) ≤ 1 + 3 cos2 (n) ≤ 1 + 3 = 4,

e então podemos concluir que



|sin(nx) + 3 cos2 (n)| ∑∞
4

n=1
n2 n=1
n2



4
para todo n natural. Como
n2
é uma série p convergente (p = 2 > 1), temos que a série
n=1



sin(nx) + 3 cos2 (n)

n2
n=1

converge, pelo critério da comparação.


∑∞ 2
sin(nx) + 3 cos (n)
Assim, a série também converge, pelo Teorema 5.11.3.
n=1
n2

192
5.12 Séries absolutamente convergente e condicionalmente
convergentes
Antes de denir séries absolutamente convergente e condicionalmente convergentes vamos
considerar os exemplos abaixo.

EXEMPLO 5.12.1 Consideremos a série harmônica


∑∞
1 1 1 1 1
= 1 + + + + ··· + + ···
n=1
n 2 3 4 n

já mostramos que esta série é divergente. Porém, a série harmônica alternada, dada por


1 1 1 1 1
(−1)n−1 = 1 − + − + · · · + (−1)n−1 + · · ·
n=1
n 2 3 4 n


∞ 1
é convergente, pelo teorema de Leibnitz. Vamos mostrar que a série (−1)n−1 converge
n=1 n
sob condições, isto é, podemos interferir na sua forma de convergir.

∞ 1
Solução: Para modicar o valor de convergência de (−1)n−1
basta reagrupar os termos
n=1 n
desta série, separando a soma dos termos de ordem ímpar da soma dos termos de ordem par,
conforme segue:
( ) ( )
1 1 1 1 1 1 1
Sn = 1 + + + ··· + + ··· − + + + ··· + + ··· .
3 5 2n − 1 2 4 6 2n
Como o leitor pode observar, podemos escrever



1 ∑ 1 ∞
Sn = −
n=1
2n − 1 n=1 2n

e, cada uma destas sub-somas é divergente. Logo, temos que Sn = ∞ − ∞, isto é, a soma é
indeterminada, signicando que, se escrevermos



1
(−1)n−1
n=1
n

na forma


∞ ( ) ( )
1 1 1 1 1 1 1 1
n−1
(−1) = 1 + + + ··· + + ··· − + + + ··· + + ···
n=1
n 3 5 2n − 1 2 4 6 2n

nada podemos armar sobre a sua convergência. Isso ocorre porque a série




1 ∑ 1


(−1)n−1 =
n n=1 n
n=1

não converge.
Com base no exemplo anterior, vamos denir séries absolutamente convergente e condi-
cionalmente convergente.

193


DEFINIÇÃO 5.12.2 Seja un uma série de termos de sinais quaisquer, então:
n=1



(i) Se |un | converge, a série é denominada absolutamente convergente.
n=1


∞ ∑
∞ ∑

(ii) Se un converge e |un | diverge, então a série un é denominada condicional-
n=1 n=1 n=1
mente convergente.
1 ∑

EXEMPLO 5.12.3 A série
(−1)n−1 , estudada no Exemplo 5.12.1, é condicionalmente
n=1 n
∑ sin(nx) + 3 cos2 (n)

convergente enquanto que a série , estudada no Exemplo 5.11.6, é
n=1 n2
absolutamente convergente.
∑∞ (−1)n−1 n2
EXEMPLO 5.12.4 Classique a série numérica como absolutamente conver-
n=1 n3 + 4
gente, condicionalmente convergente ou divergente.

∑∞ (−1)n−1 n2 ∑
∞ n2
Solução: Temos que = , e esta é uma série divergente, pois a
n3 + 4 3
n=1 n=1 n + 4
x2 √
é contínua para todo x ̸= −4, em x ≥ 1,
3
função f (x) = particular para todo é
x3 + 4
√ x(8 − x3 )
positiva para todo x≥ 3
−2, em particular para x ≥ 1, e como f ′ (x) = > 0 para
(x3 + 4)2
todo x > 2, ou seja, logo a função f (x) é decrescente para todo x ≥ 2, e assim podemos
aplicar o critério da integral, e deste segue que

∫ ∫ b
+∞
x2 b
x2
1
dx = lim dx = lim ln(x 3
+ 4) = +∞,
2 x3 + 4 b→+∞ 2 x3 + 4 b→+∞ 3
2

ou seja, a integral imprópria, e consequentemente a série, diverge.



∞ (−1)n−1 n2
Porém, é uma série alternada convergente, pois satisfaz as condições do
n=1 n3 + 4
teorema de Leibnitz, visto que

n2 (n + 1)2 n2
lim =0 e un+1 = ≤ = un , para todo n≥2
n→+∞ n3 + 4 (n + 1)3 + 4 n3 + 4
x2
pois acima vericamos que a função f (x) = é decrescente para todo x ≥ 2.
x3 + 4
Portanto a série dada é condicionalmente convergente.

EXEMPLO Classique as séries numéricas abaixo como absolutamente convergente,


5.12.5

condicionalmente convergente ou divergente, justicando sua resposta.




(−2)n ∑∞
(−1)n 2
(a) √ (b) √
n=2
(ln n)n + 2 n + 1 n=1
4
n3 + 2n

Solução: (a) Analisando a convergência absoluta temos



(−2)n 2n 2n
√ = √ ≤
(ln n)n + 2 n + 1 (ln n)n + 2 n + 1 (ln n)n

194
Aplicando o teste da raiz, temos


n
2n 2
L = lim n
= lim = 0.
n→∞ (ln n) n→∞ ln n



2n
Como L < 1 a série converge. Logo, pelo teste da comparação, a série dada
n=2
(ln n)n
converge absolutamente.
(b) Analisando a convergência absoluta temos


(−1)n 2 2 2

4 n3 + 2n = √
4 3
n + 2n
≤ √
4
n3
,

com isso nada podemos concluir, pois a série dada é menor que uma série p divergente.
Porém, observe que
2 2 2

4
= 2 1 = 3 2 41
n3 + 2n [n3 (1 + n2
)] 4 n (1 +
4
n2
)
2 1 1
e 1 ≤ (1 + 2
)4 ≤ 34 . Logo,
n
2 2

4
≥ √
4 3 ,
n3 + 2n 3n 4
e, por comparação, a série dada não converge absolutamente.
Analisando a convergência condicional, usando o Teorema de Leibnitz, pois a série dada
2 2
é alternada, temos lim √
4
=0 e an = √
4
é decrescente.
n→∞ n3 + 2n n3 + 2n
Portanto, a série dada é condicionalmente convergente.

5.13 Séries de Funções


Considerando as funções fi : R → R denidas por f0 (x) = 1, f1 (x) = x, f2 (x) = x2 ,
f3 (x) = x3 , f4 (x) = x4 , · · · , fn (x) = xn , · · · , podemos escrever a soma

S (x) = f0 (x) + f1 (x) + f2 (x) + f3 (x) + f4 (x) + · · · + fn (x) + · · ·


= 1 + x + x2 + x3 + x4 + · · · + xn + · · ·
Essa soma innita é um exemplo de série de funções, pois o seu termo geral depende de
uma variável real x. Mais geralmente, denimos série de funções como segue.

DEFINIÇÃO 5.13.1 Denominamos série de funções a toda série na qual o termo geral é uma
função da variável real x e a denotaremos por


un (x) = u0 (x) + u1 (x) + u2 (x) + · · · + un (x) + · · ·
n=0

5.13.2 Convergência de séries de funções


Como no estudo das séries numéricas, estamos interessados na convergência das séries de
funções. Uma série de funções, se for convergente, convergirá para uma função. A imagem

195
de cada valor de x numa série de funções é uma série numérica que pode ser convergente ou
divergente. Por exemplo, para cada valor de x, a série



xn = 1 + x + x 2 + x3 + x4 + · · · + xn + · · ·
n=0

é uma série geométrica e, portanto, converge se |x| < 1 e diverge caso contrário. Já sua soma
1
será a função S (x) = , se |x| < 1. Isso signica que uma série de funções convergente,
1−x
converge para um determinado conjunto de valores de x, denominado domínio ou intervalo
de convergência.



DEFINIÇÃO 5.13.3 Seja un (x) uma série de funções. Denominamos domínio ou inter-
n=0
valo de convergência da série ao conjunto de todos os valores de x para os quais a série é
convergente e denominamos raio de convergência à distância entre o centro e as extremidades
do intervalo convergência.


EXEMPLO 5.13.4 O raio de convergência da série xn é R = 1 e o seu intervalo de con-
n=0

∞ 1
vergência é I = (−1, 1) . Para todo x ∈ (−1, 1) tem-se que xn = .
n=0 1−x
∑∞ cos(x) + sin(x)
EXEMPLO 5.13.5 Determine o intervalo e o raio de convergência da série .
n=1 n4 + n
Solução: Analisando a convergência absoluta da série, temos que

cos(x) + sin(x) |cos(x) + sin(x)| |cos(x)| + |sin(x)| 2 2
= ≤ ≤ 4 ≤ 4
4
n +n 4
n +n 4
n +n n +n n
∑∞ 2
e como
4
é uma p-série convergente, concluímos, por comparação, que a série dada é
n=1 n
∑∞ cos(x) + sin(x)
absolutamente convergente. Ou seja, a série converge para todo valor
n=1 n4 + n
real de x. Assim, o intervalo de convergência desta série é R e seu raio de convergência é
innito.

5.14 Séries de Potências


As séries de potências são as séries de funções que aparecem com mais frequência nos
problemas de matemática e engenharia, pois são úteis na integração de funções que não
possuem antiderivadas elementares, na resolução de equações diferenciais e também para
aproximar funções por polinômios (cientistas fazem isso para simplicar expresões complexas,
programadores fazem isso para representar funções em calculadoras e computadores). Em
vista disso, vamos dar atenção especial ao estudo das Séries de Potências.

DEFINIÇÃO 5.14.1 Uma série de potências é uma série cujos termos envolvem apenas
potências de x multiplicadas por coecientes constantes cn , ou seja, uma série de potências
é escrita na forma


cn xn = c0 + c1 x + c2 x2 + c3 x3 + · · · + cn xn + · · · .
n=0

196


EXEMPLO 5.14.2 A série xn do Exemplo 5.13.4 é uma série de potências onde todos os
n=0
∑∞ cos(x) + sin(x)
coecientes cn são iguais a 1. Já a série do Exemplo 5.13.5 não é uma
n=1 n4 + n
série de potências, pois seus termos não envolvem apenas potências de x.

OBSERVAÇÃO 5.14.3 Para que os resultados anteriores possam ser usados sem mudanças nas

notações, vamos admitir que un (x) = cn xn para o caso das séries de potências.

5.14.4 Processo para determinar o intervalo e o raio de convergên-


cia de uma série de potências
Utilizam-se os critérios
de D 'Alambert ou de Cauchy para a convergência absoluta,
un+1 (√ )
tomando lim ou lim n
|un | onde un = cn xn . Caso o limite exista vale a
n→∞ un n→∞
condição dos critério usado. Em qualquer caso teremos que

un+1 cn+1 xn+1
lim = lim = |x| L
n→∞ un n→∞ cn xn

onde
cn+1

L = lim .
n→∞ cn
Desse modo, o raio e o intervalo de convergência serão obtidos resolvendo a inequação
|x| L < 1, que nos dá |x| < L1 , ou seja, o raio de convergência é

1
R= .
L
OBSERVAÇÃO Como o critério de D 'Alambert é inconclusivo quando o limite da razão
5.14.5

é igual a 1, nada podemos armar se |x| L = 1. Assim, devemos vericar se a série con-
1 1
verge para x = e x = − . Feita esta vericação, pode-se estabelecer o intervalo de
L L
convergência.


3n x n
EXEMPLO 5.14.6 Determine o intervalo e o raio de convergência da série .
n=0
5n (1 + n2 )

Solução: Aplicando o critério de D'Alambert para a convergência absoluta, temos que



3 n+1 n+1
x
( ) n n n
un+1 5n+1 1 + (n + 1) 2
5 3 3x x (1 + n2 )

lim = lim = lim n
n→∞ un n→∞ 3n xn n→∞ 5 5 (n2 + 2n + 2) 3xn

5n (1 + n2 )

3x (1 + n2 ) 3 (1 + n2 ) 3
= lim = |x| lim = |x|
n→∞ 5 (n2 + 2n + 2) n→∞ 5 (n2 + 2n + 2) 5
3
Assim, a série convergirá se |x| < 1, ou seja, se |x| < 53 . Portanto, o raio de convergência
5
é R = 53 .
5 5
Na sequência devemos vericar se a série converge para x=− e x= .
3 3
197
5
• Se x=− , temos a série
3
( )n
∑∞
3n − 53 ∑

n 3n 5n ∑∞
1
n 2
= (−1) n 2 n
= (−1)n .
n=0
5 (1 + n ) n=0 5 (1 + n ) 3 n=0
(1 + n2 )

que converge, pelo critério de Leibnitz.

5
• Se x= temos a série
3
( )n


3n 53 ∑

3n 5n ∑∞
1
n 2
= n 2 n
= .
n=0
5 (1 + n ) n=0 5 (1 + n ) 3 n=0
(1 + n2 )

que converge por comparação, pois


∞ 1 ∑∞ 1

2
≤ 1 + 2
.
n=0 (1 + n ) n=1 n


∞ 3n xn 5
Conclusão: O raio de convergência da série
n 2
é R= e o seu intervalo
n=0 5 (1 + n ) 3
5 5
de convergência é − ≤x≤ .
3 3


EXEMPLO 5.14.7 Determinar o intervalo e o raio de convergência da série n!xn .
n=0

Solução: Aplicando novamente o critério de D 'Alambert, temos que


{
un+1 (n + 1)!xn+1 0, se x = 0
lim = lim

= lim (n + 1) |x| =
.
n→∞ un n→∞ n!x n n→∞ ∞, se x ̸= 0

Assim, a série dada converge apenas quando x = 0. Portanto, o seu intervalo de con-
vergência é I = {0} e R=0 é o seu raio de convergência.

5.14.8 Série de potências centrada em x = a


DEFINIÇÃO 5.14.9 Denominamos série de potências centrada em x = a à toda série da


forma cn (x − a) . n

n=0

Para obter o raio e o intervalo de convergência das séries em (x − a) , basta fazer z =


∑∞
(x − a) e encontrar o intervalo de convergência para a série cn z n . Após esta etapa,
n=0
substitui-se z por (x − a) na inequação −R < z < R.

∑∞ 2 (x − 5) n
EXEMPLO 5.14.10 Determinar o raio e o intervalo de convergência da série 2
.
n=0 n + 3

Solução: Seja z = (x − 5). Então podemos escrever

∑∞ 2 (x − 5) n ∑∞ 2z n
2
= 2
.
n=0 n + 3 n=0 n + 3

Usando o teorema de D'Alambert temos que

198

2z n+1

un+1 2 (n2 + 3) 2z n+1
(n + 1) + 3
lim = lim = lim ( )
n→∞ un n→∞ 2z n n→∞ (n + 1)2 + 3 2z n

n2 + 3
(n2 + 3) |z| n2 + 3
= lim 2 = |z| lim 2 = |z|
n→∞ (n + 2n + 4) n→∞ n + 2n + 4

e assim a série converge se |z| < 1. Portanto, o seu raio de convergência é R = 1. Na


sequência, devemos vericar se a série converge para z = −1 e z = 1.
• Se z = −1 temos a série

∑∞
2z n ∑

2 (−1)n ∑

2
2
= 2
= (−1)n 2
n=0
n + 3 n=0 n + 3 n=0
(n + 3)

que converge, pelo teorema de Leibnitz.

• Se z=1 temos a série

∑∞
2z n ∑

2(1)n ∑

2
2
= 2
= 2
.
n=0
n + 3 n=0 n + 3 n=0 (n + 3)

que converge por comparação com uma p−série, pois


∞ 2 2 ∑∞ 2

2
≤ + .
n=0 (n + 3) 3 n=1 n2

∞ 2z n
Conclusão: O raio de convergência da série é R = 1 e o seu intervalo de
2
n=0 n + 3
convergência é −1 ≤ z ≤ 1. Substituindo z por x − 5, obtemos

4 ≤ x ≤ 6,
∑∞ 2 (x − 5) n
que é o intervalo de convergência da série
2
.
n=0 n + 3

5.14.11 Continuidade da soma de uma Série de Funções.


Sabemos do Cálculo 1 que a soma de um número nito de funções contínuas é contínua.
Porém, se a soma envolver innitos termos, seu resultado pode não ser contínuo. Vejamos
um exemplo onde isso ocorre.
( )

∞ 1 1
EXEMPLO 5.14.12 Mostre que a série x 2n+1 − x 2n−1 converge para uma função des-
n=1
contínua.
Solução: Escrevendo a soma dos n−primeiros termos desta série

( ) ( ) ( ) ( 1 1
)
1 1 1 1 1
Sn (x) = x − x + x − x
3 5 3 + x −x 7 5 + ··· + x 2n+1 − x 2n−1

1
e eliminando os parênteses, obtemos que Sn (x) = −x + x 2n+1 . Assim,

199
( ) {
1 1 − x, se x ̸= 0
S(x) = lim Sn (x) = lim −x + x 2n+1 =
n→∞ n→∞ 0, se x = 0.

Portanto, lim Sn (x) existe para todo x ∈ R e a série de funções dada é convergente.
n→∞
Note que a soma desta série é uma função descontínua em x = 0, enquanto que cada um
de seus termos era contínuo. Observe ainda que a série em questão não é uma série de
potências.

5.14.13 Derivação de uma série de funções contínuas


No Cálculo 1, vimos que a derivada de uma soma nita de funções é igual à soma das
derivadas. No entanto, se tivermos uma quantidade innita de funções, essa propriedade
pode deixar de ser válida. Da mesma forma, a derivada de uma série de funções convergente
pode ser divergente. Vejamos um exemplo:

∑∞ sin(n4 x)
EXEMPLO 5.14.14 Considere a série . Mostre que esta é uma série convergente e
n=1 n2
que a série de suas derivadas é divergente.
Solução: Como |sin(n4 x)| ≤ 1 para todo n natural e todo x real, segue que

sin(n4 x) |sin(n4 x)| 1

n2 = n2 n2
e por comparação com uma p-série convergente (p = 2), podemos concluir que a série dada é
absolutamente convergente. Ainda, esta série converge para todo valor real de x. Seja S(x)
a soma desta série, ou seja,

∑∞ sin(n4 x) sin x sin(24 x) sin(34 x) sin(44 x) sin(n4 x)


S(x) = = + + + + · · · + + ···
n=1 n2 12 22 32 42 n2
derivando termo a termo esta soma, temos que

cos x 24 cos(24 x) 34 cos(34 x) 44 cos(44 x) n4 cos(n4 x)


S ′ (x) = + + + + · · · + + ···
12 2 2 32 4 2 n2
= cos x + 22 cos(24 x) + 32 cos(34 x) + 42 cos(44 x) + · · · + n2 cos(n4 x) + · · ·
e aplicando em x = 0, obtemos

S ′ (0) = cos 0 + 22 cos 0 + 32 cos 0 + 42 cos 0 + · · · + n2 cos 0 + · · ·


= 12 + 22 + 32 + 42 + · · · + n2 + · · ·
que é uma sequência de somas divergente. Assim, a série de funções converge para x = 0,
enquanto que a derivada desta série diverge em x = 0. Observe que a série em questão não
é uma série de potências.
Da mesma forma que na derivada, a integração de uma série de funções também exige
cuidados. Enquanto que a integral de uma soma nita de funções é igual a soma das integrais,
o mesmo pode não ser válido para uma quantidade innita de funções.
No entanto isto não ocorrerá quando se tratar de séries de potências, ou seja, quando
uma série de potências for convergente pode-se efetuar a derivação e a integração termo a
termo que as novas séries obtidas por estes processos também serão convergentes, com o
mesmo raio de convegência, conforme veremos a seguir.

200
5.15 Diferenciação e Integração de Séries de Potências


A soma de uma série de potências é uma função f (x) = cn (x − a)n ,
cujo domínio é
n=0
o intervalo de convergência da série. Dentro deste intervalo, a derivação e a integração de f
ocorre termo a termo, ou seja, pode-se derivar e integrar cada termo individual da série, de
acordo com o resultado abaixo.


TEOREMA 5.15.1 Seja cn (x − a)n uma série de potências com raio de convergência
n=0
R > 0. Então a função f denida por


f (x) = c0 + c1 (x − a) + c2 (x − a) + · · · =
2
cn (x − a)n
n=0

é diferenciável (e portanto contínua) no intervalo (a − R, a + R) e




(i) f ′ (x) = c1 + 2c2 (x − a) + 3c3 (x − a)2 + · · · = ncn (x − a)n−1
n=1



(ii) f ”(x) = 2c2 + 6c3 (x − a) + · · · = n(n − 1)cn (x − a)n−2
n=2

e assim por diante. Além disso, tomando C = K + ac0 , tem-se que


∫ ∑∞
(x − a)2 (x − a)3 (x − a)n+1
(iii) f (x)dx = C + c0 (x − a) + c1 + c2 + ··· = C + cn
2 3 n=0
n+1

Os raios de convergência das séries das equações (i), (ii) e (iii) são todos iguais a R.
OBSERVAÇÃO 5.15.2 Embora o teorema anterior diga que o raio de convergência permanece

o mesmo quando uma série de potências é diferenciada ou integrada, isso não signica
que o intervalo de convergência permaneça o mesmo. Pode ocorrer de a série inicial
convergir em um extremo enquanto que a série diferenciada diverge nesse ponto.
1
EXEMPLO 5.15.3 Expresse como uma série de potências e determine seu raio de
(1 − x)2
convergência.
Solução: No Exemplo 5.13.4 vimos que, se x ∈ (−1, 1) então

1 ∑ ∞
= 1 + x + x2 + x3 + · · · = xn .
1−x n=0

Diferenciando cada lado dessa equação, obtemos que

1 ∑ ∞
= 1 + 2x + 3x 2
+ 4x 3
+ · · · = nxn−1 .
(1 − x)2 n=1

Podemos deslocar o índice do contador trocando n por n + 1, escrevendo a resposta como


1 ∑ ∞
= (n + 1)xn .
(1 − x)2
n=0

De acordo com o Teorema 5.15.1, o raio de convergência da série diferenciada é o mesmo


que o raio de convergência da série original, a saber, R = 1. O leitor poderá vericar que o
intervalo de convergência da série obtida é aberto nos extremos, ou seja, é o intervalo (−1, 1).

201
x5
EXEMPLO 5.15.4 Expresse como uma série de potências e determine seu intervalo
(1 − 3x)2
de convergência.
Solução: No Exemplo 5.15.3 vimos que, para x ∈ (−1, 1) é válido que

1 ∑ ∞
= (n + 1)xn .
(1 − x)2 n=0

Trocando x por 3x em ambos os lados dessa igualdade, obtemos

1 ∑ ∞ ∑ ∞
n
= (n + 1)(3x) = 3n (n + 1)xn
(1 − 3x)2 n=0 n=0

e essa série converge se 3x ∈ (−1, 1),


ou seja, se x ∈ (− , ). Agora, para obter a série
1 1
3 3
5
desejada basta multiplicar a série acima por x , obtendo

x5 ∑∞ ∑∞
5 n n
= x 3 (n + 1)x = 3n (n + 1)xn+5 .
(1 − 3x)2 n=0 n=0

Outra forma de escrever esta série é

x5 ∑ ∞
= 3n−5 (n − 4)xn
(1 − 3x)2
n=5

e seu intervalo de convergência é (− 31 , 13 ).


EXEMPLO 5.15.5 Encontre a representação em séries de potências para f (x) = ln(1 − x).
Solução: Notemos inicialmente que, pelo Exemplo 5.15.3 obtemos que

−1 ∑ ∞

f (x) = = −xn
1 − x n=0

e integrando ambos os lados dessa equação, com o auxílio do Teorema 5.15.1, obtemos que
∫ ∑∞ ∑∞
−1 −xn+1 xn
f (x) = dx = C + =C− .
1−x n=0
n+1 n=1
n

Para determinar o valor de C, colocamos x=0 nessa equação e encontramos C−0 =


f (0) = ln 1 = 0. Assim



xn x2 x3
ln(1 − x) = − = −x − − − ··· .
n=1
n 2 3

O raio de convergência dessa série é o mesmo que o da série original, R = 1, porém o


intervalo de convergência é I = [−1, 1).
Verique!
1
Note o que acontece quando colocamos x = no resultado do Exemplo 5.15.5. Como
2
ln 1
2
= − ln 2, vemos que

1 1 1 1 ∑ 1 ∞
ln 2 = + + + + ··· = .
2 8 24 64 n=1
n2n

∑∞
1
Ou seja, usando esta série de funções obtivemos a soma da série numérica .
n=1
n2n

202
5.16 Séries de Taylor
Considere uma função f (x) e seja a um real qualquer. Pretende-se encontrar uma série
∑∞
de potências da forma cn (x − a)n que convirja para f, ou seja, tal que
n=0



f (x) = cn (x − a)n .
n=0

Em outras palavras, queremos que

f (x) = c0 + c1 (x − a) + c2 (x − a)2 + c3 (x − a)3 + · · · + cn (x − a)n + · · · (5.16.1)

Assim, precisamos determinar os coecientes c 0 , c1 , c 2 , · · ·

• Primeiro determinamos c0 , tomando x=a em (5.16.1). Obtemos

f (a) = c0 + c1 (a − a) + c2 (a − a)2 + c3 (a − a)3 + · · · + cn (x − a)n + · · ·

donde vem
f (a) = c0 .

• Determinamos a derivada da função (5.16.1) e na sequência aplicamos em x=a para


obter c1 , ou seja,

f ′ (x) = c1 + 2c2 (x − a) + 3c3 (x − a)2 + · · · + ncn (x − a)n−1 + · · ·

f ′ (a) = c1 + 2c2 (a − a) + 3c3 (a − a)2 + · · · + ncn (a − a)n−1 + · · ·


donde vem
f ′ (a) = c1 .

• Determinamos a segunda derivada da função (5.16.1) e na sequência aplicamos em


x=a para obter c2 , isto é,

f ′′ (x) = 2c2 + 3 · 2c3 (x − a) + 4 · 3c4 (x − a)2 + · · · + n(n − 1)cn (x − a)n−2 + · · ·

f ′′ (a) = 2c2 + 3 · 2c3 (a − a) + 4 · 3c4 (a − a)2 + · · · + n(n − 1)cn (a − a)n−2 + · · ·


donde vem
f ′′ (a)
f ′′ (a) = 2c2 ou c2 = .
2!
• Determinamos a terceira derivada da função (5.16.1) e, na sequência f (3) (a) para obter
c3 . Temos

f (3) (x) = 3·2c3 +4·3·2c4 (x − a)+5·4·3c5 (x − a)2 +· · ·+n(n−1)(n−2)cn (x − a)n−3 +· · ·

f (3) (a) = 3·2c3 +4·3·2c4 (a − a)+5·4·3c5 (a − a)2 +· · ·+n(n−1)(n−2)cn (a − a)n−3 +· · ·


donde vem
f (3) (a)
f (3) (a) = 3 · 2c3 ou c3 = .
3!

203
f (n) (a)
• Prosseguindo dessa forma, encontraremos cn = , de modo que podemos rees-
n!
crever a série como segue

f ′′ (a) f (3) (a) f (n) (a)


f (x) = f (a)+f ′ (a) (x − a)+ (x − a)2 + (x − a)3 +· · ·+ (x − a)n +· · ·
2! 3! n!
ou seja, encontramos a série de Taylor:



f (n) (a)
f (x) = (x − a)n .
n=0
n!

EXEMPLO 5.16.1 Desenvolver em série de Taylor a função f (x) = sin x.

Solução: Primeiro vamos determinar as derivadas de todas as ordens de f (x) = sin x no


ponto a. Temos que

f (a) = sin a f ′ (a) = cos a f ′′ (a) = − sin a


f (a) = − cos a
(3)
f (4) (a) = sin a f (5) (a) = cos a
A seguir, substituímos na expressão da série de Taylor

f ′′ (a) f (3) (a) f (n) (a)


f (x) = f (a) + f ′ (a) (x − a) + (x − a)2 + (x − a)3 + · · · + (x − a)n + · · ·
2! 3! n!
e obtemos

sin a cos a sin a


sin x = sin a + cos a (x − a) − (x − a)2 − (x − a)3 + (x − a)4 + · · · .
2! 3! 4!
Esta série pode ser reescrita separando os termos em seno dos termos em cosseno, con-
forme segue
( ) ( )
sin a sin a cos a
sin x = sin a − (x − a) +
2
(x − a) + · · · + cos a (x − a) −
4
(x − a)3 + · · · ,
2! 4! 3!
e escrevendo em forma de somatório vem que



sin a ∑∞
cos a
sin x = (−1)n (x − a)2n + (−1)n (x − a)2n+1 .
n=0
2n! n=0
(2n + 1)!

5.17 Série de Maclaurin


Colin Maclaurin (1698 - 1746) foi um matemático escocês. Para obter o desenvolvimento
de uma função em série de Maclaurin basta tomar a=0 na série de Taylor. Desse modo, a
série de MacLaurin de uma função f é dada por

∑∞ f n (0) f ′′ (0) 2 f (3) (0) 3 f (n) (0) n


f (x) = xn = f (0) + f ′ (0) x + x + x + ··· + x + ··· .
n=0 n! 2! 3! n!

EXEMPLO 5.17.1 Desenvolver em série de Maclaurin a função f (x) = sin x.

Solução: No Exemplo 5.16.1 desenvolvemos f (x) = sin x em série de Taylor. Fazendo a=0
nesse desenvolvimento, obtemos

204
( ) ( )
sin 0 sin 0 cos 0
sin x = sin 0 − (x − 0) +
2
(x − 0) + · · · + cos 0 (x − 0) −
4
(x − 0) + · · ·
3
2! 4! 3!

ou seja,

x3 x 5 x7 x 9
sin x = x − + − + + ···
3! 5! 7! 9!
ou ainda,


∞ x2n+1 n
sin x = (−1) .
n=0 (2n + 1)!
O leitor poderá vericar, sem grandes diculdades, que o intervalo de convergência desta
série é toda a reta real, ou seja, esta série converge para todo valor real de x.
Ainda, esta série pode ser aplicada para determinar o valor de convergência de séries
π
numéricas. Por exemplo, substituindo x = na série acima, temos que
6
( π )3 ( π )5 ( π )7 ( π )9
π 6 6 6 π 61
− + − + = . + · · · = sin
6 3! 5! 7! 6 9!
2

sin x
EXEMPLO 5.17.2 Desenvolver em série de MacLaurin a função f (x) = dx.
x

Solução: Primeiro dividimos cada termo obtido no Exemplo 5.17.1 por x, encontrando

sin x x2 x4 x6 x8
=1− + − + + ···
x 3! 5! 7! 9!
A seguir, integramos a série termo a termo e obtemos
∫ ∫ ∫ ∫ ∫ ∫
sin x x2 x4 x6 x8
dx = dx − dx + dx − dx + dx + · · ·
x 3! 5! 7! 9!

x3 x5 x7 x9
=x− + − + + ···
3!3 5!5 7!7 9!9

∞ (−1)n x2n+1
= ,
n=0 (2n + 1)! (2n + 1)

que converge para todo valor real de x.


sin x − x
EXEMPLO 5.17.3 Utilize séries de funções para calcular lim .
x→0 x3
Solução: A partir da série encontrada no Exemplo 5.17.1, temos que

x3 x5 x7 x 9 x2n+1
sin x = x − + − + + · · · (−1)n + ···
3! 5! 7! 9! (2n + 1)!
e então

x3 x5 x7 x9 x2n+1
sin x − x = − + − + + · · · (−1)n + ··· .
3! 5! 7! 9! (2n + 1)!

205
Dividindo ambos os lados por x3 , encontramos

sin x − x 1 x2 x4 x6 x2n−2
= − + − + + · · · (−1)n
+ ··· .
x3 3! 5! 7! 9! (2n + 1)!
Portanto
( )
sin x − x 1 x 2 x4 x 6 x2n−2 1
lim 3
= lim − + − + + · · · (−1)n
+ ··· = − .
x→0 x x→0 3! 5! 7! 9! (2n + 1)! 6

EXEMPLO 5.17.4 Desenvolver em série de Maclaurin a função f (x) = sin(2x).

Solução: Anteriormente, vimos que a série de MacLaurin de sin x é

x3 x5 x7 x2n+1
sin x = x − + − + · · · (−1)n + ···
3! 5! 7! (2n + 1)!
trocando x por 2x nesta série, obtemos

(2x)3 (2x)5 (2x)7 (2x)2n+1


sin(2x) = 2x − + − + · · · (−1)n + ···
3! 5! 7! (2n + 1)!

23 x3 25 x5 27 x7 22n+1 x2n+1
= 2x − + − + · · · + (−1)n + ···
3! 5! 7! 2n + 1

∑∞ (−1)n 22n+1 (x)2n+1


= .
n=0 (2n + 1)!

Uma das principais aplicações das séries de Taylor e de MacLaurin ocorre na integração
de funções. Newton frequentemente integrava funções expressando-as primeiro como uma
série de potências e depois integrando a série termo a termo.
−x2
Por exemplo, a função g(x) = e não pode ser integrada pelas técnicas do Cálculo 1,
pois sua antiderivada não é uma função elementar. No exemplo a seguir usaremos a ideia de
Newton para integrar essa função.

Expresse e−x dx como uma série de potências centrada no ponto 0.
2
EXEMPLO 5.17.5

Solução: Primeiro encontraremos a série de MacLaurin para g(x) = e−x .


2
Embora seja
possível usar o método direto, vamos encontrá-la a partir da série de MacLaurin para f (x) =
ex . Como f (n) (x) = ex para todo n natural, temos que

f (n) (0) = e0 = 1 ∀n ∈ N∗

e assim, a série de MacLaurin da função exponencial é

∑∞ f (n) (0) ∑∞ xn x 2 x3
e = x n
x = =1+x+ + + ··· .
n=0 n! n=0 n! 2! 3!
Pode-se mostrar facilmente que esta série converge para todo x real e que seu intervalo
de convergência é innito. Trocando x por −x neste desenvolvimento, obtemos que
2

∑∞ (−x2 )n ∑∞ (−1)n x2n x4 x6


e−x = = 1 − x2 + − + ···
2
=
n=0 n! n=0 n! 2! 3!

206
que também converge para todo x. Agora podemos integrar esta série termo a termo, de
acordo com o Teorema 5.15.1 e obter ∀n ∈ R
∫ ∑

−x2 (−1)n x2n+1 x3 x5 x7
e dx = C + =C +x− + − + ···
n=0
(2n + 1)n! 3 5.2! 7.3!
∫ 1
Calcule e−x dx com uma precisão de três casas decimais.
2
EXEMPLO 5.17.6
0

Solução: Aplicando o Teorema Fundamental do Cálculo à expressão obtida no exemplo


anterior, temos que

∫ 1
∑ (−1)n x2n+1 ∑
1 ∞ ∞
−x2 (−1)n
e dx = C + = .
0 (2n + 1)n!
n=0
(2n + 1)n!
n=0
0

Expandindo alguns termos desta série numérica, temos que

∫ 1 ∑

−x2 (−1)n 1 1 1 1 1 1
e dx = =1− − + − + + ···
0 n=0
(2n + 1)n! 3 10 42 216 1320 9360

e observamos que a partir do sexto termo desta expansão, todos os demais possuem módulo
1
menor que
1320
< 0, 001 e assim, ao somarmos os cinco primeiros termos da expansão teremos
uma aproximação com precisão de até 3 casa decimais

∫ 1
1 1 1 1
e−x dx ≈ 1 −
2
+ − + ≈ 0, 7475.
0 3 10 42 216
EXEMPLO 5.17.7 Utilize desenvolvimento em séries de MacLaurin para calcular
arctan(x) − sin x
lim .
x→0 x3 cos x
Solução: Começamos com o desenvolvimento em série de potências de f (x) = arctan x.
Como
1
f ′ (x) = = (1 + x2 )−1
1 + x2

é mais simples iniciar pelo desenvolvimento de f . No Exemplo 5.18.1 obtemos que

(1 + x)−1 = 1 − x + x2 − x3 + x4 + · · · + (−1)n xn + · · ·

trocando x por x2 , segue que

f ′ (x) = (1 + x2 )−1 = 1 − x2 + x4 − x6 + · · · + (−1)n x2n + · · ·

então, integrando termo a termo, temos que



1 x3 x5 x7 (−1)n x2n+1
arctan x = dx = x − + − + · · · + + ··· (I)
1 + x2 3 5 7 2n + 1
(a constante na expansão da função arco tangente é zero).
Ainda, sabemos que o desenvolvimento em série para o seno é

x3 x5 x7 (−1)n x2n+1
sin x = x − + − + ··· + + ··· (II)
3! 5! 7! (2n + 1)!

207
Tomando a diferença entre as equações (I) e (II) obtemos
( ) ( ) ( )
−1 1 1 1 (−1)n (−1)n+1
arctan x − sin x = x 3
+ +x 5
− + ··· + x 2n+1
+ + ···
3 3! 5 5! 2n + 1 (2n + 1)!
Podemos obter a série de MacLaurin para cos x facilmente, basta derivar termo a termo
a série de sin x desenvolvida acima, obtendo

x 2 x4 x 6 x2n
cos x = 1 − + − + · · · + (−1)n + ··· .
2! 4! 6! (2n)!
Agora podemos tomar o quociente desejado e simplicar, para obter que
( ) ) (
( )
1 −1 1 1 (−1)n (−1)n+1
x +x 3
− + + ··· + x 5
2n+1
+ + ···
arctan(x) − sin x 5 5! 3 3! 2n + 1 (2n + 1)!
= ( )
x3 cos x x2 x4 (−1)n x2n
x 1−
3 + + ··· + + ···
2! 4! (2n)!
( ) ( ) ( )
−1 1 1 1 (−1)n (−1)n+1
+ +x 2
− + ··· + x 2n−2
+ + ···
3 3! 5 5! 2n + 1 (2n + 1)!
= ( )
x2 x4 x6 x 2n
1− + − + · · · + (−1)n + ···
2! 4! 6! (2n)!
Finalmente, podemos aplicar o limite em ambos os lados dessa igualdade e encontrar que
( )
−1 1
+ +0
arctan(x) − sin x 3 3! −1 1 1
lim = = + =− .
x→0 x3 cos x 1+0 3 6 6

5.18 Fórmula geral do binômio de Newton


Suponhamos que o interesse é o desenvolvimento do binômio (a + b)n , para n inteiro
positivo. Do desenvolvimento geral do binômino de Newton vem que

(a + b)n = Cn0 an + Cn1 an−1 b + Cn2 an−2 b2 + · · · + Cnk an−k bk + · · · + Cnn bn .


Como

n! n (n − 1) (n − 2) · · · (n − (k − 1)) (n − k)! n (n − 1) (n − 2) · · · (n − (k − 1))


Cnk = = = ,
k! (n − k)! k! (n − k)! k!
podemos escrever

n (n − 1) n−2 2 n (n − 1) (n − 2) · · · (n − (k − 1)) n−k k


(a + b)n = an +nan−1 b+ a b +· · ·+ a b +· · ·+bn .
2! k!
Tomando a=1 e b = x vem que
n (n − 1) 2 n (n − 1) (n − 2) · · · (n − (k − 1)) k
(1 + x)n = 1 + nx + x + ··· + x + · · · + xn ,
2! k!
que é um desenvolvimento nito. Porém, se n não for um inteiro positivo ou zero, é con-
n
veniente desenvolver o binômio (1 + x) em série de Maclaurin. Desse modo teremos o
desenvolvimento innito

n (n − 1) 2 n (n − 1) (n − 2) 3
(1 + x)n = 1 + nx + x + x + ··· +
2! 3!
n (n − 1) (n − 2) · · · (n − k + 1) k
+ x + ··· (5.18.1)
k!
208
Esta série, chamada de série binomial, é um caso particular da Série de MacLaurin. Como
o leitor poderá vericar, através do Critério de D'Alembert, a série binomial é absolutamente
convergente para todo x real tal que |x| < 1. Pode ser provado que esse desenvolvimento
é verdadeiro para todo n. A prova pode ser encontrada nos livros citados na bibliograa.
Escrevendo em forma de somatório, temos que



n (n − 1) (n − 2) · · · (n − k + 1)
n
(1 + x) = 1 + xk se |x| < 1.
k=1
k!

1
EXEMPLO 5.18.1 Desenvolver em série de funções a função f (x) = .
1+x
Solução: Temos que

1
f (x) = = (1 + x)−1 .
1+x
Portanto, basta substituir n = −1 na fórmula da série binomial. Assim,

1 −1 (−1 − 1) 2 −1 (−1 − 1) (−1 − 2) 3


= 1 + (−1) x + x + x + ···
1+x 2! 3!
−1 (−1 − 1) (−1 − 2) · · · (−1 − k + 1) k
+ x + ···
k!
2 −6 3 −1 (−1 − 1) (−1 − 2) · · · (−1 − k + 1) k
= 1 − x + x2 + x + ··· + x + ···
2! 3! k!
1 ∑∞
= 1 − x + x − x + x + · · · + (−1) x + · · · =
2 3 4 k k
(−1)k xk .
1+x k=0

ln(x + 1)
EXEMPLO 5.18.2 Expresse como uma série de potências a função f (x) = .
x
1
Solução: Vamos analisar inicialmente a função ln(x + 1). A sua derivada é igual a , e
x+1
no exemplo anterior mostramos que

1 ∑ ∞
= 1 − x + x2 − x3 + x4 + · · · + (−1)n xn + · · · = (−1)n xn ,
x+1 n=0

portanto, devemos integrar ambos os membros da igualdade, obtendo

∫ ∑ ∞ ∫ ∑

1 n xn+1
ln(x + 1) = dx = n
(−1) x dx = (−1)n .
1+x n=0 n=0
n+1

ln(x + 1)