Anda di halaman 1dari 53

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp CÂMPUS DE JABOTICABAL


FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS
DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE

Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional


1a. Aula - Conceitos de ecotoxicologia e de agrotóxicos
Dr. Joaquim Gonçalves Machado Neto
Prof. Titular – Responsável pela Disciplina Ago/2016
1a. Aula - Conceitos de ecotoxicologia
e de agrotóxicos
TEÓRICA
1 - Introdução
2 - Conceitos em ecotoxicologia.
3 - Agrotóxicos: conceitos, nomenclatura, classes de uso,
consumo mundial e no Brasil.
4 - Legislação atual sobre agrotóxicos: rótulos e bulas.

PRÁTICA
- Reconhecimento de nomes e classes de uso de .
agrotóxicos, leitura de rótulos e bulas
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA
unesp CÂMPUS DE JABOTICABAL
FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE
A
ÁREAS DE: G
R -Tecnologia de Aplicação
- Entomologia Agrícola O dos Agrotóxicos
- Nematologia Agrícola T
Ó
- Acarologia Agrícola
X -Ecotoxicologia dos Agrotóxicos
- Fitopatologia I e Saúde Ocupacional
- Matologia C
O - Disciplina Obrigatória
S
- Curso de Graduação em Agronomia
- 6o. Período – 3 h / semana (45 h/semestre)
Prof. Resp. Dr. Joaquim G. Machado Neto
Conteúdo: Três Blocos:
- Conhecendo os Agrotóxicos
- Segurança Ocupacional
- Segurança Ambiental
ECOTOXICOLOGIA
Definida por Truhaut (1969) e Butler
(1978) como:
Ramo da Toxicologia que estuda
os efeitos tóxicos das substâncias,
naturais e artificiais, sobre os
organismos vivos, animais ou
vegetais, aquáticos ou terrestres,
que constituem a biosfera.
A ECOTOXICOLOGIA ESTUDA:
1. A emissão, entrada, distribuição e destino dos

poluentes nos diferentes compartimentos

abióticos.

2. A entrada e o destino dos poluentes nas cadeias

biológicas e as formas de transferência nas

cadeias tróficas.

3. Efeitos qualitativo e quantitativo dos efeitos

tóxicos dos poluentes ao ecossistema, incluindo

o homem.
PARÂMETROS TOXICOLOGIA ECOTOXICOLOGIA
AQUÁTICOS: ALGAS,
MICROCRUSTÁCEOS, PEIXES.
RATOS, COELHOS,
ORGANISMOS TERRESTRES:
COBAIAS, CÃES. MICROORGANISMOS,
TESTES
MINHOCAS, PLANTAS,
AVES.

EXTRAPO-
HOMEM ECOSSISTEMA
LAÇÃO
MANUTENÇÃO DA ESTRUTURA
PROTEÇÃO DOS
OBJETIVO INDIVÍDUOS
E DAS FUNÇÕES DOS SISTEMAS
NATURAIS
AGROTÓXICOS : SINONÍMIAS
- Agrotóxico

- Defensivo Agrícola
- Produto Fitossanitário
- Pesticida
- Agroquímico
- Fitofármaco
- Fitoterápico
- Agrofármaco
AGROTÓXICOS : NOMENCLATURA

1.NOME QUÍMICO:
É a expressão da fórmula estrutural.
É dado de acordo com as regras do Código
Internacional de Nomenclatura Química.

Ácído 2,4-diclorofenoxiacético.
NOMENCLATURA DOS AGROTÓXICOS

2. NOME COMUM: É de uso internacional, são

neologismos formados artificialmente, válidos quando

aprovados por entidades oficialmente credenciadas.

Ácído 2,4-diclorofenoxiacético.

2,4-D
NOMENCLATURA DOS AGROTÓXICOS

2. NOME COMUM: É de uso internacional, são neologismos


formados artificialmente, válidos quando aprovados por entidades
oficialmente credenciadas.
USA – WSSA – Weed Science Society of Am.
– ANSI – America National Standards Inst.
INGLATERRA – BSI – British Standards Institut.
SUIÇA - ISO – International Standards Organization
JAPÃO: JMAF – Japanese Ministry of Agriculture and
Forestry.
NOMENCLATURA DOS AGROTÓXICOS
2. NOME COMUM:

2,4-D

CRITÉRIOS PARA CRIAÇÃO DO NOME COMUM:

1. Fácil pronuncia em qualquer língua

2. Não se assemelhar a palavras em qualquer língua

3. Não conflitar com marcas em qualquer país

Desejável alguma relação com o nome químico


NOMENCLATURA DOS AGROTÓXICOS

3. NOME COMERCIAL OU DE FANTASIA:

É um nome dado pelo fabricante e tem grafia própria e é

propriedade particular do registrante.

O nome comercial é registrado no Ministério da Agricultura,

para comercialização no país.

Normalmente é identificado pelo símbolo à direita e acima do

nome (Roundup ).
LEGISLAÇÃO : HISTÓRICO...
Lei 7.802 de 11/07/1989 / Dec. Lei 98.816 de 11/01/90

Lei 9.974 de 06/06/00


Descarte das embalagens vazias
Altera a Lei n° 7.802, de 11/07/1989,

Dec. 3.550 de 27/07/00 / Dec. 3.694 de 21/12/00

Dec. 3.828 de 31/05/01 (prazo de 1 ano para


distribuidores atenderem requisitos da Lei 9.974)

Decreto Lei 4.074 de 04/01/02


13
título: Decreto nº 4074, de 04 de janeiro de 2002
alcance do ato: federal - Brasil
área de atuação: Tecnologia de Serviços de Saúde, Toxicologia
relacionamento(s):
atos relacionados:
• Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996
• Decreto nº 2.018, de 01 de outubro de 1996

regulamenta:
• Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989
revoga:
• Decreto nº 98.816, de 11 de janeiro de 1990
• Decreto nº 99.657, de 26 de outubro de 1990
• Decreto nº 991, de 24 de novembro de 1993
• Decreto nº 3.550, de 27 de julho de 2000
• Decreto nº 3.694, de 21 de dezembro de 2000
14
• Decreto nº 3.828, de 31 de maio de 2001
AGROTÓXICOS
LEI 7.802 , DE 11/07/89 (Lei dos agrot.) - Art. 2.1. Agrotóxicos e afins:

a) os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao

uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas,

nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros

ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja

alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-la da ação danosa de seres

vivos considerados nocivos,

b) substâncias e produtos empregados como desfolhantes, dessecantes, estimulantes e

inibidores de crescimento.
CLASSES DE USO DOS AGROTÓXICOS
1. Herbicidas* 10. Fumigantes
2. Inseticidas* 11. Inset. biológicos
3. Fungicidas* 12. Moluscicidas
4. Acaricidas* 13. Espalhante ades.
5. Nematicidas* 14. Antibrotantes
6. Regulad. de cresc. 15. Antievaporantes
7. Formicidas 16. Dessecantes
8. Bactericidas* 17. Estim. horm. veg.
9. Feromônios 18. Rodenticidas
CONSUMO MUNDIAL DE AGROTÓXICOS
CONSUMO MUNDIAL DE AGROTÓXICOS

As vendas de agrotóxicos no período cresceram 96,7% no mundo e 189,6% no Brasil.


CONSUMO MUNDIAL DE AGROTÓXICOS
Decreto nº 4.074, de 4 / 01 / 2002, regulamenta a Lei 7.802
ATIVIDADES UNIÃO ESTADOS MUNICÍPIOS
1. Registro X
LEGISLAÇÃO SOBRE

2. Fiscalização X
3. Classificação X
AGROTÓXICOS

4. Controle X
5. Inspeção X
6. Pesquisa X
7. Experimentação X
8. Rotulagem X
9. Embalagem X
10. Propaganda Comercial X
11. Importação X
12. Exportação X
13. Produção X X
14. Transporte X X
15. Armazenamento X X
16. Comercialização X X
17. Utilização X X
18. Destino Final de
X X X
Resíduos e Embalagens
RECEITUÁRIO AGRONÔMICO
Lei 7.802, de 11/07/89 (Lei dos Agrotóxicos).

Lei 5.194 de 24/12/66 – Regulamenta o Exercício Profissional de


Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos.

Resolução CONFEA 344 de 27/07/90 - Competência dos Engenheiros

Agrônomos e Engenheiros Florestais para PRESCREVER RECEITAS e

assumir responsabilidades técnicas sobre: Pesquisa, Experimentação, Classifi-

cação, Produção, Embalagem, Transporte, Armazenamento, Comercialização,

Inspeção, Fiscalização e Aplicação de agrotóxicos e afins.


Lei 7.802 Art. 7º - para serem vendidos ou expostos à venda em todo
território nacional, os agrotóxicos e afins ficam obrigados a exibir
rótulos próprios, redigidos em português, que contenham, ...

Decreto nº 4.074, 04-01-2002 Rotulagem – o ato de identificação


impresso ou litografado, bem como dizeres ou figuras pintadas ou
gravadas a fogo, por pressão ou decalque, aplicados sobre quaisquer
tipos de embalagens unitária de agrotóxico ou afins, ou sobre qualquer
outro tipo de proteção de embalagem incluída a complementação sob
forma de etiqueta, carimbo indelével, bula ou folheto.
Decreto nº 4.074, 04-01-2002– Cap II –Das competências, Art. 5º

Responsabilidades para estabelecer os parâmetros da rotulagem


de agrotóxicos e afins.

• quanto às informações técnico-agronômicas M. A.

• quanto às precauções de uso e cuidados com a saúde humana


Ministério da Saúde.

• quanto às precauções de uso e proteção da qualidade


ambiental; M. Interior - M. Meio Ambiente (IBAMA).
Decreto nº 4.074, 04-01-2002. Cap III - DOS REGISTROS – SEÇÃO I

I – Requerimento em 4 vias, solicitando o registro...

II – Relatório técnico I – M. A. ... modelo de rótulo e bula

III – Relatório técnico II – Ministério da Saúde

IV – Relatório técnico III - IBAMA

Deverão constar obrigatoriamente do rótulo de


agrotóxicos e afins, conforme modelo do anexo IV .
Nos rótulos deverão ser observados:

I. data de fabricação e vencimento (mês e ano),

II. confeccionado em fundo branco e dizeres em letras pretas,

III. conste pictogramas internacionalmente aceitos, dispostos ao longo


da faixa de classificação toxicológica, em preto com o fundo
branco.
IV. confeccionados com materiais cuja qualidade
assegure a devida resistência à ação dos agentes atmosféricos e
manipulações.
B

E C D
A

FAIXA COLORIDA (B)


B=A/5 Colorido
- Vermelho - classe I - Azul - classe III
- Amarelo - classe II - Verde - classe IV
Caveira – “Cuidado Veneno”
Pictogramas – uso de EPIs e procedimentos
B

E C D
A

FAIXA COLORIDA (B)


B=A/5 Colorido
- Vermelho - classe I - Azul - classe III
- Amarelo - classe II - Verde - classe IV
Caveira – “Cuidado Veneno”
Pictogramas – uso de EPIs e procedimentos
Na coluna central (C)
a) marca comercial.
b) número de registro e sigla do órgão registrante.
c) composição quali-quantitativa das formulações (nomes químico,
comum, em português, ou científico - biológico, internacionalmente
aceitos).
d) % total dos ingredientes inértes.
e) quantidade total do conteúdo (unidade de medida).
f) classe e tipo de formulação.
g) nome e endereço do registrante, fabricante, formulador ou importador,
Na coluna central (C)
h) número do lote ou da partida, data de fabricação e de vencimento.
i) recomendação em destaque para que o usuário leia o rótulo e a bula antes de utilizar o
produto e que a conserve em seu poder,
j) indicações se a formulação é explosiva, inflamável, comburente, corrosiva ou irritante,
k) os dizeres: “É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA, PROTEJA-
SE”.
l) classificação toxicológica.
m) classificação pelo potencial de periculosidade ambiental (PPA)
Na coluna da esquerda (E)

a) precauções de uso e advertências quanto aos cuidados de proteção ao


meio ambiente; e

b) instruções de armazenamento do produto, visando sua conservação e


prevenção contra acidentes.

Na coluna da direita (D)

a) precauções de uso e recomendações gerais, quanto a primeiros


socorros, antídotos e tratamentos, no que diz respeito à saúde
humana, e

b) telefone de três dígitos dos centros de informações toxicológicas


CONTER TODOS OS DADOS DO RÓTULO

I – INSTRUÇÕES DE USO:
+
a) culturas;
b) pragas, doenças, plantas daninhas, etc (nome comum e científico);
c) dosagens do i.a./ha ou %;
d) modo de aplicação;
e) intervalo de segurança, dias entre o uso e a colheita, consumo, próxima semeadura;
f) intervalo de reentrada;
g) limitação de uso;
h) equipamento de aplicação;
i) EPIs – Equipamentos de Proteção Individual;
j) destino final de embalagens e sobras.
CONTER TODOS OS DADOS DO RÓTULO

+
II – PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:
a) mecanismo de ação, absorção e excreção;
b) efeitos agudos e crônicos;
c) efeitos colaterais

III – PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

IV – OUTRAS INFORMAÇÕES
PRÁTICA - Reconhecimento de nomes e classes de uso de agrotóxicos,
1 - Nome do fabricante leitura de rótulos e bulas
2 - Nome Comercial
3 - Número de registro e sigla do órgão registrante
4 - Nome químico o ingrediente ativo, nome comum e concentração (% ou g/L ou kg).
5 – Concentração dos ingredientes inertes (% ou g/L ou kg)
6 – Conteúdo (volume) da embalagem
7 – Classe de uso
8 - Tipo de formulação
9 – Titular do Registro
10 –Número do lote ou da partida
11 - Recomendação em destaque: Antes de usar o produto leia o rótulo e a bula antes de utilizar o
produto e que a conserve em seu poder
12 - Data de fabricação e de vencimento
13 - Indicações se a formulação é explosiva, inflamável, comburente, corrosiva ou irritante
14 - Classificação toxicológica
15 – Classificação do potencial de periculosidade ambiental
16 - Telefones de contato