Anda di halaman 1dari 6

Apoio

40
Curto-circuito para a seletividade

Novo!
Capítulo II

Números complexos – Parte 2


Por Cláudio Mardegan*

Motores de indução HP(EIXO) x 0.746 x 10-3 CV(EIXO) x 0.736 x 10-3


In-motor = = •••
Para motores de indução conhece-se normalmente o valor da √ 3 x Cosφ x η √ 3 x Cosφ x η
sua corrente nominal (dado de placa), sua tensão nominal (dado de
placa), e a sua reatância (%). O procedimento consiste em se fazer kw(EIXO) x 10-3
•••
uma mudança de base, da base do motor (valor para o qual a sua √ 3 x Cosφ x η
reatância está referida) para a base do sistema.
Em que:
Mudança de base IN = Corrente nominal do motor em ampères;

( )
MVAbase
2 kVN = Tensão nominal do motor em kV;
X% kVequip
Xmotor-pu = x x Cosϕ = Fator de potência nominal do motor em pu;
100 MVAmotor kVsist
η = Rendimento do motor em pu.
Como normalmente MVA-Base é 100:
A potência nominal absorvida pelo motor será:

( )
2
X% 100 kVequip
Xmotor-pu = x x
100 MVAmotor kVsist MVAmotor = √ 3 x kVN x In [A] x 10-3 [MVA]

( )
2
X% kVequip HP(EIXO) x 0.746 x 10-3 CV(EIXO) x 0.736 x 10-3
Xmotor-pu = x MVAN-motor = = •••
MVAmotor kVsist Cosφ x η Cosφ x η
Fascículo

kw(EIXO) x 10-3
A reatância do motor de indução não é um dado de placa. •••
Assim, o valor da reatância pode ser calculado, como segue: Cosφ x η

In In Do exposto, para se obter o valor da reatância de rotor


X" = Pela norma IEC: ZM =
Irb Irb bloqueado do motor é fundamental a obtenção do valor da corrente
Em que: de partida ou rotor bloqueado. Em alguns casos, na placa do motor,
In = Corrente nominal; é mostrada a letra código NEC. Nessas circunstâncias, pode-se
Irb=Ip = Corrente de rotor bloqueado = corrente de partida (direta); utilizar o valor da corrente de partida para o motor, calculada a
X” = Reatância do motor. partir dos kVA de rotor bloqueado / HP.
Apresenta-se na Tabela 1 os kVAs de rotor bloqueado em
A corrente nominal do motor é calculada, como segue: função da letra código do motor.
Apoio

41
Tabela 1 - Letra código NEC para motores
Exemplo
LETRA CÓDIGO Faixa dekVArb / HP Valor Médio Um motor de 500 HP, 4 kV, possui letra código G. Calcule a sua
A Até 3.14 1.570
corrente de partida.
B 3.15 - 3.54 3.345
C 3.55 - 3.99 3.770 kVArb 5.945 x 500
D 4.00 - 4.49 4.245 ip = = = 429 A
√ 3 • kVN √3•4
E 4.50 - 4.99 4.745
F 5.00 - 5.59 5.295
G 5.60 - 6.29 5.945 A tensão do motor costuma ser diferente da tensão do sistema,
H 6.30 - 7.09 6.695 principalmente, quando se utiliza o padrão americano. São
J 7.10 - 7.99 7.545 apresentadas na Tabela 2 as tensões típicas mais usuais para os
K 8.00 - 8.99 8.495
motores.
L 9.00 - 9.99 9.495
M 10.00 - 11.19 10.595 Tabela 2 - Tensões mais usuais para motores em função da tensão do
N 11.20 - 12.49 11.845 sistema
P 12.50 - 13.99 13.245 Tensão Secundária do Tensão Nominal do Motor
R 14.00 - 15.99 14.995 transformador [kV] [kV]
S 16.00 - 17.99 16.995 13.8 13.2
T 18.00 - 19.99 18.995 6.6 6.3
U 20.00 - 22.39 21.195 4.16 4
V > 22.4 - 2.4 2.3
0.48 0.44
A corrente de partida (Ip), em Ampères, é calculada pela
equação abaixo: Normalmente, utiliza-se este padrão devido ao fato que o
torque no motor varia com o quadrado da tensão e, assim, uma
kVArb [ LETRA - CÓDIGO] • HP
Ip = = pequena variação na tensão implica a perda de torque. Desta forma,
√ 3 • kVN √ 3 • kVN escolhe-se a tensão do sistema um pouco superior à do motor para
não perder torque.
Apoio

42 Exemplo:
Calcular a impedância PU (R e X) de um motor de indução de
Curto-circuito para a seletividade

500 HP, corrente nominal 65A (PF=0.92, η=0.9), tensão nominal 4


kV, e corrente de partida de 390A, instalado em 4.16kV, na base de
100 MVA.

Solução:
Da norma ANSI C37.010 [28] tira-se o valor de X/R~ 20.
X% = (In/Ip) x 100 = (65 / 390) x 100
X% = 16.67
MVA-Motor = 1.732 x 4 x 65 x 10-3 = 0.45024

( )
Figura 1 - Curva X/R versus MVA para motores de indução da norma 2
X% kVequip
ANSI C37.010 e do IEEE Std 141. XMOTOR-PU = x
MVAMOTOR kVsist

( )
A curva da Figura 1 é representada por três características, 2
16.67 4
correspondendo a valores altos, médios e baixos. A característica XMOTOR-PU = x = 37.0172 x 0.9246
0.45024 4.16
média foi traduzida pelo autor no seguinte conjunto de equações
logarítmicas para a obtenção do valor de X/R:
XMOTOR-PU = 34.2244 pu

HP < 50 X"
RMOTOR-PU =

()
Desprezar o motor (para análise de disjuntores de média e alta
X
tensão).
R

50 < HP < 185.48 RMOTOR-PU =34.2244 / 20 = 1.7112 pu


(X/R) = 8.505840 + 10.538839 log (HP/100)
Motores / geradores de síncronos
Para motores/geradores síncronos conhece-se, normalmente, o
185.48 < HP < 500
valor da sua corrente nominal (dado de placa), sua tensão nominal
(X/R) = 5.934388 + 20.123341 log (HP/100)
(dado de placa) e a sua reatância (%), obtida do data sheet. O
procedimento consiste em fazer uma mudança de base, da base do
500 < HP
motor/gerador (valor para o qual a sua reatância está referida), para
(X/R) = 6.031667 + 19.984166 log (HP/100)
o valor da impedância do sistema.

Na Tabela 5 estão os valores de X/R típicos para algumas


Mudança de base
potências padronizadas.

( )
2
X% MVABASE kVequip
XMOTOR-PU = x x
Tabela 3 - Relação X/R típica de motores de indução 100 MVAMOTOR kVsist
HP X/R HP X/R
50 5.5 300 15.5 Como, normalmente, MVA-base é 100:
Fascículo

60 6.0 350 17.0

( )
2
75 7.0 400 18.0 X% 100 kVequip
XMOTOR-PU = x x
100 8.5 450 19.0 100 MVAMOTOR kVsist
125 9.5 500 20.0
150 10.5 600 21.5

( )
2
175 11.0 750 23.5 X% kVequip
200 12.0 1000 26.0 XMOTOR-PU = x
MVAMOTOR kVsist
250 14.0
Como já foi calculado o valor de X para obter o valor de R, basta
Conhecido o valor de X, pode-se obter o valor de R, como segue:
aplicar a equação abaixo.
X"
XMOTOR-PU

()
R=

()
X RMOTOR-PU =
X
R
R
Apoio

44 Dificilmente se conhece o valor do X/R do motor. Neste caso, Tabela 4 – Relação X/R típica de máquinas síncronas.
podem-se utilizar os valores sugeridos na norma ANSI C37.010. A kVA X/R
Curto-circuito para a seletividade

Figura 2 apresenta a aparência dessa curva. 1000 22


1500 24
2000 25.5
2500 26.5
3000 27.5
3500 28
4000 29
4500 29.5
5000 30
6000 31
7000 32
8000 32.5
9000 33
10000 34
15000 36
18000 37
20000 40.5
Figura 2 – Curva X/R versus kVA para máquinas síncronas da norma
25000 44
ANSI C37.010.
Da Tabela 4 (baseada na norma ANSI C37.010 [28]), tira-se o
valor de X/R~ 37.
A curva da Figura 2 é representada por três características,
correspondendo a valores, altos, médios e baixos. A característica X % x kV2equip
XMOTOR-PU =
média foi traduzida pelo autor no seguinte conjunto de equações MVAMOTOR x kV2sist
logarítmicas para a obtenção do valor de X/R:
15 x 13.22
XMOTOR-PU =
16.9187x 13.82
kVA = 1000
(X/R) = 22 15 x 13.22
XMOTOR-PU =
16.9187x 13.82
1000 < kVA < 5000
XMOTOR-PU = 0.8112 pu
(X/R) = 22 + 11.445412 log (MVA)
X"
RMOTOR-PU =
5000 < kVA < 15000
(X/R) = 21.210159 + 12.575420 log(MVA) () X
R

0.8112
15000 < kVA RMOTOR-PU = = 0.0219 pu
37
(X/R) = -6.410562 + 36.060604 log(MVA)
Equivalente da concessionária
Apresenta-se na Tabela 4 o valor calculado pelas equações
acima para algumas potências. (a) Impedância de sequência positiva
Fascículo

Exemplo Normalmente, a concessionária fornece a potência de curto-


circuito (SCC3φ) na entrada da instalação ou então a corrente de
Calcular a impedância PU (R e X) de um motor de síncrono curto-circuito (ICC3φ) e o ângulo ou X/R.
de 18000 HP, corrente nominal 740 A, tensão nominal 13.2 kV e
SCC3φ = √3 x kVN x ICC3φ [A] x 10-3 [MVA] (trifásico)
reatância subtransitória (X”d) igual a 15%, instalado em 13.8 kV, na
base de 100 MVA. ZATUAL
ZPU =
ZBase
Solução:
V2N
ZATUAL =
SCC
MVAMOTOR = √3 x kVN x IN [A] x 10-3 [MVA]
MVAMOTOR = √3 x 13.2 x 740 x 10-3 [MVA] = 16.9187 [MVA] V2N
ZBASE =
SBASE
Apoio

V2N Em instalações industriais supridas por concessionárias de energia, 45


SCC SBASE raramente os valores excedem um X/R=15 (ângulo de 86.2º) para o
ZEQ.CC-pu = =
VN2 SCC curto-circuito trifásico. Para o curto-circuito fase-terra, a tendência
SBASE é que este valor seja menor que o valor do X/R do curto-circuito
trifásico. Normalmente, não se adota um valor menor que 10. Nos
SBASE
ZEQ.CC-pu = próximos capítulos, mostram-se algumas sugestões de valores em
SCC
função da proximidade do ponto de entrega com geração/subestação da
(b) Impedância de sequência negativa
concessionária.
Apresenta-se a seguir um método alternativo para estimar a relação
Z2 = Z1
X/R da concessionária.
Que valor de X/R adotar quando a concessionária não disponibiliza?
Exemplo:
Sabe-se que quem, praticamente, impõe o valor de curto-circuito
Um sistema apresenta uma potência de curto-circuito de
logo após o transformador é o próprio transformador. Assim, um outro
1000MVA em 138 kV (Icc = 4183.7 A) e X/R=15. Qual a impedância
critério para adotar um valor de X/R, seria saber o tamanho (MVAs) do
equivalente de sua rede na base de 100 MVA e 138 kV?
transformador que está a montante, utilizando a equação abaixo.
z%
Solução: Ztrafo-pu =
MVAtrafo
SBASE 100
ZEQ.CC-pu = = = 0.1 pu Epu 1
SCC 1000 ICC-pu = =
Zpu Zpu
φ = tg -1
() X
R
= tg -1 (15) = 86.19º
MVACC = ICC-pu x 100 =
1
Zpu
x 100 =
MVAtrafo
z%
x 100

ZEQ.CC-pu = 0.1 x ej86.19º pu = 0.1[Cos(86.19º) + j Sen(86.19º)] pu


z%
MVATrafo = MVACC x
ZEQ.CC-pu = 0.0067 + j 0.0998 pu 100
Em função dos MVAs do transformador entra-se na curva de
(c) Impedância de sequência zero X/R versus MVA do IEEE e determinar-se o valor de X/R a partir da
estimativa do valor da impedância do transformador (Z%).
Normalmente, a concessionária fornece a potência de curto-
circuito (SCC1φ), na entrada da instalação, ou então a corrente de Exemplo
curto-circuito (ICC1φ) e o ângulo ou X/R.
Um sistema apresenta uma corrente de curto-circuito trifásica de 2294 A
SCC1φ = √3 x kVN x ICC1φ [A] x 10-3 [MVA] em 13.8 kV (MVAcc = 54.832 MVA). Que valor de X/R se deve adotar?

SCC3φ = √3 x kVN x ICC3φ [A] x 10-3 [MVA] Solução:


Adotando inicialmente Z% = 6
SBASE
Z1_EQ.CC-pu =
SCC z%
MVATrafo = MVACC x
X 100
tgφ =
R 6
MVATrafo = 54.832 x

()
100
X
φ = tg -1
R MVATrafo = 3.29

R1EQ.CC-pu = Z1EQ.CC-pu x Cosφ Como existe impedância de linha, etc., considera-se:


X1EQ.CC-pu = Z1EQ.CC-pu x Senφ MVATrafo = 3.5
3.Epu Entrando com esta potência na curva do Red Book, tem-se X/R = 10.
Z0 = - 2 x Z1EQ.CC-pu
EQ.CC-pu ICC1ϕ-pu
Que valor de X/R adotar quando não se dispõe? Transformador de três enrolamentos
Para cada informação que se adota, assume-se uma responsabilidade.
Assim, é de extrema importância utilizar valores que estejam, sempre, do Para se obter a impedância dos transformadores é necessário
lado da segurança. realizar o ensaio de curto-circuito. Este ensaio é feito “curto-
Apoio

46 circuitando” um lado do transformador e aplicando-se tensão no 1


ZP = x (ZPS + ZPT - ZST)
lado não “curto-circuitado”, até que circule a corrente nominal. 2
Curto-circuito para a seletividade

A impedância de curto-circuito é obtida pela relação do valor da 1


ZS = x (ZPS + ZST - ZPT)
tensão aplicada pela corrente nominal. 2
1
ZT = x (ZPT + ZST - ZPS)
2
Vale a pena lembrar que:
(a) As equações acima somente são válidas se todas as impedâncias
estiverem na mesma base.
(b) Algum valor das equações acima pode ser negativo para ZP, ZS e ZT.

Exemplo:
Dado o transformador de três enrolamentos abaixo, calcular as
Figura 3 - Unifilar do transformador de três enrolamentos.
impedâncias ZP, ZS e ZT.
Como o transformador de três enrolamentos possui três enrolamentos,
Enrolamento MVAN kVN Z% kVBASE MVABASE
para a obtenção do valor da impedância entre dois enrolamentos, este
Primário 20 138 Zps=7% 138 20
ensaio é feito para cada dois enrolamentos, como segue:
Secundário 20 13.8 Zst = 4% 13.8 7.5
Tabela 5 – Critério para ensaio de curto-circuito em transformadores
Terciário 7.5 4.16 Zpt = 6% 138 7.5
de três enrolamentos

Impedância Lado em que Enrolamento Enrolamento Solução:


a ser obtida a tensão é curto-circuitado que fica
aplicada aberto Adotando as bases, inicialmente, como:
Zps Primário Secundário Terciário
MVABASE = 20
Zst Secundário Terciário Primário
Zpt Primário Terciário Secundário kVBase-Primário = 138 kV
kVBase-Secundário = 13.8 kV
Em que:
kVBase-Terciário = 4.16 kV
Zps – Impedância entre os enrolamentos primário e secundário
Zst – Impedância entre os enrolamentos secundário e terciário Z’ps = Zps = j0.07pu Esta impedância já está na base escolhida.
Zpt – Impedância entre os enrolamentos primário e terciário Zst = j0.04pu (base do enrolamento)
MVAP 20
Para elaborar um estudo de curto-circuito, a representação Z`ST = ZST x = j 0.04 x = j 0.1067 pu
MVAS 7.5
através das impedâncias Zps, Zst, Zpt não é a mais adequada. A
MVAP 20
representação mais adequada é a estrela equivalente, conforme Z`PT = ZPT x = j 0.06 x = j 0.16 pu
MVAT 7.5
indicado na Figura 4.
1
ZP = • (0.07 +0.16 - 0.1067) = 0.0617 pu
2
1
ZS = • (0.07 + 1067 - 0.16) = 0.0083 pu
2
1
Fascículo

ZT = • (0.16 + 0.1067 - 0.07) = 0.0983 pu


2
*Cláudio Sérgio Mardegan é diretor da EngePower Engenharia e Comércio
Ltda. É engenheiro eletricista formado pela Unifei, especialista em proteção
de sistemas elétricos industriais e qualidade de energia, com experiência de
mais de 35 anos nesta área. É autor do livro “Proteção e Seletividade em
Sistemas Elétricos Industriais”, patrocinado pela Schneider, e coautor do
Figura 4 – Representação das impedâncias do transformador de três
“Guia O Setor Elétrico de Normas Brasileiras”. É membro sênior do IEEE
enrolamentos por uma estrela equivalente.
e participa também dos Working Groups do IEEE que elaboram os “Color
Nesta Figura: Books”. É Chairman do Capítulo 6 do Buff Book, atual 3004 series (3004.6)
sobre Ground Fault Protection e também participa de Forensics.
Zps = Zp + Zs
Continua na Próxima edição
Zst = Zs + Zt
Acompanhe todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br
Zpt = Zp + Zt Dúvidas, sugestões e comentários podem ser encaminhados para
Resolvendo as equações anteriores para Zp, Zs e Zt, tem-se: redacao@atitudeeditorial.com.br