Anda di halaman 1dari 4

ANTROPOLOGIA CULTURAL

A antropologia cultural dedica-se primordialmente ao desenvolvimento das sociedades humanas no


mundo. Estuda os comportamentos dos grupos humanos, as origens da religião, os costumes e convenções
sociais, o desenvolvimento técnico e os relacionamentos familiares. Um campo muito importante da
antropologia cultural é a lingüística, que estuda a história e a estrutura da linguagem. A lingüística é
especialmente valorizada porque os antropólogos se apóiam nela para observar os sistemas de
comunicação e apreender a visão do mundo das pessoas. Através desta ciência também é possível coletar
histórias orais do grupo estudado. História oral é constituída na sociedade a partir da poesia, das canções,
dos mitos, provérbios e lendas populares.

Natureza da cultura

O termo cultura (colere, cultivar ou instruir; cultus cultivo, instrução) não se restringe ao campo da
antropologia. Varias áreas do saber humano- agronomia, biologia, artes, literatura, historia etc.- valem-
se dele, embora seja outra a conotação.

Muitas vezes, a palavra cultura é empregada para indicar o desenvolvimento do indivíduopor meio
da educação, da instrução. Para os antropólogos, cultura tem significado amplo: engloba os métodos
comuns e aprendidos na vida, transmitidos pelos indivíduos e grupos, em sociedade.

Conceituação

Desde o final do século passado os antropólogos vêm elaborando inúmeros conceitos sobre cultura.
Mesmo ultrapassando 160 definições, ainda não chegam a um consenso sobre o significado exacto do
termo. Para alguns, cultura ‘e comportamento aprendido; para outros,a cultura consiste em ideias. Há os
que consideram como cultura os objectos imateriais, enquanto outros, ao contrário, aquilo que se refere
ao material. Também encontra-se estudioso que entende por cultura tanto as coisas matérias quanto as
não matérias.

Essas colecções divergentes, ao longo do tempo, permitem aprender a cultura como um todo, sob vários
enfoques. A cultura, portanto, pode ser analisada, ao mesmo tempo, sob vários enfoques: ideias
(conhecimento e filosofia); crenças (religião e superstição); valores (ideologia e moral); normas (costumes
e leis); atitudes (preconceito e respeito ao próximo); padrões de conduta (monogamia e
tabu); abstracção do comportamento (símbolos e compromissos); instituições(famílias e sistema
económico); técnicas (artes e habilidades); e artefactos (machado de pedra, telefone).

Localização da cultura

As coisas e os acontecimentos que constituem a cultura, segundo Leslie A. White, encontram-se no espaço
e no tempo, e são classificadas em:

· Intra-organica: dentro de organismo humano (conceitos, crenças, emoções, atitudes);

· Interorganica: dentro dos processos de interacção social entre os seres humanos;

· Extra-organica: dentro de objectos materiais (machados fabricas, ferrovias, vasos de cerâmica)


situados fora de organismo humano, mas dentro dos padrões de interacçãosocial entre eles.
Essência da cultura

A cultura, para os antropólogos, de forma geral, consiste, como já foi mencionado,


em ideias, abstracções e comportamentos.

Classificação da cultura

A cultura pode ser classificada de diversas maneiras: material ou imaterial (não material, espiritual), real
ou ideal.

Componentes da cultura

De modo geral, a cultura se constitui dos seguintes elementos: conhecimentos, crenças, valores, normas e
símbolos.

Relativismo cultural

A posição cultural relativista tem como fundamento a ideia de que os indivíduos são condicionados a um
modo de vida específico e particular, por meio do processo de endoculturação. Adquirem assim, seus
próprios sistemas de valores e sua própria integridade cultural.

As culturas de modo geral, diferem uma das outras em relação aos postulados básicos, embora tenham
características comuns. Por isso, o relativismo cultural não concorda com a ideia de normas e valores
absolutos e defende o pressuposto de que as avaliações devem ser sempre relativas à própria cultura onde
surgem.

Etnocentrismo

O conceito de etnocentrismo acha-se intimamente relacionado ao de relativismo cultural.


A posição relativista liberta o individuo das perspectivas deturpadoras do etnocentrismo, que significa a
supervalorização da própria cultura em detrimento das demais. A ocorrência da grande diversidade
de culturas vem estimular que há modos de vida bons para um grupo que já mais serviriam para outros.

O etnocentrismo pode ser manifestado no comportamento agressivo ou em atitudes de superioridade e


até de hostilidade. Entretanto, o etnocentrismo apresenta um aspecto positivo, ao ser agente
de valorização do próprio grupo.

Estrutura da cultura

Para analisar a cultura, alguns antropólogos desenvolveram conceitos de traços, complexos e padrões
culturais.

Traçosculturais-são os menores elementos que permitem a descrição da cultura. Refere-se, à menor


unidade ou componente significativo da cultura, que pode ser isolado no comportamento cultural.

Complexo cultural- é o conjunto de traços ou grupo de traços associados, formando um todo funcional; ou
ainda um grupo de características culturais interligadas, encontrado em área cultural.

Padrões cultural-são segundo Herskovits (1963:231) os contornos adquiridos pelos elementos de uma
cultura, as concidências dos padrões individuais de conduta, manifestos pelos membros de uma sociedade,
que dão ao modo de vida essa coerência, continuidade e forma diferente.
Configuração cultural

A configuração cultural consiste na integração dos diferentes traços e complexos de uma cultura, com seus
valore objectivos mais ao menos coerentes, que lhe dão unidade.

Ruth Benedict (s.d:37), que introduziu a ideia de configuração cultural na Antropologia moderna, escreve:
uma cultura é um modelo mais ou menos consistente do pensamento e acção. Não é apenas a soma de
todas as suas partes, mas resultado de um único arranjo e única inter-relação das partes, do que resulta
uma nova identidade.

A configuração cultural é uma qualidade específica que caracteriza uma cultura. Tem sua origem no inter-
relacionamento de sua parte.

Níveis de participação

As culturas são compostas de normas comportamentais ou costumes. Ralph Linton (1965: 298ss) classifica
essas normas em três grupos, de acordo com o nível de participação - obrigatória ou facultativo – dos dois
indivíduos. Em cada cultura distingue-se, portanto, os universais, as especialidades e as alternativas Além
disso, podem-se considerar as peculiaridades individuais.

Qualidade da cultura

A cultura significa o modo de vida de um povo e manifesta-se nos seus actos e nos seus artefactos. Os
modos de comportamentos que compõem a cultura de qualquer sociedade representamgeneralizações de
comportamentos de todos ou de alguns como membros da sociedade. A cultura é social, selectiva,
explícita e implícita.

Processos culturais

Processo é a maneira, consciente ou inconsciente, pela qual as coisa se realizam, se com portam ou
se organizao. As culturas mudam continuamente, assimilam novos traços ou abandonam os antigos,
através de diferentes formas. Crescimento, transmissão, difusão, estagnacao, declineo, fusão são aspectos
aos quais as culturas estão sujeitas.

Mudança cultural

Mudança é qualquer alteração na cultura, seja traços, complexos, padrões ou toda uma outra cultura, o
que é mais raro. As mudanças podem ser realizadas com lentidão ou com rapidez como ocorre
actualmente, em face dos meios de comunicação), devido aos contactos directos e contínuos entre os
povos.

A mudança pode surgir em consequência de factores internos – endógenos(descoberta e invenção) ou


externos – exógenos (difusão cultural).

As modificações na cultura, segundo Murdock, estão relacionadas com quatro factores: inovação,
aceitação social, eliminação selectiva e integração.
Difusão cultural

Difusão é o processo, na dinâmica cultural, em que os elementos ou complexos culturais se difundemde


uma sociedade a outra, afirmam Hoebel e Frost. A difusão de um elemento da cultura pode realizar-se por
imitação ou por estímulo, dependendo das condições sociais, e favoráveis ou não à difusão.

Aculturação

Aculturação é a fusão de duas culturas diferentes que, entrando em contactocontínuo, originam mudanças
nos padrões da cultura de ambos os grupos. O termo aculturação, no entanto, vem sendo empregado
ultimamente, também, como fusão de subculturas ou culturas rurais ou culturas urbanas.

Endoculturação

O processo de “ aprendizagem e educação em uma cultura desde a infância” é


chamada enculturação tanto por FelixKeesing quanto por Hoebel e Frost. Herskovitsemprega o
termo endoculturação para conceituar a mesma coisa, significado a certos aspectos particulares da
transmissão de seu grupo. Cada indivíduo adquire as crenças, o comportamento, os modos de vida da
sociedade a que pertence.