Anda di halaman 1dari 52

Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

DISCIPLINA
TURBINAS A GÁS, VAPOR e CALDEIRAS
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Ao final desse capítulo, você poderá:

• Reconhecer as funções dos principais componentes de uma


turbina a gás.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Introdução
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

É importante ratificar que a turbina a gás é um motor de


combustão interna.
Nestes tipos de motor, utiliza-se o ar como fluido motriz,
processando-o segundo o ciclo Brayton, onde é captado da
atmosfera, comprimido, aquecido, expandido e exaurido de volta
para atmosfera. Nas fases de compressão e aquecimento, o ar
recebe trabalho e calor, sendo elevado o seu nível energético. Já na
fase de expansão, o ar transfere trabalho para a roda de turbina,
acionando o compressor e mantendo, desta forma, o funcionamento
da turbina e a energia remanescente serve de força propulsora.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Introdução
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

A turbina a gás é composta basicamente por:

 Compressor de ar;

 Câmara de combustão;

 Roda de turbina;

 Eixo.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Na turbina a gás, o compressor é o componente no qual se


dá a pressurização do fluido de trabalho, sendo sempre empregado
o do tipo dinâmico (centrífugo, axial ou axial com o último estágio
centrífugo).

O compressor axial trabalha com relações de compressão


baixas, por estágios, valores usuais de projeto situados entre 1,1/1
e 1,4/1, o que resulta em um número grande de estágios para se
atingir as relações de compressão elevadas, de até 21/1,
empregadas em algumas máquinas modernas.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Na prática, relações de compressão muito


elevadas são obtidas normalmente com dois ou três
rotores axiais, operando em série, ou por um rotor com
vários estágios axiais seguidos por um último estágio
centrífugo.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

O compressor axial permite obter altas vazões de ar, que


atingem até 700 Kg/ s, e eficiência isoentrópica muito boa, com
valores típicos que variam de 85 a 90 %, sendo por isso
empregado em praticamente todas as turbinas a gás de médio e
grande porte.

Um inconveniente do compressor axial é o de apresentar


faixa operacional pequena, entre os limites de surge e stonewall,
o que exige cuidados especiais para evitar o surge durante os
períodos de partida e/ou aceleração.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

O compressor de ar é o componente da turbina a gás


responsável pelo aumento da pressão do ar no ciclo Brayton, sendo
acionado pela roda de turbina através de um eixo. Nesses casos, o
compressor axial é o mais indicado por suportar maior vazão do que
os compressores centrífugos, no que se refere ao tamanho.

Seu princípio de funcionamento é o da aceleração do ar,


com posterior transformação em pressão. É composto por uma
seção estacionária, onde se encontram instalados os anéis, com
aletas estatoras, e por uma seção rotativa que possui um conjunto
de rotores com palhetas. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Cada estágio de compressão é constituído por um


rotor com palhetas e um anel com aletas estatoras. O
rotor com palhetas é responsável pela aceleração do ar,
funcionando como um ventilador. É nesta etapa que o ar
recebe trabalho para aumentar a energia de pressão,
velocidade e temperatura.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

O anel de aletas estatoras tem a finalidade de


direcionar o ar para incidir com um ângulo favorável sobre
as palhetas do próximo estágio rotor e promover a
desaceleração do fluxo de ar e, assim, transformar a energia
de velocidade em pressão. Essas máquinas são projetadas
para que a velocidade na entrada de cada rotor seja a
mesma na condição de máxima eficiência.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Este processo é repetido nos estágios subseqüentes do compressor,


sendo que cada estágio promove um pequeno aumento de pressão.

O fluxo de ar no compressor se dá paralelo ao eixo (axial) numa


trajetória helicoidal, e a seção de passagem é reduzida da admissão
para a descarga, com o propósito de se manter a velocidade do ar
constante dentro da faixa de operação, uma vez que a pressão sobe a
cada estágio e a sua massa específica também. Veja a equação da
continuidade. O ganho de pressão e as variações de velocidade, a cada
estágio, estão representados nos gráficos a seguir.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

No diagrama a seguir é possível perceber


que a velocidade é elevada no rotor e reduzida no
estator. Também é possível notar que a pressão se
eleva progressivamente ao longo do compressor.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 1 – Principais Componentes

No gráfico adiante, com a relação


pressão/velocidade durante a compressão, tem-se o
detalhe do aumento da velocidade do ar no rotor e a
redução no estator. Vale ressaltar que a pressão
aumenta em ambas as partes.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 1 – Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 1 – Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 1 – Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 1 – Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes
As aletas estatoras do último estágio agem como pás guias de
saída, que direcionam o ar, em um fluxo axial estabilizado, para a
carcaça traseira do compressor e seção de combustão.

O compressor é projetado para operar com grande eficiência


em altas rotações. Para manter o fluxo de ar estabilizado, à baixa
rotação, tem-se instalado, na entrada de ar, um conjunto de aletas
móveis guias de entrada (IGV - Inlet Guide Vanes) que altera
automaticamente o ângulo de ataque das aletas para o primeiro rotor. A
eficiência é gradualmente aumentada de acordo com a elevação da
rotação. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Aletas estatoras do Compressor Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

IGVs

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Compressor de ar
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes
Para evitar o surge, o compressor axial é equipado com válvula de
sangria instalada na descarga do compressor. Alguns modelos possuem mais de
uma válvula de sangria, sendo instaladas no meio e na descarga do compressor.
Essas válvulas ficam abertas na partida, aceleração e parada da turbina a gás,
onde o ar é aliviado para atmosfera.

O conjunto formado pelas IGV e válvulas de sangria faz parte do


sistema de controle do fluxo de ar da turbina.

Em algumas turbinas a gás, as VIGV (Variable Inlet Guide Vanes) são


responsáveis por desempenhar o papel da válvula de sangria e dessa forma
evitar o surge. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

SURGE

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Definição - É um fenômeno que ocorre nos compressores centrífugos,


onde a vazão de sucção não é suficiente para manter o fluído estável na
carcaça do compressor, essa instabilidade,decorrente da variação da
vazão no compressor é prejudicial ao sistema e damos o nome de SURGE.

O que fazer para Evitar o SURGE?


Para evitar o fenômeno SURGE, devemos fornecer sempre uma
vazão de sucção constante e para isso pode ser colocada uma válvula
entre a sucção e a descarga do compressor, para que se a vazão de
sucção começar a cair, a válvula seja aberta para que a pressão de
descarga seja aliviada, aumentando assim a vazão de sucção e não
deixando ocorrer o fenômeno. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

SURGE

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes


Como Acontece o SURGE?
Cada compressor pode girar em velocidades diferentes e para
cada velocidade que este pode girar, existe uma vazão mínima de gás
que deve estar passando por suas câmaras. Se ocorrer a diminuição
da vazão de sucção, por exemplo, o sistema aumentará drasticamente
sua pressão na descarga,não sendo possível aliviar toda a pressão
existente no sistema, portanto esse fluxo de gás fará o caminho
inverso e retornará à sucção do compressor, que tentará novamente
enviar gás para dentro do compressor (agora já com menor pressão,
pois foi aliviada da descarga) e voltará ao ponto de surge novamente,
formando assim o ciclo de surge. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

SURGE

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Porque Evitar o Surge?

Pois pode causar sérios problemas mecânicos na máquina,


como destruição dos mancais, das pás, do rotor e do eixo do
equipamento, além do principal que é o selo do compressor.

Além desses defeitos mecânicos, o surge também provoca


uma falha no fornecimento de gás ao sistema, com a diminuição na
pressão de descarga.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

A câmara de combustão, também conhecida como


combustor, é o componente da turbina a gás onde ocorre a
combustão, ou seja, onde o combustível é queimado,
promovendo o aumento expressivo da temperatura do ar.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

• Função:

– Adição de energia – Oxidação do combustível;

– Expansão dos gases – Isobárica;

• Modelos:

– Tubular;

– Tubuanular;

– Anular – Amplamente utilizada;

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes
• Limitação:

– Temperatura;

– Materiais;

– Tensões térmicas;

• Solução de projeto:

– Materiais Nobre – Super ligas;

– Hastelloy X ou Inconel 625;

– Revestimento especial – coating;

– Resfriamento dos liners;


Profº: Anderson Flores
Câmara de combustãoTurbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Câmara Tubuanular Câmara Tubular Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

A combustão em uma turbina a gás é um processo contínuo


realizado a pressão constante. Um suprimento contínuo de
combustível e ar é misturado e queimado, à medida que escoa
através da zona de chama. A chama contínua não toca as paredes
da camisa da câmara de combustão, sendo estabilizada e modelada
pela distribuição do fluxo de ar admitido, que também resfria toda a
câmara de combustão. Podem ser queimadas e misturadas com
larga faixa de variação da relação combustível - ar, porque essa
proporção é mantida em nível normal, na região da chama, sendo o
excesso de ar injetado a jusante da chama. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

O projeto da câmara de combustão deve garantir


resfriamento adequado da camisa, combustão completa,
estabilidade da chama e baixa emissão de fumaça (monóxido de
carbono, hidrocarbonetos e óxidos de nitrogênio - NOX).

O volume da câmara de combustão é muito pequeno em


relação à taxa de liberação de calor desenvolvida, porque a
combustão é feita à pressão elevada. Em turbinas aeronáuticas, este
volume pode ser de apenas 5% do que seria necessário em uma
caldeira com a mesma taxa de liberação de calor.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Os combustores utilizados em uma turbina a gás podem


ser do tipo: tubular, tubo-anular, anular e externo.

A câmara de combustão tubular é usada em turbinas


industriais de médio e grande porte, especialmente em projetos
europeus e em algumas turbinas automotivas ou auxiliares, de
pequeno porte. Apresentam como vantagens: simplicidade de
projeto, facilidade de manutenção e vida longa devida às baixas
taxas de liberação de calor. Podem ser de fluxo direto ou de
fluxo reverso.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Em turbinas aeronáuticas, a área frontal é um dado


importante. Os combustores empregados são do tipo
tubo-anular ou anular. Esses combustores produzem uma
distribuição circunferencial bastante uniforme de
temperaturas, na entrada do primeiro estágio da turbina.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Embora seja de desenvolvimento mais difícil, a


câmara de combustão anular é a mais empregada em
turbinas aeronáuticas modernas, devido ao seu tamanho e à
taxa de calor liberada. Combustores anulares são
particularmente adequados para aplicações a altas
temperaturas ou com gases de baixo poder calorífico, porque
exigem menos ar de resfriamento, devido à menor área
superficial da camisa.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Câmara de combustão
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

A quantidade de ar de resfriamento requerida pela


câmara de combustão é particularmente importante em
aplicações com gases de baixo poder calorífico, porque esses
gases exigem muito ar primário, sobrando pouco ar para
resfriamento da câmara.

Os combustores anulares são usualmente de fluxo


direto, enquanto os tubo-anulares são normalmente de fluxo
direto em turbinas aeronáuticas e de fluxo reverso em turbinas
industriais. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Roda de turbina
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

O exemplo mais simples de roda de turbina é o cata-


vento, em que o vento com energia de velocidade transfere
energia para o cata-vento, roda de turbina, promovendo o seu
giro.

A roda de turbina é o meio mais eficaz para


transformar a energia, contida em um fluxo de gás a alta
pressão e temperatura, em trabalho no eixo.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Roda de turbina
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

O gás, ao escoar através da roda de turbina, perde


pressão e temperatura à medida que se expande e transforma
sua energia em trabalho.

As rodas de turbina empregadas em turbinas a gás são,


na grande maioria, do tipo axial por apresentarem maior
eficiência isoentrópica, variando entre 75% e 90%.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Roda de turbina
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Ao contrário do que acontece nos compressores


axiais, as aletas estatoras antecedem as palhetas da roda de
turbina e têm a finalidade de direcionar o fluxo de gás a um
ângulo favorável de ataque nas palhetas rotoras,
proporcionando o efeito bocal para que o fluxo aumente a
velocidade.

Na ilustração a seguir, pode-se observar o fluxo de ar


sendo redirecionado para incidir com um ângulo de ataque
favorável às palhetas da roda da turbina.
Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Roda de turbina
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Roda de turbina
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes
A turbina pode ser equipada com vários estágios de
aletas estatoras e rotoras, dependendo da aplicação ou projeto.
É importante lembrar que as aletas estatoras são fixadas à
carcaça da turbina, e as rotoras, às rodas que são presas ao
eixo.

De qualquer forma, a energia extraída pela roda de


turbina é transmitida ao eixo que, por sua vez, a transfere ao
compressor de ar, que é fixado nesse eixo, proporcionando
assim a compressão de um volume de ar para a câmara de
combustão, fechando o ciclo de funcionamento. Profº: Anderson Flores
Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Roda de turbina
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Exercícios
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Exercícios
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Glossário
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

Helicoidal - que tem forma ou é semelhante a uma hélice.

Isoentrópica - processo de compressão ou expansão sem troca


de calor, também conhecida como adiabática.

Palheta - palheta estacionária, fixada na carcaça da turbina.

VIGV - Variable Inlet Guide Vanes. Aleta Guia Variável de


Entrada.

Profº: Anderson Flores


Turbinas a Gás, Vapor e Caldeiras

Bibliografia
Turbinas a Gás - Capítulo 2– Principais Componentes

JOAQUIM, Manuel; IGLESIAS, Leopoldo; MATIAS, José


Augusto. Noções de Turbinas a Gás. Apostila. Centro de
produção. Macaé: 2003.

VALADÃO, Cleuber Pozes. Turbinas a Gás. Apostila.


Centro de produção. Macaé: 2003.

Profº: Anderson Flores