Anda di halaman 1dari 3

Amenorreia

O que é?

É designada pela ausência de menstruação e pode dever-se tanto a fatores físicos como
psicológicos.

Classificação?

 Amenorreia primaria

Quando surge?
Dá-se quando a primeira menstruação (também denominada menarca) não surge
durante a puberdade. A este respeito, há que ter em conta que, o primeiro período
menstrual deve aparecer por volta dos 12 anos, no entanto pode aparecer logo aos
10 ou até mais tarde, aos 16 anos.

Origem?
1. Pode ter origem na falta de produção de hormonas como a
progesterona, os estrogénios ou os androgénios

Pode dar-se juntamente

A manifestação de um atraso no aparecimento dos caracteres sexuais secundários:

ex:. Escassa presença de pilosidade na púbis e nas axilas, pouco desenvolvimento


dos seios e falta de definição dos caracteres corporais femininos (cintura, ancas,
etc.).

2. Pode ter origem quando surge a existência de quistos nos ovários.


3. Pode ter origem numa doença congénita que provoca o
desenvolvimento anormal do útero e da vagina
4. E ainda pode ter origem pela presença de um hímen não perfurado e
muito fechado, que dificulte a eliminação do fluxo menstrual.
 Amenorreia secundária

Quando surge?
 Pode ocorrer no momento em que a mulher tem períodos menstruais
normais e regulares
 Pode ocorrer na ausência de menstruação durante mais de três ciclos
depois de existirem períodos menstruais e regulares

Origem?
Mais comuns
1. Em primeiro lugar, é necessário ter em conta que, durante os dois ou
três primeiros anos que se seguem à primeira menstruação, é normal
as raparigas terem ciclos irregulares e, até mesmo, períodos de
amenorreia. Nestes casos de amenorreia fisiológica, pode-se esperar,
sem preocupações, e sem fazer qualquer tratamento, que a
menstruação reapareça de forma espontânea.
2. Em segundo lugar, Em mulheres com vida sexual ativa e em idade
reprodutiva a causa mais comum de amenorreia (e de atraso menstrual) é a
gravidez.
3. Em terceiro lugar, a causa mais comum da amenorreia secundária
deve-se a perturbações na ovulação, sendo esta uma das principais
causas da infertilidade.

Apesar de serem menos frequentes do que as anteriores, existem outras


causas que podem provocar amenorreia na adolescência:

1. Alterações ginecológicas: como a síndrome de ovários poliquísticos (é um distúrbio


endócrino que provoca alteração dos níveis hormonais, levando à formação de
cistos nos ovários que fazem com que eles aumentem de tamanho);
2. O Excesso de exercício ou exercício muito intenso: muitas jovens atletas de
alto nível apresentam ausência dos ciclos menstruais;
3. Alterações da tiroide: tanto o hipotiroidismo, no qual a glândula tiroideia
produz quantidades insuficientes da hormona tiroideia, como o
hipertiroidismo, em que a glândula tiroideia segrega demasiada hormona
tiroideia, podem ser responsáveis pela ausência dos ciclos menstruais.
4. Obesidade significativa ou perda drástica de peso leva frequentemente à
amenorreia.
5. Transtornos psicológicos: como a anorexia ou a bulimia.
6. Alterações psicológicas: como o stress ou a ansiedade. Quanto a este ponto,
é bom lembrar que, por vezes, a própria ansiedade face a uma eventual
gravidez pode provocar um atraso menstrual.
Hipoteses terapêuticas:
GIFT
A GIFT é indicada para casos em que a infertilidade se relaciona com disfunções do
esperma, quando a causa de infertilidade é desconhecida ou quando existem anomalias no
muco cervical.

Esta técnica ocorre ao nível das trompas de Falópio, sendo estas utilizadas como
incubadora natural para a fertilização do óvulo.
Como é que isto é feito?
1. No início da menstruação, são receitados à mulher medicamentos fertilizantes para
induzir a maturação dos folículos e da ovulação;
2. Uma vez que se apresentam maduros, os oócitos II são extraídos dos ovários por
cirurgia laparoscópica ou aspiração e por fim serão selecionados;
3. Os espermatozoides são recolhidos por métodos naturais como a
masturbação ou por métodos cirúrgicos. São posteriormente selecionados
para obter os mais resistentes, com maior mobilidade.
4. Através da laparoscopia ou do uso de um cateter com uma agulha fina que perfura
a parede a trompa de Falópio, o médico implanta os oócitos (ou apenas um) e os
espermatozoides na trompa, onde ocorre naturalmente a fecundação

Taxa de sucesso

25-30% de taxa de gravidez, e 27% de probabilidade aproximada de dar à luz.

Consequências

 Aumento da probabilidade de conceber gémeos ou trigémeos ao casal;


 Aumenta a taxa de aborto espontâneo;
 Aumenta o risco de gravidez ectópica (fora do útero);

Duração do tratamento

4 a 6 semanas