Anda di halaman 1dari 4

Cormanthor

A floresta de Cormanthor foi durante muito tempo o lugar do império de Cormanthyr. É


uma vasta e densa floresta feita de uma grande variedade de espécies de plantas,
inclusive algumas árvores podem possuir altura maior do que 30 m. Foi quase que
completamente abandonada por conta da retirada, evento no qual 90% dos habitantes
elfos fugiram para Evereska ou Evermeet. Ela continuou como uma floresta enorme e
misteriosa onde segredos antigos ficaram guardados por muitos séculos e apenas
recentemente, com o ressurgimento de Cormanthyr, foram revelados.
Geografia
Apesar de Cormanthor poder ser vista como uma floresta única, na realidade é um
conjunto de quatro florestas: A corte Élfica, Semberholme, Árvores Emaranhadas e o Vale
das Vozes Perdidas. As primeiras três florestas correspondem ao lar de comunidades
élficas ancestrais de mesmo nome. A floresta também é dividida de acordo com os tipos
de vegetação, seguindo a seguinte divisão:
Floresta da Borda:
Essa localidade é composta principalmente por pinheiros e corresponde à parte menos
densa da floresta. Ela perpassa pelas bordas de Cormanthor. O solo é arenoso e bem
pobre em minerais, por isso a pouca variedade de espécies vegetais. As principais
espécies que aparecem por esse local são as Blueridge e pinheiros needleaf, porém os
indivíduos das espécies ficam bastantes distantes uns dos outros, raramente se
sobrepondo. Além disso, não ultrapassam a altura de 6 metros. As folhas demoram
bastante para se decompor, impedindo espécies arbustivas de crescerem; a única
exceção são samambaias que crescem aderidas às espécies supracitadas. A porção das
colinas de Rimwood pode abrigar espécies como salgueiros e abetos. A baixa diversidade
de espécies vegetais leva também a uma baixa diversidade de espécies animais, e apenas
alguns insetos vivem na localidade.
Floresta do Meio:
Essa parte de Cormanthor é composta principalmente pelas espécies Freixo e Faias. As
espécies estão emaranhadas densamente formando um dossel praticamente impenetrável
à luz do sol. Separa a Floresta da Borda da Floresta das Estrelas e representa cerca de
metade da área total da floresta. Há uma grande variedade de vegetação (graças ao solo
fértil), incluindo castanheiras e bordos vermelhos nas colinas ao norte de Mistledale,
madressilva e snapdragons em Meadows, cerejeiras e cedros azuis em bosques perto de
Essemore, além de musgos marfim, samambaias da lua, amies e nogueiras amargas
espelhadas por toda floresta do meio. As espécies vegetais mais estranhas incluem:
palmeira besouro, amoreira raposa e o pinheiro espinho de rosa.
Floresta das Estrelas:
É composta principalmente de carvalhos gigantes e brodos e é a parte mais densa da
floresta. Os brodos atingem uma altura de 61 m e alguns dos carvalhos podem chegar a
122 m. O solo aqui é rico o suficiente para ser quase preto e quase constantemente úmido.
Isso produz uma grande variedade de vegetação subterrânea, e viajar através dela pode
ser difícil devido à densidade. Por conta da alta umidade, uma variedade de líquens e
musgos são comuns por aqui. A Floresta das Estrelas é rica em espécies animais, como
cervos, lobos, alces, constrictores de esmeralda, tentilhões, manticores, corujas, porcos
espinhos, favas, doninhas e ratos de madeira. Há também alguns tipos incomuns de
vegetação encontrada aqui. Estes incluem medquat, chime carvalho, hinnies e grama
zebra.
Esta área da floresta é dividida aproximadamente em quatro partes, cada uma com seus
próprios tipos de árvores distintas, mas todas as áreas da Floresta da Lua contêm
carvalhos altos, bordos e galhos. A parte central fica a oeste do rio Ashaba e abriga
árvores de abeto e cicuta. O norte é rico em cedros e lar de Myth Drannor, a cidade élfica
arruinada. O leste contém as regiões da Corte Élfica e Árvores Emaranhadas (ambas ex-
comunidades élficas) e é o lar de abetos e olmos. Finalmente, a parte ocidental tem
árvores de álamo, de goma e contém Semberholme.
Terras da borda
Essa região é composta por remendos entre as áreas das florestas, são regiões
conhecidas de magia selvagem. São regiões circulares de não mais do que 97 km de
diâmetro e existem apenas três na floresta inteira. Essas regiões foram criadas por
derivações de energia emanadas de Myth Drannor e estão mais ativas entre a primavera e
o outono. Essas regiões alteram qualquer efeito mágico conjurado ou que está contido em
algum item mágico, além de causar efeitos climáticos incomuns como neve no verão.
Os rios
Cormanthor é o lar de dois dos rios principais de Faerun: o Duathamper (ou Elvenflow) e o
rio Ashaba. O Duathamper corre ao longo da borda sudeste da floresta. O rio é geralmente
profundo (mais de 9 m na maioria dos lugares) e largo, embora se torne estreito e pouco
profundo em lugares para atravessar. Tem uma grande população de bagres e trutas.
Ashaba corta a floresta aproximadamente pela metade, de Shadowdale na Terra dos
Vales a Semberholme. O rio é de várias centenas de metros de distância e profundo, mais
de 9 m em alguns lugares. Seus afluentes deságuam abruptamente na maioria das
conjunções, e é o lar de carpas, walleye e bullhead, (a carpa em particular pode crescer
até um tamanho muito grande - grande o suficiente para ser uma ameaça para uma
criatura de tamanho humano).
Portais
Cormanthor contém vários portais, como o Portal de Cormanthor para Cormyr, Glister e o
rio Chionthar; e o Portal da Unificação élfica criado por Jhaurmael e levando a Evermeet.
História
Cormanthor chamou-se Arcorar (o Grande Bosque do Rei), e era um imenso território
florestal que se estendia até a Costa do Dragão, a oeste e a sul, e ao longo das espinhas
do Dragão a leste. Muitos reinados élficos foram sediados lá, incluindo Jhyrennstar, Rystall
Wood e Uvaeren, juntamente com alguns dos assentamentos existentes da Corte Élfica e
Semberholme. Arcorar foi colonizado após as Guerras da Coroa, durante o que foi
chamado de Tempo de Fundação, quando os elfos procuraram novos domínios para
começar suas vidas depois do tempo sangrento em seu passado. Após a unificação de
Cormanthyr e outros eventos que desmataram parte de Arcorar (para não mencionar o
crescimento de vários reinos como Cormyr e Sembia), a floresta acabou por ser conhecida
como Cormanthor.
Cormanthor foi o lar do império élfico de Cormanthyr por quase cinco mil anos, até a morte
de Coronal Eltargrim Irithyl em 661 DR iniciando o Crepúsculo, que levou ao declínio do
reino até seu colapso nas mãos do Trio Nefador e do Exército de Escuridão em 714 DR.
Desde então, Cormanthor tem sido um lugar perigoso para visitar. Durante os séculos que
se seguiram, os elfos tentaram conter o mal demoníaco em Myth Drannor, onde os
demônios que sobraram apoderaram-se de seu poder. O reino tornou-se disperso e
dividido e, finalmente, em 1344 DR, os elfos começaram o Retiro, quando mais de 90% de
sua população abandonou Cormanthor para outras localidades a oeste.
A floresta de Cormanthor tornou-se infestada com drows após o retiro, que se mudaram
para os locais abandonados de seus parentes. Estes drows tentaram aproveitar os mythals
e usar o poder para seus próprios propósitos. No entanto, seus planos nunca se
concretizaram quando Myth Drannor foi invadido por Sarya Dlardrageth e sua Daemonfey,
que tentaram assumir o controle da região em 1374 DR. Em um complicado conflito
envolvendo os Zhentarim, Sembia e Hillsfar, bem como uma Cruzada Élfica da Evereska,
a Guerra de Cormanthor foi travada nos bosques e nos Dales circundantes.
Eventualmente, a Casa Dlardrageth caiu para a Cruzada, que se tornou o Exército de Mith
Drannor liderado por Ilsevele Miritar. O Exército do Mith Drannor eventualmente derrotou
os Zhentarim e assumiu o controle de Cormanthor pela primeira vez em sete séculos. Em
1377 DR, o Srinshee voltou e concedeu a Lâmina dos Governantes a Ilsevele, que o
desenhou com sucesso e se tornou o primeiro Coronal da Era do Presente.
Locais
Cormanthor hospedou (ou ainda hospeda, dependendo da timeline) quatro grandes
comunidades élficas, são elas as quatro comunidades que sobreviveram após a queda de
Cormanthyr.
A Corte Élfica
Já foi o lugar onde os elfos buscavam conselhos e justiça de seus deuses, o Seldarine. Foi
a sede do poder para o seu próprio domínio até se juntar a Cormanthyr durante a sua
fundação, mas permaneceu um lugar de conselho e retiro para os Elfos. Após a queda de
Myth Drannor, tornou-se o lugar referência para os Elfos novamente durante os anos
itinerantes.
Myth Drannor
A antiga capital, Myth Drannor, já foi considerada a mais bela e maior de qualquer uma
das cidades de Faerûn. Infelizmente, a cidade foi reduzida a ruínas por muitos séculos
após a Guerra da Lágrima e sua subsequente infestação por demônios e depois o
Daemonfey. A cidade já foi protegida por um mythal mágico que impediu Myth Drannor de
cair em ruínas em primeiro momento, mas posteriormente ele ruiu, fazendo com que a
cidade acompanhasse o destino do artefato. Recentemente (1374 DR +) recuperada pelos
elfos sob Ilsevele Miritar, o futuro desta cidade é brilhante.
Semberholme
Semberholme ocupa as florestas em torno de Lake Sember, em cima de uma região
montanhosa no sudoeste de Cormanthor. Durante o auge de Cormanthyr, era conhecido
como um lugar de refúgio para as mulheres, as crianças e os doentes das terras élficas,
bem como um refúgio seguro com cavernas escondidas de calcário, onde os elfos podiam
se esconder em caso de guerra ou desastre. Permaneceu em grande parte escondido e
secreto durante a maior parte de sua história.
As árvores emaranhadas
É um reino escondido em Cormanthor, onde a adoração de Rillifane Rallathil é dominante.
É um lugar amplamente xenófobo, e muitos não-elfos foram atacados ou mortos nos
esforços para entrar no local.
Clima
A floresta possui de forma perene uma chuva leve, e o solo geralmente é úmido, mantendo
a umidade elevada. Os ventos não podem penetrar no dossel espesso e denso, de modo
que a floresta é calma ao nível do solo. No auge do verão, o sol fornece luz direta durante
16 horas por dia. O longo período de luz do dia permite que a vegetação cresça
rapidamente, e tempestades de verão podem ir e vir em apenas uma hora. Há muitas
vezes manchas de nevoeiro denso na floresta, especialmente perto do Elvenflow do norte.
Na Floresta das Estrelas, esta névoa é grossa e de cor cinza, permitindo a visibilidade de
apenas alguns metros. De acordo com Elminster, o clima favorável de Cormanthor poderia
ser explicado devido à magia de Myth Drannor.
Eventos de climas extremos
Em 1350 DR, uma seca no verão fez com que a grama de centeio morresse e o cervo
vermelho fosse extinto.
No outono de 1367 DR, a geada chegou ao início da floresta, fazendo com que as flores
silvestres e as bagas morressem ao norte de Highmoon. Isso deixou os leucrotta com
fome, e eles migraram para a aldeia vizinha de Casckel, lar dos halflings, devorando todos
eles.
Animais selvagens
As moscas de fogo podem causar incêndios selvagens, especialmente em noites claras de
verão, quando se juntam em grandes enxames. No passado, os esforços foram feitos para
controlar sua população, incluindo a introdução de vespas gigantes para comer seu
alimento (cornflowers), mas eles simplesmente mudaram sua dieta e passaram a se
alimentar de grama de amendoim e amora. O mago élfico Horquine tentou criar uma
variedade de azmy que comeria as moscas, mas não podiam digerir o abdômen (a fonte
das chamas) e eles tiveram que cuspi-las, produzindo uma explosão de chama.
Dragões verdes
Embora os dragões sejam incrivelmente raros na floresta hoje, há centenas de anos, os
dragões verdes eram comuns. Por causa da caçada dos dragões dos centauros, seus
números começaram a diminuir e eles começaram a culpar seus companheiros dragões
verdes pela falta de comida. Isso desencadeou uma guerra civil em que muitos danos
foram causados a floresta das estrelas e há apenas um pequeno número de dragões
verdes restantes.
Guardas verdes
Durante o retiro, os elfos deixaram para trás milhares de guardas verdes. Em 1371 DR, os
habitantes dos vales começaram a reclamar de guardas nas margens da floresta que
estavam agindo de forma muito mais agressiva do que o habitual.