Anda di halaman 1dari 35

ANO VIII – Nº 1319| Campo Grande-MS | quarta-feira, 04 de maio de 2016 – 35 páginas

SUMÁRIO EDITAL DE INTIMAÇÃO JRPC - N. 23/2016

O Conselheiro José Ricardo Pereira Cabral, no uso das atribuições legais e


SUMÁRIO ...................................................................... 1 nos termos do art. 50, III, da Lei Complementar (estadual) n. 160, de 2 de
GABINETES ..................................................................... 1 janeiro de 2012 intima: — SR. SIDNEY FORONI, PREFEITO MUNICIPAL DE
RIO BRILHANTE —, para apresentar neste Tribunal as justificativas ou
Notificações ......................................................... 1 documentos necessários para solucionar as pendências relatadas nos autos
Conselheiro José Ricardo Pereira Cabral ..................... 1 do Processo TC/MS 11630/2014, no prazo de 30 (trinta) dias contados da
data da publicação deste edital, nos termos dos arts. 95 e 97 do Regimento
SECRETARIA DAS SESSÕES .................................................. 1 Interno.
Acórdão ............................................................... 1 Decorrido o prazo, a omissão do intimado importará na continuidade dos
atos processuais, nos termos do art. 97, parágrafo único, do Regimento
DIRETORIA GERAL ............................................................ 2 Interno.
Cartório ............................................................... 2
Em 03 de maio de 2016.
Decisão Singular .................................................... 2
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
Conselheiro-Relator
GABINETES

Notificações SECRETARIA DAS SESSÕES

Conselheiro José Ricardo Pereira Cabral Acórdão

EDITAL DE INTIMAÇÃO JRPC - N. 21/2016 ACÓRDÃO do egrégio TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO
GROSSO DO SUL, proferido na 04° Sessão Reservada do TRIBUNAL PLENO,
O Conselheiro José Ricardo Pereira Cabral, no uso das atribuições legais e realizada no dia 09 de dezembro de 2015.
nos termos do art. 50, III, da Lei Complementar (estadual) n. 160, de 2 de
janeiro de 2012 intima: — SR. ROBERTO HASCHIOKA, PREFEITO DELIBERAÇÃO AC00 - G.RC - 258/2016
MUNICIPAL DE NOVA ANDRADINA —, para apresentar neste Tribunal as
justificativas ou documentos necessários para solucionar as pendências PROCESSO TC/MS: TC/3548/2015
relatadas nos autos do Processo TC/MS 3.414/2014, no prazo de 30 (trinta) PROTOCOLO: 1578422
dias contados da data da publicação deste edital, nos termos dos arts. 95 e ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE DE MATO GROSSO
97 do Regimento Interno. JURISDICIONADO E/OU
INTERESSADO (A): MÁRIO ALBERTO KRUGER
Decorrido o prazo, a omissão do intimado importará na continuidade dos TIPO DE PROCESSO: DENÚNCIA
atos processuais, nos termos do art. 97, parágrafo único, do Regimento RELATOR (A): RONALDO CHADID
Interno.
EMENTA - DENÚNCIA. IRREGULARIDADE CONTIDA EM EDITAL DE
Em 03 de maio de 2016. LICITAÇÃO. VIOLAÇÃO DO CARÁTER COMPETITIVO DO CERTAME. DECISÃO
LIMINAR PARA SUSPENSÃO DO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO ATÉ A
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL CORREÇÃO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO COM A EXCLUSÃO DO
Conselheiro-Relator ITEM IMPUGNADO. COMPROVAÇÃO NOS AUTOS DAS MEDIDAS
DETERMINADAS PELA DECISÃO LIMINAR. ENCERRAMENTO DO FEITO E
EDITAL DE INTIMAÇÃO JRPC - N. 22/2016 ARQUIVAMENTO DOS AUTOS. APROVADO POR UNANIMIDADE.

O Conselheiro José Ricardo Pereira Cabral, no uso das atribuições legais e A comprovação da qualificação técnica dos licitantes limita-se às exigências
nos termos do art. 50, III, da Lei Complementar (estadual) n. 160, de 2 de impostas pelo artigo 30 da Lei n.º 8.666/93, o que faz com que qualquer
janeiro de 2012 intima: — SRA. MARLI PADILHA DE ÁVILA, DIRETORA- requisito exigido além do rol taxativo estampado no referido artigo de lei,
PRESIDENTE DO INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS represente exagero que compromete, restringe e frustra o caráter
SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE SIDROLÂNDIA —, para apresentar neste competitivo do procedimento licitatório, devendo, pois, ser extirpado do
Tribunal as justificativas ou documentos necessários para solucionar as edital de convocação dos interessados. Considerando que as determinações
pendências relatadas nos autos do Processo TC/MS 7499/2015, no prazo da decisão liminar foram devidamente acatadas, com a devida comprovação
de 30 (trinta) dias contados da data da publicação deste edital, nos termos nos autos, o feito deve ser encerrado e o processo arquivado.
dos arts. 95 e 97 do Regimento Interno.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os
Decorrido o prazo, a omissão do intimado importará na continuidade dos Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul,
atos processuais, nos termos do art. 97, parágrafo único, do Regimento reunidos na 4.ª Sessão Reservada do Tribunal Pleno, do dia 09 de dezembro
Interno. de 2015, sob a Presidência do Excelentíssimo Conselheiro Waldir Neves
Barbosa, na conformidade da ata de julgamentos n.º 04, por unanimidade
Em 03 de maio de 2016. de votos, nos termos do relatório e voto do Conselheiro Relator; em
ENCERRAR do feito e ARQUIVAR o processo, nos termos do artigo 127,
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, aprovado pela Resolução
Conselheiro-Relator Normativa n.º 76/2013. DISCUSSÃO: Na oportunidade ninguém fez uso da
palavra. DECISÃO: Aprovado, por unanimidade, o relatório e voto do

Conselho Deliberativo: Auditoria: Ministério Público de Contas: Diário Oficial Eletrônico


Presidente – Waldir Neves Barbosa Auditor – Célio Lima de Oliveira Procurador-Geral de Contas – José Aêdo Camilo Coord. – Assessoria de Comunicação Social
Vice-Presidente – Ronaldo Chadid Coordenador da Auditoria Procurador-Geral-Adjunto de Contas– João Antônio de Oliveira Martins Júnior Parque dos Poderes – Bloco 29
Corregedor-Geral – Iran Coelho das Neves Auditora - Patrícia Sarmento dos Santos CEP 79031-902
Conselheiros: Subcoordenadora da Auditoria Campo Grande – MS – Brasil
José Ricardo Pereira Cabral Auditor – Leandro Lobo Ribeiro Pimentel Telefone – (67) 3317-1536
Marisa Joaquina Monteiro Serrano (Diretora da Escoex) e-mail: doe@tce.ms.gov.br
Osmar Domingues Jeronymo (Ouvidor) http://www.tce.ms.gov.br
Jerson Domingos
Pág.2
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Conselheiro Relator. Participaram deste julgamento: Excelentíssimos DIRETORIA GERAL


Conselheiros José Ricardo Pereira Cabral, Iran Coelho das Neves, Marisa
Joaquina Monteiro Serrano, Ronaldo Chadid, Osmar Domingues Jeronymo, e
Jerson Domingos; bem como o Procurador-Geral de Contas, Dr. José Aêdo Cartório
Camilo.
Decisão Singular
Campo Grande/MS, 10 de fevereiro de 2016.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 3202/2016
Ronaldo Chadid Conselheiro Relator.
PROCESSO TC/MS: TC/96544/2011
ACÓRDÃO do egrégio TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO
PROTOCOLO: 1208659
GROSSO DO SUL, proferido na 20° Sessão Ordinária do TRIBUNAL PLENO,
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE LADÁRIO
realizada no dia 23 de setembro de 2015.
JURISDICIONADO (A) : JOSÉ ANTONIO ASSAD E FARIA
CARGO: PREFEITO
DELIBERAÇÃO AC00 - G.RC - 1084/2015
INTERESSADO (A): LUIZ FLÁVIO SILVA DA COSTA
TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE CONCURSADO
PROCESSO TC/MS: TC/9884/2013
RELATOR (A): CONS. JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
PROTOCOLO: 1425874
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE BONITO JURISDICIONADO E/OU
RELATÓRIO
INTERESSADO (A) :LEONEL LEMOS DE SOUZA BRITO
TIPO DE PROCESSO: REL. RESUMIDO DE EXECUÇÃO ORCAMENTÁRIA
As peças dos autos tratam do pedido de registro do ato de admissão do
RELATOR (A): RONALDO CHADID
servidor Luiz Flávio Silva da Costa, nomeado em caráter efetivo para exercer
o cargo de “Auxiliar de Serviços Operacionais I”, pelo Município de Ladário.
EMENTA - RELATÓRIO RESUMIDO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA.
REMESSA INTEMPESTIVA. MULTA APROVADO POR UNANIMIDADE.
Ao analisar os documentos a Inspetoria de Controle Externo de Atos de
Processo instaurado em razão do não encaminhamento do Relatório
Pessoal (ICEAP) se manifestou por meio da Análise n. 2571/2016 (peça 16),
Resumido de Execução Orçamentária. Regularmente intimado a esclarecer
opinando pelo registro do ato de admissão em tela, com destaque quanto à
a pendência, o Gestor apresentou a documentação exigida, acompanhada
intempestividade no envio dos documentos a este Tribunal.
do respectivo recibo de entrega. Dessa forma, ainda que tenham sido
encaminhados os documentos exigidos, a Autoridade jurisdicionada o fez
Em manifestação necessária, o Procurador do Ministério Público de Contas-
fora do prazo estabelecido no Anexo I, Capítulo I, Seção II, item 1.3- A da
MPC emitiu o Parecer n. 6318/2016 (peça 17), no qual apresentou o
Instrução Normativa n. 35/2011, referente ao Processo Eletrônico
seguinte entendimento:
conforme arts. 2º, 12, 14 e 23 da Resolução Normativa n. 58/2007;
fazendo, com isso, incidir a multa prevista no art. 46 da LC n. 160/2012 c/c
“... corroborando o entendimento da análise técnica da ICEAP, este
art. 170, parágrafo 1º, inciso I “a”, do Regimento Interno desta Corte de
Ministério Público de Contas opina, nos termos do inciso I, do artigo 34, da
Contas, aprovado pela RN/TC/MS n. 76/2013, na forma do Provimento n.
Lei Complementar nº 160/2012, c/c o § 3º, inciso II, letra “a”, do artigo 174,
02/2014 da Corregedoria do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
da Resolução Normativa TC/MS 076/2013, pelo REGISTRO da epigrafada
do Sul.
nomeação.”.
DECISÃO: Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os
É o relatório.
Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul,
reunidos na 20.ª Sessão Ordinária do Tribunal Pleno, do dia 23 de setembro
DECISÃO
de 2015, sob a Presidência do Senhor Conselheiro Waldir Neves Barbosa, na
conformidade da ata de julgamentos n.º 20, por unanimidade de votos, nos
Examinando a matéria dos autos verifiquei que a admissão do servidor foi
termos do relatório e voto do Conselheiro Relator; em APLICAR MULTA ao
concretizada de acordo com as disposições legais e regulamentares, e que a
Sr. Leonel Lemos de Souza Brito, Prefeito Municipal, inscrito no CPF sob o nº
nomeação ocorreu no prazo de validade do concurso público, de acordo
298.100.941-91, no valor de 30 (trinta) UFERMS, nos termos do art. 46 da LC
com a ordem de classificação homologada pelo titular do órgão, havendo
n. 160/2012 c/c art. 170, parágrafo 1º, inciso I “a”, do Regimento Interno
sido apresentada toda a documentação exigida pelos termos da Orientação
desta Corte de Contas, aprovado pela RN/TC/MS n. 76/2013, na forma do
Técnica ao Jurisdicionado-OTJ n. 2, de 17 de março de 2010, vigente na
Provimento n. 02/2014 da Corregedoria do Tribunal de Contas do Estado de
época.
Mato Grosso do Sul, pela remessa intempestiva do Relatório Resumido da
Execução Orçamentária - 1º bimestre de 2013; e em CONCEDER O PRAZO de
Porém, é correto o destaque, no item 5 da Análise, da ICEAP quanto ao não
60 (sessenta) dias a partir da data do recebimento da correspondência de
atendimento do prazo estabelecido na referida OTJ n. 2, de 2010, que
ciência para o pagamento da multa aplicada em favor do Fundo de
determinava a remessa eletrônica dos documentos a esta Corte de Contas
Modernização e Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas - FUNTC, nos
em até 30 (trinta) dias a contar da data de ocorrência da posse.
termos do art. 83 da Lei Complementar n. 160/2012, comprovando o
pagamento nos autos no mesmo prazo, sob pena de cobrança executiva
Visto que o termo de posse foi firmado em 20 de julho de 2011, o prazo
judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Constituição Estadual. Participaram
limite para envio tempestivo da documentação era até o dia 19 de agosto
deste julgamento os Excelentíssimos Senhores Conselheiros: José Ricardo
de 2011, e ao averiguar a remessa eletrônica, a ICEAP constatou que o
Pereira Cabral, Iran Coelho das Neves, Marisa Joaquina Monteiro Serrano,
responsável realizou o envio dos documentos apenas em 29 de setembro
Ronaldo Chadid, Osmar Domingues Jeronymo e Jerson Domingos, bem
de 2011, sendo, portanto intempestivo.
como do Representante do Ministério Público de Contas, Excelentíssimo
Senhor Procurador-Geral de Contas, Dr. José Aêdo Camilo.
Contudo, verifico que a aplicação de multa pela intempestividade na
Campo Grande – MS, 23 de setembro de 2015.
remessa de documentos a este Tribunal, não se aplica ao caso em tela, visto
que no tempo dos fatos (2011) ainda não havia previsão legal para
Ronaldo Chadid Conselheiro Relator.
sancionar tal irregularidade, ou seja, não havia tipicidade para adequar o
fato (intempestividade) ao tipo (modelo legal, abstratamente formulado
Secretaria das Sessões, 03 de maio de 2016.
pelo legislador), ocorrendo a adequada tipificação somente com advento da
Lei Complementar Estadual n. 160, de 2 de janeiro de 2012, que instituiu
ALESSANDRA XIMENES
em seu art. 46 a penalização incidente sobre a falta de remessa tempestiva
CHEFE DA SECRETARIA DAS SESSÕES
de informações, dados ou documentos ao Tribunal.
TCE/MS
Pág.3
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Portanto, diante da falta de previsão legal anterior à intempestividade Contudo, verifico que a aplicação de multa pela intempestividade na
apurada nos autos, é indevida a aplicação de multa. remessa de documentos a este Tribunal, não se aplica ao caso em tela, visto
que no tempo dos fatos (2011) ainda não havia previsão legal para
Ante todo o exposto, concordo com a análise da ICEAP, acolho o Parecer do sancionar tal irregularidade, ou seja, não havia tipicidade para adequar o
MPC e decido pelo registro do ato de admissão de Luiz Flávio Silva da Costa, fato (intempestividade) ao tipo (modelo legal, abstratamente formulado
nomeado em caráter efetivo para exercer o cargo de “Auxiliar de Serviços pelo legislador), ocorrendo a adequada tipificação somente com advento da
Operacionais I”, pelo Município de Ladário, com fundamento nas regras dos Lei Complementar Estadual n. 160, de 2 de janeiro de 2012, que instituiu
arts. 21, III, e 34, I, da Lei Complementar Estadual n. 160, de 2012, e do art. em seu art. 46 a penalização incidente sobre a falta de remessa tempestiva
10, I, do Regimento Interno. de informações, dados ou documentos ao Tribunal.

Ao Cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do Portanto, diante da falta de previsão legal anterior à intempestividade
Regimento Interno. apurada nos autos, é indevida a aplicação de multa.

Campo Grande, 14 de abril de 2016. Ante todo o exposto, concordo com a análise da ICEAP, acolho o Parecer do
MPC e decido pelo registro do ato de admissão de Laura Valdonado de
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL Pinho, nomeada em caráter efetivo para exercer o cargo de “Agente de
Conselheiro Relator Merenda”, pelo Município de Ladário, com fundamento nas regras dos arts.
21, III, e 34, I, da Lei Complementar Estadual n. 160, de 2012, e do art. 10, I,
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 3217/2016 do Regimento Interno.

PROCESSO TC/MS: TC/96543/2011 Ao Cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do
PROTOCOLO: 1208658 Regimento Interno.
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE LADÁRIO
JURISDICIONADO (A) : JOSÉ ANTONIO ASSAD E FARIA Campo Grande, 14 de abril de 2016.
CARGO: PREFEITO
INTERESSADO (A): LAURA VALDONADO DE PINHO
TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE CONCURSADO JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
RELATOR (A): CONS. JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL Conselheiro Relator

RELATÓRIO DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 3220/2016

As peças dos autos tratam do pedido de registro do ato de admissão da PROCESSO TC/MS: TC/96541/2011
servidora Laura Valdonado de Pinho, nomeada em caráter efetivo para PROTOCOLO: 1208656
exercer o cargo de “Agente de Merenda”, pelo Município de Ladário. ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE LADARIO
JURISDICIONADO (A) : JOSÉ ANTONIO ASSAD E FARIA
Ao analisar os documentos a Inspetoria de Controle Externo de Atos de CARGO: PREFEITO
Pessoal (ICEAP) se manifestou por meio da Análise n. 2587/2016 (peça 16), INTERESSADO (A): ANDRÉIA DE CÁSSIA DE OLIVEIRA
opinando pelo registro do ato de admissão em tela, com destaque quanto à TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE CONCURSADO
intempestividade no envio dos documentos a este Tribunal. RELATOR (A): CONS. JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL

Em manifestação necessária, o Procurador do Ministério Público de Contas- RELATÓRIO


MPC emitiu o Parecer n. 6324/2016 (peça 17), no qual apresentou o
seguinte entendimento: As peças dos autos tratam do pedido de registro do ato de admissão da
servidora Andréia de Cássia de Oliveira, nomeada em caráter efetivo para
“... corroborando o entendimento da análise técnica da ICEAP, este exercer o cargo de “Agente de Merenda”, pelo Município de Ladário.
Ministério Público de Contas opina, nos termos do inciso I, do artigo 34, da
Lei Complementar nº 160/2012, c/c o § 3º, inciso II, letra “a”, do artigo 174, Ao analisar os documentos a Inspetoria de Controle Externo de Atos de
da Resolução Normativa TC/MS 076/2013, pelo REGISTRO da epigrafada Pessoal (ICEAP) se manifestou por meio da Análise n. 2586/2016 (peça 16),
nomeação.”. opinando pelo registro do ato de admissão em tela, com destaque quanto à
intempestividade no envio dos documentos a este Tribunal.
É o relatório.
Em manifestação necessária, o Procurador do Ministério Público de Contas-
DECISÃO MPC emitiu o Parecer n. 6329/2016 (peça 17), no qual apresentou o
seguinte entendimento:
Examinando a matéria dos autos verifiquei que a admissão da servidora foi
concretizada de acordo com as disposições legais e regulamentares, e que a “... corroborando o entendimento da análise técnica da ICEAP, este
nomeação ocorreu no prazo de validade do concurso público, de acordo Ministério Público de Contas opina, nos termos do inciso I, do artigo 34, da
com a ordem de classificação homologada pelo titular do órgão, havendo Lei Complementar nº 160/2012, c/c o § 3º, inciso II, letra “a”, do artigo 174,
sido apresentada toda a documentação exigida pelos termos da Orientação da Resolução Normativa TC/MS 076/2013, pelo REGISTRO da epigrafada
Técnica ao Jurisdicionado-OTJ n. 2, de 17 de março de 2010, vigente na nomeação.”.
época.
É o relatório.
Porém, é correto o destaque, no item 5 da Análise, da ICEAP quanto ao não
atendimento do prazo estabelecido na referida OTJ n. 2, de 2010, que DECISÃO
determinava a remessa eletrônica dos documentos a esta Corte de Contas
em até 30 (trinta) dias a contar da data de ocorrência da posse. Examinando a matéria dos autos verifiquei que a admissão da servidora foi
concretizada de acordo com as disposições legais e regulamentares, e que a
Visto que o termo de posse foi firmado em 20 de julho de 2011, o prazo nomeação ocorreu no prazo de validade do concurso público, de acordo
limite para envio tempestivo da documentação era até o dia 19 de agosto com a ordem de classificação homologada pelo titular do órgão, havendo
de 2011, e ao averiguar a remessa eletrônica, a ICEAP constatou que o sido apresentada toda a documentação exigida pelos termos da Orientação
responsável realizou o envio dos documentos apenas em 29 de setembro Técnica ao Jurisdicionado-OTJ n. 2, de 17 de março de 2010, vigente na
de 2011, sendo, portanto intempestivo. época.
Pág.4
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Porém, é correto o destaque, no item 5 da Análise, da ICEAP quanto ao não Examinando a matéria dos autos verifiquei que a admissão do servidor foi
atendimento do prazo estabelecido na referida OTJ n. 2, de 2010, que concretizada de acordo com as disposições legais e regulamentares, e que a
determinava a remessa eletrônica dos documentos a esta Corte de Contas nomeação ocorreu no prazo de validade do concurso público, de acordo
em até 30 (trinta) dias a contar da data de ocorrência da posse. com a ordem de classificação homologada pelo titular do órgão, havendo
sido apresentada toda a documentação exigida pelos termos da Orientação
Visto que o termo de posse foi firmado em 20 de julho de 2011, o prazo Técnica ao Jurisdicionado-OTJ n. 2, de 17 de março de 2010, vigente na
limite para envio tempestivo da documentação era até o dia 19 de agosto época.
de 2011, e ao averiguar a remessa eletrônica, a ICEAP constatou que o
responsável realizou o envio dos documentos apenas em 29 de setembro Porém, é correto o destaque, no item 5 da Análise, da ICEAP quanto ao não
de 2011, sendo, portanto intempestivo. atendimento do prazo estabelecido na referida OTJ n. 2, de 2010, que
determinava a remessa eletrônica dos documentos a esta Corte de Contas
Contudo, verifico que a aplicação de multa pela intempestividade na em até 30 (trinta) dias a contar da data de ocorrência da posse.
remessa de documentos a este Tribunal, não se aplica ao caso em tela, visto
que no tempo dos fatos (2011) ainda não havia previsão legal para Visto que o termo de posse foi firmado em 20 de julho de 2011, o prazo
sancionar tal irregularidade, ou seja, não havia tipicidade para adequar o limite para envio tempestivo da documentação era até o dia 19 de agosto
fato (intempestividade) ao tipo (modelo legal, abstratamente formulado de 2011, e ao averiguar a remessa eletrônica, a ICEAP constatou que o
pelo legislador), ocorrendo a adequada tipificação somente com advento da responsável realizou o envio dos documentos apenas em 29 de setembro
Lei Complementar Estadual n. 160, de 2 de janeiro de 2012, que instituiu de 2011, sendo, portanto intempestivo.
em seu art. 46 a penalização incidente sobre a falta de remessa tempestiva
de informações, dados ou documentos ao Tribunal. Contudo, verifico que a aplicação de multa pela intempestividade na
remessa de documentos a este Tribunal, não se aplica ao caso em tela, visto
Portanto, diante da falta de previsão legal anterior à intempestividade que no tempo dos fatos (2011) ainda não havia previsão legal para
apurada nos autos, é indevida a aplicação de multa. sancionar tal irregularidade, ou seja, não havia tipicidade para adequar o
fato (intempestividade) ao tipo (modelo legal, abstratamente formulado
Ante todo o exposto, concordo com a análise da ICEAP, acolho o Parecer do pelo legislador), ocorrendo a adequada tipificação somente com advento da
MPC e decido pelo registro do ato de admissão de Andréia de Cássia de Lei Complementar Estadual n. 160, de 2 de janeiro de 2012, que instituiu
Oliveira, nomeada em caráter efetivo para exercer o cargo de “Agente de em seu art. 46 a penalização incidente sobre a falta de remessa tempestiva
Merenda”, pelo Município de Ladário, com fundamento nas regras dos arts. de informações, dados ou documentos ao Tribunal. Portanto, diante da
21, III, e 34, I, da Lei Complementar Estadual n. 160, de 2012, e do art. 10, I, falta de previsão legal anterior à intempestividade apurada nos autos, é
do Regimento Interno. indevida a aplicação de multa.

Ao Cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do Ante todo o exposto, concordo com a análise da ICEAP, acolho o Parecer do
Regimento Interno. MPC e decido pelo registro do ato de admissão de Naudiley Pereira da Silva,
Campo Grande, 14 de abril de 2016. nomeado em caráter efetivo para exercer o cargo de “Auxiliar de Serviços
Operacionais I”, pelo Município de Ladário, com fundamento nas regras dos
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL arts. 21, III, e 34, I, da Lei Complementar Estadual n. 160, de 2012, e do art.
Conselheiro Relator 10, I, do Regimento Interno.

DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 3208/2016 Ao Cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do
Regimento Interno.
PROCESSO TC/MS: TC/96540/2011
PROTOCOLO: 1208655 Campo Grande, 14 de abril de 2016.
JURISDICIONADO (A) : JOSÉ ANTONIO ASSAD E FARIA
CARGO: PREFEITO JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
INTERESSADO (A): NAUDILEY PEREIRA DA SILVA Conselheiro Relator
TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE CONCURSADO
RELATOR (A): CONS. JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 3195/2016

RELATÓRIO PROCESSO TC/MS: TC/76342/2011


PROTOCOLO: 1177539
As peças dos autos tratam do pedido de registro do ato de admissão do ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS IRMAOS DO BURITI
servidor Naudiley Pereira da Silva, nomeado em caráter efetivo para exercer JURISDICIONADO E/OU INTERESSADO (A) : WLADEMIR DE SOUZA VOLK
o cargo de “Auxiliar de Serviços Operacionais I”, pelo Município de Ladário. TIPO DE PROCESSO: ATO DE ADMISSÃO DE PESSOAL - CONCURSADO
RELATOR (A): JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
Ao analisar os documentos a Inspetoria de Controle Externo de Atos de
Pessoal (ICEAP) se manifestou por meio da Análise n. 2576/2016 (peça 16), Vistos etc.
opinando pelo registro do ato de admissão em tela, com destaque quanto à
intempestividade no envio dos documentos a este Tribunal. A matéria do processo sob análise trata do ato de admissão de pessoal do
servidor ERINO BLANCO GOMES – MOTORISTA – aprovado em concurso
Em manifestação necessária, o Procurador do Ministério Público de Contas- público para provimento de cargo, realizado pela Administração Municipal
MPC emitiu o Parecer n. 6333/2016 (peça 17), no qual apresentou o de Dois Irmãos do Buriti.
seguinte entendimento:
Após a realização de diversas intimações, todas infrutíferas, a Inspetoria de
“... corroborando o entendimento da análise técnica da ICEAP, este Controle Externo de Atos de Pessoal - ICEAP se manifestou, por meio da
Ministério Público de Contas opina, nos termos do inciso I, do artigo 34, da análise ANA - 7ICE – 19749/2014, pelo não registro do ato de admissão ora
Lei Complementar nº 160/2012, c/c o § 3º, inciso II, letra “a”, do artigo 174, examinado, uma vez que no Decreto de nomeação não constava a
da Resolução Normativa TC/MS 076/2013, pelo REGISTRO da epigrafada assinatura do gestor. Aditivamente, foi ressalvada a intempestividade na
nomeação.”. remessa dos documentos.

É o relatório. Por sua vez, o Ministério Público de Contas analisou os documentos


acostados aos autos e, por meio do Parecer nº 2546/2016, seguindo a
DECISÃO motivação da ICEAP, opinou pelo não registro do ato de pessoal em apreço.
Pág.5
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Concluso para decisão, constatei que nos autos do TC-76310/2011 constava Por sua vez, o Ministério Público de Contas analisou os documentos
a cópia do referido Decreto de nomeação devidamente assinado, ocasião acostados aos autos e, por meio do Parecer nº 220/2015, seguindo a
em que determinei a juntada da cópia desse documento nos autos dos TCs motivação da ICEAP, opinou pelo não registro do ato de pessoal em apreço.
76313/2011, 76340/2011 e 76342/2011, que tiveram a mesma falha
detectada. Concluso para decisão, constatei que nos autos do TC-76310/2011 constava
a cópia do referido Decreto de nomeação devidamente assinado, ocasião
Assim, diante da supressão do defeito noticiado pela ICEAP, verifico que o em que determinei a juntada da cópia desse documento nos autos dos TCs
ato da nomeação se deu de forma legal, obedecendo aos princípios 76313/2011, 76340/2011 e 76342/2011, que tiveram a mesma falha
constitucionais voltados à Administração Pública, razão pela qual ele merece detectada.
receber a chancela deste Tribunal.
Assim, diante da supressão do defeito noticiado pela ICEAP, verifico que o
Relativamente às remessas intempestivas de documento ao Tribunal, ato da nomeação se deu de forma legal, obedecendo aos princípios
ressalvada pela ICEAP, deixo de aplicar as respectivas multas, pois que a constitucionais voltados à Administração Pública, razão pela qual ele merece
infração ocorreu antes da entrada em vigor da Lei Complementar Estadual receber a chancela deste Tribunal.
nº 160, de 2 de janeiro de 2012.
Relativamente às remessas intempestivas de documento ao Tribunal,
Por fim, é apropriado ressaltar que o gestor não atendeu às intimações ressalvada pela ICEAP, deixo de aplicar as respectivas multas, pois que a
realizadas por este relator, o que motiva a aplicação da multa cabível, infração ocorreu antes da entrada em vigor da Lei Complementar Estadual
conforme o disposto no art. 44, IV, da Lei Complementar Estadual nº 160, nº 160, de 2 de janeiro de 2012.
de 2012.
Por fim, é apropriado ressaltar que o gestor não atendeu às intimações
Diante do exposto, com fundamento na regra do art. 10, I do Regimento realizadas por este relator, o que motiva a aplicação da multa cabível,
Interno, DECIDO: conforme o disposto no art. 44, IV, da Lei Complementar Estadual nº 160,
de 2012.
I - pelo REGISTRO do Ato de admissão do servidor ERINO BLANCO GOMES –
MOTORISTA, com fundamento na regra do art. 34, I, Lei Complementar Diante do exposto, com fundamento na regra do art. 10, I do Regimento
Estadual nº 160, de 2 de janeiro de 2012; Interno, DECIDO:

II- pela APLICAÇÃO de MULTA ao Sr. WLADEMIR DE SOUZA VOLK - CPF: I - pelo REGISTRO do Ato de admissão do servidor JARDEL DOBRE ALVES –
836.177.101-82, gestor na época dos fatos, no valor equivalente ao de 50 MOTORISTA, com fundamento na regra do art. 34, I, Lei Complementar
(cinquenta) UFERMS, pela sonegação das informações solicitadas por este Estadual nº 160, de 2 de janeiro de 2012;
Tribunal, conforme certidão DSP-G.JRPC-32736/2015 (pç. 13, fls. 19);
II- pela APLICAÇÃO de MULTA ao Sr. WLADEMIR DE SOUZA VOLK - CPF:
III- dar como fundamento para os termos do inciso II, as regras dos arts. 21, 836.177.101-82, gestor na época dos fatos, no valor equivalente ao de 50
X, 42, IV, e 44, I, da Lei Complementar Estadual nº 160, de 2012, devendo os (cinquenta) UFERMS, pela sonegação das informações solicitadas por este
valores da multa ser pagos em favor do Fundo Especial de Modernização e Tribunal, conforme certidão DSP-G.JRPC-3051/2015 (pç. 13, fls. 19);
Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas (FUNTC), no prazo de 60 (sessenta)
dias contados da data da publicação desta Decisão no DOTCE/MS, conforme III- dar como fundamento para os termos do inciso II, as regras dos arts. 21,
as regras dos arts. 55, I, e 83 da Lei Complementar em referência, X, 42, IV, e 44, I, da Lei Complementar Estadual nº 160, de 2012, devendo os
observado o disposto no art. 172, § 1º, I e II, do Regimento Interno, sob valores da multa ser pagos em favor do Fundo Especial de Modernização e
pena de execução. Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas (FUNTC), no prazo de 60 (sessenta)
dias contados da data da publicação desta Decisão no DOTCE/MS, conforme
Ao Cartório, para o cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do as regras dos arts. 55, I, e 83 da Lei Complementar em referência,
Regimento Interno. observado o disposto no art. 172, § 1º, I e II, do Regimento Interno, sob
pena de execução.
Campo Grande, 15 de abril de 2016.
Ao Cartório, para o cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL Regimento Interno.
Conselheiro-Relator
Campo Grande, 15 de abril de 2016.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 3247/2016
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
PROCESSO TC/MS: TC/76340/2011 Conselheiro-Relator
PROTOCOLO: 1177537
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS IRMÃOS DO BURITI DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3308/2016
JURISDICIONADO E/OU INTERESSADO (A) : WLADEMIR DE SOUZA VOLK
TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO PROCESSO TC/MS: TC/1311/2011
RELATOR (A): JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL PROTOCOLO: 1026345
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE SIDROLÂNDIA
Vistos etc. JURISDICIONADO: DALTRO FIUZA
INTERESSADO (A): JOANA ALVES LOPES
A matéria do processo sob análise trata do ato de admissão de pessoal do TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO
servidor JARDEL DOBRE ALVES – MOTORISTA – aprovado em concurso RELATOR (A): JERSON DOMINGOS
público para provimento de cargo, realizado pela Administração Municipal
de Dois Irmãos do Buriti. Examina-se nos autos a nomeação da servidora Joana Alves Lopes,
aprovada em Concurso Público homologado por meio do Edital nº
Após a realização de diversas intimações, todas infrutíferas, a Inspetoria de 013/2006, para ocupar o cargo de Auxiliar de Serviços Gerais do Quadro
Controle Externo de Atos de Pessoal - ICEAP se manifestou, por meio da Permanente de Servidores da Prefeitura Municipal de Sidrolândia/MS.
análise ANA - 7ICE – 19749/2014, pelo não registro do ato de admissão ora
examinado, uma vez que no Decreto de nomeação não constava a A Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a Análise
assinatura do gestor. Aditivamente, foi ressalvada a intempestividade na Conclusiva ANA-ICEAP-4495/2016, onde constatou a regularidade do ato,
remessa dos documentos. ressaltando a intempestividade na remessa de documentos a esta Corte.
Pág.6
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

O Ministério Público de Contas, em seu Parecer PAR-MPC-GAB.3 Normativa TC/MS n. 35, de 14 de dezembro de 2011 c/c o artigo 34, inc. I,
DR.JAC/SUBSTITUTO-6434/2016 opinou pelo registro da nomeação. da Lei Complementar 160, de 02 de Janeiro de 2012, ressaltando a
intempestividade na remessa de documentos a esta Corte de Contas.
É o relatório.
Sendo assim, acolho os posicionamentos da Equipe Técnica e do Ministério
Ao apreciar o feito, constata-se que a instrução dos autos e a Público de Contas e decido:
documentação apresentada encontra-se em consonância com a Instrução
Normativa TC/MS n. 35, de 14 de dezembro de 2011 c/c o artigo 34, inc. I, REGISTRAR a nomeação da servidora Rosemilda Souza Alves, CPF
da Lei Complementar 160, de 02 de Janeiro de 2012, ressaltando a 698.377.081-15, com base no art. 34, I, da Lei Complementar n. 160, de
intempestividade na remessa de documentos a esta Corte de Contas. 2012 c/c o art. 10, I, do Regimento Interno deste Tribunal;

Sendo assim, acolho os posicionamentos da Equipe Técnica e do Ministério APLICAR MULTA, ao Sr. Daltro Fiuza, CPF. 063.509.411-87, Prefeito
Público de Contas e decido: Municipal à época, no valor de 30 (trinta) UFERMS nos termos do artigo 44,
inciso I e artigo 46, inciso I, ambos da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o
REGISTRAR a nomeação da servidora Joana Alves Lopes, CPF. 009.097.091- artigo 170, inciso I, leta “a” da Resolução Normativa nº 076/2013, pela
81, com base no art. 34, I, da Lei Complementar n.160, de 2012 c/c o art. remessa intempestiva da documentação a este Tribunal de Contas;
10, I, do Regimento Interno deste Tribunal;
CONCEDER prazo regimental, para que o responsável citado acima
APLICAR MULTA, ao Sr. Daltro Fiuza, CPF. 063.509.411-87, Prefeito comprove o recolhimento da multa imposta junto ao Fundo Especial de
Municipal à época, no valor de 30 (trinta) UFERMS nos termos do artigo 44, Desenvolvimento, Modernização e Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas
inciso I e artigo 46, inciso I, ambos da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o de Mato Grosso do Sul – FUNTC, conforme o estabelecido no artigo 83, da
artigo 170, inciso I, leta “a” da Resolução Normativa nº 076/2013, pela Lei Complementar Estadual nº 160/2012 c/c o artigo 172, § 1º, incisos I e II,
remessa intempestiva da documentação a este Tribunal de Contas; da Resolução Normativa TC/MS nº 76/2013, sob pena de execução;

CONCEDER prazo regimental, para que o responsável citado acima RECOMENDAR ao responsável à época e a quem o tiver sucedido quanto à
comprove o recolhimento da multa imposta junto ao Fundo Especial de adoção de medidas necessárias para que não incorram na mesma
Desenvolvimento, Modernização e Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas impropriedade, nos termos do art. 59,§1º, II da Resolução Normativa TC/MS
de Mato Grosso do Sul – FUNTC, conforme o estabelecido no artigo 83, da nº 160/2012;
Lei Complementar Estadual nº 160/2012 c/c o artigo 172, § 1º, incisos I e II,
da Resolução Normativa TC/MS nº 76/2013, sob pena de execução; Ao cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do
Regimento Interno TC/MS.
pela RECOMENDAÇÃO ao responsável à época e a quem o tiver sucedido
quanto à adoção de medidas necessárias para que não incorram na mesma Campo Grande, 18 de abril de 2016.
impropriedade, nos termos do art. 59,§1º, II da Resolução Normativa TC/MS
nº 160/2012; Cons. JERSON DOMINGOS
Relator
Ao cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do
Regimento Interno TC/MS. DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3318/2016

Campo Grande, 18 de abril de 2016. PROCESSO TC/MS: TC/20119/2012


PROTOCOLO: 1269750
Cons. JERSON DOMINGOS ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO GOMES
Relator ORDENADOR DE DESPESAS: MAURA TEODORO JAJAH
CARGO DO ORDENADOR: PREFEITA
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3311/2016 TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO
VALOR: R$ 50.949,05
PROCESSO TC/MS: TC/1306/2011 RELATOR (A): CONS. JERSON DOMINGOS
PROTOCOLO: 1026340
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE SIDROLÂNDIA Versam os autos do exame da formalização do Contrato Administrativo n.
JURISDICIONADO: DALTRO FIUZA 029/2012 e de sua execução financeira, celebrado entre a PREFEITURA
INTERESSADO (A): ROSEMILDA SOUZA ALVES MUNICIPAL DE PEDRO GOMES/MS e GESSI DOS SANTOS SALOMÃO - EPP,
TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE PESSOAL - NOMEAÇÃO tendo por objeto fornecimento de material de higiene e limpeza, para
RELATOR (A): JERSON DOMINGOS atender as secretarias.

Examina-se nos autos a nomeação da servidora Rosemilda Souza Alves, O procedimento licitatório que originou o instrumento contratual em
aprovada em Concurso Público homologado por meio do Edital nº análise, já foi julgado por esta Corte de Contas através do Acórdão AC01-
013/2006, para ocupar o cargo de Auxiliar de Serviços Gerais do Quadro G.JD-312/2015, constante no processo TC/MS nº. 19752/2012, cujo
Permanente de Servidores da Prefeitura Municipal de Sidrolândia/MS. resultado foi pela sua regularidade e legalidade.

A Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a Análise A 3ª Inspetoria de Controle Externo após proceder à análise (ANA-3ICE-
Conclusiva ANA-ICEAP-4499/2016, onde constatou a regularidade do ato, 200/2016 (f. 293/300)), de acordo com o disposto no Regimento Interno
opinando pelo registro da nomeação, ressaltando a intempestividade na desta Corte de Contas, concluiu pela regularidade da formalização
remessa de documentos a esta Corte. contratual e da execução financeira da contratação.

O Ministério Público de Contas, em seu Parecer PAR-MPC-GAB.3 O Ministério Público de Contas ao emitir seu parecer (PAR-4411/2016 (f.
DR.JAC/SUBSTITUTO-6438/2016 opinou pelo registro da nomeação, 301)), opinou pela regularidade e legalidade da formalização do contrato e
ressaltando a intempestividade na remessa dos documentos a esta Corte de de sua execução financeira.
Contas.
É o relatório.
É o relatório.
Ao apreciar o feito, constata-se que a instrução dos autos e a Nos termos da análise exarada pela equipe técnica, verifica-se que houve a
documentação apresentada encontra-se em consonância com a Instrução publicação resumida do instrumento do contrato na imprensa oficial no
Pág.7
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

prazo estabelecido no artigo 61, parágrafo único, da Lei n. 8666/93 e Entretanto, constata-se a intempestividade na remessa dos documentos
alterações, bem como os documentos referentes à contratação foram para análise deste Tribunal de Contas, não observando o prazo previsto na
enviados a esta Corte de Contas, no prazo previsto no Anexo I, Capítulo II, Instrução Normativa TC/MS nº 35/2011, conforme constatado pela 3ªICE
Seção I, item 1.1, “a” inciso I, da Instrução Normativa TCE/MS n. 35/2011. através da análise ANP-3ICE-10857/2015.

No que concerne à formalização do Contrato Administrativo n. 029/2012, É o relatório.


verifica-se que o mesmo encontra-se correto, em conformidade com os
requisitos estabelecidos na Lei n. 8.666/93 e alterações e na Instrução No que concerne à formalização do 479/2011/DL/PMD, verifica-se que o
Normativa TCE/MS n. 35/2011, dispondo suas cláusulas com clareza quanto mesmo encontra-se correto, em conformidade com os requisitos
ao prazo de vigência, objeto, obrigações e direitos. estabelecidos na Lei n. 8.666/93 e na Instrução Normativa TCE/MS n.
35/2011, dispondo suas cláusulas com clareza quanto ao prazo de vigência,
A execução financeira da contratação ficou claramente demonstrada objeto, obrigações e direitos.
através das notas de empenho, notas fiscais e comprovantes de
pagamento, evidenciando a efetiva liquidação das despesas, tudo de acordo A execução financeira da contratação ficou claramente demonstrada
com o disposto na Lei n. 4.320/64, ficando assim discriminados: através das notas de empenho, notas fiscais e comprovantes de
pagamento, evidenciando a efetiva liquidação das despesas, tudo de acordo
Notas De Empenho R$ 36.223,51 com o disposto na Lei n. 4.320/64, ficando assim discriminados:
Anulação R$ 36.223,51
Ordens De Pagamento R$ 36.223,51 Notas De Empenho R$ 165.000,00
Anulação R$ 122.160,00
Diante do exposto, com base nas análises técnicas da 3.ª Inspetoria de Ordens De Pagamento R$ 42.840,00
Controle Externo e acolhendo o parecer do Ministério Público de Contas,
DECIDO: Diante do exposto, com base nas análises técnicas da 3.ª Inspetoria de
Controle Externo e acolhendo o parecer do Ministério Público de Contas,
I – pela REGULARIDADE e LEGALIDADE da formalização do Contrato DECIDO:
Administrativo n. 029/2012, oriundo do Pregão Presencial n. 08/2012, I – pela REGULARIDADE e LEGALIDADE da formalização do Contrato
celebrado entre a Prefeitura Municipal De Pedro Gomes/MS e Gessi dos Administrativo n. 56/2012, oriundo do Pregão Presencial n. 19/2012,
Santos Salomão - EPP e de sua execução financeira (2ª e 3ª fases), nos celebrado entre a Prefeitura Municipal de Pedro Gomes/MS e Edeusina
termos do artigo 59 I, da Lei Complementar n. 160/12 c/c artigo 120, II e III, da Silva Neves Argentino - ME, nos termos do artigo 59 I, da Lei
da Resolução Normativa n. 76/2013; Complementar n. 160/12 c/c artigo 120, II e III, da Resolução Normativa n.
76/2013;
II – pela COMUNICAÇÃO do resultado do julgamento aos interessados,
conforme dispõe o artigo 50 da Lei Complementar n. 160/2012 c/c o artigo II – pela REGULARIDADE da execução financeira contratual, com RESSALVA
99 do Regimento Interno TC/MS. quanto à inobservância do prazo preconizado no Anexo I, Capítulo III, Seção
I, Item 1.1.3, Letra “a” da Instrução Normativa TC/MS n° 035/2011, nos
Campo Grande/MS, 18 de abril de 2016. termos do art. 59, II, da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o art. 120, III da
Resolução Normativa nº 76/2013;
Jerson Domingos
Conselheiro Relator III – pela APLICAÇÃO DE MULTA ao responsável, Sra. Maura Teodoro Jajah,
Prefeita, à época, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS, nos
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3320/2016 termos do art. 46 da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o art. 170, §1º, “a”,
da Resolução Normativa TC/MS nº 76/2013;
PROCESSO TC/MS: TC/23869/2012
PROTOCOLO: 1306141 IV - pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para que o
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO GOMES responsável supracitado recolha o valor referente à multa acima disposta,
ORDENADOR DE DESPESAS: MAURA TEODORO JAJAH junto ao FUNTC, comprovando nos autos no mesmo prazo, conforme o
CARGO DO ORDENADOR: PREFEITA estabelecido no art. 83 da Lei Complementar nº 160/2012;
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO
VALOR: R$ 165.000,00 V – pela COMUNICAÇÃO do resultado do julgamento aos interessados,
RELATOR (A): CONS. JERSON DOMINGOS conforme dispõe o artigo 50 da Lei Complementar n. 160/2012 c/c o artigo
99 do Regimento Interno TC/MS.
Versam os autos do exame da formalização do Contrato Administrativo n.
56/2012 e de sua execução financeira, celebrado entre a PREFEITURA Campo Grande/MS, 18 de abril de 2016.
MUNICIPAL DE PEDRO GOMES/MS e EDEUSINA DA SILVA NEVES
ARGENTINO - ME, tendo por objeto a prestação de serviços mecânicos Jerson Domingos
especializados em veículos leves, pesados, máquinas pesadas e tratores Conselheiro Relator
agrícolas.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3312/2016
O procedimento Licitatório Pregão nº. 19/2012 foi objeto de apreciação por
esta Corte de Contas, cujo resultado foi pela Regularidade do procedimento PROCESSO TC/MS: TC/10623/2012
licitatório, tendo sido emitida a Decisão Singular nº 11206/2013 (TC/MS nº. PROTOCOLO: 1338167
23186/2012). ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE SIDROLÂNDIA
JURISDICIONADO: DALTRO FIUZA
A 3ª Inspetoria de Controle Externo após proceder à análise (ANA-3ICE- INTERESSADO (A): LETICIA FERREIRA DOS SANTOS
10857/2015 (fls. 506/510)), de acordo com o disposto no Regimento TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE PESSOAL – NOMEAÇÃO
Interno desta Corte de Contas, concluiu pela regularidade da formalização RELATOR (A): JERSON DOMINGOS
contratual e da execução financeira da contratação.
Examina-se nos autos a nomeação da servidora Leticia Ferreira dos Santos,
O Ministério Público de Contas ao emitir seu parecer (PAR-4624/2016 (fls. aprovada em Processo Seletivo homologado por meio da Portaria nº
511/512)), opinou pela regularidade e legalidade da formalização do 020/2012, para ocupar o cargo de Agente Comunitário de Saúde do Quadro
contrato e de sua execução financeira. Permanente de Servidores da Prefeitura Municipal de Sidrolândia/MS.
Pág.8
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

A Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a Análise A 3ª Inspetoria de Controle Externo após proceder à análise (ANA-3ICE-
Conclusiva ANA-ICEAP-3629/2016, onde constatou a regularidade do ato e 100/2016 (f. 121/127)), de acordo com o disposto no Regimento Interno
concluiu pelo registro da nomeação, ressaltando a intempestividade na desta Corte de Contas, concluiu pela regularidade da formalização
remessa de documentos a esta Corte. contratual e da execução financeira da contratação.

O Ministério Público de Contas, em seu Parecer PAR-MPC-GAB.3 O Ministério Público de Contas ao emitir seu parecer (PAR-4424/2016 (f.
DR.JAC/SUBSTITUTO-5971/2016 opinou pelo registro da nomeação. 128)), opinou pela regularidade e legalidade da formalização do contrato e
de sua execução financeira.
É o relatório.
É o relatório.
Ao apreciar o feito, constata-se que a instrução dos autos e a
documentação apresentada encontra-se em consonância com a Instrução Nos termos da análise exarada pela equipe técnica, verifica-se que houve a
Normativa TC/MS n. 35, de 14 de dezembro de 2011 c/c o artigo 34, inc. I, publicação resumida do instrumento do contrato na imprensa oficial no
da Lei Complementar 160, de 02 de Janeiro de 2012, ressaltando a prazo estabelecido no artigo 61, parágrafo único, da Lei n. 8666/93 e
intempestividade na remessa de documentos a esta Corte de Contas. alterações, bem como os documentos referentes à contratação foram
enviados a esta Corte de Contas, no prazo previsto no Anexo I, Capítulo II,
Sendo assim, acolho os posicionamentos da Equipe Técnica e do Ministério Seção I, item 1.1, “a” inciso I, da Instrução Normativa TCE/MS n. 35/2011.
Público de Contas e decido:
No que concerne à formalização do Contrato Administrativo n. 030/2012,
REGISTRAR a nomeação da servidora Leticia Ferreira dos Santos, verifica-se que o mesmo encontra-se correto, em conformidade com os
CPF.017.410.261-56, com base no art. 34, I, da Lei Complementar n. 160, de requisitos estabelecidos na Lei n. 8.666/93 e alterações e na Instrução
2012 c/c o art. 10, I, do Regimento Interno deste Tribunal; Normativa TCE/MS n. 35/2011, dispondo suas cláusulas com clareza quanto
ao prazo de vigência, objeto, obrigações e direitos.
APLICAR MULTA, ao Sr. Daltro Fiuza, CPF. 063.509.411-87, Prefeito
Municipal à época, no valor de 30 (trinta) UFERMS nos termos do artigo 44, A execução financeira da contratação ficou claramente demonstrada
inciso I e artigo 46, inciso I, ambos da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o através das notas de empenho, notas fiscais e comprovantes de
artigo 170, inciso I, leta “a” da Resolução Normativa nº 076/2013, pela pagamento, evidenciando a efetiva liquidação das despesas, tudo de acordo
remessa intempestiva da documentação a este Tribunal de Contas; com o disposto na Lei n. 4.320/64, ficando assim discriminados:

CONCEDER prazo regimental, para que o responsável citado acima Notas De Empenho R$ 23.931,60
comprove o recolhimento da multa imposta junto ao Fundo Especial de Nota Fiscal R$ 23.931,60
Desenvolvimento, Modernização e Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas Ordens De Pagamento R$ 23.931,60
de Mato Grosso do Sul – FUNTC, conforme o estabelecido no artigo 83, da
Lei Complementar Estadual nº 160/2012 c/c o artigo 172, § 1º, incisos I e II, Diante do exposto, com base nas análises técnicas da 3.ª Inspetoria de
da Resolução Normativa TC/MS nº 76/2013, sob pena de execução; Controle Externo e acolhendo o parecer do Ministério Público de Contas,
DECIDO:
RECOMENDAR ao responsável à época e a quem o tiver sucedido quanto à I – pela REGULARIDADE e LEGALIDADE da formalização do Contrato
adoção de medidas necessárias para que não incorram na mesma Administrativo n. 030/2012, oriundo do Pregão Presencial n. 08/2012,
impropriedade, nos termos do art. 59,§1º, II da Resolução Normativa TC/MS celebrado entre a Secretaria Municipal de Saúde de Pedro Gomes/MS e
nº 160/2012; Gessi Dos Santos Salomão - EPP e de sua execução financeira (2ª e 3ª
fases), nos termos do artigo 59 I, da Lei Complementar n. 160/12 c/c artigo
Ao cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do 120, II e III, da Resolução Normativa n. 76/2013;
Regimento Interno TC/MS.
II – pela COMUNICAÇÃO do resultado do julgamento aos interessados,
Campo Grande, 18 de abril de 2016. conforme dispõe o artigo 50 da Lei Complementar n. 160/2012 c/c o artigo
99 do Regimento Interno TC/MS.
Cons. JERSON DOMINGOS
Relator Campo Grande/MS, 18 de abril de 2016.

DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3319/2016 Jerson Domingos


Conselheiro Relator
PROCESSO TC/MS: TC/19081/2012
PROTOCOLO: 1269748 DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3313/2016
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO GOMES
ORDENADOR DE DESPESAS: MAURA TEODORO JAJAH PROCESSO TC/MS: TC/21340/2012
CARGO DO ORDENADOR: PREFEITA MUNICIPAL PROTOCOLO: 1374575
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE SIDROLÂNDIA
VALOR: R$ 67.417,40 JURISDICIONADO: DALTRO FIUZA
RELATOR (A): CONS. JERSON DOMINGOS INTERESSADO (A): ROSIMARA APARECIDA DOS SANTOS
TIPO DE PROCESSO: ADMISSÃO DE ADMISSÃO - CONCURSADO
Versam os autos do exame da formalização do Contrato Administrativo n. RELATOR (A): JERSON DOMINGOS
030/2012 e de sua execução financeira, celebrado entre a SECRETARIA
MUNICIPAL DE SAÚDE DE PEDRO GOMES/MS e GESSI DOS SANTOS Examina-se nos autos a nomeação da servidora Rosimara Aparecida dos
SALOMÃO - EPP, através da Prefeitura Municipal, tendo por objeto Santos, aprovada em Concurso Público homologado por meio do Edital nº
fornecimento de material de higiene e limpeza, para atender as 206/2012, para ocupar o cargo de Professor de 1º ao 5º/área rural/Escola
secretarias. Municipal Eldorado, do Quadro Permanente de Servidores da Prefeitura
Municipal de Sidrolândia/MS.
O procedimento licitatório que originou o instrumento contratual em
análise, já foi julgado por esta Corte de Contas através do Acórdão AC01- A Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a Análise
G.JD-312/2015, constante no processo TC/MS nº 19752/2012, cujo Conclusiva ANA-ICEAP-3690/2016, onde constatou a regularidade do ato,
resultado foi pela sua regularidade e legalidade. ressaltando a intempestividade na remessa de documentos a esta Corte.
Pág.9
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

O Ministério Público de Contas, em seu Parecer PAR-MPC-GAB.3 b) execução financeira da contratação instrumentalizada na Nota de
DR.JAC/SUBSTITUTO-6247/2016 opinou pelo registro da nomeação. Empenho de Despesa n. 1720, de 2012.
Os documentos foram analisados pela 1ª Inspetoria de Controle Externo -
É o relatório. 1ª ICE (ANA n. 12867/2014, peça n. 20), que considerou irregular a
formalização da nota de empenho em referência e regular a execução
Ao apreciar o feito, constata-se que a instrução dos autos e a financeira.
documentação apresentada encontra-se em consonância com a Instrução
Normativa TC/MS n. 35, de 14 de dezembro de 2011 c/c o artigo 34, inc. I, Na sequência, o Procurador do Ministério Público de Contas emitiu o
da Lei Complementar 160, de 02 de Janeiro de 2012, ressaltando a Parecer GAB.3DR.JAC/SUBSTITUTO-3437/2015 (peça n. 21), opinando pela:
intempestividade na remessa de documentos a esta Corte de Contas.
“I - legalidade e regularidade da formalização da Nota de Empenho n.
Sendo assim, acolho os posicionamentos da Equipe Técnica e do Ministério 1720/2012, nos termos do artigo 59, inciso I, da Lei Complementar n.
Público de Contas e decido: 160/2012, (...);

REGISTRAR a nomeação da servidora Rosimara Aparecida dos Santos, CPF. II - legalidade e regularidade com ressalva da prestação de contas da
012.090.101-35, com base no art. 34, I, da Lei Complementar n. 160, de execução financeira do Empenho, nos termos do art. 59, inciso II, da Lei
2012 c/c o art. 10, I, do Regimento Interno deste Tribunal; Complementar n. 160/2012, (...);

APLICAR MULTA, ao Sr. Daltro Fiuza, CPF. 063.509.411-87, Prefeito III - multa aos jurisdicionados: Senhor José Gilberto Garcia (exprefeito),
Municipal à época, no valor de 30 (trinta) UFERMS nos termos do artigo 44, inscrito no CPF n. 174.824.299-72, e Senhor Roberto Hashioka Soler (atual
inciso I e artigo 46, inciso I, ambos da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o prefeito), inscrito no CPF n. 960.011.008-53; com fulcro no art. 77, VIII, da
artigo 170, inciso I, leta “a” da Resolução Normativa nº 076/2013, pela Constituição Estadual do Estado de Mato Grosso do Sul, combinado com o
remessa intempestiva da documentação a este Tribunal de Contas; art. 44, I, da Lei Complementar n. 160/2012, pela infringência ao art. 42,
inciso IV, da Lei Complementar n. 160/12;
CONCEDER prazo regimental, para que o responsável citado acima
comprove o recolhimento da multa imposta IV – recomendação ao Órgão Jurisdicionado para que observe com maior
Junto ao Fundo Especial de Desenvolvimento, Modernização e rigor às normas atinentes as contratações públicas, principalmente no que
Aperfeiçoamento do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul – FUNTC, pertine a remessa de requisições de combustíveis, evitando que as falha
conforme o estabelecido no artigo 83, da Lei Complementar Estadual nº aqui existente volte a ocorrer; (...)”
160/2012 c/c o artigo 172, § 1º, incisos I e II, da Resolução Normativa
TC/MS nº 76/2013, sob pena de execução; É o Relatório.

RECOMENDAR ao responsável à época e a quem o tiver sucedido quanto à DECISÃO


adoção de medidas necessárias para que não incorram na mesma
impropriedade, nos termos do art. 59,§1º, II da Resolução Normativa TC/MS Analisando os documentos dos autos, verifico que os atos administrativos
nº 160/2012; examinados atenderam às formalidades exigidas pela Lei (federal) n.
10.520, de 2002, subsidiariamente pela Lei (federal) n. 8.666, de 1993, pela
Ao cartório, para cumprimento das disposições do art. 70, § 2º, do Lei (federal) n. 4.320, de 1964, e pela Instrução Normativa TC/MS n.
Regimento Interno TC/MS. 35, de 2011.

Campo Grande, 18 de abril de 2016. Vale observar que a análise técnica feita pela 1ª ICE relata a falta de envio,
ao Tribunal, das requisições de abastecimento, solicitadas no Termo de
Cons. JERSON DOMINGOS Intimação n. 11250/2014 (peça n. 10), a fim de comprovar a efetiva
Relator entrega dos produtos, conforme disposto no art. 55, IV, da Lei (federal) n.
8.666, de 1993.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JRPC - 2943/2016
Em seguida, constatei justificativa plausível oferecida pelo jurisdicionado na
PROCESSO TC/MS: TC/118842/2012 resposta ao Termo de Intimação (peça n. 19, fls. 33 e 34), que disse:
PROTOCOLO: 1365478
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE NOVA ANDRADINA “... o Município quando tinha a necessidade de solicitar os
ORDENADOR DE DESPESAS: 1-JOSÉ GILBERTO GARCIA, 2-ROBERTO materiais/serviços emitia requisição para a fornecedora e após a entrega
HASHIOKA SOLER dos materiais/serviços os mesmos eram conferidos, conforme os atestados
CARGO DO ORDENADOR (A): 1-EX-PREFEITO, 2-PREFEITO ATUAL das Notas Fiscais. As Requisições, por serem de número bem elevado, após a
ASSUNTO DO PROCESSO: NOTA DE EMPENHO N. 1720, DE 2012 conferência eram incineradas.”
RELATOR: CONS. JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL
CONTRATADO(A): JOSÉ MOACYR FATTOR & CIA LTDA Postas as considerações acima, entendo, neste caso, que merece ressalva o
PROCEDIMENTO LICITATÓRIO: PREGÃO PRESENCIAL N. 6, DE 2012 não encaminhamento das requisições de abastecimento, ante a justificativa
OBJETO: AQUISIÇÔES DE COMBUSTÍVEIS LUBRIFICANTES E FLUIDOS PARA de que foram incineradas, dado o seu elevado número. Desse modo, o
ATENDER OS VEÍCULOS UTILIZADOS NA SECRETARIA MUNICIPAL DE jurisdicionado não deve mais proceder do modo em que se justificou,
EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES devendo guardar os documentos em arquivos apropriados, por tempo
VALOR INICIAL: R$ 43.354,00 suficiente, para que quando solicitados possam ser examinados.

RELATÓRIO Diante do exposto, acolho o posicionamento do representante do


Ministério Público e decido nos termos de:
A matéria dos autos trata dos atos administrativos relativos à:
I – declarar, com fundamento na regra do art. 59, I, da Lei Complementar
a) emissão da Nota de Empenho de Despesa n. 1720, de 2012, pelo (estadual) n. 160, de 2012, a regularidade do ato administrativo relativo à
Município de Nova Andradina em favor da empresa José Moacyr Fattor & emissão da Nota de Empenho de Despesa n. 1720, de 2012, pelo Município
Cia Ltda., como instrumento substitutivo do termo de contrato, tendo como de Nova Andradina em favor da empresa José Moacyr Fattor & Cia Ltda.;
objeto a aquisição de combustíveis lubrificantes e fluidos, para atender os
veículos utilizados pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e II - declarar, com fundamento na regra do art. 59, II, da Lei Complementar
Esportes; (estadual) n. 160, de 2012, a regularidade com a ressalva que resulta
Pág.10
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

inscrita no inciso seguinte, do ato administrativo relativo à execução II - pela APLICAÇÃO DE MULTA no valor de 05 (cinco) UFERMS ao Sr.
financeira da contratação instrumentalizada na Nota de Empenho de Leandro Mazina Martins, Secretário Municipal de Saúde de Campo Grande
Despesa n. 1720, de 2012; à época, pela publicação fora do prazo, com fulcro no artigos 44, I e 45, I da
Lei Complementar n. 160/2012 c/c o artigo 170, inciso I da Resolução
III – recomendar, com fundamento na regra do art. 59, § 1°, II, da Lei Normativa TC/MS n. 076/2013;
Complementar n. 160, de 2012, ao atual Prefeito Municipal de Nova
Andradina que efetive e mantenha em arquivo apropriado os documentos III – pela concessão do prazo de 60 (sessenta) dias para o recolhimento do
comprobatórios (requisições) dos abastecimentos dos veículos utilizados valor da multa ao FUNTC, conforme o disposto no art. 83 da LC n. 160/12
pela Administração Municipal. c/c os incisos I e II do § 1º do art. 172 da RNTC/MS n. 076/13;

É COMO DECIDO. IV – pela COMUNICAÇÃO do resultado do julgamento aos interessados, nos


termos do art. 50 da Lei Complementar n. 160, de 02 de janeiro de 2012.
Campo Grande, 13 de abril de 2016.
V - Após as providências previstas no art. 70, § 2º, do Regimento Interno,
JOSÉ RICARDO PEREIRA CABRAL sejam os autos remetidos à 3ª Inspetoria de Controle Externo, nos termos
Conselheiro-Relator do art. 120, II e III da RNTC/MS n. 76/2013 c/c o parágrafo único do art. 4º
da Orientação Técnica Interna n. 03, de 2010.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3279/2016
Campo Grande, 15 de abril de 2016.
PROCESSO TC/MS: TC/119314/2012
PROTOCOLO: 1353766 Conselheiro Jerson Domingos
ÓRGÃO: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE PUBLICA DE CAMPO GRANDE Relator
JURISDICIONADO E/OU INTERESSADO (A) : LEANDRO MAZINA MARTINS
TIPO DE PROCESSO: ATA DE REGISTRO DE PREÇO 028/2012 DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2867/2016
PROCEDIMENTO LICITATÓRIO: PREGÃO PRESENCIAL 019/2012
RELATOR (A): JERSON DOMINGOS PROCESSO TC/MS: TC/11150/2013
PROTOCOLO: 1427035
Tratam os autos de procedimento licitatório na modalidade Pregão ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRANDA
Presencial, número 019/2012, que deu origem a Ata de Registro de Preços JURISDICIONADO: LXTEC INFORMATICA LTDA - ME
nº 028/2012, celebrado entre a Secretaria Municipal de Saúde de Campo TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO nº 59/2013
Grande e as empresas abaixo relacionadas, cujo objeto é “AQUISIÇÃO DE RELATOR (A): CONS. RONALDO CHADID
MATERIAL DE MEDICAMENTOS: INVERMECTINA, METOCLOPRAMIDA, VALOR: R$ 58.200,00
DENITOINA E OUTROS PARA ATENDER A SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
PUBLICA”. Em exame o 1º e 2º Termos Aditivos ao Contrato Administrativo nº 59/2013
celebrado entre o Município de Miranda /MS e a microempresa Lxtec
EMPRESA VALOR Informática Ltda., visando à locação de impressoras e multifuncionais com
VIC PHARMA INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA R$ 87.840,00 fornecimento de materiais para todos os equipamentos locados (exceto
COMERCIAL CIRURGICA RIOCLARENSE LTDA R$ 23.160,00 papel), no valor inicial da contratação de R$ 58.200,00 (cinquenta e oito mil
e duzentos reais).
A 3ª ICE emitiu a análise ANA - 3ICE – 29836/2015 (peça 45), manifestando-
se pela regularidade do procedimento licitatório e da formalização da Ata O procedimento licitatório – Convite nº 33/2013 e a formalização contratual
de Registro de Preços n. 028/2012, com ressalva para publicação – foi considerado regular e legal, conforme DECISÃO SINGULAR DSG-G.RC-
intempestiva da ata de registro de preços. 752/2014, nos autos TC/MS nº 11150/2013, f. 144/147.

O Ministério Público de Contas em seu parecer (peça 46), concluiu pela Na análise técnica a 5ª ICE constatou que os documentos que instruem os
legalidade e regularidade do procedimento licitatório e da formalização da Termos Aditivos ao Contrato Administrativo nº 59/2013, atendem
Ata de Registro de Preços com aplicação de multa pela intempestividade na integralmente as disposições estabelecidas na Lei 8.666/93; bem como
publicação. foram remetidos ao Tribunal de Contas de acordo com as exigências da
Instrução Normativa 35/2011; exceto pela remessa dos termos aditivos
É o relatório. mais de 30 (trinta) dias além do prazo previsto no Anexo III, Secção I, item
1.2.2, letra a (ANA-5ICE- 28290/2015 - f. 526/528).
Compulsando os autos verifico que o procedimento licitatório e a
formalização da Ata de Registro de Preços foram devidamente instruídos e O Ministério Público, por sua vez, opinou pela regularidade e legalidade dos
seguem as normas estabelecidas na Lei nº 10.520/2002 e na Lei nº 1º e 2º Termos Aditivos e pela aplicação de multa em razão da remessa
8.666/1993, bem como estão de acordo com as determinações da Instrução intempestiva, conforme parecer acostado à f. 529 (PAR-MPC-GAB.6
Normativa TC/MS n. 35/2011. DR.JAC- 809/2016).

Verifico, no entanto, que a publicação se deu de forma intempestiva. A É o relatório.


assinatura ocorreu no dia 29/05/2012 e a publicação em 02/07/2012.
Das razões de decidir.
Ante o exposto, não havendo nos autos evidência de ilegalidades ou falhas
nos procedimentos examinados, acolho o Parecer do Ministério Público de O mérito da questão baseia-se na apreciação do 1º e 2º Termos Aditivos ao
Contas, a análise da Inspetoria de Controle Externo e DECIDO: Contrato Administrativo nº 59/2013 celebrado entre o Município de
Miranda /MS e a microempresa Lxtec Informática Ltda.
I – Pela REGULARIDADE e LEGALIDADE do procedimento licitatório na
modalidade Pregão Presencial n. 028/2012, que deu origem a Ata de Verifica-se que o 1º e 2º Termos Aditivos versam sobre a prorrogação no
Registro de Preços n. 019/2012 celebrada entre a Secretaria Municipal de prazo de vigência, com fundamento no art. 57 § 1º da Lei 8666/93.
Saúde de Campo Grande e as empresas VIC PHARMA INDUSTRIA E
COMÉRCIO LTDA e COMERCIAL CIRURGICA RIOCLARENSE LTDA, nos termos Assim, certifico por meio da documentação acostada aos autos que o 1º e
do art. 59, I, da Lei Complementar n. 160, de 02 de janeiro de 2012, 2º Termos Aditivos ao Contrato Administrativo nº 59/2013, foram
observado o disposto no art. 120, caput, I, “a”, e II, do Regimento Interno, realizados de acordo com a Lei 8.666/93, porém foram remetidos fora do
aprovado pela Resolução Normativa n. 76, de 11 de dezembro de 2013; prazo regimental.
Pág.11
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Dessa forma, tendo como suficientes as razões expostas pela 5ª ICE, acolho Quanto à execução financeira, conforme a análise da 3ª Inspetoria de
em parte o Parecer do Ministério Público de Contas, nos termos do art. 120, Controle Externo, esta assim resultou:
II, da RNTC/MS nº 76/2013, DECIDO:
Nota de Empenho R$ 56.000,00
I. Pela REGULARIDADE do 1º e 2º Termos Aditivos ao Contrato Notas Fiscais R$ 56.000,00
Administrativo nº 59/2013, celebrado entre o Município de Miranda Ordens de Pagamento R$ 56.000,00
/MS e a microempresa Lxtec Informática Ltda., de acordo com o
previsto na Lei 8.666/93, com ressalva pela remessa dos documentos A Execução Financeira encontra-se devidamente instruída. Assim, a despesa
mais de 30(trinta) dias além do prazo previsto no Anexo III, Secção I, restou devidamente comprovada, de acordo com as normas de finanças
item 1.2.2, letra a, da Instrução Normativa 35/2011 públicas prescritas na Lei nº 4.320/64 e com as determinações contidas na
Instrução Normativa nº 35/2011 e no Regimento Interno desta Corte de
II. Pela APLICAÇÃO DE MULTA a Prefeita Municipal de Miranda/MS, Contas.
Juliana Pereira Almeida de Almeida, inscrito no CPF nº 613.781.941-
87, no valor de correspondente a 30 (trinta) UFERMS, prevista no art. Ante o exposto, DECIDO:
46 da LC 160/12 c/c art. 170, §1º, inciso I, alínea a do Regimento
Interno do TC/MS, na forma do Provimento nº 2/2014 da Corregedoria I – Pela REGULARIDADE do procedimento licitatório Pregão Presencial nº
Geral do TCE/MS, em face da remessa intempestiva dos documentos; 22/2013, celebrado entre a Prefeitura Municipal de Paranaíba e a empresa
Bruna Queiroz Diniz - ME, nos termos do art. 59, I, da Lei Complementar nº
III. Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o 160/2013 c/c o art. 120, I, da Resolução Normativa TC/MS nº 76/2013;
recolhimento da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei
Complementar 160/2012, comprovando o pagamento, sob pena de II – pela REGULARIDADE da formalização do Contrato nº 124/2013, nos
cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º da Constituição termos do art. 59, I, da Lei Complementar nº 160/2013 c/c o art. 120, II e
Estadual. §4º da Resolução Normativa TC/MS nº 076/2013;

É a decisão. III – pela REGULARIDADE da execução financeira contratual, nos termos do


Após, remeta-se à 5ª ICE para análise da execução financeira do contrato. art. 59, I da Lei Complementar nº 160/2013 c/c o art. 120, III da Resolução
Normativa TC/MS nº 076/2013;
Campo Grande 7 de abril de 2016.
IV - pela COMUNICAÇÃO do resultado do julgamento aos interessados, nos
Ronaldo Chadid termos do art. 50 da Lei Complementar nº 160/2012 c/c o art. 70, §2º, do
Conselheiro Relator Regimento Interno, aprovado pela Resolução Normativa TC/MS nº 76/2013.

DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3231/2016 Campo Grande/MS, 15 de abril de 2016.

PROCESSO TC/MS: TC/11807/2013 Jerson Domingos


PROTOCOLO: 1429823 Conselheiro Relator
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO GOMES
ORDENADOR DE DESPESAS: FRANCISCO VANDERLEY MOTA
CARGO DO ORDENADOR: PREFEITO MUNICIPAL DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2442/2016
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO
VALOR: R$ 48.000,00 PROCESSO TC/MS: TC/12595/2013
RELATOR (A): CONS. JERSON DOMINGOS PROTOCOLO: 1436257
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
Versam os presentes autos sobre o procedimento licitatório Pregão RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
Presencial nº 32/2013, que deu origem ao Contrato nº 100/2013, celebrado TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO
entre a Prefeitura Municipal de Pedro Gomes e a empresa Emerson Patussi RELATOR: RONALDO CHADID
de Morais - Me, tendo por objeto a locação de um trator com a
disponibilização de um operador e implementos para atender as Em exame a convocação de HEROTILDES HATSUE HARA MURAKAMI, inscrita
necessidades da secretaria de desenvolvimento econômico. no CPF sob o nº 421.730.271-15, efetuada pelo Município de Dourados/MS
para exercer a função de professora coordenadora, para fins de registro.
A 3ª Inspetoria de Controle Externo, através da Análise ANA-3ICE-
17443/2015 (fls. 187/195), manifestou-se pela regularidade do De posse do caderno processual, considerando a regularidade da
procedimento licitatório, da formalização contratual e da execução documentação a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a
financeira contratual. Análise nº 20376/2014 sugerindo o registro da convocação da servidora
acima identificada.
Em seguida, o Ministério Público de Contas exarou o parecer PAR-MPC-
GAB.6DR.JAC-4549/2016 (fl. 196) opinando pela legalidade e regularidade A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
do procedimento licitatório, da formalização e execução do instrumento emitiu o Parecer nº 1506/2016 opinando, também, pelo registro da
contratual, além da execução financeira (1ª, 2ª e 3ª fases). convocação.

É o relatório. É o relatório.

Da análise dos autos, verifica-se que o procedimento licitatório Pregão Passo às razões da decisão.
Presencial nº 22/2013 encontra-se regular, de acordo com a Lei Federal nº
8.666/93 e alterações, Lei Federal nº 4.320/64, Instrução Normativa TC/MS A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que
nº 035/2011 e com as determinações contidas no Regimento Interno desta há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser
Corte de Contas. interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de
concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso
Quanto ao Contrato nº 093/2015, este foi devidamente formalizado, público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes
contendo os documentos exigidos pela legislação aplicável, além da para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados
publicação e remessa a esta Corte de Contas dentro do prazo previsto na tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em
legislação regente. situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público.
Pág.12
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as Sendo assim, considerando a documentação acostada nos autos, remetidas
hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento tempestivamente, podemos concluir pela regularidade da contratação, pois
desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe: preencheu os requisitos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal.

São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas DECIDO pelo REGISTRO da convocação de JOANA DARC CASTILHO
em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e CABREIRA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função
segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e de professora coordenadora.
face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos.
É a decisão.
Sendo assim, considerando a documentação acostada nos autos, remetidos
tempestivamente, podemos concluir pela regularidade da contratação, pois Publique-se.
preencheu os requisitos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal.
Campo Grande/MS, 30 de março de 2016.
Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO pelo REGISTRO da convocação de HEROTILDES HATSUE HARA Ronaldo Chadid
MURAKAMI, efetuada pelo Município de Dourados/MS para exercer a Conselheiro Relator
função de professora coordenadora.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2522/2016
É a decisão.
PROCESSO TC/MS: TC/15897/2013
Publique-se. PROTOCOLO: 1445906
ÓRGÃO: SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE
Campo Grande/MS, 30 de março de 2016. JURISDICIONADO E/OU INTERESSADO (A) : ANTONIO LASTORIA –
SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE À ÉPOCA
Ronaldo Chadid TIPO DE PROCESSO: PREGÃO ELETRÔNICO N. 119/2013 E CONTRATO
Conselheiro Relator ADMINISTRATIVO N. 41/2013
RELATOR (A): CONS. RONALDO CHADID
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2443/2016
Em exame o procedimento licitatório – Pregão Eletrônico n. 119/2013 e a
PROCESSO TC/MS: TC/12601/2013 formalização do contrato administrativo n. 41/2013, celebrado entre o
PROTOCOLO: 1436263 Estado de Mato Grosso do Sul, por meio de sua Secretaria de Estado de
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS Saúde, e a empresa Respirare Locação de Equipamentos Respiratórios Ltda.,
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH tendo como objeto a contratação de empresa especializada em serviços de
TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO manutenção de aparelho Bipap com máscara Nasal Small Child Respironics
RELATOR: RONALDO CHADID com válvula exalação Respironics, em atendimento à decisão judicial em
favor da paciente Liessa Rodrigues Hoff, no valor de R$32.760,00.
Em exame a convocação de JOANA DARC CASTILHO CABREIRA, inscrita no
CPF sob o nº 020.799.011-50, efetuada pelo Município de Dourados/MS, A 5ª ICE emitiu a Análise ANA-5ICE-7037/2015 – f. 238/240 constatando
para exercer a função de professora coordenadora, para fins de registro. que os documentos carreados encontram-se em conformidade com os
termos da Lei 8.666/93, do Decreto Estadual 11.676/2004, e da Instrução
De posse do caderno processual, considerando a regularidade da Normativa n. 35/2011.
documentação a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a
Análise nº 7436/2015 sugerindo o registro da convocação da servidora O Ministério Público de Contas opinou pela regularidade e legalidade do
acima identificada. procedimento licitatório e da formalização do contrato administrativo por
estarem de acordo com a legislação pertinente, conforme Parecer PAR-
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que MPC-GAB.7 DR.JAC-19108/2015 (f. 241/242).
emitiu o Parecer nº 1480/2016, opinando, também, pelo registro da
convocação. É o relatório.

É o relatório. Das razões da decisão.

Passo às razões da decisão. Verifico por meio da documentação acostada aos autos que o
procedimento licitatório e a formalização contratual atendem os requisitos
A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que da Lei 8.666/93 e do Decreto Estadual 11.676/2004.
há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser
interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de Em razão da necessidade de se atender a decisão judicial, proferida em
concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso razão do iminente risco de morte e pela comprovada hipossuficiência da
público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes paciente considero pertinente à realização do certame.
para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados
tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em Foram trazidos aos autos os seguintes documentos do Pregão Eletrônico: o
situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público. comprovante de autorização para realização da licitação, a indicação do
objeto e valor estimado acompanhado da pesquisa de mercado, a
No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as publicação do edital, os documentos de habilitação, o resultado da licitação
hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento e sua publicação, a previsão orçamentária, a minuta do contrato e demais
desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe: documentos exigidos pelos arts. 6º e 10 do Decreto Estadual 11.676/2004 e
pelo Anexo I, Capítulo III, Seção I, item 1.1.1, B, B.1 da INTC/MS n. 35/2011.
São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para
atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas O certame foi realizado de acordo com o trâmite previsto no art. 8º do
em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e Decreto Estadual 11.676/2004 tendo ocorrido à adjudicação do objeto da
segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e licitação ao vencedor, com a posterior homologação do certame pela
face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos. autoridade competente (f. 82/85).
Pág.13
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

O contrato administrativo encontra-se regular tendo em vista que de Pela documentação trazida aos autos para comprovação de regularidade, a
acordo com o previsto no edital de licitação, fazendo constar em suas execução financeira do contrato pode ser resumida da seguinte forma:
cláusulas os elementos essenciais: objeto, prazo e vigência, valor pactuado,
forma de execução, cronograma de pagamento e fonte de recurso, Valor inicial do contrato nº 061/2013 R$ 40.125,00
obrigações das partes, sanções e vigência, conforme preconiza o art. 55 da Valor das notas de empenho (NE) R$ 40.125,00
Lei 8.666/93, tendo sido carreado os e de acordo com os documentos Despesa liquidada (NF) R$ 40.125,00
exigidos pelo Anexo I, Capítulo III, Seção I, item 1.2, 1.2.1, B, da INTC/MS n. Pagamento efetuado (OB/OP) R$ 40.125,00
35/2011.
Vê-se que a despesa contratada foi devidamente processada, seus valores
Dessa forma, tenho como suficientes as razões expostas pela 5ª ICE, acolho corretamente empenhados, liquidados e pagos, em fiel observância às
o Parecer do Ministério Público de Contas, e sob o fundamento do art. 120, disposições contidas na Lei Federal n.º 4.320/64.
incs. I, alínea “a”, e II do RITC/MS, aprovado pela RNTC/MS n. 76/2013, e
DECIDO pela REGULARIDADE do procedimento licitatório – Pregão São as razões que fundamentam o decisum.
Eletrônico n. 119/2013 e da formalização do Contrato Administrativo n.
41/2013, celebrado entre o Estado de Mato Grosso do Sul, por meio de sua Com respaldo das informações prestadas pela unidade de auxílio técnico,
Secretaria de Estado de Saúde, e a empresa Respirare Locação de em comunhão com o r. parecer do Ministério Público de Contas; DECIDO
Equipamentos Respiratórios Ltda., uma vez que de acordo com a Lei pela REGULARIDADE da execução financeira do Contrato Administrativo n.º
8.666/93 e Decreto Estadual 11.676/2004. 061/2013, celebrado entre o Município de Corumbá, através da Secretaria
Municipal de Governo, e a Empresa Comercial Isototal Ltda-ME; pelo
É a decisão. atendimento das disposições legais dos artigos 60 a 64, da Lei n.º 4.320/64.

Publique-se. É a decisão.

Campo Grande, 31 de março de 2016. Ao Cartório para publicação.

Ronaldo Chadid Campo Grande – MS, 6 de abril de 2016.


Conselheiro Relator
Ronaldo Chadid
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2210/2016 Conselheiro Relator

PROCESSO TC/MS: TC/19536/2014 DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2469/2016


PROTOCOLO: 1465141
ÓRGÃO: SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO DE CORUMBA PROCESSO TC/MS: TC/00066/2014
INTERESSADO: MARCIO APARECIDO CAVASANA DA SILVA PROTOCOLO: 1480530
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
RELATOR: RONALDO CHADID RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO
Trata-se da execução financeira do Contrato Administrativo n.º 061/2013, RELATOR: RONALDO CHADID
celebrado entre o Município de Corumbá, através da Secretaria Municipal
de Governo, e a Empresa Comercial Isototal Ltda-ME; para aquisição de Em exame a convocação de JOSÉ CARLOS DOS SANTOS, inscrito no CPF sob
material de consumo permanente (fluxômetro de oxigênio, cadeira de roda, o nº 366.919.681-15, efetuada pelo Município de Dourados/MS por meio da
incubadoras e outros materiais). Resolução nº 3/2013, para exercer a função de professor, para fins de
registro.
O procedimento licitatório – Pregão Presencial n.º 178/2013 – e a
formalização do contrato a que deu origem foram declarados regulares por De posse do caderno processual, considerando a regularidade da
meio da Decisão Singular n.º DSG-G.RC-6611/2014, às folhas 300/302 documentação a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a
destes autos. Análise nº 565/2016 sugerindo o registro da convocação do servidor acima
identificado, destacando que a documentação foi encaminhada fora do
Após examinar os documentos que instruíram o feito na parte relativa à prazo previsto em normatização interna deste Tribunal.
execução financeira da contratação, a equipe técnica atestou sua
conformidade com as normas legais e regulamentares, especialmente, as de A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
direito financeiro aplicáveis (f. 325/327). emitiu o Parecer nº 2764/2016, opinando, também, pelo registro da
presente convocação, e pela aplicação de multa ao Responsável em razão
No mesmo sentido, o douto representante do Ministério Público de Contas, da remessa tardia dos documentos.
através do r. parecer acostado às folhas 328/329, opinou pelo julgamento
de regularidade e legalidade da execução financeira da contratação. É o relatório.

É o relatório. Passo às razões da decisão.

Considerando o valor global do contrato – R$ 40.125,00 ( quarenta mil e A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que
cento e vinte e cinco reais) – e o valor da UFERMS na data de assinatura de há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser
seu termo – R$ 18,24 em dezembro de 2013–; passo a decidir interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de
monocraticamente, amparado pela competência atribuída ao juízo singular, concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso
através do artigo 10, inciso II, §§ 3.º e 4.º, do Regimento Interno deste público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes
Tribunal de Contas. para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados
tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em
Antes de expor as razões que fundamentarão esta decisão, registro que este situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público.
julgamento restringir-se-á aos aspectos relativos à regularidade da
execução financeira do contrato, em virtude do tratamento favorável que já No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as
receberam o processo licitatório e a formalização do termo de contrato, hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento
através da Decisão Singular n.º 6611/2014, às folhas 300/302 dos autos. desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe:
Pág.14
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para É o relatório.


atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas
em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e Passo às razões da decisão.
segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e
face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos. A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que
há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser
Sendo assim, considerando a documentação que integram o feito, podemos interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de
concluir pela regularidade da contratação, pois preencheu os requisitos do concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso
artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal. público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes
para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados
Embora a convocação tenha sido realizada nos termos da legislação vigente, tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em
os documentos que compõem os autos foram remetidos eletronicamente a situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público.
esta Corte de Contas a destempo, pois o servidor assinou o contrato em
6/2/2013, porém os remeteu somente em 5/3/2014, sujeitando o Gestor à No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as
multa prevista no art. 46 da Lei Complementar nº 160/12. hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento
desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe:
Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para
atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas
I - Pelo REGISTRO da convocação de JOSÉ CARLOS DOS SANTOS, efetuada em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e
pelo Município de Dourados/MS por meio da Resolução nº 3/2013, para segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e
exercer a função de professor; face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos.

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob Sendo assim, considerando a documentação que compõem o feito,
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente 30 (trinta) UFERMS, em podemos concluir pela regularidade da convocação, pois preencheu os
razão da remessa dos documentos que instruem o feito fora do prazo requisitos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal.
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, inciso § 1º, I,
“a”, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº 76/13, na forma Embora a convocação tenha sido realizada nos termos da legislação vigente,
do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do os documentos que instruem os autos foram remetidos eletronicamente a
Estado de Mato Grosso do Sul; esta Corte de Contas a destempo, pois o servidor assinou o termo em
9/1/2013, porém foram remetidos somente em 5/3/2014, portanto, fora do
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, sujeitando o Gestor à multa
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar prevista no art. 46 da Lei Complementar nº 160/12.
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
Constituição Estadual. DECIDO:

É a decisão. I - Pelo REGISTRO da convocação de VALDENIR DE SOUZA, efetuada pelo


Município de Dourados/MS por meio da Resolução nº 3/2013, para exercer
Publique-se. a função de professora;

Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente 30 (trinta) UFERMS, pela
Campo Grande/MS, 30 de março de 2016. remessa dos documentos que instruem o feito, nos termos do art. 170,
inciso § 1º, I, “a”, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº
Ronaldo Chadid 76/13, na forma do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do
Conselheiro Relator Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;

DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2473/2016 III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
PROCESSO TC/MS: TC/00120/2014 nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
PROTOCOLO: 1480584 pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS Constituição Estadual.
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO É a decisão.
RELATOR: RONALDO CHADID
Publique-se.
Em exame a convocação de VALDENIR DE SOUZA, inscrito no CPF sob o nº
946.812.791-53, efetuada pelo Município de Dourados/MS por meio da Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
Resolução nº 3/2013, para exercer a função de professor, para fins de
registro. Campo Grande/MS, 30 de março de 2016.

De posse do caderno processual, considerando a regularidade da Ronaldo Chadid


documentação a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a Conselheiro Relator
Análise nº 574/2016 sugerindo o registro da convocação do servidor acima
identificada, destacando que a documentação foi encaminhada fora do DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2478/2016
prazo estabelecido em normatização interna deste Tribunal.
PROCESSO TC/MS: TC/00198/2014
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que PROTOCOLO: 1480662
emitiu o Parecer nº 2763/2016, opinando, também, pelo registro da ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
presente nomeação, e pela aplicação de multa ao Responsável em razão da RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
remessa tardia de documentos. TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO
Pág.15
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

RELATOR: RONALDO CHADID É a decisão.

Em exame a convocação de KELY APARECIDA LOZANO DE AZAMBUJA, Publique-se.


inscrita no CPF sob o nº 931.434.351-00, efetuada pelo Município de
Dourados/MS, para exercer a função de professora, para fins de registro. Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.

De posse do caderno processual, considerando a regularidade da Campo Grande/MS, 30 de março de 2016.


documentação a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a
Análise nº 13914/2015 sugerindo o registro da convocação da servidora Ronaldo Chadid
acima identificada, destacando que a documentação foi encaminhada fora Conselheiro Relator
do prazo previsto em normatização interna deste Tribunal.
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2485/2016
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
emitiu o Parecer nº 1719/2016, opinando, também, pelo registro da PROCESSO TC/MS: TC/00258/2014
presente nomeação, e pela imposição de multa ao Responsável em razão da PROTOCOLO: 1480722
remessa tardia de documentos. ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
É o relatório. TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO
RELATOR: RONALDO CHADID
Passo às razões da decisão.
Em exame a convocação de HILDA APARECIDA DE SOUZA, inscrita no CPF
A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que sob o nº 048.994.138-90, efetuada pelo Município de Dourados/MS por
há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser meio da Resolução nº 3/2013, para exercer a função de professora, para
interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de fins de registro.
concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso
público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes De posse do caderno processual, considerando a regularidade da
para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados documentação a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal emitiu a
tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em Análise nº 13924/2015 sugerindo o registro da convocação da servidora
situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público. acima identificada, destacando que os documentos foram encaminhados
fora do prazo estabelecido em normatização interna deste Tribunal.
No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as
hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe: emitiu o Parecer nº 1721/2016, opinando, também, pelo registro da
presente nomeação e pela imposição de multa ao Responsável em razão da
São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para remessa tardia de documentos.
atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas
em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e É o relatório.
segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e Passo às razões da decisão.
face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos.
A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que
Sendo assim, considerando a documentação que compõem o feito, concluo há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser
pela regularidade da contratação, pois preencheu os requisitos do artigo 37, interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de
inciso IX, da Constituição Federal. concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso
público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes
Embora a convocação tenha sido realizada nos termos da legislação vigente, para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados
os documentos que instruem os autos foram remetidos eletronicamente a tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em
esta Corte de Contas a destempo, pois a servidora assinou o termo em situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público.
4/2/2013, porém os remeteu somente em 5/3/2014, portanto, fora do
prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, sujeitando o Gestor à multa No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as
prevista no art. 46 da Lei Complementar nº 160/12. hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento
desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe:
Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para
atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas
I - Pelo REGISTRO da convocação de KELY APARECIDA LOZANO DE em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e
AZAMBUJA, efetuada pelo Município de Dourados/MS para exercer a segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e
função de professora; face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos.

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob Sendo assim, considerando os documentos que instruem o feito, concluo
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente 30 (trinta) UFERMS, em pela regularidade da contratação, pois preencheu os requisitos do artigo 37,
razão da remessa dos documentos que instruem o feito fora do prazo inciso IX, da Constituição Federal.
estabelecido na IN/TCE/Ms nº 35/11, nos termos do art. 170, inciso § 1º, I,
“a”, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº 76/13, na forma Embora a convocação tenha sido realizada nos termos da legislação vigente,
do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do os documentos foram remetidos eletronicamente a esta Corte de Contas a
Estado de Mato Grosso do Sul; destempo, pois a servidora assinou o termo em 9/1/2013, porém foram
remetidos somente em 5/3/2014, portanto, fora do prazo estabelecido na
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento IN/TCE/MS nº 35/11, sujeitando o Gestor à multa prevista no art. 46 da Lei
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Complementar nº 160/12.
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
Constituição Estadual. DECIDO:
Pág.16
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

I - Pelo REGISTRO da convocação de HILDA APARECIDA DE SOUZA, efetuada determinado da servidora Mariana Oliveira de Castro, para exercer a função
pelo Município de Dourados/MS por meio da Resolução nº 3/2013, para de médica junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período de 4 de
exercer a função de professora; fevereiro de 2013 a 31 de dezembro de 2013, conforme consta do Contrato
acostado às folhas 3/4, com amparo no art. 72, III, da Lei Autorizativa nº
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob 117/2007.
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente 30 (trinta) UFERMS, em
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
estabelecido na IN/TCE/Ms nº 35/11, nos termos do art. 170, inciso § 1º, I, Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
“a”, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº 76/13, na forma Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011, mais
do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do precisamente no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “b”, o rol
Estado de Mato Grosso do Sul; de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:

III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento 1. Ficha de informação;
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar 2. Justificativa da contratação;
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob 3. Contrato de trabalho;
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da 4. Lei autorizativa;
Constituição Estadual. 5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso
público para o cargo
É a decisão.
Quanto ao ato em exame, constato que a declaração para comprovar a
Publique-se. inexistência de candidato habilitado em concurso público para o cargo não
se refere a contratação em apreço, porém, sua ausência não compromete a
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de documento de
remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no art. 170, I, do
Campo Grande/MS, 30 de março de 2016. Regimento Interno.

Ronaldo Chadid Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução


Conselheiro Relator Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Despesas efetue sua remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2518/2016 (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato (subitem 1.5 “a”,), que no presente caso ocorreu em 4/2/2013,
PROCESSO TC/MS: TC/00270/2014 todavia, o Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa
PROTOCOLO: 1480734 remessa tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”,
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS do Regimento Interno.
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
RELATOR: RONALDO CHADID DECIDO:
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da MARIANA OLIVEIRA DE
Em exame a contratação temporária da servidora MARIANA OLIVEIRA DE CASTRO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função
CASTRO, inscrita no CPF sob o nº 001.467.661-30, efetuada pelo Município de médica, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº
de Dourados/MS, para exercer a função de médica, cooptada sob o 117/2007;
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a no valor correspondente a
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, 80 (oitenta) UFERMS, assim distribuídas:
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº 50 (cinquenta) UFERMS em razão da ausência de comprovação da
6944/2015). inexistência de candidato habilitado em concurso público, nos termos do
art. 170, inciso I, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que 76/13;
emitiu o Parecer nº 1388/2016 opinando, também, pelo registro da
contratação em apreço, e pela imposição de multa em razão da remessa 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem o feito fora
tardia de documentos. do prazo estabelecido no Anexo I, da IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do
art. 170, §1º, inc. I, alínea “a”, do Regimento Interno, aprovado pela
É o relatório. RN/TC/MS n.º 76/2013, na forma do Provimento nº 02/2014 da
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
Passo às razões da decisão.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. Constituição Estadual;

Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo É a decisão.
Pág.17
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Publique-se. público não se refere à contratação em apreço, porém sua ausência não
compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
art. 170, I, do Regimento Interno.
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Ronaldo Chadid Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Conselheiro Relator Despesas efetue sua remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2521/2016 contrato (subitem 1.5 “a”,), que no presente caso ocorreu em 1/4/2013,
todavia, o Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa
PROCESSO TC/MS: TC/00336/2014 remessa tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”,
PROTOCOLO: 1480801 do Regimento Interno.
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO DECIDO:
RELATOR: RONALDO CHADID
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor CARLOS EGYDIO
Em exame a contratação temporária do servidor CARLOS EGYDIO FERRI DO FERRI DO CARMO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer
CARMO, inscrito no CPF sob o nº 003.451.701-48, efetuada pelo Município a função de médico, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº
de Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob o 117/2007;
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS, assim
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, distribuídas:
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº 50 (cinquenta) UFERMS em razão da ausência de comprovação da
15307/2015). inexistência de candidato habilitado em concurso público, nos termos do
art. 170, inciso I, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que 76/13;
emitiu o Parecer nº 1727/2016 opinando, também, pelo registro da
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que integram o feito fora
razão da remessa tardia de documentos. do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º,
inc. I, alínea “a”, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TC/MS n.º
É o relatório. 76/2013, na forma do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do
Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
Passo às razões da decisão.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. Constituição Estadual;

Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo É a decisão.
determinado do servidor Carlos Egydio Ferri do Carmo, para exercer a Publique-se.
função de médico junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período
de 1 de abril de 2013 a 31 de março de 2014, conforme consta do Contrato Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
acostado às folhas 4/5, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos Ronaldo Chadid
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011, mais Conselheiro Relator
precisamente no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “b”, o rol
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas: DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2527/2016

1. Ficha de informação; PROCESSO TC/MS: TC/00408/2014


2. Justificativa da contratação; PROTOCOLO: 1480874
3. Contrato de trabalho; ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
4. Lei autorizativa; RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
público para o cargo RELATOR: RONALDO CHADID

Quanto ao ato em exame, constato que a declaração apresentada pelo Em exame a contratação temporária do servidor RAFAEL VIEIRA CANDIDO,
Gestor para comprovar a inexistência de candidato habilitado em concurso inscrito no CPF sob o nº 005.588.701-55, efetuada pelo Município de
Pág.18
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Dourados/MS, para exercer a função de médico plantonista, cooptado sob o de médico plantonista, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. nº 117/2007;

Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS assim
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo distribuídas:
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
15312/2015). 50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência de documentos de remessa
obrigatória (comprovação da inexistência de candidato habilitado em
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que concurso público para o cargo), elencado no Anexo I, Capítulo II, Seção I,
emitiu o Parecer nº 1628/2016 opinando, também, pelo registro da item 1, subitem 1.5, item “b.5”, da IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do
contratação em apreço e pela imposição de multa ao Responsável em razão art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº 76/2013;
da remessa tardia de documentos.
30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem os autos
É o relatório. fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art.
170, §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do
Passo às razões da decisão. Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do
Estado de Mato Grosso do Sul;
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é Constituição Estadual;
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo pela RN/TCE/MS nº 76/13.
determinado do servidor Rafael Vieira Candido, para exercer a função de
médico plantonista no Posto de Assistência Médica e nas Unidades Básicas É a decisão.
de Saúde, durante o período de 15 de abril de 2013 a 31 de março de 2014,
conforme consta do Contrato acostado às folhas 3/5, com amparo na Lei Publique-se.
Autorizativa nº 117/2007.
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011, mais
precisamente no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “b”, o rol Ronaldo Chadid
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas: Conselheiro Relator

1. Ficha de informação; DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2531/2016


2. Justificativa da contratação;
3. Contrato de trabalho; PROCESSO TC/MS: TC/00450/2014
4. Lei autorizativa; PROTOCOLO: 1480916
5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS
público para o cargo RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONVOCAÇÃO
Quanto ao ato em exame, constato que a declaração apresentada pelo RELATOR: RONALDO CHADID
Gestor para comprovar a inexistência de candidato habilitado em concurso
público para o cargo não se refere ao ato em apreço, porém, sua ausência Em exame a convocação de LINDINEIA PEGORARI DA SILVA, inscrita no CPF
não compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar sob o nº 016.604.229-30, efetuada pelo Município de Dourados/MS por
de documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista meio da Resolução nº 3/2013, para exercer a função de professora, para
no art. 170, I, do Regimento Interno. fins de registro.

Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução De posse do caderno processual, considerando a regularidade da
Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de documentação apresentada, a Inspetoria de Controle Externo de Atos de
Despesas efetue a remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15 Pessoal emitiu a Análise nº 13802/2015 sugerindo o registro da convocação
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de da servidora acima identificada, destacando que tais documentos foram
contrato (subitem 1.5 “a”,), que no presente caso ocorreu em 15/4/2013, encaminhados fora do prazo estabelecido em normatização interna deste
todavia, o Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa Tribunal.
remessa tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”,
do Regimento Interno. A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
emitiu o Parecer nº 1630/2016, opinando, também, pelo registro da
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e presente convocação, e pela imposição de multa ao Responsável em razão
DECIDO: da remessa tardia de documentos.

I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor RAFAEL VIEIRA É o relatório.


CANDIDO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função Passo às razões da decisão.
Pág.19
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

A convocação por tempo determinado tem razão de ser nos casos em que de Dourados/MS, para exercer a função de técnica de enfermagem,
há expressa necessidade da prestação dos serviços que não podem ser cooptada sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 17/2006, e
interrompidos e quando não há tempo suficiente para a realização de o 1º Termo Aditivo.
concurso público para prover os cargos públicos, ou, caso o concurso
público já tenha sido realizado, não foram aprovados candidatos suficientes Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
para o preenchimento das vagas, ou nem todos os candidatos aprovados Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
tomaram posse no cargo. Enfim, a convocação temporária acontece em destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
situações emergenciais e transitórias, de excepcional interesse público. estabelecido em normatização interna deste Tribunal, conforme Análise nº
5001/2015.
No caso em questão, a convocação mencionada encontra suporte dentre as
hipóteses que a Constituição Federal autoriza, conforme entendimento A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
desta Corte de Contas, registrado na Súmula n. 52, que assim dispõe: emitiu o Parecer nº 1358/2016 opinando, também, pelo registro da
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
São legítimas e indispensáveis as contratações temporárias para razão da remessa tardia de documentos.
atendimento a situações que, apesar de não bem definidas ou estabelecidas
em lei específica, coloquem em risco os setores de saúde, educação e É o relatório.
segurança, dada a relevância das respectivas funções para a comunidade, e
face à obrigação do Poder Público de assegurar ao cidadão aqueles direitos. Passo às razões da decisão.

Sendo assim, considerando a documentação acostada nos autos concluo Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
pela regularidade da contratação, pois preencheu os requisitos do artigo 37, que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
inciso IX, da Constituição Federal. princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
Embora a convocação tenha sido realizada nos termos da legislação vigente,
os documentos foram remetidos eletronicamente a esta Corte de Contas a Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
destempo, pois a servidora assinou o termo em 2/5/2013, porém foram permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
remetidos somente em 5/3/2014, portanto, fora do prazo estabelecido caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
Instrução Normativa nº 35/11, sujeitando o Gestor à multa prevista no art. não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
46 da Lei Complementar nº 160/12. Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
Diante do exposto, acolho o parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
I - Pelo REGISTRO da convocação de LINDINEIA PEGORARI DA SILVA, determinado da servidora Ivaneide Osorio dos Santos, para exercer a
efetuada pelo Município de Dourados/MS por meio da Responsável nº função de técnica de enfermagem durante o período de 22 de maio de 2013
3/2013, para exercer a função de professora; a 30 de junho de 2013, conforme consta do Contrato nº 281/2013, com
amparo na Lei Autorizativa nº 207/2012.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente 30 (trinta) UFERMS em razão O Município prorrogou o prazo da contratação em apreço, alterando a
da remessa dos documentos que integram os autos fora do prazo cláusula quinta do Contrato nº 281/2013, para que a vigência passasse a ser
estabelecido na Instrução Normativa nº 35/11, nos termos do art. 170, considerada de 22 de maio de 2013 a 31 de dezembro de 2013, conforme
inciso § 1º, I, “a”, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº consta do 1º Termo Aditivo acostado à folha 3.
76/13, na forma do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do
Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul; Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob estabelecendo em seu Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5,
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da subitem 1.5 “a”, que a remessa de tais documentos deve ocorrer em até 15
Constituição Estadual. (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato, que no presente caso ocorreu em 29/5/2013, todavia, o
É a decisão. Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa remessa
Publique-se. tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do
Regimento Interno.
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
Diante do exposto, deixo de acolher o Parecer do Ministério Público de
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016. Contas e DECIDO:

Ronaldo Chadid I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora IVANEIDE


Conselheiro Relator OSORIO DOS SANTOS, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para
exercer a função de técnica de enfermagem, com base no permissivo
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2537/2016 contido na Lei Autorizativa nº 207/2012, e do 1º Termo Aditivo;

PROCESSO TC/MS: TC/00462/2014 II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
PROTOCOLO: 1480928 o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS pela
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo estabelecido
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art. 170, §1º, inciso I, alínea “a”,
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da Corregedoria
RELATOR: RONALDO CHADID Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;

Em exame a contratação temporária da servidora IVANEIDE OSORIO DOS III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
SANTOS, inscrita no CPF sob o nº 997.580.321-00, efetuada pelo Município da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
Pág.20
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob não ficou caracterizada como necessidade temporária e excepcional
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da interesse público, haja vista trata-se de uma situação corriqueira que
Constituição Estadual; sempre será essencial para o bom funcionamento do órgão, enfatizando
também que não é temporária, pois ao término do referido contrato, o
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS Município terá que contratar novamente, uma vez que a referida função
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso enquadra-se como necessidade permanente. Todavia, diante da
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; justificativa apresentada às folhas 89/91 deixo de acompanhar o
entendimento do i. parquet e entendo que a contratação está revestida dos
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta pressupostos necessários.
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13. Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
É a decisão. Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011o rol
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
Publique-se. estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o
prazo para tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato, que na contratação em apreço ocorreu em 26/4/2013,
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016. entretanto, o Responsável encaminhou somente em 5/3/2014. Em razão
dessa remessa tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I,
Ronaldo Chadid “a”, do Regimento Interno.
Conselheiro Relator
Diante do exposto, deixo de acolher o Parecer do Ministério Público de
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2553/2016 Contas e DECIDO:

PROCESSO TC/MS: TC/00510/2014 I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora LUZINETE DE


PROTOCOLO: 1480976 PAULA GONDIM CARNEIRO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS exercer a função de cuidadora, com base no permissivo contido no art. 72, §
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH 1º, I, da Lei Autorizativa nº 117/2007;
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
RELATOR: RONALDO CHADID II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em
Em exame a contratação temporária da servidora LUZINETE DE PAULA razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo
GONDIM CARNEIRO, inscrita no CPF sob o nº 529.008.191-72, efetuada pelo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I,
Município de Dourados/MS, para exercer a função de cuidadora, cooptada alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;

Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo não registro da contratação da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
pelas razões expostas no item 6.2 da Análise nº 7119/2015, destacando, nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
ainda, que a documentação foi encaminhada fora do prazo estabelecido em pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
normatização interna deste Tribunal (Análise nº 7119/2015). Constituição Estadual;

A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
emitiu o Parecer nº 1113/2016 opinando, também, pelo não registro da que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
contratação em apreço. público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;

É o relatório. V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta


decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
Passo às razões da decisão. pela RN/TCE/MS nº 76/13.

Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para É a decisão.
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao Publique-se.
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.

Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que Ronaldo Chadid
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à Conselheiro Relator
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2564/2016

No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, PROCESSO TC/MS: TC/00516/2014
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo PROTOCOLO: 1480982
determinado da servidora Luzinete de Paula Gondim Carneiro, para exercer ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
a função de cuidadora durante o período de 2/5/2013 a 30/4/2014, RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
conforme consta do Contrato acostado às folhas 3/6, com amparo no art. TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
72, § 1º, I, da Lei Autorizativa nº 117/2007. RELATOR : RONALDO CHADID

A ICAP, igualmente o i. Representante do Ministério Público de Contas Em exame a contratação temporária da servidora MARILDA DIAS
sugeriam o não registro a contratação supracitada aduzindo que a mesma MEDRADO, inscrita no CPF sob o nº 013.590.191-03, efetuada pelo
Pág.21
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Município de Dourados/MS, para exercer a função de assistente social, V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
cooptada sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, É a decisão.
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº Publique-se.
7925/2015).
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
emitiu o Parecer nº 1582/2016 opinando, também, pelo registro da Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
razão da remessa tardia de documentos. Ronaldo Chadid
Conselheiro Relator
É o relatório.
Passo às razões da decisão. DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2566/2016

Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para PROCESSO TC/MS: TC/00522/2014
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao PROTOCOLO: 1480988
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é RELATOR: RONALDO CHADID
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que Em exame a contratação temporária da servidora LAIZ REGINA MORAES DA
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à SILVA, inscrita no CPF sob o nº 717.316.011-15, efetuada pelo Município de
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de Dourados/MS, para exercer a função de técnica administrativo, cooptada
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.

No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
determinado da servidora Marilda Dias Medrado, para exercer a função de destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
assistente social junto a Secretaria Municipal de Assistência Social durante o estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
período de 2/5/2013 a 30/4/2014, conforme consta do Contrato acostado 7200/2015).
às folhas 3/6, com amparo no art. 72, § 1º, I, da Lei Autorizativa nº
117/2007. A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
emitiu o Parecer nº 1430/2016 opinando, também, pelo registro da
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos razão da remessa tardia de documentos.
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas, É o relatório.
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o
prazo para remessa de tais documentos, devendo ocorrer em até 15 Passo às razões da decisão.
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato, que no presente caso ocorreu em 26/4/2013, todavia, o Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
Responsável encaminhou somente em 5/3/2014. Em razão dessa remessa que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
Regimento Interno. essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.

Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
DECIDO: permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora MARILDA DIAS caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
MEDRADO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
função de assistente social, com base no permissivo contido na Lei Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
Autorizativa nº 117/2007; concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
o nº 013.590.191-03, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo determinado da servidora Laiz Regina Moraes da Silva, para exercer a
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I, função de técnico administrativo junto a Secretaria Municipal de Assistência
alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da Social, durante o período de 2/5/2013 a 30/4/2014, conforme consta do
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul; Contrato acostado às folhas 3/6, com amparo no art. 72, § 1º, I, da Lei
Autorizativa nº 117/2007.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
Constituição Estadual; de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS prazo para remessa de tais documentos, devendo ocorrer em até 15
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; contrato, que no presente caso ocorreu em 26/4/2013, porém, o
Pág.22
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa remessa Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
Regimento Interno. princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora LAIZ REGINA caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
MORAES DA SILVA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
a função de técnica administrativa, com base no permissivo contido na Lei Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
Autorizativa nº 117/2007; concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo determinado da servidora Ana Carolina Jara, para exercer a função de
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I, técnica administrativa junto a Secretaria Municipal de Assistência Social
alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da durante o período de 2/5/2013 a 30/4/2014, conforme consta do Contrato
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul; acostado às folhas 3/6, com amparo no art. 72, § 1º, I, da Lei Autorizativa nº
117/2007.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
Constituição Estadual; de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS prazo para remessa de tais documentos, devendo ocorrer em até 15
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; contrato, que no presente caso ocorreu em 26/4/2013, porém, o
Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa remessa
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado Regimento Interno.
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
É a decisão. DECIDO:

Publique-se. I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora ANA CAROLINA


JARA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função de
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. técnica administrativa, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa
nº 117/2007;
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Ronaldo Chadid o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em
Conselheiro Relator razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I,
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2575/2016 alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
PROCESSO TC/MS: TC/00528/2014
PROTOCOLO: 1480994 III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO POR TEMPO DETERMINADO pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
RELATOR: RONALDO CHADID Constituição Estadual;

Em exame a contratação temporária da servidora ANA CAROLINA JARA, IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
inscrita no CPF sob o nº 021.515.671-41, efetuada pelo Município de que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
Dourados/MS, para exercer a função de técnico administrativo, cooptada público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, pela RN/TCE/MS nº 76/13.
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº É a decisão.
7231/2015).
Publique-se.
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
emitiu o Parecer nº 1169/2016 opinando, também, pelo registro da Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
contratação em apreço.
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
É o relatório.
Ronaldo Chadid
Passo às razões da decisão. Conselheiro Relator
Pág.23
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2581/2016 estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I,
alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
PROCESSO TC/MS: TC/00534/2014 Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
PROTOCOLO: 1481000
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
RELATOR: RONALDO CHADID pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
Constituição Estadual;
Em exame a contratação temporária da servidora GIZELI ARSAMENDIA
FERREIRA, inscrita no CPF sob o nº 812.675.681-00, efetuada pelo Município IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
de Dourados/MS, para exercer a função de agente de mobilização, que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
cooptada sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;

Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo pela RN/TCE/MS nº 76/13.
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
8106/2015). É a decisão.

A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que Publique-se.


emitiu o Parecer nº 1333/2016 opinando, também, pelo registro da
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
razão da remessa tardia de documentos.
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016.
É o relatório.
Ronaldo Chadid
Passo às razões da decisão. Conselheiro Relator

Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2586/2016
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções PROCESSO TC/MS: TC/00540/2014
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. PROTOCOLO: 1481006
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se TIPO DE PROCESSO: CONTRATO POR TEMPO DETERMINADO
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que RELATOR: RONALDO CHADID
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de Em exame a contratação temporária do servidor ADRIANO PEREIRA DA
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. ROCHA, inscrito no CPF sob o nº 962.764.441-20, efetuada pelo Município
de Dourados/MS, para exercer a função de técnico administrativo,
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, cooptado sob o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
determinado da servidora Gizeli Arsamendia Ferreira, para exercer a função Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
de agente de mobilização junto a Secretaria Municipal de Assistência Social Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
durante o período de 14/5/2013 a 30/4/2014, conforme consta do Contrato destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
acostado às folhas 3/6, com amparo no art. 72, § 1º, I, da Lei Autorizativa nº estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
117/2007. 7247/2015).

Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos emitiu o Parecer nº 1383/2016 opinando, também, pelo registro da
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas, razão da remessa tardia de documentos.
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o
prazo para remessa de tais documentos, devendo ocorrer em até 15 É o relatório.
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato, que no presente caso ocorreu em 26/4/2013, porém, o Passo às razões da decisão.
Responsável remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa remessa
tardia o Gestor se sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
Regimento Interno. que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
DECIDO:
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora GIZELI permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
ARSAMENDIA FERREIRA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
exercer a função de agente de mobilização, com base no permissivo contido não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
na Lei Autorizativa nº 117/2007; Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
Pág.24
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

determinado do servidor Adriano Pereira da Rocha, para exercer a função destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
de técnico administrativo junto a Secretaria Municipal de Assistente Social estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
durante o período de 2/5/2013 a 30/4/2014, conforme consta do Contrato 9345/2015).
acostado às folhas 3/5, com amparo no art. 72, § 1º, I, da Lei Autorizativa nº
117/2007. A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
emitiu o Parecer nº 1193/2016 opinando, também, pelo registro da
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos razão da remessa tardia de documentos.
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas, É o relatório.
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o Passo às razões da decisão.
prazo para remessa de tais documentos, devendo ocorrer em até 15
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
contrato, que no presente caso ocorreu em 2/5/2013 porém, o Responsável que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
remeteu somente em 5/3/2014. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno. essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.

Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
DECIDO: permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor ADRIANO PEREIRA não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
DA ROCHA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
função de técnico administrativo, com base no permissivo contido na Lei concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
Autorizativa nº 117/2007;
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em determinado do servidor Eduardo Antônio da Silveira, para exercer a função
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo de médico junto a Secretaria Municipal de Saúde durante o período de
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I, 2/5/2013 a 30/4/2014, conforme consta do Contrato acostado ás folhas
alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da 3/4, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” para
Constituição Estadual; remessa de tais documentos, devendo ocorrer em até 15 (quinze) dias
contados do encerramento do mês da assinatura do termo de contrato, que
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS no presente caso ocorreu em 2/5/2013, porém, o Responsável remeteu
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso somente em 24/8/2012. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se sujeita
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno.

V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado DECIDO:
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor EDUARDO
É a decisão. ANTÔNIO DA SILVEIRA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para
Publique-se. exercer a função de médico, com base no permissivo contido na Lei
Autorizativa nº 117/2007;
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016. o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo
Ronaldo Chadid estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I,
Conselheiro Relator alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2590/2016
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
PROCESSO TC/MS: TC/00582/2014 da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
PROTOCOLO: 1481049 nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH Constituição Estadual;
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
RELATOR: RONALDO CHADID IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
Em exame a contratação temporária do servidor EDUARDO ANTÔNIO DA público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
SILVEIRA, inscrito no CPF sob o nº 786.535.099-68, efetuada pelo Município
de Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob o V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, É a decisão.
Pág.25
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Publique-se. IV – pela COMUNICAÇÃO do resultado do julgamento aos interessados, nos


termos do art. 50 da Lei Complementar n. 160, de 02 de janeiro de 2012.
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
V - Após as providências previstas no art. 70, § 2º, do Regimento Interno,
Campo Grande/MS, 31 de março de 2016. sejam os autos remetidos à 3ª Inspetoria de Controle Externo, nos termos
do art. 120, II e III da RNTC/MS n. 76/2013 c/c o parágrafo único do art. 4º
Ronaldo Chadid da Orientação Técnica Interna n. 03, de 2010.
Conselheiro Relator

DECISÃO SINGULAR DSG - G.JD - 3267/2016 Campo Grande, 15 de abril de 2016.

PROCESSO TC/MS: TC/1203/2014 Conselheiro Jerson Domingos


PROTOCOLO: 1479031 Relator
ÓRGÃO: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE PUBLICA DE CAMPO GRANDE
JURISDICIONADO E/OU INTERESSADO (A) : IVANDRO CORREA FONSECA DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2604/2016
TIPO DE PROCESSO: ATA DE REGISTRO DE PREÇO 052/2013
PROCEDIMENTO LICITATÓRIO: PREGÃO PRESENCIAL 125/2013 PROCESSO TC/MS: TC/02269/2014
RELATOR (A): JERSON DOMINGOS PROTOCOLO: 1488844
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
Tratam os autos de procedimento licitatório na modalidade Pregão RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
Presencial, número 125/2013, que deu origem a Ata de Registro de Preços TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
nº 052/2013, celebrado entre a Secretaria Municipal de Saúde de Campo RELATOR: RONALDO CHADID
Grande e as empresas abaixo relacionadas, cujo objeto é “AQUISIÇÃO DE
MATERIAL DE CONSUMO COMPLEMENTOS ALIMENTARES DA “REMUS”. Em exame a contratação temporária da servidora CAMILA MARIA PADULLA
DE FREITAS, inscrita no CPF sob o nº 023.188.169-05, efetuada pelo
EMPRESA VALOR Município de Dourados/MS, para exercer a função de médica, cooptada sob
I.A. CAMPAGNA JUNIOR E CIA R$ 50.650,00 o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
COMERCIAL T&C LTDA EPP R$ 124.200,00
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
A 3ª ICE emitiu a análise ANA - 3ICE – 28895/2015 (peça 38), manifestando- Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
se pela regularidade do procedimento licitatório e da formalização da Ata destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
de Registro de Preços n. 052/2013, com ressalva para remessa intempestiva estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
de documentos a esta Corte. 8264/2015).

O Ministério Público de Contas em seu parecer (peça 39), concluiu pela A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
legalidade e regularidade do procedimento licitatório e da formalização da emitiu o Parecer nº 1661/2016 opinando, também, pelo registro da
Ata de Registro de Preços. contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
razão da remessa tardia de documentos.
É o relatório.
É o relatório.
Compulsando os autos verifico que o procedimento licitatório e a
formalização da Ata de Registro de Preços foram devidamente instruídos e Passo às razões da decisão.
seguem as normas estabelecidas na Lei nº 10.520/2002 e na Lei nº
8.666/1993, bem como estão de acordo com as determinações da Instrução Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
Normativa TC/MS n. 35/2011. que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
Verifico, no entanto, que a publicação se deu de forma intempestiva. A essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
assinatura ocorreu no dia 23/10/2013 e a publicação em 05/02/2014.
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
Ante o exposto, não havendo nos autos evidência de ilegalidades ou falhas permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
nos procedimentos examinados, acolho o Parecer do Ministério Público de caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
Contas, a análise da Inspetoria de Controle Externo e DECIDO: não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
I – Pela REGULARIDADE e LEGALIDADE do procedimento licitatório na concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
modalidade Pregão Presencial n. 125/2013, que deu origem a Ata de
Registro de Preços n. 052/2013 celebrada entre a Secretaria Municipal de No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
Saúde de Campo Grande e as empresas I.A. CAMPAGNA JUNIOR E CIA e inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
COMERCIAL T&C LTDA EPP, nos termos do art. 59, I, da Lei Complementar n. determinado da servidora Camila Maria Padulla de Freitas, para exercer a
160, de 02 de janeiro de 2012, observado o disposto no art. 120, caput, I, função de médica junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período
“a”, e II, do Regimento Interno, aprovado pela Resolução Normativa n. 76, de 1º de julho de 2013 a 30 de junho de 2014, conforme consta do Contrato
de 11 de dezembro de 2013; acostado à folha 3, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.

II - pela APLICAÇÃO DE MULTA no valor de 30 (trinta) UFERMS ao Sr. Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
Ivandro Corrêa Fonseca, Secretário Municipal de Saúde de Campo Grande à Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
época, pela publicação fora do prazo, com fulcro no artigos 44, I e 45, I da Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
Lei Complementar n. 160/2012 c/c o artigo 170, inciso I da Resolução de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
Normativa TC/MS n. 076/2013;
1. Ficha de informação;
III – pela concessão do prazo de 60 (sessenta) dias para o recolhimento do 2. Justificativa da contratação;
valor da multa ao FUNTC, conforme o disposto no art. 83 da LC n. 160/12 3. Contrato de trabalho;
c/c os incisos I e II do § 1º do art. 172 da RNTC/MS n. 076/13; 4. Lei autorizativa;
Pág.26
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
público para o cargo Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
Entretanto, verifico que a declaração apresentada nos autos para estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
comprovar a inexistência de candidato habilitado em concurso público para 26159/2015).
o cargo não se refere à contratação em apreço, porém, sua ausência não
compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no emitiu o Parecer nº 1677/2016 opinando, também, pelo registro da
art. 170, I, do Regimento Interno. contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
razão da remessa tardia de documentos.
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de É o relatório.
Despesas efetue tal remessa, que no caso apreciado nos autos deve ocorrer
em até 15 (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do Passo às razões da decisão.
termo de contrato (Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a”,),
que no presente caso ocorreu em 1/7/2013, todavia, o Responsável Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
remeteu somente em 2/4/2014. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
sujeita à multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno. princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora CAMILA MARIA caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
PADULLA DE FREITAS, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
exercer a função de médica, com base no permissivo contido na Lei Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
Autorizativa nº 117/2007; concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo determinado da servidora Isabela Maria Baldasso, para exercer a função de
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I, médica junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período de
alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da 2/9/2013 a 31/8/2014, conforme consta do Contrato acostado às folhas
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul; 3/4, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.

III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
Constituição Estadual;
1. Ficha de informação;
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS 2. Justificativa da contratação;
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso 3. Contrato de trabalho;
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; 4. Lei autorizativa;
5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta público para o cargo
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13. No presente caso, constato que a declaração apresentada pelo Gestor para
comprovar a inexistência de candidato habilitado em concurso público não
É a decisão. se refere à contratação aqui apreciada, todavia sua ausência não
compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
Publique-se. documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
art. 170, I, do Regimento Interno.
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Campo Grande/MS, 1º de abril de 2016. Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Despesas efetue tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
Ronaldo Chadid (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
Conselheiro Relator contrato (Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a”,), que no
presente caso ocorreu em 2/9/2013, todavia, o Responsável remeteu
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2619/2016 somente em 9/4/2014. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se sujeita à
multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno.
PROCESSO TC/MS: TC/03068/2014
PROTOCOLO: 1491159 Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS DECIDO:
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da ISABELA MARIA BALDASSO,
RELATOR: RONALDO CHADID efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função de
médica, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº 117/2007;
Em exame a contratação temporária da servidora ISABELA MARIA
BALDASSO, inscrita no CPF sob o nº 002.955.101-37, efetuada pelo II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Município de Dourados/MS, para exercer a função de médica, cooptada sob o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS, assim
o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. distribuídas:
Pág.27
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência do documento de remessa Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
obrigatória (comprovação da inexistência de candidato habilitado em permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
concurso público para o cargo), estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
termos do art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
76/2013; Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
30 (trinta) UFERMS em razão da remessa dos documentos que instruem os
autos fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
art. 170, §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do determinado da servidora Nadir Gomes da Silva Bezerra, para exercer a
Estado de Mato Grosso do Sul; função de merendeira (atender ao Programa Nacional de Jovens Urbano),
durante o período de 23 de setembro de 2013 a 10 abril de 2015, conforme
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento consta do Contrato acostado às folhas 3/4, com amparo na Lei Autorizativa
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar nº 117/2007.
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
Constituição Estadual; Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; 1. Ficha de informação;
2. Justificativa da contratação;
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta 3. Contrato de trabalho;
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado 4. Lei autorizativa;
pela RN/TCE/MS nº 76/13. 5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso público
para o cargo
É a decisão.
No caso em tela, a justificativa apresentada pelo Titular do Executivo
Publique-se. Municipal não se refere à contratação em apreço, todavia, sua ausência não
compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
art. 170, I, do Regimento Interno.
Campo Grande/MS, 1º de abril de 2016.
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Ronaldo Chadid Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Conselheiro Relator Despesas efetue tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2625/2016 contrato (Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a”,), que no
presente caso ocorreu em 11/9/2013, porém, o Responsável remeteu
PROCESSO TC/MS: TC/03190/2014 somente em 9/4/2014. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se sujeita à
PROTOCOLO: 1491358 multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno.
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO POR TEMPO DETERMINADO DECIDO:
RELATOR: RONALDO CHADID
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária de NADIR GOMES DA SILVA
Em exame a contratação temporária da servidora NADIR GOMES DA SILVA BEZERRA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função
BEZERRA, inscrita no CPF sob o nº 465.305.921-72, efetuada pelo Município de merendeira, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº
de Dourados/MS, para exercer a função de merendeira, cooptada sob o 117/2007;
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS, assim
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, distribuídas:
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº 50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência de documentos de remessa
26462/2015). obrigatória (justificativa da contratação), elencada na IN/TCE/MS nº
35/2011, nos termos do art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que RN/TCE/MS nº 76/2013;
emitiu o Parecer nº 1485/2016 opinando, também, pelo registro da
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem os autos
razão da remessa tardia de documentos. fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art.
170, §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do
É o relatório. Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do
Estado de Mato Grosso do Sul;
Passo às razões da decisão.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. Constituição Estadual;
Pág.28
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS 2. Justificativa da contratação;


que adote os procedimentos necessários para realização de concurso 3. Contrato de trabalho;
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; 4. Lei autorizativa;
5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta público para o cargo
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13. No caso em tela, a justificativa apresentada pelo Titular do Executivo
Municipal não se refere à contratação em apreço, todavia, sua ausência não
É a decisão. compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
Publique-se. documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
art. 170, I, do Regimento Interno.
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Campo Grande/MS, 1º de abril de 2016. Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Despesas efetue tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
Ronaldo Chadid (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
Conselheiro Relator contrato (Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a”,), que no
presente caso ocorreu em 1/10/2013, todavia, o Responsável remeteu
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2630/2016 somente em 9/4/2014. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se sujeita à
multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno.
PROCESSO TC/MS: TC/03209/2014
PROTOCOLO: 1491387 Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS DECIDO:
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor BRUNO HENRIQUE
RELATOR: RONALDO CHADID CARDOSO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função
de médico, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº
Em exame a contratação temporária do servidor BRUNO HENRIQUE 117/2007;
CARDOSO, inscrito no CPF sob o nº 004.985.251-55, efetuada pelo
Município de Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS, assim
distribuídas:
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, 50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência do documento de remessa
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo obrigatória (justificativa para contratação), elencado na IN/TCE/MS nº
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº 35/11, nos termos do art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela
26504/2015). RN/TCE/MS nº 76/2013;

A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem os autos
emitiu o Parecer nº 1338/2016 opinando, também, pelo registro da fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170,
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº
razão da remessa tardia de documentos. 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato
Grosso do Sul;
É o relatório.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
Passo às razões da decisão. da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao Constituição Estadual;
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de pela RN/TCE/MS nº 76/13.
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
É a decisão.
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, Publique-se.
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
determinado do servidor Bruno Henrique Cardoso, para exercer a função de Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
médico junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período de 1º de
outubro de 2013 e 30 de setembro de 2014, conforme consta do Contrato Campo Grande/MS, 1º de abril de 2016.
acostado às folhas 3/4, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.
Ronaldo Chadid
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição Conselheiro Relator
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2635/2016
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
PROCESSO TC/MS: TC/05415/2014
1. Ficha de informação; PROTOCOLO: 1509359
Pág.29
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor HENRIQUE


RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH LOURENÇO GIROTTO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO exercer a função de odontólogo, com base no permissivo contido na Lei
RELATOR: RONALDO CHADID Autorizativa nº 117/2007;

Em exame a contratação temporária do servidor HENRIQUE LOURENÇO II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
GIROTTO, inscrito no CPF sob o nº 023.442.091-07, efetuada pelo Município o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS assim
de Dourados/MS, para exercer a função de odontólogo, cooptado sob o distribuídos:
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência de documento de remessa
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle obrigatória (justificativa da contratação), elencado na IN/TCE/MS nº
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, 35/2011, nos termos do art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo RN/TCE/MS nº 76/2013;
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
11835/2015). 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem os autos
fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art.
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que 170, §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do
emitiu o Parecer nº 1374/2016 opinando, também, pelo registro da Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em Estado de Mato Grosso do Sul;
razão da remessa tardia de documentos.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
É o relatório. da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
Passo às razões da decisão. nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para Constituição Estadual;
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à pela RN/TCE/MS nº 76/13.
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. É a decisão.

No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, Publique-se.


inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
determinado do servidor Henrique Lourenço Girotto, para exercer a função Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
de odontólogo junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período de
12 de agosto de 2013 a 31 de junho de 2014, conforme consta do Contrato Campo Grande/MS, 1º de abril de 2016.
acostado às folhas 3/4, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.
Ronaldo Chadid
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição Conselheiro Relator
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2639/2016
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
PROCESSO TC/MS: TC/05427/2014
1. Ficha de informação; PROTOCOLO: 1509371
2. Justificativa da contratação; ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
3. Contrato de trabalho; RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
4. Lei autorizativa; TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso RELATOR: RONALDO CHADID
público para o cargo
Em exame a contratação temporária da servidora THAISA RODRIGUES,
No caso em tela, a justificativa apresentada pelo Titular do Executivo inscrita no CPF sob o nº 949.076.252-00, efetuada pelo Município de
Municipal não se refere à contratação em apreço, entretanto, sua ausência Dourados/MS, para exercer a função de médica, cooptada sob o
não compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
de documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista
no art. 170, I, do Regimento Interno. Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
Despesas efetue tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15 11866/2015).
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato (Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a”), que no A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
presente caso ocorreu em 12/8/2013, todavia, o Responsável remeteu emitiu o Parecer nº 1440/2016 opinando, também, pelo registro da
somente em 3/6/2014. Em razão dessa remessa tardia o Gestor se sujeita à contratação em apreço, e pela imposição de multa em razão da remessa
multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno. tardia de documentos.

Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e É o relatório.


DECIDO: Passo às razões da decisão.
Pág.30
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para PROTOCOLO: 1510348
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
RELATOR: RONALDO CHADID
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se Em exame a contratação temporária do servidor ALEX DE ALMEIDA, inscrito
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que no CPF sob o nº 012.335.601-66, efetuada pelo Município de Dourados/MS,
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à para exercer a função de professor, cooptado sob o fundamento legal
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de contido na Lei Autorizativa nº 421/2006.
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
determinado da servidora Thaisa Rodrigues, para exercer a função de estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
médica, durante o período de 14/8/2013 a 31/7/2014, com amparo na Lei 22600/2015).
Autorizativa nº 117/2007.
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição emitiu o Parecer nº 1600/2016 opinando, também, pelo registro da
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos contratação em apreço e pela imposição de multa em razão da remessa
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol tardia de documentos.
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o É o relatório.
prazo para remessa de tais documentos, que no presente caso deve ocorrer
em até 15 (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do Passo às razões da decisão.
termo de contrato (Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a”).
Considerando que o contrato foi celebrado em 14/8/2013, e que o Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
Responsável o encaminhou somente em 3/6/2014, aplico a multa prevista que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno, a qual quantifico abaixo. princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária da servidora THAISA caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
RODRIGUES, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
função de médica, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
117/2007; concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo determinado do servidor Alex de Almeida para exercer a função de
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art. 170, §1º, inciso professor e atuar na implantação do Programa Segundo Tempo, com
I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da recursos financeiros provenientes do Convênio nº 738550/2010, durante o
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul; período de 25 de novembro de 2013 a 14 de setembro de 2014, com
amparo no art. 72, I, da Lei Autorizativa nº 117/2007.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol
Constituição Estadual; de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS prazo para tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; contrato. Considerando que a formalização do contrato ocorreu em
25/11/2013 e que o Gestor o encaminhou somente em 5/6/2014, aplico a
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno, a qual
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado quantifico a seguir.
pela RN/TCE/MS nº 76/13.
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
É a decisão. DECIDO:
Publique-se.
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor ALEX DE ALMEIDA,
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função de
professor, com base no permissivo contido no art. 72, I, da Lei Autorizativa
Campo Grande/MS, 1º de abril de 2016. nº 117/2007;

Ronaldo Chadid II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Conselheiro Relator o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2726/2016 estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art. 170, §1º, inciso
I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
PROCESSO TC/MS: TC/05717/2014 Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
Pág.31
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento art. 72, I, da Lei Autorizativa nº 117/2007.
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
Constituição Estadual; Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011, mais
precisamente no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “b”, o rol
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; 1. Ficha de informação;
2. Justificativa da contratação;
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta 3. Contrato de trabalho;
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado 4. Lei autorizativa;
pela RN/TCE/MS nº 76/13. 5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso
público para o cargo
É a decisão.
Quanto ao ato em exame, constato que a justificativa apresentada pelo
Publique-se. Gestor não se refere à contratação em apreço, todavia, sua ausência não
compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
art. 170, I, do Regimento Interno.
Campo Grande/MS, 5 de abril de 2016.
Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Ronaldo Chadid Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Conselheiro Relator Despesas efetue a remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2730/2016 contrato (subitem 1.5 “a”). Considerando que o contrato foi formalizado em
25/11/2013 e que o Gestor o encaminhou somente em 5/6/2014 aplico a
PROCESSO TC/MS: TC/05735/2014 multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno, que quantifico
PROTOCOLO: 1510369 a seguir.
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO DECIDO:
RELATOR: RONALDO CHADID
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor ROBSON RUIS
Em exame a contratação temporária do servidor ROBSON RUIS CARDOSO, CARDOSO, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função
inscrito no CPF sob o nº 856.736.921-53, efetuada pelo Município de de professor, com base no permissivo contido no art. 72, I, da Lei
Dourados/MS, para exercer a função de professor, cooptado sob o Autorizativa nº 117/2007.
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS assim
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, distribuídas:
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº 50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência de documentos de remessa
22720/2015). obrigatória (justificativa da contratação), elencado no Anexo I, Capítulo II,
Seção I, item 1, subitem 1.5, item “b.2”, da IN/TCE/MS nº 35/2011, nos
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que termos do art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela RN/TCE/MS nº
emitiu o Parecer nº 1606/2016 opinando, também, pelo registro da 76/2013;
contratação em apreço e pela imposição de multa ao Responsável em razão
da remessa tardia de documentos. 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem os autos
fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos do art.
É o relatório. 170, §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do
Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do
Passo às razões da decisão. Estado de Mato Grosso do Sul;

Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
Constituição Estadual;
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, pela RN/TCE/MS nº 76/13.
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
determinado do servidor Robson Ruis Cardoso, para exercer a função de É a decisão.
professor junto a Secretaria Municipal de Educação, em atendimento ao
Convênio com Ministério do Esporte de nº 738550/2010, com amparo no Publique-se.
Pág.32
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. exercer a função de médico, com base no permissivo contido na Lei
Autorizativa nº 117/2007;
Campo Grande/MS, 5 de abril de 2016.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Ronaldo Chadid o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em
Conselheiro Relator razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I,
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2734/2016 alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
PROCESSO TC/MS: TC/06155/2014
PROTOCOLO: 1512188 III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
RELATOR: RONALDO CHADID Constituição Estadual;

Em exame a contratação temporária do servidor JONY ALISSON BISPO DE IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
SANT’ANA, inscrito no CPF sob o nº 497.418.881-04, efetuada pelo que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
Município de Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;
o fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, pela RN/TCE/MS nº 76/13.
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº É a decisão.
23750/2015). Publique-se.

A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12.
emitiu o Parecer nº 1737/2016 opinando, também, pelo registro da
contratação em apreço e pela imposição de multa ao Responsável em razão Campo Grande/MS, 5 de abril de 2016.
da remessa tardia de documentos.
Ronaldo Chadid
É o relatório. Conselheiro Relator

Passo às razões da decisão. DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2735/2016

Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para PROCESSO TC/MS: TC/06199/2014
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao PROTOCOLO: 1512239
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é RELATOR: RONALDO CHADID
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que Em exame a contratação temporária do servidor JOSÉ ALBERTO SALVADOR
não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à LEMOS, inscrito no CPF sob o nº 036.476.939-44, efetuada pelo Município
Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de de Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob o
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.

No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
determinado do servidor Jony Alisson Bispo de Sant’Ana, para exercer a destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
função de médico junto ao SAMU, durante o período de 1º de janeiro de estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
2014 a 31 de dezembro de 2014, com amparo na Lei Autorizativa nº 23148/2015).
117/2007.
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição emitiu o Parecer nº 1739/2016 opinando, também, pelo registro da
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos contratação em apreço e pela imposição de multa ao Responsável em razão
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol da remessa tardia de documentos.
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” o É o relatório.
prazo para remessa de tais documentos, que no presente caso deve ocorrer Passo às razões da decisão.
em até 15 (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do
termo de contrato. Considerando que o contrato foi celebrado em 1/1/2014 Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
e o Gestor o encaminhou somente em 10/6/2014, aplico a multa prevista que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno, que quantifico a seguir. princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
DECIDO: Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor JONY ALISSON caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
BISPO DE SANT’ANA, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
Pág.33
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob o
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado. fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007.

No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37, Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle
inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação,
determinado do servidor José Alberto Salvador Lemos, para exercer a destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
função de médico junto ao PAM, durante o período de 1º de janeiro de estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº
2014 a 31 de dezembro de 2014, com amparo na Lei Autorizativa nº 1450/2016).
117/2007.
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição emitiu o Parecer nº 2978/2016 opinando, também, pelo registro da
Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011 o rol razão da remessa tardia de documentos.
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas,
estabelecendo no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “a” prazo É o relatório.
para tal remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15 (quinze)
dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de contrato. Passo às razões da decisão.
Considerando que o contrato foi formalizado em 1/1/2014 e que o Gestor o
encaminhou somente em 10/6/2014, aplico a multa prevista no art. 170, Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para
§1º, I, “a”, do Regimento Interno, a qual quantifico abaixo. que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções
Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas.
DECIDO:
Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor JOSÉ ALBERTO permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
SALVADOR LEMOS, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
a função de médico, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
117/2007; Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I, determinado do servidor Marcos César de Lima Alves, para exercer a função
alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da de médico junto a Secretaria Municipal de Saúde, durante o período de 7 de
Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul; janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2014, com amparo na Lei Autorizativa
nº 117/2007.
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011, mais
Constituição Estadual; precisamente no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “b”, o rol
de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso 1. Ficha de informação;
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; 2. Justificativa da contratação;
3. Contrato de trabalho;
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta 4. Lei autorizativa;
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado 5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso
pela RN/TCE/MS nº 76/13. público para o cargo

É a decisão. Quanto ao ato em exame, constato que a justificativa apresentada pelo


Gestor não se refere à contratação em apreço, todavia, sua ausência não
Publique-se. compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. art. 170, I, do Regimento Interno.

Campo Grande/MS, 5 de abril de 2016. Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Ronaldo Chadid Despesas efetue sua remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
Conselheiro Relator (quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
contrato (subitem 1.5 “a”). Considerando que o contrato foi formalizado em
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2737/2016 7/1/2014 e que o Gestor o encaminhou somente em 10/6/2014, aplico a
multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno, a qual
PROCESSO TC/MS: TC/06317/2014 quantifico abaixo.
PROTOCOLO: 1512561
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH DECIDO:
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO
RELATOR: RONALDO CHADID I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor MARCOS CÉSAR
DE LIMA ALVES, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a
Em exame a contratação temporária do servidor MARCOS CÉSAR DE LIMA função de médico, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº
ALVES, inscrito no CPF sob o nº 676.203.705-44, efetuada pelo Município de 117/2007;
Pág.34
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob Nessas situações, não importa se a atividade a ser desempenhada é
o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 80 (oitenta) UFERMS assim permanente ou temporária, basta que a demanda a ser suprida se
distribuídas: caracterize pela transitoriedade, pelo excepcional interesse público e que
1. 50 (cinquenta) UFERMS, pela ausência de documento de não possa ser suprida pelos recursos humanos já pertencentes à
remessa obrigatória (justificativa da contratação), elencado no Anexo I, Administração Pública, todavia, justifica-se tão somente até a realização de
Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5, item “b.2”, da IN/TCE/MS nº concurso público, que tão logo deverá ser organizado e realizado.
35/2011, nos termos do art. 170, I, do Regimento Interno, aprovado pela
RN/TCE/MS nº 76/2013; No caso em tela, o Município se valeu do permissivo disposto no art. 37,
2. 30 (trinta) UFERMS pela remessa dos documentos que instruem inciso IX, da Constituição Federal, e efetuou contratação por tempo
os autos fora do prazo estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/2011, nos termos determinado do servidor Gustavo Alves Rapassi, para exercer a função de
do art. 170, §1º, inciso I, alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do médico junto ao PAM, durante o período de 7 de janeiro de 2014 a 31 de
Provimento nº 02/2014 da Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do dezembro de 2014, com amparo na Lei Autorizativa nº 117/2007.
Estado de Mato Grosso do Sul;
Para dar cumprimento ao estabelecido no art. 77, III, da Constituição
III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento Estadual, e apreciar a regularidade das contratações efetuadas pelos
da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar Municípios, este Tribunal elencou na Instrução Normativa nº 35/2011, mais
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob precisamente no Anexo I, Capítulo II, Seção I, item 1, subitem 1.5 “b”, o rol
pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da de documentos que o Gestor deve encaminhar a esta Corte de Contas:
Constituição Estadual;
1. Ficha de informação;
IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS 2. Justificativa da contratação;
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso 3. Contrato de trabalho;
público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal; 4. Lei autorizativa;
5. Declaração da inexistência de candidato habilitado em concurso
V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta público para o cargo
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
pela RN/TCE/MS nº 76/13. Quanto ao ato em exame, constato que a justificativa apresentada pelo
Gestor não se refere à contratação em apreço, todavia, sua ausência não
É a decisão. compromete a regularidade da contratação, no entanto, por se tratar de
documento de remessa obrigatória incide na aplicação da multa prevista no
Publique-se. art. 170, I, do Regimento Interno.

Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. Além de listar os documentos de remessa obrigatória, a Instrução
Normativa nº 35/2011 estabeleceu um prazo para que o Ordenador de
Campo Grande/MS, 5 de abril de 2016. Despesas efetue sua remessa, que no presente caso deve ocorrer em até 15
(quinze) dias contados do encerramento do mês da assinatura do termo de
Ronaldo Chadid contrato (subitem 1.5 “a”). Considerando que o contrato foi formalizado em
Conselheiro Relator 7/1/2014 e que o Gestor o encaminhou somente em 10/6/2014, aplico a
multa prevista no art. 170, §1º, I, “a”, do Regimento Interno, a qual
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2739/2016 quantifico abaixo.

PROCESSO TC/MS: TC/06327/2014 Diante do exposto, acolho o Parecer do Ministério Público de Contas e
PROTOCOLO: 1512591 DECIDO:
ÓRGÃO: MUNICÍPIO DE DOURADOS/MS
RESPONSÁVEL: MURILO ZAUITH I - Pelo REGISTRO da contratação temporária do servidor GUSTAVO ALVES
TIPO DE PROCESSO: CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO RAPASSI, efetuada pelo Município de Dourados/MS, para exercer a função
RELATOR: RONALDO CHADID de médico, com base no permissivo contido na Lei Autorizativa nº
117/2007;
Em exame a contratação temporária do servidor GUSTAVO ALVES RAPASSI,
inscrito no CPF sob o nº 362.368.478-35, efetuada pelo Município de II - Pela APLICAÇÃO DE MULTA ao Gestor, Murilo Zauith, inscrito no CPF sob
Dourados/MS, para exercer a função de médico, cooptado sob o o nº 747.067.218-49, no valor correspondente a 30 (trinta) UFERMS em
fundamento legal contido na Lei Autorizativa nº 117/2007. razão da remessa dos documentos que instruem os autos fora do prazo
estabelecido na IN/TCE/MS nº 35/11, nos termos do art. 170, §1º, inciso I,
Após análise das peças que instruem o processo a Inspetoria de Controle alínea “a”, do Regimento Interno, na forma do Provimento nº 02/2014 da
Externo de Atos de Pessoal se manifestou pelo registro da contratação, Corregedoria Geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul;
destacando que a documentação foi encaminhada fora do prazo
estabelecido em normatização interna deste Tribunal (Análise nº III - Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o recolhimento
27416/2015). da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei Complementar
nº160/2012, comprovando o pagamento nos autos no mesmo prazo, sob
A seguir, os autos foram encaminhados ao Ministério Público de Contas que pena de cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º, da
emitiu o Parecer nº 1746/2016 opinando, também, pelo registro da Constituição Estadual;
contratação em apreço, e pela imposição de multa ao Responsável em
razão da remessa tardia de documentos. IV - Pela RECOMENDAÇÃO ao atual Prefeito do Município de Dourados/MS
que adote os procedimentos necessários para realização de concurso
É o relatório. público destinado a compor seu quadro permanente de pessoal;

Passo às razões da decisão. V - Pela DETERMINAÇÃO ao Cartório que acompanhe o cumprimento desta
decisão, nos termos do art. 174, § 4º, “a”, do Regimento Interno, aprovado
Havendo necessidade temporária de pessoal, essa deve ser satisfeita para pela RN/TCE/MS nº 76/13.
que não seja paralisada uma atividade governamental, em respeito ao
princípio da continuidade do serviço público, segundo o qual as funções É a decisão.
essenciais ou necessárias à coletividade são ininterruptas. Publique-se.
Pág.35
| Nº 1319
QUARTA-FEIRA, 04 DE MAIO DE 2016

Intime-se nos termos do art. 50, inciso II, da Lei Complementar nº 160/12. Interno do TC/MS, na forma do Provimento nº 2/2014 da Corregedoria
Geral do TCE/MS, em face da remessa intempestiva dos documentos;
Campo Grande/MS, 5 de abril de 2016.
VI. Pela CONCESSÃO DO PRAZO de 60 (sessenta) dias para o
Ronaldo Chadid recolhimento da multa ao FUNTC, nos termos do art. 83 da Lei
Conselheiro Relator Complementar 160/2012, comprovando o pagamento, sob pena de
cobrança executiva judicial, nos termos do art. 77, § 4º da Constituição
DECISÃO SINGULAR DSG - G.RC - 2867/2016 Estadual.

PROCESSO TC/MS: TC/11150/2013 É a decisão.


PROTOCOLO: 1427035
ÓRGÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRANDA Após, remeta-se à 5ª ICE para análise da execução financeira do contrato.
JURISDICIONADO: LXTEC INFORMATICA LTDA - ME
TIPO DE PROCESSO: CONTRATO ADMINISTRATIVO nº 59/2013 Campo Grande 7 de abril de 2016.
RELATOR (A): CONS. RONALDO CHADID
VALOR: R$ 58.200,00 Ronaldo Chadid
Conselheiro Relator
Em exame o 1º e 2º Termos Aditivos ao Contrato Administrativo nº 59/2013
celebrado entre o Município de Miranda /MS e a microempresa Lxtec EM 04/05/2016
Informática Ltda., visando à locação de impressoras e multifuncionais com DELMIR ERNO SCHWEICH
fornecimento de materiais para todos os equipamentos locados (exceto CHEFE II
papel), no valor inicial da contratação de R$ 58.200,00 (cinquenta e oito mil TCE/MS
e duzentos reais).

O procedimento licitatório – Convite nº 33/2013 e a formalização contratual


– foi considerado regular e legal, conforme DECISÃO SINGULAR DSG-G.RC-
752/2014, nos autos TC/MS nº 11150/2013, f. 144/147.

Na análise técnica a 5ª ICE constatou que os documentos que instruem os


Termos Aditivos ao Contrato Administrativo nº 59/2013, atendem
integralmente as disposições estabelecidas na Lei 8.666/93; bem como
foram remetidos ao Tribunal de Contas de acordo com as exigências da
Instrução Normativa 35/2011; exceto pela remessa dos termos aditivos
mais de 30 (trinta) dias além do prazo previsto no Anexo III, Secção I, item
1.2.2, letra a (ANA-5ICE- 28290/2015 - f. 526/528).

O Ministério Público, por sua vez, opinou pela regularidade e legalidade dos
1º e 2º Termos Aditivos e pela aplicação de multa em razão da remessa
intempestiva, conforme parecer acostado à f. 529 (PAR-MPC-GAB.6
DR.JAC- 809/2016).

É o relatório.

Das razões de decidir.

O mérito da questão baseia-se na apreciação do 1º e 2º Termos Aditivos ao


Contrato Administrativo nº 59/2013 celebrado entre o Município de
Miranda /MS e a microempresa Lxtec Informática Ltda.

Verifica-se que o 1º e 2º Termos Aditivos versam sobre a prorrogação no


prazo de vigência, com fundamento no art. 57 § 1º da Lei 8666/93.

Assim, certifico por meio da documentação acostada aos autos que o 1º e


2º Termos Aditivos ao Contrato Administrativo nº 59/2013, foram
realizados de acordo com a Lei 8.666/93, porém foram remetidos fora do
prazo regimental.

Dessa forma, tendo como suficientes as razões expostas pela 5ª ICE, acolho
em parte o Parecer do Ministério Público de Contas, nos termos do art. 120,
II, da RNTC/MS nº 76/2013, DECIDO:

IV. Pela REGULARIDADE do 1º e 2º Termos Aditivos ao Contrato


Administrativo nº 59/2013, celebrado entre o Município de Miranda
/MS e a microempresa Lxtec Informática Ltda., de acordo com o
previsto na Lei 8.666/93, com ressalva pela remessa dos documentos
mais de 30(trinta) dias além do prazo previsto no Anexo III, Secção I,
item 1.2.2, letra a, da Instrução Normativa 35/2011

V. Pela APLICAÇÃO DE MULTA a Prefeita Municipal de Miranda/MS,


Juliana Pereira Almeida de Almeida, inscrito no CPF nº 613.781.941-
87, no valor de correspondente a 30 (trinta) UFERMS, prevista no art.
46 da LC 160/12 c/c art. 170, §1º, inciso I, alínea a do Regimento