Anda di halaman 1dari 4

A ANATOMIA E PATOLOGIA DE DUAS GLANDAS IMPORTANTES DA URETHRA FÊMEA.

POR
ALEK. JC SKENE, MD, professor de ginecologia no Long Island College Hospital, Brooklyn, Nova
York. (COM PLACA LITOGRAFIA.) Reimpresso do American Journal of Obstetrics and Diseases of
Women and Children, vol. XIII., No. 11., abril de 1880. NEWYORK: WILLIAM WOOD & CO ,, 27
GREAT JONES STREET. 1880. A ANATOMIA E PATOLOGIA DE DUAS GLANDAS IMPORTANTES DA
URETHRA FÊMEA. POR ALEX. JC SKENE, MD, professor de ginecologia no Long Island College
Hospital, Brooklyn, Nova York. COM PLACA LITOGRAFIA. Reimpresso do American Journal of
Obstetrics and Diseases in Women and Children, FoZ, XIII., No. 11., abril de 1880. WILLIAM
WOOD & CO., 27 GREAT JONES STREET. NEWYORK: 1880. A ANATOMIA E PATOLOGIA DE DUAS
GLANDAS IMPORTANTES DA URETHRA FÊMEA. POR ALEX. JC SKENE, MD, professor de
ginecologia no Long Island College Hospital, Brooklyn, Nova York. (Com placa litográfica). Em
cada lado, perto do chão da uretra feminina, existem dois túbulos suficientemente grandes
para admitir uma sonda No. 1, da escala francesa. Eles se estendem do meato urinário para
cima, de três oitavos para três quartos de polegada. A figura 1 é um desenho de uma seção da
uretra, posta aberta pela divisão de sua parede posterior ou vaginal. Os túbulos, haviam sido
distendidos por sondas que passaram para dentro deles, são claramente vistos. A Figura 2
mostra o mesmo do lado oposto, sendo a uretra aberta por seção de sua parede anterior. O
espaço entre os túbulos é o piso da uretra. A partir destes, observa-se que os túbulos correm
paralelamente ao eixo longo da uretra. Eles estão localizados abaixo da mucosa, nas paredes
musculares da uretra. Isso é representado pela Figura 3, que é um desenho tirado de uma
seção transversal da uretra, cerca de um quarto de polegada do meato. As bocas destes
túbulos são encontradas na superfície livre da mucosa da uretra, nos lábios do meato
urinário. A localização das aberturas está sujeita a pequenas variações, de acordo com a
condição e forma do meato. Em alguns assuntos, especialmente os jovens e os muito idosos, e
aqueles em quem o meato é pequeno e não se projetou acima do plano do vestíbulo, os
orifícios são encontrados cerca de um oitavo de polegada dentro da borda externa do
meato. Quando a mucosa da uretra é engrossada e relaxada, de modo a tornar-se ligeiramente
prolapsada, ou 4 Skene: Anatomia e Patologia de quando o meato está expirado, condições
não incomuns entre aqueles que tiveram filhos, as aberturas são expostas a Vista de cada lado
da entrada da uretra. O que aqui é descrito é bastante imperfeitamente representado na
Figura 4. Os lábios do meato foram ligeiramente invadidos para trazer os orifícios para a
vista. As extremidades superiores dos túbulos terminam em várias divisões, que se ramificam
para as paredes musculares da uretra. Ao injetar o túbulo com mercúrio, e depois colocá-lo
aberto, as aberturas dos ramos podem ser facilmente vistas. Figura sis tirada de uma amostra
assim preparada, e mostra as pequenas aberturas dos ramos no término do túbulo. Esta
descrição da anatomia destas glândulas é retirada de dissecções e exames microscópicos feitos
por meu colega, Dr. BF Westbrook, que gentilmente adquiriram uma série de espécimes da
uretra feminina e fizeram as apresentações representadas nos desenhos, Que foram feitas
pelo Sr. Leuf. Eu os chamei de glândulas, porque elas diferem em tamanho e estrutura dos
folículos simples encontrados em abundância na mucosa. Quando descobri essas glândulas
pela primeira vez, presumi que fossem folículos mucosos que eram acidentalmente de
tamanho incomum no sujeito examinado, mas que investigaram mais de cem desses, em
tantas matérias diferentes, encontrando-os constantemente presentes e tão uniformes Em
tamanho e localização, fiquei convencido de que eles eram dignos de um lugar separado na
anatomia descritiva. As dissecções feitas pelo Dr. West-Brook e as lesões patológicas às quais
essas estruturas estão sujeitas confirmam essa crença. Até onde eu sei, a anatomia dessas
glândulas não foi descrita, nem as doenças a que estão sujeitas foram encaminhadas por
patologistas. Pelo menos, isso pode ser dito, que os livros-texto padrão em anatomia e
ginecologia em inglês, alemão e francês não possuem referência a eles. É fácil entender por
que essas glândulas insignificantes devem ter sido ignoradas por anatomistas ou, se notadas,
classificadas com outros folículos mucosos. É somente quando sua patologia é entendida que
sua real importância se torna aparente. AMER. JOLIRN. DE OBSTETRIA E DOENÇAS DE
MULHERES E CRIANÇAS ABRIL DE 1860. Fig. I Fig. 2, VEIN. ARTERY URETHRA TUBULE. TUBULE -
Fig. 3. Fig. 4, Rg. 5. Duas glândulas importantes da uretra feminina. 5 Eu não sei nada sobre a
fisiologia dessas glândulas. Eles servem algum propósito na economia, sem dúvida, mas qual a
função deles é uma questão a ser respondida no futuro. Isso, sem dúvida, será atendido em
uma data precoce, se o assunto for considerado digno de investigação. A patologia dessas
glândulas que foi investigada até agora é de grande interesse prático, e permanece, sem
dúvida, muito a ser estudado. A observação clínica já mostrou que estão sujeitas a inflamação
de vários graus de intensidade. Nas formas mais suaves de inflamação, as bocas dos dutos são
ampliadas e são cercadas por uma areola muito estreita de cor vermelho brilhante e, por
pressão sobre a uretra de frente para a frente, descarregam um fluido seroso branco. Esta
condição dá ao paciente problemas muito pequenos, e passará despercebida despercebida
pelo ginecologista, a menos que seja especialmente procurado. A condição patológica mais
importante observada neste local, até o presente momento, é uma inflamação purulenta e
contínua, que se estende desde a mucosa dos ductos até os tecidos circundantes. As bocas dos
dutos inflamados são geralmente vistas externamente, sendo levadas em consideração por um
ligeiro prolapso e eversão da membrana mucosa causada pelo inchaço das partes. Os orifícios
dos dutos aparecem como úlceras muito pequenas de uma cor cinza amarelada. A membrana
mucosa do meato urinário, especialmente no bairro dos dutos, é engrossada pela proliferação
e é de cor vermelha profunda. A aparência geral das peças é bastante semelhante à do
carúnculo ou papiloma do meato. O terço inferior da uretra é ligeiramente engrossado, em
alguns casos, do inchaço das partes inflamadas. Há sensibilidade excessiva ao toque, e ao
andar ou sentar o paciente sutlers grande desconforto, mas não há grande dor durante a
micção, como uma regra. De fato, a ausência de urina dolorosa é o principal ponto na
sintomatologia que distingue essa doença da uretrite e do carúnculo. A inflamação dessas
glândulas até agora foi confundida com carúnculos, pelo menos foi meu infortúnio no passado
confundir as duas afecções, e não consigo ver como os outros poderiam ter feito um
diagnóstico diferencial se guiado pela literatura atual - 6 Skene ; Anatomia e patologia do
assunto sobre o assunto. À luz da experiência recente, a distinção é facilmente feita. Na
inflamação das glândulas, seus orifícios geralmente podem ser claramente vistos, e por
pressão sobre a uretra, a secreção purulenta é vista escapando. Existe vermelhidão e
espessamento ou aumento dos tecidos que circundam a boca dos dutos. Em carúnculos, as
glândulas são normais e o tecido doente geralmente é limitado ao limite inferior do meato
entre os orifícios das glândulas. O efeito do tratamento também mostra uma marcada
distinção entre as duas afecções. Um carúnculo simples, se completamente destruído por
cáusticos ou removido pelas tesouras, raramente replica, enquanto os crescimentos vasculares
ao redor da boca das glândulas doentes retornam após serem removidos por qualquer meio e
continuarão a fazê-lo até a inflamação de As glandes são curadas. Isto para mim é uma
explicação perfeitamente satisfatória da declaração feita pela maioria dos autores que
escreveram sobre o assunto, a saber, que caruncle é muito responsável por retornar. Essas
glândulas podem, eu presumo, me envolver em qualquer inflamação da vulva, uretra ou
vagina, mas, a partir da história dos casos que vieram sob minha observação, fui levado a
acreditar que a doença observada foi causada por Gonorréia, e persiste nas glândulas muito
depois de todos os traços da doença original terem desaparecido. Na verdade, quando esta
doença já foi estabelecida, não tem tendência natural para a recuperação. A importância
clínica e as características da inflamação desses ductos podem ser melhoradas pelo histórico
de casos. O primeiro que mencionaré é o que me levou a descobrir esta porção de anatomia
uretral. O paciente era uma mulher casada, com 30 anos de idade. Ela estava bem
desenvolvida, e sempre gostou de uma boa saúde geral. Com exceção de uma forma leve de
dismenorréia, ela não teve nenhuma doença de seus órgãos sexuais até um ano antes de ela
ter observado. Naquela época, ela foi atacada abruptamente com uma leucorréia profusa e
outros sintomas de inflamação da vulva e da vagina, incluindo a micção dolorosa. Ela se
colocou imediatamente sob os cuidados de seu médico de família, que a tratou localmente até
chegar a mim. Sua leucorréia, naquela época, diminuiu e a dolorosa micção havia
desaparecido, mas, de outra forma, ela não melhorara. No meu primeiro exame, encontrei
vestígios da inflamação anterior da vulva e da vagina. O meato urinário foi expirado e cercado
por uma série de projeções papilares, de uma cor vermelha profunda e completamente
presentes - duas glândulas importantes da uretra feminina. 7 uma aparência parecida com a
que se conhece como tumor vascular ou carúnculo do meato. Tig, 6 dá uma idéia da aparência
das porções inflamadas e altivas inflamadas da mucosa que circundam o meato e as aberturas
dos túbulos. O diagnóstico então feito foi vaginite subaguda, talvez de origem gonorréica, e
papiloma inflamado do meato urinário. A vaginite foi tratada da maneira usual, e logo
terminou em recuperação completa, mas a inflamação e a sensibilidade do meato
permaneceram inalteradas e irritaram demais o paciente. Ela não podia caminhar nem se
sentar sem dor, e o coito deveria ser evitado inteiramente. Presumi, em primeiro lugar, que a
doença do meato era mantida pela descarga irritante da vagina, e esperava que quando a
pessoa fosse removida, a outra ficaria bem, mas tal não era o caso. Eu então cauterizei
completamente os pontos elevados e sensíveis sobre o meato com nitrato de prata. Isso
causou dor muito grande na época, e não foi seguido por nenhuma melhoria. O ácido nítrico
puro foi utilizado da mesma maneira, mas sem um melhor resultado, exceto para destruir
elevações da mucosa ao redor do orifício. A mesma areola de inflamação ao redor do meato
continuou, e os sintomas permaneceram os mesmos. Uma conta completa do progresso do
caso seria tediosa e inútil. Basta dizer que, durante oito meses, tratava a doença com diligência
e cuidado, mas no final desse período, ela era muito pouco melhor. Causas e cauterias sendo
insatisfatórias, tentei sedativos e alterativos, incluindo iodoform, iodo, mercúrio e bismuto. Às
vezes, a inflamação diminuiu ligeiramente, e os pontos elevados tornaram-se menores, mas
em pouco tempo novas proliferações surgiram novamente, e a secreção muco-purulenta
continuou a banhar as partes. No final deste longo período de tratamento, e ao fazer um
exame crítico, observei que, a cada lado do meato, havia duas depressões preenchidas com
uma matéria cinzenta amarelada, pareciam pequenas úlceras, mas ao testar Com uma visão
para determinar sua profundidade, descobri que eles admitiram a sonda em uma meia
polegada. Depois de retirar a sonda, fiz pressão sobre a uretra de cima para baixo e consegui
expressar um fluido purulento que poderia ser visto de maneira distinta escapando de seus
orifícios. O tratamento foi então direcionado para esses canais; Primeiro foram injetados com
tintura de iodo, e posteriormente foram cauterizados passando uma sonda, revestida com
nitrato de prata, ao longo de suas profundidades. A melhoria rápida seguiu esta aplicação. A
inflamação ao redor do meato diminuiu gradualmente, e a dor e a ternura faleceram. Em
menos de dois meses a partir do momento em que um diagnóstico correto foi feito, e o
tratamento adequado empregado, o paciente se recuperou completamente. A satisfação que
isso deu ao paciente e ao médico será apreciada quando o fato é lembrado que ela sofreu por
vinte e um meses, e que durante nove meses ela estava sob meu tratamento sem uma
melhoria acentuada. 8 Skene; Duas glândulas importantes da uretra. Tal foi a minha
experiência com esta doença antes de saber qualquer coisa sobre a presença e o caráter das
estruturas envolvidas. Desde então, vi vários casos do mesmo tipo, e achei o diagnóstico mais
fácil e o tratamento satisfatório. Uma breve história de outro caso irá se agrupar com o
anterior. Uma senhora delicada e nervosa, pegue. 33 anos, se casou sete anos sem ter tido
filhos. Ela sofreu por um ano de sintomas parecidos com os do caso acima indicado. No início,
seus sofrimentos não eram tão severos, mas com o tempo se tornaram intoleráveis, e ela foi
obrigada a consultar seu médico, que a examinou e descobriu o que ele supunha ser um tumor
vascular do meato urinário. Ele a enviou para que ele fosse removido. Descobri que ela tinha a
doença agora em consideração, e uma vaginite subaguda, limitada principalmente à porção
posterior superior da vagina. As papilas inflamadas ao redor da boca dos dutos eram
vermelhas e tão ternas que tornavam muito difícil examiná-la. Ela foi dirigida para usar uma
ducha vaginal de bórax e água morna. As papilas inflamadas foram tocadas com partes iguais
de tintura de iodo e ácido carbólico; E os dutos foram injetados com uma solução de 3 ii. De
nitrato de prata para 3i. de água. Duas vezes por semana posteriormente, foram injetadas com
uma solução de dois grãos de nitrato de prata para a onça de água e, finalmente, foram
utilizados bórax e água. Sob esse tratamento, ela se recuperou em seis semanas. Ao injetar
esses dutos, uso uma seringa hipodérmica com a agulha feita com sonda apontada. A história
dos dois casos apresentados pode possivelmente transmitir a impressão de que a inflamação
dessas glândulas é facilmente curada. Isso só é verdade em alguns casos: eu vi outros que se
usavam extremamente obstinados. A doença desapareceria, mas não desapareceria
completamente, e assim que todos os pedidos fossem suspensos, o problema retornaria. Isso
me levou a pensar que outros métodos de tratamento ainda podem ser descobertos que serão
mais rápidos e eficazes. No próximo caso que vem sob meus cuidados, e não cede
prontamente, eu vou colocar o duto aberto dividindo-o de dentro para fora, ou seja, dividindo
a parede da uretra dos dutos na vagina e mantendo a ferida aberta até que ela cure. De baixo
para fora. Em suma, trate como se eu fosse uma fístula em ano.