Anda di halaman 1dari 11

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOBRE ANÁLISE DE CONJUNTURA

Trabalho apresentado à disciplina de Oficina de


Formação de Profissional Saúde e Assistência
Social, orientado pela professora Ivete Venâncio

Elaborado por:

Camila de Araújo Nascimento 10202263

Deborah Carvalho Martins 10201327

Joana D’Arc de O. Sacramento 10200066

Rio de Janeiro

2013
Introdução

A presente análise tem o objetivo de apresentar um relato dinâmico da realidade do


campo de estágio das alunas Camila Araújo, Deborah Carvalho e Joana D’Arc Sacramento, à
Associação Saúde Criança R. Buscamos em nossa análise a essência do real e a compressão
das inter-relações das partes que formam o todo da Associação, e direcionamos o nosso olhar
de um modo Crítico e não Neutro.

Elaborar uma análise de conjuntura é de uma maneira geral analisar o conjunto e/ou a
totalidade de uma determinada situação, além de esmiuçar as partes que compõe o todo. E
para fomentar a elaboração da análise iniciaremos nossa exposição discorrendo sobre o
terceiro setor o qual fornece base para a criação, fundamentação e atuação da Associação
Saúde Criança Ilha Sendo ela uma ONG não governamental sem fins lucrativos, situada em
um espaço público, atuando privadamente nesse espaço, encarregando-se de um papel que
deveria ser incumbência do Poder Público.
Terceiro Setor

Devido a não eficiência do poder Público em atender as necessidades da população


surge o terceiro setor buscando suprir as necessidades da sociedade e principalmente dos mais
carentes. Alguns conceitos de Terceiro Setor são trabalhados por diferentes autores que têm se
destacado enquanto estudiosos do assunto:

O Terceiro Setor é composto de organizações sem fins lucrativos, criadas e mantidas


pela ênfase na participação voluntária, num âmbito não governamental, dando continuidade a
práticas tradicionais de caridade, da filantropia e do mecenato, e expandindo o seu sentido
para outros domínios, graças, sobretudo, à incorporação do conceito de cidadania e de suas
múltiplas manifestações na sociedade civil. (FERNANDES, 1997 p.27).

Essas organizações não fazem parte do Estado, nem a ele estão vinculadas, mas se
revestem de caráter público na medida em que se dedicam a causas e problemas sociais e em
que, apesar de serem sociedades civis privadas, não têm como objetivo o lucro, e sim o
atendimento das necessidades da sociedade. (TENÓRIO, 2001 p. 07)

Portanto, o Terceiro Setor é formado por instituições (associações ou fundaçõ es


privadas) não governamentais, que expressam a sociedade civil organizada com participação
de voluntários para atendimentos de interesse público em diferentes áreas e segmentos.
Avança da perspectiva filantrópica e caridosa para uma atuação profissional e técnica, na qual
os usuários são sujeitos de direitos, tendo como objetivo de um trabalho de qualidade e
diferenciado daquele que sempre marcou a história dessas organizações: o assiste ncialismo e
a filantropia.

As organizações que compõem o Terceiro Setor não são novas. Como exemplos no Brasil,
temos as Santas Casas de Misericórdia, cuja primeira unidade aqui chegou junto com Dom
João VI. Temos as APAES (Associação de Pais e Amigos de Excepcionais) e tantas outras
Obras de caráter social filantrópico que se espalham pelo Brasil. E, mais atualmente, as
denominadas ongs, que são resultado dos movimentos sociais que emergiram em plena
ditadura militar, nos anos 70, atuando na defesa dos direitos sociais das minorias, do meio
ambiente, dos animais, etc.
Nova é a forma de se olhar e de se conceber essas organizações como componentes de um
setor em desenvolvimento e crescimento em países como o Brasil, mas que começou nos
países economicamente desenvolvidos, como o EUA.

De forma geral, Apresentaremos três principais razões que explicam a necessidade do


Terceiro Setor Dentro do contexto Nacional:
1 a substituição gradativa e intencional das funções do Estado de Bem Estar Social pelo
chamado Estado Mínimo , resultante da implantação também gradativa da política
neoliberal, levando ao sucateamento das políticas sociais públicas. Embora o Estado
de Bem Estar Social nunca tenha sido implantado efetivamente no Brasil, não
podemos desconsiderar ações sociais de iniciativa pública , de importante presença no
atendimento à questão social brasileira , reforçada, a partir de 1988, pela Constituição
Federal seguida de diferentes leis orgânicas relacionadas ao atendimento a diferentes
áreas, que as publicaram como dever do Estado e direito de cidadania ;
2 a legislação social trazida pela Constituição Federal de 1988 e decorrentes Leis
Orgânicas que, garantidoras dos direitos sociais e de cidadania , com ênfase na
participação popular , implicou na necessidade do reordenamento técnico e
administrativo das instituições estatais e da rede privada . Além disso, houve o
surgimento cada vez mais atuante e participativo de grupos sociais organizados,
buscando fazer valer os direitos e conquistas trazidas por essa legislação.
3 o acirramento da questão social : profundas desigualdades sociais , pobreza acentuada,
fome, aumento da violência , etc.

Nessa nova conjuntura política, social e econômica que vem se desenvolvendo as


organizações e instituições que atuam no chamado Terceiro Setor, principalmente na esfera da
assistência social, educação e saúde. E é exatamente nessa conjuntura brasileira que surge
vários tipos de organizações dentro desse setor. Segundo a pesquisa realizada pela FASFIL
2010 lançada em dezembro de 2012, havia 290,7 mil Fundações privadas e associações sem
fins lucrativos no Brasil dentre estas se encontra a Associação Saúde Criança Ilha atuando
dentro do cenário da sociedade.
Associação Saúde Criança Repensar

A Associação Saúde Criança Repensar é uma organização social, sem fins lucrativos,
políticos ou religiosos, com objetivos sociais, educacionais e culturais, com sede na Estr. do
Caricó, 26 – parte, Galeão, Ilha do Governador.

Tem como público alvo as famílias das crianças com fissura lábio palatal, atendidas no
Hospital Municipal Nossa Senhora do Loreto, que se encontra em situação de vulnerabilidade
social, carentes de informações, desconhecedoras de seus direitos e que enfre ntam
dificuldades de acesso a bens e serviços da sociedade. Grande parte destas famílias é
composta por pais adolescentes ou por famílias monoparentais, moradoras da baixada
fluminense, subúrbio do Rio de Janeiro, dos municípios vizinhos e até mesmo de out ros
Estados, onde muitos deles, não possuem se quer o ensino fundamental.

Fundada em 21 de março de 2007, pelo corpo médico do Hospital Municipal Nossa


Senhora do Loreto, esta associação detém o título de utilidade pública e é certificada pelo
Conselho Municipal de Assistência Social e pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança
e do Adolescente.

A finalidade da Associação é promover gratuitamente programas educacionais, culturais,


de saúde, de capacitação e de qualificação e aperfeiçoamento em pro l dos pacientes atendidos
no HMNSL, bem como de suas famílias quando reconhecidamente em risco social. E
mediante esta promoção a Associação atuaria da seguinte forma:

 Estimulando o desenvolvimento pessoal e profissional, atuando na autoestima, no


convívio social consciente e na empregabilidade, para melhorar a qualidade de vida de
seus assistidos;
 Atuar e desenvolver projetos que viabilizem as inclusões social e cultural em
atividades nas áreas de saúde, educação, cultura e trabalho;
 Estimular à consolidação de uma sociedade mais justa, democrática, ética e prática,
incentivando o pleno exercício da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e
outros valores universais;
 Conscientizar a família ou responsável pela criança e/ou adolescente assistido sobre o
caráter supletivo e transitório da assistência, para que, em contrapartida o apoio
recebido, adotem medidas e decisões necessárias à solução dos problemas familiares.

O objetivo é levar as crianças e suas famílias assistidas na Associação Saúde Criança


Repensar condições básicas para se estruturarem em saúde, educação, cultura, moradia e
capacitação profissional. Trabalhando para recuperar a cidadania e autoestima de pessoas
que vivem em estado de exclusão social.

E considerando que a família é fundamental para o desenvolvimento integral da


criança, por esse motivo a instituição não assiste apensa a criança e sim, a todo núcleo
familiar.

A Associação Saúde Criança Repensar tem como metas direcionadas as famílias em


cinco áreas, são elas:

 Moradia - Assegurar que a casa da família tenha as mínimas condições de moradia, a


fim de proporcionar um ambiente saudável para a criança recuperar e manter a saúde
boa;
 Saúde - Melhoria nas condições de saúde e bem estar para as crianças atendidas e seus
familiares;
 Renda - Reestruturação e auto sustentação no núcleo familiar, com qualidade de vida e
renda digna;
 Educação - Conscientização da família sobre a importância da educação da educação
para o futuro das crianças e dos pais, com o foco na conclusão dos ensinos
fundamental e médio;
 Cidadania - Solucionar questões burocráticas a fim de garantir à família acesso aos
direitos básicos de cidadania.
A Associação tem como patrocinadores a Saúde Criança Matriz, que envia recursos
para o setor de recursos humanos, o Rio Inclui, que envia recursos para o projeto de
capacitação, a IBM, que patrocina todo material de informática, e que a partir do segundo
semestre de 2013, também enviará recursos para o projeto moradia, e a Smile Train, apoia no
investimento social para as famílias, patrocinando o hospital através da Saúde Criança, na
compra de equipamentos e no pagamento de profissionais, a fim de melhorar e ampliar a
qualidade dos serviços, e desde 2012 vem apoiando a Associação com recursos que auxiliam
o acesso das famílias ao Hospital e também recursos para compra de cestas básica a qual é
distribuída as famílias que compõe o Benefício Integral 1.

A Associação é administrada por Assembleia Geral, Diretoria, Conselho Fiscal e


Consultivo. A Assembleia Geral é o órgão soberano da Associação, com funções
exclusivamente deliberativas, a Diretoria é o órgão de gestão e administração da Associação,
sendo composta por presidente, vice-presidente e diretor executivo.

Todos os cargos da diretoria, do conselho consultivo e do conselho fiscal não são


remunerados e não existe qualquer tipo de distribuição de bonificação ou atribuição de
vantagens de qualquer espécie a seus membros.

A Associação tem como fontes de recursos, doações, subsídios e quaisquer auxílios


que lhe forem concedidos por pessoas físicas ou jurídicas de direito privado ou de direito
público nacionais ou estrangeiras. São também fontes de recursos as receitas patrimoniais,
receitas provenientes de contratos administrativos, convênios e termos de parceiros,
celebrados com o poder público, recursos provenientes de projetos culturais enquadrados nas
leis federais, estaduais ou municipais de incentivo à cultura.

O papel do Assistente Social na Associação se direciona em identificar as questões


sociais nas famílias assistidas e intervir para que tenham acesso aos bens e serviços da
sociedade. Cabe ao profissional ser porta voz dessas famílias, pois são desconhecedoras de
seus direitos. No atendimento as famílias são orientadas, principalmente para que saiba o
quanto a capacitação profissional é importante para que possam obter seus meios de recursos
financeiros e se emanciparem.
O profissional de serviço social planeja e executa suas ações pautado, no Código de Ética
da Profissão; Lei de Regulamentação da Profissão de Assistente Social (Lei n° 8662 de
07/07/93), nos Princípios e Diretrizes das Leis: 8080 de 19.09.1990, 8142 de 28.12.1990
(SUS) e 8.742 de 07.12.1993 (LOAS).

As atividades na Associação começam com uma entrevista inicial feita pela Assistente Social
Fátima Pires, com a ajuda de estagiários e nesta é traçado o perfil social da família, além de
serem identificadas as condições de saúde, moradia, trabalho, escolaridade e questões de
cidadania no geral. Contendo essas informações é verificado pela equipe de serviço social se a
família está de acordo com o perfil estabelecido pela instituição e apta a fazer parte do projeto
Benefício Integral 2. Em próximo atendimento é informado a família do seu ingresso nos
projetos da associação, além de ser elaborado o Plano de Ação Familiar mais ajustado as
características de cada família que se objetiva a estabelecer os caminhos que serão percorridos
em conjunto com associação/serviço social e família.

Ao assistir as famílias a associação utiliza-se de dois Projetos:

 O Benefício Integral 1 – São 30 famílias integrante d assistidas por período de 02


anos a única diferença é que recebem uma cesta básica e assistem palestras no dia
agendado com a Assistente social.

 Benefício integral 2- que assiste em média 200 famílias que são acompanhadas
mensalmente durante as cirurgias primárias tendo duração de 02 anos. Ele oferece as
famílias informações em relação aos benefícios, como vale social, Riocard, PBF, o
BPC que ainda não é lei para fissurados, entre outros. Oferece também o apoio
nutricional e acesso aos cursos de capacitação.

Todo o mês ocorre os encontros com as famílias do beneficio integral. Esses


encontros são para palestras de motivação com temas variados como orientação de
saúde, direitos e deveres do cidadão, benefícios governamentais, relacionamento
familiar e também são abordados outros temas sugeridos pelas próprias famílias. O
mesmo tem como objetivo orientar e estimular a consciência critica e assim,
contribuindo também para o desenvolvimento do grupo. O mesmo é conduzido por
profissionais, voluntários e estagiários.

outras questões sugeridas pelas próprias famílias são abordados nessas palestras, para orientar
e estimular a consciência critica, contribuindo também para o envolvimento do grupo. As
reuniões são conduzidas por profissionais, voluntários e estagiários.

Com o objetivo de melhorar a renda das famílias assistidas, oferecemos também qualificação
profissional para os pais ou para algum outro membro da família. É oferecido curso de
profissionalização na própria sede. E damos os instrumentos e passagens para a realização de
cursos, tendo também a oficina na Associação onde tem um profissional que trabalha
juntamente com as mães e realizam confecções de roupas, bolsas, cordões, entre outras com
equipamentos que nos foram doados, e através dessas obras são vendidos e essas mães
recebem um determinado valor para darem continuidade e se emanciparem financeiramente.
Conclusão
Bibliografia

Apresentação Institucional Saúde Criança Repensar.

BARROCO, Maria Lúcia Silva; TERRA, Sylvia Helena; CFESS (Organizadores ) Código de
Ética do/a Assistente Social Comentado. São Paulo: Cortez, 2012.

BRASIL, Presidência da República. Lei Orgânica da Assistência Social, Lei nº 8.742, de 7


de dezembro de 1993.

FRANCO, Itamar. Lei de Regulamentação da Profissão. Lei n° 8.662, de 7 de Junho de


1993.

FERNANDES, Rubem César. Privado, Porém Público - O Terceiro Setor na América


Latina . 2ª ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996.

ESTATUTO SOCIAL – Ata da Assembleia Geral Ordinária da Associação Saúde Criança


Repensar, 22 de Abril de 2009.

INSTITUTO – Brasileira de Geografia e Estatística. FASFIL 2010. Disponível em:


http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/fasfil/2010/default.shtm

LEI ORGÂNICA DA SAÚDE - Lei nº 8.080 de 19 de Setembro de 1990 e Lei 8.142/90


SUS (Sistema Único de Saúde). Coletânea de Leis e Resoluções – 4. ed. atualizada 08/2002.
Cress 7ª R-RJ.

COSTA, Celma Frossard. O Serviço Social e o Terceiro Setor. Disponivel em :


http://www.uel.br/revistas/ssrevista/c_v7n2_selma.htm