Anda di halaman 1dari 78

Fundamentos da

Termodinâmica
Autores: Prof. Arduíno Francesco Lauricella
Prof. Francisco Xavier Sevegnani
Professores conteudistas: Arduíno Francesco Lauricella/
Francisco Xavier Sevegnani

Arduíno Francesco Lauricella é mestre em Engenharia Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São
Paulo e bacharel em Física pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo. Professor adjunto da Universidade
Paulista e do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana.

Francisco Xavier Sevegnani é físico e concluiu sua graduação, mestrado e doutorado em Física pela Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo‑ PUCSP. Concluiu o mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade
Paulista‑UNIP (2003) e doutorado em Engenharia de Energia e Automação Elétrica pela Escola Politécnica da
Universidade de São Paulo‑PEA/EPUSP (2009). Atualmente, é professor titular da Pontifícia Universidade Católica de
São Paulo, professor adjunto I do Centro Universitário de Educação Inaciana, professor titular da Universidade Paulista,
coordenador auxiliar do curso de Engenharia diurno da UNIP e líder de disciplinas de Física na UNIP.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

L384f Lauricella, Arduíno Francesco.

Fundamentos da termodinâmica / Arduíno Francesco Lauricella,


Francisco Xavier Sevegnani. - São Paulo: Editora Sol, 2013.

140 p., il.

1. Termodinâmica. 2. Máquinas térmicas. 3. Entropia. I. Título.

CDU 536.7

© Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou
quaisquer meios (eletrônico, incluindo fotocópia e gravação) ou arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem
permissão escrita da Universidade Paulista.
Prof. Dr. João Carlos Di Genio
Reitor

Prof. Fábio Romeu de Carvalho


Vice‑Reitor de Planejamento, Administração e Finanças

Profa. Melânia Dalla Torre


Vice‑Reitora de Unidades Universitárias

Prof. Dr. Yugo Okida


Vice‑Reitor de Pós‑Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Marília Ancona‑Lopez


Vice‑Reitora de Graduação

Unip Interativa – EaD

Profa. Elisabete Brihy


Prof. Marcelo Souza
Profa. Melissa Larrabure

Material Didático – EaD

Comissão editorial:
Dra. Angélica L. Carlini (UNIP)
Dr. Cid Santos Gesteira (UFBA)
Dra. Divane Alves da Silva (UNIP)
Dr. Ivan Dias da Motta (CESUMAR)
Dra. Kátia Mosorov Alonso (UFMT)
Dra. Valéria de Carvalho (UNIP)

Apoio:
Profa. Cláudia Regina Baptista – EaD
Profa. Betisa Malaman – Comissão de Qualificação e Avaliação de Cursos

Projeto gráfico:
Prof. Alexandre Ponzetto

Revisão:
Milena Cassucci
Andreia Andrade
Sumário
Fundamentos da Termodinâmica

Apresentação.......................................................................................................................................................7
Introdução............................................................................................................................................................7

Unidade I
1 TEMPERATURA.....................................................................................................................................................9
1.1 A lei zero da termodinâmica............................................................................................................. 10
1.2 Célula do ponto tríplice...................................................................................................................... 11
1.3 Termômetros........................................................................................................................................... 12
1.4 Termômetro a gás................................................................................................................................. 13
1.5 Escalas Celsius e Fahrenheit.............................................................................................................. 15
1.6 Tipos de termômetros.......................................................................................................................... 16
1.7 Exemplos resolvidos............................................................................................................................. 17
2 CALORIMETRIA.................................................................................................................................................. 24
2.1 Equação fundamental da calorimetria......................................................................................... 25
2.2 Calor latente............................................................................................................................................ 26
2.3 Equação calorimétrica......................................................................................................................... 27
2.4 Exemplos resolvidos............................................................................................................................. 27
3 Gases Perfeitos............................................................................................................................................. 33
3.1 Equação de energia interna.............................................................................................................. 34
3.2 Equação de calor................................................................................................................................... 35
3.3 Equação de trabalho............................................................................................................................ 35
3.4 Exemplos resolvidos............................................................................................................................. 36
4 Primeira lei da termodinâmica........................................................................................................ 44
4.1 Transformações termodinâmicas.................................................................................................... 44
4.1.1 Transformação isométrica.................................................................................................................... 44
4.1.2 Transformação isobárica....................................................................................................................... 45
4.1.3 Transformação isotérmica.................................................................................................................... 46
4.1.4 Transformação adiabática.................................................................................................................... 48
4.2 Transformações cíclicas...................................................................................................................... 50
4.3 Exemplos resolvidos............................................................................................................................. 52

Unidade II
5 MÁQUINAS TÉRMICAS................................................................................................................................... 79
5.1 Motor diesel............................................................................................................................................. 81
5.2 Exemplos resolvidos............................................................................................................................. 83
6 CICLO DE CARNOT............................................................................................................................................ 89
6.1 Exemplos resolvidos............................................................................................................................. 93
7 SEGUNDA LEI DA TERMODINÂMICA......................................................................................................104
7.1 Teorema de Carnot.............................................................................................................................105
7.2 Exemplos resolvidos...........................................................................................................................105
8 ENTROPIA..........................................................................................................................................................109
8.1 Entropia para um gás perfeito.......................................................................................................110
8.2 Entropia no ciclo de Carnot............................................................................................................111
8.3 Exemplos resolvidos...........................................................................................................................112
Apresentação

Prezado aluno,

Podemos começar este livro‑texto com algumas perguntas: o que é Termodinâmica? Qual é o nosso
objetivo ao estudarmos a termodinâmica?

Uma resposta simples para a primeira pergunta seria: a termodinâmica é a parte da Física que estuda
a energia que está armazenada no interior de um corpo e, também, como essa energia poderia passar
para “fora dele”, de maneira que pudesse ser convertida, por meio de um dispositivo já previamente
construído, em outro tipo de energia. Um exemplo prático disso são as usinas termoelétricas, que
utilizam a energia da queima de combustíveis fósseis para produzir energia elétrica, que é a energia que
é mais utilizada em nosso cotidiano.

Há milhares de anos, quando o fogo foi descoberto, essa ciência deu seu primeiro passo. Hoje, o
fogo é utilizado para muitas finalidades; por exemplo, para preparar alimentos, derreter substâncias e
fundi‑las de maneira a produzir materiais mais leves e resistentes, como os compósitos. Há bicicletas
e aviões que são projetados com compósitos ultraleves e resistentes que melhoram muito o seu
rendimento. A produção de medicamentos também necessita da intervenção do fogo. Os seres vivos
em geral são “máquinas” nas quais, a todo momento, ocorrem, de forma natural, reações químicas em
que há troca de energia, de forma a manter a “vida”. Uma resposta para a segunda pergunta é que uma
boa compreensão disso tudo dá um “salto” em nossa qualidade de vida. Há também a curiosidade de
entender como as coisas funcionam.

Olhando de maneira mais direta, a Termodinâmica utiliza alguns conceitos que são muito conhecidos
no cotidiano, como: calor, temperatura, volume, pressão, mas também se vale de outros menos
conhecidos, como energia interna, entropia e trabalho. A matéria é bem extensa e o nosso curso é uma
introdução em que vamos apresentar o conteúdo de maneira bem simples e com muitos exemplos,
como veremos adiante.

Introdução

Os tópicos tratados nesta disciplina de introdução à Termodinâmica serão abordados em duas


unidades.

Na unidade I, iniciamos com os conceitos de temperatura, tipos de termômetros e escalas de


temperatura. A seguir, apresentamos os conceitos de calor, calor específico e capacidade térmica. Nessa
parte, utilizamos a equação básica da calorimetria (Q = m . c . ∆θ), também muito usada no nível
fundamental. Essa equação simples tem importância na termodinâmica comparável à importância da
equação de Newton (F = m . a) na mecânica. Vamos aprender a fazer um balanço nas trocas de calor
que ocorrem quando se misturam vários corpos em temperaturas iniciais diferentes, e todo o conjunto
chega a uma mesma temperatura final, conhecida como a temperatura de equilíbrio do sistema. Nessas
misturas, podem ocorrer mudanças de fase dos corpos participantes, por exemplo, fusão ou solidificação.
Continuamos com a equação do gás perfeito, conhecida como “equação de Clapeyron”. Essa equação é
7
Unidade I

válida em uma situação em que as moléculas do gás não interagem umas com as outras. Apresentamos o
conceito de trabalho trocado por um gás perfeito com o ambiente externo e relacionamos esse trabalho
com variáveis termodinâmicas. No final dessa unidade, com base no princípio de conservação de energia,
induzimos a primeira lei da termodinâmica, que relaciona calor, trabalho e variação de energia interna
para um sistema, e finalizamos com o estudo das principais transformações termodinâmicas de um gás
perfeito.

A unidade II inicia com o conceito de máquina térmica, que pode funcionar como motor térmico
ou refrigerador. As máquinas operam em processos cíclicos, trocando calor e trabalho mecânico com o
ambiente externo. Analisamos em detalhe a máquina de Carnot, cujo rendimento é sempre melhor se
comparado a outros tipos de máquinas térmicas. Chegamos, em seguida, à segunda lei da termodinâmica,
que estabelece os limites de convertibilidade nas trocas de calor e trabalho. Por último, é definido o
conceito de entropia, uma medida da desordem molecular de um sistema.

Para que haja um bom entendimento de como operar todos esses conceitos, este livro‑texto apresenta
um grande número de exemplos resolvidos, muitos exercícios de aplicação e testes com respostas. Há,
também, indicações de alguns endereços eletrônicos para o aprimoramento do estudo.

8
fundamentos da termodinâmica

Unidade I
1 TEMPERATURA

O conhecimento do conceito de temperatura é importante para muitas áreas, por exemplo, a


metalúrgica (na produção de ligas metálicas), a médica (na esterilização de instrumentos), a ambiental
(em questões relativas ao aquecimento global), a nutricional (no transporte de alimentos), a espacial
(na conjectura sobre a possibilidade de vida em outros planetas) e na meteorológica (na previsão do
tempo). O conceito de temperatura é estudado há muitos anos. O corpo humano só diferencia o quente
e o frio em relação à sua própria temperatura e isso fez com que fossem construídos dispositivos que
utilizassem alguma substância que, por efeito de uma variação de temperatura, sofresse alteração em
suas propriedades físicas. Esses instrumentos foram denominados “termômetros”.

Para quantificar a medida de temperatura, foram definidas “escalas de temperatura”, que utilizam
como referência alguma propriedade física de uma substância padrão que se altera com a temperatura,
por exemplo, o ponto de fusão e ebulição da água na pressão normal.

Um resumo dos personagens envolvidos na construção desses primeiros termômetros está no quadro
1. As escalas de temperatura mais utilizadas no cotidiano são a Celsius e a Fahrenheit. A escala Celsius
utiliza como pontos de referência a fusão do gelo e a ebulição da água, que foram tomados como 0ºC
e 100ºC, respectivamente. A escala Fahrenheit utiliza os mesmos pontos de referência, porém adota os
valores de 32ºF e 212ºC.

A escala Celsius é adotada na maioria dos países e a Fahrenheit, principalmente, nos EUA e no
Reino Unido. Essas escalas não pertencem ao Sistema Internacional de Unidades (SI). A escala de
temperatura utilizada atualmente no SI é a Kelvin, proposta em 1854 pelo físico escocês William
Thomson, conhecido como Lord Kelvin. A escala Kelvin utiliza dois pontos de referência: um ponto
é conhecido como o “zero absoluto”, que é quando as moléculas de um corpo não possuem mais
movimento, o outro é o “ponto tríplice da água”, que ocorre quando a fase sólida, a fase líquida e o
vapor da água coexistem.

Quadro 1 – Resumo histórico da construção dos primeiros


dispositivos utilizados para medir temperaturas

Galileu Galilei (1564‑1642)


Idealizador do primeiro termômetro. Consistia num tubo aberto de vidro com um bulbo preenchido com vinho. A
mudança no volume do vinho estimava sua temperatura.
Fernando II (1610‑1670)
Desenvolveu o primeiro termômetro selado utilizando álcool no interior do tubo e fazendo cinquenta marcas no vidro
do tubo. Esse termômetro não utilizava nenhum ponto fixo para a calibração da escala.

9
Unidade I

Robert Hook (1635‑1703)


Utilizou tinta vermelha no álcool. Em sua escala, cada grau representava um incremento do volume equivalente a
1/500 parte do volume do líquido que o termômetro precisava. Esse termômetro utilizava somente um ponto fixo, o
ponto de congelamento da água.
Olef Christensen Romer (1644‑1710)
Idealizou o primeiro termômetro com dois pontos de referência. O termômetro utilizava vinho vermelho com
indicador da temperatura.
Daniel Gabriel Fahrenheit (1686‑1736)
Considerou dois pontos de referência, o ponto de fusão do gelo em 32ºF e o ponto de ebulição da água em 212ºF (na
pressão atmosférica padrão). Adotou também o mercúrio como substância termométrica.
Anders Celsius (1701‑1744)
Propôs um termômetro com cem (100) graus como ponto de ebulição da água e de zero(0) grau como ponto de fusão
do gelo. Mais tarde, essa escala foi invertida e tornou‑se de uso popular na maior parte do mundo.
Thomas Seebeck (1770‑1831)
Descobriu que, quando dois fios de metais diferentes são unidos em duas extremidades e um dos extremos é aquecido,
circula corrente elétrica no circuito. Estava descoberto o termopar, um importante sensor de temperatura para
aplicações industriais.
Sir Willians Siemens (1823‑1883)
Propôs o uso de termômetros de resistência de platina, com os quais a medição de temperatura é feita pela alteração
da resistência de um material com a temperatura.
William Thomson ou Lord Kelvin (1824‑1907)
Desenvolveu uma escala termodinâmica baseada nas variáveis de estado de um gás ideal e considerou o “zero
absoluto” quando a energia cinética das moléculas fosse nula. Essa escala foi batizada de escala Kelvin.
Hugh Longbourne Callendar (1863‑1930)
Aprimorou o termômetro com resistência de platina, comparando‑o ao termômetro agás.

Fonte: <http://www.smar.com/brasil/artigostecnicos/artigo.asp?id=89>. Acesso em: 27 jan. 2013.

1.1 A lei zero da termodinâmica

A área da Física que utiliza conceitos de temperatura e calor é a Termodinâmica. Essa área procura
quantificar a energia interna de um corpo, utilizando apenas três variáveis macroscópicas: a pressão (P),
o volume (V) e a temperatura (T). A alteração de uma ou mais dessas variáveis pode modificar a energia
interna de um sistema, seja ele um sólido, um líquido ou um gás.

Uma panela com água fria, quando em contato com uma chama, aquece a água. Esse é um exemplo
trivial de uma interação térmica, ou seja, uma ação mútua entre corpos em estados térmicos diferentes
quando postos na presença um do outro. A interação térmica é acompanhada de transformações nos
corpos interagentes e pode ocorrer com ou sem variação no estado térmico. Exemplo: se segurarmos
um pedaço de gelo fundente na mão, o estado térmico não varia, mas ele se funde. Imaginemos que, em
uma garrafa térmica perfeita (paredes adiabáticas), sejam introduzidos café quente e uma ampola de
vidro contendo leite frio. O café esfria, o leite esquenta: em poucos minutos, o café, o leite e a ampola
estarão em um mesmo estado térmico, todo o conjunto estará em equilíbrio térmico. Esse resultado
experimental é a lei zero da termodinâmica, enunciada a seguir:

“Dois corpos em equilíbrio térmico com um terceiro estão em equilíbrio térmico entre si.”

10
fundamentos da termodinâmica

1.2 Célula do ponto tríplice

Mediante certas convenções, estabelece‑se uma correspondência biunívoca entre estados térmicos
e números. Em graus de temperatura, cada número exprime a temperatura do correspondente estado
térmico. A correspondência biunívoca entre estado térmico (propriedade física) e temperatura (grandeza
física) pode ser estabelecida de diversas maneiras, conforme explicado a seguir. Cada modalidade de tal
correspondência origina uma escala de temperatura. Trataremos da escala absoluta Kelvin (temperatura
T) e das escalas relativas Celsius e Fahrenheit (temperatura). As correspondentes unidades são o Kelvin
(K), o grau Celsius (ºC) e o grau Fahrenheit (ºF). As escalas com essas denominações distinguem‑se umas
das outras pelos números convencionais que as caracterizam; elas se referem a um único ponto fixo
fundamental, o ponto tríplice da água, e a dois pontos fixos subsidiários, o ponto do gelo e o ponto do
vapor. O ponto tríplice da água se dá quando gelo, água e vapor de água coexistem em equilíbrio em um
estado físico caracterizado por determinada pressão (4,58 torr) e determinado estado térmico.

Por convenção internacional, atribui‑se ao ponto tríplice da água, conforme as escalas de temperatura,
os valores indicados na tabela 1.

Tabela 1 – Temperaturas do ponto tríplice da água


para as escalas Kelvin, Celsius e Fahrenheit

Escala Kelvin Escala Celsius Escala Fahrenheit


Ttr = 273,16K θtr = 0,0100ºC θtr = 32,02ºF

Fonte: Johnson (1977, p. 11).

As convenções que presidem as escalas termométricas dizem respeito à substância termométrica,


à grandeza termométrica, ao ponto fixo e à lei de correspondência. A água líquida, o gelo sólido e o
vapor d’água (água no estado gasoso) podem coexistir, em equilíbrio térmico, apenas em um conjunto
de valores de pressão e temperatura. A figura 1 mostra uma célula do ponto tríplice.

Vapor d’água

Água e gelo

Figura 1

11
Unidade I

Na figura 1, é possível verificar uma célula do ponto tríplice, na qual gelo sólido, água líquida e
vapor d´água coexistem em equilíbrio térmico. Por acordo internacional, a temperatura dessa mistura
foi definida como 273,16 K.

Os pontos fixos tradicionais são o ponto do gelo e o ponto do vapor. A reprodução deles é menos
exata do que a do ponto tríplice. A correspondência entre esses pontos para as escalas de temperatura
Kelvin, Celsius e Fahrenheit estão indicadas na tabela 2.

Saiba mais

O Inmetro possui tecnologia para construção de uma célula do ponto


triplo da água. Veja todos os detalhes no endereço:

<http://www.inmetro.gov.br/noticias/conteudo/CPTA.pdf>.

Tabela 2 – Temperaturas do ponto do gelo e do ponto do vapor para as


escalas Kelvin, Celsius e Fahrenheit e a amplitude dessas escalas

Escala Kelvin
Ponto do vapor Ponto do gelo Amplitude
Tv = 373,15 K Tg = 273,15 K Tv – Tg = 100 K
Escala Celsius
Ponto do vapor Ponto do gelo Amplitude
θV = 100ºC θg = 0ºC θv – θg = 100ºC
Escala Fahrenheit
Ponto do vapor Ponto do gelo Amplitude
θV = 212ºF θg = 32ºF θV – θg = 180ºF

Fonte: Johnson (1977, p. 11).

1.3 Termômetros

Os termômetros são dispositivos com os quais se determinam as temperaturas. Em um termômetro,


um corpo material exibe uma propriedade física que varia mensuravelmente com o estado térmico.
A substância que constitui o corpo é chamada de substância termométrica. A partir desta, obtém‑se
a temperatura (na escala adotada) por intermédio de uma dependência funcional chamada “lei de
correspondência”. O termômetro padrão é chamado de termômetro normal, sendo o termômetro de gás
em volume constante. A substância termométrica é um gás. A grandeza termométrica é a pressão P do
gás, e a lei de correspondência é uma equação termométrica, expressa como:

T = a + b . P (1)

12
fundamentos da termodinâmica

Na equação 1, a e b são constantes para o termômetro na escala adotada. Extrapolando as medidas


para gás extremamente rarefeito, temos a temperatura legal. O termômetro a gás é um instrumento
para uso em laboratório em situação na qual é necessária a determinação da temperatura com grande
precisão. Para uso corrente, adotam‑se “termômetros práticos”, como os do quadro 2.

Quadro 2 – Tipos de termômetros, substâncias e


grandezas termométricas correspondentes

Termômetro Substância termométrica Grandeza termométrica


Líquido Mercúrio, etano, toluol Volume aparente
Resistência Platina Resistência elétrica
Termopar Platina, ródio Força eletromotriz
Pirômetro óptico Tungstênio Corrente elétrica

Fonte: Johnson (1977, p. 12).

Esses termômetros fornecem temperaturas empíricas que podem diferir das temperaturas de um
termômetro a gás. A temperatura de um corpo material é a temperatura do termômetro em equilíbrio
térmico com o corpo.

1.4 Termômetro a gás

O termômetro considerado padrão é o termômetro a gás. Seu funcionamento baseia‑se na pressão


de um gás com o seu volume mantido sempre fixo, conforme esquematizado na próxima figura.

Escala
Capilar

R
h

Sistema

Bulbo Tubo
com gás Flexível

Figura 2

Podemos observar na figura um termômetro a gás em volume constante com o seu bulbo imerso em
um líquido cuja temperatura T se deseja medir.

O gás termométrico é encerrado em um bulbo. Sua pressão é medida com um manômetro de


mercúrio. No ramo do gás, o nível do mercúrio é ajustado de maneira a manter o volume V do gás

13
Unidade I

sempre constante. Isso é feito ajustando‑se a altura do ramo que vai até o reservatório R. Conhecido o
desnível do mercúrio h, a pressão do gás é dada por:

P = Patm + d .g . h (2)

Na equação formulada, Patm é a pressão atmosférica, d é a densidade do mercúrio e g é a aceleração da


gravidade local. O bulbo é introduzido no interior de um líquido cuja temperatura se procura. Conforme
o estado térmico do bulbo com gás, varia a pressão do gás, que se torna diretamente proporcional à
sua temperatura. Supõe‑se que Pv e Pg sejam os valores de P no ponto de vapor e no ponto do gelo,
respectivamente, e que m seja a massa do gás que ocupa o bulbo sempre com o mesmo volume V. É
observado experimentalmente que a relação entre Pv e Pg no limite da massa do gás que está no bulbo
tendendo a zero é igual a 1,3661. Esse resultado é independente da substância gasosa utilizada no
termômetro, ou seja, vale a equação:

Pv Tv
lim = = 1, 3661 (3)
m→0 Pg Tg

Na equação acima, Tv e Tg são as temperaturas absolutas do ponto de vapor e do ponto do gelo. Na


escala de temperatura absoluta, escala Kelvin, impõe‑se a condição de que a diferença Tv – Tg, assim
como na escala Celsius, corresponda a 100 graus, ou seja:

Tv – Tg = 100 K (4)

Aplicando as equações 3 e 4, obtêm‑se: Tv = 373,15 K e Tg = 273,15 K. Para obter uma temperatura


T na escala Kelvin, utilizando um termômetro a gás em volume constante, é necessário medir a pressão
P correspondente, no limite da massa do gás tendendo a zero, e aplicar a equação:

P
T = 273,15. lim   (5)
m→0  Pg 

A equação 5 considera como ponto fixo padrão o ponto do gelo que corresponde à temperatura
Tg = 273,15 K. Atualmente, é adotado como ponto fixo padrão o ponto triplo da água, que ocorre em
temperatura e pressão bem definidas. Nesse caso, as temperaturas passam a ser obtidas pela equação:

P
T = 273,16. lim   (6)
m→0  Ptr 

O procedimento para obter uma temperatura incógnita T é o seguinte:

• encher o tubo do termômetro com uma massa m de gás e medir a pressão Ptr do gás, utilizando
uma célula do ponto tríplice;

14
fundamentos da termodinâmica

• medir a pressão P do gás à temperatura incógnita T, sempre mantendo o volume do gás constante;
P
• determinar a relação ;
Ptr
• medir novamente P e Ptr com uma massa menor de gás e determinar novamente a relação entre
as pressões;

• repetir esse procedimento para uma massa cada vez menor de gás, extrapolando‑se a relação entre
P
as pressões no limite para a massa do gás tendendo a zero, ou seja, determinando lim   . Em
m→0  Ptr 
seguida, insere‑se esse resultado na equação 6, determinando a temperatura T.

A pressão de um gás é resultado dos impactos de suas moléculas. Pode‑se imaginar a ausência
de impactos correspondendo à pressão nula, que corresponderia ao zero absoluto de temperatura.
A temperatura absoluta de um corpo é proporcional à energia cinética média de translação de suas
moléculas. Antes, adotavam‑se dois pontos fixos experimentais: o ponto do gelo e o ponto do vapor.
Atualmente, adota‑se um só ponto fixo experimental, o ponto tríplice da água. O outro ponto fixo é
ideal, o zero absoluto de temperatura.

1.5 Escalas Celsius e Fahrenheit

As escalas Celsius e Fahrenheit são escalas relativas de temperatura, que resultam das escalas
absolutas por meio do deslocamento da origem. Representaremos escalas relativas por θ e escalas
absolutas por T.

• Escala Celsius: 1 grau Celsius = 1ºC = 1 K


5
• Escala Fahrenheit: 1 grau Fahrenheit = 1ºF = K
9
Para transformar uma temperatura da escala absoluta Kelvin em outra temperatura equivalente da
escala Celsius, utiliza‑se a equação:

θC = T – 273,15 (7)

Para transformar uma temperatura da escala absoluta Kelvin em outra temperatura equivalente da
escala Fahrenheit, utiliza‑se a equação:

9
θF = T − 459, 67 (8)
5
Para transformar uma temperatura da escala relativa Celsius em outra temperatura equivalente da
escala relativa Fahrenheit, utiliza‑se a equação:

15
Unidade I

9
θF = θc + 32 (9)
5
Na tabela 3, estão as temperaturas de alguns pontos notáveis. Na tabela 4, apresentamos pontos
fixos de algumas substâncias, obtidos de um termômetro a gás, nas escalas Kelvin e Celsius. Os pontos
fixos podem ser utilizados para calibração de termômetros.

Tabela 3 – Temperatura de alguns pontos notáveis para as


escalas Kelvin, Celsius e Fahrenheit

K ºC ºF
Zero absoluto 0 – 273,15 – 459,67
Ponto do gelo 273,15 0 32,00
Ponto tríplice 273,16 – 0,01 32,02
Ponto do vapor 373,15 100,00 212,00

Fonte: Johnson (1977, p. 19).

Tabela 4 – Temperaturas de pontos fixos de alguns materiais


nas escalas Kelvin, Celsius e Fahrenheit

Transição sob pressão normal K ºC ºF


Ebulição do oxigênio 90,18 – 182,97 – 297,35
Ebulição do enxofre 717,75 444,60 832,28
Fusão da prata 1233,95 960,80 1761,44
Fusão do ouro 1336,15 1063,00 1945,4
Fusão da platina 2042,5 1769,3 3216,74
Fusão do ródio 2233 1960 3560
Fusão do irídio 2716 2443 4429,4
Fusão do tungstênio 3653 3380 6116

Fonte: Johnson (1977, p. 20).

Observação

O zero absoluto, na escala Kelvin, é a temperatura mais baixa que um


sistema pode atingir. É a temperatura no vácuo e é a mais baixa com sentido
físico. Uma das temperaturas mais baixas já atingidas em laboratório foi de
4 Kelvin. Nessa temperatura, o hélio torna‑se líquido.

1.6 Tipos de termômetros

Os termômetros mais conhecidos, classificados segundo suas propriedades, são: de líquido, de


resistência elétrica, termopares e pirômetros. No quadro 3, há um resumo de como eles funcionam.
16
fundamentos da termodinâmica

Quadro 3 – Principais tipos de termômetros e suas características

Termômetros de líquido
O mercúrio é o líquido preferido. Esse termômetro é baseado na expansão do fluido com a temperatura. O fluido está
no interior de um tudo de vidro fechado e a temperatura é obtida por uma escala gravada no tubo.
Termômetros de resistência elétrica
São termômetros que utilizam a variação da resistência elétrica com a temperatura de um fio de platina. Podem‑se
realizar medições da ordem de um milésimo de grau Celsius.
Termopares
Consistem de dois condutores metálicos diferentes ligados ao ponto de medida. Quando os condutores são aquecidos,
uma diferença de potencial elétrica é produzida. Essa tensão produz uma corrente elétrica cuja intensidade está
relacionada à temperatura.
Pirômetro
É um termômetro de radiação. Todos os corpos emitem radiação, cuja quantidade está relacionada à temperatura do
corpo. É possível medir a temperatura remotamente.

Fonte: <http://repositorios.inmetro.gov.br/bitstream/10926/1364/1/banner_04_temperatura.pdf>. Acesso em: 27 jan. 2013.

Saiba mais

O Inmetro possui um pôster sobre temperatura em seu acervo digital,


no qual destaca a importância das medições exatas da grandeza para a
maioria dos setores da vida humana. Explica também as diferenças entre
os tipos de termômetro (líquidos, de mercúrio ou álcool, termopares e
pirômetros) e entre as escalas de temperatura. Veja no endereço:

<http://repositorios.inmetro.gov.br/bitstream/10926/1364/1/
banner_04_temperatura.pdf>.

1.7 Exemplos resolvidos

Exemplo 1

Faça a conversão das temperaturas indicadas na tabela.

Tabela 5

Temperatura Temperatura Temperatura


T (K) θ (ºC) θ(ºF)
‑ 71
134
100

17
Unidade I

Solução:

9 9
θF = T − 459, 67 θF = , − 459, 67
20115 θF = 97,6ºF
5 5
9 9
θF = θc + 32 134 = .θc + 32 θC = 56,7ºC
5 5

θC = T – 273,15 56,7 = T – 273,15 T = 329,85 K

θC = T – 273,15 θC = 100 – 273,15 θc= – 173,15ºC

9 9
θF = θc + 32 θF = .( −173,15) + 32 θF = – 279,67ºF
5 5

Tabela 6

Temperatura Temperatura Temperatura


T (K) θ (ºC) θ (ºF)
‑ 71
329,85 56,7 134
100 ‑173,15 ‑279,67

Exemplo 2

Em qual temperatura das escalas Celsius e Fahrenheit a leitura é a mesma?

Solução:

9 9
θF = θc + 32 θF= θc θc = θc + 32
5 5
9  9
θc = − θc + 32 1 −  .θc = 32 θc= – 40ºC
5 5

θF= – 40ºC

18
fundamentos da termodinâmica

Exemplo 3

Supondo que, em uma escala linear de temperatura X, a água ferva a – 53,3ºX e se congele a – 170ºX,
qual é a temperatura equivalente a 340 K na escala X?

Tabela 7

Exemplo 4

Em um termômetro de gás perfeito, em volume constante, observaram‑se as grandezas indicadas na


tabela a seguir. Determine a temperatura θ*.

Tabela 8

θ (ºC) h1 (cm) h2 (cm) h = h2 – h1 (cm)


Ponto do gelo 0 15,0 15,5 0,5
Ponto do vapor 100 15,0 21,5 6,5
*
θθ 15,0 19,7 4,7

Solução:

θ= θ0 + b . (h – h0) θ0 = 0ºC h0 = 0,5 cm

19
Unidade I

100
θ= b . (h – 0,5) 100 = b . (6,5 – 0,5) b=
6
50 o 50 50
b= C / cm θ= . (h − 0, 5)o C θ* = . (4, 7 − 0, 5)
3 3 3

θ* = 70ºC
Exemplo 5

Em um termômetro de resistência de platina, observaram‑se as correspondências indicadas na tabela a


seguir. Considerando a equação termométrica linear expressa por θ= a + b . R, determine a temperatura θamb
do ambiente, sabendo que a correspondente resistência do termômetro para o ambiente é Ramb = 3,43 Ω.

Tabela 9

Temperatura Resistência
θ (ºC) R (Ω)
0 3,18
100 4,23

Solução:
θ=a+b.R 0 = a + b . 3,18
100 − 0
100 = a + b . 4,23 b=
4, 23 − 3,18

b = 95,24ºC Ω a = 100 – 95,24 . 4,23

a = – 302,86 Ω θ= – 302,86 + 95,24 . R

θamb = – 302,86 + 95,24 . Ramb θamb = – 302,86 + 95,24 . 3,43

θamb = 23,8ºC

Exemplo 6

O resistor de um termômetro de platina apresenta resistência Rtr = 600 Ω no ponto tríplice da água
e resistência RV = 840 Ω no ponto do vapor. Admitindo que a variação da resistência da platina seja
sensivelmente linear entre os pontos do gelo e do vapor, determine, na escala Kelvin, a temperatura que
corresponde à resistência R = 700 Ω.

20
fundamentos da termodinâmica

Dados: Tg = 273,15 K Ttr = 273,16 K Tv = 373,15 K

Solução:

T=a+b.R Ttr = a + b . Rtr Tv = a + b . Rv

373,15 − 273,1
273,16 = a + b . 600 373,15 = a + b . 840 b=
840 − 600

b = 0,4166 K/Ω a = 373,15 – 0,4166 . 840 a = 23,185 K

T = 23,185 + 0,4166 . R (Ω) T = 23,185 + 0,4166 . 700 T = 314,8 K

Exemplo 7

Certo termômetro de par termoelétrico tem força eletromotriz que varia linearmente com a
temperatura. Observaram‑se os valores da tabela a seguir. Determinar a temperatura θ*.

Tabela 10

Temperatura Força eletromotriz


θ(ºC) E (mV)
Ponto do gelo 0 ‑0,118
Ponto do vapor 100 +0,682
θ* 0,282

Solução:

e = a + b . θ 0,682 = a + b . 100 – 0,118 = a + b . 0

(0, 682 − a) (0, 682 − ( −0,118))


a = – 0,118mV b= b=
100 100

0,285 = – 0,118 + 0,008 .θ* θ* = 50,4ºC

21
Unidade I

Exemplo 9

Em um experimento, um corpo sofre variação de temperatura de ∆θC = 36ºC. Expressar essa variação
de temperatura nas escalas Kelvin e Fahrenheit.

Solução:

θC = T – 273,15 ∆θC = ∆T ∆T = 36ºC

9 9 9
θF = θC + 32 ∆θF = ∆θC ∆θF = .36 ∆θF = 64,8ºF
5 5 5

Exemplo 10

Certos termômetros para motor de automóvel operam com a pressão de vapor P, em atm,
de um líquido encerrado. Para temperaturas entre 60ºC e 120ºC, aplica‑se a esses termômetros,
com aproximação satisfatória, a equação: θ = 100 . P – 50 (ºC). Com base no exposto, complete
a tabela a seguir.

Tabela 11

Temperatura Pressão
θ (ºC) P (atm)
1,10
1,50
1,70
2,00

22
fundamentos da termodinâmica

Solução:

θ = 100 . P – 50(ºC) θ = 100 . 1,10 – 50 θ = 60ºC

θ = 100 . P – 50(ºC) θ = 100 . 1,50 – 50 θ = 100ºC

θ = 100 . P – 50(ºC) θ = 100 . 1,70 – 50 θ = 120ºC

θ = 100 . P – 50(ºC) θ = 100 . 2,00 – 50 θ = 150ºC

Tabela 12

Temperatura Pressão
θ (ºC) P (atm)
60 1,10
100 1,50
120 1,70
150 2,00

Exemplo 11

Em um pirômetro óptico, em intervalo restrito, a temperatura do filamento depende da corrente


elétrica, segundo a função:

θ = a . I + b I2

Verificou‑se a correspondência de valores indicados na tabela. Determinar a temperatura de um


forno para o qual resultou I = 2,50 A.

Tabela 13

Temperatura Corrente Elétrica


θ (ºC) I (A)
800 1,00
2000 4,00

Solução:

θ = a . I + b I2 2000 = a . 4 + b . 42 800 = a . 1 + b . 12

2000 = 4 . a + 16 . b 800 = a + b a = 800 – b

2000 = 4 . (800 – b) + 16 . b 2000 = – 4 . b + 3200 + 16 . b 2000 = 12 . b + 3200

23
Unidade I

(2000 − 3200)
b= b = – 100 a = 800 – (– 100)
12
a = 900 θ = 900 . I – 100 I2 θ = 900 . 2,5 – 100 . 2,52

θ = 1625ºC

Exemplo de aplicação

Utilizando um termômetro de resistência com o objetivo de determinar a temperatura de um corpo


X, obtiveram‑se os valores indicados na tabela anexa.

Pedem‑se:

a) a temperatura Celsius θx, do corpo X;

b) a resistência que corresponde àtemperatura de 152,7ºC.

Dados:

Tabela 14

Resistência Ponto do gelo Ponto do vapor Corpo X


θ (ºC) 0 100
R (Ω) 10 Ω 13,8 Ω 13,96 Ω
Solução:

Resposta: a) θx = 104,2ºC; b) R = 15,8 Ω

2 CALORIMETRIA

O conceito calorimétrico para calor é: “calor é o agente físico que se transfere de um corpo para
outro mais frio, somente por causa do desnível térmico entre ambos”. O conceito termodinâmico para
calor é: “calor é energia que passa de um corpo para outro mais frio devido ao desnível térmico entre
eles”. O princípio da conservação de energia afirma que “energia pode ser transferida de um corpo para
outro, ou convertida de uma forma para outra, mas não pode ser criada ou destruída”.
24
fundamentos da termodinâmica

Resumidamente, afirmamos que: “calor é energia em trânsito”. Calor é uma forma de energia. A
energia pode mudar de forma, mas nunca é aniquilada. Um corpo em movimento apresenta energia
cinética que pode ser transformada em energia potencial. Uma força aplicada a um corpo transfere
energia a esse corpo, e essa energia é medida pelo trabalho da força. Por exemplo, o trabalho da força de
atrito pode ser convertido em calor. Disso se deduz que a energia cinética e a potencial são equivalentes
a calor. Um dos primeiros a discutir essa questão foi o médico alemão Julius Robert Mayer.

A questão que se apresenta é a seguinte:

Qual é a quantidade de calor que corresponde a uma dada quantidade de energia cinética e potencial?

Essa relação é conhecida como o equivalente mecânico do calor. Os experimentos para a obtenção
desse equivalente foram realizados pelo cientista inglês James Prescott Joule. O calor, sendo uma forma
de energia, pode ser medido em unidades de energia como o joule, mas, historicamente, foi adotada
uma unidade independente de quantidade de calor, a caloria. A definição de caloria é a seguinte: “uma
caloria é a quantidade de calor necessária para elevar, com pressão normal, de 14,5ºC para 15,5ºC, a
temperatura de 1 g de água”. O valor do equivalente mecânico do calor é

1 cal = 4,186 J ou1 J = 0,239 cal (10)

2.1 Equação fundamental da calorimetria

Uma substância de massa m, ao receber quantidade de calor Q, sofre variação de temperatura ∆θ.
Vale a equação:

Q = m .c . ∆θ (11)

Na equação anterior, c éo calor específico da substância. Pela definição de caloria, o calor específico
1cal cal
médio da água entre 14,5ºC e 15,5ºC é ca = o
∴ ca = 1 o
1 g. (15, 5 − 14, 5) C gC

O calor específico da água também varia com a temperatura; porém, essa variação é muito pequena e pode
ser desprezada. Para que o calor específico esteja bem definido, é preciso mostrar em quais condições houve a
variação de temperatura. Se o processo de transferência de calor ocorrer em pressão constante, obtém‑se um calor
especifico cP que é diferente caso o processo ocorra com volume constante; nesse caso, o calor específico passa a
ser cV. Para líquidos e sólidos, a diferença entre esses calores específicos é muito pequena, mas para gases são bem
diferentes. A quantidade de calor Q necessária para elevar a temperatura de um corpo de ∆θ é dada pela equação:

Q = C . ∆θ (12)

Na equação demonstrada, C é a capacidade térmica do corpo. Vale também a equação:

C = m . c (13)

25
Unidade I

A tabela 15 apresenta os calores específicos de alguns materiais. Esses valores são válidos para
temperaturas próximas à temperatura ambiente.

Tabela 15 – Calores específicos de várias substâncias

Material Calor Específico

 cal 
c= o 
 g. C 

Água 1,00
Álcool etílico 0,58
Mercúrio 0,033
Gelo 0,53
Vidro 0,20
Latão 0,092
Alumínio 0,215
Cobre 0,0923
Prata 0,0534
Chumbo 0,0305

Fonte: Halliday (2002, p. 148).

2.2 Calor latente

A troca de calor em uma mudança de fase sólido ↔ líquido ou líquido ↔ vapor ocorre sempre sem
variação de temperatura. O calor trocado nessa situação é expresso pela equação:

Q=m.L (14)

Na equação 14, L é uma constante denominada calor latente, que pode ser, conforme a situação,
cal
de fusão ou vaporização. Para a água, o calor latente de fusão é L f = 80 e o de vaporização vale
g
cal
L v = 540 . Na tabela 16, apresentaremos alguns valores para esses calores latentes.
g

Tabela 16 – Calores latentes de fusão e


vaporização para algumas substâncias

Material Calor Latente


Fusão Vaporização
LF (cal/g) LV (cal/g)

26
fundamentos da termodinâmica

Água 79,6 539,2


Mercúrio 2,72 70,7
Cobre 49,5 1130,5
Prata 25,1 558,3
Chumbo 5,5 205,1
Hidrogênio 13,9 108,7
Oxigênio 3,32 50,9

Fonte: Halliday (2002, p. 149).

2.3 Equação calorimétrica

No interior de um calorímetro de mistura, perfeitamente adiabático, quando diversos corpos trocam


calor entre si, ao contabilizar essas trocas, deve‑se aplicar a equação calorimétrica dada por:

∑ m .c. ∆θ + ∑( ± m . L ) = 0 (15)

A soma dos calores trocados entre os corpos com variação de temperatura e com mudança de fase
é igual a zero, desde que não haja troca de calor com o ambiente externo.

2.4 Exemplos resolvidos

Exemplo1
m
Um corpo de massa10 kg, com velocidade de 10 , choca‑se com uma parede, perdendo toda a sua
s
energia cinética (choque inelástico). Qual é a energia, em calorias, transferida para o ambiente?

Solução:

Nesse caso, toda a energia cinética é transformada em calor. A energia cinética de um corpo é dada
pela expressão:
1
Ec = mv2 (16)
2
1
Ec = 10102
2 Ec = 500 J 1 J = 0,239 cal

Ec = 500 . 0,239 Ec = calor = Q = 119,5 cal.

27
Unidade I

Exemplo 2

Uma resistência de R = 136 Ω é imersa em uma massa ma = 2000 g de água. Quando uma corrente
o
C
elétrica de I = 2A atravessa o resistor, a temperatura da água aumenta à taxa k = 4, 0 . O calor
min
cal
específico da água é ca = 1 o . Determine o equivalente mecânico do calor relativo a este experimento.
gC
Solução:

A potência elétrica recebida pelo resistor é Pelétrica = RI2 Pelétrica = ∆E


∆t

∆E = Pelétrica . ∆t ∆E = RI2 . ∆t Q = ma .ca . ∆T

Q = ∆E ma . ca . ∆T = RI2∆t ma . ca . ∆T = RI2∆t

∆T  4, 0  2
ma .ca . = RI2 ma . ca . K = R . I2  200.1, 0.  cal / s = (136. 2 ) J
∆t 60

(2000 . 1,0 . 4,0) cal = (136 . 22) . 60 J 8000 cal = 32640 J

32640
1 cal = J 1 cal = 4,08 J
8000

Exemplo 3

Uma amostra sólida de massa m e calor específico c é aquecida até uma temperatura T. Em seguida,
ela é imersa no interior de uma massa ma de água, de calor específico ca, contida em um recipiente
de paredes adiabáticas e capacidade térmica C. A água e o recipiente estão inicialmente em mesma
temperatura T0, sendo T0< T. Após estabelecer‑se o equilíbrio térmico, o sistema atinge a temperatura
de equilíbrio Te. A capacidade térmica do recipiente é C. As paredes adiabáticas não permitem troca de
calor com o ambiente externo. Determine o calor específico c da amostra. Faça uma aplicação numérica
para os valores indicados a seguir.
cal
Dados: m = 500 g T = 120ºC Ca = 1 ma = 250g T0 = 25ºC
go C
cal
Te = 40ºC C = 150
go C
Solução:

A quantidade de calor perdida pela amostra é transferida para a água e também para o recipiente.
Logo, vale o que segue.

28
fundamentos da termodinâmica

maca(θe − θ0 ) + C(θe − θ0 ) + mc(θe − θ0 ) = 0

(maca + C )(θe − θ0 ) + mc(θe − θ0 ) = 0 ∴(maca + C )(θe − θ0 ) = −mc(θe − θ)∴

(maca + C)(θe − θ0 ) (250.1 + 150)(40 − 25) cal


c= ∴c = ∴ c = 0,15 o
−m(θe − θ) −500(40 − 120) gC
Exemplo 4

Um calorímetro de cobre de massa 50 g contém 280 g de água à temperatura inicial de 90ºC.


Introduz‑se, no calorímetro, um bloco de alumínio à temperatura de 10ºC. A temperatura de
cal
equilíbrio da mistura é de 60ºC. O calor específico do cobre é ccobre = 0,095 , o do alumínio é de
go C
cal cal
calumínio= 0,220 e o da água é ca= 1,0 . Determine a massa do bloco de alumínio.
go C go C

Exemplo 5

Um pedaço de gelo de massa 200 g encontra‑se inicialmente à temperatura de –50ºC. A temperatura


de fusão da água é 0ºC e a de vaporização é de 100ºC. Determine a quantidade de calor necessária
para que esse corpo seja transformado em vapor na temperatura de 130ºC. O calor específico do gelo é
cal cal cal
0,5 , da água é 1,0 e do vapor é 0,5 .
go C go C go C

Exemplo 6
Um pedaço de gelo de massa100 g, estando inicialmente à temperatura de –40ºC, é introduzido em um
recipiente de capacidade térmica desprezível e que contém 50 g de água à temperatura de 90ºC. Determine
a temperatura de equilíbrio do sistema e a correspondente quantidade de água e gelo que restam no final.

29
Unidade I

Exemplo 7

Considerando o exemplo anterior, determine o valor que deveria ter a massa do gelo para que a
temperatura de equilíbrio do sistema fosse de +10ºC.

Solução:

Nessa situação, todo o gelo seria derretido, atingindo uma temperatura positiva. Logo, é necessário
acrescentar mais um termo na equação do exemplo 4, resultando em:

Mgelo .0,5 .(0 – (– 40)) + mgelo . 80 + mgelo .1,0 . (10 – 0) + 50 .1,0 . (10 – 90) = 0

20 .mgelo + 80 . mgelo + 10 . mgelo – 4000 = 0

110 .mgelo – 4000 = 0

mgelo = 36,36 g

Na tabela a seguir, estão os valores em calorias para os processos separados.

30
fundamentos da termodinâmica

Tabela 18

Calor para levar o gelo de – 40ºC até 0ºC 36,36 .0,5 . (0 – (– 40)) = 727,2 cal
Calor para fundir o gelo 36,36 . 80 = 2908,8 cal
Calor para levar o gelo derretido de 0ºC até 10ºC 36,36 .1 . (10 – 0) = 363,6 cal
Calor para levar a água de 80ºC até 10ºC 50 .1,0 . (10 – 90) = – 4000 cal
(727,2) + (2908,8) + (363,6) + (– 4000) ≅ 0

Exemplo 8

Em um recipiente de capacidade térmica desprezível, coloca‑se água a 0ºC. São adicionados 2 kg


de vapor de água a 100ºC. O equilíbrio térmico se estabelece a 100ºC. O calor latente de vaporização da
água é 540 cal . Determine a massa de água para que reste apenas água no equilíbrio térmico.
g
Solução:

Tabela 19

Calor para levar a água de 0ºC até 100ºC ma . 1,0 . (100 – 0) = 100 . ma

Calor para condensar o vapor de água – 2000 . 540 = – 1080000 cal

1080000
100 ma +(– 1080000) = 0 ma = = 10800 g ma = 10,8 kg
100
Exemplo 9

Misturam‑se 2 kg de vapor de água a 100ºC com certa quantidade de gelo a – 20ºC, resultando em
uma mistura de água e gelo em partes iguais de massa. Determine a massa inicial de gelo.

Solução:

A condição do enunciado exige que:


mgelo − 2000
2000 + mgelo derretido= mgelo – mgelo derretido mgelo derretido =
2
mgelo derretido= 0,5 . mgelo– 1000

Quando, numa mistura, restam água e gelo em equilíbrio térmico, a temperatura final é 0ºC.
Na tabela que segue, estão os calores trocados pelas partes entre a situação inicial até a situação
final.

31
Unidade I

Tabela 20

Calor para levar o gelo de –20ºC até 0ºC mgelo . 0,5 . (0 – (–20)) = 10 . mgelo

Calor para fundir uma parte do gelo mgelo derretido. 80


Calor p/cond/2 kgde vapor d/água a/100ºC – 2000 . 540 = – 1080000 cal
Calor para levar 2 kg de água condensada de 100ºC para 0ºC 2000 .1,0 . (0 – 100) = – 200000 cal

10 . mgelo + 80 . mgelo derretido+ (– 1080000) + (– 200000) = 0

10 . mgelo + 80 . mgelo derretido= 1280000 10 . mgelo + 80 . (0,5 .mgelo – 1000) = 1280000

10 . mgelo + 40 . mgelo – 80000 = 1280000 50 . mgelo = 1360000

mgelo = 27200 g mgelo = 27,2 kg

Exemplo 10

cal
Para o álcool etílico, temos o seguinte: calor latente de vaporização Lálcool = 202 ; calor específico
g
cal
no estado líquido Cálcool = 0,65 o ; ponto de ebulição 78ºC. Deseja‑se condensar 1000 g de álcool
gC
etílico em estado de vapor a 78ºC, convertendo‑o em líquido a 20ºC, extraindo calor mediante água que
se encontra inicialmente a 13ºC. Determine a massa de água estritamente necessária.

Solução:

ma . 1,0. (20 – 13) + (– 1000 . 202) + 1000 . 0,65 . (20 – 78) = 0

ma = 34,24 kg

Exemplo de aplicação

Em um recipiente, com capacidade térmica desprezível, faz‑se a mistura de gelo e água. Determine:

a) a temperatura de equilíbrio térmico;

b) a massa de gelo e a água que sobram após o equilíbrio térmico.


cal cal cal
Dados: cgelo = 0,5 ca = 1,0 LF = 80
goC goC goC

32
fundamentos da termodinâmica

Tabela 21

Antes da mistura Depois da mistura


Gelo Água Gelo Água Temp./equil.
mg (g) θg (ºC) ma (g) θa (ºC) mg (g) ma (g) θe (ºC)
100 – 20 500 25
Solução:

Resposta: a) b) mg = e ma = g

3 Gases Perfeitos

Para qualquer sistema material composto de entidades elementares iguais entre si, vale a
definição:

”Mol é a quantidade de matéria contendo tantas entidades elementares quantos átomos existem em
12,000 g de carbono 12”. As medições conduzem à constante de Avogadro:

NA = 6,023 . 1023 mol–1 (17)

Em um gás perfeito, em condições normais de temperatura e pressão, um mol ocupa o volume:

Vmn = 22,4136 . 10–3 m3 (18)

As leis de Boyle‑Mariotte, Charles, Gay‑Lussac e Avogadro são reunidas na equação de Clapeyron,


válida para gás perfeito:

P . V = n .R . T (19)

No Sistema Internacional de Unidades, medem‑se: pressão P em Pascal,


N
“Pa = 2
”, volume V em metros cúbicos, m3, temperatura T em Kelvin, K, número de moles n em
m
mol, mol.

33
Unidade I

A constante R pode ser calculada em qualquer estado de um corpo de gás perfeito, por exemplo,
aplicando os valores a seguir:

n = 1 mol P = 101325 Pa V = 22,4136 . 10–3 m3

T = 273,15 K

Obtém‑se:
J
R = 8, 3143 (20)
mol . K
O número de moles n de uma quantidade de gás corresponde ao quociente entre o número de
moléculas N contidas no gás e o número de Avogadro NA.
N
n= (21)
NA
O número de moles n também pode ser calculado por meio do quociente entre a massa m do gás e
a massa molecular M do gás. A massa molecular M do gás é a massa de um conjunto de moléculas igual
ao número de Avogadro.
m
n= (22)
M

Observação

Em sua tese de doutoramento, Albert Einstein, em 1905, descreveu um


novo método teórico para determinar raios moleculares e o número de
Avogadro. No estudo de soluções de açúcar em água, foi obtido o valor
de 2,1 . 1023 mol–1. Em 1910, descobriu‑se um erro em uma das equações
utilizadas por Einstein, e o valor foi corrigido para 6,6 . 1023 mol–1.

3.1 Equação de energia interna

No gás perfeito, as moléculas são partículas de volume desprezível que interagem somente durante
eventual colisão, não havendo, portanto, coesão molecular e energia potencial interna. As colisões são
perfeitamente elásticas (a energia cinética antes da colisão é igual à energia cinética após a colisão), e
o movimento das partículas é caótico. A somatória da energia cinética das moléculas do gás perfeito
representa a sua energia interna U, que segue a lei de Joule, expressa pela equação:

U = n .CV . T (23)

34
fundamentos da termodinâmica

Na equação anterior, CV representa o calor específico molar do gás em volume constante. A energia
interna do gás perfeito só varia com a temperatura. Todos os gases que realmente existem são chamados
de gases reais. Quando bastante rarefeitos, eles comportam‑se muito aproximadamente como gás
perfeito.

3.2 Equação de calor

Para um gás perfeito, a troca de calor com o ambiente externo é calculada utilizando a equação
fundamental da calorimetria, mas, ao invés de utilizar a massa m do gás, exprime‑se o calor utilizando
o número de moles n do gás, como mostrado a seguir.
m
Q = m . c . ∆T n= m=n.M Q = (n . M) . c . ∆T
M
Q = n . (M . c) . ∆T C = n . M

Q = n .C . ∆T C = calor específico molar (24)

A equação 24 expressa o calor trocado pelo gás em função do calor específico molar C do gás.
Esse calor específico depende do processo a que o gás é submetido. Quando o processo é isométrico, a
equação de calor é expressa por:

Q = n . CV . ∆T (25)

Na equação anterior, CV é o calor específico molar do gás, mantido o volume constante.

Quando o processo é isobárico, a equação de calor é expressa por:

Q = n .CP . ∆T (26)

Na equação acima,CP é o calor específico molar do gás com a pressão mantida constante. Esses
calores específicos obedecem a uma relação conhecida como relação de Mayer, expressa por:

CP –CV = R (27)

Na equação, R é a constante universal dos gases perfeitos.

3.3 Equação de trabalho

Um corpo gasoso em equilíbrio ocupa volume V enquanto exerce e sofre pressão P. Em uma
transformação lenta, o volume sofre incremento diferencial dV (dV > 0 em expansão, dV < 0 em
compressão). O trabalho que o gás troca com o ambiente externo é:

dW = P . dV (28)

35
Unidade I

Em uma transformação finita entre os estados (1) e (2), o trabalho é expresso por:

V2
W12 = ∫ P. dV (29)
V1

Em um diagrama cartesiano de pressão versus volume, o trabalho W12 é representado pela área sob
a curva no intervalo de integração, conforme mostrado na figura a seguir.
P

(1)

(2)

W12 > 0

Figura 3

Na figura, a área sombreada é o trabalho realizado pelo gás em uma expansão, partindo do volume
V1 e chegando até o volume V2.

Lembrete

O trabalho é a energia que o gás transfere ou recebe do ambiente


externo, devido a uma mudança de sua fronteira, ou seja, quando ocorre
alteração de seu volume. Por exemplo, suponha uma panela de pressão
fechada que contenha somente ar no seu interior. Quando colocada no
fogão, a chama irá aquecer o ar interno, mas não haverá troca de trabalho,
devido ao fato de o volume de ar permanecer constante no seu interior.

3.4 Exemplos resolvidos

Exemplo 1

O ouro possui massa molar de M. Quantos átomos existem em uma amostra de m de ouro?

36
fundamentos da termodinâmica

Dado: NA = 6,02 .1023 mol–1 M = 197 g/mol m = 5,00 g

Solução:
M 197
mátomo = mátomo = mátomo = 3,27 . 10–22g
NA 23
6, 02.10

m 5, 00
Nátomos= Nátomos= Nátomos= 1,53 . 1022 átomo
matomo −22
á 3, 27.10

Exemplo 2
N
Uma quantidade de gás perfeito está à temperatura de 400 K, à pressão de 200000 2 , e ocupa um
volume de 5,00 m3. Qual é o número de moles n do gás? m

J
Dado: R = 8, 31
molk
.
Solução:
1 P. V 1 200000.5
P .V = n . R . T n= . n= . n = 30,084 mol
R T 8, 31 400
Exemplo 3

Um bom vácuo produzido em laboratório corresponde a uma pressão de 1 . 10–18 atm. Quantas
moléculas por centímetro cúbico existem nesse vácuo na temperatura de 300 K?
J N
Dados: R = 8, 31 NA = 6,02 . 1023 mol–1 1 atm = 105 2
mol .K m
Solução:
N N
1.10 −18 atm = 1.10 −18.105 2
= 1.10 −13
m m2
N 1 P. V
n= P . V = n .R . T n= .
NA R T
N 1 P. V
= . N NA P N 6, 02.1023 1.10 −1
= . = .
NA R T V R T V 8, 31 300
N
= 24,15.106 moléculas m2 1m = 100 cm 1m3 = 106 cm3
V
N
= 24,15 moléculas/cm3
V

37
Unidade I

Exemplo 4

Calcule a energia interna U de um gás perfeito, com número de moles n, na temperatura de 27ºC. O
3
calor específico molar do gás em volume constante é C V = R .
2
J
Dados: R = 8, 31 n = 1 mol
mol .K
Solução:

3 3 J
CV = R C V = 8, 31 = 12, 48
2 2 mol .K
27ºC = (27 + 273) K = 300 K U = 1 .12,48 . 300

U = 3744 J

Exemplo 5

Qual é a massa de 8 . 1024 átomos de oxigênio, cuja massa molar vale 0,032 kg/mol??

Dado: NA = 6,02 . 1023 mol–1

Solução:

mátomo= M mátomo = 0, 032 mátomo = 5,32 . 10–26 kg


NA 6, 02.1023

m = Nátomos .mátomo Nátomo= 8 . 1024 átomos

m = 8 .1024 . 5,32 . 10–26 m = 0,4256 kg (resposta)

Exemplo 6

Um gás perfeito está com volume V1, submetido à pressão P1 e à temperatura T1. Deseja‑se aumentar
sua pressão até P2 sem modificar o seu volume. O calor específico do gás em volume constante é
3
C V = R . Determine o calor trocado com o ambiente externo nesse processo.
2
Dados: V2 = V1 = 5 . 10–3 m3 P2 = 8 . 105 N P1 = 6 . 105 N
m2 m2
Solução:
P2 . V2 = n .R . T2 P1 . V1 = n .R . T1

38
fundamentos da termodinâmica

P2 . V2 – P1 . V1 = n .R . T2 – n .R .T1 P2 . V2 – P1 . V1 = n . R . (T2 – T1)

3
Q12 = n .CV . (T2 – T1) Q12 = n . R.( T2 − T1)
2
3 3
Q12 = (n .R . T2 − n .R . T1) Q12 = (P2 . V2 − P1. V1)
2 2
3
V2 = V1 Q12 = . V1.(P2 − P1)
2
3 3
Q12 = . 5.10 −3.(8.105 − 6.105 ) Q12 = . 5.10 −3.(8.105 − 6.105 )
2 2
Q12 = 1500 J

Exemplo 7

Um corpo de gás perfeito com massa m encontra‑se com volume V1 e está submetido à pressão
P1. O gás sofre uma compressão isobárica até a pressão V2. O calor específico molar do gás em pressão
5
constante é CP = R . Determine o calor trocado com o ambiente externo nesse processo.
2
N N
Dados: P1 = P2 = 12.10
5
2
V2 = 4.10 −3 2 V1 = 6 . 10–3 m3
m m
Solução:
P2 . V2 = n .R . T2 P1 . V1 = n .R . T1

P2 . V2 – P1 . V1 = n .R . T2 – n .R . T1 P2 . V2 – P1 . V1 = n .R . (T2 – T1)

5
Q12 = n .CP . (T2 – T1) Q12 = R.( T2 − T1)
2
5 5
Q12 = (n .R . T2 − n .R . T1) Q12 = (P2 . V2 − P1. V1)
2 2
5
P2 = P1 Q12 = .P .( V − V )
2 1 2 1
5
Q12 = .12.105.(4.10 −3 − 6.10 −3 ) Q12 = – 6000 J
2

39
Unidade I

Exemplo 8

O diagrama de pressão versus volume da figura a seguir representa as transformações sofridas por
um gás perfeito com um número de moles n = 1 mol. Determine o trabalho trocado com o ambiente
externo nos processos AB, ACB e ADB.
x 105
3,5
A C
3

2,5

2
P(N/m2)

1,5

1
D B
0,5

0
0 0,005 0,01 0,015 0,02 0,025 0,03 0,035 0,04
V (m3)

Figura 4
Solução:

Por inspeção na figura 4, obtemos os valores da tabela a seguir:

Tabela 22

A B C D
Pressão (N/m )2
3 . 10 5
1 . 10 5
3 . 10 5
1 . 105
Volume (m3) 0,01 0,03 0,03 0,01

(PA + PB ) (3.105 + 1.105 )


WA→B = .( VB − VA ) WA→B = .(0, 03 − 0, 01) WA→B = 4000 J
2 2

WA→C = PA . (VC – VA) WA→C = 3 .105 . (0,03 – 0,01) WA→C = 6000 J

WC→B = 0 WA→C→B = WA→C + WC→B WA→C→B = 6000 J

WA→D = 0 WD→B = PD . (VB – VD) WD→B = 1 .105 . (0,03 – 0,01)

WD→B = 2000 J WA→D→B = 2000 J

40
fundamentos da termodinâmica

Exemplo 9

O diagrama de pressão versus volume da figura a seguir representa as transformações sofridas por um
gás perfeito com um número de moles n = 1 mol. O calor específico molar do gás em volume constante é
3
C V = R . Determine a variação de energia interna ∆U do gás nas transformações AB, ACB e ADB.
2
x 105
3,5
A C
3

2,5
P(N/m2)

1,5

1
D B
0,5

0
0 0,005 0,01 0,015 0,02 0,025 0,03 0,035 0,04
V (m3)

Figura 5

Solução:

Por inspeção na figura 5, obtemos os valores da tabela a seguir:

Tabela 23

A B C D
Pressão (N/m2) 3 . 105 1 . 105 3 . 105 1 . 105
Volume (m3) 0,01 0,03 0,03 0,01

A variação de energia interna de um gás perfeito em um intervalo de temperatura ∆T é ∆U = n .CV . ∆T.


Então, em uma transformação qualquer entre os estados inicial (1) e final (2), vale:

3
∆U12 = n .CV . (T2 – T1) ∆U12 = n. R.( T2 − T2 )
2
3
∆U12 = (nR
. .T2 − nR
. .T1) P2 . V2 – P1 . V1 = (n . R . T2 – n . R . T1)
2
3 3
∆U12 = .(P2 . V2 − P1. V1) ∆U12 = .(P2 . V2 − P1. V1)
2 2

41
Unidade I

Logo,
3 3
∆UAB = .(PB . VB − PA . VA ) ∆UAB = .(1.105.0, 03 − 3.105.0, 01) = 0
2 2
3 3
∆UAC = .(PC . VC − PA . VA ) ∆UAC = .(3.105.0, 03 − 3.105.0, 01) = +9000
2 2
3 3
∆UCB = .(PB . VB − PC . VC ) ∆UCB = .(3.105.0, 03 − 3.105.0, 03) = −9000 J
2 2

∆UACB = ∆UAC + ∆UCB ∆UACB = (+9000) + (– 9000) = 0

3 3
∆UAD = .(PD . VD − PA . VA ) ∆UAD = .(1.105.0, 01 − 3.105.0, 01) = −3000 J
2 2
3 3
∆UDB = .(PB . VB − PD . VD ) ∆UDB = .(1.105.0, 03 − 1.105.0, 01) = +3000 J
2 2

∆UADB = ∆UAD + ∆UDB ∆UADB = (–3000) + (+ 3000) = 0

Exemplo 10

Um cilindro contém 24  de oxigênio na temperatura de 40ºC e na pressão de 30 atm. A temperatura


é elevada para 70ºC e o volume é reduzido para 8,5  . Considerar o gás ideal. Qual é a pressão final do
gás em atmosferas?
N
Dado: 1  = 10–3 m3 1 atm = 105
m2
Solução:
24  = 24. 10–3 m3 17  = 17 . 10–3 m3

40ºC = (40 + 273)K = 313 K 70ºC = (70 + 273)K = 343 K

N
30 atm = 30.105 P=?
m2
P. V
P . V = n .R . T n.R =
T
30.105.24.10 −3 P.17.10 −3 30.105.24 P.17
n.R = = =
313 343 313 343

42
fundamentos da termodinâmica

343 24 N
P= . .30.105 P = 46, 4.105
313 17 m2

P = 46,4 atm

Exemplo de aplicação

Um gás perfeito realiza uma transformação termodinâmica representada pelo diagrama de pressão
versus volume. Determine:

a) o número de moles n do gás e a temperatura T2;

b) o calor Q12 e o trabalho W12 trocados com o ambiente externo;

c) a correspondente variação de energia interna ∆U12 do gás.


atm. 3
Dados: R = 0, 0831 ; T1 = 400 K; CV = R
molK
. 2

8
7
(1)
6

5
P (atm)

3
(2)
2

0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
V (I)

Figura 6

Solução:

Resposta: a) n = 0,36 mol; b) Q12 = 30 atm .  e W12 = 24 atm .  ; c) ∆U12 = 6 atm . 

43
Unidade I

4 Primeira lei da termodinâmica

O princípio de conservação de energia para um processo termodinâmico é expresso pela primeira


lei da termodinâmica. Essa lei mostra como trocas de energia de um sistema, na forma de calor Q ou
de trabalho W, separada ou simultaneamente com o ambiente externo, modificam a própria energia
do sistema. A energia do sistema será denominada de energia interna U, representando toda a energia
que está armazenada. Resumidamente, seria a somatória da energia cinética das moléculas do sistema
mais a somatória da energia de interação entre essas moléculas. O ambiente externo, estando em uma
temperatura diferente da do sistema, pode trocar calor com ele. Ocorrendo uma variação no volume do
sistema, haverá troca de trabalho com o ambiente externo. O calor e o trabalho são energias transferidas
entre o sistema e o ambiente externo, denominadas energias em trânsito. A quantidade de calor Q e o
trabalho W trocados com o ambiente externo dependem do processo ao qual o sistema é submetido,
porém a variação de energia interna ∆U não depende do processo, somente do estados final e inicial do
sistema.

Entendendo o Universo como a união do sistema com o ambiente externo, sua energia é sempre a
mesma. Com base nesse princípio, exprime‑se a primeira lei da termodinâmica por:

∆U = Q – W (30)

O calor é considerado positivo quando entra no sistema e negativo quando sai. O trabalho
é considerado positivo quando sai do sistema (expansão) e negativo quando entra (compressão). A
primeira lei da termodinâmica é válida para sistemas sólidos, líquidos, gasosos ou para uma mistura
desses estados; porém, neste livro‑texto, a sua aplicação será feita somente para um sistema no estado
gasoso, considerado gás perfeito. Um gás perfeito possui três variáveis de estado: a pressão P , o volume
V e a temperatura T . Quando duas dessas variáveis são conhecidas, a terceira fica determinada pela
equação de Clapeyron. A energia interna U do gás perfeito depende somente de sua temperatura T .

4.1 Transformações termodinâmicas

Um gás perfeito pode ser submetido a uma infinidade de transformações termodinâmicas distintas,
classificadas segundo suas propriedades particulares. Seguindo esse critério, vamos estudar as
transformações isométrica, isobárica, isotérmica e adiabática. A seguir, iremos aplicar a primeira lei da
termodinâmica separadamente de cada uma dessas transformações, utilizando o gráfico cartesiano da
pressão versus o volume. Esse gráfico é denominado diagrama PV.

4.1.1 Transformação isométrica (Volume constante --- trabalho é nulo)

Nessa transformação, o gás mantém o seu volume constante; portanto, não há troca de trabalho com
o ambiente externo. Há alteração de temperatura do gás, implicando troca de calor com o ambiente
externo e também variação de energia interna. Na próxima figura está representado, em diagramaPV,
um processo isométrico realizado por um gás perfeito de calor específico molar em volume constante
3
C V = R . Aplicando a primeira lei:
2
44
fundamentos da termodinâmica

∆U12 = Q12 – W12 W12 = 0 ∆U12 = Q12

Q12 = n .CV . (T2 – T1) ∆U12 = n .CV . (T2 – T1)

P2 . V2 = n .R . T2 P1 . V1 = n .R . T1 V2 = V1

P2
(2)

isométrica
P(atm)

P1
(1)
V1 = V2

V (I)

Figura 7

Na figura, está representado o diagrama PV de uma transformação isométrica. No sentido 1 → 2, a


temperatura do gás aumenta.

4.1.2 Transformação isobárica (pressão constante)

Nessa transformação, o gás mantém a sua pressão constante, havendo variação de volume e
temperatura. Há troca de trabalho com o ambiente externo. A alteração de temperatura do gás
implica variação de energia interna e troca de calor com o ambiente externo. Na próxima figura está
representado, em diagrama PV, um processo isobárico realizado por um gás perfeito de calor específico
3
molar em volume constante C V = R . Aplicando a primeira lei:
2

∆U12 = Q12 – W12 W12 = P2 . (V2– V1) Q12 = n .CP . (T2 – T1)

∆U12 = n .CV . (T2 – T1) n .CV . (T2 – T1) = n .CP . (T2 – T1) – P2 . (V2 – V1)

n .CV . (T2 – T1) = n .CP . (T2 – T1) – (P2 . V2 – P1 . V1)

P2 . V2 = n .R . T2 P1 . V1 = n .R . T1 P2 = P1

45
Unidade I

(P2 . V2 – P1 . V1) = n . R . (T2 – T1)

n .CV . (T2 – T1) = n .CP . (T2 – T1) – n .R . (T2 – T1) CV = CP – R

CP – CV = R (relação de Mayer) (31)


P

P1 = P2
(1) isobárica (2)

W12

Figura 8

No diagrama PV, está representada uma transformação isobárica. A área sob a transformação
representa o trabalho trocado com o ambiente externo. No sentido 1 → 2, aumenta a temperatura do
gás.

4.1.3 Transformação isotérmica T=cte ∆U=0

Nessa transformação, o gás mantém a sua temperatura constante, havendo variação de volume e
pressão. Há troca de trabalho com o ambiente externo. Não há variação de energia interna. Há troca
de calor com o ambiente externo. Na figura a seguir está representado, em diagrama PV, um processo
3
isotérmico realizado por um gás perfeito de calor específico molar em volume constante C V = R .
Aplicando a primeira lei: 2

U12 = Q12 – W12 W12 ≠ 0 ∆U12 = n .CV . (T2 – T1)

P2 . V2 = n .R .T2 P1 . V1 = n .R . T1 T2 = T1

P2 . V2 = P1 . V1 ∆U12 = 0 0 = Q12 – W12

46
fundamentos da termodinâmica

V2
Q12 = W12 W12 = ∫ P.dV P . V = n .R .T
V1

V2
n .R . T n .R . T
T = cte P=
V
W12 = ∫ V
.dV
V1

V2
1 V 
W12 = n .R . T . ∫ .dV W12 = n .R . T .In  2  n .R . T = P2 . V2 = P1 . V1
V1
V  V1 

V  V 
W12 = P2 . V2 .In  2  ou W12 = P1 . V1 .In  2 
 V1   V1 

3,5

3
(1)
2,5
P (atm)

2 Isotérmica

1,5
(2)
1
W12 > 0
0,5

0
0 5 10 15 20 25 30 35 40
V (I)

Figura 9

47
Unidade I

No diagrama PV, está representada uma transformação isotérmica. A área sob a transformação
representa o trabalho trocado com o ambiente externo. Por inspeção na figura,temos: P1 = 2,5 atm,
V1 = 10  , P2 = 1 atm, V2 = 25  . Esses valores confirmam o produto P . V = cte em uma isotérmica.

4.1.4 Transformação adiabática

Nessa transformação, o gás não troca calor com o ambiente externo, havendo variação de volume,
pressão e temperatura. Há troca de trabalho com o ambiente externo e ocorre variação de energia
interna. Na figura a seguir está representado, em diagrama PV, um processo adiabático realizado por um
3
gás perfeito de calor específico molar em volume constante C V = R . Aplicando a primeira lei:
2
∆U12 = Q12 – W12 W12 ≠ 0 ∆U12 = CV . (T2 – T1)
P2 . V2 = n . R . T2 P1 . V1 = n . R .T1

∆U12 = Q12 – W12 Q12 = 0 ∆U12 = n . CV . (T2 – T1)


∆U12 = – W12 P . V = n .R . T

dU = dQ – dW dQ = 0 dW = P . dV
dU = n . CV .dT dU = – dW n .Cv .dT = – P . dV
P . dV + V .dP = n . R . dT – n .CV .dT + V . dP = n . R .dT
– n .CV .dT + V . dP = n . R . dT V .dP = n . R .dT + n . CV .dT
V . dP = n . (R + CV) . dT R + CV = CP
V . dP = n . CP . dT P . dV = – n .CV .dT

V . dP n . CP . dT V . dP CP
= =
P. dV n . C V . dT P. dV C V

CP V . dP
=γ = −γ
CV P. dV
dP dV dP dV
P
= –γ .
V ∫P = –γ .∫
V
In (P) = – γ . In(V) + cte In (P) + – γ . In(V) + cte

Chega‑se à equação da transformação adiabática:

P . Vγ = cte (31)

48
fundamentos da termodinâmica

V2 V2 V2
cte dV
W12 = ∫ P. dV W12 = ∫ V γ . dV W12 = cte . ∫

V1 V1 V1

V2 V2 V2
−γ V − γ +1 V − γ .V
W12 = cte . ∫ V . dV W12 = cte . W12 = cte.
−γ + 1 V1 1− γ V1
V1

P2 . V2
P. V
P = cte . V –γ W12 =
1− γ P1. V1

Chega‑se à equação de trabalho da transformação adiabática:


(P2 . V2 − P1. V1) (32)
W12 =
1− γ

3,5

3
5
2,5
(1) γ=
3
P (atm)

2
Adiabática
1,5
Isotérmica
1

0,5 W12 > 0 (2)

0
0 5 10 15 20 25 30 35 40
V (I)

Figura 10

No diagrama PV, está representada uma transformação adiabática. A área sob a


transformação representa o trabalho trocado com o ambiente externo.

49
Unidade I

4.2 Transformações cíclicas

Um gás perfeito executa uma transformação cíclica quando o estado final do gás coincide com seu
estado inicial. Nessa situação, necessariamente a temperatura final e a temperatura inicial do gás são
iguais; isso implica que, em uma transformação cíclica, a variação de energia interna do gás é nula, ou seja:

∆Uciclo= 0 (33)

A primeira lei da termodinâmica fica apresentada como:

∆Uciclo = Qciclo – Wciclo ∴ ∆Uciclo = 0 ∴ Qciclo = Wciclo (34)

Em diagrama PV, o trabalho no ciclo é igual a sua área interna. Quando é percorrido no sentido
horário, o trabalho no ciclo é positivo. Quando é percorrido no sentido anti‑horário, o trabalho no ciclo
é negativo. Na próxima figura está representado, em diagrama PV, um processo cíclico realizado por um
3
gás perfeito de calor específico molar em volume constante C V = R . Esse ciclo é constituído pelas
transformações: 2

50
fundamentos da termodinâmica

Adiabática (1 → 2), isométrica (2→3) e isotérmica (3→1). A seguir, estão os valores de pressão e
volume dos estados 1, 2 e 3 do gás.

5
γ=
(1) 3
P

Isotérmica

Adiabática (3)
Wciclo < 0
Isotérmica
(2)

Figura 11

51
Unidade I

No diagrama PV, está representada uma transformação cíclica. A área interna ao ciclo é o
trabalho trocado com o ambiente externo, que é igual também ao calor trocado com o ambiente
externo (Wciclo = Qciclo).

Lembrete

Um ponto do gráfico de pressão versus volume representa um estado


para o gás. A temperatura é obtida pela equação de Clapeyron. Quando
um gás evolui em um processo cíclico, sua variação de energia interna é
sempre nula.

4.3 Exemplos resolvidos

Exemplo 1

Um corpo de ar com massa m = 1000 g, considerado gás perfeito, encontra‑se em temperatura


T1 = 300 K e pressão P1 = 1 atm. O ar sofre compressão adiabática até a pressão P2 = 5 atm. Determinar:

a) a temperatura final T2;

b) o calor Q12, o trabalho W12 e a variação de energia interna ∆U12.


3 J
Dados: M = 28,9 g/mol; C V = R; R = 8, 314
2 mol.K
Solução:

a)
5 /3
 V1  5
P1. V1γ = P2 . V y 1. V15/3 = 5. V25/3  V  = =5
2
2 1

V1 P1. V1 P2 . V2 1. V1 5. V2
= 53/5 = 2, 63 = =
V2 T1 T2 300 T2

V1 5. 300 5. 300
= 2, 63 =
V2 1. T2 1. T2

5. 300
T2 =
2, 63 T2 = 570 K

52
fundamentos da termodinâmica

b)

∆U12 = Q12 – W12

Q12 = 0 W12 = – ∆U12

m 1000 3 3
n= = = 34, 6 mol C V = .R = . 8, 314
∆U12= n .CV . (T2 – T1) M 28, 9 2 2

J
C V = 12, 471
mol.K

W12 = – 116504 J

∆U12= 34,6 .12,471 . (570 – 300)

∆U12= 116504 J

Exemplo 2

Um corpo de ar que se comporta como gás perfeito é submetido, de modo reversível, a uma
transformação cíclica, representada no diagrama PV a seguir. Determinar o trabalho realizado pelo gás
no ciclo e o calor recebido pelo gás na transformação 2 → 3.
3
Dado: C V = R
2
8
7
(2)
6

5
P(atm)

3
(3)
2
(1)
1

0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
V (I)

Figura 12

53
Unidade I

Solução:

Por inspeção na figura, obtemos os valores a seguir:

Tabela 25

(1) (2) (3)


P (atm) 2,0 6,0 2,0
V (I) 3,0 3,0 8,0

O trabalho no ciclo é igual à sua área interna. No caso, trata‑se de um triângulo. Então:

(P2 − P1).( V3 − V1) (6, 0 − 2, 0).(8, 0 − 3, 0)


Wciclo = = Wciclo = 10 atm . 
2 2

Para obter o calor na transformação 2 → 3, é necessário aplicar a equação do primeiro princípio da


termodinâmica: Q23 = ∆U23 + W23. Portanto, também é necessário determinar ∆U23 e W23.

(P2 + P3 ) (6, 0 + 2, 0)
W23 = .( V3 − V2 ) = .(8, 0 − 3, 0) = 20 atm. 
2 2

3
∆U23 = n. C V .( T3 − T2 ) = n. R.( T3 − T2 )
2

3
∆U23 = .(P3 . V3 − P2 . V2 )
2

3
∆U23 = .(8, 0. 2, 0 − 6, 0. 3, 0) = −3, 0 atm. 
2

Q23 = ∆U23 + W23 = – 3,0 + 2,0 Q23 = 17 atm . 

Exemplo 3

Um gás perfeito executa o ciclo representado na figura a seguir. Completar as tabelas (I) e (II).
3
Dados: C V = R ; T1 = 200 K
2

54
fundamentos da termodinâmica

8
(1) (2)
7

5
P(atm)

3
(4) (3)
2

0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
V (I)

Figura 13

Tabela 26

(1) (2) (3) (4)


P(atm) 7,0 7,0 3,0 3,0
V (I) 2,0 8,0 8,0 2,0
T (K) 200 K

Tabela 27

Isobárica Isométrica Isobárica Isométrica


(1 → 4) (2 → 3) (3 → 4) (4 → 1)
Q(atm .)
W(atm .  )
∆U(atm .  )

Solução:

P. V
n.R = = cons tan te
T

P1. V1 P2 . V2 P3 . V3 P4 . V4
= = =
T1 T2 T3 T4

55
Unidade I

7, 0.2, 0 7, 0.8, 0 3, 0.8, 0 3, 0.2, 0


= = =
200 T2 T3 T4

T1 – 200 K T2 – 800 K T3 – 343 K T4 – 86 K

Tabela 28

(1) (2) (3) (4)


P(atm) 7,0 7,0 3,0 3,0
V (I) 2,0 8,0 8,0 2,0
T (K) 200 K T1 = 800 K T3 = 343 K T4 = 86 K

O trabalho nas transformações isométricas 2 → 3 e 4 → 1 é nulo. Logo, W23 = 0 e W41 = 0. O trabalho


nas transformações 1 → 2 e 3 → 4 corresponde às respectivas áreas sob essas transformações.

W12 = P1 . (V2 – V1) = 7 . (8 – 2) W12 = 42 atm . 

W34 = P3 . (V4 – V3) = 3 .(2 – 8) W34 = – 18 atm . 

A variação de energia interna, para qualquer tipo de transformação, segue a equação, ∆U = n . CV . ∆T.
Para qualquer estado de um gás perfeito vale a equação de Clapeyron P . V = n . R . T.

3 3
∆U12 = n . C V .( T2 − T1) = n . R .( T2 − T1) = (P2 . V2 − P1. V1)
2 2

3
∆U12 = .(7, 0.8, 0 − 7, 0.2, 0) ∆U12 = +63 atm.
2

3 3
∆U23 = n . C V .( T3 − T2 ) = n . R .( T3 − T2 ) = (P3 . V3 − P2 . V2 )
2 2

3
∆U23 = .(3, 0.8, 0 − 7, 0.8, 0) ∆U23 = −48 atm.
2

3 3
∆U34 = n . C V .( T4 − T3 ) = n . R .( T4 − T3 ) = (P4 . V4 − P3 . V3 )
2 2

3
∆U34 = .(3, 0.2, 0 − 3, 0.8, 0) ∆U34 = −27 atm.
2

56
fundamentos da termodinâmica

3 3
∆U41 = n . C V .( T1 − T4 ) = n . R .( T1 − T4 ) = (P1. V1 − P4 . V4 )
2 2

3
∆U41 = .(7, 0.2, 0 − 3, 0.2, 0) ∆U41 = −12 atm.
2

O calor em cada transformação pode ser calculado diretamente utilizando a equação da primeira lei
da termodinâmica: Q = ∆U + W.

Q12 = ∆U12 + W12 = + 63 + 42 Q12 = 105 atm . 

Q23 = ∆U23 + W23 = – 48 + 0 Q12 = – 48 atm . 

Q34 = ∆U34 + W34 = – 27 – 18 Q12 = – 45 atm . 

Q41 = ∆U41 + W41 = + 12 + 0 Q12 = + 12 atm . 

Tabela 29

Isobárica Isométrica Isobárica Isométrica


(1 → 2) (2 → 3) (3 → 4) (4 → 1)
Q (atm .) + 105 – 48 – 45 + 12

W (atm .  ) 42 0 – 18 0

∆U (atm .  ) + 63 – 48 – 27 + 12

Exemplo 4

Um corpo de gás perfeito percorre o ciclo reversível esquematizado no sentido anti‑horário. O ciclo
é composto pelas seguintes transformações: adiabática 1 → 2, isobárica 2 → 3 e isotérmica 3 → 1.
Pedem‑se:

a) número de moles n do gás;

b) a pressão, o volume e a temperatura em cada um dos estados 1, 2 e 3;

c) o trabalho, o calor e a variação de energia interna em cada uma das transformações que compõem
o ciclo;

d) o balanço energético no ciclo.


3 5 atm. 5
Dados: C V = R CP = R R = 8, 31.10 −2 T1 = 400 K γ= monoatômico
2 2 mol .K 3

57
Unidade I

14
13
(1)
12
11
10
9
Isotérmica
8
P (atm)

Adiabática
7
6
5
4
(2) Isobárica (3)
3
2
1
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
V (I)

Figura 14

Solução:
P. V
a) Para determinar o número de moles, é preciso utilizar a equação de Clapeyron: n = . Para o
R.T
P .V 12.6
estado vale: n = 1 1 ∴n = = n = 2, 2 mol
R.T1 8, 31.10 −2.400

b) Na tabela a seguir, estão os valores de pressão, volume e temperatura que já são conhecidos.

Tabela 30

(1) (2) (3)


P(atm) 12 4 4
V (I) 6 V2 = ? 18
T (K) 400 T2 = ? T3 = ?

Faltam as temperaturas T2 e T3 e o volume V2. Para obtermos esses valores, utilizaremos a equação de
Clapeyron e a equação da transformação adiabática.

P. V P1. V1 P2 . V2 P3 . V3 12.6 4. V2 4.18


= cte = = = =
T T1 T2 T3 400 T2 T3

P . Vγ = cte P1. V2γ = P2 . V2γ 12.65/3 = 4. V25/3

58
fundamentos da termodinâmica

3/5
 12.65/3  12.6 4.116, 4.18
V2 =   = =
 4  V2 = 11,6  400 T2 T3

4.116
, .400
T2 =
12.6 T2 = 257,8 K

4.18.257, 8
T3 =
4.11, 6 T3 = 400 K

A tabela contendo as variáveis de estado com todos os valores é a seguinte:

Tabela 31

(1) (2) (3)


P (atm) 12 4 4
V (I) 6 11,6 18
T (K) 400 257,8 400

c) O trabalho para cada uma das transformações é calculado pelas equações a seguir:

• Adiabática

(P2 . V2 − P1. V1) (4.11, 6 − 12.6)


W12 = = W12 = 38,4 atm . 
1− γ 1− 5 / 3

• Isobárica

W23 = P2 . (V3 – V2) = 4 . (18 – 11,6) W23 = 25,6 atm . 

• Isotérmica
V 6
W31 = P3(1) . V3(1) .In  1  = 4.18.In   W31 = – 79,1 atm . 
 V3   18 

O calor para cada uma das transformações é calculado pelas equações a seguir:

• Adiabática

Q12 = 0

59
Unidade I

• Isobárica
5 5
Q23 = n . CP .( T3 − T2 ) = n . R .( T3 − T2 ) = .(n .R . T3 − n .R . T2 )
2 2
5 5
Q23 = .(P3 . V3 − P2 . V2 ) = .(4.18 − 4.116 , )
2 2
Q23 = 64 atm . 

• Isotérmica

Q31 = W31 Q31 = – 79,1 atm . 

A variação de energia interna é calculada pela mesma equação em todas as transformações


termodinâmicas: ∆U = n . CV . ∆T.

• Adiabática

3 3
∆U12 = n . C V .( T2 − T1) = n . R .( T2 − T1) = .(P2 . V2 − P1. V1)
2 2
3 3
∆U12 = .(P2 . V2 − P1. V1) = .(4.11, 6 − 12.6)
2 2

∆U12 = – 38,4 atm . 

• Isobárica

3 3
∆U23 = n.C V .( T3 − T2 ) = n. R.( T3 − T2 ) = .(P3 . V3 − P2 . V2 )
2 2
3 3
∆U23 = .(P3 . V3 − P2 . V2 ) = .(4.18 − 4.11.6)
2 2
∆U23 = 38,4 atm . 

• Isotérmica

3 3
∆U31 = n . C V .( T1 − T3 ) = n . R .( T1 − T3 ) = .(P1. V1 − P3 . V3 )
2 2

3 3
∆U31 = .(P1. V1 − P3 . V3 ) = .(12.6 − 4.18)
2 2

∆U31 = 0

60
fundamentos da termodinâmica

d) Para verificarmos o balanço energético do ciclo, precisamos calcular o trabalho, o calor e a variação
da energia interna no ciclo e, em seguida, aplicar a primeira lei da termodinâmica.

∆Uciclo = ∆U12 + ∆U23 + ∆U31

∆Uciclo = (– 38,4) + (38,4) + (0) ∆Uciclo = 0

Wciclo = W12 + W23 + W31

Wciclo = (38,4) + (25,6) + (– 79,1)

Wciclo = – 15,1 atm . 

Qciclo = Q12 + Q23 + Q31

Qciclo = (0) + (+ 64) + (– 79,1)

Qciclo = – 15,1 atm . 

Esses resultados conferem com a primeira lei. Vejamos:

∆Uciclo = Qciclo – Wciclo 0 = (– 15,1) – (– 15,1)

Exemplo 5

Um corpo de ar apresenta‑se nas condições T1 = 300 K, P1 = 1 atm e V1 = 100  . O ar é submetido a


duas transformações consecutivas: compressão adiabática 1 → 2 e esfriamento isométrico 2 → 3. No
estado final, a temperatura é T3 = T1 e a pressão é P3 = 2 atm. Pedem‑se:

a) o trabalho na compressão adiabática 1 → 2;

b) o calor no esfriamento isométrico 2 → 3.


3 5
Dados: C V = R γ =
2 3

61
Unidade I

3.5
(2)
3

2.5

2
P(atm)

(3)

1.5
(1)
1

0.5

0
0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 105 110
V(I)

Figura 15

Solução:

a)

• Adiabática

P2 . V2γ = P1. V1γ P2 . V2γ = P1. V1γ P2 . 505/3 = 1 . 1005/3

1.1005/3 P = 3,174 atm


P2 = 2
505/3

P2 . V2 − P1. V1 3,174.50 − 1.100


W12 = =
1− γ 5
1−
3

W12 = – 88,05 atm . 

b)

• Isométrica
3
Q23 = n .CV . (T3 – T2) Q23 = n . R .( T3 − T2 )
2

62
fundamentos da termodinâmica

3 3
Q23 = (nRT3 − nRT2 ) = (P3 . V3 − P2 . V2 )
2 2

3
Q23 = (2.50 − 3,174.50) Q23 = – 88,05 atm . 
2

Exemplo 6

Um corpo de gás perfeito percorre o ciclo reversível esquematizado no sentido anti‑horário. O


ciclo é composto pelas seguintes transformações: isobárica 1 → 2, isométrica 2 → 3 e linear 3 → 1.
Pedem‑se:

a) o trabalho e o calor no ciclo;

b) o calor na transformação 3 → 1;

c) as temperaturas T2 e T3.

3 5
Dados: C V = R CP = R T1 = 500 K
2 2
12
11
(3)
10
9
8
Isométrica
7
P(atm)

6
5
4
(1) Isobárica (2)
3
2
1
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
V(I)

Figura 16

Solução:

O trabalho no ciclo é a soma dos trabalhos das transformações que compõem o ciclo, ou seja:

Wciclo = W12 + W23 + W31


63
Unidade I

W12 = P2 . (V2 – V1) = 4 . (13 – 2)

W12 = 44 atm .  W23 = 0

(P1 + P3 ) (4 + 10)
W31 = ⋅ ( V1 − V3 ) = ⋅ (2 − 13)
2 2
W31 = – 77 atm . 

Wciclo = (+ 44) + (0) + (– 77)

Wciclo = – 33 atm . 

Aplicando a primeira lei da termodinâmica em um ciclo:

∆Uciclo = Qciclo – Wciclo

∆Uciclo = 0 Qciclo = Wciclo Qciclo = – 33 atm . 

b)

Q31 = ∆U31 + W31

3
∆U31 = n ⋅ C V ⋅ ( T1 − T3 ) = n ⋅ R ⋅ ( T1 − T3 )
2
3 3
∆U31 = (n ⋅ R ⋅ T1 − n ⋅ R ⋅ T3 ) = (P1 ⋅ V1 − P3 ⋅ V3 )
2 2
3
∆U31 = .(4.2 − 10.13)
2
∆U31 = – 183 atm . 

Q31 = (– 183) + (– 77)

Q31 = – 260 atm . 

c)

Equação de Clapeyron:

P. V
n.R = = constante
T
64
fundamentos da termodinâmica

P1. V1 P2 . V2 P3 . V3 4.2 4.13 10.13


= = = =
T1 T2 T3 500 T2 T3

T2 = 3250 K T3 = 8125 K

Exemplo 7

Um corpo de gás perfeito percorre o ciclo reversível esquematizado no sentido horário. O ciclo é
composto pelas seguintes transformações: isotérmica 1 → 2, isobárica 2 → 3 e isométrica 3 → 1.
Pedem‑se:

a) a pressão P1, as temperaturas T2 e T3;

b) o trabalho no ciclo.
3 5
Dados: C V = R CP = R T1 = 250 K
2 2
20
19
18
17 (1)
16
15
14
13
12
11
P (atm)

10
9
8
7
6 (2)
5 (3)
4
3
2
1
0
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 44 46 48 50
V (I)

Figura 17

Solução:

a)

Na isotérmica, vale:

P1 . V1 = P2 . V2 P1 . 12 = 5 . 40 P1 = 16,7 atm
65
Unidade I

Utilizando a equação de Clapeyron:

P. V
n.R = = constante
T

P1. V1 P2 . V2 P3 . V3 16, 7.12 5.40 5.12


= = = =
T1 T2 T3 250 T2 T3

T2 = 250 K T3 = 75 K

b)

V   40 
Wíndice = W12 + W23 + W31 W12 = P1. V1.ln  2  W12 = 16, 7.12.ln  
 V1   12 

W12 = 241,13 atm .  W23 = P2 . (V3 – V2) W23 = 5 . (12 – 40)

W23 = – 140 atm .  W31 = 0 Wciclo = (241,3) + (– 140) + (0)

Wciclo = 101,3 atm . 

Exemplo 8

Um mol de gás perfeito, inicialmente em temperatura T 1 = 1000 K e ocupando o volume


V1 = 1000 , expande‑se até o volume V2 = 20 . Calcular o trabalho e o calor recebidos pelo gás
supondo que a transformação seja:

a) isotérmica;

b) adiabática.
3 5 5 atm
Dados: C V = R CP = R γ = R = 8, 31.10 −2 n=1mol
2 2 3 mol .K
Solução:

a)

Isotérmica

T1 = T2 P1 . V1 = P2 .V2

66
fundamentos da termodinâmica

isotérmica V 
W12 = P1. V1 .ln  2 
 V1  P .V = n . R . T

isotérmica V   20 
W12 = n .R . T .ln  2  isotérmica
W12 = 1.0, 0831.1000.ln  
 V1   10 

isotérmica
W12 = 57, 6 atm. isotérmica
∆U12 isotérmica
= Q12 isotérmica
− W12
isotérmica
∆U12 = 0 isotérmica
Q12 isotérmica
= W12

isotérmica  20 
Q12 = 57, 6 atm ⋅  57, 6 = P1 .10 .ln  
 10 

P1 = 8,31 atm 8,31 . 10 = P2 . 20

P2 = 4,155 atm

b)

Adiabática

adiabática adiabática adiabática adiabática


∆U12 = Q12 − W12 Q12 =0

adiabática adiabática adiabática


W12 = −∆U12 ∆U12 = n. C V .( T2 − T1)

adiabática 3 adiabatica 3
∆U12 = n . .R .( T2 − T1) ∆U12 = 1. .0, 0831.(630 − 1000)
2 2

adiabática adiabática
∆U12 = −46,1 atm. W12 = −( −46,1)

adiabática
∆U12 = −46,1 atm. P1. V1γ = P2 . V2γ

5 5 P1. V1 P2 . V2
=
P1.10 3 = P2 .20 3 T1 T2

5 5
P1.10 P2 .20 P1.10 3 P2.20 3
= =
1000 T2 10.P1 / 1000 20.P2 / T2

67
Unidade I

5 5
1000.10 3 T2 .20 3 T2 = 630 K
=
10 20
P2 .20 − P1.10
46.1 =
adiabática P2 . V2 − P1. V1 5
W12 = 1−
1− γ 3
P2 = 2,616 atm P1 = 8,305 atm

Exemplo 9

Um gás perfeito percorre o ciclo reversível esquematizado. Determinar o trabalho, o calor e a variação
de energia interna no ciclo.
12
11
10
(2)
9
8
7
P(atm)

6
(3)
5
4
(1)
3
2
1
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
V(I)
Figura 18

Solução:

Por inspeção na figura, obtemos os valores de pressão e volume nos estados 1, 2 e 3.


Tabela 32
(1) (2) (3)
P (atm) 3 9 5
V (I) 4 12 16

O trabalho no ciclo é igual à soma dos trabalhos de cada transformação que compõe o ciclo.

Wciclo = W12 + W23 + W31


(P1 + P2 ) (3 + 9)
W12 = .( V2 − V1) = .(12 − 4 ) W12 = 48 atm . 
2 2
68
fundamentos da termodinâmica

(P2 + P3 ) ( 9 + 5)
W23 = .( V3 − V2 ) = .(16 − 12) W23 = 28 atm . 
2 2
(P3 + P1) (5 + 3)
W31 = .( V1 − V3 ) = .(4 − 16) W31 = – 48 atm . 
2 2
Wciclo = (+ 48) + (+ 28) + (– 48)

Wciclo = (+ 28) atm . 

∆Uciclo = Qciclo – Wciclo ∆Uciclo = 0

Qciclo = Wciclo Qciclo = (+ 28) atm . 

Exemplo 10

Um gás perfeito estando no estado inicial (i ) pode evoluir para o estado final (f ) pela trajetória iaf ou pela
trajetória ibf. O trabalho trocado com o ambiente externo na trajetória de volta fi é Wfi = – 85 atm .  . Pedem‑se:

a) o calor trocado na trajetória iaf;

b) o calor trocado na trajetória ibf;

c) o calor trocado na trajetória de volta fi.

3 5
Dado: C V = R; CP = R
2 2
12
11
(a) (f)
10
9
8
7
P(atm)

6
5
4
3 (b)
(i)
2
1
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
V(I)

Figura 19

69
Unidade I

Solução:

a)

Qiaf = Qia + Qaf

3 3
Qia = n . C V .( Ta − Ti ) = n . R .( Ta − Ti ) = (Pa . Va − Pi . Vi )
2 2

3 Qia = 42 atm . 
Qia = .(10.4 − 3.4 )
2
5 5
Q af = n . CP .( Tf − Ta ) = n . R .( Tf − Ta ) = (Pf . Vf − Pa . Va )
2 2

5
Q af = .(10.14 − 10.4 ) Qaf = 250 atm . 
2
Qiaf = 42 + 250

Qiaf = 292 atm . 

b)

Qibf = Qib + Qbf

5 5
Qib = n.CP .( Tb − Ti ) = n. R.( Tb − Ti ) = (Pb . Vb − Pi . Vi )
2 2

5
Qib = .(3.14 − 3.4 ) Qib = 75 atm . 
2
3 3
Qbf = n.C V .( Tf − Tb ) = n. R.( Tf − Tb ) = (Pf . Vf − Pb . Vb )
2 2

3
Qbf = .(10.14 − 3.14 ) Qbf = 147 atm . 
2

Qibf = 75 + 147

Qibf = 22 atm . 

70
fundamentos da termodinâmica

c)

O calor e o trabalho são iguais no ciclo iafi, ou seja:

Qiafi = Wiafi

Qiafi = Qia + Qaf + Qfi Wiafi = Wia + Waf + Wfi

Qia + Qaf + Qfi = Wia + Waf + Wfi

Wia = 0 Waf = Pa . (Vf – Va) Waf = 10 . (14 – 4)

Waf = 100 atm . 

(42) + (250) + Qfi = (0) + (100) + (– 85)

Qfi = (100) + (– 85) – 250 – 42

Qfi = – 277 atm . 

Alternativamente, o calor e o trabalho são iguais no ciclo ibfi, ou seja:

Qibfi = Wibfi

Qibfi = Qib + Qbf + Q6 Wibfi = Wib + Wbf + W6

Qib + Qbf + Qfi = Wib + Wbf + W6

Wib = Pb . (Vb – Vi) Wib = 3 . (14 – 4) Wib = 30 atm . 

Wbf = 0

(75) + (147) + Qfi = (30) + (0) + (– 85)

Qfi = (30) + (– 85) – 147 – 75

Qfi = – 277 atm . 

Exemplo de aplicação

Um gás perfeito, com número de moles igual a n, realiza o ciclo de transformações indicadas. A
transformação 1 → 2 é adiabática e a transformação 3 → 1 é isométrica. Pedem‑se:

a) o número de moles; b) completar a tabela 33; c) completar a tabela 34.

71
Unidade I

3 5 5 atm.
Dados: C V = R; CP = R; γ = ; R = 0, 0831
2 2 3 molK
.
12
11
(2)
10
9
8
7
P (atm)

(3)
6
5
4
3
2
(1)
1
0
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 44 46 48 50 52 54
V (I)

Figura 20

Tabela 33

(1) (2) (3)


P (atm) 10 6
V (l) 48 16 48
T (K) 321

Tabela 34

∆U (atm . l ) Q (atm . l ) W (atm . l )


1→2
2→3
3→1
Ciclo
Solução:

72
fundamentos da termodinâmica

Resposta:
a) n = 6 mol
b)
Tabela 33 (1) (2) (3)
P (atm) 1,6 10 6
V () 48 16 48
T (K) 154 321 577,6
c)
Tabela 34 ∆U (atm .  ) Q (atm .  ) W (atm .  )
1→2 + 124,8 0 – 124, 8
2→3 + 192 + 448, 0 + 256, 0
3→1 – 316, 8 – 316, 8 0
Ciclo 0 131,2 131,2

Resumo

Na aplicação da primeira lei da termodinâmica para gases perfeitos,


faz‑se uso de algumas equações básicas e de outras para casos especiais.
Faremos, a seguir, um resumo dessas equações.

Primeira Lei da Termodinâmica

∆U12 = Q12 – W12

Equação do Clapeyron

P.V=n.R.T

Equação da Energia Interna

∆U12 = n . CV . (T2 – T1)

Equação de Calor

Q12 = n . CV . (T2 – T1) ou Q12 = n . CP . (T2 – T1)

Equação de Trabalho

V2
W12 = ∫ P ⋅ dV
V1

73
Unidade I

Equação de Mayer
CP – CV = R

Quociente entre CP e CV
CP
γ=
CV

Número de Moles
m
n=
M

Tabela 35 – Propriedades das Transformações Termodinâmicas Principais

Transformação Isométrica
P1 P2 P
V1 = V2 = V = cte = = = cte ∆U = Q e W = 0
T1 T2 T
Transformação Isobárica
V1 V2 V
P1 = P2 = P = cte = = = cte ∆U = Q – W ≠ 0
T1 T2 T
Transformação Isotérmica
T1 = T2 = T P1 . V1 = P2 . V2 = P . V = cte ∆U = Q – W = 0
Transformação Adiabática
Q=0 P1 ⋅ V1γ = P2 ⋅ V2γ = P ⋅ V γ = cte ∆U = – W
Transformações Termodinâmicas Principais
Variação de energia interna Calor Trabalho
∆U12 Q12 W12
Isométrica n . CV . (T2 – T1) n . CV . (T2 – T1) 0
P1 ⋅ ( V2 − V1)
Isobárica n . CV . (T2 – T1) n . CP . (T2 – T1) (2)

V  V 
Isotérmica 0 P1 ⋅ V1 ⋅ ln  2  P1 ⋅ V1 ⋅ ln  2 
(2) (2)  V1  (2) (2)  V1 

Adiabática n . CV . (T2 – T1) 0


(P2 ⋅ V2 − P1 ⋅ V1)
1− γ
Cíclica 0 Qciclo = Wciclo Qciclo = Wciclo
Constantes Físicas
J atm
R = 8, 31 = 0, 0831
Constante Universal dos Gases Perfeitos: mol .K mol .K

Número de Avogadro: NA = 6,023 . 1023 mol–1

74
fundamentos da termodinâmica

Conversão de Unidades
1  = 10–3 m3
N
1 atm ≅ 105
m2
1N.m=1J
1 atm .  = 100 J

Exercícios

Questão 1. Um gás perfeito, ao sofrer uma variação de temperatura de 100 K, troca com o ambiente
uma quantidade de calor de 120 J em um processo isométrico. Para essa mesma variação de temperatura,
o gás troca com ambiente 200 J em um processo isobárico. Qual é o trabalho trocado pelo gás com o
ambiente em pressão constante?

A) 320 J
B) – 80 J
C) 80 J
D) 40 J
E) 0

Resposta correta: alternativa C.

Análise das alternativas

Nos dois processos, a variação de temperatura é a mesma, o que significa que no


processo isométrico e no processo isobárico o gás sofre a mesma variação de energia interna
(∆U V = ∆U P). O trabalho do processo isométrico é nulo (W V = 0). Aplicando a primeira lei da
termodinâmica:

∆UV = QV – WV
∆UP = QP – WP
∆UV = ∆UP = n . CV . ∆T
QV = n . CV . ∆T WV = 0
QP = n . CP . ∆T WP = ?
QV – WV = QP – WP

75
Unidade I

QV = QP – WP
WP = 200 – 120
WP = 80 J

Portanto, temos o que segue:

A) Alternativa incorreta.

Justificativa: o trabalho na transformação isobárica não pode ser superior ao calor trocado com o ambiente.

B) Alternativa incorreta.

Justificativa: o trabalho em uma variação de temperatura positiva, em um processo isobárico, deve


ser positivo.

C) Alternativa correta.

Justificativa: com base na primeira lei da termodinâmica, o trabalho realizado pelo gás é a diferença
entre o calor trocado e a sua variação de energia interna, conforme mostrado na resolução.

D) Alternativa incorreta.

Justificativa: o trabalho deve ser maior do que a diferença entre o calor trocado com o ambiente e a
variação de energia interna, conforme diz a primeira lei da termodinâmica.

E) Alternativa incorreta.

Justificativa: em uma transformação isobárica o gás sofre uma variação no seu volume, logo, o
trabalho não pode ser nulo.

Questão 2. Um corpo de gás perfeito executa uma transformação isotérmica 1 → 2 e, em seguida,


3
uma transformação adiabática 2 → 3. O calor específico molar do gás em volume constante é C V = R .
O trabalho trocado com o ambiente no processo 1 → 2 → 3 vale: 2

A) 35,5 atm . 

B) 0

C) 69,3 atm . 

D) 104,8 atm . 

E) – 35,50 atm . 
76
fundamentos da termodinâmica

5
Dado: γ =
3
25
24
22
(1)
20
18
16
14
P(atm)

12
(2)
10
8
6
(3)
4
2
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
V(I)

Figura 21

Resposta correta: alternativa D.

Análise das alternativas

Aplicando a equação de trabalho da transformação isotérmica, obtemos:

P1 = 20 atm V1 = 5  P2 = 10 atm V2 = 10 

V   10 
W12 = P1. V1.ln  2  W12 = 20.5.ln  
 V1   5

W12 = 69,3 atm . 

Para obter o trabalho na transformação adiabática, precisamos inicialmente obter a pressão no


estado (3). Para tanto, vamos aplicar a equação da transformação adiabática.

P2 = 10 atm V2 = 10  P3 = ? V3 = 15 
 5  5
P3 . V3γ = P2 . V2γ  
3
 
3
P3 ⋅15 = 10 ⋅10
P3 = 5,09 atm

77
Unidade I

Aplicando a equação de trabalho adiabático:

(P3 . V3 − P2 . V2 ) (5, 09.15 − 10.10)


W23 = W23 =
1− γ 5
1−
3
W23 = 35,475 atm . 

Logo, o trabalho resultante é:

W123 = W13 + W23 W123 = 69,32 + 69,32

W123 = 69,23 + 35,475

W123 = 104,8 atm . 

Portanto, temos o que segue:

A) Alternativa incorreta.

Justificativa: observa‑se pela figura que a área sob a curva das duas transformações é maior que
35,5 atm .  .

B) Alternativa incorreta.

Justificativa: sempre que ocorre variação de volume em uma transformação termodinâmica, o


trabalho não pode ser nulo.

C) Alternativa incorreta.

Justificativa: a soma dos trabalhos em cada transformação é maior do que 69,3 atm .  . Isso também
pode ser observado pela figura, contabilizando a área dos quadradinhos.

D) Alternativa correta.

Justificativa: um indicativo de que esse resultado está correto é que a soma das áreas dos
quadradinhos sob as curvas das transformações está próxima desse valor, o que foi confirmado pelos
cálculos das equações.

E) Alternativa incorreta.

Justificativa: o trabalho em uma expansão termodinâmica não pode ser negativo.

78