Anda di halaman 1dari 12

A

mística do número 3
Por Felipe Miranda & Equipe 01/07/16

Se no mundo real técnicos costumam cair - ou ao menos ficam na berlinda - após três derrotas
consecutivas, nos mercados a mística do "3" tem lá suas particularidades.

Após três dias de recuperação seguidos no pós-Brexit, a tendência natural seria de queda dos
mercados globais. Isso, tudo mais constante...

Bolsas asiá cas caem em meio a indicador desfavorável da indústria chinesa, que apontou
estagnação em junho... Já a Europa sustenta altas após indicador PMI mostrar maior expansão da
indústria da Zona do Euro em seis meses.

Por sua vez, mercados dos EUA parecem declarar independência do restante do mundo, seguindo
referências próprias, talvez contagiados pelas comemorações de 4 de julho.

E como ficamos por aqui?



Após a famosa puxeta de fim de semestre na véspera, com gestores de fundos levantando bola na
área aos 45 do segundo tempo na tenta va de marcar as cotas para cima (ou um pouco menos
para baixo), elementos técnicos tendem a pesar menos neste 1o de julho...

Ibovespa futuro aponta alta de 0,8%. Por sua vez, o dólar opera estável após o swap reverso do
Bacen.

Tenta va de desvendar o poker face econômico da gestão Temer ganha novas evidências após a
manutenção da meta de inflação de 2018 pelo CMN (mais abaixo, na ra da Marília), enquanto
setores da indústria local mostram insa sfação com a potencial consolidação de um viés juro
alto/dólar baixo.

Tudo isso pode compor cenário, mas não tem força para ditar o rumo de algumas ações. Isso,
devido ao peso do no ciário corpora vo. JBS e Gol acordaram com a PF batendo à porta.
Enquanto isso, a novela Kroton/Estácio tem seu capítulo derradeiro.

Não falta agito para a sua sexta-feira, hein?

Dica cultural: essa semana vemos a honra de receber na Empiricus o prêmio Nobel
Daniel Kahneman. Preparamos um video de highlights do evento especial para você,
leitor: assista aqui. É uma forma de contrapor (em conteúdo) o tempo que você irá
perder no cinema com Independence Day.

Dica financeira: ainda que estejamos acostumados a reclamar, o primeiro semestre


trouxe mo vos para o inves dor comemorar. Quem seguiu a recomendação da
Carteira Empiricus e privilegiou tulos públicos longos como NTN-2050 fez um negócio
e tanto.

E mesmo as ações na média renderam muito bem, obrigado, com 18% para o Ibovespa,
em seu melhor primeiro semestre desde 2009. Que o diga as ações do Microcap Alert.
Não é por acaso que estou colocando o meu bônus semestral nelas.


LINK RECOMENDADO

+30,73% ou (-12,70%)? De que lado você está?

Em 2015, quem seguiu essa estratégia lucrou impressionantes +30,73%, enquanto o


Ibovespa caiu (-12,70%).

Quer acumular ganhos na Bolsa, limitando perdas?

Conheça a técnica vencedora, que permite antecipar o movimento dos preços.

QUERO POTENCIALIZAR LUCROS



Fogo de Palha
Ontem a imprensa no ciava calorosamente que o CMN reduziria a meta de inflação
para 4,25% ou 4%.

Nada disso aconteceu. O CMN manteve a meta de 2018 em 4,5% com a banda de 1,5%
(menor que os 2% atuais).

Por um lado, seria muito posi va a redução da meta, por outro, em um momento que
nem sabemos se chegamos nos 4,5% em 2017, parece bem agressivo fazer este po de

aposta mesmo.

Mas uma mudança aconteceu: não vemos mais mídia “insider" nessa decisão. Sob o
comando de Tombini, as informações de polí ca monetária eram frequentemente
passadas via jornalistas, e vazamentos frequentemente de estratégia aconteciam.
Agora, como disse em seu discurso de posse, parece que Ilan irá valorizar os
comunicados oficiais. Pode ser o fim da era dos "furos de reportagem" de polí ca
monetária. Viva!

Marília Fontes
Analista CNPI

marilia.fontes@empiricus.com.br

KROT e EST: cria-se a maior empresa educacional do mundo


Kroton (KRO3) e Estácio (ESTC3) anunciam com fatos relevantes nesta manhã o
fechamento da negociação de troca de ações.

Estácio, após diversas reviravoltas, aceitou uma troca de 1,281 ações de Kroton por 1
ação de Estácio mais dividendos de R$ 0,55 por ação de Estácio.

Aos preços do fechamento de ontem, ESTC valeria pouco mais de R$ 17,97 com KROT a
R$ 13,60.

Kroton procurava azeitar a oferta de compra das ações feita por Estácio de 1,25x e o
galanteio funcionou.

A estes preços, a união nos parece benéfica para as duas empresas. ESTC recebe 63%
de prêmio sobre sua cotação pré-negociação e KROT compra um bom a vo a preço de
banana (aproximadamente 12x lucros).

A negociação teve reviravoltas intensas e, para entender melhor o que acontece no
setor, os assinantes do Microcap Alert têm a oportunidade única de escutar
diretamente dos gestores de Ser (SEER3) sua visão do setor e do negócio.

KROT fez um bom negócio, mas quem ganha é o assinante. Cada um com sua
estratégia, estamos no meio do turbilhão. KROT é uma das Melhores Ações da Bolsa e
ESTC está na Carteira Empiricus e Vacas Leiteiras.

Max Bohm
Analista CNPI

max.bohm@empiricus.com.br


Alocação de capital: quem sobe mais?
Interessante ler os jornais e comentários de analistas hoje em dia. Toda aquele
nega vismo e catastrofismo parecem ter ficado nos livros de história. Pouco a pouco
vemos o otimismo tomando conta dos formadores de opinião.

O Brasil voltou a ser o país do futuro. Ou, pelo menos, voltamos a ter (algum) futuro.

Esta tensão sempre exis u e fica novamente óbvia. Qual é o melhor inves mento: a
renda fixa ou a bolsa?

A renda fixa no Brasil sempre foi mais óbvia. E os traders são cé cos com o poder de
multiplicar capital de bons negócios com nossos juros altíssimos.

Nossos analistas se digladiam constantemente sobre as possibilidades de ganhos nos


dois principais mercados financeiros. Marília, de posse de seus 14,25% ao ano de CDI e
curva de juros indicando possibilidade de declínio, vê ó mos ganhos aquele que
entende o risco retorno dos pós e pré-fixados, no Empiricus Renda Fixa.

Mas estamos em um momento de virada, o Ibov sobe 19% no 1o semestre e não dá
sinais de trégua. Nossos analistas de equi es, procura constantemente não só por
aqueles cavalos que mais se beneficiarão de juros menores, mas também das empresas
que mais se beneficiarão da nova política econômica.

O 2o semestre começa hoje. A bolsa ganhou o 1 o tempo, mas a corrida para o melhor
investimento do ano nos guarda muitas surpresas.
Felipe Miranda
Analista CNPI

felipe.miranda@empiricus.com.br


Petrobras: mudança corporativa continua, e também o problema do
conteúdo local e o desafio da dívida
O Conselho de administração de Petrobras (PETR4) criou mais uma diretoria, a de
Estratégia, organização e sistema de gestão que será ocupada por Nelson Silva, ex-
presidente de BG no Brasil. Apesar de ele já ter uma posição como consultor sênior da
diretoria Execu va, consideramos que é uma sinalização de avanço a incorporação de
mais um executivo com experiência de mercado no dia a dia da petroleira.

Porém, Valor Econômico no cia que PETR4 daria um emprés mo de R$600 milhões ao
estaleiro ERG para poder ajudá-lo a diminuir o risco de falência. Com o precedente de
Sete Brasil, ficamos com receio de que isto possa ser o começo de um inevitável e
demorado processo rumo à quebra que termine deteriorando ainda mais o balanço da
estatal no intuito de conseguir defender a regra de conteúdo local.

Se certo, isto seria claramente uma mostra de falta de foco, pois o mais razoável seria
ter avançado nos úl mos dois anos na negociação para mudar a regra e poder
aproveitar a deflação na indústria global de serviços. Sem isso, a posição compe va
da empresa no futuro com certeza se verá prejudicada.

Finalmente, Valor traz a análise de vários atores do mercado de crédito global que
explicam que a dívida de Petrobras é desafiadora, uma vez que a posição fiscal do
estado brasileiro se encontra deteriorada e a solução seria ter sucesso na venda de
ativos e conseguir rolar vencimentos.

Fica o consolo de que dentro do contexto la no-americano, em termos rela vos, no


úl mo ano perdeu a posição da pior colocada para a venezuelana PDVSA, devido
principalmente à situação de default iminente do controlador.
Carlos Herrera

Analista CNPI

carlos.herrera@empiricus.com.br

Vale: fortalecendo o caixa


Vale (VALE5) informou ontem que concluiu a venda de três navios VLOCs para um
consórcio chinês. A transação totalizou cerca de US$ 270 bi, com o valor sendo
entregue à Vale já em agosto. A mineradora já disse estar negociando outros navios.

A venda dos navios é parte da estratégia de Vale em focar em seus a vos core e vender

a vos non core para fortalecer sua posição de caixa, se preparando para eventuais
desdobramentos nega vos em relação à China, principal consumidora do seu minério
de ferro.

Com redução intensiva em seus custos nos úl mos anos, visão estratégia eficiente e
fundamentos sólidos, Vale segue como um ó mo nome para aproveitar uma potencial
reversão do ciclo para commodities no longo prazo.

Roberto Altenhofen
Analista CNPI

roberto.altenhofen@empiricus.com.br


Extrafarma começando a ganhar destaque dentro de Ultrapar
A Extrafarma, braço de varejo de farmácias do Grupo Ultra (UGPA3) mudou a
logomarca num movimento que também envolveu a reforma de lojas nos úl mos
meses para um novo conceito. A empresa esá num processo de expansão por meio do
crescimento orgânico e avaliação de compra de a vos - além de analisar a aquisição da
Big Ben, da Brasil Pharma (BPHA3), a companhia prevê abrir 10 a 15 lojas por trimestre.

A Extrafarma encerrou o primeiro trimestre com 261 lojas, 15% a mais do que um ano

atrás. No período de janeiro a março, fechou com R$ 372 milhões em vendas brutas,
alta de 10% sobre ano anterior, mas ainda pouco relevante no balanço consolidado da
Ultrapar, que tem na Ipiranga cerca de 90% das receitas.

Todo modo, trata-se de um segmento com vasto potencial de crescimento, vide o belo
exemplo da benchmark Raia Drogasil (RADL3) em Bolsa. Recomendamos UGPA3 com
viés de buy & hold principalmente pela eficiência operacional de Ipiranga, mas quem
comprar levará de brinde as belas perspectivas embutidas no case de Extrafarma.

Gabriel Casonato
Analista CNPI

gabriel.casonato@empiricus.com.br


Concessões: agora vai?
Para ajudar a financiar as concessões de infraestrutura, o Governo Temer estuda dar
maior segurança ao financiador. Este teria acesso privilegiado as receitas da concessão,
reduzindo risco de calote.

No cia do Valor comenta como um dos principais problemas da infraestrutura é o
financiamento. Se já é di cil com juros baixos, fica impossível com nossos juros
estratosféricos.

Tendo garan a de acesso preferencial as receitas (que são bastante estáveis) o risco do
financiador fica bastante mi gado. O banco depende menos da capacidade de
pagamento do acionista da concessão.

Torcemos para que as novas concessões saiam do papel bem estruturadas para atrair
inves dores. Os inves mentos em infraestrutura podem levar o país a outro patamar
de desenvolvimento.

Estudamos as melhores maneiras de aplicar nosso rico dinheirinho nessas
oportunidades. As discussões na Empiricus são calorosas. Seria melhor ser o
financiador? O acionista da concessão? O prestador de serviço da concessão? O
fornecedor de material?

Roberto Altenhofen
Analista CNPI

roberto.altenhofen@empiricus.com.br


FMOF11: rendimento extraordinário
O FMOF11 pagará rendimentos robustos esse mês: R$1,57, que é 74% acima da média
dos rendimentos do ano.

É o puro reflexo da distribuição da multa rescisória rela va à desocupação de 8
andares do edifício Memorial Office.

FMOF11 não faz parte de nossa Carteira de FIIs. A vacância do fundo é alta e a
localização, na Barra Funda (São Paulo/SP) não é das melhores. No segmento de lajes
preferimos HGJH11 e BRCR11.

Ariane Gil
Analista CNPI

ariane.gil@empiricus.com.br

Menu do dia

:. LONG & SHORT: Ter uma carteira de trading não é nada fácil, envolve boa estratégia
e algumas vezes sorte. A fim de rentabilizar suas carteiras, muitos traders buscam um
modelo capaz de antecipar eventos – uma sinalização do que será o preço da ação.

Uma das maiores referências no assunto, o ex-trader de opções Nassim Taleb travou essa mesma
briga por muitos anos e criou a própria teoria para explicar eventos futuros.

Isso ocorreu justamente após ficar milionário, quando o ex-trader passou a dedicar sua vida e
sabedoria ao estudo de finanças e epistemologia (ciência que relaciona crença ao conhecimento).
O núcleo do discurso talebiano é a imprevisibilidade.

Por isso, neste relatório, iremos apresentar operações Long & Short como uma forma de
minimizar os efeitos dos Black Swans.

Saiba mais


Ibovespa – Gráfico Diário

resistências: 51.600 55.000
suportes: 48.000 43.500

Gráfico Diário do Ibovespa (IBOV)



Depois do fechamento apresentado na quarta-feira, havia uma grande expecta va de

que o Ibovespa conseguiria, enfim, romper a resistência dos 51.500 pontos para tentar
seguir em direção aos 55.000 pontos.

Contudo, apesar de alguns destaques individuais e do terceiro dia consecu vo de alta,
ainda não foi dessa vez que o índice conseguiu avançar sobre essa barreira. Por outro
lado, com fechamento exatamente sobre essa faixa de resistência, o IBOV terá a
possibilidade de começar o mês de julho com o pé direito caso seja capaz de confirmar
esse movimento já no primeiro dia.

Em linhas gerais, depois de muitas idas e vindas, “toma lá, dá cá” e grande indefinição,
o saldo de junho foi posi vo. Com ganhos de 6% e fechamento próximo da máxima do
mês, o Ibovespa pôde respirar mais aliviado a medida que conseguiu se afastar do seu
principal suporte em 48.000 pontos, deixando-o a um passo de engatar um movimento
de alta de curto prazo.

Você encontra esta e outras análises gráficas, com recomendações específicas de


ações, no relatório diário Trader PRO.


Links Recomendados
:. 7.656% do CDI em 4 dias

:. Não arrisque a sua aposentadoria

:. PF lança nova fase da Lava Jato que tem JBS entre os alvos, diz mídia

SOBRE A EMPIRICUS
PRIVACIDADE
DISCLOSURE
FAQ


Rua Joaquim Floriano, 913 - 4º Andar
CEP 04534-004 - Itaim Bibi - São Paulo

Esta mensagem foi enviada para %%emailaddr%% como parte da assinatura gratuita do conteúdo Empiricus. Se não deseja mais receber
nenhuma de nossas newsletters, acesse aqui.