Anda di halaman 1dari 8

Conceitos básicos de Microeconomia

Introdução

A Microeconomia, enquanto disciplina das Ciências Econômicas, ocupa-se em estudar as relações que organizam

os mercados de bens e serviços, e o comportamento dos agentes econômicos nesses mercados. O funcionamento deles, porém, não depende apenas das relações de oferta e demanda, que determinam variáveis como preços e lucros, por exemplo. Cada mercado relacionado a um produto possui as suas características específicas. Portanto, é preciso entender de forma mais ampla cada tipo de produto que compõe o mercado, e as transações de compra e venda nele realizadas. Assuntos que veremos neste tema. Ao final desta aula, você será capaz de:

• •

compreender as diversas classificações de bens e serviços.

Bens e serviços

As relações entre agentes econômicos, de modo geral, envolvem a produção de itens que serão utilizados para a satisfação das necessidades desses agentes. Deste modo, os produtos elaborados em uma economia são transacionados nos seus mercados específicos (PINDYCK & RUBINFELD, 2013). O ouro, por exemplo, é cotado diariamente em função do valor de sua grama. Os fones de ouvido para smartphones, por sua vez, são produzidos e ofertados em diferentes pontos de venda. A partir dessa explicação, podemos efetuar uma análise sobre os conceitos de bens e de serviços. A princípio, devemos enfatizar que ambos os conceitos tratam de itens elaborados, dentro de uma economia, para as necessidades dos consumidores destes produtos. Neste sentido, os bens são produtos fabricados, ou seja, que envolvem, de alguma maneira, algum processo produtivo, com o uso de instrumentos apropriados, ou alguma matéria-prima etc. Em outras palavras, os bens podem ser entendidos como produtos tangíveis (reais, que podem ser manipulados), gerados ou transformados, que são demandados pelos consumidores em seus mercados, como os computadores, celulares, portas, televisores, por exemplo, e que têm sua oferta e demanda determinados por um nível de preço (VASCONCELLOS; OLIVEIRA; BARBIERI, 2011). Os serviços, por sua vez, são produtos gerados por meio de uma atividade produtiva que não gera itens tangíveis, necessariamente, mas também, prestam-se a atender as demandas dos agentes econômicos, sendo assim, regulados pelo seu preço. Nesta classificação estão os serviços médicos, consultorias empresariais, atendimentos psicológicos, os serviços de padres e orientadores espirituais, personal trainers, advogados, entre outros (ROSSETTI, 2016).

- 1 -

Figura 1 - Prestação de serviços de telemarketing

Figura 1 - Prestação de serviços de telemarketing Fonte: Shutterstock Cabe, por fim, enfatizar que a

Fonte: Shutterstock

Cabe, por fim, enfatizar que a Microeconomia aborda os bens e serviços de igual forma em suas análises. Ou seja, para a discussão dos procedimentos de determinação de oferta e demanda no mercado, através dos preços, não se diferenciam os bens em relação aos serviços, salvo quando mencionado. Nas próximas seções, iremos qualificar os diferentes bens e serviços na economia e classificá-los. Cabe, neste sentido, lembrar que estes produtos podem pertencer a mais de uma categoria, dependendo de sua especificidade.

Bens livres e econômicos

Um outro critério a ser adotado para o entendimento dos produtos em uma economia diz respeito a sua escassez, ou seja, à disponibilidade desses bens em relação às necessidades de consumo da sociedade.

- 2 -

FIQUE ATENTO

As Ciências Econômicas, em especial, consideram a escassez como um dos pilares da Microeconomia: os agentes

As Ciências Econômicas, em especial, consideram a escassez como um dos pilares da Microeconomia: os agentes econômicos possuem necessidades ilimitadas (todos nós desejamos consumir o máximo possível) frente a recursos que são, geralmente, limitados em sua disponibilidade.

   

Os bens livres, nesse sentido, são todos aqueles que não são precificados em função de sua disponibilidade (potencialmente) ilimitada. Esses bens, em geral, são intangíveis e estão acessíveis a todas as pessoas, como a luz ambiente (solar), o ar ambiente, e a água dos mares, por exemplo.

Figura 2 - Água doce, um bem econômico

FIQUE ATENTO As Ciências Econômicas, em especial, consideram a escassez como um dos pilares da Microeconomia:

Fonte: Shutterstock

Os bens econômicos, por sua vez, são de natureza mais escassa, e por isso, são regulados por algum nível de preços, apresentando disponibilidade limitada. A água potável (tratada em sistemas de captação e distribuição), que é rara em muitas regiões, bem como os derivados do petróleo e os combustíveis fósseis são exemplos de bens econômicos (ROSSETTI, 2016).

- 3 -

FIQUE ATENTO

A grande disponibilidade de água no planeta não simboliza, necessariamente, que este bem tão precioso seja

A grande disponibilidade de água no planeta não simboliza, necessariamente, que este bem tão precioso seja livre. Ao contrário, as reservas de água doce e potável são cada vez mais restritas, e as tecnologias para tratamento e reuso da água doce tornam a mesma um bem econômico.

   

Bens de consumo, de capital, intermediários e públicos

Os fins aos quais se objetiva a produção dos diferentes bens, ou seja, a sua destinação, também podem ser um critério para a sua classificação. Os bens que são formados para serem diretamente utilizados para atender aos diferentes desejos dos agentes econômicos são conhecidos como bens de consumo. Dentro dessa classificação, estão os chamados bens de consumo duráveis, e os bens de consumo não-duráveis. Os bens de consumo não-duráveis atendem às necessidades mais imediatas dos agentes e podem apresentar uma disponibilidade mais limitada no tempo com o seu uso constante, tais como roupas e peças de vestuário, produtos de higiene pessoal, produtos descartáveis, entre outros.

- 4 -

Figura 3 - Alimentos, bens de consumo não-duráveis

Figura 3 - Alimentos, bens de consumo não-duráveis Fonte: Shutterstock Por sua vez, os bens de

Fonte: Shutterstock

Por sua vez, os bens de consumo duráveis possuem uma ‘janela’ de uso maior, ou seja, podem ser consumidos progressivamente ao longo do tempo, com menor prazo de deterioração. Entre esses bens, pode-se citar os automóveis, os imóveis residenciais e comerciais, os eletrodomésticos, computadores etc.

- 5 -

SAIBA MAIS

O prazo de uso dos bens duráveis, que os diferencia dos bens não-duráveis, nem sempre obedece

O prazo de uso dos bens duráveis, que os diferencia dos bens não-duráveis, nem sempre obedece um ritmo constante: algumas políticas das empresas, como a obsolescência programada (a postura de desenvolver novas versões de produtos que fazem as versões mais antigas perderem capacidade de funcionamento), fazem com que muitos bens que poderiam ter um potencial de uso a médio e longo prazo se deteriorem com maior facilidade.

   

Há, também, alguns bens que são diretamente utilizados na fabricação e elaboração de outros bens, tais como fornos para a fundição do aço, ou lixadeiras para a elaboração de artigos de cutelaria. Esses bens são conhecidos como bens de capital, ou seja, são bens que estão ligados à atividade de transformação de materiais em outros produtos. Bens intermediários são aqueles que já passaram por algum processo produtivo, tendo sido beneficiados de alguma forma, mas que serão novamente utilizados na fabricação de um bem final (ROSSETTI, 2016).

EXEMPLO

Um automóvel é um bem de consumo durável, mas o mesmo não é formado a partir

Um automóvel é um bem de consumo durável, mas o mesmo não é formado a partir de matérias-primas brutas, como o minério de ferro. Pelo contrário, o aço para a fabricação das carrocerias é adquirido em bobinas, que serão moldadas para a elaboração desses componentes, assim como os tecidos que se tornarão forrações para bancos; esses bens são exemplos de bens intermediários.

   

Os bens públicos, por sua vez, são classificados de acordo com dois critérios: não-rivais, e não-exclusivos (PINDYCK & RUBINFELD, 2013). Suponha a existência de uma queima de fogos em um local público, como um parque aberto. Esse show pirotécnico, naturalmente, possui alguns custos para ser produzido, mas poderá ser visto por milhares de pessoas. Nesse caso, se mais uma pessoa apareça para ver esse show, não haverá custos adicionais para essa produção. Neste caso, não há uma disputa, uma rivalidade, para o consumo deste bem, que é não-rival. Da mesma forma, um bem é não-exclusivo quando não há nenhuma limitação para o acesso ao mesmo por parte de seu público consumidor. No caso mencionado do show pirotécnico, se ele ocorrer em uma área aberta e de acesso livre, qualquer pessoa poderá acompanhá-lo.

- 6 -

Figura 4 - Eventos não-exclusivos

Figura 4 - Eventos não-exclusivos Fonte: Ints Vikmanis / Shutterstock A partir desses conceitos, pode-se fazer

Fonte: Ints Vikmanis / Shutterstock

A partir desses conceitos, pode-se fazer mais deduções: um bem público não é, necessariamente, entendido desta forma por ser fornecido apenas pelo poder público, ou seja, pelo Estado. As empresas privadas podem fornecer bens que sejam bens públicos, desde que as receitas obtidas com a oferta destes bens sejam suficientes para, ao menos, cobrir os custos de produção. Nesse sentido, pode-se enfatizar que grande maioria dos bens não é pública, pois a limitação ao acesso para todas as pessoas (decorrente da escassez de oferta, que geralmente não é ilimitada) e os custos de produção acabam por tornar estes produtos, de modo geral, mais ou menos exclusivos (PINDYCK & RUBINFELD, 2013).

Fechamento

Os bens e serviços produzidos nas economias modernas podem ser ordenados não apenas em função de seu preço, mas também pela sua disponibilidade de oferta, pelas condições de acesso ao público consumidor, pelo seu perfil de uso ao longo do tempo, e pela possibilidade (ou não) de estabelecimento de um preço para o seu consumo. Dessa forma, a Microeconomia apresenta, como referencial de estudo, os diferentes tipos de bens e suas classificações, a fim de viabilizar o entendimento dos processos de definição de oferta e demanda nos mercados de bens e serviços diversos. Nesta aula, você teve a oportunidade de:

• •

entender o conceito de bens e serviços;

• •

classificar os diferentes tipos de itens produzidos pelos agentes econômicos a partir de diferentes critérios, tais como exclusividade, disponibilidade de oferta e perfil de produção.

- 7 -

Referências

PINDYCK, R; RUBINFELD, D. Microeconomia. 8. ed. São Paulo: Pearson, 2013. ROSSETTI, J. P. Introdução à Economia. 21. ed. São Paulo: Atlas, 2016. VARIAN, H. R. Microeconomia – uma abordagem moderna. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015. VASCONCELLOS, M. A. S. de; OLIVEIRA, R. G. de; BARBIERI, F. Manual de Microeconomia. 3.ed. São Paulo: Atlas,

2011.

- 8 -