Anda di halaman 1dari 45

Engenharia Econômica

e
Análise de Investimentos

UniABC – Afonso Henriques Neto – S2 - 2009


2.007 2.008


$1.000 $1.000

Conceito fundamental: A diferença de valor do


dinheiro no tempo
A disponibilidade de um recurso
financeiro hoje, proporciona uma
OPORTUNIDADE DE USO, que
representa um VALOR para o
proprietário desse recurso.
Se alguém abre mão desse recurso por um certo
período de tempo deve receber ALGO EM TROCA
pela perda desta OPORTUNIDADE DE USO.

2.007 2.008

$1.000
Diagrama de Fluxo de Caixa

Entradas ou
Recebimentos

Saídas ou
Pagamentos

Tempo
Equivalência de Valores

• Regime de JUROS SIMPLES

Sn = P . (1 + i . n)

• Regime de JUROS COMPOSTOS

Sn = P . (1 + i)n
Amortização e Juros nas Séries
Uniformes
Empréstimo de $100.000,00 a ser pago em 5 meses, com uma
taxa de juros de 10% a.m. → Valor Uniforme (prestação) =
$26.379,25 (A/P; i,n) - pg.100
Final do Saldo da dívida Juros Valor uniforme Amortização
(prestação)
0
1 mês 100.0000,00 10.000,00 26.379,25 16.379,25
0
2 mês 83.620,25 8.362,03 26.379,25 18.017,72
0
3 mês 65.602,53 6.560,25 26.379,25 19819,50
0
4 mês 45.783,03 4.578,30 26.379,25 21.801,45
0
5 mês 23.981,58 2.398,16 26.379,25 23.981,59

Amortização = pagamento do
Principal (valor do empréstimo)
Amortização e Juros nas Séries
Uniformes - SAC

Amortização
Juros
MÉTODOS EQUIVALENTES PARA
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE
INVESTIMENTOS

MÉTODO DO VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) - pgs. 96 e 99


Investimento Inicial = $ 25.000,00
Solução: 11.500 Valor Residual = $ 5.000,00
Taxa Mínima de Atratividade = 12% a.a.
6.500 6.500 6.500 6.500
VPL (12%) =
-25.000 + 6.500 (P/A; 12%; 4) + 11.500 (P/F; 12%; 5)
0 1 2 3 4 5 = -25.000 + (6.500*3,0373) + (11.500*0,5674) =
VPL (12%) = + $ 1.267,55

Como VPL > 0, o investimento:


- é vantajoso (viável) economicamente, e...
- rende mais do que 12% ao ano!
25.000
MÉTODOS EQUIVALENTES PARA
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE
INVESTIMENTOS
MÉTODO DO VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)
Exemplo:
ALTERNATIVA: ‘A’ ‘B’
CUSTO INICIAL ($) 12.000,00 18.000,00
VIDA ÚTIL ESTIMADA 5 anos 10 anos
VALOR RESIDUAL ($) 2.500,00 1.000,00
CUSTO ANUAL DE OPERAÇÃO ($) 1.700,00 1.050,00
TMA = 12% a.a.
Solução:
VPL (A) = - $ 16.709,66
VPL (B) = - $ 23.610,71
Deve-se optar pela alternativa (A), que é a que requer menor desembolso.
MÉTODOS EQUIVALENTES PARA
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE
INVESTIMENTOS

MÉTODO DO VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)


Alternativa A

2.500

VPL (12%) =
-12.000 - 1.700 (P/A; 12%; 5) + 2.500 (P/F; 12%; 5)
0 1 2 3 4 5 = -12.000 - (1.700*3,6048) + (2.500*0,5674) =
VPL (12%) = - $ 16.709,66

1.700 1.700 1.700 1.700 1.700

12.000
MÉTODOS EQUIVALENTES PARA
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE
INVESTIMENTOS

MÉTODO DO VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)


Alternativa B

VPL (12%) = -18.000 - 1.050 (P/A; 12%; 10) + 1.000 (P/F; 12%; 10) =
-18.000 - (1.050*5,6502) + (1.000*0,3220) = VPL (12%) = - $ 23.610,71
Conversão entre Taxas Equivalentes

Exemplo:
Converter uma taxa mensal de 2,5% em taxa anual

i1 = 2,5%  u1 = 1
i2 = ?  u2 = 1/12
i2 = 34,49%
i1 = 2,5%  u1 = 12
i2 = ?  u2 = 1
Engenharia
Econômica
Princípios da Engenharia
Econômica
• Não existe decisão a ser tomada se existir
apenas uma única alternativa
• Só podem ser comparadas alternativas
homogêneas
• Apenas as diferenças entre alternativas são
relevantes
• Os critérios para tomada de decisão devem
reconhecer o Valor do dinheiro no tempo
• Devem ser considerados os problemas
relativos ao racionamento de capital
Princípios da Engenharia
Econômica

• Devem ser separadas as decisões que


possam ser tomadas separadamente
• Devem ser consideradas as incertezas
associadas às previsões efetuadas
• Devem ser considerados os eventos
qualitativos não quantificáveis monetáriamente
• Manter a realimentação de informações
• Utilizar dados econômicos e financeiros
Limitações da Engenharia
Econômica
• É impossível transformar em dados todas as
considerações variáveis encontradas
• A taxa de retorno e a taxa de juros, na realidade,
não são as mesmas
• O modelo pressupõe que as taxas de juros não
variam durante o período de análise
• O modelo pressupõe que o fluxo de caixa real é
sempre viável
• A complexidade do modelo deve ser compatível
com a confiabilidade dos dados assumidos
Pré-condições do estudo

• Só analisar alternativas tecnicamente viáveis


• Só analisar alternativas para as quais se
tenha capacidade financeira
Métodos Clássicos de Análise
de Investimentos
• Método do Custo Anual Uniforme (CAU)
– Valor Presente Líquido Anualizado ou Valor Anual
Uniforme Equivalente

• Método do Valor Atual (VA)


– Valor Presente Líquido (VPL)

• Método da Taxa de Retorno (TIR/TRI)


– Taxa Interna de Retorno (TIR)
– Taxa Incremental de Retorno (TRI)
Métodos “Alternativos”
• Pay Back (Tempo de Retorno): TRC

• Dividir a somatória dos investimentos, custos e


despesas pela somatória das receitas auferidas
e calcular o tempo para RETORNO do CAPITAL
INVESTIDO.
• Este método considera “apenas” o Principal, ou
seja, o Capital Investido. (Ex.: apostila SEBRAE)
• Método simples e rápido, porém NÃO considera
a VARIAÇÃO do DINHEIRO no TEMPO.
Exemplo
Investimento em novo equipamento (compra do
equipamento, instalação, equipamentos
auxiliares, etc): R$ 8 milhões

Economias provenientes do uso do novo


equipamento (aumento de produção, redução
de M.O., redução em custos de manutenção):
R$ 2,5 milhões/ano

Pay Back = 8 / 2,5 = 3,2 anos


A Taxa Mínima de Atratividade
(TMA)

Custo de
Oportunidade

Risco do Liquidez
Negócio TMA do
Negócio
Custo de Oportunidade

Remuneração que poderia ser obtida se


nenhuma das alternativas de investimento
fosse adotada.

É o ganho “mínimo garantido”


Risco do Negócio

O ganho de uma alternativa tem que remunerar


o risco inerente à sua adoção

Via de regra:
“quanto maior o risco, maior deverá
ser a remuneração”
Liquidez

Facilidade ou velocidade com que se consegue


sair de uma posição no mercado e se
assumir outra

Facilidade em converter um ativo


em “dinheiro vivo”
Método do Custo Anual Uniforme
Distribuir ao longo da vida útil todos os valores
existentes no fluxo de caixa, transformando-os
em uma única série uniforme de pagamentos
ou recebimentos

Para distribuir os valores uniformemente ao longo


da vida útil, utiliza-se a TMA (taxa mínima de
atratividade). CAU maiores que zero são
interessantes, e quanto maior o CAU, mais
interessante é a alternativa (mais receitas são
geradas para cobrir as despesas com aquela
taxa de juros)
Método do Custo Anual Uniforme
No caso de INVESTIMENTOS, o CAU será
sempre negativo, e nesse caso a escolha
recairá na alternativa de CAU mais baixo

Diferenças de vidas úteis ficam implicitamente


solucionadas, pois assume-se que os custos
anuais se repetirão
Método do Valor Atual ou Valor
Presente Líquido
• Calcular o valor atual (VA ou VPL) pela
somatória de todos os valores existentes no
fluxo de caixa, utilizando para isso a TMA

• Para a análise de um projeto, VA > 0 indica


projeto interessante

• Para a comparação de dois ou mais projetos,


o de maior VA é o mais interessante
Método do Valor Atual ou Valor
Presente Líquido
• Só é possível comparar projetos
equivalentes, com a mesma vida útil
• Quando há diferenças de vidas úteis, utilizar:

• Técnica da Capitalização Infinita


• Técnica do Mínimo Múltiplo Comum
Técnica da Capitalização Infinita

Considerar que as vidas úteis das alternativas se


repetem infinitamente, ou seja, as alternativas
são perpétuas

Encontrar o CAU de cada alternativa.


Considerar que o CAU se repetirá indefinidamente.
Achar o Valor Atual considerando uma vida infinita
Técnica da Capitalização Infinita

1
1-
P= R (1 +i)n
i

1
Para n →∞ P =R
i
Técnica do Mínimo Múltiplo
Comum

• Utilizar o MMC entre as vidas úteis das


alternativas e considerar a repetição do
investimento integralmente, de forma
idêntica, ao longo do tempo referente ao
MMC.
Método da Taxa Interna de Retorno
• Permite encontrar a remuneração do
investimento em termos percentuais.

• Determinar a taxa de juros que permite


igualar receitas e despesas na data 0,
transformando o valor atual do investimento
em 0 (zero).
• A taxa encontrada é chamada de Taxa
Interna de Retorno (TIR), e deve ser
comparada à TMA.
O Efeito do Imposto de Renda
Duas formas de análise:

• O efeito do IR já está considerado na TMA.

• O efeito do IR não está considerado na TMA:


– Os valores do fluxo de caixa, tanto entradas como
saídas, modificam o relacionamento com o Fisco.
O Efeito do Imposto de Renda
• Montar dois fluxos de caixa:
– Fluxo Econômico - entradas e saídas decorrentes
da altarnativa
– Fluxo Contábil - economias e “deseconomias” de
IR, decorrentes da alternativa

• Somar os dois fluxos de caixa e montar o


Fluxo Completo.
• Comparar as alternativas pelo Fluxo
Completo.
Valor Econômico Agregado
(VA)
• Para se chegar ao entendimento de qual a importância da
demonstração do valor adicionado, primeiramente é
necessário entender o que é o Valor Adicionado ou Valor
Agregado.
• De acordo com OLIVEIRA, et. alli. (2004, p. 184):
• EVA: economic value added, ou valor econômico adicionado
é o mais “novo” instrumento de medida de valor. O objetivo
principal de todas as empresas deve ser a maximização dos
lucros dos detentores de capital, isto é, remunerar os donos
do dinheiro. É a medida de desempenho financeiro que vê
mais de perto, do que outro instrumento, o Lucro Econômico
verdadeiro de uma empresa”.
Valor Agregado (VA)
Demonstração do Valor Adicionado (VA)
I - Geração do Valor Adicionado - Elementos:
Receitas Operacionais e não Operacionais
(-) Custo das Mercadorias, Produtos e Serviços Vendidos.
(-) Serviços adquiridos de terceiros
(-) Materiais e Insumos, Energia, Comunicação, Propaganda, etc.
(-) Outros Valores
(=) Valor Bruto Adicionado:
(-) Despesas de Depreciação, Amortização e Exaustão.
(=) Valor Adicionado Líquido:
(+) Valores remunerados por terceiros (Juros, Aluguéis e outros).
(=) Valor Adicionado à Disposição da Empresa
II - Distribuição do Valor Adicionado – Remuneração do Trabalho:
Remuneração do Governo (Impostos e Contribuições).
Remuneração do Capital de Terceiros (Juros, Aluguéis, etc.)
Remuneração do Capital Próprio (Dividendos e Lucros Retidos)
Outros
(=) Total do Valor Distribuído (igual ao total gerado)
FONTE: NEVES (2004).
Valor Adicionado (VA)
Geração do Valor Adicionado
Receita de Vendas .............................................................................. R$ 100.000,00
(-) Custo das Mercadorias Vendidas .................................................. R$ (30.000,00)
(-) Serviços contratados de terceiros .................................................. R$ (2.000,00)
(-) Materiais, Energia, Telefone ......................................................... R$ (3.000,00)
(-) Propaganda e Publicidade............................................................... R$ (5.000,00)
(=)Valor Adicionado............................................................................
Adicionado. R$ 60.000,00
Distribuição do Valor Adicionado
Remuneração do trabalho ................................................................................R$ 9.000,00
Encargos Sociais.............................................................................................. R$ 3.000,00
Governo (impostos) .........................................................................................R$ 21.000,00
Lucros Retidos................................................................................................
Retidos. R$ 27.000.00
(=) Valor total ..............................................................................................R$ 60.000,00
Leasing

• Cessão de direitos de uso de um bem móvel


ou imóvel, mediante a cobrança de um valor
como compensação.
Valor Adicionado (VA)
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Toda empresa focada na agregação de valor tem uma visão


direcionada à continuidade dos negócios, atendendo ao objetivo de
maximização de seu preço de mercado. Estratégias de gestão de
riscos, giros dos investimentos, estrutura de capital, oportunidades de
crescimento, entre outras, geralmente não vislumbradas pelos
relatórios da contabilidade tradicional, são fortes direcionadoras de
valor da moderna gestão das empresas. Os usuários da contabilidade
devem ter condições de acessar essas estratégias, avaliando seus
resultados e os impactos sobre o valor de mercado.
Leasing

Fabricante ou Arrendadora Arrendatária


Fornecedor
1 2

A empresa arrendadora compra o bem do fabricante ou


1 fornecedor com todas as características técnicas solicitadas
pelo arrendador

A empresa arrendadora entrega o bem à arrendatária e passa


a receber uma série de pagamentos periódicos conforme
estipulado no contrato de leasing. Ao término do contrato a
2 arrendatária poderá exercer uma opção de compra,
adquirindo o bem por um valor residual definido em contrato
(normalmente simbólico), ou devolvê-lo à arrendadora
Tipos de Leasing

• Leasing Financeiro: As parcelas pagam o


custo do bem arrendado e remuneram o
investimento da empresa arrendadora. Nesse
caso em geral o bem arrendado não pode ser
devolvido.

• Leasing Operacional: As parcelas cobrem o


custo do bem arrendado e pagam os serviços
prestados pela arrendadora como manutenção
e assistência técnica. Nesse caso a opção de
compra é pactuada no contrato.
Algumas vantagens do Leasing
• Não há necessidade de imobilização de capital
próprio e nem de financiamento para compra
de equipamento. O capital fica disponível para
o giro da operação.

• Maior liberdade para renovação de


equipamentos e processos.
• As despesas com leasing são integralmente
dedutíveis do Imposto de Renda (IRPJ).
Algumas vantagens do Leasing

• Os bens arrendados não são contabilizados


como ativo permanente (Melhor relação
patrimônio líquido / ativo permanente).

• No caso de uma compra, o valor de compra


não pode ser atualizado, e a depreciação é
calculada em valores nominais, aumentando
ficticiamente os lucros.
Algumas desvantagens do Leasing
• Não possibilidade de rescisão do contrato.

• Não-flexibilidade para alterar condições de contrato


(forma de correção monetária do bem, prazo de
pagamento, etc).

• Práticas que trazem desvantagens para o


arrendatário (ex. pagamento antecipado do valor
residual).