Anda di halaman 1dari 12

1

A drenagem linfática aplicada no pós-operatório da adbdominoplástia


Emília Cristina Garcia de Souza¹
emiliacristinasouza@hotmail.com
Dayana Priscila Maia Meija²
Pós-graduação em Estética – Faculdade FASAM

Resumo
Atualmente tem crescido muito a procura por procedimentos cirúrgicos que envolvem a
escultura do corpo humano dentre esses procedimentos a abdominoplastia vem se destacando
com uma das intervenções cirúrgicas mais procuradas, visto que a mesma consiste na
remoção de tecido subcutâneo excedente da região do abdome, através de uma incisão supra
púbica com transposição do umbigo e com plicatura dos músculos reto-abdominais. Tal
procedimento cirúrgico tem como consequência o ocasionar rompimento importante de
vasos, levando a obstrução da circulação linfática superficial e muitas vezes até as mais
profunda que na grande maioria das vezes ocasiona o aparecimento de edema. Neste caso a
drenagem linfática é um recurso terapêutico e estético solicitado para tratar as
consequências das alterações vasculares referente ao edema. Diante do exposto a presente
pesquisa teve por objetivo geral; Enfatizar a importância da drenagem linfática manual para
a pronta recuperação dos pacientes. A drenagem linfática se faz necessária, pois nos
procedimentos cirúrgicos ela contribui para a reabilitação mais rápida do paciente, sendo
eficaz para minimizar o edema e prevenir outras complicações que possam vir a interferir na
recuperação do paciente no pós- operatório.
A metodologia de abordagem da pesquisa foi a qualitativa descritiva dos conteúdos
necessários ao embasamento teórico. A referida pesquisa foi realizada através de sites de
consultas acadêmicas, livros e outras fontes de informação.
Palavras-chave: Abdominoplastia; Drenagem Linfática Manual; Técnicas.

1. Introdução

A constante busca por intervenções cirúrgicas tem crescido de forma vertiginosa “o corpo
toma frente da cena social, e se torna alvo de investimento sem fim.” (AMARAL et al, 2004).
De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em janeiro de 2009 o
Brasil, teve uma aumento de 73% no índice cirurgias estéticas e 27% de
reparadoras/construtoras de acordo coma estatística totalizam 629 mil cirurgias plásticas por
ano (CORDEIRO, 2010). Segundo Borges (2006), abdominoplastia é indicada para
indivíduos que apresentam gordura localizada abdominal, flacidez decorrente de
emagrecimento ou gravidez, flacidez aponeurótica, diástase abdominal, abaulamentos e
hérnias. Porém, as cirurgias plásticas especificamente abdominoplastia algumas vezes pode
apresentar algumas complicações pós-cirúrgicas como: hematomas, seromas, infecções na
cicatriz cirúrgica, deiscência,, necrose cutâneo-gordurosa, alterações cicatriciais, assimetrias,
retrações, desvios laterais do umbigo, elevação dos pelos pubianos, irregularidades da parede
abdominal, etc. (GUIRRO, 2002).
____________________________
1 A autora é Tecnóloga em Estética e aluna de Pós-Graduação em Estética e Cosmetologia.
² Orientadora: Fisioterapeuta, especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestra em Bioética e Direito em
Saúde.
2

Em toda intervenção cirúrgica, ao descolar ou cortar o tecido, células e vasos sanguíneos se


rompem gerando um acúmulo de líquido local (MACHADO, 2009).
Nesses casos é indicado a Drenagem Linfática Manual (DLM), contribuindo na recuperação e
satisfação dos resultados estéticos.
Para Mauad (2010), e imprescindível que o profissional tenha conhecimento anatomia e da
região abdominal e dos principais passos técnicos da abdominoplastia do sistema linfático e
da técnica de drenagem linfática, c
De acordo com GODOY (2011), A técnica de drenagem linfática tem como objetivo a
ampliação dos estímulos, atuando no sistema profundo e superficial, reproduzindo estímulos
fisiológicos de drenagens linfáticos.
A drenagem linfática manual pode e ser utilizada para vários fins, pois, atua diretamente sobre
o sistema linfático, fazendo com que haja a aceleração de saída e renovação dos líquidos desta
forma ajudando os capilares linfáticos na absorção da linfa, aumentando a velocidade de seu
transporte através dos vasos, também é responsável pela melhora da oxigenação das células, a
circulação sanguínea e eliminação de toxinas. Além de ser considerada por muitos terapeutas
e esteticistas como um excelente relaxante e analgésico e dessa forma sendo amplamente ser
indicada para Pós-operatórios de cirurgias plásticas

2. Sistema linfático

2.1 Anatomia e fisiologia

A anatomia do sistema linfático é estudada desde os primórdios, ainda que haja grande
dificuldade devido ao delicado aspecto e à coloração translúcida dos vasos linfáticos. Autores
como Leduc, apresentaram o sistema linfático e o dividiram em componentes, dentre os quais
podemos citar: os capilares linfáticos, vasos pré-coletores, os troncos linfáticos, o ducto
linfático, linfonodos e linfa (SILVA, 2012). O sistema linfático auxilia o organismo a drenar o
líquido intersticial e remover resíduos celulares, proteínas, de maior tamanho que o sistema
sangüíneo não consegue coletar, ele é constituído por capilares (rede muito fina que
corresponde à primeira estrutura do sistema linfático, permite a entrada de macromoléculas de
proteínas e minerais), pré-coletores (suas paredes são formadas por tecido endotelial, possuem
válvulas, por isso o fluxo da linfa é unidirecional), coletores (com maior calibre, também
possuem válvulas e conduzem a linfa no sentido centrípeto), canal ou ducto torácico direito
(termina no tronco das veias jugular interna e subclávia a direita, assim recebendo linfa do
lado direito da cabeça, pescoço, tórax e membro superior direito) e canal ou ducto linfático
esquerdo (se origina por uma dilatação a cisterna do quilo e continua como ducto torácico
propriamente dito, termina no tronco das veias jugular interna e subclávia esquerda,coleta
quase todos os vasos linfáticos do corpo, com excessão dos que são coletados pelo anal
torácico direito), linfonodos (estão localizados em trajetos nos vasos linfáticos, eles produzem
linfócitos e filtram a linfa), válvulas linfáticas e linfa (SOUZA, 2012).
O sistema linfático consiste de um sistema vascular, constituído por capilares linfáticos, vasos
coletores e troncos linfáticos, por linfonodos, que servem como filtros do líquido coletado
pelos vasos e por órgãos linfoides que incluem tonsilas, baço e o timo, encarregados de
recolher, na intimidade dos tecidos, o líquido intersticial, e reconduzi-lo ao sistema vascular
sanguíneo. (HASCHICH, 2005).
Os capilares linfáticos são os menores vasos do sistema linfático vascular (AMARAL, et,
AL., 2004). Devido sua fragilidade juntam com facilidade, por exemplo, por pressões externas
ou por aumento considerável da pressão intersticial. Por outro lado possuem um potencial
muito grande de regeneração (ROSÁRIO, 2009).
3

É nos capilares linfáticos que o liquido intersticial recebe o nome de linfa. Leduc e Leduc
(2000) relatam que a linfa é um liquido pálido espessura carregado de gordura e leucócitos.
Apresenta se na cor esbranquiçada ou amarela clara de comparação comparável a do plasma
sanguíneo.
Segundo Souza (2009), linfa é responsável por levar as toxinas para os órgãos excretores,
além de transmitir oxigênio, substâncias nutritivas hormônios para os tecidos.
Possuem ainda, vasos superficiais e profundos, com grande capacidade de reparação e
formação de novos vasos depois de danos sofridos. (GUIRRO; GUIRRO, 2002).
O sistema linfático é um sistema vascular que está relacionado intimamente, anatomicamente
e fisiologicamente ao sistema cardiovascular e que desempenha importantes funções no
organismo, como: retorno do líquido intersticial para a corrente sanguínea, destruição de
microorganismos e partículas estranhas da linfa e respostas imunes específicas, como a
produção de anticorpos. (GUIRRO; GUIRRO, 2004).
Segundo Guirro e Guirro (2002), a captação é efetuada objetivamente sobre o segmento
edemaciado, levando a linfa pelos linfocapilares. Na reabsorção, as manobras são executadas
nos pré-coletores e nos coletores linfáticos, que levarão a linfa captada pelos linfocapilares. Já
no processo de evacuação realiza nos linfonodos recebendo a confluência dos coletores
linfáticos (GUIRRO; GUIRRO, 2002).
“A função do sistema linfático em remover as proteínas dos espaços intersticiais, é de
fundamental importância para a homeostasia orgânica, e sem ela morreríamos num período de
24 horas” (RIBEIRO et al., 2008,).

Fonte: http://humanbody.xpg.uol.com.br/sistemali.htm
Figura: Anatomia sistema linfática

Segundo Guyton (1997), o sistema linfático representa uma via acessória pela qual o líquido
pode fluir dos espaços intersticiais para o sangue. E o que é mais importante, os linfáticos
podem transportar proteínas e material em grandes partículas, para fora dos espaços teciduais,
nenhum dos quais podem ser removidos por absorção direta pelo capilar sanguíneo.
A rede linfática, é um conjunto de vasos de distintos calibres, superficiais e profundos, com
pontos de encontro de maior importância entre eles (linfonodos) e condutos finais que
desembocam no sistema venoso. Trata se de uma verdadeira via acessória por meio do qualos
líquidos interticiais em que se acham submersos todos os tecidos do corpo são devolvidos a
circulação principal (GUYTON, 1997).
4

O sistema linfático desempenha o papel primordial de absorção e transporte do excesso de


líquido, tem também a função de devolver as proteínas plasmáticas do líquido intersticial de
volta à circulação do sangue. Uma pequena quantidade de proteínas plasmáticas vaza
continuamente, através dos poros para o líquido intersticial, que, se não forem devolvidas, a
pressão coloidosmótica do plasma cairia a volumes muito baixos para reter líquido na
circulação.
O fluxo linfático promove um retorno de 2 a 3 litros de linfa por dia, necessário para repor o
equilíbrio protéico. Além das proteínas, o linfático transporta substâncias de elevado peso
molecular como células, restos celulares, bactérias, vírus, água em excesso e gordura de
grande peso molecular. Outra função importante e essencial é a produção de linfócitos. Essas
células são os principais presentes na linfa, e não são originárias nem da corrente sangüínea,
nem do espaço intersticial, mas sim dos gânglios linfáticos, do baço e da medula óssea. Um
grande nu mero de linfócitos entra diariamente na circulação sangüínea, através do ducto
torácico e do linfático direito.

Fonte: http://www.auladeanatomia.com/linfatico/linfa.htm
Figura: Estrutura capilar linfático.

A respiração favorece o retorno da linfa no canal torácico. Os movimentos de inspiração e de


expiração produzem aumentos de pressões seguidos de diminuições que atuam sobre o canal
torácico e facilitam o trânsito linfático ate a sua desembocadura venosa.
O sistema linfático possui diversas funções e opera das seguintes maneiras:
-Retorna substâncias vitais, como proteínas do plasma, à corrente sanguínea a partir de tecidos
do corpo;
-Auxiliar na manutenção do equilíbrio de fluído, drenando-os dos tecidos do corpo;
-Auxilia a defesa do corpo contra substâncias que causam doenças;
5

-Ajuda na reabsorção de gorduras do sistema digestório (SILVA, 2012).


No que se refere a linfa, sabe-se que as vias linfáticas não possuem um órgão central
bombeador, assim os movimentos da linfa dependem da capilaridade e forças externas sobre o
sistema.A linfa é transportada até se misturar com o sangue novamente de, devolvendo desta
maneira as proteínas plasmáticas do líquido intersticial de volta ao sangue (SOUZA, 2012).
Segundo Macedo et al (2010) e Silva (2012), nos traumas mecânicos, como na cirurgia
plástica, pode haver alteração estrutural ou funcional dos vasos linfáticos, causada por
laceração ou compressão (hematoma, fibrose). Essa obstrução mecânica alterará o equilíbrio
das tensões, resultando de maneira inevitável em edema. Esse edema é definido como o
acúmulo de excesso de líquido no espaço intersticial como resultado da quebra do equilíbrio
entre a pressão interna e externa da membrana da célula, ou de uma obstrução do retorno
linfático e venoso.

2.2 Drenagem Linfática

A palavra drenagem origina-se do pré-histórico germânico draug, que consiste em evacuar um


pântano que está cheio de água, através de canaletas que desembocam em um canal maior,
desembocando este, por sua vez, em um curso de água ou poço. (TACANI; TACANI, 2008)
A técnica de drenagem linfática manual foi criada pelo biólogo dinamarquês Emil Vodder e
sua esposa Estrid Vodder, em 1936, vários adeptos passaram a difundi-la, tornando-a um dos
principais pilares no tratamento do linfedema. Eles observaram que muitas pessoas
apresentavam quadros gripais crônicos nos quais se detectava um aumento dos linfonodos na
região cervical. A partir dessas observações, desenvolveu-se a técnica de drenagem linfática
manual, com a sistematização de alguns tipos de movimentos e da orientação do sentido de
drenagem.
Visando imitar a fisiologia do sistema linfático, desenvolveu-se a técnica de Drenagem
Linfática Manual. De acordo com Ferreira (2004), técnica significa: o conjunto de processo de
uma arte ou ciência.
Ela é também responsável pela evacuação dos dejetos provenientes do metabolismo celular.
A DLM possui inúmeras indicações, sendo uma técnica capaz de remover o excesso de
líquido da substancia fundamental, promover a desintoxicação do tecido intersticial, melhorar
a oxigenação e nutrição celular e proporcionar melhor circulação sangüínea venosa.
A DLM drena os líquidos excedentes que banham as células, mantendo assim, o equilíbrio
hídrico dos espaços intersticiais. Também é responsável pela evacuação dos dejetos
provenientes do metabolismo celular (LEDUC; LEDUC, 2002). Para Leduc e Leduc (2000), a
DLM faz parte das técnicas utilizadas para favorecer a circulação dita “de retorno”. Godoy e
Godoy (1999), deixam claro que DLM e massagem são duas coisas completamente distintas.
Afirma também que para realizar a DLM devemos ter consciência de que estamos drenando, e
que para isso não há necessidade de movimentos fortes de compressão. As manobras são
lentas, rítmicas e suaves, devendo sempre direcionar sua pressão, obedecendo ao sentido da
drenagem linfática fisiológica. Para que o objetivo da drenagem da linfa estagnada seja
atingido, é imprescindível obedecer a uma seqüência especifica de regiões do corpo onde as
manobras são executadas. “O processo de evacuação ocorre nos linfonodos que recebem a
confluência dos coletores linfáticos. Este processo libera as vias linfáticas das regiões
adjacentes à zona edemaciada, ou seja, as regiões que irão receber todo o líquido drenado.”
(GUIRRO; GUIRRO, 2002).
Ribeiro (2003), afirma que a DLM deve sempre ser iniciada pelo segmento proximal, pelas
manobras que facilitem a evacuação, feitas nos linfonodos regionais, e só então deve seguir
para as manobras de reabsorção e captação, realizadas ao longo das vias linfáticas e nas
regiões de edemas. Segundo Ribeiro (2003), as diversas manobras de DLM são realizadas em
6

todos os segmentos do corpo, sendo que cada manobra é realizada sobre o mesmo local de
cinco a sete vezes. Algumas delas seguem um trajeto que parte dos linfonodos regionais e
retorna a ele, correspondendo, de um modo geral, às vias linfáticas fisiológicas.
De acordo com Guirro e Guirro (2002), as manobras de DLM são indicadas na prevenção
e/ou tratamento de: edemas, linfedemas, fibro edema gelóide, queimaduras, enxertos, acne,
sensação de cansaço nos membros inferiores, dor muscular, pré e pós-operatório de cirurgia
plástica, hematomas e equimoses, olheiras e até mesmo marcas de expressão. Para Ribeiro
(2001), também está indicada para gordura localizada, cicatrizes hipertróficas e retráteis,
relaxamento e síndromes vasculares, microvarizes e varizes.
Lopes (2002), cita as seguintes indicações: retenção hídrica, afecções dermatológicas, rigidez
muscular, período de TPM (tensão pré-menstrual), insônia, pré e pós-intervenção cirúrgica,
hematomas, tratamento de acne, tratamento de telangectasias, tratamento de
rejuvenescimento, tratamento de rosácea e tratamento do fibro edema gelóide. A fisioterapia
através da drenagem linfática manual tende a prevenir e diminuir o edema, melhorando o
efeito estético, aumentando a satisfação dos pacientes quanto ao resultado do procedimento
cirúrgico.
Outros efeitos são citados por Borges (2006), como sendo indiretos, são eles: o aumento da
quantidade de líquido excretado, a melhora de irrigação sanguínea e consequentemente da
nutrição celular, a melhora da oxigenação dos tecidos devido o aporte de sangue arterializado,
a desintoxicação dos tecidos intersticiais, a excreção do ácido lático da musculatura
esquelética e diminuição do tempo de dor do músculo, a absorção de nutrientes pelo trato
digestivo devido reabsorção de gorduras através do sistema linfático.

O tamanho dos vasos linfáticos vai aumentando da Periferia ao centro. Eles se


encontram a todos os tecidos da economia, exceto o cartilaginoso, medula ossea,
esclerótica, humor vítreo, timo, placenta e dentes. A ntes negava se sua existência no
sistema nervos; recentemente Picard, em 1990, demonstrou a presença de vasos
linfáticos também neste tecido. (GODOY, BELCZAK, GODOY, 2005).

A técnica de drenagem linfática manual foi criada pelo biólogo dinamarquês Emil Vodder e
sua esposa Estrid Vodder, em 1936, vários adeptos passaram a difundi-la, tornando-a um dos
principais pilares no tratamento do linfedema. Eles observaram que muitas pessoas
apresentavam quadros gripais crônicos nos quais se detectava um aumento dos linfonodos na
região cervical. A partir dessas observações, desenvolveu-se a técnica de drenagem linfática
manual, com a sistematização de alguns tipos de movimentos e da orientação do sentido de
drenagem.
A Drenagem linfática trata-se do principal recurso de tratamento no pós- operatório de
cirurgias plásticas. As cirurgias plásticas estéticas ou reparadoras em sua grande maioria têm
grande necessidade de drenagem linfática devido a grande destruição de vasos e nervos
causados pela maioria desses procedimentos, provocando edema, dor e diminuição de
sensibilidade cutânea.
Para a realização da drenagem linfática nestes procedimentos, é muito importante o
conhecimento da anatomia e fisiologia linfática, além do conhecimento das linhas de
drenagem. A drenagem linfática atua no processo de deslocamento de proteínas extravasadas
para serem reabsorvidas, equilibrando a pressão hidrostática e tissular e diminuindo o edema.
Logo, deve-se iniciar o tratamento com drenagem ainda na fase aguda. A drenagem linfática
não oferece risco algum para o paciente pós-operado de cirurgia plástica e não há limite para a
sua utilização podendo esta abordagem ser realizada precocemente após 48 horas de ocorrido
7

a cirurgia (BORGES, 2006, LEDUC, 2000; CARDOSO, 2003; SOARES, 2004); b) Agentes
térmicos: Calor – Para uma abordagem terapêutica a temperatura.
De acordo Guirro e Guirro (2002), com aplicação da drenagem linfática manual no pós-
operatório devem obedecer aos seguintes princípios:
- Ser suave para evitar possíveis lesões teciduais;
- Evitar os movimentos de deslizamentos;
- Seguir o trajeto das vias que não foram comprometidas pelo ato cirúrgico;
- Elevação do segmento a ser drenado;
- Ser realizada de modo que não promova um maior tensionamento na incisão cirúrgica,
fixando-a com uma das mãos.

Fonte: http://www.saudemedicina.com/abdominoplastia
Figura 1: Drenagem linfática manual

3. Abdominoplastia

Abdominoplastia ou Dermolipectomia abdominal é a cirurgia plástica do abdome. A


abdominoplastia destina-se à remoção de gordura localizada no abdome inferior, assim como
da flacidez de pele ao redor da região umbilical e das estrias situadas entre o umbigo e os
pêlos pubianos (CABRAL, 2013).
Segundo Rosário (2009), a parede abdominal é constituída basicamente por três elementos: a
pele, tecido subcutâneo e tecido gorduroso e os músculos abdominais.
Segundo Guirro e Guirro (2002), um capítulo recente da cirurgia plástica é a abdominoplastia,
sendo que desde quando foram criadas, várias alterações surgiram em suas técnicas e
fundamentos, assim com a diminuição da incidência de seqüelas deixadas no pós-operatório.
Para Moraes (2008), a cirurgia estética estar intimamente ligada à autoestima dos pacientes e
bem estar, oferecendo melhor qualidade de vida ao indivíduo. em toda intervenção cirúrgica
nesse caso é indicada a Drenagem Linfática Manual (DLM).
Pode ser subdividida em várias técnicas: mini abdominoplastia sem descolamento do umbigo,
mini abdominoplastia com descolamento do umbigo, abdominoplastia clássica,
abdominoplastia com descolamentos mínimos e lipoabdominoplastia. Na primeira, trata-se
somente a porção inferior do umbigo, não havendo necessidade de reposicioná-lo. Na mini
abdominoplastia com descolamento do umbigo, retira-se um fuso de pele e tecido abdominal
inferior e descola-se o umbigo da musculatura; este último é suturado dois a três centímetros
abaixo da sua posição original. Na abdominoplastia clássica, trabalha-se todo o abdome
8

anterior com um descolamento amplo até a costela; retirase um fuso grande de tecido
abdominal inferior e confecciona-se um novo orifício para o umbigo. Na abdominoplastia
com descolamentos mínimos e na técnica de lipoabdominoplastia procede-se a lipoaspiração
do retalho abdominal procurando liberá-lo da musculatura sem lesão dos vasos perfurantes; há
tratamento dos excessos cutâneos inferiores e confecção de um novo orifício umbilical.
A cirurgia plástica do abdome não deve ser considerada como um A cirurgia plástica do
abdome não deve ser considerada como um tratamento de emagrecimento, apesar de nos
casos de grandes obesos que perderam peso as ressecções de tecidos serem, às vezes, de
grandes proporções. Pessoas demasiadamente obesas obtêm resultado pouco satisfatório com
a cirurgia. Nestes casos, a indicação cirúrgica poderá ser feita apenas por razões funcionais e
higiênicas (CABRAL, 2013).
Para a realização do procedimento cirúrgico o paciente precisa submeter-se a Anestesia
peridural ou geral e o tempo do procedimento é em torno de 6 horas com um período de
internação que varia de dois a três dias
Segundo Guirro e Guirro (2002), o pós-cirúrgico de abdominoplastia pode apresentar algumas
complicações pós-cirúrgicas locais, sendo as mais comuns: deiscências, hematomas, seromas,
infecções na cicatriz cirúrgica, alterações cicatriciais, assimetrias, retrações. Além dessas,
pode ocorrer irregularidades na parede abdominal, necrose cutâneo-gordurosa desvios laterais
do umbigo, elevação dos pelos pubianos.

Fonte: http://www.minhavida.com.br/beleza
Figura 2: Esquema de corte de abdominoplastia

3.1 Complicações pós-cirúrgica

Dentre as complicações mais comuns temos: edema, hematoma, seroma, fibrose, entre outros
(SILVA, 2011). O surgimento do edema e hematoma são reações naturais que ocorrem na
região operada.
Guirro e Guirro (2002), definem o edema como acúmulo de fluidos nos tecidos sendo
altamente benéfico, pois e uma resposta do organismo que há indícios sobre a reparação
tecidual.
De acordo com Sanches (2003), o hematoma ocorre devido o acumulo de sangue na região
lesionada, devido o rompimento dos capilares na área afetada. Já o seroma ocorre devido ao
descolamento do retalho abdominal sendo caracterizado pelo excesso de liquido de coloração
amarela que fica retido no tecido subcutâneo (OLIVEIRA et al., 2008).
9

Outra resposta que ocorre a agressão do tecido e a fibrose que aparece debaixo da pele logo na
fase proliferativa que vai ate 21 dias do pós-operatório, a medida que o processo cicatricial
evolui, o tecido de granulação se transforma em um tecido mais fibroso denso Esse novo
tecido de inicio e frágil e posteriormente pode virar a tornar se rígido e doloroso (ANGELIM,
2010).
Com o auxilio da DLM estaremos prevenindo e minimizando a evolução dessas complicações
pós-operatórias.

3.2 Principais cuidados nos pós-operatórios

De acordo com Dr. Stédile (2014), para o pós-operatório de abdominoplastia são necessárias
as observâncias de alguns cuidados tais como:
- Durante a permanência hospitalar é permitido ao paciente alterar o seu posicionamento
através de movimentos lentos, sendo desnecessário permanecer imóvel no leito.
- Para favorecer a circulação sanguinea e diminuir os riscos de embolia, as pernas devem ficar
semi fletidas e precisam ser movimentadas de forma lenta juntamente com os tornozelos e
pés.
- Normalmente são utilizados pequenos drenos de sucção que permanecem de 3 a 10 dias para
evitar o acumulo de líquidos na parede abdominal. Nas duas primeiras semanas os curativos
são trocados em dias alternados.
- O paciente fará uso de uma cinta elástica compressiva por cerca de 3 a 6 meses dependendo
da necessidade que o caso exigir. Nos primeiros dias a cinta elástica será removida apenas
para higiene pessoal e após 30 dias poderá ser retirada a noite, para dormir.
- A maior parte dos pontos de sutura da incisão (são internos) está por baixo da pele e não
precisam ser retirados, sendo absorvidos pelo organismo em algumas semanas. Alguns destes
pontos podem eventualmente ser eliminados pela linha de sutura Os pontos externos da
incisão e do umbigo são retirados entre o 07 e 15 dias após a cirurgia.
- O banho completo será liberado após o segundo dia ou após a retirada do-dreno.
- A paciente deve evitar esforços físicos e manter uma postura levemente curvada por 15 dias
para se evitar tensão na cicatriz com risco de abertura das suturas realizadas.
Após estas duas semanas iniciais o paciente vai voltando as suas atividades normais, mas com
moderação e bom senso evitando exageros os exercícios físicos intensos devem ser evitados
por pelo menos dois meses, sendo recomendado o uso de cinta elástica por pelo menos 3(três)
meses período recomendado pelo medico , isso de acordo com a evolução clinica do paciente.

4. Metodologia

A drenagem linfática é um dos procedimentos muito utilizados em clinicas de estéticas e


agora vem sendo amplamente divulgada em procedimentos cirúrgicos principalmente em pós
operatórios de abdominoplastia Desta forma houve a necessidade de realizar uma pesquisa
que viabilizasse maior conhecimento em relação as técnicas de drenagem linfática.
Na primeira etapa foram realizadas leituras e fichamento de artigos, revistas, e livros sobre o
assunto dando assim, ao assunto uma nova abordagem metodológica, sobretudo para dar
sustentação teórica, pois, para Minayo (2010), a característica das ciências Sociais é a
identidade entre o sujeito e o objeto de investigação.
A análise crítica da literatura teve como ponto de partida um enfoque qualitativo e descritivo
dos conteúdos pertinentes à abordagem bibliográfica do tema, o período da pesquisa foi de
julho de 2014 a janeiro de 2015.

5. Resultados e Discussão
10

Estudos dizem que a insatisfação corporal atinge indivíduos de ambos os gêneros, mas as
mulheres são mais vulneráveis (COELHO et al., 2010). A mulher após a gravidez ou aos 40
anos começa acumular gordura na parte central do abdome e no nível dos flancos.
A abdominoplastia é uma das inúmeras técnicas de cirurgia plástica que envolve o abdômen,
sendo a mais comum à incisão horizontal infraumbilical baixa ou supra-púbica com
transposição do umbigo, removendo o excesso de tecido a partir da porção inferior do tronco,
coxas e parte superior dos braços, sendo indicada principalmente para pessoas que apresentem
tecidos pendentes, devido o envelhecimento, gestações, múltiplas operações abdominais, ou
perda de peso significativa, visando um melhor controle do contorno corporal (FROES,
2012).
O edema e o hematoma são comuns após qualquer trauma cirúrgico e desaparecem
naturalmente o autor ressalta que o seroma e uma simples complicação (SANTOS FILHO,
2011)
Guirro e Guirro (2011), afirmam que a DLM atua de forma eficaz na drenagem do edema e
absorção de hematoma e seroma proveniente do ato cirúrgico. Sua utilização diminui a
probabilidade de fibrose, por evitar a estase linfática. Assim pode se afirmar que a drenagem
linfática manual mostra se eficaz na prevenção de fibroses no pós-operatório imediato de
abdominoplastias (RIBEIRO, 2003)
Borges (2003), relata que a Drenagem Linfática Manual no pós-operatório promove uma
grande melhora no desconforto da dor por reduzir a congestão tecidual, contribuindo também
para o retorno da sensibilidade cutânea local.
A drenagem Linfática com todos os seus efeitos fisiológicos pode continuar sendo oferecida
ao paciente mesmo após o período de tratamento do pós – operatório com intuito de melhorar
a silhueta corporal, melhorar o peristaltimo, previne fibrose e melhora a circulação
(BORGES, 2007; JUNQUEIRA, 1999).
Os dados apresentados relacionados aos recursos fisioterapêuticos se justificam na literatura
através dos estudos que afirmam que a DLM utilizada no pós-operatório em mulheres
submetidas à cirurgia plástica de tronco diminuiu o edema, a dor e a ingestão de
medicamentos (analgésicos) (FROES, 2012).

6. Conclusão

Concluímos diante do exposto, que se faz importante à realização dos procedimentos como
drenagem linfática nos casos de pós-operatórios de abdominoplastias, por constituir uma
terapia potencializadora para a redução não só do edema pós-cirúrgico, como também reduz
as chances de complicações.
Atualmente e nítido o aumento expressivo da preocupação com a imagem corporal. Imposto
pela mídia e pela sociedade o modelo de “Padrão Beleza” que acaba atingindo as mulheres e
com isso aumenta a insatisfação pessoal levando ao aumento da procura por cirurgias
plásticas.
No entanto é preciso compreender que aplicação precoce da drenagem linfática após a
cirurgia pode proporcionar uma recuperação mais rápida desses pacientes.
A drenagem linfática no pós-cirúrgico de abdominoplastia visa acelerar o processo de
cicatrização interna, diminuindo inflamações do tecido e acelerar a reabilitação do paciente e
com o retorno precoce e dinâmico às suas atividades.
Ainda sim devido a escassez de pesquisas cientificas voltadas para pós-cirúrgicos de cirurgias
plásticas, com todos os dados encontrados observamos que a drenagem linfática aplicada o
pós-cirúrgico em cirurgias de abdominoplastia se mostra muito eficaz na diminuição de
intercorrencias apresentadas nestas cirurgias, fisiologicamente e no estado geral do paciente.
11

Referências

AMARAL, Ana Carolina. Et. Al. Os corpos da cirurgia plástica: os discursos de mulheres sobre o corpo,
aparênciaatividade física. Disponível em:
http://www.fef.unicamp.br/fef/sites/uploads/congressos/imagemcorporal2010/trabalhos/portugues/area2/IC2-
02.pdf. Acesso em 17/07/2014.

AMORIN, Lyenne de Lima. O papel da drenagem linfática na melhora da qualidade de vida na redução e
na redução de linfedema em mulheres mastectomizada em pós-operatório tardio. Disponível em:
http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/14/15_-
_O_papel_da_dren._linf._na_melhora_da_qualidade_de_vida_e_na_reduYYo_de_linfedema_em_mulheres_mas
tectomizada_em_pYs-op._tardio.pdf. Acesso em 07/06/2014.

AVELAR, Juarez M. Abdominoplasty without panniculus undermining and resection. Disponivel em:
http://asj.oxfordjournals.org/content/22/1/16.abstract. Acesso em 07/07/2014.

BORGES, Fábio. Importância da fisioterapia no edema para abdominoplastia. Disponível em:


http://www.proffabioborges.com.br/artigos/importancia_da_fisioterapia_no_edema_pos_abdominoplastia.pdf,
Acesso 08/06/2014.

BORGES, Fábio dos Santos. Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte, 2010.

BORGES, Fabio dos Santos. Modalidade Terapêutica nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte, 2006.

CABRAL, Eduardo. Abdominoplastia Cirurgia Plástica do Abdome. Disponível em:


http://www.dreduardocabral.com.br/wp-content/uploads/2010/12/ABDOMINOPLASTIA.pdf. Acesso:
10/08/2014.

CABRAL. Gabriela. Drenagem Linfática. Disponível em:


http://www.brasilescola.com/saude/drenagem-linfatica.htm. Acesso 30/04/2014.

CAMPOS, Mauricio de Arruda. Exercícios abdominais: uma abordagem prática e científica. Rio de Janeiro:
Sprint, 2004.

CEOLIN, Mariana M. Efeitos da drenagem linfática manual no pós operatório imediato de lipoaspiração
no abdome. Disponível em:
http://www.fisio-tb.unisul.br/Tccs/06b/marianaceolin/resumomariana.pdf.
Acesso 08/07/2014.

COELHO, F, D et al. Avaliação da imagem corporal de mulheres praticantes de musculação. Disponível


em:
HTTP://inf.unisul.br/~psicologia/wpcontent/uploads/2010/12PRISCILA%20PAES%20CORDEIRO.pdf.
Acesso 11/10/2014.

FROES, Patricia. Protocolo fisioterapêutico para o pós-operatório de abdominoplastia. Disponível em:


http://www.patriciafroes.com.br/gestao/img/publicacoes/1b0837c4f4414f923110c33db9c87ae9.pdf.
Acesso 10/07/2014.

GODOY, José M. P.; GODOY, Maria de Fátima G. Drenagem linfática manual: novo conceito. Simpósio de
Linfologia, 2004.

GUIRRO, Elane; GUIRRO, Rinaldo. Fisioterapia Dermato Funcional. São Paulo: Manole, 2002.
.
GUYTON, Arthur C. Tratado de fisiologia médica. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1977.

HASCHICH, P. E. B. Análise da eficácia da drenagem linfática manual na redução do linfedema de


membros inferiores: relato de caso. 2005. Monografia (Graduação em Fisioterapia) - Faculdade Assis Gurgacz,
Cascavel. Disponivel em: http://www.readbag.com/fag-br-tcc-2005-fisioterapia-analise-da-eficacia-da-
drenagem-linfatica-manual-na-reducao-do-linfedema-de-membros-inferiores-relato-de-caso. Acesso 09/07/2014.
12

JUNQUEIRA, Luiz; CARNEIRO, José. Histologia Básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

LEDUC & LEDUC. Drenagem Linfática: teoria e Prática. São Paulo: Manole, 2000.

MACHADO, D. Cirurgia plástica. Disponível em:


http//WWW.davimachado.com.br/Downloads/jornalDaviMachado. Acesso 14/07/2014.

MAUAD, Raul. Estética e cirurgia plástica: tratamento no pré operatorio. São Paulo: SENAC, 2003.

MINAYO, M.C Souza. O desafio do conhecimento. São Paulo: Cortez, 2010.

PINHEIRO, Marcelle. Abdominoplastia. Artigo. 2012. Disponível em:


http://www.tuasaude.com/abdominoplastia. Acesso 30/04/2013.

OLIVEIRA Cláudia. Abordagem anatômica, fisiológica, motora, biomecânica e eletromiográfica da


musculatura abdominal. 2009. Disponível em: http://www.fade.up.pt/rpcd/_arquivo/RPCD_vol.5_nr.3.pdf.
Acesso em 15/07/2014.

PONDOFE, K.M.; ANDRADE, M.C.C.; MEYER, P.F.; SILVA, E.M. Relação entre força abdominal,
abdome protuso e ângulo lombossacral em mulheres jovens. Fisioterapia em Movimento, v.19, n.4, p. 99-
104. Disponível em:
http://www2.pucpr.br/reol/public/7/archive/0007-00001821-ARTIGO_12.PDF. Acesso 21/10/2014.

RIBEIRO, J.R.C. Musculação: Modelo didático para prescrição e controle das atividades. Belo Horizonte:
Casa da Educação Física, 2005. Disponível em: http://www.academiamalhacao.com.br/nikolascte/?p=1790.
Acesso 22/10/2014.

ROSÁRIO, G. G. Efeitos da drenagem linfática manual aplicado no pós operatório de abdominoplastia.


2009. Disponível em:
http//WWW.fisiovitae.com.br/app/weebroot/artcles/meu TCC_GISELE_10.pdf. Acesso 05/10/2014.

SANCHES, O. Pré e pós cirurgia plástica. Personalité-Revista Profissional Multidisciplinar, n. 24, p. 11-17.
Ago/set. 2002. http://www.revistapersonalite.com.br/prepos_verao.php. Acesso 18/10/2014.

SANTOS FILHO, P. R. Produção: liga de cirurgia geral. Disponível em:


http://siaibib01.univali.br/pdf/Betina%20Zanella,%20Suelen%20Ruckl.pdf. Acesso 06/10/2014.

SOARES, Amâncio. Tratamento estético. Porto Alegre: ArtMed, 2005.

SOUZA, Rosenny Lima de. A drenagem linfática: técnica de vodder associada a cinesiologia em pós operatório
imediato de mastectomia para manutenção da funcionalidade do ombro. Disponivel em:
http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/18/84_-_Fisioterapia_dermato-
funcional_utilizando_o_recurso_da_drenagem_linfYtica_manual_em_pacientes_pYs_cirYrgia_bariYtrica.pdf.
Acesso 10/07/2014.

TACANI RE, Tacani PM. Drenagem linfática manual terapêutica ou estética: existe diferença? Revista
Brasileira de Ciência e Saúde. 2008;17:71-7. 25. Acesso em:
http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/362. Acesso 06/10/2014.

VERONEZ Djanira Aparecida da Luz VIEIRA Michele Patrícia Müller Mansur ANATOMIA DO ABDOME
Disponível em:
http://rle.dainf.ct.utfpr.edu.br/hipermidia/images/documentos/Anatomia_do_abdome.pdf. Acessado 15/03/2015.