Anda di halaman 1dari 2

SENTENÇA. PARCIALMENTE PROCEDENTE. FAMÍLIA. ALIMENTOS.

I - RELATÓRIO

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, menores representadas por sua


mãe xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, manejaram a presente Ação de Alimentos
em desfavor de seu pai xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, alegando
que este em nada contribuiu com o seu sustento, pedindo, por isso, a
condenação no pagamento de pensão alimentícia no valor 50% do salário
mínimo para cada alimentante. Instruíram a inicial com documentos,
especialmente certidão de nascimento.
Em decisão liminar, foram fixados alimentos provisórios no percentual de
25% do salário mínimo vigente.
Citado, o requerido não compareceu em audiência, nem presentou
contestação.
O Representante do Ministério Público, em parecer, pugnou pela
procedência parcial do pedido, para condenar o requerido no percentual de
40% do salário mínimo.

II - FUNDAMENTAÇÃO

Trata-se de Ação de Alimentos regida por lei própria e sujeita a


procedimento especial.
A RL dos autores pretende que o requerido seja condenado ao pagamento
da prestação alimentícia em favor de seus filhos no percentual de 50% do
salário mínimo.
Os pais têm o dever de alimentar, educar e criar os filhos, conforme
determina a Constituição Federal, em seu art. 229, verbis:
“Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores (...).”
Então, certa é a obrigação alimentar sobre aquele que não detém a guarda
do filho. No entanto, a fixação do valor da pensão alimentícia deve respeitar o
disposto no art. 1.694, §1º do Código Civil, que dispõe:
“Os alimentos devem ser fixados na proporção das necessidades do
reclamante e dos recursos da pessoa obrigada”.
Nesse sentido, vejo que os autores necessitam dos alimentos reclamados,
uma vez que são crianças em idade escolar, não tendo a RL mensurado de
forma precisa o quanto é gasto com as despesas correntes dos menores.
Por sua vez, também não foi feito prova dos rendimentos do requerido,
apenas afirmando-se na inicial que ele é profissional autônomo.
Nesse sentido, atendendo ao binômio necessidade-possibilidade, entendo
que a fixação de alimentos no percentual de 50% do salário mínimo a ser
dividido entre os dois alimentantes é o que melhor se adéqua ao caso.
Não é muito frisar que os alimentos são cobertos apenas pelo manto da
coisa julgada formal, de tal sorte que acerca da modificação da situação fática
atinente ao encargo alimentício, ou seja, da superveniência de alteração no
padrão econômico do alimentante, oportuno será o pedido de revisão do
mesmo, conforme disposição no art. 1.699, do CC, e no art. 15, da Lei
5478/1968.

III - DISPOSITIVO

Pelo exposto, pelo que consta dos autos e pelo livre convencimento que
formo, julgo parcialmente procedente o pedido formulado na inicial para,
em consequência, condenar, o requerido no pagamento da pensão alimentícia
no percentual de 50% (cinquenta por cento) do salário mínimo vigente, a ser
pago mediante depósito em conta bancária, todo o dia 10 de cada mês.
Custas pelo requerido. Deixo de fixar honorários porque a parte autora foi
patrocinada pela Defensoria Pública.
Após o trânsito em julgado, expedido o necessário, dê-se baixa e arquive-
se.
Publicação e Registre eletrônico. Intimem-se.