Anda di halaman 1dari 18

Relatório Teórico

Biologia Molecular e Celular


Aula 10

Química Industrial 1º Ano

2017/2018
Índice

Replicação Do DNA....................................................................................................................................... 3

Fase S E A Replicação Do DNA ............................................................................................................. 6

Componentes Do Complexo de Pré-Replicação ......................................................................... 10

M-CDK E Iniciação Da Prófase ........................................................................................................... 11

Ponto De Verificação Em G2 ............................................................................................................... 12

Mitose ......................................................................................................................................................... 12

Prófase .................................................................................................................................................. 12

Prometáfase ........................................................................................................................................ 13

Metáfase ............................................................................................................................................... 15

Anáfase ................................................................................................................................................. 15

Telófase ................................................................................................................................................. 17

Citocinese ............................................................................................................................................. 18

GUSTAVO PINHO MAIA 2


Replicação Do DNA
A replicação é o processo de duplicação de uma molécula de DNA de dupla cadeia (hélice).

Os mecanismos de replicação dos procariotas e eucariotos não são idênticos. Como cada

cadeia de DNA contém a mesma informação genética, qualquer uma delas pode servir

como molde. Por isso a replicação do DNA é dita semi-conservativa.

É iniciada em origens únicas e geralmente ocorre de forma bidirecional, a partir de cada

origem de replicação. A fidelidade da replicação é muito grande, com uma média de apenas

um erro por bilhão de nucleotídeos incorporados após a síntese e correção de erros durante

e imediatamente após a replicação. A replicação deve acontecer antes da divisão celular.

Em procariotas a replicação ocorre entre as divisões celulares, enquanto que nos eucariotas

ocorre na fase S da interfase.

Para que o processo de replicação se inicie é necessária a atuação de uma enzima, a

helicase. A enzima liga-se à cadeia de DNA e desliza sobre esta, quebrando as ligações

entre as duas cadeias de nucleótidos - ligações de hidrogênio - ficando então as duas

cadeias de DNA separadas. Em seguida, os nucleotídeos livres existentes no núcleo ligam-

se, por complementaridade de bases, à cadeia de DNA. De uma cadeia original de DNA

formam-se duas. A replicação do DNA é o processo de auto-duplicação do material

genético, mantendo o padrão de herança ao longo das gerações.

Cada cadeia do DNA é duplicada formando uma fita híbrida, isto é, a cadeia velha pareia

com a cadeia nova formando um novo DNA; de uma molécula de DNA formam-se duas

outras iguais a ela. Cada DNA recém-formado possui uma das cadeias da molécula-mãe,

por isso o nome semi-conservativa. Ao mesmo tempo em que a helicase vai abrindo a

GUSTAVO PINHO MAIA 3


molécula de DNA, outra enzima chamada polimerase liga um grupo de nucleotídeos que se

pareiam com os nucleotídeos da molécula-mãe.

Além da capacidade de duplicação, o DNA também é responsável pela síntese de outro

ácido nucleico muito importante para a célula: o ácido ribonucleico ou RNA. Da mesma

forma que o DNA, o RNA também é uma molécula grande, formada por várias partes

menores chamadas nucleotídeos. Por isso diz-se que tanto DNA como RNA são

polinucleotídeos.

Células Procarióticas

Na célula, a replicação do ADN tem início em locais específicos do genoma denominadas

origens de replicação. Mais especificamente, inicia-se numa zona da cadeia denominada

tripleto de iniciação. Neste local as helicases começam a abrir a cadeia para ambos os

lados da origem, quebrando as ligações de hidrogênio existentes entre as bases

complementares e dando origem a uma "bolha de replicação" que é constituída por duas

forquilhas de replicação. Em seguida liga-se às cadeias de DNA a enzima RNA primase

que sintetiza um primer, que consiste numa sequência de bases de RNA que iniciam a

síntese, visto que a DNA polimerase III não tem a capacidade de o fazer pela ausência de

grupos hidroxila expostos.

Após a síntese do primer, a DNA polimerase III vai continuar o processo que ocorre no

sentido da extremidade 5' para a extremidade 3' da nova cadeia. Como a DNA polimerase

vai atuar para ambos os lados da origem de replicação, por cada cadeia simples de DNA

existente, uma parte da nova cadeia será sintetizada na direção da replicação. Esta cadeia

é sintetizada de modo contínuo e denomina-se "cadeia contínua". Existe uma outra parte

GUSTAVO PINHO MAIA 4


da cadeia em que a direção da replicação é contrária à direção da síntese, esta cadeia é

sintetizada descontinuamente, isto é, a RNA primase vai sintetizar vários primers ao longo

da cadeia, inicialmente próximo da origem de replicação e posteriormente a maior distância.

Os fragmentos formados são denominados fragmentos de Okazaki. Entre estes fragmentos

existem primers que serão removidos e substituídos por DNA, pela ação de uma outra DNA

polimerase, a DNA polimerase I.

Como a DNA polimerase não consegue estabelecer a ligação entre esses nucleótidos e os

que se encontram nas extremidades dos fragmentos de Okazaki, formam-se lacunas entre

o grupo fosfato de um e o carbono 3' do outro. Esses nucleótidos são posteriormente ligados

pela DNA ligase. A esta cadeia chama-se "cadeia descontínua".

As partes finais da cadeia de DNA denominada telómeros são sintetizadas pela enzima

telomerase. A telomerase é uma DNA polimerase com atividade de transcriptase reversa.

Apresenta um molde interno de RNA e a partir daí é capaz de sintetizar o DNA das

extremidades cromossômicas, evitando a perda progressiva e encurtamento dos telómeros.

Durante todo o processo de replicação atuam outras enzimas entre elas as SSB e as

topoisomerases que têm como função evitar o enrolamento da cadeia durante a síntese.

GUSTAVO PINHO MAIA 5


Fase S E A Replicação Do DNA

Na figura seguinte é possível verificar os mecanismos de polimerização do DNA:

A replicação do DNA começa de uma das extremidades da dupla fita de DNA. A forquilha

de replicação vai se abrindo à medida que, na frente, as duas fitas antigas (molécula inicial)

se desenovelam, enquanto que, mais em baixo, duas novas fitas vão sendo sintetizadas e,

por sua vez, se enovelam nas fitas antigas; formando duas novas cadeias duplas de DNA,

cada uma contendo uma fita nova e uma fita velha.

A DNA polimerase só sintetiza uma nova fita de DNA no sentido 5’→3’. De um lado, a fita

nova pode ser feita de forma contínua, de fora para dentro (da extremidade aberta para o

fundo da forquilha), do outro lado a síntese tem que ser feita de dentro para fora. Por isso

a fita feita desta forma é chamada fita descontínua.

GUSTAVO PINHO MAIA 6


Ela é formada inicialmente por fragmentos de DNA, conhecidos como fragmentos de

Okazaki. Cada vez que um trecho suficientemente longo de DNA fita simples está

disponível, inicia-se a síntese de um novo fragmento de Okazaki, de dentro para fora da

forquilha. A enzima ligase é responsável por unir esses fragmentos de Okazaki, ligando o

fragmento recém-sintetizado ao fragmento sintetizado anteriormente. Desta forma

engenhosa a síntese das novas fitas de DNA é sempre feita no sentido 5’→3’.

GUSTAVO PINHO MAIA 7


Para que a síntese das fitas novas progrida é necessária a adição de dois primers: um na

extremidade da fita molde que servirá para dirigir a síntese da fita contínua, e outro mais

para o interior da forquilha de replicação, pareado com a fita que servirá de molde para a

síntese da fita descontínua. Na verdade, para cada fragmento de Okazaki a ser gerado será

necessária a adição de um primer, no sentido 5’→3’.

A DNA polimerase não consegue estender uma nova fita de DNA se não houver um

pequeno trecho de DNA ou RNA pareado na fita molde acima (ou 5’) do segmento que será

sintetizado. A consequência final deste mecanismo de adição de primers antes da extensão

das fitas novas é que haverá trechos de RNA entre longos segmentos de DNA na fita

descontínua.

E mesmo na fita contínua haverá pelo menos um primer de RNA seguido de toda a fita feita

com DNA. Entretanto, os primers precisam ser retirados da nova fita de DNA, e isso ocorre

através da ação corretora da enzima DNA polimerase I. A DNA polimerase I reconhece

diversos defeitos no DNA, inclusive a presença de RNA, mesmo que pareado ao DNA.

Através de uma atividade exonucleotídica 5’→3’, ela retira o primer, ao mesmo tempo em

que, empregando a hidroxila livre da extremidade 3’ do fragmento de Okazaki já sintetizado

e situado 5’ do sítio reparado, ressintetiza o espaço deixado, desta vez com DNA. Então, a

enzima ligase realiza a ligação entre os fragmentos de Okazaki.

Um primer é adicionado um pouco antes do final do molde (pela DNA primase), e após a

síntese do fragmento de Okazaki correspondente, o primer é retirado, sobrando um pequeno

trecho a ser recomposto. A enzima telomerase é responsável pela adição de uma sequência

de bases definida, repetindo muitas vezes esta operação, cada vez que deteta um

GUSTAVO PINHO MAIA 8


encurtamento significativo da extremidade de um cromossoma, garantindo desta maneira

a integridade do cromossoma.

As DNA polimerases têm a capacidade de rever, imediatamente após a adição, se o

pareamento da base adicionada com a base da fita molde foi correto. Qualquer erro de

pareamento altera a estrutura da dupla hélice. Essa alteração faz com que a DNA

polimerase pare, volte na direção 3’→5’ despolimerizando a cadeia recém-sintetizada e,

após algumas dezenas ou até centenas de bases, recomece o trabalho. O processo é pouco

econômico, mas a integridade da informação genética garante a conservação da espécie.

GUSTAVO PINHO MAIA 9


Resumindo:

Componentes Do Complexo de Pré-Replicação

GUSTAVO PINHO MAIA 10


Na fase S e na replicação do DNA

ocorre:

• Aumento dos níveis de Cdc6 no

inicio de G1

• A Cdc6 liga-se ao ORC (Após a

anáfase e durante a fase G1)

• Ligação das proteínas Mcm

(atuam como DNA helicase)

• A Cdk2/ciclina E fosforila o

complexo pré-replicativo

permitindo a replicação do DNA

• A Cdk2/ciclina E, Cdk2/ciclina

A e cdk1/ciclina B impedem a

montagem de novos complexos

de pré-replicação até á anáfase

(quando diminui a atividade das Cdks)

M-CDK E Iniciação Da Prófase

GUSTAVO PINHO MAIA 11


Ponto De Verificação Em G2

Mitose

Processo pelo qual as células eucarióticas dividem seus cromossomos entre duas células

menores do corpo. Este processo dura, em geral, 52 a 80 minutos. É uma das fases do

processo de divisão celular ou fase mitótica do ciclo celular.

Prófase

Caracteriza-se pela individualização dos cromossomos duplicados no interior do núcleo,

pelo aparecimento do fuso mitótico e pela decomposição da membrana nuclear (carioteca)

e é o início da mitose. Acontece duplicação dos centríolos e formação dos fusos e áster.

Inicia-se com a condensação dos cromossomas e desmontagem do nucléolo. Fosforilação

de filamentos intermédios (laminas) pela M-CDK. Fragmentação do Complexo de Golgi e

Reticulo Endoplasmático.

GUSTAVO PINHO MAIA 12


Prometáfase

A prometáfase é a fase da mitose que se segue à prófase e que precede a metáfase, em

células somáticas de eucariotas. O envelope nuclear desagrega-se em fragmentos e

desaparece. Os microtúbulos que emergem dos centrossomas nos pólos do aparelho

mitótico atingem os cromossomas, agora condensados. Na região do centrómero, cada

cromátide irmã possui uma estrutura proteica denominada cinetócoro.

GUSTAVO PINHO MAIA 13


Alguns dos microtúbulos do aparelho ligam-se ao cinotocoro, arrastando os cromossomas.

Outros microtúbulos do aparelho fazem contacto com os microtúbulos vindos do pólo

oposto. As forças exercidas por motores proteicos associados a estes microtúbulos do

aparelho movem o cromossoma até ao centro da célula.

GUSTAVO PINHO MAIA 14


Metáfase

A fase mitótica em que os centrômeros dos cromossomas estão ligados às fibras

ornitocóricas que provêm dos centríolos que se ligam aos microtúbulos do fuso mitótico.

Os cromossomos atingem seu máximo encurtamento - os cromatídios tornam-se bem

visíveis. Os pares de centríolos (isto é, nas células animais) estão nos pólos da célula. O

fuso acromático completa o seu desenvolvimento, notando-se que alguns microtúbulos se

ligam a cromossomas.

Os cromossomas dispõem-se com os centrômeros no plano equatorial, voltados para o

centro desse plano e com os braços para fora. Os cromossomos assim imobilizados

dispõem-se na placa equatorial e estão prontos para se dividirem. A sua divisão dá-se na

etapa seguinte da fase mitótica, a anáfase.

Anáfase

Fase da mitose que sucede a metáfase e antecede a telófase, durante a qual os

cromatídeos que constituíam os cromossomos e se encontravam alinhados na placa

equatorial, se separam devido à divisão do centrómero e migram para os polos do fuso

acromático (metacinese). A quebra do centrómero deve-se à ação da enzima separase que

GUSTAVO PINHO MAIA 15


se torna ativa após a degradação da securina por ubiquitinação, que dissocia as coesinas

que mantinham os cromatídeos unidos.

Resumindo:

• Separação das cromátides irmãs

• As cromátides irmãs movem-se para pólos opostos do fuso (anáfase A)

• Os pólos movem-se em direção á periferia da célula (anáfase B)

• O fuso miótico ativa o córtex celular de forma a preparar a célula para a citocinese

Mecanismo Bioquímico Envolvido Na Separação Das Cromátides


Irmãs

GUSTAVO PINHO MAIA 16


Telófase

A telófase é a fase mitótica em que os cromossomos começam a se desespiralizar. A

carioteca ou invólucro nuclear reconstrói-se, os cromossomas reúnem-se nos polos do fuso,

os microtúbulos cinetocorianos desaparecem e o nucléolo reaparece. Há a formação de

duas células diploides (2n) e ocorre a citocinese.

Nessa fase, os cromossomos já situados nos pólos celulares, descondensam-se. A

carioteca reorganiza-se em torno de cada conjunto cromossômico, o que determina

formação de dois novos núcleos, um em cada pólo da célula. Os nucléolos também se

reconstituem.

A telófase, portanto, abrange uma série de eventos opostos àqueles que ocorreram no início

da divisão. No final da telófase, completa-se a cariocinese, isto é, a divisão nuclear com a

consequente formação de dois novos núcleos. Após a cariocinese, inicia-se a citocinese, ou

seja, a separação do citoplasma em duas regiões, o que acarreta a formação de duas novas

células-filhas.

Nas células animais verifica-se uma citocinese centrípeta, uma vez que a membrana

plasmática invagina-se, determinando uma divisão celular de "fora para dentro", por

estrangulamento.

GUSTAVO PINHO MAIA 17


Citocinese

Processo no qual o citoplasma duma célula eucariota se divide para formar duas células

filhas. Consiste, portanto, na divisão do citoplasma.

A rigor, a citocinese normalmente se inicia já no final da metáfase, momento em que se

pode perceber o início de um estrangulamento na região central da célula que está

terminando sua divisão. Com a continuidade desse estrangulamento, a célula acaba por se

separar completamente, o que caracteriza o fim da citocinese.

Em animais, um anel contrátil de filamentos de actina e miosina separa as células filhas no

final da mitose.

GUSTAVO PINHO MAIA 18