Anda di halaman 1dari 7

A prevalência do falo (Joël Dor)

A prevalência do falo – Cap. 11

Em Introdução à leitura de Lacan – Joël Dor. Artes Médicas, Porto Alegre, 1991.
Original: Introduction à la lecture de Lacan – L´inconscient structuré comme un langage - Éditions
Denoël, Paris, 1982.

_________________

A expressão metáfora paterna designa, na teoria lacaniana, o processo pelo qual a função
dita paterna (talvez fosse melhor chamá-la normativa, ou campo normativo) emerge para a
criança, cortando o seu vínculo exclusivo à dita “função materna”(que seria melhor designar
por campo desejante), isto é, vínculo à relação dual (desempenhada por todos a seu redor
mas “orquestrada” por uma pessoa em particular, geralmente a própria mãe ou figura
substituta, daí a tendência a usar o termo “mãe” ou a expressão “função materna”).

Lacan formaliza dessa maneira a intervenção de uma nova função, a função do terceiro,
pela qual o sujeito (nesse momento em posição de objeto) será confrontado à
impossibilidade de preencher totalmente o desejo da “mãe” (melhor: preencher totalmente o
desejo dos protagonistas do campo desejante).

(A expressão campo desejante substitui vantajosamente “mãe”, “figura materna” ou mesmo


“função materna”, assim como campo normativosubstitui vantajosamente “pai”, “figura
paterna” ou mesmo “função paterna”, assim como infans = não falante, substitui
vantajosamente “bebê” ou “criança”).

Etimologia de infans: in (sufixo negativo)- fans: do verbo falar, em latim.). Infans = ser
humano antes da aquisição da linguagem.

Na descrição lacaniana, o primeiro significante com que se depara o ser humano em sua
existência, é o desejo da “mãe”. Lacan propõe designá-lo por “S 1” [significante 1, ou
primeiro significante].

A posição de objeto do desejo “materno”, posição na qual se encontra o “bebê”, é designada


por “s 1“, (s minúsculo). (Na notação lacaniana, o s minúsculo significa ‘significado’ e o S
maiúsculo significa ‘significante’).

“S 2” é a designação do segundo significante (metáfora paterna, nome-do-pai, ou campo


normativo), cuja função justamente é a de propiciar o recalque primário, que recalca o
primeiro significante (desejo da mãe, ou função desejante).

O recalque primário tem a função de instituir a divisão consciência/inconsciente. O


inconsciente ficará desde então caracterizado pelo desejo de não desejar, isto é, desejo de
ser o falo, ou seja, o desejo de ser o objeto de desejo da “mãe” (campo desejante), recalcado
por S2, desejo de desejar, construção de identidade, posição de sujeito. Esse desejo de não
desejar é grafado por Lacan S 1 (S maiúsculo) , ou seja, sua “sede” é o campo desejante, ao
qual o infans “responde” com s 1 (s minúsculo).

A relação S1 | s1 (ou seja, desejo da “mãe” sobre o significado do filho como objeto fálico da
figura materna) seria substituída, por metaforização, pela relação S2 | S1 (“nome do pai”
sobre “desejo da mãe”, ou campo normativo sobre campo desejante, ou desejo de desejar
sobre desejo de não desejar, isto é, posição de objeto).

A formalização lacaniana poderia ser entendida da seguinte maneira: o infansestaria para a


“mãe” (campo desejante) como a “mãe” está para o “pai” (campo normativo). (Como o
campo desejante estaria para o campo normativo).

S 2 e S 1 metaforizam então o enunciado: o imaginário estaria subordinado ao simbólico (o


desejo de não desejar ficaria subordinado à lei, ou desejo de desejar).

“Mãe” e “pai” são escritos entre aspas para evitar a literalização, a empirização (ou seja,
para evitar pensar as funções como pessoas).

As expressões campo desejante e campo normativo referem-se respectivamente a todas as


pessoas cujo desejo é responsável pelo nascimento (fundado na fantasia de completude dos
protagonistas do campo desejante) e pelo acesso da criança à posição de sujeito desejante
(sujeito da falta).

Pois é preciso lembrar que o uso, por parte de Dor, das expressões “mãe” e “pai”, induz ao
empirismo (priorização de situações concretas em relação à teoria). S2 representa o desejo
de desejar, posição de sujeito, enquanto o par S1 / s1 representaria a relação dual (e portanto o
desejo de não desejar, posição de objeto).

A característica “desejante” (posição de sujeito) é representada sobre a barra; a


característica “desejado” (posição de objeto) sob a barra.

Poderia parecer que o desejo do bebê (infans) (que ainda não é sujeito, isto é, encontra-se
em posição de objeto) é desejo de ser objeto, desejo de ser desejado.

Tal enunciado induz ao equívoco, já que pressupõe que o bebê (o infans), deseje. Se desejar
é um atributo de quem está na posição de sujeito, tal asserção seria errônea. A forma mais
rigorosa de enunciar essa situação é a de que o infans responderia com
sua demanda ao desejo que provém do campo desejante (“mãe”).

Demanda não implica posição de sujeito. A demanda está para a comunicação (prévia à
aquisição de linguagem) assim como o desejo está para a linguagem. Demanda designa um
comportamento (concreto) que pode estar referido ao próprio desejo, ou referido ao desejo
do Outro (neste último caso, do(s) protagonista(s) do campo desejante).

Seria preciso então dizer que o infans não faz senão responder com sua demanda ao desejo
da “mãe” (ou seja, ao discurso do campo desejante). Pode predominar, no campo desejante,
o desejo de que o infans se desenvolva e atinja a posição de sujeito. Caso contrário, o infans
permanecerá quer indiferenciado (autismo) quer em posição de objeto (esquizofrenia
infantil), não se constituindo como sujeito.

Cabe acrescentar que tampouco essa é uma situação sem conflito. (O desejo dos
protagonistas do campo desejante, como todo desejo humano, se encontra dividido,
bifurcado, ou seja, não é um desejo unívoco, homogêneo).

A saída da criança da posição de objeto é descrita por Lacan através da intervenção


atribuída à eficácia do “Nome-do-Pai”, expressão algo dúbia que claramente não significa
exatamente “o pai” real, ou o marido, ou a figura masculina, mas que estruturalmente:

 1) representa o fato de que a criança é “expulsa” da posição de representar “tudo”


para o campo desejante, ingressando então no território da falta;
 2) bem como representa a ordem da lei, da cultura, que exige a inserção do sujeito
no social.

Nome do pai então significa uma limitação ao valor fálico (valor de completude), em nome
do qual o bebê teria nascido.

É importante lembrar que na natureza (entre os mamíferos), a relação se dá entre a “fêmea”


e o “filhote”; para que este se torne um “adulto” da espécie não é necessário absolutamente
que o “macho procriador” intervenha. Basta a maturação orgânica, ou seja, algo bem
diferente do que aconteceria em relação ao ser humano.

Por outro lado, ao ingressar no estado de animal adulto de sua espécie, o ex-filhote não
conserva qualquer indício da relação anterior com a “mãe”. Não há portanto , nos animais
não humanos, nada equivalente àquilo que as expressões “função paterna” (campo
normativo) e “função materna” (campo desejante) designam.

Nos animais não humanos não há desejo mas necessidade (sobrevivência, adaptação ao
meio, propagação da espécie ).

Voltando ao ser humano: o infans só advém à posição de sujeito quando o campo desejante
o destitui da condição fálica, entregando-o ao campo normativo. (As mesmas pessoas
podem protagonizar,e geralmente protagonizam, os dois campos).

Qualquer semelhança com o mito do jardim do Éden não é mera coincidência. Se no campo
desejante predominar o valor concedido à falta sobre o valor concedido à completude,
o infans será destituído da condição fálica, ou seja, o campo normativo prevalecerá (sobre o
desejo de não desejar), e o infans será conduzido à posição de sujeito.

No primeiro momento, que podemos designar pela expressão “sujeito absoluto”, ou


primeira posição de sujeito, o ex-infans (agora situado na linguagem) exigirá o amor
incondicional dos adultos.

Nesse momento lógico (a aquisição da linguagem) é que a diferença masculino/feminino


começa a estabelecer-se para a criança, mas ainda não produz a identificação com o lugar
responsável pela construção da identidade sexual. A criança recusa a aceitação da diferença
sexual, que para ela significaria a existência de uma relação entre os adultos, que, em sua
fantasia, a exclui (da posição de único objeto de amor, à qual aspira).

Lacan constrói uma teoria do desejo centrada na noção de falo. Como escreve Dor, trata-se
de um termo (um conceito) muito mal compreendido. Por “falo” deve entender-se
“completude”, isto é, ausência de falta. Que ele seja metaforizado pelo pênis na situação
edipiana (fase fálica) significa que nesse momento a fantasia infantil pode atribuir ao órgão
masculino o privilégio do acesso ao principal protagonista do campo desejante (“mãe”).

Portanto, a posse do pênis (“ter o falo”) pode metaforizar a posição de sujeito absoluto, a
posição daquele que tem a “mãe” (ou melhor: daquele que possui o amor incondicional de
todos aqueles que estão situados no campo desejante).
Antes da fase fálica o falo será representado pela própria criança (“ser o falo”, posição de
objeto absoluto) e, anteriormente , pela própria indiferenciação entre os protagonistas do
campo desejante e o infans (“relação fálica”, ou “célula fálica”, situação cuja persistência
resulta no quadro autista).

Assim, a suposição lacaniana, em consonância com o que Freud escreve em seu ensaio
“Além do princípio do prazer” (mais precisamente sobre a pulsão de morte), é que a
tendência primordial - ou a primeira posição – do desejo humano é o desejo de não
desejar.

Isto não deve ser confundido com o conceito “afânise”, de Ernest Jones, que reduz o
conceito de desejo, em Freud, a desejo sexual, bem como reduz a significação do falo ao
orgão anatômico (pênis), bem como reduz o conceito de castração à fantasia de corte do
pênis. Essas conceituações de Jones ilustram os descaminhos a que leva o empirismo.

O conceito de desejo em Freud certamente estipula que o objeto de desejo de um ser


humano é sempre, antes de qualquer manifestação, o desejo de outro ser humano; mas isto
não significa que se trate necessariamente de um desejo “sexual” (no sentido de genital).
Entende-se também dessa maneira a diferença entre “privação”, “castração” e “frustração”.
A privação e a frustração seriam decorrências da castração. Como se diferenciam? A
privação, enquanto ausência, no Outro (agente do campo desejante), do poder de alcançar
um objeto que preencha totalmente o seu desejo. A frustração enquanto impossibilidade de
alcançar o objeto que preencha totalmente o próprio desejo. A castração inaugura a falta que
institui a posição desejante (a frustração traduz o fato de que a emergência do desejo torna
“frustrante” (insatisfatório) qualquer objeto da demanda, a menos que se entenda essa
situação como inerente à condição humana e fundamento da identidade e da criatividade).
Não há objeto que possa preencher o desejo, mas a ação criativa transforma a falta em
fundamento do prazer.

A privação e a frustração designam a falta, respectivamente nos protagonistas do campo


desejante e no infans. Ou seja, a impossibilidade de plenitude.

A castração, por sua vez, é o efeito atribuído ao campo normativo (que priva e frustra os
protagonistas da relação fálica).
Lacan dirá que, de fato, não há nada que falte no corpo feminino (a vagina não é “ausência
de pênis”). Mas devido ao desejo de não desejar (cuja expressão seria a teoria sexual
infantil da mãe fálica, “mãe” que não precisaria de nada senão do próprio infans), a
descoberta de que a “mãe” deseja a figura masculina adulta (o “pai”) faria com que a
criança na fase fálica metaforize através do orgão sexual feminino a condição faltante e
através da posse do pênis o acesso ao desejo materno.

Correspondentemente, ao orgão sexual masculino seria atribuido o poder de preencher o


desejo materno. Nesse primeiro momento do complexo de Édipo, o “pai” surge dotado de
um poder extraordinário. O de “ter” o objeto que completa a “mãe”. O Édipo encontrará sua
melhor “resolução” quando – e se – o “pai” também fôr percebido como figura desejante
(ou seja, quando “falo” e “pênis”, ou “condição masculina” e “condição da posse do desejo
materno”, forem objeto de uma distinção, uma diferenciação, uma dessinonimização).

No segundo momento do Édipo, o que quer que constitua o objeto do desejo da “mãe” (que
em última análise acaba sendo vinculado pela criança ao homem adulto, através da
suposição de que é ele que “fornece” o bebê que o sujeito já foi) se afigura como o “dono”
de seu desejo.

Portanto, resta aqui também uma operação a ser feita, a da “castração do pai”, no sentido de
ser-lhe retirado esse poder[1] (isto é, no sentido de separar e diferenciar “condição
masculina” de “condição fálica”). Isso acontece na medida em que o “Nome do Pai” possa
ser visto como o agente (o representante) do que Lacan define como Lei.

E a Lei representaria a falta (isto é, a impossibilidade de realizar o desejo de não desejar).


No esquema, a Lei aparece representada pelo A (A maiúsculo = Autre = Outro), que
significa simultaneamente Linguagem e Cultura. Veiculada pelo seu “representante”
(“função paterna”, exercida por quem quer que seja, e autorizada em primeiro lugar pela
“mãe”, ou seja, o campo desejante), a Linguagem aparece como representação da Lei, isto
é, da aceitação do falta, ou seja, como revogação do desejo de não desejar (ou seja,
revogação da completude, quer a completude se expresse pela posição de objeto fálico ou
sujeito fálico).

É importante lembrar que a revogação das posições de objeto ou sujeito fálico é


possibilitada pela linguagem, na medida em que esta cria a realidade fenomenal para o até
então infans. Efetivamente, a linguagem retira o infans de seu confinamento no território
do campo desejante, abrindo a possibilidade de que a criança se constitua como desejante,
oferecendo-lhe uma série de objetos (situações) em que a relação com “a mãe” possa ser
substituida por metaforização.

Assim, o que seria correspondente em psicanálise à regra exogâmica universal, cuja


presença fundamental em relação à cultura foi demonstrada por Lévi-Strauss, seria a
construção da identidade do sujeito.

O desejo incestuoso, em psicanálise, seria a metáfora da dificuldade da separação (“mãe”-


”criança”), e “Nome-do-Pai”, em Lacan, é o conceito que metaforiza o papel que a
linguagem (aquisição da linguagem, no caso da criança) desempenha nesse processo.
A aquisição da linguagem testemunha assim a aceitação da regra interditora. Nessa
perspectiva, seria por mediação da linguagem que o mundo passa a existir para a criança.
(O oposto sendo representado pelo autismo, em que justamente não há aquisição de
linguagem, e pela esquizofrenia infantil, em que a linguagem é apenas especular, ou seja,
apenas comunicação, mas não metáfora da posição de sujeito).

A não-aquisição de linguagem representa a permanência da criança na posição de objeto,


caso em que seu universo não seria outro senão o do discurso do campo desejante. Desse
ponto de vista, o que nunca poderia acontecer com uma formação cultural (sociedade), isto
é, ausência da regra exôgamica, poderia acontecer com o sujeito (psicose), apesar da norma
da proibição do incesto.

Este é um argumento forte para demonstrar que as regras sociais não têm poder sobre o
desejo (sobre a subjetividade). A relação familiar não necessariamente obedece às normas
sociais, que no caso exigem que os filhos sejam preparados para a futura inserção na
sociedade. A psicose seria uma prova dessa defasagem ou não acoplagem entre as regras
sociais e o desejo (familiar).

Portanto, a teoria lacaniana parte de uma concepção de ser humano caracterizada em


primeiro lugar pela separação. Separação da espécie em relação à natureza (ou às leis da
natureza, à lógica darwiniana ), separação doinfans em relação à “mãe” (campo
desejante). O conceito de separação supõe o conceito de desejo, cuja primeira
manifestação seria a negação da separação.

Uma vez constituido o sujeito, isto é, uma vez tendo sido aceita a posição desejante, o
objeto desejado tende a desempenhar o papel fálico da completude (que anteriormente à sua
constituição como sujeito era o papel desempenhado pelo próprio sujeito).
Esse objeto não está pré-determinado. Por isso Dor escreve: “… o objeto fálico é, antes de
mais nada, um objeto cuja natureza está em ser um elemento significante“. A variabilidade
(infinita ou indeterminada) do objeto de desejo (expresso pela demanda), tendo por
consequência a singularidade, é consequência justamente da liberdade do significante de se
unir (transitoriamente) a qualquer significado (objeto, ação, qualidade, etc.). (Aqui, lembrar
a relação significante / significado conforme teorização saussureana do signo).

Em Freud, a diferença entre o orgão anatômico (pênis) e o falo (como metáfora da posição
de objeto absoluto, primeiramente, e sujeito absoluto, na sequência) aparece teorizada em
“A organização genital infantil”, de 1923, onde pela primeira vez ele conceitua a “fase
fálica”, a fase que sedia o Édipo, isto é, a situação onde a “criança” se vê colocada diante da
imprescindibilidade de constituir-se enquanto sujeito (ou seja, enquanto desejante).

Por isso, o Édipo, em Lacan, merece o qualificativo “estrutural”. Independentemente das


circunstâncias de vida de uma criança e da cultura à qual ela pertença, ela não poderia
tornar-se sujeito sem sair da posição de objeto pela qual necessariamente passa em sua
relação com o campo desejante. Não tornar-se sujeito seria ingressar na jurisdição da
psicose já na infância (autismo ou esquizofrenia).

O que Dor chama de Édipo ideológico (poder-se-ia chamá-lo de empírico) é justamente um


tipo de teorização em que se busca subordinar o Édipo às características específicas de
determinada formação cultural (sociedade). Há correntes psicanalíticas, principalmente a
assim chamada psicanálise culturalista, predominante nos Estados Unidos, que advogam
essa posição (subordinação do Édipo a determinada formação cultural).

Em oposição, a psicanálise estruturalista critica a concepção segundo a qual o ser humano


seria estruturalmente diferente dependendo da época e/ou da sociedade. Justamente a
universalidade da linguagem (o fato da impossibilidade de existir uma sociedade sem uma
língua estruturada como todas as outras línguas, isto é, através dos sub-sistemas fonológico,
morfológico, sintático e semântico[2]) é que demonstraria, segundo o enfoque da
psicanálise estrutural, a universalidade do processo de constituição do sujeito,
independentemente de quaisquer fatores sociais ou históricos.

Poder-se-ia expressar a mesma idéia através de uma analogia: se do “primeiro” protozoário


ao “mamífero mais evoluído” (excluindo o ser humano) o comportamento animal é descrito
pela teoria da evolução (Darwin), que entende a adaptação ao meio como critério para
definir o êxito das mutações que definem uma dada espécie, da mesma forma as leis da
linguagem se aplicariam a todo e qualquer ser humano, não importa a época ou a formação
social em que viva.-

———————–

[1] Poder aparente, ou seja, imaginário, mas eficaz no sentido de valorizar a posição de
sujeito – condição ilusória para que a “criança” possa aceitar abandonar a posição de objeto.

[2] Isto é, a impossibilidade de existência de uma língua em que não houvesse a oposição e
a articulação entre significado e significante, ou seja, a impossibilidade de existir uma
língua “não-saussureana”).

———————–

www.franklingoldgrub.com