Anda di halaman 1dari 3

Urbanismo I – Terceiro Semestre

Prof: Gerusa Lazarotto – gerusa.lazarotto@iffarroupilha.edu.br

URBANISMO – CONCEITOS, FORMA E MORFOLOGIA

1- URBANISMO
2- MORFOLOGIA URBANA
3- PLANEJAMENTO URBANO
4- GESTÃO URBANA
PESQUISAR DEFINIÇÕES

 Desenho urbano: campo disciplinar que trata a dimensão físico-ambiental da cidade,


enquanto conjunto de sistemas físico-espaciais e sistemas de atividades que interagem
com a população através de suas vivencias, percepções e ações cotidianas.

 Morfologia urbana: utiliza-se esse termo para designar o estudo da configuração e da


estrutura exterior de um objeto. É a ciência que estuda as formas, interligando-as com
os fenômenos que lhe deram origem.

Arquitetura como disciplina de análise e concepção do espaço.


Para os estudos de morfologia urbana, utiliza-se a arquitetura como disciplina de
análise e concepção do espaço, através dos seguintes aspectos:

1- Quantitativos: aspectos da realidade urbana que podem ser quantificáveis e que


se referem a uma organização quantitativa: densidade, superfícies, fluxos,
coeficientes volumétricos, dimensões, perfis, etc.
2- Organização funcional: relacionam-se com as atividades humanas (habitar,
trabalhar, estudar, consumir, etc.), e com o uso de um espaço ou edifício
(residencial, escolar, comercial, industrial) ou seja, ao tipo de uso do solo.
3- Qualitativos: referem-se ao tratamento do espaço, ao conforto e a comodidade do
utilizador. Características térmicas, acústicas, lumínicas, acessibilidade, estado de
conservação, etc.
4- Figurativas: relacionado essencialmente com a comunicação estética. Embora com
alguma área de sobreposição, os aspectos qualitativos não são necessariamente
estéticos. Um ambiente com boa qualidade estética não necessariamente tem
bom conforto e vice-versa.

Forma e contexto da morfologia urbana


Entre os critérios do contexto, as funções e a forma são muito importantes. É
importante sempre buscar o equilíbrio entre forma e função. Os princípios da
arquitetura não mudaram o que muda é o peso que cada um deles assume no tempo.
Vitruvio- utilidade, estética
Alberti- comodittas, voluptas e afermitos.
Mies- o que é possível, o que é necessário, e o que é significativamente como arte.
Muitos são os autores que trabalham no sentido de caracterizar a forma urbana. O
desenho urbano organiza a forma.

A compreensão (análise) e a concepção (projeto) das formas urbanas ou do território


colocam-se a diferentes níveis, diferenciados pelas unidades de leitura. Pode-se
recordar o espaço em portes identificáveis.

Dimensões setoriais: escala da rua.


Elementos percebidos a partir de um ponto fixo: fachadas, ornamentos, mobiliário
urbano, pavimentos, cores, texturas, letreiros, árvores, monumentos.

Dimensão urbana: a escala do bairro


Elementos percebidos a partir de um percurso curto: ruas, praças, vilas, alamedas.

Dimensão territorial: A escala da cidade.


Elementos percebidos através da movimentação ou de um ponto de visão privilegiada:
bairros, sistema de vias (traçado linear), malha ortogonal, radial, orgânica. Zonas
(habitacionais, centrais, produtivas) que se articulam.

ELEMENTOS MORFOLÓGICOS DO ESPAÇO URBANO


De acordo com Lamas, podemos identificar os seguintes elementos morfológicos que
definem a forma urbana e se estruturam nas diferentes escalas:
 O solo/sítio
 Os edifícios
 O lote
 O quarteirão/quadra
 A fachada
 A rua/malha viária
 O logradouro/espaço livre
 A praça
 O monumento
 A arvore e a vegetação
 O mobiliário urbano

O lote

Parcelamento/ urbanização/edificação. A forma do lote é um forte condicionante (mas


não determinante) da forma do edifício e consequentemente da cidade. Separa o domínio
público do privado. Relação do edifício com o terreno.

Quadra
A quadra ou quarteirão é o espaço delimitado pelo cruzamento de três ou mais vias e
subdivisível em parcelas de cadastros (lotes) para a construção de edifícios. A definição da
quadra pode basear-se na sua forma construída, no traçado do desenho urbano e na divisão
fundiária. Pode ser delimitado por vias e com edifícios diferenciados em programa, altura,
profundidade, etc. noutros casos, o quarteirão confunde-se com um grande edifício ou
parcela.

Praça