Anda di halaman 1dari 7

INTRODUÇÃO

Sendo a cozinha um microcosmo da sociedade e uma fonte inesgotável de saberes


históricos, é importante que algumas das suas produções sejam consideradas como patrimônio
gustativo da sociedade. Por tudo que venham a representar do ponto de vista do original e de
criativo, que permitem destacar as identidades locais e regionais, certos pratos podem ser
considerados como bens culturais, como lugares de memória, como patrimônio imaterial.
Uma síntese sobre as cozinhas brasileiras busca explicar influências de culturas
alimentares a partir de duas realidades: a autêntica cultura alimentar local e regional, e a
cultura alimentar oriunda da civilização externa, influenciadora. Tais contatos e simbioses
revelam relações e trocas complexas de diferenças, afirmadas e reafirmadas em fecunda
assimilação, que redunda numa certa mestiçagem da comida brasileira. O roteiro de uma
viagem pela memória gustativa busca explicar o significado da culinária brasileira, que não se
resume aos produtos típicos nacionais. Não custa reafirmar que este universo gastronômico
trata de uma culinária complexa e dinâmica, marcada pela adoção de alimentos, técnicas e
padrões de consumo que têm como ponto de chegada a expressão dos marcos da diversidade
dos hábitos alimentares típicos do Brasil (SANTOS, 2011).

1 A GASTRONOMIA

Ao longo de mais de 500 anos de história, a culinária brasileira é resultante de uma


grande mistura de tradições, ingredientes e alimentos que foram introduzidos não só pela
população nativa indígena como por todas as correntes de imigração que ocorreram no
período. Cada região do país tem sua peculiaridade gastronômica e sua culinária adaptada ao
clima e à geografia. Além disso, o próprio descobrimento do Brasil remete à culinária, já que
as caravelas portuguesas desembarcaram aqui em 1500 enquanto navegavam em busca das
Índias e suas especiarias. Devido às diferenças de clima, relevo, tipo de solo e de vegetação, e
povos habitando uma mesma região, é muito difícil estabelecer um prato típico brasileiro. A
unanimidade nacional é, talvez, o arroz e o feijão, cujo preparo varia conforme a região. No
entanto, a mistura de dois ingredientes tão comuns na mesa do brasileiro, apesar de
característica, ainda não é suficiente para resumir toda a complexidade e a riqueza da culinária
nacional (BRASIL, 2009).

1.1 Região Norte

A forte presença indígena mesclada com a imigração européia diferencia a


gastronomia do Norte de qualquer outra encontrada no país. É considerada por muitos o maior
exemplo de culinária tipicamente nacional. Apesar de suas raízes amazônicas, a cozinha
regional sofreu influência forte de imigrantes portugueses, logo no início da colonização.
Depois, com o ciclo da borracha, outros povos chegaram e deixaram seus traços na
culinária, como é o caso de libaneses, japoneses, italianos e até mesmo os próprios
nordestinos que migraram para a região nesse mesmo período (BRASIL, 2009).

1.1.1 Principais ingredientes

Mandioca, cupuaçu, açaí, pirarucu, urucum (açafrão brasileiro), jambu, guaraná,


tucunaré, castanha do Pará (BRASIL, 2009).

1.1.2 Pratos típicos

Pato no Tucupi, Caruru, Tacacá, Maniçoba (BRASIL, 2009).

1.2 Região Nordeste

A diversidade climática (tropical na costa e semi-árido no interior) tem reflexos diretos


na culinária nordestina. Desde o litoral de Pernambuco até o da Bahia, a presença africana se
nota mais forte devido aos resquícios da escravidão durante o ciclo da cana. Já em Alagoas, os
frutos do mar são mais recorrentes devido às suas diversas lagoas costeiras. No Maranhão, a
influência portuguesa é ainda mais forte que nos demais estados da região, e o consumo de
temperos picantes, muito comum no litoral, é menor. No sertão nordestino, o próprio clima
favorece o consumo de carnes, sobretudo a carne-de-sol e os pratos feitos com raízes. A
culinária das comemorações juninas também é típica do interior (BRASIL, 2009).
1.2.1 Principais ingredientes

Azeite de dendê, mandioca, leite de coco, gengibre, milho, graviola, camarão,


caranguejo (BRASIL, 2009).

1.2.2 Pratos típicos

Acarajé, vatapá, caranguejada, buchada, paçoca, tapioca, sarapatel, cuscuz, cocada


(BRASIL, 2009).

1.3 Região Centro-Oeste

A culinária da região é altamente influenciada pela pecuária, uma das principais


atividades econômicas do território, daí a grande preferência da população do Centro-Oeste
por carnes bovina, caprina e suína. Os ciclos de imigração também trouxeram a culinária
africana, portuguesa, italiana e síria. E a forte presença indígena liderou a preferência regional
por raízes. Ao norte do estado, a proximidade com o Pará refletiu diretamente no preparo de
alguns pratos, principalmente os que são feitos com carne-de-sol e pequi. O Mato Grosso do
Sul, no entanto, sofreu forte influência da culinária latino-americana, sobretudo nos
ensopados de peixe. Devido à diversidade da fauna pantaneira, carnes exóticas e peixes
típicos da região, como o Pacu, o Pintado e o Dourado também fazem parte do cardápio local
(BRASIL, 2009).

1.3.1 Principais ingredientes

Pequi, mandioca, carne seca, erva-mate, milho (BRASIL, 2009).

1.3.2 Pratos típicos

Arroz com pequi, picadinho com quiabo, sopa paraguaia, empadão goiano, caldo de
piranha, vaca atolada (BRASIL, 2009).
1.4 Região Sudeste

Até o século XIX, a cozinha do Sudeste era essencialmente influenciada pelas origens
portuguesas, indígenas e africanas. Alimentos simples, como raízes, carnes, grãos e vegetais
foram disseminados por todo o território do Sudeste, o que fez com que a gastronomia de cada
estado se tornasse bastante similar em ingredientes e no preparo dos alimentos. A exceção é a
culinária capixaba que, por sua proximidade com o Nordeste e grande área litorânea, tem uma
forte presença de peixes e frutos do mar nos pratos do dia-a-dia. Após a chegada de
imigrantes japoneses, libaneses, sírios, italianos e espanhóis, a diversidade gastronômica,
sobretudo em São Paulo, aumentou. No estado, a culinária internacional mais integrada com a
culinária típica paulista é a italiana (BRASIL, 2009).

1.4.1 Principais ingredientes

Arroz, feijão, ovo, carnes, massas, palmito, mandioca, banana, batatas, polvilho (BRASIL,
2009).

1.4.2 Pratos típicos

Tutu de feijão, virado à paulista, moqueca capixaba, feijoada, picadinho paulista, pão de
queijo (BRASIL, 2009).

1.5 Região Sul

A mistura étnica ocorrida na região Sul resultou em uma culinária completamente


diferente do resto do país, com a presença ainda mais forte da cozinha italiana, alemã, além
das já presentes portuguesa e espanhola. O churrasco, principal prato do Rio Grande do Sul,
resultou de um fato histórico. Para catequizar os índios da região na época da colonização, os
padres jesuítas introduziram a criação de gado e deixaram o rebanho sob a responsabilidade
dos nativos. Com a chegada dos tropeiros paulistas e mineiros, que escravizaram os índios, o
gado permaneceu solto pelos campos e se espalhou pelo sul do território, pois não havia
predadores. Daí a abundância de pastos e a tradição do churrasco gaúcho. Com a chegada dos
italianos, as massas, a polenta e o frango foram integradas ao hábito alimentar regional. Já a
influência alemã, ficou restrita às colônias no interior do Rio Grande do Sul e de Santa
Catarina. O Paraná, apesar da forte influência italiana, conta com uma presença também
significativa da culinária indígena, sobretudo com raízes e grãos (BRASIL, 2009).

1.5.1 Principais ingredientes

Carne bovina e ovina, farinha de milho, erva-mate (BRASIL, 2009).

1.5.2 Pratos típicos

Barreado, churrasco, galeto, sopa de capeletti, arroz carreteiro, sopa catarinense (BRASIL,
2009).

2 OBJETIVO

A aula começou com apresentação em sala sobre as comidas típicas regionais, onde foi
apresentado um pouco de cada região na questão culinária, seus pratos típicos e tradições. A
aula teve como objetivo conhecer e posteriormente na prática experimentar cada prato
escolhido para conhecer um pouco de cada região.
Região apresentada pelo nosso grupo foi à região sul fortemente influenciado pela
cultura dos imigrantes europeus, a região Sul do Brasil apresenta grande pluralidade cultural.
Os estados integrantes são: o Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.
Os imigrantes europeus começaram a chegar ao fim do século XIX e contribuíram
para o desenvolvimento econômico da região, baseado na pequena propriedade rural de
policultura.
Essa região apresenta elementos culturais dos índios (primeiros ocupantes do
território), espanhóis e portugueses (colonizadores), negros (escravos). Posteriormente, os
imigrantes alemães, italianos, açorianos, eslavos, japoneses, entre outros, contribuíram para a
diversidade cultural do Sul do Brasil.
A primeira preparação foi CUCA ALEMÃ, pão doce que é muito comum pra
acompanhamento para se tomar um bom café. Receita simples super prática, massa simples de
bolo com uma farofinha por cima, que depois de assado vira uma cobertura crocante.
A Segunda preparação foi um ARROZ COM PINHÃO, onde foi cozido o pinhão em
primeiro lugar pra depois juntamente com a preparação do arroz ser adicionado para o
cozimento junto com arroz, preparação prática também e super saborosa.
Assim com o nosso e o demais grupos conhecemos um pouco mais da regionalidade
do nosso país, com seus pratos típicos, sabores e textura diferentes, cada um com seu costume
e amor pela sua região.

3 VALOR ENERGÉTICO TOTAL - CUCA

Carboidrato 238g
Proteina 52g
Gordura 108g
VET 2150 kcal
Rendimento 16 porções de 60g

4 RECEITA COMPLEMENTAR - BOLO DE AVEIA

4.1 Ingredientes

1 xícara de açúcar
2 xícaras de aveia em flocos
1 xícara de farinha de trigo
1/4 xícara de manteiga
1/2 xícara de leite
2 colheres (chá) de fermento em pó
2 ovos
4.2 Modo de preparo

Bata todos ingredientes na batedeira até formar uma massa homogênea, coloque o
fermento em pó e leve ao forno médio, pré-aquecido, por cerca de 40 minutos ou até dourar.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS

SANTOS, Carlos Roberto Antunes dos. A comida como lugar de história:


as dimensões do gosto. Revista: História Questões & Debates, Curitiba, n. 54, p. 103-124,
jan./jun. 2011. Editora UFPR. Disponível em:
<http://revistas.ufpr.br/historia/article/viewFile/25760/17202>. Acesso em: 9 abr. 2018

BRASIL Gastronomia. Disponível em:


<http://www.brasil.gov.br/cultura/2009/10/gastronomia>. em: 9 abr. 2018