Anda di halaman 1dari 31

Universidade Federal de Sergipe

Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET

Tema: Talha com braço giratório.


Disciplina: Elementos de Maquina
Turma: M1
Professor: André Luiz Costa
Componentes:
 Antônio Paulo D’el-Rei França Filho.
 Denilton Costa Silva
 Felipe Massao Hide Farias.
Sumário
1. Introdução ............................................................................................................................ 4
2. Dimensionamentos: ............................................................................................................. 4
2.1. Talha Elétrica: ............................................................................................................. 4
2.1.1. Gancho: ................................................................................................................. 4
2.1.2. Cabo de aço: ......................................................................................................... 7
2.1.3. Rolete do cabo de aço: .......................................................................................... 7
2.2. Viga (braço giratório): ................................................................................................ 9
2.3. Parafusos de sustentação da viga:............................................................................ 13
2.3.1 Definir o numero de parafusos a serem utilizados: ............................................ 13
2.3.2 Definir o ponto de referencia “A” e as distancias para determinar a distancia
entre os parafusos: .............................................................................................................. 13
2.3.3 Determinar as forças em cada parafuso: ............................................................ 14
2.3.4 Determinar a área dos parafusos: ............................................................................. 15
2.3.5 Comparar a área encontrada dos parafusos e comparar com os já fabricados,
para determinar o coeficiente de segurança de cada parafuso: ......................................... 15
2.4. Eixo de conexão: ........................................................................................................ 16
2.4.1 Parte superior: .................................................................................................... 16
2.4.2 Parte inferior: ..................................................................................................... 16
2.5. Rolamentos: ............................................................................................................... 17
2.5.2 Rolamento axial.......................................................................................................... 19
2.6. Suporte de rolamento axial: ..................................................................................... 20
2.7. Parafuso de fixação do suporte do rolamento axial: .............................................. 22
2.8. Tubo vertical: ............................................................................................................ 22
2.8.1 Definição das forças atuantes: ............................................................................ 22
2.8.2 Características do tubo para o dimensionamento: ............................................. 22
2.8.3 Calculo das tensões no tubo:............................................................................... 23
2.8.4 Verificação da flambagem do tubo: .................................................................... 23
2.8.5 Calculo onde a tensão é concentrada: ................................................................ 24
2.8.6 Recalculo das tensões: ........................................................................................ 24
2.9. Base: ........................................................................................................................... 24
2.9.1 Determinação da espessura do filete de solda entre a base e o tubo vertical: .......... 25
2.9.2 Dimensionamento da solda do filete de apoio: .......................................................... 27
2.9.3 Parafusos da base: ..................................................................................................... 28
3. Bibliografia: ....................................................................................................................... 31
3.1. Livros: ........................................................................................................................ 31
3.3. Sites da internet: ........................................................................................................ 31
4. Anexos: ............................................................................................................................... 31
1. Introdução

A análise apresentada a seguir é baseada no dimensionamento de uma Talha com


braço giratório para elevação de cargas. Tal equipamento é projetado para suspender
cargas de até 2000 Kg a uma altura de 4m. A distância de movimentação na direção
horizontal é de aproximadamente 4m, com uma rotação de 360°.

2. Dimensionamentos:

2.1. Talha Elétrica:

A talha elétrica é um elemento mecânico que inicia-se desde o gancho e vai até as
rodas de locomoção da viga. No projeto em questão, são dimensionados: o guincho, o
cabo de aço e o rolete para o cabo de aço. E posteriormente é selecionada o molde da
talha que seria utilizado.
2.1.1. Gancho:

Figura 1: Esquema para explicação do calculo do gancho

Para o dimensionamento desta peça, as seguintes hipóteses são consideradas:

 A área da secção transversal é homogênea ao longo da peça;


 A área da secção transversal é considerada circular;
 O material do gancho é o AÇO AISI 1045 com tensão admissível de 530 MPa;

O cálculo do gancho é feito de modo interativo, em que o coeficiente de segurança


é ajustado através da alteração da área da secção transversal do gancho. Os cálculos
abaixo são baseados em um diâmetro médio de 7/16''. Esse valor foi adotado como
inicial, pois se trata do tamanho de gancho indicado na literatura para levantamento de
até 2 toneladas.
A área da secção transversal é:

𝐴 = 𝜋𝑐 2

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝑐 → 𝑟𝑎𝑖𝑜 𝑑𝑎 𝑠𝑒𝑐çã𝑜 𝑡𝑟𝑎𝑛𝑠𝑣𝑒𝑟𝑠𝑎𝑙

Figura 2: Esquema para dimensionamento do gancho

O raio da superfície neutra é dado por:

𝐴 𝑐2
𝑅= =
2𝜋(𝑟̅ + √(𝑟̅ 2 − 𝑐 2 ) 2(𝑟̅ + √(𝑟̅ 2 − 𝑐 2 )
(0,00555625)2
=
2(60 × 10−3 + √((60 × 10−3 )2 − (0,00555625)2 )
= 0,000128358 𝑚

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝑟̅ → 𝑑𝑖𝑠𝑡â𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑜 𝑐𝑒𝑛𝑡𝑟𝑜 𝑎𝑜 𝑐𝑒𝑛𝑡𝑟ó𝑖𝑑𝑒

A distância entre o centróide e o eixo é dada por:

𝑒 = 𝑟̅ − 𝑅 = 0,06 − 0,000128358 = 0,059871642 𝑚

Os raios 𝑟𝑖 e 𝑟𝑒 são dados por:

11,1125 × 10−3
𝑟𝑖 = 𝑟̅ − 𝑐 = 60 × 10−3 − = 0,05444375 𝑚
2
11,1125 × 10−3
𝑟𝑒 = 𝑟̅ + 𝑐 = 60 × 10−3 + = 0,06555625 𝑚
2

As tensões nos pontos críticos (A e B) são:

𝑃 𝑟̅ (𝑅 − 𝑟𝑖 ) 19620 60 × 10−3 (5,1 × 10−4 − 0,05444375)


𝜎𝐴 = [1 + ]= [1 + ]
𝐴 𝑒𝑟𝑖 3,9 × 10−4 0,059489806 × 0,05444375
= 44621,11733 𝑃𝑎

𝑃 𝑟̅ (𝑅 − 𝑟𝑒 ) 19620 60 × 10−3 (5,1 × 10−4 − 0,06555625 )


𝜎𝐵 = [1 + ]= [1 + ]
𝐴 𝑒𝑟𝑒 3,9 × 10−4 0,059489806 × 0,06555625
= −36758,37478 𝑃𝑎

Nota-se que no ponto B o sinal da tensão é negativo. Isto ocorre porque no ponto B
existe ume tensão devido à compressão.

A tensão axial é dada por:

𝑃 19620
𝜎= = = 202295198 𝑃𝑎
𝐴 3,9 × 10−4

Para uma tensão admissível de 530 MPa, o coeficiente de segurança para o maior
valor de tensão encontrado é:

𝜎𝑎𝑑𝑚 530 × 106


𝑓𝑠 = = = 2,61993368
𝜎 202295198

O coeficiente de segurança está abaixo do escolhido (3,0). Para que o coeficiente de


segurança esteja acima de 3,0 é necessário um diâmetro de 15/32''. Com este valor o
coeficiente de segurança é 3,007576915.
Tabela 1: Tabela com tipos de polias e dimensões.

2.1.2. Cabo de aço:

Para o dimensionamento do cabo de aço, são necessárias 4 etapas: determinação


dos cabos, Determinação das forças que são aplicadas no cabo e determinação do
diâmetro do cabo.
A determinação do cabo se faz a partir da consulta de catálogos de cabos de aço.
Na determinação das forças são aplicadas todas as forças que o cabo deve sustentar
e daí, a partir da procura a cerca das normas, ou de catálogos, determina-se o coeficiente
de segurança e a carga mínima de ruptura.
Na etapa seguinte é verificado o diâmetro do cabo a ser utilizado observando a
característica de que o cabo não deve ter coeficiente de segurança menor do que o antes
proposto.
OBS: As especificações e os cálculos desse dimensionamento estão demonstrados
na tabela 1, junto às informações do rolete. Ou no arquivo do Excel de nome
“cálculos.xls” no plano de nome Talha.

2.1.3. Rolete do cabo de aço:

O rolete deve ser dimensionado após o cabo de aço, já que por norma (DIN
15020), ele deve ter seu diâmetro entre o intervalo calculado.
No dimensionamento da talha foi identificado, um problema. O catalogo utilizado
identificava três tipos de cabos para serem utilizados em projeto semelhante (Grua),
então decidiu-se usar outro tipo de cabo para o calculo (6 x 25 filler AACI) em que ele é
bom para ser enrolado.
Tabela 2: Dimensionamento da talha.

Dimensionamento da Talha: * não foi possível dimensionar o rolete a partir


desse cabo pois houve a necessidade da
utilização do DIN 15020. e não encontramos.
Por isso utilizaremos o cabo do tipo:6 x 25 filler
1°passo: determinar o cabo.
AACI, Torção regular, EIPS, polido.

Pelo catalogo utiliza o cabo 19x7 resistente


a torção regular, polido ou galvanizado, IPS.
2° passo: Determinar carga
aplicada.Utilizando modelo do slide
Coeficiente de
segurança
carga: 2 toneladas
(retirado do
catalogo / Slide)
Coeficiente de
Segurança: DIN 3063 e 5
DIN3067
Carga aplicada (kg): 2000
força aplicada (N): 19620
força aplicada no cabo
(desenho = exercício no 9810
slide) (N):
Carga mínima de
49050
ruptura (N):
3° passo: determinar diâmetro do
cabo.Escolho o diâmetro de 3/8 "= Escolhemos o diâmetro de 3/8"= 9,5 mm; EIPS =
9,5mm; IPS=5,40 tf = 5,40 * 9810 = 52974 6,86 tf = 6,86 * 9810 = 67296,6 N
N
Coeficiente de
segurança (carga
5,4 6,86
mínima de ruptura do
cabo/força aplicada)

4° passo: determinar diâmetro das polias e tambores *

diâmetro do cabo (m): 0,0095 0,0095


diâmetro do rolete
recomendado (m): 39 * 0,3705
dc
diâmetro mínimo
recomendado (m): 26 * 0,247
dc

O rolete então deve ter diâmetro (d) da forma: 0,247m ≤ d ≤ 0,3705 m.


Após esse dimensionamento decidimos então mostrar como seria a forma da talha,
e dentre vários modelos, o escolhido está representado pela Fig. 1.
Figura 3: esquema da talha.

2.2. Viga (braço giratório):

Para o dimensionamento da viga tipo “W” que compõe o braço giratório, são
admitidas as seguintes hipóteses:

 É tolerada uma deflexão máxima de 10,0 mm para cargas de 2000 kg, no ponto
mais distante de elevação de carga. Tal deflexão ao longo da viga de 4m pode ser
considerada não significante no ato de elevação.
 O peso total do motor de elevação, cabo de aço, suporte do motor e guincho é de
180 kg.
 A viga pesa 316 kg (79 kg/m).
 Coeficiente de segurança 3,0. Apesar do risco devido o peso da carga e a sua
altura de elevação, considera-se que a talha será utilizada em ambientes industriais,
sem grande circulação de pessoas.
 A viga será selecionada de acordo com o catálogo da "Perfis Gerdau Açominas",
que fabrica vigas tipo “W” em aço ASTM A572.
O processo de determinação da barra é realizado de modo interativo, de maneira
que a cada novo resultado os cálculos devem ser refeitos para se obter o comportamento
do material. Para a viga, são analisados: tensão de flexão, tensão de cisalhamento e
deflexão.
O diagrama de forças é estabelecido, considerando-se o peso da barra de 300 kg:

Figura 4: esquema para calculo da viga.


O esforço cortante (V) e o momento fletor (M) são calculados a partir do método de
secção da viga:Peso da viga 68Kg/m

𝛴𝐹𝑦 = 0;
−21385,8 − 𝑉 = 0
𝑉 = −21385,8 𝑁

𝛴𝑀𝑎 = 0;
𝑉𝑥 − 𝑀 = 0
𝑀 = −21385,8𝑥 (𝑁. 𝑚)
𝛴𝐹𝑦 = 0;

−21385,8 − 2668,32 − 𝑉 = 0
𝑉 = −24014,88 𝑁

𝛴𝑀𝑎 = 0;

(2668,32)(2) + 𝑉(𝑥) − 𝑀 = 0
𝑀 = 5886 − 24014,888𝑥 (𝑁. 𝑚)

Os diagramas de esforço cortante e momento fletor podem ser determinados:


Figura 5: Gráfico cortante x distancia.

Figura 6: Gráfico Momento fletor x distancia

Considerando a deflexão devido à carga (𝑣𝑐 ), a deflexão devido o peso da barra


(𝑣𝑝 ) e a partir da deflexão limite de 10,0 mm, pode-se determinar o Momento de
Inércia (I) da viga:

𝑃𝐿3 𝑤𝐿4 8𝑃𝐿3 + 3𝑤𝐿4


𝑣 = 𝑣𝑝 + 𝑣𝑐 = + =
3𝐸𝐼 8𝐸𝐼 24𝐸𝐼
8𝑃𝐿3 + 3𝑤𝐿4 8(2180)(9,81)(4)3 + 3(75)(4)4
𝐼= = 9
= 0,000223613m4
24𝐸𝑣 (24)(205𝑥10 )(0,01)

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝑣𝑝 → 𝑑𝑒𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎


𝑣𝑐 → 𝑑𝑒𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑜 𝑝𝑒𝑠𝑜 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑔𝑎
𝑃 → 𝑝𝑒𝑠𝑜 𝑑𝑒 𝑒𝑙𝑒𝑣𝑎çã𝑜
𝐿 → 𝑐𝑜𝑚𝑝𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎
𝐸 → 𝑚ó𝑑𝑢𝑙𝑜 𝑒𝑙𝑎𝑠𝑡𝑖𝑐𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑜 𝑎ç𝑜 𝐴𝑆𝑇𝑀 𝐴572
𝑤 → 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑙𝑖𝑛𝑒𝑎𝑟 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑔𝑎
𝐼 → 𝑚𝑜𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝑖𝑛é𝑟𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑔𝑎
O módulo de resistência que a viga precisa ter pode ser determinado, considerando
𝜎𝑎𝑑𝑚 = 199𝑀𝑃𝑎 e coeficiente de segurança de 3,0:

𝑀𝑚á𝑥 91821,6
𝑆𝑟𝑒𝑞 = = = 0,000151965 𝑚3
𝐶𝑆𝑥𝜎𝑎𝑑𝑚 3,0𝑥199𝑥106

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝑆𝑟𝑒𝑞 → 𝑚ó𝑑𝑢𝑙𝑜 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑠𝑖𝑠𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑟𝑒𝑞𝑢𝑒𝑟𝑖𝑑𝑜


𝑀𝑚á𝑥 → 𝑚𝑜𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑓𝑙𝑒𝑡𝑜𝑟 𝑚á𝑥𝑖𝑚𝑜
𝜎𝑎𝑑𝑚 → 𝑡𝑒𝑛𝑠ã𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 𝑎𝑑𝑚𝑖𝑠𝑠í𝑣𝑒𝑙
𝐶𝑆 → 𝑐𝑜𝑒𝑓𝑖𝑐𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑟𝑎𝑛ç𝑎

Para tal valor de momento de inércia, através da Tabela de bitolas seleciona-se a


W460 x 68,0 por ser a viga com momento de inércia mais próximo ao escolhido com o
peso determinado.

A tensão de flexão, a tensão de cisalhamento e a deflexão na viga podem ser


calculadas, respectivamente:

𝑀𝑚á𝑥 90722,88
𝜎𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 = = = 69,74927347 𝑀𝑃𝑎
𝑆 1300,7

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝜎𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 → 𝑡𝑒𝑛𝑠ã𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜


𝑀𝑚á𝑥 → 𝑚𝑜𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑓𝑙𝑒𝑡𝑜𝑟 𝑚á𝑥𝑖𝑚𝑜
𝑆 → 𝑚ó𝑑𝑢𝑙𝑜 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑠𝑖𝑠𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑔𝑎

𝑉𝑚á𝑥 24014,88
𝜎𝑐𝑖𝑠 = = = 5,749450549 𝑀𝑃𝑎
𝐴𝑎𝑙𝑚𝑎 (459𝑥10−3 )𝑥(9,1𝑥10−3 )

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝜎𝑐𝑖𝑠 → 𝑡𝑒𝑛𝑠ã𝑜 𝑑𝑒 𝑐𝑖𝑠𝑎𝑙ℎ𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜


𝐴𝑎𝑙𝑚𝑎 → á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑎 𝑎𝑙𝑚𝑎 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑔𝑎
𝑉𝑚á𝑥 → 𝑒𝑠𝑓𝑜𝑟ç𝑜 𝑐𝑜𝑟𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒 𝑚á𝑥𝑖𝑚𝑜

𝑃𝐿3 𝑤𝐿4 (2180)(9,81)(4)3 (68)(9,81)(4)4


𝑣= + = +
3𝐸𝐼 8𝐸𝐼 (3)(205𝑥109 )(0,000223613) (8)(205𝑥109 )(0,000223613)
= 0,010418195 𝑚𝑚
O valor encontrado

A deflexão se encontre dentro do limite estabelecido. Os coeficientes de segurança


para tensão de cisalhamento e tensão de flexão podem ser calculados. A tensão de
cisalhamento do aço ASTM A572 utilizada nos cálculos foi de metade da tensão
escoamento: 172,5 MPa. A tensão de flexão para esse aço encontrada na literatura é de
199 MPa.

199𝑥106
𝐶𝑆𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 = = 2,853076313
69,74927347𝑥106

172,5𝑥106
𝐶𝑆𝑐𝑖𝑠 = = 30,00286697
5,749450549𝑥106

2.3. Parafusos de sustentação da viga:

Essa etapa de dimensionamento se divide basicamente em 5 etapas:

2.3.1 Definir o numero de parafusos a serem utilizados:


Escolhe-se 6 parafusos para fixação da viga.

2.3.2 Definir o ponto de referencia “A” e as distancias para determinar a distancia


entre os parafusos:

O ponto “A” é determinado no ponto de continuação do final do tubo. Figura 7.

Figura 7: esquema para dimensionamento dos parafusos.


2.3.3 Determinar as forças em cada parafuso:

Utiliza-se a relação de semelhança de triângulos, Fig. 8.:

Figura 8: Esquema para identificar a relação das forças por semelhança de triângulos.
Pela imagem, temos as relações:
𝐹𝑐 𝐹𝑑
𝐹𝑏 = =
1,5 2
Após essa analise, faz-se: ∑ 𝑀𝐴 = 0, daí retira-se a Tabela 3.
Tabela 3: Relação para calculo das forças do parafuso

Momento em relação ao peso da carga e a talha:


Distancia para o ponto Gravidade
A(m): 3,727 (m/s²) 9,81
Massa total (kg) 2100
Peso total (N): 20601
Momento da carga
(Mcar): 76779,927
Momento em relação ao peso da viga:
Distancia para o ponto
A(m): 1,727
Massa da viga (kg): 300
Peso da viga: 2943
Momento da viga
(Mv): 5082,561
Determinação das forças pela equação: ∑ 𝑀𝐴 = 0 = 𝑀𝑐𝑎𝑟 + 𝑀𝑣 = 𝑀𝑏 (= 2 ∗
fb ∗ 0,09) + 𝑀𝑐 (= 2 ∗ Fc ∗ 1,5 ∗ 0,09) + 𝑀𝑑 (2 ∗ Fd ∗ 2 ∗ 0,09) = 1,305 ∗ 𝐹𝑏
Fb 62729,87586
Fc 94094,81379
Fd 125459,7517

2.3.4 Determinar a área dos parafusos:


Atribuindo o fator de segurança = 5 devido a sua importância no projeto, e
utilizando parafusos da classe ISO 10,9. Tab. 4.

Tabela 4: Determinação das áreas.

Coeficiente de Segurança
(CS): 5
Escolha da categoria do parafuso: ISO 10,9.
Resistência de prova: 830000000
Determinação das áreas de cada parafuso:

Ab: 377,891 ∗ 10−6
Ac: 566,836 ∗ 10−6
Ad: 755,782 ∗ 10−6

2.3.5 Comparar a área encontrada dos parafusos e comparar com os já fabricados,


para determinar o coeficiente de segurança de cada parafuso:
Dos parafusos fabricados nessa categoria, vale à pena analisar o coeficiente de
segurança dos seguintes.

Tabela 5: Área dos parafusos a serem analisados.

Tipos de Parafuso para a categoria 10,9:


M16 157 ∗ 10−6m²
M20 245 ∗ 10−6m²
M24 353 ∗ 10−6m²
M30 561 ∗ 10−6m²
M36 817 ∗ 10−6m²
Com essas áreas, compara-se os parafusos já produzidos e verifica o coeficiente de
segurança, Tab. 6.
Tabela 6: Analise do coeficiente de segurança do parafuso.

Aplicar a área aos parafusos e re-determinar o CS:


M16 M20 M24 M30 M36
CSb 2,0773 3,2417 4,6707 7,4228 10,8100
CSc 1,3849 2,1611 3,1138 4,9486 7,2067
CSd 1,0387 1,6208 2,3353 3,7114 5,4050
Portanto, define o parafuso como sendo o M30 da categoria ISO 10,9.

2.4. Eixo de conexão:

O dimensionamento do eixo foi dividido em duas etapas, a parte superior (160mm)


e a parte inferior (130mm).
2.4.1 Parte superior:
Essa etapa foi subdividida em outras 5 etapas, Tab. 7:
Tabela 7: Dimensionamento da parte superior do eixo.

Dimensões do eixo:
Raio do eixo(m): 0,08 Altura: 0,98
Área (m²): 0,020106193 Volume: 0,019704069
Momento de Inércia
3,21699E-05
((m²)²):
Forças que exercem no eixo
Tensão de
Peso compressão Momento
do peso:
Carga 19620 975818,7448 75801,87
Viga 2943 146372,8117 5484,2805
Próprio eixo: 1517,380807 75468,33 0
Talha 981 48790,93724 3790,0935
Total 1246450,824 85076,244
Tensões que exercem no eixo (Pa):
Tensão de
compressão do 1246450,824
peso:
Tensão de flexão: 211567262,1
Tensão total: 212813712,9
Seleção do material para o eixo: Aço 1045
tensão de
530000000 Densidade: 7850
escoamento:
Determinação do coeficiente de segurança:
CS: 2,490441019
2.4.2 Parte inferior:

A parte inferior é dimensionada da mesma forma, Tab.8.


Tabela 8: calculo da parte inferior do eixo

Parte inferior (130 mm):


Raio do eixo(m): 0,065 Altura: 0,03
Área (m²): 0,013273229 Volume: 0,000398197
Momento de Inércia
1,40198E-05
((m²)²):
Forças que exercem no eixo
Tensão de
Peso compressão Momento
do peso:
Carga 19620 1478163,306 75801,87
Viga 2943 221724,4959 5484,2805
Talha 981 73908,16529 3790,0935
Eixo superior 1517,380807 75468,33 0
Próprio eixo: 30,66454357 2310,255 0
Total 25092,04535 1851574,552 85076,244
Tensões que exercem no eixo:
Tensão de
compressão (do 1851574,552
peso):
Tensão de flexão: 394437644,7
Tensão total: 396289219,3
Seleção do material para o eixo: Aço 1045
Tensão de
530000000 Densidade: 7850
escoamento:
Determinação do coeficiente de segurança:
CS: 1,337407061

2.5. Rolamentos:

O sistema de conexão do braço giratório com o tubo vertical é composto por 3


rolamentos, sendo dois rolamentos de tipo radial e um de tipo axial.

2.5.1 Rolamento radial

𝛴𝑀𝑎 = 0;
−𝑅𝑏(550𝑥10−3 ) + (2100)(9,81)(3867,5𝑥10−3 ) + (272)(9,81)(1867,5𝑥10−3 ) = 0
𝑅𝑏 = 158136,3082 𝑁
𝛴𝐹𝑦 = 0;
𝑅𝑎 = 𝑅𝑏 = 158136,3082 𝑁

Cada rolamento radial deve suportar uma carga de aproximadamente 158,1 kN. A
partir do catálogo da XXX, é selecionado um rolamento que suporte tal carga e possua
dimensões admissíveis para encaixe no interno do tubo vertical.

Figura 9: Desenho rolamento radial

Figura 10: Desenho rolamento radial


Características para o rolamento axial selecionado – 16032

Tabela 9: relação de medidas segundo norma.

2.5.2 Rolamento axial

O rolamento axial deverá suportar o peso da carga, da talha, da viga e do eixo de


conexão. O peso total é:

𝑃 = 𝑃𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 + 𝑃𝑣𝑖𝑔𝑎 + 𝑃𝑒𝑖𝑥𝑜 + 𝑃𝑡𝑎𝑙ℎ𝑎 = 19620 + 2668,32 + 1548,045351 + 1765,8


= 25092,045351 𝑁

Através do catálogo da XXX e a partir do peso suportado, o rolamento pode ser


selecionado.

Figura 11: Desenho do rolamento axial.


Figura 12: Desenho do rolamento axial.

Características para o rolamento axial selecionado – 51126


Medidas conforme DIN 711/ISO 104 , atuação de um lado, desmontável

Tabela 10:Tabela de medidas segundo norma

2.6. Suporte de rolamento axial:

No cálculo do suporte do rolamento axial é admitido a seguinte hipótese:


 O suporte recebe o carregamento somente na direção vertical
 Admite-se tensão de cisalhamento e de compressão devido ao tipo de apoio
 O valor da tensão devido à compressão no suporte é calculado considerando
apenas a menor área que entra em contato com o rolamento.
 Para cálculo de tensão de cisalhamento, a área considerada corresponde à área
do plano vertical com dimensões limitadas pelo tamanho do furo, como na figura
abaixo:
Figura 13: imagem da dimensão para calculo

A área considerada no cálculo da tensão de cisalhamento é:

𝐴 = 6(0,058𝑥0,1) + 3(0,058𝑥0,012) = 0,036888 𝑚2

A tensão de cisalhamento é:

𝑃 25092,04535
𝜏= = = 680222,4395 𝑃𝑎
𝐴 0,036888

O valor da tensão de cisalhamento é relativamente baixo em relação às tensões


admitidas por aços de baixo carbono. O material para construção do suporte é AÇO
1020. O coeficiente de segurança para essa tensão é:
350000000
𝐶𝑆 = = 514,54
680222,4395
A menor área de secção transversal do suporte que apóia o rolamento axial é:

𝜋 𝜋
𝐴= [(𝑟𝑒 )2 − (𝑟𝑖 )2 ] [(0,2318)2 − (0,140)2 ] = 0,026806613 𝑚2
4 4

A tensão devido à compressão é:


𝑃 25092,04535
𝜏= = = 936039,3777 𝑃𝑎
𝐴 0,026806613

Sendo o material selecionado o AÇO AISI 1020, o coeficiente de segurança é:


350000000
𝐶𝑆 = = 373,92
936039,3777
2.7. Parafuso de fixação do suporte do rolamento axial:

O dimensionamento desse parafuso foi realizado em duas etapas, a primeira foi a analise
das forças nesses parafusos, percebeu-se então que o mesmo só sofria compressão
devido ao peso dos elementos que estão acima dele.
Na segunda foram realizados os cálculos para se determinar o diâmetro do parafuso a
ser utilizado. Esses cálculos estão com representação na tab. 11.
Tabela 11: Dimensionamento dos parafusos de suporte do rolamento radial

Dimensionamento dos parafusos do eixo:


Forças aplicadas:
somatório dos pesos: 25092,04535
Numero de parafusos: 3
CS 3
Categoria: 4.8 310000000
Tensão de suporte do parafuso: 103333333,3
Área do parafuso 8,09421 ∗ 10−5
M12 0,00008427
CS: 3,123344427

2.8. Tubo vertical:

O calculo para o dimensionamento do tubo deve ser o mais cauteloso possível, já


que ele é o suporte de toda a carga, e caso ele venha falhar, pode acarretar num grave
risco aos trabalhadores e a empresa.

Para dimensionar o tubo houve a necessidade da divisão em etapas estas foram:

2.8.1 Definição das forças atuantes:

As forças que atuam no tubo são originadas da carga puxada e dos pesos dos
outros componentes, tab. 12.
Tabela 12: Forças que atuam no tubo

Massa Momento
Peso (N) Distancia
(kg) gerado
peso da viga 300 2943 1,8635 5484,2805
peso da talha 100 981 3,8635 3790,0935
carga para
2000 19620 3,8635 75801,87
levantamento
total 2400 23544 85076,244
2.8.2 Características do tubo para o dimensionamento:
Para o dimensionamento do tubo, foi utilizado um método em que se pega o tubo e
verifica se eles suportam as tensões.o tubo encontrado segue as características, Tab. 13.
Tabela 13: Características do tubo.

Tubo:

Comprimento 4 Raio externo 0,1365


Massa nominal (kg/m) 143 Raio interno 0,1159
Massa real (kg) 572 Área do tubo: 0,016334523
Peso 5611,32 Momento de inércia (I): 0,000130942

2.8.3 Calculo das tensões no tubo:


Ao ter as características do tubo, define-se o material do tubo, e verifica se seu
coeficiente de segurança é plausível ao tipo de problema. Tab. 14.
Tabela 14: Calculo das tensões.

Calculo das tensões

Tensão devido ao
88687507,66 Aço 1045
momento
Tensão devido à tensão de
1441364,447 530000000
compressão escoamento:
Tensão devido à
343525,1932
compressão do peso:
Coef. De
Tensão Máxima 90472397,3
Segurança:
Tensão Máxima (MPa) 90,4723973 5,858140337

Devido à importância do tubo e o custo caso falhe, seu coeficiente de segurança é


bem plausível.
2.8.4 Verificação da flambagem do tubo:
Nessa etapa, verifica-se agora, se o tubo resiste a flambagem. Tab. 15.
Tabela 15: Verificação da flambagem.

Flambagem:

Comprimento da coluna sem


apoio, cujas extremidades
4
estejam pressas por pinos
(L(m)):
Modulo de elasticidade (E): 2E+11
Força de flambagem (Fflamb): 1285518,715

Coeficiente de segurança
54,60069295
devido à flambagem

2.8.5 Calculo onde a tensão é concentrada:


Existem dois pontos de concentração de tensão. O primeiro é onde é colocados os
parafusos para a sustentação do rolamento radial do eixo, e o segundo é a região que
necessita de usinagem para colocar os rolamentos axiais. Tab. 16.
Tabela 16: calculo da mudança onde se concentra a tensão

Calcular os pontos em que existe concentrador de tensão:


1- No furo dos
2- Com a usinagem para colocação dos rolamentos
parafusos:
Área: 0,015592923 Raio externo 0,1365
Raio interno 0,12
Área do tubo: 0,013296006
Momento de inércia (I): 0,000109799
Pelos dados mostra-se que a usinagem gera mais aumento de tensão do que o parafuso.
2.8.6 Recalculo das tensões:
Agora com os novos valores de área e de momento de inércia, calcula-se as tensões.
Tab. 17.
Tabela 17: Re-calculo das tensões no tubo.

Recalculando
Tensão devido ao momento 105764910,9
Tensão devido à compressão 1770757,389
Tensão devido à compressão do
422030,5111
peso:
Tensão Máxima 107957698,8
Tensão Máxima (MPa) 107,9576988
Coeficiente de segurança: 4,909330285
Mesmo com a concentração de tensão o coeficiente de segurança ainda é plausível
para sua utilização.

2.9. Base:

O base do equipamento é dimensionada em duas etapas:


2.9.1 Determinação da espessura do filete de solda entre a base e o tubo vertical:

Figura 14: Esquematização do filete de solda da base.


Neste cálculo são admitidas as seguintes hipóteses:

 Somente a solda entre a viga vertical e a base irá sustentar o equipamento;


 O tubo vertical sofre somente momento devido à elevação de carga;
 O atrito dos rolamentos é desprezado, não havendo torção no tubo vertical;
 A tensão aplicada é 0,58 × 𝜎𝑒𝑠𝑐 de acordo com Notas de sala de aula.
O diagrama de forças é novamente desenhado e em seguida a reação no tubo vertical é
determinada:

Figura 15: Esquematização das forças que interferem na base.


Figura 16: Momento fletor que é aplicado na base
Para a geometria circular a espessura do filete de solda é determinada pelas
equações:
𝑡 = 1,414ℎ
𝐼𝑈 = 𝜋𝑟 3
𝑀𝑐
𝜏1 =
𝑡𝐼𝑈
0,58 × 𝜎𝑒𝑠𝑐
𝜏𝑎𝑝 =
3

𝑀𝑐 0,58 × 𝜎𝑒𝑠𝑐 3𝑀𝑐


3
= →ℎ=
1,414ℎ𝜋𝑟 3 1,414 × 0,58𝜎𝑒𝑠𝑐 𝜋𝑟 3

3(87692,66910)(0,1325)
ℎ= = 17,3612 𝑚𝑚
1,414𝜋(0,1325)3 𝑥335𝑥106 × 0,58

𝐸𝑚 𝑞𝑢𝑒: 𝐼𝑈 → 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜 𝑚𝑜𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑜 𝑑𝑒 á𝑟𝑒𝑎


𝑀 → 𝑚𝑜𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜
𝜎𝑎𝑑𝑚 → 𝑡𝑒𝑛𝑠ã𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑙𝑒𝑥ã𝑜 𝑎𝑑𝑚𝑖𝑠𝑠í𝑣𝑒𝑙
𝐶𝑆 → 𝑐𝑜𝑒𝑓𝑖𝑐𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑟𝑎𝑛ç𝑎
𝑐 → 𝑑𝑖𝑠𝑡â𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑜 𝑐𝑒𝑛𝑡𝑟ó𝑖𝑑𝑒
𝑟 → 𝑟𝑎𝑖𝑜
ℎ → 𝑒𝑠𝑝𝑒𝑠𝑠𝑢𝑟𝑎 𝑑𝑜 𝑓𝑖𝑙𝑒𝑡𝑒 𝑑𝑒 𝑠𝑜𝑙𝑑𝑎

Portanto, para um eletrodo do tipo E60xx, a espessura deve ser de


aproximadamente 17,4 mm.
2.9.2 Dimensionamento da solda do filete de apoio:

Figura 17: Ilustração da base da talha com braço giratório.

A seguinte analogia foi adotada para a determinação da espessura do filete de solda


entre o filete de apoio e a base do equipamento:

Figura 18: Esquema da solda da mão francesa

A área referente à solda destacada na figura anterior pode ser representada como:
Figura 19: figura representando a área da solda.
Entretanto a área corresponde somente à metade da área real. O cálculo para este
tipo de fixação é dado por:

𝑑2
𝐼𝑈 = (3𝑏 + 𝑑)
6

𝑡 = 1,414ℎ

𝑀𝑐
𝜏𝑎𝑝 =
𝑡𝐼𝑈

0,58 × 𝜎𝑒𝑠𝑐
𝜏𝑎𝑝 =
𝑓𝑠

𝑓𝑠 × 𝑀𝑐
ℎ=
2 × 1,414 × 0,58 × 𝜎𝑒𝑠𝑐 𝐼𝑈

(3,0)(87692,66910)(50 × 10−3 )
=
2 × 0,82012 × 335 × 106 × (0,1)2 × (3 × 0,1 + 0,1)

13153,9004
= = 5,9847 𝑚𝑚
1098960,8 × 2

Portanto, a espessura do filete de solda entre o filete de apoio e a base deve ser de
aproximadamente 5,6 mm, para uma solda E60xx.

2.9.3 Parafusos da base:

A análise do parafuso da base foi realizada admitindo-se dois casos:

2.9.3.1 Carregamento na mesma direção da linha de direção dos filetes;


Nesse caso quando analisado lateralmente, a força está distribuída para os quatro
parafusos de modo que os dois parafusos superiores suportarão uma força maior e de
mesma intensidade.

Figura 20: Esquema do primeiro tipo de carregamento no parafuso da base

A partir da semelhança de triângulos, é possível relacionar as forças em cada


parafuso:

𝐹𝑏 𝐹𝑎
=
(35 − 15√2) (35 − 15√2) + (30√2)

35 − 15√2
𝐹𝑏 = 𝐹𝑎 ( )
35 + 15√2

A partir do somatório de momento, é possível obter o valor da forças atuantes em


cada parafuso:

𝛴𝑀 = 0;

87692,66910 = 2 (35 − 15√2)𝐹𝑏 + 2(35 + 15√2)𝐹𝑎

𝐹𝑎 = 71379,22704 𝑁
𝐹𝑏 = 17506,40102 𝑁

2.9.3.2 Carregamento na mesma linha de direção dos parafusos:

Nesse caso, apenas um parafuso suportará uma força maior que os demais parafusos.
Figura 21: Esquema do 2° tipo de carregamento da base

A partir da semelhança de triângulos é possível estabelecer a relação entre as forças


atuantes em cada parafuso:

𝐹𝑐 𝐹𝑏 𝐹𝑎
= =
50 250 550

𝐹𝑏 = 5𝐹𝑐
𝐹𝑎 = 11𝐹𝑐

Através do somatório de momento, é possível determinar o valor das forças


atuantes:

𝛴𝑀 = 0;

87692,66910 + [−𝐹𝑐(50) − 2𝐹𝑏(250) − 𝐹𝑎(550)] × 10−3 = 0

𝐹𝑐 = 10,1968 𝐾𝑁
𝐹𝑏 = 50,984 𝐾𝑁
𝐹𝑎 = 112,1650 𝐾𝑁

A maior força atuante ocorre no segundo caso, em que


𝐹𝑎 = 112,160 𝐾𝑁. A partir dessa força é possível determinar o parafuso adequado.
Construiu-se uma tabela em que é verificado para todos as classes ISO, Tab. .

Tabela 18: calculo da área do parafuso para o tipo da classe.

Tensão
Coef. De Força
mínima de Área (m²)
segurança aplicada(KN)
prova(Mpa)
3 112,1650 225 0,001496
3 112,1650 310 0,001085
3 82536,65463 380 0,000886
3 82536,65463 600 0,000561
3 82536,65463 650 0,000518
3 82536,65463 830 0,000405
3 82536,65463 970 0,000347

Considerando o parafuso pertencente à classe ISO 9,8 e o coeficiente de segurança


3,0. A área da secção transversal é:

𝐹𝑎 × 𝑓𝑠 112165000 ∗ 3
𝐴= = = 517,6846 × 10−6 𝑚2
𝜎𝑚𝑖𝑛 650 × 106

De acordo com a Tabela de áreas de parafuso do Shigley (anexo), o parafuso


adequado é o M30. Aplicando na fórmula a sua área, pode-se obter o novo fator de
segurança:
𝑀24 → 𝐴 = 353 × 10−6 𝑚2

650 × 106 × 561 × 10−6


𝑓𝑠 = = 3,2370
112165,000
3. Bibliografia:
3.1.Livros:

3.2.Catalogos:

3.3.Sites da internet:
4. Anexos: