Anda di halaman 1dari 27

Classificação e Filogenia dos

Animais
Introdução
• Somente 20% de todos os animais viventes foram descritos.
• Apenas 1% das espécies extintas são conhecidas.
• A classificação dos animais pode ter muitos propósitos.
• Os biólogos agrupam os animais de acordo com os seus
relacionamentos evolutivos e compartilhamento de características
homólogas – SISTEMA NATURAL
• A taxonomia produz um sistema formal para nominar e classificar
espécies que reflete a ordenação dos animais.
• Ajustar o sistema taxonômico para acomodar a evolução tem causado
muitos problemas e controvérsias.
Linnaeus e o Desenvolvimento da Classificação
• Aristóteles, filósofo grego e biólogo, foi o primeiro a
classificar os organismos com base em suas
similaridades estruturais.
• John Ray, naturalista inglês foi mais abrangente
acreditava que a verdadeira classificação deveria incidir
sobre os mais variados aspetos:
• Morfológicos;
• Fisiológicos;
• Funcionais;
• Comportamentais do ser vivo.
Linnaeus e o Desenvolvimento da
Classificação
• Linnaeus, foi um botânico
sueco utilizava a morfologia
para organizar espécimes em
coleções e criou o primeiro
sistema hierárquico de
classificação, cujo princípio
básico é utilizado até hoje.
• Existem sete táxons principais
para o Reino Animal.
• Hoje já se conhecem mais de
30táxons.
Nomenclatura Binomial
• Cada espécie possui um nome em latim composto por duas palavras, escrito em itálico
(ou sublinhadas).
• Gênero:
• 1ª palavra escrito com letra inicial maiúscula;
• É sempre um substantivo;
• O mesmo nome não pode ser dado a diferentes gêneros de animais;
• Epíteto de espécie:
• 2ª palavra escrita toda em letra minúscula;
• É quase sempre um adjetivo que deve concordar em gênero com o gênero
• O mesmo epíteto de espécie pode ser usado em diferentes gêneros, mas para caracterizar espécies
não relacionadas
• Ex: Turdus migratórius (Sabiá norte americano); Sitta carolinensis; Parus carolinensis; Anolis
carolinensis
• Todas as categorias (táxons) acima de gênero são escritas com a inicial maiúscula.
• Subespécie: nomenclatura trinomial.
• Turdus migratorius achrustera
Caracteres Taxonômicos e Reconstrução
Filogenética
• O maior objetivo da sistemática é o de
reconstruir a árvore filogenética;
• Busca-se caracteres, ou seja,
características únicas para avaliar a
variabilidade nas espécies e entre elas.
• Homologia – caracteres resultantes de
um ancestral comum.
• Homoplasia (Análogos) – semelhança
fenotípica de caracteres de espécies ou
populações diferentes, que não
representam uma descendência
evolutiva.
Reconstrução da Filogenia
• Qual o estado do caráter
ancestral para o grupo como
um todo?
• Polaridade de um caráter
refere-se à relação
ancestral/descendente entre
seus diferentes estados.
• ex: presença e ausência de
dentes nos amniotas;
• Comparação com o grupo
externo – anfíbios, peixes e
repteis.
Cladograma
CLADOGRAMA
• Clados são subgrupos de organismos
dentro dos grupos que
compartilham estados derivados de
caracteres.
• Um clado corresponde a uma unidade
de descendentes comuns que
evoluíram a partir de um único
ancestral.
• Fontes de informação filogenética:
• Morfologia comparada
• Bioquímica comparada
• Citologia comparada
Árvore Filogenética
Teorias Taxonômicas
• A relação entre um grupo taxonômo pode
ser expressa sob três formas
• Monofiletismo – quando inclui o ancestral
comum mais recente do grupo e todos os
descendentes desse ancestral;
• Parafiletismo – quando inclui o ancestral
comum mais recente do grupo e alguns, mas
não todos;
• Polifiletismo - quando não inclui o ancestral
recente mais comum a todos os membros do
grupo; impões ao grupo em questão pelo
menos duas origens evolutivas distintas
Teorias Taxonômica
Teoria Taxonômica Evolutiva Tradicional
• Uma teoria taxonômica estabelece os
princípios utilizados para reconhecer e
ordenar grupos taxonômicos.
• Taxonomia Evolutiva Tradicional:
• Descendência comum.
• Somatória de mudanças evolutivas
adaptativas.
• A condição de táxon superior é conferida
a um determinado ramo de uma árvore
evolutiva se este ramo representar uma
zona adaptativa distinta.
• Um táxon que possui uma zona adaptativa
distinta é denominado de grado
Teoria Taxinômica Sistemática Filogenética -
Cladística
• Enfatiza o critério da descendência comum baseada no cladograma do grupo em
estudo – Sistemática Hennigiana (Willi Hennig).
• Todos os táxons são monofiléticos.
• Os táxons são reconhecidos por seus caracteres exclusivos e não pelo
agrupamento de organismos com base na ausência destes.
• Grupos irmãos – são dois grupos monofiléticos distintos que compartilham entre
si o mesmo ancestral comum.
Sistemática Evolutiva versus Sistemática Cladistica
• Sistematas evolutivos consideram a evolução um processo quase que
linear, onde um grupo evoluiu a partir de outro
• Ex. anfíbios evoluíram a partir de peixes ósseos; aves de répteis

• Sistematas Cladistas deduzem que que um grupo descendente


evoluiu de parte de um grupo ancestral, em que o descendente não
pertence ao mesmo grupo ancestral.
• Assim o grupo ancestral é um grupo irmão.
Estado Atual da Taxonomia Animal
• Foi primeiramente estabelecida com a utilização dos princípios da
sistemática evolutiva.
• Continua-se a utilizar a ordenação Lineana;
• Evita-se afirmações que impliquem em parafiletismo e evita se referir
a grupos de organismos como sendo primitivos, mas ressaltar as
especializações – Sistema Cladístico.
Espécie
• Nossos conceitos de espécie têm-se tornado mais sofisticados;
• Critérios para definir uma espécie:
1. Descendência comum
2. Deve ser o menor agrupamento distinto de organismos;
3. Conjunto reprodutivo específico;
• Conceito Tipológico:
• As espécies são definidas por meio de características essenciais e fixas
(normalmente morfológicas) – espécime tipo;
• Os evolucionistas descartaram este conceito – o espécime tipo é apenas um
referencial
• Didelphis marsupialis Linnaeus, 1758
• Varanus niloticus (Linnaeus, 1766) originalmente era Lacerta nilotica
• Conceito Biológico: “Uma
espécie é um conjunto
reprodutivo de populações
(isoladas reprodutivamente de
outras) que ocupam um nicho
específico na natureza”.
• Contratempos:
• Qualquer espécie tem uma
ocupação espacial conhecida
como distribuição geográfica e
uma distribuição temporal
conhecida como duração
evolutiva.
• Cosmopolitas
• Endêmicas
• Conceito Evolutivo de Espécie: adicionou uma dimensão evolutiva de
tempo para o conceito biológico de espécie.
• “uma linhagem única de populações ancestrais/descendentes que mantém
sua identidade de outras linhagens e que possui tendências evolutivas e
destino histórico próprios”
• Conceito Filogenético de Espécie:
• “menor grupo de organismos diagnosticáveis e distintos de outros
agrupamentos em que existe um padrão parental de ancestralidade e
descendência”.
• É estritamente um grupo monofilético e não agruparia espécies disjuntas
geograficamente
Principais
Divisões da Vida
Questões
• Coloque em sequência, do mais particular para o mais geral, as principais categorias da
classificação lineana como aplicada atualmente aos animais.
• Explique por que o sistema de nominação de espécies originado com Linnaeus é
“binomial”.
• Diferencie o conceito biológico de espécie do conceito tipológio.
• Porque o conceito biológico é o preferido pelos biólogos evolutivos?
• Como diferem os táxons monofilético, parafilético e polifilético?
• Como são reconhecidos os caracteres taxonômicos?
• Diferencie um cladograma de uma árvore filogenética?
• Quais os problemas identificados com o conceito biológico de espécie? Como cladistas e
evolucionistas interpretam a afirmação de que os seres humanos evoluíram dos
macacos?