Anda di halaman 1dari 2

Vistos, etc.

Tratam os autos de EXECUÇÃO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA aplicada a Eberson


Santos Almeida, por prática de ato infracional, e concedida sede de remissão com suspensão do processo.
Em razão do decurso do tempo, sem o devido cumprimento da medida os autos vieram-me
conclusos.
É o breve relatório, passo a decidir:
Aplica-se às medidas socioeducativas o instituto da prescrição, que é causa extintiva da
punibilidade, tendo em vista o entendimento consolidado no Superior Tribunal de Justiça, a partir do
Enunciado nº 338 da Súmula daquela Corte Superior. De acordo com o Superior Tribunal de Justiça, o prazo
prescricional da pretensão socioeducativa é, em regra, de 04 anos, levando em consideração o prazo máximo
de cumprimento da medida de internação que é de 03 anos (art. 121, § 3º, do ECA), e tendo em vista que
deve ser aplicado aos parâmetros previstos no artigo 109, do Código Penal, a redução à metade imposta pelo
artigo 115, do mesmo Diploma Legal. O STJ, levando em consideração o critério da proporcionalidade e
baseado em diretriz político sancionatória mais benéfica, entende ainda que o prazo prescricional deve ser
aquele calculado com base na pena privativa de liberdade máxima cominada em abstrato em cada tipo penal,
com a redução do artigo 115 do Código Penal, se a situação do adulto revelar lapso menor, de modo que tal
prazo prescricional seja mais benéfico ao adolescente, conforme ementa a seguir:

ECA. HABEAS CORPUS. ATO INFRACIONAL ANÁLOGO AO ART. 309, CTB. PENA MÁXIMA.
DETENÇÃO, 1 ANO. PRESCRIÇÃO. DOIS ANOS. EXTINÇÃO DA MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA.
DECLARAÇÃO.

1. O critério fixado pela jurisprudência desta Corte relativamente à prescrição das medidas sócio-
educativas consiste na consideração do prazo máximo de três anos, aplicável à internação. Assim,
de acordo com as regras do Código Penal, tendo em conta tal indicativo, a prescrição seria de oito
anos, mas, como todos os agentes de atos infracionais são menores, tem-se a diminuição pela
metade, ou seja, passando, então, a quatro anos. Contudo, ancorando-se em diretriz político
sancionatória mais benéfica, tem-se considerado prazo inferior, nas hipóteses em que a situação do
adulto revele lapso menor.

2. Ordem concedida para declarar extinta a medida sócio-educativa imposta à paciente, no seio do
processo n. 270/03, da 2.ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Vinhedo/SP. (Processo HC
57825 SP 2006/0083306-2 Orgão Julgador T6 - SEXTA TURMA Publicação DJe 03/08/2009
Julgamento 18 de Junho de 2009 Relator Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA)

Quanto à prescrição da pretensão executória o prazo prescricional deve ter por parâmetro,
tratando-se de medida socioeducativa aplicada sem termo, a duração máxima da medida de internação (três
anos), ou, havendo termo, a duração da medida socioeducativa estabelecida pela sentença.
No caso em tela, o Educando fora apreendido em razão da suposta prática de ato infracional
praticado em 15 de maio de 2012 e teve o procedimento de apuração do ato infracional suspenso em 7 de
maio de 2013, com aplicação de medida socioeducativa de Liberdade Assistida pelo período mínimo de seis
meses, já tendo transcorrido lapso temporal superior à exigência legal para a declaração da extinção da
punibilidade.
Assim, declaro EXTINTO o presente processo de execução de medida socioeducativa
aplicada a Eberson Santos Almeida, diante da incidência do disposto no artigo 109, inciso IV, no artigo 110,
caput e no artigo 115, todos do Código Penal e considerando o que dispõe o art. 46, V, da Lei do SINASE.
Proceda-se ao arquivamento dos Autos, com a devida baixa, após o trânsito em julgado.
Publique-se. Registre-se. Intime-se.