Anda di halaman 1dari 41

ELEMENTOS

DE
MÁQUINAS

Prof. Esp. Diego Rosa


E-mail: profdiegorosa@gmail.com
• Elementos de fixação;
• Elementos elásticos;
• Elementos de apoio;
• Elementos de transmissão;
• Elementos de vedação;
• Junções; e
• Acoplamentos.

Principais tipos de
elementos
2. ELEMENTOS DE FIXAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO • Parafusos; • Cavilhas;
• Porcas; • Anéis elásticos;
• Arruelas; • Chavetas; e
• Contra porca; • Contra pino.
• Pinos;
• Rebites;
TIPOS DE UNIÕES
• Quanto ao movimento das partes
unidas:
➢ Uniões fixas: é quando impedem
totalmente o movimento relativo das
peças assegurando uma determinada
posição entre elas independente da
intensidade das solicitações externas.
Ex: estrutura rebitada.
➢ Uniões móveis: é quando somente
alguns movimentos são evitados. Ex:
uso de dobradiças em geral.
➢ Uniões elásticas: é quando existe entre
as peças unidas um elemento elástico
que permite um deslocamento limitado
entre as partes unidas. Ex: a união da
suspensão de um automóvel à
carroceria.
TIPOS DE UNIÕES

• Quanto a facilidade de separação das


partes:
➢ Uniões provisórias (desmontáveis):
quando permite a montagem e
desmontagem com certa facilidade sem
danificar as peças e componentes. Ex: a
união das rodas de um automóvel por
meio de parafusos.
➢ Uniões permanentes: quando a
separação das partes unidas danificar
alguma das peças. Ex: união de uma
cadeira por meio de rebites.
1. REBITES
• É um elemento de fixação
permanente formado por um corpo
cilíndrico e uma cabeça usado em
uniões de duas ou mais peças. Em
geral é fabricado de aço, alumínio,
cobre e latão.
1. REBITES
• Aplicações:
1. REBITES
• Aplicações:
1. REBITES
• Tipos:
1. REBITES
Proporções
padronizadas
dos rebites:
Especificação: para adquirir os rebites adequados ao seu trabalho,
é necessário que você conheça suas especificações, ou seja

De que material é feito;

O tipo de sua cabeça;

1. O diâmetro do corpo;e

REBITES O seu comprimento útil.

Exemplo: solicitar rebites de aço 1010, com cabeça redonda,


diâmetro de 1”/4 e comprimento útil de 3”/4.

Exemplo: Material do rebite - rebite de aço ABNT 1006 - 1010; Tipo


de cabeça: redonda; Diâmetro do corpo: 6,35 mm(¼”);
Comprimento útil 19,05mm(¾”)
1. REBITES
• Exemplo:
1. REBITES
• ABNT NBR 9580/15 – Rebites – especificação
• Objetivo: Estabelece os requisitos para
aceitação e/ou recebimento de rebites
normalizados, destinados a uso geral, desde
que particularidades não sejam definidas em
cada padronização específica. Os requisitos,
segundo esta Norma, também se aplicam aos
rebites não padronizados, desde que haja
acordo entre comprador e fornecedor.
2. PARAFUSOS

• Definição: é uma peça formada por


um corpo cilíndrico roscado e uma
cabeça, que pode ter várias formas.
2. PARAFUSOS

• Roscas: é uma saliência de perfil


constante, helicoidal, que se
desenvolve de forma uniforme,
externa ou internamente, ao redor de
uma superfície cilíndrica ou cônica.
Essa saliência é denominada filete.
Em outras palavras podemos dizer
que as roscas são um conjunto de
filetes.
2.
PARAFUSOS
• Roscas: os filetes
podem apresentar
perfis diferentes como
mostra a tabela
2. PARAFUSOS
• Roscas: nomenclatura
2. PARAFUSOS

• Parafusos passantes: Esses parafusos


atravessam, de lado a lado, as peças a serem
unidas, passando livremente nos furos.
Dependendo do serviço, esses parafusos, além
das porcas, utilizam arruelas e contra porcas
como acessórios. Os parafusos passantes
apresentam-se com cabeça ou sem cabeça.
2. PARAFUSOS

• Parafusos não
passantes: São
parafusos que não
utilizam porcas. O papel
de porca é
desempenhado pelo
furo roscado, feito numa
das peças a ser unida.
2. PARAFUSOS
• Parafusos de pressão: Esses
parafusos são fixados por meio de
pressão. A pressão é exercida pelas
pontas dos parafusos contra a peça a
ser fixada. Os parafusos de pressão
podem apresentar cabeça ou não.
2. PARAFUSOS
• Parafusos prisioneiros: São parafusos sem cabeça com rosca
em ambas as extremidades, sendo recomendados nas
situações que exigem montagens e desmontagens
frequentes. Em tais situações, o uso de outros tipos de
parafusos acaba danificando a rosca dos furos. As roscas dos
parafusos prisioneiros podem ter passos diferentes ou
sentidos opostos, isto é, um horário e o outro anti-horário.
Para fixarmos o prisioneiro no furo da máquina, utilizamos
uma ferramenta especial. Caso não haja esta ferramenta,
improvisa-se um apoio com duas porcas travadas numa das
extremidades do prisioneiro. Após a fixação do prisioneiro
pela outra extremidade, retiram-se as porcas. A segunda
peça é apertada mediante uma porca e arruela, aplicadas à
extremidade livre do prisioneiro. O parafuso prisioneiro
permanece no lugar quando as peças são desmontadas.
2. PARAFUSOS
2. PARAFUSOS
2. PARAFUSOS
2. PARAFUSOS
2. PARAFUSOS
• ABNT NBR 8855 – Propriedades mecânicas de
elementos de fixação – parafusos e
prisioneiros.
• Objetivo: Esta Norma fixa as características
mecânicas de parafusos e prisioneiros quando
ensaiados à temperatura ambiente (ver PB-
18). As propriedades mecânicas variam com a
temperatura alta ou baixa.
• Pelo catálogo: cancelada sem substituição.
3. PORCAS

• Definição: Porca é uma peça de forma


prismática ou cilíndrica geralmente
metálica, com um furo roscado no
qual se encaixa um parafuso, ou uma
barra roscada.
4. ARRUELAS

• Definição: são peças cilíndricas, de


pouca espessura, com um furo no
centro, pelo qual passa o corpo do
parafuso. Servem basicamente para:
➢ Proteger a superfícies das peças;
➢ Evitar deformações nas superfícies de
contatos;
➢ Evitar que a porca afrouxe;
➢ Suprimir folgas axiais na montagem
das peças;
➢ Evitar desgaste da cabeça do parafuso
e da porca.
4. ARRUELAS
• Tipos de arruelas
➢ Arruela lisa: Além de distribuir
igualmente o aperto, a arruela lisa
tem, também, a função de melhorar
os aspectos do conjunto. A arruela
lisa por não ter elemento de trava, é
utilizada em órgãos de máquinas
que sofrem pequenas vibrações.
4. ARRUELAS
• Tipos de arruelas
➢ Arruela de pressão: A arruela de
pressão é utilizada na montagem de
conjuntos mecânicos, submetidos a
grandes esforços e grandes
vibrações. A arruela de pressão
funciona, também, como elemento
de trava, evitando o afrouxamento
do parafuso e da porca. É, ainda,
muito empregada em equipamentos
que sofrem variação de temperatura
(automóveis, prensas etc.).
4. ARRUELAS
• Tipos de arruelas
➢Outros tipos:
5. PINOS
• Definição: o pino uni peças articuladas, ou seja, uma das peças podem se
movimentar por rotação. São usados em junções resistentes a vibrações.
6. CAVILHAS
• Definição: A cavilha é uma peça
cilíndrica, fabricada em aço, cuja
superfície externa recebe três
entalhes que formam ressaltos. A
forma e o comprimento dos entalhes
determinam os tipos de cavilha. Sua
fixação é feita diretamente no furo
aberto por broca, dispensando-se o
acabamento e a precisão do furo
alargado.
7. CONTRA PINO
• Definição e uso: o contra pino ou
cupilha é uma haste ou arame de
forma semelhante a um meio
cilindro, dobrado de modo a fazer
uma cabeça circular e tem duas
pernas desiguais. Introduz-se o
contra pino ou cupilha num furo na
extremidade de um pino ou
parafuso com porca castelo. As
pernas do contra pino são viradas
para trás e, assim, impedem a saída
do pino ou da porca durante
vibrações das peças fixadas.
8. ANÉIS ELÁSTICOS
• Definição: O anel elástico é um elemento usado em eixos ou furos, tendo
como principais funções:
➢ Evitar deslocamento axial de peças ou componentes;
➢ Posicionar ou limitar o curso de uma peça ou conjunto deslizante sobre o eixo.

✓OBS.: deslocamento axial é o movimento no sentido longitudinal do eixo.


8. ANÉIS ELÁSTICOS
• Utilização:
➢ A dureza do anel deve ser adequada aos elementos que trabalham com
ele;
➢ As condições de operação são caracterizadas por meio de vibrações,
impacto, flexão, alta temperatura ou atrito excessivo;
➢ Em aplicações sujeitas à corrosão, os anéis devem receber tratamento
anticorrosivo adequado;
➢ Utilizar ferramentas adequadas para evitar que o anel fique torto ou
receba esforços exagerados;
➢ Montar o anel com a abertura apontando para esforços menores, quando
possível;
➢ Nunca substituir um anel normalizado por um “equivalente”, feito de
chapa ou arame sem critérios.
8. ANÉIS ELÁSTICOS
Normas DIN 471 e 472.
• Definição: É um elemento mecânico
fabricado em aço. Sua forma, em geral, é
retangular ou semicircular. A chaveta se
interpõe numa cavidade de um eixo e de
uma peça. Tem por finalidade ligar dois
elementos mecânicos.
9.
CHAVETAS
10. CHAVETAS
10. CHAVETAS
• NBR 6441/91 - Furos, chavetas, rasgos para
chavetas e linguetas de arraste, utilizados em
ferramentas com furo cilíndrico e cônico de
conicidade 1:30
• 10/2016: Publicada confirmação
• Objetivo: Esta Norma padroniza as dimensões,
tolerâncias e demais condições referentes aos
furos, chavetas, rasgos para chavetas e linguetas
de arraste, utilizadas em ferramentas com furo
cilindro e cônico de conicidade 1:30.